Printer Friendly

Who's afraid of feminism? Unveiling feminist voices/Quem tem medo do feminismo? desocultando suas vozes.

Sem nosso trabalho, esses mares nao seriam navegados e aquelas terras ferteis se constituiriam num deserto.

Virginia Woolf

Argutamente estruturado de forma a reaver os passos e movimentos pelos quais a tomada de consciencia feminista se deu ao longo dos seculos, a autora de Breve Historia do Feminismo nos introduz, de modo panoramico, aos diferentes fatos historicos que buscaram e buscam resgatar as contribuicoes das mulheres na historia cultural, bem como o processo de desocultacao de suas vozes antes silenciadas. Assim, esclarecendo o aparente temor frequentemente vinculado a palavra feminismo, Carla Cristina Garcia inicia seu texto demonstrando que tal fato se deve ao desconhecimento das realizacoes promovidas pelas feministas em todo o mundo, pois historicamente fora dado maior destaque a tal movimento como um inimigo a ser combatido pelo patriarcado, Contudo, o olhar de Garcia sobre o termo permite uma aproximacao sem hostilidades ou temor. Deste modo, partindo-se das atividades oriundas das reivindicacoes das mulheres, a autora traca e percorre

0 historico do desenvolvimento feminista, desde a revisao das imposicoes contidas na Antiguidade ate os movimentos que permeiam o nosso seculo. Nesse percurso nomes como Christine de Pizan, Flora Tristan, Alexandra Kollontai, Simone de Beauvoir, Virginia Woolf, entre outras, se destacam, resgatando, assim, a importancia de mulheres que por meio de seus escritos impulsionaram e regeram as primeiras linhas de acao contra a conduta patriarcal imposta. Ainda que apresente informacoes nao ineditas, a revisao que Garcia apresenta nessa fase de seu livro se torna valida por aglutinar, em lingua portuguesa, informacoes nem sempre acessiveis de forma transversal e internacional, justapondo comentarios criticos sobre autoras de diversos paises. Sua abordagem constroi um livro que pode ser utilizado como leitura introdutoria ou mesmo de apoio nos cursos de graduacao que possuam em sua grade curricular disciplinas voltadas aos estudos de genero.

Em sua introducao e primeiro capitulo, a autora retoma os conceitos iniciais e historicos acrescidos do ordenamento referente as tres ondas do feminismo; nos capitulos subsequentes prossegue ate chegar a suas consideracoes finais, abordando a manifestacao de um pluralismo demonstrado atraves dos varios tipos de feminismos emergentes, fato este que se deve, principalmente, aos feitos de todo um coletivo de mulheres do passado e sua luta iniciatica por direitos e oportunidades iguais para sujeitos femininos. Garcia pontua a importancia deste passado construido historicamente a sombra do discurso falocratico, mas que considerado uma celula viva, lanca suas raizes no presente para multiplicar-se e desenvolver-se em feminismos contemporaneos. Por conseguinte, para a realizacao da reflexao acerca destas transformacoes. Garcia aponta para algumas palavras-chave, tais como androcentrismo, patriarcado, sexismo e genero, considerados pela pesquisadora como termos ainda fundamentais para analise, capazes de detectar os mecanismos de exclusao, reconhecer suas causas e propor solucoes cabiveis, a fim de alterar a realidade de subordinacao que persegue o coletivo feminino.

Sendo considerado pela autora ao mesmo tempo como uma filosofia politica e movimento social, o feminismo bate as portas do mundo hodierno como modos de fazer e pensar de milhares de mulheres, ampliando assim novas formas de comunicacao com o passado e buscando desvendar uma aparente amnesia regida pela razao patriarcal. Percorrendo, ainda que concisamente, os movimentos responsaveis pelo surgimento do feminismo, o livro de Garcia se torna uma excelente leitura para aqueles/as interessados/as em conhecer as origens do termo e do movimento a ele atrelado. Demonstrando em seu texto a contribuicao de mulheres por todo o globo, a autora instrui seus/suas leitores/as quanto as possibilidades discursivas existentes no campo e que nao cessam de surgir.

Desde a capa, Garcia nos remete ao universo feminino, como podemos observar na pintura de Sir Lawrence Alma-Tadema (1895), cuja representacao de tres mulheres romanas a observar, de ponto privilegiado, o retorno dos guerreiros, nos induz a reflexao sobre o lugar ocupado por essas. Assim como sugere a imagem, apresentando mulheres dispostas a assumir posicoes sociais chave, este pequeno resumo do feminismo tem por finalidade reintroduzir seus conceitos e historia, tornando-se mais um material informativo, suscitando outras leituras e, convidando, assim, seus leitores e leitoras a abrir seus ouvidos as vozes e relatos de mulheres, cujos discursos vivificados ao longo das intemperies impostas por uma Historia contada pelo outro, vem ressoar na contemporaneidade como sinais da busca constante por direitos iguais e que, no texto idealizado por Garcia, tomam lugar no palco principal.

Recebido em: 03/04/2013

Aceito em: 15/05/2013

GARCIA, Carla Cristina.

Breve historia do feminismo.

Sao Paulo: Claridade, 2011.

Maria do Rosario S. Leite (1)

(1) UFPB/PPGL/CAPES--E-mail: rosarioleite@uol.com.br
COPYRIGHT 2013 Universidade Federal da Paraiba. Facultad de ciencias sociales y humanidades
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2013 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Leite, Maria do Rosario S.
Publication:Revista Artemis
Date:Jan 1, 2013
Words:751
Previous Article:Against the division of the militant labor: the sexual politics of meat/Contra a divisao do trabalho militante: a politica sexual da carne.
Next Article:Humanization, gender and power: contributions from the studies of talk-in-interaction to the attention to health/Humanizacao, genero e poder:...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |