Printer Friendly

Scenarios for the future of distance education/Cenarios para o futuro da educacao a distancia/Cenarios para el futuro de la educacion a distancia.

1. Introducao

As matriculas do ensino superior no Brasil (presencial e a distancia) tiveram uma expansao de apenas 3% do total de alunos matriculados, nas duas modalidades, segundo dados do Censo da Educacao Superior de 2017 realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (INEP). Esse aumento do numero total e alunos foi possivel em funcao do acrescimo de 17,6% dos alunos matriculados na modalidade (EaD), o maior desde 2008, atendendo mais de 1,7 milhao de alunos, o que representa uma participacao de 21,2% do total dos alunos de graduacao no pais. Ja em relacao as matriculas na modalidade presencial, houve uma queda de 0,4% de estudantes (INEP, 2017).

A EaD e considerada uma realidade para muitos estudantes com inumero beneficios, porem, ela tambem apresentar uma sensacao de isolamento o que pode ameacar a capacidade do aluno aprender, pois, se nao for bem conduzida e acompanhada, pode nao proporcionar a devida interacao entre os estudantes, o instrutor e os alunos, e entre alunos e conteudo do curso (Moore, 1980; Bernard et al. 2009).

A EaD oferece oportunidades para nao somente aumentar o alcance da educacao e reducao do seu custo, mas tambem para aumentar a qualidade do ensino e aprendizagem (Abrami, Bernard, Bures, Borokhovski & Tamim, 2011). Por possuir diferentes pontos de vista sobre esse tema, e para avaliar o caminho a ser percorrido por essa nova forma de ensinar, autores como (Furrer & Thomas, 2000; Ringland, 1998) sugerem o uso das tecnicas de elaboracao de cenarios como ferramentas estrategicas importantes para fornecer visoes confiaveis do futuro, melhorando a qualidade das decisoes e aumentando a compreensao de suas implicacoes, oferecem ainda um meio de testar a viabilidade de estrategias alternativas, (Porter; Mannermaa, 1991).

Essas alternativas de futuros podem ser favoraveis ou desfavoraveis no ambiente de negocios (Geogantzas & Acar, 1995), mas, ao construi-los, sao veiculos que auxiliam as pessoas a aprender pois sao mais do que extrapolacoes das tendencias presentes (Schwartz, 2000), e " ha evidencias de que os metodos e as metodologias de construcao de cenarios se apresentam como um dos mais evoluidos instrumentos a disposicao da Administracao para o suporte e desenvolvimento de estrategias" (Boaventura, Costa & Fischmann, p. 42, 2005).

O nosso objetivo neste estudo foi elaborar cenarios para a educacao a distancia em Instituicoes de Ensino Superior, em virtude da evolucao que esse apresentada por esse modelo de educacao. Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliometrica utilizando o metodos de acoplamento bibliografico, no qual, utilizando o software VOSViewer 1.6.5, foram extraidos tres clusters que proporcionaram a definicao dos seguintes cenarios: Comunidade de investigacao, Interacao e-learning e Ambientes de aprendizado combinado.

2. Revisao da literatura

2.1 Cenarios

Os estudos, metodos e tecnicas para identificacao e planejamento com utilizacao de informacoes futuras pode ser denominado de diversas formas, tais como planejamento de cenarios, desenvolvimento de cenarios ou previsoes, que podem ser resumidos de forma geral como estudos futuros (Dias, Vianna, & Felby, 2016). Os cenarios, um dos resultados produzidos pelos estudos futuros, podem ser considerados historias que podem esclarecer sobre o futuro e que revelam o quao certo as variaveis do mercado e fatores ambientais serao no futuro, e nao segue apenas a continuidade de tendencias do passado (Dias et al., 2016; Wade, 2012).

Estudos ja apontam que cenarios sao muito utilizados principalmente em areas como ciencias ambientais e ciencias sociais, negocios, administracao e contabilidade ja que e uma ferramenta de planejamento que testa e mostra formas de melhoria no desempenho das organizacoes diante de ambientes dinamicos (Oliveira, Barros, Pereira, Gomes, & Costa, 2018).

Existem abordagens diferentes para realizar o planejamento de cenarios prospectivos, elaborados por diversos autores, conforme ja demonstrado por Oliveira et al. (2018), sejam eles quantitativos utilizando programas de simulacao ou qualitativos utilizando a expertise a partir de entrevista de atores nas suas areas especificas, ha diversos pontos convergentes entre eles. Uma vez que todos eles sao de algum modo, exercicios mentais com o produto final sob forma de cenarios, criados baseado em criterios, informacoes e tendencias, elas indicam com frequencia de que a incerteza deve ser considerado como um ponto central na sua elaboracao (Oliveira et al., 2018).

Portanto, cenarios prospectivos contribuem para a tomada de decisao alargando o quadro de referencia, permitindo que novas ideias e alternativas fluam, de forma que contribui para tornar mais claro as relacoes entre aspectos-chave que podem afetar as organizacoes (DIAS et al., 2016). A partir desse contexto, verifica-se que a utilizacao das tecnicas de elaboracao e cenarios faz todo o sentido para se verificar a tendencia do uso da educacao a distancia, o que permite melhorar a tomada de decisao sobre investimento neste tipo de modalidade de curso pelas organizacoes.

2.2 Ensino a distancia

Ensino a distancia (EaD) e uma modalidade de ensino que ja possui uma historia bastante longa, datando antes da criacao da internet, apesar do ensino online ter sido criado praticamente ao mesmo tempo do advento da web (Harasim, 2000). A procura por meios mais eficientes de ensino serviu como base para pesquisa e desenvolvimento em tecnologias educacionais, no inicio como uma forma de enriquecer a experiencia de aprendizagem em sala de aula a partir da utilizacao de recursos audiovisuais nas primeiras decadas do seculo XX (Molenda, 2008).

O autor afirma que a criacao da transmissao de sinais a radio em meados de 1930 e da televisao nos anos de 1950 trouxeram uma midia que conseguia atingir uma massa bem maior do publico com programas de educativos. Sempre com o objetivo de ajudar as pessoas a aprenderem mais rapido, melhor e com um custo mais baixo, em meados de 1990 os computadores comecaram a se tornarem o sistema de entrega educativa mais onipresente por causa da sua capacidade interativa e de processamento. A partir de 1995 com a intensificacao do uso da internet, verificou-se uma forte expansao do uso do uso desta tecnologia para dar suporte ao ensino a distancia (Molenda, 2008). Para que o EaD atinja o seu objetivo e tenha sucesso, certos fatores devem ser levados em conta, uma vez que essa modalidade difere do meio tradicional de ensino, tais fatores podem ser os ilustrados na Tabela 1, levantados por Storopoli (2016).

Todos esses fatores sao necessarios para que o EaD seja bem sucedida e que permita que os alunos e os professores se engajem nas plataformas de ensino a distancia (Storopoli, 2016).

3. Metodo e amostra

Para essa pesquisa, nos buscamos artigos no banco de dados da Scopus sobre o tema de "higher education institutions" e "distance learning". Classificamos a natureza da pesquisa como qualitativa, com abordagem metodologica exploratoria, atraves do paradigma interpretativista. Os metodos utilizados foram analise de conteudo e bibliometria de artigos e revisoes sobre o assunto.

O procedimento de coleta de dados foi estruturado atraves da busca por TITLE- ABSKEY ("distance learn *" OR "Distance educat *" OR "distance degree *" OR "online educat *" OR "online learn *" OR "online degree *" OR "e-learn *" OR "virtual learn *" OR "virtual Educat *" OR "virtual degree *") AND EXACTSRCTITLE ("Higher Education") AND PUBYEAR > 2007 AND PUBYEAR < 2018 AND DOCTYPE (ar OR re), no banco de artigos cientificos Scopus, o que resultou em 615 artigos.

Primeiro delimitamos os termos de pesquisa a serem utilizados para busca no banco de dados. Elas se resumiram em termos truncados das seguintes palavras: distance learning; distance education; distance degree; online education; online learning; virtual education e; virtual degree. Buscamos por esses termos no titulo, no resumo e tambem nas palavras-chave dos documentos.

O segundo recorte realizado foi a limitacao dos periodicos pesquisados. Utilizando o codigo de busca "EXACTSRCTITLE" delimitamos apenas fontes com a palavra Higher Education como parte do seu titulo, uma vez que queremos apenas artigos que sejam especificos da area de ensino superior. O terceiro recorte se refere ao ano pesquisado, que foi publicacoes desde 2007 a 2018 totalizando documentos dos 10 ultimos anos publicados sobre o assunto na area pesquisada. O ultimo recorte realizado foi o tipo de documento recuperado pelos termos da pesquisa, que foram limitados a somente artigos cientificos e revisoes, pois esses dois tipos de documentos mais relevantes para servir como base de analise de HEI IN ENGAGING IN DISTANCE LEARNING, que e o objetivo deste artigo.

4. Resultados

A partir de da amostra de 615 artigos realizamos uma analise bibliometrica com o objetivo de extrair clusters da amostra e caracteriza-los como cenarios do futuro da educacao a distancia no ensino superior (Figura 1).

Com a base de dados extraidos, utilizamos o software VOSViewer 1.6.5 para realizar a analise de pareamento, da qual, para extrair os 3 clusters ilustrados na Figura 1, forcamos apenas a visualizacao de artigos com 80 citacoes ou mais. Com essa selecao, extraimos o total de 10 artigos divididos em 3 clusters. O primeiro cluster em denominamos de Comunidade de investigacao, o segundo cluster foi nomeado como Interacao e-learning, e o terceiro cluster foi denominado de Ambientes de aprendizado combinado.

4.1 Cenario 1--Comunidade de Investigacao

O conceito de Comunidade de Investigacao tem suas raizes na teoria da aprendizagem sociocognitiva, especialmente na zona de desenvolvimento proximal de Vygotsky (ZDP) (Vygotsky, 1978). Nessa teoria, os individuos sao capazes de realizar niveis intelectuais mais altos quando solicitados a trabalhar em situacoes colaborativas do que quando solicitados a trabalhar individualmente e, tanto a interacao professor-aluno, quanto a interacao aluno-aluno sao importantes no processo de aprendizagem. As interacoes entre professor e alunos servem como "andaimes" e sao definidas como uma "forma vicaria de consciencia, ate que o aluno esteja apto a controlar de forma consciente e independente a nova funcao ou sistema conceitual sendo utilizado" (Bruner, 1985, p. 12); e as interacoes entre os estudantes entre si e uma colaboracao caracterizada como uma "transacao social [...], veiculo fundamental para a educacao" (Bruner, 1985, p. 15).

No inicio dos anos 1970, Matthew Lipman publica varios romances filosoficos para criancas, intitulado Filosofia para criancas (Lipman, 1976), e estabelece o Instituto para o Avanco da Filosofia para Criancas (IAPC). Seu principal objetivo era criar um ambiente de sala de aula propicio a interacao entre pares, com enfase principal no dialogo e reflexao. Argumentase que as habilidades de pensamento critico sao melhor desenvolvidas dentro do contexto de dialogo de grupo sobre questoes filosoficas (Lipman, 1991) e descoberta intelectual e compreensao sao aumentadas por meio de dialogos, que sao empregados desde Platao e Socrates na Grecia no seculo VI a.C. O estabelecimento desse ambiente de sala de aula, definido como Comunidade de Investigacao, comeca com: (1) uso de criterios--encorajamento para examinar e explicar por que eles pensam como eles fazem sobre assuntos em discussao; (2) autocorrecao--os individuos sao encorajados a ouvir atentamente os comentarios de cada membro da comunidade e estar dispostos a reconsiderar seus proprios julgamentos e opinioes; e (3) atencao ao contexto--a compreensao da influencia importante do contexto esta no julgamento de uma pessoa e as opinioes sao valorizadas (Hagaman, 1990).

Neste cenario, a enfase esta no ambiente em que a comunidade de investigacao emerge, o qual possui alguns comportamentos caracteristicos, tais como: os membros solicitam, uns dos outros, razoes de crenca; constroem as ideias uns dos outros; deliberam entre si; apontam possiveis contra-exemplos para as hipoteses dos outros; utilizam criterios especificos ao julgar; questionam um ao outro; e cooperam no desenvolvimento de tecnicas racionais de resolucao de problemas (Lipman, 1991). Esses comportamentos so podem ocorrer quando tres elementos, essenciais para uma transacao educacional, sao estabelecidos.

O primeiro elemento e a presenca cognitiva, mais basica para o sucesso, ela e definida como "a medida em que os participantes em qualquer configuracao particular de uma comunidade de investigacao sao capazes de construir significado atraves da comunicacao sustentada" (Garrison, Anderson, & Archer, p. 89, 2000). O segundo elemento, denominado presenca social, tem a importancia primordial de funcionar como suporte para a presenca cognitiva, facilitando indiretamente o processo de pensamento critico realizado pela comunidade de aprendizes, e sua definicao e "a capacidade dos participantes da Comunidade de Inquerito projetar suas caracteristicas pessoais na comunidade, apresentando- se assim aos outros participantes como pessoas reais " (Garrison et al., p. 89, 2000). A presenca de ensino constitui o terceiro elemento e consiste em duas funcoes gerais, que podem ser realizadas por qualquer participante de uma Comunidade de Inquerito. No entanto, em um ambiente educacional, essas funcoes provavelmente sao a principal responsabilidade do professor.

A primeira dessas funcoes e o design da experiencia educacional com a selecao, organizacao e apresentacao primaria do conteudo do curso, concepcao e desenvolvimento de atividades de aprendizagem e, em ultima instancia, avaliacao. A segunda funcao, facilitacao, e uma responsabilidade que pode ser compartilhada entre o professor e alguns ou todos os outros participantes ou estudantes. A presenca de ensino tambem apoia e aumenta a presenca social e cognitiva com o proposito de obter resultados educacionais e tem um papel fundamental no estabelecimento e sustentacao de uma comunidade de investigacao (Garrison, Cleveland-Innes, & Fung, 2009).

A comunidade de investigacao foi inicialmente concebida para a educacao infantil, com uma taxa de sucesso substancial. Em uma revisao critica sistematica de estudos de resultados controlados em escolas de ensino fundamental e medio, nao houve resultados negativos de seu impacto (Trickey & Topping, 2004). Mas desde entao, a estrutura da comunidade de pesquisa se expandiu para outros dominios.

A primeira aplicacao em aprendizes adultos desenvolveu o pensamento critico atraves da fusao e harmonizacao da resolucao de problemas e do pensamento criativo (Garrison, 1991). O conceito foi entao aplicado ao ensino a distancia e, embora utilizando um contexto de teleconferencia de audio, os resultados mostraram que ele estimulou a criacao de novos conhecimentos integrados ao contexto de trabalho do professor e alunos, e os resultados sao consistentes com um modelo de educacao que enfatiza a aprendizagem profunda ou significativa que e consistente com o pensamento critico (Anderson & Garrison, 1995). Tambem foi aplicado em educacao mediada por computador (Garrison et al., 2000) e em cursos online relacionados a negocios (Daspit & D'Souza, 2012). Ha evidencias de que a estrutura da comunidade de investigacao pode ser mais aplicavel as disciplinas aplicadas, pois ela pressupoe uma abordagem construtivista do ensino e da aprendizagem, portanto, pode nao se alinhar as abordagens cumulativas orientadas para o instrutor particularmente associadas a disciplinas duras e puras (Arbaugh, Bangert & Cleveland-Innes, 2010).

Em todas essas experiencias, apenas a interacao nao e suficiente para alcancar niveis mais altos ou aprendizado (Garrison & Cleveland-Innes, 2005). A presenca de ensino permite abordagens profundas ao aprendizado, mesmo quando a presenca de ensino significa que o aprendizado medio foi aprimorado. E sempre que a presenca de ensino era baixa, apesar dos altos niveis de interacoes, o aprendizado nao era aprimorado. Assim, a presenca de ensino e a natureza das interacoes sao cruciais para abordagens profundas de aprendizagem (Garrison et al., 2009; Borup, West, & Graham, 2012).

As medidas adotadas para avaliacao da Comunidade de Investigacao, presenca de ensino, social e cognitiva podem se sobrepor conforme evidenciado pela correlacao entre os fatores no estudo de Arbaugh, Cleveland-Innes, Diaz, Garrison, Ice, Richardson, & Swan (2008). Para os autores, as descobertas sugerem que os instrutores desempenham papeis significativos e os alunos entendem e aplicam a conduta apropriada dentro do curso antes de comecar e orientar as atividades mesmo que o curso esteja em andamento.

4.2 Cenario 2--Interacao e-learning

A literatura sobre o EaD e o e-learning admitem somente uma interpretacao sobre a importancia da interacao entre eles (Anderson 2003; Sutton 2001; Sims 1999; Wagner 1994; Jaspers 1991; Moore 1989), pois presume-se que a interacao entre alunos, professores e conteudo foi em grande parte ausente durante o inicio da historia (Nipper 1989). Compreendendo a interacao como importante em todas as formas de educacao, admite-se que ela proporciona que alunos possam vincular conhecimento preexistente a novas informacoes e fazer um novo significado atraves de analise ou integracao, estando relacionada com a qualidade da aprendizagem online (Han & Johnson, 2012; Juwah, 2006).

A evidencia empirica da importancia da interacao foi realizada por Bernard, Abrami, Borokhovski, Wade, Tamim & Surkes (2009) evidenciando 74 estudos empiricos comparando diferentes modos de EaD e o e-learning entre si, o qual resultou em o tres tipos de interacoes: entre estudantes, entre o instrutor e os alunos e entre os alunos e o conteudo do curso. A primeira refere-se a interacao entre alunos individuais ou entre os alunos que trabalham em pequenos grupos. Ja a interacao entre o aluno e o instrutor acontece quando o instrutor procura estimular ou manter o interesse do aluno no que e ensinado, para motivando-o a aprender, o instrutor inclui auto-orientacao e auto-motivacao. A interacao entre os alunos e o conteudo do curso e o processo de interagir intelectualmente com o conteudo que resulta em mudancas na compreensao, perspectivas e estruturas cognitivas do aprendiz (Moore, 1989). Outras formas de interacao tambem foram propostas, como a interacao aluno-designer, aluno- tutor (Juwah, 2006), interacao aluno-interface (Gunawardena, Lowe, & Anderson, 1997), interacao alunoferramenta (Hirumi, 2011), aluno-interacao de tarefas (Herrington, Reeves, & Oliver, 2006), e interacao vicaria (Sutton, 2001).

Para que essas interacoes sejam colocadas em pratica, tanto na EaD quanto no elearning, nao devem mais ser comparadas como instrucoes em sala de aula, pois possuem um novo design no qual formas de evidencia podem melhorar a pratica instrucional (Abrami, Bernard, Bures, Borokhovski & Tamim, 2011). Para os autores, avancos mais recentes em tecnologia aumentaram o poder, a flexibilidade e a onipresenca, facilitando todos os processos.

O EaD e o e-learning eliminam a limitacao de lugar, tempo e materiais fisicos e em grande medida da aos alunos o controle sobre quando, o que e como estudar (Cunningham & Billingsley, 2003). Alunos com as crencas de responsabilizacao internos geralmente tem melhor desempenho do que os estudantes com um locus de controle externo em cursos online (Bowen, 1996).

Portanto, essa forma de ensinar e aprender oferecem oportunidades para aumentar o alcance da educacao e reduzir seu custo se for realizada com qualidade. Compreender o contexto, a forma de utilizacao, sua eficiencia e eficacia perante a aprendizagem dos alunos, proporcionam uma mudanca fundamental na cultura das praticas de pesquisa (Cook, 2009), e embora as tecnologias emergentes proporcionam varias oportunidades que geram a colaboracao em ambientes de aprendizagem, os programas de EaD em todo o mundo enfrentam desafios que podem limitar ou implementacao destas tecnologias (Beldarrain, 2006).

Algumas praticas podem ser utilizadas para enfrentar esses desafios as quais precisam de uma interacao intencional entre todas as partes envolvidas. Proporcionar que o aluno seja auto-regulado, estabelecendo metas claras para desenvolver estrategias para alcancar objetivos, monitorando suas atividades para verificar suas realizacoes usando e feedback de colegas ou professores pode ser uma estrategia (Zimmerman 2008). A segunda esta relacionada a ciencia do processo de aprendizagem a ser realizado, onde esse processo conduz, e porque a aprendizagem e importante (Knowles, 1980).

Essas abordagens colocam enfase no individual, e pesquisadores tem mostrado os efeitos de comportamentos de auto-regulamentacao sobre o desempenho academico dos alunos em salas de aula regulares (Lan, 1996; Kramarski & Mizrachi, 2006; Kramarski & Gutman, 2006) pois como o numero de alunos matriculados em cursos on-line esta aumentando, e provavel que a variacao nos metodos de ensino e o aprendizado que ocorrer tambem aumentara, compreendendo que esses cursos estao expandindo-se alem do ambiente educacional tradicional (Barnard, Lan, To, Paton, & Lai, 2009).

A reconciliacao com mais de uma perspectiva socio construtivista nao necessariamente proibe o conceito de auto-regulacao, mas e apresentada por Hickey e McCaslin (2001) como forma de enquadramento no contexto dos estudantes pois aumenta o envolvimento destes nas praticas. Utilizar principios e teorias de psicologia educacional sao necessarios para avaliar as caracteristicas unicas do ambiente de aprendizagem auxiliando em sua compreensao (Broad, 1999). Mesmo assim, se os desafios se intensificarem, torna-se relevante compreender que os alunos precisam de mais orientacoes sobre as ferramentas, tambem precisam praticar para usalas com sabedoria, e observar que as ferramentas cognitivas e estrategias de aprendizagem podem funcionar melhor quando sao caracteristica de um curso (Abrami et al., 2011).

Outro ponto importante a ser ressaltado quando se aborda a interacao, esta relacionado a satisfacao dos alunos na avaliacao de cursos de EaD, uma vez que esta relacionado com a qualidade dos programas e desempenho dos alunos, sendo a interacao um indicador critico de satisfacao dos alunos (Kuo, Walker, Schroder & Belland, 2014). Os autores testaram um modelo de regressao para verificar a satisfacao do aluno envolvendo caracteristicas do estudante e tres tipos de interacao, auto-eficacia da Internet, aprendizagem auto-regulada e preditores de nivel de classe, tais como categoria de curso e programa academico). A conclusao que se chegou e que as melhorias relacionadas ao aluno, como o rendimento da interacao de conteudo, e mais promissor para aumentar a satisfacao do deste, e essa interacao aluno com aluno pode ser insignificante nas configuracoes do curso on-line.

4.3 Cenario 3--ambiente de aprendizado combinado

Durante a realizacao de estudos, alguns avancos em diferentes disciplinas sao ignorados, em parte pois pesquisadores de uma disciplina desconhecem as perspectivas teoricas e estruturas conceituais de disciplinas relacionadas que poderiam auxiliar a explicar os fenomenos em sua propria disciplina (Wan, Fang & Neufeld, 2007; Bryant, Kahle, & Schafer, 2005). Outro fator esta relacionado aos avancos nas abordagens metodologicas e analiticas utilizados em uma disciplina por vezes nao sao compartilhadas, gerando uma qualidade de pesquisa amplamente variavel entre disciplinas, onde pode inexistir evidencia de motivacao para tomada de decisao (Arbaugh, Godfrey, Johnson, Pollack, Niendorf, & Wresch, 2009; Arbaugh & Warell, 2009).

Com base na analise de disciplinas e desenhos didaticos de cursos compreende-se que diferentes campos de instrucao podem ser observados, como e o caso da Ead e da educacao presencial. O desenvolvimento de sistemas de garantia de qualidade que descrevam as caracteristicas desejaveis, bem como modelos instrucionais distinguem os campos de instrucao em resultados de aprendizagem, desenho do curso, material didatico e ambiente do curso eletronico, interacao entre alunos e um instrutor, interacao com estudantes de pares, e processos individuais de aprendizagem sao importantes para a identificacao da efetividade e dos avancos dos campos (Brophy, 1999; Ehlers, 2004; Young & Norgard, 2006).

O ensino tradicional, aquele realizado em sala de aula com professores e alunos assistindo a aula de forma presencial, e um modelo que ja esta enraizado, ja o Ead requer uma grande quantidade de apoio para que se torne parte do perfil das instituicoes (Berge, 2007). Para o autor, isso so acontecera se for resultado de uma mudanca na avaliacao da educacao, a qual valorize a aprendizagem, o planejamento estrategico e a garantia da qualidade.

Avaliando alguns estudos para descricao deste cenario, podemos observar que as percepcoes sobre a EaD e o ensino presencial de certa forma se completam, interagindo com estrategias e metodologias que facam o aluno pertencer ao processo. Como exemplo e possivel citar o estudo de Arbaugh et al. (2009), que avaliaram ambientes mediados por tecnologia, e verificaram que a participacao entre os grupos foi mais democratizado e eles poderiam desenvolver relacoes colaborativas produtivas com seus companheiros de equipe, fato esse que foi possivel em funcao de fatores de maturidade profissional dos estudantes que influenciam a eficacia de tais ferramentas.

No entanto, apesar de nao existir diferencas entre os dois meios em termos de desempenho, existem sim diferencas significativas relacionadas as atitudes dos alunos em relacao a internet como um meio de entrega (Sankaran, Sankaran, & Bui, 2000; Piccoli, Ahmad, & Ives, 2001; Abraham, 2002). Em contraponto, Sankaran e Bui (2001) verificaram que a diferenca de desempenho sao atribuidas as estrategias de aprendizagem e motivacao e nao as caracteristicas do meio de entrega.

Por outro lado, Piccoli, Ahmad & Ives (2001) identificaram que, embora os alunos do EaD possuam mais confianca na sua propria capacidade para completar uma determinada tarefa ou resolver um problema e estudar, eles estavam menos satisfeitos com as experiencia do curso como um todo. O que nao se confirmou no estudo de Heckman e Annabi (2005), visto que os autores identificaram que os alunos nas discussoes EaD tendem a ter muito mais responsabilidade pela criacao do ambiente cognitivo e social do que quando trabalham em sala de aula de forma presencial, eram mais propensos a demonstrar processos cognitivos de ordem superior como resultado. Na EaD os alunos eram muito mais propensos a responder uns aos outros depois de postar as respostas para o instrutor, enquanto os alunos em sala de aula apenas respondiam ao instrutor.

Em cursos com sala de aula combinada verificou-se que houve melhor desempenho nos exames observando o todo, mas os alunos, de forma individual, trabalham de forma mais efetiva em projetos de grupos e atribuicoes baseadas em atividades (Bryant, Campbell & Kerr, 2003). Ao comparar ambientes de aprendizagem combinados Klein, Noe e Wang (2006) descobriram varios alunos com alta orientacao para objetivos de aprendizagem, compreendendo o ambiente como local que permitisse, em vez de uma barreira, maior motivacao para aprender. Eles observaram nestes ambientes os alunos com mais controle, foram desafiados a apresentar um papel mais ativo em sua aprendizagem, o que facilitou a motivacao para aprender mais do que instrucao de sala de aula.

Diferentes contextos apresentaram diferentes resultados. Sitzmann, Kraiger, Stewart & Wisher (2006) descobriram que o ensino EaD foi 6% mais eficaz do que o ensino presencial, mas Al-Shammari (2005) identificou que a colaboracao no EaD era significativamente menos eficaz para o desenvolvimento de competencias baseadas no conhecimento. No estudo de Paechter & Maier (2010) os alunos apreciaram o EaD para o seu potencial em fornecer uma estrutura clara e coerente do material de aprendizagem, no apoio a aprendizagem auto-regulada, e na distribuicao de informacao. Para fins de comunicacao em que um entendimento comum tem de ser derivado ou em que as relacoes interpessoais devem ser estabelecidas, eles preferiram o ensino presencial, pois quando o conhecimento conceitual no assunto ou habilidades na aplicacao deste conhecimento estao a ser adquirido, os alunos preferem aprendizagem presencial. No entanto, quando as habilidades de aprendizagem auto- regulada estao a ser adquirido, os alunos defendem o EaD.

Na EaD os instrutores possuem um papel fundamental, eles auxiliam os alunos a aprender uns com os outros, fazendo com que os mesmos assimilem o ambiente e fatores de aprendizagem, sendo identificado como potencial e generalizavel para aprendizagem combinada (Walker, 2003; Proserpio & Gioia, 2007). Para tanto, a utilizacao de um modelo geral de eficacia da aprendizagem como uma funcao de fatores de conteudo, fatores relacionados a entrega e fatores de aprendizagem pode ser adotado para a geracao de um desempenho ainda mais favoravel (Rungtusanatham, Ellram, Siferd & Salik, 2004). Para os autores, estes fatores geraram quatro modelos de EaD sendo dois tipos de modelos de visao geral do conteudo, um modelo de habilidades tecnicas e um modelo de aprendizagem gerencial.

Hollenbeck, Zinkhan e French (2005) tambem desenvolveram um modelo com etapas para a implementacao de EaD, o qual esta focado em fornecer tecnologia confiavel, construir comunidades entre os alunos, incentivando professores a ensinar no programa como blocos iniciais de construcao. Para os autores, e importante a efetiva atuacao dos coordenadores do programa, pois eles necessitam garantir a comunicacao adequada no processo de planejamento, a interacao entre alunos e corpo docente e a implementacao do processo de avaliacao, gerando um ambiente de sala de aula com recursos combinados.

5. Discussao

Neste estudo o nosso objetivo neste estudo foi elaborar cenarios para a educacao a distancia em Instituicoes de Ensino Superior em virtude da evolucao que esse apresentada por esse modelo de educacao. Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliometrica utilizando o metodos de acoplamento bibliografico, no qual extraidos, utilizando o software VOSViewer 1.6.5, resultando em tres clusters que proporcionaram a identificacao dos cenarios apresentados na Tabela 2.

Para situacoes de aprendizagem cooperativa, o cenario esta mais propicio a interacao por meio da aprendizagem combinada, mas com relacao a disseminacao de informacao, sugere-se a modalidade EaD. Nesse sentido, o instrutor em todos os cenarios possui responsabilidade no que diz respeito ao aprendizado dos alunos, principalmente quando seu discurso e relevante para o desenvolvimento do conhecimento, visto que a comunicacao presencial estabelece uma relacao interpessoal positiva, e consequentemente um aspecto da aprendizagem que e importante para a manutencao de motivacao de aprendizagem (Price et al., 2007).

Como sugestoes de estudos futuros, verificamos a necessidade de abordagens quantitativas na estrutura da comunidade de investigacao, para que seja possivel examinar elementos destas comunidades, verificando relacoes e resultados da aprendizagem. Tambem sugerimos pesquisas relacionadas aos cinco campos instrucionais apresentados por Paechter & Maier (2010).

6. Conclusao

O acoplamento bibliografico, metodo utilizado neste estudo, demonstra os crescentes campos de publicacao, indicando a frente de pesquisa em um campo (Zupic, & Cater, 2015), e e util para detectar tendencias e possiveis caminhos para o tema. A principal contribuicao do nosso estudo esta relacionada a interpretacao dessas tendencias transformadas em cenarios para a EaD em IES, sendo util para a gestao desse modelo de educacao que esta em franca ascensao e que no futuro proximo ira sobrepujar o metodo tradicional de ensino. Outra contribuicao relevante demonstrou que nos tres cenarios apresentados, ficou evidente que a interacao e um forte componente para a satisfacao dos alunos.

Portanto, para que o EaD seja bem sucedido e necessaria que as IES direcionem esforcos e invistam na atracao e retencao os alunos, bem como em profissionais com competencias que ultrapassem os conhecimentos teoricos. Noble (2003) afirma que a educacao de qualidade e trabalho intensivo e requer uma baixa relacao aluno-professor e significativa interacao alunoprofessor, a qual e reafirmada pelos cenarios descritos por nos. Qualquer esforco para oferecer qualidade na educacao pressupoe um investimento substancial em mao de obra educacional (Rovai & Downey, 2010).

Recebido em 13.02.2019

Aprovado em 22.03.2019

Agradecimento

O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior--Brasil (CAPES)--Codigo de Financiamento 001.

Referencias

Abraham, T. (2002). Evaluating the virtual management information systems (MIS) classroom. Journal of Information Systems Education, 13(2), 125-133.

Abrami, P. C., Bernard, R. M., Bures, E. M., Borokhovski, E., & Tamim, R. M. (2011). Interaction in distance education and online learning: Using evidence and theory to improve practice. Journal of Computing in Higher Education, 23(2-3), 82-103.

Al-Shammari, M. (2005). Assessing the learning experience in a business process reengineering (BPR) course at the University of Bahrain. Business Process Management Journal, 11(1), 47-62.

Anderson, T. D., & Garrison, D. R. (1995). Critical thinking in distance education: Developing critical communities in an audio teleconference context. Higher Education, 29(2), 183-199.

Anderson, T. (2003). Getting the mix right again: An updated and theoretical rationale for interaction. International Review of Research in Open and Distance Learning, 4(2), 9-14.

Arbaugh, J. B., Bangert, A., & Cleveland-Innes, M. (2010). Subject matter effects and the community of inquiry (Col) framework: An exploratory study. The Internet and Higher Education, 13(1), 37-44.

Arbaugh, J. B., Godfrey, M. R., Johnson, M., Pollack, B. L., Niendorf, B., & Wresch, W. (2009). Research in online and blended learning in the business disciplines: Key findings and possible future directions. The Internet and Higher Education, 12(2), 71-87.

Arbaugh, J. B., & Warell, S. S. (2009). Distance learning and web-based instruction in management education. In S. J. Armstrong & C.V. Fukami (Eds.), The SAGE Handbook of Management Learning, education, and development (pp. 231-254). London: SAGE Publications.

Barnard, L., Lan, W. Y., To, Y. M., Paton, V. O., & Lai, S. L. (2009). Measuring self-regulation in online and blended learning environments. Internet and Higher Education, 12, 1- 6.

Beldarrain, Y. (2008, November). Integrating interaction in distance learning: A comparative analysis of five design frameworks. In E-Learn: World Conference on E-Learning in Corporate, Government, Healthcare, and Higher Education (pp. 1471-1477). Association for the Advancement of Computing in Education (AACE).

Berger, N. S. (1999). Pioneering experiences in distance learning: Lessons learned. Journal of Management Education, 23, 684-690.

Bernard, R. M., Abrami, P. C., Borokhovski, E., Wade, A., Tamim, R., Surkes, M. A. (2009). A meta-analysis of three interaction treatments in distance education. Review of Educational Research, 79(3), 1243-1289.

Boaventura, J. M. G, Costa, B. K, & Fischmann, A. (2005) Cenarios: metodologia e metodos de construcao. In Costa, B. K. & Almeida, M. I. R. Estrategia: direcionando negocios e organizacoes. Sao Paulo: Atlas, 2005. Cap. 1 p.23-44.

Bowen, V. S. (1996). The relationship of locus of control and cognitive style to self-instructional strategies, sequencing, and outcomes in a learner-controlled multimedia environment. Dissertation Abstracts International Section A: Humanities & Social Sciences, 56(10-A), 3922 Apr 1996.

Bryant, K., Campbell, J., & Kerr, D. (2003). Impact of web based flexible learning on academic performance in information systems. Journal of Information Systems Education, 14(1), 41-50.

Bryant, S. M., Kahle, J. B., & Schafer, B. A. (2005). Distance education: A review of the contemporary literature. Issues in Accounting Education, 20, 255-272.

Broad, M. C. (1999). The dynamics of quality assurance in online distance education. Electronic Journal of Instructional Science and Technology, 5(1), 12-21.

Brophy, J. E. (1999). Teaching: Educational practices series, Vol. 1,

Bruner, J. (1985). Vygotsky: A historical and conceptual perspective. Culture, Communication, and Cognition: Vygotskian Perspectives, 21, 34.

Cook, D. A. (2009). The failure of e-learning research to inform educational practice and what we can do about it. Medical Teacher, 31(2), 158-162.

Cunningham, C. A., & Billingsley, M. (2003). Curriculum Webs: A practical guide to weaving the Web into teaching and learning. Boston: Allyn and Bacon.

de Almeida, M. E. B. (2003). Educacao a distancia na internet: abordagens e contribuicoes dos ambientes digitais de aprendizagem. Educacao e pesquisa, 29(2), 327-340.

Daspit, J. J., & D'Souza, D. E. (2012). Using the Community of Inquiry Framework to Introduce Wiki Environments in Blended-Learning Pedagogies: Evidence From a Business Capstone Course. Academy of Management Learning & Education, 11(4), 666-683.

Dias, M. A. de P., Vianna, J. N. de S., & Felby, C. (2016). Sustainability in the prospective scenarios methods: A case study of scenarios for biodiesel industry in Brazil, for 2030. Futures, 82, 1-14.

Ehlers, U. (2004). Quality in e-learning. The learner as a key quality assurance category. European Journal of Vocational Training, 29, 3-15.

Furrer, O. & Thomas, H. (2000), The rivalry matrix: understanding rivalry and competitive dynamics, European Management Journal, Vol. 18, pp. 619-37.

Garrison, D. R. (1991). Critical thinking and adult education: A conceptual model for developing critical thinking in adult learners. International Journal of Lifelong Education, 10(4), 287-303.

Garrison, D. R., Anderson, T., & Archer, W. (2000). Critical inquiry in a text- based environment: Computer conferencing in higher education. The Internet and Higher Education, 2(2), 87-105.

Garrison, D. R., & Arbaugh, J. B. (2007). Researching the community of inquiry framework: Review, issues, and future directions. The Internet and Higher Education, 10(3), 157-172.

Garrison, D. R., & Cleveland-Innes, M. (2005). Facilitating cognitive presence in online learning: Interaction is not enough. The American Journal of Distance Education, 19(3), 133-148.

Garrison, D. R., Cleveland-Innes, M., & Fung, T. S. (2009). Exploring causal relationships among teaching, cognitive and social presence: Student perceptions of the community of inquiry framework. The Internet and Higher Education, 13(1), 31-36.

Georgantzas, N. C., & Acar, W. (1995). Scenario-driven planning: learning to manage strategic uncertainty. Praeger.

Gunawardena, L., Lowe, C., & Anderson, T. (1997). Interaction analysis of a global online debate and the development of a constructivist interaction analysis model for computer conferencing. Journal of Educational Computing Research, 17(4), 395-429.

Hagaman, S. (1990). The community of inquiry: An approach to collaborative learning. Studies in Art Education, 31(3), 149-157.

Han, H., & Johnson, S. D. (2012). Relationship between students' emotional intelligence, social bond, and interactions in online learning. Educational Technology & Society, 15(1), 78-89.

Harasim, L. (2000). Shift happens: Online education as a new paradigm in learning. Internet and Higher Education, 3(1-2), 41-61.

Heckman, R., & Annabi, H. (2005). A content analytic comparison of learning processes in online and face-to-face case study discussions. Journal of Computer-Mediated Communication, 10(2).

Herrington, J., Reeves, T. C., & Oliver, R. (2006). Authentic tasks online: A synergy among learner, task, and technology. Distance Education, 27(2), 233-247.

INEP. (2018) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira. Disponivel em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/inicio>.

Hickey, D., & McCaslin, M. (2001). A Comparative, socio-cultural analysis of context and motivation. In S. Volet & S. Jarvala' (Eds.), Motivation in learning contexts: Theoretical advancements and methodological implications (pp. 33-55). Elmsford, NY: Pergamon Press.

Hirumi, A. (2011). The design and sequencing of online and blended learning interactions: A framework for grounded design. Canadian Learning Journal, 16(2), 21-25.

Hollenbeck, C. R., Zinkhan, G. M., & French, W. (2005). Distance learning trends and benchmarks: Lessons from an online MBA program. Marketing Education Review, 15(2), 39-52.

Jaspers, F. (1991). Interactivity or instruction? A reaction to Merrill. Educational Technology, 31(3), 21-24.

Juwah, C. (Ed.). (2006). Interactions in online learning: Implications for theory and practice. New York, NY: Routledge.

Klein, H. J., Noe, R. A., &Wang, C. (2006). Motivation to learn and course outcomes: The impact of delivery mode, learning goal orientation, and perceived barriers and enablers. Personnel Psychology, 59, 665-702.

Knowles, M. S. (1980). The modern practice of adult education: From pedagogy to andragogy. Englewood Cliffs: Prentice Hall/Cambridge.

Kramarski, B., & Gutman, M. (2006). How can self-regulated learning be supported in mathematical E-learning environments? Journal of Computer Assisted Learning, 22, 24-33.

Kramarski, B., & Mizrachi, N. (2006). Online discussion and self-regulated learning: Effects of instructional methods on mathematical literacy. The Journal of Educational Research, 99(4), 218-230.

Kuo, Y. C., Walker, A. E., Schroder, K. E., & Belland, B. R. (2014). Interaction, Internet self-efficacy, and self-regulated learning as predictors of student satisfaction in online education courses. The Internet and Higher Education, 20, 35-50.

Lan, W. Y. (1996). The effects of self-monitoring on students' course performance, use of learning strategies, attitude, self-judgment ability, and knowledge representation. Journal of Experimental Education, 64, 101-115.

Liaw, S. S. (2008). Investigating students' perceived satisfaction, behavioral intention, and effectiveness of e-learning: A case study of the Blackboard system. Computers and Education, 51(2), 864-873.

Lipman, M. (1976). Philosophy for children. Metaphilosophy, 7(1), 17-33.

Lipman, M. (1991). Thinking in education. Cambridge: Cambridge University Press.

Mannermaa, M. (1991). In search of an evolutionary paradigm for futures research. Futures, 23(4), 349-372.

Martins, P. P. P., Boaventura, J. M. G., Fischmann, A. A., Costa, B. K., & Spers, R. G. (2012). Scenarios for the Brazilian Road Freight Transport Industry. Foresight, 14(3), 207-224.

Molenda, M. (2008). Historical Foundations. In J. M. Spector, M. D. Merrill, J. Elen, & M. J. Bishop (Eds.), Handbook of Research on Educational Communications and Technology. New York, NY: Springer New York.

Moore, M. G. (1989). Three types of interaction. American Journal of Distance Education, 3(2), 1-6.

Moore, M. G. (1993). Theory of transactional distance. In D. Keegan (Ed.), Theoretical principles of distance education (pp. 22-28). New York, NY: Routledge.

Oliveira, A. S., Barros, M. D. de, Pereira, F. de C., Gomes, C. F. S., & Costa, H. G. da. (2018). Prospective scenarios: A literature review on the Scopus database. Futures, 100, 20-33.

Paechter, M., & Maier, B. (2010). Online or face-to-face? Students' experiences and preferences in e-learning. The internet and higher education, 13(4), 292-297.

Piccoli, G., Ahmad, R., & Ives, B. (2001). Web-based virtual learning environments: A research framework and a preliminary assessment of effectiveness in basic IT skills training. MIS Quarterly, 25, 401-426.

Porter, M. E. (1985) Competitive Advantage. New York: Free Press.

Proserpio, L., & Gioia, D. A. (2007). Teaching the virtual generation. Academy of Management Learning & Education, 6, 69-80.

Ringland, G. (1998), Scenario Planning--Managing for the Future, John Wiley & Sons, Chichester.

Rungtusanatham, M., Ellram, L. M., Siferd, S. P., & Salik, S. (2004). Toward a typology of business education in the Internet age. Decision Sciences Journal of Innovative Education, 2, 101 -120.

Sankaran, S. R., & Bui, T. X. (2001). Impact of learning strategies and motivation on performance: A study in web-based instruction. Journal of Instructional Psychology, 28, 191- 198.

Sankaran, S. R., Sankaran, D., & Bui, T. (2000). Effect of student attitude to course format of learning performance: An empirical study in web vs. lecture instruction. Journal of Instructional Psychology, 27, 66-73.

Schwartz, P. (2000). A arte da visao de longo prazo. Sao Paulo: Nova Cultural.

Sims, R. (1999). Interactivity on stage: Strategies for learner-designer communication. Australian Journal of Educational Technology, 15(3), 257-272.

Sitzmann, T., Kraiger, K., Stewart, D., & Wisher, R. (2006). The comparative effectiveness of web-based and classroom instruction: A meta-analysis. Personnel Psychology, 59, 623-664.

Soong, M., B., Chan, H. C., Chua, B. C., & Loh, K. F. (2001). Benson Soong et al- (2001) Critical success factors for on-line course resources- Computers and education. Computers & Education, 36.

Storopoli, J. E. (2016). O uso do Knowledge discovery in database (KDD) de informacoes patentarias sobre ensino a distancia: contribuicoes para instituicoes de ensino superior. Universidade Nove de Julho--UNINOVE. https://doi.org/10.1126/science.1103618

Sun, P. C., Tsai, R. J., Finger, G., Chen, Y. Y., & Yeh, D. (2008). What drives a successful eLearning? An empirical investigation of the critical factors influencing learner satisfaction. Computers and Education, 50(4), 1183-1202.

Sutton, L. A. (2001). The principle of vicarious interaction in computer- mediated communications. International Journal of Educational Telecommunications, 7(3), 223-242.

Trickey, S., & Topping, K. J. (2004). "Philosophy for children": a systematic review. Research Papers in Education, 19(3), 365-380.

Vygotsky, L. S. (1978). Mind in society: The development of higher mental process. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Wade, W. (2012). Scenario planning: a field guide to the future. New Jersey: Wiley & Sons Inc.

Wagner, E. D. (1994). In support of a functional definition of interaction. The American Journal of Distance Education, 8(2), 6-29.

Walker, K. (2003). Applying distributed learning theory in online business communication courses. Business Communication Quarterly, 66(2), 55-67.

Wan, Z., Fang, Y., & Neufeld, D. J. (2007). The role of information technology in technology-mediated learning: A review of the past for the future. Journal of Information Systems Education, 18, 183-192.

Young, A., & Norgard, C. (2006). Assessing the quality of online courses from the students' perspective. The Internet and Higher Education, 9, 107-115.

Zimmerman, B. J. (2008). Investigating self-regulation and motivation: Historical background, methodological developments and future prospects. American Educational Research Journal, 45(1), 166-183.

Nairana Radtke Caneppele Bussler

Doutoranda em Administracao na Universidade Nove de Julho UNINOVE. Programa de

Pos Graduacao em Administracao--PPGA da UNINOVE

nacaneppele@hotmail.com

Pang Lien Hsu

Doutorando pelo Programa de Pos-graduacao em Administracao--Estrategia--PPGA

UNINOVE. Programa de Pos Graduacao em Administracao--PPGA da UNINOVE

panglienhsu@gmail.com

Jose Eduardo Storopoli

Doutor em Administracao (Universidade Nove de Julho, UNINOVE. Programa de Pos

Graduacao em Administracao--PPGA da UNINOVE

josees@uni9.pro.br

Emerson Antonio Maccari

Doutor em Administracao pela USP com Estagio Doutoral na University of

Massachusetts Amherst USA. Programa de Pos Graduacao em Administracao--PPGA da

UNINOVE.

emerson.maccari@gmail.com

Caption: Figura 1. Clusters dos documentos do acoplamento bibliografico
Tabela 1

Fatores criticos de sucesso de EaD

           Fator                             Fonte(s)

Competencia Docente             (Soong et al., 2001); (Selim, 2007)
Atitude Docente                 (Soong et al., 2001); (Sun et al.,
                                       2008); (Selim, 2007)
Colaboracao                     (Soong et al., 2001); (Selim, 2007)
Suporte de plataforma           (Soong et al., 2001); (Selim, 2007)
Expectativa de                          (Sun et al., 2008)
  Aprendizagem
Flexibilidade                           (Sun et al., 2008)
Qualidade                        (Sun et al., 2008); (Liaw, 2008)
Pertinencia                      (Sun et al., 2008); (Liaw, 2008)
Facilidade de Uso                (Sun et al., 2008); (Liaw, 2008)
Diversidade de Conteudos         (Sun et al., 2008); (Liaw, 2008)
  e Atividades
Satisfacao                                 (Liaw, 2008)

Nota. Fonte: O uso do Knowledge discovery in database (KDD) de
informacoes patentarias sobre ensino a distancia: contribuicoes
para instituicoes de ensino superior, de Storopoli, J. E. (2016),
Universidade Nove de Julho--UNINOVE.

Tabela 2.

Cenarios desenvolvidos a partir de um estudo bibliometrico sobre o EaD

    Cenario                      Premissas

COMUNIDADE DE     * Presenca cognitiva
INVESTIGACAO
                  * Presenca social

                  * Presenca de ensino

                  * Comunicacao assincrona

                  * Ensino hibrido

                  * Integracao e treinamento
                    atraves da tecnologia

INTERACAO         * Avancos em tecnologia
E-LEARNING
                  * Crencas de responsabilizacao

                  * Interacao intencional

                  * Perspectiva socio
                    construtivista

                  * Principios de aprendizagem
                    auto regulados

                  * Principios de Aprendizagem
                    Multimidia

                  * Principios do design
                    motivacional

                  * Principios de aprendizagem
                    cooperativa

                  * Satisfacao dos alunos

AMBIENTE DE       * Abordagens metodologicas
APRENDIZADO
COMBINADO         * Ensino tradicional

                  * Ead

                  * Relacoes
                    colaborativas produtivas

                  * Maturidade profissional

                  * Eficacia das ferramentas.

                  * Atitudes
                    dos alunos

                  * Criacao
                    do ambiente cognitivo e social

                  * Objetivos
                    de aprendizagem

                  * Desenvolvimento
                    de competencias

                  * Fatores de conteudo,
                    relacionados a entrega e de
                    aprendizagem

    Cenario                            Autores

COMUNIDADE DE     Arbaugh et al (2008), Borup, West, & Graham
INVESTIGACAO      (2012), Georgina & Olson (2008), Shea, et al
                  (2010), Vygotsky (1978), Bruner (1985),
                  Lipman (1976: 1991), Hagaman (1990),
                  Garrison, Anderson, & Archer (2000),
                  Garrison, Cleveland-Innes, & Fung, (2009),
                  Trickey & Topping, (2004), Anderson &
                  Garrison, (1995), Daspit & D'Souza, (2012),
                  Arbaugh, Bangert, & Cleveland-Innes (2010).

INTERACAO         Anderson (2003), Sutton (2001), Sims (1999),
E-LEARNING        Wagner (1994), Jaspers (1991), Moore
                  (1989), Nipper (1989), Han & Johnson (2012),
                  Juwah (2006), Bernard et al. (2009), Moore
                  (1989), Gunawardena, Lowe, & Anderson
                  (1997), Hirumi (2011), Herrington, Reeves, &
                  Oliver (2006), Sutton (2001), Abrami et al.
                  (2011), Cunningham & Billingsley (2003),
                  Bowen (1996), Cook (2009), Beldarrain
                  (2006), Zimmerman (2008), Knowles (1980),
                  Lan (1996), Kramarski & Mizrachi (2006),
                  Kramarski & Gutman (2006), Barnard et al.
                  (2009), Hickey & McCaslin (2001), Broad
                  (1999), Kuo et al. (2014).

AMBIENTE DE       Wan, Fang & Neufeld (2007), Bryant, Kahle,
APRENDIZADO       & Schafer (2005), Arbaugh et al. (2009),
COMBINADO         Arbaugh & Warell (2009), Brophy (1999),
                  Ehlers (2004), Young & Norgard (2006),
                  Berge (2007), Sankaran, Sankaran & Bui
                  (2000), Piccoli, Ahmad & Ives (2001),
                  Abraham (2002), Sankaran & Bui (2001),
                  Piccoli, Ahmad & Ives (2001), Heckman &
                  Annabi (2005), Bryant, Campbell & Kerr
                  (2003), Klein, Noe & Wang (2006), Sitzmann
                  et al. (2006), Al-Shammari (2005), Paechter
                  & Maier (2010), Walker (2003), Proserpio &
                  Gioia (2007), Rungtusanatham et al. (2004),
                  Hollenbeck, Zinkhan e French (2005).
COPYRIGHT 2019 Revista Gestao & Tecnologia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Bussler, Nairana Radtke Caneppele; Hsu, Pang Lien; Storopoli, Jose Eduardo; Maccari, Emerson Antonio
Publication:Gestao & Tecnologia
Date:Apr 1, 2019
Words:7472
Previous Article:Editorial.
Next Article:Green human resource management in the east and west/Gestao verde de recursos humanos no oriente e ocidente/Gestion de recursos humanos verdes en el...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters