Printer Friendly

The Best Peace Offer/A Melhor Oferta de Paz: Leilao Beneficente de trabalho dos alunos.

Introducao

Uma indagacao que sempre surge entre os alunos quando estamos estudando alguma obra de arte, principalmente as mais modernas, e: "Professora, por que esta obra vale tanto? Meus desenhos sao menos borrados que os de Munch ou Chagall! ". Faze-los entender que a historia por tras da obra e parte integrante deste valor, e sempre um desafio.

Foi dentro deste contexto, que a ideia da insercao de um leilao dentro do ambiente escolar, foi elaborada. Mas nao desejavamos apenas que os alunos vivenciassem o ambiente de um leilao mas tambem que agregassem conhecimento para ampliarem seu repertorio cultural.

Sendo assim, elaboramos um projeto em seis etapas. Sao elas: Primeiro -Quanto vale essa obra? Segundo--Quem foi Ema Klabin? Terceiro--O que foram as vanguardas? Quarto--Vamos fazer arte? Quinto--Como montar um leilao e Sexto--Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe tres! Vendido!

Quando trabalhamos com educacao, temos a conviccao de que a aprendizagem significativa e a forma mais eficaz para adquirir conhecimento e acreditamos que cada etapa vale a pena.

Etapa 1--Quanto vale essa arte?

Excelentes livros de historia da arte como os de E.H.Gombrich e Robert Hughes sempre foram fontes norteadoras para um professor de arte e nao foi diferente para nos. Porem quando Will Gompertz, editor de arte da BBC lancou em 2012 a primeira edicao de seu livro "Isso e arte?", pudemos conferir um olhar mais informal e bem humorado sobre as historias por tras da obra. Informalidade e bom humor sao caracteristicas muito apreciadas pelos alunos da educacao basica, principalmente no Brasil. Sendo assim, a leitura nos cativou e mais que isso, proliferou ideias!

Durante sete anos Will Gompertz foi diretor do Tate Gallery. Fazia parte de seu trabalho visitar grandes museus do mundo todo em busca de colecoes menos conhecidas. Visitou atelies de artistas, examinou colecoes particulares, e participou de diversos leiloes milionarios. Em sua humildade afirma que comecou este trabalho nao sabendo nada e terminou "sabendo alguma coisa".

Logo na introducao, ele aborda o valor monetario das obras de arte, citando como exemplo um trabalho de Carl Andre, artista minimalista que vendeu ao Tate a obra Equivalente VIII,1966, composta de 120 tijolos refratarios empilhados, que custaram 2 mil libras. Partindo deste fato Gompetz explica por qual razao esta aquisicao do Tate nao significou, em hipotese alguma, esbanjar dinheiro publico, embora qualquer pessoa fosse capaz de empilhar tijolos. E partindo deste fato, de forma bastante informal, ele vai contando as historias por tras das obras e explicando que a arte e o investimento mais seguro dos ricos mais recentes. Porque enquanto as bolsas de valores oscilam, a arte moderna se mantem em ascensao assim como seus investidores, afinal, nao ha "Liquidacoes de Monet's", nem "Desvalorizacao de um Picasso".

Entendido isso, os alunos ja estavam motivados a ir em busca do "mapa do tesouro" de cada obra de arte.

Para agucar mais a curiosidade dos alunos, selecionamos algumas cenas do filme "O melhor lance" do diretor Giuseppe Tornatore, cuja trama se passa em torno de um leiloeiro e o seu poder de seduzir, ou nao, os compradores diante de uma obra em leilao.

Com estas referencias, sobre o universo dos leiloes de arte, partimos para a etapa seguinte.

Etapa 2--Quem foi Ema Klabin?

Filha de imigrantes lituanos de origem judaica, vindos para o Brasil na ultima decada do seculo 19, Ema Gordon Klabin nasceu no Rio de Janeiro em 1907. Desde pequena, foi educada entre o Brasil e a Europa. Morou na Alemanha e na Suica durante a Primeira Guerra Mundial. Quando voltou ao Brasil, em meados da decada de 1940, assumiu a empresa da familia depois do falecimento do pai, Hessel Klabin, empresario que se destacou no desenvolvimento da industria do papel e da celulose no pais.

Ema teve participacao em inumeras atividades filantropicas e assistenciais, e na cena cultural, teve importante papel nos conselhos de instituicoes como a Fundacao Bienal de Sao Paulo e Masp, e o Museu de Arte Moderna (MAM), alem de atuar na promocao de artistas.

No final dos anos 1940, ela passou a adquirir importantes obras de arte em leiloes e galerias europeias e americanas, alem de comprar diversas pecas de outros colecionadores brasileiros e de diplomatas estrangeiros que estavam de passagem pelo Brasil. Foi a partir desse processo que Ema deu inicio ao sonho de construir uma residencia onde pudesse organizar e apresentar esse acervo ao publico.

Entre 1961 a 1994, Ema morou na casa que mandou construir para acolher seu acervo de obras de arte e apos sua morte foi transformado na Casa-Museu Ema Klabin. A casa conta com obras de Frans Post, Marc Chagall, modernistas brasileiros como Portinari, Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti, alem de 1.600 pecas de decoracao de varias partes do mundo e um jardim, projetado por Burle Marx.

Levamos os alunos para conhecer a Fundacao Ema Klabin e um excelente trabalho de monitoria foi feito para que os alunos pudessem conhecer a casa-museu, entender o percurso tracado pelas obras de arte (do contexto em que foram criados a inclusao no acervo da Fundacao Ema Klabin) e com isso perceber o valor deste projeto (Figura 1).

Etapa 3--O que foram as vanguardas?

Apos a visita, os alunos passaram a pesquisar a producao artistica do inicio do seculo XX, periodo em que a familia Klabin mudou-se para o Brasil. Logo perceberam que as vanguardas europeias eram muito diversificadas em sua producao e mais, identificaram grande influencia delas na producao dos modernistas brasileiros, cujas obras faziam parte do acervo da Fundacao Ema Klabin, tais como Portinari, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral e Pancetti.

Desta pesquisa, selecionaram cinco movimentos de vanguarda: Cubismo, Expressionismo, Futurismo, Concretismo e tambem a producao da Escola Bauhaus. Esta escolha foi feita pelos alunos, baseado na pesquisa sobre as caracteristicas de cada movimento.

Divididos em 5 grupos, cada grupo pesquisou durante 3 aulas o movimento escolhido, bem como os artistas e suas producoes.

Etapa 4--Vamos fazer arte?

Nesta etapa do trabalho propusemos aos alunos que produzissem um trabalho autoral, inspirado na obra do artista do movimento estudado para que este trabalho participasse de um leilao dentro do colegio. Toda a comunidade mackenzista estaria convidada (alunos, pais, funcionarios e professores).

Uma vez dominado o conteudo sobre um movimento de vanguarda os alunos passaram a selecionar obras de arte que inspirasse a producao de seu trabalho coletivo.

Esta foi uma etapa bem protagonista, onde os alunos tiveram liberdade para escolher suas referencias, depois da escolha tinham apenas que nos apresentar os argumentos que levaram a esta escolha e tambem o projeto do que seria produzido para o leilao.

O grupo do cubismo justificou sua escolha, principalmente pela posicao contraria a guerra com obras como Guernica. Porem inspiraram-se nas naturezas-mortas de Picasso e Braque e optaram por fazer uma pintura de acrilica sobre tela com intervencoes de barbante ao inves das colagens do cubismo sintetico (Figura 2).

O grupo do Expressionismo justificou sua escolha a partir das obras de Paul Klee por ter perdido amigos na guerra (Macke e Marc), por ignora-la por um tempo e pelo fato de buscar na musica inspiracao em momentos tao dificeis. Escolheram trabalhar acrilica sobre duas telas, explorando formas geometricas com estudo de cor e tonalidades, construindo quase que a montagem de um brinquedo de blocos.

O grupo do Futurismo ficou muito impactado com o manifesto futurista de Thomazzo Filippo Marinetti e a sugestao de que as maquinas eram mais bonitas que a Vitoria de Samotracia! Encontraram na producao de Umberto Boccioni -- Formas unicas de continuidade no espaco, a inspiracao para um trabalho explorando a colagem de materiais de tecnologia digital para o seculo 21 numa analogia a exaltacao dos metais explorados no seculo 20 pelo artista, (Figura 3).

O grupo do Concretismo, deixou-se encantar pelos cartazes do concretismo russo, mas aprofundando na pesquisa das obras, voltaram-se para a arte concreta de Waldemar Cordeiro e principalmente Luiz Sacilotto, artista brasileiro ainda em producao. Eles tambem escolheram trabalhar com acrilica porem optaram pelo papelao como suporte, mas explorando linhas retas com moldes de fita crepe (Figura 4).

O grupo que escolheu a Escola Bauhaus, encantou-se pela producao das cadeiras de Mondrian e decidiram trabalhar os quadros de Mondrian sobre duas cadeiras velhas, mas de formas bem geometricas como mostra a Figura 5.

Ao final de um periodo de aproximadamente 1 mes, que corresponde na grade escolar a 4 aulas em atelie e 4 aulas pesquisando, os alunos estavam com seus trabalhos concluidos como mostram a Figuras 6 e a Figura 7.

Etapa 5--Como montar um leilao

Apos a producao das obras, criamos um folder, explicando a proposta do trabalho desenvolvido, inserimos uma imagem de cada obra com pequeno texto explicativo e a dimensao de cada trabalho em carater informativo ao mesmo tempo que convidamos toda a comunidade para comparecer ao evento.

Tambem decidimos que o valor arrecadado no leilao seria doado a uma comunidade carente visto que todo ano o Mackenzie desenvolve um belo trabalho de voluntariado ajudando diversas instituicoes.

Elaboramos uma programacao onde primeiramente apresentamos aos convidados o processo desenvolvido no projeto que chamamos de "A melhor oferta de paz". Em seguida um representante do grupo explicou a escolha da vanguarda estudada e outro apresentou a relacao entre o estudo e a obra produzida pelo grupo, outros dois participantes seguraram a obra com todo o cuidado, usando inclusive luvas brancas e um outro participante do grupo conduzia o leilao. E assim, sucessivamente, cada grupo apresentou seu trabalho (Figura 8, Figura 9 e Figura 10).

Etapa 6--Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe tres. Vendido!

A primeira obra a ser leiloada teve alguns lances timidos, mas por fim foi arrematada por um valor quase simbolico, porem na segunda obra o publico foi se apropriando do leilao e a cada obra apresentada lances maiores foram sendo dados.

Ao final todas as obras foram leiloadas e os "felizardos compradores" poderiam retirar a obra arrematada diante do pagamento do lance dado.

Conclusao

E evidente que nem tudo saiu como planejamos, e infelizmente, duas das obras leiloadas nao foram retiradas. Talvez porque seus compradores tenham se empolgado no momento do leilao, mas se arrependeram de ter dado lances tao altos depois. Porem, como a ideia era levantar um valor para doacao a uma instituicao carente, a escola telefonou para os compradores e negociou um valor razoavel. O que nos deixou muito satisfeitos, afinal ate nas grandes casas de leiloes, desistir de arrematar uma peca apos dar um lance final, esporadicamente acontece, entao podemos dizer que os alunos experimentaram as alegrias e tristezas desta experiencia.

Apos este evento, a escola recebeu muitos elogios dos pais pela iniciativa, pois puderam comprovar que os alunos desenvolveram uma pesquisa significativa, tinham dominio do conteudo estudado, envolveram-se com um projeto empreendedor de qualidade nao apenas para a instituicao beneficiada mas tambem para eles proprios.

Referencias

Brasil, Ministerio da Esducacao (s/d) Base Nacional Comum Curricular: Educacao e a base. Disponivel em URL: http:// basenacionalcomum.mec.gov.br/images/ BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Fundacao Ema Klabin (s/d) URL: https:// emaklabin.org.br/

Gompertz, Will. (2012). Isso e arte? Rio de Janeiro: ZAHAR. Pag.11-17

Gombrich, E.H. (2001). "A historia da Arte" Rio de Janeiro:LTC. Pag.411-429

RUTH BLAUD POMAR *

Artigo completo submetido a 22 de abril de 2019 e aprovado a 15 de maio de 2019

* Brasil, Professor de Arte para Fundamental II e Ensino Medio.

AFILIACAO: Instituto Presbiteriano Mackenzie--SP. Rua Itambe 135 Higienopolis cep:01239-001 Sao Paulo-SP Brasil. E-mail: ruth.pomar@mackenzie.br

Caption: Figura 1 * Visita dos alunos do Mackenzie a Fundacao Ema KlabinSao Paulo, 2015 Fonte: propria.

Caption: Figura 2 * Grupo do Cubismo produzindo sua obra de arte--Sao Paulo, 2015 Fonte: propria.

Caption: Figura 3 * Grupo do Futurismo produzindo sua obra de arte -Sao Paulo, 2015 Fonte: propria.

Caption: Figura 4 * Grupo do Concretismo produzindo sua obra de arte -Sao Paulo, 2015 Fonte: propria.

Caption: Figura 5 * Grupo da Escola Bauhaus produzindo sua obra de arte -Sao Paulo, 2015 Fonte: propria.

Caption: Figura 6 * Futurismo (sucata tecnologica sobre placa de madeira, pintada com spray)

Caption: Figura 7 * Escola Bauhaus (acrilica sobre cadeiras velhas de madeira e tecido) Fonte: propria

Caption: Figura 8 * (Grupo Concretista apresentando sua obra e as referencias com Luiz Scaciloto)

Caption: Figura 9 * (Grupo Expressionista apresentando sua obra para ser leiloada)

Caption: Figura 10 * Final da Apresentacao, toda a turma que participou do projeto. Fonte: propria
COPYRIGHT 2019 Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Original articles/Artigos originais
Author:Pomar, Ruth Blaud
Publication:Materia-Prima
Date:May 1, 2019
Words:2054
Previous Article:The pedagogical eros and the education in the visual arts: notes in the philosophy of education/ O eros pedagogico e a educacao em artes visuais:...
Next Article:Storytelling at stake: poetic data as power/ Contacao de historias em jogo: dados poeticos como potencia.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters