Printer Friendly

SOCIAL DIMENSION OF SUSTAINABILITY AND PUBLIC HEALTH: A BIBLIOMETRIC ANALYSIS/DIMENSAO SOCIAL DA SUSTENTABILIDADE E SAUDE PUBLICA: UM LEVANTAMENTO BIBLIOMETRICO.

1 INTRODUCAO

O termo desenvolvimento sustentavel ganhou visibilidade internacional a partir de 1987, com a publicacao do Relatorio de Brundtland pela Comissao Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nacoes Unidas (ONU). A partir dai disseminou-se no escopo dos governos, da sociedade (Claro, Claro, & Amancio, 2008) e nas organizacoes (Labuschagne, Brent, & Claasen, 2005). Em linhas gerais, questiona a existencia das organizacoes, a distribuicao da riqueza, suas relacoes com as partes interessadas e a maneira de cuidar dos colaboradores (Avila, Madruga, Rocha, & Fao, 2015), denotando ser um dos mais importantes movimentos para a transformacao da sociedade (Barbieri, Vasconcelos, Andreassi, & Vasconcelos, 2010).

Conceitos e praticas de sustentabilidade, por sua vez, oferecem suporte a um desenvolvimento duradouro nas diversas dimensoes da vida humana (Duarte, Madruga, Becker, & Avila, 2013). Embora a ideia de sustentabilidade inicialmente estivesse vinculada aos impactos do homem na natureza, hoje tem sido entendida a partir do equilibrio dos pilares social, ambiental e economico para atender as necessidades humanas (Abreu & Borges, 2013; Elkington, 2012; Melo Neto & Froes, 2001), sendo bastante utilizada em ambito organizacional (Claro et al., 2008).

Especificamente no setor saude, observa-se que o termo sustentabilidade costuma ser utilizado para se referir a gestao dos residuos gerados nos servicos de saude (RSS) com vistas a diminuicao da producao, a preservacao da saude e a protecao dos recursos naturais (ANVISA, 2006), reduzida as questoes ambientais. Entretanto, entende-se que as tres dimensoes da sustentabilidade podem ser uteis para analisar e aprimorar praticas gerenciais na saude publica, uma vez que a prestacao desses servicos envolve financiamento (pilar economico), gestao dos residuos (pilar ambiental) e respostas as demandas sociais e de saude (pilar social).

Embora a dimensao social do desenvolvimento e a saude publica ja tenham sido objeto de estudos (Gadelha & Costa, 2012; Gadelha, Costa, & Maldonado, 2012), assim como o encadeamento entre sustentabilidade/desenvolvimento sustentavel e saude publica (Azevedo & Pelicioni, 2011; Silva, Santos, Augusto, & Gurgel, 2013), a articulacao entre esses conceitos ainda e pouco difundida na literatura cientifica. Por isso, pesquisas que aproximem esses campos podem evidenciar dilemas na gestao de servicos de saude populacionais. Tendo em vista tais aspectos, este estudo teve como objetivo analisar as caracteristicas das publicacoes sobre sustentabilidade social e saude publica nas bases de dados SCOPUS e Web Of Science (WOS).

2 FUNDAMENTOS TEORICOS

2.1 Sustentabilidade Social

A dimensao social apresenta os maiores desafios para o desenvolvimento sustentavel, uma vez que pretende atender aos interesses de diferentes atores envolvidos em organizacoes e comunidades (Jacobi, 1999). Segundo (Elkington, 2012), a sustentabilidade social se relaciona as necessidades das pessoas ligadas direta ou indiretamente a organizacoes. Assim, busca o bem-estar da sociedade e dos trabalhadores por meio do respeito as normas trabalhistas, a remuneracao adequada e ao alcance de condicoes de trabalho favoraveis.

Em ambito comunitario ou populacional ela visa a satisfacao das necessidades sociais criticas. Para tanto, os individuos devem ter o minimo necessario para uma vida digna, como acesso a servicos de saude, seguranca e saneamento (Nascimento, 2012; Ribeiro, 2015) e, tambem, a garantia de recursos estatais que assegurem mecanismos de participacao nas decisoes que envolvem o futuro da sociedade (Dias, 2013). Com essa acepcao, a sustentabilidade tem como pano de fundo a nocao de justica social e, como pressuposto basico, a participacao social. Dessa forma, a participacao e compreendida como uma importante medida qualitativa da sustentabilidade social (Baracat & Nobre, 2013).

Para que a sustentabilidade social aconteca de fato, organizacoes, governo e sociedade devem buscar a gestao de maneira honesta e etica, melhorar a mobilidade social e a diversidade cultural. Deve-se fazer comunicacao e governanca com todos os envolvidos e impactados a partir das atividades organizacionais, priorizar a gestao do talento e a implementacao e gestao de programas sociais de combate a miseria e pobreza e ao preconceito social vigente (Melo Neto & Froes, 2001; Teixeira, Salomao, & Teixeira, 2015; Sachs, 2008). Assim, quando as organizacoes passam a se comprometer com o desenvolvimento sustentavel reduzem seus impactos sociais e ambientais (Barbieri et al., 2010).

2.2 Saude Publica

Os termos saude publica e saude coletiva sao usados de forma recorrente na literatura e nas acoes de saude no contexto nacional. No entanto, enquanto campos do conhecimento e de praticas (Paim & Almeida Filho, 1998) distinguem-se em funcao dos seus marcos historico, epistemologico e conceitual (Birman, 2005). Enquanto a expressao saude coletiva e mais usada no Brasil e em paises da America Latina, o termo saude publica tem utilizacao universal.

A saude publica originou-se no final do seculo XVIII como policia medica para controlar doencas, epidemias, endemias e sanear o ambiente, fundamentando-se em saberes biologicos e no naturalismo medico (Birman, 2005) de modo a obter niveis adequados de saude em populacoes (Czeresnia, 1999). Dentro dessa concepcao classica, houve a valorizacao dos determinantes biologicos do adoecimento, impulsionando acoes preventivistas para o controle de doencas e o tratamento dos doentes (Souza, 2014), atraves de abordagens moralistas e normativas (Campos, 2000). Assim, de acordo com (Botazzo, 2003) a saude publica representa um meio de controle social do Estado sobre individuos.

Embora existam diferentes concepcoes, e preciso esclarecer que as praticas de saude publica podem se referir tanto aquelas realizadas em/sobre populacoes quanto podem ser vistas como aquelas que visam interesses coletivos, numa perspectiva de bem comum (Marsiglia, 2013). Considerando que a saude publica possui como objeto de intervencao a saude em nivel populacional (Czeresnia, 1999), seus resultados influenciam diretamente o desenvolvimento social, uma vez que sociedades mais saudaveis apresentam melhores indicadores de desenvolvimento humano e de qualidade de vida (Buss & Pellegrini Filho, 2007). Como as praticas de saude publica envolvem complexa rede de servicos de saude, com atores sociais movimentando-se em realidades pautadas por incertezas, devem ser pensadas a luz da sustentabilidade, em suas dimensoes economica, ambiental e social.

3 PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS

Tratou-se de estudo bibliometrico com abordagem exploratoria quantitativa descritiva. A escolha do delineamento justifica-se pois as pesquisas bibliometricas sao utilizadas tanto para estudar os aspectos quantitativos da producao academica (Macias-Chapula, 1998) quanto para avaliar as caracteristicas das pesquisas, autores e instituicoes (Hayashi, Silva, Hayashi, Ferreira.Jr, & Faria, 2005). A coleta de dados foi realizada em janeiro de 2018, de forma independente e em duplicata, nas bases SCOPUS e Web Of Science (WOS), ambas dentre as maiores bases de dados mundiais multidisciplinares com metricas de resumos e citacoes da literatura cientifica (Falagas, Pitsouni, Malietzis, & Pappas, 2007; Kulkarni, Aziz, Shams, & Busse, 2009). Foi utilizado o campo de busca Article Title, Abstract, Keywords, atraves da combinacao de descritores social sustainability AND public health. A pesquisa e analise foram conduzidas separadamente, de forma sequencial, em etapas distintas: 1) Etapa 1: total de publicacoes; e 2) Etapa 2: artigos cientificos.

A Etapa 1 buscou identificar as principais caracteristicas das publicacoes sobre a tematica. Para tanto, foram realizadas buscas sem utilizar quaisquer limitadores de tempo, de modo a englobar o maior numero possivel de documentos. Esses foram analisados a partir das seguintes variaveis em cada base: a) total de publicacoes; b) publicacoes por ano; c) tipos de publicacoes. Esses dados foram transferidos para o Programa Microsoft Excel 2016 e analisados por meio de estatistica descritiva simples, com frequencia absoluta e porcentagem.

A Etapa 2, por sua vez, tratou especificamente das caracteristicas dos artigos cientificos. Para isso, a partir do total de publicacoes (Etapa 1), foram excluidos artigos de revisao, anais de eventos, capitulos de livros, livros, notas, editoriais, revisao em congressos, artigos de jornal e magazines, comunicacoes breves e cartas. Foram analisadas as seguintes variaveis em cada base: a) total de artigos; b) ano de publicacao; c) fonte (instituicao) de publicacao; d) pais ou territorio dos artigos; e) areas do conhecimento. Esses dados foram transferidos para uma planilha no Microsof Excel 2016 e analisados atraves de medidas de frequencia absoluta e porcentagem. Por fim, foram analisadas as caracteristicas dos artigos mais citados nos ultimos dez anos (2008-2017) em cada base, atraves de: a) titulo; b) autores e ano; c) objetivo; d) periodico; e) numero de citacoes. As informacoes coletadas foram transferidas para uma planilha no Microsoft Excel 2016, apos analise do texto completo. As variaveis qualitativas foram organizadas a partir da ordem decrescente de citacoes. As quantitativas foram apresentadas atraves de frequencia absoluta e porcentagem. A construcao de nuvens de palavras foi realizada atraves do metodo de frequencia de palavras (Word Frequency Query), com o auxilio do Software NVivo 11. Julgou-se necessaria a analise da ultima decada para compreender o cenario mais recente em torno dessas publicacoes (De-Miguel-Molina, De-Miguel-Molina, & Albors-Garrigos, 2015).

4 APRESENTACAO E ANALISE DOS RESULTADOS

4.1 Total de publicacoes

A primeira publicacao localizada na WOS envolvendo os descritores sustentabilidade social AND saude publica aconteceu no ano de 1992. No periodo entre 1992 e 2017 foram identificadas 769 publicacoes (100%), com oscilacoes ate 2007. A partir dai, observou-se incremento continuo ate 2016 (exceto em 2014). Em 2009 foram 38 publicacoes (4,9%) e em 2016, 122 (15,9%), sendo esse o ano com maior numero de documentos. O ultimo ano pesquisado, 2017 teve 104 publicacoes (13,5%), caracterizando uma leve queda (Grafico 1).

Na base de dados SCOPUS, a primeira publicacao sobre a tematica aconteceu em 1989. Entre 1989 e 2017 foram identificadas 1.601 publicacoes (100%). Em linhas gerais, contatou-se aumento consideravel no numero de publicacoes, porem com oscilacoes. Esse aumento foi mais expressivo no ano de 2015 quando foram publicados 169 documentos (10,6%). Foi possivel observar uma ligeira queda no numero de publicacoes nos anos posteriores: 2016 com 156 (9,6%) e 2017 com 143 (8,9%) documentos (Grafico 2).

Comparando o numero de publicacoes nas duas bases de dados, verificou-se maior numero total na SCOPUS (mais do que o dobro da WOS). Constatou-se que a primeira publicacao foi veiculada tres anos antes na SCOPUS e que houve numero maior de documentos a cada ano nessa mesma base. Menor numero de publicacoes na WOS foi verificado nos anos de 1993 (0), 1994 (0) e 1997 (0). Ja, na SCOPUS, em 1989 (3), 1990 (3) e 1991 (4). O maior numero de publicacoes na WOS foi constatado nos anos de 2015 (87), 2017 (104) e 2016 (122). Na SCOPUS, por sua vez, nos anos de 2017 (143), 2016 (156) e 2015 (169). Verificou-se crescimento no numero de publicacoes nos ultimos 10 anos em ambas as bases de dados.

4.2 Tipos de publicacoes

Houve predominio de artigos em periodicos, correspondendo a 77,8% das publicacoes na WOS e a 64,5% na SCOPUS. Depois, por ordem de frequencia, constatou-se que na WOS houve predominio de anais de eventos/conferencias (13,2%) e artigos de revisao (8,5%). Na SCOPUS, artigos de revisao (13,8%) e anais de eventos/conferencias (9,85). Os demais tipos de publicacoes, juntos, resultaram em 27 publicacoes na WOS (3,3%) e 188 (11,7%) na SCOPUS. Observa-se maior categorizacao por tipos de publicacoes na SCOPUS (Quadro 1).

4.3 Artigos cientificos: publicacoes por ano

Ao se utilizar como filtro apenas os artigos publicados em periodicos cientificos, foram encontrados 597 na WOS entre os anos de 1992 e 2017, correspondendo a 77,7% de todas as publicacoes dessa base. Os tres anos que concentraram maior numero foram, em ordem decrescente, respectivamente: 2016 (15,7%); 2017 (13,7%); 2015 (12,0%); 2013 (9,4%); e 2014 (9,0%). O total de artigos publicados nesse quinquenio equivale a 59,9% dos artigos publicados. Ja, os anos com menor publicacao, em ordem crescente, foram: 1993 e 1994, com nenhum; 1992 e 1997 com um artigo; e 1995 e 1998 com dois artigos publicados (Grafico 3).

Na SCOPUS, foram publicados 1.033 artigos nesse mesmo periodo, o que equivale a 64,7% de todas as publicacoes veiculadas (Grafico 4). Os cinco anos que concentraram maior numero foram, em ordem decrescente, respectivamente: 2015 (11,7%); 2016 (10,8%); 2017 (9,1%); 2014 (8,7%); e 2013 (8,5%). No quinquenio, representaram 48,9% dos artigos publicados. Ja, os anos com menor numero de artigos, em ordem crescente, foram: 1989, com dois; 1990, com tres e 1991 com quatro artigos publicados (Grafico 4).

Embora na SCOPUS exista maior numero absoluto de artigos (n=1.033) em comparacao com a WOS (n=597), em termos de percentuais, quanto aos demais tipos de publicacoes, o valor e menor: na WOS, artigos representaram 77,7% do total de publicacoes e na SCOPUS, 64,7%. Entretanto, observou-se que em ambas as bases, houve concentracao na publicacao de artigos no periodo de 2013 a 2017, porem com variacoes anuais em cada base.

4.4 Artigos cientificos: principais instituicoes

Dentre as dez instituicoes que mais publicaram artigos na WOS destacaram-se: University of British Columbia, com 10 publicacoes; Universidade de Sao Paulo, com 9; e Fundacao Oswaldo Cruz, com 8. Ja, na SCOPUS, o maior numero de artigos publicados, ficou a encargo das seguintes instituicoes: Fundacao Oswaldo Cruz com 20; London School of Hygiene & Tropical Medicine com 19; e Universidade de Sao Paulo, University of Toronto e University of North Carolina at Chapel Hill, cada uma com 14 (Quadro 2).

Ainda, de acordo com o Quadro 2, observa-se que duas instituicoes brasileiras estiveram ranqueadas entre as dez que mais publicaram artigos cientificos envolvendo a dimensao social da sustentabilidade e a saude publica desde a emergencia da tematica no planeta.

4.5 Artigos cientificos: principais paises/regioes de origem

Atraves da analise dos dez paises/regioes com mais artigos na WOS verificou-se que as posicoes de destaque foram para: Estados Unidos, com 208 artigos publicados; Reino Unido, com 101; e Australia, com 59. Na base SCOPUS destacaram-se: Estados Unidos, com 311 artigos; Reino Unido, com 155 e Canada, com 85 (Quadro 3). Em termos percentuais, verificou-se o seguinte panorama: Estados Unidos lideram nas duas bases, com 34,8% das publicacoes (n=208) na WOS e com 30,1% (n= 311) na SCOPUS; o Reino Unido ocupou a 2a posicao, com 16,9% (n=101) na WOS e 15,0% (n=155) na SCOPUS; Australia ocupou a 3a posicao na WOS com 8,5% (n=59) e Canada na SCOPUS, com 8,2% dos artigos (n=85). Neste ranking, o Brasil apareceu na 5a posicao em ambas as bases, na WOS com 40 publicacoes (6,7%) e na SCOPUS com 53 (5,1%), sendo o primeiro da America Latina (Quadro 3).

4.6 Artigos cientificos: areas do conhecimento

As tres principais as areas do conhecimento com maior numero de artigos na WOS foram: Saude Publica, com 174 artigos; Ecologia, com 136; e Servicos de Saude, com 66. As areas com menor numero nessa base foram: Ciencias Sociais, com 25 artigos; Agricultura e Urbanismo, ambas com 20; e Geografia com 19 (Quadro 4). Na SCOPUS, as principais areas foram: Medicina, com 544; Ciencias Sociais, com 317; e Ciencias Ambientais, com 231. As areas com menos artigos foram: Energia, com 45; Economia, Econometria e Financas, com 43; e Artes de Humanidades, com 41 (Quadro 4).

Atraves da analise das principais areas de conhecimento dos artigos verificou-se distribuicao bastante diversificada entre as bases WOS e SCOPUS. Contatou-se, tambem, que o sistema classificatorio de cada base pode interferir na expressao dos achados, uma vez que um mesmo artigo pode ser enquadrado em mais de uma area.

4.7 Caracteristicas dos artigos mais citados na WOS no periodo 2008-2017

Os dez artigos mais citados, segundo pesquisa realizada no dia de 10 de janeiro de 2018, sobre sustentabilidade social e saude publica na WOS entre 2008 e 2017 somaram, juntos, 1.571 citacoes. Destacaram-se os trabalhos de (Aarons, Hurlburt, & Horwitz, 2011), com 502 citacoes (32,0%); de (Wolch, Byrne, & Newell, 2014), com 229 (14,6%); e de (Pfeffer, 2010), com 176 (11,2%) (Tabela 1).

Todos os artigos mais citados estavam em lingua inglesa, comprovando o grande 1'impacto academico das publicacoes neste idioma. Apenas o periodico American Journal of Public Health teve duas publicacoes dentre os 10 artigos mais citados, demonstrando que ha uma distribuicao semelhante nesse quesito.

Quanto aos temas dos artigos, identificados a partir de seus objetivos, verificou-se que abordavam predominantemente os relacionados a ecologia, desenvolvimento sustentavel ou sustentabilidade ambiental com repercussoes para a sustentabilidade social ou saude publica (Aarons et al., 2011; Pfeffer, 2010; Scheirer & Dearing, 2011; Wolch et al., 2014) incluindo questoes relacionadas a gestao da agua e minimizacao de residuos na construcao civil (Farrelly & Brown, 2011; Yeheyis et al., 2013). Em proporcao menor, pesquisas relacionadas as questoes sociais por parte de governos (Tamiya et al., 2011; Walker & Brammer, 2009), o uso de redes sociais para promover a diminuicao do tabagismo com impactos na sustentabilidade social e saude publica (Cobb et al., 2010) e investigacoes interdisciplinares de doencas zoonoticas, ligadas a politica, a saude publica e ao usos do solo (Wood et al., 2012).

Ja, quanto as principais palavras dos artigos, analisadas de forma isolada a partir de seus resumos, utilizando-se a ferramenta "Word Frequency Query" (N Vivo 11), verificou-se que os termos que mais utilizados na base WOS foram "sustainability" (1,33%) "social" (1,33%), "public" (1,16%) e "urban" (1,16%) (Figura 1).
Figura 1--Frequencia de palavras dos artigos pesquisados na Base WOS

about across also analysis approach based been being befits both
can care construction environmental

experimentation framework from green has have health human

implementation implications industry literature long management
hiotc network other paper

practices procurement public research sector

sustainability sustainable urban

Fonte: NVivo 11


4.8 Caracteristicas dos artigos mais citados na SCOPUS no periodo 2008-2017

Os dez artigos mais citados, segundo pesquisa realizada no dia de 10 de janeiro de 2018, sobre sustentabilidade social e saude publica na SCOPUS entre 2008 e 2017 somaram, juntos, 1.841 citacoes. Destacaramse os trabalhos de (Aarons et al., 2011), com 532 citacoes (28,9%); de (Wolch et al., 2014), com 270 (14,6%); (Pfeffer, 2010), com 198 (10,8%) (Tabela 4).

Todos os artigos estavam escritos em lingua inglesa. Apenas o periodico The Lancet teve tres publicacoes, demonstrando que ha uma distribuicao semelhante nesse quesito. Quanto aos temas dos artigos, identificados a partir de seus objetivos, verificou-se que abordavam predominantemente temas relacionados a ecologia, desenvolvimento sustentavel ou sustentabilidade ambiental com repercussoes para a sustentabilidade social ou saude publica (Aarons et al., 2011; Bettencourt & Kaur, 2011; Borras.Jr et al., 2010; Gruen et al., 2008; Pfeffer, 2010; Whitmee et al., 2015; Wolch et al., 2014) e, em proporcao menor, pesquisas relacionadas as questoes sociais por parte de governos (Tamiya et al., 2011; Walker & Brammer, 2009) e aos impactos das estrategias adotadas pela OMS (Allegranzi et al., 2013).

Ja, quanto as principais palavras dos artigos, analisadas de forma isolada a partir de seus resumos, utilizando-se a ferramenta "Word Frequency Query" (N Vivo 11), verificou-se que os termos que mais utilizados na base SCOPUS foram "health" (1,40%), "sustainability" (1,03%), "green" (0,88%) e sustainable (0,81%) (Figura 2).
Figura 2--Frequencia de palavras dos artigos pesquisados--Base SCOPUS

across after agenda agranan all being biofuels can ca.fc cities
compliance countries development

ecological economy environmental especially flew from green
growing hand has have

health human hygiene implementation improvement income intervention its

key land more political procurement public research sector social

space strategies strategy sustainability

sustainable systems urban well years

Fonte: NVivo 11


5 DISCUSSAO

A pesquisa conduzida evidenciou o incremento de estudos sobre sustentabilidade social e saude publica nas bases de dados WOS e SCOPUS, desde a primeira publicacao em 1989, o que pode ser explicado pela emergencia, amplitude e consolidacao da tematica. O crescimento no total de publicacoes em ambas as bases no ultimo quinquenio analisado (2012-2017) ilustra tal entendimento.

Mesmo que os artigos cientificos tenham sido os principais responsaveis pelo volume de publicacoes entre 1989 e 2017 (77,7% na WOS e 64,5% na SCOPUS), chamou a atencao a participacao dos artigos de revisao e dos anais de eventos/conferencias na WOS (8,5% e 13,2% respectivamente) e na SCOPUS (13,8% e 9,8%). Ainda, o numero de livros e capitulos de livros publicados, especialmente na SCOPUS (juntos 6,3% nessa base), denotando que a dimensao social da sustentabilidade em saude publica tem sido explorada tanto em publicacoes academicocientificas quanto em eventos de popularizacao da ciencia.

A SCOPUS teve lideranca no volume de artigos publicados a cada ano ao longo de todo o periodo pesquisado (1989-2017), fato este que demonstra o seu impacto em nivel internacional. Contudo, observou-se comportamento semelhante na concentracao do numero de artigos publicados na WOS e SCOPUS entre 2013 e 2017, sugerindo que ambas tem traduzido, embora com diferentes pesos, a relevancia atual da tematica. Como o aumento dos artigos aconteceu em diferentes periodicos, sugere-se "pulverizacao" do assunto.

Alem disso, constatou-se que os temas sustentabilidade social e saude publica sao considerados interdisciplinares, pois os estudos, em sua maioria, estavam relacionados a mais de uma area do conhecimento. Tais achados corroboram com a visao de (Jacobi, 1999), ao enfatizar a relacao entre o envolvimento de diferentes atores sociais interessados e o desenvolvimento da sustentabilidade, e com as ideias de (Paim & Almeida Filho, 1998), no sentido que o campo da saude publica esta relacionado ao desenvolvimento de acoes multiprofissionais e interdisciplinares em espacos diversos.

Tendo em vista a concentracao de publicacoes em paises como Estados Unidos (34,8% na WOS e 34,1% na SCOPUS), Reino Unido (16,9% na WOS e 15,0% na SCOPUS), Australia (9,9% na WOS e 5,6 na SCOPUS) e Canada (8,5% na WOS e 8,2 na SCOPUS), estima-se que a busca por avancos no campo social nas nacoes mais desenvolvidas seja uma constante na vida dos pesquisadores. Contudo, destaca-se que o Brasil ocupou a quinta posicao no ranking de paises que mais publicaram artigos em ambas bases de dados (6,7% na WOS e 5,1% na SCOPUS), evidenciando esforcos dos pesquisadores brasileiros em participar da discussao em nivel internacional. Neste caso, acredita-se que os avancos nas discussoes e praticas no campo da saude publica, a partir da Reforma Sanitaria Brasileira, movimento social que culminou na criacao do Sistema Unico de Saude (SUS) e que preve mecanismos de controle social na gestao do sistema, tenha contribuido para o incremento da participacao de estudos nacionais.

Os indicadores encontrados reforcam a importancia da difusao do tema da sustentabilidade social e da saude publica em paises emergentes como o Brasil, que enfrentam constantes desafios relacionados ao desenvolvimento social. Tal fato corrobora com o ponto de vista de autores como Melo Neto e Froes (2001), Teixeira, Salomao e Teixeira (2015) e Sachs (2008), os quais defendem que as organizacoes, a sociedade e o governo devem buscar o desenvolvimento da sustentabilidade social atraves de acoes eticas, melhorando a diversidade cultural e a mobilidade social. Em funcao de tal entendimento, defende-se o envolvimento tanto de pesquisadores quanto de empreendedores (ou seja, de diferentes setores) na busca do desenvolvimento e da sustentabilidade social.

Outro dado que merece atencao referese ao fato de duas instituicoes brasileiras figurarem entre as que mais publicaram artigos sobre sustentabilidade social e saude publica: a Fundacao Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), com oito artigos publicados na WOS e 20 na SCOPUS; e a Universidade de Sao Paulo (USP), com nove na WOS e 14 na SCOPUS. Ressalta-se que essas instituicoes sao tradicionalmente vistas como referencia no campo da saude publica nacional. Entretanto, quando se analisaram os artigos com maior numero de citacoes nos ultimos 10 anos (2008-2017), nao havia nenhum brasileiro, reforcando a ideia que os estudos aqui produzidos ainda possuem limitada visibilidade no cenario internacional.

A diversificacao identificada nos objetivos dos estudos mais citados sugere tanto a possibilidade de usos diversos para o termo sustentabilidade na area da saude, quanto a amplitude da discussao envolvendo sustentabilidade e saude publica. Ressalta-se, neste sentido, que as areas da sustentabilidade social e saude publica possuem semelhancas, uma vez que ambas utilizam conceitos das Ciencias Sociais e Humanas e a da Saude para buscar um objetivo comum, o desenvolvimento da sociedade (Birman, 2005; Botazzo, 2006; Camargo Junior, 2001; Marsiglia, 2013; Paim & Almeida Filho, 1998).

Muito embora as ideias iniciais de sustentabilidade estivessem ancoradas na vertente ambiental e tenham ganhado visibilidade internacional a partir de eventos promovidos pela ONU, conceitos e praticas da sustentabilidade tem sido apropriados por diversos setores, governamentais e nao, para repensar suas formas de atuacao em direcao ao futuro (Avila et al., 2015; Barbieri et al., 2010; Claro et al., 2008; Labuschagne et al., 2005). Em se tratando do campo da Saude Publica, dita apropriacao torna-se urgente, tendo em mente que os seus resultados das acoes de saude tem impactos na vida das pessoas (Buss & Pellegrini Filho, 2007; Campos, 2000; Czeresnia, 1999; Souza, 2014), influenciando todos os setores sociais.

6 CONSIDERACOES FINAIS

Os resultados desta pesquisa bibliometrica sobre sustentabilidade social e saude publica nas bases WOS e SCOPUS apontaram para o incremento de publicacoes ao longo do periodo analisado (1989-2017), especialmente no ultimo quinquenio (2013-2017). Houve predominio de artigos cientificos, de instituicoes como Fundacao Oswaldo Cruz, London School of Hygiene & Tropical Medicine e University of British Columbia, de paises/regioes como Estados Unidos, Reino Unido e Canada e em areas como Medicina, Saude Publica, Ciencias Sociais e Ciencias Ambientais. A base SCOPUS apresentou o maior volume de publicacoes, incluindo artigos cientificos, em cada ano do periodo analisado.

A analise dos artigos mais citados nos ultimos 10 anos (2008-2017) constatou predominio de publicacoes em lingua inglesa, com objetivos distintos, envolvendo desde relacoes entre ecologia, desenvolvimento sustentavel, sustentabilidade ambiental e sustentabilidade social e saude.

O estudo tem como limitacoes o fato de ter sido realizado apenas nas bases WOS e SCOPUS, a restricao de periodo analisado em dez anos e, tambem, a nao utilizacao do criterio de qualidade dos periodicos para a selecao dos artigos, possibilitando que nem todas as publicacoes relevantes sobre a tematica tenham sido incluidas. Tais aspectos sinalizam para a impossibilidade de serem realizadas generalizacoes sobre as conclusoes obtidas.

Por fim, acredita-se que o levantamento realizado possa contribuir para a aproximacao entre os campos da sustentabilidade social e da saude publica, favorecendo reflexoes com vistas ao planejamento e gestao de pessoas, programas e organizacoes no ambito dos servicos publicos de saude. Sugere-se a realizacao de novas pesquisas bibliometricas que caracterizem o cenario nacional e, tambem, a realizacao de investigacoes empiricas com trabalhadores, gestores e populacao, os quais sao impactados pela dimensao social das acoes de saude publica

REFERENCIAS

Aarons, G. A., Hurlburt, M., & Horwitz, S. M. (2011). Advancing a conceptual model of evidence-based practice implementation in public service sectors. Administration and Policy in Mental Health and Mental Health Services Research, 38(1), 4-23. https://doi.org/10.1007/s10488-010-0327-7

Abreu, S. R., & Borges, F. Q. (2013). Indicadores de sustentabilidade organizacional: estudo em um shopping center no estado do Para. Revista de Economia e Administracao, 12(4), 480507. https://doi.org/10.11132/rea.2013.809

Allegranzi, B., Gayet-Ageron, A., Damani, N., Bengaly, L., McLaws, M. L., Moro, M. L., ... Pittet, D. (2013). Global implementation of WHO's multimodal strategy for improvement of hand hygiene: A quasiexperimental study. The Lancet Infectious Diseases, 13(10), 843-851. https://doi.org/10.1016/S14733099(13)70163-4

ANVISA. (2006). Servicos Odontologicos: prevencao e controle de riscos. Brasilia: Ministerio da Saude.

Avila, L. V., Madruga, L. R. da R. G., Rocha, A. C., & Fao, J. M. (2015). A perspectiva do alinhamento de estrategias sustentaveis na gestao de cooperativas. Gestao e Desenvolvimento em Revista, 1(1), 18-33.

Azevedo, E. de, & Pelicioni, M. C. F. (2011). Promocao da saude, sustentabilidade e agroecologia: uma discussao intersetorial. Saude e Sociedade, 20(3), 715-729. https://doi.org/10.1590/S010412902011000300016

Baracat, M. M. Z., & Nobre, F. S. (2013). Participacao social como elemento de analise da sustentabilidade: estudo do Programa Brasileiro de DST/AIDS. Cadernos EBAPE.BR, 11(1), 41-64. https://doi.org/10.1590/S167939512013000100005

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G., Andreassi, T., & Vasconcelos, F. C. (2010). Innovation and Sustainability: new models and propositions. Rae-Revista de Administracao de Empresas, 50(2), 146-154. https://doi.org/10.1590/s0034 75902010000200002

Bettencourt, L. M. A., & Kaur, J. (2011). Evolution and structure of sustainability science. Proceedings of the National Academy of Sciences, 108(49), 1954019545. https://doi.org/10.1073/pnas.1102712108

Birman, J. (2005). A Physis da saude coletiva. Physis: Revista de Saude Coletiva, 15(1), 11-16. https://doi.org/10.1590/S010373312005000300002

Borras.Jr, S. M., McMichael, P., & Scoones, I. (2010). The politics of biofuels, land and agrarian change: editors' introduction. The Journal of Peasant Studies, 37(4), 575592. https://doi.org/10.1080/03066150.2010.51 2448

Botazzo, C. (2003). Saude bucal e cidadania: transitando entre a teoria e a pratica. In A. C. Pereira (Org.), Odontologia em Saude Coletiva: planejando acoes e promovendo saude (p. 17-27). Porto Alegre: Artmed Editora.

Botazzo, C. (2006). Sobre a bucalidade: notas para a pesquisa e contribuicao ao debate. Ciencia & Saude Coletiva, 11(1), 7-17. https://doi.org/10.1590/S141381232006000100002

Buss, P. M., & Pellegrini Filho, A. (2007). A saude e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saude Coletiva, 17(1), 77-93. https://doi.org/10.1590/S010373312007000100006.

Camargo Junior, K. R. (2001). As muitas vozes da Integralidade. In R. PINHEIRO & R. A. MATTOS (Orgs.), Os Sentidos da Integralidade na Atencao e no Cuidado a Saude (p. 11-15). Rio de Janeiro: UERJ, IMS-ABRASCO.

Campos, G. W. de S. (2000). Saude publica e saude coletiva: campo e nucleo de saberes e praticas. Ciencia & Saude Coletiva, 5(2), 219-230. https://doi.org/10.1590/S141381232000000200002.

Claro, P. B. D. O., Claro, D. P., & Amancio, R. (2008). Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizacoes. Revista de Administracao da USP-RAUSP, 43(4), 289-300. https://doi.org/10.1590/S008021072008000400001

Cobb, N. K., Graham, A. L., & Abrams, D. B. (2010). Social network structure of a large online community for smoking cessation. American Journal of Public Health, 100(7), 1282-1289. https://doi.org/10.2105/AJPH.2009.165449

Czeresnia, D. (1999). The concept of health and the difference between prevention and promotion. Cadernos de Saude Publica, 15(4), 701-709. https://doi.org/10.1590/S0102311X1999000400004

De-Miguel-Molina, B., De-Miguel-Molina, M., & Albors-Garrigos, J. (2015). How undertake a literature review through bibliometrics. An example with review about "user innovation". In Editorial Universitat Politecnica de Valencia (Org.), Analls of 1st International Conference on Business Management (Vol. 1, p. 100104). Valencia: Editorial Universitat Politecnica de Valencia. https://doi.org/10.4995/ICBM.2015.1327

Dias, M. C. (2013). A sociologia economica, a sustentabilidade social e da economia social. Lusiada. Economia & Empresa, 2(17), 13-31.

Duarte, T. L., Madruga, L. R. da R. G., Becker, D. V., & Avila, L. V. (2013). Desenvolvimento sustentavel e empreendedorismo social: um estudo multicaso sobre o impacto de um programa social em organizacoes nao governamentais. Revista Uniabeu, 6(14), 251-274.

Elkington, J. (2012). Sustentabilidade: canibais com garfo e faca. Sao Paulo: M. Books.

Falagas, M. E., Pitsouni, E. I., Malietzis, G. A., & Pappas, G. (2007). Comparison of PubMed, Scopus, Web of Science, and

Google Scholar: strengths and weaknesses. The FASEB Journal, 22(2), 338-342. https://doi.org/10.1096/fj .07-9492LSF

Farrelly, M., & Brown, R. (2011). Rethinking urban water management: experimentation as a way forward? Global Environmental Change, 21(2), 721-732. https://doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2011.01.007

Gadelha, C. A. G., & Costa, L. S. (2012). Saude e desenvolvimento no Brasil: avancos e desafios. Revista de Saude Publica, 46(suppl 1), 13-20. https://doi.org/10.1590/S003489102012005000062

Gadelha, C. A. G., Costa, L. S., & Maldonado, J. (2012). O Complexo Economico Industrial da Saude e a dimensao social e economica do desenvolvimento. Revista de Saude Publica, 46(SUPPL.1), 21-28. https://doi.org/10.1590/S003489102012005000065

Gruen, R. L., Elliott, J. H., Nolan, M. L., Lawton, P. D., Parkhill, A., McLaren, C. J., & Lavis, J. N. (2008). Sustainability science: an integrated approach for healthprogramme planning. The Lancet, 372(9649), 1579-1589. https://doi.org/10.1016/S01406736(08)61659-1

Hayashi, M. C. P. I., Silva, M. R., Hayashi, C. R. M., Ferreira.JR, A., & Faria, L. I. L. (2005). Competencias informacionais para utilizacao da analise bibliometrica em educacao e educacao especial especial. Educacao Tematica Digital, 7(1), 11-27. https://doi.org/10.20396/etd.v7i1.592

Jacobi, P. (1999). Poder local, politicas sociais e sustentabilidade. Saude e Sociedade, #(1), 31-48. https://doi.org/10.1590/S010412901999000100004.

Kulkarni, A. V., Aziz, B., Shams, I., & Busse, J. W. (2009). Comparisons of citations in web of science, scopus, and google scholar for articles published in general medical journals. JAMA, 302(10), 1092-1096. https://doi.org/10.1001/jama.2009.1307

Labuschagne, C., Brent, A. C., & Claasen, S. J. (2005). Environmental and social impact considerations for sustainable project life cycle management in the process industry. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 12(1), 38-54. https://doi.org/10.1002/csr.076

Macias-Chapula, C. A. (1998). O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciencia da Informacao, 27(2), 134-140. https://doi.org/10.1590/S010019651998000200005

Marsiglia, R. M. G. (2013). Temas emergentes em Ciencias Sociais e Saude Publica/Coletiva: a producao do conhecimento na sua interface. Saude e Sociedade, 22(1), 32-43. https://doi.org/10.1590/S010412902013000100005.

Melo Neto, F. P. de, & Froes, C. (2001). Gestao da Responsabilidade Social Corporativa: o caso Brasileiro. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Nascimento, E. P. (2012). Trajetoria da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao economico. Estudos Avancados, 26(74), 51-64. https://doi.org/10.1590/S010340142012000100005

Paim, J. S., & Almeida Filho, N. (1998). Saude coletiva: Uma "nova saude publica" ou campo aberto a novos paradigmas? Revista de Saude Publica, 32(4), 299-316. https://doi.org/10.1590/S003489101998000400001

Pfeffer, J. (2010). Building Sustainable Organizations: The Human Factor. Academy of Management Perspectives, 24(1), 34-45. https://doi.org/10.5465/AMP.2010.50304415

Ribeiro, C. D. (2015). Justica social e equidade em saude: uma abordagem centrada nos funcionamentos. Saude e Sociedade, 24(4), 1109-1118. https://doi.org/10.1590/S010412902015137819

Sachs, I. (2008). Caminhos para o desenvolvimento sustentavel (3a). Rio de Janeiro: Garamond.

Scheirer, M. A., & Dearing, J. W. (2011). An agenda for research on the sustainability of Public Health Programs. American Journal of Public Health, 101(11), 2059-2067. https://doi.org/10.2105/AJPH.2011.300193

Silva, J. M. da;, Santos, M. O. S. dos;, Augusto, L. G. da S., & Gurgel, I. G. D. (2013). Desenvolvimento sustentavel e saude do trabalhador nos estudos de impacto ambiental de refinarias no Brasil. Saude e Sociedade, 22(3), 687-700. https://doi.org/10.1590/S010412902013000300004

Souza, L. E. P. F. de. (2014). Saude Publica ou Saude Coletiva? Revista Espaco para a Saude, 15(4), 7-21. https://doi.org/10.22421/15177130.2014v15n4p7

Tamiya, N., Noguchi, H., Nishi, A., Reich, M. R., Ikegami, N., Hashimoto, H., ... Campbell, J. C. (2011). Population ageing and wellbeing: Lessons from Japan's longterm care insurance policy. The Lancet, 378(9797), 1183-1192. https://doi.org/10.1016/S01406736(11)61176-8

Teixeira, H. J., Salomao, M. S., & Teixeira, C. J. (2015). Fundamentos de Administracao: a busca do essencial (2 ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

Walker, H., & Brammer, S. (2009). Sustainable procurement in the United Kingdom public sector. Supply Chain Management, 14(2), 128-137. http://dx.doi.org/10.1108/1359854091094 1993

Whitmee, S., Haines, A., Beyrer, C., Boltz, F., Capon, A. G., De Souza Dias, B. F., ... Yach, D. (2015). Safeguarding human health in the Anthropocene epoch: report of the Rockefeller Foundation-Lancet Commission on planetary health. The Lancet, 386(14), 1973-2028. https://doi.org/10.1016/S01406736(15)60901-1

Wolch, J. R., Byrne, J., & Newell, J. P. (2014). Urban green space, public health, and environmental justice: The challenge of making cities "just green enough". Landscape and Urban Planning, 125(1), 234-244. https://doi.org/10.1016/jlandurbplan.2014 .01.017

Wood, J. L. N., Leach, M., Waldman, L., MacGregor, H., Fooks, A. R., Jones, K. E., ... Cunningham, A. A. (2012). A framework for the study of zoonotic disease emergence and its drivers: spillover of bat pathogens as a case study. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 367(1604), 2881-2892. https://doi.org/10.1098/rstb.2012.0228

Yeheyis, M., Hewage, K., Alam, M. S., Eskicioglu, C., & Sadiq, R. (2013). An overview of construction and demolition waste management in Canada: a lifecycle analysis approach to sustainability. Clean Technologies and Environmental Policy, 15(1), 81-91. https://doi.org/10.1007/s10098-012-04816

DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v7i2.410

Data de recebimento: 02/11/2017

Data de Aceite: 14/03/2018

Editora Executiva: Lara Jansiski Motta

Editora Cientifica: Sonia Monken

Avaliacao: Double Blind Review pelo SEER/OJS

Revisao: Gramatical, normativa e de formatacao

(1) Sidimar Meira Sagaz

(2) Jordana Marques Kneipp

(3) Deison Alencar Lucietto

(4) Lucia Rejane da Rosa Gama Madruga

(1) Mestrando em Administracao pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul--UFRGS, Porto Alegre, (Brasil). E-mail: sidimarsagaz@gmail.com

(2) Doutora em Administracao pela Universidade Federal de Santa Maria--UFSM, Rio Grande do Sul, (Brasil). E-mail: jordana.kneipp@ufsm.br

(3) Doutor em Saude Publica pela Fundacao Oswaldo Cruz--(ENSP/FIOCRUZ), Rio de Janeiro, (Brasil). Email: deisonlucietto@hotmail.com

(4) Doutora em Agronegocios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul--UFRGS, Porto Alegre, (Brasil). E-mail: luciagm@ufsm.br
Tabela 1--Artigos mais citados dos ultimos 10 anos
(2008-2017)--Web Of Science

Titulo                                   Autores e ano

Advancing a Conceptual Model of           (Aarons et
Evidence-Based Practice                    al., 2011)
Implementation in Public Service
Sectors

Urban green space, public health,          (Wolch et
and environmental justice: The             al., 2014)
challenge of making cities 'just
green enough'

Building sustainable                    (Pfeffer, 2010)
organizations: The human factor

An agenda for research on the             (Scheirer &
Sustainability of Public Health          Dearing, 2011)
Programs

Sustainable procurement in the             (Walker &
United Kingdom public sector             Brammer, 2009)

Japan: Universal Health Care at           (Tamiya et
50 years 4 Population ageing and           al., 2011)
wellbeing: lessons from Japan's
long-term care insurance policy

Social network structure of a          (Cobb, Graham, &
large online community for               Abrams, 2010)
smoking cessation

Rethinking urban water              (Farrelly & Brown, 2011)
management: experimentation as a
way forward?

A framework for the study of          (Wood et al., 2012)
zoonotic disease emergence and
its drivers: spillover of bat
pathogens as a case study

An overview of construction and     (Yeheyis, Hewage, Alam,
demolition waste management in       Eskicioglu, & Sadiq,
Canada: a lifecycle analysis                 2013)
approach to sustainability

Titulo                                           Objetivo

Advancing a Conceptual Model of        Propor um modelo de praticas
Evidence-Based Practice              baseadas em evidencias de quatro
Implementation in Public Service      fases (Exploracao, Preparacao,
Sectors                             Implementacao, Sustentabilidade),
                                      aplica-lo a servicos do setor
                                                 publico.

Urban green space, public health,          Revisar a literatura
and environmental justice: The        angloamericana sobre o espaco
challenge of making cities 'just    verde urbano (parques) e comparar
green enough'                       os esforcos com as cidades verdes
                                           dos EUA e da China.

Building sustainable                  Revisar a literatura sobre os
organizations: The human factor      efeitos diretos e indiretos das
                                       organizacoes e suas decisoes
                                     sobre as pessoas, a saude humana
                                     e a mortalidade, relacionando-se
                                      com a sustentabilidade social.

An agenda for research on the         Propor uma agenda de pesquisa
Sustainability of Public Health       para orientacao e avaliacao da
Programs                             sustentabilidade em programas de
                                              saude publica.

Sustainable procurement in the            Investigar aquisicoes
United Kingdom public sector         sustentaveis no setor publico do
                                               Reino Unido.

Japan: Universal Health Care at       Analisar a sustentabilidade do
50 years 4 Population ageing and        Programa de Seguro Publico
wellbeing: lessons from Japan's      Obrigatorio de Cuidados de Longa
long-term care insurance policy        Duracao (LTCI) do governo do
                                                  Japao.

Social network structure of a          Avaliar a estrutura da rede
large online community for           social QuitNet, uma das maiores
smoking cessation                   comunidades on-line para mudancas
                                    de comportamento, e comparar suas
                                     caracteristicas com outras redes
                                           sociais conhecidas.

Rethinking urban water                    Examinar experiencias
management: experimentation as a    alternativas para a influencia de
way forward?                         praticas sustentaveis da gestao
                                             de agua urbana.

A framework for the study of             Propor um quadro para a
zoonotic disease emergence and       investigacao interdisciplinar de
its drivers: spillover of bat              doencas zoonoticas.
pathogens as a case study

An overview of construction and      Propor uma estrutura conceitual
demolition waste management in          para minimizar residuos da
Canada: a lifecycle analysis                construcao civil.
approach to sustainability

Titulo                                      Periodico

Advancing a Conceptual Model of     Administration and Policy
Evidence-Based Practice               in Mental Health and
Implementation in Public Service     Mental Health Services
Sectors                                     Research

Urban green space, public health,      Landscape and Urban
and environmental justice: The              Planning
challenge of making cities 'just
green enough'

Building sustainable                  Academy of Management
organizations: The human factor           Perspectives

An agenda for research on the          American Journal of
Sustainability of Public Health           Public Health
Programs

Sustainable procurement in the       Supply Chain Management
United Kingdom public sector

Japan: Universal Health Care at            The Lancet
50 years 4 Population ageing and
wellbeing: lessons from Japan's
long-term care insurance policy

Social network structure of a          American Journal of
large online community for                Public Health
smoking cessation

Rethinking urban water                Global Environmental
management: experimentation as a             Change
way forward?

A framework for the study of              Philosophical
zoonotic disease emergence and      Transactions of the Royal
its drivers: spillover of bat         Society B-Biological
pathogens as a case study                   Sciences

An overview of construction and      Clean Technologies and
demolition waste management in        Environmental Policy
Canada: a lifecycle analysis
approach to sustainability

Titulo                               Citacoes

Advancing a Conceptual Model of     502 (32,0%)
Evidence-Based Practice
Implementation in Public Service
Sectors

Urban green space, public health,   229 (14,6%)
and environmental justice: The
challenge of making cities 'just
green enough'

Building sustainable                176 (11,2%)
organizations: The human factor

An agenda for research on the       132 (8,4%)
Sustainability of Public Health
Programs

Sustainable procurement in the      107 (6,8%)
United Kingdom public sector

Japan: Universal Health Care at     100 (6,4%)
50 years 4 Population ageing and
wellbeing: lessons from Japan's
long-term care insurance policy

Social network structure of a        99 (6,3%)
large online community for
smoking cessation

Rethinking urban water               95 (6,0%)
management: experimentation as a
way forward?

A framework for the study of         69 (4,4%)
zoonotic disease emergence and
its drivers: spillover of bat
pathogens as a case study

An overview of construction and      62 (3,9%)
demolition waste management in
Canada: a lifecycle analysis
approach to sustainability

Fonte: WOS, 2018.

Tabela 4--Artigos mais citados dos ultimos 10 anos
(2008-2017)--SCOPUS

Titulo                                 Autores e ano

Advancing a Conceptual Model            (Aarons et
of Evidence-Based Practice              al., 2011)
Implementation in Public
Service Sectors

Urban green space, public               (Wolch et
health, and environmental               al., 2014)
justice: The challenge of
making cities 'just green
enough'

Building sustainable                  (Pfeffer, 2010)
organizations: The human
factor

Safeguarding human health in           (Whitmee et
the Anthropocene epoch: report          al., 2015)
of The Rockefeller
Foundation-Lancet Commission
on planetary health

Sustainable procurement in the          (Walker &
United Kingdom public sector          Brammer, 2009)

The politics of biofuels, land    (Borras.Jr, McMichael,
and agrarian change: Editors'        & Scoones, 2010)
introduction

Sustainability science: an         (Gruen et al., 2008)
integrated approach for
health-programme planning

Population ageing and              (Tamiya et al., 2011)
wellbeing: Lessons from
Japan's long-term care
insurance policy

Evolution and structure of             (Bettencourt
sustainability science                 & Kaur, 2011)

Global implementation of WHO's         (Allegranzi
multimodal strategy for                et al., 2013)
improvement of hand hygiene: A
quasi-experimental study

Titulo                                       Objetivo

Advancing a Conceptual Model       Propor um modelo de praticas
of Evidence-Based Practice           baseadas em evidencias de
Implementation in Public             quatro fases (Exploracao,
Service Sectors                     Preparacao, Implementacao,
                                  Sustentabilidade), aplica-lo a
                                    servicos do setor publico.

Urban green space, public           Revisar a literatura anglo-
health, and environmental         americana sobre o espaco verde
justice: The challenge of         urbano (parques) e comparar os
making cities 'just green         esforcos com as cidades verdes
enough'                                 dos EUA e da China.

Building sustainable               Revisar a literatura sobre os
organizations: The human            efeitos diretos e indiretos
factor                                das organizacoes e suas
                                   decisoes sobre as pessoas, a
                                   saude humana e a mortalidade,
                                       relacionando-se com a
                                     sustentabilidade social.

Safeguarding human health in       Identificar as relacoes entre
the Anthropocene epoch: report       mudancas nos ecossistemas
of The Rockefeller                 globais e a situacao de saude
Foundation-Lancet Commission              das populacoes.
on planetary health

Sustainable procurement in the         Investigar aquisicoes
United Kingdom public sector       sustentaveis no setor publico
                                          do Reino Unido.

The politics of biofuels, land    Identificar e explicar grandes
and agrarian change: Editors'      questoes/contribuicoes sobre
introduction                       os biocombustiveis, a terra e
                                      as mudancas agrarias na
                                    economia politica agraria,
                                  sociologia politica e ecologia
                                             politica.

Sustainability science: an         Realizar revisao sistematica
integrated approach for              de quadros conceituais e
health-programme planning            estudos empiricos sobre a
                                   sustentabilidade de programas
                                             de saude.

Population ageing and             Analisar dados nacionais sobre
wellbeing: Lessons from             o impacto do Seguro Publico
Japan's long-term care              Obrigatorio de Cuidados de
insurance policy                      Longa Duracao (LTCI) do
                                   governo japones nos cuidados,
                                    bem-estar e a autonomia dos
                                             usuarios.

Evolution and structure of         Analisar a evolucao temporal,
sustainability science               distribuicao geografica,
                                     composicao disciplinar e
                                    estrutura de colaboracao de
                                   publicacoes academicas sobre
                                        sustentabilidade e
                                   desenvolvimento sustentavel.

Global implementation of WHO's         Avaliar o impacto da
multimodal strategy for               estrategia da OMS para
improvement of hand hygiene: A      melhorar a higiene das maos
quasi-experimental study           dos profissionais de saude em
                                           cinco paises.

Titulo                                       Periodico

Advancing a Conceptual Model       Administration and Policy in
of Evidence-Based Practice           Mental Health and Mental
Implementation in Public             Health Services Research
Service Sectors

Urban green space, public          Landscape and Urban Planning
health, and environmental
justice: The challenge of
making cities 'just green
enough'

Building sustainable                   Academy of Management
organizations: The human                   Perspectives
factor

Safeguarding human health in                The Lancet
the Anthropocene epoch: report
of The Rockefeller
Foundation-Lancet Commission
on planetary health

Sustainable procurement in the        Supply Chain Management
United Kingdom public sector

The politics of biofuels, land      Journal of Peasant Studies
and agrarian change: Editors'
introduction

Sustainability science: an                  The Lancet
integrated approach for
health-programme planning

Population ageing and                       The Lancet
wellbeing: Lessons from
Japan's long-term care
insurance policy

Evolution and structure of          Proceedings of the National
sustainability science              Academy of Sciences of the
                                     United States of America

Global implementation of WHO's    The Lancet Infectious Diseases
multimodal strategy for
improvement of hand hygiene: A
quasi-experimental study

Titulo                             Citacoes

Advancing a Conceptual Model      532 (28,9%)
of Evidence-Based Practice
Implementation in Public
Service Sectors

Urban green space, public         270 (14,6%)
health, and environmental
justice: The challenge of
making cities 'just green
enough'

Building sustainable              198 (10,8%)
organizations: The human
factor

Safeguarding human health in      147 (8,0%)
the Anthropocene epoch: report
of The Rockefeller
Foundation-Lancet Commission
on planetary health

Sustainable procurement in the    135 (7,3%)
United Kingdom public sector

The politics of biofuels, land    126 (6,8%)
and agrarian change: Editors'
introduction

Sustainability science: an        123 (6,7%)
integrated approach for
health-programme planning

Population ageing and             116 (6,3%)
wellbeing: Lessons from
Japan's long-term care
insurance policy

Evolution and structure of        110 (6,0%)
sustainability science

Global implementation of WHO's     84 (4,6%)
multimodal strategy for
improvement of hand hygiene: A
quasi-experimental study

Fonte: SCOPUS, 2018.

Quadro 1--Classificacao das publicacoes quanto ao tipo

Base WOS

Tipo de publicacao          Frequencia    %

Artigo                         598       77,7
Artigo de revisao               65       8,5
Anais de                       102       13,2
eventos/conferencias
Capitulo de livro               5        0,6
Editoriais                      22       2,7

Total                          769       100

Base SCOPUS

Tipo de publicacao          Frequencia    %

Artigo                         1033      64,5
Artigo de revisao              222       13,8
Anais de                       158       9,8
eventos/conferencias
Capitulo de livro               63       3,9
Editoriais                      19       1,2
Livro                           43       2,7
Notas                           23       1,4
Revisao em congressos           15       0,9
Artigo de jornal/imprensa       15       0,9
Comunicacao breve               9        0,6
Cartas                          1        0,06
Total                          1601      100

Fonte: WOS e SCOPUS (jan/2018).

Quadro 2--Quantidade de artigos pelas dez principais instituicoes

Base WOS

Instituicao                                      Artigos
                                                publicados

University of British Columbia                      10
Universidade de Sao Paulo                           9
Fundacao Oswaldo Cruz                               8
Columbia University                                 8
Harvard University                                  8
New York University                                 8
University of Washington                            8
University of California                            7
University of Queensland                            7
London School of Hygiene & Tropical Medicine        6

Base SCOPUS

Instituicao                                      Artigos
                                                publicados

University of Wisconsin Oshkosh                     8
Indiana University                                  7
Minot State University                              3
University of North Dakota                          3
Xavier University                                   3
Baruch College                                      3
University of Cape Town                             10
Wageningen University and Research Centre           10
University College London                           10
University of California                            10

Fonte: WOS e SCOPUS (jan/2018).

Quadro 3--Quantidade de artigos pelos principais paises

Base WOS

Pais              Artigos
                 publicados

Estados Unidos      208
Reino Unido         101
Australia            59
Canada               51
Brasil               40
Paises Baixos        30
Italia               25
Espanha              21
Escocia              19
Alemanha             16

Base SCOPUS

Pais              Artigos
                 publicados

Estados Unidos       50
Reino Unido          11
Australia            9
Canada               8
Indefinido           4
Paises Baixos        2
Paquistao            2
Coreia do Sul        2
Taiwan               2
China                2

Quadro 4--Quantidade de artigos por area de conhecimento

Base WOS

Area do Conhecimento                Artigos publicados

Saude Publica                              174
Ecologia                                   136
Servicos de saude                           66
Negocios                                    54
Ciencia e tecnologia                        46
Engenharia                                  35
Ciencias sociais                            25
Agricultura                                 20
Urbanismo                                   20
Geografia                                   19
Total                                      597

Base SCOPUS

Area do Conhecimento                Artigos publicados

Medicina                                   544
Ciencias Sociais                           317
Ciencias Ambientais                        231
Enfermagem                                  65
Ciencias Agricolas e Biologicas             63
Negocios, Gestao e Contabilidade            62
Engenharia                                  51
Energia                                     45
Economia, Econometria e Financas            43
Artes e Humanidades                         41
Total                                     1462*

* A soma excede o total de artigos publicados (1.033) na SCOPUS
porque um mesmo artigo pode ser classificado em mais de uma area de
conhecimento.

Fonte: WOS e SCOPUS (jan/2018).

Grafico 1--Publicacoes por ano--WOS

1992   2
1993   0
1994   0
1995   2
1996   5
1997   0
1998   2
1999   7
2000   7
2001   3
2002   13
2003   16
2004   10
2005   11
2006   21
2007   16
2008   27
2009   38
2010   42
2011   48
2012   53
2013   69
2014   64
2015   87
2016   122
2017   104

Fonte: Base WOS (jan/2018)

Note: Table made from bar graph.

Grafico 2--Publicacoes por ano--SCOPUS

1989   3
1990   3
1991   5
1992   9
1993   9
1994   9
1995   17
1996   12
1997   11
1998   11
1999   15
2000   15
2001   20
2002   34
2003   42
2004   37
2005   46
2006   62
2007   53
2008   67
2009   71
2010   86
2011   93
2012   137
2013   136
2014   131
2015   169
2016   156
2017   143

Fonte: Base SCOPUS (jan/2018)

Note: Table made from bar graph.

Grafico 3--Artigos por ano--WOS

1992   1
1993   0
1994   0
1995   2
1996   4
1997   1
1998   2
1999   6
2000   4
2001   2
2002   9
2003   9
2004   5
2005   7
2006   18
2007   14
2008   23
2009   28
2010   26
2011   34
2012   45
2013   56
2014   54
2015   72
2016   94
2017   82

Fonte: Base WOS (jan/2018)

Note: Table made from bar graph.

Grafico 4--Artigos por ano--SCOPUS

1989   2
1990   3
1991   4
1992   9
1993   9
1994   8
1995   12
1996   6
1997   8
1998   8
1999   11
2000   11
2001   9
2002   16
2003   20
2004   19
2005   24
2006   37
2007   32
2008   36
2009   48
2010   60
2011   61
2012   75
2013   88
2014   90
2015   121
2016   112
2017   94

Fonte: Base WOS (jan/2018)

Note: Table made from bar graph.
COPYRIGHT 2018 Universidade Nove de Julho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Sagaz, Sidimar Meira; Kneipp, Jordana Marques; Lucietto, Deison Alencar; da Rosa Gama Madruga, Lucia
Publication:Revista de Gestao em Sistemas de Saude
Article Type:Bibliografia
Date:May 1, 2018
Words:8419
Previous Article:HOSPITAL PHARMACY SERVICE, ACCORDING TO THE MANAGEMENT MODEL OF PUBLIC HOSPITALS: A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT PUBLIC ADMINISTRATION AND...
Next Article:TRANSFER OF THE MANAGEMENT OF PUBLIC HEALTH SERVICES TO SOCIAL ORGANIZATIONS: CASE STUDY OF CENTRAL STATE HOSPITAL/TRANSFERENCIA DO GERENCIAMENTO DE...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters