Printer Friendly

The assessment of nutritional status and food consumption of preschool and school children in Caetes-PE/AVALIACAO DO ESTADO NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE PRE-ESCOLARES E ESCOLARES RESIDENTES EM CAETES-PE.

INTRODUCAO

A avaliacao do estado nutricional e o principal instrumento para identificar disturbios nutricionais em todos os ciclos da vida, esta intimamente ligada a ingestao, absorcao, utilizacao e excrecao dos nutrientes. Quando o consumo alimentar e aquem as necessidades pode ocasionar carencias nutricionais, como a desnutricao energetica proteica e em contrapartida, quando o consumo e superior as necessidades, promove desordens nutricionais, como o sobrepeso e a obesidade. Frequentemente as criancas manifestam comportamentos distintos em relacao ao habito alimentar, em razao disso, a abordagem nutricional deve ser diferenciada de acordo com cada estagio da vida (Carvalho e colaboradores, 2013; Mussoi, 2014; Nazareth e colaboradores, 2016; Souza e colaboradores, 2015).

A fase pre-escolar e compreendida dos dois aos seis anos de idade, nesse periodo e frequente a inapetencia, seletividade e indisciplina alimentar que podem levar a neofobia, alem da reducao da velocidade de crescimento estatural e reducao de ganho ponderal.

Essa fase e decisiva em termos de formacao de habitos alimentares que tendem a se solidificar na vida adulta, quando as escolhas alimentares sao inapropriadas podem acarretar carencias nutricionais a curto e longo prazo. Por isso, e importante estimular a crianca a provar novos alimentos, proporcionar refeicoes saudaveis em local adequado e sempre que possivel junto aos demais familiares (Brasil, 2013; OMS, 2012; Pires e colaboradores, 2012; Silva e Mura, 2010).

Ja a idade escolar representa uma transicao entre a infancia e a adolescencia, compreende criancas de sete anos de idade ate a puberdade, nessa fase o ritmo de crescimento e constante e ocorre deplecao energetica, como forma de reserva energetica para o intenso crescimento que ocorre na adolescencia.

E comum a crianca apresentar apetite voraz, diminuicao do consumo de frutas, legumes e verduras e aumento do consumo de alimentos caloricos e pouco nutritivos, como os industrializados, ocasionando desequilibrio no balanco energetico que em conjunto com a insuficiente ou ausente pratica de atividade fisica, predispoem o surgimento de doencas cronicas nao transmissiveis (DCNT) (Benzecr e colaboradores, 2012; Polla e Scherer, 2011; Rodrigues e colaboradores, 2016; Rosaneli, 2012).

Estudos apontam que as diferencas no crescimento infantil estao mais correlacionadas a fatores ambientais e socioeconomicos do que aos de origem genetico-racial. A condicao economica e social tambem interfere na prevalencia de sobrepeso e obesidade, uma vez que, o nivel socioeconomico elevado esta muitas vezes associado ao ganho de peso excessivo, devido ao aumento do consumo de alimentos ricos em calorias vazias (Miranda e colaboradores, 2015).

Diante do exposto, e visto que nao ha informacoes publicadas na literatura sobre o estado nutricional de criancas da cidade de Caetes-Pernambuco, o presente estudo teve como objetivo avaliar o estado nutricional, consumo alimentar e nivel socioeconomico das criancas que frequentam a rede publica de ensino deste municipio e dessa forma, subsidiar informacoes relevantes para prevencao da saude e promocao estrategias de reeducacao alimentar e nutricional, de acordo com as condicoes de vida de cada crianca.

MATERIAIS E METODOS

Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagem quantitativa e carater transversal, desenvolvida com criancas de duas escolas da rede publica de ensino da cidade de Caetes, Pernambuco.

A coleta de dados ocorreu em marco e abril de 2017, com todas as criancas com idade menor ou igual a dez anos. Ambas as escolas foram escolhidas por conveniencia, uma vez que concordaram em participar da pesquisa, sendo elas a Escola Municipal Dom Helder Camara que atende alunos com idades entre quatro e cinco anos, distribuidos em turmas da Educacao Infantil; e a Escola Municipal Olindina Martins de Oliveira que atende alunos com idades entre seis e quatorze anos, distribuidos em turmas do 1[degrees] ao 5[degrees] ano do Ensino Fundamental I, ambas funcionam nos turnos matutino e vespertino.

O consentimento individual em participar da pesquisa foi feito pelos pais ou responsaveis por meio de assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), e pelo proprio menor por meio da assinatura do Termo de Assentimento, como nas escolas existiam menores que estavam tendo o seu primeiro contato com a alfabetizacao, e por tanto nao sabiam ler ou escrever o Termo de Assentimento tambem foi preenchido pelos pais ou responsaveis. A pesquisa foi submetida para analise e aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa da Universidade de Pernambuco/ PROPEGE/ UPE, atraves do parecer no. 2.040.979, obedecendo a todos os preceitos da Resolucao 466/2012 do Conselho Nacional de Saude em todas as fases de sua execucao.

A coleta de dados ocorreu com todas as criancas que estavam presentes no momento da avaliacao antropometrica e com os termos corretamente preenchidos e assinados. Os criterios de exclusao utilizados foram a ausencia da crianca no dia da avaliacao antropometrica, pois esta foi realizada em um unico dia em cada escola; a presenca de deficiencia fisica que impossibilitava a coleta de peso e de altura e a recusa dos pais/responsaveis pelo nao preenchimento dos termos ou pela renuncia do proprio do menor em participar da coleta.

Para a verificacao do estado nutricional foram coletadas duas medidas antropometricas, sendo elas o peso e a altura. A medida de peso corporal foi determinada em uma unica balanca eletronica com capacidade de 180 kg e graduacao em 100g da marca (GLASS 9 G.TECH). O peso foi aferido com as criancas descalcas e com o minimo de roupa possivel, posicionadas no centro da plataforma da balanca e a estatura foi medida por meio de estadiometro compacto dois metros (MD), onde os pre-escolares e os escolares ficaram em pe, descalcos com os calcanhares juntos, costas retas e os bracos estendidos ao lado do corpo (Friedrich e colaboradores, 2016; Silva e Mura, 2010), as medidas foram realizadas por apenas um dos autores dessa pesquisa, para evitar erros, em seguida foram registradas no formulario de avaliacao antropometrica.

A classificacao do estado nutricional ocorreu de acordo as Novas Curvas de Crescimento para a populacao (Estudo Multicentrico de Referencia do Crescimento MGRS) proposta pela Organizacao Mundial de Saude (WHO, 2007), por meio dos indices de peso para idade (P/I), estatura para idade (E/I) e peso por estatura (P/E) para os menores de cinco anos e indice de massa corporal por idade (IMC) para os maiores de cinco anos. O IMC foi calculado atraves da razao entre o peso obtido e a estatura ao quadrado (IMC= Peso / Estatura2) e para comparacao dos conjuntos de medidas antropometricas obtidas foi utilizado a escala escore Z, como um padrao de referencia.

Para avaliacao do consumo alimentar foi aplicado um Questionario de Consumo Alimentar, adaptado ao Inquerito de Frequencia Alimentar do Sistema de Vigilancia Alimentar e Nutricional (SISVAN) disponibilizado no portal DAB, e-SUS e feita a relacao entre a frequencia do consumo de frutas, verduras, legumes e alimentos industrializados com o estado nutricional das criancas.

Alem do questionario de consumo alimentar foram feitas perguntas objetivas com intuito de quantificar o numero de refeicoes que a crianca realizava ao longo do dia e o local onde essas eram realizadas, se a crianca fez uso de aleitamento materno exclusivo e se praticava algum tipo de atividade fisica de forma programada (Brasil, 2015).

Para tracar o perfil socioeconomico, as informacoes foram obtidas por meio da aplicacao de um Questionario Socioeconomico contendo oito perguntas objetivas, tais perguntas se referiam ao cadastro da crianca no Sistema Unico de Saude (SUS), a relacao de parentesco do responsavel que respondeu os questionarios e assinou os termos com a crianca, quem e o responsavel familiar, idade do responsavel, grau de escolaridade, situacao no mercado de trabalho, atual situacao de uniao e se possuem saneamento basico.

Os riscos de acidentes foram minimizados por meio de coleta individual, em local seguro e adequado. Ja o risco de constrangimento foi reduzido por meio de entrevista e avaliacao individual. Alem disso, como beneficio no momento da pesquisa o entrevistado recebeu orientacoes especificas por escrito sobre seu estado nutricional.

A construcao do banco de dados foi realizada no Microsoft Office Professional Plus do programa Excel e Word 2013 e para a analise estatistica foram utilizados a media, desvio padrao, razao centesimal (%), frequencia absoluta (Fi) e frequencia relativa (Fri).

RESULTADOS

A amostra contou com a participacao de 106 criancas que preencheram todos os criterios de elegibilidade. Em relacao a idade, 68 tinham entre quatro e seis anos e 38 tinham entre sete e dez anos. No que refere se ao sexo, 61 criancas eram do sexo masculino, correspondendo a 58% da amostra. Das criancas avaliadas 63 eram matriculadas na Escola Dom Helder Camara e o restante na Escola Olindina Martins de Oliveira.

A Tabela 1 expoe a distribuicao do estado nutricional de acordo com sexo e faixa etaria, e possivel observar que a maioria das criancas apresentaram eutrofia, correspondendo a 82%, seguida de excesso de peso com 14% e de magreza com 4% da amostra total.

De acordo com a avaliacao do questionario de consumo alimentar, 84% das criancas receberam aleitamento materno exclusivo ate os seis meses de idade, 87% da amostra realizavam suas principais refeicoes em casa e na escola e as demais somente em casa.

Segundo o Ministerio da Saude para uma alimentacao adequada e preconizado realizar tres refeicoes principais e pelos menos dois lanches saudaveis ao dia (Brasil, 2014).

Dessa maneira, verificou-se que 38,67% da amostra total realizam cinco refeicoes diariamente, 20,75% realizavam apenas quatro refeicoes e 40,56% somente tres refeicoes diarias. Tambem foi possivel constatar que as criancas que realizavam menos de cinco refeicoes, omitiam algum dos lanches, porem a maioria (84,91%) realizavam as tres refeicoes principais.

Os alimentos presentes no questionario de consumo alimentar foram separados em sete grupos e analisados de acordo com a frequencia da ingestao semanal.

Foi possivel observar que a maior parte dos pre-escolares e escolares apresentavam consumo consideravel dos grupos de cereais, leguminosas e carnes, sendo esses ingeridos cinco vezes ou mais na semana.

Tambem foi possivel constatar a baixa ingestao do grupo de frutas, verduras, legumes, visceras, leite e derivados em ambas as faixas etarias. A nao ingestao de figado correspondeu a cerca de 53%, frutas, verduras e legumes a 27% e leite e derivados a 24% da amostra total. Dentre as criancas analisadas aproximadamente 52% consumiam alimentos industrializados de uma a duas vezes na semana e 14% cinco vezes ou mais na semana, conforme as tabelas 2 e 3.

De acordo com as variaveis utilizadas para tracar o perfil socioeconomico, constatou se que 100% da amostra possuia cadastro no Sistema Unico de Saude (SUS) e cerca de 92% dos questionarios foram respondidos pelos pais. Em relacao a escolaridade do responsavel familiar apenas 24% possuiam o ensino medio completo, e destes somente dois individuos tinham o ensino superior completo. Outro dado alarmante foi a taxa de desemprego que correspondeu ha 60% da amostra total, essa condicao alem de comprometer a renda familiar, dificulta o acesso financeiro da familia a uma alimentacao saudavel e adequada (Tabela 4).

DISCUSSAO

Atualmente o Brasil vive um cenario de transicao nutricional, com numero crescente de individuos de diferentes faixas etarias com excesso de peso, estudos realizados nos ultimos anos revelam expansao na quantidade de pre-escolares e escolares com sobrepeso e obesidade. Sabe-se que disturbios nutricionais dessa categoria estao intimamente ligados ao surgimento de diferentes patologias, seja ainda na infancia ou na vida adulta, como a obesidade, hipertensao arterial, diabetes mellitus entre outras DCNT (Melo e colaboradores, 2012).

A presente pesquisa constatou uma prevalencia de excesso de peso de 10,5% em escolares, resultados inferiores ao do estudo de Almeida e Navarro (2017) realizado com 62 criancas com idade media de nove anos e oito meses, matriculadas em uma escola publica do municipio de Coimbra, Minas Gerais que apontou uma media de 26% de sobrepeso.

Almeida e Navarro (2017) tambem constataram que dentre as criancas avaliadas 69% apresentavam o estado nutricional adequado. Resultado inferior ao encontrado na atual pesquisa, em que o estado nutricional eutrofico dos escolares correspondeu a 84% da amostra, vale ressaltar que ambas as pesquisas utilizaram os mesmos criterios de diagnostico e classificacao do estado nutricional.

O percentual de adequacao do estado nutricional dos escolares avaliados na presente pesquisa, tambem foi superior aos achados de Lacerda e colaboradores (2014), em estudo realizado no municipio de Juazeiro do Norte-CE, com 27 criancas de sete a nove anos de idade, que demostrou uma adequacao de 60% do estado nutricional em relacao ao indice IMC/Idade.

Estudo realizado no interior da Amazonas, por Perrone e colaboradores (2015) avaliou 227 alunos, sendo 132 do municipio de Itapiranga e 95 do municipio de Silves, todos na fase escolar com nove anos de idade; e constatou que 187 (82,37%) criancas apresentavam o estado nutricional eutrofico, segundo o indice IMC/Idade. Resultado semelhante ao encontrado na presente pesquisa.

No vigente estudo a prevalencia de eutrofia correspondeu a 80% do numero de pre-escolares avaliados, esse dado foi similar aos resultados encontrados por Bertuol e Navarro (2015), que realizaram uma pesquisa com 66 criancas entre dois e cinco anos de idade, registradas em uma escola publica do municipio de Salvador do Sul-RS, a prevalencia do estado nutricional adequado equivaleu a cerca de 83,08% em relacao ao indice Peso/Estatura.

Bertuol e Navarro (2015) tambem constataram o surgimento de novos casos de excesso de peso, onde o percentual de sobrepeso atingiu 24,6% e o de obesidade 13,8% da amostra, esses resultados foram superiores ao da atual pesquisa que diagnosticou 4% obesidade nessa fase da vida.

E importante ressaltar a influencia da atividade fisica no estado nutricional, uma vez que o sedentarismo e a inatividade fisica contribuem para o surgimento de sobrepeso e obesidade. A presente pesquisa constatou que aproximadamente 45% dos pre-escolares nao realizavam atividades fisicas de forma regular ou programada, 41% algumas vezes e 14% sempre realizavam; ja os escolares cerca de 47% nao realizavam atividades fisicas de forma regular ou programada, 42% algumas vezes e 11% sempre realizavam, conforme o questionario respondido pelos responsaveis das criancas.

Dentre os 68 pre-escolares, aproximadamente 16% apresentavam risco de sobrepeso ou excesso de peso, quanto a pratica de atividade fisica 7% das criancas com excesso de peso nunca realizava atividade fisica, 6% algumas vezes e 3% sempre realizavam algum tipo de atividade fisica. Ja em relacao aos 38 escolares avaliados, 10,5% tinham excesso de peso e nunca realizavam atividade fisica. Em ambas as fases da vida, as criancas que apresentaram excesso de peso ingeriam alimentos industrializados pelo menos duas vezes na semana, possuiam baixo consumo de frutas, verduras e legumes, e na maioria das vezes nao realizavam atividade fisica.

Esses resultados relacionam se com os dados encontrados por Cabrera e colaboradores (2014) em estudo realizado com 170 criancas, com idade entre seis e 11 anos, que apresentaram baixo nivel de atividade fisica, no qual 78,24% da amostra eram inativos ou inadequadamente ativos, fatores que demostram alto risco de desenvolvimento de excesso de peso e complicacoes cardiovasculares.

Costa e colaboradores (2015) realizaram um estudo com 403 pre-escolares, matriculados em uma escola da rede privada de Teresina-PI, e constataram forte correlacao (Pearson >0,7) entre os pre-escolares com menor tempo de atividade fisica semanal (<120min semanal) e o aumento do excesso de peso e obesidade, informacoes semelhantes as encontradas na atual pesquisa. Costa e colaboradores tambem observaram que dentre os pre-escolares com o indice IMC/Idade elevado, 59,6% assistiam TV diariamente com duracao acima de 60 minutos, enquanto que os demais 40,4% assistiam abaixo de 60 minutos.

Na atual pesquisa foi possivel observar que 53% dos pre-escolares e 34% dos escolares realizavam suas refeicoes em frente a aparelhos eletronicos, contribuindo para o aumento do peso corporal e sedentarismo. Nao foi possivel investigar a quantidade de horas que as criancas passavam em frente a esses eletroeletronicos, a exemplo de televisores, celulares, tabletes e computadores, para comparar o impacto das novas tecnologias no aumento do sedentarismo e da inatividade fisica, fatores que afetam de forma negativa o estado nutricional da crianca.

Em relacao ao consumo alimentar verificou-se alta ingestao de carnes (bovina, suina, peixes, aves e ovos) em cerca de 64,7% para pre-escolares e 57,8% para escolares, resultados superiores ao encontrado por Lourenco, Santos e Carmo (2014) que realizaram uma pesquisa com 300 criancas com idades entre tres e quatro anos, eles avaliaram a frequencia do consumo de oito grupos alimentares e constataram que o grupo de carnes, peixes e ovos era o mais consumido pelas criancas, correspondendo a aproximadamente 35% da amostra total.

Ferreira e colaboradores (2013) avaliaram os habitos alimentares de 16 criancas com a faixa etaria entre tres e seis anos, em uma escola publica do municipio de Itaperuna-RJ e expuseram que 45,40% das criancas nunca consumiam bife de figado de boi. Resultado semelhante ao do vigente estudo, que apontou o nao consumo e a baixa ingestao de figado em cerca de 52,9% dos pre-escolares e 52,6% dos escolares.

Na presente pesquisa a nao ingestao de frutas, verduras e legumes correspondeu a 27% da amostra total, essa caracteristica da dieta colabora para surgimento de fatores obesogenicos, uma vez que esses alimentos sao ricos em nutrientes e em fibras; dessa forma, a ingestao desses esta associada ao aumento da saciedade. Outro dado encontrado bastante relevante foi a nao ingestao de leite e derivados que correspondeu ha 24% da amostra total.

Esses resultados se assemelham aos encontrados por Pretto e colaboradores (2017) que investigaram as caracteristicas obesogenicas no ambiente escolar, incluindo o consumo alimentar, a atividade fisica, o desenvolvimento motor e a sua relacao com estado nutricional das criancas. Ao analisarem o cardapio escolar de acordo com o Guia Alimentar para a Populacao Brasileira (Brasil, 2014), observaram que existia baixo consumo de frutas, verduras, legumes, leite e derivados e nenhum consumo de alimentos ricos em fibras.

Segundo Spinelli e colaboradores (2013) a ingestao adequada de frutas, verduras e legumes mostrou-se significativa em relacao aos menores valores de IMC, indicando assim que tanto o valor energetico dos alimentos consumidos quanto a qualidade da dieta ofertada ira auxiliar no controle do peso corporeo e na condicao adequada de saude do individuo.

A analise do perfil socioeconomico das criancas avaliadas aponta um contexto de vulnerabilidade social; ressalta-se o grande numero de responsaveis com baixa escolaridade e desempregados, fatores associados a um risco maior de desenvolver disturbios do estado nutricional. Diante desse cenario, foi possivel observar que dentre as 39 criancas em que o responsavel relatou ser analfabeto ou ter o ensino fundamental incompleto, 34 (87%) apresentavam baixo consumo de frutas, 36 (92%) de verduras e 34 (87%) de legumes, a ingestao desses alimentos era menor que cinco vezes na semana.

Corroborando com achados de Silveira e colaboradores (2014) em estudo realizado com 200 familias de pre-escolares, residentes na zona rural de Maranguape-CE, eles aplicaram um inquerito do tipo Conhecimento, Atitude e Pratica enfocando o uso dos alimentos regionais; e constaram que os responsaveis pelas criancas que possuiam baixa escolaridade, desconheciam a terminologia alimentos regionais e apresentaram conhecimento, atitude e pratica inadequados com relacao ao uso desses; logo, e possivel verificar que a pratica alimentar saudavel esta intimamente relacionada a diversos fatores, como o acesso fisico e financeiro a alimentos saudaveis, o conhecimento e a qualidade da informacao que a populacao tem disponivel.

Constatou-se que o excesso de peso esteve presente em 17,95% e a magreza em 2,56% das 39 criancas em que o responsavel relatou ter baixa escolaridade, dados que evidenciam significativa relacao entre esse fator e o estado nutricional da crianca. Resultado oposto a pesquisa de Chagas e colaboradores (2013), realizada no Maranhao, com criancas menores de cinco anos, eles associaram o estado nutricional da crianca com as variaveis socioeconomicas, e verificaram que nao existiam associacoes estatisticamente significantes entre excesso de peso e desnutricao com a escolaridade do chefe da familia, classe economica e outras variaveis socioeconomicas.

CONCLUSAO

Os resultados encontrados apontam a existencia de relevante associacao entre a inatividade fisica, a baixa qualidade da dieta e o elevado indice de excesso de peso.

Sugere-se que o fator socioeconomico, baixa escolaridade esta intimamente relacionado a qualidade da dieta ofertada, uma vez que o baixo conhecimento em relacao a uma alimentacao saudavel gera insignificante pratica e adesao a essa. Vale ressaltar que uma alimentacao inadequada ocasiona repercussoes clinicas negativas de curto a longo prazo.

De acordo com as caracteristicas encontradas nesta populacao e indispensavel a implantacao e/ou expansao de programas que visem promover a educacao alimentar e nutricional para este publico, alem do estimulo a pratica regular ou programada de atividade fisica, proporcionando dessa forma a diminuicao dos fatores obesogenicos encontrados.

REFERENCIAS

(1)--Almeida, I.C.O.; Navarro, F. Caracterizacao do estado nutricional, atividade fisica e alimentacao de escolares entre 9 e 10 anos da rede publica de ensino de Coimbra-MG. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 11. Num. 63. 2017. p. 327-338. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/805>.

(2)--Benzecry, S. G.; Mello, E. D.; Escrivao, M. A. M. S. Manual de orientacao do departamento de nutrologia: alimentacao do lactente, do preescolar, do escolar, do adolescente e na escola. 3a edicao. Rio de Janeiro. Sociedade Brasileira de Pediatria. 2012. p. 50. Disponivel em: <http://www.sbp.com.br/pdfs/14617aPDManualNutrologia-Alimentacao.pdf>. Acesso em: 14/ago/2017.

(3)--Bertuol, C.D.; Navarro, A.C. Consumo alimentar e prevalencia de sobrepeso/obesidade em pre-escolares de uma escola infantil publica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Sao Paulo. Vol. 9. Num. 52. 2015. p. 127-134. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/323>.

(4)--Brasil. Ministerio da Saude. Guia alimentar: como ter uma alimentacao saudavel. 1a edicao. Brasilia. 2013. p. 17. Disponivel em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.p hp?conteudo=publicacoes/guia_alimentar_bols o>. Acesso em: 05/01/2018.

(5)--Brasil. Ministerio da Saude. Guia alimentar para a populacao brasileira. 2a edicao. Brasilia. 2014. p. 156. Disponivel em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pd f/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-apop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf>. Acesso em: 05/01/2018.

(6)--Brasil. Ministerio da Saude. Orientacoes para avaliacao de marcadores de consumo alimentar na atencao basica. 2a edicao. Brasilia. 2015. p. 33. Disponivel em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/m arcadores_consumo_alimentar_atencao_basic a.pdf>. Acesso em: 03/01/2018.

(7)--Cabrera, T.F.C.; Correia, I.F.L.; Santos, D.O.; Pacagnelli, F.L.; Prado, M.T.A.; Silva, T.D.; Monteiro, C.B.M.; Fernani, D.C.G.L. Analise da prevalencia de sobrepeso e obesidade e do nivel de atividade fisica em criancas e adolescentes de uma cidade do sudoeste de Sao Paulo. Journal of Human Growth and Development. Sao Paulo. Vol. 24. Num. 1. 2014. p. 67-66. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.73455>. Acesso em: 03/01/2018.

(8)--Carvalho, E.A.A.; Simao, M.T.J.; Fonseca, M.C.; Andrade, R.G.; Ferreira, M.S.G.; Silva, A.F.; Souza, I.P.R.; Fernandes, B.S. Obesidade: aspectos epidemiologicos e prevencao. Revista Medica de Minas Gerais. Belo Horizonte. Vol. 23. Num. 1. 2012. p. 7482. Disponivel em: <http://www.dx.doi.org/10.5935/22383182.20130012>. Acesso em: 10/03/2018.

(9)--Chagas, C.D.; Silva A.A.M.; Batista R.F.L.; Simoes, V.M.F.; Coimbra, L.C.; Alves, M.T.S.S.B. Prevalencia e fatores associados a desnutricao e ao excesso de peso em menores de cinco anos nos seis maiores municipios do Maranhao. Revista Brasileira de Epidemiologia. Sao Paulo. Vol. 16. Num. 1. 2013. p. 146-56. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/S1415790X2013000100014>. Acesso em: 03/01/2018.

(10)--Costa, M.J.M.; Araujo, M.L.L.M.; Araujo, M.A.M.; Araujo, R.S.R.M. Excesso de peso e obesidade em pre-escolares e a pratica de atividade fisica. Revista Brasileira Ciencia e Movimento. Taguatinga. Vol. 23. Num. 3. 2015. p. 70-80. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.18511/01031716/rbcm.v23n3p70-80>. Acesso em: 02/01/2018.

(11)--Ferreira, J. S.; Silva, D.C.G.; Nassif, C.A.M.; Vilar, J.S. Habitos alimentares e ocorrencia de constipacao intestinal em criancas de 3 a 6 anos de uma escola publica do municipio de Itaperuna (RJ). Revista Cientifica da Faminas. Muriae. Vol. 9. Num. 2. 2013. p. 69-84. Disponivel em: <http://periodicos.faminas.edu.br/index.php/RC Faminas/article/view/328/303>. Acesso em: 02/01/2018.

(12)--Friedrich, R.R.; Antunes, T.; Schuch I. Percepcao materna do estado nutricional de criancas em escolas municipais de Porto Alegre-RS. Demetra: Alimentacao, Nutricao & Saude. Rio de Janeiro. Vol. 11. Num. 1. 2016. p. 211-223. Disponivel em: <https://doi.org/10.12957/demetra.2016.18029 >. Acesso em: 02/01/2018.

(13)--Lacerda, L. R. F.; Rodrigues, A.Y.F; Rocha, M.R.S.; Lopes, S.V.M.U. Prevalencia de obesidade infantil e sobrepeso em escolares. Revista Interfaces: Saude, Humanas e Tecnologia. Juazeiro do Norte. Vol. 2. Num. 5. 2014. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.16891/2317.434X.89>. Acesso em: 02/01/2018.

(14)--Lourenco, M.; Santos, C.; Carmo, I. Estado nutricional e habitos alimentares em criancas de idade pre-escolar. Revista de Enfermagem Referencia. Coimbra-POR. Vol. 4. Num. 1. 2014. p. 7-14. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.12707/RIII12140>. Acesso em: 07/01/2018.

(15)--Melo, E.D.; Almeida, C.A.N.; Gazal, C.H.A.; Cocco, R.R. Manual de orientacao do departamento de nutrologia: alimentacao do lactente, do pre-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. 3a edicao. Rio de Janeiro. Sociedade Brasileira de Pediatria. 2012. p. 71. Disponivel em: <http://www.sbp.com.br/pdfs/14617aPDManualNutrologia-Alimentacao.pdf>. Acesso em: 02/01/2017.

(16)--Miranda, J.M.Q.; Palmeira, M.V.; Polito, L.F.T; Brandao, M.R.F.; Bocalini, D.S.; Junior, A.J.F.; Ponciano, K.; Wichi, R.B. Prevalencia de sobrepeso e obesidade infantil em instituicoes de ensino: Publicas vs. Privadas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Sao Paulo. Vol. 21. Num. 2. 2015. p. 104-107. Disponivel em:<http://dx.doi.org/10.1590/1517869220152102143660>. Acesso em: 19/12/2017.

(17)--Mussoi, T.D. Avaliacao nutricional na pratica clinica: da gestacao ao envelhecimento. 1a edicao. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan. 2014. p. 15-16.

(18)--Nazareth, M.; Rego, C.; Lopes, C.; Pinto, E. Recomendacoes nutricionais em idade pediatrica: o estado da arte. Acta Portuguesa de Nutricao. Porto. Vol. 7. Num. 1. 2016. p. 18-33. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.21011/apn.2016.0705.>. Acesso em: 03/j01/2018.

(19)--Organizacao Mundial de Saude. Relatorio mundial sobre a deficiencia: world health organization, the world bank. Sao Paulo: Organizacao Mundial da Saude. 2012. p. 334. Disponivel em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44575 /4/9788564047020_por.pdf>. Acesso em: 13/09/2017

(20)--Perrone, A.C.L.; Figueiredo, G.L.P.; Amaral, J.H.; Moyses, R.P.C.; Lima, R.V.; Souza, C.S.M. Desenvolvimento infantil no interior do Amazonas: avaliacao antropometrica de escolares de 9 anos. Saude & Transformacao Social/Health & Social Change. Florianopolis. Vol. 6. Num. 3. 2016. p. 42-49. Disponivel em: <http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php /saudeetransformacao/article/view/3479>. Acesso em: 07/01/2018.

(21)--Pires, M. M. S.; Obelar, M.S.; Wayhs, M.L.C.; Brasil, A.L.D. Manual de orientacao do departamento de nutrologia: alimentacao do lactente, do pre-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. 3a edicao. Rio de Janeiro. Sociedade Brasileira de Pediatria. 2012. p. 41. Disponivel em: <http://www.sbp.com.br/pdfs/14617aPDManualNutrologia-Alimentacao.pdf>. Acesso em:14/08/2017.

(22)--Polla, S.F.; Scherer F. Perfil alimentar e nutricional de escolares da rede municipal de ensino de um municipio do interior do Rio Grande do Sul. Caderno Saude Coletiva. Rio de Janeiro. Vol. 19. Num. 1. 2011. p. 111-6.

(23)--Pretto, A.D.B.; Dutra, G.F.; Spessato, B.C.; Valentini, N.C. Prevalencia de excesso de peso e obesidade em criancas frequentadoras de uma creche no municipio de Porto Alegre e sua relacao com a atividade fisica e consumo alimentar. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Sao Paulo. Vol. 8. Num. 46. 2014. p. 89-96. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/333/321>. Acesso em: 07/01/2018.

(24)--Rodrigues, J. P.; Pereira, E.D.S.; Moura, M.R.P.; Neta, M.H.M.P.; Rodrigues, S.R.; Silva, A.B.B. Estado nutricional e os efeitos da educacao em saude com pre-escolares: revisao integrativa de literatura. Revista de Enfermagem da UFPI. Teresinha. Vol. 5. Num. 2. 2016. p. 53-59. Disponivel em: <https://doi.org/10.26694/reufpi.v5i2.3833>. Acesso em:10/03/2017.

(25)--Rosaneli, C. F.; Auler, F.; Manfrinato, C.B.; Sganzerla, C.; Bonatto, M.G.; Cerqueira, M.L.W.; Oliveira, A.A.B.; Netto, E.R.O.; Netto, J.R.F. Avaliacao da prevalencia e de determinantes nutricionais e sociais do excesso de peso em uma populacao de escolares: analise transversal em 5.037 criancas. Revista da Associacao Medica Brasileira. Sao Paulo. Vol. 58. Num. 4. 2012. p. 472-476. Disponivel em: <DOI: 10.15253/2175-6783.2014000100006>. Acesso em: 10/03/2018.

(26)--Silva, S.M.C.S.; Mura, J.D'A.P. Tratado de alimentacao, nutricao e dietoterapia. 2a edicao. Sao Paulo. Editora Roca. 2010. p. 409-411.

(27)--Silveira, M. L.; Martins, M.C.; Oliveira, E.K.F.; Joventino, E.S.; Ximenes, L.B. Conhecimento, atitude e pratica sobre alimentos regionais entre familias de preescolares. Revista Rene. Fortaleza. Vol. 15. Num. 1. 2014. p. 37-44. Disponivel em: <DOI: 10.15253/2175-6783.2014000100006>. Acesso em: 10/03/2018.

(28)--Souza, E.; Frares, A.F.; Piovesan, D.; Modesto, E.S. Avaliacao do estado nutricional de Criancas pre-escolares em escola publica no municipio de Herval d'oeste, SC, no ano 2014. Unoesc & Ciencia--ACBS. Joacaba. Vol. 6. Num. 2. 2015. p. 163-170. Disponivel em: <http://editora.unoesc.edu.br/index.php/acbs/a rticle/view/6863/5057>. Acesso em: 10/03/2018.

(29)--Spinelli, M. G. N.; Morimoto, J.M.; Freitas, A.P.G.; Barros, C.M.; Dias, D.H.S.; Pioltine, M.B.; Goncalves, P.P.O.; Navarro, R.B. Estado nutricional e consumo alimentar de preescolares e escolares de escola privada. Revista Ciencia & Saude. Porto Alegre. Vol. 6. Num. 2. 2013. p. 94-101. Disponivel em: <http://www.who.int/childgrowth/standards/Act a_95_S450.pdf>. Acesso em: 19/12/2017.

(30)--World Health Organization (WHO). Multicentre Growth Reference Study Group. WHO Child Growth standards based on length/height, weight and age. Acta Paediatrica. EUA. Vol. 95, Supl. 450. 2006. p. 76-85. Disponivel em: <http://www.who.int/childgrowth/standards/Act a_95_S450.pdf>. Acesso em: 19/10/2017.

Recebido para publicacao em 20/06/2018

Aceito em 31/07/2018

Katiene da Silva Melo [1], Kleres Luciana Gomes Dias da Silva [1], Milena Maia Dantas dos Santos [1]

[1]--Centro Universitario Mauricio de Nassau (UNINASSAU), Recife-PE, Brasil.

E-mails dos autores:

kattyenne@hotmail.com

kleres@hotmail.com

milenamaiads@gmail.com

Endereco para correspondencia:

Rua Carneiro Vilela, no. 578, Apto 304.

Aflitos, Recife, Pernambuco, Brasil.

CEP: 52050-030.

Conflito de interesses: Inexistencia de conflito de interesses.
Tabela 1--Distribuicao numerica e centesimal do estado nutricional.

                                    Risco de
Variaveis   Magreza    Eutrofico    sobrepeso   Sobrepeso   Obesidade
             n (%)       n (%)        n (%)       n (%)       n (%)

Sexo
Feminino    2 (4,44)   37 (82,22)   2 (4,44)    1 (2,22)    3 (6,66)
Masculino   2 (3,28)   50 (81,97)   6 (9,84)    1 (1,64)    2 (3,28)
Idade
  (anos)
4-6         2 (2,94)   55 (80,88)   8 (11,76)   0 (0,00)    3 (4,41)
7-10        2 (5,26)   32 (84,21)   0 (0,00)    2 (5,26)    2 (5,26)

Tabela 2--Frequencia semanal de consumo alimentar de pre-escolares.

                                          1 a 2     3 a 4     5 vezes
Alimentos                       Nao      vez na    vez na     ou mais
                              consome    semana    semana    na semana

Grupo dos cereais                   5        13         7           43
Grupo de leguminosas                8        15         7           38
Grupo de frutas,                   17        28        13           10
  verduras e legumes
Grupo de leite e derivados         16        16         9           27
Grupo de industrializados           9        35        15            9
Grupo de carnes                     1        15         8           44
Grupo de visceras                  36        22         4            6

Tabela 3--Frequencia semanal de consumo alimentar de escolares.

                                          1 a 2     3 a 4     5 vezes
Alimentos                       Nao      vez na    vez na     ou mais
                              consome    semana    semana    na semana

Grupo dos cereais                   0         9         2           27
Grupo de leguminosas                1        10         4           23
Grupo de frutas,                   12        17        11            4
  verduras e legumes
Grupo de leite e derivados          9        13         8            8
Grupo de industrializados           4        20         8            6
Grupo de carnes                     2         9         5           22
Grupo de visceras                  20        18         0            0

Tabela 4--Distribuicao das variaveis socioeconomicas de acordo com
a fase da vida com a fase da vida

                                            Pre escolares

Variaveis                            Fi         Fri         %

Idade do responsavel (anos)
< 18                                   4     0,0588235     5,88
19 a 59                               64     0,9411764    94,12

Grau de parentesco com a crianca
Pai/Mae                               63     0,9264705    92,65
Irmao/Irma                             2     0,0294117     2,94
Outro parente                          3     0,0441176     4,41

Escolaridade
Nao alfabetizado                       4     0,0588235     5,88
Ensino fundamental incompleto         17          0,25       25
Ensino fundamental completo           26     0,3823529    38,23
Ensino medio completo                 19     0,2794117    27,94
Ensino superior completo               2     0,0294117     2,94

Situacao no mercado de trabalho
Desempregado                          41     0,6029411    60,29
Autonomo                              10     0,1470588    14,70
Empregado/Aposentado                  17          0,25       25

Estado civil
Solteiro/Divorciado                   14     0,2058823    20,59
Casado                                46     0,6764705    67,65
Outro                                  8      0,117647    11,76

Saneamento basico
Sim                                   53     0,7794117    77,94
Nao                                   11     0,1617647    16,18
Nao sabe responder                     4     0,0588235     5,88

                                            Escolares

Variaveis                            Fi         Fri         %

Idade do responsavel (anos)
< 18                                   2     0,0526315     5,26
19 a 59                               36     0,9473684    94,74

Grau de parentesco com a crianca
Pai/Mae                               34     0,8947368    89,47
Irmao/Irma                             1     0,0263157     2,63
Outro parente                          3     0,0789473     7,89

Escolaridade
Nao alfabetizado                       6     0,1578947    15,79
Ensino fundamental incompleto         12     0,3157894    31,58
Ensino fundamental completo           15     0,3947368    39,47
Ensino medio completo                  5     0,1315789    13,16
Ensino superior completo               0             0        0

Situacao no mercado de trabalho
Desempregado                          23     0,6052631    60,53
Autonomo                               4     0,1052631    10,53
Empregado/Aposentado                  11     0,2894736    28,95

Estado civil
Solteiro/Divorciado                    9     0,2368421    23,68
Casado                                27     0,7105263    71,05
Outro                                  2     0,0526315     5,26

Saneamento basico
Sim                                   34     0,8947368    89,47
Nao                                    4     0,1052631    10,53
Nao sabe responder                     0             0        0

Legenda: Fi = frequencia absoluta, Fri = frequencia relativa,
% = razao centesimal.
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Melo, Katiene da Silva; da Silva, Kleres Luciana Gomes Dias; dos Santos, Milena Maia Dantas
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Date:Dec 30, 2018
Words:5742
Previous Article:Prevalence of risk behavior for binge eating in teenagers from a private college in Sao Luis-MA/PREVALENCIA DE COMPORTAMENTO DE RISCO PARA COMPULSAO...
Next Article:Evaluation of the nutritional state of employee of feeding units of the Sao Francisco Valley/AVALIACAO DO ESTADO NUTRICIONAL DE FUNCIONARIOS DE...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters