Printer Friendly

The study of hearths and anthracology in Proto-Je do Sul sites/Estudo de fogueiras e antracologia em contexto Proto-Je do Sul.

Introducao

Apresentamos aqui um panorama dos resultados da dissertacao de mestrado intitulada "Economia de combustiveis e tecnologia de fogueiras em sitios Proto-Je do Sul nas terras altas do Brasil meridionale, de Leonardo Waisman de Azevedo sob orientacao da Prof Dra Rita Scheel-Ybert. As fogueiras estudadas foram escavadas em sitios arqueologicos no planalto do Rio Grande do Sul, localizados na regiao de Pinhal da Serra, e pesquisados durante os anos 2000 pela equipe do Nucleo de Pesquisa Arqueologica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em um projeto de pesquisas coordenado pela Prof Dra Silvia Cope.

A arqueologia do Planalto sempre notou a presenca do fogo na maior parte dos sitios escavados. Porem, jamais estudou esse elemento de forma aprofundada, como um fator significativo em termos tecnicos, sociais e simbolicos nas atividades das populacoes Proto-Je do Sul. Considerando a constante presenca de fogueiras e a importancia que o fogo desempenha no cotidiano de sociedades como essa, a escassez de pesquisas nesse sentido mantinha um vazio na compreensao da arqueologia do planalto.

Motivado por isso, buscou-se compreender comportamentos e conhecimentos tradicionais relativos a producao e uso de fogueiras por esses grupos, na forma como elas foram encontradas em espacos domesticos e rituais. Fez-se isso atraves do estudo de caso de quatro sitios arqueologicos: duas estruturas semi-subterraneas dos sitios Ari I e Leopoldo V, o sitio lito-ceramico Pedreira e a estrutura de aterro anelar A, sitio Leopoldo VII.

Os sitios

Ari I

O sitio e um conjunto de estruturas semisubterraneas, monticulos de terra, uma area de concentracao de material litico e ceramico em superficie, e um terraceamento artificial que limita a ocorrencia das estruturas. Os resultados obtidos na escavacao do sitio demonstraram tratar-se de um espaco domestico (Cope 2008, 2009).

Foi analisado o material de uma das estruturas semi-subterraneas do sitio: a casa I. A escavacao de sua camada de ocupacao revelou uma base circular, com bancadas e um fundo rebaixado. Foram identificadas feicoes de uma possivel fogueira de base concava com pedras, lentes escuras de carvao associadas a zonas de refugo de processos de limpeza da fogueira, e um possivel buraco do esteio de sustentacao do telhado. O material arqueologico encontrado foi material litico e termoforas, dispostos na base da estrutura.

Leopoldo V

Outro conjunto de estruturas semi-subterraneas, distribuidas de forma linear no topo de um morro. Seus limites sao definidos pela distribuicao de material na area externa as estruturas e por um terraceamento que nivela o terreno no entorno. E tambem uma area domestica (Cope et al. 2002; Saldanha 2005).

Uma estrutura escavada neste sitio foi trabalhada: a casa B. A escavacao da camada de ocupacao mais profunda desta estrutura revelou um piso rebaixado cercado por bancadas construidas nas paredes, e uma fogueira central de base concava e com muitas pedras. No piso foi encontrado material litico e ceramico disperso.

Pedreira

E um sitio lito-ceramico formado por uma grande mancha circular de terra preta, contendo duas concentracoes de material disperso. Uma dessas concentracoes foi interpretada como o fundo de uma cabana pre-historica, que teria a sua entrada uma fogueira de base concava com pedras sobrepostas (Cope et al. 2002; Saldanha 2005).

Leopoldo VII

E um conjunto de estruturas anelares com funcao funeraria. A escavacao de uma trincheira na estrutura maior revelou a presenca de uma fogueira sob o monticulo central, na qual foi encontrada uma grande quantidade de fragmentos de ossos calcinados. Tratava-se de uma pira funeraria com forma alongada e base concava (Cope et al. 2002; Saldanha 2005).

Aspectos metodologicos

O material estudado foi foco de dois niveis de abordagem:

O primeiro referente a aspectos tecnologicos, desenvolvido atraves da analise das proprias fogueiras a partir de uma descricao qualitativa das estruturas de combustao.

A producao do fogo esta diretamente relacionada as intencoes de uso a que se aplica e as suas formas de preparo, e e o resultado de gestos culturais tradicionais. As caracteristicas estruturais de uma fogueira, como posicao, forma e elementos constitutivos, interferem diretamente no processo de combustao e em suas possibilidades de uso, e nao sao um acaso no processo de producao do fogo (Julien et al. 1987; Leroi-Gourhan 1988; Taborin 1989). A compreensao da existencia dos gestos culturais tradicionais para fazer o fogo e util ao se pensar tecnicas empregadas pelos grupos Proto-Je do Sul estudados neste trabalho.

O segundo nivel de abordagem e referente aos combustiveis utilizados, desenvolvido a partir de uma analise antracologica do carvao coletado na escavacao de cada um dos sitios, sob uma perspectiva de economia de combustiveis. O conceito de economia de combustiveis abrange a producao do fogo da coleta ao uso do combustivel. Um estudo nesse sentido compreende questoes quanto a area de captacao e a disponibilidade de recursos, as tecnicas de coleta do combustivel, preferencias culturais especificas, motivacao para a coleta e funcao da fogueira, e gestao de combustiveis ao longo do tempo (Thery-Parisot 2001).

A analise antracologica consistiu na identificacao taxonomica, do estado e do diametro minimo das amostras de carvao (Chabal 1992; Scheel-Ybert 2004a, b). A identificacao foi feita a partir da observacao e caracterizacao anatomica do carvao em um microscopio optico de luz refletida, com campo claro e campo escuro, atraves da verificacao dos fragmentos nos tres planos de corte fundamentais da madeira (transversal, longitudinal radial e longitudinal tangencial). Os planos foram atingidos atraves da quebra manual do carvao.

Resultados e discussao

Posicao e contexto das fogueiras

A posicao das fogueiras em cada sitio se mostrou como um elemento chave para compreender seu funcionamento e a organizacao do espaco interno dos assentamentos. Em areas domesticas as fogueiras eram sempre posicionadas num espaco central, transformado em um polo de atividades e interacoes sociais, e de uma maneira que favorecesse as trocas de calor no interior das estruturas (ver Thery-Parisot 2001; Cope 2006). Nos sitios cerimoniais as fogueiras tambem ocupavam uma posicao central, e orientavam a organizacao espacial do ritual (Corteletti 2012; Mabilde 1987/1899) ao mesmo tempo em que poderiam funcionar como elementos de controle e acao sobre o morto e sobre os vivos (ver Crepeau 1994; Petry et al. 2007).

Atributos estruturais

A respeito de questoes estruturais, todas as quatro fogueiras estudadas tinham uma base concava, escavada no solo. As bases de forma concava potencialmente mantinham inalterada a posicao central do fogo, controlando o avanco das brasas e permitindo seu uso diversas vezes (ver Dron et al. 2003). Alem disso, constituiam um fator determinante no desempenho das fogueiras durante o processo de combustao, uma vez que permitiam um rendimento maior na quantidade de combustivel utilizado (March 1992).

Cada atividade exigia e causava a presenca de elementos diferentes. Nas fogueiras domesticas, os conjuntos de pedras descobertos permitiram sugerir processos de aquecimento controlado de materiais e tecnicas de controle da intensidade do fogo (Coudret et al. 1989; Orilac & Orilac 1980; Prevost-Demarkar 2002; Taborin 1989). Na pira funeraria, concrecoes de terra queimada sao o resultado das altas temperaturas atingidas devido a funcao da fogueira associada a cremacao de um corpo.

O processo de combustao era feito de forma controlada em todos os casos. Conheciam-se metodos de controle da temperatura em fogueiras estruturalmente semelhantes, tanto para atingir temperaturas muito altas quanto mais baixas.

Analise antracologica

O resultado da analise antracologica do carvao disperso na camada de ocupacao do sitio Ari I e das amostras de carvao concentrado em fogueiras dos sitios Leopoldo V, Pedreira e Leopoldo VII revelou a presenca de 23 tipos determinados taxonomicamente em 12 familias e 12 generos, e cinco tipos de angiospermas indeterminados (fig. 1).

Dois aspectos apareceram como um padrao nos taxa determinados:

O primeiro e que todos sao taxa que ocorrem na Floresta Ombrofila Mista (Floresta de Araucarias) que e parte do bioma Mata Atlantica. Isso era esperado para a regiao e esta em conformidade com as descricoes de vegetacao e reconstituicoes paleoambientais existentes na bibliografia (ver Iriarte; Behling 2007; SIDOL 2014).

O segundo e de que a maioria dos taxa identificados sao potencialmente vegetais pioneiros ou secundarios, dependendo da especie e das condicoes ambientais (Galvao et al. 1989; Lorenzi 1992; Klauberg et al. 2010; Sawczuk 2009). Vegetais desse tipo crescem na fase jovem de uma floresta, em uma etapa de sucessao secundaria que se segue a algum disturbio (Lorenzi 1992). Considerando as questoes recorrentes sobre a construcao de uma paisagem Proto-Je do Sul, que apontam diversos elementos de transformacao do espaco e da vegetacao levados a cabo por esses grupos, e plausivel considerar-se que as alteracoes que derivaram na formacao de uma vegetacao em regeneracao foram o resultado de atividades antropicas.

Com estas informacoes pode-se formular uma hipotese de como seria a area de captacao de recursos combustiveis dos sitios estudados: tratava-se provavelmente de uma paisagem bastante alterada devido a intensidade da ocupacao Proto-Je do Sul no local, com uma Floresta de Araucarias em estado de sucessao secundaria proxima aos sitios, na area de impacto de suas ocupacoes.

A analise antracologica demonstrou ainda a inexistencia de um padrao no calibre da lenha queimada, e da aparente preferencia por lenhas sadias sem sinais de podridao. A coleta desta lenha provavelmente ocorria de duas formas: uma baseada no recolhimento seletivo de madeira caida na mata, e outra baseada na derrubada de arvores.

Descobriu-se a presenca de dois taxa presentes como combustivel nas fogueiras que, supoe-se, seriam lenhas usadas para iniciar o processo de combustao. Sao eles Poaceae Bambusoideae (bambu), e Arecaceae (tronco de palmeira). Ambos sao lenhas de alta inflamabilidade; as palmeiras estao relacionadas a tecnica de combustao de friccao rotativa utilizada pelos grupos Je do Sul descrita em fontes etno-historicas (ver Lavina 1994; Mabilde 1897/1899; Metraux 1946). O uso de palmeira para iniciar o processo de combustao esta, ainda, associado ao mito de origem do fogo entre os Kaingang (Metraux 1946).

O uso de bambu e palmeira para aquisicao do fogo e possivelmente um indicativo do emprego de uma selecao especifica de combustiveis dentre os elementos vegetais disponiveis na regiao, motivado por termos funcionais e praticos, como a alta inflamabilidade destes taxa, ou simbolicos, como a afirmacao de uma identidade Je do Sul atraves da recriacao de um mito (Freud 1932; Leroi-Gourhan 1988). Essa ocorrencia sugere um conhecimento apurado das caracteristicas de inflamabilidade de ao menos alguns elementos vegetais.

Em termos taxonomicos, as analises demonstraram que praticamente nao existiam repeticoes nos tipos de lenha utilizadas. Os tipos evidenciados nas amostras de cada fogueira eram majoritariamente ocorrencias unicas, exceto por duas excecoes relacionadas entre si: o genero Inga e sua familia Fabaceae de forma geral, que apresentaram frequencias relativas significativas e uma recorrencia em todos os sitios.

As Fabaceae provavelmente nao estavam disponiveis em uma abundancia tao significativa que justificasse seu uso intenso como combustivel nas fogueiras estudadas, como demonstrado por estudos fitossociologicos desenvolvidos em diversas regioes com Floresta de Araucarias (Galvao et al. 1989; Sawczuk 2009; Klauberg et al. 2010). Ou seja, em uma coleta aleatoria de madeira na mata, as lenhas de Fabaceae nao seriam muito representadas. Mesmo assim, esses taxa repetiram-se em todas as fogueiras e apresentaram frequencias relativas altas. Supoe se que os taxa de Inga spp. e outras Fabaceae seriam lenhas procuradas e coletadas especificamente para seu uso na fogueira.

Um comentario final

Tem se mostrado possivel, a partir de caracteristicas estruturais das fogueiras, vislumbrar alguns tracos do conhecimento tecnologico empregado pelos grupos Proto-Je do Sul em sua maneira de produzir e utilizar o fogo. Tambem, o emprego de uma metodologia antracologica para analise do carvao coletado nestas fogueiras possibilitou a realizacao de inferencias sobre a vegetacao proxima aos sitios e sobre aspectos de uma economia de combustiveis para o fogo.

Referencias Bibliograficas

Chabal, L. 1992. La representativite paleo-ecologique des charbons de bois archeologiques issus du bois de feu. Bulletin de la Societe Botanique de France, 139: 2-3-4: 213-236.

Cope, S.M. 2006. Les grands constructeurs precoloniaux du plateau du sud du Bresil: etude de paysages archeologiques a Bom Jesus, Rio Grande do Sul, Bresil. Tese de doutorado. Paris, Universidade de Paris I, Pantheon, Sorbonne.

Cope, S.M. 2008. Escavacoes arqueologicas em Pinhal da Serra, RS. Atividades de campo realizadas em 2008 e 2007. NuPArq, UFRGS, Porto Alegre, RS.

Cope, S.M. 2009. Relatorio de campo da campanha arqueologica de Pinhal da Serra--10 de janeiro a 28 de fevereiro--NuPArq--UFRGS. NuPArq, UFRGS, Porto Alegre, RS.

Cope, S.M.; Saldanha, Cabral, M.P. 2002. Contribuicoes para a pre-historia do Planalto: estudo da variabilidade de sitios arqueologicos de Pinhal da Serra, RS. In: Pesquisas, Antropologia, Instituto Anchietano de Pesquisas, Sao Leopoldo, 58: 121-138.

Corteletti, R. 2012. Projeto arqueologico Alto Canoas--Paraca: um estudo da presenca Je no planalto catarinense. Tese de Doutorado. MAE, USP, Sao Paulo.

Coudret, P.; Larriere, M.; Valentin, B. 1989. Comparer des foyers: Une entreprise difficile. In: Olive, M.; Taborin, Y. Nature et function des foyers prehistoriques, Actes du Colloque International de Nemours 1987. Memoires du Musee de Prehistoire d'Ile de France, Association pour la Promotion de la Recherche Archeologique en Ile de France, Musee de Prehistoire d'Ile de France, Nemours, 2: 37-45.

Crepeau, R.R. 1994. Mythe et rituel chez les indiens Kaingang du Bresil Meridional. In: Religiologiques, 10: 143-157.

Dron, J.L.; Ghesquiere, E.; Marcigny, C.; Chancerel, A.; Kinnes, I.; San Juan, G.; Verron, G. 2003. Les structures de combustion du Neolithique moyen en Basse-Normandie (France): proposition de classement typologique et fonctionnel. In: Actes du Colloque de Bourg-en-Bresse et Beaune, 7-8 octobre 2000. Editions Monique Mergail.

Freud, S. Aquisicao e controle do fogo. In: Novas conferencias introdutorias sobre psicanalise e outros trabalhos (1932-1936). Volume XXII, Imago, e-book.

Galvao, F.; Kuniyoshi, Y.S.; Roderjan, C.V. 1989. Levantamento Fitossociologico das Principais Associacao Arboreas da Floresta Nacional de Irati PR. Revista Floresta, 19(1).

Iriarte, J.; Behling, H. 2007. The expansion of Araucaria Forest in the southern Brazilian highlands during the last 4000 years and its implications for the development of the Taquara/Itarare Tradition. In: Environmental Archaeology, 12: 2: 115-127.

Julien, M.; Olive, M.; Perles, C.; Pigeot, N.; Taborin, Y.; Thiebault, S.; Valladas, H.; Wattez, J. 1987. Le feu apprivoise, Le feu dans la vie quotidienne des hommes prehistoriques. Musee de Prehistoire d'Ile-de-France.

Klauberg, C.; Paludo, G.F.; Bortoluzzi, R.L.C.; Mantovani, A. 2010. Floristica e Estrutura de um Fragmento de Floresta Ombrofila Mista no Planalto Catarinense. Revista Biotemas, 23 (1): 37-47.

Lavina, R. 1994. Os Xokleng de Santa Catarina: uma etnohistoria e sugestoes para os arqueologos. Dissertacao de mestrado. UNISINOS, Sao Leopoldo.

Lorenzi, H. 1992. Arvores brasileiras: manual de identificacao e cultivo de plantas arboreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 352p.

Leroi-Gourhan, A. 1988. El hombre y la materia (evolucion y tecnica). Madrid, Taurus.

Mabilde, A. 1987/1899. Apontamentos sobre os indigenas selvagens da nacao "Coroadose que habitam os sertoes do Rio Grande do Sul. Annuario do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

March, R.J. 1992. L'utilisation du bois dans les foyers prehistoriques: une approche experimentale. Bulletin de la Societe Botanique de France, 139: 2-3-4: 245-253.

Metraux, A. 1946. The Caingang. In: Steward, J. Handbook of South American Indians. United States Government Printing Office, Washington.

Orilac, C.; Orilac, M. 1980. Les structures de combustion et leur interpretation archeologiques: quelques exemples en Polynesie. Journal de la Societe des Oceanistes, T. XXXVI, no. 66-67: 61-76.

Petry, L.; Tettamanzy, A.L.L.; Freitas, A.E.C. 2007. O papel do mito nas narrativas orais dos Kaingang na Bacia do Lago Guaiba, Porto Alegre, RS. Organon, v.21, no. 42.

Prevost-Demarkar, S. 2002. Les foyers et les fours domestiques en Egee au Neolithique et a l'Age du Bronze. Civilisations, Revue internationale d'anthropologie et de sciences humaines, 48: 223-237.

Saldanha, J.D.M. 2005. Paisagem, lugares e cultura material: uma arqueologia espacial nas terras altas do sul do Brasil. Dissertacao de mestrado. Porto Alegre, PUCRS.

Sawczuk, A.R. 2009. Floristica e Estrutura Horizontal no Periodo 2002-2008 de um Fragmento de Floresta Ombrofila Mista no Centro Sul do Estado do Parana. Campus de Irati.139p. Dissertacao de mestrado, Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Scheel-Ybert, R. 2004a. Teoria e metodo em antracologia. 1. Consideracoes teoricas e perspectivas. Arquivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, 62: 1: 3-14.

Scheel-Ybert, R. 2004b. Teoria e metodo em antracologia. 2. Tecnicas de campo e laboratorio. Arquivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, 62: 4: 343-356.

SIDOL. Sistema de Identificacao Dendrologica Online --Floresta Ombrofila Mista. Disponivel em: www.florestaombrofilamista.com.br/, acessado em setembro de 2014.

Taborin, Y. 1989. Le foyer: Document et concept. In: Olive, M. & Taborin, Y. Nature et function des foyers prehistoriques, Actes du Colloque International de Nemours 1987. Memoires du Musee de Prehistoire d'Ile de France, 2: 77-80. Association pour la promotion de la Recherche Archeologique en Ile de France, Musee de Prehistoire d'Ile de France, Nemours.

Thery-Parisot, I. 2001. Economie des combustibles au Paleolithique. Experimentation, taphonomie, anthracologie. Dossier de documentation archeologique no. 20, Paris, CNRS Editions.

Leonardo Waisman de Azevedo (*)

Rita Scheel-Ybert (*)

(*) Museu Nacional/UFRJ. <leonardo_wa@yahoo.com.br> <scheelybert@mn.ufrj.br>

Caption: Fig. 1. Grafico de ocorrencia de tipos identificados na analise antracologica.
COPYRIGHT 2016 Museu de Arqueologia e Etnologia - Universidade de Sao Paulo
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Azevedo, Leonardo Waisman; Scheel-Ybert, Rita
Publication:Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia
Date:Jul 1, 2016
Words:2807
Previous Article:Archaeology and Anthropology: a possible dialogue?/Arqueologia e Antropologia Laklano: dialogo possivel?
Next Article:"You give me letters instead of money?" Commercial transactions in the Near East and the Western Mediterranean ca. 1100-600 BCE: social innovation...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters