Printer Friendly

Speech language pathology undergraduates' views about educational speech language pathology from their theoretical and practical experiences/Visao dos graduandos do curso de fonoaudiologia acerca da fonoaudiologia educacional a partir de suas experiencias teorico-praticas.

INTRODUCAO

Os primeiros cursos de Fonoaudiologia no Brasil, no inicio da decada de 1960, tiveram como base um trabalho educacional pautado no modelo clinico [1]. E a partir deste modelo que o fonoaudiologo identifica problemas em geral, relacionados a linguagem oral e/ ou escrita, e apos tria-los define medidas normativas para serem aplicadas na escola. Tais medidas, principalmente durante as decadas de 1960 a 1990 foram pautadas em um enfoque medico-terapeutico.

Devido a essa tendencia clinica de atuacao, e comum ainda nos dias atuais que tanto o professor quanto o fonoaudiologo identifiquem os problemas escolares dos alunos, em geral, a partir de uma visao que compreende a linguagem apenas por seus aspectos formais e a aprendizagem por meio de parametros biologicos, individuais e patologicos [2, 3]. Desta forma, as praticas da fonoaudiologia, na escola, realizadas por boa parte dos fonoaudiologos brasileiros baseiam-se em algumas medidas, tais como triagens, orientacoes e encaminhamentos, voltadas a grupos restritos da populacao considerados propensos a algum risco para doencas ou disturbios. Seguindo essa tendencia de atuacao clinica, diversas pesquisas ainda focam-se na deteccao e discussao sobre disturbios em escolares [4-8] e nao na promocao da saude fonoaudiologica e do letramento.

Paralelamente a essa visao, fundamentada na atuacao clinica dos ditos disturbios escolares, desde o final do seculo passado, vinculada as pesquisas sobre promocao de saude e letramento, pode-se destacar uma segunda tendencia teorico-metodologica, a partir da qual o fonoaudiologo e concebido como mediador e co-autor na elaboracao e no desenvolvimento de acoes voltadas a promocao da linguagem no contexto educacional, [3-10].

A partir dessa vertente, os fonoaudiologos passam a pensar sua atuacao na escola por meio de acoes que contemplem a parceria entre eles e os professores, reconhecendo o papel social e conhecimentos proprios do professor e se inserindo no projeto politico-pedagogico das escolas, permitindo uma reflexao mais profunda e conjunta sobre os aspectos educacionais envolvidos, especialmente, com a apropriacao da linguagem oral e escrita. Com base nessa segunda tendencia, os fonoaudiologos deixam de enfatizar aspectos clinicos em suas atuacoes no contexto escolar e passam a propor atividades para socializacao dos conhecimentos praticos e teoricos entre os profissionais da fonoaudiologia e os educadores. Assim, novas abordagens que possam contemplar a complexidade dos processos de linguagem passam a ser desenvolvidas, e, alem disso, sao criadas condicoes favoraveis para que a escola e as familias participem do processo de escolarizacao seja dentro ou fora do contexto escolar [2, 9].

Devido a importancia do trabalho fonoaudiologico nas instituicoes escolares entende-se que a formacao do profissional da saude e da educacao e um importante fator de transformacao de um processo marcado pelas dificuldades, diagnosticos e pela estigmatizacao dos escolares em um processo saudavel de aprendizagem [11].

A partir das possibilidades de atuacao do fonoaudiologo no contexto educacional e da resolucao que regulamenta a profissao do fonoaudiologo, em ambito escolar, CFFa no. 387 de 2010 [12]; percebe-se que a formacao desse profissional requer um conjunto cada vez mais complexo de saberes que contemplem nao apenas as diversidades de demandas das comunidades escolares, mas, tambem, uma constante atualizacao desses conhecimentos. Dessa forma, o papel dos cursos de graduacao deve ser estrategico, privilegiando aspectos relevantes para a formacao do profissional fonoaudiologo [13].

Cabe ressaltar que a formacao inicial dos fonoaudiologos tambem teve um modelo biomedico e organicista sem levar em conta os contextos socio-historicos da educacao e da saude. Atualmente, essa visao mais ampla acerca de determinantes envolvidos na promocao da saude e da linguagem, comeca a se fazer presente nos documentos que regulamentam a formacao do fonoaudiologo. Na resolucao CNE/CES 5/2002 [14], por exemplo, embora nao apresente especificacoes quanto a formacao do fonoaudiologo na educacao.

Encontra-se nas diretrizes para a formacao do fonoaudiologo a importancia de se considerar os contextos sociais, acoes individuais e coletivas integradas a outros profissionais, promocao de saude, dentre outros aspectos. Contudo, estar nos documentos oficiais nao implica necessariamente que isso ocorra na pratica, desse modo, para garantir que esse conteudo seja ministrado e necessario que as ementas dos cursos contemplem tais acoes. E mais ainda, que os estudantes tenham acesso a esse conhecimento e sejam capacitados para realizarem acoes fonoaudiologicas na area da educacao a partir de um modelo historico-social e nao mais medico-terapeutico.

Observando a necessidade de que a pratica fonoaudiologica na area educacional deve ser contemplada de maneira mais abrangente nos cursos de graduacao em fonoaudiologia, o objetivo desse trabalho e discutir, sob a otica dos graduandos de alguns cursos de Fonoaudiologia do Brasil, sua percepcao acerca das acoes fonoaudiologicas voltada a educacao, bem como verificar o conhecimento e as experiencias teorico/praticas que estes estudantes tiveram durante seus cursos de graduacao.

METODOS

A aprovacao da pesquisa foi realizada pelo Comite de Etica da Universidade Tuiuti do Parana, por meio do protocolo no. 000134/2009.

Para realizar essa pesquisa foi elaborado e aplicado um questionario (Figura 1) contendo sete questoes a respeito da formacao dos Fonoaudiologos voltada a atuacao no contexto educacional . O questionario foi respondido por 78 academicos do ultimo ano do curso de graduacao em Fonoaudiologia, inseridos em cinco instituicoes de ensino superior situadas em diferentes: uma no estado de Santa Catarina, tres no Parana e uma em Sao Paulo. Para identificacao das instituicoes foi atribuida uma sigla referente ao estado ao qual pertencem e um numero para identificar as universidades do mesmo estado.

O criterio para inclusao dos estudantes na pesquisa foi que estes estivessem frequentando o ultimo periodo do Curso de Fonoaudiologia, pois espera-se que, ate este periodo todos os estudantes ja cursaram alguma disciplina academica relacionada a area da Fonoaudiologia educacional.

Cabe esclarecer que todos os estudantes responderam ao questionario individualmente e por escrito, nas proprias dependencias das instituicoes de origem, em horario estipulado pela coordenadora do curso. Apos a explanacao sobre os objetivos da pesquisa, todos os estudantes que aceitaram participar da mesma assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido.

A analise dos resultados e descritiva, com apresentacao de frequencia dos resultados em proporcoes. Os resultados, analisados foram organizados nas seguintes categorias tematicas:--Formacao Teorica e Pratica acerca da tematica Fonoaudiologia e Educacao;

-Conhecimentos proporcionados pelas disciplinas sobre a Fonoaudiologia Educacional;,- Experiencias em Fonoaudiologia Educacional durante a graduacao;

-Motivos para insercao do Fonoaudiologo no quadro de funcionarios das escolas;--Funcao que o fonoaudiologo deve exercer nas escolas;--Diferenca entre a atuacao do Fonoaudiologo Clinico e Educacional.

RESULTADOS

Com relacao a formacao teorico/pratica na tematica Fonoaudiologia Educacional, 76 (97, 44%) dos 78 alunos responderam que o seu curso de graduacao em Fonoaudiologia propiciou conhecimentos acerca da Fonoaudiologia educacional e somente dois alunos pertencentes a duas universidades diferentes disseram que nao (2, 56%), que seus cursos de graduacao nao propiciaram os conhecimentos relativos a esta area, conforme pode-se averiguar na Tabela 1.

Como se pode observar na Tabela 2, para 27, 63% dos participantes, os conhecimentos proporcionados na graduacao a respeito da Fonoaudiologia Educacional ocorrem em torno da atuacao Clinica, ou seja, correspondem a primeira tendencia de atuacao explanada na introducao do trabalho; para 14, 47% dos estudantes, os conhecimentos obtidos durante o curso de graduacao possuem um foco educacional, ou seja, um foco voltado para a atuacao na escola por meio de acoes que contemplem seu papel social e da parceria, conforme a segunda tendencia apresentada na introducao deste trabalho, e 3, 95% dos participantes citaram conhecimentos que se referiam as duas tendencias teorico-metodologicas apresentadas anteriormente.

Outros 10, 53% dos participantes citaram outros conhecimentos, como por exemplo, a atuacao do fonoaudiologo na escola e/ou as diferentes formas de se fazer esse trabalho, porem tais relatos nao foram explicitados a ponto de se conseguir inclui-los nas outras categorias de analise mais especificas.

Pode-se ainda observar que 43, 42% dos participantes citaram o nome das disciplinas, as quais discutiram a respeito da Fonoaudiologia educacional, porem, nao explicitaram quais foram os conhecimentos adquiridos.

Quanto as experiencias obtidas no periodo de graduacao a respeito da Fonoaudiologia Educacional, verifica-se, na Tabela 3, que 35, 90% dos entrevistados citaram a atuacao Clinica, sendo essa atuacao vivenciada em estagios clinicos ou mesmo dentro de instituicoes escolares. 7, 69% dos participantes relataram que suas experiencias ocorreram por meio da atuacao educacional de promocao da linguagem propriamente dita e 14, 10% relataram que nao possuem nenhuma experiencia.

Outros 7, 69% dos participantes nao citaram ou nao responderam acerca de suas experiencias e 34, 62% relataram outros tipos de experiencia, tais como o local onde obtiveram as experiencias, a "qualidade" de tais experiencias. Porem, nao evidenciaram nen hum aspecto que pudesse fazer com que fossem incluidas em outras categorias mais especificas. Foram incluidos nesse grupo, tambem, aqueles que relataram possuir somente experiencias teoricas, ja que nesse estudo considerou-se como experiencia aquilo que foi vivenciado na pratica academica.

Por meio da descricao dos resultados pode-se perceber que as respostas por um vies clinico/ preventivo, no ambito da Fonoaudiologia Educacional, foram mais citadas do que qualquer uma das outras respostas.

Cabe ressaltar, que quando questionados se o fonoaudiologo deveria fazer parte do quadro de funcionarios da escola, 100% da amostra respondeu que esse profissional deve ser inserido nesse contexto.

Ao responderem a respeito dos motivos pelos quais entendem que o fonoaudiologo deve fazer parte do quadro de funcionarios da escola, observare na Tabela 4, que 43, 59% dos participantes enfatizaram que este profissional deve realizar praticas de deteccao, diagnostico e encaminhamentos, 19, 23% dos entrevistados responderam que o fonoaudiologo pode realizar um trabalho multidisciplinar, 12, 82% que este profissional deve realizar acoes de auxilio e orientacao aos professores, outros 12, 82% dos estudantes responderam que o fonoaudiologo deve participar do planejamento escolar, e apenas 8, 97% dos respondentes entendem que o fonoaudiologo, em ambito escolar, deve realizar acoes de promocao de leitura e escrita e/ou letramento.

No item outros 16, 67% dos discentes citaram a necessidade do fonoaudiologo melhorar a qualidade de ensino e auxiliar no desenvolvimento e trabalho com a leitura e a escrita. Cabe destacar, porem, que tais respostas nao sao claras o suficiente para serem adicionadas as outras categorias.

Quando questionados sobre qual deveria ser a funcao do fonoaudiologo no contexto educacional, 34 participantes, ou seja, 43, 59% dos participantes citaram que a funcao e clinica. Outros 20 participantes, ou seja, 25, 64% citaram que o fonoaudiologo tem uma funcao de promocao da linguagem. Dentre os respondentes, 14, 10% referiram que o fonoaudiologo deve atuar tanto clinicamente como promovendo a linguagem e 16, 67% nao responderam ou nao foram claros em suas respostas, impossibilitando a categorizacao das mesmas.

Quando questionados se percebem diferencas entre a atuacao clinica e a educacional, 12, 82% dos graduandos responderam que nao ha diferencas entre ambas as atuacoes, e 87, 18% percebem diferencas na atuacao do fonoaudiologo nessas areas, conforme pode-se notar na Tabela 6.

Dentre os 68 participantes que relataram que existem diferencas entre o fonoaudiologo clinico e o educacional, 76, 47% citaram que a funcao exercida na clinica deve ser de deteccao, diagnosticos e terapias individuais focadas nos disturbios e dificuldades escolares, os outros 23,53% nao explicitaram as funcoes do fonoaudiologo dentro da clinica fonoaudiologica.

Dentre esses mesmos 68 entrevistados, quando explanaram como deveria ser a atuacao educacional do fonoaudiologo, 32, 35% citaram funcoes clinicas para a funcao do fonoaudiologo atuante nas escolas, corroborando com a tendencia medico-terapeutica que historicamente acompanha a Fonoaudiologia. Outros 27, 94% citaram a atuacao com foco educacional, 20, 59% citaram ambas as atuacoes, enquanto 19, 12% nao citaram a atuacao do fonoaudiologo educacional.

Quando questionados se atuariam como fonoaudiologos no contexto da educacao, 42 participantes, ou seja, 53, 85% citaram que desejam atuar na area, sendo que dentre esses, 38, 10% justificaram suas respostas dizendo que se identificam com a area, 26, 19% citaram a importancia desse profissional dentro do ambito escolar, 16, 67% disseram que atuariam nesta area pelo mercado de trabalho, 9, 52% responderam que ja possuem experiencia na area e que por esse motivo continuariam trabalhando neste ambito. Outros 14, 29% relatam que atuariam nessa area por outros motivos, como por exemplo, para promover o trabalho da Fonoaudiologia, para fazer concursos e para ajudar com as dificuldades dos alunos.

Dos 78 entrevistados, 36 (46, 15%) responderam que nao atuariam na area da Fonoaudiologia educacional, sendo que dentre esses, 47, 22% justificaram que nao se identificam com a area, 25, 00% acreditam que faltam conhecimentos para poderem atuar, 22, 22% nao justificaram o motivo e 5, 56% citaram outros motivos, como por exemplo, a falta de reconhecimento que este profissional possui e o retrato da atuacao da Fonoaudiologia Educacional atualmente.

DISCUSSAO

A partir dos dados obtidos no grupo pesquisado, percebe-se que a formacao dos alunos dos cursos de graduacao ainda esta voltada para uma visao clinico-terapeutica. Assim como as praticas fonoaudiologicas que se dao na interface saude e educacao tiveram por mais de tres decadas influencia por visoes reducionistas distantes da necessaria compreensao ampliada dos processos saude-doenca, das possibilidades terapeuticas [15] e de atuacao institucional que vao alem da visao curativa, as disciplinas curriculares voltadas a formacao do fonoaudiologo no ambito educacional ainda sao assim dimensionadas. Ou seja, ha falhas na formacao, visto que, em geral, as disciplinas curriculares, desconsideram as dimensoes social, historica, cultural, economica, politica e pedagogica na compreensao ampliada dos processos que envolvem a saude e a educacao. Alem disso, a compreensao restrita destes nao possibilita ao aluno, em seu processo formativo, ampliar e aprofundar seus conhecimentos acerca da realidade educacional brasileira, dos documentos que norteiam o ensino e das politicas que regem a Educacao do pais, que possibilitariam o enfrentamento do "fracasso escolar" e das restritas condicoes de letramento da nossa populacao. A formacao do fonoaudiologo voltada a area educacional, requer o estabelecimento de uma relacao entre campos que exige um deslocamento e redimensionamento da atuacao tradicional do profissional da saude e deve se pautar em opcoes teorico-metodologicas que possibilitem aos alunos o desenvolvimento critico-reflexivo e a participacao ativa quanto a insercao/ atuacao do fonoaudiologo no contexto educacional.

Ate mesmo os graduandos que consideram que adquiriram conhecimentos sobre essa area durante o curso, ressaltam que esses conhecimentos foram insuficientes para sua formacao. Uma pesquisa realizada, sobre o perfil de formacao na area de Fonoaudiologia Educacional oferecido pelas IES [16], percebe que ainda e restrita a quantidade de carga-horaria relacionada a esse tema para que o aluno se considere capacitado para atuar na area. A media de disciplinas nos cursos de graduacao e de 60 horas. Ou seja, esta area de especialidade da fonoaudiologia e contemplada nas grades curriculares com uma quantidade minima de horas.

Percebe-se por meio das respostas da maioria dos alunos que suas experiencias na area da Fonoaudiologia Educacional obtidas durante o curso de graduacao em Fonoaudiologia, basearam-se na realizacao de triagens e deteccoes de disturbios em escolares, ou seja, parece haver uma preocupacao maior com a deteccao dos disturbios do que com a promocao da linguagem e do letramento.

Alem desta visao aparecer de forma preponderante nas respostas dos discentes, e notavel que, para alguns deles, a Fonoaudiologia Educacional e atrelada apenas ao atendimento na clinica de Fonoaudiologia, ja que alguns graduandos ao serem questionados sobre suas experiencias na area da Fonoaudiologia Educacional, relataram suas experiencias clinicas em estagios clinicos nos quais atendem pacientes encaminhados por questoes de aprendizagem, e que por essa razao precisam fazer um contato com a escola dos mesmos. Ou seja, suas respostas evidenciam que os mesmos nao configuram a escola como um espaco de trabalho profissional.

Apesar de respostas dessa natureza permitirem considerar que os discentes estao afastados do ambito educacional, as mesmas sao coerentes com o trabalho do fonoaudiologo educacional, tradicionalmente, desenvolvido nesse contexto, o qual objetiva a classificacao entre o normal e o patologico e a normatizacao da linguagem oral e escrita. Para alcancar esses objetivos utiliza-se, em geral, de triagens, diagnosticos e encaminhamentos de criancas com problemas de linguagem para atendimento especializado. Objetiva tambem a instrumentalizacao do profissional que atua nas escolas, transmitindo informacoes e tecnicas, por meio de palestras, orientacoes, cursos de capacitacao, descrevendo sintomas e causas de tais disturbios de linguagem para que possam obter estrategias para lidar com "criancas problemas" [13]. Tais praticas, pautadas na normatizacao de comportamentos, sao, ainda hoje, hegemonicas [13] revelando acoes mais voltadas a esfera clinica, do que propriamente aos objetos e necessidades do sistema educacional.

Com relacao as respostas dos graduandos quanto a funcao que deve ser exercida pelo fonoaudiologo nas escolas, apresentadas na Tabela 5, percebe-se novamente uma tendencia a um fazer clinico por parcela significativa dos graduandos. Cabe destacar novamente que esse tipo de atuacao, voltada para a identificacao de supostos deficits em escolares e o encaminhamento para um trabalho clinico fazem com se transfira demandas de aprendizagem do aluno, para um trabalho clinico. E essa atuacao voltada a orientacao/formacao de docentes, na qual o Fonoaudiologo apenas transmite seus conhecimentos de forma fragmentada acerca de seu objeto de estudo, desvinculado do saber e das praticas desses profissionais e das demandas educacionais, delega aos professores a condicao de audiencia passiva, nao oferecendo elementos para atuarem de maneira transformadora sobre a realidade escolar [17].

A articulacao entre fonoaudiologos e docentes deve ser realizada, principalmente por discussoes aprofundadas sobre politicas publicas educacionais, e a promocao de uma parceria efetiva, mais consistente e voltadas a realidade escolar.

Ainda se referindo a funcao do fonoaudiologo educacional, percebem-se respostas favoraveis ao atendimento clinico dentro de instituicoes escolares, apesar dessa forma de atuacao ser vetada nessa area de atuacao.

A diversidade de posicoes acerca da atuacao do fonoaudiologo educacional fica nitida ao se observar na tabela 6 a respeito das opinioes dos graduandos acerca da diferenciacao da atuacao do Fonoaudiologo clinico do educacional. No que diz respeito a atuacao clinica, a maior parte dos entrevistados citou que dentre as funcoes estao deteccao de problemas, diagnosticos e a terapia, voltadas a um atendimento individualizado focado na queixa. E para atuacao do fonoaudiologo educacional nota-se que a tendencia clinica ainda e a mais citada entre os entrevistados, atuacao essa focada na normatizacao de problemas/disturbios e deslocadas da atuacao com foco educacional propriamente dito. Cabe destacar, tambem, que mais da metade dos graduandos entrevistados ja pensaram em atuar como fonoaudiologos educacionais, e muitos citaram a importancia desse profissional auxiliar com as dificuldades dos escolares, se referindo novamente a questoes de patologias/disturbios.

A atuacao fonoaudiologica focada somente na patologia e desarticulada de reflexoes sobre os determinantes historico-sociais envolvidos no processo de ensino-aprendizagem, quase sempre leva a um pre-diagnostico em escolares. Na maioria das vezes, as criancas encaminhadas para o atendimento clinico para resolver dificuldades escolares, chegam a clinica com sentimentos de incapacidade. Dessa forma, as criancas e familiares responsabilizam-se pela culpa do chamado "fracasso escolar", isentando o sistema educacional de suas responsabilidades e desconsiderando os fatores sociais, economicos e politicos relacionados a esse fracasso [18].

Como demonstrado na Tabela 7, sujeitos que nao atuariam justificam tal posicao em funcao do pouco reconhecimento da profissao no contexto educacional. Grupos de professores a exemplo de grupos fonoaudiologos tambem entendem o trabalho principal do fonoaudiologo como sendo a deteccao de problemas e/ou disturbios e a realizacao de encaminhamentos dos alunos para atendimento clinico. Dessa forma, a resolucao dos problemas escolares esta por um lado atrelada aos professores que identificam os "alunos-problemas", e por outro, pelos fonoaudiologos que legitimam, em grande parte, essa indicacao e realizam os encaminhamentos para clinicas fora da escola e, por fim, ao aluno, cabe se submeter ao tratamento.

Um outro olhar para essa problematica, resulta na formulacao de acoes conjuntas entre professor e fonoaudiologo que procurassem promover a leitura e escrita da crianca e, ainda, acoes integradas entre profissionais da escola, familia e fonoaudiologia, visando modificar as barreiras atitudinais que possam contribuir para a consolidacao do aluno como sendo um sujeito "com dificuldades" que so podem ser superadas fora da escola. Nota-se que o conhecimento referente a atuacao do fonoaudiologo educacional e ainda contraditorio mesmo para aqueles que estudam e que podem futuramente atuar nessa area. Foi comum entre as respostas apresentadas a afirmacao de que o curso de graduacao em Fonoaudiologia nao oferece conhecimentos necessarios para atuacao nesta area.

Apesar da recorrencia da atuacao com foco clinico dentro da escola, pode-se notar que alguns alunos possuem um olhar voltado para area educacional, ja que parecem partir de uma visao mais critica sobre o sistema educacional brasileiro. Tal posicao possibilita ao fonoaudiologo atuar sem um olhar de quem procura no aluno, quando o mesmo nao atende as expectativas de comportamento e aprendizado da escola, um problema organico para ser tratado, mas com uma visao que reconhece nesse aluno um sujeito com multiplas experiencias socioculturais e que possui plenas condicoes de aprendizagem.

Nos discursos dos formandos tambem fica explicita a ideia de que um profissional realmente comprometido com a melhoria da qualidade do ensino pode contribuir para a concretizacao de importantes mudancas que possibilitem o acesso e a apropriacao da linguagem escrita por parte da populacao brasileira [17]. Portanto, para que a Fonoaudiologia se afaste de seu carater normatizador conforme historicamente perpetuado na atuacao educacional, e necessario que haja uma mudanca no olhar do fonoaudiologo perante o aluno, a escrita e a aprendizagem, considerando a diversidades constitutivas dos sujeitos, seja na escrita, nos modos de pensar, expressar-se e ser.

Para que isso aconteca, e necessario que os cursos de graduacao em Fonoaudiologia propiciem uma visao mais ampla acerca da Fonoaudiologia, pois nota-se por esse trabalho que este conhecimento ainda e circunscrito ao saber clinico. Muitos participantes da pesquisa relatam que nao possuem conhecimentos suficientes para atuar na area da Fonoaudiologia Educacional. A falta de conhecimento e a inseguranca, mencionadas nas respostas dos participantes, referem-se tambem as mudancas que estao ocorrendo no trabalho fonoaudiologico na escola. Se o aluno chega para estagiar na escola e o professor espera que ele "detecte e trate" os disturbios encontrados, muitas vezes os alunos passam a ter de lidar com uma contradicao e a buscar respostas as seguintes questoes: o que devo fazer? O que os profissionais esperam de minha atuacao?

A formacao do Fonoaudiologo, portanto, deve proporcionar conhecimentos acerca de ambas as tendencias citadas nesse trabalho, para que o aluno possa ter opcoes de escolha e que pelo menos possa ter um pensar critico acerca da educacao e de como a Fonoaudiologia se relaciona com a mesma. Dessa forma, talvez em um futuro proximo, os novos fonoaudiologos poderao sair da universidade com uma visao menos restrita e estigmatizadora a qual interfere de forma decisiva na historia da Fonoaudiologia Educacional brasileira ate o momento.

As acoes da fonoaudiologia no contexto educacional devem ser interdisciplinares, e objetivar promover mudancas no sistema educacional brasileiro, enfim, devem estar comprometidas com o conhecimento das politicas de educacao e com a discussao acerca das varias formas de aperfeicoamento das diretrizes que norteiam tal sistema educacional, alem disso, os profissionais envolvidos devem estar dispostos a estabelecer interlocucoes multidisciplinares focadas nas demandas educacionais [15].

CONCLUSAO

Por meio dos resultados desta pesquisa, nota-se que ainda se tem um longo caminho a percorrer para que principios teorico e praticos norteadores das atuacoes fonoaudiologicas se modifiquem e se voltem as demandas do sistema educacional vigente no pais.

Pode-se perceber nas respostas fornecidas pelos graduandos em Fonoaudiologia que os cursos de graduacao ainda tendem a discutir a atuacao fonoaudiologica no contexto educacional apenas sob um enfoque clinico, razao pela qual triagens, orientacoes e encaminhamentos sao as formas de atuacao mais comumente citadas. Apesar disso, ja se percebe uma minoria que discorre a respeito da atuacao do fonoaudiologo educacional por meio de acoes de promocao da linguagem e da educacao as quais pressupoe que o fonoaudiologo faca parte da equipe e do planejamento escolar.

Para que aja um crescimento na area da Fonoaudiogia no que diz respeito as acoes desenvolvidas na escola e fundamental que os cursos de graduacao em Fonoaudiologia aprofundem seus ensinamentos acerca da Fonoaudiologia Educacional, principalmente com relacao ao seu contexto historico e as tendencias de atuacao nesta area. Por meio de reflexoes teoricas e do fazer pratico, e da definicao de criterios e parametros que garantam um ensino de qualidade em torno de tal conteudo.

doi: 10.1590/1982-021620161816715

REFERENCIAS

[1.] Bacha SMC, Osorio AMN. Fonoaudiologia e educacao: uma revisao da pratica historica. Rev CEFAC 2004; 6(2):215-21.

[2.] Bortolozzi KB. Fonoaudiologia e educacao: a constituicao de uma parceria responsiva ativa [tese]. Curitiba (PR): Universidade Tuiuti do Parana; 2013.

[3.] Carnio MS, Berberian AP, Trenche MCB, Giroto CRM. Escola em tempo de inclusao: ensino comum, educacao especial e acao do fonoaudiologo. Rev Dist Comun 2012; 24(2):249-56.

[4.] Simon LF, Rossi, AG. Triagem do processamento auditivo em escolares de 8 a 10 anos. Psicol Esc Educ. [online]. 2006. [acesso em 30 de maio de 2015]; 10 (2): [11 p]. Disponivel em: http://www. scielo.br/pdf/pee/v10n2/v10n2a12.pdf

[5.] Colella-Santos MF, Bragato GR, Martins PM, Dias AB. Triagem auditiva em escolares de 5 a 10 anos. Rev CEFAC. 2009; 11(4):644-53.

[6.] Farias VV, Camboim ED, Azevedo MF, Marques LR. Ocorrencia de falhas na triagem auditiva em escolares. Rev CEFAC. 2012; 14(6):1090-5.

[7.] Goulart BNG, Chiari BM. Disturbios da fala e dificuldades de aprendizagem no ensino fundamental. Rev CEFAC. 2014; 16(3):810-6.

[8.] Dadalto EV, Nielsen CSCB, Oliveira EAM, Taborda A. Levantamento da prevalencia de disturbios da comunicacao em escolares do Ensino publico fundamental da cidade de Vila Velha/ES. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2008; 13(4):376-80.

[9.] Massi G, Santana AP. A desconstrucao do conceito de dislexia: conflito entre verdades. Rev Paidea. 2011; 21(50):403-11.

[10.] Meira MEM. Para uma critica da medicalizacao na educacao. Rev Psicol Esc Educ. 2012; 16(1):136-42.

[11.] Giroto CRM, Castro RM. A formacao de professores para a educacao inclusiva: alguns aspectos de um trabalho colaborativo entre pesquisadores e professores da educacao infantil. Rev Educ Espec. 2011; 24(41):441-52.

[12.] CFFa. Resolucao no. 387, de 18 de setembro de 2010. "Dispoe sobre as atribuicoes e competencias do profissional especialista em fonoaudiologia Educacional reconhecido pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia, altera a redacao do artigo 1[grados]. da Resolucao CFFa no. 382/2010, e da outras providencias".

[13.] Silva DGM, Sampaio TMM, Bianchini EMG. Percepcoes do fonoaudiologo recem-formado quanto a sua formacao, intencao profissional e atualizacao de conhecimentos. Rev Soc Bras Fonoaudiologia. 2010; 15(1):47-53.

[14.] CNE. Resolucao CNE/CES 5/2002. Diario Oficial da Uniao. Brasilia, 4 de marco de 2002. Secao 1, p.12.

[15.] Trenche MCB, Sebastiao LT, Nascimento EM. Fonoaudiologia--Interface saude e Educacao. In: Marchesan IQ, Silva HJ, Tome MC (orgs.). Tratado das especialidades em Fonoaudiologia. Rio de Janeiro: Roca; 2014. p. 415-9.

[16.] Alves LM, Teixeira JKM, Costa MAO, Dias NMF, Santana AP. Perfil da formacao dos cursos de graduacao em fonoaudiologia educacional. Anais do 22o Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2014; Joinville-SC, p. 5969. Disponivel em: http:// sbfa.org.br/portal/anais2014/trabalhos_select. php?tt=Busca&id_artigo=5669

[17.] Bortolozzi KB, Berberian AP. Fonoaudiologia e Educacao--Uma proposta de intervencao voltada para a formacao continuada em servico. In: Marchesan IQ; Silva HJ, Tome MC (orgs). Tratado das especialidades em Fonoaudiologia. Rio de Janeiro: Roca; 2014. p. 434-48.

[18.] Massi G, Berberian AP, Carvalho F. Singularidades na apropriacao da escrita ou diagnostico de dislexia? Rev Dist Comum. 2012; 24(2):257-67.

Gilberto Sanabe Junior (1)

Ana Cristina Guarinello (1)

Ana Paula Santana (2)

Ana Paula Berberian (1)

Giselle Massi (1)

Kyrlian Bartira Bortolozzi (3)

(1) Universidade Tuiuti do Parana, Curitiba, PR, Brasil.

(2) Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC, Florianopolis, Santa Catarina, Brasil.

(3) Universidade Estadual do Centro Oeste do Parana UNICENTRO, Irati, Parana, Brasil.

Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 07/05/2015

Aceito em: 06/10/2015

Endereco para correspondencia:

Ana Cristina Guarinello

Rua Alexandre Eduardo Klat, 66/2

Curitiba-PR-Brasil

CEP: 82130-120

E-mail: ana.guarinello@utp.br
Tabela 1. Formacao Teorica e Pratica na tematica Fonoaudiologia e
Educacao *

                        Propicia      Nao propicia     Participantes
                      conhecimentos   conhecimentos   por Instituicao

Universidades   PR1        16               0               16
                PR2        12               0               12
                PR3        25               1               26
                SC          5               0                5
                SP         18               1               19
    Total                  76               2               78

Legenda: PR (Parana), SC (Santa Catarina), SP (Sao Paulo).

Tabela 2. Conhecimentos proporcionados pelas disciplinas sobre a
Fonoaudiologia Educacional *

Conhecimentos   Citacoes     %

Clinico            21      27, 63
Educacional        11      14, 47
Ambos              3       3, 95
Outros             8       10, 53
Nao citou          33      43, 42

Tabela 3. Experiencias em Fonoaudiologia Educacional durante a
graduacao

Experiencias          Citacoes     %

Clinico                  28      35, 90
Educacional              6       7, 69
Outros                   27      34, 62
Nao citou                6       7, 69
Nenhuma Experiencia      11      14, 10

Tabela 4. Motivos para insercao do Fonoaudiologo no quadro de
funcionarios das escolas *

Motivos #                          Citacoes     %

Detectar/Diagnosticar/Encaminhar      34      43, 59
Trabalho Multidisciplinar             15      19, 23
Orientacao/Auxilio ao professor       10      12, 82
Planejamento                          10      12, 82
Promocao/ Letramento                  7       8, 97
Outros                                13      16, 67
Nao Citou                             6       7, 69

# Cada participante pode citar mais de um motivo

Tabela 5. Funcao que o fonoaudiologo deve exercer nas escolas *

         Universidades   PR1   PR2   PR3   SC   SP   Citacoes     %

Funcao   Trabalho         7     6     4    2    15      34      43, 59
         Clinico
         Educacional      2     1    16    1    0       20      25, 64
         Ambos            3     1     4    1    2       11      14, 10
         Sem resposta     4     4     2    1    2       13      16, 67
         /clareza

         Total de        16    12    26    5    19      78       100
         Participantes

Legenda: PR (Parana), SC (Santa Catarina), SP (Sao Paulo).

Tabela 6. Diferenca entre a atuacao do Fonoaudiologo Clinico para o
Educacional *

                         Atuacao              Citacoes     %

                         Clinico                 22      32, 35
Educacional            Educacional               19      27, 94
                          Ambos                  14      20, 59
                        Nao Citou                13      19, 12

Clinica       Deteccao/Terapia/Diagnostico       52      76, 47
                        Nao Citou                16      23, 53

Tabela 7. Motivos dos participantes para atuar na area de
Fonoaudiologia Educacional *

                        Motivos #        Participantes     %

Desejam Atuar **   Mercado de Trabalho         7         16, 67
                      Identificacao           16         38, 10
                   Possui Experiencia          4         9, 52
                     Importancia do           11         26, 19
                      profissional
                         Outros                6         14, 29

Nao Desejam ***     Nao se identifica         17         47, 22
                   Faltam Conhecimentos        9         25, 00
                     Nao Justificou            8         22, 22
                         Outros                2         5, 56

# Cada participante pode escolher mais de um motivo para sua
justificativa

** Porcentagem calculada sobre os 42 participantes que desejam atuar
na area

*** Porcentagem calculada sobre os 36 participantes que nao desejam
atuar na area

Figura 1. Questionario acerca da Fonoaudiologia Educacional

Nome:--
Idade:--
Instituicao em que estuda:--
Periodo do curso:--

Questionario

1--O seu curso de graduacao em Fonoaudiologia propicia
conhecimentos teoricos e praticos acerca da Fonoaudiologia
escolar?

( ) sim ( ) nao

Se sim, em qual disciplina e quais foram esses conhecimentos?

2--Quais sao suas experiencias como graduando de Fonoaudiologia,
no contexto educacional?

3--Em sua opiniao, o Fonoaudiologo deve ser inserido no quadro de
funcionarios das escolas publicas e particulares?

( ) sim ( ) nao

Justifique sua resposta

4--Qual deve ser a funcao exercida pelo fonoaudiologo inserido em
contexto escolar?

5--Em sua opiniao, existem diferencas entre o trabalho do
Fonoaudiologo clinico eeducacional?

( ) sim ( ) nao

Se sim, qual(is) a(s) diferenca(s)?

6--Depois que voce se formar, pretende atuar em qual area da
Fonoaudiologia? Justifique sua resposta.

7--Ja pensou em trabalhar na area da Fonoaudiologia educacional?

( ) sim ( ) nao

Justifique sua resposta
COPYRIGHT 2016 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Sanabe, Gilberto, Junior; Guarinello, Ana Cristina; Santana, Ana Paula; Berberian, Ana Paula; Massi,
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:Jan 1, 2016
Words:5135
Previous Article:Family members group of individuals with language disorder: process of preparation and application of therapeutic activities/Grupo de familiares de...
Next Article:Oral injuries in children: a systematic review of speech therapy interest/Lesoes bucais na infancia: revisao sistematica de interesse da...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters