Printer Friendly

Thermal treatment, heat treatment or thermal modification?/Retificacao termica, termorretificacao, tratamento termico, tratamento com calor ou modificacao termica?

Introducao

Desde a decada de 1920 vem sendo conduzidos estudos sobre o processamento da madeira a elevadas temperaturas (140[degrees]C-260[degrees]C), com diferentes equipamentos e meios de transmissao de calor (agua, vapor de agua, nitrogenio, oleo vegetal e metais derretidos), com o objetivo de alterar a composicao quimica da madeira e melhorar algumas propriedades, tais como cor, estabilidade dimensional e resistencia a biodeterioracao. Para tanto, diferentes equipamentos e meios de transmissao de calor (agua, vapor de agua, nitrogenio, oleo vegetal e metais derretidos) tem sido utilizados. Esses estudos consolidaram-se na Europa a partir dos anos 1990, quando foram desenvolvidas as principais patentes que deram origem a processos em escala industrial, resultando em maior quantidade dessas industrias e tambem no maior mercado consumidor desses produtos.

O desenvolvimento cientifico tambem ocorreu pela possibilidade de se agregar valor a madeira de pior qualidade, tais como aquelas de lenho juvenil, alburno e mesmo pecas mescladas de cerne/alburno, pela homogeneizacao da cor. Como a madeira fica mais escura, em muitos casos, seus produtos tem sido apresentados como substitutos daqueles produzidos com madeira tropical.

Alem do apelo ambiental pelo uso de madeira de reflorestamento e pelo nao uso de especies ameacadas das florestas tropicais, o processo tambem traz a vantagem de aumentar a resistencia a biodeterioracao da madeira sem a impregnacao ou utilizacao de nenhum produto quimico biocida. Esses produtos tem sido utilizados tanto em ambientes externos quanto internos, conforme o processo e a materiaprima, tais como moveis, janelas, pisos e decks, componentes de fachadas, componentes de habitacao (cladding), saunas, molduras, cercas, paineis colados lateralmente (edge glued pannels) e brinquedos de playground, ou seja, em produtos de maior valor agregado.

No Brasil, as pesquisas desse processo iniciaram na decada de 1980, crescendo em frequencia a partir do ano 2000. Portanto, trata-se um tema relativamente novo e pouco explorado pelos pesquisadores brasileiros, quando comparado com outros processos de industrializacao da madeira, tais como desdobro, secagem, polpacao, carbonizacao e producao de paineis. Nao ha padronizacao da nomenclatura do processo no Brasil, em que o mesmo tem sido designado como retificacao termica (BATISTA; KLITZKE, 2010; BORGES; QUIRINO, 2004;), termorretificacao (CARVALHO et al., 2015; FONTOURA et al., 2015), tratamento termico (PALERMO et al., 2015) ou modificacao termica (BATISTA; TOMASELLI; KLITZKE, 2011; POUBEL et al., 2015). Isso e inconveniente, porque a imperfeicao de um conceito pode interferir negativamente no progresso de uma determinada area da ciencia, pela dificuldade de comunicacao entre seus pares (FERRARI, 1982).

Na argumentacao da importancia dos termos tecnicos ou nomenclaturas que constituem um conceito, a conceituacao e o elo fundamental da ciencia, porque por este dispositivo trata-se de tornar inteligivel os acontecimentos ou experiencias que se dao no mundo real (FERRARI, 1982). A respeito de industrias madeireiras, por exemplo, quando se usa a palavra "desdobro", os profissionais que atuam nessa area devem ter o mesmo entendimento: o processo em que toras sao transformadas em madeira serrada pela acao de conjuntos maquina-ferramenta de corte. A secagem artificial da madeira, por exemplo, possui classificacoes bem distintas e consagradas das diferentes temperaturas utilizadas (baixas temperaturas, convencional e altas temperaturas), o que facilita a comunicacao internacional tanto cientifica quanto industrial e comercial (SIMPSON, 1991).

O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisao bibliografica para verificar a nomenclatura tecnica mais adequada em Lingua Portuguesa que se ajusta ao seguinte conceito: processo que utiliza elevadas temperaturas (140[degrees]C-260[degrees]C), com diferentes equipamentos e meios de transmissao de calor (agua, vapor de agua, nitrogenio e oleo vegetal), com o objetivo de causar alteracoes na composicao quimica da madeira que irao resultar em melhoria de algumas propriedades (cor, estabilidade dimensional e resistencia a biodeterioracao).

Desenvolvimento

Nomenclatura tecnica do processo na Europa

Como a Europa e o principal continente no tocante ao processo que foi objeto desta revisao bibliografica, seja em nivel industrial ou cientifico, para se buscar uma padronizacao para a sua nomenclatura tecnica foi necessario investigar as publicacoes daquele continente. Uma vez que a maioria das obras consultadas foi redigida em Lingua Inglesa, apresentam-se as seis principais nomenclaturas tecnicas analisadas e a forma como foram traduzidas para a Lingua Portuguesa.

As tres primeiras referem-se ao processo: i) thermal modification: modificacao termica; ii) thermal treatment: tratamento termico; e iii) heat treatment: tratamento com calor. As tres seguintes sao derivadas das tres primeiras e correspondentes, referem-se ao produto, ou seja, a madeira processada. Por isso foram apresentadas na forma feminina, para concordar em genero com o substantivo feminino "madeira", ja que em Lingua Inglesa nao ha concordancia em genero para os adjetivos: i) thermally modified: modificada termicamente; ii) thermally treated: tratada termicamente; e iii) heat treated: tratada com calor.

Para a investigacao sobre a nomenclatura tecnica do processo na Europa foi importante considerar quatro referenciais bastante significativos do tema: um congresso, um livro-texto, as empresas detentoras das principais patentes e as publicacoes em revistas cientificas.

European Conference on Wood Modification

Os congressos cientificos (e seus similares) reunem os principais pesquisadores de um determinado tema e regiao geografica, portanto, sao referenciais confiaveis para a busca de padronizacao de uma nomenclatura tecnica. Isso se torna mais relevante a medida que um determinado congresso se consolide internacionalmente e possua um grande numero de edicoes.

A ECWM--European Conference on Wood Modification (Conferencia Europeia Sobre Modificacao da Madeira) teve a sua primeira edicao no ano de 2003 em Ghent, na Belgica (HUGHES; RAUTKARI; JONES, 2015), e em setembro de 2018 ocorreu a nona e ultima edicao do evento, em Arnhem, Holanda (EUROPEAN CONFERENCE ON WOOD MODIFICATION, 2018). Ao longo de nove edicoes, a ECWM se consolidou como o mais importante evento cientifico mundial sobre as tecnologias de modificacao da madeira, congregando as principais empresas e pesquisadores da area.

O programa tradicional da ECWM tem considerado aspectos industriais, economicos, tecnicos e cientificos, alem da questao ambiental, com foco principal nas modificacoes termica (incluindo a oleotermica), quimica e por impregnacao, que possuem producao em escala industrial. Alem dessas, tambem tem sido abordadas tecnologias emergentes, como os processos de superficie, que envolvem modificacao quimica e biologica utilizando enzimas ou processos fisicos, tais como acao mecanica e termica, microondas e plasma (EUROPEAN CONFERENCE ON WOOD MODIFICATION, 2018).

Wood modification: chemical, thermal and other processes

Os livros sao os principais materiais didaticos de consulta, principalmente para iniciantes em um determinado assunto. O material didatico mais abrangente sobre modificacao da madeira e o livrotexto Wood modification: chemical, thermal and other processes, de autoria de Hill (2006), que a epoca da publicacao era professor senior da School of Agricultural and Forest Sciences, Universidade do Pais de Gales. Na obra, Hill (2006) classificou em quatro os metodos de modificacao da madeira: quimica, termica, de superficie e de impregnacao.

A producao de material didatico se intensifica a medida que um determinado tema se torna uma disciplina em cursos formais, tais como os de graduacao e pos-graduacao. Como a modificacao da madeira e um tema relativamente novo, espera-se que mais material didatico seja produzido futuramente.

Alem do livro de Hill (2006), mencionam-se duas obras sobre modificacao termica da madeira: ThermoWood[R] Handbook (INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION, 2003) e Processes and properties of thermally modified wood manufactured in Europe (MILITZ; ALTGEN, 2014). A primeira obra e um manual sobre o processo industrial finlandes ThermoWood[R]; a segunda, mais abrangente, e um capitulo de livro no qual consta uma revisao bibliografica sobre os principais processos europeus de modificacao termica da madeira.

A modificacao termica da madeira e um processo ativo, e e definido como a aplicacao de calor a madeira com o objetivo de causar melhorias no desempenho do material. E classificado como ativo porque o calor causa modificacoes na natureza quimica da madeira, que resultam em mudancas nas suas propriedades (HILL, 2006). Com base na ECWM e nas obras de Hill (2006) e Militz e Altgen (2014), modificacao termica e a nomenclatura tecnica recomendada para o processo objeto desta revisao, e que deveria ser utilizada para padronizacao em nivel mundial. A madeira e os produtos derivados seriam denominados modificada termicamente e modificados termicamente, respectivamente. Contudo, ainda e necessario fazer a analise das patentes europeias e as publicacoes nas revistas cientificas.

Patentes europeias de processos

As revisoes bibliograficas mais recentes do tema tambem abordaram as patentes europeias em nivel industrial (GERARDIN, 2016; MILITZ; ALTGEN, 2014), em que sete foram identificadas: ThermoWood, Platowood, Retification, Oil Heat Treatment, [Vacu.sup.3], Termo Vuoto e processo a alta pressao. Dessa forma, foram selecionadas informacoes oficiais das empresas detentoras para verificar como as mesmas designam tecnicamente o processo.

ThermoWood[R]

Na Finlandia encontra-se o grupo mais conhecido mundialmente que produz e comercializa os produtos desse processo: a International ThermoWood Association (Associacao Internacional ThermoWood), anteriormente denominada Finnish ThermoWood Association (Associacao Finlandesa ThermoWood). Isso se deve a alguns fatores: organizacao institucional, investimento em pesquisa e desenvolvimento (equipamentos, processo e produtos), normatizacao, padronizacao, certificacao e divulgacao da marca e dos produtos.

Os produtos comercializados com a marca registrada ThermoWood[R] adquiriram tanta popularidade em nivel internacional que, pela falta de padronizacao da nomenclatura tecnica, ThermoWood[R] passou a ser sinonimo tanto do processo quando dos produtos. Isso levou, inclusive, a disputas judiciais dos proprietarios da marca com outras empresas que faziam uso indevido da mesma (INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION, 2018).

Soma-se a estrategia de divulgacao a publicacao da obra mais conhecida dessa Associacao, o ThermoWood[R] Handbook (INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION, 2003), mencionada na secao anterior. Trata-se de um manual didatico sobre o processo e os produtos comercializados com a marca ThermoWood[R]. Esse e um dos primeiros materiais didaticos do tema em que foi dado enfoque cientifico, e nao apenas comercial.

Nessa obra e informado que se trata de um processo em escala industrial de tratamento com calor (industrial scale heat-treatment process). Por outro lado, a pagina inicial do sitio eletronico oficial da International ThermoWood Association menciona que madeira modificada termicamente (thermally modified wood) e utilizada nos seus produtos (INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION, 2018).

Platowood[R]

A empresa holandesa Platowood produz e comercializa principalmente molduras, paineis colados lateralmente (uso interno e externo) e janelas com o nome comercial identico ao da empresa (PLATOWOOD, 2018a). Em um de seus documentos tecnicos, o processo e descrito em detalhes e classificado como modificacao hidrotermica (hydrothermal modification) (PLATOWOOD, 2018b), que e uma variacao da modificacao termica. Entretanto, o processo descrito pela empresa se caracteriza como higrotermico (hygrothermal) em vez de hidrotermico (hydrothermal), porque utiliza vapor saturado em um ambiente a alta pressao, ao passo que no hidrotermico a madeira deve ser imersa em agua (HILL, 2006).

Retification[R]

O processo Retification foi desenvolvido na Ecole Nationale Superieure des Mines de SaintEtienne (EMSE), Franca, em parceria com a empresa proprietaria da patente New Option Wood (NOW) e a empresa Rey, fabricante do equipamento. No sitio eletronico oficial da EMSE podem ser encontradas informacoes do processo, dentre as quais a que designa o mesmo como um tratamento termico da madeira (GUYONNET, 2007).

Foi realizada uma busca na rede mundial de computadores (Internet), utilizando-se as palavraschave retification e new option wood, porem, nao foram encontrados sitios eletronicos oficiais de empresas detentoras de permissao do uso da patente. Dessa forma, nao foi possivel verificar alguma possivel atualizacao da nomenclatura tecnica do processo.

Oil Heat Treatment (OHT)

O processo oil heat treatment (OHT) e realizado pela imersao da madeira em oleo vegetal aquecido, totalmente diferente dos demais, nos quais a madeira e aquecida por vapor de agua ou gas nitrogenio. As empresas Menz Holz (alema) e Oleobois (francesa) sao as que mais produzem madeira usando o OHT, em que a primeira denomina o processo como Menz OHT (GERARDIN, 2016).

De acordo com a traducao do proprio nome, o processo e apresentado como um tratamento com calor, e a empresa francesa adota esta nomenclatura (OLEOBOIS, 2018). Contudo, conforme um catalogo de 2012 da empresa Menz Holz, a mesma designa o processo como tratamento termico (MENZ HOLZ, 2012 citado por BATISTA, 2012). Em busca realizada na Internet, nao foi encontrado um sitio eletronico oficial da empresa Menz Holz para verificar alguma possivel atualizacao da nomenclatura tecnica.

Condicoes pressurizadas

Esta classificacao refere-se a um processo hidrotermico comercializado pelas empresas dinamarquesas IWT/Moldrup e WTT (Wood Treatment Technology) e pela empresa holandesa FirmoLin Technologies, que consiste na aplicacao de vapor de agua na madeira em um ambiente de alta pressao, utilizando-se um equipamento semelhante a uma autoclave de usinas de preservacao de madeira (GERARDIN, 2016; MILITZ; ALTGEN, 2014).

A empresa IWT/Moldrup denomina o processo Moldrup-SSP[R] de tratamento termico (IWT MOLDRUP, 2018), ao passo que para a empresa WTT o processo WTT Thermo Treat 2.0[R] e denominado thermo treatment (sem traducao) e tratamento com calor; e os produtos como thermo treated (sem traducao) e madeira modificada termicamente (WOOD TREATMENT TECHNOLOGY, 2018). A empresa FirmoLin Technologies denomina o processo FirmoLin[R] modificacao termica (FIRMOLIN, 2018). Apesar de esta parte da revisao se referir as patentes europeias, destaca-se que o processo brasileiro de modificacao termica (TanWood antigo VAP HolzSysteme), de propriedade da empresa TWBrazil, tambem se enquadra na classificacao de condicoes pressurizadas (BATISTA, 2012).

Condicoes com vacuo

Esta classificacao refere-se aos processos que utilizam, alem de elevadas pressoes, aplicacao de vacuo como forma de minimizar a concentracao de oxigenio no ambiente (GERARDIN, 2016). Duas empresas europeias possuem patentes que se enquadram nesta classificacao e o equipamento usado por ambas se assemelha a uma camara de secagem a vacuo, com as devidas adaptacoes e modificacoes.

A empresa alema Timura utiliza vacuum press dewatering method ou Vacu3 para denominar o processo (MILITZ; ALTGEN, 2014), em que a madeira e empilhada em camadas intercaladas com placas termicas, que recebem um carregamento adicional de 70 toneladas, o que aumenta o contato entre o conjunto, minimiza defeitos e facilita a transferencia de calor por conducao. A empresa denomina o processo de tratamento termico e os produtos por uma grande diversidade de nomes: thermal wood e thermo wood (ambos sem traducao), madeira modificada termicamente, madeira processada termicamente, madeira tratada termicamente e madeira tratada com calor (TIMURA, 2018). A empresa italiana Wood Drying Engineering Maspell (WDE Maspell) possui um pedido de patente chamado Termo Vuoto[R], e denomina o processo como tratamento a altas temperaturas, sem apresentar qualquer nomenclatura especifica para os produtos (WDE MASPELL, 2018).

Analisando-se as informacoes das empresas detentoras das patentes, verificou-se grande inconsistencia, indicando que essa analise nao foi esclarecedora para atender ao objetivo proposto na revisao. A maioria das empresas somente possui informacoes veiculadas em sitios eletronicos, em que nao se verificou compromisso com a exatidao da nomenclatura tecnica do processo, mas basicamente, enfoque comercial, o que era esperado.

As informacoes mais organizadas sobre processo e produtos, veiculadas oficialmente pelas empresas e com algum enfoque tecnico e cientifico, foram encontradas para o ThermoWood (INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION, 2003; 2018) e o Platowood (PLATOWOOD 2018a; 2018b). Para maiores informacoes sobre os processos industriais europeus sao recomendados, alem da busca nos sitios eletronicos das empresas, os seguintes trabalhos de revisao: Rapp (2001), Xie, Liu e Sun (2002), Homan e Jorissen (2004), Esteves e Pereira (2009), Militz e Altgen (2014), Gerardin (2016) e Sandberg e Kutnar (2016).

Revistas cientificas internacionais

Conforme experiencia com o tema, foram selecionadas dez revistas cientificas internacionais que publicam artigos sobre o processo objeto desta revisao bibliografica, que foram consultadas via sitio eletronico oficial na Internet, restringindo-se inicialmente aos artigos publicados em 2015. A consulta foi realizada no periodo entre 18 e 22 de janeiro de 2016 e verificou-se que algumas revistas ja possuiam publicacoes do ano de 2016, que tambem foram consultadas.

O Qualis das revistas foi consultado na area de avaliacao de Ciencias Agrarias I, e se refere ao quadrienio 2013-2016; exceto para Biodegradation, que possuia Qualis somente para o trienio 2010-2012". Na Tabela 1 encontram-se as informacoes das dez revistas analisadas, ordenadas de forma decrescente de acordo com a quantidade de artigos encontrados.

Foram encontrados 50 artigos sobre o tema, publicados em sete das dez revistas avaliadas. Embora tenham publicado artigos do tema no passado, o mesmo nao se verificou no periodo analisado para as revistas Biodegradation, Bioresource Technology e International Biodeterioration and Biodegradation. Depois de coletados, foram buscadas principalmente as seguintes palavras-chave nos artigos: thermal modification, thermal treatment e heat treatment, para qualificar o processo, e thermally modified, thermally treated e heat treated, para qualificar o material/produto.

Dos artigos da revista Holzforschung foram analisados apenas o titulo, o resumo e as palavraschave, porque a editora nao disponibilizava os trabalhos completos para consulta online de forma gratuita. A unica excecao desta revista foi artigo de Sonderegger et al. (2015) que estava disponivel na integra para download.

Apesar de nao ser europeia, a maior quantidade de artigos (13) foi encontrada na revista BioResources, editada pela Universidade da Carolina do Norte, Estados Unidos da America (CERMAK et al., 2015; CIRULE et al., 2016; FAJDIGA et al., 2016; GAFF et al., 2015; GASPARIK et al., 2015; GASPARIK; GAFF, 2015; KVIETKOVA, 2015; KVIETKOVA et al., 2015; LING et al., 2016; TORNIAINEN; ELUSTONDO; DAGBRO, 2016; YANG; CHENG; HAN, 2015; YANG et al., 2015; ZHANG et al., 2015).

A revista Holzforschung ficou na segunda posicao, com 11 artigos publicados (BIZIKS et al., 2015; HUGHES; HILL; PFRIEM, 2015; JAVED et al., 2015; KIM et al., 2015a; 2015b; LI et al., 2015; PEARSON; ORMARSSON; GABBITAS, 2015; SONDEREGGER et al., 2015; TRCALA; CERMAK, 2015; WANG et al., 2015; WILLEMS et al., 2015).

A revista chilena Maderas: Ciencia y Tecnologia, editada pela Universidade de Bio-Bio, ficou empatada com a Holforschung, com 11 artigos publicados (BAL, 2015; BATISTA et al., 2015; CANDELIER et al., 2015; ELAIEB et al., 2015; FABIYI; OGUNLEYE, 2015; HERMOSO et al., 2015; KORKUT; AYTIN, 2015; SAEI; MOHEBBY; ABDEH, 2015; SIVRIKAYA et al., 2015; YALCIN; SAHIN, 2015; ZANUNCIO et al., 2015).

A revista European Journal of Wood and Wood Products ficou na quarta posicao, com nove artigos publicados (ALTGEN; MILITZ, 2015; BASTANI; ADAMOPOULOS; MILITZ, 2015a; 2015b; KUZMAN et al., 2015; PANDEY; KUMAR; SRINIVAS, 2015; ZIGON et al., 2015; SALMAN et al., 2016; ZAUER et al., 2016; ZHAN; AVRAMIDIS, 2016).

Foram encontrados dois artigos em cada uma das seguintes revistas, que foram analisados conjuntamente: Annals of Forest Science, Journal of Materials Science e Wood Science and Technology (CERMAK et al., 2016; GERARDIN, 2016; HAMADA et al., 2016; RINGMAN et al., 2015; TODOROVIC; POPOVIC; MILIC, 2015; TUKIAINEN; HUGHES, 2016).

Na Tabela 2 encontra-se o resumo das frequencias das nomenclaturas tecnicas encontradas nos 50 artigos, agrupados por revista. As frequencias foram calculadas dividindo-se o numero de artigos em que uma determinada nomenclatura foi apresentada, pelo numero total de artigos da respectiva revista, multiplicado por 100. Independentemente de uma nomenclatura ter sido predominante ou nao em um artigo, caso tenha sido apresentada pelo menos uma vez, a mesma foi contada para o calculo da frequencia. Essa decisao facilitou sobremaneira a organizacao dos resultados.

Antes da discussao dos resultados da Tabela 2, tres artigos merecem destaque. O artigo de Li et al. (2015), publicado na Holzforschung, foi o unico no qual a madeira nao foi o material estudado, mas sim o bambu, em que na porcao disponivel para acesso nao foi mencionada a especie. Apenas um artigo foi publicado em Lingua Espanhola (Maderas: Ciencia y Tecnologia), com resumo e palavraschave em Lingua Inglesa, no qual foi encontrada apenas a designacao thermally modified (modificada termicamente) (HERMOSO et al., 2015). Foram encontrados os seguintes termos em Lingua Espanhola, com seus respectivos correspondentes em Lingua Portuguesa: modificada termicamente (modificada termicamente), modificacion termica (modificacao termica) e tratamiento termico (tratamento termico). Em apenas um artigo (European Journal of Wood and Wood Products) foi adotada a nomenclatura modificada com calor (heat-modified) para designar a madeira/produto (KUZMAN et al., 2015).

Antes da discussao dos resultados da Tabela 2, tres artigos merecem destaque. O artigo de Li et al. (2015), publicado na Holzforschung, foi o unico no qual a madeira nao foi o material estudado, mas sim o bambu, em que na porcao disponivel para acesso nao foi mencionada a especie. Apenas um artigo foi publicado em Lingua Espanhola (Maderas: Ciencia y Tecnologia), com resumo e palavras-chave em Lingua Inglesa, no qual foi encontrada apenas a designacao thermally modified (modificada termicamente) (HERMOSO et al., 2015). Foram encontrados os seguintes termos em Lingua Espanhola, com seus respectivos correspondentes em Lingua Portuguesa: modificada termicamente (modificada termicamente), modificacion termica (modificacao termica) e tratamiento termico (tratamento termico). Em apenas um artigo (European Journal of Wood and Wood Products) foi adotada a nomenclatura modificada com calor (heat-modified) para designar a madeira/produto (KUZMAN et al., 2015).

Em media, houve preferencia do uso dos termos tecnicos modificacao termica (77%) e madeira modificada termicamente (74%), para o processo e produto, respectivamente; ao passo que houve menor preferencia pelo uso de tratamento termico (61%) e madeira tratada termicamente (25%). Esse resultado esta em acordo com as obras de Hill (2006) e Militz e Altgen (2014), e a ECWM, apresentados anteriormente.

Contudo, como era esperado, nao houve unanimidade na utilizacao das nomenclaturas tecnicas, quer seja em uma mesma revista ou entre revistas. A analise mostrou-se mais complexa do que o esperado, porque e muito comum em um mesmo artigo os autores utilizarem mais de uma nomenclatura para o processo ou o produto, embora haja sempre uma nomenclatura predominante.

Isso pode ser observado pela soma das frequencias por revista, separadamente para processo e produto, que sempre ultrapassam 100%. A unica excecao foi a Holzforschung, na qual a soma das frequencias para o produto atingiu apenas 82%, uma vez que o texto avaliado se restringiu apenas ao titulo, resumo e palavras-chave, conforme explicado anteriormente. Em tres artigos dessa revista (BIZIKS et al., 2015; PEARSON; ORMARSSON; GABBITAS, 2015; TRCALA; CERMAK, 2015) nao foi possivel identificar como os autores denominavam o produto.

Em apenas sete dos 50 artigos avaliados (14%) os autores foram absolutamente coerentes, utilizando em todo o texto apenas uma nomenclatura para o processo e para o produto, que podem ser separados em dois grupos: modificacao termica e modificada termicamente, com quatro artigos (ALTGEN; MILITZ, 2015; BATISTA et al., 2015; GASPARIK et al., 2015; TORNIAINEN; ELUSTONDO; DAGBRO, 2016); e tratamento com calor e tratada com calor, com tres artigos (BASTANI; ADAMOPOULOS; MILITZ, 2015a; KUZMAN et al., 2015; YANG et al., 2015). Os artigos da revista Holzforschung nao foram incluidos nessa analise pelos motivos anteriormente mencionados. Revistas cientificas brasileiras

Neste ponto da revisao foi possivel perceber a preferencia da literatura europeia pelas nomenclaturas tecnicas modificacao termica e modificada termicamente, para processo e madeira/ produto, respectivamente. Entretanto, para atender ao problema de pesquisa levantado para esta revisao, ainda foi necessario verificar as publicacoes cientificas do tema em revistas brasileiras.

Conforme experiencia, foram selecionadas sete revistas cientificas brasileiras que publicam artigos sobre o processo objeto desta revisao bibliografica, que foram consultadas no dia 28 de janeiro de 2016 via sitio eletronico oficial na Internet, restringindo-se apenas aos artigos publicados em 2015. O Qualis foi consultado na area de avaliacao de Ciencias Agrarias I, e refere-se ao ano de 2014 e na Tabela 3 encontram-se as informacoes das sete revistas analisadas, por ordem alfabetica.

Foram encontrados apenas quatro artigos publicados no tema, todos em Lingua Portuguesa, com resumo e palavras-chave em Lingua Inglesa: dois na revista Ciencia da Madeira (CARVALHO et al., 2015; FONTOURA et al., 2015), um na revista Scientia Forestalis (POUBEL et al., 2015) e um na revista Ciencia Florestal (PALERMO et al., 2015). Depois de coletados, foram buscadas principalmente as seguintes palavras-chave nos artigos: retificacao termica, termorretificacao, modificacao termica, tratamento termico e tratamento com calor, para qualificar o processo; e retificada termicamente, termorretificada, modificada termicamente, tratada termicamente e tratada com calor, para qualificar a madeira/produto.

As traducoes mencionadas na discussao a seguir referem-se ao abstract dos artigos, escritos em Lingua Inglesa. Carvalho et al. (2015) utilizaram predominantemente os termos termorretificacao e termorretificada para designar, respectivamente, o processo e o produto. Esses termos foram traduzidos para a Lingua Inglesa como heat treatment e heat treated, respectivamente. Com menor frequencia os autores tambem empregaram tratamento termico para o processo, porem, com a mesma traducao para a Lingua Inglesa de termorretificacao: heat treatment. De fato, conforme sera discutido posteriormente, nao ha traducao para a Lingua Inglesa dos vocabulos termorretificacao e termorretificada.

Fontoura et al. (2015) utilizaram predominantemente termorretificacao para o processo, com a traducao heat treatment, e com menor frequencia tratamento termico, com a traducao thermal treatment. Os autores nao deram muito enfoque ao produto, mas quando o mencionaram empregaram tratada termicamente, com a traducao heat treated. Palermo et al. (2015) empregaram somente os termos tratamento termico e tratada termicamente para se referirem, respectivamente, ao processo e a madeira/ produto, os traduzindo como heat treatment e heat treated.

Por fim, Poubel et al. (2015) utilizaram predominantemente para o processo a nomenclatura modificacao termica, com a traducao thermal modification, e com menor frequencia tratamento termico, com a traducao heat treatment. Os autores tambem nao deram muito enfoque ao produto, mas quando o mencionaram, o denominaram modificada termicamente, com a traducao heat treated.

Nas revistas cientificas internacionais foram identificados predominantemente seis nomenclaturas tecnicas, tres para o processo e tres para a madeira/produto e o mesmo ocorreu na literatura brasileira, porem, com um diferencial. No Brasil, os autores nomearam o processo como tratamento termico, modificacao termica e termorretificacao; ao passo que a madeira/produto foi nomeada como tratada termicamente, modificada termicamente e termorretificada.

As nomenclaturas internacionais nao utilizadas pelos autores brasileiros foram tratamento com calor e sua correspondente tratada com calor e, em seus lugares, foram apresentados os termos termorretificacao e termorretificadas. Assim, observa-se que estes dois ultimos nao possuem correspondente em Lingua Inglesa, sendo nomenclaturas usadas tipicamente pelos pesquisadores brasileiros.

Apesar de os termos tratamento com calor/tratada com calor nao serem utilizados no Brasil, suas traducoes heat treatment/heat treated foram empregadas por todos os autores brasileiros. Para reforcar que termorretificacao e termorretificada sao termos tipicamente brasileiros, eles foram traduzidos como heat treatment/heat treated, por nao haver equivalentes em Lingua Inglesa.

Embora este nao tenha sido objetivo da revisao, notou-se que as traducoes dos termos para a Lingua Inglesa nao foram fieis: tratamento termico (thermal treatment) foi traduzido como heat treatment (tratamento com calor); tratada termicamente (thermally treated) e modificada termicamente (thermally modified) foram traduzidas como heat treated (tratada com calor).

Dos 50 artigos encontrados em revistas internacionais, apenas dois, publicados em Lingua Inglesa na revista Maderas: Ciencia y Tecnologia, sao de autores brasileiros. Batista et al. (2015) utilizaram predominantemente as nomenclaturas modificacao termica e modificada termicamente (thermal modification e thermally modified) e, da mesma forma, Zanuncio et al. (2015) empregaram tratamento com calor e tratada com calor (heat treatment e heat treated).

Da mesma forma que nao ha padronizacao na literatura internacional, o mesmo ocorre entre os autores brasileiros que publicaram nas revistas brasileiras e estrangeiras, o que reforca a hipotese inicial desta revisao bibliografica, em se propor uma padronizacao das nomenclaturas tecnicas do processo em analise.

Modificacao termica e modificada termicamente

Tendo como base os quatro referenciais adotados, verificou-se que em pelo menos tres (HILL, 2006; EUROPEAN CONFERENCE ON WOOD MODIFICATION, 2018 e publicacoes internacionais) existe a preferencia pelo uso das nomenclaturas tecnicas modificacao termica e modificada termicamente. Considerando-se os artigos publicados por autores brasileiros em 2015, independentemente do local de publicacao da revista, verificou-se em dois a mesma forma de utilizacao (BATISTA et al., 2015; POUBEL et al., 2015).

Conforme a revisao bibliografica, os primeiros pesquisadores a utilizarem essas nomenclaturas em um artigo cientifico foram Tjeerdsma et al. (1998), que publicaram seu trabalho na antiga revista Holz als Roh-und Werkstoff (atual European Journal of Wood and Wood Products). Da mesma forma, os primeiros pesquisadores brasileiros a empregarem essas nomenclaturas em revistas internacional e brasileira, respectivamente, foram Calonego, Severo e Furtado (2010)--Bioresource Technology--e Batista, Tomaselli e Klitzke (2011)--Ciencia Florestal.

Antes de se sugerir a adocao dessas nomenclaturas tecnicas, e importante discutir porque as demais nao devem ser utilizadas. Foi dado enfoque apenas a nomenclatura do processo e nao do produto, haja vista que esta e derivada daquela.

Tratamento termico e tratamento com calor

De acordo com a discussao da secao que tratou das patentes dos processos europeus, a modificacao termica e um processo de industrializacao da madeira, assim como a preservacao, secagem, desdobro e polpacao, por exemplo. Obviamente, todos esses processos industriais podem ser realizados em menor escala, em laboratorio, e sujeitos a investigacao cientifica.

Para esta analise, o significado mais pertinente para o substantivo masculino tratamento vem da Medicina: "procedimento medico que visa curar, aliviar ou prevenir" (ANJOS; FERREIRA, 2000). A Estatistica o tem empregado, porem de forma ampliada para qualquer area do conhecimento, sendo utilizado em delineamentos experimentais. Conforme Pimentel-Gomes e Garcia (2002), para os delineamentos experimentais estatisticos, tratamento significa os metodos de estudo que sao aplicados as unidades experimentais ou parcelas.

Por exemplo, um pesquisador ao coletar 4 [m.sup.3] de madeira serrada separa ao acaso quatro lotes de 1 [m.sup.3], chamados parcelas. A madeira da parcela 1 permanece em sua forma original (controle ou testemunha) e a madeira das parcelas 2 a 4 e submetida, respectivamente, as temperaturas de 140 [degrees]C, 160 [degrees]C e 180 [degrees]C por 45 minutos. Por fim, tem-se quatro tratamentos, porque quatro metodos de estudo diferentes foram aplicados aos lotes de madeira serrada.

Como no processo de modificacao termica sao utilizadas altas temperaturas (maiores que 140 [degrees]C), durante o delineamento experimental tem sido comum os pesquisadores agruparem seus metodos de estudo na nomenclatura tratamento termico em oposicao a madeira-controle, testemunha ou nao tratada. O adjetivo termico (ou sua forma feminina termica) significa relativo ao calor ou que o conserva (ANJOS; FERREIRA, 2000) e, dessa forma, as designacoes tratamento termico e tratamento com calor seriam sinonimas. Embora tenha sido apresentada uma definicao semantica, do ponto de vista da Termodinamica, nunca se considera que o calor esteja armazenado em um corpo, mas como a energia em transito de um corpo para outro quando ocorre diferenca de t emperatura (SMITH; VAN; ABBOTT, 2011).

Assim, conclui-se que varios tipos de tratamentos empregados na madeira e que usam calor, tais como o congelamento, aquecimento e, mais comumente a secagem, podem ser genericamente considerados "termicos". Portanto, para se evitar qualquer erro de interpretacao, as nomenclaturas tratamento termico e tratamento com calor, por serem muito genericas e abrangentes, nao devem ser utilizadas para se referir ao processo industrial em analise nesta revisao.

O artigo de Takeshita e Jankowsky (2015), por exemplo, menciona a nomenclatura tratamento termico no seu titulo. Ao se analisar a metodologia, compreende-se que a madeira, apos passar pelo processo de secagem, foi submetida a 12 diferentes tratamentos resultantes da combinacao de tres temperaturas e quatro tempos. Contudo, as temperaturas empregadas (60 [degrees]C, 75 [degrees]C e 90 [degrees]C) nao sao capazes de causar modificacao na composicao quimica da parede celular da madeira. Este nao era o objetivo dos autores e, conforme apresentado anteriormente, os metodos aplicados por eles estao corretamente designados como tratamentos termicos.

A norma no 15 das Normas Internacionales para Medidas Fitosanitarias--NIMF No 15 (FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF UNITED NATIONS, 2003) diz respeito as diretrizes da utilizacao de madeira para embalagens utilizadas em exportacoes. Nessa norma, que e de utilizacao mundial, apresenta-se o conceito de tratamento termico, que e o processo em que a madeira e aquecida de forma a se atingir 56 [degrees]C na metade da espessura, por pelo menos 30 minutos. A madeira nessas condicoes estaria adequada para ser utilizada como embalagem de produtos exportados, recebendo um selo reconhecido internacionalmente com as iniciais HT (heat treated).

E importante mencionar uma publicacao do programa Value to Wood, coordenado pela associacao canadense sem fins lucrativos FPInnovations (2003), intitulada Thermally Modified Wood (madeira modificada termicamente). Um dos objetivos dessa publicacao, ja aquela epoca, era diferenciar os processos de modificacao termica e tratamento termico. Conforme o documento, tratamento termico (HT-KD) corresponde a secagem em estufa (kiln drying--KD) para atender aos requisitos internacionais de madeira usada em embalagens (NIMF-15), ao passo que modificacao termica se refere ao uso de calor para modificar a estrutura quimica da madeira, alterando-se assim outras propriedades.

Em ambos, o calor e utilizado para atingir seus objetivos e, por isso, podem ser comumente classificados como "termicos". No entanto, um causa modificacao quimica da estrutura da parede celular, enquanto o outro nao tem esta capacidade. De fato, o objetivo da nota tecnica do FPInnovations (2003) foi esclarecer que a modificacao termica e um processo distinto da secagem artificial para fins de controle fitossanitario e, portanto, nao se podem utilizar ambas as nomenclaturas indiscriminadamente para um mesmo processo.

Dessa forma, percebe-se que o uso de tratamento termico (ou tratamento com calor) nao esta tecnicamente errado do ponto de vista da Termodinamica, mas pela generalidade, pode causar erros de interpretacao. Alem disso, ja existe um processo mundialmente conhecido e consagrado, com definicao prescrita em uma norma internacional e que recebe a designacao tratamento termico, que e a secagem artificial da madeira.

Para delineamentos experimentais em pesquisas cientificas sobre o tema de modificacao termica, tambem e aceitavel distinguir os metodos de estudo como tratamentos termicos em oposicao ao tratamento controle ou testemunha. Contudo, conforme exposto, a mesma nomenclatura nao deve ser dada ao se mencionar o processo.

Retificacao termica e termorretificacao

Ao se comparar as nomenclaturas tecnicas das literaturas internacional e brasileira, identificou-se uma utilizada exclusivamente no Brasil, sem correspondente em Lingua Inglesa: termorretificacao. Esta palavra e uma aglutinacao de retificacao termica, outra denominacao do processo utilizada apenas no Brasil.

Conforme pesquisa bibliografica, foi em um resumo apresentado no 7 Congresso Florestal Brasileiro a primeira vez que retificacao termica constou em um trabalho cientifico publicado no Brasil (BRITO, 1993). De fato, salvo engano, este e o primeiro trabalho publicado no Brasil no tema. Posteriormente, foram publicados os primeiros artigos cientificos com essa nomenclatura (PINCELLI; BRITO; CORRENTE, 2002; QUIRINO; VALE, 2002).

A palavra termorretificacao foi apresentada no Brasil pela primeira vez em uma dissertacao de mestrado (PINCELLI, 1999), em que o termo foi utilizado como sinonimo de retificacao termica. No trabalho de Pincelli, Brito e Corrente (2002) foi a primeira vez em que a utilizacao de ambos os termos como sinonimo foi publicada em uma revista cientifica. Desde entao as pesquisas brasileiras no tema tem crescido e ambas nomenclaturas tem sido comumente empregadas, juntamente com as anteriormente mencionadas (tratamento termico e modificacao termica).

Em busca realizada online no vocabulario ortografico da Academia Brasileira de Letras em 30 de janeiro de 2019, no sitio eletronico http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario, nao foi encontrada a palavra termorretificacao. Na Lingua Portuguesa, o verbo retificar (ANJOS; FERREIRA, 2000) significa tornar reto, corrigir, emendar, dentre outros que nao se aplicam a madeira. Assim, a retificacao termica, ou a sua forma aglutinada termorretificacao, significam tornar a madeira reta, corrigida ou emendada com o uso de calor, o que nao representa com exatidao as relacoes de causa e efeito que o processo causa na madeira. Isso viola um principio fundamental de um conceito, conforme explicado por Ferrari (1982).

Provavelmente, os pesquisadores brasileiros cunharam as nomenclaturas retificacao termica e termorretificacao por influencia causada pelo contato com a literatura francesa do processo Retification, mencionado anteriormente. No entanto, Gerardin (2016) afirmou que o nome Retification dado ao processo e derivado da contracao das palavras francesas reticulation e torrefaction, ou seja, trata-se de um nome fantasia criado para uma patente e que nao possui equivalente em outras linguas. Por isso que os artigos publicados em Lingua Inglesa nao possuem termos equivalentes para retificacao termica e termorretificacao.

Consideracoes Finais

Para a padronizacao do processo e da madeira processada/produto originado, recomendam-se o uso das nomenclaturas tecnicas modificacao termica e modificada termicamente, respectivamente.

Tecnicamente, nao esta errado o uso dos termos tratamento termico e tratada termicamente e seus equivalentes tratamento com calor e tratada com calor (apesar destas serem formas mais raras). Contudo, para nao incorrer em erros de interpretacao, essas nomenclaturas devem ser evitadas porque sao genericas e tradicionalmente empregadas para o consagrado processo de secagem artificial da madeira.

Nao se estimula o uso das nomenclaturas retificacao termica e termorretificacao, bem como seus derivados retificada termicamente e termorretificada.

DOI: https://doi.org/10.5902/1980509822577

Referencias

ALTGEN, M.; MILITZ, H. Photodegradation of thermally-modified Scots pine and Norway spruce investigated on thin micro-veneers. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 74, 2015. DOI 10.1007/s00107-015-0980-3.

ANJOS, M.; FERREIRA, M. B. (Coord.). Miniaurelio seculo XXI escolar: o minidicionario da Lingua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

BAL, B. C. Physical properties of beech wood thermally modified in hot oil and in hot air at various temperatures. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 4, p. 789-798, 2015.

BASTANI, A.; ADAMOPOULOS, S.; MILITZ H. Gross adhesive penetration in furfurylated, N-methylol melamine-modified and heat-treated wood examined by fluorescence microscopy. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, 73, p. 635-642, 2015a.

BASTANI, A.; ADAMOPOULOS, S.; MILITZ, H. Water uptake and wetting behaviour of furfurylated, N-methylol melamine modified and heat-treated wood. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, 73, p. 627-634, 2015b.

BATISTA, D. C. Modificacao termica da madeira de Eucalyptus grandis em escala industrial pelo processo brasileiro VAP HolzSysteme[R]. 2012. 339 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal)--Universidade Federal do Parana, Curitiba, 2012.

BATISTA, D. C. et al. Microstructural aspects of thermally modified Eucalyptus grandis wood. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 3, p. 525-532, 2015.

BATISTA, D. C.; KLITZKE, R. J. Influencia do tempo e temperatura de retificacao termica na umidade de equilibrio da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 38, n. 86, p. 255-261, 2010.

BATISTA, D. C.; TOMASELLI, I.; KLITZKE, R. J. Efeito do tempo e temperatura de modificacao termica na reducao do inchamento maximo da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden. Ciencia Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 3, p. 533-540, 2011.

BIZIKS, V. et al. One-stage thermo-hydro treatment (THT) of hardwoods: analysis of form stability after five soaking-drying cycles. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 5, p. 563-571, 2015.

BORGES, L. M.; QUIRINO, W. F. Higroscopicidade da madeira de Pinus caribaea var. hondurensis tratado termicamente. Biomassa & Energia, Dourados, v. 1, n. 2, p. 173-182, 2004.

BRITO, J. O. Estudo preliminar de retificacao termica da madeira de eucalipto. In: CONGRESSO FLORESTAL PANAMERICANO/ CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 1/7., 1993, Curitiba.

CALONEGO, F. W.; SEVERO, E. T. D.; FURTADO, E. L. Decay resistance of thermally-modified Eucalyptus grandis wood at 140[degrees]C, 160[degrees]C, 180[degrees]C, 200[degrees]C and 220[degrees]C. Bioresource Technology, Amsterdam, v. 101, n. 23, p. 9391-9394, 2010.

CANDELIER, K. et al. Utilization of temperature kinetics as a method to predict treatment intensity and corresponding treated wood quality: durability and mechanical properties of thermally modified wood. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 2, p. 253-262, 2015.

CARVALHO, A. G. et al. Colagem da madeira de Pinus termoretificada. Ciencia da Madeira, Pelotas, v. 6, n. 3, p. 217-222, 2015.

CERMAK, P. et al. Analysis of dimensional stability of thermally modified wood affected by re-wetting cycles. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 2, p. 3242-3253, 2015.

CERMAK, P. et al. The effect of wetting cycles on moisture behaviour of thermally modified Scots pine (Pinus sylvestris L.) wood. Journal of Materials Science, Berlin, v. 51, p. 1504-1511, 2016.

CIRULE, D. et al. Spectral sensitivity of thermally modified and unmodified wood. BioResources, Raleigh, v. 11, n. 1, p. 324-335, 2016.

ELAIEB, M. et al. Heat treatment of Tunisian soft wood species: effect on the durability, chemical modifications and mechanical properties. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 4, p. 699-710, 2015.

ESTEVES, B. M.; PEREIRA, H. M. Wood modification by heat treatment: a review. BioResources, Raleigh, v. 1, n. 4, p. 370-404, 2009.

EUROPEAN CONFERENCE ON WOOD MODIFICATION, 9., 2018, Arnhem. Programme... Disponivel em: https://ecwm9.shr.nl/. Acesso em: 15 aug. 2018.

FABIYI, J. S.; OGUNLEYE, B. M. Mid-infrared spectroscopy and dynamic mechanical analysis of heat-treated obeche (Triplochiton scleroxylon) wood. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 1, p. 5-16, 2015.

FAJDIGA, G. et al. Compression test of thermally-treated beech wood: experimental and numerical analysis. BioResources, Raleigh, v. 11, n. 1, p. 223-234, 2016.

FERRARI, A. T. Metodologia da pesquisa cientifica. 1. ed. Sao Paulo: McGraw-Hill, 1982.

FIRMOLIN. Firmolin technologies. 2018. Disponivel em: http://www.firmolin.com/index.php/en/. Acesso em: 15 aug. 2018.

FONTOURA, M. R. et al. Propriedades mecanicas e quimicas da madeira de Hovenia dulcis Thunberg. tratada termicamente. Ciencia da Madeira, Pelotas, v. 6, n. 3, p. 166-175, 2015.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. NIMF-15: directrices para reglamentar el embalaje de madera utilizado en el comercio internacional. Roma: FAO, 2003.

FPINNOVATIONS. Thermally modified wood. 2003. Disponivel em: http://www.valuetowood.ca/ imports/pdf/en/tech_profiles/TP-03-01E_TLihra_English.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

GAFF, M. et al. Effect of selected parameters on the surface waviness in plane milling of thermally modified birch wood. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 4, p. 7618-7626, 2015.

GASPARIK, M. et al. Impact of thermal modification of spruce wood on screw direct withdrawal load resistance. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 1, p. 1790-1802, 2015.

GERARDIN, P. New alternatives for wood preservation based on thermal and chemical modification of wood--a review. Annals of Forest Science, Paris, v. 73, n. 3, p. 559-570, 2016. DOI 10.1007/s13595-015-0531-4.

GUYONNET, R. Traitements termiques du bois Retification[R]. 2007. Disponivel em: https://www.emse. fr/fr/transfert/spin/depscientifiques/PC2M/retification/principes.html#haut. Acesso em: 15 jan. 2016.

HAMADA, J. et al. Variations in the natural density of European oak wood affect thermal degradation during thermal modification. Annals of Forest Science, Paris, v. 73, n. 2, p. 277-286, 2016. DOI 10.1007/ s13595-015-0499-0.

HERMOSO, E. et al. Caracterizacion de la madera serrada de Pinus radiata modificada termicamente. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 3, p. 493-504, 2015.

HILL, C. A. S. Wood modification: chemical, thermal and other processes. 1. ed. West Sussex: John Wiley & Sons, 2006.

HOMAN, W. J.; JORISSEN, A. J. M. Wood modification developments. Heron, Delft, v. 49, n. 4, 2004.

HUGHES, M.; HILL, C.; PFRIEM, A. The toughness of hygrothermally modified wood. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 7, p. 851-862, 2015.

HUGHES, M.; RAUTKARI, L.; JONES, D. [Website]. In: EUROPEAN CONFERENCE ON WOOD MODIFICATION, 8., 2015, Finland. Abstracts... Disponivel em: http://ecwm8.aalto.fi/Extended%20 abstract%20Flyer-ECWM8.pdf. Acesso em: 15 jan. 2016.

INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION. International ThermoWood Association. 2018. Disponivel em: http://www.thermowood.fi/. Acesso em: 15 ago. 2018.

INTERNATIONAL THERMOWOOD ASSOCIATION. ThermoWood[R] handbook. 2003. Disponivel em: https://asiakas.kotisivukone.com/files/en.thermowood.kotisivukone.com/tiedostot/tw_ handbook_080813.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

IWT MOLDRUP. Hydrothermal treatment of wood: efficient, fast and green. 2018. Disponivel em: http://www.moldrupsystem.com/. Acesso em: 15 ago. 2018.

JAVED, M. A. et al. Magnetic resonance imaging study of water absorption in thermally modified pine wood. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 7, p. 899-907, 2015.

KIM, J. S. et al. Chemical and ultrastructural changes of ash wood thermally modified using the thermo-vacuum process: Histo/cytochemical studies on changes in the structure and lignin chemistry. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 5, p. 603-613, 2015a.

KIM, J. S. et al. Chemical and ultrastructural changes of ash wood thermally modified (TMW) using the thermo-vacuum process: II. Immuno cytochemical study of the distribution of noncellulosic polysaccharides. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 5, p. 615-625, 2015b.

KORKUT, S.; AYTIN, A. Evaluation of physical and mechanical properties of wild cherry wood heat-treated using the thermowood process. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 1, p. 171-178, 2015.

KUZMAN, M. K. et al. Effect of heat treatment on mechanical properties of selected wood joints. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 73, p. 689-691, 2015.

KVIETKOVA, M. The effect of thermal treatment of birch wood on the cutting power of plain milling. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 4, p. 8528-8538, 2015.

KVIETKOVA, M. et al. Surface quality of milled birch wood after thermal treatment at various temperatures. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 4, p. 6512-6521, 2015.

KVIETKOVA, M.; GASPARIK, M.; GAFF, M. Effect of thermal treatment on surface quality of beech wood after plane Milling. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 3, p. 4226-4238, 2015.

LI, Y. et al. Quasi-static and dynamic nanoindentation to determine the influence of thermal treatment on the mechanical properties of bamboo cell walls. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 7, p. 909-914, 2015.

LING, Z. et al. Microstructural and topochemical characterization of thermally modified poplar (Populus cathayaha) cell wall. BioResources, Raleigh, v. 11, n. 1, p. 786-799, 2016.

MILITZ, H.; ALTGEN, M. Processes and properties of thermally modified wood manufactured in Europe. In: SCHULTZ, T. P.; GOODELL, B.; NICHOLAS, D. D. (Ed.). Deterioration and protection of sustainable materials. Washington: Oxford University Press, 2014. p. 269-285.

OLEOBOIS. Oleobois industries. 2018. Disponivel em: http://www.oleobois-industries.com/en/?Home. Acesso em: 15 ago. 2018.

PALERMO, G. P. M. et al. Avaliacao da superficie da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden tratada termicamente. Ciencia Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 1, p. 145-152, 2015.

PANDEY, K. K.; KUMAR, S. V.; SRINIVAS, K. Inhibition of leaching of water soluble extractives of Pterocarpus marsupium by heat treatment. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 74, 2015. DOI 10.1007/s00107-015-0964-.

PEARSON, H.; ORMARSSON, S.; GABBITAS, B. Nonlinear tensile creep behavior of radiata pine at elevated temperatures and different moisture contents. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 7, p. 915-923, 2015.

PIMENTEL-GOMES, F.; GARCIA, C. H. Estatistica aplicada a experimentos agronomicos e florestais: exposicao com exemplos e orientacoes para uso de aplicativos. Piracicaba: FEALQ, 2002.

PINCELLI, A. L. P. S. M. Efeito da termorretificacao no envernizamento, colagem e cor da madeira de Eucalyptus saligna e Pinus caribaea var. hondurensis. 1999. 115 f. Dissertacao (Mestre em Ciencias) --Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de Sao Paulo, Piracicaba, 1999.

PINCELLI, A. L. P. S. M.; BRITO, J. O.; CORRENTE, J. E. Avaliacao da termorretificacao sobre a colagem na madeira de Eucalyptus saligna e Pinus caribaea var. hondurensis. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 61, p. 122-132, jun. 2002.

PLATOWOOD. Platowood[R] makes the world a better place. 2018a. Disponivel em: http://www. platowood.com/. Acesso em: 15 ago. 2018.

PLATOWOOD. The Platowood[R] process. 2018b. Disponivel em: http://www.platowood.com/wpcontent/ uploads/2015/08/The-Platowood-Process.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

POUBEL, D. S. et al. Analises fisicas e colorimetricas da madeira de Pinus sp. modificada termicamente. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 43, n. 107, p. 511-521, 2015.

QUIRINO, W. F.; VALE, A. T. Retificacao termica de Eucalyptus grandis. Floresta, Curitiba, nesp, p. 60-66, 2002.

RAPP, O. A. (Org.). Review on heat treatments of wood. In: SPECIAL SEMINAR COST ACTION E22: ENVIRONMENTAL OPTIMIZATION OF WOOD PROTECTION, Antibes, 2001. Proceedings... Hamburg: The Federal Research Centre for Forestry and Forest Products Information and Documentation, 2001. p. 1-68.

RINGMAN, R. et al. Effects of thermal modification on Postia placenta wood degradation dynamics: measurements of mass loss, structural integrity and gene expression. Wood Science and Technology, Berlin, 2015. DOI 10.1007/s00226-015-0791-z.

SAEI, A. M.; MOHEBBY, B.; ABDEH, M. R. Effects of oleothermal treatment and polydimethylsiloxane (PDMS) coating on natural weathering of beech and fir woods. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 4, p. 905-918, 2015.

SALMAN, S. et al. Decay and termite resistance of pine blocks impregnated with different additives and subjected to heat treatment. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 74, n. 1, p. 37-42, 2016.

SANDBERG, D.; KUTNAR, A. Thermally modified timber: recent developments in Europe and North America. Wood and Fiber Science, Monona, v. 48, nesp, p. 28-39, 2016.

SIMPSON, W. T. (Ed.). Dry kiln operator's manual. Madison: United States Department of Agriculture; Forest Service; Forest Products Laboratory, 1991.

SIVRIKAYA, H. et al. Comparative biological resistance of differently thermal modified wood species against decay fungi, Reticulitermes grassei and Hylotrupes bajulus. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 3, p. 559-570, 2015.

SMITH, J. M.; VAN, N. H. C.; ABBOTT, M. M. Introducao a termodinamica da engenharia quimica. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

SONDEREGGER, W. et al. On-line monitoring of hygroscopicity and dimensional changes of wood during thermal modification by means of neutron imaging methods. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 1, p. 87-95, 2015.

TAKESHITA, S.; JANKOWSKY, I. P. Reducao na movimentacao dimensional da madeira de Jatoba (Hymenaea sp.) e Muiracatiara (Astronium sp.) submetidas a tratamento termico adicional. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 43, n. 106, p. 345-352, 2015.

TIMURA. Thermo wood: patented technology from Timura. 2018. Disponivel em: http:// https://www. timurawood.com/wood-manufacturer/thermo-wood. Acesso em: 15 ago. 2018.

TJEERDSMA, B. et al. Characterization of thermally modified wood: molecular reasons for wood performance improvement. Holz als Roh-und Werkstoff, Berlin, v. 56, p. 149-153, 1998.

TODOROVIC, N.; POPOVIC, Z.; MILIC, G. Estimation of quality of thermally modified beech wood with red heartwood by FT-NIR spectroscopy. Wood Science and Technology, Berlin, v. 49, p. 527-549, 2015.

TORNIAINEN, P.; ELUSTONDO, D.; DAGBRO, O. Industrial validation of the relationship between color parameters in thermally modified spruce and pine. BioResources, Raleigh, v. 11, n. 1, p. 1369-1381, 2016.

TRCALA, M.; CERMAK, P. Numerical analysis of temperature profiles during thermal modification of wood: chemical reactions and experimental verification. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 3, p. 321-328, 2015.

TUKIAINEN, P.; HUGHES, M. The effect of elevated temperature and high moisture content on the fracture behaviour of thermally modified spruce. Journal of Materials Science, Berlin, v. 51, n. 3, p. 1437-1444, 2016.

WANG, W. et al. Thermal modification of southern pine combined with wax emulsion preimpregnation: effect on hydrophobicity and dimensional stability. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 4, p. 405-413, 2015.

WDE MASPELL. High temperature treatment. 2018. Disponivel em: http://www.wde-maspell.com/ high-temperature-treatment.html. Acesso em: 15 ago. 2018.

WILLEMS, W. et al. Quality control methods for thermally modified wood. Holzforschung, Munchen, v. 69, n. 7, p. 875-884, 2015.

WOOD TREATMENT TECHNOLOGY. Thermo treatment plant--producing thermally modified timber: TMT wood. 2018. Disponivel em: http:// http://wtt.global/products/thermo-treatment/. Acesso em: 15 ago. 2018.

XIE; LIU, Y.; SUN, Y. Heat treated wood and its development. Journal of Forestry Research, Berlin, v. 13, n. 2, p. 224-230, 2002.

YALCIN, M.; SAHIN, H. I. Changes in the chemical structure and decay resistance of heat-treated narrow-leaved ash wood. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 2, p. 435-446, 2015.

YANG, H.; CHENG, W.; HAN, G. Wood modification at high temperature and pressurized steam: a relational model of mechanical properties based on a neural network. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 3, p. 5758-5776, 2015.

YANG, Y. et al. Influences of thermo-vacuum treatment on colors and chemical compositions of alder birch wood. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 4, p. 7936-7945, 2015.

ZANUNCIO, A. J. V. et al. Effect of extractives on wood color of heat treated Pinus radiata and Eucalyptus pellita. Maderas: Ciencia y Tecnologia, Concepcion, v. 17, n. 4, p. 857-864, 2015.

ZAUER, M. et al. Thermal modification of European beech at relatively mild temperatures for the use in electric bass guitars. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 74, p. 43-48, 2016.

ZHAN, J.; AVRAMIDIS, S. Needle fir wood modified by surface densification and thermal post-treatment: hygroscopicity and swelling behavior. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 74, p. 49-56, 2016.

ZHANG, T. et al. Effects of heat treatment on physical-mechanical properties of Eucalyptus regnans. BioResources, Raleigh, v. 10, n. 2, p. 3531-3540, 2015.

ZIGON, J. et al. The influence of heat and chemical treatments of beech wood on the shear strength of welded and UF bonded specimens. European Journal of Wood and Wood Products, Berlin, v. 73, p. 685-687, 2015.

Submissao: 08/06/2016 Aprovacao: 09/08/2018 Publicacao: 29/03/2019

Djeison Cesar Batista (I)

(I) Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Departamento de Ciencias Florestais e da Madeira, Centro de Ciencias Agrarias e Engenharias, Universidade Federal do Espirito Santo, Av. Gov. Carlos Lindenberg, 316, Centro, CEP 29550-000, Jeronimo Monteiro (ES), Brasil. djeison.batista@ufes.br (ORCID: 0000-0003-4427-2457)
Tabela 1--Informacoes das revistas cientificas internacionais
analisadas.

Table 1--Information from international scientific journals analyzed.

                                   Endereco eletronico
Revista             ISSN *             de consulta            Qualis **

BioResources       1930-2126      https://www.ncsu.edu/          A2
                                      BioResources/
Holzforschung      0018-3830    http://www.degruyter.com/        A2
                                       view/j/hfsg
Maderas:           0718-221X   http://www.scielo.cl/scielo.      B1
Ciencia y                       php?script=sci_serial&pid=
Tecnologia                       0718-221X&lng=es&nrm=iso
European           1436-736X    http://link.springer.com/        B1
Journal of                             journal/107
Wood and Wood
Products
Journal of         1573-4803    http://link.springer.com/        A2
Materials                             journal/10853
Science
Annals of Forest   1286-4560    http://link.springer.com/        A1
Science                               journal/13595
Wood Science and   0043-7719    http://link.springer.com/        A2
Technology                             journal/226
Biodegradation     0923-9820    http://link.springer.com/        A2
                                      journal/10532
Bioresource        0960-8524       http://www.journals.          A1
Technology                      elsevier.com/bioresource-
                                       technology/
International      0964-8305       http://www.journals.          B1
Biodeterioration               elsevier.com/international-
and                               biodeterioration-and-
Biodegradation                       biodegradation/

* International Standard Serial Number; ** Consulta realizada em 30 de
janeiro de 2019, no sitio eletronico https://sucupira.capes.gov.br/
sucupira/public/consultas/coleta/veiculoPublicacaoQualis/listaConsulta
GeralPeriodicos.jsf.

Tabela 2--Resumo das frequencias das nomenclaturas tecnicas.

Table 2--Summary of technical nomenclature frequencies.

                   Frequencia da nomenclatura tecnica (%)

                                 Processo

                   Modificacao   Tratamento   Tratamento
Revista              termica     com calor     termico

BioResources           69            54           62
Holzforschung          64            45           36
Maderas: Ciencia       73            82           82
y Tecnologia
European Journal       78            89           44
of Wood and Wood
Products
Tres revistas *        100           66           83
Media                  77            67           61

                   Frequencia da nomenclatura tecnica (%)

                              Produto/Madeira

                   Modificada     Tratada      Tratada
Revista            termicamente  com calor    termicamente

BioResources           77            23           46
Holzforschung          64            0            18
Maderas: Ciencia       73            73           27
y Tecnologia
European Journal       56            78           33
of Wood and Wood
Products
Tres revistas *        100           50           0
Media                  74            45           25

* Annals of Forest Sciences, Journal of Materials Science e Wood
Science and Technology.

Tabela 3--Informacoes das revistas cientificas brasileiras analisadas.

Table 3--Information from the assessed Brazilian scientific journals.

Revista       ISSN *      Endereco eletronico de consulta     Qualis **

Revista      1806-9088    http://www.scielo.br/scielo.php?       B1
Arvore                    script=sci_serial&pid=0100-6762&
                                   lng=en&nrm=iso
Cerne        0104-7760    http://www.scielo.br/scielo.php?       B1
                          script=sci_serial&pid=0104-7760&
                                   lng=en&nrm=iso
Ciencia      0103-9954   http://cascavel.ufsm.br/revistas/       B1
Florestal                       ojs-2.2.2/index.php/
                               cienciaflorestal/index
Ciencia da   2177-6830    https://periodicos.ufpel.edu.br/       B3
Madeira                   ojs2/index.php/cienciadamadeira
Floresta     1982-4688     http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/         B1
                                 index.php/floresta
Floresta e   1415-0980         http://www.floram.org/            B1
Ambiente
Scientia     1413-9324    http://www.ipef.br/publicacoes/        B1
Forestalis                      scientia/edicoes.asp

* International Standard Serial Number. ** Consulta realizada em 30 de
janeiro de 2018, no sitio eletronico https://sucupira.capes.gov.br/
sucupira/public/consultas/coleta/veiculoPublicacaoQualis/listaConsulta
GeralPeriodicos.jsf.
COPYRIGHT 2019 Universidade Federal de Santa Maria
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Batista, Djeison Cesar
Publication:Ciencia Florestal
Article Type:Bibliografia
Date:Jan 1, 2019
Words:9062
Previous Article:Dendroclimatology in the Amazon basin: applications and potentialities/Dendroclimatologia na Amazonia: aplicacoes e potencialidades.
Next Article:Efeito da estratificacao em substrato esterilizado na qualidade sanitaria de sementes de Ilex paraguariensis/Effect of stratification in sterilized...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters