Printer Friendly

The use of virtual learning environment and its relation to the assessment of teaching: a study by the Federal University of Rio Grande do Norte/O uso do ambiente virtual de aprendizagem e sua relacao com a avaliacao da docencia: um estudo na Universidade Federal do Rio Grande do Norte/ El uso de entorno virtual de aprendizaje y su relacion con la evaluacion de la ensenanza: un estudio realizado ...

1 INTRODUCAO

Com o avanco da tecnologia de informacao e comunicacao (TIC), o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) tornou-se uma importante ferramenta no ensino superior e vem sendo cada vez mais utilizado, ate mesmo no ensino presencial. No caso da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) o sistema adotado e o Sistema Integrado de Gestao de Atividades Academicas (SIGAA), que dispoe de uma serie de recursos didaticos (topicos de aulas, insercao de material de apoio, noticias e registro de frequencias e conteudos ministrados), alem da avaliacao institucional, realizada tanto por alunos, quanto por docentes.

A utilizacao de um ambiente virtual de aprendizagem, tal como a "turma virtual" disponivel no SIGAA, tem como objetivo apoiar as atividades docentes tanto no ambito da graduacao, pos-graduacao, ensino infantil e tecnico. E um recurso de aprendizagem que possui pressupostos de interacao e de aprendizagem colaborativa, o que exige, naturalmente, novas competencias e novas posturas de professores e estudantes perante o ensino e a aprendizagem (Morais & Cabrita, 2008).

O estudo de Groenwald e Homa (2014) apontou que o ambiente desenvolvido para um programa de Pos-graduacao esta estruturado para dar suporte por meio da organizacao da informacao, comunicacao, conectividade, pesquisas, divulgacao dos resultados de pesquisas, recursos tecnologicos, plataformas de ensino e repositorio de objetos digitais, demostrando, assim, a importancia de um ambiente virtual no processo de ensino-aprendizagem na pos-graduacao.

Se, por um lado, a aprendizagem colaborativa e uma novidade no ensino superior, por outro, a avaliacao do docente realizada pelo aluno contempla competencias ate entao nao avaliadas e torna-se de suma importancia para melhoria na qualidade do ensino das novas geracoes. No Brasil, o tema foi inserido pelo Ministerio da Educacao e Cultura, como criterio para melhorar a qualidade do ensino superior, em 2004, com a criacao do Sistema Nacional da Educacao Superior SINAIS para servir como orientacao na expansao de oferta de vagas, o aumento permanente da sua eficacia institucional, da sua efetividade academica e social e, especialmente, do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais (Lei n. 10.861, 2004). Enquanto ferramenta de avaliacao, o SINAES avalia todos os aspectos que giram em torno de eixos, como o ensino; a pesquisa; a extensao; a responsabilidade social; o desempenho dos alunos; a gestao da instituicao; o corpo docente; as instalacoes e varios outros aspectos.

Na busca do melhor entendimento do comportamento de uso dos ambientes virtuais de aprendizagem pelos docentes, este estudo busca discutir a relacao existente entre a utilizacao das ferramentas do AVA e o resultado da avaliacao da docencia realizada pelos alunos.

A relacao entre o uso do AVA e a avaliacao docente e uma tematica relevante uma vez que se procura compreender como o uso desses ambientes reflete na perspectiva de avaliacao por parte dos discentes. Isso porque esses AVA surgem com o objetivo de nao ser somente uma ferramenta de comunicacao ou um depositario de arquivos, mas principalmente o espaco para desenvolver a aprendizagem compartilhada, promover a interacao e a experimentacao, utilizando recursos tecnologicos (Dias, 2004).

Este artigo esta dividido em cinco partes, sendo a primeira esta introducao; a seguinte apresenta o referencial teorico que aborda a tematica desta pesquisa; a terceira parte trata dos aspectos metodologicos que foram adotados para este estudo; a quarta parte apresenta a analise dos resultados da pesquisa; e finalmente sao evidenciadas as consideracoes finais desse estudo.

2 Ambiente Virtual de Aprendizagem (Ava)

Atualmente, a utilizacao de Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) tem se tornando cada vez mais constante em varios niveis de ensino e em diferentes ciencias. O estudo de Ramos e Strucginer (2011) apresentou o desenvolvimento de ambiente virtual para o ensino de medicina; o estudo de Laguardia, Portela e Vasconcellos (2007) desenvolveu a avaliacao de ambientes virtuais de aprendizagem; o trabalho de Almeida (2012) abordou a formacao de educadores a distancia e o trabalho de Ruiz-Moreno, Leite e Ajzen (2013) analisou a formacao didatico-pedagogica em saude atraves de AVA. Todos esses trabalhos mostram a diversidade de aplicacoes de ambientes virtuais de aprendizagem nos mais diversos ambitos do conhecimento.

O Ambiente Virtual de Aprendizagem ou Sala de Aula Virtual e um ambiente virtual baseado em internet que funciona de forma semelhante a um portal, cujo objetivo basico e a educacao a distancia (Maia & Mattar, 2007).

Para Santos (2003) os AVA correspondem ao conjunto de elementos tecnicos e, principalmente, humanos, e seu feixe de relacoes contido no ciberespaco (Internet ou Intranet) com uma entidade e um contexto especifico criados com a intencao clara de aprendizado.

Dessa forma um AVA possui funcionalidades definidas para armazenar, distribuir e gerenciar conteudos de aprendizado, de forma interativa e gradativa. Com sua utilizacao tornou-se possivel registrar e apresentar as atividades do discente, bem como seu desempenho, alem de emitir relatorios, os quais propiciam o aperfeicoamento do processo de ensino-aprendizagem, facilitando a gerencia e o acompanhamento de programas de ensino (Longmire, 2008).

Santos (2003, p. 7) acrescenta que os AVA agregam interfaces que "permitem a producao de conteudos e canais variados de comunicacao, permitem tambem o gerenciamento de banco de dados e o controle total das informacoes circuladas no e pelo ambiente".

De uma forma geral o ambiente virtual de aprendizagem possui varios sinonimos, podendo ser conhecido tambem como learning management system (LMS) ou sistema de gestao de aprendizagem e e-learning.

Os learning management systems sao baseados na Web e permitem aos docentes e discentes compartilhar materiais instrucionais, trocar noticias, enviar e retornar os trabalhos da disciplina, bem como a comunicacao entre os usuarios de forma on-line (Hawkins & Rudy, 2007).

No inicio, os sistemas de gestao de aprendizagem eram ferramentas que os docentes e os discentes utilizavam apenas para o compartilhamento de conteudo, porem essas plataformas evoluiram para possibilitar uma ampla interacao entre alunos e professores, gracas a um conjunto de ferramentas que facilitam o aprendizado. Hoje, a maioria dos LMS permite compartilhar documentos, midia, foruns, blogs e marcadores favoritos (Cuellar, Delgado, & Pegalajar, 2011).

Para Lonn e Teasley (2009), esses sistemas possibilitam ao docente maior controle sobre o gerenciamento das atividades dos discentes, permitindo a emissao de relatorios, controle de frequencia, insercao de notas entre outras atividades tais como chat, noticias, abertura de forum para discussao. Segundo os autores, no entanto, e preciso que docentes e discentes reconhecam as oportunidades oferecidas pelo sistema e as utilizem, a fim de inovar o ensino e praticas de aprendizagem.

De forma geral, os ambientes virtuais de aprendizagem possuem algumas caracteristicas que podem aprimorar o processo de ensino-aprendizagem, tais como: flexibilidade, pois permitem que o material usado no aprendizado possa ser reutilizado em outras situacoes; facilidade de atualizacao, que se consegue por meio de uma fragmentacao do conteudo em pequenas porcoes; possibilidade de customizacao para diferentes cursos; reutilizacao do material de aprendizado, possibilitando assim sua melhora ao longo do tempo; indexacao, que possibilita a criacao de um banco que facilita a procura de elementos.

Apesar de todas essas vantagens e possibilidades, a integracao de um recurso com base em tecnologia da informacao e um complexo processo de mudanca que precisa de uma analise cuidadosa das pessoas que, nesse processo, sao as mais afetadas: os professores (Donnelly, McGarr, & O'Reilly, 2011).

Embora seja importante levantar aspectos acerca dos sistemas de gestao de aprendizagem, torna-se relevante observar tambem os sistemas de gestao academica, que disponibilizam funcionalidades de controle quanto aos dados de discentes, docentes, cursos, disciplinas, arquivos, material de apoio, entre varias outras funcionalidades em uma instituicao de ensino.

Segundo Ziulkoski (2010), o sistema de gestao academica e uma plataforma geralmente desenvolvida em ambiente web para atender as necessidades de gestao e planejamento de uma instituicao de ensino, seja ela publica ou privada, permitindo otimizacao dos recursos fisicos, humanos, materiais e financeiros.

Segundo Senger e Brito (2005), o mundo dos negocios passou por uma transicao, de uma economia industrial para uma economia de informacao, criando um ambiente no qual a informacao passa a ser fonte de riquezas e prosperidade e as empresas habituadas a vencer pelo tamanho comecam a perder terreno para concorrentes mais ageis no uso da informacao.

De forma geral um sistema de gestao academica e uma ferramenta essencial para o gerenciamento das atividades academicas; esse sistema tem o objetivo de controlar e desenvolver os procedimentos dentro das instituicoes, possibilitando a consolidacao de informacoes relevantes para a gestao, por meio da analise de dados como matriculas, aproveitamento academico, frequencia, evasao, e de varios outros indicadores.

Segundo Wolynec (2007), isso se deve ao aumento da quantidade de instituicoes de ensino superior, de forma que os sistemas de gestao academica assumiram um papel muito importante quanto a necessidade da tomada de decisoes estrategicas ou gerenciais coesas, sendo considerados, assim, um diferencial diante da competitividade atual.

O sistema de gestao academica apresenta caracteristicas essenciais ao controle dos processos administrativos e gerenciais das instituicoes de ensino. E importante ressaltar que a transparencia das informacoes proporcionada por estes sistemas possibilita o controle e acompanhamento mais eficiente do processo administrativo e, por consequencia, possibilita planejar as acoes de forma mais simplificada e competente, otimizando o uso dos recursos e diminuindo os custos.

Dessa forma, o controle adequado dos processos administrativos e, consecutivamente, o uso racional dos recursos, auxiliam no compromisso com a educacao e na busca da excelencia academica, que e o objetivo de todas as instituicoes de ensino (Carvalho, 2010).

2.1 Pratica Docente

A sociedade contemporanea utiliza-se de varios instrumentos tecnologicos para interagir, como o computador e a internet. O uso dessas midias perpassa os limites das residencias, dos escritorios, chegando ate ao ambito das salas de aula de escolas e de universidades (Maia & Mattar, 2007).

O professor, diante dessas transformacoes tecnologicas, precisou se atualizar a fim de utilizar ferramentas de apoio a atividade docente, de forma a acompanhar todo esse desenvolvimento tecnologico, atendendo assim as necessidades atuais da sociedade.

A missao do docente, com o uso de tecnologia no processo ensinoaprendizagem, apenas ganha novos contornos, visto que a tecnologia nao veio para questionar o conhecimento e nem a pratica docente, mas para ampliar o seu escopo de atuacao para alem das fronteiras da sala de aula (Freitas, Narducci, & Dubeux, 2009). Isso porque a relacao dos professores com a tecnologia e baseada no fato da tecnologia poder ajudar a alcancar os objetivos instrucionais, o que os professores percebem ser o mais importante. Quando uma nova abordagem pedagogica ou ferramenta e apresentada, os professores fazem julgamentos sobre a relevancia da ferramenta para seus objetivos (Ottenbreit-Leftwich, Glazewski, Newby, & Ertmer, 2010).

Dessa forma, mesmo com as mudancas advindas das tecnologias, elas, por si sos nao sao suficientes para aprimorar a metodologia da educacao: faz-se necessario seu aprimoramento, definindo propositos de sua utilizacao no ensino.

A tecnologia so fara sentido para o docente e sera utilizada se o professor perceber que o seu uso trara vantagens no desempenho de suas atividades. A desconfianca do uso da TI por parte de muitos docentes ocorre devido ao fato de eles acreditarem que essa e uma forma de massificar o ensino e o controle do trabalho, porem essa crenca nao e necessariamente verdadeira, na medida em que nao se podem separar as tecnologias das pessoas que as utilizam, sendo o grau de subordinacao humana a tecnologia proporcional ao conhecimento (ou a falta dele) que os usuarios--no caso, os educadores--tem sobre ela (Ribeiro, Oliveira, & Mill 2013).

Quando os professores aprendem como usar a tecnologia dentro de suas areas do conhecimento, desenvolvem uma competencia que facilita a transferencia dos conteudos em salas de aula (Hughes, 2005).

Segundo Pena, Alonso, Feldmann e Alegretti (2005) o que impulsiona essa mudanca sao as concepcoes basicas de ensino e aprendizagem que subjazem a acao docente e que direcionam a pratica do professor. Assim, para que isso ocorra, e necessario que a tecnologia esteja integrada ao curriculo e a sua utilizacao esteja alinhada com os propositos de ensino do docente.

Dessa forma, a pratica docente deixa de ser algo exclusivo do professor, passando a ter um carater colaborativo com o discente. O docente passa de um mero transmissor de conhecimento para o papel de mediador da construcao do conhecimento do aluno, contrapondo assim o processo bancario de educacao que, segundo Freire (1997), considera a educacao apenas como um ato de depositar, de transferir, de transmitir valores e conhecimento.

Cada vez mais percebe-se o uso de tecnologias que apoiam o ensino presencial, com destaque para os ambientes virtuais de aprendizagem. Um AVA consiste em uma ou mais solucoes de comunicacao, gestao e aprendizado eletronico, que possibilitam o desenvolvimento, integracao e a utilizacao de conteudos, midias e estrategias de ensino-aprendizagem, a partir de experiencias que possuem ou nao referencia com o mundo real e sao virtualmente criadas ou adaptadas para propositos educacionais (Anjos, 2013)

Contudo, segundo Teo, Lee e Chai (2007), o sucesso no uso da tecnologia educacional depende em grande parte das competencias dos professores e sua vontade de abracar novas tecnologias.

Segundo Tardiff e Lessard (2008) sao tres as atividades relacionadas as praticas docentes: o planejamento, que e denominado tambem de fase pre-ativa; o ensino, a fase ativa, e a avaliacao do ensino, que e a fase pos-ativa.

A primeira fase, a pre-ativa, ou planejamento, compreende a estruturacao da disciplina que sera ministrada, a forma como o docente ira organizar as atividades, a elaboracao de material didatico e a preparacao efetiva das aulas. Segundo Tardiff e Lessard (2008, p. 211) "O planejamento e pensado e elaborado em funcao do programa da disciplina".

Os cursos presenciais necessitam de um alto comprometimento no seu processo de concepcao, o que, segundo Souza (2003), requer planejamento serio e cuidadoso. O autor acrescenta que o planejamento nao pode ser encarado apenas como o ato de ordenar conteudos de forma mecanica e sequencial, ou de fragmenta-los em parcelas representativas de nucleos conceituais a serem ensinados.

O planejamento de um curso significa definir, sendo ele implementado atraves de uma acao consciente, as melhores opcoes possiveis para alcancar determinados objetivos e explicitar de forma articulada a justificativa, a caracterizacao do contexto e o perfil dos alunos (Souza, 2003).

A segunda fase, relacionada a pratica docente, de acordo com Tardiff e Lessars (2008) e a atividade do ensino. Ela pode ser compreendida como uma atividade em que o docente propoe o que pode ser denominado como contrato didatico, em que ele expoe suas expectativas no que diz respeito ao aprendizado de sua disciplina.

Segundo Tardiff e Lessars (2008), ensinar e agir em funcao de objetivos e no contexto de um trabalho planejado [...] o ensino e um trabalho burocratizado cuja execucao e regulamentada, mas que tambem repousa sobre a iniciativa dos atores e requer de sua parte certa autonomia.

Esse processo de iniciativa dos atores, para Tardiff e Lessars (2008), nada mais e do que um processo de interatividade, a principal caracteristica do trabalho docente. A aula e construida coletivamente por meio das interacoes e do envolvimento entre os atores do processo: o docente, os discentes e o grupo.

Cabe ao docente estar atento ao grupo, ser capaz de perceber e interpretar suas acoes, reacoes, sua evolucao, suas necessidades, suas dificuldades, suas motivacoes. Enfim, analisar, compreender e interpretar seus discentes; e, consequentemente, refletir sobre sua pratica e fazer os ajustes necessarios ao planejamento, de forma a atingir os objetivos inicialmente propostos no contrato didatico (Tardiff & Lessars, 2008).

A avaliacao do discente e a ultima fase relacionada a pratica docente, na perspectiva de Tardiff e Lessard (2008), a qual, alem de aferir o impacto do ensino sobre a aprendizagem, proporciona ao docente a oportunidade de refletir sobre o seu trabalho, obtendo uma visao geral do andamento da turma.

2.2 Avaliacao Docente

As universidades vem passando por sucessivas reformas em seu processo de avaliacao institucional. O Sistema Nacional da Educacao Superior (SINAES) foi criado pelo Ministerio da Educacao e Cultura (MEC) em 14 de abril de 2004, e instituido pela Lei n. 10.861. O SINAES foi criado devido a necessidade de melhorar a qualidade da educacao superior, assim como para servir como orientacao na expansao de oferta de vagas, aumentar permanentemente a eficacia das instituicoes, a sua efetividade academica e social e, especialmente, o aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais (Lei n. 10.861, 2004).

O SINAES avalia os aspectos que giram em torno de varias dimensoes: o ensino, a pesquisa, a extensao, a responsabilidade social, o desempenho dos alunos, a gestao da instituicao, o corpo docente, as instalacoes e varios outros aspectos.

Ele possui uma serie de instrumentos complementares: autoavaliacao, avaliacao externa, Enade, Avaliacao dos cursos de graduacao e instrumentos de informacao (censo e cadastro). Os resultados das avaliacoes possibilitam tracar um panorama da qualidade dos cursos e instituicoes de educacao superior no Pais. Os processos avaliativos sao coordenados e supervisionados pela Comissao Nacional de Avaliacao da Educacao Superior (Conaes). A operacionalizacao e de responsabilidade do Inep.

As informacoes obtidas com o SINAES sao utilizadas pelas IES, para orientacao da sua eficacia institucional e efetividade academica e social; pelos orgaos governamentais para orientar politicas publicas e pelos estudantes, pais de alunos, instituicoes academicas e publico em geral, para orientar suas decisoes quanto a realidade dos cursos e das instituicoes. (1)

Esse Sistema preve a realizacao de uma avaliacao externa, sob a responsabilidade do MEC, e uma interna, a ser implementada pela Instituicao de Ensino Superior.

3 METODOLOGIA

O presente trabalho pode ser caracterizado como uma pesquisa descritiva, de natureza quantitativa. Quanto a abrangencia, este estudo compreendeu os professores dos cursos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) que utilizaram as "Turmas Virtuais" do SIGAA no primeiro semestre de 2012. Alem desse corte transversal, ainda ocorreu uma delimitacao por area: o presente estudo se propos a analisar os docentes dos centros de humanas da UFRN. Dessa forma, foi realizado um censo, chegando a um total de 538 docentes, divididos nos tres centros: Centro de Ciencias Humanas, Letras e Artes (CCHLA), Centro de Ciencias Sociais Aplicadas (CCSA) e Centro de Educacao (CE).

As informacoes foram coletadas a partir de dados secundarios. O banco de dados utilizado foi cedido pela Superintendencia de Informatica (Sinfo) da UFRN. Com relacao ao tratamento estatistico dos dados, utilizou-se o software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) na versao 21.

O banco e composto das seguintes informacoes: idade, sexo, tempo de instituicao, departamento em que atua, centro de lotacao do docente, numero de turmas correspondentes. Tambem foram utilizadas informacoes quantitativas sobre a utilizacao das ferramentas disponiveis pelas "Turmas Virtuais" do SIGAA, tais como: topicos de aula, arquivos, noticias e frequencia. O banco ainda contava com outras informacoes de utilizacao (foruns, enquetes, questionarios, chats, videos e twitter), mas em funcao da pouca ou nenhuma utilizacao essas informacoes nao fizeram parte da pesquisa.

Para as analises utilizaram-se tres tecnicas de analise quantitativa de dados: a analise de cluster, a analise discriminante e a analise de regressao multipla. Utilizouse a analise de cluster com o objetivo de separar os elementos em dois grupos (aqueles que mais utilizam daqueles que menos utilizam as ferramentas). A analise de cluster, tambem chamada de analise de conglomerados, segundo Corrar, Paulo e Dias (2009), e uma das tecnicas de analise multivariada cujo proposito primario e reunir objetos, baseando-se em suas caracteristicas.

A proposta da Analise Discriminante (AD) e discriminar ou classificar coisas, individuos, empresas etc. dentro de grupos, com base nas variaveis independentes. Dessa forma, a AD foi realizada com o intuito de verificar a existencia de diferenca significativa entre os grupos com maior e menor utilizacao das ferramentas, gerado pela Analise de Cluster.

Por fim, a proposta de utilizacao da analise da regressao multipla neste estudo foi observar a relacao de causalidade nas variaveis independentes (sexo, anos trabalhados, turmas) na variavel dependente (avaliacao).

4 APRESENTACAO E DISCUSSAO DOS RESULTADOS

O sistema de avaliacao preve a realizacao de uma avaliacao externa, sob a responsabilidade do MEC, e uma interna, a ser implementada pela Instituicao de ensino superior. A UFRN, de acordo com as orientacoes do SINAES, conduziu a criacao da Comissao Propria de Avaliacao (CPA). Atraves dessa comissao foi desenvolvido o instrumento que coleta as informacoes sobre as atividades dos docentes.

4.1 Contexto da Avaliacao Docente na UFRN

A Avaliacao da Docencia na UFRN e parte integrante do processo de autoavaliacao institucional. A Resolucao no. 28/2005--CONSEPE, de 14 de junho de 2005, constituiu uma comissao especifica denominada "Comissao para elaboracao de proposta de avaliacao do docente pelo discente".

Essa resolucao estabelece que a avaliacao docente tem como objetivos promover o levantamento continuo de informacoes acerca da atuacao didatica e postura profissional do professor, da adequacao da disciplina no contexto do curso e da infraestrutura disponibilizada para o ensino de graduacao na UFRN; propiciar informacoes criticas sobre os processos e resultados do ensino aos gestores, professores e alunos, tendo em vista as decisoes e implementacao de acoes que resultem em melhoria da qualidade academica; e subsidiar a Comissao Propria de Avaliacao (CPA) da UFRN com informacoes indicadoras da qualidade do ensino de graduacao, como um dos elementos necessarios para a prestacao de contas a comunidade universitaria e a sociedade.

As normas da avaliacao da docencia, publicadas na Resolucao n[degrees] 28/2005, determinam que a avaliacao sera aplicada a todos os professores que se encontrarem ministrando disciplinas nos cursos de graduacao, no semestre letivo da sua aplicacao. E importante ressaltar que a avaliacao somente sera realizada em turmas com numero de alunos superior a cinco, bem como sera realizada anualmente.

A avaliacao da docencia compreendera tres mecanismos distintos que sao: avaliacao do corpo docente, procedida pelo corpo discente; autoavaliacao do discente; e a autoavaliacao do docente.

No que se refere aos instrumentos de avaliacao desenvolvidos pela CPA da UFRN, tem-se que o questionario do aluno avalia as seguintes dimensoes: a atuacao didatica e postura profissional do professor; a instituicao (especialmente a infraestrutura); a adequacao da disciplina no contexto do curso; e por fim a autoavaliacao do aluno. Em contrapartida, o questionario do professor e composto das seguintes dimensoes: uma autoavaliacao com relacao a sua atuacao didatica e postura profissional; a infraestrutura da instituicao; e tambem a adequacao da disciplina no contexto do curso.

Todas as informacoes sao coletadas por meio do Sistema Integrado de Gestao de atividades Academica--SIGAA, sempre ao final do semestre letivo, quando tanto docente como discente devem avaliar cada dimensao respondendo algumas questoes. Essa avaliacao e apresentada na forma de questionario, e para cada pergunta deve ser dada uma nota em uma escala que vai de 0 a 10.

Uma vez que os pares respondem a essa avaliacao, ela e processada e, em seguida, os resultados sao apresentados aos docentes por meio de dois relatorios. O primeiro refere-se ao resultado analitico da avaliacao institucional, em que o docente tem acesso detalhado a todas as informacoes acerca das dimensoes avaliadas para cada turma ministrada naquele semestre, assim como observacoes que os discentes fornecem quanto a atuacao do professor em sala de aula, as notas que recebeu e a media geral. A visualizacao do relatorio analitico e restrita ao docente, ou seja, somente o professor tem acesso a essas informacoes.

Em contrapartida, o segundo relatorio disponivel e o do resultado sintetico da avaliacao docente. Esse relatorio e acessivel aos docentes da instituicao e sua consulta e feita a partir da escolha do departamento a ser pesquisado e do semestre de interesse. Por se tratar de um relatorio resumido, ele apresenta apenas informacoes acerca do docente, do componente curricular, horario que a disciplina foi ministrada, a media geral da nota por turma e seu desvio padrao.

4.2 Analise da Avaliacao Docente com o uso do AVA

Com o objetivo de relacionar a utilizacao dos recursos do ambiente virtual e a avaliacao feita pelos alunos na UFRN, foi realizado um corte transversal de modo a analisar os dados referentes ao primeiro semestre de 2012, por corresponder a disponibilidade mais recente de dados. Alem desse corte transversal, ainda ocorreu uma delimitacao por area: os centros de humanas da UFRN. Dessa forma foi realizado um censo, chegando a um total de 538 docentes, divididos nos tres centros: Centro de Ciencias Humanas, Letras e Artes (CCHLA), Centro de Ciencias Sociais Aplicadas (CCSA) e Centro de Educacao (CE), conforme Tabela 1.

No que diz respeito ao sexo, os professores apresentaram certo equilibrio, com uma pequena maioria para os do sexo masculino, com 51,1% do total, enquanto que os docentes do sexo feminino correspondem a 48,9% (Tabela 2).

O banco de dados utilizado continha informacoes acerca da idade, data de admissao (o que possibilitou calcular a quantidade de anos de trabalho), sexo e centro em que os docentes sao alocados, bem como informacoes com relacao a quantidade de arquivos inseridos, noticias cadastradas no sistema, criacao de topicos de aulas e apontamento da frequencia. O banco ainda contava com outras informacoes de utilizacao, mas em funcao da absoluta maioria dos professores nao utilizar essas informacoes elas nao fizeram parte da pesquisa.

Paralelo a isso, foram levantadas a partir do relatorio de avaliacao da docencia, disponivel no SIGAA, as avaliacoes de cada um desses professores. A partir delas foi realizada uma media das avaliacoes feitas pelos alunos em cada uma das turmas em que aquele professor ministrou disciplinas, com o objetivo de gerar uma variavel padronizada, chamada de "Avaliacao". E importante ressaltar que essa nota referente a "avaliacao" e uma media de notas dadas ao professor pelo aluno, relativa a sua atuacao didatica e postura profissional.

De posse desses dados, a primeira etapa a ser realizada foi uma Analise de Cluster, buscando separar os docentes em dois grupos, com base na utilizacao do sistema. As variaveis utilizadas nessa analise foram: quantidade de arquivos inseridos (Arquivos), noticias cadastradas no sistema (Noticias), criacao de topicos de aulas (Topicos) e apontamento da frequencia (Frequencia). Os dois grupos formados foram denominados "Maior Utilizacao" e "Menor Utilizacao", referindo-se a maior ou menor frequencia na utilizacao das ferramentas analisadas.

A validacao do Cluster se deu atraves da analise de variancia (ANOVA). Verificou-se que todas as variaveis foram significantes a 0,05, ou seja, com p-valor a ,000 como se pode observar na Tabela 3, saida do SPSS[R] em relacao as variaveis que fizeram parte da Analise de Cluster.

No Cluster 1 foram alocadas 388 observacoes, que correspondem aos docentes que mais utilizam as ferramentas, enquanto 150 observacoes foram alocadas ao Cluster 2 que correspondem aos docentes que possuem uma menor utilizacao das ferramentas. Esses resultados apontam, de certa maneira, para uma insercao dos docentes quanto a utilizacao de ferramentas virtuais, tendo em vista a maioria deles ter sido enquadrada no Cluster 1.

Em seguida, foi realizada uma Analise Discriminante (AD), com o intuito de verificar a existencia de diferenca significativa entre os grupos com maior e menor utilizacao das ferramentas, gerado pela Analise de Cluster.

O primeiro ponto a ser observado na AD e a verificacao da existencia de diferencas entre as medias, ou seja, testar a hipotese de que as medias dos grupos sao iguais; com isso as hipoteses a serem testadas sao: [H.sub.0] = as medias dos dois grupos sao iguais; [H.sub.1] = as medias dos dois grupos sao diferentes.

Na Tabela 4 podem-se observar os resultados desse teste. O objetivo e rejeitar [H.sub.0], ou seja, aquelas variaveis que apresentaram p-valor (Sig.) inferior a 0,05. No caso em questao as variaveis Turmas, Idade e Anos Trabalhados apresentaram significancia; por consequencia, as demais variaveis nao diferenciavam os grupos de maneira significativa.

Salienta-se que a variavel "Avaliacao" nao se apresentou como discriminadora dos grupos, diferente do que se imaginava. Isso pode ter ocorrido em funcao da pouca variancia: as avaliacoes em sua maioria eram bastante altas e sem grandes diferencas.

Em seguida, observa-se o teste de igualdade das matrizes de variancia e covariancia. Para Corrar, Paulo e Dias (2009), para verificar o respeito a essa premissa, utiliza-se o Box's M, baseado em uma transformacao F, cujo objetivo e testar a hipotese nula de que ha igualdade de matrizes, ou seja, homogeneidade das matrizes. No caso em tela a premissa nao foi respeitada, pois o p-valor foi inferior a 0,05, rejeitando a hipotese de homogeneidade das matrizes.

Segundo Corrar, Paulo e Dias (2009), e possivel seguir a analise e verificar o desempenho da funcao obtida, levando em consideracao que o programa nao deixou de gerar as demais etapas. Os autores ainda afirmam que isso indica uma violacao estatistica, mas elas nao inviabilizam o estudo.

Em sequencia foi apresentado o Lambda de Wilks, cujo objetivo e avaliar se o modelo consegue separar e classificar os grupos satisfatoriamente. A hipotese nula corresponde a igualdade nas medias populacionais dos grupos, e como o objetivo e discriminar os grupos, essa hipotese deve ser rejeitada; se Wilks e significante indica que ha uma funcao discriminante significante. O metodo utilizado para gerar a funcao discriminante foi o Stepwise, e a cada etapa foi verificada a rejeicao dessa hipotese, com p-valor igual a ,000, bem como na funcao como um todo.

A correlacao canonica corresponde ao poder explicativo do modelo, um tipo de coeficiente de determinacao. No caso a correlacao canonica e de 0,436; se ela for elevada ao quadrado, tem-se que cerca de 19% da variancia da variavel dependente e explicada pelas variaveis independentes, o que, para as ciencias sociais, pode ser considerado um bom poder explicativo.

Os coeficientes da funcao discriminante podem ser visualizados na Tabela 5, em que as variaveis "Turmas" e "Anos Trabalhados" foram consideradas como variaveis que discriminam os grupos.

Com base nessas informacoes, pode-se chegar a seguinte funcao discriminante:

Z = -1,920 + 0,946 Turmas - 0,30 Anos/Trabalhados

Partindo da funcao dos centroides, encontrada na Tabela 6, e possivel localizar o ponto de corte (cut-off point), tambem conhecido como Z critico, que servira para classificacao dos casos em cada grupo.

Quando o valor calculado pela discriminante canonica for maior que o ponto de corte (0,476), o grupo sera considerado como aquele que tem uma menor utilizacao; quando o valor for menor que o ponto de corte, o grupo sera considerado como o de maior utilizacao (Corrar, Paulo & Dias, 2009).

Com relacao as estatisticas de classificacao, merecem destaque os coeficientes da funcao de classificacao; estabelecido o ponto de corte, deve ser aplicada cada uma das funcoes de acordo com sua identificacao.

Por fim, sao apresentados os resultados da classificacao, o percentual de casos classificados corretamente, que de acordo com a Tabela 7 corresponde a um percentual de 75,5% dos casos.

Para verificar mais profundamente o grau de acuracia de classificacao do modelo, foi realizado o teste de Press's Q que, segundo Hair, Anderson, Tatham e Black (2009) e um teste estatistico do poder discricionario do modelo; quando ele excede o valor critico (qui-quadrado para um grau de liberdade) o modelo e considerado melhor que as chances.

Para uma significancia de 0,01 o valor critico e 6,63, portanto o presente modelo apresenta previsoes significativamente melhores que as chances, tendo em vista que o valor calculado foi de 139,55, bem superior ao valor critico.

Convem ressaltar que o Press's Q com uma amostra grande, como no caso em tela, merece cuidado quanto a analise isolada. Tendo em vista a diminuicao desse problema, foi calculada tambem a razao de chances. Com base no criterio de chances proporcionais, as proporcoes dos grupos eram de 72% e 28% (vide equacao abaixo), cujo percentual calculado foi de 60%, portanto a previsao do modelo de 75,5% foi superior, confirmando o poder discriminatorio do modelo.

Como afirmado anteriormente, a variavel "Avaliacao" nao foi considerada como uma variavel discriminante, entretanto, em funcao da importancia da variavel, optouse por averiguar que variaveis explicam a avaliacao, nesse sentido executou-se uma regressao multipla, em que essa variavel figurou como variavel dependente.

Inicialmente foram utilizadas todas as variaveis e, com base no metodo Enter do SPSS[R]' foram sendo retiradas aquelas variaveis que apresentaram insignificancia estatistica.

Foram atendidos os pressupostos de normalidade, levando em consideracao o teste K-S, em que foi aceita a hipotese de normalidade, alem do tamanho da amostra e do histograma; de ausencia de autocorrelacao, com base no teste de Durbin-Watson, considerando as tres variaveis e a amostra maior que 200 observacoes; ausencia de multicolinearidade utilizando o VIF; e homocedasticidade entre as variancias dos residuos.

Vale salientar o baixo valor referente ao coeficiente de determinacao ajustado, inferior a 7%, conforme se pode observar no resumo do modelo. Por se tratar de uma pesquisa social, esse baixo percentual ja era esperado. Com base na ANOVA, a combinacao linear das variaveis independentes exerce influencia sobre a dependente, tendo em vista a rejeicao da hipotese nula.

Uma vez analisados os pressupostos da regressao linear multipla, foi possivel analisar a significancia individual das variaveis, com observancia ao teste t de Student, em que todas as variaveis, inclusive a constante, apresentaram significancia estatistica, rejeicao da hipotese nula, em que os coeficientes sao iguais a zero, Sig. inferior a 0,05 em todos os casos.

Apos a analise da regressao como um todo e das variaveis individualmente, pode-se chegar ao seguinte Modelo de Regressao:

Avaliacao = 9,056 - 0,067 Turmas - 0,013 Anos Trabalhados + 0,216 Sexo

Observando o coeficiente da variavel dummy sexo, tem-se que o mesmo corresponde a 0,216 inferior e que as mulheres possuem em media uma melhor avaliacao pelos discentes quando comparadas aos homens. Estudos anteriores sobre diferencas de genero na educacao tem revelado resultados conflitantes ao longo dos anos.

Por muito tempo, os computadores eram vistos como um dominio masculino, mas estudos mais recentes relataram que as diferencas entre os dois sexos no que diz respeito a tecnologia educacional desapareceu (Sutton, 1991; Comber, Colley, Hargreaves, & Dorn, 1997; Shashani, 1997).

A variavel "turmas" tem um efeito negativo sobre a avaliacao da docencia, ou seja, o fato do professor ter mais turmas do que outro o leva a ter, em media, uma menor avaliacao em -0,067. Sabe-se que a construcao de uma disciplina, assim como o seu processo de melhoramento, requer uma parcela significativa do tempo do docente; desta forma, um professor que tem um elevado numero de turmas pode, por exemplo, ter que partilhar seu tempo no processo de planejamento das mesmas, o que pode comprometer o resultado final.

Com relacao aos anos trabalhados, observou-se que essa variavel possui um efeito negativo na variavel avaliacao. Isso quer dizer que quanto mais tempo o professor esta na organizacao, menor sera a sua nota na avaliacao realizada pelos alunos. Outros estudos podem ser desenvolvidos nesse ambito, com o intuito de investigar as nuances desse efeito, isso porque a hipotese e a de que, com o passar do tempo, o desenvolvimento do trabalho deve melhorar em virtude da experiencia em sala de aula, o que geraria um impacto positivo na avaliacao do docente. Nessa pesquisa esse resultado foi contrario ao inicialmente previsto, o que revela a necessidade de maiores investigacoes.

Uma analise relevante e com relacao ao intercepto. Mantendo todos os fatores constantes, ou seja, efeito ceteris paribus, tem-se que a nota dada aos docentes e de 9,056, o que representa, em uma escala de 0 a 10, um valor elevado. De uma maneira geral essa nota revela um ponto positivo que e a boa avaliacao do corpo docente da area de humanas. Uma questao importante a ser levantada e sobre a importancia da conscientizacao do processo de avaliacao da docencia pelos alunos, pois muitos deles, em relatos informais, declararam nao levar essa avaliacao com a seriedade devida, o que pode distorcer o efeito das notas, levando-as a um falso valor elevado.

5 CONSIDERACOES FINAIS

Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem estao sendo cada vez mais utilizados como solucoes em comunicacao, gestao e aprendizado eletronico que possibilitam o desenvolvimento, integracao e a utilizacao de conteudos, midias e estrategias de ensino-aprendizagem (Anjos, 2013).

Para o estudo desenvolvido na "Turma Virtual" do SIGAA buscou-se inicialmente compreender como os docentes podem ser separados em grupos: os que mais utilizam as ferramentas disponiveis e os que menos as utilizam. A partir da analise de cluster, os grupos puderam ser separados, de forma que 388 docentes foram classificados no cluster correspondente aos que mais utilizam as ferramentas, enquanto 150 docentes foram classificados no grupo dos que menos as utilizam. De uma forma geral, identificou-se que quase 2/3 dos docentes sao usuarios das ferramentas, o que revela uma informacao importante, tendo em vista que esse sistema foi criado com o intuito de facilitar a interacao/comunicacao entre docentes e discentes.

De posse das informacoes geradas pela Analise de Cluster, foi dada continuidade ao estudo com o intuito de verificar a existencia de diferencas significativas entre os grupos com maior e menor utilizacao das ferramentas. Para isso foi realizada uma Analise de Discriminante. Nessa analise verificou-se que apenas as variaveis Turmas, Idade e Anos Trabalhados obtiveram significancia, ou seja, somente elas eram capazes de discriminar os grupos gerados. E valido ressaltar que a variavel "avaliacao" nao se apresentou como discriminatoria dos grupos, uma evidencia distinta do que foi inicialmente presumido. Isso pode ter ocorrido devido a pouca variancia nas notas das avaliacoes.

Apesar da nao verificacao da variavel "avaliacao" como sendo discriminatoria, o modelo apresentou um poder explicativo atraves do coeficiente de determinacao da correlacao canonica de 19%. No ambito das ciencias sociais, em virtude da complexidade que existe em modelar o comportamento humano, um coeficiente de determinacao nessa magnitude e aceitavel e corresponde a um bom poder explicativo.

Como foi dito, a variavel "Avaliacao" nao foi considerada como uma variavel discriminante; em virtude disso, optou-se por executar uma Regressao Multipla, com o intuito de analisar a relacao de causalidade nas variaveis independentes (sexo, anos trabalhados, turmas) e na variavel dependente (avaliacao).

Pode-se observar, a partir da Analise de Regressao Multipla, que as mulheres possuem em media uma avaliacao docente melhor que a dos homens, assim como o numero de turmas tem um efeito negativo sobre a avaliacao, tendo em vista que quanto maior o numero de turmas menos a avaliacao (em -0,067). E por fim, com relacao aos anos trabalhados dos docentes, observou-se que essa variavel possui um efeito negativo na avaliacao.

No que tange as limitacoes desse estudo, pode-se apontar o fato de nao ter sido possivel o acesso a um banco de dados mais atualizado junto a Superintendencia de Informatica da UFRN.

Dada a importancia desse estudo, propoe-se como pesquisas futuras tracar o perfil dos docentes que menos utilizam as ferramentas do sistema, de forma a compreender as peculiaridades que os levaram a essa pouca utilizacao. Atrelado a isso, recomenda-se um estudo em toda a Universidade, no sentido de compreender as diferencas de utilizacao do ambiente pelos docentes de diversas areas de conhecimento.

REFERENCIAS

Almeida, M. E. B. (2012). Formacao de educadores a distancia na pos-graduacao: potencialidades para o desenvolvimento da investigacao e producao de conhecimento. Educ. Soc., 33(121), 1053-1072.

Anjos, A. M. dos. (2013) Tecnologias da informacao e da comunicacao, aprendizado eletronico e ambientes virtuais de aprendizagem. In C. Maciel (Org.). Educacao a Distancia - Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Cuiaba: EdUFMT.

Carvalho, R. S. (2010). Sistemas de gestao da aprendizagem e sistemas de gestao academica: avaliados pela otica do docente. (Dissertacao de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil).

Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias, J. M., Filho (2009). Analise multivariada para os cursos de administracao, ciencias contabeis e economia. Sao Paulo: Atlas.

Comber, C., Colley, A., Hargreaves, D. J., & Dorn, L. (1997). The effects of age, gender and computer experience upon computer attitudes. Educational Research, 39, 123-133.

Cuellar, M. P, Delgado, M., & Pagalajar, M. C. (2011). A common framework for information sharing in e-learning management systems. Expert Systems with Applications, 38, 2260-2270.

Dias, P. (2004). Desenvolvimento de objectos de aprendizagem para plataformas colaborativas. Actas do Congresso Iberoamericano de Informatica Educativa, Monterrey, Mexico, 7.

Donnelly, D., McGarr, O., & O'reilly, J. (2011). A framework for teachers' integration of iCt into their classroom practice. Computers & Education, 57, 1469-1483.

Freire, P. (1997). Pedagogia do oprimido (17a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra. Recuperado em 10 janeiro, 2014, de http://portal.mda.gov.br/portal/saf/arquivos/ view/ater/livros/Pedagogia_do_Oprimido.pdf

Freitas, A. S., Narducci, V., & Dubeux, V. J. (2009). Projeto de capacitacao docente e difusao do e-learning: uma investigacao na busca de champions. RAI--Revista de Administracao e Inovacao, 6(2), 119-134.

Groenwald, C. L. O., & Homa, A. I. R. (2014). Ambiente Virtual de Aprendizagem do Programa de Pos-Graduacao em Ensino de Ciencias e Matematica da ULBRA. Acta Scientiae, 16(4), 10-24.

Hawkins, B. L., & Rudy, J. A. (2007). EDUCAUSE core data service: fiscal year 2006 summary report. Boulder, CO: EDUCAUSE.

Hair, J. F., Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Analise multivariada de dados (5a ed.). Sao Paulo: Bookman.

Hughes, J. (2005). The role of teacher knowledge and learning experiences in forming technology-integrated pedagogy. Journal of Technology and Teacher Education, 13, 277-302.

Laguardia, J., Portela, M. C., & Vasconcellos, M. M. (2007). Avaliacao em ambientes virtuais de aprendizagem. Educ. Pesqui., 33(3), 513-530.

Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004 (2004). Institui o Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior - SINAES e da outras providencias. Diario Oficial da Republica Federativa, do Brasil, Brasilia, DF: Presidencia da

Republica. Recuperado em 20 janeiro, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm

Longmire, W. (2008). A primer on learning objects. American Society for Training & Development. Virginia, USA. Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://www.learningcircuits.org/mar2000/primer.html.

Lonn, S., & Teasley, S. D. (2009). Saving time or innovating practice: investigating perceptions and uses of learning management systems. Computers & Education, 53, 686-694.

Morais, N., & Cabrita, I. M. (2008, julho). Ambientes virtuais de aprendizagem: comunicacao (as)sincrona e interaccao no ensino superior. Revista de Ciencias da Informacao e da Comunicacao do CETAC, 6, 158-179.

Maia, C., & Mattar, J. (2007). ABC da EaD: a educacao a distancia de hoje. Sao Paulo: Pearson Prentice Hall.

Ottenbreit-Leftwich, A. T., Glazewski, K. D, Newby, T. J., & Ertmer, P. A. (2010). Teacher value beliefs associated with using technology: addressing professional and student needs. Computers & Education, 55, 1321-1335.

Ramos, P., & Struchiner, M. (2011). Desenvolvimento de um ambiente virtual para o ensino da medicina por uma equipe multidisciplinar: fatores que influenciam a analise do problema educativo. Interface, 15(36), 227-242.

Ribeiro, L. R. de C., Oliveira, M. R. G. de, & Mill, D. (2013). Tecnologia e Educacao: aportes para a discussao sobre a docencia na era digital. In D. Mill, (Org.) Escritos sobre Educacao: desafios e possibilidades para ensinar e aprender com as tecnologias emergentes. Sao Paulo: Paulus.

Ruiz-Moreno, L., Leite, M.T. M., & Ajzen, C. (2013). Formacao didatico-pedagogica em saude:habilidades cognitivas desenvolvidas pelos pos-graduandos no ambiente virtual de aprendizagem. Cienc. educ. 19(1), 217-229.

Pena, M. L. D., Alonso, M., Feldmann, M., & Alegretti, S. M. M. (2005, julho/ setembro). Pratica docente e tecnologia: revisando fundamentos e ampliando conceitos. Revista PUCVIVA, 24. Recuperado em 20 novembro, 2011, de http://www.apropucsp.org.br/revista/r24_r05.htm

Shashani, L. (1997). Gender differences in computer attitudes and use among college students. Journal of Educational Computing Research, 16, 37-51.

Souza, C. M. (2003, agosto).Tradicoes e contradicoes da pos-graduacao no Brasil. Educ. Soc., 24(83), 627-641.

Senger, I., & Brito, M. J. (2005). Gestao de sistema de informacao academica: um estudo descritivo da satisfacao dos usuarios. Revista de Administracao Mackenzie, 3, Ano 6, 12-40. Recuperado em 20 janeiro, 2014, de http://www3.mackenzie.br/editora/index.php/RAM/article/view/77/77

Sutton, R. E. (1991). Equity and computer in the schools: a decade of research. Review of Educational Research, 61, 475-503.

Tardiff, M., & Lessard, C. (2008). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docencia como profissao de interacoes humanas. Petropolis: Vozes.

Teo, T., Lee, C. B., & Chai, C. S. (2007). Understanding pre-service teachers' computer attitudes: applying and extending the technology acceptance model. Journal of Computer Assisted Learning, 24, 128-143.

Wolynec, E. (2007). Os novos desafios da gestao academica. Recuperado em 19 janeiro, 2014, de http://www.techne.com.br/artigos/Os%20novos%20desafios.pdf

Ziulkoski, L. C. C. (2010, junho). Integracao do Moodle com o banco de dados institucional na UFRGS. UFRGS.

Amanda Borges de Albuquerque Assuncao

Professora Efetiva do Departamento de Ciencias Contabeis da UFRN e Doutoranda do Programa de Administracao da UFRN, Rio Grande do Norte, Brasil amandabaa@gmail.com

Iris Linhares Pimenta

Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte--Departamento de Ciencias Sociais e Humanas do Centro de Ensino Superior do Serido--Unidade Currais Novos e Doutoranda do curso de Administracao pela UFRN, Rio Grande do Norte, Brasil irislpimenta@gmail.com

Anderson Luiz Rezende Mol

Professor Adjunto IV da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Bacharel, Mestre e Doutor em Administracao, Rio Grande do Norte, Brasil mol.ufrn@gmail.com

Editor Cientifico: Jose Edson Lara

Organizacao Comite Cientifico

Double Blind Review pelo SEER/OJS

Recebido em 10.09.2014

Aprovado em 10.03.2016

(1) http://portal.inep.gov.br/superior-sinaes
Tabela 1
Centro ao qual o docente esta vinculado

                   Frequencia   Porcentual   Porcentagem   Porcentagem
                                               valida      acumulativa
         CCHLA     255          47,4         47,4          47,4
Valido   CCSA CE   200          37,2         37,2          84,6
                   83           15,4         15,4          100,0
         Total     538          100,0        100,0

Nota. Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Tabela 2
Sexo do docente

                     Frequencia   Porcentual   Porcentagem
                                                 valida

         Masculino         275         51,1          51,1
Valido   Feminino          263         48,9          48,9
         Total             538        100,0         100,0

Sexo do docente
          Porcentagem
          acumulativa

                  51,1
Valido           100,0

Nota. Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Tabela 3
Analise de variancia (ANOVA)

             Cluster           Erro             F         Sig.
             Quadrado     df   Quadrado   Df
             Medio             Medio

Topicos      349456,970    1   395,724    536   883,082   ,000
Arquivos     39395,591     1   264,684    536   148,840   ,000
Frequencia   10115,359     1   128,313    536   78,834    ,000
Noticias     8319,796      1   168,647    536   49,333    ,000

Nota. Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Tabela 4
Testes de igualdade de medias de grupo

            Lambda de   F         df1   df2   Sig.
            Wilks

Avaliacao   ,994        3,135     1     535   ,077
Turmas      ,824        114,074   1     535   ,000
Idade       ,960        22,306    1     535   ,000
Anos_Trab   ,946        30,732    1     535   ,000
Sexo        ,993        3,578     1     535   ,059
Centro      1,000       ,162      1     535   ,687

Nota. Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Tabela 5
Coeficientes de funcao discriminante canonica

              Funcao

Turmas        ,946
Anos_Trab     -,030
(Constante)   -1,920

Nota. Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Tabela 6
Coeficientes de funcao de classificacao

                          Cluster

              Menor_Utilizacao   Maior_Utilizacao

Turmas             2,744              3,763
Anos_Trab           ,167               ,134
(Constante)        -4,172             -7,444

Nota. Funcoes discriminantes lineares de Fisher.

Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Tabela 7
Resultados da classificacao (a)

                        Cluster            Associacao ao      Total
                                           grupo prevista
                                           Menor Utilizacao
                                           Maior Utilizacao

           Contagem     Menor Utilizacao   359      29        388
Original                Maior Utilizacao   103      47        150
           %            Menor Utilizacao   92,5     7,5       100,0
                        Maior Utilizacao   68,7     31,3      100,0

Nota. (a.) 75,5% de casos originais agrupados corretamente
classificados. Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]

Figura 1--Resumo do Modelo

                                    R quadrado     Erro padrao
Modelo           R    R quadrado      ajustado    da estimativa

1         ,261 (a)       ,068          ,063          ,64835

                               Estatisticas de mudanca

         Alteracao de                                 Sig. Alteracao
Modelo    R quadrado    Alteracao F    df1     df2                F

1            ,068         13,009        3      533         ,000

       Estatisticas de mudanca

          Durbin-
Modelo     Watson

1          1,847

(a.) Preditores: (Constante), Sexo, Anos_Trab, Turmas

(b.) Variavel dependente: Avaliacao

Fonte: Resultado da analise pelo software SPSS[R]
COPYRIGHT 2016 Revista Gestao & Tecnologia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Assuncao, Amanda Borges de Albuquerque; Pimenta, Iris Linhares; Mol, Anderson Luiz Rezende
Publication:Gestao & Tecnologia
Date:May 1, 2016
Words:7865
Previous Article:Enterprise competitiveness factors in companies located in a Brazilian technological park/Fatores de competitividade empresarial em empresas...
Next Article:Adaptive theory and ATLAS.ti 7: a partnership for development of the framework of international entrepreneurship/ Teoria adaptativa e ATLAS.ti 7: uma...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |