Printer Friendly

Use of doramectin treatment in canine demodycosis--case report/USO DA DORAMECTINA NO TRATAMENTO DA DEMODICOSE CANINA: RELATO DE CASO.

1 Introducao

O acaro Demodex canis e um ectoparasita pertencente a microbiota natural da pele canina, habitando, em pequenas quantidades, os foliculos pilosos e glandulas sebaceas (RHODES, 2004). Trata-se de um parasito cutaneo obrigatorio, apresentando corpo do tipo vermiforme em formato de "charuto" (GUIMARAES et al., 2001). A demodicose ocorre quando a populacao do acaro fica em maior numero que o normal no foliculo piloso ou, eventualmente, na glandula sebacea, alimentando-se de debris epidermicos.

A doenca e multifatorial, sendo a patogenese ainda nao totalmente esclarecida, sendo a faixa etaria do animal um fator preponderante (GHUBASH, 2006). Existem duas apresentacoes clinicas da doenca: a Demodicose Localizada (DL) e a Demodicose Generalizada (DG), que pode ocorrer na infancia (Forma Juvenil, ou seja, ate um ano de idade) ou quando adulto (forma adulta considerada apos um ano de idade) de acordo com o surgimento dos primeiros sinais clinicos (SCOTT et al., 2001; LEITAO, 2008; SILVA et al., 2008).

Fatores como a ma nutricao, estresse, endoparasitoses, enfermidades debilitantes, endocrinopatias, medicamentos imunossupressores e as alteracoes hormonais durante o ciclo estral tambem sao listados como contribuintes para o surgimento doenca (SILVA et al., 2008).

Estudos demonstraram que existe uma relacao entre a imunidade celular e a demodicose, sendo uma caracteristica da doenca o desenvolvimento de uma reacao de hipersensibilidade tardia, contendo um infiltrado celular ao redor dos acaros e seus fragmentos tendem a ser de linfocitos CD3+ e CD8+ bem como de celulas, ou seja, celulas T citotoxicas. Ademais, Na DG os animais nao sao capazes de controlar a populacao de acaros, isso por causa de um defeito genetico e/ou adquirido na funcao de linfocitos, que pode levar a imunodeficiencia quando transmitida por heranca autossomica recessiva (SANTAREM, 2007).

A DL ocorre mais frequentemente em animais com menos de um ano de idade. As lesoes tipicas sao manchas eritematosas e alopecicas podendo apresentar-se em apenas um local do corpo, como a cabeca e/ou membros toracicos (PARIS, 2010). A DG ocorre com maior frequencia em caes maiores que um ano e se caracteriza como uma dermatopatia bastante severa nos caes. Considera-se generalizada quando ha cinco ou mais lesoes focais, comprometendo duas ou mais regioes do corpo, podendo disseminar-se (SANTAREM, 2007; LEITAO, 2008).

A sintomatologia clinica da DG e bastante variavel (HARVEY; MCKEEVER, 2004), as lesoes observadas sao alopecia generalizada, eritema, descamacao, crostas e tamponamento folicular e hiperpigmentacao (BOWMAN et al., 1999; SCOTT et al., 2001). A DL pode se agravar com o aparecimento de infeccoes bacterianas secundarias que causam lesoes cutaneas como papulas, pustulas, furunculose, trajeto fistuloso, erosoes, exsudato, crostas, prurido e dor (nUtTAL et al., 2011).

O exame considerado de eleicao para a demodicose e o parasitologico por raspado cutaneo. Para a confirmacao do diagnostico e necessario que na visualizacao sejam encontrados cinco ou mais acaros por campo (BOND, 1996; RENVIER; GUILLOT, 2000).

Varios medicamentos tem sido utilizados no tratamento da demodicose canina sendo o amitraz e as lactonas macrociclicas os medicamentos mais utilizados em varios protocolos diferentes. No geral esses medicamentos podem causar varios efeitos neurotoxicos, principalmente em racas dolicocefalas como Collie, Pastor Alemao, Pinsher dentre outas, que podem impossibilitar a terapia completa (MUELLER et al., 2012). Dentre as lactonas macrociclicas, a doramectina vem se destacando como um tratamento positivo para demodicose canina. Em estudos de demodicose e escabiose, o farmaco foi utilizado com sucesso, com intervalo de administracao maior do que as demais lactonas macrocilicas e sem efeitos adversos (PACHALY 1999; JOHNSTONE, 2002). No entanto, a literatura ainda e escassa, especialmente no que se refere ao uso oral da doramectina na demodicose. Ha, tambem, escassez de discussao acerca da ausencia de apresentacao especifica para caes, considerando que a formulacao comercializada e autorizada pelo ministerio da agricultura pecuaria e abastecimento apenas para bovinos, ovinos e suinos (MAPA, 2004; MADDISON et al. 2010).

Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi relatar um caso de demodicose generalizada em um Pastor Alemao tratado com doramectina 0,6 mg/kg, via oral (VO), atendida na PoliclinicaVeterinaria da Universidade Iguacu (UNIG), campus V, Itaperuna, R.J.

2 Relato de caso

Uma cadela da raca Pastor Alemao, inteira, cinco anos de idade, pesando 17,8kg foi atendida na Policlinica Veterinaria da Universidade Iguacu--UNIG no municipio de Itaperuna. Ao exame clinico foi observada hipertermia, com temperatura mensurada equivalente a 39,4[degrees]C enquanto que a frequencia cardiaca foi de 88 bpm, a frequencia respiratoria e tempo de preenchimento capilar normais. O animal apresentava alopecia na face, membro anterior e dorso, eritema, crostas, hiperpigmentacao, descamacao, liquenificacao e piodermite (figuras 1A e 1B).

A palpacao foi observado aumento do linfonodo mandibular. Apos avaliacao clinica, foram solicitados exames laboratoriais que incluiram o hemograma, avaliacao da alanina aminotransferase (ALT), fosfatase alcalina (FA), ureia e creatinina, alem de exame parasitologico de pele atraves do raspado profundo das regioes afetadas. De acordo com os resultados nao foram encontradas alteracoes nos exames de sangue, no entanto o raspado de pele foi positivo para o acaro Demodex canis, quando se concluiu o diagnostico de demodicose.

Para o tratamento foi proposto foi proposto um protocolo com medicamentos de uso sistemico que incluiu a doramectina (0,6mg/kg; a cada 72 h, VO, 30 dias), cefalexina (30mg/kg; de 12-12 horas, VO, 28 dias) e dipirona (25 mg/kg, VO, de 8-8 horas, por 3 dias).

Para uso topico foi prescrito um banho semanal com o shampoo clorexidine 4% + miconazol 2%, (Cloresten[R]).

Apos 30 dias o animal retornou e, ao exame clinico, apresentava somente algumas areas de alopecia no dorso e nos membros. Foram realizados novos raspados de pele e nao foram encontrados acaros da especie Demodex canis. As demais lesoes apresentaram uma melhora significativa, indicando que o tratamento apresentou sucesso. Foi recomendado o uso da doramectina na mesma posologia utilizada por mais 30 dias e retorno para a avaliacao.

Apos os 30 dias o animal apresentava-se curado, sem areas de alopecia ou lesao e o raspado foi negativo para acaros. Apos 10 meses do inicio da doenca, o animal retornou para revisao e novo raspado cutaneo foi coletado sendo o resultado negativo para ectoparasitas. Durante esse tempo o animal nao apresentou nenhuma recidiva (Figura 2).

3 Discussao

No presente trabalho o cao apresentava demodicose generalizada, pois antes do inicio do tratamento, o animal encontrava-se com varias areas de lesoes alopecicas, eritematosas, crostosas, hiperpigmentadas, com piodermite por infeccao secundaria na regiao do dorso, focinho e membros e aumento dos linfonodos mandibulares. De acordo com a literatura esses mesmos achados clinicos sao compativeis com a demodicose generalizada (FUKAORI et al., 2013; SOCOLOSKI et al., 2015). Segundo Silva et al. (2008) lesoes sao incomodas e se encontram presentes em mais de cinco areas de alopecia focal, especialmente na cabeca, membros e tronco, podendo tambem envolver todo o corpo, sendo que inicialmente se observa alopecia e a seguir eritema, descamacao, crostas, espessamento da pele, bem como hiperpigmentacao. A faixa etaria do animal (cinco anos) esta de acordo com trabalhos que demonstraram que a demodicose ocorre em animais adultos, maiores que um ano de idade (PARADIS, 1999; SCOTT et al., 2001).

Realizou-se raspado de pele profundo, onde foram visualizados acaros Demodex canis em grande quantidade em todas as areas avaliadas. De acordo com a literatura, a tecnica de escolha para o diagnostico da demodicose e o exame parasitologico de material colhido por raspagem cutanea profunda (SCOTT, 2001; SOCOLOSKI et al., 2015) sendo a sensibilidade da tecnica de raspagem equivalente a 100% em casos de demodicose (BENSIGNOR, 2003).

A utilizacao do antimicrobiano cefalexina no tratamento da piodermite do animal esta de acordo com Mueller et al. (2012), os quais afirmaram que e comum a presenca de bacterias Gram positivas em casos de demodicose com infeccao bacteriana secundaria, sendo mais comum a presenca de Staphylococcus pseudintermedius. Silva et al. (2011) relatam um percentual de 98,1 de sensibilidade de Staphylococcus spp. a cefalexina, o que justifica o uso deste medicamento no caso de piodermites com infeccao bacteriana secundaria.

No presente caso, foi utilizada a doramectina no tratamento da demodicose. Apos 30 dias de tratamento o animal apresentou significativa melhora clinica com poucas areas com alopecia e nao foram encontrados acaros no raspado de pele. Foi prescrito mais um mes de doramectina e apos, o animal foi reavaliado clinicamente e nao foram encontradas lesoes dermatologicas, quando novamente o exame de raspado foi negativo para Demodex canis. Apos 10 meses do inicio da doenca o animal retornou para a revisao e nao foram encontradas alteracoes dermatologicas e o raspado foi negativo para o parasito. Nesse periodo nao foram detectadas recidivas da doenca.

Leitao (2008) cita que a eficacia do tratamento deve ser monitorizada por raspagens de pele a cada duas a quatro semanas. O tratamento deve ser prolongado por pelo menos mais 30 dias (60 dias para reduzir as recidivas) apos a obtencao das primeiras raspagens de pele negativas. A cura parasitologica e alcancada quando as raspagens de pele nao revelam acaros (vivos ou mortos) em qualquer estadio de desenvolvimento. A cura definitiva e alcancada quando sao obtidas raspagens negativas quatro semanas apos a cura parasitologica e depois cada tres meses por um periodo de 12 meses (SCOTT et al., 2001; HILL, 2002).

A doramectina utilizada por via oral a cada 72 horas durante 60 dias no animal da raca Pastor Alemao demonstrou eficacia e ausencia de efeitos neurotoxicos no tratamento da demodicose. Trabalhos demostram que os animais das racas dolicocefalas (Collie, Pastor Alemao, Dobermann) sao mais susceptiveis a intoxicacao por lactonas macrociclicas (LEITAO, 2008; MUELLER, 2012; SOCOLOSKI et al., 2015).

De acordo com Papich (2009), a doramectina possui o mesmo mecanismo de acao das demais lactonas macrocilcicas, sendo que sua diferenca esta no veiculo oleoso, que aumenta a duracao da sua concentracao plasmatica e meia vida no organismo animal. Foi verificado que a doramectina na dose 0,6mg/kg por via oral ou subcutanea pode ser utilizada no tratamento da demodicose, de acordo com o Mueller et al. (2012), sendo a administracao por via oral com menos riscos uma vez que nenhuma alteracao em relacao ao medicamento foi relatada. Murayama et al. (2010), em estudo com 38 caes, utilizaram a doramectina na dose de 0,6mg/kg por via oral uma vez por semana e esta foi eficaz em 98% dos animais acometidos.

5 Conclusao

A demodicose e uma doenca que necessita de um tratamento prolongado. Varios sao os protocolos de tratamentos descritos na literatura, os quais exigem longos periodos de administracao das medicacoes e os efeitos adversos nao sao incomuns, somando a isso em inumeros casos os resultados nao sao satisfatorios. O uso da doramectina a 0,6mg/kg a cada 72 horas por via oral durante 60 dias levou a remissao do quadro no animal acometido, podendo ser uma boa alternativa de tratamento em casos de caes sensiveis as lactonas macrociclicas. Ainda sao necessarios mais estudos para constatacao da frequencia e duracao do tratamento para o controle eficaz da demodiciose canina com o uso da doramectina.

6 Referencias

BENSIGNOR, E. Comparasison de trois techniques diagnostiques de demodecie a demodex canis chez le chien. Pratique Medicale & Chirurgicale de I'Animal de Compagnie, v. 38, p. 167-171, 2003.

BOND, R. Raspado de piel en el diagnostico de las enfermidades cutaneas del perro y del gato. Waltham Focus, v. 6, p. 30-31, 1996.

BOWMAN, D.D.; DARRIGRAND, R A.; FRONGILO, M.K. et al. Treatment of experimentally induced infection in dogs and cats. Compend Cont Educ Pract Vet, n. 21, p. 299, 1999.

FUKAORI, F.L.P.; LIMA, E,R.; REGO, M.A.S. et al. Eficacia do uso de moxidectina por via oral no tratamento de demodicose em caes: breve relato de dois casos. Med Vet., v. 7, n. 1, p. 31-4, 2013.

GHUBASH, R. Parasitic miticidal therapy. Clinical Techniques in Small Practice, v. 21, p. 123-144, 2006.

GUIMARAES, J.H.; TUCCI, E C.; BARROS-BATTESTI, DM. Ectoparasitos de Importancia Veterinaria. Sao Paulo: Pleiade, 2001.

HARVEY, R.G.; MCKEEVER, Patrick J. Manual Colorido de Dermatologia do Cao e do Gato --Diagnostico e Tratamento. Rio de Janeiro: Livraria e Editora REVINTER Ltda, 2 ed., p. 272-276, 2004.

HILL, P.B. Small Animal Dermatology--A practical guide to the diagnosis and management of skin diseases in dogs and cats. Butterworth-Heinemann, p. 6-9 e 270-274, 2002.

JOHNSTONE, I.P. Doramectin as a treatment for canine and feline demodicosis. Australian Veterinary Practitioner, v. 32, p. 98-103, 2002.

LEITAO, J.P.A. Demodicose canina. Rev Port Cienc Vet., v. 103(567-568), p. 135- 49, 2008.

MADDISON, J.E. et al. Farmacologia clinica de pequenos animais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2 ed., 2010.

MAPA--Ministerio da Agricultura, Pecuaria e Abastecimento. Produtos Veterinarios: Orientacoes para a o uso responsavel. Ministerio da Agricultura, Pecuaria e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuaria--Brasilia: Mapa/SDA, 2004, 24 p.

MUELLER. S R.; BENSIGNOR, E.; FERRER, L. et al. Treatment of demodicosis in dogs: clinical practice guidelines. Veterinary Dermatology, v. 23, 86-e21, 2012.

MURAYAMA, N.; SHIBATA, K.; NAGATA, M. Efficacy of weekly oral doramectin treatment in canine demodicosis. Veterinary Record., v. 167, p. 63-64, 2010.

NUTTAL, T.; HARVEY, R.G.; MCKEEVER, P.J. Manual Colorido de Dermatologia em Caes e Gatos. 2. Ed. Rio de Janeiro: Livraria e Editora REVINTER Ltda, p. 272-276, 2011.

PACHALY, J.R. Emprego de doramectina no tratamento de demodicose em caes domesticos. In: CONGRESSO DE CLINICA VETERINARIA DE PEQUENOS ANIMAIS DO MERCOSUL, 1., 1999, Foz Iguacu. Anais ... Curitiba, 1999, p. 25.

PAPICH, M.G. Manual Saunders Terapeutico Veterinario. Sao Paulo: MedVet, 2 ed., 2009.

PARADIS, M. New approaches to the treatment of canine demodicosis. Vet. Clin. North Am. Small Anim. Pract., v. 29, p. 1425-1436, 1999.

PARIS, D.A. Demodiciose canina: revisao de literatura. 29f. Dissertacao (Especializacao em Clinica Medica de Pequenos Animais)--Universidade Federal Rural do Semi-Arido, Curitiba, 2010.

RENVIER, C.; GUILLOT, J. Adult-onset demodicosis in dogs: a retrospective study on 28 caes. Veterinary Dermatology, v. 3, sup. 1, p. 49, 2000.

RHODES, K.H. The 5-minutes veterinary consulte clinical companion: small animal dermatology. Philadelphia: Lippincott Willians & Wilkins, p. 203-209, 2004.

SANTAREM, V. Demodicose canina: revisao. Clin. Vet., v. 69, p. 86-98, 2007.

SCOTT, D.W.; MULLER, W.H.; GRIFFIN, C E. Dermatologia dos pequenos animais. Rio de Janeiro: Interlivros, 5. ed., p. 360-434, 2001.

SILVA, R.P.B; BELETTINI, S.T; STEL, R.F. et al. Sarna demodecica canina e suas novas perspectivas de tratamento--revisao. Arq. Cienc. Vet. Zool. Unipar, Umuarama, v. 11, n. 2, p. 139-151, 2008.

SOCOLOSKI, S.N.G.; BUREMA, M.C.; MONTEIRO, B.G. et al. Demodiciose generalizada adulta e juvenil: Relato de dois casos. Vet. e Zootec., v. 22, n. 3, p. 386-391, 2015.

Livia Silva JACOMINE, Alvaro Jose Bittencourt BASTOS, Denise Aparecida da SILVA & Flavia Regina Cruz DIAS *

Universidade Iguacu, campus V. Itaperuna, Rio de Janeiro, Brasil.

* Autor para correspondencia: flavetinha@hotmail.com

DOI: http://dx.doi.org/ 10.18571/acbm. 147a

Caption: Figura 1: (A) Hiperpigmentacao associada a alopecia e descamacao acometendo regiao da face; (B) Alopecia, hiperpigmentacao, crostas e eritema em regiao do dorso.

Caption: Figura 2. Animal apos 11 meses. Fonte: Arquivo pessoal.
COPYRIGHT 2017 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Jacomine, Livia Silva; Bastos, Alvaro Jose Bittencourt; Silva, Denise Aparecida da; Dias, Flavia Reg
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Article Type:Estudio de caso
Date:Dec 1, 2017
Words:2487
Previous Article:ANALISE DA ABORDAGEM E CONHECIMENTO DO TEMA PARASITOSES CAUSADAS POR PROTOZOARIOS EM ESCOLAS PUBLICAS DO MUNICIPIO DE SALINAS-MG.
Next Article:RELATO DE CASO: DEFICIENCIA DE TIAMINA COMO CAUSA DE DESCOMPENSACAO CARDIACA.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters