Printer Friendly

Supracricoid partial laryngectomy: literature review on quality of life protocols/Laringectomias supracricoides: revisao de literatura em protocolos de qualidade de vida.

INTRODUCAO

A laringectomia parcial supracricoide (LPSC) foi idealizada com vistas a se evitar a laringectomia total (1) e tem sido apontada como uma boa alternativa para o tratamento de tumores T1, T2, e alguns casos selecionados de T3 e T4, uma vez que seus resultados sao apontados como satisfatorios tanto para a preservacao laringea como em termos funcionais se comparados a laringectomia total (LT) (2-6). Varios relatos na literatura mostram haver controle local, taxa de recorrencia baixa (5,7-10) e taxas de sobrevivencia semelhantes as da LT1-3, alem de possibilitara nao utilizacao do traqueostoma permanente, o que permite a retomada da alimentacao por via oral, preservacao da voz e das funcoes sociais, oferecendo melhor qualidade de vida (5,6,11-14). Dessa forma, a laringectomia supracricoide se justifica como uma alternativa de grande valia, uma vez que permite a manutencao da voz sem uso de qualquer dispositivo e sem muito treinamento (15). Porem, e sabido que no caso das laringectomias parciais existe um comprometimento da qualidade vocal, caracterizado na maioria das vezes como voz rouca e soprosa com consequente comprometimento da inteligibilidade de fala, o que afeta a qualidade de vida (8, 16).

De forma geral, e possivel notar que a qualidade de vida e severamente afetada em pacientes submetidos a cirurgias na regiao da cabeca e pescoco. Alem do impacto de um diagnostico de cancer, existe como consequencia do tratamento, o comprometimento de funcoes primordiais para o convivio social, tais como a aparencia, voz e a degluticao que sao seriamente afetadas (11,17).

Estudos mostram que perto da metade dos pacientes em tratamento do cancer de cabeca e pescoco apresentam sintomas depressivos durante e apos o tratamento da doenca (18). A qualidade de vida e pior em pacientes submetidos a laringectomias totais quando comparados a pacientes submetidos a laringectomias parciais, que apresentam melhores escores quando avaliados por meio de protocolos de qualidade de vida (19).

Nas ultimas decadas houve mudanca na avaliacao da qualidade de vida dos pacientes. Antes, a preocupacao estava em avaliar a sobrevida apos o tumor, hoje, ha uma preocupacao na qualidade de vida pos-tratamento e a funcionalidade do orgao afetado, gerando pesquisas a respeito da qualidade de vida do paciente (20).

Desse modo, avaliar qualidade de vida de pacientes oncologicos se torna complexo considerando-se que envolve questoes fisicas e psicologicas e as prioridades de cada paciente variam muito em funcao da individualidade, valores e crencas (21) Esta ainda na dependencia dos fatores que compoem a vida de cada um, e a qualidade de vida e um "constructo subjetivo, multidimensional e pessoal" (22). No entanto, avaliar a qualidade de vida de pacientes com cancer de cabeca e pescoco de forma mais especifica possibilita a escolha de condutas que visem nao somente a sobrevida, mas que busque atender suas necessidades emocionais, oferecendo ainda condicoes para que a equipe envolvida no tratamento conheca os parametros mais afetados, e assim faca escolhas de tratamento que prezem a qualidade de vida desses pacientes (20).

A revisao de literatura nas laringectomias supracricoides aponta que ha uma carencia de pesquisas que visem conhecer de forma abrangente os resultados funcionais da LPSC. Estudos revisados mostraram metodos heterogeneos de avaliacao, de uso de parametros e escalas que nao permitem meta-analise significativa (20).

Este estudo tem como meta rever de forma sistematica a literatura voltada para analise de qualidade de vida em voz, de pacientes apos laringectomia supracricoide, concernente a tipos de protocolos utilizados, resultados e analises de evidencias de formas de enfrentamento do comprometimento vocal.

METODOS

A revisao sistematica exploratoria de literatura foi realizada a partir de consulta as bases de dados Medical Literature Analysis and Retrieval System (MEDLINE), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciencias da Saude (LILACS) e PUB Med.Houve utilizacao de descritores (DeCs) em portugues, ingles e espanhol. Para complementar a localizacao de artigos houve utilizacao da ferramenta de busca ClinicalKey, utilizando-se descritores em ingles.

Os descritores e termos combinados selecionados em portugues foram: laringe, voz, disfonia, voz alaringea, laringectomia, qualidade de vida, qualidade de voz, disturbios de voz e neoplasia de laringe. Respectivamente em ingles: larynx, voice, dysphonia, speech alaryngeral, laryngectomy, quality of life, quality of voice, laryngectomy partial, voice disorders, head and neck neoplasms. E finalmente em espanhol; laringe, voz, disfonia, voz alaringea, laringectomia, calidad de vida, calidad de la voz, trastornos de la voz, neoplasias de cabeza y cuello.

A selecao dos artigos foi realizada pelos dois pesquisadores do presente estudo e para maior fidedignidade dos resultados de busca foi realizado teste de relevancia (23), com elaboracao, previa, de um formulario para tal finalidade (Figurai).

Dessa forma, obedeceram-se tres etapas sendo o Teste de Relevancia I aplicado a partir da leitura dos titulos e resumos dos artigos, verificando-se tratar de estudo original, sobre qualidade de vida em voz em sujeitos laringectomizados parciais publicados entre 2004 a 2015. Artigos que foram considerados pertinentes a finalidade deste estudo prosseguiram para o Teste de Relevancia II--fase I, em que foram lidos todos os artigos na integra e assim certificando-se tratar de estudo de qualidade de vida em voz com sujeitos submetidos a laringectomia parcial supracricoide. Finalmente na fase II foram selecionados os estudos que utilizaram protocolos e questionarios como instrumentos de avaliacao da qualidade de vida em cancer de cabeca e pescoco, aplicados a pessoas que foram submetidas a laringectomia supracricoide. Ressalta-se haver nessa etapa exclusao de artigos que avaliavam qualidade de vida exclusivamente para pacientes com disfagia, os quais nao atenderiam aos criterios de inclusao deste estudo. Como ultima etapa, foi aplicado o Teste de Relevancia III, no qual se selecionou exclusivamente estudos que possuiam protocolos de avaliacao da qualidade de vida especificos ao cancer de cabeca e pescoco, utilizados com pacientes submetidos a laringectomia parcial supracricoide.

A Figura 1 apresenta os testes de relevancia elaborados e aplicados para a selecao dos artigos e a Figura 2 apresenta o fluxograma que ilustra as fases de coleta e selecao dos artigos analisados por este estudo.

[FIGURE 2 OMITTED]

Procedimentos para analises dos artigos

Quanto a analise dos dados, foram realizadas sistematizacao e descricao das caracteristicas dos estudos, numa revisao exploratoria sobre a qualidade de vida em pacientes submetidos a laringectomia supracricoide,em relacao a instrumento utilizado, resultados e conclusoes de cada estudo.

As analises de conteudo foram realizadas conforme sugestao de Garabito et. Al. (2009) (23), Bardin (2011) (24), e tendo sido realizadas matrizes de sintese com base em Botelho et al., 2011 (25), obedecendo-se categorias elaboradas com vistas ao conhecimento de protocolos e formas de avaliacao da qualidade de vida de pacientes, submetidos a LPSC.

O presente foi aprovado pelo Comite de Etica sob o No. 394.430.

REVISAO DE LITERATURA

Este estudo teve como meta realizar uma revisao da literatura a fim de verificar quais os protocolos especificos em cancer de cabeca e pescoco sao utilizados na avaliacao da qualidade de vida de pacientes submetidos a laringectomia parcial supracricoide (LPSC).

Dos 35 artigos pre-selecionados no teste de relevancia II, que mencionaram a qualidade de vida dos pacientes, 17 (48,57%) foram estudos que citam qualidade de vida, porem sem uso de protocolos para tal avaliacao. Ressalta-se que parte destes estudos refere que a qualidade de vida foi citada como boa ou aceitavel (6,7,9,10,26,27). Os demais (18) estudos (51,42%) avaliaram a qualidade de vida dos pacientes submetidos a LPSC por meio de protocolos, sendo que destes, (12) artigos utilizaram o protocolo VHI--Voice Handicap Index, traduzido e validado para o portugues e intitulado no Brasil como: Indice de Desvantagem Vocal--IDV (28), nao se tratando de protocolo especifico para pacientes oncologicos. Outros artigos utilizaram concomitantemente ou nao ao IDV, o protocolo VoiceRelated Quality of Life--VRQOL, tambem traduzido e validado para o portugues brasileiro, como:Qualidade de Vida em Voz--QVV e tambem nao especifico para pacientes oncologicos (29).

A Tabela 1 apresenta a identificacao dos protocolos que foram utilizados nos estudos para avaliacao da QV, e ainda, o tipo de protocolo, qual a sua finalidade e o numero de artigos que utilizou os respectivos protocolos em pacientes submetidos a LPSC.

A Figura 3 apresenta a identificacao dos artigos selecionados para este estudo, os quais avaliaram a qualidade de vida de pacientes submetidos a LPSC, e que utilizaram questionarios validados e especificos em cancer de cabeca e pescoco, interesse particular desta revisao de literatura.

Conforme cita a literatura e possivel avaliar a qualidade de vida pela aplicacao de questionarios especificos. Para tanto, os questionarios precisam ser traduzidos e validados para que haja confiabilidade dos resultados (30). Atualmente, ha diversos instrumentos para avaliacao da qualidade de vida, mas poucos especificos para pacientes submetidos a cirurgias de cancer de cabeca e pescoco e os questionarios que tem sido mais utilizados para esse fim sao: Head and Neck Quality of Life, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos (HNQOL), European Organization for Research and Treatment of Cancer (EORTC), Quality of Life Questionnaire da Universidade de Washington, Estados Unidos (UW-QOL) e o Functional Assessment of Cancer Therapy(FACT-H&N) (31). Vale ser ressaltado, que grande parte dos questionarios de qualidade de vida contem questoes relativas ao estado de saude geral do paciente. Alem disso, os protocolos especificos em cancer de cabeca e pescoco possuem um detalhamento maior dos aspectos mais afetados pela doenca, sendo possivel dimensionar tal impacto na qualidade de vida do paciente (10). E importante ressaltar, que a avaliacao da qualidade de vida de pacientes em estagios iniciais e diferente daqueles tratados em estagios ja avancados da doenca. Isso porque a abordagem mais conservadora altera de forma significativa a expectativa do paciente em relacao ao tratamento, o que faz com que os desgastes fisicos e emocionais sejam menores, elevando consequentemente os escores de qualidade de vida (13).

No presente estudo foi possivel verificar que os protocolos gerais mais utilizados para avaliar a qualidade de vida em voz em individuos submetidos a LPSC foi o IDV. Ja os protocolos especificos em cancer de cabeca e pescoco foram tres: Head and Neck Quality of Life, da Universidade de Michigan (HNQOL), Qualityof Life Questionnaire da Universidade de Washington (UW-QOL) e da European Organization for Research and Treatment of Cancer (EORTC). Ambos protocolos possuem questoes que avaliam os dominios fundamentais, como: social, emocional e fisico. O HNQOL e um questionario mais rapido de ser respondido, seguido do UW-QQOL e do EORTC respectivamente (32,33).

Os questionarios validados encontrados nos tres artigos selecionados para este estudo, encontram-se relacionados e com respectivos resumos de suas caracteristicas na Figura 4.

Para melhor visualizacao, encontra-se na Figura 5 os resumos dos citados artigos.

Moyano (11) em um estudo utilizou o questionario HNQOL para avaliar a qualidade de vida em pacientes submetidos a LPSC com CHEP. Em seus resultados, e possivel notar que um numero pequeno de pacientes tiveram recidiva tumoral, o que favoreceu o sucesso da operacao e forneceu uma sobrevida livre da doenca de 10 anos em 95,83% dos casos.Esses indices segundo o autor, sao comparados aos pacientes submetidos a LT. Os dominios mais afetados foram a comunicacao e o estado geral. Porem ambos os resultados estavam relacionados quando os pacientes nao haviam sido decanulados, foram submetidos ao esvaziamento cervical e/ou submetidos a radioterapia. A conclusao e que houve pouca interferencia na vida cotidiana dos pacientes em decorrencia da cirurgia. Por fim, ele conclui que a LPSC e uma boa escolha como tecnica conservadora cirurgica, uma vez que preserva a funcionalidade dos orgaos, possui bom controle da doenca e baixa limitacao funcional.

Sewnaik (34) comparou a qualidade de vida de pacientes submetidos a LPSC e LT apos radioterapia. Os pacientes foram avaliados por meio do questionario EORTC QLQ C-30 e H&N35, alem do questionario IDV. O autor nao encontrou diferenca estatistica entre os dois grupos de pacientes. Foi notada discreta diferenca nos quesitos olfato e paladar, em favor do grupo de LPSC. Os autores acreditam que a perda do olfato e do paladar tem um impacto negativo na qualidade de vida uma vez que os pacientes aproveitam menos de suas refeicoes, o que no estudo nao significa necessariamente em uma perda de apetite. O IDV tambem nao mostrou diferenca estatistica entre os dois grupos, estando todos os pacientes razoavelmente satisfeitos com suas vozes. Outros dois aspectos tambem tiveram resultados semelhantes para as duas subescalas: fisica e emocional. Para o autor, nao foi possivel afirmar de forma clara que ha uma grande diferenca entre os pacientes submetidos a LPCS e LT devido a falta de questionarios de qualidade de vida especificos em laringe, sendo necessario para futuras pesquisas, que haja maior especificidade nos protocolos.
Figura 4. Sintese da caracterizacao dos questionarios de avaliacao
de qualidade de vida de pacientes oncologicos de cabeca e pescoco
encontrados na revisao de literatura

HN-QOL

O questionario HNQOL foi desenvolvido pelo departamento de
Otorrinolaringologia da Universidade de Michigan. E um instrumento
para avaliacao da qualidade de vida especifico em cancer de cabeca
e pescoco. Contem 20 questoes relacionadas a quatro areas:
comunicacao, alimentacao, dor e bem-estar emocional. Ha questoes
relacionadas aos sintomas gerais e possiveis limitacoes. Cada
pergunta e respondida pelo paciente em uma escala ordinal de 1 a 5.
Para algumas perguntas, 1 representa o maximo desconforto ou
interferencia e para a outra e o minimo. Na taxa global (TG), a
escala media ordinal pode ir do 0 (maximo desconforto) e 100 (sem
desconforto) (11).

EORTC

O questionario EORTC QLQ-H&N35 foi desenvolvido pela
EuropeanOrganization for ResearchandTreatmentofCancer(EORTC), sendo
um questionario constantemente utilizado para avaliacao da
qualidade de vida (QV) de pacientes de com cancer de um modo geral.
Ele e composto por 5 escalas funcionais (fisica, emocional, social,
desempenho e cognitiva), 3 escalas de sintomas (dor, fadiga, nausea
e vomito), possui ainda uma escala do estado global da saude e 6
itens para avaliacao de sintomas ou problemas concomitantes (perda
de apetite, dispneia, insonia, dificuldades financeiras, diarreia e
obstipacao). Em sua contagem, um score elevado indica uma pior QV,
exceto para as escalas funcionais e o estado global da saude. Alem
disso, o EORTC possui um modulo especifico para cabeca e pescoco,
ja que o QLQ-C30 trata do cancer de um modo geral. O questionario
EORTC QLQ-H&N35 que contem 35 questoes, avalia o impacto do
tratamento da doenca na vida social, imagem corporal, os sintomas
pos-tratamento e a sexualidade. E composto por 7 escalas de
sintomas (dor, degluticao, paladar e olfato, fala, alimentacao em
publico, contato social e sexualidade) e mais 11 itens simples,
como uso de analgesicos e de suplementos alimentares, alimentacao
por sonda, ganho ou perda de peso. Ele deve ser aplicado em
conjunto com o EORTC QLQ-C30 e para todas as escalas, o score
elevado indica pior QV. Todas as respostas indicam o estado do
paciente durante a ultima semana. Os scores variam de 0 a 100, em
queos valores maiores referem-se a melhores resultados funcionais e
de saude. Ja na escala de sintomas, maiores valores revelam maiores
problemas, o que diminui a qualidade de vida (33).

UW-QOL

O Questionario de Avaliacao da Qualidade de Vida da Universidade de
Washington (UW-QOL) foi desenvolvido em 1990, com o intuito de
atender as necessidades de haver um instrumento de avaliacao
especifico para pacientes com cancer de cabeca e pescoco. Aborda 12
aspectos que sao: dor, fala, mastigacao, degluticao, gosto, saliva,
humor, ansiedade, aparencia, atividade, recreacao e ombros. O score
varia de 0 (pior) a 100 (melhor). O calculo pode ser simples,
somando cada dominio, ou composto, que e a media dos doze dominios.
O questionario UW-QOL apresenta ainda uma questao que permite ao
paciente classificar os dominios mais importantes, os aspectos que
mais incomodaram durante a ultima semana. Classifica ainda a sua
qualidade de vida global. E o unico protocolo que possui uma
questao aberta para comentarios. O UW-QOL e considerado de facil
aplicacao, rapido e claro. Foi traduzido em sua versao para o
portugues pelo Departamento de Cirurgia de Cabeca e Pescoco e
Otorrinolaringologia do Hospital do Cancer A.C Camargo
em Sao Paulo (31).


Kandogan (35) comparoudiferentes tecnicas cirurgicas de laringectomia, nas quais incluiu tres tecnicas para o estudo, sendo a laringectomiafrontolateral, cordectomia, e laringectomia supracricoide com cricohioidopexia para verificar quais apresentam melhores resultados funcionais e de qualidade vocal. Com a aplicacao do questionario UW-QOL, o autor pode perceber uma diferenca estatistica entre os grupos de cordectomia e frontolateral e o grupo de cordectomia e LPSC. O grupo LPSC teve uma pontuacao mais baixa e o grupo de cordectomia uma pontuacao mais elevada em tres parametros, sendo eles de qualidade de vida, nova voz e desempenho. Em relacao ao impacto social, funcional e emocional, nao houve diferenca estatistica em nenhum grupo, uma vez que todos avaliaram esse impacto de forma semelhante. Para o autor, a remocao de uma ou duas aritenoides nao mostrou impacto significante para os resultados funcionais e a voz, o que nao interferiu na qualidade de vida dos pacientes. De uma forma geral, todas as tecnicas apresentadas no estudo mostraram bons resultados na qualidade de vida dos pacientes, com preservacao de resultados funcionais e da voz.

Autores defendem que o tempo de decanulacao do paciente (1,26,36), a concomitancia com terapias adjuvantes como a radioterapia (6,10,11,37), a idade dos pacientes (5,8,9,38) e a realizacao do esvaziamento cervical (11) sao fatores que influenciam na qualidade de vida geral afetando aspectos emocionais e sociais (12,16). Pacientes decanulados precocemente sao mais satisfeitos com a qualidade de vida do que aqueles que permanecem por longos periodos com o traqueostoma (11,13,26,38), pois alem de afetar diretamente a alimentacao e o paciente poder permanecer mais tempo hospitalizado (35), a presenca do traqueostoma afeta de forma significativa a voz, contribuindo para uma dificuldade na inteligibilidade de fala, com consequente piora na comunicacao social (1). Assim, pacientes tendem a ter uma autoavaliacao melhor da qualidade de vida quando estao sem a sonda nasoenteral, decanulados e com a possibilidade de se alimentar em publico (7,8,26,37).

A dor e o desconforto do tratamento foram citados de forma geral como fatores que influenciam negativamente a qualidade de vida (11) outro ponto citado por autores e o estagio da doenca, pois em estagios iniciais os tratamentos sao mais conservadores aumentando o nivel de satisfacao com o metodo do tratamento (12,13,27). Por meio da aplicacao do Inventario de Depressao de Beck, utilizado para avaliar o humor dos pacientes depois de tratamento, autores puderam concluir que pacientes com tumores em estados mais avancados sao mais propensos a desenvolver depressao do que pacientes em estagios ainda iniciais. Isso porque a nao adesao ao tratamento e a baixa-estima sao fatores chaves para um pior prognostico (13).

Com relacao a voz, ha uma divergencia de opinioes (36), pois alguns autores defendem que de uma forma geral os pacientes se declaram satisfeitos com a propria voz (35), com pouca dificuldade para falar em publico e se comunicando de forma inteligivel (2,10,34,39) mesmo que a voz seja bastante fraca e que haja dificuldades para se conversar em lugares ruidosos, uma vez que ela nao pode ser elevada de forma satisfatoria (35,36,38,39). Outros defendem que a comunicacao foi o dominio mais afetado, com menor qualidade de vida (11). Outra explicacao pode ser o fato de os pacientes que possuem cancer de laringe considerarem outros aspectos para avaliarem sua qualidade de vida que vao alem da voz, havendo influencia pela satisfacao de o paciente estar curado e varios outros fatores como personalidade, relacionamento com o conjuge, exigencias do trabalho, idade, etc. Foi recentemente demonstrado que as pontuacoes IDV sao significativamente mais elevados para pacientes que se aposentaram ou conseguiram adaptacao no trabalho (16).

Os problemas vocais sao frequentes nas LPSC, apresentando disfonia em grau moderado a severo (1,16,39) qualidade vocal rouco-soprosa, irregular e tensa (1,8,35,38,39). Todos esses fatores certamente influenciam nos escores da qualidade de vida (8). Estudos sugerem que a reabilitacao vocal deva ocorrer o mais breve possivel, para que haja uma melhora no padrao vocal, a fim de minimizar as consequencias que afetam a qualidade de vida dos pacientes causadas pela desvantagem vocal (1,4,7,14). Porem, e necessario que os pacientes tenham capacidade de aderir aos cuidados pos-operatorios e a reabilitacao, sendo a condicao fisica e emocional, fatores imprescindiveis para uma melhor e mais rapida recuperacao.

Na presente busca, foi possivel verificar que, apesar de alguns artigos afirmarem preocupacao com a qualidade de vida de pacientes submetidos a LPSC, ainda e pequena a parcela de autores que utilizam protocolos especificos em cancer de cabeca e pescoco para avaliacao da qualidade de vida desses pacientes e mais, falta um questionario validado que aborde os problemas especificos de pacientes oncologicos de laringe (34). Na presente revisao de literatura foram encontrados somente tres artigos que utilizam protocolos especificos de qualidade de vida em cancer de cabeca e pescoco. Estes tres artigos (11,13,34) coincidem em afirmar dificuldades em se chegar a resultado consistente devido a escassez de publicacoes. Outra dificuldade encontrada e de se chegar aos resultados das reais necessidades dos sujeitos, pois se pormenorizar a analise de cada questao pode-se perceber quais os aspectos sao mais afetados, portanto de maiores dificuldades para esses pacientes, mesmo que de um modo geral os escores estejam elevados e apontem para uma boa qualidade de vida (12,39). Desse modo, analises qualitativas dos resultados sao necessarias para que se possam verificar pontualmente quais aspectos contribuem mais para o impacto na qualidade de vida do LPSC.

Embora nao fosse meta do presente estudo analisar resultados de protocolos de qualidade de vida nao especificos em cancer de cabeca e pescoco considera-se importante ressaltar que os estudos que utilizaram o Indice de Desvantagem vocal--IDV encontraram em sua maioria escores inferiores a 40 afirmando que a voz resultante da LPSC apresentou baixo impacto na qualidade de vida (37,16,36,37).

Por outro lado tres estudos afirmaram impacto moderado ou significativo na qualidade de vida em voz com medias acima dos 43 pontos (8,39,40) correspondendo a compatibilidade com vozes disfonicas.

CONCLUSAO

Cirurgias oncologicas de cabeca e pescoco afetam de forma significativa a qualidade de vida dos pacientes, uma vez que sao cirurgias quase sempre impactantes na comunicacao, alimentacao e na autoimagem do individuo levando a consequente prejuizo na sua reintegracao ao convivio social.

Sao escassas as publicacoes a respeito da qualidade de vida de pacientes no que diz respeito a utilizacao de protocolos especificos em cancer de cabeca e pescoco. Ha necessidade de mais estudos relacionados a qualidade de vida em pacientes oncologicos de cabeca e pescoco e criacao de protocolos especificos para pacientes oncologicos de laringe, uma vez que os necessarios tratamentos cirurgicos modificam os aspectos funcionais laringeos.

doi: 10.1590/1982-0216201618315115

REFERENCIAS

(1.) Nemr NK, Carvalho MB, Kohle JI, Almeida GC, Rapoport LA, Szeliga, RMS. Functional study of the voice and swallowing following supracricoid laryngectomy. RevBrasOtorrinolaringo1.2007;73(2):151-5. DOI. org/10.1590/S0034-72992007000200002

(2.) Alicandri-Ciufelli M, Piccinini A, Bergamini G, Ruberto M, Ghidini A, Marchioni D et al. Atypical neoglottis after supracricoid laryngectomy: a morphological and functional analysis. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2011;268(7): 1029-34. DOI: 10.1007/s00405-011-1556-4

(3.) Castro A, Sanchez-Cuadrado I, Bernaldez R, Palacio AD, Gavilan J. Laryngeal function preservation following supracricoid partial laryngectomy. Head Neck. 2012;34(2):162-7. DOI: 10.1002/hed.21703

(4.) Vincentiis M, Virgilio A, Bussu F, Gallus R, Gallo A, Bastanza G et al. Oncologic results of the surgical salvage of recurrent laryngeal squamous cell carcinoma in a multicentric retrospective series: emerging role of supracricoid partial laryngectomy. Head Neck. 2015;37(1):84-91.DOI: 10.1002/hed.23563.

(5.) Szyfter W, Leszczynska M, Wierzbicka M. Outcome after supracricoid laryngectomies in the material of ENT department, Poznan university of medical sciences. Eur. Arch. Otorhinolaryngol. 2011;268 (6): 879-83. DOI: 10.1007/s00405-011-1513-2.

(6.) Gallo A, Manciocco V, Tropiano ML, Simonelli M, Marvaso V, D'Arcangelo E, et al. Prognostic value of resection margins in supracricoid laryngectomy. Laryngoscope. 2004;114(4):616-21. DOI: 10.1097/00005537-200404000-00005.

(7.) Laudadio P, Presutti L, Dall'Olio D, Cunsolo E, Consalici R, Amorosa L, et al. Supracricoid laryngectomies: long-term oncological and functional results. Acta Otolaryngol. 2006; 126(6) :640-9. DOI:10.1080/00016480500469024.

(8.) Clayburgh DR, Graville DJ, Palmer AD, Schindler JS. Factors associated with supracricoid laryngectomy functional outcomes. Head Neck. 2013;35(10):1397-403. DOI: 10.1002/hed.23144.

(9.) Sanchez-Cuadrado I, Castro A, Bernaldez R, Palacio AD, Gavilan J. Oncologic outcomes after supracricoid partial laryngectomy. Otolaryngol Head Neck Surg. 2011;144(6):910-4. DOI: 10.1177/0194599811400368;

(10.) Goncalves AJ, Bertelli AAT, Malavasi TR, Kikuchi W, Rodrigues AN, Menezes MB. Results after supracricoid horizontal partial laryngectomy. Auris Nasus Larynx. 2010;37(1):84-8. DOI: 10.1016/j.anl.2009.04.015.

(11.) Moyano JAM, Gutierrez RS, Nogueras JR, Aumente PO, Villarejo, PL. Calidad de vida em pacientes tratados mediante laringectomia parcial supracricoidea com cricohioidoepiglotopexia (CHEP). Acta Otorrinolaringol Esp. 2004;55(9):409-14. ID:ibc-36056.

(12.) So YK.; Yun YS, Baek CH, Jeong HS, Son YI. Speech outcome of supracricoid partial laryngectomy: comparison with total laryngectomy and anatomic considerations. Otolaryngol Head Neck Surg. 2009; 141 (6):770-5. DOI: 10.1016/j.otohns.2009.08.028.

(13.) Kucuk H, Kurnaz SC, Kutlar G. Treatment expectations and quality of life outcomes of patients with laryngeal cancer based on different treatment methods. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2015;272 (5): 1245-50. DOI: 10.1007/s00405-014-3066-7.

(14.) Decotte A, Woisard V, Percodani J, Pessey JJ, Serrano E, Vergez S. Respiratory complications after supracricoid partial laryngectomy. Eur Arch Otorhinolaryngol 2010;267(9):1415-21. DOI: 10.1007/s00405-010-1238-7.

(15.) Lima RRMA, Freitas EQ, Kligerman J, Sa GM, Santos IC, Farias T. Supracricoid laryngectomy (chep) for glottic cancer. Rev Col Bras Cir. 2001;28(4):254-8. DOI.org/10.1590/S0100-69912001000400004.

(16.) Schindler A, Mozzanica F, Ginocchio D, Invernizzi A, Peri A, Ottaviani F. Voice-related quality of life in patients after total and partial laryngectomy. Auris Nasus Larynx. 2012;39(1):77-83. DOI: 10.1016/j.anl.2011.03.009.

(17.) Vickery LE, Latchford G, Hewlson J, Bellew M, Feber. The impact of head and neck cancer and facial disfigurement on the quality of life of patients and their partners. Head & Neck. 2003;25(4):289-96. DOI: 10.1002/hed.10206

(18.) Duffy SA, Ronis DL, Valenstein M, Fowler KE, Lambert MT, Bishop C, et. al. Depressive symptoms, smoking, drinking, and quality of life among head and neck cancer patients. Psychosomatics.2007;48(2): 142-8. DOI:10.1176/appi.psy.48.2.142.

(19.) Kasama ST, Brasolotto AG. Percepcao vocal e qualidade de vida. Pro-Fono. 2007;1(19):19-28.

(20.) Anchette D, Menezes MB, Nakay MY, Prandini B, Kikuchi W, Goncalves AJ. Avaliacao da qualidade de vida dos pacientes com cancer de laringe no pos-operatorio tardio. Soc Bras Psico-Oncol. 2009;4(3):1-6.

(21.) Melo Filho MR; Rocha BA; Pires MBO, Fonseca ES; Freitas EM; Martelli Jr H; Santos FBG. Qualidade de Vida de Pacientes com Carcinoma em Cabeca e Pescoco. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79(1):82-9. DOI: org/10.5935/1808-8694.20130014

(22.) De Lima MAG; Barbosa LNF; Sougey EB. Avaliacao do Impacto na Qualidade de Vida em Pacientes com Cancer de Laringe. Rev. SBPH. 2011;14(1):18-40.

(23.) Garabito RM, Gomez ST, Gonzalez ML, Macias LM, D'Agostino M, De Cabo JV. Revisiones sistematicas exploratorias. Med Segur Trab. 2009;55(216):12-9.

(24.) Bardin L, Reto LA, Pinheiro A. Analise de conteudo. Sao Paulo: Edicoes 70, 2011. Trad.

(25.) Botelho LLR, Cunha CCA, Macedo M. O metodo da revisao integrativa nos estudos organizacionais. Gestao Soc . 2011 ;5(11): 121-36. DOI: http://dx.doi.org/10.21171/ges.v5i11.1220.

(26.) Yu Y, Wang XL, Xu ZG, Wu YH. Laryngeal reconstruction with a sternohyoid muscle flap after supracricoid laryngectomy: postoperative respiratory and swallowing evaluation. Otolaryngol Head Neck Surg. 2014; 151 (5):824-9. DOI: 10.1177/0194599815579876.

(27.) Israel Y, Cervantes O, Abrahao M, Ceccon FP, Marques Filho MF, Nascimento LA et. al. Obstructive sleep apnea in patients undergoing supracricoid horizontal or frontolateral vertical partial laryngectomy. Otolaryngol Head Neck Surg. 2006; 135(6) :911-6. DOI: 10.1016/j. otohns.2006.02.030.

(28.) 28. Santos LM, Gasparini G, Behlau M. Validacao do protocolo do Indice de Desvantagem Vocal (IDV) no Brasil [monografia]. Sao Paulo: Centro de Estudos da Voz; 2007.

(29.) Gasparini G, Behlau M. Quality of life: validation of the Brazilian version of the voice-related quality of life (V-RQOL) measure. J Voice. 2009;23(1):76-81. DOI: 10.1016/j.jvoice.2007.04.005.

(30.) Behlau M, Oliveira G, Santos LMA, Ricarte A. Validation in Brazil of self-assessment protocols for dysphonia impact. Pro-Fono R Atual Cient. 2009;21 (4):326-32. DOI.org/10.1590/S0104-56872009000400011.

(31.) Vartanian JG, Carvalho AL, Furia CLB, Castro Junior G, Rocha CN, Sinitcovisky IML et. al. Questionnaires validated in the Brazilian population for evaluation of the Quality of Life in patients with head and neck cancer. Rev Bras Cir Cabeca Pescoco.2007;36(2):108-15.

(32.) Nascimento LA, Ventura JL, Cavalheiro JB, Furtado PL, Pinheiro TG. Comparative study of the validity of questionnaires used to measure the quality of life in laryngectomy patients. Rev Bras Cir Cabeca Pescoco. 2006;35(3):168-73.

(33.) Silveira A, Ribeiro C, Goncalves J, Oliveira A, Silva I, Lopes C et. al. Qualidade de vida em doentes oncologicos da cabeca e pescoco tratados no Instituto Portugues de Oncologia do Porto: comparacao de instrumentos de medida. Rev Port Sau Pub. 2009;8(1):59-66.

(34.) Sewnaik A, Brink JLVD, Wieringa MH, Meeuwis CA, Kerrebijn, JDF. Sugery for recurrent laryngeal carcinoma after radiotherapy: partial laryngectomy or total laryngectomy for a better quality of life? OtolaryngHead Neck 2005;132(1):95-8. doi: 10.1016/j.otohns.2004.09.011.

(35.) Kandogan T, Sanal A. Quality of life, functional outcome, and voice handicap index in partial laryngectomy patients for early glottic cancer. BMC Ear. 2005;5(3):1-7. DOI: 10.1186/1472-6815-5-3.

(36.) Schindler A, Favero E, Nudo S, Albera R, Schindler O, Cavalot AL. Long-term voice and swallowing modifications after supracricoid laryngectomy: objective, subjective, and self-assessment data. Am J Otolaryngol Head Neck Med Surg.2006;27:378-83. DOI:10.1016/j.amjoto.2006.01.010.

(37.) Alicandri-Ciufelli M, Piccinini A, Grammatica A, Chiesi A, Nizzoli F, Ghidini A et al. Voice and swallowing after partial laryngectomy: factors influencing outcome. Head Neck. 2013;35(2):214-9. DOI: 10.1002/hed.22946

(38.) Nakayama M, Okamoto M, Miyamoto S, Takeda M, Yokobori S, Masaki T et al. Supracricoid laryngectomy with cricohyoidoepiglottopexy or cricohyoido-pexy: Experience on 32 patients. Auris Nasus Larynx.2008;35(1):77-82. DOI: 10.1016/j.an1.2007.04.018.

(39.) Oliveira IB; Augusti ACV, Siqueira DM. Avaliacao de voz e qualidade de vida apos laringectomia supracricoide. Audiol. Commun. Res. 2013;18(4):353-60. DOI.org/10.1590/S2317-64312013000400018.

(40.) Leszczynska M, Wierzbicka M, Tokarski M, Szyfter W. Attempt to improve functional outcomes in supracricoid laryngectomy in T2b and T3 glottic cancers. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2015;272(10):2925-31. DOI: 10.1007/s00405-014-3244-7.

Iara Bittante de Oliveira [1]

Daniela Regina Soares de Marialva [1]

[1] Pontificia Universidade Catolica de Campinas--PUC Campinas, Campinas, Sao Paulo, Brasil

Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 22/09/2015

Aceito em: 14/04/2016

Endereco para correspondencia:

Iara Bittante de Oliveira Av John Boyd Dunlop--s/no. Jd. Ipaussurama, Campinas (SP) CEP: 13060-904

E-mail: ibittante@puc-campinas.edu.br
Tabela 1. Protocolos utilizados nos estudos para avaliar a
qualidade de vida dos pacientes submetidos a Laringectomia
Parcial Supracricoide especificos ou nao a pacientes oncologicos

Protocolos de Qualidade de vida     n      %

QVV                                 2    11,2
IDV                                 13   72,3
HNQOL                               1    5,5
EORTC QLQ C 30 / H&N 35             1    5,5
UWQOL                               1    5,5
Total                               18   100

Obs: Ha artigos que utilizaram mais de um protocolo em seus
estudos, o que justifica a nao coincidencia dos numeros citados
anteriormente, o qual se tratava de numero de artigos que estudam
a qualidade de vida

QVV = Protocolo de Qualidade de Vida em Voz; IDV = Indice de
Desvantagem Vocal; HNQOL = Head and Neck Quality of Life; EORTC
QLQ C30 / H&N35 = European Organization for Research and
Treatment of Cancer Quality of Life Questionnaire; UWQOL =
Washington University Quality of Life Questionnaire.

Figura 1. Formulario de aplicacao dos testes de relevancia
I, II e III.

FORMULARIO DE APLICACAO DO TESTE DE RELEVANCIA I

Criterios de inclusao                                   Sim   Nao

1. A publicacao aborda qualidade de vidaem
   voz em sujeitos submetidos a laringectomia
   parcial?
2. Trata-se de artigo original?
3. O artigo foi publicado no periodo de 2004 a 2015?

FORMULARIO DE APLICACAO DO TESTE DE RELEVANCIA II

Fase I                                                  Sim   Nao

1. A publicacaocita qualidade de vida em
   laringectomia parcial supracricoide?
2. O artigo foi lido na integra?

Fase II

1. A publicacao possui protocolo de avaliacao de
   qualidade de vida?

FORMULARIO DE APLICACAO DO TESTE DE RELEVANCIA III

Criterios para aceitacao definitiva                     Sim   Nao

1. A publicacao possui protocolo de avaliacao da
   qualidade de vida especifico em cancer de cabeca
   e pescoco

Figura 3. Artigos que utilizam protocolos de qualidade de vida
especifico em cancer de cabeca e pescoco em sujeitos apos
laringectomias parciais supracricoides.

Artigo     Autores e ano de Publicacao       Titulos dos Artigos

Artigo 1   Moyano, JAM; Gutierrez, RS;    Assessment of quality of
           Nogueras, JR; Aumente, PO;    life in patients treated by
             Villarejo, PL. (2004).         supracricoid partial
                                              laryngectomy with
                                          cricohyoidoepiglottopexy
                                                   (CHEP)

Artigo 2    Sewnaik, A; Brink, JLVD;        Surgery for recurrent
           Wieringa, MH; Meeuwis, CA;     laryngeal carcinoma after
             Kerrebjin, JDF. (2004).        radiotherapy: Partial
                                            laryngectomy or total
                                          laryngectomy for a better
                                              quality of life?

Artigo 3      Kandogan T, Sanal A.       Quality of life, functional
                     (2005).             outcome, and voice handicap
                                              index in partial
                                          laryngectomy patients for
                                            early glottic cancer

Artigo        Protocolos utilizados

Artigo 1      (HNQOL)--University of
              Michigan Head and Neck
           Cancer--Specific Quality of
                      Life.

Artigo 2   (EORTC-C30/H&N35)--European
            Organization for Research
             and Treatment of Cancer.
            VHI--Voice Handicap Index

Artigo 3      (UW-QOL) University of
            Washington-QuaJity of Life
                  Questionnaire

Figura 5. Sintese dos tres estudos ja citados que utilizaram
protocolos de qualidade de vida especificos de cancer de cabeca e
pescoco

Titulo / Autores /       Objetivo do estudo       Sintese do Estudo
Ano de Publicacao

Assessment of quality    Avaliar a qualidade de   Foram incluidos 26
of life in patients      vida em pacientes        pacientes, todos do
treated by               submetidos a             sexo masculino, com
supracricoid partial     Laringectomia parcial    media de idade de
laryngectomy with        supracricoide (LPSC)     61,7 anos. Os
cricohyoidoe-            com                      questionarios
piglottopexy             cricohioidoe-            utilizados foram:
(chep) Moyano, JAM;      piglotopexia             HN-QOL (Universidade
Gutierrez, RS;           (CHEP) e identificar     de Michigan para
Nogueras, JR; Aumente,   eventuais relacoes com   pacientes com
PO; Villarejo, PL.       alguns aspectos          tumores de cabeca e
2004.                    relativos ao             pescoco). Como
                         tratamento, como         metodo estatistico
                         desempenho,              foi utilizado a
                         esvaziamento cervical,   media de Standard,
                         radioterapia e           de Kaplan-Meier para
                         decanulacao.             estimar a sobrevida
                                                  e Shapiro-Wilk, para
                                                  realizar uma analise
                                                  comparativa dos
                                                  valores medios.
                                                  Resultados
                                                  funcionais: os
                                                  dominios mais
                                                  afetados forama
                                                  comunicacao com
                                                  menor qualidade de
                                                  vida em pacientes
                                                  nao decanulados,
                                                  irradiados e aqueles
                                                  que realizaram o
                                                  esvaziamento
                                                  cervical e
                                                  desconforto do
                                                  tratamento de um
                                                  modo geral.
                                                  Conclui-se,
                                                  portanto, que a LPSC
                                                  e um tipo de
                                                  cirurgia com baixo
                                                  impacto sobre
                                                  qualidade de vida
                                                  dos pacientes.

Surgery for recurrent    Investigar a qualidade   Um questionario foi
laryngeal carcinoma      de vida apos             preenchido por 23
after radiotherapy:      laringectomia parcial    pacientes com
Partial laryngectomy     contra a laringectomia   diagnostico de
or total laryngectomy    total em carcinomas      carcinoma laringeo.
for a better quality     laringeos recorrentes    O grupo foi composto
of life? Sewnaik, A;     apos a radioterapia.     por 12 pacientes
Brink, JLVD; Wieringa,                            submetidos
MH; Meeuwis, CA;                                  alaringectomia
Kerrebjin, JDF 2004.                              parcial, sete
                                                  laringectomias do
                                                  tipo frontolateral e
                                                  cinco
                                                  comlaringectomia-
                                                  supracricoide
                                                  (LPSC) e 11
                                                  comlaringectomia
                                                  total (LT). Foram
                                                  utilizados tres
                                                  questionarios: EORTC
                                                  C30 (QLQ) versao em
                                                  Holandes, EORTC--H &
                                                  N35 e IDV.Nao foram
                                                  encontradas
                                                  diferencas
                                                  significativas entre
                                                  os dois grupos nas
                                                  variadas subescalas
                                                  de avaliacao. O IDV
                                                  tambem nao
                                                  demonstrou
                                                  diferencas
                                                  significantes entre
                                                  os grupos avaliados.
                                                  A unica grande
                                                  diferenca na
                                                  qualidade de vida
                                                  dos pacientes apos a
                                                  LP em comparacao a
                                                  LT foi o prejuizo da
                                                  olfacao e paladar,
                                                  com impacto negativo
                                                  sobre a QV. Dessa
                                                  forma, nao se
                                                  conseguiu confirmar
                                                  que os pacientes
                                                  submetidos a
                                                  laringectomias
                                                  parciais sao
                                                  melhores do que os
                                                  submetidos a
                                                  laringectomia total.

Quality of life,         Avaliar a qualidade de   Participaram do
functional outcome,      vida relacionados aos    estudo 29 pacientes
and voice handicap       problemas de voz,        do sexo masculino,
index in partial         questoes funcionais e    media de idade 53,9
laryngectomy patients    efeito de                anos. Tres pacientes
for early glottic        aritenoidectomia, em     foram submetidos a
cancer. Kondogan, T;     pacientes submetidos a   tecnica cirurgica de
Sanal, A. 2005.          diferentes tecnicas      cordectomia, 11
                         cirurgicas de            pacientes submetidos
                         laringectomia, sendo a   a laringectomia-
                         laringectomia-           frontolateral
                         frontolateral,           e oito pacientes
                         cordectomia e            submetidos a
                         laringectomia parcial    laringectomia
                         supracricoide (LPSC).    parcial
                                                  supracricoide (LPSC)
                                                  com cricohioidopexia
                                                  (CHP) e esvaziamento
                                                  cervical bilateral.
                                                  Nenhum dos pacientes
                                                  recebeu tratamento
                                                  com radioterapia ou
                                                  fonoterapia. Apos
                                                  aplicar o
                                                  questionario de
                                                  qualidade de vida da
                                                  Universidade de
                                                  Washington (UW-
                                                  QOL), houve
                                                  diferenca
                                                  significativa entre
                                                  os pacientes
                                                  submetidos
                                                  acordectomia e
                                                  laringectomia com
                                                  CHP Os pacientes
                                                  laringectomizados
                                                  parciais com CHP
                                                  apresentaram menor
                                                  pontuacao do que os
                                                  pacientes submetidos
                                                  acordectomia em tres
                                                  questoes de
                                                  qualidade de vida,
                                                  Como conclusao, o
                                                  autor relata que as
                                                  tres tecnicas
                                                  cirurgicascitadas no
                                                  estudoapresentaram
                                                  boa qualidade de
                                                  vida,de voz e sobre
                                                  os resultados
                                                  funcionais. Alem
                                                  disso, a remocao de
                                                  uma aritenoide nao
                                                  impactou de
                                                  formanegativa nesses
                                                  aspectos sob o ponto
                                                  de vista dos
                                                  pacientes.
COPYRIGHT 2016 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:de Oliveira, Iara Bittante; de Marialva, Daniela Regina Soares
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:May 1, 2016
Words:6214
Previous Article:Effectiveness and limitations of vocal therapy in Parkinson's disease: a literature review/Eficacia e limitacao da terapia vocal na doenca de...
Next Article:Applicability of burden of disease methodology in human communication disorders/Aplicabilidade dos estudos de carga de doenca nos disturbios...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters