Printer Friendly

Rapid Automatized Naming Tasks: Screening Reading Difficulty/Tarefas de Nomeacao Seriada Rapida: Rastreando a Dificuldade de Leitura.

O aprendizado da leitura representa um marco muito importante no desenvolvimento do ser humano. Uma nova forma de acesso a informacao se torna disponivel, o que amplia consideravelmente as possibilidades de desenvolvimento do individuo, seja no ambito social, emocional, cognitivo ou cerebral. Sabe-se hoje que nao saber ler e escrever e um fator de risco para o desenvolvimento de demencias (Brucki, 2010) e que a doenca de Alzheimer progride mais rapidamente entre as pessoas que nao leem do que entre as pessoas que leem (Lee et al., 2008).

O termo leitura e utilizado na literatura cientifica, comumente, para se referir a precisao na decodificacao de palavras escritas (transformacao de um input ortografico em um output fonologico ou semantico--precisao de leitura), a rapidez ou fluidez na decodificacao (fluencia de leitura), a construcao do significado de textos escritos (compreensao de textos), podendo ser usado tambem para se referir, de forma geral, a todos esses aspectos. Subjacente ao desenvolvimento de cada componente da leitura (precisao, fluencia e compreensao) esta um conjunto de variaveis cognitivas e metalinguisticas, sendo algumas delas o conhecimento do nome das letras, a memoria de trabalho, a consciencia fonologica (habilidade de perceber e manipular os sons das palavras faladas; Bryant & Bradley, 1987), a consciencia morfologica (consciencia da estrutura morfologica das palavras e habilidade de refletir sobre e manipular essa estrutura; Carlisle, 1995), o vocabulario e a habilidade de fazer inferencias (Snowling & Hulme, 2005). Essas variaveis nao se relacionam igualmente com todos os componentes da leitura. Por exemplo, a habilidade de fazer inferencias e particularmente importante para a compreensao de textos, enquanto a consciencia fonologica e importante para a decodificacao (ver Snowling & Hulme, 2005 e Stone, Siliman, Ehren, & Apel, 2004, para informacoes sobre como cada uma dessas variaveis se relaciona com os componentes da leitura). Em suma, a leitura e multifacetada e o conhecimento dessa complexidade e indispensavel para a elaboracao e a implementacao de intervencoes com foco no desenvolvimento da leitura (O'Connor & Vadasy, 2011).

A complexidade da leitura vem sendo revelada por meio de pesquisas basicas, representando um sucesso na historia da Psicologia (Johnston, Barnes, & Desrochers, 2008). Muito do conhecimento gerado por essas pesquisas motivaram o surgimento de uma pratica baseada em evidencias com a finalidade de prevenir a dificuldade de leitura (O'Connor & Vadasy, 2011; Snow, Burns, & Griffin, 1998). Sabe-se hoje que a prevencao e muito mais efetiva do que a remediacao da dificuldade de leitura (Torgesen, 1998).

Existem diferentes abordagens de prevencao (Macklen, 2013), sendo a Resposta a Intervencao (do ingles Response to Intervention [RTI]) a mais utilizada em se tratando de prevencao de dificuldade de leitura. A RTI propoe uma intervencao em diferentes camadas, sendo a primeira voltada para o aprimoramento da instrucao, tornando-a mais cientificamente embasada e de boa qualidade, beneficiando todas as criancas da escola. A segunda camada e voltada para os(as) estudantes que nao mostraram os niveis de progresso esperados em relacao a seus pares ou a normas nacionais apos o 10 passo (classificados como tendo risco de dificuldade de leitura), sendo a intervencao realizada em pequenos grupos, por tempo determinado. Ja a terceira camada e voltada para os(as) estudantes que nao apresentaram progressos apos o 20 passo, sendo a intervencao comumente realizada em grupos menores ou mesmo individualmente, por tempo indeterminado (Fletcher & Vaughn, 2009). O conhecimento cientifico sobre o desenvolvimento da leitura e central para a intervencao realizada em todas as camadas.

O objetivo da RTI e garantir uma instrucao de boa qualidade para todos(as) os(as) estudantes e a identificacao (por meio da aplicacao de tarefas de rastreamento), o mais cedo possivel, de criancas que estao em risco de apresentarem dificuldade de leitura, para que essas possam receber mais atencao e serem mais intensamente e devidamente estimuladas. Dessa forma, um bom conhecimento sobre as variaveis preditivas do desenvolvimento da leitura e fundamental, uma vez que, entre outros fatores, sao elas que potencialmente ajudarao a identificar as criancas que tem risco de apresentarem dificuldade de leitura. Alem das variaveis ja citadas previamente, uma variavel que consistentemente e apontada como sendo altamente preditiva do desenvolvimento da leitura e a nomeacao seriada rapida (Araujo, Reis, Petersson, & Faisca, 2015; Georgiou, Parrila, Cui, & Papadopoulo, 2014; Kirby, Pfeiffer, & Parrila, 2003; Norton & Wolf, 2012; Wolf, 2014). Tarefas de nomeacao seriada rapida requerem que os individuos nomeiem, em voz alta, da forma mais correta e rapida quanto possivel, um conjunto de estimulos visuais, dispostos em serie em um cartao. Enquanto o individuo realiza a tarefa sao registrados tanto o tempo decorrido entre a nomeacao do primeiro ao ultimo estimulo, bem como os erros cometidos durante esse processo.

Denckla e Rudel (1976) foram as primeiras a demonstrar que criancas com dificuldade na nomeacao seriada rapida (i.e., com nomeacao mais lenta dos estimulos) tendem a apresentar dificuldade de leitura. Essas pesquisadoras elaboraram as tarefas de Nomeacao Automatizada Rapida (do ingles Rapid Automatized Naming [RAN]) que acabaram se tornando tarefas padrao para avaliar a nomeacao seriada rapida. As tarefas desenvolvidas por Denckla e Rudel consistem, cada uma, de um cartao contendo 50 estimulos visuais, todos de alta frequencia de ocorrencia, dispostos, aleatoriamente, em 10 colunas e cinco linhas, cabendo ao(a) participante nomea-los o mais rapidamente possivel. Essas autoras elaboraram quatro tarefas que se diferenciam apenas pelo tipo de estimulos que contem: objetos desenhados (tarefa de nomeacao seriada rapida de objetos), quadrados coloridos (tarefa de nomeacao seriada rapida de cores), numeros (tarefa de nomeacao seriada rapida de numeros) e letras (tarefa de nomeacao seriada rapida de letras).

As tarefas elaboradas por Denckla e Rudel (1976) sao as mais comumente utilizadas pelos(as) pesquisadores(as), a fim de avaliar a nomeacao seriada rapida. No entanto, outras tarefas tambem podem ser encontradas na literatura. Essas outras tarefas, apesar de muito semelhantes as de Denckla e Rudel, diferem dessas na quantidade de itens em uma mesma tarefa (15 itens em Landerl & Willbuger, 2010; 25 itens em Zhou et al., 2014; 36 itens em Logan, Schatschneidere, & Wagner, 2011; 40 itens em Shapiro, Carroll, & Solity, 2013; 48 em Clarke, Hulme, & Snowling, 2005) e/ou na quantidade de estimulos diferentes em cada tarefa (seis itens diferentes em Pauly, Linkersdorfer, & Lindberg, 2011, e Logan et al., 2011; 10 a 25 itens diferentes em Clarke et al., 2005; 20 itens em Cobbold, Passenger, & Terrel, 2003). Embora essas variacoes pudessem, a principio, afetar a relacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura, a meta-analise realizada por Araujo et al. (2015) revelou que nenhum desses aspectos (variacao no tamanho da tarefa ou na quantidade de itens diferentes incluidos) teve um impacto significativo na magnitude da correlacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura.

Apesar da exata natureza da relacao entre a nomeacao seriada rapida e o desenvolvimento da leitura ainda precisar ser estabelecida (ver Justi & Roazzi, 2013, para uma revisao a esse respeito), atualmente, ha muitas evidencias de que o desempenho em tarefas de nomeacao seriada rapida prediz o desempenho em tarefas de leitura (Araujo et al., 2015). Em muitos desses estudos (Kirby et al., 2003; Parrila, Kirby, & McQuarrie, 2004; Schatschneider, Fletcher, Francis, Carlson, & Foorman, 2004), as tarefas de nomeacao seriada rapida foram administradas quando as criancas ainda estavam na Educacao Infantil e as tarefas de leitura foram aplicadas quando as mesmas criancas se encontravam no Ensino Fundamental. Nesses estudos, comumente, os(as) pesquisadores(as) realizaram analises de regressao, a fim de avaliar o quanto o desempenho nas tarefas de nomeacao seriada rapida preve o desempenho nas tarefas de leitura.

Evidencias de contribuicoes significativas da nomeacao seriada rapida para a leitura tem sido apresentadas por estudos realizados com falantes de diferentes linguas, como, por exemplo, o ingles (Kruk & Funk, 2014), o alemao (Wimmer, Mayringer, & Landerl, 2000), o noruegues (Lervag, Braten, & Hulme, 2009), o finlandes (Lepola, Poskiparta, Laakkonen, & Nurmi, 2005), o holandes (Verhagen, Aarnoutse, & van Leeuwede, 2008), o espanhol (Lopez-Escribano & Katzir, 2008), o frances (Plaza & Cohen, 2004) e o portugues brasileiro (Justi & Roazzi, 2012).

De forma geral, os estudos tem evidenciado que variacoes na nomeacao seriada rapida continuam a explicar uma porcentagem significativa de variacoes na habilidade de leitura, mesmo apos o controle de variaveis importantes, como a consciencia fonologica (Albuquerque, 2012; Di Filippo, et al., 2005; Justi & Roazzi, 2012), o conhecimento do nome das letras (Levarg et al., 2009), a inteligencia, a memoria de trabalho fonologica e a consciencia morfologica (Justi & Roazzi, 2012).

Araujo et al. (2015) realizaram uma meta-analise que incluiu 137 estudos que investigaram, empiricamente, a relacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura. Os resultados revelaram uma correlacao mais forte entre a nomeacao seriada rapida e a leitura de palavras ou de um texto do que entre a nomeacao seriada rapida e a leitura de pseudopalavras (estimulos que seguem as regras fonotaticas e ortograficas da lingua, mas nao tem nenhum significado associado a eles, por exemplo, 'zato') ou a compreensao de texto, apesar de todas as correlacoes terem sido significativas.

Os resultados da meta-analise de Araujo et al. (2015) tambem evidenciaram que, independentemente da lingua considerada nos estudos, a correlacao da nomeacao seriada rapida com a fluencia de leitura e mais forte do que a correlacao da nomeacao seriada rapida com a precisao de leitura. Tambem foi observado que o ano escolar do(a) participante nao afeta significativamente a correlacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura quando a fluencia de leitura e considerada, mas afeta quando a precisao de leitura e considerada. Nesse ultimo caso, foi encontrado que a correlacao aumenta da Educacao Infantil para o 1 e 2 anos e diminui nos anos consecutivos, a medida que os(as) estudantes se tornam leitores(as) mais proficientes.

Araujo et al. (2015) encontraram, tambem, que independentemente do ano escolar das criancas, todas as quatro medidas de nomeacao seriada rapida (cores, numeros, objetos e letras) se correlacionam significativamente com a leitura. No entanto, o desempenho em tarefas alfanumericas e mais fortemente correlacionado com a leitura (r = 51 para letras e r = 48 para numeros) do que o desempenho em tarefas nao alfanumericas (r = 35 para objetos e r = 33 para cores).

De acordo com Jenkins, Hudson e Johnson (2007) e Ritchey e Speece (2004), estudos que avaliam o quanto as variacoes em uma variavel preveem as variacoes em outra variavel, como os citados anteriormente, sao uteis para identificar medidas que tem o potencial para rastrear possiveis dificuldades no desenvolvimento da leitura. No entanto, segundo esses autores, a analise da precisao de classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura dessas medidas e fundamental, pois explicita o grau de eficiencia das mesmas em identificar o risco/nao risco individual.

Tendo como base a curva ROC (Receiver Operating Characteristic), a precisao de classificacao de uma medida e descrita pela area sob a curva e pelos indices de sensibilidade e especificidade. A area sob a curva e um indice da precisao com que uma medida classifica os individuos em dois grupos, no caso do presente trabalho, com dificuldade de leitura e sem dificuldade de leitura. A sensibilidade de uma medida de rastreamento da dificuldade de leitura e a probabilidade de a mesma identificar como tendo risco de dificuldade de leitura as pessoas que realmente terao dificuldade de leitura. Ja a especificidade e a probabilidade de a medida identificar como nao tendo risco de dificuldade de leitura as pessoas que realmente nao terao dificuldade de leitura. Nesse sentido, a sensibilidade e a especificidade sao propriedades das medidas. A medida ideal, com 100% de sensibilidade e 100% de especificidade, raramente existe na pratica, pois a tentativa de melhorar a sensibilidade frequentemente tem o efeito de diminuir a especificidade. A recomendacao e que uma medida de rastreamento para ser considerada boa tenha uma sensibilidade de 90% ou mais (Jenkins et al., 2007), associada a uma especificidade de, no minimo, 50% (Catts, Petscher, Schatschneider, Bridges, & Mendoza, 2009) ou 80% (Compton et al., 2010).

Com o objetivo de identificar estudos que avaliaram a precisao de classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura das medidas de nomeacao seriada rapida, uma busca nas bases de dados Scielo e BVS-Psi foi realizada em julho de 2016. Nessa busca, os descritores nomeacao seriada rapida ou nomeacao automatizada rapida foram utilizados e nenhum estudo foi encontrado. Com o mesmo objetivo, nesse mesmo mes e ano, foi realizada uma busca na base de dados PsycInfo, usando os descritores rapid naming e screening ou specificity and sensitivity, tendo sido encontrado apenas um estudo: o de Bishop e League (2006).

Bishop e League (2006) analisaram a sensibilidade e a especificidade da nomeacao seriada rapida na classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura (uma medida de fluencia de leitura foi usada como criterio), tendo como amostra 79 criancas falantes do ingles, matriculadas, inicialmente, na Educacao Infantil. As criancas foram avaliadas em sua habilidade de leitura anualmente, do 1 ao 40 ano do Ensino Fundamental. Tarefas de nomeacao seriada rapida de objetos e de cores foram administradas no inicio e no meio do ultimo ano da Educacao Infantil. Os resultados revelaram que a nomeacao seriada rapida (de cores e objetos), quando avaliada no inicio do ultimo ano da Educacao Infantil, apresentou indices de sensibilidade variando de 57% a 75% e indices de especificidade variando de 77% a 89%. Ao ser avaliada no meio do ultimo ano da Educacao Infantil, a nomeacao seriada rapida apresentou valores mais altos de sensibilidade (de 89% a 99%), associados a valores mais baixos de especificidade (de 48% a 82%).

Atualmente, muitos estudos tem avaliado a precisao de classificacao de baterias de rastreamento, sendo a nomeacao seriada rapida uma das tarefas que as compoem (Catts, Nielsen, Bridges, Liu, & Bontempo, 2015; Compton, Fuchs, Fuchs, & Bryant, 2006; Compton et al., 2010; Puolakanaho et al., 2007; Thompson, Hulme, Nash, Gooch, Hayiou-Thomas & Snowling, 2015). Apesar de ser fundamental a analise de qual combinacao de preditores (bateria) e melhor para detectar o risco/nao risco de dificuldade de leitura, parece importante que primeiro a precisao de classificacao de cada medida seja aferida para, em seguida, verificar qual combinacao de preditores pode aumentar a eficiencia na classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura.

A partir dos estudos que evidenciam a importancia de se identificar, o mais cedo possivel, criancas com risco de dificuldade de leitura (Fletcher & Vaughn, 2009) e daqueles que mostram o potencial das medidas de nomeacao seriada rapida para serem usadas para esse proposito (Araujo et al., 2015), o presente estudo foi proposto. O principal objetivo foi verificar a precisao de classificacao do risco/ nao risco de dificuldade de leitura das medidas de nomeacao seriada rapida. Alem disso, a fidedignidade das medidas de nomeacao seriada rapida tambem foi avaliada, uma vez que nao foi encontrado nenhum estudo com criancas falantes do portugues brasileiro que tenha efetuado tal analise.

O presente estudo se justifica pelo grande volume de pesquisas que vem evidenciando o poder das medidas de nomeacao seriada rapida na predicao do desenvolvimento da leitura e pela escassez de estudos analisando a precisao de classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura dessas medidas separadamente. Nesse sentido, cabe ressaltar que, na busca efetuada, foi encontrado apenas um estudo com falantes do ingles (Bishop & League, 2006) e nenhum estudo com falantes do portugues brasileiro.

Como mencionado por Torgesen (1998), "a melhor solucao para o fracasso no aprendizado da leitura e alocar recursos para a identificacao precoce e a prevencao" (p. 32). Dessa forma, o presente estudo tenta contribuir investigando uma das medidas com potencial significativo de ser eficiente na identificacao de criancas com risco/sem risco de apresentarem dificuldade de leitura. Os resultados desse estudo poderao ser usados para uma pratica baseada em evidencias nas escolas brasileiras.

No presente estudo, as tarefas de nomeacao seriada rapida utilizadas foram adaptadas das tarefas elaboradas por Denckla e Rudel (1976; Wolf & Denckla, 2005). Essa escolha se justifica porque, como mencionado, essas tarefas sao as mais frequentemente utilizadas pelos(as) pesquisadores(as) e porque o estudo de Araujo et al. (2015) apresentou evidencias de que a relacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura nao e afetada pelo formato da tarefa de nomeacao seriada rapida utilizada, tornando a escolha de quais tarefas utilizar mais facil.

Metodo

Participantes

Este estudo, de delineamento longitudinal, contou com a participacao de 213 criancas matriculadas, inicialmente, no 20 periodo da Educacao Infantil. Dessas 213 criancas, 99 estavam matriculadas em escolas particulares, sendo 47 do sexo masculino e 52 do sexo feminino; 114 estavam matriculadas em escolas publicas, sendo 56 do sexo masculino e 58 do sexo feminino. Considerando toda a amostra, a idade media das criancas no inicio do estudo foi de, aproximadamente, 6 anos, com um desvio padrao de 3,7 meses. Nove escolas particulares e sete escolas publicas participaram desta pesquisa, sendo essas escolas de diferentes regioes (sul, norte, leste e centro) da cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais. Nao foram incluidas na amostra final as criancas com algum diagnostico de deficiencia intelectual, como, por exemplo, Sindrome de Down e Sindrome do X-Fragil ou que apresentavam deficiencias sensoriais, como a cegueira ou a surdez.

Este estudo e parte de um estudo maior, intitulado Preditores do desenvolvimento da leitura e da escrita: Um estudo longitudinal, cuja realizacao foi aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa com seres humanos da Universidade Federal de Juiz de Fora (Protocolo: 16525513.9.0000.5147). Apenas as criancas cujos pais assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido participaram da pesquisa.

Instrumentos

Nomeacao seriada rapida (adaptado de Wolf & Denckla, 2005). Quatro tarefas de nomeacao seriada rapida foram utilizadas: tarefa de nomeacao seriada rapida de objetos, de cores, de numeros e de letras. Cada tarefa e composta por um cartao (tamanho de duas folhas A4, quando aberto) contendo cinco tipos diferentes de itens, conforme o tipo de tarefa: cinco cores diferentes, cinco letras diferentes, cinco numeros diferentes e cinco objetos diferentes. Os cinco tipos de itens de cada tarefa sao apresentados em ordem randomica e com repeticao em 10 colunas e cinco linhas, totalizando 50 itens por cartao. Na parte da frente de cada cartao, quando o mesmo esta fechado, ha 10 itens distribuidos em ordem randomica e com repeticao (cada item aparece duas vezes) em cinco colunas e duas linhas. A parte da frente do cartao e usada na fase de treinamento para verificar se o(a) participante conhece o nome dos cinco tipos de itens presentes na tarefa e para instrui-lo quanto a realizacao da mesma. Nessa tarefa, sao registrados, durante a fase de testagem, o tempo que o(a) participante leva para nomear todos os itens presentes em cada cartao e o numero de erros cometidos.

Leitura. A tarefa TPL1--Teste de Precisao de Leitura--1 ano foi utilizada no presente estudo para avaliar a precisao de leitura de palavras. Essa tarefa, desenvolvida pelo Grupo de Pesquisa em Cognicao e Linguagem (CogLin--UFJF), conta com 80 palavras apropriadas para criancas do 1o ano do Ensino Fundamental (de acordo com o trabalho de Pinheiro, 1996). Nessa tarefa, todas as palavras (balanceadas quanto a frequencia de ocorrencia e regularidade) estao impressas na cor preta, em fonte Times New Roman, numero 12, em um cartao branco (tamanho A4). As 80 palavras estao distribuidas em oito colunas contendo 10 palavras cada. O escore de cada crianca nessa tarefa consiste no numero de palavras lidas em voz alta corretamente. Analises realizadas pelo grupo CogLin revelaram que essa medida tem uma fidedignidade de consistencia interna de 0,99 (estatistica Kuder-Richarson).

Procedimento

Adaptacao das tarefas de nomeacao seriada rapida. Todas as tarefas de nomeacao seriada rapida administradas no presente estudo foram adaptadas de Wolf e Denckla (2005), a fim de torna-las adequadas a amostra. Com base no trabalho de Pinheiro (1996), as cinco letras mais frequentes do portugues brasileiro (o, a, s, e, r) foram selecionadas para compor a tarefa de nomeacao seriada rapida de letras. As letras, em formato minusculo, foram impressas em fonte Arial, tamanho 55, na cor preta. Os cinco numeros utilizados na tarefa de nomeacao seriada rapida de numeros foram escolhidos entre os 10 numeros de um unico digito que eram dissilabos (4, 7, 8, 9, 5). Os numeros foram impressos em fonte Arial, tamanho 55, na cor preta. Os cinco objetos utilizados na tarefa de nomeacao seriada rapida de objetos (gato, faca, olho, bola, uva) sao dissilabos e estao entre os cinco itens mais tipicos de suas respectivas categorias, de acordo com o trabalho de Pinheiro (2007). Os objetos desenhados foram impressos na cor preta. Por fim, as cinco cores com os mais elevados indices de tipicidade (preto, vermelho, azul, verde, amarelo), com base no trabalho de Pinheiro (2007), foram selecionadas para compor a tarefa de nomeacao seriada rapida de cores. Quadrados coloridos com cada uma dessas cinco cores foram impressos, compondo essa tarefa.

Aplicacao das tarefas de nomeacao seriada rapida. Cada crianca foi avaliada individualmente em um ambiente dentro da propria escola, sendo necessarios, aproximadamente, 10 minutos para a realizacao das quatro tarefas. Todas as tarefas de nomeacao seriada rapida foram aplicadas da mesma forma e pelos mesmos(as) pesquisadores(as), em duas sessoes diferentes, sendo a primeira denominada teste (efetuada quando as criancas estavam no final do 2 periodo da Educacao Infantil) e a segunda, realizada uma semana apos a primeira, denominada reteste. Em cada uma das sessoes, a primeira tarefa apresentada a crianca foi a de nomeacao seriada rapida de objetos, seguida, sucessivamente, da de cores, da de numeros e da de letras. Em cada sessao, a aplicacao de cada tarefa de nomeacao seriada rapida se iniciou com a fase de treinamento, seguida da fase de testagem.

Fase de treinamento. O cartao era colocado fechado sobre a mesa, em frente a crianca, e solicitava-se que ela dissesse o nome de cada item presente na parte frontal do mesmo. Caso a crianca nao soubesse (nao dissesse ou errasse) o nome de algum item, a aplicacao da tarefa nao era continuada (isso foi registrado no banco de dados como dados faltantes) e apresentava-se a ela a proxima tarefa, de acordo com a ordem mencionada anteriormente. Esse procedimento se justifica porque as quatro tarefas sao independentes, logo uma crianca pode nao saber o nome de um objeto, mas pode saber o nome dos itens presentes nas demais tarefas de nomeacao seriada rapida. Caso a crianca acertasse o nome de todos os itens presentes na parte frontal do cartao, ela recebia a instrucao de que o proximo passo era tentar dizer o nome de todos os itens (10) da parte frontal do cartao, sendo o primeiro item a ser nomeado apontado pelo(a) pesquisador(a), bem como a direcao da leitura (da esquerda para a direita e de cima para baixo) demonstrada manualmente. Foi enfatizado que a crianca nao deveria parar entre as linhas e que deveria tentar nomear da forma mais rapida e correta quanto possivel. A crianca tambem foi instruida de que, caso cometesse algum erro, poderia corrigi-lo, dizendo o nome correto do item o mais rapidamente possivel. Foi dito a crianca que esperasse o(a) pesquisador(a) dizer "pode comecar" para iniciar a nomeacao dos itens. Apos a nomeacao dos itens, o(a) pesquisador(a) avaliava se a crianca tinha seguido todas as instrucoes corretamente e, caso ela nao tivesse seguido as instrucoes, o procedimento era repetido.

Fase de testagem. Tendo se certificado de que a crianca entendeu as instrucoes para a realizacao das tarefas de nomeacao seriada rapida, o(a) pesquisador(a) abria o cartao contendo os 50 itens e repetia a instrucao de que todos os itens deveriam ser nomeados, sem interrupcao, da forma mais rapida e correta quanto possivel. Ao dizer "pode comecar", o(a) pesquisador(a) acionava o cronometro imediatamente e acompanhava o desempenho da crianca em uma folha de respostas (reproducao, em miniatura, das quatro tarefas). Os erros cometidos durante o processo eram registrados nessa folha, bem como o tempo (medido em segundos) que a crianca levava para nomear do primeiro ao ultimo item. Autocorrecoes foram registradas com a marcacao AC sobre o item na folha de respostas e nao foram contabilizadas como erros. Qualquer troca, omissao ou inversao foi considerada erro e registrada na folha de respostas com um X sobre o item omitido, nomeado erroneamente ou invertido. O desempenho das criancas nessas tarefas foi gravado para posterior checagem da precisao na aplicacao e correcao. Seis estudantes de psicologia aplicaram as tarefas.

Aplicacao do TPL1 (Teste de Precisao de Leitura --1 ano). Cada crianca foi avaliada individualmente em um ambiente dentro da propria escola, sendo necessarios, aproximadamente, 20 minutos para a realizacao dessa tarefa. A aplicacao da tarefa de leitura ocorreu na 3a sessao, realizada oito meses apos a aplicacao das tarefas de nomeacao seriada rapida na 1a sessao, com as criancas ja cursando o 1 ano do Ensino Fundamental. Ha duas versoes dessa tarefa: uma contendo as palavras impressas em letras maiusculas e outra contendo as palavras impressas em letras minusculas. As criancas puderam escolher em qual versao queriam ler as palavras. Apos definir a versao, o cartao contendo as 80 palavras era colocado sobre a mesa, na frente da crianca, e ela era orientada a ler as palavras em voz alta da melhor forma possivel. Enquanto a crianca lia as palavras, o(a) pesquisador(a) registrava o desempenho da crianca em sua folha de resposta. Silabacoes foram consideradas erros apenas nos casos em que resultavam em regularizacoes de pronuncias (palavra 'gota' lida com 'o' aberto). Autocorrecoes nao foram consideradas erros. Essa tarefa tambem foi gravada para possibilitar posterior checagem da precisao na aplicacao e correcao da tarefa. Seis estudantes de psicologia aplicaram as tarefas.

Resultados

Das 213 criancas que participaram da pesquisa, 201 conseguiram fazer a tarefa de nomeacao seriada rapida de objetos; 195, a de cores; 165, a de numeros; e 103, a de letras. Esse dado evidencia uma dificuldade maior das criancas dessa amostra em conhecer o nome de estimulos alfanumericos, principalmente, letras.

A fim de contemplar tanto a rapidez quanto a precisao na realizacao das tarefas de nomeacao seriada rapida, optou-se por calcular o numero de itens corretamente nomeados por segundo. Esse calculo se deu a partir da aplicacao da seguinte formula: (50-NSR_E) / NSR_T, onde 50 e igual ao numero maximo de itens no cartao, NSR_E e igual ao numero de erros cometidos na nomeacao dos itens e NSR_T e igual ao tempo (em segundos) que a crianca levou para dizer do primeiro ao ultimo item. Em todas as analises realizadas nesse estudo, foram essas as variaveis consideradas.

A distribuicao de todas as variaveis foi verificada pelo teste Kolmogorof-Smirnov. Os resultados evidenciaram que todas as quatro medidas de nomeacao seriada rapida apresentaram distribuicao normal (Nomeacao Seriada Rapida de Objetos [NSRO]: Z = 0,60; p = 0,864; Nomeacao Seriada Rapida de Cores [NSRC]: Z = 0,61; p = 0,849; Nomeacao Seriada Rapida de Numeros [NSRN]: Z = 0,55; p = 0,924; Nomeacao Seriada Rapida de Letras [NSRL]: Z = 0,88; p = 0,423). A medida de leitura apresentou uma distribuicao positivamente assimetrica (Z = 2,8; p = 0,000). Tendo em vista a distribuicao da medida de leitura, bem como os propositos deste estudo, essa variavel foi dicotomizada: as criancas que apresentaram escores na medida de precisao de leitura um desvio-padrao (27,15) abaixo da media da amostra (29,22) foram classificadas como tendo dificuldade de leitura e as demais criancas foram classificadas como nao tendo dificuldade de leitura. Das 174 criancas que realizaram a tarefa de precisao de leitura, 63 criancas (36,8%) foram classificadas como tendo dificuldade de leitura e 113 foram classificadas como nao tendo. Essa variavel dicotomizada, denominada dificuldade de leitura, foi utilizada em todas as analises que requeriam uma medida de leitura.

A fim de verificar a fidedignidade das medidas de nomeacao seriada rapida foi empregada a tecnica teste-reteste e calculados os coeficientes de correlacao entre os escores obtidos nas duas aplicacoes das medidas. Os resultados evidenciaram que os escores obtidos na primeira aplicacao das medidas de nomeacao seriada rapida correlacionaramse fortemente com os escores obtidos na segunda aplicacao das mesmas medidas (NSRO: r = 0,71, p < 0,001; NSRC: r = 0,88, p < 0,001; NSRN: r = 0,89, p < 0,001; NSRL: r = 0,82, p < 0,001).

Tendo como objetivo verificar a precisao de classificacao do risco/nao risco da dificuldade de leitura de cada medida de nomeacao seriada rapida, foram construidas curvas ROC com base nas classificacoes obtidas na variavel dificuldade de leitura. A Tabela 1 apresenta os valores da area sob a curva, bem como os pontos de corte, a sensibilidade e a especificidade de todas as medidas de nomeacao seriada rapida. Optou-se, neste estudo, por considerar tres pontos de corte para cada medida, um mantendo a sensibilidade proxima a 90%, outro mantendo a especificidade proxima a 50% e outro mantendo a especificidade proxima a 80%.

Como pode ser observado na Tabela 1, todas as medidas apresentaram uma area sob a curva variando de 0,70 a 0,78, indicando que essas medidas discriminam razoavelmente dois grupos (com dificuldade de leitura e sem dificuldade de leitura). Entre as quatro medidas de nomeacao seriada rapida, a de numeros foi a que apresentou a melhor area sob a curva (0,78), bem como o melhor indice de sensibilidade (88%) associado a um minimo de 50% de especificidade.

Discussao

Tendo em vista a importancia de se identificar medidas adequadas para o rastreamento do risco/nao risco de dificuldade de leitura de acordo com uma perspectiva preventiva, o presente estudo foi proposto. O principal objetivo foi verificar a precisao de classificacao do risco/ nao risco de dificuldade de leitura das medidas de nomeacao seriada rapida.

Primeiramente, foi verificada a fidedignidade das medidas de nomeacao seriada rapida, uma vez que as tarefas utilizadas foram adaptadas e nao foi encontrado nenhum estudo a esse respeito realizado com criancas brasileiras. Tendo em vista que sao medidas utilizadas para rastreamento de dificuldade de leitura, as evidencias atestaram que as quatro medidas apresentaram boa fidedignidade (correlacoes acima de 0,70, de acordo com Hogan, 2006), o que e consistente com o que foi encontrado por Wolf e Denckla (2005). Essas pesquisadoras tambem utilizaram a tecnica teste-reteste para avaliar a fidedignidade das medidas de nomeacao seriada rapida. Dados de 85 criancas estadunidenses, com idades entre 5 e 10 anos, fizeram parte dessas analises. Os resultados revelaram que a medida de nomeacao de numeros foi a que apresentou o maior coeficiente de correlacao (r = 0,89) e a medida de nomeacao seriada rapida de objetos foi a que apresentou o menor coeficiente de correlacao (r = 0,81). Esse mesmo padrao foi encontrado no presente estudo.

Apos a verificacao da fidedignidade das medidas de nomeacao seriada rapida, o uso da curva ROC possibilitou a avaliacao da precisao de classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura dessas mesmas medidas. As areas sob a curva relativas a cada uma das medidas de nomeacao seriada rapida evidenciaram que as mesmas sao razoaveis para identificar o risco/nao risco da dificuldade de leitura, pois foram encontrados valores entre 0,70 e 0,78. Das quatro medidas de nomeacao seriada rapida, a que apresentou melhores indices foi a de numeros. Considerando a area sob a curva (0,78), bem como a sensibilidade (88%) e a especificidade (50%) associadas ao ponto de corte 0,81, pode-se dizer que a nomeacao seriada rapida de numeros ficou muito proxima de poder ser considerada uma boa medida de rastreamento, segundo o criterio de Catts et al. (2009). Esse resultado e parcialmente consistente com o que foi encontrado por Araujo et al. (2015) em sua meta-analise, na qual a nomeacao seriada rapida de numeros e de letras correlacionaram-se mais fortemente com a leitura do que a nomeacao seriada rapida de cores e objetos.

Uma possivel explicacao do porque, no presente estudo, a nomeacao seriada rapida de letras apresentou o valor mais baixo de area sob a curva, bem como os piores indices de sensibilidade e especificidade, pode se assentar no fato de a mesma ter sido realizada por um numero menor de criancas (aproximadamente, apenas a metade das criancas que fizeram as tarefas de cores e objetos conseguiram fazer a tarefa de letras). Essa reducao amostral, consequencia do nao conhecimento por parte de muitas criancas do nome das cinco letras presentes na tarefa, pode ter criado um vies, de modo que as criancas que realizaram a tarefa foram aquelas propensas a nao terem dificuldade de leitura. A fim de verificar essa hipotese ad hoc, foi criada uma variavel dicotomica, representando o fato de a crianca ter feito ou nao a tarefa de nomeacao seriada rapida de letras. Ao considerar essa nova variavel, juntamente com a variavel dificuldade de leitura, ficou evidenciado que, das 103 criancas que conseguiram fazer a tarefa de nomeacao seriada rapida de letras, 94% foram classificadas como nao tendo dificuldade de leitura. Ao mesmo tempo, das criancas que nao conseguiram fazer a tarefa, 67% foram classificadas como tendo dificuldade de leitura. Esses resultados parecem dar suporte a hipotese ad hoc levantada no presente estudo.

Dos varios estudos encontrados na literatura sobre a relacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura, apenas o de Bishop e League (2006) investigou a precisao de classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura das medidas de nomeacao seriada rapida. Apesar dessas pesquisadoras terem colapsado as duas medidas de nomeacao seriada rapida (objeto e cores) em seu estudo, o que prejudica comparacoes mais diretas com o presente estudo, e importante mencionar que, quando as tarefas de nomeacao seriada rapida foram aplicadas no meio do ultimo ano da Educacao Infantil e a fluencia de leitura avaliada no final da 1a serie, a nomeacao seriada rapida apresentou uma sensibilidade de 82% associada a uma especificidade de 91%. Como as pesquisadoras nao relataram a sensibilidade e a especificidade associadas a outros pontos de corte, nao e possivel sabermos qual seria a especificidade, caso a sensibilidade tivesse sido fixada em, no minimo, 90%, como recomenda Jenkins et al. (2007). De qualquer forma, ao que tudo indica, seria um valor superior aos encontrados no presente estudo. Uma razao para essa inconsistencia, possivelmente, e a habilidade de leitura considerada nas analises dos dois estudos. Bishop e League consideraram a fluencia de leitura em seu estudo, enquanto no presente estudo a precisao de leitura e que foi considerada. Segundo a meta-analise de Araujo et al. (2015), a nomeacao seriada rapida correlaciona-se mais fortemente com a fluencia de leitura do que com a precisao de leitura.

Algumas ponderacoes sao importantes de serem feitas. Uma se refere ao fato de as criancas que participaram deste estudo estarem ainda na Educacao Infantil. Isso e positivo, tendo em vista que o objetivo de uma intervencao preventiva e a identificacao, o mais cedo possivel, de criancas com riscos/sem riscos de apresentarem dificuldade de leitura para que a intervencao ocorra, tambem, o mais cedo possivel. No entanto, sabe-se que a relacao das variaveis preditivas com a leitura varia ao longo do desenvolvimento. Por exemplo, Araujo et al. (2015) relataram que a forca da correlacao entre a nomeacao seriada rapida e a leitura aumenta da Educacao Infantil para o 1 ano e do 1 ano para o 2 ano. Assim sendo, e importante que estudos futuros investiguem essa mesma questao em outras etapas do desenvolvimento, preferencialmente, por meio de um estudo longitudinal em que haja a aplicacao de medidas de nomeacao seriada rapida e de leitura a cada novo ano escolar.

Tambem a titulo de sugestao para trabalhos futuros, e importante que sejam incluidas medidas de outros componentes de leitura, como a fluencia de leitura, por exemplo. No presente estudo optou-se por nao incluir uma medida de fluencia de leitura pelo fato das criancas brasileiras no 1 ano do Ensino Fundamental ainda estarem iniciando o aprendizado da decodificacao (muitas nao conseguiram ler uma palavra). No entanto, e possivel que a partir do 2 ano do Ensino Fundamental uma medida de fluencia de leitura ja seja valida.

A falta de um padrao ouro para estabelecer a dificuldade no desenvolvimento da leitura em criancas brasileiras no 10 ano do Ensino Fundamental constitui uma limitacao do presente estudo. Os testes padronizados de leitura disponiveis foram desenvolvidos para criancas a partir do 2 ano do Ensino Fundamental (antiga 1a serie). Dessa forma, foi necessario o desenvolvimento da tarefa experimental de leitura TPL1 para que este estudo pudesse ser realizado.

Ao investigar a precisao de classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura das medidas de nomeacao seriada rapida, este estudo contribuiu trazendo evidencias de que essas medidas sao razoaveis na classificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura, sendo a nomeacao seriada rapida de numeros a melhor medida para ser usada na identificacao do risco/nao risco de dificuldade de leitura em amostras como a do presente estudo. Trata-se de uma tarefa de facil aplicacao e de rapida realizacao, caracteristicas importantes para uma tarefa de rastreamento, tendo em vista que devem ser aplicadas em um numero grande de criancas.

Para que a prevencao da dificuldade de leitura efetivamente faca parte da realidade das escolas brasileiras, alguns passos precisam ser dados. O primeiro e garantir um maior conhecimento dos estudos cientificos sobre o desenvolvimento da leitura por parte dos profissionais que atuam diretamente na area educacional (psicologos(as), professores(as), coordenadores(as), etc.). Saber quais habilidades deverao ser estimuladas na Educacao Infantil visando a facilitacao do aprendizado da leitura depende de um bom conhecimento da ciencia da leitura. O segundo e a verificacao da medida ou da combinacao de medidas que mais precisamente identifica as criancas como estando ou nao estando em risco de apresentarem dificuldade de leitura. Somente com medidas de rastreamento eficientes e que as criancas com risco potencial de apresentarem dificuldade de leitura poderao ser identificadas e, a partir dai, ter as suas necessidades devidamente avaliadas e atendidas. Dessa forma, espera-se que mais estudos possam investigar a precisao de classificacao das diferentes medidas que reconhecidamente predizem, em nivel geral, o desenvolvimento da leitura para que possamos, cada vez mais, ter uma pratica baseada em evidencias.

doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e32425

Referencias

Albuquerque, C. (2012). Rapid naming contributions to reading and writing acquisition of European Portuguese. Reading and Writing, 25, 775-797.

Araujo, S., Reis, A., Petersson, K., & Faisca, L. (2015). Rapid automatized naming and reading performance: A meta-analysis. Journal of Educational Psychology, 107(3), 868-883.

Bishop, A., & League, M. (2006). Identifying a multivariate screening model to predict reading difficulties at the onset of kindergarten: A longitudinal analysis. Learning Disability Quarterly, 29, 235-252.

Brucki, S. (2010). Illiteracy and dementia. Dementia & Neuropsychologia, 4(3), 153-157.

Bryant, P., & Bradley, L. (1987). Problemas de leitura na crianca. Porto Alegre: Artes Medicas.

Carlisle, J. (1995). Morphological awareness and early reading achievement. In L. Feldman (Ed.), Morphological aspects of language processing (pp. 189-209). Hillsdale: Erlbaum.

Catts, H., Nielsen, D., Bridges, M., Liu, Y., & Bontempo, D. (2015). Early identification of reading disabilities within an RTI framework. Journal ofLearningDisabilities, 48, 281-297.

Catts, H., Petscher, Y., Schatschneider, C., Sittner, P., Bridges, M., & Mendoza, K. (2009). Floor effects associated with universal screening and their impact on the early identification of reading disabilities. Journal ofLearning Disabilities, 42, 163-176.

Clarke, P., Hulme, C., & Snowling, M. (2005). Individual differences in RAN and reading: A response timing analysis. Journal of Research in Reading, 28, 73-86.

Cobbold, S., Passenger, T., & Terrel, C. (2003). Serial naming speed and the component elements of speech time and pause time: Relationships with the development of word-level reading in children aged four to five years. Journal of Research in Reading, 26, 165-176.

Compton, D. L., Fuchs, D., Fuchs, L. S., & Bryant, J. D. (2006). Selecting at-risk readers in first grade for early intervention: A two-year longitudinal study of decision rules and procedures. Journal of Educational Psychology, 98(2), 394-409.

Compton, D., Fuchs, L., Fuchs, B., Bouton, J., Gilbert, L., Barquero, E., ... Crouch, R. (2010). Selecting at-risk first-grade readers for early intervention: Eliminating false positives and exploring the promise of a two-stage gated screening process. Journal of Educational Psychology, 102(2), 327-340.

Denckla, M., & Rudel, R. (1976). Rapid automatized naming (RAN): Dyslexia differentiated from other learning disabilities. Neuropsychology, 14, 471-479.

Di Filippo, G., Brizzolara, D., Chilosi, A., De Luca, M., Judica, A., Pecini, C., ... Zoccolotti, P. (2005). Rapid naming, not cancellation speed or articulation rate, predicts reading in an orthographically regular language (Italian). Child Neuropsychology, 11, 349-361.

Fletcher, J., & Vaughn, S. (2009). Response to intervention: Preventing and remediating academic difficulties. Child Development Perspectives, 5(1), 30-37.

Georgiou, G., Parrila, R., Cui, Y., & Papadopoulo, T. C. (2014). Why is rapid automatized naming related to reading? Journal of Experimental Child Psychology, 115, 218-225.

Hogan, T. (2006). Introducao a pratica de testes psicologicos. Rio de Janeiro: LTC.

Jenkins, J., Hudson, R., & Johnson, E. (2007). Screening for service delivery in an RTI framework: Candidate measures. School Psychology Review, 36, 582-599.

Johnston, A., Barnes, M., & Desrochers, A. (2008). Reading comprehension: Developmental processes, individual differences, and interventions. Canadian Psychology, 49(2), 125-132.

Justi, C., & Roazzi, A. (2012). A contribuicao de variaveis cognitivas para a leitura e a escrita no portugues brasileiro. Psicologia: Reflexao e Critica, 25(3), 400-409.

Justi, C., & Roazzi, A. (2013). Nomeacao seriada rapida e leitura: Quatro hipoteses sobre a relacao entre essas variaveis. In A. Roazzi, F. Justi, & J. Sales (Eds.), A aprendizagem da leitura e da escrita: Contribuicoes de pesquisas (pp. 109-130). Sao Paulo: Vetor.

Kirby, J., Pfeiffer. S., & Parrila, R. (2003). Naming speed and phonological awareness as predictors of reading development. Journal of Educational Psychology, 95(3), 453-464.

Kruk, R., & Funk, L. (2014). The predictive relations between nonalphanumeric rapid naming and growth in regular and irregular word decoding in at-risk readers. Journal ofResearch in Reading, 37(1), 17-35.

Landerl, K., & Willbuger, E. (2010). Temporal processing, attention, and learning disorders. Learning and Individual Differences, 20, 393-401.

Lee, J., Chang, S., Jang, H., Chang, J., Suh, C., Jung, H., ... Cho, M. (2008). Illiteracy and the incidence of Alzheimer's disease in the Yonchon county survey, Korea. International Psychogeriatrics, 20(5), 976-985.

Lepola, J., Poskiparta, E., Laakkonen, E., & Niemi, P. (2005). Development of and relationship between phonological and motivational processes and naming speed in predicting word recognition in grade 1. Scientific Studies of Reading, 9(4), 367-399.

Lervag, A., Braten, I., & Hulme, C. (2009). The cognitive and linguistic foundations of early reading development: A Norwegian latent variable longitudinal study. Developmental Psychology, 45, 764-781.

Logan, J., Schatschneider, C., & Wagner, R. (2011). Rapid serial naming and reading ability: The role of lexical access. Reading and Writing, 24, 1-25.

Lopez-Escribano, C., & Katzir, T. (2008). Are phonological processes separate from the processes underlying naming speed in a shallow orthography? Journal ofResearch in Educational Psychology, 16, 641-666.

Macklen, G. (2013). Prevention mental health at school: Evidence-based services for students. New York: Springer.

Norton, E. S., & Wolf, M. (2012). Rapid automatized naming (RAN) and reading fluency: Implications for understanding and treatment of reading disabilities. Annual Review of Psychology, 63, 427-452.

O'Connor, R., & Vadasy, P. (Eds.) (2011). Handbook of reading interventions. New York: The Guilford Press.

Parrila, R., Kirby, J., & McQuarrie, L. (2004). Articulation rate, naming rapid speed, verbal short-term memory, and phonological awareness: Longitudinal predictors of early reading development? Scientific Studies of Reading, 8(1), 3-26.

Pauly, H., Linkersdorfer, J., & Lindberg, S. (2011). Domain-specific rapid automatized naming deficits in children at risk for learning disabilities. JournalofNeurolinguistics, 24, 602-610.

Pinheiro, A. (1996). Contagem de frequencia de ocorrencia e analise psicolinguistica de palavras expostas a criancas na faixa pre-escolar e series iniciais do 10 grau. Sao Paulo: Associacao Brasileira de Dislexia.

Pinheiro, A. (2007). Levantamento dos membros de categorias semanticas para itens verbais produzidos de forma escrita por criancas [Resumo]. In V. Golveia, C. Hutz, W. Lourenzo, & E. Almeida (Eds.), III Congresso Brasileiro de Avaliacao Psicologica e XII Conferencia Internacional de Avaliacao Psicologica: formas e contextos--Avaliacao psicologica no seculo XXI: Etica e ciencia--Livro de resumos/mesas redondas (pp. 34-35). Joao Pessoa: IBAP.

Plaza, M., & Cohen, H. (2004). Predictive influence of phonological processing, morphological/syntactic skill, and naming speed on spelling performance. Brain and Cognition, 55, 368-373.

Puolakanaho, A., Ahonen, T., Aro, M., Eklund, K., Leppanen, P., Poikkeus, A., ... Lyytinen, H. (2007). Very early phonological and language skills: Estimating individual risk of reading disability. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 48(9), 923-931.

Ritchey, K., & Speece, D. (2004). Early identification of reading disabilities: Current status and new directions. Assessmentfor Effective Intervention, 29(4), 13-24.

Schatschneider, C., Fletcher, J., Francis, D., Carlson, C., & Foorman, B. (2004). Kindergarten prediction of reading skills: A longitudinal comparative analysis. Journal of Educational Psychology, 96(2), 265-282.

Shapiro, L., Carroll, J., & Solity, J. (2013). Separating the influences of prereading skills on early word and nonword reading. Journal of Experimental Child Psychology, 116, 278-295.

Snow, C., Burns, S., & Griffin, P. (Eds.). (1998). Preventing reading difficulties in young children. Washington: National Academy Press.

Snowling, M., & Hulme, C. (Eds.). (2005). The science of reading. Oxford, UK: Blackwell.

Stone, A., Siliman, E., Ehren, B., & Apel, K. (Eds.). (2004). Handbook of language and literacy. New York: The Guilford Press.

Thompson, P., Hulme, C., Nash, H., Gooch, D., Hayiou-Thomas, E., & Snowling, M. (2015). Developmental dyslexia: Predicting individual risk. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 56(9), 976-987.

Torgesen, J. (1998). Catch them before they fall. Identification and assessment to prevent reading failure in young children. American Educator, 22(1), 32-39.

Verhagen, W., Aarnoutse, C., & van Leeuwe, J. (2008). Phonological awareness and naming speed in the prediction of Dutch children's word recognition. Scientific Studies of Reading, 12, 301-324.

Wimmer, H., Mayringer, H., & Landerl, K. (2000). The double deficit hypothesis and difficulties in learning to read a regular orthography. Journal of Educational Psychology, 92, 668-680.

Wolf, M., & Denckla, M. (2005). RAN/RAS--Rapid automatized naming and rapid alternating stimulus tests: Examiner's manual. Texas: Pro-Ed.

Wolff, U. (2014). RAN as a predictor of reading skills, and vice versa: Results from a randomised reading intervention. Annual of Dyslexia, 64, 151-165.

Zhou, Y., McBride-Chang, C., Law, A., Li, T., Cheung, A., Wong, A., & Shu, H. (2014). Development of reading-related skills in Chinese and English among Hong Kong Chinese children with and without dyslexia. Journal of Experimental Child Psychology, 122, 75-91.

Recebido em 14.08.2015

Primeira decisao editorial em 30.06.2016

Versao final em 10.08.2016

Aceito em 17.10.2016

Claudia Nascimento Guaraldo Justi (2)

Universidade Federal de Juiz de Fora

Natalia Cunha

Fundacao Educacional Machado Sobrinho

(1) Artigo baseado em pesquisa financiada pelo CNPq

(2) Endereco completo para correspondencia: Departamento de Psicologia, Instituto de Ciencias Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Universitario, Juiz de Fora, MG, Brasil, CEP: 36036-330. E-mail: claudia.ngjusti@gmail.com
Tabela 1. Area sob a curva, pontos de corte, sensibilidade e
especificidade das quatro medidas de nomeacao seriada rapida

                  Classificacao do Risco /
              Nao Risco da Dificuldade de Leitura
Medidas

          ASC (IC de 95%)     PC    Sensib.  Espec.
                                     (%)      (%)

                             0,92     90       30
NSRO      0,72 (0,64-0,81)   0,81     76       51
                             0,65     55       81

                             0,76     91       36
NSRC      0,76 (0,68-0,84)   0,71     77       51
                             0,59     68       81

                             0,88     91       41
NSRN      0,78 (0,69-0,87)   0,81     88       50
                             0,61     67       81

                             0,91    100       22
NSRL      0,70 (0,43-0,97)   0,76     60       51
                             0,56     60       80

Nota. NSRO = Nomeacao seriada rapida de objetos; NSRC = Nomeacao
seriada rapida de cores; NSRN = Nomeacao seriada rapida de numeros;
NSRL = Nomeacao seriada rapida de letras; ASC = area sob a Curva; IC
= Intervalo de Confianca; PC = Ponto de corte; Sensib. =
sensibilidade; Espec. = especificidade.
COPYRIGHT 2016 Instituto de Psicologia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:ARTIGO ORIGINAL
Author:Justi, Claudia Nascimento Guaraldo; Cunha, Natalia
Publication:Psicologia: Teoria e Pesquisa
Date:Oct 1, 2016
Words:7863
Previous Article:Visuospatial Cognitive Processes and Visual Surrounding Environment: Educational Implications/Processos Cognitivos Visuoespaciais e Ambiente Visual...
Next Article:The Quality of Center-Based Child Care and Education for Infants/A Qualidade Observada em Salas de Bercario.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters