Printer Friendly

Viagem ao Quintal.

A voyage to the backyard

1. Viagem ao Brasil

Entre Lisboa e a America, de Portugal ao Brasil, da Peninsula ao lado de la, ha imensidao, grandeza, altura, vertigem. O mundo desaba noutro lado, com outras estrelas. O ceu assombra, o Norte foge. Nestas viagens reconhecemos a pequenez, e a viagem torna-nos diferentes.

Nesta viagem, agora caminho, e dificil de dizer se vamos, se voltamos. Voltar a Lisboa? ou ir a Lisboa? Ir ao Brasil? Ou voltar ao Brasil? Almeida-Garrett no livro 'Viagens na Minha Terra' descreve uma outra viagem, bem mais pequena. Do tamanho de um quarto. Quarto que lhe recorda o outro quarto, o da prisao domiciliaria de Xavier de Maistre, no livro 'Viagem a volta do meu quarto.'

2. Viagem ao Quintal

E que Garrett sabe, e quer dizer, que navios grandes e fundos com destinos largos, tornaram-se em pequenos barcos, de fundo chato, com destinos curtos e estreitos. Subir o rio, coisa pequena, de costas para o mar oceano. Almeida-Garrett sobe o rio Tejo, e ri-se, uma estudantada pronta para a almocarada, aqui ao cimo, em Santarem.

Mas com este clima, com este ar que Deus nos deu, onde a laranjeira cresce na horta, e o mato e de murta, o proprio Xavier de Maistre, que aqui escrevesse, ao menos ia ate ao quintal. (Almeida-Garrett, 1846:1-2).

Portugal ja nao vai ao Brasil: vai ao quintal.

3. Saltar o muro

A revista GAMA nao ficou no Quintal: saltou muros, brincou com os novos vizinhos, esfolou os joelhos, roubou laranjas, desafiou os grandes ao berlinde, meteu conversa. O resultado, uma aventura de conhecimento: do outro lado do muro estava o mundo--e o Brasil.

Este e um destino possivel: podia dizer que e Espanha, do outro lado do muro; ou mesmo simplesmente, Santarem. A liberdade esta na possibilidade da viagem e do conhecimento. Tenho que saber quem sou, tenho de saber quem es. A interrogacao projeta-se, ora pela imagem, ora pela recordacao (Bracher, 2018), ora pela projecao, ora pela substituicao (Moreira, 2018).

4. A Revista GAMA 13

No artigo "Idioma-imagem na gravura de Magliani," Maristela Salvatori (Rio Grande do Sul, Brasil) aborda o legado de producao poetica da artista brasileira Maria Lidia Magliani (1946-2012) sobretudo no que respeita a xilogravura.

Luisa Pinheiro & Leandro Sales Esteves (Sao Paulo, Brasil) no artigo "Corpos informaticos: a obra de Bia Medeiros e suas friccoes entre arte e politica" abordam a obra da professora, pesquisadora e performer Bia Medeiros e seu coletivo artistico Corpos Informaticos, que el denomina de 'fuleragem' ou 'arte mixuruca'. O proposito e assertivo: "a ironia e o cinismo podem ser estrategias."

No artigo "Seguindo o Meretrilho: sobre um poema de Maria do Carmo Ferreira", Felipe Paros (Sao Paulo, Brasil) debruca-se sobre vida e obra de Maria do Carmo Ferreira, poeta brasileira quase desconhecida, mas talvez das poucas interventoras nas poesias concretos brasileiros da decada de 60. Aborda-se concretamente a revista Invencao, de 1967, e do poema visual "Meretrilho."

Marta Marco (Teruel, Espanha) no artigo "Jose Gonzalvo: dibujos de un escultor" apresenta os desenhos do veterano escultor aragones Jose Gonzalvo (n. 1929). Sao desenhos solidos, macicos, cheios de montanha, de pedra e de povo.

Sergio Vicente (Lisboa, Portugal) em "Identidade e Narrativa na Escultura Urbana de Jose Aurelio na Cidade de Almada" estuda a intervencao urbana do escultor Jose Aurelio (n. 1938) mostrando o ferro tornado evocacao, ideia, abstracao, fuga.

O artigo "'O encanto secreto das coisas e dos seres' na colecao artistica de Joao da Silva" de Arlinda Fortes (Lisboa, Portugal) e ja um dos momentos da pesquisa aprofundada com que a SNBA se dedica a estudar este escultor, homem de conviccoes e de ideais, que se dedicou a um miniaturismo expressivo e elegante, sereno e anedotico, cheio de atitude.

George Gutlich (Minas Gerais, Brasil) em "Um expressionista holandes no Brasil: adaptacao de temas na obra de Johann Gutlich" aborda a obra do artista holandes (1920-2000) radicado no Brasil desde 1952 que esburaca as paredes em torno de aberturas, de salas e de moradas, numa eterna representacao da prisao e da fuga.

No artigo "Underlining the hidden and the elusive in the art of Lourdes Castro" Rajaa Paixao (Libano / Lisboa, Portugal) apresenta uma leitura desapaixonada e intencionalmente desconhecedora, um olhar de fora, curioso e atento, sobre Lourdes Castro (n. 1930), pintora e instaladora.

Andre Bonani & Paula Almozara (Campinas, Sao Paulo, Brasil) no artigo "Mira Schendel: materialidade viva, transparencia do cosmos" apresenta a obra desta artista suica radicada no Brasil (1919-1988), centrando-se nos 'objetos graficos' e na serie 'Cadernos' que pontuam o seu contributo para as exploracoes poeticas e concretistas do final de 60' e inicio de 70', inaugurando o territorio do Livro de Artista.

Em "Jorge Pinheiro (papeis das aulas): O Patio da Cobranca das Rendas," Isabel Sabino (Lisboa, Portugal) apresenta um estudo sobre as aulas de Composicao, na ESBAL, do pintor Jorge Pinheiro, em torno de um icone da revolucao cultural, entretanto apropriado pelas camadas da historia e pelas sucessivas retoricas.

Claudia Lima & Susana Barreto (Porto, Portugal) no artigo "Caminhos cruzados de Armando Alves" tecem ja uma reflexao e uma entrevista com o pintor portuense Armando Alves (n. 1935), que se enquadra na geracao dos quatro vintes (com Jose Rodrigues, Angelo de Sousa e Jorge Pinheiro).

O artigo "As videocriaturas de Otavio Donasci: faces humanas no mundo digital" de Hugo Daniel Rizolli Moreira (Sao Paulo, Brasil) apresenta os bonecos com rostos catodicos de Donasci (n. 1952). Os ecras sorriem, os ecras querem-te.

Angela Pohlmann (Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil) no artigo "Tempo e memoria nas gravuras de Evandro Carlos Jardim" estuda a obra deste autor (n. 1935), e os registos do seu quotidiano, transpostos para agua-forte, agua-tinta, feitas a maneira negra.

Jose Umbelino Brasil (Salvador, Brasil) no artigo "Carlos Nader e Jose Leonilson: Paixoes Entrelacadas" aborda as afinidades entre Carlos Nader (n. 1964), cineasta e videasta, e Jose Leonilson (1957-1993), cujo trabalho tem vindo a ser estudado com crescente interesse.

O artigo "O tragico sofrimento dos retirantes do sertao nordestino brasileiro nas obras de Candido Portinari" de Norberto Stori & Romero Maranhao (Sao Paulo, Brasil) voltam a estudar a obra de Portinari (1903-1962) que inventa um expressionismo social, que depois configurara um neo-realismo que influenciara de modo duradouro outros artistas. Os "retirantes" possuem hoje uma renovada atualidade.

Em "Uma escultura nunca realizada de Martins Correia," Ines Andrade Marques (Lisboa, Portugal) estuda uma obra por concretizar do escultor Martins Correia (1910-1999), que deveria figurar na Escola celula 6 de Alvalade, Lisboa. Os dois meninos nao podem crescer, entre papeis e projetos, por ocasiao da peticao dos 172 arquitetos a Camara de Lisboa, de 1953, com um pequeno programa tematico e uma consolidacao do apoio programatico.

5. Dos novos aos outros

Dos novos aos outros ha espaco para reconhecimento, para recuperacao, para anotacao: e importante nao deixar o tempo passar e calar. O tempo silencia se nao tomarmos em maos a defesa da identidade, da memoria, daquela que nos constroi. A pele e dura, espessa, e esquece: e precisa descasca-la, para que ela mostre a parte de dentro da vida (Pires, 2018). A surpresa pede outros confrontos, la onde e arriscado ser-se quem quer pintar (Pelayo, 2018). A combinacao e certa, a soma maior que as partes, a arte entrega o que tira, sempre aos outros, mas em nome proprio: o teu.

Referencias

Bracher, Andrea (2018) "'Entre Solaris e Nostalgias': fotografia e pintura nas obras de Jociele Lampert." Revista Estudio, artistas sobre outras obras. ISSN 16476158 e-ISSN 1647-7316. 9, (24), outubrodezembro. 146-153.

Moreira, Hugo Daniel Rizolli (2018) "Wilton Azevedo: do gesto grafico ao pixel." Revista Estudio, artistas sobre outras obras. ISSN 1647-6158 e-ISSN 1647-7316. 9, (24), outubro-dezembro. 88-96.

Pelayo, Raquel (2018) "Aurelia de Souza: o Feminismo ao Espelho." Revista Estudio, artistas sobre outras obras. ISSN 16476158 e-ISSN 1647-7316. 9, (24), outubrodezembro. 20-30.

Pires, Susana Maria (2018) "Os registos tangiveis de Liene Bosque." Revista Estudio, artistas sobre outras obras. ISSN 1647-6158 e-ISSN 1647-7316. 9, (24), outubro-dezembro. 54-60.

JOAO PAULO QUEIROZ, Portugal, artista visual e professor, coordenador da Revista Gama.

Artigo completo submetido a 10 de abril de 2019 e aprovado a 15 abril de 2019

AFILIACAO: Universidade de Lisboa; Faculdade de Belas-Artes (FBAUL); Centro de Investigacao e Estudos em Belas Artes (CIEBA). Largo da Academia Nacional de Belas Artes 14, 1249-058, Lisboa, Portugal. E-mail: j.queiroz@belasartes.ulisboa.pt
COPYRIGHT 2019 Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Editorial
Author:Queiroz, Joao Paulo
Publication:GAMA
Date:Jan 1, 2019
Words:1486
Previous Article:Self explaining meta-paper/Meta-artigo auto exemplificativo.
Next Article:Idioma-imagem na gravura de Magliani.

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters