Printer Friendly

Water absorption and performance of the Kalanchoe grown in alternative substrates/Consumo hidrico e desempenho de Kalanchoe cultivado em substratos alternativos.

INTRODUCAO

O cultivo de flores e plantas ornamentais como atividade economica vem se intensificando ao longo dos anos e esta entre as atividades que apresentam, no agronegocio, o maior indice de crescimento, promovendo uma rapida inclusao de trabalhadores no mercado e atuando como multiplicador de empregos (TOME, 2004). O Rio Grande do Sul e um dos maiores produtores de flores e plantas ornamentais do pais (KIYUNA et al., 2004), sendo tambem o terceiro maior consumidor (CUNHA, 2002).

Na producao de flores, de acordo com a finalidade de seu uso, estas podem ser produzidas na forma de flores de corte, como mudas ou, ainda, como cultivo em vasos. A vantagem do uso dos vasos encontra-se: 1) na durabilidade das plantas cultivadas desse modo; 2) na versatilidade do seu uso, pois pode ser aplicado em ambientes interiores e exteriores e 3) na facilidade de manejo, evitando, em muitos casos, a manipulacao de substratos e as dificuldades do periodo pos-transplante (MELLO, 2006). Por esses motivos, cada vez mais o mercado consumidor demonstra preferencia por flores cultivadas em vaso. Segundo IBRAFLOR (2008), as plantas em vaso de maior procura no mercado consumidor sao: crisantemo, violeta e kalanchoe, em funcao de seu custo de producao, durabilidade das floracoes e efeito ornamental.

A busca de alternativas para os principais gargalos do processo produtivo de flores de vaso tem como um dos seus principais itens a necessidade de avaliacao de formulacoes para substratos que oferecam baixo custo de producao e caracteristicas fisicas e quimicas que permitam o pleno desenvolvimento da especie. De acordo com MELLO (2006), a maior parte dos substratos utilizados na floricultura em vaso provem das regioes Sudeste e Norte do Brasil, podendo, assim, o Rio Grande do Sul duplicar seu custo final em relacao a esses Estados.

Dentre os itens que sao considerados para viabilizacao economica da producao de flores em vaso, em cadeias regionais, pode-se destacar a utilizacao de misturas com produtos locais para fabricacao de substratos. No caso do Estado do Rio Grande do Sul, a casca do arroz e uma alternativa de material, visto que a orizicultura irrigada e responsavel por 60,2% da producao nacional de arroz, sendo o Rio Grande do Sul o maior Estado produtor brasileiro (IBGE, 2009). De acordo com (KAMPF et al., 2006), a casca de arroz, quando carbonizada, pode resultar em um complemento de substrato que permite o aumento da retencao de agua. Alem da casca de arroz carbonizada (CAC), destacam-se tambem as suas cinzas (CZ) como materiais que podem ser obtidos com baixo custo.

A necessidade de se caracterizarem produtos encontrados nas diferentes regioes do pais e torna-los disponiveis como substratos agricolas e fundamental para reduzir os custos de producao (ANDRIOLO et al.,1999). Alem disso, a questao ambiental deve ser considerada na escolha dessas materias-primas para producao de substratos. A disponibilizacao como substrato agricola implica a sua caracterizacao fisica e quimica. De acordo com MARTINEZ (2002), dentre as propriedades de um substrato, deve-se destacar a boa retencao de agua, na faixa de 1 a 5kPa, a densidade seca, a porosidade total, o espaco de aeracao e a agua disponivel.

A resposta das plantas a disponibilidade de agua no substrato tem sido estudada como uma forma de controle da irrigacao, ja que irrigacoes deficitarias refletem diretamente na reducao da produtividade, enquanto que irrigacoes excessivas prejudicam a qualidade das flores (FARIAS, 2005). No caso do cultivo de Kalanchoe em vaso, em ambiente protegido, a irrigacao e pratica fundamental, porem seu manejo e distinguivel em funcao das caracteristicas fisicas do substrato e do tamanho do vaso utilizado no cultivo, e o uso da irrigacao implica ganhos adicionais advindos de melhores colheitas. Para nao inviabilizar o ganho, a quantidade de agua tem que ser adequada, nao podendo haver excesso nem falta (FARIAS, 2005).

Com base nessas premissas, este trabalho teve como objetivo avaliar o desempenho e o consumo de agua em 10 substratos alternativos, para cultivo em vaso de Kalanchoe blossfeldiana Poelln., cultivar 'Gold Jewel', nas condicoes ambientais da regiao centro-oeste do Estado do Rio Grande do Sul.

MATERIAL E METODOS

O experimento foi conduzido em area experimental da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missoes, em Santiago Rio Grande do Sul (RS), em estufa com sistema de refrigeracao do tipo Pad & Fan Os materiais componentes dos substratos foram: casca de arroz carbonizada, cinza de casca de arroz, esterco bovino, esterco avicola e materia organica domestica, gerada a partir da decomposicao de lixo organico domestico.

O experimento foi conduzido em delineamento experimental inteiramente casualizado, com 10 tratamentos e sete repeticoes. Os tratamentos constituiram de diferentes substratos testados para a cultivar 'Gold Jewel de Kalanchoe', compostos por substancias puras e misturadas utilizando-se o criterio volume por volume, nas seguintes proporcoes: a) materiais puros: T1(CAC)=100% de casca de arroz carbonizada, T2 (CZ)=100% de cinza de casca de arroz, T3 (EB)=100% de esterco bovino e T4 (MO)=100% de materia organica; e b) misturas: T5 (CAC+EB)=60% de casca de arroz carbonizada+40% de esterco bovino, T6 (MO+EA)=70% de materia organica +30% de esterco avicola, T7 (CZ+EB)=60% de cinza de casca de arroz + 40% de esterco bovino, T8 (CAC+EA)=70% de casca de arroz carbonizada + 30% de esterco avicola, T9 (CAC+MO)=50% de casca de arroz carbonizada+50% de materia organica e T10 (MO+EB)=50% de materia organica + 50% de esterco bovino. Foi realizada a caracterizacao fisica dos diferentes substratos pelas analises: densidade do substrato (DS), relacao poros/solidos (P/S), espaco de aeracao (EA) e retencao de agua (CRA). As quantificacoes foram desenvolvidas de acordo com metodologia proposta por KAMPF (2006).

Para a producao das mudas, foi utilizado o processo de estaquia. As estacas foram colocadas em bandejas de isopor alveolado, com substrato comercial, com pH variando entre 5,5 e 6,0 e espaco de aeracao de aproximadamente de 10%.

O consumo de agua da cultura foi determinado por meio da equacao do balanco hidrico conforme a seguinte expressao:

Etr = [L.summation over (i=1)] [M.sub.i] - [L.summation over (i=1)] [M.sub.i+1] + I - D, em que Etr e a

evapotranspiracao real da planta em vaso, em um intervalo de tempo [DELTA]t de tres dias; [M.sub.i] e a massa de substrato e agua contida no vaso, no inicio do intervalo de tempo ([DELTA]t) considerado; i e o indice representando o intervalo de tempo ([DELTA]t) considerado para o balanco; Mi+1 e a massa de substrato eagua remanescente no final do intervalo de tempo ([DELTA]t) considerado; I e a irrigacao aplicada no vaso, no intervalo de tempo [DELTA]t, e D e a percolacao (ou drenagem). A variacao do armazenamento de agua no vaso ([M.sub.i] - [M.sub.i+i]) ocorreu por meio da pesagem dos vasos em uma balanca com precisao de 0,001g. Foi realizada a fertirrigacao em periodo quinzenal, com 60g Kristalon, fertilizante composto por nutrientes essenciais a planta, diluidos em 100 litros de agua. A irrigacao e a fertirrigacao foram realizadas manualmente, com o auxilio de uma proveta.

Em funcao do crescimento vegetativo, foi avaliada a evolucao da biomassa seca do sistema radicular (g) da cultivar, por meio da retirada da planta inteira do vaso, sem danificar as raizes. Efetuou-se a avaliacao em um vaso de cada tratamento, em tres periodos distintos do desenvolvimento da cultura, aos 30 dias apos transplantio (DAT), 50DAT e 70DAT. Para analisar as caracteristicas da cultivar, foram avaliadas as plantas nos diferentes tratamentos, no periodo de floracao (ponto de comercializacao). As variaveis analisadas como componentes finais de rendimento foram: altura de planta (cm), numero de folhas, numero de inflorescencias, numero de flores e diametro da copa das plantas (cm). Os dados obtidos foram analisados via analise de variancia, e as medias foram submetidas ao teste Tukey e a analise de regressao polinomial, com 5% de probabilidade de erro.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Na tabela 1, sao apresentados os resultados das analises fisicas realizadas nos diferentes tratamentos. Observa-se que os menores valores de densidade de substrato foram apresentados no tratamento de CAC, com 213,6g [L.sup.-1]. Segundo BUNT (1973), a densidade do substrato e considerada ideal para o pleno desenvolvimento da planta, entre 400 e 500g [L.sup.-1], sendo assim os tratamentos com CAC, CZ e CAC+EA nao apresentam densidade suficiente para garantir a estabilidade do recipiente, por apresentarem valores inferiores ao ideal, assim como os tratamentos com substratos de EB, MO, MO+EA e MO+EB tambem nao apresentaram densidade satisfatoria, por apresentarem valores superiores ao recomendado. Os tratamentos com CAC, CZ, CAC+EB e CAC+EA apresentaram os maiores espacos de aeracao, ideais para o desenvolvimento da planta. Segundo PENNINGSFELD (1983), o espaco ideal e proximo a 30%.

Observou-se que os tratamentos com substratos de CZ e CZ+EB apresentaram os maiores valores para a capacidade de retencao de agua. KAMPF (2006) relata a importancia dessa caracteristica na frequencia de irrigacao, uma vez que esta depende da presenca e do tamanho dos poros do substrato. Segundo a mesma autora, a relacao P/S das materiasprimas indicadas para uso na composicao de substratos deve-se encontrar geralmente acima de 3,0%, verificando-se que somente o tratamento de CAC tem uma boa relacao volume de poros-volume de solidos.

A cultivar 'Gold Jewel' apresentou diferenca no consumo medio diario de agua entre os substratos analisados, em consequencia destes apresentaram caracteristicas fisico-hidricas distintas (Tabela 2). Observa-se que o tratamento que apresentou o maior consumo medio de agua foi o substrato CAC, 3,06mm, diferindo apenas do tratamento com substrato de CAC+MO, e este apresentou o menor consumo hidrico medio diario, 2,80mm. Os resultados encontrados estao de acordo com SOARES et al. (2008), os quais, testando diversas laminas de irrigacao, encontraram um consumo medio diario maximo e minimo de 3,4 e 1,9mm, respectivamente, para a cultivar 'Gold Jewel', transplantada no mes de fevereiro. Esses resultados tambem sao coerentes com REICHARDT (1990), que reporta a direta relacao das condicoes climaticas em que as plantas estao submetidas com o processo de evapotranspiracao destas. TJOSVOLD & SCHULBACH (1991), em estudo com flores de corte, examinando alternativas apropriadas para um maior controle da irrigacao, relatam que a irrigacao e fundamental para o cultivo em ambiente protegido, porem seu manejo adequado tem sido negligenciado pelos produtores, resultando em prejuizos no crescimento vegetal e consequentes decrescimos na produtividade e na qualidade do produto final. Esses mesmos autores encontraram cultivos em que normalmente a irrigacao nao e frequente e, quando feita, e aplicada em demasia. Alem disso, PEREIRA et al. (2009), por meio de experimento em que foram testados quatro niveis de tensao de agua no solo (15, 25, 40 e 60kPa), no cultivo de gladiolo, destacam a importancia da irrigacao no cultivo de plantas ornamentais. Esses autores observaram que a altura da planta, o tamanho da haste floral e o numero de flores foram significativamente reduzidos pelo aumento dos niveis de tensao de agua no solo e que os melhores resultados em relacao ao tamanho da planta, da haste floral e do numero de flores foram obtidos mantendose a tensao de agua no solo proxima a capacidade de campo (15kPa).

Em razao das diferencas das propriedades fisico-hidricas entre os substratos estudados, observou-se variacao quanto as variaveis que compoem a producao final do Kalanchoe (Tabela 2). Nota-se que as plantas transplantadas nos substratos de CAC, CZ, CAC+EA e CAC+EB destacam-se com a melhor classificacao comercial, apresentando plantas copadas, com grande numero de folhas e inflorescencias. SILVA & VISCONTI (1991) descrevem que um bom substrato deve apresentar boa capacidade de retencao de nutrientes e umidade, boa aeracao, baixa resistencia a penetracao das raizes e boa resistencia a perda de estrutura.

O substrato que apresentou o maior numero medio de folhas foi CAC+EA, e este apresenta espaco de aeracao ideal para o desenvolvimento da planta, diferenciando-se dos substratos CAC e CZ. O maior numero de inflorescencias por planta foi observado nos substratos CZ e CZ+EB, e esse aumento pode estar relacionado com a capacidade de retencao de agua, uma vez que estes apresentaram valores satisfatorios para esse parametro fisico (KAMPF, 2006). Quanto ao numero de flores por planta, o substrato CZ+EB apresentou o maior valor, em razao de apresentar condicoes ideais de retencao de agua. Segundo LESSA et al. (2009), para especies de Kalanchoe, apenas uma dessas variaveis nao pode ser levada em consideracao por si so para determinar seu aspecto ornamental, mas sim o conjunto destas e que atenderao o padrao comercial exigido.

Esses resultados foram semelhantes aos encontrados por MELLO (2006), que, ao testar diferentes substratos no cultivo de lirio asiatico, descobriu que, quando essa especie e conduzida em vaso, o substrato com 50% em volume de cinza de casca de arroz carbonizada com a combinacao substrato de fibra de coco ou substrato terra do paraiso (formulado com casca de pinus triturada, vermiculita e areia) apresentou maior numero de inflorescencia e que mais rapidamente atingiu o ponto de comercializacao. Alem disso, essa mesma autora relata a relacao direta entre os componentes de producao da cultura e as caracteristicas fisico-hidricas dos substratos. Esses resultados ainda estao de acordo com os encontrados por SOARES et al. (2006), os quais, trabalhando com diferentes laminas de irrigacao na cultivar 'Debbie', encontraram resultados semelhantes para os mesmos componentes avaliados.

A evolucao da biomassa seca do sistema radicular do Kalanchoe e apresentada na figura 1, na qual se observa que todos os tratamentos tiveram um comportamento semelhante, com coeficientes de correlacao ajustados a partir de uma curva de resposta linear, apresentando valores elevados [r.sup.2] = 0,9996 (maximo) e [r.sup.2] = 0,7069 (minimo). Nota-se que, para quase todos os tratamentos, houve similaridade no crescimento, com aumento do sistema radicular com o passar dos DAT, com excecao do tratamento com substrato MO + EA, que, aos 50DAT, diminuiu seu sistema radicular em relacao a primeira avaliacao (30DAT). Verifica-se que o maior peso de biomassa (g) aos 30 e 70DAT foi observado no tratamento com substrato de CZ + EB, enquanto que, aos 50DAT, o maior peso (g) foi no substrato de CAC. Esses resultados discordam dos encontrados por GONCALVES & MINAMI (1994), os quais, analisando o efeito do substrato artificial no enraizamento de estacas de kalanchoe (Kalanchoe blossfeldiana, cultivar 'Singapur'), verificaram que as misturas que continham casca de arroz tostada apresentaram reducao no volume de raizes. Alem disso, STUMPF et al. (2001), testando substratos de vermiculita fina e casca de arroz carbonizada, observaram que o susbtrato com vermiculita fina proporcionou maior desenvolvimento do sistema radicular de estacas de Chamaecyparis lawsoniana, tanto em comprimento, como em volume, em razao da grande capacidade de aeracao e retencao de agua.

CONCLUSAO

Os substratos mais indicados para a producao comercial de Kalanchoe blossfeldina Poelln, nas condicoes ambientais da regiao centro-oeste do Estado do Rio Grande do Sul, sao: 60% de cinza de casca de arroz + 40% de esterco bovino e 70% de casca de arroz carbonizada + 40% esterco avicola, com um consumo medio diario de agua de 2,99 e 2,94mm, respectivamente.

[FIGURE 1 OMITTED]

REFERENCIAS

ANDRIOLO, J.L. et al. Caracterizacao e avaliacao de substratos para o cultivo do tomateiro fora do solo. Horticultura brasileira, Campinas, v.17, n.3, p.215-220, 1999. Disponivel em: <http://www.abhorticultura.com.br/biblioteca/arquivos/Download/biblioteca/hb_17_3.pdf#page=37>. Acesso em: 20 de set. 2009.

BUNT, A.C. Some physical and chemical characteristics of loamless pot-plant substrates and their relation to plant growth. Plant and Soil, Australia, v.1, n.38, p.1954- 1965, 1973.

CUNHA, D.R. Os fatores criticos de sucesso do comercio flores e plantas ornamentais: as lojas de arte floral no municipio Alegre/RS. 2002. 115f. Dissertacao (Mestrado em Administracao) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

FARIAS, M.F.; SAAD, J.C. Crescimento e qualidade de crisantemo cultivado em vaso sob ambiente protegido. Horticultura. Brasileira, Campinas, v.23, n.3, p.740-742. 2005. Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010205362005000300010>. Acesso em: 12 de set. 2009. doi: 10.1590/S0102-05362005000300010.

GONCALVES, A.L.; MINAMI, K. Efeito de substrato artificial no enraizamento de estacas de calanchoe (Kalanchoe x blossfeldiana cv. 'Singapur', Crassulaceae). Revista Scientia Agricola, Piracicaba, v.51, n.2, p.240-244, 1994. Disponivel em: <http://www.scielo.br/pdf/sa/v51n2/07.pdf>. Acesso em: 20 de set. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORICULTURA IBRAFLOR. Floricultura no Brasil. Campinas, SP. 25 de Nov. Acessado em 15 de nov. 2008. Online. Disponivel em: <http://www.ibraflor.org/sis.interna.asp?pasta=1&pagina=90>.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Ministerio do planejamento, orcamento e gestao. Brasil 23 de mar. Acessado em 23 de mar de 2009. Online. Disponivel em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/default.shtm>.

KAMPF, A.N. et al. Floricultura: tecnicas de preparo de substratos. Brasilia: LK, 2006. 132p.

KIYUNA, K. et al. Floricultura brasileira no inicio do seculo XXI: o perfil do produtor. Informacoes Economicas, Sao

Paulo, v.34, n.4, p.14-32, 2004. . Disponivel em: <http://www.iea.sp.gov.br/OUT/publicacoes/pdf/tec2-0404.pdf>. Acessado em 15 de nov. 2008.

LESSA, M.A. et al. Application of different fertilizers in substrate for Kalanchoe luciae Raym.-Hamet cultivation. Ciencia e Agrotecnologia, Lavras, v.33, n.4, p.950-955, 2009. Disponivel em: <http://www.scielo.br/pdf/cagro/v33n4/a02v33n4.pdf>. Acesso em: 2009.

MARTINEZ, PF. Manejo de substratos para horticultura. In: ENCONTRO NACIONAL DE SUBSTRATOS PARA

PLANTAS: CARACTERIZACAO, MANEJO E QUALIDADE DE SUBSTRATOS PARA PRODUCAO DE PLANTAS, 2002, Campinas, SP. Anais... Campinas: IAC, 2002. p.53-76.

MELLO, R.P Consumo de agua do lirio asiatico em vaso com diferentes substratos. 2006. 74f. Dissertacao (Mestrado em Engenharia Agricola)--Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

PENNINGSFELD, F. Kultursubstrate fur den gartenbau, besonders in Deutschland: ein kritischer Uberblick. Plant and Soil, The Hague, v.75, n, 2, p.269-281, 1983. Disponivel em: <http://www.springerlink.com/content/e351721104g22614/fulltext.pdf>. Acesso em: 20 de set. 2009. doi: 10.1007/BF02369967.

PEREIRA, J.R.D. et al. Crescimento e producao de hastes florais de gladiolo cultivado sob diferentes tensoes de agua no solo. Ciencia e Agrotecnologia, Lavras, v.33, n.4, p.965-970, 2009. Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141370542009000400004&script=sci_arttext>. Acesso em: 20 de set. 2009. doi: 10.1590/S1413-705420090004000 04.

REICHARDT, K. A agua em sistemas agricolas. Piracicaba: Manole, 1990. 188p.

SILVA Jr, A.A.; VISCONTI, A. Recipientes e substratos para a producao de mudas de tomate. Agropecuario Catarinense, Florianopolis, v.4, n. 4, p.20-23, 1991. Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid = S01025362004000300023&script=sci_abstract&tlng=e>. Acesso em: 20 de set. 2009 doi: 10.1590/S0102-05362004000300023.

SOARES, F.C. et al. Resposta de Kalanchoe Blossfeldiana cultivado em diferentes epocas de transplante e submetida a diferentes estrategias de irrigacao. In: SEMINARIODE INICIACAO CIENTIFICA,9., 2006, Santiago. Anais ... Santiago: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missoes, 2006. V.1, p.232. CD-Room.

SOARES, F.C. et al. Produtividade sazonal de kalanchoe cultivado em ambiente protegido e submetido a estrategias de irrigacao. Revista Irriga, Botucatu, v.13, n.4, p.492-506, 2008.

STUMPF, E.R.T. et al. Efeito do acido indolbutirico, substrato e tipo de estaca no enraizamento de chamaecyparis lawsoniana Parl. Revista Brasileira de Agrociencia, Pelotas v.7 n.2, p.101-105, 2001. Disponivel em: <http://www.ufpel.tche.br/faem/agrociencia/v7n2/artigo05.pdf>. Acesso em: 20 de set. 2009.

TJOSVOLD, S.A.; SCHULBACH, K.F. How to reduce water use and maximize yields in greehnouse roses. California Agriculture, United States of America, v.45, n.3. p.31-32, 1991.

TOME, L.M. Avaliacao do desempenho logisticooperacional de empresas no setor da floricultura: um estudo de caso no Ceara. 2004. 163f. Dissertacao (Mestrado em Engenharia de Transportes)--Universidade Federal do Ceara, Fortaleza, CE.

Angelica Rossana Castro de Souza (I) Marcia Xavier Peiter (II) Adroaldo Dias Robaina (II) Fatima Cibele Soares (III) Ana Rita Costenaro Parizi (III) Rafael Camargo Ferraz (I)

(I) Programa de Pos-graduacao em Geomatica, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil. departamento de Engenharia Rural, UFSM, Santa Maria, RS, Brasil.

(II) Programa de Pos-graduacao em Engenharia Agricola, UFSM, 97105-900, Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: fatimacibele@yahoo.com.br. Autor para correspondencia.

Recibido para publicacao 16.06.09 Aprovado em 09.01.10
Tabela 1--Caracteristicas fisicas dos materiais e das misturas
formuladas com a finalidade de uso como substrato para a producao de
Kalanchoe blossfeldiana, cultivar 'Gold Jewel', em vaso.

Tratamentos   [DS.sup.1] (g [l.sup.-1])   EA (%)   CRA (ml)   P/S (%)

CAC                     213,6              25,0     502,0       3,0
CZ                      228,7              26,0     860,0       1,5
EB                      739,3              4,0      413,0       0,6
MO                      935,2              7,0      574,0       1,0
CAC+EB                  451,2              29,0     261,0       1,2
MO+EA                   836,3              3,0      428,0       0,7
CZ+EB                   575,0              8,0      627,0       1,2
CAC+EA                  233,6              33,0     371,0       2,3
CAC+MO                  479,0              17,0     425,0       1,5
MO+EB                   860,5              19,0     400,0       0,3

(1) DS=densidade do substrato; EA=espaco de aeracao; CRA=capacidade
de retencao de agua; P/S=relacao volume de poros/volume de solidos.

Tabela 2--Valores medios do consumo diario de agua e dos caracteres
agronomicos para a cultivar 'Gold Jewel', nos diferentes substratos
testados.

              Consumo de agua
Tratamentos   (mm.[dia.sup.-1])   Altura (cm)

CAC            3.04 [a.sup.1]      15,5 bc
CZ             2.91 ab             11,7 c
EB             3.00 ab             19,5 a
MO             2.92 ab             18,6 ab
CAC+EB         2.95 ab             18,7 ab
MO+EA          2.87 ab             17,2 ab
CZ+EB          2.99 ab             18,4 ab
CAC+EA         2.94 ab             19,0 ab
CAC+MO         2.80 b              18,1 ab
MO+EB          3.06 a              19,0 ab
Media          2.95                17,6
CV%            3.95                9,1
DMS %          9.52                21,9

                         --Numero Final--
                                                       Diametro
Tratamentos   Folhas     Inflorescencias   Flores      Copada (cm)

CAC           50,0 bc        8,2 abc       62,5 cd     9,7 def
CZ            32,7 c         12,5 a        40,5 d      8,1 f
EB            73,5 ab        5,0 c         164,7 ab    14,4 a
MO            59,5 abc       6,5 bc        112,0 bcd   10,7 bcde
CAC+EB        66,7 ab        9,5 abc       137,0 bcd   12,1 bc
MO+EA         66,5 ab        9,25 abc      113,5 bcd   11,7 bcd
CZ+EB         66,5 ab        12,5 a        194,2 a     11,7 bcd
CAC+EA        78,0 a         11,0 ab       156,0 ab    12,6 ab
CAC+MO        58,5 abc       5,5 c         73,5 cd     9,3 ef
MO+EB         66,5 ab        6,5 bc        114,7 bcd   10,3 cde
Media         61,8           8,6           116,9       11,1
CV%           18,3           24,7          26,5        8,1
DMS %         44,2           59,6          11,3        19,5

(1) Medias nao seguidas pela mesma letra, na coluna, diferem
estatisticamente pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade de erro.
COPYRIGHT 2010 Universidade Federal de Santa Maria
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2010 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Souza, Angelica Rossana Castro; Peiter, Marcia Xavier; Robaina, Adroaldo Dias; Soares, Fatima Cib
Publication:Ciencia Rural
Date:Mar 1, 2010
Words:3876
Previous Article:Mineralogy and magnetic susceptibility of iron oxides of B horizon of Parana state soils/Mineralogia e susceptibilidade magnetica dos oxidos de ferro...
Next Article:Use of acupuncture in the management and therapy of feline idiopathic lower urinary tract disease/O uso da acupuntura no auxilio a terapia da doenca...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters