Printer Friendly

Um contributo para uma psicologia feminista critica em Portugal.

Amor, poder e violencias na intimidade: os caminhos entrecruzados do pessoal e do politico.

NEVES, Sofia.

Coimbra: Quarteto, 2008. 243 p.

Num pais marcado pela falta de visibilidade dos saberes feministas, como e Portugal, a publicacao do livro de Sofia Neves Amor, poder e violencias na intimidade: os caminhos entrecruzados do pessoal e do politico, (1) e de salientar. As razoes para a importancia desta obra sao variadas. Comeco por realcar a qualidade inequivoca dos percursos de investigacao apresentados. O trabalho de Sofia Neves, exemplar do ponto de vista da producao cientifica em psicologia de matriz construcionista social, (2) possibilita importantes contribuicoes teOricas e metodolOgicas. Se, por um lado, aprofunda as metodologias feministas a que recorre, por outro, atribui-lhes um sentido estrategico e critico, no modo como permitem o questionamento da veneracao positivista pelo metodo, que tem caracterizado a psicologia.

Este sentido estrategico e critico nao e vacuo nem inOcuo em relacao as participantes nestes estudos. Pelo contrario, e em vez de enveredar pela mera discussao teOrica, Sofia Neves coloca a psicologia ao servico dos direitos humanos das mulheres, em vez de as tratar como meros objectos de estudo, aliando assim a Psicologia Social Critica (3) com as propostas da Psicologia Feminista, (4) rompendo com a orientacao positivista da disciplina.

Nascida a partir da implicacao da autora com o pensamento feminista e a psicologia feminista critica, a sua genealogia e outra, diferente de uma psicologia "malestream", (5) simultaneamente androcentrica e centrada na idolatria do metodo experimental, e desatenta das relacoes de poder. (6) Este trabalho traz as preocupacoes feministas como modo de enquadrar importantes questoes societais, como a violencia de genero.

Marcado por um entendimento do modo como as relacoes de poder se estruturam na linguagem, o que a autora propoe e um olhar sobre o genero enquanto relacao social, e nao como um atributo individual. Esta concepcao do genero fa-la entretecer as relacoes de poder enquanto constituintes das relacoes sociais e profundamente imbricadas nos modos como o genero se instituiu enquanto ordem social. (7)

Estamos longe, quer das concepcoes assentes no sexo e da "biologia como destino", quer das prerrogativas das concepcoes classicas assentes numa socializacao da diferenca, entendida como puramente simetrica. Nesta obra, o genero ganha sentido enquanto conceito que permite um enquadramento das relacoes assimetricas de poder, entendidas no quadro de uma ordem social de genero que lhes da plausibilidade, apesar de a inscricao social destas normas de genero serem transvestidas de diferenca biolOgica, como e amplamente demonstrado pelos estudos de genero. (8)

Usando o amor como justificacao, (9) estas mulheres a que este livro da voz sofreram violencias desmedidas, acreditando que o amor trazia consigo esta consequencia. Este amor sacrificial, consequencia da ordem de genero, transforma-as em vitimas. As vozes destas mulheres, que sao infelizmente exemplos vivos da coercao imposta pela ordem de genero, sao neste livro escutadas e atendidas.

A analise detalhada que Sofia Neves faz das contribuicoes feministas para a pratica psicolOgica permite-lhe contribuir para um aumento importante dos conhecimentos na psicologia e actualizar estes conhecimentos, nomeadamente em Portugal, onde a psicologia feminista ainda e um dominio pouco visivel da pratica psicolOgica. (10)

A obra de Sofia Neves, fruto da sua tese de doutoramento em Psicologia Social na Universidade do Minho, orientada por Conceicao Nogueira, inscreve-se numa ruptura epistemologica e metodologica. Especificando um quadro de analise mais preocupado com a questao dos discursos que fundamentam a violencia de genero, ha da parte da autora uma preocupacao em situar, contextualizar, mas sobretudo desconstruir estas situacoes. Esta obra usa as propostas dos conhecimentos situados (11) como modo de conceptualizar uma psicologia simultaneamente mais implicada e mais reflexiva. Centrada nas vivencias destas mulheres, constroi uma tessitura analitica que lhe permite um enquadramento integrado das questoes de genero, poder, amor romantico e violencia.

Igualmente, a ancoragem desta obra numa dimensao etica feminista e de intervencao reflexiva e determinante para mobilizar esforcos para uma mudanca social.

Trata-se, assim, de um texto interpelador e que se posiciona de forma preocupada, nao apenas com a producao de conhecimento, mas tambem com imperativos eticos feministas, que reclama dos interventores e utilizadores da psicologia serem vectores de transformacao social. Partindo de propostas partilhadas com a Psicologia da Libertacao,12 o engajamento com a mudanca social sera uma das principais caracteristicas da obra de Sofia Neves e das suas propostas para uma psicologia feminista critica. Nesta obra, Sofia Neves conseguiu acumular mais conhecimentos, mas tambem mostrar possibilidades emancipatOrias, revelando que ambos os principios podem ser concretizados numa pratica psicolOgica feminista.

Referencias bibliograficas

AMANCIO, Ligia. Masculino e feminino: a construcao social da diferenca. Porto: Afrontamento, 1994.

AMANCIO, Ligia; OLIVEIRA, Joao Manuel. "Men as Individuals, Women as a Sexed Category. Implications of Symbolic Asymmetry for Feminist Practice and Feminist Psychology." Feminism & Psychology, v. 16, n. 1, 2006. p. 35-43.

APFELBAUM, Erika. "Relations of Domination and Movements for Liberation: An Analysis of Power between Groups (abridged)." Feminism and Psychology, v. 9, n. 3, 1979[1999]. p. 267-272.

CONNELL, Robert. Gender. Cambridge: Polity Press, 2002

GERGEN, Mary. Feminist Reconstructions in Psychology: Narrative, Gender and Performance. Thousand Oaks: Sage, 2001.

HARAWAY, Donna. "Situated Knowledges: The Science Question in Feminism and the Privilege of Partial Perspective." In: HARAWAY, Donna (ed.). Symians, Cyborgs and Women: The Reinvention of Nature. New York: Routledge, 1988[1991]. p. 183-202.

HOLLWAY, Wendy. Subjectivity and Method in Psychology: Gender, Meaning and Science. London: Sage, 1989.

IBANEZ, Tomas; INIGUEZ, Lupicinio. Critical Social Psychology. London: Sage, 1998.

MARTIN-BARO, Ignacio. Writings for a Liberation Psychology. Edited by Adrianne Aron and Shawn Corne. Cambribge, MA: Harvard University Press, 1994.

NEVES, Sofia. "As mulheres e os discursos genderizados sobre o amor: a caminho do 'amor confluente' ou o retorno ao mito do 'amor romantico'"? Revista Estudos Feministas, v. 15, n. 3, p. 609-627, 2007.

NOGUEIRA, Conceicao. Um novo olhar sobre as relacoes sociais de genero: feminismo e perspectiva critica na psicologia social. Lisboa: Fundacao Gulbenkian, 2001.

NOGUEIRA, Conceicao, SAAVEDRA, Luisa, and NEVES, Sofia. "Critical (Feminist) Psychology in Portugal. Will it be possible?" In: DAFERMOS, Manolis, MARKAVIS, Athanasios, and TRILIVIA, Sofia (eds.). Annual Review of Critical Psychology, n. 5. [Disponivel na internet: http:/ /www.discourseunit.com/arcp/5.htm]. 2006.

OLIVEIRA, Joao Manuel de; AMANCIO, Ligia.

"Teorias feministas e representacoes sociais: desafios dos conhecimentos situados para a psicologia social". Revista Estudos Feministas, v. 14, n. 3, p. 597-615, 2006.

Joao Manuel de Oliveira

Centro de Investigacao e de Intervencao

Social

Instituto Superior de Ciencias do Trabalho

e da Empresa, Lisboa, Portugal

Notas

(1) Este trabalho ja foi inclusivamente reconhecido pelas Organizacoes Nao Governamentais do Conselho Consultivo da Comissao para a Cidadania e Igualdade de Genero, tendo-lhe sido atribuido o Premio Mulher Investigacao "Carolina de Michaelis de Vasconcelos" 2006, o qual se destina a distinguir o melhor estudo de investigacao e analise da situacao das mulheres em Portugal.

(2) Conceicao NOGUEIRA, 2001.

(3) Tomas IBANEZ e Lupicinio INIGUEZ, 1998.

(4) Mary GERGEN, 2001.

(5) Wendy HOLLWAY, 1989.

(6) Erika APFELBAUM, 1979[1999]. Ver tambem Ligia AMANCIO e Joao Manuel OLIVEIRA, 2006.

(7) Robert CONNELL, 2002.

(8) AMANCIO, 1994.

(9) NEVES, 2007.

(10) Conceicao NOGUEIRA, Luisa SAAVEDRA e Sofia NEVES, 2006.

(11) Donna HARAWAY, 1988. Ver tambem OLIVEIRA e AMANCIO, 2006.

(12) Ignacio MARTIN-BARO, 1994.
COPYRIGHT 2008 Instituto de Estudos de Genero - Centro de Filosofia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2008 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Oliveira, Joao Manuel
Publication:Revista Estudo Feministas
Date:May 1, 2008
Words:1191
Previous Article:Religioes e sexualidade no cenario brasileiro contemporaneo.
Next Article:Beleza e fundamental?

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters