Printer Friendly

The effectiveness of chlorella as inhibiting of appetite associated with the physical exercise and the balanced diet modifying the body composition/A eficacia da chlorella como inibidor de apetite associada ao exercicio fisico e dieta balanceada alterando a composicao corporal.

INTRODUCAO

A obesidade e um dos mais graves problemas de saude publica e sua prevalencia vem crescendo acentuadamente nas ultimas decadas, inclusive nos paises em desenvolvimento, o que levou a doenca a condicao de epidemia global (Murate, 2005).

A Pesquisa de Orcamentos Familiares 2003-2004 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE) mostrou que os homens vao ganhando peso na faixa dos 20 aos 44 anos, ja as mulheres ganham peso mais lentamente predominando o sobrepeso nas faixas etarias posteriores. Separando-se por regioes os homens com excesso de peso sao predominantes nas regioes Sudeste, Sul e centro-Oeste e estes sao mais afetados nas zonas urbanas que rurais. Ja as mulheres com sobrepeso variam menos entre as regioes excetuando-se o Nordeste. E ainda, diferentemente dos homens, nas zonas rurais encontramos mais sobrepeso nas mulheres que nas zonas urbanas (IBGE, 2004).

Segundo Salve (2006), o melhor tratamento para a obesidade e a prevencao, ou seja, nao chegar a ficar obeso. Segundo Pollock e colaboradores (1993), os metodos de tratamento geralmente usados incluem dieta, atividades fisicas, drogas, cirurgia e modificacao de comportamento.

A obesidade, doenca na qual o excesso de gordura corporal acumula-se a tal ponto que a saude pode ser afetada, tem sido considerada um dos mais graves problemas de saude publica da atualidade (Monteiro e colaboradores, 2004).

A evolucao industrial e a modernizacao na producao alimenticia na maioria dos paises contribuiram para uma dieta rica e farta em gorduras e proteinas, e pobre em carboidratos complexos. A oferta de alimentos e grande enquanto o dispendio energico da vida moderna e cada vez menor, por causa dos transportes motorizados e equipamentos mecanicos. Assim vemos que o sedentarismo e os habitos alimentares errados sao os principais causadores da obesidade mundial (Pereira e colaboradores, 2003).

No Brasil, ao longo do tempo, as mudancas demograficas, socio-economicas e epidemiologicas, contribuiram para uma mudanca dos problemas nutricionais onde antes se predominava a desnutricao e hoje o quadro evolui para um aumento da obesidade (Pinheiro, 2004).

Pesquisa de Orcamentos Familiares (IBGE, 2004) que tem como referencia o IMC, mostrou que a obesidade afeta 8,9% dos homens adultos e 13,1% das mulheres adultas. No total geral do pais 20% dos homens sao obesos e um terco das mulheres apresentam sobrepeso.

Uma forma de medir e classificar a obesidade e o Indice de Massa Corporal (IMC) resultado da divisao do peso em quilogramas pela altura em metros quadrados, e e largamente usada em estudos epidemiologicos e clinicos sendo assim classificados: Individuos com IMC < 25kg/[m.sup.2] considerados normais; entre 25 e 29,9 kg/[m.sup.2] considerados pre-obesos ou com sobrepeso; a partir do IMC 30kg/[m.sup.2] considerado com obesidade propriamente dita, aumentando o risco de morbi-mortalidade. Ja os Individuo com IMC acima [greater than or equal to] 40kg/[m.sup.2] considerado com obesidade morbida (Vasques e colaboradores, 2004).

Sem duvida que a prevalencia da obesidade vem aumentando nas ultimas decadas, principalmente nos paises em desenvolvimento, resultando numa condicao de epidemia global, que acomete cerca de 10% da populacao (Hausen, 2004).

Segundo Ammon citado por Hauser e colaboradores (2004), para evitar que a prevalencia da obesidade continue crescendo, surge a necessidade de adotar-se medidas de prevencao. Estas podem ser realizadas atraves de mudancas no estilo de vida, como reeducacao alimentar, inclusao da pratica de exercicios fisicos e uso de suplementos que auxiliam na reducao do apetite e aumento da saciedade como a alga Chorella.

CHLORELLA

A alga Chlorella e uma alga verde, unicelular, do grupo das cloroficeas que cresce em aguas frescas, contem altas concentracoes de vitaminas, minerais, fibras, aminoacidos, enzimas e outras substancias como acucar, peptideos e proteinas. O interesse economico pelo cultivo dessa alga tem crescido consideravelmente em funcao de algumas caracteristicas: facil cultivo e conteudo proteico elevado podendo chegar a ate 65% e ainda e rica em varios nutrientes e vitaminas importantes para a dieta humana e animal (Venkataraman e Becker, 1985 citado por Rodrigues e Filho, 2004).

Atualmente as pesquisas em biotecnologia alimentar empregando microalgas veem ganhando especial atencao a coleta e cultivo para utilizacao na alimentacao humana que sao realizadas ha seculos (Richimond, 1988). Segundo o mesmo autor, povos nativos do Chade, na Africa e do lago Texcoco (Astecas) no Mexico, alimentavam-se de produtos feitos com biomassa de Chlorella.

O Cultivo das microalgas tem sido realizado visando a producao de biomassa para uso no desenvolvimento de alimentos funcionais, para obtencao de compostos bioativos que tem propriedades nutricionais e farmaceuticas (Grima e colaboradores, 2003).

Reconhecidamente, as microalgas como, por exemplo, a Chlorella, tem capacidade de sintetizar compostos nutraceuticos, acidos graxos poliinsaturados e pigmentos carotenoides, que apresentam propriedades terapeuticas. (Tripathi e colaboradores citado por Derner, 2006).

Todas as especies de Chlorella apresentam boa digestibilidade em humanos, entre elas a mais comum e a Pyrenoidosa presente na maioria dos estudos que sao de origem japonesa. Um de seus principais beneficios e ser estimulante do sistema imune melhorando a protecao contra infeccoes e e um excelente protetor contra o cancer, por sua propriedade anti-oxidante. Como nenhum efeito toxico foi visto com a Chlorella, sugerese que as pessoas tomem 03 gramas da alga por dia, para produzir seus efeitos terapeuticos (Merchant e Andre, 2001).

Segundo os mesmos autores, sabe-se que a Chlorella nao possui efeito emagrecedor, mas alguns estudos relatam que pessoas submetidas ao uso da alga durante um periodo de restricao alimentar, sentem diminuir a fome e perdem o desejo por refeicoes desnecessarias. Por conter altas concentracoes de proteinas (60%) pode parcialmente satisfazer o apetite enquanto e digerida, pois provoca a liberacao de sustancias como a CCK, que tem efeito de estimular a saciedade. Dentre as proteinas, o principal aminoacido presente na alga e o Triptofano. Quando esse entra em contato com o suco gastrico libera esse aminoacido que se expande como uma esponja, podendo gerar saciedade antes mesmo da distensao do estomago pelos alimentos.

COMPOSICAO CORPORAL

O peso corporal e constituido de aglomerados de ossos, musculos, gorduras e outros tecidos (McArdle, e colaboradores, 2003). No aspecto bioquimico e formado por: agua, proteinas, minerais e lipideos (Malina e Bouchard, 1991). Quanto ao aspecto anatomico e formado de: massa muscular, massa gordurosa, massa ossea, massa residual (Pollock e Wilmore, 1993).

Os componentes causadores de variacoes na determinacao do peso corporal sao: musculos, ossos e gorduras. As alteracoes que ocorrem nesses componentes devem-se aos fatores de crescimento e de envelhecimento, alimentacao exercicio fisico e doencas (Malina e Bouchard, 1991).

A agua, corresponde a mais ou menos 65% do peso corporeo, e muito variavel de acordo com o grau de hidratacao, podendo influenciar nas alteracoes de peso. O musculo e a massa esqueletica vao se ajustando ate certo ponto para suportarem a carga de tecido adiposo (Mahan e Escott-Estump, 2002).

A gordura, reserva de energia primaria, e armazenada como triglicerideos no tecido adiposo. Na mulher a porcentagem de gordura varia de 20 a 25% e cerca destes 12% sao de gordura essencial. Nos homens a gordura e de 12 a 15% sendo que 3% sao de gordura essencial (Mahan e Escott-Estump, 2002).

O total de gordura corporal esta presente em dois compartimentos ou depositos: gordura essencial e gordura de reserva. A gordura essencial esta presente no coracao, nos musculo, e nos tecidos ricos em lipideos do sistema nervoso central e da medula ossea, todo o funcionamento fisiologico normal depende dessa gordura (McArdle, e colaboradores, 2003).

A gordura de reserva e constituida por aquela presente no tecido adiposo assim distribuidos, 83% de gordura pura, 25 de proteinas, e 15% de agua. A gordura visceral presente nos orgaos que tem como funcao protecao contra traumatismos e tambem considerada gordura de reserva (McArdle, e colaboradores, 2003).

DIETA

Nao se pode deixar de levar em consideracao os fatores geneticos na colaboracao da obesidade, porem os principais fatores para o desenvolvimento da doenca estao relacionados a fatores ambientais, culturais e principalmente a ingestao alimentar inadequada (Pereira, 2003). Estudos demonstram que no tratamento para a reducao de peso, e importante que as dietas sejam elaboradas de forma individualizada (Francischi, 2000).

Individuos obesos tem preferencia por alimentos altamente energeticos, principalmente lipideos comparados a pessoas nao obesas, com isso a ingestao de alimentos saudaveis pouco energeticos com alto teor de agua se torna insignificante (Rosado, 2001).

Para o sucesso de um programa de perda de peso, este tem que aliar modificacoes alimentares, comportamentais, educacao nutricional e se preciso acompanhamento psicologico.

Dietas hipocaloricas colaboram para perda de peso, mas em longo prazo, quando muito restritivas sao cientificamente indesejaveis, pois levam a perdas de agua, minerais, eletrolitos, glicogenio e outros componentes que nao contem gordura.

Uma dieta balanceada e aquela nutricionalmente adequada com excecao do valor energetico que deve ser diminuido ate o ponto em que as reserva de gordura sao mobilizadas (Mahan e Escott-Estump, 2002).

Um fator auxiliar para dietas de perda peso e a adicao de fibras no cardapio. Estas ajudam no sucesso do tratamento por seu poder de saciedade, reducao de digestibilidade e aumento da excrecao fecal (Francischi, 2000).

EXERCICIO FISICO

O exercicio fisico pode ser considerado o mais poderoso "desafio" fisiologico para a saude do corpo humano. Este requer um grande ajuste metabolico para aumentar o suprimento de oxigenio e combustivel na realizacao do trabalho muscular, causando, dessa forma, aumentos significativos de energia acima dos valores de repouso (Saris, 1995 citado por Francischi e colaboradores, 2000).

Segundo Hauser e colaboradores (2004), existem provaveis mecanismos atraves dos quais o exercicio pode auxiliar na perda e manutencao do peso. Alguns deles seriam obtidos atraves do estimulo de aumento na atividade do Sistema Nervoso Simpatico (SNS), que permite o controle dos fluxos de substrato de energia, gerando um maior gasto diario de energia, a reducao do apetite, o aumento da taxa metabolica de repouso, da massa muscular, do efeito termico de uma refeicao, a elevacao do consumo de oxigenio, a otimizacao dos indices de mobilizacao e utilizacao de gordura, bem como uma sensacao de auto-suficiencia e bem-estar.

Varios estudos foram feitos para comparar os efeitos de uma restricao calorica em conjunto com exercicios aerobicos, exercicios anaerobicos e a combinacao dos dois tipos sobre a composicao corporal de individuos obesos e com sobrepeso.

Na maioria dos resultados encontrados, observou-se que tanto o exercicio aerobio como os exercicios com pesos (anaerobicos) parecem proporcionar um aumento significativo na demanda energetica pos-exercicio, mantendo-a acima dos valores de repouso. Alem tambem de melhorar significamente o consumo maximo de oxigenio, forca maxima, resistencia muscular localizada e manutencao da massa magra (Francischi e colaboradores, 2000; Pereira e colaboradores, 2004; Hauser e colaboradores, 2004).

Para este estudo foi utilizada a posicao dada pelo American College of Sports Medicine (ACSM, 2003) em que recomenda que toda populacao se engaje em uma rotina regular de exercicios que englobe 20 a 60 minutos de exercicios aerobios, realizados de 3 a 5 dias por semana, juntamente com um treinamento de resistencia e de flexibilidade com frequencia de 2 a 3 vezes por semana. Tudo gerando um deficit de 500 a 1000 Kcal diarias chegando a perda de 1kg de gordura por semana.

TRATAMENTO

No tratamento da obesidade, em longo prazo, mostra que a maioria dos pacientes reganha peso, isto e, apresenta peso flutuante (PF) (Andrade e colaboradores, 2004). Foi realizado um estudo com 218 pacientes admitidas no periodo entre 1992 e 2000 no Ambulatorio de Obesidade do Hospital Universitario Professor Edgar Santos (HUPES) da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia, onde essas pacientes foram submetidas a uma dieta restrita a 1.000 calorias e a um aumento da atividade fisica.

A prescricao de drogas anti-obesidade (catecolaminergica e/ou serotoninergicos) foi restrita aquelas que atingiam uma perda ponderal do PI (peso inicial menor que 5%. Foram observados 62 casos de peso final (28,4%) do total da populacao estudada. Desse total 85% perderam peso inicialmente e voltaram e ganhar peso posteriormente e 15% ganharam peso no inicio e perderam no final.

Ja as pacientes que usaram drogas anti-obesidade tiveram uma perda de peso 2,1 vezes maior, concluindo que a medicacao anti-obesidade com certeza ajuda na perda de peso, mas nao garante sua manutencao do peso se o paciente nao muda seus habitos (Andrade e colaboradores, 2004).

Todos que ja fizeram algum tipo de dieta pelo menos uma vez, mesmo que tenham sido bem sucedidos, certamente sentiram desconforto e dificuldades. Desconfortavel e ficar sem comer, comer apenas pequenas porcoes e sentir fome durante alguns periodos do dia. Dificil e passar por esse desconforto e nao ver na balanca os resultados imediatos que se esperava. Tambem e dificil sentir o retorno do peso excessivo apos o final da dieta.

Aqueles que nao obtem sucesso na dieta e desistem sao taxados de fracos e sem determinacao, auto condenando-se a permanecer com o excesso de gordura e ate a aumenta-lo. O que poucos sabem e que nosso proprio corpo luta contra nos quando tentamos impor a ele uma silhueta mais magra. Afinal, a gordura e nossa maior reserva de energia e o excesso e entendido (ao menos pelo corpo) como uma seguranca em situacoes de escassez de alimentos.

Assim, temos que pensar que para um tratamento eficaz da obesidade, nao basta prescrever dietas, exercicios e medicamentos para o paciente. Nosso maior desafio e mostrar para estes que somente incorporando novos e saudaveis padroes alimentares e estilo de vida ativo e que os resultados serao eficazes e prolongados.

O objetivo deste estudo foi verificar as alteracoes de aspectos morfologicos em pessoas eutroficas, com sobrepeso e obesas, submetidas a 40 dias de exercicios aerobicos e com pesos, reeducacao alimentar e capsulas manipuladas com 500mg de Chlorella, consumidas 2 vezes ao dia 30 minutos antes do almoco e jantar ou lanche.

MATERIAIS E METODOS

Amostra

Neste estudo foram analisadas as alteracoes obtidas por 12 pessoas dentre elas eutroficos, sobrepeso e obesos variando entre 22 a 61 anos, com media de 39,33 anos, submetidas a 40 dias de exercicios aerobicos, reeducacao alimentar e capsulas manipuladas com 500mg de Chlorella administrada 2 vezes ao dia.

Para a participacao no estudo foram selecionadas 12 pessoas obedecendo aos seguintes criterios: a) maiores de 21 anos; b) IMC entre 23,04kg/[m.sup.2] e 36 Kg/[m.sup.2]; c) nao utilizar medicacao para inibir o apetite.

Procedimentos

Todas as pessoas foram submetidas a uma avaliacao inicial que se dividiu em 2 partes em que os resultados estao representados na tabela 01.

a. A avaliacao Morfologica:

--Massa (M)

--Estatura (E)

b. Avaliacao Nutricional:

--Registro alimentar de 03 dias

A avaliacao morfologica constou das medidas de massa e estatura. A massa atraves de afericao de peso corporal na balanca marca Filizola e estatura aferida a partir de fita metrica.

A avaliacao nutricional constou de Anamnese com registro alimentar de 03 dias com o objetivo de orientar a dieta e verificar os habitos alimentares dos participantes.

Apos a realizacao das avaliacoes iniciais o grupo passou a praticar musculacao e fazer caminhadas 3 vezes por semana, durante 60 minutos com a intensidade de 60 a 75% da frequencia cardiaca maxima.

A orientacao nutricional foi dada no inicio do tratamento, onde foi entregue o plano alimentar com lista de substituicao, as capsulas de Chlorella e a sua forma de administracao.

A avaliacao final foi realizada apos 40 dias de tratamento onde foi aferido novamente peso e altura alem de adesao a dieta.

Em relacao a formulacao das dietas, o valor calorico total (VCT) inicial foi calculado tomando-se por base 25 kcal por kg de peso ideal, sendo que o peso ideal foi estabelecido com base no Indice de Massa Corporal 25 kg/[m.sup.2]. Para o calculo das dietas foi utilizado o "Programa AVANUTRI".

Na elaboracao das dietas tambem foram levados em consideracao as condicoes socio economicas e os habitos alimentares de cada participante. Foram garantidos nas dietas o aporte de Proteina de Alto Valor Biologico (PAVB) e adequacao de vitaminas e minerais, sendo as quantidades relativas de calorias e nutrientes apresentadas na tabela 02.

Em relacao ao uso do suplemento de Chlorella, foi estipulado que os participantes administrassem 1 capsula de 500mg 30 minutos antes do almoco e jantar.

RESULTADOS

Neste estudo apresentamos os resultados medios, nos aspectos morfologicos, obtidos por 12 pessoas, que chegaram aos 40 dias do programa, 50% da amostra nao chegaram ao final do tratamento por motivos de intolerancia ao suplemento (enjoo, malestar, diarreia); 16,66% tomaram suplemento corretamente, porem nao seguiram o cardapio e a atividade fisica; 33,33% chegaram ao final do tratamento seguindo os criterios estabelecidos. Dentre os 33,33% 25% nao obtiveram nenhuma alteracao e 75% obtiveram resultados satisfatorios. Conforme a tabela 03 e 04 os resultados pre e pos tratamento foram os seguintes.

DISCUSSAO

Levando em consideracao que os principais fatores que geram a obesidade sao: genetica, nutricao, inatividade fisica, questoes de ordem farmacologica, endocrina, neurologica, ambiental e estilo de vida, principalmente. E facil perceber porque a obesidade vem atingindo um numero cada vez maior de individuos, de ambos os generos, e em diferentes faixas etarias.

Dados do relatorio do Vigitel (2007) (Sistema de Vigilancia de Fatores de Risco e Protecao para Doencas Cronicas por Inquerito Telefonico) citado por Puglia (2008) mostram que a populacao brasileira continua pouco preocupada com a alimentacao saudavel. Em consequencia disso, 43% dos brasileiros estao com o IMC (Indice de Massa Corporal) acima de 25, sendo que isto e mais frequente em homens que em mulheres.

Na amostra apresentada, observamos que o resultado nao foi satisfatorio. 50% das pessoas participantes nao completaram o tratamento por reacoes adversas ao suplemento relatando enjoos, diarreias ou intolerancia ao mesmo. Esses sintomas sao alguns dos efeitos colaterais da suplementacao. 16,6% nao aderiram corretamente ao tratamento, nao obtendo resultado. 33,33% seguiram corretamente o tratamento obtendo resultados satisfatorios.

Diante dos resultados, observamos que as pessoas que obtiveram reducao ponderal com o tratamento associaram dieta, exercicio e um auxiliar de inibicao do apetite (no caso a alga Chlorella) confirmando resultados ja encontrados na literatura. Porem, nao podemos confirmar que esses resultados positivos foram devido a acao da Chlorella, isolada, principalmente pelo curto prazo de tratamento.

Em consequencia do alto indice de abandono (50%) por intolerancia a suplementacao (tamanho da capsula, reacoes adversas) ou por nao comprometimento a dieta e/ou exercicio fisico, a eficacia da pesquisa nao obteve impacto positivo como era esperado.

Para novos estudos sugerimos que exista um grupo controle, um grupo em que a administracao do suplemento Chlorella seja feito isoladamente, outro grupo em que ocorra dieta e exercicio fisico e um ultimo grupo com suplementacao de Chlorella, dieta e exercicio fisico. Tambem sugerimos uma maior amostra e um tempo mais longo de estudo.

CONCLUSAO

Observando os resultados do trabalho, podemos concluir que a terapia associada de dieta, exercicio fisico e Chlorella quando seguida corretamente surte efeito para perda ponderal, podendo ser utilizado para o tratamento da obesidade e sobrepeso. Porem, nao podemos afirmar se o uso exclusivo da Chlorella acarrete em uma perda ponderal.

Outra conclusao do estudo e que devido ao alto indice de reacoes adversas com a suplementacao, deve-se ser criterioso com o uso da alga Chlorella.
ANEXOS

Anamnese

Nome:
e-mail:                           tel.:
Data de nasc.: profissao:
Data consulta:
Medicamento de uso continuo: () sim () nao qual?

HISTORIA PREGRESSA

Diabetes:
Renal:
Hipertensao:
Hipercolesterolemia:
Hipertrigliceridemia:
Disturbios da tireoide: () hipotireiodismo () hipertireidismo
Alteracoes do TGI: nao
Outros: nao

AVALIACAO FISICA

Peso:                             Altura:
Nivel de atividade () ativo () sedentario () pouco ativo
Circunferencias
Braco:                Abdome:            Cintura:
Quadril:              Coxa:
Pregas cutaneas:
PCSE:              PCB:               PCT:
PCSI:              PCAB:              PCC:
PCMA:              PCP:

QUESTIONARIO DE FREQUENCIA ALIMENTAR

* Com que frequencia voce come ...

1. Arroz, Massas, Paes, Cereais

() sempre () eventualmente () raramente

2. Feijao, Lentilha, Ervilha, Soja

() sempre () eventualmente () raramente

3. Leite e Derivados (Queijo, Iogurte, Coalhada, Manteiga)

() sempre () eventualmente () raramente

4. Carnes e Ovos

() sempre () eventualmente () raramente

5. Frutas e Hortalicas (Folhosos e Legumes)

() sempre () eventualmente () raramente

6. Frituras (Batata Frita, Empanados, Salgados fritos)

() sempre () eventualmente () raramente

7. Doces (Sorvetes, Chocolates, Compotas, Tortas, Balas)

() sempre () eventualmente () raramente

8. Refrigerantes, Sucos Artificiais

() sempre () eventualmente () raramente

9. Agua

() menos de 1L () mais de 2L () toma muito pouco

10. Adocante

() sempre () eventualmente () raramente

11. Acucar

() sempre () eventualmente () raramente

12. Cereais integrais (Granola, Aveia, Linhaca, Paes e biscoitos
integrais)

() sempre () eventualmente () raramente

13. Bebida alcoolica (Cerveja, Vinho, Destilados)

() sempre () eventualmente () raramente

Nome:--

RECORDATORIO ALIMENTAR

DESJEJUM   ALIMENTO   QUANTIDADE
DIA:
HORARIO:

COLACAO    ALIMENTO   QUANTIDADE
DIA:
HORARIO:

ALMOCO     ALIMENTO   QUANTIDADE
DIA:
HORARIO

LANCHE     ALIMENTO   QUANTIDADE
DIA:
HORARIO

JANTAR     ALIMENTO   QUANTIDADE
DIA:
HORARIO

CEIA       ALIMENTO   QUANTIDADE
DIA:
HORARIO


REFERENCIAS

(1) Andrade, M.C.; Mendes, C.M.C.; Araujo, L.M.B.. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e metabologia. Sao Paulo. Vol. 48. no.2. Abril 2004

(2) American College of Sports Medicine. Guidelines For Exercise Testing And Prescription. Disponivel em Http://www.acsm.org, < acessado em 10/02/2008>

(3) Derner, R.B. Efeito de fontes de carbono crescimento e na composicao quimica das microalgas, com enfase no teor dos acidos graxos poliinsaturados. Universidade Federal de Santa Catarina. Tese de doutorado. 2006.

(4) Francischi, R.P.; Pereira, L.O.; Freitas, C.S.; Klopfer, M.; Santos, R.C.; Vieira, P.; Lancha Jr., A.H. Obesidade: atualizacao sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Revista de Nutricao. Campinas. vol.13. no.1. Jan./Abr. 2000. p. 17-28.

(5) Grima, E.M.; Belarbi, E.H.; Fernandez, F.G.; Medina, A.R.; Christi, Y. Recovery of microalgal biomass and metabolites: process options and economics. Biotecnology Advances. Vol.20, no. 7-8, Jan 2003. p.491-515.

(6) Hauser, C.; Benetti, M.; Rebelo, F.P.V. Estrategias para o emagrecimento. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Santa Catarina. Vol. 6. Num. 1. 2004. p. 72-81.

(7) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Pesquisa de Orcamentos Familiares. POF 2003-2004. Analise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. Brasilia. Ministerio do Planejamento, Orcamento e Gestao. Disponivel em http://www.ibge.gov.br/, <acessado em 09/02/2008>

(8) Jakicic, J.M.; Clark, K.; Coleman, E.; Donnelly, J.; Foreyt, J.; Melanson, E.; Volek, J.; Volpe, S.L. Appropriate Intervention: Strategies for Weight Loss and Prevention of Weight Regain for Adults. Official Journal of the American College of Sports Medicine p. 2145 a 2156.

(9) Mahan, L.; Escott-Stump, K.; Krause, S.. Alimentos, nutricao e dietoterapia. 10a ed. Sao Paulo. Roca 2002 Cap. 23, p. 471-472

(10) Malina, R.M.; Bouchard, C. Growth, Maturation and Physical Activity. 2nd edition. Human Kinetics Books. Champaign, Illinois, 1991.

(11) Mcardle, W.D.; Katch, F.I.; Katch, V.L.; Fisiologia do Exercicio, Nutricao, e Desempenho Humano. 5a edicao. Rio de Janeiro.Ed. Guanabara Koogan. 2003.Cap.28, p.782.

(12) Merchant, R.E.; Andre, C.A. A Review of recent clinical trials of the nutritional supplement chlorella pyrenoidosa in the treatment of fibromyalgia, hypertension, and ulcerative colitis. Alternative Therapies. Vol. 7. no. 3. may-june 2001. p.79-90.

(13) Monteiro, R.C.A.; Riether, P.T.A.; Burini, R.C. Efeito de um programa misto de intervencao nutricional e exercicio fisico sobre a composicao corporal e os habitos alimentares de mulheres obesas em climaterio. Revista de Nutricao. Campinas. Vol.14. Num. 4. 2004. p.479-489.

(14) Pereira, L.O.; Francischi, R.P.; Lancha Junior., A.H. Obesity: dietary Intake, sedentarism and insulin resistance. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. Sao Paulo. vol.47, num.2. Apr. 2003. p.111 127.

(15) Pinheiro, A.R.O.; Freitas, S.F.T.; Corso, A. C.T. Uma abordagem epidemiologica da obesidade. Revista de Nutricao. Campinas. vol. 17, num. 4, out./dez. 2004. p.523-533.

(16) Pollock, M.; Wilmore J. H. Exercicios na saude e na doenca: avaliacao e prescricao para prevencao e reabilitacao. 2. ed. Rio de Janeiro: MEDSI. 1993.

(17) Puglia, L.; C. VIGITEL (2007)--Vigilancia de Fatores de Risco e Protecao para Doencas Cronicas por Inquerito Telefonico. Disponivel no site: http://www.nutrociencia.com.br. <Acesso em Maio 2008>.

(18) Reis, F.G. Brasil tem mais de 40% dos adultos acima do peso. Disponivel no site http://www.abeso.org.br. <Acesso em junho 2008>.

(19) Rodrigues, J.B; Belli Filho, P.. Eficiencia da microalga Chlorella minutissima no tratamento de residuos de suinocultura enriquecidos com ureia. Disponivel no site: http://www.biotemas.ufsc.br/pdf/volume172. <Acesso um maio 2008>.

(20) Rosado, E.L; Monteiro, J.B.R. Obesidade e a substituicao de macronutrientes da dieta. Revista Nutricao. Campinas. Vol.14. no.2. Maio/agosto 2001 p. 145-152.

(21) Salve, M.G.C. Obesidade e Peso Corporal: riscos e consequencias. Movimento & Percepcao. Espirito Santo de Pinhal. vol.6. no. 8. jan./jun. 2006. p.29-48.

(22) Vasques, F.; Martins, F.C.; Azevedo, A P. Psychiatric aspects in the treatment of obesity. Revista de Psiquiatria Clinica. Sao Paulo. Vol. 31, num. 4. 2004. p.195-198.

(23) Vivianil, M.T.; Garcia Junior, J.R.. Interacoes entre os sistemas nervoso e endocrino e tecido adiposo e muscular na regulacao do peso corporal durante dietas alimentares. Revista Brasileira de Nutricao Clinica. Vol. 21 no. 1. 2006. p. 72-77.

Recebido para publicacao em 27/09/2008 Aceito em 29/10/2008

Carolina Teixeira [1,2], Elizabeth Silva [1,3], Melissa Cruz [1,4], Antonio Coppi Navarro [1]

[1] Programa de pos graduacao Lato Sensu em Obesidade e Emagrecimento da Universidade Gama Filho--UGF

[2] Bacharel e Licenciada em Educacao Fisica pela Universidade Federal de Minas Gerais UFMG

[3] Bacharel em Nutricao pela Universidade Belo Horizonte--Uni-BH

[4] Bacharel em Nutricao pelo Centro Universitario Newton Paiva--BH

Endereco para correspondencia:

colmelo@yahoo.com.br bethnutricao@yahoo.com.br melissahcruz@gmail.com
Tabela 01 : Caracteristicas da amostras e avaliacao inicial

Amostras       Genero      Idade anos     Altura/m

1                F             61           1,57
2                F             63           1,55
3                F             30           1,68
4                F             26           1,58
5                F             22           1,45
6                F             31           1,63
7                F             22           1,65
8                F             53           1,55
9                M             29           1,66
10               F             45           1,60
11               F             29           1,80
12               F             31           1,65
Media            --          39,33          15,23
DP               --          14.54          15,43

Amostras       Peso       IMC inicial/   Classifica.
             Inicial/Kg   Kg/[m.sup.2]     inicial

1                70          28,45        Sobrepeso
2                65          27,08        Sobrepeso
3                65          23,04        Eutrofico
4                63           25,3        Sobrepeso
5                76          36,16        Obesidade
6                75           28,3        Sobrepeso
7                70          25,73        Sobrepeso
8                68          28,33        Sobrepeso
9                79          28,72        Sobrepeso
10              63,5          24,6        Eutrofico
11               89          27,46        Sobrepeso
12               68            25         Sobrepeso
Media          70,95         27,34            --
DP              7,63          3,32            --

Tabela 02: Distribuicao dos nutrientes durante o dia.

NUTRIENTES            %

Glicidios           55-60
Proteinas           15-20
Gorduras            20-25

Tabela 03: Resultados pre e pos tratamento

Amostras   Peso Inicial   IMC inicial    Classificacao
                Kg        Kg/[m.sup.2]      inicial

1               70           28,45         Sobrepeso
2               65           27,08         Sobrepeso
3               65           23,04         Eutrofico
4               63            25,3         Sobrepeso
5               76           36,16         Obesidade
6               75            28,3         Sobrepeso
7               70           25,73         Sobrepeso
8               68           28,33         Sobrepeso
9               79           28,72         Sobrepeso
10             63,5           24,6         Eutrofico
11              89           27,46         Sobrepeso
12              68             25          Sobrepeso
Media         70,95          27,34             --
DP             7,63           3,32             --

Amostras    Peso Final    IMC inicial    Classificacao
                Kg        Kg/[m.sup.2]       final

1               70           28,45         Sobrepeso
2               65           27,08         Sobrepeso
3               65           23,04         Eutrofico
4               63            25,3         Sobrepeso
5               76           36,16         Obesidade
6               75            28,3         Sobrepeso
7               70           25,73         Sobrepeso
8               68           28,33         Sobrepeso
9              75,9           27,6         Sobrepeso
10             60,5          23,63         Eutrofico
11              89           27,46         Sobrepeso
12              64            23,5         Eutrofico
Media         70,11          26,71             --
DP             7,89           3,49             --

Tabela 04: Classificacao final da amostra

AMOSTRA       EUTROFICO   SOBREPESO    OBESO

12 PESSOAS
INICIO           25%        66,66%     8,33%
TERMINO         33,33%      58,33%     8,33%
COPYRIGHT 2008 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2008 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Teixeira, Carolina; Silva, Elizabeth; Cruz, Melissa; Navarro, Antonio Coppi
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Date:Sep 1, 2008
Words:4581
Previous Article:Relation of the syndrome of Down with the obesity/Relacao da sindrome de Down com a obesidade.
Next Article:Predominance of overweight and obesity through the body mass index of the night officials from an public hospital in Salvador-Ba/Prevalencia de...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters