Printer Friendly

The context of stress in occupational health workers: bibliometric study/O contexto do estresse ocupacional dos trabalhadores da saude: estudo bibliometrico.

INTRODUCAO

O estresse e uma tematica sempre atual oriunda da diversidade de contexto social e vulnerabilidades a que os trabalhadores estao sujeitos no processo laboral (Barcaui & Limongi-Franca, 2014). A questao dc estresse e um fenomeno mundial com elevado impacto nas organizacoes, principalmente nos sistemas de saude, pois compromete tanto os trabalhadores como a qualidade da assistencia, colocando em risco os pacientes, com os erros medicos (Romani & Ashkar 2014).

O estresse ocupacional pode ser definido como um processo pelo qual vivencias e demandas psicologicas no local de trabalho produzem alteracoes a curto e longo prazo na saude fisica e mental do trabalhador (Ganster & Rosen, 2013). O trabalhado passa a sentir-se ameacado e pressionado por meio de eventos ambientais como: maior inseguranca no emprego, dificuldade nas relacoes interpessoais assedio moral, problemas emocionais, moral baixo diminuicao da motivacao e da lealdade. Todos esses fatores sao considerados estressores no ambiente de trabalho (Cooper, 2007).

Os trabalhadores, quando estressados, tendem a diminuir seu desempenho e aumentar os custos das organizacoes, em decorrencia dos possiveis problemas de saude, suscitando maior rotatividade e absenteismo, alem do proprio ceticismo, caracteristico do burnout. Sendo assim, o estresse ocupacional compromete, portanto, a saude do trabalhador, da organizacao e da sociedade (Paiva, Gomes, & Helal, 2015).

Outra questao e que os profissionais de saude apresentam elevadas taxas de estresse quando comparados com os profissionais de outros setores. Isso ocasiona elevado custo para o Servico Nacional de Saude (NHS), devido a reducao da produtividade. absenteismo, problemas de recrutamento, retencao e rotatividade do pessoal. Esses custos diretos anuais sao decorrentes de ausencia e giram em torno de 1,7[pounds sterling] bilhao. Em 2005, o Bristish Occupational Health Research Foundation (BOHRF) publicou que os problemas de saude mental na Gra-Bretanha chegaram a [pounds sterling] 12 bilhoes (Gibb, Cameron, Hamilton, Murphy, & Naji, 2010).

Diante disso, buscou-se mapear a producao cientifica atraves da bibliometria nos periodicos da administracao, preferencialmente, e, a posteriori, nos demais periodicos nacionais e internacionais sobre o tema gestao do estresse nos trabalhadores da saude, bem como descrever as causas, consequencias e medidas de prevencao que estao sendo adotadas.

O intuito da revisao bibliografica foi apresentar conhecimentos sobre a gestao do estresse com dados mais recentes para a comunidade cientifica e para os gestores, visto que os artigos atualizados tratam sobre o tema estresse ou sobre burnout de forma segmentada por categoria profissional, por esfera de atencao a saude ou por area especifica no contexto do trabalho.

Segundo Zanini, Pinto & Filippim (2012, p.137), "a utilizacao de analise bibliometrica esta se tornando cada vez mais necessaria como indicadora da producao cientifica de determinada area e se converte em estrategia valiosa para a geracao, sistematizacao e difusao do conhecimento".

Este artigo investigou a producao cientifica sobre a gestao do estresse nos trabalhadores da saude nos principais periodicos da area de administracao e de saude, exceto 2, no Google academico, no periodo de 2010 a 2014. Atentou-se, ainda, em descrever a relacao de causa/efeito, medidas de prevencao e as implicacoes gerenciais sobre o gerenciamento do estresse na saude.

PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS

O estudo caracteriza-se como descritivo, concomitantemente, como uma pesquisa documental, utilizando-se da tecnica de analise bibliometrica, que se fundamenta em quantificar e analisar a producao cientifica sobre a tematica (Souza & Ribeiro, 2013).

A pesquisa como estrategia metodologica sera realizada utilizando tecnicas quantitativas. Segundo Goncalves & Meirelles (2004), as pesquisas quantitativas sao aquelas cujos dados sao representados por metricas quantitativas, tendo por elemento de apoio central a linguagem matematica como sua forma de expressao e tratamento.

Para os fins, a pesquisa e descritiva, pois busca descrever as caracteristicas, propriedades ou fatos de determinada populacao ou fenomenos; estabelecer relacoes entre variaveis ou analisar os fatos (Gil, 1999, p.43).

O uso dos dois metodos e corroborado por Minayo (1998, p.105-156) ao propor que "qualquer pesquisa social que pretenda um aprofundamento maior da realidade nao pode ficar restrita ao referencial apenas quantitativo". Dessa forma, busca-se suprir as deficiencias oriundas daqueles trabalhos cuja metodologia apresenta natureza unica.

Procedimentos de pesquisa sobre a gestao do estresse na saude

Foi realizada uma revisao bibliografica sobre o tema gestao do estresse nos trabalhadores da saude e/ou estresse, a partir do titulo e das palavras-chave, no periodo de 2010 a 2014, cujo objetivo foi levantar, nas literaturas mais recentes, se o tema continua a ser investigado, como e onde esta sendo investigado. Aplicou-se a estrategia de busca com palavras-chave e nao com os operadores booleanos, nas revistas da Associacao Nacional de Pos-Graduacao e Pesquisa em Administracao (ANPAD): Brazilian Administration Review (BAR) e Revista de Administracao Contemporanea (RAC). A producao dessas revistas foi avaliada a priori devido ao impacto financeiro que o estresse causa no desempenho individual e organizacional e a classificacao qualisA. A Revista de Administracao Contemporanea Eletronica (RACe) foi excluida por apresentar periodicos publicados somente de 2007 a 2009, fora do periodo do estudo, e a Revista de Tecnologia de Administracao e Contabilidade (TAC) nao publicou nenhum artigo sobre o tema. A busca foi complementada na Revista de Administracao de Empresas (RAE), em funcao da classificacao qualis A2. Entretanto, nos 71 artigos publicados nessa revista no periodo do estudo, nao foi encontrado o tema em estudo, foi excluido Forum, e no periodo do estudo nem todas as publicacoes foram quadrienais, com numero variavel de artigos publicados.

Foram investigados 340 artigos, sendo 63,2% (215) na RAC e 36,8% (125) na BAR (Figura 1). Foi encontrado somente 1 artigo na RAC, publicado em 2014, contendo estresse no titulo, e 2 artigos com estresse constando nas palavras-chave, sendo 1 de 2013 e outro de 2011.

Diante da baixa publicacao sobre o tema nas Revistas ANPAD, foram realizadas pesquisas nas bases de dados Pubmed/Medline, Ebsco, Biblioteca Virtual de Saude (BVS), Capes (2014), Spell na area saude e administracao. A base de dados Pubmed/Medline foi utilizada em 90% dos casos por ter reconhecimento mundial de publicacao na area da saude e ciencias da vida, com informacoes nao questionaveis (Rizzo, 2012). As outras bases de dados sao amplamente utilizadas na academia, por publicar temas sobre saude e administracao, alem do reconhecimento mundial. A escolha dos artigos atendeu a criterio Capes 2014 com relacao a qualidade da publicacao.

Foi aplicado um corte transversal para busca de artigos sobre gestao do estresse na saude, compreendendo o periodo de 2010 a 2014. A coleta documental e qualitativa corresponde ao periodo de 10 de janeiro a 31 de marco de 2015.

Foram levantadas as publicacoes cientificas utilizando os descritores para busca: gestao de estresse na saude, estresse na saude, stress management on health, stress on health, estres, manejo del estres en la salud. Os criterios de inclusao de artigos foram: ter sido encontrado pelos descritores; publicado no periodo delimitado de janeiro de 2010 a dezembro de 2014; estar publicado nos idiomas portugues, ingles, espanhol com disponibilidade de texto completo em PDF e constar no titulo ou palavras-chave: estresse ou stress.

Foi utilizado o software Microsoft Excel (MS Excel-2007) para o calculo das frequencias e tabulacao dos dados.

Fundamentacao da analise bibliometrica

A bibliometria possui tres leis basicas: Lei de Bradford (produtividade de periodicos), Lei de Lotka (produtividade de autores) e Lei de Zipf (frequencia de ocorrencia de palavras) (Souza & Ribeiro, 2013).

O surgimento da bibliometria deu-se no inicio do seculo XX, objetivando estudar e avaliar as atividades de producao e comunicacao cientifica. Entende-se por bibliometria a "tecnica quantitativa e estatistica de medicao dos indices de producao e disseminacao do conhecimento cientifico" (Araujo, 2006, p.12).

A lei de Bradford emprega a mensuracao de produtividade para delimitar o nucleo e as areas de dispersao de determinado assunto em um mesmo conjunto de publicacoes. Assim, ao organizar um conjunto de periodicos em ordem decrescente de produtividade referentes a determinado assunto, estes serao identificados em 3 zonas que comportam cada uma 1/3 dos artigos relevantes, por isso, 1/3 dos artigos sao o "core" do assunto e os demais sao extensoes (Araujo, 2006, p.12).

A lei de Lotka busca aferir a produtividade dos autores a partir de um modelo de distribuicao de tamanho-frequencia em um conjunto de documentos. Segundo essa lei, um numero pequeno de autores e responsavel por grande parte da producao cientifica e, dessa forma, os autores oferecem discretas contribuicoes a teoria. A lei representada pela equacao 1 apresenta a formula utilizada para calcular o referido indice (Mendonca Neto et al., 2009).

Equacao 1:

[a.sub.n] = [a.sub.1] x 1/[n.sup.c]

Onde:

an corresponde ao numero de autores com n artigos;

a1 corresponde ao numero de autores que publicaram apenas um artigo; e

n corresponde ao numero de artigos

c corresponde ao coeficiente de Lotka ([approximately equal to]2)

A lei de Lotka nao se ajusta adequadamente aos dados de produtividade em todos os estudos e para verificar a qualidade do ajuste dos dados de produtividade aplica-se o teste de KolmogorovSmirnov (Pao, 1985 apud Maia, Ziviani, Maia, & Ferreira, 2014).

Segundo Araujo (2006, p.17), o principio da lei de Zipf parte do menor esforco, devido a uma economia do uso de palavras, e, se a tendencia e usar o minimo, significa que elas nao vao se dispersar, pelo contrario, a mesma palavra vai ser usada muitas vezes; as palavras mais usadas indicam o assunto do documento. A lei e representada pela equacao 2, onde o r refere-se a posicao da palavra, o f a frequencia e o k e uma constante (aproximadamente 26.500).

Equacao 2:r.f - k

No estudo foi aplicada a tecnica da bibliometria, conforme a Lei de Bradford e lei de Lotka.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Os 30 artigos analisados em 28 periodicos na pesquisa estao destacados na Tabela 1, distribuidos por ano e revista e apresentam 132 autores no total. Verifica-se um crescimento do numero de artigos a partir de 2010, destacando-se um aumento de publicacoes em 2011, 2012. Esse periodo de 2 anos foi responsavel por 50% (15 artigos) da producao analisada, o que demonstra uma intensa producao sobre o tema estresse na saude. As principais revistas que mais publicaram foram da enfermagem: Journal of Nursing Management (Fator de impacto 1.142) e Journal of Clinical Nursing (Fator de impacto 1.233), sugerindo que sao revistas conceituadas da area.

Dos 28 periodicos pesquisados, contendo os 30 artigos selecionados, 2 revistas tiveram o mesmo numero de publicacao, em numero de 2. Ja as outras 26 revistas apresentaram somente uma publicacao no periodo do estudo. Devido a baixa producao, nao foi possivel criar as 3 zonas, conforme a serie geometrica pela lei Bradford e a lei de Lokta.

A Tabela 2 exibe o numero de autores por artigo, bem como a media de autores por artigo ao longo do tempo.

Ha predominancia de 4 ou mais autores por artigo publicado e, dos 30 artigos, apenas 2 (6,6%) foram produzidos por autoria unica. A media de autores por artigo foi de 0,98 (SD=0,28), mas se pode observar que a media do numero de autores aumentou de 2011 a 2014 e passou a ser de 1,11 (SD=0,11) por artigo. Em 2011, houve maior producao cientifica, seguido de 2012.

A Tabela 3 apresenta a relacao de publicacoes por pais e a relacao dos autores selecionados para este estudo, conforme a base de dados utilizada. O Brasil produziu 30% (9) dos artigos, seguido da Australia 10% (3) e Italia 10% (3). Isso demonstra que a producao cientifica no Brasil sobre esse tema esta crescendo substancialmente em comparacao com outros paises nesse estudo.

Em relacao a classificacao dos estudos em empiricos ou teoricos houve a predominancia dos primeiros, justificando-se por se tratar de pesquisas sobre investigacao de estresse, que se baseiam em questionarios padronizados, portanto de carater empirico. Essa predominancia foi maior em 2011 e 2012, mantendo a media de 5 artigos empiricos, com tendencia linear de queda de producao e aumento de artigos teoricos.

As abordagens usualmente aplicadas pelos pesquisadores nas pesquisas apresentadas nos artigos empiricos (25 no total) foram: qualitativa (8%), quantitativa (80%) e qualitativa-quantitativa (12%). Nota-se que o predominio dos estudos foi de abordagem quantitativa, devido a necessidade da aplicacao das metricas para identificar e quantificar o estresse. Ressalta-se um aumento no numero de pesquisas que utilizam abordagem quali-quanti. Uma explicacao para isso, segundo Minayo (1998, p.105156), e o fato de que uma preenche a deficiencia da outra, favorecendo um melhor conhecimento da realidade.

Quanto aos metodos utilizados nas pesquisas analisadas, predominaram as pesquisas empiricas cujo metodo foi entrevista (17,24%), pesquisa de campo (3,45%) e questionarios (79,31%). Constata-se que a media de numero de metodos por estudo foi de 9,66, devido a elevada concentracao de questionario.

A pesquisa documental e base dos artigos teoricos, embora seja muito utilizada, tambem, nos artigos empiricos tanto com abordagem qualitativa quanto quantitativa, entretanto nao foi informada nos metodos.

Em relacao aos metodos predominantes, foram detectados entrevistas e questionarios. O primeiro normalmente e utilizado com o carater qualitativo, por meio da tecnica de grupo focal, observacao nao participante e observacao participante; e o segundo atraves do survey, caracterizando a pesquisa como iminentemente quantitativa (Avelar, Vieira, & Santos, 2011).

Os profissionais mais relacionados nos estudos empiricos em ordem decrescente foram: 44% (11) profissionais de enfermagem e parteiras, 16% (4) medicos, 16% (4) trabalhadores de hospitais, psicologos, fisioterapeutas, trabalhadores humanitarios, trabalhadores de cuidados paliativos, residentes multiprofissionais, trabalhadores da estrategia da familia. Excetuando os profissionais medicos e profissionais de enfermagem e parteiras, os demais profissionais apareceram somente em 1 artigo por categoria.

As teorias mais utilizadas para explicar o estresse ocupacional sao: a Teoria do controledemandas do trabalho, Teoria Demanda-Controle e Teoria da Carga Alostatica. A Teoria do controledemandas do trabalho de Karasek (1979) e muito utilizada nas pesquisas sobre o estresse ocupacional, relacionando o estresse como decorrente das exigencias das tarefas no trabalho como: conflito funcao, carga de trabalho e pressao de tempo. O controle refere-se a autoridade do trabalhador na tomada de decisoes e as diversas habilidades utilizadas. A Teoria DemandaControle infere a acao do trabalho no bem-estar fisico e mental, sendo uma funcao desses dois fatores, muito aplicada nas pesquisas empiricas sobre gerenciamento e psicologia. A Teoria da Carga Alostatica refere-se ao trabalho de Selye (1955) (Ganster & Rosen, 2013).

O termo estresse foi usado em 1926 e definido em 1936 como uma Sindrome Geral de Adaptacao que considera as reacoes do corpo diante dos agentes externos, por Hans Selfe (1998), na visao conceptiva biologica. O estresse apresenta tres abordagens: a biologica (fisiologia do estresse), a psicologica (busca compreender como a percepcao e o comportamento do individuo sao manifestados no processo de formacao do estresse) e a sociologica (compreensao dos diversos fatores sociais que favorecem o desenvolvimento psiquico dos individuos no contexto cultural) (Kilimnik, Bicalho, Oliveira, & Mucci, 2012).

O merito cientifico desencadeou interesse economico pela industria farmaceutica com a producao de diversos medicamentos para combater o estresse, bem como nas companhias de seguro norte-americanas, devido a associacao dessa doenca a um elevado indice de absenteismo e de licencas medicas nas organizacoes (Filgueira & Hippert, 1999).

No Quadro 1 apresentam-se alguns conceitos de estresse adaptados por Sant'Anna e Kilimnik (2011).

O estresse apresenta duas tipologias, segundo Selye (1974) apud Pereira e Zille (2010): distresse e eustresse, pois depende da forma de manifestacao. O Distresse e tambem chamado o estresse da derrota, por representar o lado negativo; e o eustresse e considerado o estresse positivo, por estimular o individuo a superacao e ao prazer.

Cooper, Sloan & Williams (1988) reforcam que os agentes estressores estao presentes em qualquer ambiente de labor, no entanto, o aparecimento do estresse depende dos tipos de agentes e a intensidade com que se manifestam, e esta relacionado ao contexto organizacional e a personalidade de cada individuo. Essa abordagem sobre o estresse tambem considera que, embora os individuos estejam sujeitos aos agentes estressores, e possivel combater esses agentes por meio do autoconhecimento e da consequente mudanca de comportamento e estilo de vida.

Esses autores criaram um modelo teorico de referencia para o estudo do estresse ocupacional, denominado Modelo dinamico do estresse ocupacional. Foi considerado que todas as ocupacoes profissionais possuem agentes estressores, que podem ser classificados de acordo com as seguintes categorias: fatores intrinsecos ao trabalho - aspectos que caracterizam a natureza e o conteudo da tarefa; papel gerencial - supervisao e controle do trabalho; interrelacionamento - nivel de apoio e disponibilidade das pessoas para conviverem entre si, dentro e fora do trabalho; desenvolvimentos na carreira/realizacao oportunidades que a organizacao oferece visando compensar, promover e valorizar o desempenho profissional; clima e estrutura organizacional - politicas e valores disseminados pela organizacao, a fim de propiciar um ambiente de trabalho saudavel; e interface casa/trabalho - aspectos particulares da conciliacao entre vida profissional e familiar do individuo (Cooper, Sloan & Williams, 1988) (Figura 2).

A Figura 2 apresenta o modelo dinamico do estresse ocupacional, que facilita a identificacao dos fatores de pressao e das estrategias de combate ao estresse adotado pelos individuos. Reflete ainda que os fatores estressores estao no ambiente laboral e que os trabalhadores estao sujeitos aos sintomas do estresse sejam estes individuais, provocando doencas que comprometem o desempenho individual e, consequentemente, se refletem no desempenho organizacional com qualidade deficiente, aumento do absenteismo e turnover acentuado.

Cooper, Cooper e Eaker (1988), diante do modelo da Figura 2, criaram um questionario Occupation Stress Indicator (OSI) que foi validado no Brasil por Moraes, Kilimnik & Ladeira (1994) para pesquisa sobre estresse ocupacional, muito amplo e formado por seis escalas basicas, subescalas e itens de resposta. Em 1994, Moraes & Kilimnik separaram as seis grandes escalas em tres grupos de variaveis: fontes de pressao no trabalho; diferencas individuais; e manifestacoes do estresse, criando, dessa forma, uma versao reduzida do questionario, conforme Quadro 2.

No Quadro 2, os autores detalharam as fontes de estresse e os sintomas do estresse pessoal em relacao as diferencas individuais de personalidade e suas manifestacoes, conforme Figura 2. Ressalta-se que o comportamento tipo A refere-se a um tipo de personalidade identificado como: pessoas impacientes, apressadas, competitivas, ansiosas, perfeccionistas, que levam a vida em ritmo acelerado e se sentem culpadas quando descansam ou relaxam, sendo mais susceptiveis ao estresse. Ja o tipo B pode ser identificado como pessoas que nao sentem necessidade de impressionar terceiros, que sao capazes de trabalhar sem agitacao, relaxam sem sentimento de culpa e nao padecem de impaciencia ou do senso de urgencia, portanto, menos propensas ao estresse (Friedman & Rosenman, 1974).

Segundo Murta & Troccoli (2004, p.39), "as doencas ocupacionais tem tido alta incidencia e levado a diminuicao de produtividade, ao aumento de indenizacoes e demandas judiciais contra os empregadores". Os transtornos mentais e de comportamento sao decorrentes das dificuldades de enfrentamento ou elaboracao dos problemas vivenciados pelo ser humano (Olivier, Perez, & Behr, 2011).

De acordo com Laplanche & Pontalis (2004), a expressao enfrentamento e utilizada para designar o esforco que a pessoa faz para vencer as dificuldades que percebe em relacao ao meio no qual se insere. Quando o resultado do esforco despendido e em vao, de modo geral, ha uma acumulacao de excitacoes mentais que podem ter como consequencia o aparecimento de sintomas de transtornos mentais.

Outro artificio para enfrentamento do estresse que o trabalhador desenvolve para conseguir executar suas atividades e encarar o estresse, segundo Antoniazzi, Dell'Aglio & Bandeira (2000), e o coping, que pode ser descrito como um conjunto das estrategias utilizadas pelas pessoas para adaptarem-se a circunstancias adversas ou estressantes. O coping pode estar focalizado no problema ou na emocao. O coping pode ser explicado pela Teoria Cognitiva Social ou da Dissonancia Cognitiva ou Reforco (Festinger, 1954). Parte da premissa de que o individuo, mediante sua autoavaliacao, configura seu autoconceito tendo como referencia sua autoapreciacao e se compara com os outros. Ramos, Enumo & Paula (2015) sugerem a Teoria Motivational do coping como a regulacao. As acoes regulatorias seguem padroes estabelecidos de comportamento, emocao, atencao e motivacao. Esses autores classificam as estrategias de enfrentamento em 12 categorias. Compoem o grupo das categorias positivas: autoconfianca, busca de suporte, resolucao de problemas, busca de informacoes, acomodacao e negociacao. Ja o grupo das negativas e composto por: delegacao, isolamento, desamparo, fuga, submissao e oposicao. Isso facilita identificar o enfrentamento relacionado a idade.

O estresse ocupacional provoca prejuizos nas organizacoes devido a grandes perdas humanas (absenteismo, rotatividade) e economicas. Portanto, os gestores necessitam buscar estrategias de intervencao, seja com o foco na organizacao ou no trabalhador. As intervencoes na organizacao devem enfatizar a modificacao dos estressores do ambiente de labor, podendo envolver mudancas na estrutura, nas condicoes de trabalho, treinamentos e maior participacao e autonomia; enquanto aquelas com o foco no individuo podem se direcionar a reduzir o impacto de riscos existentes, atraves do desenvolvimento de estrategias de enfrentamento individuais (Kilimnik et al., 2012).

Portanto, o estresse e muito estudado nas organizacoes por causa do impacto economico, e ainda nao ha uma legislacao que estabeleca aplicacao anual de alguma medida para que os trabalhadores nos exames periodicos possam ser avaliados pela equipe treinada, evitando o adoecimento do trabalhador (Potocka, 2012).

Os contextos da saude publica e privada representam um grande desafio mundial devido aos escassos recursos frente a uma demanda crescente, influenciada por diversos fatores, tais como: o aumento da expectativa de vida, o aparecimento de doencas cronicas degenerativas, o aumento da violencia, dentre outras. As divergencias entre os paises e regioes em relacao a saude e condicoes de vida podem ser avaliadas pelo acesso ao sistema de saude, qualidade do atendimento ou efetividade das acoes nos sistemas de saude, atraves da cooperacao internacional (Santana, 2011).

Os trabalhadores da saude sao aqueles que exercem atividades em uma das esferas do sistema de saude, seja na atencao primaria, secundaria e terciaria, no ambito publico, filantropico ou privado, estando sujeitos as adversidades do labor. O trabalho dos profissionais de saude e sempre fisica e emocionalmente exigente. Muitas vezes requer tomada de decisao sobre a vida e a morte em um espaco muito curto de tempo e com recursos limitados. Os profissionais sao confrontados com desafios diarios que os abalam emocionalmente (Boldor, Bar-Dayan, Rosenbloom, & Shemer, 2012). Alem disso, o desempenho dos profissionais de saude afeta diretamente o desempenho geral dos sistemas de saude (Ndiaye, Seye, Diedhiou, Deme, & Tal-Dia, 2007). Por outro lado, a escassez de profissionais ja atingiu niveis criticos em muitos locais com poucos recursos. Estrategias que visam a melhoria do desempenho dos profissionais sao essenciais para enfrentar a falta de mao de obra existente (Dieleman & Harnmeijer, 2006). A saude desses profissionais pode vir a influenciar em sua qualidade de vida e, consequentemente, na qualidade do servico prestado ao usuario dos servicos de saude (Santana, Miranda & Karino, 2013).

Nesse cenario justifica-se descrever a relacao de causa/efeito, medidas de prevencao e as implicacoes gerenciais sobre o gerenciamento do estresse na saude e como a administracao, por meio da producao academica, tem priorizado o tema devido aos elevados custos para os servicos de saude mundial.

Ressalta-se que a Vigilancia de Atencao do Trabalhador e um condutor na organizacao, tendo a premissa de: conhecer a realidade dos trabalhadores e intervir nos fatores determinantes de agravos a saude, avaliando o impacto das medidas adotadas; subsidiar a tomada de decisoes dos orgaos competentes do governo federal, estadual e municipal e estabelecer sistemas de informacao em saude (Lacaz, 2013).

IMPLICACOES DO ESTRESSE NA SAUDE

A relacao de causa/efeito do estresse na saude dos trabalhadores nos sistemas de saude, seja publico, filantropico ou privado, em nivel de Brasil ou internacionalmente, tem ocasionado prejuizos bilaterais. Descrevemos a seguir as causas e efeitos do estresse conforme os autores dos estudos selecionados, bem como as medidas de prevencao (Quadro 3).

As principais causas de estresse nos trabalhadores da saude, encontradas nos estudos, foram sobrecarga de trabalho, falta de recursos humanos, condicoes laborais nao adequadas, falta de apoio, relacionamento interpessoal, conflito trabalho-familia, falta de supervisao, natureza do trabalho, trabalho em turno, violencia, desrespeito, responsabilidade excessiva. As questoes levantadas sao decorrentes de falta de politicas de recursos humanos, politicas preventivas e protetivas, de qualidade e implementacao de justica organizacional nas organizacoes e apoio social (Andrade et al, 2011, Albini et al., 2011, Magnavita & Heponiemi, 2012).

Os principais efeitos dos fatores relacionados ao trabalho foram: estresse, burnout, queixas psicossomaticas, comprometimento no trabalho podendo levar a erros medicos e intencao de mudanca e absenteismo (Gibb et al., 2010, Farias et al., 2011, Albini et al., 2011, Gregov et al., 2011, Romani & Ashkar, 2014).

Segundo Dalmolin, Lunardi, Lunardi, Barlem, & Silveira (2014), o burnout e caracterizado pela exaustao emocional, despersonalizacao e reducao da realizacao profissional, seguranca no trabalho, obesidade e comportamentos de dependencia (fumo e alcool). A prevalencia de burnout e um risco elevado para o desenvolvimento de atividades na saude devido a baixa satisfacao profissional, elevado risco de erros medicos, uso de medicamentos e substancias psicoativas (Gibb et al., 2010, Albini et al., 2011, Dorrian et al., 2011, Gregov et al., 2011, Romani & Ashkar, 2014, Magalhaes, Oliveira, Goveia, Ladeira, Queiroz, & Vieira, 2015).

As medidas de prevencao que podem ser implementadas como forma de amenizar e prevenir o adoecimento do trabalhador, reduzir o absenteismo e a intencao de mudanca seriam uma politica efetiva de recursos humanos de carater preventivo e protetivo, justica penal e organizacional, mudancas organizacionais e politicas de valorizacao dos trabalhadores, os trabalhadores continuarem usando estrategias de coping e outras de enfrentamento para manutencao no mercado de trabalho (Ulhoa et al., 2011, Almeida, 2012).

As implicacoes gerenciais partem do pressuposto da necessidade de reconhecimento de que o ambiente de trabalho pode comprometer a saude do trabalhador, da organizacao em termos de qualidade, seguranca e financeira. A partir dai, e necessario implantar politicas de valorizacao do trabalhador, criar condicoes de trabalho salubres, reduzir horas de trabalho em turno, proporcionar a reposicao do quadro funcional, fornecer apoio social, promover integracao entre os trabalhadores, justica organizacional e penal, respeito e educacao.

6 CONSIDERACOES FINAIS

O artigo analisou a producao cientifica sobre a gestao do estresse nos trabalhadores da saude nos principais periodicos da area de administracao e saude, sendo somente 2 artigos do Google academico (Revista Semente e UNIBEU). Foram analisados 30 artigos escritos no periodo de 2010 a 2014. Um dos objetivos do estudo foi fornecer um mapeamento sobre autorias, abordagens metodologicas, principais periodicos, os principais metodos e, por fim, mapear a relacao de causa/efeito, medidas de prevencao e as implicacoes gerenciais sobre o gerenciamento do estresse na saude.

Indaga-se por que nos periodicos da administracao, como da ANPAD, nao ha publicacao de artigos sobre o tema estresse, e tampouco na esfera da saude, uma vez que o impacto e elevado para a saude organizacional.

Percebeu-se que os autores nao estao em redes, pois nao se detectou autores em coautoria em outro artigo.

As principais causas, consequencias e implicacoes foram citadas no Quadro 3.

As implicacoes gerenciais partem do pressuposto da necessidade de reconhecimento de que o ambiente de trabalho pode comprometer a saude do trabalhador, da organizacao em termos de qualidade, seguranca e financeira. A partir dai, e necessario implantar politicas de valorizacao do trabalhador, criacao de condicoes de trabalho salubres, reduzir horas de trabalho em turno, proporcionar a reposicao do quadro funcional, fornecer apoio social, promover integracao entre os trabalhadores, justica organizacional e penal, respeito e educacao.

As limitacoes do estudo podem ser delineadas, inicialmente, pelo periodo estudado, que se restringiu a publicacoes dos ultimos 5 anos, e pelas revistas selecionadas, devido a dificuldade de acesso a determinadas base de dados. Alem disso, outro fator limitador pode ter sido, tambem, a dificuldade na obtencao do artigo em formato PDF de livre acesso, levando ao alcance de baixo numero de artigos. Isso impossibilita generalizacoes das conclusoes obtidas.

Por fim, acredita-se que a pesquisa desenvolvida pode ter contribuido com os estudos sobre gestao do estresse na saude, uma vez que demonstra que os gestores dos sistemas de saude devem atentar para as causas e as formas de prevencao do estresse, para que o trabalhador e a sociedade possam equilibrar essa dicotomia, a fim de termos um servico de saude com qualidade.

AGRADECIMENTOS: FAPEMIG

E-ISSN: 2316-3712

DOI: 10.5585/rgss.v5i2.233

Data de recebimento: 02/12/2015

Data de Aceite: 25/04/2016

Organizacao: Comite Cientifico Interinstitucional

Editora Cientifica: Marcia Cristina Zago Novaretti

Editora Adjunta: Lara Jansiski Motta

Avaliacao: Double Blind Review pelo SEER/OJS

Revisao: Gramatical, normativa e de formatacao

REFERENCIAS

Ager, A.; Pasha, E.; Yu, G.; Duke, T.; Eriksson, C. & Cardozo, B. L. (2012). Stress, Mental Health, and Burnout in National Humanitarian Aid Workers in Gulu, Northern Uganda. Journal of Traumatic Stress, 25(6), 713-20.

Albini, E.; Zoni, S.; Parrinello, G.; Benedetti, L. & Lucchini, R.(2011). An integrated model for the assessment of stress related risk factors in health care professional. Industrial Health, 49(1), 15-23.

Almeida, M. H. R. G. (2012). Stress, burnout and coping: um estudo realizado com psicologos algarvios. Revista Administracao FACES Journal, 11(2), 131-155.

Andrade, A. N. M.; Albuquerque, M. A. C. & Andrade, A. N. M. (2011). Avaliacao do Nivel de estresse do anestesiologista da Cooperativa de Anestesiologia de Sergipe. Revista Brasileira Anestesiologia, 61(4), 490-494.

Antoniazzi, A. S.; Dell'Aglio, D. D. & Bandeira, D. R. (2000). O conceito de coping: uma revisao teorica. Estudos de Psicologia, 5(1), 287-312.

Araujo, C. A. (2006). Bibliometria: evolucao historia e questoes atuais. Em Questao, 12(1), 11-32.

Avelar, E. A.; Vieira, E. A. & Santos, T. S. (2011). Gestao do conhecimento: uma analise das pesquisas brasileiras desenvolvidas na primeira decada do seculo XXI. Perspectivas em Gestao & Conhecimento, 1(2), 150-165.

Barcaui, A. & Limongi-Franca, A. C. (2014). Estresse, enfrentamento e qualidade de vida: um estudo sobre gerentes brasileiros. Revista Administracao Contemporanea, 18(5), 670-694.

Boldor, N.; Bar-Dayan, Y.; Rosenbloom, T. & Shemer, J. (2012). Optimism of health care workers during a disaster: a review of the literature. Emerging Health ThreatsJournal, 5, 7270.

Cooper, C. L. (2007). A natureza mutante do trabalho: o novo contrato psicologico e os estressores associados. In: Rossi, A. M.; Perrewe, P. L.; Sauter, S. L. (Orgs.), Qualidade de vida no trabalho: perspectivas atuais da saude ocupacional (pp. 3-8). Sao Paulo: Atlas.

Cooper, C. L.; Sloan, S. J. & Williams, J. (1988). Occupational stress indicator management guide. Windsor: NFER-Nelson.

Cooper, C. L.; Cooper, R. D.; Eaker, L. H. (1988). Living with stress. London: Penguin Books.

Dalmolin, G. L.; Lunardi, V. L.; Lunardi, G. L.; Barlem, E. L. D. & Silveira, R. S. (2014). Sofrimento moral e sindrome de Burnout: existem relacoes entre esses fenomenos nos trabalhadores de enfermagem? Revista Latino-Americana Enfermagem, 22(1), 1-8.

Dieleman, M. & Harnmeijer, J. W. (2006). Improving health worker performance: in search of promising practices. Geneva: World Health Organization.

Ding, Y.; Qu, J.; Yu, X. & Wang, S. (2014). The mediating effects of burnout on the relationship between anxiety symptoms and occupational stress among community healthcare workers in China: a cross-sectional study. PLos One, 9(9), e107130.

Dorrian, J.; Paterson, J.; Dawson, D.; Pincombe, J.; Grech, C. & Rogers, A. F. (2011). O sono, estresse e comportamentos compensatorios em enfermeiras e parteiras australianas. Revista Saude Publica, 45(5), 922-930.

Farias, S. M. C.; Teixeira, O. L. C.; Moreira, W.; Oliveira, M. A. F. & Pereira, M. O. (2011). Caracterizacao dos sintomas fisicos de estresse na equipe de cuidados de saude de emergencia. Revista Escola Enfermagem USP, 45(3), 722-729.

Festinger, L. (1954). A theory of social comparison processes. Human Relations, 7, 117-140.

Fiabane, E.; Giorgi. I.; Sguazzin, C. & Argentero, P. (2013). Work engagement and occupational stress in nurses and other health care workers: the role of organisational and personal factors. Journal of Clinical Nursing, 22, 2614-2624.

Filgueiras, J. C. & Hippert, M. I. S. (1999). A polemica em torno do conceito de estresse. Psicologia Ciencia e Profissao, 19(3), 40-51.

Foureur, M.; Besley, K.; Burton, G.; Yu, N. & Crisp, J. (2013). Enhancing the resilience of nurses and midwives: Pilot of a mindfulness- based program for increased health, sense of coherence and decreased depression, anxiety and stress. Contemporary Nurse, 45(1), 114-125.

Friedman, M. D. & Rosenman, R. H. (1974). Type A behavior and your heart. New York: Knopf.

Ganster, D. C. & Rosen, C. C. (2013). Work stress and employee health: a multi-disciplinary review. Journal of Management, 39(5), 1085-1122.

Gibb, J.; Cameron, I. M.; Hamilton, R.; Murphy, E. & Naji, S. (2010). Mental health nurses' and allied health professionals' perceptions of the role of the Occupational Health Service in the management of work-related stress: how do they self-care? Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing, 17(9), 838-845.

Gil, A. C. (1999). Metodos e Tecnicas de Pesquisa Social (pp.43-49). Sao Paulo: Atlas.

Goncalves, C. A. & Meirelles, A. M. (2004). Projetos e Relatorios de Pesquisa em Administracao. Sao Paulo: Editora Atlas.

Gregov, L.; Kovacevic, A. & Sliskovic, A. (2011). Stress among Croatian physicians: comparison between physicians working in emergency medical service and health centers: pilot study. Croat Medical Journal, 52(1), 8-15.

Guido, L. A.; Goulart, C. T.; Silva, R. M.; Lopes, L. F. D. & Ferreira, E. M. (2012). Estresse e Burnout entre residentes multiprofissionais. Revista LatinoAmericana Enfermagem, 20(6), 1064-1071.

Happell, B.; Dwyert, T.; Reid-Searl, K; Burke, K. J.; Caperchione, C. M. & Gaskin, C. J. (2013). Nurses and stress: recognizing causes and seeking solutions. Journal Nursing Management, 21(4), 638-47.

Hu, Y. H.; Wang, D. & Xug, X. U. P. (2014). The relationship between work stress and mental health in medical workers in East China. Social behavior and personality, 42(2), 237-244.

Karasek Jr., R. A. (1979). Administration Science Quartely, 24(2), 285-308.

Kilimnik, Z. M.; Bicalho, R. F. S.; Oliveira, L. C. V. & Mucci, C. B. M. R. (2012). Analise do estresse, fatores de pressao do trabalho e comprometimento com a carreira: um estudo com medicos de uma unidade de pronto atendimento de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revista Gestao e Planejamento Unifacs, 12(3), 668693.

Lacaz, F. A. C. (2013). Vigilancia em saude do trabalhador como elemento constitutivo da saude do trabalhador no Sistema Unico de Saude (SUS): aspectos historicos e conceituais. In: Correa, M. J. M., Vigilancia em saude do trabalhador no Sistema Unico de Saude. Teorias e Praticas (pp. 35-60). Belo Horizonte: Coopmed.

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (2004). Vocabulario da psicanalise. Sao Paulo: Martins Fontes.

Laranjeira, C. A. (2011). The effects of perceived stress and ways of coping in a sample of Portuguese health workers. Journal of Clinical Nursing, 21, 1755-1762.

Lavoie-Tremblay, M.; Trepanier, S. G.; Fernet, C. & Bonneville-Roussy, A. (2014). Testing and extending the triple match principle in the nursing profession: a generational perspective on job demands, job resources and strain at work. Journal of Advanced Nursing, 70(2), 310-322.

Magalhaes, E.; Oliveira, A. C. M. S.; Goveia, C. S.; Ladeira, L. C. A.; Queiroz, D. M. & Vieira, C. V. (2015). Prevalencia del sindrome de burnout entre los anestesistas del Distrito Federal. Brazilian Journal of Anesthesiology, 65(2), 104-110.

Magnavita, N. & Heponiemi, T. (2012). Violence towards health care workers in a Public Health Care Facility in Italy: a repeated cross-sectional study. BMC Health Services Research, 12(108), 1-9.

Maia, P. L. O.; Ziviani, F.; Maia, L. C. G. & Ferreira, M. A. T. (2014). Gestao da Inovacao: analise bibliometrica e sociometrica das principais publicacoes cientificas no periodo de 2000 a 2013. In: XXVIn Simposio de Gestao da Inovacao Tecnologica. Belo Horizonte/MG. Anais 2014.

Mendonca Neto, O. R.; Riccio, E. L.; Sakata, M. C. G. (2009). Dez anos de pesquisa contabil no Brasil: analise dos trabalhos apresentados nos Enanpads de 1996 a 2005. Revista de Administracao de Empresa RAE, 49(1), 62-73.

Metzker, C. A. B.; Moraes, L. F. R. & Pereira, L. Z. P. (2012). O fisioterapeuta e o estresse no trabalho: estudo em um hospital filantropico de Belo Horizonte MG. Revista Gestao & Tecnologia, 12(3), 174-196.

Minayo, M. C. S. (1998). O conceito de metodologia de pesquisa. In: Minayo, M. C. S. et al., Pesquisa social: teoria, metodo e criatividade (p.16). Petropolis: Vozes.

Moraes, L. F. R. & Kilimnik, Z. M. (1994). Comprometimento organizacional, qualidade de vida e stress no trabalho: uma abordagem de diagnostico comparativo. Relatorio de Pesquisa. Belo Horizonte: UFMG.

Moraes, L. F. R.; Kilimnik, Z. M. & Ladeira, M. B. (1994). O stress: as abordagens do fenomeno dentro e fora das organizacoes. Belo Horizonte: FACE-UFMG.

Murta, S. G. & Troccoli, B. T. (2004). Avaliacao de intervencao em estresse ocupacional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(1), 39-47.

Ndiaye, P.; Seye, A. C.; Diedhiou, A.; Deme, B. S. D. & Tal-Dia, A. (2007). Perception de la motivation chez les medecins Du secteur public de La region de Dakar (Senegal). Service de Medecine Preventive Et Sante Publique, 17(4), 223-228.

Olivier, M.; Perez, C. S. & Behr, S. C. F. (2011). Trabalhadores afastados por transtornos mentais e de comportamento: o retorno ao ambiente de trabalho e suas consequencias na vida laboral e pessoal de alguns bancarios. Revista Administrativa Contemporanea, 15(6), 993-1015.

Oore, D. G.; Leblanc, D.; Day, A.; Leiter, M. P.; Spence Laschinger, H. K. & Price, S. L. et al. (2010). When respect deteriorates: incivility as a moderator of the stressor-strain relationship among hospital workers. Journal of Nursing Management, 18(8), 878-888.

Paiva, K. C. M.; Gomes, M. A. N. & Helal, D. H. (2015). Estresse ocupacional e sindrome de burnout: proposicao de um modelo integrativo e perspectivas de pesquisa junto a docentes do ensino superior. Gestao & Planejamento, 16(3), 285-309.

Paula, G. S.; Reis, J. F.; Dias, L. C.; Dutra, V. F. D.; Braga, A. L. S. & Cortez, E. A. (2010). O sofrimento psiquico do profissional de enfermagem da unidade hospitalar. Aquichan, 10(3), 267-279.

Pereira, L. Z. & Zille, G. P. (2010). O estresse no trabalho: uma analise teorica de seus conceitos e suas inter-relacoes. Revista Gestao e Sociedade CEPEAD/UFMG, 4(7), 414-434.

Potocka, A. (2012). Questionnaires for assessment of work-related psychosocial hazards-a review of diagnostic tools. Medycyna Pracy, 63(2), 237-50.

Ramos, F. P.; Enumo, S. R. F. & Paula, K. M. P. (2015). Teoria Motivational do Coping: uma proposta desenvolvimentista de analise do enfrentamento do estresse. Estudos de Psicologia (Campinas), 32(2), 269-279.

Rizzo, L. V. (2012). Einstein na PubMed. Einstein (Sao Paulo), 10(3), vii.

Romani, M. & Ashkar, K. (2014). Burnout among physicians. Libyan Journal of Medicine, 9, 23554.

Rossler, W. (2012). Stress, burnout, and job dissatisfaction in mental health workers. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 262(2), 65-69.

Santana, L. L.; Miranda, F. M. & Karino, M. E. (2013). Description of workloads and fadigue experienced among health workers in a teaching hospital. Revista Gaucha Enfermagem, 34(1), 64-70.

Sant'Anna, S. A. & Kilimnik, M. Z. (2011). Relacoes entre qualidade de vida no trabalho e estresse ocupacional: perspectivas teoricas. In: Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos (pp.177-199). Rio de Janeiro: Elsevier.

Santana, J. P. (2011). Um olhar sobre a cooperacao Sul-Sul em saude. Revista Ciencia e Saude Coletiva, 16(6), 2993-3002.

Selye, H. (1974). Stress without distress. Filadelfia: Lippincott.

Soares, I. N. L.; Souza, L. C. G.; Castro, A. F. L. & Alves, C. F. O. (2011). Analise do estresse ocupacional e da sindrome de burnout em profissionais de estrategia saude da familia no municipio de Maceio/Al. Revista Semente, 6(6), 84-98.

Souza, M. T. S. & Ribeiro, H. C. M. (2013). Environmental sustainability: a meta-analysis of production in Brazilian management journals. Revista de Administracao Contemporanea, 17(3), 368-396.

Stewart, W. & Terry, L. (2014). Reducing burnout in nurses and care workers in secure settings. Nursing Standard, 28(34), 37-45.

Tol, W. A.; Barbui, C.; Bisson, J.; Cohen, J.; Hijazi, Z. & Jones, L. et al. (2014). World Health Organization Guidelines for Management of Acute Stress, PTSD, and Bereavement: Key Challenges on the Road Ahead. PlosMedicine, 11(12), 1-5.

Ulhoa, M. L.; Garcia, F. C.; Lima, C. T. & Castro, P. A. A. (2011). Estresse ocupacional dos trabalhadores de um hospital publico de Belo Horizonte: um estudo de caso nos centros de terapia intensiva. REGE Revista de Gestao, 18(3), 409-426.

Vallereto, F. A. & Alves, D. F. (2013). Fatores desencadeadores do estresse ocupacional e da sindrome de burnout em enfermeiros. Revista Saude Fisica e Mental UNIABEU, 3(2), 1-11.

Veronika, M.; Zoltan, C.; Attila, O.; Dora, P. F. & Szilvia, A. (2013).Coping with work-related stress in health care professionals-strategies for prevention of burnout and depression. Orvosi Hetilap, 154(12), 449-454.

Whitebird, R. R.; Asche, S. E.; Thompson, G. L.; Rossom, R. & Heinrich, R. (2013). Stress, Burnout, Compassion Fatigue, and Mental Health in Hospice Workers in Minnesota. Journal of Palliative Medicine, 16(12), 1534-39.

Zanini, G. B.; Pinto, M. D. S.; Filippim, E. S. (2012). Analise bibliometrica aplicada a gestao do conhecimento. Conhecimento Interativo, 6(2), 124-140.

Claudia Aparecida Avelar Ferreira (1)

Mario Teixeira Reis Neto (2)

Zelia Miranda Kilimnik (3)

Adailson Soares dos Santos (4)

(1) Doutoranda em Administracao pela Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais --PUC, Minas Gerais (Brasil) E-mail: claudiahgv@gmail.com

(2) Doutor em Administracao pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Minas Gerais (Brasil). Professor Adjunto em Administracao na Fundacao Mineira de Educacao e Cultura pela Universidade FUMEC - FUMEC, Minas Gerais (Brasil). E-mail: reisnetomario@gmail.com

(3) Doutora em Administracao pela Universidade Federal de Minas Gerais--UFMG, Minas Gerais (Brasil). Professora Adjunta na Fundacao Mineira de Educacao e Cultura pela Universidade FUMEC--FUMEC, Minas Gerais (Brasil). E-mail: zeliamk@gmail.com

(4) Mestre em Administracao pela Universidade FUMEC - FUMEC, Minas Gerais (Brasil). E-mail: adailsonsoares@vahoo.com.br

Caption: Figura 2--Modelo dinamico do stress ocupacional de Cooper, Sloan e Williams
Tabela 1--Distribuicao por periodico e ano

                                               Ano

Periodicos                       2010   2011   2012   2013   2014

Faces                                           1
Rev. Bras. Anestesiologia                1
Rev. Esc. Enfermagem USP                 1
Rev. Latino-Am. Enfermagem                      1
Aquichan                          1
Rev. Saude Publica                       1
Rev. Gestao & Tecnologia                        1
Eredeti Kozlemeny                                      1
Eur Arch Psychiatry                             1
  Clin Neurosci
REGE                                     1
Journal of                                      1
  Traumatic Stress
Mental Health                            1
Journal of                        1                    1
  Nursing Management
PLOS One                                                      1
PLOS Medicine                                                 1
Social Behavior and                                           1
  Personality
Industrial Health                        1
Journal of Clinical                      1             1
  Nursing
Contemporary Nurse                                     1
Rev. Gestao e                                   1
  Planejamento-Unifacs
Libyan Journal of                                             1
  Medicine
Journal of Psychiatric            1
  and Mental Health Nursing
Rev. Saude Fisica e                                    1
  Mental-UNIABEU
Journal of Advanced Nursing                                   1
Journal of Paliative Medicine                          1
BMC Health Services Research                    1
Nursing Standart                                              1
Revista Semente                          1
Total/ano                         3      8      7      6      6
% por ano                         10    26,6   23,3   20,0   20,0

                                      Frequencia

Periodicos                       Absoluta   Relativa %

Faces                               1          3,33
Rev. Bras. Anestesiologia           1          3,33
Rev. Esc. Enfermagem USP            1          3,33
Rev. Latino-Am. Enfermagem          1          3,33
Aquichan                            1          3,33
Rev. Saude Publica                  1          3,33
Rev. Gestao & Tecnologia            1          3,33
Eredeti Kozlemeny                   1          3,33
Eur Arch Psychiatry                 1          3,33
  Clin Neurosci
REGE                                1          3,33
Journal of                          1          3,33
  Traumatic Stress
Mental Health                       1          3,33
Journal of                          2          6,67
  Nursing Management
PLOS One                            1          3,33
PLOS Medicine                       1          3,33
Social Behavior and                 1          3,33
  Personality
Industrial Health                   1          3,33
Journal of Clinical                 2          6,67
  Nursing
Contemporary Nurse                  1          3,33
Rev. Gestao e                       1          3,33
  Planejamento-Unifacs
Libyan Journal of                   1          3,33
  Medicine
Journal of Psychiatric              1          3,33
  and Mental Health Nursing
Rev. Saude Fisica e                 1          3,33
  Mental-UNIABEU
Journal of Advanced Nursing         1          3,33
Journal of Paliative Medicine       1          3,33
BMC Health Services Research        1          3,33
Nursing Standart                    1          3,33
Revista Semente                     1          3,33
Total/ano                           30        100,00
% por ano                          100

Fonte: Elaborada pelos autores, 2015.

Tabela 2--Numero de autores por artigo

Ano       Numero de Artigos                 No de autores por artigo

        N      %     % Acum    Media de     1   2   3   4   5   >5
                              autores por
                                artigo

2010    3    10,0      10         0,5       0   0   0   0   1   2
2011    8    26,7     36,7        1,2       1   1   1   1   3   1
2012    7    23,3     60,0        1,2       2   1   1   1   1   1
2013    6    20,0     76,7         1        0   1   0   1   3   1
2014    6    20,0    100,0         1        1   1   0   3   0   1
Total   30   100,0     0         0,98       4   4   3   6   7   6

Fonte: Elaborada pelos autores, 2015.

Tabela 3--Numero de publicacao por pais e relacao dos autores

Autores                                     Pais         No de
                                                       publicacao
                                                         /pais

Dorrian, Paterson, Dawson, Pincombe,      Australia        3
  Grech, & Rogers, 2011, Happell,
  Dwyert, Reid-Searl, Burke,
  Caperchione, & Gaskin, 2013,                             9
  Foureur, Besley, Burton, Yu, &
  Crisp, 2013
Ulhoa, Garcia, Lima, & Castro, 2011,       Brasil          2
  Metzker, Moraes & Pereira, 2012,
  Soares, Souza, Castro & Alves,
  2011, kilimnik et al., 2012,
  Andrade,
  Albuquerque & Andrade, 2011, Guido,
  Goulart, Silva, Lopes & Ferreira,
  2012, Farias, Teixeira, Moreira,
  Oliveira & Pereira, 2011, Paula,
  Reis, Dias, Dutra, Braga & Cortez,
  2010, Vallereto & Alves, 2013
Lavoie-Tremblay, Trepanier, Fernet &       Canada          2
  Bonneville-Roussy, 2014, Oore,
  Leblanc, Day, Leiter, Spence
  Laschinger, & Price et al., 2010
Ding, Qu, Yu & Wang, 2014, Hu, Wang         China          1
  & Xu, Xu, 2014
Gregov & Kovacevic, 2011                   Croacia         1
Veronika, Zoltan, Attila, Dora, &          Hungria         1
  Szilvia, 2013
Stewart & Terry, 2014                    Inglaterra        3
Magnavita & Heponiemi, 2012, Albini,       Italia          1
  Zoni, Parrinello, Benedetti &
  Lucchini, 2011, Fiabane, Giorgi,
  Sguazzin & Argentero, 2013
Romani & Ashkar, 2014                      Libano          2
Almeida, 2012, Laranjeira, 2011           Portugal         1
Gibb et al., 2010                        Reino Unido       1
Rossler, 2012                               Suica          1
Ager, Pasha, Yu, Duke, Eriksson &          Uganda          2
  Cardozo, 2012
Tol, Barbui, Bisson, Cohen, Hijazi &         USA
  Jones et al., 2014, Whitebird,
  Asche, Thompson, Rossom &
  Heinrich, 2013
Total                                                      30

Fonte: Elaborada pelos autores, 2015.

Quadro 1--Alguns conceitos de estresse

Autor             Conceito de Estresse

Seyle (1956)      Considerado por muitos como o precursor dos estudos
                    de estresse, tal fenomeno pode ser definido como
                    o desgaste ocasionado pela inadaptacao prolongada
                    do individuo as exigencias psiquicas da vida.
Simonton (1987)   Define o estresse como um desgaste do organismo
                    humano provocado por tensao cronica, bastante
                    tipica da vida moderna. Para esse autor, os
                    individuos mais propensos ao estresse sao,
                    normalmente, aqueles que nao conseguem--ou nao
                    se permitem--relaxar ou mesmo se refazer de uma
                    situacao de tensao, passando imediatamente a
                    lidar com outras, atingindo, dessa forma, um
                    estado de estresse cronico.
Couto (1987)      Define o estresse como um estado em que ocorre
                    desgaste anormal do organismo e/ou diminuicao
                    de sua capacidade de trabalho em virtude da
                    incapacidade do individuo de tolerar por longo
                    tempo, superar ou se adaptar as exigencias de
                    natureza psiquica presentes em seu meio. Nesse
                    sentido, "o estresse acontece quando ha interacao
                    desfavoravel entre as variaveis do meio e a
                    estrutura psiquica do individuo".
Albrecht (1988)   E um conjunto de condicoes bioquimicas do organismo
                    humano, as quais refletem a tentativa do corpo de
                    se ajustar as exigencias do meio. Para o autor, o
                    estresse nao e doenca, mas uma situacao de
                    descontrole de uma funcao biologica normal do
                    nosso organismo.
Santos (1988)     Entende o estresse como um estado intermediario
                    entre a saude e a doenca, durante o qual o
                    organismo luta contra o agente causador do
                    problema. Para ele, o individuo normalmente nao
                    tem consciencia de que sua saude esta ameacada,
                    mas no interior de seu corpo esta sendo travada
                    uma luta silenciosa ("sindrome de adaptacao")
                    contra os agentes estressores. A doenca surge
                    quando o individuo perde essa batalha, seja
                    porque os fatores estressores sao bastante
                    fortes, seja porque seus mecanismos imunologicos
                    e de defesa encontram-se enfraquecidos.

Fonte: Adaptado de Sant'Anna & Kilimnik (2011, p.180).

Quadro 2--Relacao conceituai entre escalas e subescalas do OSI

 Fontes de pressao           Diferencas           Manifestacoes
    no trabalho             individuais            do estresse

Fontes de pressao      Comportamento            5. Estado de Saude
  no trabalho            do Tipo A
Fatores intrinsecos    Atitude para com         5.1 Fisica
  ao trabalho            a vida
Papel gerencial        Estilo de                5.2 Mental
                         comportamento
Relacionamento         Ambicao
  interpessoal
Carreira /realizacao   Locus de Controle        6. Satisfacao no
                                                  Trabalho
Estrutura e clima      Influencia               6.1 Trabalho em si
  organizacional         individual
Interface              Processos gerenciais     6.2 Estrutura
                                                  organizacional
  trabalho/casa        Forcas organizacionais   6.3 Processos
                                                  organizacionais
                       4. Mecanismos de         6.4 Relacionamento
                         Controle e /ou           interpessoal
                         Defesa
                       4.1 Apoio social
                       4.2 Logica
                       4.3 Interface
                         casa/trabalho
                       4.4 Gerenciamento
                         do tempo
                       4.5 Envolvimento

Fonte: Moraes & Kilimnik (1994).

Quadro 3--Relacao de causa e efeito, medidas de prevencao por autor

Causas                    Efeitos           Medidas de        Autores
                                             prevencao

Estresse             Burnout             Estrategias de      Almeida,
                                           coping como         2012,
                                           controle da         Guido
                                           gestao de           et al.,
                                           sintomas            2012,
                                                               Vero
                                                               -nika
                                                               et al.,
                                                               2013
Carga de             Autoavaliacao       Politica de         Andrade
  trabalho             negativa sobre      qualidade no        et al.,
  elevada,             a qualidade de      trabalho,           2011,
  indisponibi          vida (QV),          reavaliacao         Ulhoa
  -lidade de           estresse            pessoal,            et al.,
  suporte da           ocupacional e       reciclagem          2011,
  gestao,              comprome            profissional,       Happell
  questoes de          -timento            alternativas        et al.,
  recursos             da saude            de lazer,           2013
  humanos,             fisica e            motivacao,
  problemas            psicologica         planejamento
  interpessoais,                           de horas
  familiares de                            de trabalho,
  pacientes,                               modificacao da
  mudanca de                               carga de
  trabalho,                                trabalho,
  procedimento                             alterar turno
  de entrega,                              de trabalho,
  falta de area                            musica,
  comum de                                 eventos
  convivio,                                especiais,
  falta de                                 participacao
  progressao no                            da gestao,
  trabalho e                               lideranca,
  saude mental                             descanso,
  do paciente                              massagistas
Elevado nivel        Cefaleia,           Medidas de          Dorrian
  estresse e           sensacao de         acompanhamento      et al.,
  exaustao             fadiga, dores       durante             2011,
                       nas pernas e        atividade           Farias
                       taquicardia,        laboral,            et al.,
                       burnout,            melhorar a QV       2011,
                       depressao,          da equipe de        White
                       ansiedade,          saude,              -bird
                       disturbio do        cartilhas,          et al.,
                       sono,               apoio social,       2013,
                       sonolencia          atividade           Ding et
                       extrema,            fisica, maior       al.,
                       acidente perto      contato com os      2014
                       do local de         colegas,
                       trabalho,           estrategias de
                       insatisfacao,       compensacao da
                       uso de alcool       falta de sono
                       e medicamentos      e do sono nos
                       para dormir,        dias de
                       consumo de          trabalho,
                       cafeina             gestao do
                                           burnout
Incivilidade,        Tensao e            Gestao de           Oore et
  sobrecarga de        estresse,           civilidade e        al.,
  trabalho,            fadiga e dor        respeito, gozo      2010,
  desrespeito,         nos musculos        de ferias           Metzker
  tensao e             do pescoco e        regularmente,       et al.,
  desempenhar          ombro,              pratica de          2012,
  varias               burnout,            exercicios          Ager et
  atividades           depressao,          fisicos,            al.,
  simultanea-          transtornos de      elevado nivel       2012
  mente,               ansiedade e         de suporte
  condicoes de         estresse            social, coesao
  trabalho,            pos-                da equipe,
  pressao              traumatico,         menor
                       exaustao            exposicao
                       emocional           aos
                                           estressores
Falta de             Recursos de         Oferta de           Albini
  interacao            trabalho            recursos de         et al.,
  entre a demanda      inadequados,        trabalho            2011,
  de trabalho e        estresse,           adequada,           Lavoie
  recursos de          burnout,            implementacao       -Trem
  trabalho a           absenteismo         de politicas        -blay
  tempo, quadro                            preventivas e       et al.,
  de pessoal                               protetivas          2014
  deficitario,
  relacao entre
  numero de
  paciente por
  profissional
  inadequado,
  numero de dias
  de folga nao
  corresponde
  ao aumento da
  demanda de
  trabalho,
  acidentes com
  agentes
  biologicos
Falta de             Burnout, baixo      Justica penal,      Paula
  supervisao e         envolvimento        educacao,           et al.,
  educacao,            no trabalho,        supervisao          2010,
  assessores mais      sofrimento          clinica e           Fiabane
  envolvidos no        psiquico,           intervencao         et al.,
  trabalho,            comprometi          psicologica,        2013,
  inexistencia         -mentoda            apoio,              Stewart
  conceitual de        saude fisica        desenvolvimento     &
  gerencia e           e mental            pessoal e           Terry,
  chefia                                   profissional           2014
                                           continuo,
                                           melhoria das
                                           praticas
                                           clinicas e
                                           saude
                                           psicologica
                                           voltada para
                                           a carga de
                                           trabalho,
                                           satisfacao no
                                           trabalho,
                                           relacionamento
                                           interpessoal
                                           satisfatorio
                                           com a chefia
Condicoes de         Burnout,            Programa para       Gibbet
  trabalho, carga      estresse,           reduzir o           al.,
  de trabalho          erros medicos,      estresse,           2010,
  excessiva,           comprometi          terapia             Soares
  muitas horas de      -mento da           cognitivo           et al.,
  trabalho ou          propria missao      -comporta           2011,
  longos turnos        da equipe de        -mental,            Rossler
  noturnos,            familia,            sessoes de          , 2012,
  exigencia de         elevado nivel       Balint na           Valler
  pacientes e          de sofrimento,      prevencao do        -eto &
  familiares,          queixas             burnout,            Alves,
  salarios             somaticas           exercicios          2013,
  baixos,                                  para reduzir        Romani
  suicidio de                              ansiedade,          &
  paciente,                                melhoria do         Ashkar,
  ambiente de                              bem-estar,          2014
  trabalho,                                intervencao
  trabalho em                              individual e
  turno,                                   organizacional,
  escassez                                 mudanca dos
  de pessoal,                              fatores
  falta de                                 ambientais,
  recursos                                 tomada de
  materiais,                               decisao rapida
  sobrecarga                               quando
  laboral, falta                           confrontados
  de autonomia,                            com sobrecarga
  relacionamento                           de informacoes,
  interpessoal,                            melhoria das
  desvalorizacao,                          condicoes de
  baixos salarios,                         trabalho e
  grande                                   diminuicao do
  responsabili                             sofrimento dos
  -dade,                                   trabalhadores,
  sobrecarga                               promocao de um
  emocional,                               ambiente/
  excessiva                                relacoes e
  responsabili                             fluxo de
  -dade,                                   trabalho
  ritmo acelerado                          mais saudaveis,
  do trabalho,                             reconhecimento
  vulnerabili                              do aumento da
  -dades,                                  pressao,
  nao cumprimento                          evitar
  de metas, falta                          ambiguidade
  de apoio dos                             em torno do
  colegas, baixa                           papel em
  de pessoal,                              relacao aos
  restricoes                               objetivos
  organizacionais
Pressao no           Nervosismo,         Melhoria dos        Gregov
  trabalho, vida       irritabili          equipamentos e      et al.,
  pessoal e            -dade,              triagem mais        2011,
  familiar,            ansiedade,          efetiva,            Kilim
  ambiguidade de       depressao,          relacionamento      -nik et
  papel                fadiga,             interpessoal        al.,
  principalmente       estresse,           e reducao da        2012,
  para mulheres        intencao            ambiguidade         Hu et
  e casadas,           de deixar           de papeis,          al.,
  conflitos                                desenvolvimento     2014
  entre trabalho                           profissional
  -familia
Morte de             Estresse            Autocontrole,       Laran
  paciente,                                busca de apoio      -jeira,
  situacao de                              social, gestao      2011,
  emergencia e                             do estresse,        Foureur
  baixo apoio,                             mudanca no          et al,
  sofrimento                               estilo de           2013
  devido a                                 lideranca a
  natureza do                              nivel
  trabalho e                               gerencial,
  locais de                                realocacao de
  trabalho                                 pessoal,
                                           praticas
                                           holisticas
                                           de meditacao
Violencia fisica     Elevada             Melhoria da         Magnavita
  e nao fisica         tensao no           justica             & Hepo
  no trabalho          trabalho,           organizacional,     -niemi,
                       baixo apoio,        apoio social e      2012
                       baixa justica       controle do
                       organiza            trabalho
                       -cional,
                       elevada
                       tensao
                       psicologica
Acidentes            Estresse            Intervencoes de     Tol et
  severos,                                 psicoterapeutas     al.,
  eventos                                  com                 2014
  traumaticos,                             profissionais
  conflitos                                treinados, de
  armados e                                forma que os
  violencia                                esforcos
  por genero                               colaborativos
                                           sejam de acordo
                                           com o contexto
                                           sociocultural
                                           e a realidade
                                           do sistema de
                                           saude. As
                                           abordagens
                                           podem ser
                                           tanto
                                           medicamentosas,
                                           dependendo da
                                           condicao mental
                                           do individuo,
                                           como tambem de
                                           relaxamento.

Fonte: Elaborado pelos autores, 2015.

Figura 1--Numero de publicacoes nos periodicos RAC e
BAR no periodo de 2010 a 2014

        RAC   BAR

2014    42    24
2013    36    24
2012    34    40
2011    48    23
2010    55    24
TOTAL   215   125

Fonte: Elaborada pelos autores.

Note: Table made from bar graph
COPYRIGHT 2016 Universidade Nove de Julho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Ferreira, Claudia Aparecida Avelar; Neto, Mario Teixeira Reis; Kilimnik, Zelia Miranda; dos Santos,
Publication:Revista de Gestao em Sistemas de Saude
Article Type:Ensayo
Date:Jul 1, 2016
Words:8810
Previous Article:The dependence on imported pharmaceutical inputs in Brazil: a case study of the nevirapine antiretroviral drug in the farmanguinhos official...
Next Article:Profile of hospitalization in intensive care units for adults in Anapolis, Goias--2012/Perfil das internacoes em unidades de terapia intensiva adulto...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2022 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |