Printer Friendly

Size of plots and forms for forest inventory of tree species in Central Amazon/Tamanho e formas de parcelas para inventarios florestais de especies arboreas na Amazonia Central.

INTRODUCAO

A Amazonia brasileira tem uma grande riqueza floristica, mas os representantes dessa flora e a sua distribuiqao ainda sao pouco conhecidos (FEARNSIDE, 2006). Para ter um conhecimento correto da Amazonia e preciso estudos de quantificaqao e qualificaqao da vegetaqao existente. Para tanto, utiliza-se como ferramenta de estudo, o inventario florestal.

O primeiro inventario florestal realizado na Amazonia brasileira ocorreu em 1948, com o intuito de saber o potencial madeireiro para carvoaria (OLIVEIRA, 2000). O historico de ocupaqao da Amazonia sempre foi caracterizado para fins de exploraqao da materia-prima existente, no caso, a madeira de algumas especies de potencial economico. Nas ultimas decadas, com o aumento da preocupaqao do papel das florestas nas mudanqas climaticas globais, aumentou o interesse de pesquisadores e do governo em quantificar o volume de madeira e carbono para saber o potencial da floresta como fonte de equilibrio para o meio ambiente.

Em geral, a maioria dos inventarios realizados na Amazonia visa, principalmente, a estimativa de volume para avaliar a viabilidade tecnica e economica de planos de manejo florestal em terras privadas. Para isso, sao inventariados apenas os individuos arboreos com diametro a altura do peito (DAP) maior ou igual 25 cm (na maioria das vezes, maior do que 45 cm) e, normalmente, sao adotadas equaqoes de volume inadequadas e a identificaqao das especies florestais e tambem bastante precaria.

Geralmente o tamanho e forma de parcelas tem sido escolhidos mais pela praticidade e operacionalidade na sua instalaqao, mediqao e localizaqao do que qualquer outro motivo (PELLICO NETTO e BRENA, 1997).

Silva (1980) testou a eficiencia relativa entre parcelas quadradas, retangulares e circulares na regiao do Baixo Tapajos--PA, que foi avaliada em relaqao ao tempo total necessario para estabelecer e medir as unidades amostrais. Parcelas retangulares de 10 m de largura mostraram-se menos eficientes que as circulares, enquanto que as retangulares de 20 m foram ate 140% mais eficientes que o mesmo tamanho da forma circular. Contudo, se tamanhos maiores que 2500 [m.sup.2] tivessem sido testados, provavelmente a eficiencia cairia, pois as dimensoes da parcela dificultariam o controle das arvores limitrofes, aumentando o tempo. Alem disso, segundo Silva (1980), as amostras retangulares de 20 m de largura foram superiores as de 10 m, sendo o tamanho de 1000 [m.sup.2], 311% mais eficiente.

Em contrapartida, Mesavage e Grosenbaugh (1956), citado por Ubialli et al. (2008); Bonetes (2003) e Silva (1980) afirmaram que as estimativas, sem tendencia, do volume de madeira de uma floresta, podem ser obtidas sendo empregadas parcelas de qualquer tamanho, porem, sua localizaqao nao podera ser tendenciosa. Mas, para isso, e preciso que exista um intervalo limitado de tamanhos, em que a eficiencia da amostragem seja a melhor possivel. O melhor tamanho pode ser diferenciado de uma amostragem para outra e vai depender do quanto as arvores estao agrupadas e do custo.

Para a FAO (1974), quanto menores forem as unidades amostrais, maior sera a precisao, levando em conta que seja utilizado a mesma intensidade. Porem, cada individuo da amostra deve dar uma imagem representativa da floresta.

A incerteza de um inventario florestal pode ser influenciada nao so pela intensidade de amostragem, como tambem pelo tamanho das parcelas amostrais. Em Higuchi et al. (1982), ha uma revisao compreensiva de diferentes tamanhos utilizados em 8 inventarios no Brasil, que variaram de 2500 [m.sup.2] a 10.000 [m.sup.2] Em nenhum caso, ha uma explicaqao para o tamanho adotado da parcela. O inventario utilizado para orientar os concorrentes ao Edital de Concessao Florestal do 1[degrees] lote na Fiona Jamari (RO) empregou dois tamanhos diferentes de parcelas: de 10 m x 100 m (1000 [m.sup.2]) para arvores com DAP [greater than or equal to] 25 cm e 10 m x 150 m (1500 [m.sup.2]) para arvores com DAP [greater than or equal to] 45 cm (MMA, 2008).

Para arvores com DAP [greater than or equal to] 25 cm de florestas primarias da regiao de Manaus (AM), Higuchi et al. (1982) concluiram que o tamanho ideal de parcela e de 3000 [m.sup.2], levando em consideraqao as analises estatisticas realizadas, as quais apresentaram valores constantes de coeficiente de variaqao e erro amostral, a partir de parcelas com 3000 [m.sup.2].

Em Santarem (PA), Queiroz (1977) concluiu que a parcela de 3200 [m.sup.2] foi suficiente para atingir a precisao desejada. Silva (1980) concluiu, para a mesma area, que o tamanho ideal e de 900 [m.sup.2] para diametro (DAP) entre 15 cm e 49,99 cm e para DAP [greater than or equal to] 45 cm o ideal e 2500 [m.sup.2], ambos na forma quadrada. Salienta-se que o maior tamanho de parcela testado foi de 2500 [m.sup.2].

Cavalcanti et al. (2009) estudaram tamanhos e formas de parcelas para inventarios florestais de especies comerciais da Amazonia. Foram medidos todos os individuos arboreos com DAP [greater than or equal to] 40 cm de interesse comercial. A parcela que obteve menor erro foi a de 2 ha (50 m x 400 m).

Ogaya (1968), citado por Ubialli et al. (2008), afirmou que a aplicaqao de unidades amostrais de pequenas dimensoes onera os custos do inventario em virtude do aumento no comprimento dessas parcelas para cobrir a mesma superficie levantada. Afirmou, em consequencia, que a abertura de picadas e os deslocamentos de pessoal representam acrescimo nos custos dos levantamentos em florestas tropicais. Por essa razao e considerando que a escolha do tamanho da parcela e um compromisso entre a teoria estatistica, as condiqoes praticas mais favoraveis de trabalho e os custos, recomendou o emprego de parcelas retangulares com 20 m de largura e de 100 a 125 m de comprimento.

Um dos grandes problemas nos inventarios realizados na floresta amazonica e a grande variabilidade de metodologias empregadas, principalmente no que se refere a tamanho e forma de parcela e a definiqao do diametro minirno de inclusao. Oliveira (2000) avaliando diferentes inventarios quantitativos em florestas de terra firme na Amazonia brasileira teve grandes dificuldades de comparar os resultados devido a grande variabilidade de metodologias empregadas. Segundo esse autor, e necessario utilizar metodologias com maior eficiencia e que permitam a extrapolaqao dos dados para um universo melhor definido e efetivamente maior do que a area amostrada.

Desta forma, este trabalho vem auxiliar na definiqao do tamanho ideal de parcela para inventarios florestais na Amazonia, para cinco categorias de diametros (DAP) minimos, com o mesmo numero de unidades de amostra para cada categoria, levando em consideraqao a precisao e o custo.

MATERIAL E METODO

Caracterizacao da area de estudo

As areas de estudo estao localizadas ao longo da rodovia BR-174, que liga a cidade de Manaus a cidade de Boa Vista. Na margem esquerda km 50 da BR-174 esta a Estaqao Experimental de Silvicultura Tropical (EEST) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazonia (INPA). O acesso a EEST da-se ate o km 21 da estrada vicinal ZF-2. Na margem direita, no km 51 da BR-174, encontra-se o Parque Fenologico localizado na Estaqao Experimental do Distrito Agropecuario da SUFRAMA, pertencente a EMPRAPA Amazonia Ocidental, entre as coordenadas geograficas 2[degrees]30'36" S e 2[degrees]30'42" N e 60[degrees]01'29" W e 60[degrees]01'46" E. Essas duas areas distam cerca de 41 km e possuem as mesmas caracteristicas fisicas e biologicas

O clima dessa regiao e quente e umido (BASTOS et al., 1986), apresentando umidade relativa media muito alta, variando de 84 a 90%. A precipitaqao total anual varia de 2000 a 3000 mm. As medias anuais de temperatura do ar variam de 25,6[degrees]C a 27,6[degrees]C. O tipo climatico e Am na classificaqao de Koppen.

Ferraz et al. (1998) fizeram levantamento dos solos de plato, encosta e baixio, nas localidades da area de estudo e constataram que os solos dos platos apresentaram textura argilosa; nas encostas, variaram de argiloarenoso proximos aos platos a arenoargilosos, proximos aos baixios e, os solos nas areas de baixio, apresentaram textura arenosa, definindo que, para a EEST-INPA, o solo da regiao pode ser classificado como Latossolo Amarelo nos platos; Podzolicos Vermelho-Amarelo nas encostas e Arenossolos hidromorficos nos baixios.

Area de "sub-regiao dos baixos platos da Amazonia" foi a denominafao dada por RADAMBRASIL (1978). Na bacia do Tarumazinho, area contigua a area de estudo, por meio do inventario florestal de 96 hectares, foram encontrados 14.922 individuos com DAP [greater than or equal to] 25 cm, distribmdos em 51 familias botanicas diferentes, com 409 especies para 206 generos. As especies mais abundantes foram castanha-jarana (Lecythidaceae), inhare (Moraceae), ucuuba (Mirysticaceae) e uxi (Humiriaceae), com uniforme distribuifao espacial dentro da area (HIGUCHI et al., 1985).

Coleta de dados

Os dados usados neste estudo foram obtidos a partir dos inventarios florestais realizados em parcelas permanentes: duas parcelas de 5 ha, 14 parcelas de 1 ha e uma parcela de 30 ha inventariadas a 100%.

Na EEST estao alocadas tres parcelas permanentes: 2 transectos de 5 ha (20 m x 2500 m) cada, divididos em subparcelas de 20 m x 20 m e uma parcela de 30 ha (500 m x 600 m) dividida em subparcelas de 10 m x 10 m.

No Parque Fenologico da Estafao Experimental do Distrito Agropecuario da SUFRAMA, pertencente a EMPRAPA Amazonia Ocidental estao alocadas as 14 parcelas de um hectare divididas em subparcelas de 10 m x 100 m.

A amostragem utilizada neste projeto foi a Aleatoria Simples, tambem conhecida como Aleatoria Irrestrita. Foram realizadas simulates em cinco categorias de diametro a altura do peito (DAP): DAP [greater than or equal to] 5 cm [less than or equal to] 10 centimetres, DAP [greater than or equal to] 10 centimetres, DAP [greater than or equal to] 20 centimetres, DAP [greater than or equal to] 25 centimetres e DAP [greater than or equal to] 45 centimetres. Para todas as categorias de DAP, vinte e tres diferentes tamanhos e duas formas foram testados, de 100 [m.sup.2] a 10.000 [m.sup.2].

O numero de unidades de amostra para cada categoria de tamanho e forma de parcela foi de 30 (n), com 30 repetifoes para cada simulafao. Para a categoria de DAP [greater than or equal to] 5 cm [less than or equal to] 10 cm foram realizadas, no total, 210 simulates (sete dimensoes de unidades amostrais multiplicada por 30 repetifoes). Para as categorias de DAP [greater than or equal to] 10 cm, DAP [greater than or equal to] 20 cm e DAP [greater than or equal to] 25 cm foram realizadas 420 simulates (14 dimensoes de unidades amostrais multiplicadas por 30 repetifoes) para cada categoria. Ja para o DAP [greater than or equal to] 45 cm foram obtidas 330 simulates (11 dimensoes de unidades amostrais multiplicada por 30 repetifoes).

A variavel de interesse para este estudo foi a incerteza em porcentagem (%), segundo IPCC (2006), da area basal por parcela. Como segue formula abaixo:

Incerteza(%) = {z) * erro padrao/[bar.x]} * 100

Em que: z = constante quando considerado um nivel de confiabilidade de 95%.

Foi utilizada a Analise de Variancia (ANOVA) de um fator, tendo como variavel dependente a incerteza e independente os diferentes niveis de tamanho e forma de parcela. Apos resultado da ANOVA foi aplicado teste post hoc Tukey para determinar quais tamanhos e formas que sao, de fato, estatisticamente diferentes.

Esta quantidade de amostra (30) e esse numero de repetifoes (30) permitem a utilizafao dos recursos do teorema de limite central para superar a forma diferente do "sino" da distribuifao normal dos dados (WEISS e HASSET, 1982). O objetivo e nao violar a condicionante da normalidade para nao perder a robustez da estimativa da incerteza.

Na simulafao dos tamanhos e formas de parcelas para a categoria de DAP [greater than or equal to] 5 cm [less than or equal to] 10 cm foi utilizada a parcela de 30 ha da EEST. Nas demais categorias, para que todos os tamanhos e formas de parcelas fossem simulados, foi necessario trabalhar com as parcelas de forma contigua, construindo os tamanhos conforme as subparcelas de cada parcela permanente. Como algumas parcelas estao divididas em subparcelas de 10 m x 10 m e outras em 20 m x 20 m, foram considerados quatro areas diferentes denominadas (i) area 1--parcela de 30 ha; (ii) area 2--parcela de 30 ha + os dois transectos (40 ha); (iii) area 3--parcela de 30 ha + quatorze parcelas da EMBRAPA (44,4 ha) e (iv) area 4--parcela de 30 ha + os dois transectos + quatorze parcelas da EMBRAPA (53,28 ha).

Na Tabela 1 sao apresentadas as categorias de DAP minimos, as dimensoes das parcelas testadas e as areas em que foram testadas.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Para cada categoria de DAP mmimo e para cada tamanho e forma de parcelas, foram calculadas as medias das incertezas. Segundo Pellico Netto e Brena (1997), o maximo de erro aceitavel nos inventarios florestais e de 10%. Quando se pensa em incerteza, considerando z = 1,96 esse valor praticamente dobra, para 20%, devido ao conceito da mesma. Para este trabalho optou-se por admitir uma incerteza de no maximo 10%, tornando a analise mais criteriosa.

Na Tabela 2 sao apresentados os valores das medias das incertezas de cada tamanho de parcela dentro de cada categoria de DAP minimo. Os valores acima de 10% nao fizeram parte da analise de variancia. Foram considerados para a ANOVA apenas os valores abaixo de 10%. Quando houve diferenqa significativa entre os tamanhos de parcelas (p < 0,05) foi realizado o teste de Tukey para verificaqao de quais parcelas se diferenciavam entre si.

Na categoria de DAP [greater than or equal to] 5 cm [less than or equal to] 10 cm foram observadas 3 dimensoes de parcelas, sendo duas delas de mesmo tamanho, com a incerteza abaixo de 10%. O tamanho 10 m x 100 m, com a incerteza de 8,2%, o tamanho 20 m x 50 m com a incerteza de 7,3% e o tamanho de 20 m x 100 m com a incerteza de 5,3%.

De acordo com o teste post hoc de Tukey, esses mesmos 3 tamanhos nao obtiveram diferenqa significativa, nao sendo diferentes entre si, podendo-se afirmar que qualquer uma dessas tres parcelas trara resultados confiaveis para inventarios de DAP [greater than or equal to] 5 cm. Quando se leva em consideraqao a minimizaqao de custos, utiliza-se a menor parcela, ou seja, a de 1000 [m.sup.2]. Conforme Silva (1980), que conclui que, para parcelas retangulares, a largura de 20 m tem resultados mais satisfatorios, a parcela de 20 m x 50 m e a mais coerente, seguindo o objetivo desta pesquisa.

Na segunda categoria de DAP [greater than or equal to] 10 cm, apenas um tamanho de parcela obteve o valor de incerteza maior que 10%, 10 m x 50 m com uma incerteza de 12,6%, os demais tamanhos e formas de parcelas obtiveram incertezas abaixo da toleravel estabelecida.

Perante o resultado do teste de Tukey, o qual apresentou um numero grande de parcelas que diferem entre si e tambem muitas parcelas que nao diferem entre si, foi possfvel criar tres grupos de tamanhos e formas de parcelas conforme Tabela 3. As parcelas dentro de cada grupo nao diferem entre si.

Todas as parcelas dos tres grupos podem ser usadas com uma boa confiabilidade em inventarios florestais de DAP [greater than or equal to] 10 cm. Para diminuir essa amplitude de variedades de tamanhos e formas de parcelas, optou-se por selecionar uma parcela de cada grupo estabelecido. Essa escolha foi baseada na diminuiqao dos custos de um inventario florestal e levando em consideraqao que, para as simulates feitas, em que, foi utilizado um numero minimo de unidades amostrais, igual para cada tamanho de parcela, foi definida a escolha do menor tamanho de parcela e nao da menor incerteza. Isso porque nao houve diferenqa significativa dentro de cada grupo. Sendo assim, para o grupo 1 o tamanho escolhido foi o de 20 m x 40 m (800 [m.sup.2]), para o grupo 2 o tamanho de 20 m x 60 m (1200 [m.sup.2]) e para o grupo 3 o tamanho de 50 m x 100 m (5000 [m.sup.2]). A parcela de 800 [m.sup.2] e a que mais se aplica, pois reduz custo, tempo de implantaqao e uma incerteza aceitavel (8,86%), porem, se for pensado em liberaqao de custos, cabe ao profissional responsavel escolher o melhor tamanho para sua atividade.

Na categoria de DAP [greater than or equal to] 20 cm, a partir da parcela de 20 m x 60 m (1200 [m.sup.2]), todas as incertezas deram abaixo do limite estabelecido, ou seja, com um tamanho minimo de 1200 [m.sup.2] ate o tamanho maximo de 10.000 [m.sup.2] tem-se uma boa margem de seguranqa na estimativa de dados de um inventario florestal. No teste de Tukey foi identificado que as diferenqas estao entre os tamanhos extremos de parcelas, entre 1200 [m.sup.2] e 10.000 [m.sup.2]. Desta forma, segundo os objetivos deste estudo, a parcela de 1200 [m.sup.2] e a mais eficiente, pois com uma intensidade amostral minima, tem-se uma incerteza dentro do esperado (9%).

Na categoria de DAP [greater than or equal to] 25 cm, apenas as parcelas com mais de 1600 [m.sup.2] estao dentro do limite toleravel.

Como ocorreu nas categorias anteriores, podem ser obtidos grupos (Tabela 4) de tamanhos e formas de parcelas, baseados nas suas diferenqas significativas das suas incertezas. As parcelas dentro de cada grupo nao sao diferentes entre si, mas entre os grupos elas se diferem.

As parcelas do grupo 1 sao as mais coerentes, pois possuem os menores tamanhos. Dentre as deste grupo, destaca-se a parcela de 20 m x 100 m (2000 [m.sup.2]), pois e retangular com largura de 20 m. Silva (1980) concluiu ser a mais indicada para levantamentos florestais.

Higuchi et al. (1982) concluiram que, para DAP [greater than or equal to] 25 cm, a melhor parcela e a de 37,5 cm x 150 cm (5625 [m.sup.2]), porem, parcelas a partir de 3000 [m.sup.2] possuem pouco ganho de precisao, nao justificando o custo/beneficio. Comparando os resultados destes autores com o estudo em questao e possivel concluir que parcelas entre 2000 [m.sup.2] e 3000 [m.sup.2] sao as mais recomendaveis para inventarios florestais com DAP [greater than or equal to] 25 cm.

Para a ultima categoria de DAP minimo (DAP [greater than or equal to] 45 cm), foi observado que a grande maioria das parcelas obteve uma incerteza acima de 10%. Apenas as parcelas de 50 m x 200 m (5000 [m.sup.2]), 100 m x 100 m (10.000 [m.sup.2]) e 20 m x 600 m (12.000 [m.sup.2]) atingiram incertezas abaixo do esperado. Como observado em campo, arvores com DAP maiores sao, de fato, mais dificeis de serem encontradas, o que justifica o caso de apenas grandes parcelas fornecerem uma boa confiabilidade para um levantamento florestal.

O teste post hoc de Tukey demonstra que as diferenqas encontradas estavam entre as parcelas com a incerteza acima de 10%. Nas tres parcelas com incertezas abaixo do limite maximo, nao foi encontrada diferenqa significativa. Para inventarios florestais com objetivo de exploraqao madeireira a parcela de 10.000 [m.sup.2] e a mais adequada. Quanto a forma, fica a criterio do profissional responsavel em decidir qual a melhor. Na pratica, a retangular facilita a instalaqao.

Cavalcanti et al. (2009) concluiram que o erro amostral e o coeficiente de variaqao para DAP [greater than or equal to] 45 cm estabilizaram a partir da parcela de 0,75 ha, resultado proximo ao encontrado neste estudo. Desta forma, confirma-se que, para esta categoria de DAP mmimo, o tamanho de parcela deve ser de pelo menos 1 ha.

Quanto a forma da parcela, em todas as categorias de diametros (DAP minimo) nao foi observada diferenqa entre o tamanho retangular e o quadrado. Isso pode ter ocorrido devido a dificuldade de se montar parcelas de mesma area amostral, porem, de formas diferentes. Todavia, observando-se a instalaqao das parcelas em campo, a retangular e mais pratica quando comparada com a quadrada, principalmente pelo controle que se tem das laterais da parcela, pelo fato de as retangulares serem menos largas e mais compridas. E observado tambem que as parcelas retangulares abrangem uma variaqao maior da floresta em relaqao a parcela quadrada. Isso se confirma no trabalho de Silva (1980), em que parcelas retangulares de 10 m de largura mostraram-se menos eficientes que as retangulares de 20 m.

E possivel observar na Figura 1 que o comportamento das curvas na variaqao da incerteza e o mesmo para cada categoria de DAP minimo. Conforme aumenta o tamanho da parcela, diminui a incerteza, praticamente estabilizando a partir da parcela de 60 m x 60 m (3600 [m.sup.2]). Apenas na parcela de 20 m x 260 m (5200 [m.sup.2]) a incerteza aumentou, provavelmente devido ao comprimento ser maior que os demais avaliados. Independentemente do DAP minimo utilizado em um levantamento florestal existe uma faixa de tamanhos de parcelas passiveis de uso (2000 [m.sup.2] a 3600 [m.sup.2]), levando em consideraqao a pequena variaqao no valor da incerteza (Figura 1).

CONCLUSOES

Os tamanhos de parcelas que obtiveram melhores resultados foram 1000 [m.sup.2], 800 [m.sup.2], 1200 [m.sup.2], 2000 [m.sup.2] e 10.000 [m.sup.2] para as categorias de diametros (DAP) minimos de 5 cm, 10 cm, 20 cm, 25 cm e 45 cm, respectivamente;

A maioria das parcelas simuladas neste estudo pode ser utilizada nos inventarios florestais. Da mesma forma, os inventarios que tem sido realizados estao dentro da margem de erro (incerteza) aceitavel.

O tamanho de parcela utilizada comumente na Amazonia, pelo Instituto de Pesquisas da Amazonia--INPA, 2500 [m.sup.2] e de fato um tamanho otimo de parcela nao apenas para a categoria de DAP [greater than or equal to] 10 cm, mas tambem para as categorias de DAP minimos de 20 cm e 25 cm.

Para as categorias de DAP [greater than or equal to] 5 cm [less than or equal to] 10 cm e DAP [greater than or equal to] 45 cm, buscando garantir uma melhor margem de erro, ou menor incerteza, e necessario que se aumente o tamanho das parcelas, levando em consideraqao o numero de unidades de amostra utilizada.

Os inventarios florestais na Amazonia podem ser realizados com parcelas que variam de 2000 [m.sup.2] ate 3600 [m.sup.2] com uma boa margem de seguranqa, para as categorias de DAP mmimo maior ou igual a 10 cm, 20 cm e 25 cm.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

BASTOS, T. X.et al. The Climate of the Brazilian Amazon region for agricultural purposes; a state of-the-art. In: Proceedings of the 1st SYMPOSIUM ON THE HUMID TROPICS HELD IN BELEM, PARA.. Proceedings ... Manaus, 1986.

BONETES, L. Tamanho de parcelas e intensidade amostral para estimar o estoque e indices fitossociologicos em uma floresta ombrofila mista. 2003. 111 f. Dissertaqao (Mestrado em Ciencias Florestais)--Universidade Federal do Parana, Curitiba, 2003.

CAVALCANTI, F. J. B.et al. Tamanho de unidade de amostra e intensidade amostral para especies comerciais da Amazonia. Floresta, Curitiba, v. 39, n.1, p. 207-214.2009.

FAO.Manual de inventario florestal com especial referencia a los bosques mistos tropicales. p. 195,Roma. 1974.

FEARNSIDE, P. M. Desmatamento na Amazonia: dinamica, impactos e controle. Acta Amazonica, Manaus, v. 36, n. 3, p. 395-400,2006.

FERRAZ, J. et al. Pesquisas Florestais para Conservacao da Floresta e Reabilitacao de Areas Degradadas da Amazonia: Distribuiqao dos solos ao longo de dois transectos em floresta primaria ao norte de Manaus (AM). Manaus. 1998. 111-143.

HIGUCHI, N.et al. Tamanho de parcela amostral para inventarios florestais. Acta Amazonica, Manaus, v. 12, n. 1, p. 91-103.1982

HIGUCHI, N.et al.Devoloping bole wood volume equations for a group of tree species of Central Amazon (Brazil).Commonwealth For. Review, v. 64, n. 1, p. 33-41. 1985.

IPCC--Intergovernmental Panel on Climate Change.2006. IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories. Diponivel em: www.

ipcc.ch. Acesso: 04 de junho de 2008. MMA--Ministerio do Meio Ambiente.Resultados do Inventario Florestal da Floresta Nacional do Jamari. Disponivel em:

http://mma.gov.br/estruturas/sfb/_arquivos/flona_ jamari_final_anexo06_resultados_do_inventario_ florestal.pdf. Acesso em 25 de janeiro de 2008. MESAVAGE, C.; GROSENBAUGH, L. R. Efficiency of Several cruising designs on small tracts in North Arkansas. Journal of Forestry, Washington, v. 3 n. 9, p. 569-76, 1956.

OGAYA, N. Kubierungsformeln und Bestandesmassenformeln.Inaugural-Dissertation .Univ., Nat.-Math.Fak, Freiburg, 1968. 85 p.

OLIVEIRA, A. A. Inventarios quantitativos de arvores em matas de terra firme: historico com enfoque na Amazonia brasileira. Acta Amazonica, Manaus, v. 30, n.4, p. 543-567, 2000.

PELLICO NETTO, S.; BRENA, D. A. Inventario Florestal. Editorado pelos autores. v. 1, 1997. 316 p. QUEIROZ, W. T. Efeitos da variaqao estrutural em unidade amostral na aplicaqao do processo de amostragem em conglomerados nas florestas do Planalto do Tapajos. Floresta, v. 8, n. 1, p.19-23,1977.

RADAMBRASIL. Programa de Integraqao Nacional. Levantamentos de Recursos Naturais. v. 18 (Manaus)--RAD AM (projeto) DNPM, Ministerio das Minas e Energia. Brasil. 1978.

626 p.

SILVA, J. N. M. Eficiencia de diversos tamanhos e formas de unidades de amostras aplicadas em inventario florestal na regiao do Baixo Tapajos. 1980. 84 f. Dissertaqao (Mestrado em Ciencias Florestais)--Universidade Federal do Parana, Curitiba, 1980.

UBIALLI, J. A.et al. Comparaqao de metodos e processos de amostragem para estudos fitossociologicos em uma floresta ecotonalna regiao norte matogrossense. Floresta, Curitiba, v. 39, n. 3, p. 511--523, 2008.

WEISS, N.; HASSET, M. Introductory statistics. Reading: Addison-Wesley.1982. p.651.

Milena Marmentini de Oliveira (1) Niro Higuchi (2) Carlos Henrique Celes (3) Francisco Gasparetto Higuchi (4)

(1) Engenheira Florestal, Msc., Pesquisadora voluntaria do Laboratorio de Manejo Florestal, Institute Nacional de Pesquisas da Amazonia, Av. Andre Araujo, 2936, Petropolis, CEP 69060-0010, Manaus (AM), Brasil. miflorest@gmail.com

(2) Engenheiro Florestal, Pesquisador do Institute Nacional de Pesquisas da Amazonia, Av. Andre Araujo, 2936, Petropolis, CEP 69067-375, Manaus (AM), Brasil. niro@inpa.gov.br

(3) Engenheiro Florestal, Msc., Colaborador do Laboratorio de Manejo Florestal, Institute Nacional de Pesquisas da Amazonia, Av. Andre Araujo, 2936, Petropolis, CEP 69060-0010, Manaus (AM), Brasil. carlosceles@yahoo.com

(4) Engenheiro Florestal, Msc., Doutorando pelo Programa de Pos-graduagao em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Parana, Av. Pref. LotharioMeissner, 900, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil. fghiguchi@gmail.com

Recebido para publicagao em 9/09/2011 e aceito em 17/04/2013

TABLE 1: Categories of minimum (DBH) diameters, sizes and shapes
of the plots within each area and within each category of minimum
DBH.

TABELA 1: Categorias de diametros (DAP) mmimos, tamanhos e formas
das parcelas dentro de cada area e dentro de cada categoria de
DAP mmimo.

Categorias de          Area 1         Area 2
DAP minimos

                       10 m x 10 m         --
DAP [greater than      10 m x 20 m         --
or equal to] 5         10 m x 50 m         --
                       10 m x 100 m        --
[less than or          20 m x 20 m         --
equal to] 10 cm        20 m x 50 m         --
                       20 m x 100 m        --

DAP [greater than
or equal to] 10 cm

DAP [greater than or   10 m x 50 m     20 m x 40 m
equal to] 20 cm

DAP [greater than or
equal to] 25 cm

                       20 m x 50 m     20 m x 60 m
                       50 m x 50 m     40 m x 40 m
                            --         60 m x 60 m
                            _         100 m x 100 m
DAP [greater than or
equal to] 45 cm             --         20 m x 60 m
                            --         40 m x 40 m
                            --         60 m x 60 m
                            --        100 m x 100 m

Categorias de          Area 3         Area 4
DAP minimos

                            --             --
DAP [greater than           --             --
or equal to] 5              --             --
                            --             --
[less than or               --             --
equal to] 10 cm             --             --
                            --             --

DAP [greater than
or equal to] 10 cm

DAP [greater than or   10 m x 100 m   20 m x 100 m
equal to] 20 cm

DAP [greater than or
equal to] 25 cm

                       10 m x 200 m   20 m x 200 m
                       50 m x 100 m   20 m x 260 m
                       50 m x 200 m        --
                            --             --
DAP [greater than or
equal to] 45 cm        10 m x 100 m   20 m x 100 m
                       10 m x 200 m   20 m x 200 m
                       50 m x 100 m   20 m x 260 m
                       50 m x 200 m        --

TABLE 2: Uncertainty values in percentage of plot size within
each category of minimum DBH.

TABELA 2: Valores de incerteza em porcentagem dos tamanhos de
parcelas dentro de cada categoria de DAP mmimo.

Dimensao das             Area das         Incerteza (%)
Unidades Amostrais       Unidades
                        Amostrais       DAP [greater than
                                          or equal to]
                                         5 [less than or
                                         equal to] 10 cm

10 m x 10 m           100 [m.sup.2]         23,69 (1)
10 m x 20 m           200 [m.sup.2]         16,86 (1)
20 m x 20 m           400 [m.sup.2]         11,25 (1)
10 m x 50 m           500 [m.sup.2]         11,87 (1)
20 m x 40 m           800 [m.sup.2]
10 m x 100 m          1000 [m.sup.2]          8,21
20 m x 50 m           1000 [m.sup.2]          7,30
20 m x 60 m           1200 [m.sup.2]           --
40 m x 40 m           800 [m.sup.2]            --
10 m x 200 m          2000 [m.sup.2]           --
20 m x 100 m          2000 [m.sup.2]          5,33
50 m x 50 m           1000 [m.sup.2]           --
60 m x 60 m           3600 [m.sup.2]           --
20 m x 200 m          4000 [m.sup.2]           --
50 m x 100 m          5000 [m.sup.2]           --
20 m x 260 m          5200 [m.sup.2]           --
50 m x 200 m         10.000 [m.sup.2]          --
100 m x 100 m        10.000 [m.sup.2]          --
20 m x 600 m         12.000 [m.sup.2]          --

Dimensao das                      Incerteza (%)
Unidades Amostrais
                     DAP [greater than    DAP [greater than
                     or equal to] 10 cm   or equal to] 20 cm

10 m x 10 m                  --                   --
10 m x 20 m                  --                   --
20 m x 20 m                  --                   --
10 m x 50 m              12,56 (1)            15,63 (1)
20 m x 40 m                 8,86              10,74 (1)
10 m x 100 m                8,92              10,87 (1)
20 m x 50 m                 8,21              10,40 (1)
20 m x 60 m                 7,31                 9,07
40 m x 40 m                 6,30                 8,28
10 m x 200 m                6,46                 8,31
20 m x 100 m                6,34                 7,82
50 m x 50 m                 5,35                 6,66
60 m x 60 m                 4,66                 5,40
20 m x 200 m                4,51                 5,34
50 m x 100 m                4,03                 5,01
20 m x 260 m                5,34                 6,35
50 m x 200 m                3,12                 3,78
100 m x 100 m               2,99                 3,58
20 m x 600 m                 --                   --

Dimensao das                      Incerteza (%)
Unidades Amostrais

                     DAP [greater than    DAP [greater than
                     or equal to] 25 cm   or equal to] 45 cm

10 m x 10 m                  --                   --
10 m x 20 m                  --                   --
20 m x 20 m                  --                   --
10 m x 50 m              17,57 (1)                --
20 m x 40 m              13,39 (1)                --
10 m x 100 m             12,06 (1)                --
20 m x 50 m              11,31 (1)                --
20 m x 60 m              10,66 (1)            20,56 (1)
40 m x 40 m                 8,80              16,55 (1)
10 m x 200 m                9,31              17,84 (1)
20 m x 100 m                8,77              17,76 (1)
50 m x 50 m                 7,81              14,55 (1)
60 m x 60 m                 6,57              14,00 (1)
20 m x 200 m                6,48              12,95 (1)
50 m x 100 m                5,85              12,39 (1)
20 m x 260 m                6,55              12,35 (1)
50 m x 200 m                4,64                 9,53
100 m x 100 m               4,32                 8,35
20 m x 600 m                 --                  9,21

Em que: (1) Incertezas acima de 10%.

TABLE 3: Division of sizes and shapes of plots within groups. The
plots do not differ within each group.

TABELA 3: Divisao dos tamanhos e formas de parcelas dentro de
grupos. Dentro de cada grupo, as parcelas nao diferem entre si.

Grupo 1                                   Grupo 2

20 m x 40 m (800 [m.sup.2])     20 m x 60 m (1200 [m.sup.2])
10 m x 100 m (1000 [m.sup.2])   40 m x 40 m (1600 [m.sup.2])
20 m x 50 m (1000 [m.sup.2])   10 m x 200 m (2000 [m.sup.2])
--                             20 m x 100 m (2000 [m.sup.2])
--                              50 m x 50 m (2500 [m.sup.2])
--                              60 m x 60 m (3600 [m.sup.2]
--                             20 m x 200 m (4000 [m.sup.2])
--                             20 m x 260 m (5200 [m.sup.2])

Grupo 1                                     Grupo 3

20 m x 40 m (800 [m.sup.2])      50 m x 100 m (5000 [m.sup.2])
10 m x 100 m (1000 [m.sup.2])   50 m x 200 m (10.000 [m.sup.2])
20 m x 50 m (1000 [m.sup.2])   100 m x 100 m (10.000 [m.sup.2])
--                                            --
--                                            --
--                                            --
--                                            --
--                                            --

TABLE 4: Division of sizes and shapes of ploi within groups. The
plots do not diff within each group.

TABELA 4: Divisao dos tamanhos e formas d parcelas dentro de
grupos. Dentro d cada grupo, as parcelas diferei entre si.

Grupo 1                                      Grupo 2

40 m x 40 m (1600 [m.sup.2])      20 m x 200 m (4000 [m.sup.2])
10 m x 200 m (2000 [m.sup.2])     50 m x 100 m (5000 [m.sup.2])
20 m x 100 m (2000 [m.sup.2])     20 m x 260 m (5200 [m.sup.2])
50 m x 50 m (2500 [m.sup.2])     50 m x 200 m (10.000 [m.sup.2])
60 m x 60 m (3600 [m.sup.2])    100 m x 100 m (10.000 [m.sup.2])
COPYRIGHT 2014 Universidade Federal de Santa Maria
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:de Oliveira, Milena Marmentini; Higuchi, Niro; Celes, Carlos Henrique; Higuchi, Francisco Gasparetto
Publication:Ciencia Florestal
Date:Jul 1, 2014
Words:5706
Previous Article:Analysis of forest fragmentation of 'coqueiral' environmental protection area, in coqueiral, minas gerais state/Analise da fragmentacao florestal da...
Next Article:Seedling production of Eucalyptus grandis on alternative organic substrates/Producao de mudas de Eucalyptus grandis em substratos organicos...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters