Printer Friendly

SEGURANCA DE ALIMENTOS EM UMA REDE DE SUPERMERCADOS A PARTIR DA RDC 275: UMA ABORDAGEM COM AUXILIO MULTICRITERIO A DECISAO.

1 Introducao

De acordo com a Associacao Brasileira de Supermercados (ABRAS, 2017) o setor supermercadista apresenta maior destaque na economia nacional, com 83,7% da comercializacao de produtos de primeira necessidade. Em decorrencia do aumento da demanda por autosservicos e a concorrencia, ter qualidade e fundamental (ALCANTARA, GATTO & KOZUSNY, 2012).

Aliado a isto, a alimentacao tem sido motivo de preocupacao em todos os paises, pois com a globalizacao ficaram ainda mais evidentes os problemas relacionados com a qualidade dos alimentos (BUENO et al, 2013).

Buscando a eficacia das acoes, a inspecao sanitaria configura-se como uma pratica de observacao sistematica que se destina a avaliar condicoes sanitarias de estabelecimentos, processos e produtos quanto a conformidade em relacao aos padroes e requisitos definidos a protecao da saude publica individual e coletiva (BRASIL, 2010).

A seguranca alimentar e um desafio atual e visa a oferta de alimentos livres de agentes que possam por em risco a saude do consumidor. Para tanto, o cumprimento das regulamentacoes instituidas pelas legislacoes e normas vigentes como a Resolucao RDC 216 (BRASIL, 2004), que aprova o Regulamento Tecnico de Boas Praticas para Servicos de Alimentacao, a Resolucao RDC 275 (BRASIL, 2002), que dispoe sobre o Regulamento Tecnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificacao das Boas Praticas de Fabricacao em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos devem ser constantemente avaliados.

A ABNT NBR ISO 22000 que foi elaborada na Comissao de Estudo Especial Temporaria de Analise de Perigos e Pontos Criticos de Controle (ABNT, 2006) e que relaciona a presenca de perigos veiculados pelos alimentos no momento do consumo que podem ocorrer em qualquer estagio da cadeia produtiva de alimentos, e essencial um controle adequado. A analise dos perigos e chave para um sistema de gestao de seguranca de alimentos eficaz.

Desde os anos 80 o atendimento ao cliente vem emergindo como um fator critico de sucesso em muitas empresas de ponta. Como os ciclos rapidos diminuem a capacidade dos fornecedores para diferenciar seus produtos, o atendimento ao consumidor e uma das poucas maneiras de motiva-los a melhorar os comportamentos que afetam as vendas e a lucratividade da empresa (JURAN & GODFREY, 1999).

Ainda de acordo com Juran & Godfrey (1999) existem muitos significados para a palavra qualidade e dentre estes, dois sao tidos como criticos para a gestao da qualidade. O primeiro e que significa as caracteristicas dos produtos que atendem as necessidades do cliente e, portanto, satisfacao do cliente. No entanto, fornecer mais ou fornecer melhores recursos de qualidade geralmente requer um investimento e isso geralmente envolve aumentos nos custos. O segundo significado para a qualidade e a ausencia de deficiencias, ou seja, livres de erros que requerem algum tipo de retrabalho. O gerenciamento continuo de falhas que levem a algum tipo de retrabalho que impacta diretamente na insatisfacao do cliente.

Britto (2008) afirma que no Brasil ha um numero consideravel de empreendedores responsaveis por grandes investimentos. O setor supermercadista e um deles, e torna-se cada vez mais avido por inovacoes com o intuito de melhor atender ao consumidor e assim garantir um maior retorno. Este setor vem diversificando produtos e servicos para se manterem sustentaveis e isso exige foco em acoes e estrategias inovadoras. Este conjunto de acoes traz como consequencia qualidade de atendimento, variedades de produtos, eficiencia operacional, qualidade de produtos, servicos e etc.

O artigo de Gomes et al. (2014) faz uma avaliacao da seguranca de alimentos em uma rede de supermercados, e para isso realiza um estudo por meio de levantamento de dados por check list de aderencia em oito supermercados de uma rede de onze na cidade de Campos dos Goytacazes. Os resultados apresentados foram obtidos atraves de aplicacao de metodo compensatorio sobre os dados adquiridos. Ao contrario do metodo utilizado no artigo de Gomes et al. (2014), este trabalho utilizara os mesmos dados levantados, porem com a utilizacao de um metodo nao-compensatorio, pois deste modo evitara o favorecimento de acoes que possuem um excelente desempenho em um criterio, mas que sejam fracos nos demais.

Deste modo, utilizando os dados coletados por Gomes et al. (2014), o presente trabalho investiga a aplicacao do Metodo ELECTRE TRI e compara com os resultados la apresentados, considerando o pre-processamento estatistico dos julgamentos propostos por Gomes et al. (2014) e utilizando o software diviz[R] para a aplicacao do metodo sobre esses dados. Sendo assim, o objetivo deste trabalho e apresentar um metodo onde os resultados sejam apresentados de forma nao compensatoria, onde desempenhos ruins nao sejam compensados por desempenhos bons, pois tratando-se de Seguranca de Alimentos um item critico pode trazer graves riscos a saude do consumidor e, que no metodo compensatorio, pode ser mascarado ou nao visto com a real importancia para a garantia da qualidade do alimento ou servico prestado.

2 Metodologia

Esta secao, descreve as etapas utilizadas para a aplicacao do Metodo ELECTRE TRI e a comparacao dos resultados aqui encontrados com os descritos no artigo de Gomes et al. (2014).

Neste trabalho, foram utilizados os dados coletados por Gomes et al. (2014), bem como os resultados parciais que foram obtidos por meio de checklist, apresentados por ponderacao e separados por topicos.

Ao se analisar os dados que serao utilizados para o ranking dos supermercados, o metodo multicriterio mais indicado para o problema abordado e o ELECTRE TRI que aborda a categorizacao e classes ordenadas.

Para os diferentes requisitos do checklist foi atribuido uma ponderacao de critica, maior, menor ou oportunidade de melhoria, que tem sua descricao no Quadro 1, tal qual foram apresentados por Gomes et al. (2014).

Os criterios de avaliacao foram identificados de modo a compatibilizar os dados ao metodo, deste modo, cada topico analisado foi identificado como um criterio e, considerando que em cada topico ha quantidade diferente de itens, foi realizado a ponderacao para que dessa forma, cada topico tenha o mesmo peso equivalente de acordo com sua representatividade no total de itens do checklist completo.

Assim, a tabela 1 apresenta a lista de criterios utilizados para a aplicacao do metodo ELECTRE TRI, onde cada criterio corresponde a um topico do checklist apresentado por Gomes et al. (2014), bem como a ponderacao equivalente a quantidade de itens do topico em relacao ao total de itens do referido checklist.

Como alternativas a serem avaliadas, temos os Supermercados onde o checklist foi aplicado. Deste modo, sao apresentadas 8 alternativas: a01, a02, a03, a04, a05, a06, a07 e a08, onde cada alternativa corresponde a um Supermercado avaliado. Esta distribuicao pode ser observada no Quadro 2 logo abaixo.

A partir das definicoes de criterios e alternativas, e montado a tabela de pagamentos, como pode ser visto na tabela 1. A tabela de pagamentos nada mais e que uma matriz onde sao apresentados os resultados parciais obtidos atraves da analise dos topicos do checklist encontrado por Gomes et al. (2014), onde cada linha corresponde aos resultados parciais de cada topico (criterios) dividido por cada Supermercado (alternativas). Esses valores foram os utilizados para a aplicacao do metodo ELECTRE TRI.

Na modelagem decisoria, ao se comparar alternativas por meio de seus criterios, pode haver um intervalo onde o decisor nao pode ou nao quer exprimir preferencia por uma alternativa ou outra, caso em que e utilizado pseudo-criterio. Para o presente estudo foi utilizado criterio verdadeiro, ou seja, foram considerados como zero os valores para os limites de preferencia e de indiferenca, de modo a nao haver um intervalo onde nao ha clareza de preferencia ou preterimento. O ELECTRE TRI permite dois tipos de abordagens para a classificacao, a abordagem otimista, onde a alternativa e classificada em um nivel superior caso esteja em uma zona de incerteza, ou a abordagem pessimista, onde a alternativa e classificada em um nivel inferior. Para esse trabalho esse tipo de abordagem nao ha influencia, pois utilizou-se criterio verdadeiro e sendo assim, nao ha zona de incerteza.

Na identificacao das classes, foi mantida a relacao entre as apreciacoes qualitativas e quantitativas apresentadas por Gomes et al. (2014) compondo assim as classes, e inserido os limites adotados para cada classe.

Deste modo, conforme mostra a tabela 2, sera classificado como "Satisfatorio" a alternativa que tiver mais de 85% de aderencia ao checklist, como "Aceitavel" a alternativa que tiver entre 60% e 85% de aderencia, como "Nao-aceitavel" se estiver entre 40% e 60% e sera classificado como "Critico" se estiver abaixo de 40% de aderencia ao checklist.

Apos as definicoes e ponderacoes ate aqui listadas, iniciou-se a aplicacao do metodo ELECTRE TRI, e para isso foi utilizado o software diviz[R], que e um workbench para projetar, executar e compartilhar algoritmos e experimentos complexos de MCDA (Multiple-Criteria Decision Analysis). A vista do software diviz[R] executando o workflow ELECTRE TRI e apresentado na Figura 1.

3.1 Breve Descricao do Metodo ELECTRE TRI

Este trabalho nao tem a ambicao de descrever em minuciosos detalhes o metodo multicriterios de classificacao de alternativas ELECTRE-TRI, mas apenas fornecer ao leitor os elementos para uma compreensao minima e satisfatorias de seu funcionamento, para que possa compreender o trabalho realizado. Recomenda-se a leitura dos trabalhos referenciados ao longo desta secao para explanacoes mais precisas e detalhadas.

De acordo com Gomes et al. (2004) problemas complexos da tomada de decisao sao comuns em uma infinidade de areas, tanto em corporacoes publicas quanto em privadas e desde os tempos passados o homem tenta resolve-los apoiando-se em abstracoes, heuristicas e raciocinios dedutivos, a fim de guiar e validar suas escolhas. Com isso os metodos de Apoio Multicriterio a Decisao surgem como forma a quantificar criterios, aumentando a coerencia entre a avaliacao do processo e os objetivos do sistema.

O Apoio Multicriterio a Decisao busca estabelecer relacao de preferencias entre as alternativas em face a varios criterios no processo decisorio, auxiliando na resolucao de um problema com seguranca e reducao da possibilidade de erro (BELTON; STERWART, 2002). Um vasto numero de ferramentas esta disponivel e a escolha da mais adequada deve considerar, entre outros fatores, a caracteristica de compensacao que pode existir entre os criterios da situacao estudada. Nesse sentido, os metodos multicriterios tradicionalmente sao classificados quanto a sua caracteristica de compensacao, sendo compensatorios ou nao-compensatorios.

Nos metodos compensatorios, ocorre de um menor desempenho de uma alternativa em um dado criterio ser compensado por meio de um melhor desempenho em outro criterio (ALMEIDA, 2011), enquanto que no grupo dos metodos nao-compensatorios ha uma requisicao por uma informacao intercriterio correspondente a importancia relativa entre os criterios, evitando o favorecimento de acoes que possuem um excelente desempenho em um criterio mas que sejam fracas nos demais (ALMEIDA; COSTA, 2003). Neste grupo, os metodos das familias PROMETHEE e ELECTRE sao os mais utilizados, (SOARES DE MELLO et al., 2005).

Hora e Costa (2009) inferem que os metodos ELECTRE III e IV trabalham explicitamente com uma estrutura de modelagem de preferencias, segundo a qual compara-se cada duas acoes ou alternativas de modo a obter-se uma das seguintes situacoes:

* Preferencia por uma das duas acoes;

* Indiferenca entre as duas acoes;

* Incomparabilidade entre as duas acoes.

* As situacoes de preferencia e indiferenca sao caracterizadas em funcao de limites de preferencia e indiferenca especificados pelo analista da decisao. Para tanto, define-se:

* Preferencia de a por b = aPb;

* Indiferenca de a por b = aIb;

* Limite de Preferencia = p;

* Limite de Indiferenca = q;

* Resultado da associacao do criterio j com a alternativa a = gj(a)

Ja o Metodo ELECTRE TRI busca resolver problemas de classificacao ordenada nos quais classificam-se alternativas em classes que mantem uma relacao de ordem entre si. Dado um conjunto de A = [A1 , A2 , ..., An ] alternativas, o ELECTRE TRI associa-as a um conjunto de kclasses ordenadas C = [C1 , C2 , ..., Ck ]. O ELECTRE TRI-C e uma variante do ELECTRE TRI que opera com um valor central de referencia para o estabelecimento da classificacao, Costa et al. (2013).

Para o ELECTRE TRI, a classificacao e obtida a partir da construcao e exploracao de uma relacao de subordinacao aS[b.sub.h], que e lida como "a sobreclassifica [b.sub.h]" e significa que "a nao tem um desempenho pior do que o limite [b.sub.h]". Na validacao de aS[b.sub.h] devem-se verificar duas condicoes:

* Concordancia: para que aS[b.sub.h] seja aceita, um maior numero de criterios deve ser a favor desta afirmacao;

c(aSb) = [suma de (j[elemento de][J.sup.s])] [w.sub.j] + [suma de (j[elemento de][J.sup.Q])] [[fi].sub.j] [w.sub.j][mayor que o igual a] s

onde:

[[fi].sub.j] = [g.sub.j](a) + [p.sub.j]([g.sub.j](a)) - [g.sub.j](b) / [p.sub.j]([g.sub.j](a)) - [q.sub.j]([g.sub.j](a))

* Discordancia: em nenhum criterio deve ocorrer uma rejeicao intensa a afirmacao aS[b.sub.h].

[mathematical expression not reproducible]

O grau de credibilidade da relacao de subordinacao [sigma](aSb) expressa com que intensidade se pode "acreditar" que "a subordinacao [b.sub.h]" de acordo com o indice de concordancia c(aSb) e com o indice de discordancia [d.sub.j](aSb).

[sigma](aSb) = c(aSb) [n.[PI] de (j[elemento de]j=1)] [T.sub.j](aSb),

onde [T.sub.j](aSb) = 1 - [d.sub.j](aSb)/1-c(aSb) se e somente se [d.sub.j](aSb)>c(aSb), e [T.sub.j](aSb) = 1 caso contrario.

O indice de credibilidade corresponde ao indice de concordancia enfraquecido pelos possiveis efeitos do veto.

4 Resultado e Discussao

Como resultado obtido por meio da aplicacao do Metodo de Classificacao Multicriterio ELECTRE TRI utilizando o software diviz[R], foi encontrado que a alternativa a01 foi classificada como "Satisfatorio", as alternativas a02, a04 e a08 foram classificadas como "Aceitavel", as alternativas a06 e a07 foram classificadas como "Critico" e as alternativas a03 e a05 foram classificadas como "Nao-aceitavel" (Figura 2).

Comparando-se os resultados alcancados com Gomes et al. (2014), observa-se que houve diferenca na classificacao das alternativas a01 e a03, onde a01 melhorou sua classificacao passando de "Aceitavel" para "Satisfatorio" e a03 piorou sua classificacao, passando de "Aceitavel" para "Nao-aceitavel". As demais alternativas mantiveram sua classificacao.

Observando a figura 3 e analisando os Graficos da Figura 2, nota-se que o desempenho mais homogeneo nos resultados do Supermercado A (a01) contribuiu para a melhora na sua classificacao. Por outro lado, o efeito compensatorio que, em Gomes et al. (2014) beneficiou o Supermercado C (a03) nao pode ser observado aqui, pois ele apresentou alguns resultados ruins que foram penalizados pelo metodo nao compensatorio, fazendo com que sua classificacao regredisse.

Como comparacao, analisando os Graficos da figura 4, observa-se que o Supermercado B (a02) apresentou resultados um pouco melhores que os apresentados pelo Supermercado C (a03), como exemplo dos resultados dos criterios c02 e c04, porem nao homogeneos como os do Supermercado A (a01), ou seja, os resultados nao foram nem tao ruins como os do Supermercado C (a03) para fazer sua classificacao piorar, nem tao homogeneos como os do Supermercado A (a01) para fazer sua classificacao melhorar, deste modo, sua classificacao se manteve como "Aceitavel", assim como apresentado por Gomes et al. (2014).

Tratando-se de seguranca de alimentos o efeito compensatorio pode trazer consequencias negativas, pois um resultado muito ruim pode ser compensado por um resultado muito bom, por exemplo: uma area pode estar com 30% e outra com 100% e na media ser classificado como "Aceitavel" pois estaria com 65%, porem um dos setores estara com 30%, o que indicaria um nivel "Critico".

5 Conclusao

Este trabalho teve como objetivo apresentar uma forma alternativa para a classificacao do nivel de adequacao a Seguranca Alimentar em Supermercados, e para isso foi feito uma comparacao entre o metodo nao compensatorio ELECTRE TRI, que foi abordado nesse artigo, com o metodo compensatorio, que foi apresentado por Gomes et al. (2014).

Em geral, os julgamentos dependem da avaliacao de diversas variaveis ao mesmo tempo, alem de interpretacoes pessoais multiplas, as quais variam para cada avaliador. A abordagem proposta neste trabalho se aplica a casos com estas caracteristicas.

Os resultados obtidos mostram a influencia dos efeitos compensatorios que podem ocultar a classificacao. Sendo assim torna-se muito importante a escolha bem embasada do metodo adequado, pois os resultados podem comprometer decisoes relativas a futuros direcionamentos da corporacao que vao desde alocacao de investimento a imagem que ela quer passar para os investidores e aos clientes.

Deste modo a utilizacao de um metodo nao compensatorio mostra-se mais adequado, pois mostrara de forma mais homogenea e direta os pontos criticos relacionados as Boas Praticas de manipulacao de alimentos. Desta forma apresentara mais claramente a realidade encontrada, nao mascarando um possivel risco de Seguranca Alimentar.

Sendo assim, o metodo ELECTRE TRI se mostrou mais adequado a esse tipo de abordagem, pois apresentou resultados onde o desempenho Critico em um topico nao foi compensado por um resultado Satisfatorio em outro, pois tratando-se de Seguranca de Alimentos este fato pode trazer graves riscos a saude do consumidor, nao sendo visto com a real importancia para a garantia da qualidade do alimento ou servico prestado.

6 Referencias

ABNT. NBR ISO 22000: Sistemas de gestao da seguranca de alimentos--Requisitos para qualquer organizacao na cadeia produtiva de alimentos. 2006.

Alcantara, M. A.,Gatto, I. R.H., & Kozusny, D. I. A. (2012). Avaliacao do perfil microbiologico de salsichas tipo "hot dog" comercializadas em embalagens a vacuo e a granel. Veterinaria em Foco, 10 (1), 68-79.

ALMEIDA, A. T. O Conhecimento e o Uso de Metodos Multicriterio de Apoio a Decisao. 2. ed. Recife: Editora Universitaria da UFPE, 2011.

ALMEIDA, A. T.; COSTA, A. P. C. S. Aplicacoes multicriterio de apoio a decisao. Recife: UFPE, 2003.

Associacao Brasileira de Supermercados (2017). Recuperado em 23 agosto, 2018, de http://www.abrasnet.com.br/clipping.php?area=20&clipping=62121.

BELTON, V.; STEWART, T. J. Multiple criteria decision analysis. Kluwer Academic Publishers, 2002.

Brasil. Ministerio da Saude. Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria. (2002). Resolucao RDC n[degrees] 275 de 21 de outubro de 2002. Dispoe sobre o Regulamento Tecnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificacao das Boas Praticas de Fabricacao em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diario Oficial da Uniao (Secao 1). Brasilia, DF: Ministerio da Saude. Recuperado em 23 de agosto de 2018, de http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2002/275_02rdc.htm.

Brasil. Ministerio da Saude. Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria. (2004). Resolucao RDC no. 216 de 15 de setembro de 2004. Regulamento tecnico de boas praticas para servicos de alimentacao. Diario Oficial da Uniao. Brasilia, DF: Ministerio da Saude. Recuperado em 23 de agosto de 2018, de http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2004/rdc/216_04rdc.htm.

Brasil. Ministerio da Saude. Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria. (2010). Recuperado em 23 de agosto de 2018, de http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Sangue+Tecidos+e+Orgaos/ Assunto+de+Interesse/Inspecao/Banco+de+Tecidos+Oculares.

Bueno, C. M., Pombal, S. S., Passoni, C. R. M. S., & Peres, A. P. (2013). Promocao de seguranca alimentar em um colegio estadual do municipio de almirante Tamandare/PR. Cadernos da Escola de Saude, 1 (9), 168-187.

GOMES, N.T.; SILVA, L.A.; CHAVES, C.R.; HORA, H.R.M. Seguranca de alimentos em supermercados: Um estudo de caso em uma rede no municipio de Campos dos Goytacazes. Revista Eletronica Gestao & Saude. Vol. 05. Edicao especial. 2014.

SOARES DE MELLO, J. C. C. B.; GOMES, E. G.; GOMES, L. F. A. M.; BIONDI NETO, L.; MEZA, L. A. Avaliacao do tamanho de aeroportos portugueses com relacoes multicriterio de superacao. Pesquisa Operacional, v. 25, n. 3, p. 313-330, 2005.

BRITTO, M. H. J. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA--UFSC CENTRO SOCIO-ECONOMICO--CSE DEPARTAMENTO DE CIENCIAS ECONOMICAS. p. 65, 2008.

COSTA, H. G. et al. Modelo multicriterio para avaliacao e classificacao da gestao organizacional: proposta e caso de uso. Production, v. 24, n. 3, p. 521-535, 23 jul. 2013.

GOMES, L. F. A. M.; ARAYA, M. C. G.; CARIGNANO, C. Tomada de Decisoes em Cenarios Complexos. Sao Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. JURAN, J. M.; GODFREY, A. B. (EDS). Juran's quality handbook. 5th ed ed. New York: McGraw Hill, 1999.

ANEXO A
--Checklist utilizado por Gomes et al. (2014)

Checklist--Area externa.

AREA EXTERNA                                Item            Ponderacao

Questao

As areas externas ao                        Piso             Critica
estabelecimento sao livres de
focos de insalubridades?

As portas sao com fechamento               Portas            Critica
automatico?

O estabelecimento apresenta area        Manejo dos           Critica
adequada para estocagem dos               residuos
residuos?

Checklist--Area interna.

AREA INTERNA                                Item            Ponderacao

Questao

As vias de acesso interna sao               Piso             Critica
adequadas ao transito sobre
rodas?

Existem objetos em desuso ou                Piso             Critica
estranho ao ambiente no piso?

O piso permite a apropriada                 Piso             Critica
higienizacao?

O piso esta em bom estado de                Piso             Critica
consevacao?

O teto esta em bom estado de                Teto             Critica
consevacao?

Existencia de angulos abaulados?         Paredes e           Critica
                                         divisorias

Existe um funcionario responsavel     Higienizacao das       Critica
pela higienizacao das                   instalacoes
instalacoes?

Ha disponibilidade dos produtos       Higienizacao das       Critica
necessarios a higienizacao?             instalacoes

O estabelecimento apresenta               residuos           Critica
recipientes para coleta de              Manejo dos
residuos?

Os recipientes sao de facil             Manejo dos           Critica
higienizacao e com acionamento            residuos
nao manual?

As superficies das paredes se             Paredes               Om
encontram em boas condicoes?

Os materiais utilizados para              Paredes               Om
desinfectar as paredes sao
adequados?

Checklist--Zona de recebimento.

ZONA DE RECEBIMENTO                         Item            Ponderacao

Questao

Os produtos sao avaliados e           Identificacao de        Maior
identificados como conformes ou        alimentos nao
nao conformes?                           conformes

Ha um local separado para os             Rotulagem           Critica
produtos nao conformes?

No recebimento ha planilhas para          Controle           Critica
o controle dos produtos?

Checklist--Armazenamento.

ARMAZENAMENTO                               Item            Ponderacao

Questao

O armazenamento apresenta sistema       Ventilacao e         Critica
de ventilacao e climatizacao            climatizacao
capaz de prevenir contaminacoes?

Os produtos apresentam rotulo?           Rotulagem           Critica

A armazenagem e feita em local             Local             Critica
adequado?

As superficies do solo se                Pavimento            Menor
encontram em boas condicoes?

Os materiais utilizados para             Pavimento            Menor
desinfectar as superficies do
solo sao adequados?

As superficies das portas sao              Portas               Om
lisas?

Os equipamentos sao higienizados?       Higiene dos           Menor
                                        equipamentos

Os produtos sao arrumados por           Arrumacao e
categorias?                           acondicionamento        Menor
                                        dos produtos

Os rotulos estao marcados                Rotulagem            Maior
permanentemente?

Estao marcados nos rotulos o             Rotulagem            Maior
produto e o lote?

O armazenamento dos generos           Temperaturas de        Critica
alimenticios e feito sob                armazenagem
temperatura controlada?

Ha o controle da temperatura          Temperaturas de        Critica
durante o processo de                   armazenagem
manipulacao?

O estabelecimento dispoe de              Camara de           Critica
camaras de refrigeracao e/ou            refrigeracao
congelamento suficientemente
grandes?

Checklist--Zona de distribuicao.

ZONA DE DISTRIBUICAO                        Item            Ponderacao

Questao

Os ambientes sao climatizados?          Ventilacao e         Critica
                                        climatizacao

Os produtos sao armazenados em          Conservacao          Critica
local adequado?

Quando necessario ha equipamentos        Seguranca           Critica
destinados ao controle de
temperatura?

Checklist--Plano de autocontrole.

PLANO DE AUTOCONTROLE                       Item            Ponderacao

Questao

Os perigos sao identificados?        Identificacao dos       Critica
                                          perigos

Os perigos sao avaliados?              Avaliacao dos         Critica
                                          perigos

No estabelecimento existem              Medidas de           Critica
medidas de controle para prevenir         controle
e/ou eliminar os perigos?

Os pontos criticos de controle        Determinaros pcc       Critica
sao determinados?

Para cada pee e feito um plano          Plano appcc          Critica
appcc?

O estabelecimeno apresenta acoes      Acoes corretivas       Critica
corretivas planejadas para serem
tomadas quandolimites criticos
forem excedidos?


ANEXO B

Performance em cada criterio obtida por cada Supermercado.

Anderson Luiz Ignacio LIMA (1), Bruno Leonardo da Silva PEREIRA (1), Rosane Justino de Sousa LIMA (2), Henrique Rego Monteiro DA HORA (1) & Alline Sardinha Cordeiro MORAIS (1)

(1) Instituto Federal Fluminense. Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil

(2) Conselho Regional de Nutricao (CRN4). Rio de Janeiro, Brasil.

* Autor para correspondencia: dahora@gmail.com

DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.188

Caption: Figura 1: Vista do software diviz[R] executando o workflow ELECTRE TRI.

Caption: Figura 2: Resultados apresentados pelo software diviz[R].

Caption: Figura 4: Graficos de Performance dos Supermercados A, B e C.

Caption: Figura 1: Graficos de Performance dos Supermercados A e B.

Caption: Figura 2: Graficos de Performance dos Supermercados C e D.

Caption: Figura 3: Graficos de Performance dos Supermercados E e F.

Caption: Figura 4: Graficos de Performance dos Supermercados G e H.
Quadro 1: Definicao das ponderacoes dos requisitos.

Ponderacao do       Definicao
requisito

Critica             Falha no cumprimento de um requisito, implicando a
                    quebra de confianca no cumprimento do requisito em
                    causa e em que esteja comprometida a seguranca dos
                    alimentos.

Maior               Falha no cumprimento de um requisito, implicando a
                    quebra de confianca no cumprimento do requisito em
                    causa.

Menor               Falha isolada no cumprimento de um requisito
                    especificado (na norma de referencia, estatutario
                    ou regulamentar, ou subscrito pela organizacao),
                    nao implicando a quebra de confianca no
                    cumprimento do requisito em causa. Situacao que
                    nao afeta diretamente a seguranca dos alimentos.

OM                  Constatacao de auditoria que nao constitui o
(Oportunidade de    incumprimento de qualquer requisito especificado,
melhoria)           mas cujo acolhimento potencia a melhoria do
                    sistema de gestao ou do seu desempenho.

Quadro 2: Definicao das alternativas.

   Alternativas

a01   Supermercado A
a02   Supermercado B
a03   Supermercado C
a04   Supermercado D
a05   Supermercado E
a06   Supermercado F
a07   Supermercado G
a08   Supermercado H

Tabela 1: Identificacao e ponderacao dos criterios.

       Identificacao e ponderacao dos criterios

c01    Area externa              7,5%
c02    Area interna               30%
c03    Zona de recebimento       7,5%
c04    Armazenamento            32,5%
c05    Zona de distribuicao      7,5%
c06    Plano de autocontrole      15%

Tabela 1: Tabela de pagamentos.

Criterios                     Alternativas

               a01       a02       a03       a04

c01           1,000     0,000     0,000     0,000
c02           0,604     0,693     0,401     0,698
c03           1,000     1,000     1,000     1,000
c04           1,000     0,662     0,545     0,800
c05           1,000     1,000     1,000     0,667
c06           0,167     1,000     1,000     0,333

Criterios                     Alternativas

               a05       a06       a07       a08

c01           0,333     0,000     0,333     0,667
c02           0,594     0,396     0,396     0,604
c03           1,000     0,565     0,565     0,565
c04           0,662     0,228     0,779     0,841
c05           0,667     0,000     0,000     1,000
c06           0,333     0,000     0,000     0,333

Tabela 2: Relacao entre as apreciacoes qualitativa e quantitativa.

Descricao das classes    Limite superior    Limite inferior

     Satisfatorio              100%               85%
      Aceitavel                85%                60%
    Nao-aceitavel              60%                40%
       Critico                 40%                 0%

Figura 3: Comparativo entre metodos compensatorio
e nao-compensatorio.

       Alternativas      Gomes ef al (2014)       ELECTRE TRI

a01    Supermercado A         Aceitavel           Satisfatorio
a02    Supermercado B         Aceitavel            Aceitavel
a03    Supermercado C         Aceitavel          Nao-aceitavel
a04    Supermercado D         Aceitavel            Aceitavel
a05    Supermercado E       Nao-aceitavel        Nao-aceitavel
a06    Supermercado F          Critico              Critico
a07    Supermercado G          Critico              Critico
a08    Supermercado H         Aceitavel            Aceitavel
COPYRIGHT 2018 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Lima, Anderson Luiz Ignacio; Pereira, Bruno Leonardo da Silva; de Sousa Lima, Rosane Justino; da Hor
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Date:Dec 1, 2018
Words:4402
Previous Article:ESTUDO DA VARIABILIDADE DE BILIRRUBINA TOTAL E DIRETA EXPOSTAS A LUZ AMBIENTE.
Next Article:POLUICAO DO AMBIENTE POR METAIS PESADOS E UTILIZACAO DE VEGETAIS COMO BIOINDICADORES.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters