Printer Friendly

The impacts of drug use on worker's attention capacity/Os impactos na capacidade atencional em trabalhadores usuarios de drogas.

INTRODUCAO

O consumo de drogas, tanto licitas quanto ilicitas, vem se expandido globalmente. As drogas representam uma das questoes que afligem a sociedade contemporanea, sendo que, em escala mundial, constituem uma ameaca as estruturas e valores economicos, politicos, sociais e culturais das nacoes. A Organizacao Mundial de Saude conceitua droga como "qualquer entidade quimica ou mistura de entidades (mas outras que nao aquelas necessarias a manutencao da saude, como agua e o oxigenio) que altera a funcao biologica e possivelmente sua estrutura" (1). A esse conceito, estudos (2-5) acrescentam que tal alteracao afeta os individuos nos seus niveis fisico, social e cognitivo.

No seculo XX, a partir da decada de 1960, o consumo de drogas foi mais intensificado e se tornou uma questao de saude publica. Algumas praticas contribuiram para incrementar o uso dos chamados psicotropicos--drogas que agem no sistema nervoso central (SNC)--, principalmente a sintese de novos produtos aumentando a concentracao e a potencia das drogas tradicionais, possibilitando ao individuo obter efeitos diversificados (6,7).

Dentro do conceito de promocao da saude na area do trabalhador encontra-se a analise dos habitos de vida do individuo e o acompanhamento do estado geral da saude (8), que engloba o uso de drogas (9). Atualmente, existem varias ferramentas desenvolvidas para auxiliar no tratamento do usuario de droga, porem e preciso evitar metas utopicas de erradicacao total do abuso, como provam as evidencias historicas e antropologicas. As novas metodologias podem dar indicativos de alteracoes comuns encontradas em individuos com dependencia quimica (10).

Ao considerar o mercado de trabalho, o imediatismo, os medos, a pressao por incertezas e frustracoes sao caracteristicas da sociedade contemporanea. Essas caracteristicas frequentemente expoem o funcionario a situacoes de riscos fisico e psiquico, com o aumento dos transtornos mentais em trabalhadores, levando-os ao consumo de drogas, expondo-os a acidentes de trabalho, a incapacidade para o trabalho, ao afastamento do trabalho por tempo prolongado e a exclusao do mercado de trabalho, aumentando os custos para o Estado e a sociedade (9,11).

Varios estudos demonstram que o uso de drogas acarreta alteracao da atencao e memoria, o que, em se tratando de saude do trabalhador, coloca em risco sua atividade, seguranca e qualidade de vida. Sendo assim, o presente trabalho teve por objetivo comparar o desempenho da atencao em empregados nao dependentes quimicos e empregados usuarios de drogas, por meio de exame computadorizado.

METODOS

SELECAO DA AMOSTRA

Trata-se de um estudo retrospectivo que avaliou o desempenho atencional de empregados dependentes quimicos (DQ) que buscaram voluntariamente, em um Centro Especializado, tratamento para o abuso de drogas, no periodo de setembro de 2011 a maio de 2012, perfazendo um grupo de 23 individuos.

Foram obtidos os dados sociodemograficos (idade e genero), o tipo de drogas utilizadas (alcool, nicotina, maconha, cocaina ou crack) e o resultado do exame computadorizado de atencao (EAC) no que se refere as quatro variaveis principais: "omissao", "erros", "media do tempo de reacao" e "variabilidade do tempo de reacao"

O grupo controle (PC) foi composto por 23 individuos nao dependentes quimicos. Para obtencao dos sujeitos controles, foram selecionados aleatoriamente individuos pareados por perfil sociodemografico e caracteristicas clinicas sem deficit de atencao.

Os criterios de inclusao foram idade menor que 60 anos, ausencia de uso de medicamentos benzodiazepinicos, hipnoticos, sedativos, inibidores da Mao, inibidores seletivos ou nao da recapitacao de serotonina, bem como nao uso unico e exclusivo de nicotina, problemas significativos no nascimento ou desenvolvimento psicomotor, outros diagnosticos psiquiatricos do eixo I do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-IV), sem historia de traumatismo cranioencefalico ou problemas neurologicos, assim como ausencia de problemas clinicos evidenciados no SNC.

O presente estudo foi aprovado pelo Comite de Etica e Pesquisa da Escola Superior de Ciencias da Santa Casa de Misericordia de Vitoria (EMESCAM), sob o Certificado de Apresentacao para Apreciacao Etica (CAAE) no. 24154813.8.0000.5065.

INSTRUMENTOS

Os instrumentos utilizados foram os prontuarios fisicos e eletronicos que continham os dados sociodemograficos e as informacoes sobre a utilizacao de substancias psicoativas supracitadas, bem como os resultados do EAC.

O EAC foi desenvolvido por Cabral e Cabral (12) com base no continuous performance test (CPT) (3,13,14). Trata-se de um instrumento computadorizado de rastreio da atencao que mensura variaveis atencionais. O teste consiste no aparecimento de varios simbolos na tela, em diversas posicoes e velocidade variavel. Ao inicio de cada exame, o programa aponta qual simbolo sera considerado correto e a partir de entao o individuo precisa apertar a tecla "espaco" do teclado do computador toda vez que esse simbolo aparecer. Em seguida, e apresentado na tela do computador um questionario pos-teste com perguntas referentes a queixas de saude mental, problemas financeiros, familiares e no trabalho. Existem diferentes versoes do EAC: rastreio de 1,5 minuto e concentrada 5,5/11/16 minutos. Foi utilizada a versao concentrada de 11 minutos. O teste mensura porcentagem de acertos, porcentagem de erros, porcentagem de omissoes, tempo medio de reacao de acertos e erros, variabilidade do tempo de reacao de acertos e erros, os quais fornecem as informacoes sobre mensuracao dos indices de omissao (refletindo a desatencao), erros (refletindo a impulsividade), tempo de reacao e distracao.

ANALISE ESTATISTICA

Foram analisadas as descritivas das variaveis sociodemograficas dos grupos DQ e PC. As variaveis do EAC ("omissao", "erros", "media do tempo de reacao" e "variabilidade do tempo de reacao") foram testadas quanto a distribuicao ou nao de normalidade pelo teste KolmogorovSmirnov (KS). Os parametros "omissao" e "erros" nao apresentaram distribuicao normal, sendo trabalhados com o teste Mann-Whitney. Os parametros "media do tempo de reacao" e "variabilidade do tempo de reacao" apresentaram distribuicao normal e foram trabalhados por meio do teste t. Nas comparacoes, foram utilizados: teste qui-quadrado, teste t e Mann-Whitney. Foi adotado o erro [beta] de 20% e o a de 5%.

RESULTADOS

A amostra foi constituida por 46 individuos, dos quais 23 no grupo PC e 23 no grupo DQ.

Quanto ao tipo de substancia utilizada, observou-se a prevalencia do uso do alcool (100,00%) quando comparado com outras drogas, tendo a cocaina (69,56%) como a segunda mais utilizada. Constatou-se, ainda, o uso de maconha, nicotina e crack.

Dos individuos avaliados, 69,56% faziam uso de pelo menos 2 substancias psicoativas, sendo que houve associacao mais frequente (69,56%) entre o alcool e a cocaina.

A comparacao do desempenho nas variaveis no exame EAC esta representada na Tabela 1.

DISCUSSAO

O estudo mostrou que, em uma amostra de empregados adultos jovens, predominantemente do sexo masculino e usuarios de drogas, as substancias mais utilizadas sao o alcool e a cocaina, sendo comum a associacao de mais de uma substancia psicoativa.

Esses achados vao ao encontro do relatado em literatura por um levantamento do Centro Brasileiro de Informacoes sobre Drogas Psicotropicas (CEBRID), realizado em 2004, sobre internacoes em hospitais psiquiatricos por uso de substancias. Esse estudo demonstrou que o alcool e a primeira causa de internacao e a cocaina e a terceira, sendo o uso de multidrogas--isto e, o uso concomitante de mais de um tipo de droga--a segunda causa de internacao (15).

O alcool e reconhecido como a substancia psicoativa mais utilizada no mundo, apresentando alta prevalencia tambem no Brasil (16-19). Alem disso, o uso abusivo de alcool esta associado a altos indices de consumo de substancias ilicitas, alem de ser frequente a utilizacao de multidrogas, como observado no presente trabalho (17).

Este estudo observou o comprometimento de todas as variaveis atencionais avaliadas, sendo elas: "omissao" (desatencao), "erros" (impulsividade), "media do tempo de reacao" (velocidade de reacao motora) e "variabilidade do tempo de reacao" (concentracao).

Prosser, London e Galynker (3) avaliaram o desempenho atencional, por meio de CPT, em individuos usuarios de multidrogas e em abstinencia, que ja fizeram (grupo 1) ou mantem tratamento com metadona (grupo 2), comparando-os com um grupo controle (grupo 3). Esses pesquisadores observaram um pior desempenho dos grupos de ex-usuarios (grupos 1 e 2) nos parametros "erros" e "omissao", corroborando com os achados do deste trabalho.

O comprometimento atencional foi observado tambem por Hanson et al. (20), que avaliaram o desempenho cognitivo de adolescentes usuarios de alcool e de outras drogas por um periodo de dez anos. Destacaram o comprometimento da atencao principalmente naqueles jovens que aumentaram a dosagem de consumo no final da adolescencia ou inicio da fase adulta, quando comparados com individuos controles. Da mesma forma, descreveram que os achados sugerem que os jovens que interromperam o uso durante a adolescencia apresentaram desempenho semelhante aqueles que nao faziam uso, porem a continuidade no uso com altas doses durante o final do periodo da adolescencia ou no inicio da fase adulta representou um aumento do impacto na cognicao, mesmo apos a reducao do consumo.

A alteracao da atencao em usuarios de drogas tambem foi observada no estudo de Indlekofer et al. (21), sugerindo uma forte tendencia a lapsos de atencao; porem nao observou diferencas na media do tempo de reacao quando comparados ao grupo controle, o que difere dos presentes achados.

A piora na media do tempo de reacao observada neste estudo pode ser representativa e justificada pela lentificacao da reacao motora em individuos em abstinencia (22), porem pode ainda ser em virtude do pequeno tamanho da amostra, sendo, assim, sugerida realizacao de novos estudos com amostragem maior.

O comprometimento cognitivo em usuarios de drogas e foco de varios trabalhos, e nesse quesito surgem alguns fatores e questionamentos que possivelmente interferem no grau de comprometimento cognitivo, os quais geralmente nao sao controlados e dificultam a comparacao entre os diversos estudos existentes. Sao alguns desses fatos de questionamentos: controle da droga utilizada (23-25); tempo de uso (25-27); idade de inicio de consumo (25,26); tempo de abstinencia (24,25); doses (25,26); e condicoes sociodemograficas (27)--nao controladas no presente estudo e que devem ser foco dos futuros trabalhos.

CONCLUSOES

O presente estudo observou um pior desempenho de empregados dependentes quimicos no teste de atencao quando comparados a controles normais, apontando para uma alteracao nesse dominio cognitivo independente dos parametros atencionais avaliados. Essa condicao pode limitar as atividades laborais dos individuos, levando-os a risco de acidentes e comprometendo sua saude. Os testes computacionais vem com objetivo de contribuir para uma melhor qualidade de vida desses empregadores, por estar voltado diretamente para as mudancas do comportamento individual. Dentro de uma grande empresa, por exemplo, o uso desse metodo auxilia na diminuicao dos riscos de acidentes de trabalho.

Recebido: 14/11/2015

Aceito: 26/01/2016

Fonte de financiamento: nenhuma

REFERENCIAS

(1.) World Health Organization. Community response to alcohol-related problems. Geneva: World Health Organization; 1985.

(2.) Cunha PJ, Nicastri S, Gomes LP, Moino RM, Peluso MA. Alteracoes neuropsicologicas em dependentes de cocaina/ crack internados: dados preliminares. Rev Bras Psiquiatr. 2004;26(2):103-6.

(3.) Prosser J, London ED, Galynker II. Sustained attention in patients receiving and abstinent following methadone maintenance treatment for opiate dependence: performance and neuroimaging results. Drug Alcohol Depend. 2009;104(3):228-40.

(4.) Correa Filho JM, Baltieri DA. Psychosocial and clinical predictors of retention in outpatient alcoholism treatment. Rev Bras Psiquiatr. 2012;34(4):413-21.

(5.) Anderson KG, Ramo DE, Cummins KM, Brown SA. Alcohol and drug involvement after adolescent treatment and functioning during emerging adulthood. Drug Alcohol Depend. 2010;107(2-3):171-81.

(6.) Abramovay M, Castro MG, Pinheiro LC, Lima FS, Martinelli CC. Juventude, violencia e vulnerabilidade social na America Latina: desafios para politicas publicas. Brasilia: Unesco, Banco Interamericano de Desenvolvimento; 2002.

(7.) Castro MG, Abramovay M, Rua MG, Andrade ER. Cultivando vida, desarmando violencias: experiencias em educacao, cultura, lazer, esporte e cidadania com jovens em situacoes de pobreza. Brasilia: UNESCO, Brasil Telecom, Fundacao Kellogg, Banco Interamericano de Desenvolvimento; 2001.

(8.) Teixeira CG, Goncalves FM, Cabanas RC, Rigoni GS, Cabral HW. Avaliacao de preditores de risco de comprometimento clinico em empregados de empresa mineradora: contribuicoes para qualidade de vida. Rev Bras Med Trab. 2014;12(1):30-8.

(9.) Sousa-Uva A, Serranheira F. Trabalho e Saude/(Doenca): o desafio sistematico da prevencao dos riscos profissionais e o esquecimento reiterado da promocao da saude. Rev Bras Med Trab. 2013;11(1):43-9.

(10.) Babor T, Caetano R, Casswell S, Edward G, Giesbrecht N, Graham, K, et al. Alcohol: no ordinary commodity: research and public policy. Oxford University Press; 2003.

(11.) Seligmann-Silva E, Bernanrdo MH, Maeno M, Kato M. O mundo contemporaneo do trabalho e a saude mental do trabalhador. Rev Bras Saude Ocup. 2010;35(122):187-91.

(12.) Cabral HWS, Cabral RWS. Exame Computadorizado de Atencao--EAC. 2006.

(13.) Bartes-Serrallonga M, Adan A, Sole-Casals J, Caldu X, Falcon C, PerezPamies M, Bargallo N, Serra-Grabulosa JM. Cerebral networks of sustained attention and working memory: a functional magnetic resonance imaging study based on the Continuous Performance Test. Rev Neurol. 2014;58(7):289-95.

(14.) Rapisarda A, Kraus M, Tan YW, Lam M, Eng GK, Lee J, et al. The continuous performance test, identical pairs: norms, reliability and performance in healthy controls and patients with schizophrenia in Singapore. Schizophr Res. 2014;156(2-3):233-40.

(15.) Carlini EA. Epidemiologia do uso de alcool no Brasil. Arq Med ABC. 2006;31(Suppl. 2):4-7.

(16.) Kolling NM, Silva CR, Carvalho JC, Cunha SM, Kristensen CH. Avaliacao neuropsicologica em alcoolistas e dependentes de cocaina. Aval Psicol. 2007;6(2):127-37.

(17.) Harrington M, Velicer WF, Ramsey S. Typology of alcohol users based on longitudinal patterns of drinking. Addict Behav. 2014;39(3):607-21.

(18.) Vieira RM, Serafim AP, Saffi F. Prejuizos neurocognitivos na dependencia alcoolica: um estudo de caso. Rev Psiquiatr Clin. 2007;34(5);246-50.

(19.) Sousa FS, Oliveira EN. Caracterizacao das internacoes de dependentes quimicos em Unidade de Internacao Psiquiatrica do Hospital Geral. Cienc Saude Coletiva. 2010;15(3):671-7.

(20.) Hanson KL, Cummins K, Tapert SF, Brown SA. Changes in neuropsychological functioning over 10 years following adolescent substance abuse treatment. Psychol Addict Behav. 2011;25(1):127-42.

(21.) Indlekofer F, Piechatzek M, Daamen M, Glasmacher C, Lieb R, Pfister H, et al. Reduced memory and attention performance in a population-based sample of young adults with a moderate lifetime use of cannabis, ecstasy and alcohol. J Psychopharmacol. 2009;23(5):495-509.

(22.) Sadock BJ, Sadock VA. Compendio de Psiquiatria: ciencia do comportamento e psiquiatria clinica. 9. ed. Porto Alegre: Artmed;2007.

(23.) Gould TJ. Addiction and Cognition. Addict Sci Clin Pract. 2010;5(2):4-14.

(24.) Fernandez-Serrano MJ, Perez-Garcia M, Verdejo-Garcia A. What are the specific vs. generalized effects of drugs of abuse on neuropsychological performance? Neurosci Biobehav Rev. 2011;35(3):377-406.

(25.) Thames AD, Arbid N, Sayegh P. Cannabis use and neurocognitive functioning in a non-clinical sample of users. Addict Behav. 2014;39(5):994-9.

(26.) Sinforiani E, Zucchella C, Pasotti C, Casoni F, Bini P, Costa A. The effects of alcohol on cognition in the elderly: from protection to neurodegeneration. Funct Neurol. 2011;26(2):103-6.

(27.) Loeber S, Nakovics H, Kniest A, Kiefer F, Mann K, Croissant B. Factors affecting cognitive function of opiate-dependent patients. Drug Alcohol Depend. 2012;120(1-3):81-7.

Endereco para correspondencia: Fernanda Mayrink Goncalves--Rua Doutor Moacyr Goncalves, 101/302--Jardim da Penha--CEP: 29060-445--Vitoria (ES), Brasil--E-mail: nandamayrink@yahoo.com.br

Oliveira Alves de Lima Junior [1], Fernanda Mayrink Goncalves [2], Renato Wilson Santos Cabral [1], Lizania Spinasse Borges [3], Cesar Albenes de Mendonca Cruz [1], Hebert Wilson Santos Cabral [1,2]

Trabalho realizado na Escola Superior de Ciencias da Santa Casa de Misericordia de Vitoria (EMESCAM)--Bela Vista (ES), Brasil.

[1] Centro de Ciencias da Saude de Vitoria, EMESCAM--Vitoria (ES), Brasil.

[2] Programa de Pos-graduacao em Neurologia/Neurociencias da Universidade Federal Fluminense (UFF)--Niteroi (RJ), Brasil.

[3] Universidade Paris XI--Paris, Franca.

DOI: 10.5327/Z1679-443520160915
Tabela 1. Comparacao das medias de "omissao" e "erros" e
medianas de "media do tempo de reacao" e "variabilidade
do tempo de reacao" dos pacientes dos grupos de
dependentes quimicos e controle.

                            DQ (n=23)

                      Mediana */     Erro
                       Media **    Padrao */
                                    DVP **

Omissao *                1,19        4,46

Erros *                  3,57        1,98

Media do tempo          502,30       57,15
de reacao **

Variabilidade do        92,90        26,47
tempo de reacao **

                             PC (n=23)

                      Mediana */     Erro      Sig.
                       Media **    Padrao */
                                    DVP **

Omissao *                0,00        0,00      0,000

Erros *                  1,19        0,30      0,001

Media do tempo          445,50       37,94     0,003
de reacao **

Variabilidade do        66,20        11,85     0,001
tempo de reacao **

* Mann-Whitney; ** Teste t de Student; DQ: grupo
de dependentes quimicos; PC: grupo controle;
DVP: desvio padrao; Sig.: significancia.
COPYRIGHT 2016 Associacao Nacional de Medicina do Trabalho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:ARTIGO ORIGINAL
Author:de Lima, Oliveira Alves, Jr.; Goncalves, Fernanda Mayrink; Cabral, Renato Wilson Santos; Borges, Liz
Publication:Revista Brasileira de Medicina do Trabalho
Date:Jul 1, 2016
Words:2708
Previous Article:Workers recovering from drug addiction in an industrial region of Brazil/Trabalhadores usuarios de drogas em recuperacao em uma regiao industrial do...
Next Article:Alcohol and drug use at work: required knowledge for the title of specialist in occupational medicine/Alcool e drogas no trabalho: conhecimento do...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters