Printer Friendly

Uso de agentes microbianos e quimico para o controle de Meloidogyne incognita em soja.

Introducao

Os nematoides constituem o grupo de organismos pluricelulares mais abundantes no planeta (KIMPINSKI; STURZ, 2003). Geralmente, sao classificados segundo seu habito nutricional. Dentre os grandes grupos de nematoides estao os fitonematoides, ou nematoides parasitas de plantas, que causam perdas economicas significativas em uma grande variedade de culturas. Estes organismos alimentam-se e reproduzem-se em plantas vivas, podendo migrar para a regiao rizosferica, para dentro das raizes, ou em direcao a parte aerea. Causam danos severos em uma ampla variedade de culturas, ocasionando perdas dramaticas na agricultura principalmente em regioes tropicais e subtropicais (SIKORA; FERNANDEZ, 2005). Podem ainda, interagir com fungos fitopatogenicos habitantes do solo em areas cultivadas (FISCHER et al., 2010).

Para o manejo destes parasitas, frequentemente, se recorre ao controle quimico. Todavia, os nematicidas quimicos tem seu uso cada vez mais limitado por sua alta toxicidade, risco de contaminacao ambiental, alto custo, baixa disponibilidade em paises em desenvolvimento ou baixa eficacia de controle apos repetidas aplicacoes (DONG; ZHANG, 2006).

Dentre os nematoides-chave na cultura da soja, encontram-se os nematoides de galha Meloidogyne incognita (Kofoid e White) Chitwood e M. javanica (Treub) Chitwood, principalmente, e o nematoide do cisto da soja Heterodera glycynes Ichinohe.

Os nematoides do genero Meloidogyne sp. possuem ampla distribuicao geografica e representam um dos principais problemas para a cultura da soja. Formam estruturas no sistema radicular da planta denominadas galhas e podem ocasionar murcha das plantas durante os periodos mais quentes do dia, menor desenvolvimento das plantas pelo comprometimento do sistema radicular, desfolha prematura, sintomas de deficiencia mineral, clorose, reducao e deformacao do sistema radicular, decrescimo da eficiencia das raizes em absorver e translocar agua e nutrientes e menor crescimento da parte aerea, culminando com menor producao, comprometendo ou ate inviabilizando o cultivo quando em infestacoes mais severas (TIHOHOD, 2000). M. incognita geralmente e um serio problema em areas cultivadas anteriormente com algodao ou cafe. Zanella et al. (2005) encontraram que seis cultivares de algodoeiro se mostraram sensiveis a M. incognita, e apenas a cultivar IAC 23 apresentou reducao no numero de galhas e de massas de ovos em relacao as demais cultivares avaliadas.

No manejo integrado de nematoides, devem ser utilizadas varias estrategias combinadas, tais como medidas de exclusao, utilizacao de plantas antagonistas, controle quimico, adubacao verde, cultivares resistentes, rotacao de culturas, pousio e controle biologico (BARKER; KOENNING, 1998). De acordo com Dias-Arieira et al. (2003), cultivares da forrageira Panicum maximum e especies de Brachiaraia brizantha foram eficientes na reducao da populacao de M. incognita e M. javanica. Freitas et al. (2000) obtiveram progenies de pimentao com alta frequencia de resistencia as racas 1 e 3 de M. incognita, mas genotipos com completa homozigose para os alelos Me1 e Me3 que conferem resistencia ao nematoide nao foram encontrados. A resistencia de 14 clones de batata doce a M. incognita foi avaliada por Freitas et al. (2001), mas apenas tres clones apresentaram maior grau de resistencia ao nematoide. Levy et al. (2009) verificaram que 18 genotipos de milho se mostraram resistentes a M. incognita e M. paranaensis.

Como alternativa ao controle quimico de nematoides de cisto e galhas na soja, o controle biologico apresenta uma serie de vantagens, pois e mais barato, de facil aplicacao, nao contamina, nao deixa residuos e nem desequilibra o meio ambiente.

Com relacao ao uso de bacterias, Hallmann et al. (2004) sugerem que as endofiticas apresentam potencial para o controle de fitonematoides, principalmente endoparasitas. Sikora e Padgham (2007) relataram reducao de 40% na penetracao e formacao de galhas de Meloidogyne graminicola com inoculacoes de Bacillus megaterium nas raizes de arroz. Alem disso, a colonizacao das raizes com esta bacteria diminuiu em 60% a migracao do nematoide para a rizosfera e seus metabolitos reduziram em 60% a eclosao dos ovos. Sikora (1992) relatou que bacterias da rizosfera reduzem o nivel de danos de nematoides com liberacao de toxinas ou modificacao dos exudatos radiculares, sendo de facil crescimento in vitro, alem de poderem ser aplicadas em tratamento de sementes. Porem, estes autores relataram certas desvantagens desses microrganismos, como durabilidade curta, especificidade e pouco efeito na reducao da multiplicacao dos nematoides.

Dentre os varios fungos nematofagos, os ovicidas ou oportunistas estao entre os mais promissores, tanto pela capacidade saprofitica quanto pelo facil crescimento in vitro. Para o controle de nematoides de galha podem ser muito eficientes, visto que a massa de ovos desses nematoides e compacta numa matriz gelatinosa em cada femea, facilitando a colonizacao. Dentre o grande numero de fungos parasitas de ovos conhecidos, apenas Pochonia chlamydosporia e Paecilomyces lilacinus tem sido melhor estudados, pelos resultados promissores apresentados (ATKINS et al., 2003).

P. lilacinus e parasita de ovos e cistos, oportunista com pouca especificidade de hospedeiros e sua eficacia varia entre os diferentes isolados (GOETTEL et al., 2001). Cresce em grande variedade de substratos, adapta-se a uma ampla faixa de pH do solo e e bastante competitivo em campo (JACOBS et al., 2003). P. chlamydosporia e parasita de nematoides de galha e tem sido descrito como parasita de fungos patogenicos de plantas, propriedades que o tornam um potencial bioagente de controle tanto de nematoides parasitas de plantas como de fungos causadores de doencas de plantas (MONFORT et al., 2005). Deleij et al. (1993) constataram efeito sinergistico da aplicacao de P. chlamydosporia conjuntamente com Aldicarb, obtendo 100% de controle de M. incognita.

Em virtude do serio problema que os nematoides representam para as culturas agricolas, novos estudos se fazem necessarios para viabilizar o uso de estrategias integradas de manejo destes parasitas. Assim, neste trabalho avaliou-se a eficacia de fungos, de um produto comercial a base de Bacillus e do nematicida quimico Aldicarb no controle de Meloidogyne incognita em soja, variedade M-SOY 6101.

Material e metodos

O experimento foi conduzido na casa-de-vegetacao do Laboratorio de Biocontrole Farroupilha (LBF), no municipio de Patos de Minas, Estado de Minas Gerais, no periodo de setembro de 2007 a janeiro de 2008. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados, com nove tratamentos e quatro repeticoes. Os agentes de controle biologico, fungos P. chlamydosporia e P. lilacinus, bem como o produto comercial NEMIX a base de Bacillus sp., foram usados no tratamento de sementes e no tratamento de sementes mais aplicacao em pos-emergencia, e o produto quimico Aldicarb foi usado apenas em posemergencia. Foi feita uma testemunha somente com M. incognita e outra sem o nematoide e sem qualquer um dos agentes. A soja foi plantada em vasos de argila.

Obtencao dos agentes de controle

Os inoculos fungicos foram obtidos de repicagem de isolados preservados em papel de filtro secos com leite em po, para placas de BDA e, depois de 11 dias, foram inoculados em arroz pre-cozido acondicionado em sacos de polipropileno, previamente autoclavados por 40 min. O produto comercial NEMIX e o Aldicarb foram obtidos por meio de acordos de cooperacao para pesquisa firmados pelo LBF.

Obtencao do inoculo de Meloidogyne incognita

O inoculo de M. incognita foi conseguido a partir de populacao mantida em tomateiros 'Santa Cruz' cultivados em casa-de-vegetacao, em substrato composto de solo e areia na proporcao de 1:2 (v [v.sup.-1]) previamente esterilizado com brometo de metila. Apos 60 dias, a parte aerea das plantas foi cortada, seus sistemas radiculares cuidadosamente lavados, picados em pedacos de 1 cm e com solucao de hipoclorito de sodio na concentracao de 0,5% foram triturados em liquidificador domestico na velocidade maxima por 15 segundos. A suspensao obtida foi passada em peneira de 20 mesh sobre peneira de 500 mesh. Os ovos retidos nesta ultima peneira foram recolhidos com auxilio de pisseta contendo agua destilada e a concentracao da suspensao foi padronizada em 300 ovos mL-1 por meio de camara de Peters em microscopio composto.

Tratamento de sementes

O tratamento de sementes com os fungos foi feito na dosagem de 600 mL de suspensao para 100 kg de sementes. Para a obtencao das suspensoes, cujas concentracoes de 1,5 x [10.sup.8] conidios g-1 de P. chlamydosporia e 1,5 x [10.sup.9] conidios [g.sup.-1] de P. lilacinus foram determinadas com auxilio da camara de Neubauer, o arroz colonizado foi lavado com a menor quantidade possivel de solucao de Tween 80 [R] , com vistas a obtencao da maior concentracao de conidios. No caso do NEMIX, cuja concentracao foi confirmada em 3,2 x [10.sup.9] UFC [g.sup.-1] de Bacillus sp., o tratamento foi feito segundo a recomendacao do fabricante para soja, com a dose de 500 g do produto para 100 kg de sementes.

Plantio e infestacao de Meloidogyne incognita

As sementes de soja foram plantadas em vasos de argila de 4,5 L, contendo terra do horizonte C de Latossolo Vermelho-Amarelo e areia de granulometria media lavada (1:2 v [v.sup.-1]). Esta mistura de solo/areia foi colocada em uma caixa de fibrocimento de 500 L, coberta com lona plastica e esterilizada com brometo de metila, sendo retirada depois de uma semana. Apos o plantio, deixou-se uma planta por vaso. Para a inoculacao, 15 dias apos, foram abertos tres orificios com 2 cm de profundidade e distanciados 2 cm da plantula. Nesses tres orificios foram distribuidos 10 mL da suspensao de ovos, que corresponde a 3.000 ovos do nematoide para cada plantula. Depois da adicao da suspensao de ovos, os orificios foram fechados. As plantas foram irrigadas diariamente por 25 min. com microaspersao e receberam solucao nutritiva em intervalos quinzenais. O ensaio foi conduzido ate o estadio de florescimento, quando foram feitas as analises, correspondendo a 35 dias apos a inoculacao.

Aplicacao em pos-emergencia

Apos 15 dias de plantio, concomitantemente com a infestacao de M. incognita, foi feita a aplicacao dos produtos de controle em pos-emergencia. No caso dos fungos, utilizou-se pulverizacao da suspensao de conidios, com as concentracoes supracitadas, ajustadas para uma vazao de 400 L [ha.sup.-1], semelhante a usada em condicoes de campo nas pulverizacoes com produtos quimicos comerciais. Para o Nemix e o Aldicarb foi aplicado o equivalente a 10 kg [ha.sup.-1], em pulverizacao (Nemix) e incorporacao no solo a 2 cm de profundidade (Aldicarb). As aplicacoes foram feitas na area total dos vasos (0,1 [m.sup.2] [vaso.sup.-1]).

Determinacao do numero de galhas, de ovos, de nematoides juvenis de Meloidogyne incognita presentes no sistema radicular e da materia seca da raiz

As raizes foram separadas em pequenos fragmentos de radicelas e entao observadas ao fundo claro (folha de papel sulfite) com lupa manual, sendo as galhas entao contadas. Para a contagem de ovos, as raizes foram cortadas com tesoura em pedacos de 2 cm e entao trituradas em liquidificador domestico com velocidade maxima por 15 segundos em uma solucao 1:1 de agua sanitaria comercial e agua. A suspensao foi passada em uma peneira de 20 mesh sobre outra de 500 mesh. Com auxilio de agua destilada contida em uma pisseta a suspensao foi entao transferida para um becker e em seguida para um tubo de ensaio. Apos sedimentacao foi retirada uma aliquota de 5 mL do precipitado e os ovos contados em camara de Peters (TIHOHOD, 2000) em microscopio composto.

Para a extracao de juvenis empregou-se a tecnica de Coolen e D'Herde (MARCHI et al., 2007), e feita a contagem tambem em microscopio composto em camara de Peters. A massa da materia seca das raizes foi determinada cortando-se as mesmas na altura do colo da planta, colocando-as em estufa a 60[grados]C ate peso constante.

Resultados e discussao

Numero de galhas de Meloidogyne incognita nas raizes da soja

O numero de galhas encontrado nas raizes apos os tratamentos biologicos nao diferiu da testemunha contendo apenas o nematoide. O mesmo ocorreu em relacao ao tratamento com o produto quimico que, apesar de nao ter diferido da testemunha sem infestacao, tambem nao diferiu da testemunha contendo a infestacao por M. incognita (Figura 1).

Em solos naturalmente infestados por Meloidogyne arenaria, Rodriguez-Kabana et al. (1984) obtiveram controle significativo do numero de galhas com o uso de P. lilacinus e P. chlamydosporia, e Deleij et al. (1993) obtiveram mais de 90% de reducao da populacao de nematoides aplicando P. chlamydosporia a campo. No Brasil, em testes com diferentes isolados de P. lilacinus, Santiago et al. (2006) verificaram que a maioria dos isolados promoveram reducao do numero de galhas de M. paranaensis em tomateiros, e Freitas et al. (1999) obtiveram reducao do numero de galhas de M. javanica em raizes da mesma planta, com o uso de mudas com o substrato colonizado por P. lilacinus.

[FIGURA 1 OMITIR]

Os resultados positivos obtidos com outras culturas nao se confirmaram neste estudo com soja. Possivelmente, isso seja pela diferenca entre plantas, isolados e concentracoes dos inoculos utilizados. Formulacoes comerciais de ambos os fungos estao disponiveis em varios paises para controle de nematoides de galhas, porem no Brasil, apesar de algumas empresas estarem testando estes organismos, nao existe nenhum produto registrado.

Massa da materia seca das raizes de soja

Os nematoides tendem a reduzir o desenvolvimento e, portanto, a massa da materia seca das raizes, principalmente em infestacoes severas (VILAS-BOAS et al., 2002). Apenas no tratamento das sementes com P. lilacinus (PL TS), obteve-se uma massa de materia seca significativamente maior que a obtida na testemunha inoculada com M. incognita (Figura 2) evidenciando a acao do fungo na reducao da atividade do nematoide. Este resultado corrobora o trabalho de Santiago et al. (2006) que obtiveram maiores massas de raizes de tomateiros tratados com alguns isolados P. lilacinus infestados com M. paranaensis.

[FIGURA 2 OMITIR]

Numero de ovos de Meloidogyne incognita nas raizes de soja

O tratamento das sementes de soja com ambos os fungos junto com a aplicacao dos mesmos em pos-emergencia (PL TS+ TPE e PC TS+ TPE), o tratamento das sementes apenas com Nemix (Nemix TS) e tambem em pos-emergencia (Nemix TS + TPE), e a aplicacao de Aldicarb em posemergencia reduziram significativamente o numero de ovos de M. incognita nas raizes de soja. A maior reducao foi obtida no tratamento com P. chlamydosporia. Para os demais tratamentos nao se verificou diferenca estatistica significativa (Figura 3). Estes resultados corroboram a literatura existente a respeito dos fungos, conhecidos ovicidas, e estao condizentes com o obtido por Campos e Campos (1997), que constataram reducao do numero de ovos por grama de raiz usando P. lilacinus e P. chlamydosporia.

Numero de juvenis de Meloidogyne incognita nas raizes de soja

Pelos resultados obtidos neste trabalho, apenas Aldicarb proporcionou reducao no numero de juvenis (Figura 4). Em outras culturas e situacoes, utilizando filtrados de culturas de P. lilacinus, Costa et al. (2000) relataram reducao da motilidade, eclosao e aumento da mortalidade de J2 de Meloidogyne incognita significativos e semelhantes a Aldicarb. Tambem Campos e Campos (1997) constataram reducao de numero de juvenis de segundo estadio de Meloidogyne sp. com aplicacao de P. chlamydosporia e P. lilacinus. Machado e Campos (1997) conseguiram reducao do numero de juvenis de M. javanica com P. lilacinus e P. chlamydosporia cultivados em diferentes substratos, sendo os melhores resultados conseguidos com o crescimento dos fungos em esterco bovino e farelo de arroz.

[FIGURA 3 OMITIR]

[FIGURA 4 OMITIR]

Conclusao

Aldicarb e eficiente na reducao do numero de ovos e de juvenis de M. incognita. P. lilacinus foi o mais atuante entre os agentes biologicos, pois favoreceu a manutencao da massa da materia seca das raizes de soja e reduziu o numero de ovos, enquanto o produto Nemix, a base de Bacillus sp. e o fungo P. chlamydosporia somente tiveram acao efetiva na reducao do numero de ovos do nematoide. Concluiu-se que o agente quimico e os agentes biologicos avaliados neste trabalho mostraram moderada atividade no controle de M. incognita em soja.

Agradecimentos

Os autores agradecem ao Laboratorio de Biocontrole Farroupilha Ltda, pela cessao das instalacoes e condicoes materiais para a execucao deste trabalho e ao Dr. Brian R. Kerry do Rothamsted Research, England, pelo envio do isolado de P. chlamydosporia.

DOI: 10.4025/actasciagron.vi32i3.2166

Received on April 9, 2008. Accepted on November 8, 2008.

Referencias

ATKINS, S. D.; HIDALGO-DIAZ, L.; KALISZ, H.; MAUCHLINE, T. H.; KIRSCH, P. R.; HERRY, B.R. Development of a new management strategy for the control of root-knot nematodes (Meloidogyne spp.) in organic vegetable production. Pest Management Science, v. 59, n. 2, p. 183-189, 2003.

BARKER, K. R.; KOENNING, S. R. Developing sustainable systems for nematode management. Annual Review of Phytopathology, n. 36, p. 165-205, 1998.

CAMPOS, H. D.; CAMPOS, V. P. Efeito da epoca e forma de aplicacao dos fungos Arthrobotrys conoides, Arthrobotrys musiformis, Paecilomyces lilacinus e Verticillium chlamydosporium no controle de Meloidogyne exigua do cafeeiro. Fitopatologia Brasileira, v. 22, n. 3, p. 261-265, 1997.

COSTA, M. J. N.; CAMPOS, V. P.; PFENNING, L. H.; OLIVEIRA, D. F. Filtrados de culturas fungicas com acao antagonista a Meloidogyne incognita (Kofoid & White) Chitwood. Fitopatologia Brasileira, v. 25, supl., p. 235-336, 2000.

DELEIJ, F. A. A. M.; DENNEHY, J. A.; KERRY, B. R. Effect of watering on the distribution of Verticillium chlamydosporium in soil and the colonization of egg masses of Meloidogyne incognita by the fungus. Nematologica, v. 39, n. 3, p. 250-265, 1993.

DIAS-ARIEIRA, C. R.; FERRAZ, S.; FREITAS, L. G.; MIZOBUSTI, E. H. Avaliacao de gramineas forrageiras para o controle de Meloigogyne incognita e M. javanica (Nematoda). Acta Scientiarum. Agronomy, v. 25, n. 2, p. 473-477, 2003.

DONG, L. Q.; ZHANG, K. Q. Microbial control of plant-parasitic nematodes: a five-party interaction. Plant Soil, v. 288, n. 1, p. 31-45, 2006.

FISHER, I. H.; BUENO, C. J.; GARCIA, M. J. M.; ALMEIDA, A. M. Reacao do maracujazeiro-amarelo ao complexo fusariose-nematoide de galha. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 32, n. 2, p. 223-227, 2010.

FREITAS, L. G.; FERRAZ, S.; ALMEIDA, A. M. S. Controle de Meloidogyne javanica em tomateiro pela producao de mudas de tomateiro em substrato infestado com Paecilomyces lilacinus. Nematologia Brasileira, v. 23, n. 1, p. 65-73, 1999.

FREITAS, J. A.; AZEVEDO, S. M.; MALUF, W. R.; GOMES, L. A. A.; SILVA, J. A. R. Reacao de progenies de pimentao a infeccao por Meloidogyne incognita, racas 1 e 3. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 22, n. 4, p. 925-930, 2000.

FREITAS, J. A.; SANTOS, G. C.; SOUZA, V. S.; AZEVEDO, S. M. Resistencia de clones de batata-doce, Ipomoea batatas L., aos nematoides causadores de galha. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 23, n. 5, p. 1257-1261, 2001.

GOETTEL, M. S.; HAJEK, E. A.; SIEGEL, J. P.; EVANS, H. C. Safety of fungal biocontrol agents. In: BUTT, T. M.; JACKSON, C.; MAGAN, N. (Ed.). Fungal as biocontrol agents: problems, progress and potential. Wallinford: Cabi, 2001. Cap. 13, p. 347-376.

HALLMANN, J.; FAUPEL, A.; KRECHEL, A.; SIKORA, R. A.; BERG, G. Endophytic bacteria and biological control of nematodes. Bulletin OILB/SROP, v. 27, n. 1, p. 83-94, 2004.

JACOBS, H.; GRAY, S. N.; CRUMP, D. H. Interactions between nematophagous fungi and consequences for their potential as biological agents for the control of potato cyst nematodes. Mycological Research, v. 107, n. 1, p. 47-56, 2003.

KIMPINSKI, J.; STURZ, A. V. Managing crop root zone ecosystems for prevention of harmful and encouragement of beneficial nematodes. Soil and Tillage Research, v. 72, n. 2, p. 213-221, 2003.

LEVY, R. M.; HOMECHIN, M.; SANTIAGO, D. C.; CADIOLI, M. C.; BAIDA, F. C. Reacao de genotipos de milho ao parasitismo de Meloidogyne incognita raca 1 e a M. paranaensis. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 31, n. 4, p. 575-578, 2009.

MACHADO, V. O. F.; CAMPOS, V. P. Cultivo de fungos antagonistas em diferentes substratos e avaliacao da eficiencia no controle de Meloidogyne javanica. Fitopatologia Brasileira, v. 33, n. 3, p. 387-391, 1997.

MARCHI, C. E.; FERNANDES, C. D.; BORGES, C. T.; SANTOS, J. M.; JERBA, V. F.; TRENTIN, R. A.; GUIMARAES, L. R. A. Nematofauna fitopatogenica de sementes comerciais de forrageiras. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, v. 42, n. 5, p. 665-660, 2007.

MONFORT, E.; LOPEZ-LORCA, L. V.; JANSSON. H. B.; SALINAS, J.; PARK, J. O.; SIVASITHAMPARAM, K. Colonization of seminal roots of wheat and barley by eggparasitic nematophogous fungi and their effects on Gaeumannomyces graminis var. tritici and development of root-rot. Soil Biology and Biochemistry, v. 37, n. 7, p. 1229-1235, 2005.

RODRIGUEZ-KABANA, R.; MORGAN-JONES, G.; GODOY, G.; GINTIS, B. O. Effectiveness of species of Giocladium, Paecilomyces and Verticillium for control of Meloidogyne arenaria in field soil. Nematropica, v. 14, n. 1, p. 155-170, 1984.

SANTIAGO, D.C.; HOMECHIN, M.; SILVA, J. F. V.; RIBEIRO, E. R.; GOMES, B. C.; SANTORO, P. H. Selecao de isolados de Paecilomyces lilacinus (Thom.) Samson para controle de Meloidogyne paranaensis em tomateiro. Ciencia Rural, v. 36, n. 4, p. 1055-1064, 2006.

SIKORA, R. A. Management of the antagonistic potential in agricultural ecosystems for the biological control of plant-parasitic nematodes. Annual Review of Phytopathology, n. 30, p. 245-270, 1992.

SIKORA. R. A.; FERNANDEZ, E. Nematodes parasites of vegetables. In: LUC, M.; SIKORA, R. A.; BRIDGE, J. (Ed.). Plant-parasitic nematodes in subtropical and tropical agriculture. 2nd ed. Wallingford: Cabi, 2005. p. 319-392.

SIKORA, R. A.; PADGHAM, J. L. Biological control potential and modes of action of Bacillus megaterium against Meloidogyne graminicola on rice. Crop Protection, v. 26, n. 7, p. 971-977, 2007.

TIHOHOD, D. Nematologia agricola aplicada. 2. ed. Jaboticabal: Funep, 2000.

VILAS-BOAS, L. C.; TENENTE, R. C. V.; GONZAGA, V.; NETO, S. P. S.; ROCHA, H. S. Reacao de clones de bananeira (Musa spp.) ao nematoide Meloidogyne incognita (Kofoid & White, 1919) Chitwood, 1949, Raca 2. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 24, n. 3, p. 690-693, 2002.

ZANELLA, C. S.; GAVASSONI, W. L.; BACCHI, L. M. A.; CARVALHO, F. C. Resistencia de cultivares de algodoeiro ao nematoide das galhas. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 27, n. 4, p. 655-659, 2005.

Henrique Teixeira Nunes (1), Antonio Carlos Monteiro (2) * e Alan William Vilela Pomela (3)

(1) Programa de Pos-graduacao em Microbiologia Agropecuaria, Faculdade de Ciencias Agrarias e Veterinarias, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane, 14884-900, Jaboticabal, Sao Paulo, Brasil. (2) Departamento de Producao Vegetal, Faculdade de Ciencias Agrarias e Veterinarias, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Jaboticabal, Sao Paulo, Brasil. (3) Sementes Farroupilha, Patos de Minas, Minas Gerais, Brasil. *Autor para correspondencia. E-mail: montecar@fcav.unesp.br
COPYRIGHT 2010 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2010 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Teixeira Nunes, Henrique; Monteiro, Antonio Carlos; Vilela Pomela, Alan William
Publication:Acta Scientiarum Agronomy (UEM)
Date:Jul 1, 2010
Words:4008
Previous Article:Analysis of growth of minimilho subjected to irrigation depths/Analise de crescimento de minimilho submetido a laminas de irrigacao.
Next Article:Viabilidade economica e risco do cultivo de mamao em funcao da lamina de irrigacao e doses de sulfato de amonio.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters