Printer Friendly

World Cup 2014: Analysis of the Impact of Revenue and Sales Volume of Commerce, Services and Industrial Production in the Brazilian States/Copa do mundo de futebol 2014: analise do impacto da receita e volume de vendas do comercio, dos servicos e da producao industrial nos estados brasileiros/Analisis de impacto en los ingresos y volumen de ventas de Comercio, Servicios y Produccion industrial en el brasileno: Copa Mundial de Futbol 2014.

1. Introducao

A Copa do Mundo de Futebol 2014 aconteceu no Brasil, entre junho e julho, em meio a protestos, greves e discussoes a favor e contra sua realizacao. Muitos afirmavam que o evento traria beneficios e outros apontavam apenas os transtornos que o evento causaria. Instigado por algumas noticias vinculadas na midia apos a Copa do Mundo onde alguns comerciantes nao ficaram satisfeitos com as vendas durante o evento e outras noticias informando o saldo positivo para os negocios, que o presente trabalho foi idealizado com o objetivo de verificar o real impacto no volume de vendas e receita nominal do comercio varejista, na receita de servicos e na producao industrial.

Segundo inferencias de alguns autores como Mankiw (2001) e Krugman e Wells (2007), o comercio nos infere que comercializando com outros, as pessoas compram uma variedade maior de bens e servicos a um custo menor, visto que ele permite que as pessoas se especializem nas atividades que sao mais habilidosas Comercio e a chave para um padrao de vida melhor, o meio em que as pessoas dividem as tarefas entre si, cada um oferece um bem ou servico que outras pessoas desejam em troca de bens e servicos diferentes.

Em paises subdesenvolvidos como o Brasil o setor de servicos se apresenta de um lado moderno e organizado, conectado a industria produtiva, e de outro um setor que absorve mao de obra excedente, de baixa produtividade, e tambem pessoas excluidas do mercado formal. Apesar dessas visoes, o setor vem sendo considerado elemento dinamico da economia, com crescente participacao no produto e no emprego principalmente pelos servicos que sao empregados durante o processo produtivo em empresas e os servicos pessoais, destinados aos consumidores finais, fascinados pelo consumismo em massa (Diniz, 2007).

As industrias sao consideradas o foco estrategico daqueles paises que desejam superar a situacao de dependencia economica. Por meio das industrias e possivel uma producao com maior valor agregado, progresso tecnico, melhor insercao no cenario internacional, tudo isso contribuindo para o desenvolvimento (Gadelha, 2006).

O trabalho se justifica pela importancia que o comercio, industria e servicos desempenham em uma economia como geradores de valor, gerador de empregos e distribuicao de renda. Os setores se interligam, a familias possuem necessidades ilimitadas de bens e servicos e encontram seus produtos no mercado porque empresas estao dispostas a produzir bens e servicos e comercializa-los para obter lucros. As empresas para a producao de bens e servicos necessitam dos fatores de producao que encontram nas familias, como exemplo a mao de obra (Passos & Nogami, 1998).

Tudo o que e comercializado precisa antes ser produzido, e em virtude do comercio que pessoas, empresas, paises se concentram naquilo que produzem melhor, e o que Ricardo chamou de vantagem comparativa (Stiglitz & Walsh, 2003). Nessa perspectiva surge a problematica: a receita e volume de vendas do comercio varejista, receitas de servicos e producao industrial foram impactados significativamente pela realizacao da Copa do Mundo de Futebol 2014?

O objetivo principal e analisar se o evento Copa do Mundo de Futebol 2014 impactou de forma significativa no volume de vendas e receita nominal do comercio varejista, receita de servicos e producao industrial nos estados brasileiros que foram sede e os que nao foram sede dos jogos. Para isso foi preciso verificar o comportamento dessas variaveis no periodo de realizacao do evento e nos 20 meses e 3 meses antes e depois da Copa do Mundo.

O artigo esta estruturado da seguinte forma: na primeira secao apresenta-se a introducao com objetivo e justificativas. Na segunda secao esta o Referencial Teorico com topicos sobre comercio e servicos, producao industrial, Copa do Mundo no Brasil e uma breve explicacao sobre as pesquisas mensais do IBGE. Na terceira secao e apresentada a metodologia utilizada, na quarta secao os resultados, na quinta as consideracoes finais e por fim as referencias utilizadas.

2. Referencial Teorico

Em uma economia existem elos entre os agentes economicos--familias, empresas e governo. As empresas produzem bens e servicos para venda, para isso precisam transformar varios insumos (fatores de producao) como terra, capital e trabalho em produtos. A quantidade de produtos que uma empresa produz depende da quantidade de insumos, essa relacao e a funcao de producao (Krugman & Wells, 2007).

As empresas empregam membros das familias que sao os proprietarios dos fatores de producao, as familias recebem renda e a compartilham em troca de outros bens e servicos. Empresas e familias usam parte de sua renda para pagar impostos ao governo. O governo com a receita dos impostos emprega membros das familias e paga suas despesas com bens e servicos (Krugman & Wells, 2007; Mankiw, 2001).

2.1. Comercio e servicos

O comercio, funcao urbana onde sao trocadas mercadorias, tem sua origem ligada a historia da humanidade. Surgiu a partir do momento em que a producao ultrapassou o necessario para sobrevivencia, ou seja, foi a producao de excedente que permitiu o intercambio. O aperfeicoamento dos meios de producao, principalmente pelo aprimoramento das tecnicas aumentou a producao e em consequencia a atividade comercial se intensificou (Cleps, 2004; Freire, 2010).

Segundo Krugman e Wells (2007), o comercio e a chave para um padrao de vida melhor, ele e o meio em que as pessoas dividem as tarefas entre si, cada um oferece um bem ou servico que outras pessoas desejam em troca de bens e servicos diferentes. Dessa divisao de tarefas surge a especializacao. Quando os individuos se especializam a economia produz mais. Gracas aos mercados e possivel que as pessoas se especializem e troquem seus bens e servicos.

Na Inglaterra, por volta de 1750, ja se verificava o desaparecimento dos camponeses diante das grandes propriedades agricolas. No inicio do seculo XVIII, com a modernizacao da agricultura, as familias que viviam nas zonas rurais migravam para as cidades com apenas uma solucao, vender sua forca de trabalho, em troca de baixos salarios, nos grandes centros industriais que se multiplicavam em ritmo acelerado. A Revolucao Industrial transformou as regras do trabalho e convivio social e possibilitou transformacoes economicas e sociais. Os lucros altissimos foram a base da formacao da sociedade industrial (Freire, 2010; Scandelai, 2010; Ugarte, 2004).

De acordo com Diniz (2007) o setor de servicos e caracterizado pela nao producao de bens materiais, pela intangibilidade, inestocabilidade e simultaneidade entre producao e consumo. Pode-se verificar nos paises subdesenvolvidos, como o Brasil, de um lado o setor de servicos moderno e organizado conectado a industria produtiva e de outro um setor que absorve mao-de-obra excedente de baixa produtividade e tambem pessoas excluidas do mercado formal. Apesar dessas visoes o setor vem sendo considerado elemento dinamico da economia, com crescente participacao no produto e no emprego principalmente pelos servicos que sao empregados durante o processo produtivo em empresas. Tem destaque tambem os servicos pessoais, destinados aos consumidores finais, fascinados pelo consumismo em massa muito ligados as inovacoe.

Kureski e Delgado (2012) enfatizam que a atividade de servicos e importante, e a partir de 1970 tem possibilitado uma nova estruturacao com a emergencia de empresas transnacionais de servicos, criacao de novas funcoes ocupacionais e ligacao dos servicos como elemento de agregacao de valor aos produtos industriais. Algumas atividades ligadas aos servicos, particularmente ligados a tecnologia de informacao e comunicacao, constituem importante vetor de inovacao e crescimento economico para os paises. Os setores de servicos de saude e educacao constituem o sistema de protecao social dos paises.

A dinamica economica dos paises no longo prazo e um processo de transformacao estrutural onde a geracao de renda e emprego se inicia na agricultura, se deslocando para a industria passando pelo setor de comercio e servicos (1) (Carvalho, 2004; Kureski & Delgado, 2012).

Durante muitos anos ocorreu grande debate na literatura sobre o carater produtivo ou improdutivo dos setores do comercio e servicos. Atualmente nao se tem duvidas que esses setores, juntamente com o setor industrial, sao a base de uma economia, gerador e distribuidor de renda e gerador de empregos, alem de serem setores que se interligam (Carvalho, 2004).

Para demonstrar essa ligacao, Mariano (2007) enfatiza que a atividade comercial esta na ponta do ciclo de producao de mercadorias e e sensivel as variacoes conjunturais. As novas tecnologias e os novos processos produtivos podem alterar a utilizacao de mao-de-obra nas atividades industriais. E crescente a participacao do setor de comercio e servicos tanto nos paises desenvolvidos quando nos paises perifericos. A tendencia e que se reduza cada vez mais o numero de pessoas envolvidas durante a producao de bens e mais pessoas envolvidas nas atividades comerciais.

2.2. Producao Industrial

A producao e a base do sistema economico de um pais, o desenvolvimento e alcancado por uma nacao se for alcancado a eficiencia do sistema produtivo, transformando materiais, energia e trabalho em produtos tangiveis e intangiveis por meio de processos produtivos e tecnologicos (Paranhos Filho, 2007).

Para satisfazer as necessidades ilimitadas que possui, o homem envolve-se no ato de producao, "atividade social que visa adaptar a natureza para criacao de bens e servicos que permitem a satisfacao das necessidades humanas" (Gremand, Vasconcellos & Toneto Junior, 2007, p. 54). Os individuos para obterem o que necessitam devem trocar seus produtos no mercado por moeda e comprar os outros bens de que necessitam. A producao e a principal atividade economica a ser medida pois reflete a capacidade de satisfacao das necessidades dos membros da sociedade.

A industrializacao e sinonimo de desenvolvimento e paises industrializados apresentam tambem maiores rendas per capita, e melhor condicao de vida da populacao como saude, educacao e infra estrutura por exemplo (Paranhos Filho, 2007).

Neste sentido Gadelha (2006) cita que as industrias sao consideradas o foco estrategico daqueles paises que desejam superar a situacao de dependencia economica. Por meio das industrias e possivel uma producao com maior valor agregado, progresso tecnico, melhor insercao no cenario internacional, tudo isso contribuindo para o desenvolvimento. No nivel politico a industria possibilitaria uma alianca entre a burguesia industrial e os trabalhadores, em detrimento aos segmentos primario-exportadores tidos como atrasados. Em sintese a luta pelo desenvolvimento e a luta pela industrializacao.

A decada de 1930 e marcada pela estagnacao e declinio da producao cafeeirae inicio do processo de industrializacao no Brasil, atraves de um processo chamado de substituicao de importacoes. A industrializao teve por caracteristica ser fechada, ou seja, voltada para o mercado interno nao para exportacao e depedente de protecionismo (Deitos, 2012; Gremand, Vasconcellos & Toneto Junior, 2007).

A industrializacao acelerada do Brasil entrou na agenda politica entre o posguerra e o final dos anos 1970 e foi impulsionada por politicas industriais, fortaleceram-se nessa epoca diversos atores politicos: associacoes industriais, sindicatos patronais e de trabalhadores, orgaos regionais e setoriais (Suzigan & Furtado, 2006).

2.3. Brasil e a Copa do Mundo de Futebol

Em outubro de 2007 ocorreu o sorteio pela Federation Internationale de Football Association (FIFA) que escolheu o Brasil para ser sede da Copa do Mundo de Futebol 2014. Em meados de 2009 foram escolhidas as 12 cidades que foram sede dos jogos, evento que ocorreu entre 12 de junho e 13 de julho de 2014 (Domingues, Bertarelli Junior & Magalhaes, 2011; Gloria Junior, 2015).

Foi gerada, principalmente influenciada pelos meios de comunicacoes, uma grande expectativa e tambem discussoes positivas e pessimistas a respeito da realizacao do evento, especialmente na questao dos beneficios economicos que o evento traria para o pais, os gastos com as obras de infraestrutura urbana, reformas/construcao de estadios, alem dos fluxos turisticos (Domingues et al., 2011; Ribeiro, Soares & Dacosta, 2014; Gloria Junior, 2015).

Pace, Hardt e Figueiredo (2015) citam em seu estudo que grandes eventos promovem alteracoes no ambiente cultural, politico, social e economico. Sao projetadas para promover resultados positivos como a criacao de infraestrutura necessaria, porem ao mesmo tempo surgem conflitos, pois dificilmente as receitas vao cobrir os custos no curto prazo. As consequencias podem se estender para a fase pos-evento, principalmente em longo prazo para o turismo, para a industria e para a entrada de capital financeiro. Esses eventos desencadeiam tambem outros fatores positivos, como aumento do numero de visitantes, aumento da visibilidade e possibilidades de comercializacao que catalisam negocios, melhoria na seguranca e transporte.

Bayar e Schaur (2014) enfatizam que eventos como a Copa do Mundo proporcionam impactos positivos sobre o comercio, principalmente no quesito visibilidade aumentando as exportacoes temporariamente em 5%, pois o evento e acompanhado por pessoas de toda parte do mundo.

Porto e Ceron (2013) afirmavam que a Copa do Mundo traria inumeros beneficios economicos, que a economia iria deslanchar como uma bola de neve, onde os investimentos iriam quintuplicar e gerar um impacto em diversos setores do pais, principalmente gerando empregos. Gloria Junior (2015) enfatiza que esse tipo de evento esportivo representa uma ferramenta de comunicacao mais promissora da atualidade e que as promocoes e propagandas de vendas sao direcionadas de forma consistente ao publico interessado no evento.

Conforme Portal da Copa no site do Governo Federal Brasileiro sobre a Copa do Mundo FIFA 2014 (http://www.copa2014.gov.br/pt-br/noticia/governo-federal-fifae-cbf-apresentam-legados-da-copa-do- mundo-de-2014, recuperado em 16, junho, 2016), a Copa das Confederacoes adicionou R$ 9,7 bilhoes ao PIB brasileiro, e a expectativa era que a Copa do Mundo gerasse cerca de 3 vezes mais. Esperava-se que os setores que mais contribuissem para o resultado seriam a construcao civil, turismo, servicos, economia criativa, artesanato, alimentos, confeccao e comercio varejista tendo em vista o grande numero de turistas no pais.

Nao foi encontrada pesquisa exatamente com o mesmo objetivo que o presente trabalho, onde utilizassem dados fornecidos pelo IBGE de industria, comercio e servicos para verificar se a Copa do Mundo influenciou nessas atividades. Domingues, Bertarelli Junior e Magalhaes (2011) apresentam um estudo no sentido economico onde verificaram os impactos dos investimentos em infraestrutura urbana e esportiva para a Copa do Mundo 2014 no Brasil e concluiram que quanto maior a utilizacao de recursos publicos no financiamento dos investimentos da Copa 2014, menor seu impacto economico.

Se verifica nos noticiarios no Portal da Copa no site do Governo Federal Brasileiro sobre a Copa do Mundo FIFA 2014 (http://www.copa2014.gov.br/ptbr/noticia/governo-federal-fifa-e-cbf- apresentam-legados-da-copa-do-mundo-de- 2014, recuperado em 16, junho, 2016), que o legado da Copa foi positivo, nao so para o bem estar da populacao, mas tambem para o desenvolvimento. Um exemplo foi na cidade de Porto Alegre, onde a demanda do comercio, bares, restaurantes e similares, tiveram um aumento de cerca de 50%, os servicos de turismo aumentaram 40% e a rede hoteleira verificou uma ocupacao media de 80%.

Em contrapartida, outros noticiarios no portal UOL em Noticias sobre a Copa do Mundo (http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/06/27/copa-domundo-decepciona-comercio-e-restaurantes- setor-preve-perda-no-rio.htm, recuperado em 16, junho, 2016) informam que comerciantes, principalmente do Rio de Janeiro, nao ficaram satisfeitos com a Copa do Mundo, alegando nao obtencao de lucros. Estes informaram que os feriados atrapalharam o movimento e apenas aqueles estabelecimentos localizados ao redor dos estadios verificaram aumento expressivo nas vendas.

2.4. Pesquisas mensais do IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE) divulga mensalmente a Pesquisa Mensal de Comercio, a Pesquisa Mensal de Servicos e a Pesquisa Industrial Mensal, cujos indicadores fornecem dados do comportamento conjuntural desses setores no Brasil, esses indicadores foram a base de dados da pesquisa (Intituto Brasileiro de Geogradia e Estatistica [IBGE], 2016).

A Pesquisa Mensal de Comercio (PMC) pesquisa atualmente 5.700 empresas distribuidas nas 27 Unidades da Federacao que possuem 20 ou mais pessoas ocupadas. Essas empresas sao classificadas em 10 grupos, com base na Classificacao Nacional de Atividades Economicas (CNAE), cuja atividade principal e o comercio varejista, sendo que apenas dois grupos sao do atacado e varejo (IBGE, 2016).

Para o comercio sao fornecidos dois indicadores: Receita Nominal de Vendas e Volume de Vendas. Neste trabalho foram considerados os indicadores ampliados, onde abrange os 10 grupos. Para os anos estudados nessa pesquisa os valores sao deflacionados basicamente com base no IPCA de 2011 (IBGE, 2016).

A Pesquisa Mensal de Servicos (PMS) investiga a receita bruta de servicos de 9.300 empresas, distribuidas nas 27 Unidades da Federacao, constituidas por 20 ou mais pessoas ocupadas, cuja receita provenha predominantemente da atividade de prestacao de servicos. A PMS abrange 5 grupos de atividades empresariais naofinanceiras e seus principais segmentos classificados pela CNAE, excluidas as areas de saude e educacao (IBGE, 2016).

A Pesquisa Industrial Mensal (PIM) investiga a producao fisica das industrias, mas nao abrange os seguintes estados: Rondonia, Acre, Roraima, Amapa, Tocantins, Maranhao, Piaui, Rio Grande do Norte, Paraiba, Alagoas, Sergipe, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goias. O criterio de selecao dos estados foram os que responderam por pelo menos 1,0% do Valor da Transformacao Industrial, tomando-se como referencia o resultado da PIA-Empresa 2010, alem da Regiao Nordeste (IBGE, 2016).

3. Metodologia

O presente trabalho teve natureza descritiva com procedimento bibliografico e abordagem quantitativa. Utilizou testes estatisticos de hipoteses para comparar duas medias emparelhadas. Foram feitas comparacoes das medias no periodo do evento, em periodos anteriores e posteriores a Copa do Mundo para os estados que foram sede e os que nao foram sede dos jogos.

As variaveis utilizadas para o setor comercial foram os indicadores fornecidos pelo IBGE atraves da PMC, indices de volume de vendas ampliado e indices de receita nominal ampliado. Para o setor de servicos foi utilizado os indices de receita nominal de servicos fornecido pelo IBGE atraves da PMS. Para o setor industrial foi utilizado os Indicadores da Producao Industrial retirado do IBGE atraves da PIM.

O periodo de realizacao do evento foi junho e julho de 2014. A analise foi feita comparando os 20 meses anteriores ao evento (outubro/2012 a maio/2014) com os 20 meses depois da Copa (agosto/2014 a marco/2016), periodo maximo de dados que se tem disponivel publicado pelo IBGE para os meses posteriores ao evento. Outra analise foi feita comparando os 3 meses anteriores (marco, abril e maio/2014) com os 3 meses posteriores a Copa (agosto, setembro e outubro/2014) para verificar como estava o cenario no periodo imediato de preparacao para o evento, nesse periodo se supoe que os setores comercio, servico e industria estivessem mais aquecidos em decorrencia da Copa.

Para verificar a influencia da Copa do Mundo na receita e volume de vendas do comercio varejista, receita de servicos e producao industrial nos meses de realizacao do evendo, foi utilizada a media dos indicadores dos dois meses anteriores a Copa (abril e maio/2014) comparando-os com a media dos dois meses de duracao da Copa (junho e julho/2014), e a media dos indicadores do periodo de realizacao do evento com a media dos dois meses posteriores (agosto e setembro/2014).

A populacao do estudo sao os 27 estados brasileiros mais o Distrito Federal. Como nem todos os estados brasileiros tiveram jogos da Copa do Mundo de Futebol a amostra foi dividida nos 12 estados que foram sede da Copa e nos 15 estados que nao foram, para a analise do comercio e servicos, conforme Quadro 1.

Para a analise do setor industrial a amostra foi ainda mais reduzida em virtude de nao divulgacao dos dados pelo IBGE. Para os estados sede da Copa do Mundo de Futebol foram retirados Mato Grosso e Distrito Federa totalizando 10 estados. Para os estados que nao foram sede dos jogos foram considerados apenas 4 estados sao eles: Para, Espirito Santo, Santa Catarina, Goias.

O teste t e aplicado para verificar se as medias de duas amostras relacionadas com distribuicao normal sao ou nao significativamente diferentes. O teste exige a normalidade dos dados de cada amostra e que as variancias sejam iguais. Se verificou a normalidade pelo teste de Shapiro-Wilk, mais indicado para pequenas amostras (<30) (Favero, Belfiore, Silva & Chan, 2009).

Para a comparacao das medias das amostras com distribuicao normal foi aplicado o teste de Levene para cumprir a exigencia da homogeneidade das variancias e dando significativo foi aplicado o teste parametrico t. Em todo o trabalho foi utilizado nivel de confianca de 95% e nivel de significancia para aceitacao das hipoteses de 5%, ou seja, Sig. ou p-value de 0,05.

Para aquelas amostras que nao apresentaram distribuicao normal ou nao foram significativos no Levene foi utilizado o teste de Wilcoxon para a comparacao das medias. Esse teste e uma alternativa ao teste t de Student e uma extensao do teste dos sinais. Alem da informacao sobre a direcao das diferencas para cada par, o teste de Wilcoxon leva em consideracao a magnitude da diferenca entre os pares e os Ranks das medias. Esse ranqueamento que o teste oferece, foi importante para a analise, por isso foi feito esse teste para todas as amostras, mesmo daquelas em que foi utilizado o teste t para comparar as medias (Favero et al., 2009).

O primeiro passo dos testes e estabelecer a hipotese a ser testada, chamada de hipotese nula, posteriormente deve-se estabelecer a hipotese alternativa para ser usada, caso a hipotese nula seja rejeitada foram (Favero et al., 2009).

As hipoteses dos testes sao: [H.sub.0] = as medias sao iguais, ou seja, nao ha diferencas; [H.sub.1] = as medias sao diferentes. Quando nao rejeitar Ho a conclusao sera que as medias sao iguais, ou seja, nao teve alteracao na receita e volume de vendas, receita de servicos e producao industrial nos periodos estudados. Quando se rejeitar [H.sub.0] a conclusao sera que houveram diferencas nos indicadores de comercio, industria e servicos.

Os testes estatisticos foram realizados com o auxilio do programa Statistical Package for Social Sciences (SPSS) versao 18.

4. Apresentacao e Analise dos Resultados

Inicialmente os dados passaram pela analise de normalidade por meio do teste parametrico de Shapiro-Wilk, os dados que apresentaram distribuicao normal foram submetidos tambem ao teste Levene de homogeneidade das variancias. Apos isso foram submetidos ao Teste t de medias emparelhadas. Os dados que nao apresentaram distribuicao normal foram submetidos ao teste nao parametrico de Wilcoxon. Alguns dados ao serem submetidos ao teste de variancia nao apresentaram Sig. maior ou igual a 0,05, nao sendo possivel prosseguir com o Teste t, sendo submetidos entao ao teste nao parametrico de Wilcoxon. Para a obtencao do Ranks todos passaram pelo teste de Wilcoxon.

Foi comparado os periodos de 20 meses anteriores e posteriores a Copa do Mundo, 3 meses anteriores e posteriores e o periodo da Copa comparado aos dois meses anteriores e posteriores para o volume de vendas no comercio varejista, receita de vendas no comercio varejista, receita de servicos e producao industrial. Todos esses periodos e variaveis foram estudados para os estados sede da Copa do Mundo e os estados que nao foram sede dos jogos.

A primeira analise e do setor do comercio atraves do volume de vendas tendo como amostra os 12 estados brasileiros que foram sede dos jogos da Copa do Mundo de Futebol 2014 conforme Tabela 1. Todas as observacoes foram normais, apresentando Sig. > 0,05 para o teste de Shapiro-Wilk e apresentaram as variancias homogenias, conforme Sig. > 0,05, para o teste de Levene. Observando o teste t de medias emparelhadas pode-se verificar que para os 20 meses anteriores e posteriores a Copa, 3 meses anteriores e 3 meses posteriores a copa e o periodo de realizacao daCopa do Mundo, comparado com os dois meses anteriores e posteriores o Sig. Foi < 0,05 onde rejeita-se a hipotese nula, concluindo que ocorreram diferencas significativas no volume de vendas no comercio varejista, antes e depois, nesses periodos.

Com base nos Ranks que o teste Wilcoxon forneceu e possivel concluir que, para todos os 12 estados sedes da Copa, a media do volume de vendas no comercio varejista no periodo de 20 meses anteriores Copa do Mundo foi maior que o volume de vendas posterior a Copa do Mundo. Analisando o periodo imediato de 3 meses, a media do volume de vendas depois da Copa foi maior do que o periodo de 3 meses anteriores para 11 estados.

Para a grande maioria dos estados, no periodo da Copa do Mundo, o volume de vendas do comercio varejista foi menor que os dois meses anteriores. Nos dois meses depois da Copa o volume de vendas do comercio varejista tambem foi maior do que no periodo do evento. Considerando os testes, ha evidencias que durante o evento esportivo o volume de vendas do comercio varejista teve uma queda.

Considerando a Tabela 2, todas as observacoes apresentaram normalidade e homogeneidade das variancias, pois apresentaram Sig. > 0,05 sendo possivel utilizar o teste t para comparar as medias emparelhadas. As medias da receita nominal de vendas em todos os periodos estudados tambem apresentaram Sig. < 0,05, assim rejeita-se Ho, concluindo que existem diferencas estatisticamente significativas. Conforme os Ranks extraidos a maioria dos estados que foram sede da copa apresentaram volume de vendas maior depois da copa, inclusive para o periodo imediato de 3 meses. Durante a Copa a receita nominal foi menor, tanto comparando os dois meses anteriores quando posteriores ao evento para os 12 estados.

Analisando a Tabela 3, apenas as medias dos dois meses da realizacao da copa e depois apresentaram normalidade e homogeneidade das variancias, pois Sig. > 0,05 sendo utilizado teste t de medias emparelhadas, os demais resultados nao apresentaram normalidade sendo submetidos ao teste de Wilcoxon. A receita de servicos apresentou Sig. < 0,05 apenas no periodo de 20 meses, ou seja, rejeita-se a hipotese nula, concluindo que houve diferencas na receita de servicos comparando os 20 meses anteriores e posteriores a Copa. Nos demais periodos ocorreram alteracoes, porem nao foram significativas. Uma analise mais aprofundada nos dados nos infere que nos 20 meses posteriores a Copa do Mundo a receita de servicos foi maior que no mesmo periodo anterior ao evento para todos os estados.

Conforme Tabela 4 todas as medias apresentaram normalidade pois o teste de Shapiro-Wilk apresentou Sig. >0,05, ao serem submetidos ao teste de Levene para verificar a homogeneidade das variancias o periodo da copa e dois meses posteriores apresentou Sig.<0,05 sendo utilizado o teste de Wilcoxon para comparar essas medias desse periodo. Os demais foram submetidos ao teste t. Apenas na comparacao dos periodos de 20 meses anteriores e posteriores a copa ocorreram diferencas estatisticamente significativas na producao industrial, pois nesse periodo Sig. <0,05. Nos 20 meses anteriores a Copa do Mundo a producao industrial se mostrou maior do que nos 20 meses depois do evento para grande parte dos estados.

A partir de agora a analise sera dos estados que nao foram sede dos jogos da Copa do Mundo 2014.

Conforme Tabela 5 todas as medias apresentaram normalidade e homogeneidade das variancias pois Sig. >0,05 para ambos os testes de Shapiro-Wilk e Levene respectivamente, podendo ser analisadas as medias com o teste t. Conforme teste o volume de vendas apenas para o periodo de dois meses anteriores comparado ao periodo de dois meses depois da Copa apresentou Sig. > 0,05, ou seja, foi praticamente igual nesse periodo. Nos demais periodos as diferencas foram estatisticamente significativas (Sig. < 0,05).

Nos 20 meses antes da Copa o volume de vendas foi maior que o mesmo periodo posterior. Nos 3 meses antes da Copa a situacao muda, no periodo posterior e maior que no anterior ao evento para a maioria dos estados. O periodo de junho e julho apresentou volume de vendas no comercio menor que dois meses anteriores e posteriores.

Todas as medias apresentaram normalidade e homogeneidade das variancias de acordo com os testes Shapiro-Wilk e Levene respectivamente, como nos mostra a Tabela 6, pois Sig. >0,05 para ambos os testes podendo assim ser analisadas as medias com o teste t. A receita nominal de vendas nao apresentou diferencas estatisticamente significativas apenas para o periodo de dois meses anteriores, comparado aos dois meses da Copa do Mundo onde Sig. >0,05. A maioria dos estados apresenta receita nominal de vendas menores durante o evento. Os Ranks do teste de Wilcoxon inferem que nos 20 meses e 3 meses depois do evento a receita nominal foi maior que o mesmo periodo anterior. Os indicadores apresentaram diferencas estatisticamente maiores depois da Copa comparados aos dois meses do evento para praticamente todos os estados.

De acordo com a Tabela 7 todas as medias apresentaram Sig. > 0,05 no teste de Shapiro-Wilk, sendo consideradas normais. Ao serem submetidas ao teste de Levene, o periodo de 20 meses antes e depois da Copa nao apresentou homogeneidade das variancias, este apenas sendo submetido ao teste de Wilcoxon. Os demais periodos apresentaram homogeneidade das variancias e foram submetidos ao teste t de medias. Para os estados que nao foram sede da Copa do Mundo a receita nominal de servicos apresentou diferencas estatisticamente significativas para todos os periodos estudados, pois, Sig. <0,05. Nos 20 meses e nos 3 meses depois da Copa a maioria dos estados tiveram indicadores maiores que o mesmo periodo anterior ao evento. Durante a Copa do Mundo a receita nominal de servicos foi menor que os dois meses anteriores e posteriores.

Todas as medias ao serem submetidas ao teste de Shapiro-Wilk e Levene apresentaram normalidade e homogeneidade nas variancias respectivamente conforme Tabela 8, pois Sig.>0,05. Em relacao ao teste t, os estados que nao foram sede da Copa do Mundo e que possuem os dados disponiveis nao apresentaram diferencas estatisticamente significantes na producao industrial, pois, Sig.>0,05, concluindo-se essa variavel foi igual antes e depois da Copa para todos os periodos estudados.

Os resultados dos testes de mostram adversos principalmente indicando que no periodo da Copa do Mundo a receita de vendas do comercio e servicos foi menor que os demais periodos. E preciso lembrar que o periodo analisado posterior a Copa compreende de agosto de 2014 ate marco de 2016, periodo em que a crise politica e economica brasileira estava consolidada nao podendo atribuir o desempenho das variaveis apenas ao evento em estudo. O consumo das familias vem caindo desde 2014 no Brasil, elas estao mais endividadas alem das menores condicoes de credito devido ao aumento das taxas de juros (Instituto de Pesquisa Economica Aplicada, 2014). A inflacao vem superando a marca de 10% a mais de 10 anos e ocorre uma disseminada deterioracao no balanco de pagamento brasileiro (Instituto de Pesquisa Economica Aplicada, 2015).

O problema nao se encontra apenas na demanda, a produtividade do trabalho se encontra estagnada ha algum tempo o que implica problemas de custos de producao e rentabilidade, principalmente no setor industrial. Embora em 2014 teve uma quantidade menor de dias uteis em funcao da Copa do Mundo, a producao recuou ao patamar de 5 anos atras sugerindo problemas estruturais. O mau desempenho tambem das exportacoes reflete os problemas competitivos enfrentados pela industria brasileira (IPEA, 2014).

O setor de servicos que e o responsavel pela grande maioria dos novos empregos gerados tambem esta sentindo a crise economica apresentando crescimento nos tres trimestres de 2014 de apenas 0,9%, o pior em mais de 10 anos (IPEA, 2014).

A situacao tornou-se ainda mais dificil com a eclosao de uma crise politica, o Ministerio Publico Federal investiga casos de corrupcao com a operacao Lava Jato, populacao inicia ondaa de protestos e surgem rumores de processo de impeachment da presidenta Dilma Roussef.

5. Consideracoes Finais

As atividades comerciais, de servicos e industriais sao a base de uma economia, gerando e distribuindo de renda, empregos, alem de serem setores que se interligam.

O objetivo do trabalho foi verificar se houve impacto estatisticamente significativo no volume de vendas do comercio varejista, receita nominal de vendas, receita de servicos e producao industrial durante a realizacao da Copa do Mundo de Futebol 2014, para os estados brasileiros que foram sede do evento e os que nao foram. Foi analisado tambem se essas variaveis foram impactadas pela Copa do Mundo nos 20 meses e 3 meses anteriores a Copa, comparado com o mesmo periodo posterior.

Respondendo ao objetivo, pode-se concluir que o volume de vendas no comercio varejista, para os estados sede e os estados sem jogos da copa, apresentaram diferencas estatisticamente maiores nos 20 meses antes da copa comparados aos 20 meses depois. Ao contrario, o volume de vendas foi estatisticamente maior nos tres meses depois do evento comparado com os 3 meses anteriores. Durante a Copa ele foi menor, comparado aos dois meses anteriores e posteriores.

A receita nominal de vendas do comercio, tanto para os estados sede da Copa do Mundo e quanto para os estados sem jogos da Copa, foi menor antes da Copa na comparacao dos periodos de 20 meses e 3 meses. Durante a realizacao do evento a receita nominal de vendas foi menor do que no periodo de dois meses anteriores e posteriores. Apenas para os estados que nao foram sede do evento a mudanca nao foi significativa, comparando o periodo posterior com o evento.

A receita de servicos para os estados sede da Copa do Mundo de 2014 apresentou diferencas significativas apenas na comparacao com os 20 meses anteriores e posteriores ao evento, onde nos 20 meses anteriores foram menores. Os periodos de 20 meses e 3 meses anteriores a Copa apresentaram receita de servicos menor que o mesmo periodo anterior, para os estados que nao foram sede do evento. A receita de servicos foi menor durante o evento, comparando com os dois meses anteriores e posteriores.

Os resultados encontrados para o comercio e servicos embora no periodo de dois meses da Copa nao foram positivos, tiveram alteracoes anteriores ou posteriores ao evento corroborrando as suposicoes de Domingues et al. (2011) ondem citavam que mega-eventos como a Copa trariam beneficios dificeis de estimar, mas que estimulariam os negocios domesticos como restaurantes, hoteis e outros negocios. O impacto dos investimentos do evento sobre o PIB em cada estado seria influenciado tanto pelo tamanho dos investimentos em cada estado como pela estrutura produtiva de cada regiao e sua insercao na economia brasileira. Investimento na melhoria da infraestrutura urbana das cidades e o que efetivamente gera impacto de longo prazo da economia.

A producao industrial nao apresentou diferencas significativas nos periodos estudados para os estados que nao foram sede dos jogos da Copa do Mundo. Para os que foram sede, ocorreram diferencas significativas apenas nos 20 meses anteriores ao evento, onde foram maiores que o mesmo periodo pos Copa. Esse resultado pode ter se dado em virtude das obras dos estadios e infraestrutura das cidades. Gloria Junior (2015) cita a criacao de aeroportos, construcao de estadios e reformas e obras de infraestrutura urbana realizados pela iniciativa publica e investimentos da iniciativa privada como exemplo a criacao de um hotel. Domingues et al. (2011) tambem citam a iniciativa privada realizando investimentos para o evento. Aponta tambem que investimentos privados nos estadios gera aumento do PIB e emprego apenas na fase de construcao.

Os resultados da pesquisa refletem resultados diversos, mas pode-se concluir que nao houveram grandes diferencas na receita e volume de vendas do comercio varejista, receita de servicos e producao industrial para os estados que foram sede da Copa e os que nao foram divergindo de Domingues et al. (2011) que encontraram em seus estudos que os impactos nos estados sede do evento seriam maiores do que nos estados que nao tiveram jogos.

Uma limitacao do estudo e o que os indicadores do IBGE sao coletados apenas para empresas com mais de 20 funcionarios, as empresas menores nao estao na pesquisa e podem ter apresentado resultados expressivos durante a Copa do Mundo.

Nao se pode atribuir as diferencas na receita e volume do comercio, receita de servicos e producao industrial, verificadas nos periodos estudados, apenas a realizacao da Copa do Mundo, muitos outros fatores podem ter contribuido para as alteracoes positivas e negativas. E importante lembrar que o periodo posterior a Copa compreende de agosto de 2014 ate marco de 2016, periodo em que a crise politica e economica brasileira estava consolidada, onde iniciava-se a operacao Lava Jato pelo Ministerio Publico Federal, processo de impeachment da Presidenta Dilma Roussef alem de um periodo de juros altissimos no Brasil, queda dos investimentos externos, podendo ser fatores favoraveis a alteracoes desses indicadores. Descobrir, descrever e aprofundar a analise desses fatores serve de sugestao para trabalhos futuros.

Referencias

Bayar, O. Schaur G. (2014). The Impact of Visibility on Trade: Evidence from the World Cup. Review of International Economics, 22(4), 759-782. Recuperado em 20 de junho, 2016, de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111 /roie.12125/abstract;jsessionid=BE2AB6532 1 BAEC12B2D3A5AE1280F45C.f04t03?userIsAuthenticated=false&deniedAccessCu stomisedMessage.

Carvalho, M. S. de. (2004). Absorcao de mao-de-obra no setor de servicos brasileiro dos anos 90. Dissertacao de Mestrado. Instituto de Economia da UNICAMP, Campinas, Sao Paulo, SP, Brasil. Disponivel: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000339219.

Cleps, G. D. G. (2004). O comercio e a cidade: novas territorialidades urbanas. Revista Sociedade & Natureza, 16(30), 117-132. Recuperado em 15 de junho, 2016, de http://www.seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/viewFile/9183/5648.

Deitos, M. L. M. S. (2012). O Processo de Incorporacao de Tecnologia na Industria Brasileira: dos primordios da industrializacao a abertura comercial nos anos 1990. Revista Gestao e Tecnologia, 12, 04-25. Recuperado em 28 de marco, 2017, de https://revistagt.fpl.edu.br/get/article/view/302/347.

Diniz, L. H. F. (2007). Distribuicao e funcionalidades espaciais do setor terciario no Brasil 1991-2000. Dissertacao de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponivel: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/MPBB-7WENPG.

Domingues, E. P., Betarelli Junior, A. A. & Magalhaes, A. S. (2011). Quanto vale o show? Impactos economicos dos investimentos da Copa do Mundo 2014 no Brasil. Estudos Economicos, 41(2), 409-439. Recuperado em 16 de junho, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/ee/v41 n2/a08v41 n2.

Favero, L. P. Befiore, P. Silva, F. L. da & Chan, B. L. (2009). Analise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisoes. Rio de Janeiro: Campus.

Freire, A. L. O. (2010). O desenvolvimento do comercio e a producao do espaco urbano. GeoTextos, 6(2). Recuperado em 15 de junho, 2016, de http://www.portalseer.ufba.br/index.php/geotextos/about/contact.

Gadelha, C. A. G. (2006). Desenvolvimento, complexo industrial da saude e politica industrial. Revista de saude publica, 40(edicao especial), 11-23. Recuperado em 15 de junho, 2016, de http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v40nspe/30617.pdf.

Gloria Junior, I. (2015). A Copa do Mundo de 2014 na perspectiva da triplice restricao: uma Copa sem gols. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, 4(2), 17-28. Recuperado em 16 de junho, 2016, de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5190973.

Gremand, A. P.; Vasconcellos, M. A. S. & Toneto Junior, R. (2007). Economia Brasileira Contemporanea. Sao Paulo: Atlas.

Instituto de Pesquisa Economica Aplicada. (2014). Carta de Conjuntura 25. Recuperado em 29 marco, 2017, de http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/150318_cc_dez2014_fi nal1.pdf.

Instituto de Pesquisa Economica Aplicada. (2015). Carta de Conjuntura 29. Recuperado em 29 marco, 2017, de

http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/160318_carta_de_conj untura_29.pdf.

Krugman, P. & Wells, R. (2007). Introducao a economia. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kureski, R. & Delgado, P. R. (2012). A importancia do setor de servicos no Estado do Parana. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, vol. 118, 139-158. Recuperado em 10 de junho, 2016, de http://www.ipardes.pr.gov.br/ojs/index.php/revistaparanaense/article/view/135/643.

Mariano, J. (2007). Marketing structure and the tendencies towards business activity. Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM), 55-64. Recuperado em 13 de junho, 2016, www.revistaiberoamericana.org/ojs/index.php/ibero/article/view/14.

Mankiw, N. G. (2001). Introducao a economia: principios de Micro e Macroeconomia (M. J. C. Monteiro Trad., 2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Pace, T. H., Hardt, L. P. A. & Figueiredo, F. de C. (2015). SPORTING MEGA-EVENTS AND TOURISM: Bibliometric Relationships in Academia. Business and Management Review, 4(12). Recuperado em 21 de junho, 2016, de http://www.businessjournalz.org/Brazil%20Special%20Edition/SI%20May,%202015/B MR(00118)-V4-N12-May-2015-SI-VII-03.pdf.

Paranhos Filho, M. (2007). Gestao da Producao Industrial. Curitiba: Ibpex. Recuperado em 28 de marco de 2017, de https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=o0tfS8k_FgMC&oi=fnd&pg=PA9&dq=produ%C3%A7%C3%A3o+industri al&ots=mnSqnxr4FV&sig=QcnT9od_EV1dWiVbW5roqU76apE#v=onepage&q=produ %C3%A7%C3%A3o%20industrial&f=false.

Passos, C. R. M. & Nogami, O. (1998). Principios de Economia. Sao Paulo: Pioneira.

Porto, L. P. & Ceron, L. F. (2013). Brasil. Copa do Mundo 2014: analise dos impactos ambientais, economicos e sociais. Revista Eletronica do Curso de Direito da UFSM, vol. 8, 437-446. Recuperado em 16 de junho, 2016, de http://periodicos.ufsm.br/index.php/revistadireito/article/view/8346#.V2MKW7srLIU.

Ribeiro, C. H. de V., Soares, A. J. G. & Dacosta, L. P. (2014). Percepcao sobre o legado dos megaeventos esportivos no Brasil: O caso da Copa do Mundo FIFA 2014 e os jogos olimpicos Rio 2016. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte, 36(2), 447-466. Recuperado em 15 de junho, 2016, de http://oldarchive.rbceonline.org.br/index.php/RBCE/article/view/1249.

Scandelai, A. L. de O. (2010). A precarizacao do trabalho: da revolucao industrial ao neoliberalismo. Colloquium Humanarum, 7(1), 21-31. Recuperado em 10 de junho, 2016, de http://revistas.unoeste.br/revistas/ojs/index.php/ch/article/viewArticle/340.

Stiglitz, J. E. & Walsh, C. E. (2003). Introducao a Microeconomia. (H Hoffmann Trad., 3a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Suzigan, W. & Furtado J. (2006). Politica Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Politica, 26 (2), 163-185. Recuperado em 28 de marco de 2017, de http://www.scielo.br/pdf/rep/v26n2/a01v26n2.

Ugarte, M. C. D. (2004). Homo motor, ciborgues e... aha! Pessoas-Da revolucao industrial a revolucao da informacao. Dissertacao de Mestrado. Faculdade de Educacao Fisica da Unicamp, Campinas, SP, Brasil. Disponivel em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000348673&fd=y.

Tatiane Salete Mattei

Mestranda pelo Programa de Pos Praduacao Stricto Sensu em Gestao e Desenvolvimento Regional com linha de pesquisa Desenvolvimento Regional e Agroindustria pela Universidade Estadual do Oeste do Parana--UNIOESTE Campus Francisco Beltrao, Parana, Brasil. Graduada em Ciencias Economicas pela Universidade Estadual do Oeste do Parana--UNIOESTE Campus Francisco Beltrao, Parana, Brasil. tati_mattei@hotmail.com

Gilmar Ribeiro de Mello

Doutor e Mestre em Ciencias Contabeis pela Universidade de Sao Paulo--FEA/USP; Bacharel em Ciencias Contabeis pelo Centro Federal de Educacao Tecnologica do Parana. Professor Adjunto da Universidade Estadual do Oeste do Parana--Unioeste, atuando no Mestrado em Gestao e Desenvolvimento Regional (Campus de Francisco Beltrao, Parana, Brasil), Parana, Brasil gilmarribeirodemello@gmail.com

Editor Cientifico: Jose Edson Lara

Organizacao Comite Cientifico

Double Blind Review pelo SEER/OJS

Recebido em 23.09.2016

Aprovado em 12.04.2017

(1) Nas contas nacionais e no sistema de classificacao da Organizacao das Nacoes Unidas (ONU) o comercio esta incluido entre as atividades de servicos. Existe uma classificacao global em que o setor primario engloba as atividades agricolas, de caca, pesca e extrativismo. O setor secundario engloba as manufaturas e o setor terciario as demais atividades. No presente trabalho comercio e servicos serao analisados como dois setores distintos.
Quadro 1

ESTADOS SEDE COPA        ESTADOS SEM COPA

Amazonas                     Rondonia
Ceara                          Acre
Rio Grande do Norte           Roraima
Pernambuco                     Para
Bahia                          Amapa
Minas Gerais                 Tocantins
Rio de Janeiro               Maranhao
Sao Paulo                      Piaui
Parana                        Paraiba
Rio Grande do Sul             Alagoas
Mato Grosso                   Sergipe
Distrito Federal          Espirito Santo
                          Santa Catarina
                        Mato Grosso do Sul
                               Goias

Estados brasileiros considerados na analise do comercio e servicos.
Fonte: Domingues, E. P., Betarelli Junior, A. A., Magalhaes, A. S.
(2011). Quanto vale o show? Impactos economicos dos investimentos da
Copa do Mundo 2014 no Brasil. Estudos Economicos 41(2), pp. 409-439.

Tabela 1
Volume de Vendas no Comercio Varejista: Estados SEDE Copa do Mundo

Periodos                  Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,952      0,672      0,012      0,914
             Depois      0,958      0,749

3 meses      Antes       0,971      0,925      0,133      0,719
             Depois      0,967      0,876

dois meses   Antes       0,973      0,944      0,016      0,902
             Copa        0,931      0,395

dois meses   Copa        0,932      0,399      0,080      0,780
             Depois      0,979      0,978

Periodos                    Teste de Media

                        Estatistica     Sig.

20 meses     Antes    Teste t: 8,357    0,000
             Depois

3 meses      Antes    Teste t: -5,018   0,000
             Depois

dois meses   Antes    Teste t: 5,724    0,004
             Copa

dois meses   Copa     Teste t: -9,981   0,000
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 2
Receita Nominal de Vendas no Comercio Varejista: Estados SEDE Copa do
Mundo

Periodos                 Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,880      0,089      0,966      0,336
             Depois      0,949      0,627

3 meses      Antes       0,914      0,239      0,318      0,579
             Depois      0,919      0,276

dois meses   Antes       0,915      0,244      0,006      0,938
             Copa        0,960      0,784

dois meses   Copa        0,960      0,784      0,129      0,723
             Depois      0,927      0,351

Periodos                   Teste de Media

                        Estatistica     Sig.

20 meses     Antes    Teste t: -4,301   0,001
             Depois

3 meses      Antes    Teste t: -6,434   0,000
             Depois

dois meses   Antes    Teste t: 9,463    0,000
             Copa

dois meses   Copa     Teste t:-10,780   0,000
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 3
Receita Nominal de Servicos: Estados SEDE Copa do Mundo

Periodos                  Shapiro-Wilk              Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,861      0,050
             Depois      0,826      0,019

3 meses      Antes       0,787      0,007
             Depois      0,922      0,299

dois meses   Antes       0,840      0,028
             Copa        0,900      0,158

dois meses   Copa        0,900      0,158      0,035      0,854
             Depois      0,940      0,497

Periodos                    Teste de Media

                        Estatistica      Sig.

20 meses     Antes    Wilcoxon: -3,059   0,002
             Depois

3 meses      Antes    Wilcoxon: -1,883   0,060
             Depois

dois meses   Antes    Wilcoxon: -0,039   0,969
             Copa

dois meses   Copa     Teste t: -1,635    0,130
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 4
Producao Industrial: Estados SEDE Copa do Mundo

Periodos                 Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,944      0,604      1,139      0,300
             Depois      0,943      0,585

3 meses      Antes       0,918      0,342      1,493      0,238
             Depois      0,85       0,059

dois meses   Antes       0,974      0,924      0,638      0,435
             Copa        0,978      0,952

dois meses   Copa        0,978      0,952      4,882      0,040
             Depois      0,885      0,147

Periodos                    Teste de Media

                        Estatistica      Sig.

20 meses     Antes     Teste t: 4,148    0,002
             Depois

3 meses      Antes     Teste t: 0,140    0,892
             Depois

dois meses   Antes     Teste t: 1,550    0,155
             Copa

dois meses   Copa     Wilcoxon: -1,784   0,074
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 5
Volume de Vendas no Comercio Varejista: Estados SEM Copa do Mundo

Periodos                  Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,910      0,138      1,336      0,258
             Depois      0,911      0,142

3 meses      Antes       0,941      0,401      0,932      0,343
             Depois      0,940      0,387

dois meses   Antes       0,899      0,091      1,028      0,319
             Copa        0,949      0,509

dois meses   Copa        0,949      0,509      0,059      0,810
             Depois      0,944      0,432

Periodos                   Teste de Media

                        Estatistica     Sig.

20 meses     Antes    Teste t: 4,581    0,000
             Depois

3 meses      Antes    Teste t: -4,887   0,000
             Depois

dois meses   Antes    Teste t: 1,152    0,269
             Copa

dois meses   Copa     Teste t: -2,787   0,015
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 6
Receita Nominal de Vendas no Comercio Varejista: Estados SEM Copa do
Mundo

Periodos                  Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,913      0,151      2,043      0,164
             Depois      0,911      0,140

3 meses      Antes       0,914      0,154      0,914      0,347
             Depois      0,937      0,349

dois meses   Antes       0,940      0,382      0,497      0,487
             Copa        0,942      0,408

dois meses   Copa        0,942      0,408      0,016      0,902
             Depois      0,948      0,494

Periodos                   Teste de Media

                        Estatistica     Sig.

20 meses     Antes    Teste t: -2,782   0,015
             Depois

3 meses      Antes    Teste t: -5,967   0,000
             Depois

dois meses   Antes    Teste t: 2,022    0,063
             Copa

dois meses   Copa     Teste t: -3,892   0,002
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 7
Receita Nominal de Servicos: Estados SEM Copa do Mundo

Periodos                 Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,885      0,057      8,174      0,008
             Depois      0,934      0,311

3 meses      Antes       0,898      0,089      0,839      0,368
             Depois      0,89       0,066

dois meses   Antes       0,914      0,155      0,285      0,597
             Copa        0,937      0,342

dois meses   Copa        0,937      0,342      0,086      0,771
             Depois      0,915      0,162

Periodos                    Teste de Media

                        Estatistica      Sig.

20 meses     Antes    Wilcoxon: -2,471   0,001
             Depois

3 meses      Antes    Teste t: -2,820    0,014
             Depois

dois meses   Antes     Teste t: 2,221    0,043
             Copa

dois meses   Copa     Teste t: -4,530    0,000
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.

Tabela 8
Producao Industrial: Estados SEM Copa do Mundo

Periodos                  Shapiro-Wilk               Levene

                      Estatistica   Sig.    Estatistica   Sig.

20 meses     Antes       0,987      0,942      2,074      0,200
             Depois      0,897      0,417

3 meses      Antes       0,879      0,335      0,565      0,481
             Depois      0,825      0,154

dois meses   Antes       0,87       0,299      0,152      0,710
             Copa        0,994      0,978

dois meses   Copa        0,994      0,978      0,457      0,524
             Depois      0,881      0,343

Periodos                   Teste de Media

                        Estatistica     Sig.

20 meses     Antes    Teste t: -0,868   0,449
             Depois

3 meses      Antes    Teste t: -1,496   0,232
             Depois

dois meses   Antes    Teste t: -0,058   0,957
             Copa

dois meses   Copa     Teste t: -2,566   0,083
             Depois

Fonte: Elaborado pelos autores.
COPYRIGHT 2017 Revista Gestao & Tecnologia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Mattei, Tatiane Salete; de Mello, Gilmar Ribeiro
Publication:Gestao & Tecnologia
Article Type:Ensayo
Date:Jan 1, 2017
Words:8285
Previous Article:Business environment, strategic positioning and delta model: a case study in the segment of transmission of electrical energy/Ambiente empresarial,...
Next Article:Divisionalisation and accounting for responsibility: case study in business operations and services/Divisionalizacao e contabilidade por...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters