Printer Friendly

USO DE SUPLEMENTOS TERMOGENICOS A BASE DE CAFEINA E FATORES ASSOCIADOS A QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA A SAUDE EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FISICA.

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi avaliar a associacao entre o uso de suplementos termogenicos a base de cafeina e fatores associados a qualidade de vida relacionada a saude (QVRS) em praticantes de atividade fisica de uma academia de Salvador. Foram avaliados 127 alunos praticantes de atividade fisica, de ambos os generos, nos meses de setembro e outubro de 2010, atraves do Questionario de Qualidade de Vida SF-36. Apos analise, 39 (30,7%) afirmaram fazer ou terem feito uso de suplementos termogenicos a base de cafeina, sendo 11 do sexo masculino (28,2%) e 28 (71,8%) do sexo feminino. A media de idade da amostra estudada foi de 20-25 anos (61,5%). Segundo o grau de instrucao, (56,4%) dos participantes cursavam o ensino superior. Dos entrevistados, 56,4% declararam que o suplemento auxiliou na perda de peso, 20,5% no aumento da disposicao fisica, o mesmo valor foi encontrado para aqueles que obtiveram melhor performance no treino e 12,8 % relataram maior definicao muscular. Os dominios da QVRS mais comprometidos foram Saude Mental (52%), Estado geral de Saude (62%) e Capacidade Funcional (56%). Conforme os resultados supracitados parece nao haver fortes associacoes entre a QVRS com o uso de termogenicos o que leva a necessidade de novos estudos para se preencher essa lacuna do conhecimento.

Palavras-chave: Cafeina. Suplementos Dieteticos. Perda de Peso.

ABSTRACT

Use of thermogenic supplements based on caffeine and factors associated with quality of life related to health in physical activity practitioners

The aim of this study was to evaluate the association between the use of thermogenic supplements the basis of caffeine and associated factors related to quality of life (HRQoL) in physically active for a health Salvador. 127 students practicing physical activity, of both genders, were evaluated during September and October 2010, through the Quality of Life Questionnaire SF-36. After analysis, 39 (30.7%) reported having used or thermogenic supplements caffeine based, with 11 males (28.2%) and 28 (71.8%) were female. The mean age of the sample was 20-25 years (61.5%). According to the Education, (56.4%) of the participants were enrolled in higher education. Of the respondents, 56.4% stated that the supplement helped in weight loss, increased 20.5% in the physical layout, the same value was found for those who had better performance in training and 12.8% reported greater muscle definition. The domains of HRQOL were more committed Mental Health (52%), general health (62%) and functional capacity (56%). As the above results shows, seems to be no associations between HRQoL and the use of thermogenic which leads to the need for new studies to fill this knowledge gap.

Key words: Caffeine. Dietary Supplements. Weight Loss.

INTRODUCAO

No Brasil observa-se um uso abusivo de suplementos alimentares com finalidade estetica ou ergogenica, entre praticantes de atividades fisicas em academias (Ahrendt, 2001).

Dentre esses suplementos, os denominados termogenicos sao os que trazem propostas tentadoras ao publico que busca um corpo perfeito, visando principalmente modificacoes na estetica corporal.

Essa categoria de ergogenicos tem por objetivo induzir a termogenese que e definida como uma producao de calor atraves da energia liberada por reacoes quimicas, controlada pelo sistema nervoso simpatico e promovendo a liberacao de diversos hormonios(Lowell, Spiegelman, 2000; Oliveira, 1992).

Dentre as substancias utilizadas como termogenicas, a cafeina tem sido demonstrada como uma das eficientes no processo (Kalman e colaboradores, 2002).

A cafeina e um alcaloide pertencente ao grupo das metilxantinas. Esta presente em diversas especies de plantas(Altimari e colaboradores, 2006) e e considerada uma das drogas mais consumidas, pois ainda ocorre em diversos alimentos como, por exemplo, o cafe, cha, chocolate, guarana e mate(Barone, Roberts, 1996; Clarkson, 1993; Slavin, Joensen, 1995).

Atualmente, alguns estudos indicam que a utilizacao de 3 a 6 mg de cafeina por kg/massa para atletas e praticantes de atividade fisica melhoram o seu desempenho fisico(Altimari e colaboradores, 2006). Porem, os efeitos da acao da cafeina sobre o comportamento humano tem sido investigados ha algumas decadas(Maria, Moreira, 2007).

Dentro de um arsenal de substancias presentes nos diversos suplementos termogenicos, a cafeina e uma das mais utilizadas, sendo esta destinada predominantemente para atletas de endurance (Alves e Lima, 2009).

Este fato e decorrente a sua promessa de melhora do desempenho fisico, producao de energia, prevencao de fadiga e auxilio na perda de massa corporal, atraves da mobilizacao dos acidos graxos livres do tecido adiposo(Altimari e colaboradores, 2006; Mello e colaboradores, 2007).

Considerando os aspectos acima levantados, o objetivo do presente estudo foi avaliar a associacao entre o uso de suplementos termogenicos a base de cafeina e fatores associados a qualidade de vida relacionada a saude em praticantes de atividade fisica de uma academia de Salvador-BA.

MATERIAIS E METODOS

Desenho do Estudo e Amostra

Estudo de corte transversal sendo que amostra foi selecionada de forma nao probabilistica e utilizou-se como criterios de inclusao para selecao que todos fossem praticantes de atividade fisica, estivessem matriculados em uma academia na cidade de Salvador-Ba e que relatassem utilizacao de suplementos termogenicos a base de cafeina.

Foram excluidos do estudo nao usuarios de suplementos, usuarios de ergogenicos contendo outras substancias alem da cafeina e alunos que ja apresentassem caracteristicas clinicas de insonia, ansiedade e/ou desconfortos gastrointestinais independentes do uso de suplementos.

Realizou-se o estudo a partir de entrevistas com alunos matriculados em uma academia localizada em bairro de classe media da cidade de Salvador. Foram abordados 127 alunos da academia nos meses de setembro e outubro de 2010. Apos analisados os criterios, dos 127 entrevistados, encontrou-se uma amostra (n) de 39 pessoas, sendo 11 do sexo masculino e 28 do sexo feminino.

Os alunos interrogados leram e assinaram o Termo de Consentimento Livre e esclarecido, concordando que sua participacao no estudo seria voluntaria e que nao estariam expostos a nenhum risco, pois nao haveria nenhuma exposicao apenas a coleta e analise dos dados, assim como, seus dados de identificacao seriam mantidos em sigilo.

O presente estudo foi aprovado pelo Comite de Etica do Centro Universitario Jorge Amado, em 04 de setembro de 2010 sob o protocolo numero 011-2010.

Coleta de dados

A entrevista constou da aplicacao de um questionario adaptado as necessidades do estudo em vigor, contendo perguntas gerais de carater social e especifico a respeito da utilizacao de suplementos termogenicos, tais como idade, sexo, nivel de escolaridade, peso, altura, conhecimento ou nao do suplemento termogenico, se ja haviam utilizado ou se utilizavam o suplemento, motivo do uso, quem prescreveu ou indicou, tempo de uso, marca utilizada, forma farmaceutica do produto, quantidade ingerida por dia, periodo do dia que ingeriu resultados obtidos, se conhece os efeitos colaterais do suplemento e quais efeitos colaterais foram sentidos. A massa e altura coletados foram auto-referidos e utilizados para o calculo do Indice de Massa Corporea (IMC) para identificar o estado nutricional do aluno.

Afim de avaliarmos a percepcao dos individuos quanto ao seu proprio estado de saude e contemplar os aspectos mais representativos da saude, foi aplicado o Questionario de Qualidade de Vida SF-36 (versao validada para o portugues). Os alunos responderam com base na epoca que utilizaram o suplemento, visando assim estabelecer propriamente a relacao do termogenico com a qualidade de vida. Alem de ser de facil administracao e compreensao, o questionario e autoaplicavel(Martinez, 2002).

O SF-36 e um questionario multidimensional formado por 36 itens, englobados em 8 escalas ou componentes: capacidade funcional (10 itens), aspectos fisicos (4 itens), dor (2 itens), estado geral de saude (5 itens), vitalidade (4 itens), aspectos sociais (2 itens), aspectos emocionais (3 itens), saude mental (5 itens) e mais uma questao de avaliacao comparativa entre as condicoes de saude atual e de um ano atras.

Tratamento dos Dados e Analise Estatistica

Os dados foram avaliados a partir da transformacao das respostas em escores numa escala de 0 a 100, de cada componente, nao havendo um unico valor que resuma toda a avaliacao, resultando em um estado geral de saude melhor ou pior. Os dois questionarios aplicados foram avaliados e comparados para realizacao da conclusao do presente estudo. A digitacao dos dados foi realizada no Programa Excel 9 (Versao 8.0). Posteriormente, realizouse a analise univariada a fim de apresentar as frequencias para variaveis qualitativas e identificar possivel inconsistencia dos dados.

A seguir, foi realizada a analise bivariada, para explorar a associacao entre as variaveis de interesse. Utilizou-se como medida de tendencia central a mediana e como medida de dispersao o intervalo interquartil.

A significancia estatistica foi avaliada por meio do teste para Mediana. Para realizar a analise estatistica, utilizou-se o programa computacional Epi Info (Versao 3.3.2).

RESULTADOS

Foram entrevistados 127 alunos, praticantes de atividade fisica, sendo destes 39 (30,7%) afirmaram fazer ou ter feito uso de suplementos termogenicos a base de cafeina e 88 (69,3%) declararam que nao usam ou nunca fizeram uso deste tipo de suplemento.

Do total de alunos entrevistados 11 sao do sexo masculino (28,2%) e 28 (71,8%) do sexo feminino. A media de idade da populacao estudada foi de 20-25 anos (61,5%), incluindo o sexo masculino e feminino. Segundo o grau de instrucao, foi verificado que a maioria (56,4%) dos participantes da pesquisa cursava o ensino superior, tabela 1.

De acordo com IMC, a maior parte dos participantes (61,5%) encontrava-se com o peso adequado a altura, sendo 35,9% com sobrepeso e 2,6% apresentaram magreza, tabela 1.

A maioria dos entrevistados nao conheciam os efeitos colaterais dos suplementos termogenicos (61,5%), porem, sentiram algum efeito colateral apos o uso, sendo Inquietude (76,9%), Euforia (71,8%), Insonia (64,1%), ansiedade (33,3%), desconforto gastrointestinal (17,9), irritacao e nervosismo (17,9%), efeito depressor (15,4%), Irritacao da mucosa gastrica (10,3%) e apenas 15,4% dos usuarios relataram nao sentir nenhum efeito colateral (Tabela 2).

Dos entrevistados, 56,4% declararam que o suplemento auxiliou na perda de massa total, 20,5% no aumento da disposicao fisica. O mesmo valor foi encontrado para aqueles que obtiveram melhor desempenho no treino e 12,8 % relataram maior reducao do percentual de gordura, tabela 2.

A figura 1 ilustra a mediana e o intervalo interquartil dos dominios da qualidade de vida. Os 8 dominios do questionario foram analisados, porem foram escolhidos os 3 dominios (Saude Mental, Estado Geral de Saude e Vitalidade) que mais foram interferidos na qualidade de vida. Verificou-se que o dominio saude mental foi mais comprometido por apresentar o valor da mediana mais baixo (52%).

Na analise da tabela 3 constatou-se maior comprometimento no dominio saude mental em relacao ao tempo de uso (121 - 360 dias - 64%), quantidade ingerida (01 comprimido/dia - 64%) e os efeitos colaterais euforia (64%), ansiedade (64%) e efeito depressor (64%). Outro comprometimento foi no dominio estado geral de saude em relacao ao tempo de uso (121- 360 dias - 57%), forma do medicamento (comprimido--57%), quantidade ingerida (01 comprimido--62%), resultados satisfatorios (perda de peso--57%), efeitos colaterais efeito depressor (52%), irritacao da mucosa gastrica (52%), ansiedade (57%), irritacao e nervosismo (57 %). Os menores escores tambem estavam relacionados ao dominio vitalidade em relacao a forma do medicamento (liquido--60%), quantidade ingerida (1 comprimido--65%), resultados satisfatorios (perda de massa corporal e definicao muscular--65%), e efeitos colaterais (irritacao e nervosismo--62%, ansiedade--62,5% e euforia--65%).

DISCUSSAO

No presente estudo observamos que 30,7% dos alunos que responderam aos questionarios aplicados correspondem aqueles que conhecem suplementos termogenicos e que ja fizeram ou fazem seu uso. Dentre este grupo destacou-se pessoas com idade entre 20-25 anos, do sexo feminino, com ensino superior incompleto e com estado nutricional diagnosticado dentro da eutrofia.

Esses fatores podem estar relacionados a maior importancia atribuida a os aspectos esteticos, em grande parte estimulados pela midia, atraves da exposicao de mulheres com o minimo de gordura corporal e com maior preocupacao com a reducao do percentual de gordura, contradizendo a naturalidade do biotipo feminino, como evidenciado em estudo proposto por(Damico, Meyer, 2006).

Observa-se que este perfil feminino tem acesso as informacoes e procuram a formula perfeita para corpos exuberantes, estando em sua maioria cursando ensino superior, sendo que cerca de 69,9% dos usuarios de suplementacao possuem nivel escolar superior completo e incompleto(Kantikas, 2007; Pereira e colaboradores, 2003).

O tempo medio de uso do suplemento foi de 20 a 60 dias e a forma farmaceutica mais utilizada foi o comprimido, provavelmente por ter maior disponibilidade desses suplementos nesta formulacao. Ao serem avaliados os rotulos dos produtos consumidos pelos entrevistados, a maior concentracao de cafeina disponivel dentre os produtos consumidos foi encontrada na forma farmaceutica de capsula e comprimido, o que possivelmente justifica o fato da maioria das pessoas avaliadas terem relatado sentir inquietude, euforia, insonia e ansiedade.

A ansiedade foi um efeito colateral que chamou bastante atencao neste estudo, correspondendo a 33,3% dos itens respondidos. Provavelmente isso ocorra devido ao fato de que os individuos ja tenham alguma predisposicao a ansiedade, visto que individuos com problemas de ansiedade sao susceptiveis aos efeitos da cafeina(Smith, 2002).

A irritabilidade e o nervosismo tambem foram apontados neste estudo como efeitos colaterais. E relatado por diversos autores que a cafeina e capaz de provocar tais efeitos (Fett, 2000; Jacobson, Kulling, 1989; Maria, Moreira, 2007; Stephenson, 1977).

Estudos(Altimari e colaboradores, 2000; Silva, 2003; Sinclair, Geiger, 2000) evidenciam que por ser uma substancia lipossoluvel e rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal, atingindo o pico no plasma entre 15 a 120 minutos apos a ingestao, cuja metabolizacao ocorre no figado e eliminacao pela urina.

A cafeina tem meia vida de 4 a 6 horas, fazendo com que quando consumidas em altas doses continue presente no sangue por mais de 3 ou 4 horas apos ingestao(Mello e colaboradores, 2007). Contudo, a literatura pouco descreve estudos que determinem a influencia da dosagem de ingestao de cafeina e seus possiveis efeitos sobre a irritacao e nervosismo no individuo.

O desconforto gastrointestinal foi referido por 17,9% dos entrevistados sendo que esses efeitos podem estar associados a quantidade de cafeina quando ingerida acima de 250mg. A literatura evidencia que essa acima dessa quantidade ocorre um aumento na secrecao gastrica de acido cloridrico (HCL) e da enzima pepsina no estomago, sendo entao contra indicado em individuos que apresentem ou tenham suspeita de gastrite ou ulcera peptica, principalmente quando administrada em jejum(Maria e Moreira, 2007). Porem, a cafeina nao causa maleficios a aqueles que nao apresentam nenhuma comorbidade digestiva(Fett, 2000).

Outro efeito colateral relatado foi o sintoma depressor, com 15,4% dos entrevistados, entretanto faltam dados na literatura que apontem esta mesma relacao com o uso da cafeina.

Apesar dos efeitos colaterais relatados pelos entrevistados e evidenciados neste estudo, o principal fator motivador descrito por, 56,4% dos participantes para o consumo de termogenicos foi o emagrecimento, sendo que, estudo com 7 ciclistas que fizeram uso de bebida contendo cafeina concluiram que a ingestao dessa substancia acelera a lipolise durante o exercicio constante(Costill e colaboradores, 1978).

Outro estudo com humanos e camundongos sugeriu que a ingestao de cafeina melhora o desempenho em exercicios devido ao seu efeito poupador de glicogenio com o aumento da lipolise dos tecidos adiposos e oxidacao lipidica(Ryu e colaboradores, 2001).

Alem desse estudo foi observado que os efeitos da ingestao de cafeina no metabolismo de carboidrato e lipidio muscular apos a ingestao de cafeina provocou um aumento da concentracao de acidos graxos livres e glicerol ainda em repouso, indicando um aumento na lipolise dos tecidos adiposos(Graham e colaboradores, 2000).

Portanto, a cafeina pode agir no emagrecimento devido ao aumento de acidos graxos livres no sangue que serao oxidados nos musculos ativos, poupando assim a utilizacao das reservas de glicogenio muscular aumentando a resistencia a fadiga(Silveira e colaboradores, 2004; Sinclair, Geiger, 2000).

A utilizacao de suplementos nutricionais com potencial ergogenico tem se mostrado eficiente para retardar a fadiga e o aumento do poder contratil do musculo esqueletico potencializando a capacidade de realizar trabalho fisico, ou seja, o desempenho fisico(Braga e Alves, 2000).

Do mesmo modo, outros artigos analisaram que apos a ingestao de cafeina os individuos podem se sentir mais fortes e com maior disposicao para realizar atividade fisica antes que se inicie a fadiga, fazendo com que haja uma diminuicao na percepcao de esforco(Bertazoni, 2007; Kalmar, Cafareli, 2004; Mendes e Brito, 2007).

Nosso estudo tambem demonstrou tais achados a medida que 20,5% dos entrevistados relataram que apos o consumo do termogenico a base de cafeina perceberam um melhor rendimento fisico e uma maior disposicao durante o exercicio.

Portanto, grande parte dos efeitos colaterais da cafeina e decorrente das alteracoes ocorridas no SNC, estimuladas pela mesma e influenciando no comportamento do individuo(Jacobson, Kulling, 1989; Stepherson, 1977).

Ao analisar o Questionario de Qualidade de Vida SF36, definem-se os dominios estudados como sendo: estado geral de saude, a percepcao subjetiva do estado geral de saude; vitalidade, a percepcao subjetiva do estado de saude; e saude mental, a escala de humor e bem estar(Castro, 2003).

Ao analisarmos os dominios, estado geral de saude e vitalidade pode-se perceber que os mesmos foram mais comprometidos em relacao as variaveis, perda de massa corporal e reducao do percentual de gordura. Contudo, embora tenham relatado tais beneficios, os entrevistados referiram tambem terem sentido efeitos colaterais tais como: insonia, inquietude, euforia e ansiedade que sao variaveis que podem interferir no estado geral de saude.

Fatores estressores, como a insonia, trazem consequencias preocupantes a saude do individuo devido a sua interferencia psiquica que podera influenciar negativamente em seu desempenho profissional e nas suas relacoes interpessoais, comprometendo desta forma sua qualidade de vida(Clemente, 2006).

Da mesma forma, a ansiedade, ainda que induzida devido ao uso ou abuso de substancias, pode trazer algumas alteracoes comportamentais tais como: hiperatividade, deficit de atencao e perturbacoes de conduta. Essas alteracoes sao marcadas por sintomas observados nao somente em suas relacoes pessoais como tambem na dificuldade em manter atencao por um longo periodo, no cumprimento de uma rotina, esquecimentos, baixa estima entre outros sintomas(Robaina e colaboradores, 2009).

O dominio saude mental teve maior interferencia em relacao a variavel tempo de uso do suplemento, indicando que os efeitos colaterais de euforia, ansiedade e efeito depressor afetaram o bem estar dos individuos. Ao analisar o dominio aspectos sociais observa-se que o mesmo sofreu menor comprometimento em relacao as variaveis avaliadas.

Limitacoes emocionais foi um dominio que nao sofreu comprometimento mediante as variaveis analisadas.

CONCLUSAO

Ha poucos relatos na literatura, especialmente brasileira, que abordem especificamente o uso de suplementos termogenicos a base de cafeina. Os maiores relatos sao em relacao ao uso da substancia cafeina presente em diversos alimentos de consumo geral na populacao.

Os termogenicos tem uma promessa que chama atencao da populacao em geral que busca um corpo perfeito estimulado pela midia.

Existem estudos que mostram os efeitos colaterais da cafeina, porem eles nao identificam como esses efeitos podem interferir na vida dos consumidores, que muitas vezes utilizam-nos de forma indiscriminada.

Portanto, busca-se alertar a populacao e profissionais de saude ligados ao meio esportivo, sobre as possiveis consequencias causadas pelos provaveis efeitos colaterais dos termogenicos. Contudo, as diferencas entre os dados do SF36 nao foram estatisticamente significantes e leva este estudo a criar hipoteses acerca da influencia do uso dos termogenicos na qualidade de vida.

Um dos aspectos que podem ter influenciado tais achados e o tamanho amostral, sendo que, o uso de termogenicos ainda e um assunto mascarado pela sociedade, onde mesmo consumindo as pessoas ainda negam tal atitude com receio de serem discriminadas.

Para suprimir a falta de informacao sobre os efeitos causados pelo uso de suplementos com foco no emagrecimento e necessario que a populacao seja informada atraves de campanhas publicitarias sobre os riscos que o consumo indiscriminado dessas substancias podem causar a qualidade de vida e a saude.

Novos estudos sao necessarios para evidenciar nossos resultados, aumentando-se o tamanho amostral e diversificando as caracteristicas socioeconomicas dos entrevistados para analisar se tais achados distribuem-se em diferentes classes sociais.

REFERENCIAS

1-Ahrendt, D. M. Ergogenic aids: counseling the athlete. American Family Physician. Vol. 63. Num. 5. p. 913-922. 2001.

2-Altimari, L. R.; e colaboradores. Efeitos Ergogenicos da Cafeina Sobre o Desempenho Fisico. Revista Paulista de Educacao Fisica. Vol. 14. Num. 2. p. 141-158. 2000.

3-Altimari, L. R.; e colaboradores. Cafeina e performance em exercicios anaerobicos. Revista Brasileira de Ciencias Farmaceuticas. Vol. 42. Num. 1. p. 17-27. 2006.

4-Alves, C.; Lima, R. V. B. Uso de suplementos alimentares por adolescentes. Jornal de Pediatria. Vol. 85. Num. 4. p. 287-294. 2009.

5-Barone, J. J.; Roberts, H. R. Caffeine consumption. Food and Chemical Toxicology. Vol.34. Num.1. p.119-129. 1996.

6-Bertazzoni, C. G. Cafeina na Melhora do Desempenho em Exercicios Anaerobios. TCC de Especializacao. Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de Sao Paulo. 2007.

7-Braga, L. C.; Alves, M. P. A cafeina como recurso ergogenico nos exercicios de endurance. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Vol. 8. Num. 3. p. 33-37. 2000.

8-Castro, M. Quality of life in life endstage renal disease patients submitted to hemodialysis using the SF36 health survey. Rev. Assoc. Med. Bras. Vol. 9. Num.3 2003.

9-Clarkson, P. M. Nutritional ergogenic aids: caffeine. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 3. Num. 1. p. 103-111. 1993.

10-Clemente, V. Como tratar os doentes com insonia cronica. Revista Portuguesa de Clinica Geral. Vol. 22. p. 635-644. 2006.

11-Costill, D. L.; Dalsky, G. P.; Fink, W. J. Effects of caffeine ingestion on metabolism and exercise performance. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 10. Num. 3. p. 155-158. 1978.

12-Damico, J. G. S.; Meyer, D. E. O corpo como marcador social saude, beleza e valoracao de cuidados corporais de jovens mulheres. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte. Vol. 27. Num. 3. p. 103-118. 2006.

13-Fett, C. Ciencia da suplementacao alimentar. Rio de Janeiro. Sprint. 2000.

14-Graham, T. E.; e colaboradores. Caffeine ingestion does not alter carbohydrate or fat metabolism in human skeletal muscle during exercise. Journal of Physiology. Vol. 529. Num. 3. p. 837-847. 2000.

15-Jacobson, B. H.; Kulling, F. A. Health and ergogenic effects of caffeine. British Journal of Sports Medicine. Vol. 23. Num. 1. p. 34-40, 1989.

16-Kalman, D.; e colaboradores. An acute clinical trial evaluating the cardiovascular effects of an herbal ephedra-caffeine weight loss product in healthy overweight adults. International Journal of Obesity. Vol. 26. Num. 10. p. 1363-1366. 2002.

17-Kalmar, J. M.; Cafarelli, E. a valuable tool to study central fatigue in humans? Exercise and Sport Science Reviews. Vol. 32. Num. 4. p. 143-147. 2004.

18-Kantikas, M. G. L. Avaliacao Do Uso De Suplementos Nutricionais A Base De Soro Bovino Pelos Praticantes De Musculacao Em Academias Da Cidade De Curitiba-Pr. Programa de Pos-Graduacao, Mestrado em Tecnologia de Alimentos. Universidade Federal do Parana. Curitiba. 2007.

19-Lowell, B. B.; Spiegelman, B. M. Towards a molecular understanding of adaptive thermogenesis. Nature. Vol. 404. Num. 6778. p. 652-660. 2000.

20-Maria C. A. B.; Moreira, R. F. A. Cafeina: revisao sobre metodos de analise. Quimica Nova. Vol. 30. Num. 1. 2007.

21-Martinez, M. C. As relacoes entre a satisfacao com aspectos psicossociais no trabalho e a saude do trabalhador. Dissertacao de Mestrado. Programa de Pos-Graduacao do Departamento de Saude Ambiental Universidade de Sao Paulo Sao Paulo. 2002.

22-Mello, D.; Kuenzler, D. K.; Farah, M. A cafeina e seu efeito ergogenico. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 1. Num. 2. p. 30-37. 2007.

23-Mendes, E. L.; Brito, C. J. O consumo da cafeina como ergogenico nutricional no esporte e suas repercussoes na saude. Revista Digital. Num. 105. 2007.

24-Oliveira, C. H. S. Monitorizacao da Temperatura. Revista Brasileira de Anestesiologia. Vol. 42. Num. 1. p. 79-84. 1992.

25-Pereira, R. F.; Lajolo, M. F.; Hirschbruch, M. D. Consumo de suplementos por alunos de academias de ginastica em Sao Paulo. Revista de Nutricao. Vol. 16. Num. 3. p. 265-272. 2003.

26-Robaina, J.; e colaboradores. Eventos de vida produtores de estresse e queixas de insonia entre auxiliares de enfermagem. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 12. Num. 3. p. 501-509. 2009.

27-Ryu, S.; e colaboradores. Caffeine as a lipolytic food component increases endurance performance in rats and athletes. Journal of Nutritional Science and Vitaminology. Vol. 47. Num. 2. p. 139-146. 2001.

28-Silva, M. S. Os efeitos da cafeina relacionados a atividade fisica: uma revisao. Revista Digital. Num. 66. 2003.

29-Silveira, L. R.; Alves, A. A.; Denadai, B. S. Efeito da lipolise induzida pela cafeina na performance e no metabolismo de glicose durante o exercicio intermitente. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Vol. 12. Num. 3. p. 21-26. 2004.

30-Sinclair, C. J. D.; Geiger, J. D. Caffeine use in sport: a pharmacological review. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. Vol. 40. Num. 1. p. 71-79. 2000.

31-Slavin, N.; Joensen, H. K. Caffeine and Sport Performance. The Physician and Sports medicine. Vol. 13. p. 191-193. 1995.

32-Smith, A. Effects of caffeine on human behavior. Food and Chemical Toxicology. Vol. 40. Num. 9. p. 1243-1255. 2002.

33-Stephenson, P. E. Physiologic and psychotropic effects of caffeine on man. Journal of the American Dietetic Association Vol. 71. Num. 3. p. 240-247. 1977.

Camila Berbert de Vasconcelos Gomes (1), Ana Flavia Costa de Sa Barreto (2) Mariana Miranda de Almeida (3), Amanda Ornelas Trindade Mello (4), Bernardo Neme Ide (5), Clarcson Placido Conceicao dos Santos (6)

(1)-Especialista em Nutricao Esportiva, Nutricionista do Hospital Santo Antonio.

(2)-Academica de Nutricao da Universidade Jorge Amado.

(3)-Especialista em Nutricao Clinica, Consultora em Unidades de Alimentacao e Nutricao.

(4)-Nutricionista do 2 Distrito Naval da Marinha do Brasil.

(5)-Doutorando no Labex, Instituto de Biociencias da Unicamp.

(6)-Centro Universitario Jorge Amado.
Tabela 1 - Caracteristicas socio-demograficas dos usuarios de
suplemento termogenico de uma academia na cidade de Salvador, BA. 2010

Caracteristicas      N (%)

Idade (anos)
20 - 25              24 (61,5)
26 - 30              12 (30,8)
31 - 45               3 (7,7)
Sexo
Masculino            11 (28,2)
Feminino             28 (71,8)
Escolaridade
Ensino Medio          2 (5,1)
Superior completo    10 (25,6)
Superior incompleto  22 (56,4)
Pos - graduacao       5 (12,8)
Imc (Kg/[m.sup.2])
Magreza               1 (2,6)
Eutrofico            24 (61,5)
Sobrepeso Obesidade  14 (35,9)

Tabela 2 - Descricao do uso de suplemento termogenico por usuarios de
uma academia na cidade de Salvador, BA. 2010

Caracteristicas                              N (%)

Tempo de uso (dias)
61 - 120                                      6 (15,4)
121 - 360                                     5 (12,8)
Forma do medicamento
Capsula                                      12 (30,8)
Comprimido                                   21 (53,8)
Liquido                                       6 (15,4)
Quantidade ingerida
1 comprimido ou capsula                      21 (53,8)
2 - 4 colheres                               18 (46,2)
Conhece os efeitos colaterais
Sim                                          15 (38,5)
Nao                                          24 (61,5)
Sentiu resultado satisfatorio do suplemento
Perda de massa corporal                      22 (56,4)
Maior disposicao                              8 (20,5)
Reducao do percentual de gordura              5 (12,8)
Melhor rendimento fisico                      8 (20,5)
Efeitos colaterais apos o uso
Nenhum                                        6 (15,4)
Insonia                                      25 (64,1)
Irritacao, nervosismo                         7 (17,9)
Inquietude                                   30 (76,9)
Euforia                                      28 (71,8)
Ansiedade                                    13 (33,3)
Irritacao da mucosa gastrica                  4 (10,3)
Desconforto gastrointestinal                  7 (17,9)
Efeito depressor                              6 (15,4)

Tabela 3 - Mediana e intervalo interquartil dos dominios (capacidade
funcional, aspectos fisicos, dor e estado geral de saude) de Qualidade
de vida SF36 de acordo com caracteristicas do uso do suplemento.

                       Dominios da Qualidade de vida Mediana
                             (intervalo interquartil)
Caracteristicas        Cap. Funcional        Asp. Fisicos

Tempo de uso (dias)
20 - 60                 95,0 (50,0 - 100,0)   87,5(62,5 - 100,0)
61 - 120               100,0 (62,5 - 100,0)   81,3 (59,4 - 90,6)
121 - 360               90,0 (87,5 - 100,0)   75,0 (31,2 - 100,0)
Forma do medicamento
Capsula                100,0 (92,5 - 100,0)   87,5 (75,0 - 100,0)
Comprimido              90,0 (80,0 - 100,0)   75,0 (56,3 - 100,0)
Liquido                 90,0 (45,0 - 96,3)    81,3 (62,5 - 100,0)
Quantidade ingerida
1                       90,0 (80,0 - 100,0)   87,5 (56,3 - 100,0)
2 - 4                  100,0 (85,0 - 100,0)   81,3 (62,5 - 100,0)
Sentiu resultado satisfatorio do suplemento
Perda de
massa corporal          95,0 (82,5 - 100,0)   87,5 (62,5 - 100,0)
Maior disposicao       100,0 (90,0 - 100,0)  100,0 (62,5 - 100,0)
Reducao do percentual
de gordura              95,0 (80,0 - 100,0)   87,5 (62,5 - 100,0)
Melhor rendimento
fisico                  90,0 (80,0 - 100,0)   75,0 (62,5 - 100,0)
Efeitos colaterais apos o uso
Nenhum                  95,0 (75,0 - 100,0)  100,0 (91,7 - 100,0)
Insonia                100,0 (90,0 - 100,0)   75,0 (62,5 - 100,0)
Irritacao, nervosismo   95,0 (72,5 - 100,0)   62,5 (50,0 - 81,3)
Inquietude             100,0 (80,0 - 100,0)   66,6 (62,5 - 87,5)
Euforia                 97,5 (81,3 - 100,0)   75,0 (62,5 - 96,9)
Ansiedade               97,5 (80,0 - 100,0)   64,6 (59,4 - 87,5)
Irritacao da
mucosa gastrica        100,0 (70,0 - 100,0)   75,0 (62,5 - 93,8)
Desconforto
gastrintestinal         97,5 (50,0 - 100,0)   93,8 (68,8 - 100,0)
Efeito depressor       100,0 (80,0 - 100,0)   62,5 (62,5 - 87,5)
Tempo de uso (dias)
20 - 60                 70,0 (42,5 - 73,7)    87,5 (50,0 - 100,0)
61 - 120                70,0 (42,5 - 73,5)   100,0 (100,0 -100,0)
121 - 360               70,0 (52,5 - 75,0)   100,0 (75,0 - 100,0)
Forma do medicamento
Capsula                 65,0 (40,0 - 77,5)   100,0 (75,0 - 100,0)
Comprimido              70,0 (55,0 - 70,0)   100,0 (50,0 - 100,0)
Liquido                 60,0 (40,0 - 76,3)   100,0 (56,5 - 100,0)
Quantidade ingerida
1                       65,0 (47,5 - 70,0)   100,0 (50,0 - 100,0)
2 - 4                   70,0 (47,5 - 76,3)   100,0 (75,0 - 100,0)
Sentiu resultado satisfatorio do suplemento
Perda de peso           65,0 (50,0 - 75,0)   100,0 (50,0 - 100,0)
Maior disposicao        70,0 (35,0 - 70,0)   100,0 (75,0 - 100,0)
Reducao do
percentual de           65,0 (45,0 - 70,0)   100,0 (50,0 - 100,0)
gordura
Melhor rendimento
fisico                  70,0 (65,0 - 70,0)   100,0 (75,0 - 100,0)
Efeitos colaterais apos o uso
Nenhum                  70,0 (53,8 - 76,3)   100,0 (75,0 - 100,0)
Insonia                 67,5 (42,5 - 73,7)   100,0 (75,0 - 100,0)
Irritacao, nervosismo   62,0 (37,5 - 70,0)   100,0 (81,3 - 100,0)
Inquietude              65,0 (40,0 - 70,0)   100,0 (80,0 - 100,0)
Euforia                 65,0 (40,0 - 70,0)   100,0 (80,0 - 100,0)
Ansiedade               62,5 (40,0 - 70,0)    87,5 (50,0 -100,0)
Irritacao da
mucosa gastrica         70,0 (57,5 - 72,5)   100,0 (62,5 - 100,0)
Desconforto
gastrintestinal         70,0 (40,0 - 77,5)   100,0 (25,0 - 100,0)
Efeito depressor        70,0 (50,0 - 70,0)   100,0 (50,0 - 100,0)

                       Dominios da Qualidade de vida Mediana
                             (intervalo interquartil)
Caracteristicas        Dor                    Estado geral de
                                              saude
Tempo de uso (dias)
20 - 60                 72,0 (51,0 - 84,0)    62,0 (52,0 - 72,0)
61 - 120                72,5 (48,5 - 100,0)   74,5 (59,5 - 82,7)
121 - 360               72,0 (35,5 - 86,0)    57,0 (41,0 - 78,5)
Forma do medicamento
Capsula                 72,0 (56,3 - 97,5)    76,0 (63,3 - 97,5)
Comprimido              72,0 (51,0 - 84,0)    57,0 (44,5 - 69,5)
Liquido                 62,5 (48,5 - 80,5)    67,0 (50,8 - 72,3)
Quantidade ingerida
1                       72,0 (51,5 - 87,0)    62,0 (44,5 - 72,0)
2 - 4                   72,0 (51,0 - 78,0)    72,0 (57,0 - 77,0)
Sentiu resultado satisfatorio do suplemento
Perda de
massa corporal          72,0 (46,0 - 87,0)    57,0 (44,5 - 72,0)
Maior disposicao        72,0 (52,0 - 100,0)   67,0 (57,0 - 77,0)
Reducao do percentual
de gordura              72,0 (51,0 - 90,0)    62,0 (52,0 - 72,0)
Melhor rendimento
fisico                  72,0 (51,0 - 84,0)    67,0 (57,0 - 77,0)
Efeitos colaterais apos
Nenhum                  72,0 (56,8 - 80,5)    72,0 (53,8 - 72,8)
Insonia                 72,0 (51,0 - 90,0)    62,0 (48,3 - 82,0)
Irritacao, nervosismo   51,0 (48,5 - 75,0)    57,0 (42,7 - 82,7)
Inquietude              61,0 (51,0 - 100,0)   62,0 (52,0 - 82,0)
Euforia                 51,5 (51,0 - 81,0)    62,0 (52,0 -80,8)
Ansiedade               51,5 (51,0 - 78,3)    57,0 (42,0 - 78,3)
Irritacao da
mucosa gastrica         51,0 (46,0 - 56,0)    52,0 (43,5 - 87,5)
Desconforto
gastrintestinal         92,0 (60,0 - 100,0)   72,0 (34,5 - 82,0)
Efeito depressor        51,0 (51,0 - 61,0)    52,0 (47,0 - 57,0)
Tempo de uso (dias)
20 - 60                100,0 (66,6 -100,0)    76,0 (61,0 - 84,0)
61 - 120               100,0 (83,3 -100,0)    66,0 (59,0 - 78,0)
121 - 360              100,0 (50,0 - 100,0)   64,0 (46,0 - 84,0)
Forma do medicamento
Capsula                100,0 (50,0 - 100,0)   84,0 (64,0 - 87,0)
Comprimido             100,0 (66,6 - 100,0)   68,0 (60,0 - 78,0)
Liquido                100,0 (58,3 - 100,0)   78,0 (66,0 - 88,0)
Quantidade ingerida
1                      100,0 (66,6 - 100,0)   64,0 (56,0 - 80,0)
2 - 4                  100,0 (58,03 - 100,0)  82,0 (70,0 - 88,0)
Sentiu resultado satisfatorio do suplemento
Perda de peso          100,0 (49,9- 100,0)    72,0 (54,0 - 82,0)
Maior disposicao       100,0 (62,5- 100,0)    84,0 (60,0 - 88,0)
Reducao do
percentual de          100,0 (66,6- 100,0)    72,0 (60,0 - 84,0)
gordura
Melhor rendimento
fisico                 100,0 (66,6- 100,0)    72,0 (64,0 - 84,0)
Efeitos colaterais apos o uso
Nenhum                 100,0 (91,7 - 100,0)   88,0 (84,0 - 88,0)
Insonia                100,0 (33,3 - 100,0)   70,0 (60,0 - 80,0)
Irritacao, nervosismo  100,0 (33,3 - 100,0)   68,0 (50,0 - 78,0)
Inquietude             100,0 (33,0 - 100,0)   72,0 (56,0 - 84,0)
Euforia                100,0 (33,0 - 100,0)   64,0 (57,0 - 79,0)
Ansiedade              100,0 (33,0 - 100,0)   64,0 (51,0 - 81,0)
Irritacao da
mucosa gastrica        100,0 (100,0 - 100,0)  68,0 (64,0 - 78,0)
Desconforto
gastrintestinal        100,0 (75,0 - 100,0)   72,0 (34,2 - 82,0)
Efeito depressor       100,0 (0,0 - 100,0)    64,0 (60,0 - 72,0)

Legenda: (*) Diferencas entre os grupos nao estatisticamente
significante.
COPYRIGHT 2014 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Vasconcelos Gomes, Camila Berbert de; Sa Barreto, Ana Flavia Costa de; Almeida, Mariana Miranda de;
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:Sep 1, 2014
Words:6372
Previous Article:DESEMPENHO MOTOR DE PESSOAS COM DEFICIENCIA DA ASSOCIACAO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS.
Next Article:NUMERO DE REPETICOES UTILIZADAS NO TREINO DE FORCA PARA O EMAGRECIMENTO: UMA REVISAO SISTEMATICA.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters