Printer Friendly

THE TRANSACTION COST THEORY IN STRATEGY RESEARCH IN BRAZIL/ A TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSACAO NAS PESQUISAS DE ESTRATEGIA NO BRASIL/ LA TEORIA DE LOS COSTES DE TRANSACCION EN LAS INVESTIGACIONES DE ESTRATEGIA EN BRASIL.

1 INTRODUCAO

A Teoria dos Custos de Transacao (TCT) teve a sua origem em estudos desenvolvidos entre as decadas de 1930 e 1960 (Maranho, Abib, & Fonseca, 2013), sendo Commons (1931), Coase (1937) e, anos mais tarde, Williamson (1981, 1985, 1989, 1991), os autores que ofereceram as principais bases argumentativas para o desenvolvimento desta teoria. A principal hipotese da TCT e que as estruturas de gestao devem estar alinhadas as transacoes, tendo em vista a minimizacao dos custos de transacao (Williamson, 1994). Sendo assim, o surgimento de organizacoes voltadas para a gestao e a coordenacao das transacoes decorrem do objetivo, por parte dos agentes envolvidos, de reduzir os custos associados a essas transacoes. Ou seja, busca-se criar estruturas de gestao (governance structures) apropriadas, compreendidas como estruturas contratuais nas quais a transacao e realizada. Constituem exemplos de estruturas de gestao distintas, as relacoes de compra e venda simples (mercado), as organizacoes internas as firmas e as formas mistas (Britto, 1994).

A TCT, ate os dias atuais, permanece como uma importante abordagem para o entendimento de diversas questoes sobre empresas e estrategias organizacionais. Quando essa teoria e comparada com outras teorias economicas, percebe-se algumas diferencas relevantes para a compreensao da dinamica das organizacoes. Nesse sentido, o seu arcabouco teorico e mais microanalitico e consciente dos pressupostos comportamentais; introduz o conceito de especificidade de ativos; baseia-se em uma analise institucional comparativa; considera a empresa como uma estrutura de governanca e nao apenas como uma unidade de producao; destaca as instituicoes ex post dos contratos; e, por fim, desenvolve-se como uma combinacao entre as perspectivas do direito, da economia e da administracao (Williamson, 1989; Maranho, Abib, & Fonseca, 2013).

Em paralelo, a estrategia das organizacoes e uma area de estudo que contempla diversas linhas de pensamento, teorias, estudos e autores, tais como a Estrategia Competitiva de Porter, as Estruturas Organizacionais de Mintzberg, a Visao Baseada em Recursos de Barney, a relacao entre estrategia e estrutura proposta por Chandler, a Teoria Institucional de Oliver, a Teoria da Contingencia de Donaldson, a Teoria dos Custos de Transacao de Williamson, a Teoria dos Stakeholders de Freeman, apenas para citar alguns exemplos (Maranho, Abib, & Fonseca, 2013). Nesse contexto, a TCT, de acordo com Maranho, Abib e Fonseca (2013), e uma teoria que merece destaque no campo da estrategia organizacional, uma vez que analisa a influencia dos custos de transacao nos direcionamentos da empresa e investiga os arranjos estruturais capazes de melhorar o seu desempenho.

E possivel notar que a TCT constitui uma importante teoria na area da estrategia, de forma que um numero significativo de trabalhos relacionados a esse tema tem sido publicado nos ultimos anos. Neste contexto, sao suscitadas as seguintes questoes que norteiam a realizacao desta investigacao: que tipo de estudos sao realizados sobre a TCT no Brasil? Quais sao as principais tematicas analisadas? Como decorrencia dessas questoes de pesquisa, este trabalho tem como objetivo mapear o que foi desenvolvido sobre a TCT na area de estrategia organizacional, a partir da literatura academica brasileira da area de administracao. Embora ja existam publicacoes com tematica semelhante (e.g. Maranho, Abib, & Fonseca, 2013; Andrade, Barbosa, & Santos, 2015), a realizacao desta pesquisa se justifica por trazer categorias distintas das ja apuradas em estudos anteriores, encontrando novos resultados sobre a producao brasileira que ampliam o conhecimento sobre a TCT.

A pesquisa desenvolvida tem carater bibliografico e foi realizada por meio da analise bibliometrica de publicacoes em periodicos nacionais de Administracao, com classificacao Qualis B2 ou superior. A intencao deste trabalho e contribuir com um mapeamento que de suporte aos pesquisadores interessados em se aprofundar na relacao existente entre os custos de transacao e a estrategia organizacional. Alem desta introducao, este artigo apresenta o referencial teorico do tema, em que sao revisados aspectos e conceitos relativos a TCT, o metodo, a apresentacao dos resultados e a discussao dos achados obtidos, seguidos das consideracoes finais.

2 ARCABOUCO TEORICO

Por que as firmas existem e por que se diferem em termos de tamanhos, formas e fronteiras? Uma questao simples que remete aos primordios dos estudos organizacionais. Assim, inicia-se a reflexao sobre a Teoria dos Custos de Transacao. Na abordagem institucionalista das firmas e dos mercados ligada a teoria dos custos de transacao desenvolvida, ainda que nao exclusivamente, por Williamson (1985), a busca de maior eficiencia produtiva reflete-se nos padroes de conduta dos agentes e na forma pela qual as atividades economicas sao gerenciadas. Tal abordagem postula que estruturas organizacionais, tais como firma, mercado e redes, sao o resultado da busca pela minimizacao dos custos por parte dos agentes economicos (Ponde, Fagundes, & Possas; 1997).

Dessa forma, os custos de transacao podem ser entendidos como o dispendio de recursos economicos para planejar, adaptar e monitorar as interacoes entre os agentes, garantindo que o cumprimento dos termos contratuais se faca de maneira satisfatoria para as partes envolvidas e compativel com a sua funcionalidade economica. Dessa forma, os custos de transacao representam os custos para realizacao dos negocios (Fagundes, 1997) e sao, em geral, dificeis de quantificar (Williamson, 1985).

Sao dois os pressupostos comportamentais que sustentam a teoria dos custos de transacao: (i) a racionalidade limitada dos agentes economicos; e (ii) o oportunismo presente nas acoes dos agentes economicos. A racionalidade limitada indica que, mesmo o individuo sendo racional e buscando a maximizacao da satisfacao e dos lucros, ele e limitado pela falta de informacao, de maneira que ao inves desse individuo tomar uma decisao otima, adota a melhor decisao possivel, dada a limitacao do seu conhecimento (Saes, 2009). Nessa perspectiva, todos os contratos complexos sao inevitavelmente incompletos, devido a racionalidade limitada dos agentes que os elaboram (Williamson, 1993).

Quanto ao oportunismo, Williamson (1985, p. 47) descreve como "[...]a busca do interesse proprio com malicia[...]", decorre da manipulacao de assimetrias de informacao, visando apropriacao de fluxos de lucros (Fiani, 2002), e pode ocorrer ex ante ou ex post de uma transacao (Williamson, 1985). Isso porque a presenca dessas assimetrias da margem a acoes oportunistas devido ao fato de os agentes possuirem informacoes privilegiadas e as utilizarem em beneficio proprio (Saes, 2009). Zylbersztajn (1995) ressalta que isso ocorre nao porque todos os individuos agem de forma oportunista: mas basta que alguem aja dessa maneira para que os contratos fiquem expostos. Com isso, tem-se a necessidade de acoes de monitoramento ou a inclusao de salvaguardas contratuais como um modo de restringir comportamentos e associacoes a revelacao incompleta ou distorcida da informacao, especialmente aos esforcos calculados de enganar, distorcer, disfarcar, ofuscar ou confundir os agentes (Zylbersztajn, 1995).

Visto o contexto, a estrutura de governanca e fundamental quando esta relacionada aos estudos na area de estrategia. A principal implicacao da TCT para as estruturas de governanca reflete a escolha de que a estrutura mais vantajosa, ou seja, aquela que ira minimizar os custos das transacoes, tendo em vista as caracteristicas das proprias transacoes. Williamson (1994) aponta que alinhar as transacoes (que se diferenciam em relacao a seus atributos) com as estruturas de governanca (que se diferenciam em relacao a seus custos e competencias) e uma importante hipotese da TCT. Para o autor, uma estrategia adotada pela firma dificilmente se consolidara quando houver sobrecarga de custos de producao, de distribuicao ou de organizacao.

De um modo geral, a TCT dedica-se a compreender as transacoes economicas e explora as vantagens contingentes dos arranjos organizacionais, buscando responder, por exemplo, porque algumas transacoes sao internas e outras externas as organizacoes. O foco esta nos custos para conduzir as transacoes no mercado e nos mecanismos existentes para reduzir tais custos (Coase, 1937; Williamson, 1991). Assim, ao alocar recursos para alcancar objetivos estabelecidos conforme determinada estrutura de governanca, as organizacoes podem conduzir sua estrategia a partir da perspectiva da TCT (Maranho, Abib, & Fonseca, 2013).

Trabalhos recentes tem se dedicado a abordar a TCT sob diferentes enfoques em diferentes contextos. Alvarenga, Toledo e Paulillo (2014) averiguaram as estruturas de governanca existentes entre os agentes da cadeia produtiva dos vegetais minimamente processados, buscando evidenciar aquelas estruturas que minimizam os impactos negativos para a qualidade e seguranca desses vegetais, explorando os atributos das transacoes e as especificidades dos ativos entre estes agentes.

Leite e Castro (2014), a seu turno, analisaram o movimento de crescimento e estruturacao das empresas no setor eletrico brasileiro, enquanto Scarton, Winck e Leonardi (2011) tentaram avancar na interpretacao do fenomeno das redes abarcando aspectos relacionados a ECT e debatendo o fator confianca na formacao de uma rede e nas relacoes dentro dela. Vieira, Yoshizaki e Ho (2009) examinam e buscam quantificar o impacto dos elementos de colaboracao no desempenho logistico e nos custos de transacao e, adicionalmente, avaliar os elementos mais importantes sob a otica dos representantes da industria.

Em outra frente de analise, Gois, Borges e Souza (2012) debateram sobre a abordagem das estruturas estritamente coordenadas (Zylbersztajn & Farina, 1999), considerando as supply chains alimenticias como uma extensao do nexo de contratos proposto na TCT. Analisando o setor de supermercados, Leite, Zanella, Serra, Marco e Tomaselli (2010) avaliam a competitividade sob o prisma da TCT.

Toledo e Mello (2013), por meio de um ensaio teorico, avaliam o papel dos custos de transacao ao longo da cadeia de valor a partir da visao porteriana, com o intuito de sugerir uma estrutura conceitual que relaciona as visoes da firma como um conjunto de atividades ligadas por elos e como um nexo de transacoes e custos que acarretam em perda de valor. Tambem por meio de ensaio teorico, Abbade (2009) e Abbade (2010) apresentam uma discussao enfocada no risco da ocorrencia de comportamentos oportunistas e, por conseguinte, no aumento dos custos de transacao. No primeiro estudo, de 2009, o autor traz a baila as influencias das trocas de informacao e da aprendizagem interorganizacional no risco de oportunismo e custos de transacao associados as relacoes de cooperacao interorganizacional. No segundo estudo, de 2010, Abbade volta-se aos possiveis resultados oriundos das estruturas de cooperacao interorganizacional no que se refere a troca de conhecimento e aprendizagem.

Ferreira (2011) investiga a importancia da Distancia Cultural no processo de internacionalizacao das empresas sob a otica da TCT e da teoria das capacidades organizacionais, propondo, ao final, um modelo para guiar a tomada de decisao.

Augusto, Souza e Cario (2014), por sua vez, buscaram compreender como os pressupostos teoricos do nivel microanalitico da Nova Economia Institucional (NEI) podem ser considerados na assimilacao dos limites da firma. Os autores consideraram, para isso, a Economia dos Custos de Transacao (ECT) e a Economia dos Custos de Mensuracao (ECM), associados a Visao Baseada em Recursos (VBR). Enquanto, Lazzari, Sarate, Goncalves e Vieira (2015) tiveram como foco do seu artigo a complementaridade entre TCT e a VBR.

3 METODO

3.1 Procedimentos da coleta de dados

Para a consecucao do objetivo proposto neste artigo, optou-se pela realizacao de uma pesquisa documental e utilizacao da analise bibliometrica. Para tanto, inicialmente foi obtida, por meio do banco de dados online WebQualis da Capes, a lista de periodicos brasileiros pertencentes aos estratos A1, A2, B1 e B2. Esses periodicos, representam a classificacao superior do Qualis da Capes e, portanto, possuem maior relevancia cientifica, dentre os artigos nacionais.

A partir da lista de periodicos, o momento posterior consistiu em entrar na pagina de cada uma dessas revistas para iniciar a busca dos artigos enquadrados no escopo deste trabalho. Nesse levantamento, foram pesquisados artigos que continham, no titulo, resumo ou palavras-chave os termos "Teoria dos Custos de Transacao", "Economia dos Custos de Transacao", "TCT", "ECT" e "Custo(s) de Transacao", bem como os seus respectivos em ingles. Convem destacar que nao foi estabelecido um limite temporal para os artigos levantados em pesquisa conduzida em 2015, de forma que o resultado dessa primeira busca apontou um total de 68 artigos.

Apos esse levantamento, o proximo passo compreendeu a identificacao de quais artigos poderiam ser enquadrados no campo da estrategia organizacional. Para isso, a luz da literatura de estrategia, foram selecionados os termos "estrategia", "competitividade", e "desempenho", em portugues e tambem a sua denominacao em ingles. Os 68 trabalhos da amostra inicial passaram entao por uma leitura critica, para identificacao desses termos no titulo, resumo ou palavras-chave. Como resultado, obteve-se 30 estudos brasileiros que traziam a tematica da TCT com o foco na disciplina de estrategia organizacional, sendo esse o material selecionado como amostra final para este estudo e objeto da analise bibliometrica. A Figura 1 apresenta um resumo dos passos metodologicos para levantamento dos artigos.

3.2 Procedimentos de analise de dados

De posse dos artigos, foi utilizado o software Microsoft Excel para compilar as informacoes relacionadas aos campos selecionados para analise, que podem ser classificados nos seguintes grupos:

a) Informacoes sobre a fonte do artigo: identificacao da revista, classificacao QualisCapes, ano da publicacao, titulo do artigo;

b) Temas envolvidos no artigo: palavras-chave (agrupadas por frequencia, nuvem de palavras), resumo, teorias citadas ao longo do texto;

c) Trabalhos citados: as citacoes feitas por cada artigo foram contadas e agrupadas por frequencia;

d) Abordagem metodologica: os trabalhos foram classificados entre teoricos, quando nao havia coleta e/ou analise de dados, e em teoricoempiricos, quando havia a apresentacao e/ou analise de dados;

e) Recorte temporal: os trabalhos foram classificados como de recorte transversal, quando os dados foram coletados em apenas um momento no tempo, ou recorte longitudinal, quando foram conduzidas coletas de dados mais de uma vez ou durante um dado periodo de tempo;

f) Metodo de pesquisa: os trabalhos foram classificados em qualitativos, quantitativos, ou qualitativos-quantitativos, quando utilizaram ambos os metodos;

g) Tecnicas de analise de dados: estatistica descritiva, estatistica inferential (p.ex. modelagem de equacoes estruturais, regressao), analise de conteudo, e outros que fossem constatados. So foram compilados aqueles citados explicitamente nos trabalhos. Um mesmo artigo pode abranger mais de um tipo;

h) Origem dos dados: primarios, secundarios ou mista, quando os trabalhos utilizavam dados de ambos os tipos;

i) Fonte de coleta de dados: documentos, entrevistas, questionarios, observacao, e outros que fossem constatados. So foram compilados aqueles citados explicitamente nos trabalhos. Um mesmo artigo pode abranger mais de um tipo;

j) Niveis de pesquisa: exploratorio, descritivo ou explicativo/causal. So foram compilados aqueles citados explicitamente nos trabalhos.

Para o adequado levantamento das informacoes, todos os 30 artigos foram lidos na integra. Ademais, foram considerados apenas os aspectos explicitamente mencionados nos artigos. Parte destas caracteristicas sao semelhantes as avaliadas por Bertero, Vasconcelos e Blinder (2003), Rossoni, Guarido Filho, Francisconi e Albuquerque Filho (2010), Maranho, Abib e Fonseca (2013) e Pinto, Guerrazzi, Serra e Kniess (2016). Contudo, este trabalho, com o intuito de ampliar os achados sobre a TCT, adicionalmente averiguou tambem as teorias ou assuntos que aparecem em paralelo a TCT nos artigos analisados.

4 APRESENTACAO DOS RESULTADOS

4.1 Numero de artigos analisados por ano e por fonte

Para iniciar a exposicao dos resultados, faz-se mister apresentar as principais caracteristicas encontradas nos artigos selecionados. Na tabela 1, sao apresentadas informacoes relativas aos periodicos e ao ano de publicacao dos estudos. Percebeu-se certa dispersao entre as publicacoes: dos 22 periodicos, 7 publicaram mais de um artigo sobre o tema da TCT na area de estrategia, com destaque para a revista Gestao & Producao com cinco trabalhos, seguida da Revista Iberoamericana de Estrategia com tres trabalhos. Os periodicos Rausp, RAC, Cadernos Ebape.BR, Rege e RGO publicaram dois trabalhos cada um. Todos esses possuem concentracao editorial nos eixos Sul, Sudeste e Centro-Oeste do pais. Os demais periodicos publicaram apenas um artigo sobre a tematica.

Em termos de numero de trabalhos publicados por ano, notou-se uma homogeneidade ao longo dos anos abrangidos pela amostra, nao havendo periodos que se destacam em quantidade. Apesar de nao ter sido definido limite temporal para as buscas, nota-se que nao houve publicacoes, nos parametros de busca estabelecidos, nos anos anteriores a 1999 e no intervalo 2000-2002. Outra questao que chama a atencao e o fato de quase 37% dos artigos estarem concentrados em cinco revistas classificadas como Qualis Capes A2, o segundo estrato mais alto dessa classificacao, o que pode indicar a importancia dessas revistas para o campo de pesquisa da TCT. Complementarmente, essa lista de revistas pode auxiliar aqueles autores que buscam um periodico brasileiro para publicar seus artigos relacionados a tematica, ja que fornece um panorama geral daqueles que aceitaram trabalhos na area da TCT especificamente.

4.2 Aspectos metodologicos

Nesse momento busca-se explicitar os aspectos metodologicos dos trabalhos analisados, compilados na Tabela 2 e agregados em frequencias absoluta e percentual. Nesse sentido, percebe-se que ha um maior numero de trabalhos teorico-empiricos, representados por 56,7% dos artigos da amostra. Entretanto, a quantidade de trabalhos teoricos tambem se mostra bastante significativa, constituindo 43,3% dos artigos analisados. Dos 17 trabalhos empiricos, nota-se predominancia de estudos com recorte temporal transversal (94,1%), qualitativos (76,5%) e, portanto, que fizeram uso da analise de conteudo (52,9%). Quanto a origem dos dados, 82,3% fez uso de dados primarios e secundarios, tendo como principal fonte de coleta de dados as entrevistas (94,1%) e os documentos (82,3%). Em relacao ao nivel de pesquisa, a maior parte dos artigos e descritiva (64,7%).

A Tabela 2 e uma fotografia das 30 publicacoes em termos metodologicos. A partir dela e possivel perceber quais os caminhos sao mais utilizados pela literatura analisada. Notou-se que poucos trabalhos utilizam metodos quantitativos, que sao importantes para se obter resultados que possuam maior probabilidade de serem generalizados. Portanto, essa e uma lacuna que deve ser preenchida por estudos futuros: buscar analisar a TCT por meio de metodos quantitativos. Todavia, quatro trabalhos sao qualitativo-quantitativos, ou seja, estao apoiados em um metodo misto. Entende-se que o emprego de mais de um metodo de pesquisa, ou mesmo mais de uma fonte de coleta de dados, possibilita melhor compreensao acerca do problema de pesquisa proposto, permitindo a triangulacao metodologica e, por conseguinte, o aumento da validade dos achados da pesquisa (Tran, 2015). Portanto, e interessante que mais estudos facam uso da abordagem mista, visando aprimorar os resultados e favorecer a sua generalizacao.

Por outro lado, nota-se que ha apenas um estudo longitudinal. O reduzido numero de estudos longitudinais e a prevalencia de trabalhos de recorte transversal sao aspectos recorrentes no campo da Administracao de forma geral. Em se tratando da TCT e da evolucao do conhecimento na area de estrategia, nota-se a necessidade de que mais estudos longitudinais sejam realizados, visando evidenciar relacoes de causalidade que possam estar presentes nos contextos e relacoes analisados.

4.3 Analise tematica dos trabalhos

A fim de explicitar os principais temas abordados pelos trabalhos, foi compilada uma nuvem de palavras, elaborada a partir das palavras-chave dos 30 artigos analisados, como mostra a Figura 2. Essa forma de visualizacao fornece uma ideia visual imediata dos principais temas que sao relacionados nos estudos levantados (Francisco, 2011). Os termos que mais apareceram foram: custo de transacao, competitividade, estrategia, cadeia de valor e Visao Baseada em Recursos (RBV). Entretanto, e possivel perceber que os trabalhos perpassam grande variedade de objetos de pesquisa e locus, abrangendo desde cadeias de suprimento e terceirizacao, passando pela de agronegocio, ate a de elementos de governanca. Na discussao dos resultados voltamos a tratar dos achados dessa etapa.

4.4 Trabalhos citados

Com o intuito de averiguar quais as principais referencias bibliograficas utilizadas pelos autores brasileiros quando se trata da TCT, foi efetuado um levantamento das citacoes dos artigos da amostra. De acordo com Ferreira, Pinto e Serra (2014), as citacoes sao empregadas na literatura cientifica como forma de assentir a influencia, o valor e a utilidade do trabalho publicado, ainda que a citacao possa ser usada para sustentar um argumento, complementar um debate, assim como contrastar ou criticar ideias.

Dessa forma, o levantamento das publicacoes citadas pelos 30 artigos evidenciou a presenca de 741 titulos diferentes e 1.094 trabalhos citados no total. A maior parte dos estudos referenciados e de origem estrangeira e, destes, alguns sao considerados classicos da Teoria Organizacional, conforme a tematica que abordam. Dentre os doze trabalhos mais citados, dois sao brasileiros: o livro de Farina, Azevedo e Saes (1997) e a tese de doutorado de Zylbersztajn (1995).

O livro de Williamson publicado em 1985, The economic institution of capitalism, foi o trabalho mais referenciado, com 23 citacoes, ou seja, a obra foi citada em 77% dos artigos analisados. Esse autor possui ainda outros tres trabalhos muito citados, os de 1975, 1996 e 1991, o que reforca sua permanencia e centralidade nos estudos da tematica ao longo dos ultimos anos.

Nota-se que dois trabalhos possuem mais de 20 citacoes (Williamson, 1985 e Coase, 1937), cinco trabalhos possuem entre 10 e 20 citacoes e seis trabalhos possuem entre seis e nove citacoes. Entretanto, a maioria (593 trabalhos) foi citada apenas uma vez. A partir desse resultado, e possivel concluir que, apesar de alguns poucos trabalhos centrais serem utilizados com maior frequencia, ha grande variedade teorica sendo empregada na literatura brasileira da area de estrategia. A Tabela 3 apresenta a ordenacao das referencias que mais aparecem nas obras analisadas.

5 DISCUSSAO DOS RESULTADOS

Entre os resultados encontrados tem-se a dispersao das revistas que publicam sobre a TCT: dos 30 artigos, 22 foram publicados em periodicos distintos. Por outro lado, entende-se que ha um numero significativo de revistas publicando sobre a tematica no Brasil, o que reforca a importancia da TCT para a area de estrategia. Complementarmente, percebe-se que os artigos estao agrupados em tres grupos de revistas, segundo a classificacao Qualis-Capes: 36,7% foram publicados em revistas A2, 26,7% publicados em revista B1 e 36,7% publicados em revistas B2.

A partir da analise das palavras-chave dos artigos, dos resumos e conclusoes (adicional a nuvem de palavras--Figura 2), foi conduzido um levantamento dos assuntos que mais estao relacionados a TCT. Nessa apuracao, destacaram-se os termos: alianca estrategica, aprendizagem organizacional, Teoria da Dependencia de Recursos, redes, Visao Baseada em Recursos (VBR), Teoria da Firma e Teoria da Nova Economia Institucional.

Esse resultado evidencia a multiplicidade de abordagens para a discussao do tema, o que reforca o carater dinamico da area (Oliveira, Sacomano Neto, & Boaventura, 2016). Alem disso, o resultado reafirma a pluralidade do tema estrategia organizacional, o que esta alinhado com a discussao apresentada por Maranho, Abib e Fonseca (2013). Para os autores, o campo da estrategia e plural em suas origens e ramificacoes, o que oferece a base para a construcao do conhecimento apoiado em diferentes perspectivas. Assim, o dialogo entre a TCT e outros temas relacionados a estrategia, aparenta ser uma consequencia da riqueza do campo.

Entre os achados, estao a aproximacao de duas correntes teoricas importantes para os estudos organizacionais: a TCT e a VBR. Isso corrobora o argumento ja evidenciado por Augusto e Souza (2010), Campos (2013) e Augusto, Souza e Cario (2013) de que e viavel uma aproximacao da TCT e da VBR no campo da estrategia para a melhor compreensao de um desempenho superior por parte da firma. O estudo realizado por Cardenas e Lopes (2006) tambem reforca a aproximacao dessas duas abordagens. Esses autores constataram que um arcabouco teorico formado por elementos da TCT e da VBR possibilita contribuicoes significativas a compreensao das causas que levam as empresas a cooperarem entre si.

Para a VBR, recursos estrategicos explicam a diferenciacao entre empresas e a vantagem de algumas sobre outras em termos de desempenho, tendo como base a heterogeneidade organizacional (Carvalho, Prevot, & Machado, 2014). Tentar entender por que algumas empresas tem desempenho superior e um dos fundamentos dessa abordagem. Admite-se, a partir da VBR, que nem todos os recursos da organizacao sao necessariamente estrategicos. A condicao estrategica e atingida quando os recursos passam a ser portadores de diferenciais qualitativos positivos em relacao ao uso dos concorrentes (Blume, 2008). Ou seja, o desempenho superior e atingido quando os recursos sao arranjados e organizados pelas competencias e capacidades desenvolvidas pelos gestores, transformando-os em ativos especificos (Grant, 1991). Essa capacidade de manter o recurso faz com que algumas organizacoes desempenhem suas acoes de maneira mais eficiente do que seus concorrentes (Carvalho, Prevot & Machado, 2014).

Augusto e Souza (2010) e Campos (2013) investigaram a aproximacao dessas duas teorias em ensaios teoricos. Os primeiros focaram em compreender como aspectos da VBR e da TCT podem explicar como e porque as organizacoes escolhem determinadas estruturas de governanca para realizar suas transacoes. Os resultados demonstraram que os recursos internos diferenciados, estudados pela VBR, fornecem as bases para a escolha adequada da estrutura de governanca a ser utilizada pela empresa, objeto de interesse da TCT, ao passo que as estruturas de governanca sao escolhidas com o intuito de obter e sustentar vantagens competitivas a partir desses recursos. Com isso, os autores concluiram que uma visao complementar da TCT com a VBR e capaz de abarcar os aspectos relacionados as escolhas da firma, minimizando as lacunas individuais dessas duas abordagens em termos de analise estrategica (Augusto & Souza, 2010).

Campos (2013), por sua vez, buscou compreender o comportamento organizacional a partir da TCT e da VBR por entender que ambas oferecem um quadro analitico conceitual capaz de explicar as diferencas entre as firmas e os fatores que determinam o sucesso em um mercado competitivo. Para a autora, a articulacao entre a TCT e a VBR sugere que a firma possa ser vista como um conjunto de capacidades (conhecimentos e habilidades) que determina o que ela e capaz de fazer e permite o desenvolvimento de ativos especificos. Admitindo que a firma e capaz de adquirir novos conhecimentos (recursos) e mudar, conforme seu interesse, sua estrutura de governanca, ela cria a capacidade de se modificar continuamente, o que garante a especificidade dos seus ativos ao longo do tempo, obtendo, assim, vantagem competitiva. A autora ressalta que, embora sejam complementares, ha diferenca conceitual entre recursos estrategicos e ativos especificos:

Os recursos estrategicos referem-se a capacidade da firma em lidar com o conjunto de conhecimentos que dispoe para modificar ou adquirir novos recursos ou capacidades. Os recursos, mesmo considerados como ferramentas estrategicas, sao passiveis de existir sem que para isto exista uma transacao atrelada. Ja os ativos especificos, ao mesmo tempo em que determinam a existencia da transacao, somente possuem especificidade, se transacionados (Campos, 2013 p.17)

Com base no que foi apurado, e possivel compreender que, se por um lado, a TCT concentra-se sobre o papel das estruturas de governanca, mediante a analise dos atributos da transacao (Willianson, 1991), por outro, a VBR foca no conjunto de recursos estrategicos, partindo da premissa de que as firmas sao unicas e heterogeneas em seus recursos e capacidades (Barney, 1991).

Percebe-se, entao, que enquanto na TCT a vantagem competitiva ocorre quando, a partir da economia de custos de transacao, a firma se torna mais eficiente que os concorrentes, a VBR parte do pressuposto de que a vantagem competitiva ocorre a partir de um conjunto de recursos e capacidades idiossincraticas e dinamicas. Nesse sentido, considerase que ambas sao abordagens relacionadas a eficiencia da firma, com diferencas no que tange ao modo como tal eficiencia e alcancada. No ambito da TCT, desenvolvida por Williamson (1981, 1985, 1989, 1991), a eficiencia e traduzida em termos de estruturas de governanca e na VBR, de Barney (1991), em termos de recursos estrategicos da firma (Campos, 2013). Portanto, o resultado da analise aqui realizada reforca, de maneira a corroborar as conclusoes de Pinto, Guerrazzi, Serra e Kniess (2016), a importancia dos estudos no campo da estrategia que analisam como empresas alcancam a vantagem competitiva.

6 CONSIDERACOES FINAIS

Avancar com o refinamento da TCT, apesar de se tratar de uma teoria ja consolidada, nao apenas expande a possibilidade de construcao de conhecimento, como tambem a aproxima de um contexto organizacional especifico (Maranho, Abib, & Fonseca, 2013), no caso desta pesquisa, do contexto brasileiro.

Ainda que ja existam outros trabalhos com delineamentos semelhantes, este estudo auxilia a ampliar o entendimento sobre como a TCT vem sendo analisada pelos pesquisadores brasileiros, fornecendo informacoes diferentes--das ja apuradas por estudos anteriores (p.ex. Maranho, Abib e Fonseca, 2013; Andrade, Barbosa e Santos, 2015), tais como temas e teorias que mais aparecem relacionadas a TCT.

De forma complementar, destacam-se que as limitacoes que pudessem estar relacionadas ao estudo da TCT tambem foram apuradas junto aos trabalhos analisados, porem apenas quatro artigos as explicitaram e, ainda assim, nao representavam oportunidades para que pesquisas futuras pudessem suprir deficiencias e avancar na construcao da ciencia. Apontar as carencias em vez de omiti-las e uma etapa igualmente importante ao avanco da ciencia, uma vez que a constatacao de limitacoes representa oportunidades para que pesquisas futuras suprimam as deficiencias identificadas e avancem na construcao do conhecimento. Sobre esse aspecto, Pereira (2013) aponta que limitacoes nao assinaladas no texto diminuem a credibilidade da investigacao. As limitacoes que possam vir a influenciar substancialmente os resultados e ate mesmo alterar as conclusoes da investigacao merecem ser apontadas. Uma alternativa positiva para esse cenario seria os proprios autores sugerirem providencias para neutralizar as limitacoes, para contorna-las ou estimar sua influencia nos resultados (Pereira, 2013).

Agenda de pesquisa e limitacoes

Com base na amostra, foram analisados os principais temas e sugestoes de estudos futuros explicitados pelos autores dos trabalhos. Contudo, apesar dessas indicacoes serem importantes para o desenvolvimento da ciencia, ja que assinalam direcoes para futuros esforcos (Pereira, 2013), 16 dos 30 artigos nao as apresentaram. De toda forma, foi possivel delinear uma agenda de pesquisa, com diferentes vertentes passiveis de serem exploradas. Entre elas esta a possibilidade de focar na complementaridade entre a TCT e a VBR, area que, como visto em secao anterior, abre caminhos para debates ricos e aprofundados. Analisando a relacao entre as duas teorias (TCT e VBR), pode-se investigar como elas se relacionam com a tematica das redes sociais e interorganizacionais.

Pode-se explorar, ainda, a relacao existente entre a TCT e a Teoria das Operacoes Estrategicas.

Outra oportunidade e a realizacao de estudos comparativos entre estruturas de governanca em diferentes contextos, visando contrastar diferencas e similaridades entre elas em relacao aos recursos e as capacidades, explicitando seus efeitos sobre a eficiencia dessas estruturas. A analise pode ser estendida para abarcar formas de incerteza relacionadas as estruturas de governanca. Ainda dentro do tema governanca, a area carece de estudos que explorem estruturas de governanca em cadeias produtivas, como por exemplo, a da agropecuaria. Complementarmente, pode-se investigar as diferentes formas de organizacao e coordenacao dos sistemas de producao de pequenos e medios produtores

Explorar a trajetoria do desenvolvimento industrial brasileiro e os arranjos multiplos de industria representam outras possibilidades de investigacao. Nesse contexto, pode-se focar na variacao do papel das redes ao longo do ciclo de vida da industria. Persiste a necessidade de se elaborar estudos que busquem mensurar os custos de transacao, de forma quantitativa, esforco que pode trazer resultados significativos para a area da estrategia e da TCT.

A colaboracao e cooperacao sao outros temas que podem ser explorados por estudos futuros, na vertente de explicitar como elas impactam nos custos de transacao e na eficiencia/eficacia das organizacoes envolvidas. Adicionalmente, pode-se averiguar modelos estaveis de outsourcing como opcao estrategica para atividades de baixa importancia estrategica.

Ademais, faz-se notoria a demanda por estudos longitudinais, que possibilitem o estabelecimento de relacoes causais de maneira robusta, assim como estudos multiniveis, que permitam ter uma visao mais ampla sobre quaisquer topicos de pesquisa que estejam sendo analisados.

Sugere-se ainda a conducao de estudos no futuro com escopo semelhante a esse texto, de forma a verificar se as tendencias aqui descritas permanecem. Recomenda-se que trabalhos futuros se atenham a um numero maior de artigos, abarcando estudos internacionais para que sejam possibilitadas comparacoes entre a literatura brasileira e estrangeira, de forma a identificar diferencas e semelhancas entre as producoes cientificas nacional e internacional e a apurar novos caminhos a pesquisa brasileira em estrategia.

Esta pesquisa esta limitada a um numero de 30 publicacoes analisadas. O quantitativo baixo pode ser justificado pela intencao do estudo: investigar a producao brasileira em estrategia que abordam a TCT. Alem disso, o numero reduzido de artigos inviabilizou estatisticas mais robustas, tais como a analise estatistica inferential. Por fim, com base nos resultados encontrados e na natureza multifacetada do tema, e provavel que, ao relacionar estrategia a outras correntes teoricas alem da TCT (podendo tambem inclui-la), o quantitativo de estudos levantados seja mais expressivo e novas contribuicoes ao campo da estrategia poderao ser realizadas. Esse tambem e um caminho para a continuidade deste trabalho.

DOI: 10.5585/riae.v16i2.2437

Data de recebimento: 01/01/2017

Data de Aceite: 08/04/2017

REFERENCIAS

Abbade, E. B. (2009) Competitividade, aprendizagem e custos de transacao nas relacoes de cooperacao interorganizacional. Revista Gestao Organizacional, 2(2), 152-166.

Abbade, E. B. (2010) Cooperacao interorganizacional: fonte de aprendizagem e vantagem competitiva ou oportunismo? Revista de Administracao da Unimep-Unimep Business Journal, 8(2), 154-179.

Alvarenga, A. L. B., Toledo, J. C. D., & Paulillo, L. F. D. O. (2014). Quality and safety of minimally processed vegetables: a proposal of governance structures between chain actors and quality signs. Gestao & Producao, 21(2), 341-354.

Andrade, P. L., Barbosa, D. M. S., & Santos. T. A. (2015) Estrategia e custos de transacao: uma revisao sistematica. Anais do Encontro Nacional de Engenharia da Producao, 35, Fortaleza, CE, Brasil.

Augusto, C. A. & Souza, J. P. (2010) Economia dos custos de transacao e visao baseada em recursos: aspectos complementares. Anais do Congresso da Sociedade brasileira de economia, Administracao e Sociologia Rural, 48. Campo Grande, MS, Brasil.

Augusto, C. A., Souza, J. P., & Cario, S. A. F. (2013) Estruturas de governanca e recursos estrategicos em destilarias do estado do Parana: uma analise a partir da complementaridade da ECT e da VBR. Revista de Administracao USP, 48(1), 179-195.

Augusto, C. A., Souza, J. P., & Cario, S. A. F. (2014) Nova economia institucional: vertentes complementares. Revista Ibero-Americana de Estrategia, 13(1), 93-108.

Barney, J (1991) Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17, 99-120.

Bertero, C. O., Vasconcelos, F. C., & Binder M. P. (2003) Estrategia empresarial: a producao cientifica brasileira entre 1991 e 2002. Revista de Administracao de Empresas, 43(4), 48-62.

Blume, R. (2008). Explorando os recursos estrategicos do terroir para a vitivinicultura brasileira. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Britto, J. (1994) Redes de firmas e eficiencia tecnicoprodutiva: uma analise critica da abordagem dos custos de transacao. Anais do Encontro Nacional de Economia, 22, 120-139.

Campos, S. A. P. (2013) A economia dos custos de transacao e a visao baseada em recursos: aproximacoes teoricas. Revista Reuna, 18(3), 5-20.

Cardenas, L. Q. & Lopes, F. D. (2006) A formacao de aliancas estrategicas: uma analise teorica a partir da dependencia de recursos e da teoria dos custos de transacao. Cadernos Ebape. BR, 4(2), 1-8.

Carvalho, D. M., Prevot, F., & Machado, J. A. D. O. (2014) O uso da teoria da visao baseada em recurso em propriedades rurais: uma revisao sistematica da literatura. Revista de Administracao da Universidade de Sao Paulo, 49(3), 506-518.

Coase, R. H. (1937) The nature of the firm. Economica, New Series, 4(16), 386-405.

Commons, J. R. (1931) Institutional economics. American Economic Review, 21(6), 1931, 49-57.

Fagundes, J. (1997) Economia institucional: custos de transacao e impactos sobre politica de defesa da concorrencia. Texto para Discussao, Grupo de Regulacao da concorrencia, numero 407, IE/Ufrj.

Ferreira, I. (2011) A influencia da distancia cultural na escolha do IDE adequado no processo de internacionalizacao das empresas: uma visao teorica. Revista Ibero-Americana de Estrategia, 10(1), 147-169.

Ferreira, M. P., Pinto, C. F., & Serra, F. R. (2014) The transaction costs theory in international business research: a bibliometric study over three decades. Scientometrics, 98(3), 1899-1922.

Fiani, R. (2002) Teoria dos custos de transacao. In: Kupfer, David e Hasenclever, Lia. (Org.). Economia industrial: fundamentos teoricos e praticos no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

Francisco, E. R. (2011) Exploracao do acervo a luz da bibliometria, geoanalise e redes sociais. Revista de Administracao Estrategica--eletronica, 51(3), 280-306.

Gois, P. H., Borges, W. J., & Souza, J. P. (2012) Estrategia e os aspectos de monitoramento/controle nos sistemas estritamente coordenados. Revista Ibero-Americana de Estrategia, 11(1), 201-224.

Grant, R. (1991) The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review, 33(3), 114-135.

Lazzari, F., Sarate, J. A., Goncalves, R. B., & Vieira, G. B. B. (2015) Competitive advantage: the complementarity between TCE and RBV. Faces: Revista de Administracao, 13(3), 88-103.

Leite, A. L. & Castro, N. J. (2014) Crescimento e Estruturacao das firmas: a formacao dos conglomerados do setor eletrico brasileiro. Revista de Gestao, 21(3), 343-359.

Leite, A. L. S., Zanella, C., Serra, F. A. R., Marco, R. A., & Tomaselli, R. (2010) Competicao no setor de supermercados--Uma analise a luz da economia dos custos de transacao. Revista Gestao Organizacional, 3(2), 252-266.

Maranho, F. S., Abib, G., & Fonseca, M. W. (2013). As pesquisas em estrategia no Brasil sob a perspectiva da Teoria dos Custos de Transacao. Anais do Encontro de Estudos em Estrategia, 7, Bento Goncalves, RS, Brasil.

Oliveira, L., Sacomano Neto, M., & Boaventura, J. M. G. (2016) Influencia do poder nas redes de negocio: analise da evolucao da teoria. Revista Eletronica de Administracao, 83(1), 1-25.

Pereira, M. G.N. (2013) A Secao de discussao de um artigo cientifico. Epidemol. Serv. Saude, 22(3), 537-538.

Pinto, E. F., Guerrazzi, L. A. C., Serra, B. P. C., & Kniess, C. T. (2016) A pesquisa em administracao estrategica: um estudo bibliometrico em periodicos internacionais de estrategia no periodo de 2008 a 2013. Revista Ibero-Americana de Estrategia, 15(2), 22-37.

Ponde, J. L., Fagundes, J. & Possas, M. (1997) Custos de transacao politica de defesa da concorrencia. Revista de Economia Contemporanea, 1(2), 115-135.

Rossoni, L., Guarido Filho, E. R., Francisconi, K., & Albuquerque Filho, J. B. (2010) Cooperacao, estratificacao e perfil da pesquisa em estrategia no Brasil. Revista Eletronica de Ciencia Administrativa, 9(2), 181-197.

Saes, M. S. M. (2009) Estrategias de diferenciacao e apropriacao da quase-renda na agricultura: a producao de pequena escala. Sao Paulo: Annablume, Fapesp.

Scarton, L. M., Winck C. A., & Leonardi, A. (2011) Confianca em redes segundo a teoria da nova economia institucional. Revista Pensamento Contemporaneo em Administracao. 5(2), 66-78.

Toledo, A. G. L. & Mello, R. (2013) Criacao de valor: Incorporando elementos da economia dos custos de transacao na visao Porteriana. Revista de Administracao Contemporanea--RAC, 17(3), 285-303.

Tran, B. (2015) Triangulation in organizational research: validating knowledge in human competence at work. In Takhar-Lail, A. & Ghorbani, A. (ed) Market research methodologies: multi-method and qualitative approaches, 93-117, Hershey, USA: IGI Global.

Vieira, J. G. V., Yoshizaki, H. T. Y., & Ho, L. L. (2009) Um estudo sobre colaboracao logistica entre industria de bens de consumo e redes de varejo supermercadista. Gestao & Producao, 16(4), 556-570.

Williamson, O. E. (1981) The economics of organization: the transaction cost approach. The American Journal of Sociology, 87(3), 548-577.

Williamson, O. E. (1985) The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: Free Press.

Williamson, O. E. (1989) Transaction cost economics. In: R. Schmalensee & R. D. Willig (eds.). Handbook of Industrial Organizaction, 1, 135-182. Amsterdam: NorthHoland.

Williamson, O. E. (1991) Strategizing, economizing, and economic organization. Strategic Management Journal, 12, 75-94.

Williamson, O. E. (1994) Transaction cost economics and organization theory. In: N. Smelser & R. Swedberg (Eds.) Handbook of economic sociology, 77-107. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Williamson, O. E. (1996) Economics and organization: a primer. California Management Review, 38(2), 131-146.

Zylbersztajn, D. (1995) A estrutura de governanca e coordenacao do agribusiness: uma aplicacao da nova economia das instituicoes. 238 p. Tese (Livre-Docencia) --Faculdade de Economia, Administracao e Contabilidade, Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo.

Zylbersztajn, D. & Farina, E. M. M.Q. (1999) Strictly coordinated food-systems: exploring the limits of the coasian firm. International Food and Agribusiness Management Review, 2(2), 249-265.

Nathalia de Melo Santos (1)

Isabela Neves Ferraz (2)

Junia Maria Zandonade Falqueto (3)

Everton Verga (4)

(1) Doutoranda pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade de Brasilia--PPGA/UnB. Professora no Departamento de Administracao da Universidade de Brasilia--UnB. Brasil. E- mail: nsantos.adm@gmail.com

(2) Doutoranda pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade de Brasilia--PPGA/UnB. Trabalha como Administradora na Universidade de Brasilia--UnB. Brasil. E-mail: isabelanf. adm@gmail.com

(3) Doutoranda pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade de Brasilia--PPGA/UnB. Brasil. Email: iufalqueto@gmail.com

(4) Doutorando pelo Programa de Pos-Graduacao em Administracao da Universidade de Brasilia--PPGA/UnB. servidor publico do Governo do Estado de Sao Paulo. Brasil. E-mail: evertonverga@yahoo.com.br

Caption: Figura 1--Passos metodologicos para levantamento dos artigos

Caption: Figura 2--Nuvem de palavras com as palavras-chave
Tabela 1--Revista, classificacao Qualis Capes e ano de publicacao dos
artigos

                                                Ano

Revista                     Qualis   1999   2003   2004   2005

Brazilian Administration      A2
Review (BAR)
Gestao & Producao             A2      1             1
RAE                           A2                           1
Rausp                         A2
RAC                           A2
Base                          B1
Cadernos Ebape.BR             B1                    1
Faces                         B1
Organizacoes Rurais &         B1
Agroindustriais
REAd                          B1             1
Revista de Administracao      B1
da Unimep
RAM                           B1                           1
Recadm                        B2                    1
Rege                          B2
Revista Alcance               B2
Revista Economia & Gestao     B2                    1
RGO                           B2
Revista Iberoamericana de     B2
Estrategia
Revista Pensamento            B2
Contemporaneo em
Administracao

Total                                 1      1      4      2

                                                Ano

Revista                     Qualis   2006   2007   2008   2009

Brazilian Administration      A2
Review (BAR)
Gestao & Producao             A2             1             1
RAE                           A2
Rausp                         A2
RAC                           A2             1
Base                          B1
Cadernos Ebape.BR             B1      1
Faces                         B1
Organizacoes Rurais &         B1                    1
Agroindustriais
REAd                          B1
Revista de Administracao      B1
da Unimep
RAM                           B1
Recadm                        B2
Rege                          B2             1
Revista Alcance               B2                           1
Revista Economia & Gestao     B2
RGO                           B2                           1
Revista Iberoamericana de     B2
Estrategia
Revista Pensamento            B2
Contemporaneo em
Administracao

Total                                 1      3      1      3

                                                Ano

Revista                     Qualis   2010   2011   2012   2013

Brazilian Administration      A2      1
Review (BAR)
Gestao & Producao             A2
RAE                           A2
Rausp                         A2                           2
RAC                           A2                           1
Base                          B1                    1
Cadernos Ebape.BR             B1
Faces                         B1
Organizacoes Rurais &         B1
Agroindustriais
REAd                          B1
Revista de Administracao      B1      1
da Unimep
RAM                           B1
Recadm                        B2
Rege                          B2
Revista Alcance               B2
Revista Economia & Gestao     B2
RGO                           B2      1
Revista Iberoamericana de     B2             1      1
Estrategia
Revista Pensamento            B2
Contemporaneo em                             1
Administracao

Total                                 3      2      2      3

                                         Ano

Revista                     Qualis   2014   2015   Total

Brazilian Administration      A2                     1
Review (BAR)
Gestao & Producao             A2      1              5
RAE                           A2                     1
Rausp                         A2                     2
RAC                           A2                     2
Base                          B1                     1
Cadernos Ebape.BR             B1                     2
Faces                         B1             1       1
Organizacoes Rurais &         B1                     1
Agroindustriais
REAd                          B1                     1
Revista de Administracao      B1                     1
da Unimep
RAM                           B1                     1
Recadm                        B2                     1
Rege                          B2      1              2
Revista Alcance               B2                     1
Revista Economia & Gestao     B2                     1
RGO                           B2                     2
Revista Iberoamericana de     B2      1              3
Estrategia
Revista Pensamento            B2
Contemporaneo em                                     1
Administracao

Total                                 3      1      30

Fonte: Elaborado pelos autores

Tabela 2--Frequencia dos criterios de analise metodologicos

Criterios de avaliacao        F     F %

Abordagem      Teorica        13   43,3%
metodologica   Teorica--      17   56,7%
               Empirica

Recorte        Transversal    16   94,1%
               Longitudinal   1    5,9%

Metodo de      Qualitativo    13   76,5%
pesquisa       Quali-Quanti   4    23,5%

Tecnicas de    Estatistica    6    35,3%
analise de     descritiva
dados          Estatistica    3    17,6%
               inferencial
               Analise de     9    52,9%
               conteudo

Origem dos     Primarios      2    11,7%
dados          Secundarios    1    5,8%
               Primarios e    14   82,3%
               Secundarios

Fonte de       Documentos     14   82,3%
coleta de      Entrevistas    16   94,1%
dados          Questionarios  2    11,7%
               Observacao     2    11,7%
               Exploratoria   5    29,4%

Nivel de       Descritiva     11   64,7%
pesquisa       Causal/        2    11,8%
               Explicativa

* F = Frequencia absoluta; F% = frequencia percentual

Fonte: Elaborado pelos autores

Tabela 3--Discriminacao das referencias e numero de citacoes

ARTIGO                                                        No DE
                                                             CITACOES

Williamson, O. E. (1989). The economic institution of           23
capital-ism: firms, markets, relation-al contracting. New
York: The Free Press.

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. In: Coase, R.      21
The firm, the market, and the law. Chicago: The University
of Chicago Press, 1988.

North, D. C. (1991). Institution, institutional change and      13
economic performance. Cambridge:University Press.

Williamson, O. E. (1985). Market and hierarchies: analysis      13
and antitrust implications. New York: The Free Press.

Farina, E. M. M. Q., Azevedo, P. F., & Saes, M. S. M.           12
(1997). Competitividade: mercado, estado e organizacoes.
Editora Singular.

Williamson, O. E. (1996). The mechanism of governance.          12
Oxford: Oxford University Press.

Child, J. (2005). Organization: contemporary principles         11
and practice. Blackwell Publishing.

Williamson, O. E. (1991). Comparative Economic                  9
Organization: The Analysis of Discrete Structure
Alternatives. Administrative Science Quartely, 36, 269-
296.

Zylbersztajn, D. (1995). Estruturas de Governanca e
Cooperacao do Agribusiness: uma aplicacao da Nova Economia      8
das Instituicoes. 238 p. Tese (Livre Docencia)--Faculdade
de Economia, Administracao e Contabilidade, Universidade
de Sao Paulo, Sao Paulo.

Meyer, J. W. (1977). Institutionalized organizations:           7
formal structure as myth and ceremony. American Journal of
Sociology, 83, 340-363.

Klein, B., Crawford, R. G., & Alchian, A. A. (1978).
Vertical integration, appropriable rents, and the               6
competitive contracting process. Journal of Law and
Economics, 21(2), 297-326.

Penrose, E. T. (1959). The theory of the growth of the          6
firm. New York: John Wiley & Sons.

Fonte: Elaborado pelos autores
COPYRIGHT 2017 Universidade Nove de Julho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Melo Santos, Nathalia; Ferraz, Isabela Neves; Falqueto, Junia Maria Zandonade; Verga, Everton
Publication:Revista Ibero - Americana de Estrategia
Article Type:Report
Date:Apr 1, 2017
Words:7429
Previous Article:COMENTARIO EDITORIAL A IMPORTANCIA DA PESQUISA BASEADA EM FENOMENOS EM ESTRATEGIA PARA OS PESQUISADORES IBEROAMERICANOS.
Next Article:IDENTIFYING STRATEGIC GROUPS: AN ASSESSMENT IN MEXICAN FRANCHISES/ A IDENTIFICACAO DE GRUPOS ESTRATEGICOS: UMA AVALIACAO REALIZADA EM FRANQUIAS...

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters