Printer Friendly

Videos as educational technology in nursing: students' evaluation/Videos como tecnologia educacional na enfermagem: avaliacao de estudantes/Videos como tecnologia educacional en enfermeria: evaluacion de estudiantes.

INTRODUCAO

O processo de aprendizagem de cursos de graduacao em saude passa por diversas transformacoes com o objetivo de estabelecer estrategias eficazes para o aprimoramento dos mecanismos de construcao de conhecimento dos estudantes.

Pensar em docencia, na atualidade, portanto, reporta a rever conceitos sobre a educacao e os papeis dos sujeitos envolvidos neste processo de ensinar e aprender (1); e, antes de tudo, repensar o ambiente escolar como aberto e motivador, que contribua para a promocao e corresponda as necessidades da sociedade atual.

Nesse contexto, as novas tecnologias de ensino sao alternativas coerentes as transformacoes no processo de aprendizagem, pois qualificam a formacao dos profissionais em saude, bem como consolidam a interface entre a teoria e pratica. Neste estudo, destacare o uso do video como ferramenta de apoio ao ensino da enfermagem.

A linguagem do video tem uma natureza sintetica, articula imagens, sons, falas, poucos textos, e cria uma superposicao de codigos e significacoes, predominantemente audiovisuais. Tem, destarte, um significativo poder de ilustracao, prende atencao quando bem estruturado e elaborado, alem de muitas vezes, ser autoexplicativo (2).

No ambito da enfermagem, os videos possibilitam orientar atividades praticas, mediante simulacao do ambiente de cuidado e da assistencia ao paciente. Esses aspectos podem auxiliar os estudantes a sanar suas principais necessidades e duvidas, antes de ser inserido no campo pratico real (3). Por essas caracteristicas, comumente, os videos sao usados por estudantes de nivel tecnico profissionalizante e de graduacao.

Tais iniciativas integram a demanda atual por um ensino mais participativo, com conteudos que poderao ser utilizados de acordo as necessidades e ritmos de aprendizagem dos discentes. Esse avanco tecnologico pode, tambem, apoiar o cotidiano do enfermeiro, por disponibilizar informacoes e potencializar a aquisicao de conhecimentos na educacao permanente deste profissional (4,5).

Desse modo, os videos podem, sim, ser um instrumento que contribua de fato para o processo de ensino-aprendizagem, desde que seu uso siga um planejamento criterioso, com objetivos, para aproveita-lo com todas as suas potencialidades (2).

Logo, em vista da potencialidade do desenvolvimento sistematico de videos educativos para apoio ao ensino de enfermagem e a compreensao de que a insercao de estudantes de enfermagem em processos de inovacao pode contribuir para o desenvolvimento critico-reflexivo dos mesmos, o estudo busca responder o seguinte questionamento: qual e a avaliacao de estudantes ao participarem da gravacao de videos para ensino de procedimentos de enfermagem?

Objetiva-se, entao, analisar a avaliacao discente sobre sua participacao na gravacao de videos para o ensino de procedimentos de enfermagem.

REVISAO DE LITERATURA

As tecnologias para o ensino e, dentre elas, os videos, sao mundialmente reconhecidas como beneficas para o processo inovador e diferenciado que se exige atualmente dos ambientes de aprendizagem, ao contribuir para o pensamento critico, as decisoes complexas, as habilidades praticas, o trabalho em equipe, a motivacao, a interacao, a resolucao de problemas e a geracao de hipoteses, isso porque se pautam na participacao ativa dos discentes, estimulando sua autonomia e sua criticidade (3,6,7).

Nesse interim, o educador enfermeiro deve coadunar com incorporacoes tecnologicas em resposta as demandas atuais, aspecto que deve, de maneira fundamental, unir-se ao seguimento de uma abordagem pedagogica que guie a incorporacao das tecnologias nos ambientes educacionais.

A incorporacao dessas inovacoes, entretanto, demanda mudancas na forma de ensinar e aprender, voltadas a capacitacao dos envolvidos para a utilizacao e criacao de tecnologias no processo de trabalho da enfermagem, por conseguinte, torna-se preciso unir pessoas, informacoes, procedimentos e recursos de computacao em um objetivo comum de maximizar os beneficios a essas pessoas e as capacidades tecnologicas (8,9).

Entretanto, os resultados positivos ainda sao conclusoes empiricas, ou mesmo de estudos com baixo nivel de evidencia cientifica, o que torna problematicamente insuficiente a existencia de evidencias quanto ao beneficio do uso de tecnologias para o ensino na educacao em enfermagem (10). Alem disso, destaca-se que, na atualidade, a principal fonte de busca dos videos educativos se constitui na Internet, em especial, as plataformas virtuais como o YouTube, que nao garantem eficacia e qualidade das informacoes, o que demanda uma triagem adequada, pautada em protocolos de ensino.

Sobre esse aspecto, um estudo, realizado em 2010, comprovou a importancia da utilizacao das tecnologias como ferramentas de ensino, em especial, as hipermidias, e revelou os diversos caminhos metodologicos para a elaboracao desses produtos de informatica. No entanto, destacou que nem todas as pesquisas trouxeram etapas de avaliacao e/ou validacao do material produzido como uma etapa essencial da construcao (11).

Apreende-se, portanto, que os videos educativos devem ser elaborados a luz das evidencias cientificas e serem submetidos, antes de sua divulgacao como instrumento de ensino-aprendizagem para o meio academico, a um processo de validacao de conteudo por especialistas na area.

METODOLOGIA

Estudo descritivo, de abordagem quantitativa, que integra o Projeto de acoes associadas Videos Educacionais: ferramenta tecnologica para ensino de estudantes de enfermagem, realizado no ambito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O objetivo geral do projeto foi desenvolver videos educacionais para apoio ao ensino de procedimentos de enfermagem. Para tanto, foi necessario efetuar as seguintes etapas: analise dos videos disponiveis no YouTube para o ensino de enfermagem, atraves de um protocolo pre-estabelecido; realizacao de revisao da literatura acerca dos procedimentos de enfermagem mais utilizados em semiologia e semiotecnica em enfermagem; qualificacao de estudantes de enfermagem para atuarem como facilitadores nos videos que foram produzidos no Laboratorio de Habilidades de Enfermagem da UFRN; e validacao e divulgacao dos videos como instrumento de ensino-aprendizagem nos cursos de graduacao e tecnico profissionalizantes.

O projeto foi submetido a apreciacao do Comite de Etica e Pesquisa da UFRN, e foi aprovado pelo Parecer Consubstanciado no 1.004.946, de 27/03/2015, CAAE no 41875415.9.0000.5537 e, portanto, seguiu todos os preceitos eticos estabelecidos pela Resolucao no 466, de 2012, do Conselho Nacional de Saude.

Participaram da gravacao dos videos dos procedimentos de enfermagem seis estudantes membros do grupo de pesquisa Laboratorio de Investigacao do Cuidado, Seguranca, Tecnologias em Saude e Enfermagem (LABTEC), ao qual o projeto de acoes associadas esta vinculado. Conforme ja mencionado, os estudantes foram previamente capacitados para participar como atores, ao seguir protocolos de ensino definidos com base em evidencias cientificas.

A fim de investigar a avaliacao de estudantes que participaram da gravacao de videos para ensino de procedimentos de enfermagem, foi construido um formulario eletronico via Google forms, composto por questoes de caracterizacao do tipo Likert em uma escala de cinco pontos: 1-discordo totalmente, 2-discordo parcialmente, 3-indiferente, 4-concordo parcialmente, 5-concordo totalmente.

Os aspectos avaliados nessa escala foram: interesse na participacao dos videos e como isso contribuiu ou nao para o conhecimento; qualidade dos protocolos utilizados; duvidas quanto as tecnicas abordadas; melhoria ou nao de habilidades praticas; natureza dos materiais e do ambiente disponibilizados; nivel de satisfacao e seguranca; e dificuldades na gravacao dos videos.

Alem disso, o formulario continha perguntas abertas para a avaliacao das etapas de gravacao e aprendizado decorrente da atuacao nos videos, quais sejam: Houve algum beneficio no seu aprendizado? Descreva-os, expressando suas justificativas sobre essa contribuicao; descreva sua impressao sobre ter tido a oportunidade de participar como ator nos videos; quais fatores interferiram na execucao da gravacao dos videos?; quais fatores contribuiram para a execucao da gravacao dos videos?; analise a gravacao dos videos quanto aos fatores organizacionais (etapas, uso de protocolos, ambiente, equipe, etc.); e descreva como os videos podem contribuir para o ensino de procedimentos de enfermagem.

Os dados, coletados em marco de 2015, foram tabulados em planilha do Microsoft Excel 2010 e foram analisados a partir de estatistica descritiva simples (frequencia absoluta e relativa).

RESULTADOS E DISCUSSAO

Seis estudantes, que foram atores dos videos educacionais desenvolvidos no ambito do Projeto de acoes associadas Videos Educacionais: ferramenta tecnologica para ensino de estudantes de enfermagem, compuseram a amostra final da pesquisa. A sintese da caracterizacao das participantes deste estudo e apresentada na Tabela 1.

Todas as estudantes eram jovens, cujas idades variaram de 21 a 25 anos, com predominancia da idade mais jovem - 3(50%). Quanto ao grau de formacao, distribuiram-se, igualmente, no 5, 6 e 9 periodo academico, conforme consta na Tabela 1.

O fato de as participantes serem todas do sexo feminino e jovens condiz com os dados realcados pela literatura, que denota a presenca do sexo feminino ser ainda de grande expressividade nos Cursos de Graduacao em Enfermagem (12,13) e destaca ser a maioria dos estudantes de enfermagem ser constituida por jovens (13,14).

Quanto ao grau de formacao, por pertencerem a niveis academicos heterogeneos, ao participarem da gravacao dos videos as integrantes apresentaram maior diversidade de experiencia na realizacao das tecnicas durante as gravacoes, e, por conseguinte, maior riqueza para o presente estudo.

Na descricao da avaliacao sobre ter tido a oportunidade de participar como ator nos videos, as respostas variam entre ter contribuido para o aprendizado e/ou realizacao da tecnica, proporcionado uma experiencia significativa, alem da superacao da dificuldade diante das cameras, tambem salientaram a expectativa dos resultados finais.

Ao colocar em questao se houve algum beneficio no aprendizado e, posteriormente, descrever e expressar suas justificativas sobre essa contribuicao, todas foram enfaticas ao responderem sobre a existencia de resultados positivos: para 4 (66,6%) participantes o aspecto positivo foi atentar-se para detalhes importantes acerca da execucao da tecnica durante a gravacao dos videos; ainda, 3 (33,4%) mencionaram ter contribuido para a fixacao do conhecimento devido a repeticao.

Em relacao a descricao de como os videos podem ajudar no ensino de procedimentos de enfermagem, as participantes foram unanimes ao compreenderem que se trata de uma forma de esclarecer as duvidas e, dessa maneira, facilitar o aprendizado dos procedimentos de enfermagem. Alem de tal observacao, 4 (66,6%) estudantes citaram que o video educativo e uma ferramenta de facil acesso e 3 (50,0%) registraram que e uma forma de ensino que favorece o aprendizado de aspectos praticos, por subsidiar o processo de ensino-aprendizagem em ambiente seguro.

Em relacao aos fatores que interferiram na execucao da gravacao dos videos, os mais citados foram o ambiente, o material e a inseguranca. Quanto aos fatores que contribuiram, foram enfatizados os protocolos, o conhecimento e a equipe.

Quando questionadas se os protocolos desenvolvidos facilitaram a realizacao da pratica e se a participacao na gravacao dos videos melhorou o conhecimento do procedimento, todas as 6 (100,0%) estudantes concordaram plenamente com tais questoes.

Ainda se denota uma grande expressividade do interesse na participacao dos videos: 4 (66,6%) participantes admitiram apresentar real disposicao para estarem presentes nas gravacoes; outrossim, 4 (66,6%) concordaram que o beneficio/impacto sobre o aprendizado, apos essa experiencia, foi muito alto.

No que concerne ao questionamento--se houve alguma mudanca significativa em relacao a execucao do procedimento, apos a participacao na gravacao dos videos, 4 (66,6%) participantes responderam que sim. Segundo elas, a mudanca gerada se devem a exposicao detalhada das etapas das tecnicas, que se tornaram mais simples, claras e objetivas, por haver coerencia na sequencia exigida. A respeito do surgimento de duvidas, durante a execucao dos videos, 4 (66,6%) estudantes afirmaram que tiveram alguns questionamentos, como em relacao a ordem das etapas, a mais correta e/ou melhor forma para realizar a tecnica e qual seria a posicao ideal para um melhor angulo durante as gravacoes.

Ao explanar sobre as dificuldades na execucao da tecnica, durante as gravacoes, 3 (50,0%) estudantes citaram algumas, entre elas o manuseio do campo esteril, a utilizacao de luvas com tamanhos inapropriados para as participantes, entre outros materiais.

Sabe-se que a proposta de novas formas de ensino contribui muito para um bom desenvolvimento academico quando relaciona o conhecimento e a aprendizagem, e, na enfermagem, entre as outras areas que envolvem o ensino de habilidades praticas, esse aspecto tem sua importancia aumentada (15). Tal assertiva vem ao encontro dos achados desta pesquisa, pois os discentes revelaram ter obtido uma expectativa significativa no aprendizado, apos a sua participacao como atores nos videos educativos.

A incorporacao de videos ao ambiente de ensino da enfermagem releva-se, portanto, uma possibilidade de garantir um ensino multissensorial e dinamico, a partir do uso de diferentes recursos e abordagens pedagogicas. Ressalta-se que, entre os determinantes da aprendizagem, os estilos preferidos pelos estudantes constituem um elemento de avaliacao diagnostica fundamental, os quais sao compreendidos como formas e condicoes mais eficientes e eficazes por meio das quais eles aprendem, valorizando os fatores cognitivos, afetivos e psicologicos (16).

O enfermeiro educador, nesse contexto, possui duas responsabilidades principais: aceitar a diversidade de estilos, de modo a criar uma atmosfera para a aprendizagem que ofereca experiencias encorajadoras para cada individuo alcancar seu potencial maximo; e combinar diferentes abordagens a partir de uma analise critica de seus fundamentos, ja que um curriculo de enfermagem baseado em apenas uma faceta pode restringir o desenvolvimento educacional dos estudantes (16).

Assim, a possibilidade de um ensino motivador, reflexivo, multissensorial, dinamico, flexivel no que se refere aos horarios e espacos geograficos, colaborativo e que promova a socializacao do conhecimento sao beneficios destacados no que concerne a incorporacao de tecnologias para o ensino na enfermagem, em seus diversos ambientes de aprendizagem (17,18).

Todavia, mesmo diante de tais beneficios ja relatados, e imperativo que o docente esteja ciente dos fatores que influenciam o sucesso da tecnologia digital no processo de aprendizagem, de modo a incorporar requisitos minimos de qualidade (19,20). Recomenda-se, assim, a analise de dimensoes de qualidade dos recursos digitais, sobretudo dos videos acessados pela Internet.

O video educativo e compreendido, portanto, na condicao de material instrucional que incorpora as vantagens dos recursos de aprendizagem subsidiados pelo computador, com destaque ao potencial interativo que promove rapido feedback e retencao de conhecimento; a possibilidade de uma instrucao individualizada que serve a diferentes tipos e ritmos de aprendizagem; e o oferecimento ao discente de multiplos meios de aprender que facilitam a construcao de significados e relacoes conceituais (21,22).

Ainda sobre os beneficios relacionados ao aprendizado conquistado por meio da participacao da gravacao dos videos, denota-se mais uma vez a importancia de novos metodos tecnologicos para o ensino, por proporcionar independencia e maior interatividade (12,15). Tais observacoes foram realcadas pelas participantes, quando afirmaram que a utilizacao de videos no ensino possibilita ao discente uma abundancia de detalhes que ajudam na melhor execucao da tecnica, e evitar, por sua vez, alguns erros, alem de fixar melhor o conhecimento abordado.

Ademais, essa forma de ensino e de facil acesso, pois mesmo aqueles profissionais ja atuantes na area podem acessa-la e, possivelmente, melhorar sua pratica. Tambem esclarece duvidas e facilita o ensino, o que se configura numa especie de ferramenta que, aliada a teoria, contribui para a formacao de profissionais mais atentos aos detalhes e mais ativos em prol da assistencia de qualidade.

Alem disso, esta estrategia coloca o estudante no centro do processo educativo, uma vez que lhe confere autonomia para acessar o recurso de acordo com sua disponibilidade, o que promove a individualidade dos discentes, de modo que cada um pode direcionar o aprendizado para os pontos que requerem mais esforco (23).

Entre os fatores que ajudaram ou nao nas gravacoes e, consequentemente, no resultado final do material, destacam-se o ambiente, a equipe, os materiais utilizados e o proprio conhecimento relacionado ao procedimento. Isso demonstra, por sua vez, que, para qualquer construcao de ferramentas direcionadas ao processo ensino-aprendizagem, ao visar resultados satisfatorios, requer-se o atendimento de exigencias--uma qualificacao tecnica, conhecimento preciso e/ou fundamentado, alem de local e materiais adequados (24).

Destarte, atraves dos resultados apresentados, e possivel inferir que o uso de ferramentas tecnologicas, especialmente os videos, e benefico ao ensino, em razao de promover um conhecimento mais dinamico, interativo e independente, alem da conexao de saberes das mais diversas formas (15,25), posto que, como ja discutido anteriormente, e uma ferramenta de facil acesso, que proporciona uma riqueza de detalhes, facilita a fixacao do conhecimento e promove um compartilhamento de experiencias e saberes desde a sua formacao, entre os participantes das gravacoes, ate chegar ao alcance de um maior numero de pessoas.

Dessa forma, e perceptivel a importancia deste estudo ao analisar as impressoes das participantes acerca de sua presenca ativa na construcao dos videos, bem como os pontos por elas destacados, quer relacionados aos aspectos fisicos ou nao, pois e a partir dos mesmos que se consegue apontar os mais diversos pontos a serem revistos em outros estudos e/ou na construcao de novas ferramentas para o ensino/aprendizagem.

Logo, compreende-se que o uso de tecnologias no processo ensino-aprendizagem e cada vez mais necessario para um bom aproveitamento do discente durante sua graduacao e, por conseguinte, na sua formacao profissional, de forma que os docentes devem buscar tais recursos, a fim de alcancar o sucesso de aprendizagem do seu publico-alvo (12,24,25).

O que se defende, portanto, e que o uso das tecnologias para o ensino nao deve se consolidar como um fim em si mesmo, capaz de modificar um cenario pedagogico tradicional. Realca-se, assim, que, a luz das abordagens filosoficas, as teorias pedagogicas sao essenciais para garantir a maximizacao dos potenciais beneficios das diferentes estrategias de ensino, o que requer conhecimento e competencia dos educadores (26).

CONCLUSAO

Elucidou-se que a participacao na gravacao de videos educativos contribuiu para o aprendizado e/ou realizacao da tecnica, ao proporcionar uma experiencia significativa aos estudantes que atuaram como atores nos videos, com muito alto ou alto impacto em seu aprendizado.

Compreendeu-se que os videos produzidos podem colaborar para o ensino de procedimentos de enfermagem como uma ferramenta multissensorial capaz de esclarecer as duvidas e, dessa forma, facilitar o aprendizado, alem de ser uma tecnologia de facil acesso e uma forma de ensino que favorece o aprendizado de aspectos praticos, por subsidiar um processo de ensino/aprendizagem em ambiente seguro.

Destaca-se que o reduzido numero de participantes da amostra da pesquisa constitui sua real limitacao, de modo a impossibilitar a generalizacao dos resultados apresentados.

Quanto as implicacoes para a enfermagem, o estudo busca incentivar a discussao acerca da importancia de a incorporacao tecnologica no ensino ser resultante de um processo pautado em pesquisas com rigor metodologico e de reflexoes dos educadores a partir de abordagens pedagogicas que subsidiem uma pratica de ensino qualificada.

Por fim, espera-se que os videos (em processo de validacao) decorrentes do Projeto de acoes associadas videos educacionais: ferramenta tecnologica para ensino de estudantes de enfermagem, possibilitem a formacao pautada no cuidado qualificado e na seguranca do paciente, alem de auxiliar o professor a simular ambientes realisticos e orientados para a pratica.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2017.18767

Recebido em: 28/02/2016-Aprovado em: 17/10/2017

REFERENCIAS

(1.) Prado C, Leite MMJ. Compreendendo as intencoes das acoes de um corpo docente multiprofissional em um curso de graduacao em enfermagem. Rev. bras. enferm. 2010; 63(4):548-54.

(2.) Schneider CK, Caetano L, Ribeiro LOM. Analise de videos educacionais no youtube: caracteres e legibilidade. Rev. novas tecnologias na educacao. 2012; 10(1):1-11.

(3.) Boctor L. Active-learning strategies: the use of a game to reinforce learning in nursing education. A case study. Nurse educ. pract. 2013; 13(2):96-100.

(4.) Fonseca LMM, Leite AM, Mello DF, Silva MAI, Lima RAG, Scochi CGS. Tecnologia educacional em saude: contribuicoes para a enfermagem pediatrica e neonatal. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2011; 15(1):190-6.

(5.) Tanabe LP, Kobayashi RM. Perfil, competencias e fluencia digital dos enfermeiros do Programa de Aprimoramento Profissional. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013; 47(4):943-9.

(6.) Nickerson CJ, Thurkettle MA. Cognitive maturity and readiness for evidence-based nursing practice. J. nurs. educ. 2013; 52(1):17-23.

(7.) Onda EL. Situated cognition: its relationship to simulation in nursing education. Clinical simulation in nursing. 2012; 8(7):273-80.

(8.) Dal Sasso GTM, Barra DCC, Paese F, Almeida SRW, Rios GC, Marinho MM, et al. Processo de enfermagem informatizado: metodologia para associacao da avaliacao clinica, diagnosticos, intervencoes e resultados. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013; 47(1):242-9.

(9.) Frota NM, Barros LM, Araujo TM, Caldini LN, Nascimento JC, Caetano JA. Construcao de uma tecnologia educacional para o ensino de enfermagem sobre puncao venosa periferica. Rev. gauch. enferm. 2013; 34(2):29-36.

(10.) Bhoopathi PS, Sheoran R, Adams CE. Educational games for mental health professionals: a Cochrane review. Int. J. Psychiatr. nurs. res. 2007; 12(3):1497-502.

(11.) Freitas LV. Construcao e validacao de hipermidia educacional em exame fisico no pre-natal [dissertacao de mestrado]. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceara; 2010.

(12.) Galvao ECF, Puschel VAA. Aplicativo multimidia em plataforma movel para o ensino da mensuracao da pressao venosa central. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012; 46(esp.):107-15.

(13.) Ramos AM, Tomaschewski-Barlem JG, Lunardi VL, Barlem ELD, Schmidt LG, Nogario ACD. Determinantes da satisfacao com a experiencia academica entre estudantes de graduacao em enfermagem. Rev. enferm. UERJ. 2016; 24(4):e9555.

(14). Spindola T, Martins ERC, Francisco MTR. Enfermagem como opcao: perfil de graduandos de duas instituicoes de ensino. Rev. bras. enferm. 2008; 61(2):164-9.

(15.) Tamashiro LMC, Peres HHC. Desenvolvimento e avaliacao de objetos de aprendizagem sobre administracao de medicamentos por via intramuscular. Rev. latinoam. enferm. 2014; 22(5):716-23.

(16.) Bastable SB, organizadora. O enfermeiro como educador. 35 ed. Sao Paulo: Artmed; 2010.

(17.) Monteiro AKC, Monteiro AKC, Andrade EMLR, Luz MHBA, Cavalcanti PAL. Educacao permanente a distancia sobre a prevencao de ulcera por pressao. Rev. enferm. UERJ. 2016; 24(1):e5733.

(18.) Pereira FGF, Silva DV, Sousa LMO, Frota NM. Building a digital application for teaching vital signs. Rev. gauch. enferm. 2016; 37(2):e59015.

(19.) Garcia-Barrera A. Evaluacion de recursos tecnologicos didacticos mediante e-rubricas. RED-Revista de Educacion a Distancia. 2016; 49(13):1-13.

(20.) Frota NM, Barros LM, Araujo TM, Lopes MVO, Almeida PC, Caetano JA. Validacao de hipermidia educativa sobre puncao venosa periferica. Texto & contexto enferm. 2015; 24(2):353-61.

(21.) Hainsworth DS. Materiais Instrucionais. In: Bastable SB, organizadora. O enfermeiro como educador: principios de ensino-aprendizagem para a pratica de enfermagem. 35 ed. Sao Paulo: Artmed; 2010. p. 495-533.

(22.) Peres HHC, Alavarce DC. As TICs apoiando o ensino da enfermagem. In: Prado C, organizador. Praticas pedagogicas em enfermagem: processo de reconstrucao permanente. Sao Caetano do Sul (SP): Difusao Editora; 2013. p. 131-44.

(23.) Frota NM, Barros LM, Costa AFA, Santos ZMSA, Caetano JA. Educational hypermedia on peripheral venipuncture: the perspective of students of nursing. Cogitare enferm. 2014; 19(4):658-66.

(24.) Bonini-Rocha AC, Oliveira LF, Rosat RM, Ribeiro MFM. Satisfacao, percepcao de aprendizagem e desempenho em video aula e aula expositiva. Cienc. cogn. 2014; 19(1):47-57.

(25.) Barra DCC, Dal Sasso GTM, Martins CR, Barbosa SFF. Avaliacao da tecnologia Wiki: ferramenta para acesso a informacao sobre ventilacao mecanica em terapia intensiva. Rev. bras. enferm. 2012; 65(3):466-73.

(26.) Parker BC, Myrick F. A critical examination of high-fidelity human patient simulation within the context of nursing pedagogy. Nurse educ. today. 2009; 29(3):322-9.

Petala Tuani Candido de Oliveira Salvador (I); Manaces dos Santos Bezerril (II); Claudia Cristiane Filgueira Martins Rodrigues (III); Kisna Yasmin Andrade Alves (IV); Theo Duarte da Costa (V); Viviane Euzebia Pereira Santos (VI)

(I) Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Escola de Saude, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: petalatuani@hotmail.com.

(II) Enfermeiro. Aluno do Curso de Mestrado em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: manacesbezerril@hotmail.com.

(III) Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Escola de Saude, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: claudiacrisfm@yahoo.com.br.

(IV) Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Escola de Saude, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: kisnayasmin@hotmail.com.

(V) Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Docente da Escola de Saude, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: theodcj@hotmail.com.

(VI) Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: vivianeepsantos@gmail.com.
TABELA 1: Caracterizacao dos participantes. Natal, RN, Brasil, 2015.
(N=6)

Variaveis          f     %

Sexo
  Feminino         6   100,0
  Masculino        -    0,0
Idade (em anos)
  21               3   50,0
  22               1   16,6
  23               1   16,6
  24               -    0,0
  25               1   16,6
Grau de formacao
  5 periodo        2   33,3
  6 periodo        2   33,3
  9 periodo        2   33,3
COPYRIGHT 2017 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Original Research/Artigo de Pesquisa/Articulo de Investigacion
Author:Salvador, Petala Tuani Candido de Oliveira; Bezerril, Manaces dos Santos; Rodrigues, Claudia Cristia
Publication:Enfermagem Uerj
Date:Jan 2, 2017
Words:4031
Previous Article:Support network for persons with physical disabilities/Rede de apoio a pessoas com deficiencia fisica/Red de apoyo a personas con discapacidad fisica.
Next Article:Hepatitis B vaccination and associated factors among nursing personnel at a university hospital/Vacinacao contra hepatite B e fatores associados...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters