Printer Friendly

Speech-language disorders and access to the speech therapists in cases of death from lip, oral cavity and oropharyngeal cancer: a retrospective study/Alteracoes fonoaudiologicas e acesso ao fonoaudiologo nos casos de obito por cancer de labio, cavidade oral e orofaringe: um estudo retrospectivo.

INTRODUCAO

O Cancer de boca e reconhecido como tumor maligno localizado na cavidade oral, labios e orofaringe, tendo como principais caracteristicas o aparecimento de lesoes que nao cicatrizam, ulceracoes superficiais e indolores e manchas que podem ser esbranquicadas ou avermelhadas. O tabagismo, o etilismo e a ma higiene oral sao importantes fatores de risco para a doenca (1,2).

O cancer de boca esta categorizado entre os canceres de cabeca e pescoco (CCP), onde ocupa a sexta posicao como o tumor mais frequente em todo o mundo. No Brasil, representa o sexto tipo de cancer mais incidente, ocupando a quarta posicao na regiao nordeste. Este tipo de cancer atinge mais 11.000 novos brasileiros todo ano, e a mais grave doenca que afeta a boca, provocando 4.891 obitos em 2010, sendo 3.882 homens e 1.009 mulheres, ocupando a terceira posicao nas razoes incidencia / mortalidade entre as neoplasias (2). No Brasil, a maior ocorrencia desses canceres tem sido registrada na lingua, acumulando 32% dos casos, seguidos da orofaringe (18,5%) e do assoalho de boca (12,4%), sendo o carcinoma epidermoide o tipo histologico mais frequente (3).

O individuo pode apresentar dificuldade para falar, se alimentar, perda acentuada de peso e linfadenomegalia cervical. Essas alteracoes, somadas a modificacao facial e aos transtornos emocionais causados pela doenca, prejudicam significativamente a qualidade de vida dessas pessoas. O tratamento do cancer ocorre por meio de cirurgia, quimioterapia e/ ou radioterapia e a indicacao e feita de acordo com a localizacao do tumor (1,2,4).

De forma geral, o tratamento apresenta efeitos colaterais, imediatos ou tardios, que variam conforme a dose e intensidade da radiacao aplicada, levando a alteracoes de pele e mucosa, atrofia de orgaos, acrescentando-se outras alteracoes morfologicas e funcionais como fibrose laringea e imobilidade bilateral das pregas vocais. A quimioterapia, por sua vez, ocasiona alteracoes gastrintestinais, sensoriais e neurotoxicidade, dependendo do tempo de exposicao e da concentracao plasmatica. Alteracoes vocais e disfagia podem ser sequelas dos tratamentos cirurgicos e ou por irradiacao (5-8).

Tratamentos combinados de radioterapia e quimioterapia, associados ou nao a resseccao cirurgica geram resultados positivos no tratamento da doenca preservando estruturas da boca e laringe. Algumas modalidades de tratamento radioterapico, como a radioterapia modulada e a braquiterapia, conduzem a radiacao de forma localizada, permitindo maior preservacao das areas expostas (9).

Porem, nem sempre a preservacao desses orgaos se torna um tratamento que resguarde realmente todas as funcoes. Em geral, sao observadas alteracoes de ordem especificas na comunicacao e degluticao (2,10). Mediante a escolha do tratamento e a assistencia prestada, o acompanhamento fonoaudiologico contribui para ampliar as potencialidades comunicativas, respeitando as expectativas e os limites da doenca (7).

Diante do exposto, esse trabalho tem como objetivo identificar as alteracoes fonoaudiologicas e o acesso ao fonoaudiologo durante o curso da doenca, nos casos de obito por cancer de labio, cavidade oral e orofaringe, nos residentes de Olinda--PE, em 2012 e 2013.

METODOS

Trata-se de um estudo descritivo, retrospectivo, com abordagem quantitativa, desenvolvido em Olinda, localizado na Regiao Metropolitana do Recife, no estado de Pernambuco.

Esta pesquisa foi aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa da Fundacao de Ensino Superior de Olinda (FUNESO), sob o numero de CAAE 21394913.9.0000.5194 e numero de parecer 420.224/2013.

O Municipio e composto por 32 bairros e uma populacao de 397.268 habitantes (11-13) e participa do planejamento, organizacao e avaliacao das acoes de deteccao precoce do cancer de boca por meio da politica municipal de saude bucal, possibilitando o acesso a rede de assistencia ao cancer do ambito do Sistema Unico de Saude - SUS, por meio de pactuacao intermunicipal com Recife, capital pernambucana (13-15).

A populacao estudada foi composta por todos os obitos por cancer de labio, cavidade oral e orofaringe, de residentes em Olinda, notificados ao Sistema de Informacao sobre Mortalidade (SIM), ocorridos nos anos de 2012 e 2013, com assistencia integralmente realizada pelo Sistema Unico de Saude. Foram selecionados os anos 2012 e 2013 como periodo para o estudo por se tratarem dos dois ultimos anos com dados encerrados pelo sistema de informacao durante a coleta dos dados.

As informacoes foram obtidas em entrevistas realizadas com informantes-chave de cada caso, identificados por meio de busca ativa na residencia, por meio dos registros de endereco das Declaracoes de Obito do banco de dados do SIM, no qual todos os envolvidos na pesquisa concordaram em participar, assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A escolha por trabalhar com os casos de obito por esta causa se deu a partir de algumas questoes: os casos estariam notificados no SIM com dados pessoais necessarios a busca, e a possibilidade de tornar o grupo estudado homogeneo, tendo em vista que todos tiveram a mesma causa basica de obito, codificadas de acordo com o Codigo Internacional de Doencas--CID de COO a C1016.

De posse dos enderecos residenciais desses obitos, foi tracado um roteiro de visitas domiciliares conforme distribuicao e proximidade dos casos, utilizando o recurso do servico Google Maps[R] versao 2014, respeitando suas politicas de utilizacao. Apos a identificacao do local da residencia, buscou-se identificar se a area era coberta pela Estrategia Saude da Familia (ESF) ou Estrategia Agentes Comunitarios de Saude (EACS) e, nesses casos, acionou-se as equipes das ESF/EACS para colaborar com a identificacao do individuo e de sua residencia.

A visita aos enderecos selecionados seguiu o seguinte processo: quando a residencia se encontrava fechada, foi visitada por mais duas vezes, em dias e horarios diferentes, a fim de ratificar a ausencia de moradores no local. Essa confirmacao se deu por meio da consulta aos vizinhos laterais e frontais.

Dos 38 obitos por cancer de labio, cavidade oral e orofaringe registrados no SIM, em 2012 e 2013, seis tinham endereco registrado na Declaracao de Obito (DO) inexistente ou nao localizado no municipio; em tres, o endereco nao correspondia ao paciente; em oito casos, o local estava fechado ou a residencia havia sido vendida e os vizinhos nao tinham o contato dos familiares; houve uma recusa em responder o questionario; e dois casos os pacientes nao tinham realizado o tratamento exclusivamente pelo SUS, portanto, nao se enquadravam nos criterios de inclusao do estudo, restando 18 casos a serem estudados.

Os individuos que apresentassem outra co-morbidade, referida pelos informantes-chave na resposta a entrevista, que pudesse causar alteracoes na comunicacao (disturbios neurologicos, cognitivos ou sensoriais) seriam excluidos, porem nenhum caso se enquadrou nesse criterio.

A coleta de dados ocorreu entre os meses de janeiro e julho de 2014, por meio de um instrumento de coleta de dados semi-estruturado, desenvolvido exclusivamente para este estudo. A equipe executora foi treinada para a aplicacao do mesmo, em encontros com expertises no atendimento fonoaudiologico ao paciente com cancer de cavidade oral e faringe. Alem disso, o instrumento foi aplicado na versao piloto em dois casos e foram realizados ajustes no mesmo de modo a garantir clareza nas perguntas. Para investigar as alteracoes ocorridas durante o curso da doenca e a indicacao de acompanhamento fonoaudiologico, foram utilizados os principios do protocolo da Autopsia Verbal (AV), ja validado e utilizado no Brasil e em diversos paises (17). Esse protocolo foi implantado, no Brasil, pelo Ministerio da Saude, com o objetivo de resgatar informacoes, coletadas um ou mais informantes-chave, sobre os dados de saude e a trajetoria da doenca, de modo a reconstruir a causa morte.

O entrevistado, denominado de informante-chave, segundo o metodo da AV, deve ter convivido com o falecido durante as circunstancias ou a doenca que levou a morte, preferencialmente, ter sido o cuidador da pessoa que faleceu, um membro do nucleo familiar, independente do grau de parentesco, a pessoa que assistiu ao obito e/ou tenha residido no mesmo domicilio do falecido, e ser capaz de fornecer as informacoes solicitadas com clareza (17).

Os resultados foram descritos por meio da analise da frequencia absoluta e relativa. O processamento e a analise dos dados foram realizados por meio do EpiInfo, versao 3.04, e do Bioestat, versao 5.0. As diferencas percentuais foram testadas por meio do teste estatistico Qui- quadrado corrigido de Yates, com [alpha]=5%, ou nos casos em que a ocorrencia foi inferior a cinco observacoes, usou-se o Teste Exato de Fisher, tambem com [alpha]=5%.

RESULTADOS

Dos 18 casos de obito por cancer de labio, cavidade oral e orofaringe investigados, 55,6% dos informantes-chaves foram membros do nucleo familiar (conjuges e/ou filhos/as) e em 72,2% as respostas foram fornecidas por um unico informante-chave (p<0,001). Em 55,6% dos casos, a suspeita do cancer de labio, cavidade oral e orofaringe foi por meio da realizacao do autoexame (p<0,001), o diagnostico ocorreu apenas por profissionais medicos, tendo igualmente a lingua e orofaringe como sitio tumoral com proporcao de 33,33%; em 83,3% houve a realizacao de algum tratamento especifico (p<0,001) (Tabela 1).

Dos individuos que tiveram alguma indicacao de tratamento especifico para o cancer, de forma isolada e/ou combinada, 72,2% realizaram quimioterapia (p<0,001), 66,6% radioterapia (p=0,012) e 27,8% foram submetidos a alguma intervencao cirurgica (p<0,001). Todos os casos apresentaram alguma alteracao nas funcoes estomatognaticas, sendo 88,9% na fala (p<0,001), 83,3% na mastigacao e na degluticao (p<0,001), 77,8% na voz (p<0,001), 72,2% na succao por meio de canudo (p<0,001), 27,8% na audicao (p<0,001) e em 22,2% a cognicao estava alterada (p<0,001). Em relacao a realizacao de procedimentos complementares, observou-se que 72,2% realizaram sondagem gastrointestinal (p<0,001), 5,6% gastrostomia (p<0,001) e 22,2% foram submetidos ao procedimento de traqueostomia (p<0,001). Em cinco casos (27,80%) houve a indicacao para fonoaudiologia, e todos que receberam indicacao do tratamento fonoaudiologico, referiram acesso a este profissional (Tabela 2).

DISCUSSAO

Analisando os dados referentes ao fornecimento de informacoes, houve o predominio de um unico informante-chave e, em sua maioria conjuges e filhos, fator que esta relacionado a ocorrencia deste tipo de cancer em individuos com idade superior a 40 anos, casados e com filhos (18-20). Pernambuco e Vilela (21), em estudo sobre a mortalidade por neoplasia de laringe, apontam prevalencia maior entre individuos casados, no entanto nao foi encontrada referencia que relacione a ocorrencia do obito com o estado civil do individuo, sendo esta informacao mais relevante quando avaliados os aspectos de qualidade de vida.

Os resultados encontrados neste estudo descreveram que a ocorrencia da suspeita do cancer em labio, cavidade oral e orofaringe, se deu em sua maioria durante o autoexame da cavidade oral, ratificando a importancia dessa pratica e sugerindo a ampliacao das acoes preventivas de saude bucal. Moraes destaca a importancia de realizacao dos exames periodicos e de acoes educativas direcionadas a populacao, para identificar possiveis lesoes em estagios iniciais da doenca, visto que o cancer nesta area geralmente e indolor e de dificil visualizacao (22). Entretanto, grande parte da populacao so atenta para alguma anormalidade anatomica na boca quando a lesao esta apresentando deformidades, comprometimento da funcao ou mau cheiro no local.

Neste sentido, o Instituto Nacional do Cancer afirma que nao existem evidencias cientificas que comprovem que o autoexame seja efetivo como medida preventiva contra o cancer de boca, pois a populacao em geral tem dificuldade em diferenciar lesoes potencialmente malignas de areas anatomicas normais, porem o autoexame possibilita a visualizacao de lesoes em estagios iniciais, reduzindo a chance de evolucao e agravamento da doenca (2).

Para a populacao do estudo, a lingua e a orofaringe aparecem como os principais sitios de localizacao do tumor. Essa situacao pode se dar pelo fato de serem areas mais expostas aos fatores de risco para o cancer de boca, como tabagismo, etilismo e infeccoes pelo Papiloma Virus Humanos (HPV), favorecendo o desenvolvimento de lesoes, em especial nesses sitios anatomicos (2,23).

Foi possivel verificar que na maioria dos casos houve a realizacao de tratamento especifico, de forma isolada ou associada a outro tratamento, e menos de um terco da populacao foi submetida a alguma intervencao cirurgica, devido apresentarem lesoes em estagio avancado. Os componentes terapeuticos que podem ser aplicados, isolados ou em associacao, para o tratamento do cancer de boca sao cirurgia, radioterapia e quimioterapia (2,24,25).

A indicacao da terapeutica e feita de acordo com a localizacao, estadiamento clinico tumoral e condicoes clinicas do individuo, entretanto os metodos de tratamento para o cancer de cabeca e pescoco podem causar comprometimentos esteticos e funcionais significativos (2,25).

De forma geral, foram observados altos percentuais de alteracoes fonoaudiologicas nos casos investigados, com destaque para fala e mastigacao. Sabe-se que os procedimentos adotados para o tratamento especifico do cancer de boca podem causar efeitos indesejaveis e/ou irreversiveis ao sistema estomatognatico, tais como xerostomia, fibrose dos tecidos irradiados, necrose de tecido osseo ou cartilagineo, perda de dentes, trismo, disfagia, disfonia, alteracao na articulacao da fala, ageusia ou hipogeusia e caries, comprometendo as funcoes de fonoarticulacao e dificuldades de degluticao de saliva e alimentos (19,21,26).

Estudos afirmam que a resseccao total ou parcial de estruturas fonoarticulatorias e responsavel por modificacoes na articulacao dos sons e voz que afetam significativamente a inteligibilidade de fala desses sujeitos. A voz assume caracteristica pastosa, monotona e hipernasal, alem do comprometimento de diversos sons da fala, causados por imprecisao articulatoria, que acrescida de trismo acentuado, prejudicam a fala (24,26).

Os tumores que surgem na cavidade oral apresentam obstaculos anatomicos, como ossos e nervos perifericos, que dificultam a realizacao da cirurgia, levando a escolha da radioterapia como conduta terapeutica. Contudo, grandes doses de irradiacao sao necessarias na tentativa de erradicacao do tumor. Dentre as reacoes pos-radioterapia registram-se a osteorradionecrose da mandibula e dentes, otite media ou externa, trismo, fibrose, disfuncao endocrina, edema de laringe e ate imobilidade de prega vocal, diminuicao do reflexo da degluticao e do peristaltismo faringeo, que podem permanecer por ate dois anos. Ja o tratamento quimioterapico, indicado antes ou apos uma resseccao de tumor, e isolado/combinado a radioterapia, pode acarretar em dificuldades de succao e degluticao dos alimentos, cujo grau de dificuldade sera determinado pelo tipo de tratamento realizado e dosagem aplicada, pela natureza e extensao da resseccao necessaria (7,26,27).

Para que ocorra uma diminuicao consideravel de massa tumoral, o paciente necessita de varias doses de quimioterapicos por um tempo prolongado, fazendo com que a concentracao sanguinea das drogas se elevem, destruindo as celulas neoplasicas, e concomitantemente as saudaveis, levando a efeitos colaterais e alteracoes indesejaveis nas estruturas responsaveis pela comunicacao. Mendes (23) caracteriza diversos metodos que podem ser utilizados na reabilitacao das funcoes orais que foram prejudicadas, sao elas a fonoterapia, a realizacao de cirurgias reconstrutoras ou o uso de proteses orais.

Em relacao a realizacao de procedimentos complementares, muitos necessitaram de sondagem gastrointestinal, e uma proporcao razoavel, de traqueostomia. Pessoas em estagio avancado da doenca ou fora das possibilidades terapeuticas, tendem a perder a funcao de algumas estruturas anatomicas, seja pelo tamanho e localizacao do tumor, como tambem pelo tipo de tratamento especifico a que foi submetido (26).

Funcoes como alimentacao e comunicacao se encontram prejudicadas, agravando ainda mais o quadro do paciente. Alteracoes na degluticao, mastigacao e succao sao registrados comumente na literatura (28) e foram ratificados aqui no estudo, havendo a necessidade de realizacao de procedimentos complementares que reestabelecam essas atividades, porem a utilizacao de alguns dispositivos acaba levando a implicacoes na comunicacao. Calheiros e Albuquerque destacam a importancia de observar quais estruturas o tumor ja acometeu, assim como, a presenca de dispositivos como sonda para alimentacao ou traqueostomo, verificando o grau de comprometimento das funcoes de alimentacao e comunicacao (7).

Apos o diagnostico e inicio do tratamento para o cancer de labio, cavidade oral e orofaringe, cerca de um terco receberam indicacao para acompanhamento em Fonoaudiologia e, para todos os casos em que foi indicado, houve o relato de acesso a este profissional. Como dito acima, os metodos utilizados para tratamento do tumor e o tipo de reconstrucao utilizada, podem provocar prejuizo osteomuscular, cartilagineos e glandulares nas areas de incidencia do tratamento, repercutindo em alteracoes nas funcoes estomatognaticas e na face, de modo que esses individuos, em sua maioria, necessitariam de acompanhamento fonoaudiologico.

Devido as alteracoes fonoaudiologicas nesses casos, o fonoaudiologo tem um papel importante na orientacao e conducao dos casos. Cabe a ele contribuir de modo a maximizar a degluticao, adapta-la e/ou preservar com seguranca o prazer da alimentacao por via oral, bem como colaborar com o paciente para o restabelecimento ou adaptacao da comunicacao, orientado quanto ao processo de reabilitacao de fala e/ ou degluticao, que se dara pela utilizacao de estruturas remanescentes e funcoes compensatorias, visando a uma maior integracao familiar e social.

As estrategias para desenvolver a comunicacao, seja por meio da (re)adaptacao da linguagem oral como tambem no estabelecimento de uma comunicacao efetiva nao-verbal, garante uma melhor qualidade de vida e melhora na inter-relacao deste com seus familiares e equipe (7,26,27).

No entanto, observa-se que a indicacao fonoaudiologica foi restrita a menos de um terco da populacao estudada. Essa ocorrencia pode estar relacionada a doenca avancada, com alguns individuos submetidos a cuidados paliativos, e com isso, algumas propostas terapeuticas se tornam inviaveis. As complicacoes provenientes do tratamento especifico, principalmente as da quimioterapia, como a imunossupressao, indisposicao e efeitos colaterais como nauseas e vomito, desestimulam o paciente a buscar acompanhamento de outros profissionais envolvidos de forma indireta no tratamento da doenca.

Mas destaca-se tambem que essa baixa indicacao pode manter relacao com o desconhecimento acerca da atuacao profissional fonoaudiologo acerca dos cuidados nos casos de cancer de labio, cavidade oral e orofaringe, ou ainda a pouca oferta deste profissional da rede SUS.

Adicionalmente, Oliveira e colaboradores (29) afirmam que a utilizacao dos servicos de saude esta ligada a caracteristicas da oferta e a conduta das pessoas frente a morbidade e aos servicos. O padrao de procura pode variar segundo sexo, idade, grupos sociais, e sua utilizacao podera depender dos problemas de saude e gravidade da doenca, procedimentos especificos e areas geograficas em que o paciente ou o servico se encontram (29,30).

Desta forma, o acesso ao servico de fonoaudiologia tambem e um outro complicador para o ingresso e manutencao da terapia, pois a maioria dos usuarios e SUS-dependente e com isso a demanda alta de pacientes, atrelada a baixa oferta de profissionais (28,29), leva a prolongar o tempo de espera para comecar o acompanhamento fonoaudiologico. Essa situacao pode ser agravada quando o servico oferecido se encontra em um local distante da residencia do paciente, mas condicoes para o deslocamento e a centralizacao da assistencia oferecida. O acompanhamento fonoaudiologico favorece o enfrentamento da doenca, no que se refere ao processo de comunicacao e alimentacao, assim como, auxilia na readaptacao das suas novas condicoes provenientes do pos-terapia. Assim, estimula-se a discussao sobre linha de cuidado da pessoa com cancer entre os profissionais envolvidos na atencao a saude desse publico, de modo a proporcionar o acompanhamento adequado na sua readaptacao funcional, impactando na qualidade de vida do individuo e da sua familia, e em importantes funcoes sociais.

Adicionalmente, registra-se aqui a potencialidade do uso dos principios da AV nas pesquisas em saude. Na busca realizada, nao foram encontradas evidencias cientificas com o uso desta estrategia na Fonoaudiologia. A partir dos dados disponiveis nos sistemas de informacoes em saude, e possivel ter acesso a informacoes pessoais tais como nome e endereco, e reconstruir as trajetorias de saude-doenca das pessoas, a partir de estudos retrospectivos utilizando tais principios. Deste modo, constitui-se numa potencial estrategia a ser utilizada nas pesquisas em Fonoaudiologia.

Por fim, reconhecem-se alguns elementos que podem constituir limitacao metodologica do estudo, tais como a imprecisao dos enderecos registrados no SIM, dificultando a localizacao das residencias e provocando reducao no tamanho da populacao de estudo, e a possibilidade de existencia de vies temporal de memoria dos informantes-chave, tendo em vista se tratar de um estudo retrospectivo, cujo obito ocorreu nos anos de 2012 ou 2013 e a coleta dos dados em 2014. No entanto, para este foram adotadas estrategias de contextualizacao da epoca do adoecimento e morte dos individuos, de modo a minimizar os efeitos da questao temporal, proporcionando maior seguranca na coleta dos dados, bem como utilizou-se os anos com dados mais atuais no Sistema de Informacao sobre Mortalidade.

CONCLUSAO

Os resultados deste trabalho permitem concluir que a lingua e a orofaringe foram os principais sitios tumorais primarios encontrados entre os sujeitos que foram a obito por esse tipo de cancer, e que as funcoes fonoaudiologicas apresentam alteracoes em proporcoes elevadas.

A despeito disso, poucas pessoas receberam indicacao para o acompanhamento fonoaudiologico no curso da doenca, sugerindo possiveis entraves na continuidade do cuidado a pessoa com cancer de labio, cavidade oral e orofoaringe. No entanto, todos que foram indicados referiram acesso ao profissional.

doi: 10.1590/1982-0216201618316815

REFERENCIAS

(1.) Markkanen-Leppanen M, Isotalo E, Makitie AA, Asko-Seljaara S, Pessi T, Suominen E et al. Changes in articulatory proficiency following microvascular reconstrution in oral or oropharyngeal cancer. Oral Oncology. 2006;42(6):646-52.

(2.) INCA: Instituto Nacional de Cancer. Estimativa 2014: Incidencia de cancer no Brasil. Coordenacao de prevencao e vigilancia. Rio de Janeiro: INCA, 2014.

(3.) Melo LC, Silva MC, Bernardo JMP, Marques EB, Leite ICG. Perfil epidemiologico de casos incidentes de cancer de boca e faringe. RGO--Rev Gaucha Odontol. 2010;58(3):351-5.

(4.) Konstantinovic VS. Quality of life after surgical excision followed by radiotherapy for cancer of the tongue and floor of the mouth: evaluation of 78 patients. J Cranio-Maxillofacial Surgery. 1999;27(3):192-7.

(5.) Dedivitis RA, Franca CM, Mafra ACB, Guimaraes FT, Guimaraes AV. Caracteristicas clinicoepidemiologicas no carcinoma espinocelular de boca e orofaringe. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2004;70(1):35-40.

(6.) Prepageran N, Raman R. Delayed complication of radiotherapy: laryngeal fibrosis and bilateral vocal cord immobility. Med J Malaysia. 2005;60(3):377-8.

(7.) Calheiros AS, Albuquerque CS. A vivencia da fonoaudiologia na equipe de cuidados paliativos de um hospital universitario do Rio de Janeiro. Rev HUPE. 2012;11(2):94-8.

(8.) Oliveira Junior FJM, Cesse EAP. Morbimortalidade do cancer na cidade do Recife na decada de 90. Rev Bras Cancerol. 2005;51(3):201-8.

(9.) Eisbruch A, Kim HM, Feng FY, Lyden TH, Haxer MJ, Feng M et al. Chemo-IMRT of Oropharyngeal Cancer Aiming to Reduce Dysphagia: Swallowing Organs Late Complication Probabilities and Dosimetric Correlates. Int J Radiat Oncol Biol Phys. 2011;81(3):93-9

(10.) Campos RJDS; Leite ICG. Qualidade de vida e voz pos-radioterapia: repercussoes para a fonoaudiologia. Rev CEFAC. 2010;12(4):671-7.

(11.) SEPLAMA: Secretaria de Planejamento Urbano, Transportes e Meio Ambiente de Olinda. Lei No. 5161/99: Definicoes dos limites dos bairros de Olinda. Olinda: SEPLAMA; 1999.

(12.) IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia E Estatistica [internet]. Estimativas populacionais para o TCU em 2012. [cited 2013 apr 20]; Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?ibge/cnv/poptpe.def.

(13.) Prefeitura Municipal de Olinda. Olinda em dados. [cited 2014 jan 04]; Available from: http://www.olinda.pe.gov.br/a-cidade/olinda-em-dados.

(14.) Silva KL, Sena RR, Leite JCA, Seixas CT, Goncalves AM. Internacao domiciliar no Sistema Unico de Saude. Rev. Saude Publica. 2005;9(3):391-7.

(15.) Botti CS. Avaliacao do processo de implementacao do consorcio intermunicipal de saude da regiao do Teles Pires no Estado de Mato Grosso-MT [dissertacao]. Brasilia: Escola Nacional de Saude Publica Sergio Arouca; 2010.

(16.) OMS: Organizacao Mundial da Saude. CID-10 Classificacao Estatistica Internacional de Doencas e Problemas Relacionados a Saude. 10a rev. Sao Paulo: Universidade de Sao Paulo; 1997.

(17.) Ministerio da Saude do Brasil. Manual para investigacao do obito com causa mal definida. Normas e Manuais Tecnicos. Brasilia; 2008.

(18.) Melo MCB, Lorenzato FRB, Filho JEC, Melo ZM, Cardoso SO. A Familia e o processo de adoecer de cancer bucal. Psicolo Estudo. 2005;10(3):413-9.

(19.) Souza RM, Sakae TM, Guedes AL. Caracteristicas clinico-epidemiologicas de pacientes portadores de carcinomas da cavidade oral e orofaringe em clinica privada no sul do Brasil. Arq Catarin de Med. 2008;37(2):32-41.

(20.) Marques LA, Eluf-Neto J, Figueiredo RAO, Gois-Filho JF, Kowalski LP, Carvalho MB. Saude bucal, Praticas de higiene bucal e Ocorrencia de Cancer da Cavidade oral. Rev. Saude Publica. 2008;42(3):471-9.

(21.) Pernambuco LA, Vilela MBR. Estudo da mortalidade por cancer de laringe no estado de Pernambuco --2000-2004. Rev Bras Otorrinolaringol. 2009;75(2):222-7.

(22.) Moraes TMN. Cancer de Boca: Avaliacao do conhecimento dos cirurgioes dentistas quanto aos fatores de risco e procedimentos de diagnosticos [dissertacao]. Sao Paulo: Universidade de Sao Paulo. Faculdade de Odontologia; 2003.

(23.) Cruz ACS, Franzolin SOB, Pereira AAC, Beijo LA, Hannerman JAC, Cruz JRS. Carcinoma de celulas escamosas da boca: Concordancia diagnostica em exames realizados no laboratorio de anatomia patologica da Universidade Federal de Alfenas. Rev. Bras Cancerol. 2012;58(4):655-61.

(24.) Marchioni DML, Fisberg RM, Gois Filho JF, Kowalshill, LP, Carvalho MB, Abrahao M et al. Fatores dieteticos e cancer oral: estudo de caso-controle na Regiao metropolitana de Sao Paulo, Brasil. Rev Saude Publica. 2007;23(3):553-64.

(25.) Teixeira LC. Implicacoes subjetivas e sociais do cancer de boca: consideracoes psicanaliticas. Arq bras Psicol. 2009;61(2):1-12.

(26.) Mendes AMS. Cancer de Boca: um campo a ser explorado pela fonoaudiologia. [monografia]. Rio de Janeiro: Centro de Especializacao em Fonoaudiologia Clinica--CEFAC; 2000.

(27.) Andreotti M, Rodrigues AN, Cardoso LM, Figueiredo RAO, Eluf-Neto J, Wunsch-Filho V. Ocupacao e cancer da cavidade oral e orofaringe. Cad. Saude Publica. 2006;22(3):543-52.

(28.) Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA, Rodrigues M. Assistencia fonoaudiologica no SUS: a ampliacao do acesso e o desafio de superacao das desigualdades. Rev CEFAC [Internet]. 2015 Feb [cited 2015 jul 08]; 17(1):71-9. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201515213.

(29.) Oliveira EXG, Melo ECP, Pinheiro RS, Noronha CP, Carvalho MS. Acesso a assistencia oncologica: O caso do cancer de mama. Cad. Saude Publica. [Internet]. 2011 Feb [cited 2015 jul 08]; 27(2):317-26. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200013.

(30.) Santos FD, Montovani J, Soares CT, Carvalho LR. Expressao da P53 no tumor e no epitelio oral em pacientes com cancer de boca e faringe. Arquivos Int Otorrinolaringol [Internet]. 2011 Mar [cited 2015 Nov 09]; 15 (01): [about 6 p.]. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S180948722011000100006&script=sci_arttext

Rodrigo Cesar Abreu de Aquino [1]

Maria Luiza Lopes Timoteo de Lima [1]

Coeli Regina Carneiro Ximenes de Menezes [1]

Mirella Rodrigues [1]

[1] Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.

Fonte de auxilio: Secretaria de Saude de Olinda--PE

Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 19/10/2015

Aceito em: 09/04/2016

Endereco para correspondencia:

Rodrigo Cesar Abreu de Aquino Rua Dr. Jose Mauricio, 264, Apt 11 Pau Amarelo, Paulist--Pernambuco, Brasil CEP: 53433-070

E-mail: rodrigo_c_abreu@hotmail.com
Tabela 1. Caracteristicas gerais dos obitos por
cancer de boca estudados. Olinda/PE, 2012-2013

Variavel                         N      %     [x.sup.2]   p-valor (*)

Parentesco do Informante-chave
Conjuges e filhos/as             10   55,6      22,2        p<0,001
Pais ou irmaos                   4    22,2
Outros membros da familia        4    22,2

Suspeita do cancer de labio, cavidade oral e orofaringe
Autoexame                        10   55,6      24,1        p<0,001
Profissional                     5    27,8
Familia                          3    16,7

Diagnostico do cancer de labio, cavidade oral e orofaringe
Medico                           18   100,0      --           --
Outros Profissionais             0      0

Sitio de Localizacao do Tumor
Lingua                           6    33,3       --           --
Orofaringe                       6    33,3
Outras partes da boca e/ou
  nao especificada               6    33,3

Realizacao de Tratamento Especifico
Sim                              15   83,3      44,3        p<0,001
Nao (doenca avancada)            3    16,7
Total                            18   100,0

Fonte: Dados coletados pelos pesquisadores por meio do protocolo
de autopsia verbal

(*) Teste Qui-quadrado ou Exato de Fisher (ocorrencia < 5
observacoes) corrigido de Yates com significancia estatistica
de p [less than or equal to] 0,05

Tabela 2. Alteracoes fonoaudiologicas e indicacao ao tratamento
fonoaudiologo nos caos de obito por cancer de labio,
cavidade oral e orofaringe. Olinda/PE, 2012-2013

Variavel                    N      %     [x.sup.2]   p-valor (*)

Tipo de Tratamento Especifico (Isolados e/ou associados)
Quimioterapia               13   72,2      18,6;       p<0,001
Radioterapia                12   66,6      11,1        p=0,012
Cirurgico                   5    27,8      19,7        p<0,001

Alteracoes na Comunicacao
Sim                         18   100,0

Funcoes Alteradas Apos Diagnostico e/ou Tratamento
  (Isoladas ou Associadas)
Fala                        5    27,8      19,71       p<0,001
Fala                        16   88,9      60,53       p<0,001
Voz                         14   77,8      30,9        p<0,001
Mastigacao                  15   83,3      40,3        p<0,001
Degluticao                  15   83,3      44,3        p<0,001
Succao                      13   72,2      19,71       p<0,001
Cognicao                    4    22,2      30,8        p<0,001

Procedimentos Complementares
Sondagem Gastrointestinal   13   72,2      72,1        p<0,001
Traqueostomia               4    22,2
Gastrostomia                1     5,6

Indicacao para Fonoaudiologia
Sim                         5    27,8
Nao                         11   61,1      38,7        p<0,001
Nao soube responder         2    11,1

Acesso a Fonoaudiologia
Sim                         5    27,8
Nao                         11   61,1      38,7        p<0,001
Nao soube responder         2    11,1
Total                       18   100,0

Fonte: Dados coletados pelos pesquisadores por meio do protocolo
de autopsia verbal

(*) Teste Qui-quadrado ou Exato de Fisher (ocorrencia < 5 observacoes)
corrigido de Yates com significancia estatistica de
p [less than or equal to] 0,05
COPYRIGHT 2016 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:de Aquino, Rodrigo Cesar Abreu; de Lima, Maria Luiza Lopes Timoteo; de Menezes, Coeli Regina Carneir
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:May 1, 2016
Words:4880
Previous Article:Case study and its finalities for the speech and language clinic/O estudo de caso e suas finalidades para a clinica fonoaudiologica.
Next Article:Epidemiological profile of a hearing-impaired population/ Perfil epidemiologico de uma populacao com deficiencia auditiva.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters