Printer Friendly

Quality of fruits manually processed of acai (Euterpe oleracea MART.) and bacaba (Oenocarpus bacaba MART.)/Qualidade de frutos processados artesanalmente de acai (Euterpe oleracea MART.) e bacaba (Oenocarpus bacaba MART.).

INTRODUCAO

O Brasil e o terceiro maior produtor de frutos, com aproximadamente 6% da producao mundial. Porem, a fruticultura do tropico umido, praticada especificamente em todos os estados Amazonicos, representa menos do que 0,2% desse total (ANUARIO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 2010). No entanto, acreditando-se no potencial funcional da composicao bioquimica desses frutos, e importante ressaltar a relacao entre a ingestao de frutos/vegetais e a diminuicao do risco de desenvolvimento de diversas doencas cronico-degenerativas, mediadas pela acao de radicais livres (RIQUE et al., 2002). Esses alimentos, segundo Avello e Suwalsky (2006), contem grande concentracao de compostos bioativos que possuem como funcao fisiologica a acao contra esses radicais livres. Dentre essas especies frutiferas, podemos citar o acaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) e a bacabeira (Oenocarpus bacaba Mart), como sendo importantes objetos de estudo por, supostamente, apresentarem em sua composicao componentes bioativos, potencialmente beneficos a saude humana.

Na rica floresta Amazonica, o acaizeiro (Euterpe oleracea, Mart.) destaca-se por ser a palmeira mais produtiva desse Estuario, tanto em frutos como em generos derivados da planta. O fruto, materia-prima para a obtencao do suco de acai, bebida-simbolo do Estado do Para, e o principal produto oriundo da palmeira (MENEZES et al., 2008). A demanda nacional pelo acai vem crescendo ao longo dos anos e isto pode ser atribuido, dentre outros fatores comerciais, as propriedades nutricionais e ao valor calorico do acai, pois esse fruto pode ser considerado como alimento rico em proteinas, fibras, lipideos, vitamina E e minerais, como manganes, cobre, boro e cromo. Alem disso, esse fruto possui elevado teor de pigmentos, as antocianinas, que sao beneficos a saude, pois favorecem a circulacao sanguinea e protegem o organismo contra a arteriosclerose (SOUZA, 2000). A bacabeira e uma palmeira encontrada na Amazonia e no cerrado brasileiro, produzindo frutos comestiveis de coloracao roxa e que sao consumidos como suco natural ou transformados em bebidas, geleias e sorvetes (FINCO et al., 2010). O potencial economico da bacaba baseia-se, principalmente, na utilizacao da polpa e do palmito, e na extracao do oleo comestivel, que e semelhante ao azeite de oliva. Apesar da importancia dessa palmeira na realidade regional, tem sido pouco estudada, principalmente com relacao ao seu potencial nutricional e funcional (GUIMARAES, 2013).

Assim, diante do exposto, o objetivo neste trabalho foi acompanhar as alteracoes fisico-quimicas e funcionais dos frutos de acai e bacaba, na forma de polpas processadas artesalmente, armazenadas a 3[+ or -]0,2[degrees]C durante 5 dias.

MATERIAL E METODOS

Os frutos da bacabeira (Oenocarpus bacaba Mart.) foram coletados em populacoes localizadas em propriedade rural particular, no municipio do Canta/Roraima, enquanto os frutos do acaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) foram obtidos de um pomar comercial situado em Boa Vista/Roraima, entre os meses de fevereiro e marco de 2012. Os frutos do acai e da bacaba totalizaram aproximadamente 5 kg e 7 kg referente a extracao de tres cachos de cada especie. Apos a colheita, todas as amostras foram levadas para o Laboratorio de Tecnologia de Alimentos--LTA/UFRR, onde foram selecionadas, considerando-se criterios de qualidade relacionados a coloracao da casca (roxa) e a ausencia de danos e podridoes visuais. Posteriormente, os frutos foram higienizados com agua corrente e imersos em solucao clorada a 10 ppm por 10 minutos. Para o processamento das polpas, as bacabas e os acais foram colocados, separadamente, em agua a temperatura de 50[degrees]C, durante 45 minutos. Em seguida, os frutos foram pesados e, para o preparo das polpas, foi adicionado agua, a mesma utilizada no molho, na proporcao 1,5:1 (v/p) agua/fruto. Os frutos, adicionados de agua, foram submetidos a despolpadeira para a obtencao do produto final. Apos, as polpas processadas de acai e bacaba foram armazenadas em embalagens de politereftalato de etileno (PET) transparente e com tampa, com capacidade de 145 mL e refrigeradas a 3 [+ or -] 0,2[degrees]C e 45% de U.R., durante 5 dias. Todas as amostras foram avaliadas em triplicata quanto:

-pH, determinado diretamente por potenciometro previamente calibrado com solucoes tampoes de pH 7,0 e 4,0, de acordo com o ajuste de temperatura, dos padroes e amostras (IAL, 2008);

-Acidez titulavel (AT), determinada por meio da diluicao de 10 mL de suco puro de cada amostra em 100 mL de agua destilada e titulacao com NaOH a 0,1 M para pH 8,1, sendo o resultado expresso em g de acido citrico em 100 g de polpa (IAL, 2008);

-Solidos soluveis (SS), determinados por refratometria, utilizando refratometro portatil com correcao de temperatura, utilizando uma gota de suco puro em cada replicacao, sendo o resultado expresso em [degrees]Brix (IAL, 2008);

--Relacao SS/AT, determinada por meio da relacao entre os teores de solidos soluveis e de acidez titulavel;

--Acucares totais e redutores, determinados segundo a metodologia de Nelson (1944), e os resultados, expressos em mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa;

--Pectinas totais e soluveis, extraidas seguindo a tecnica de McCready e McCoomb (1952) e determinadas colorimetricamente pela reacao com carbazol, segundo tecnica de Bitter e Muir (1962). Os resultados foram expressos em porcentagem (%) de acido galacturonico.100 [g.sup.-1] de polpa;

--Para a determinacao de antocianinas totais, utilizou-se da metodologia de Francis (1982). Os resultados foram expressos em mg.100 [g.sup.-1] de amostra em base seca (b.s.) e calculados por meio da formula: fator de diluicao x absorbancia/98,2e;

--Fenolicos totais, determinados pelo metodo espectrofotometro, utilizando o reagente FolinCiocalteau (Merck), seguindo metodologia de Wettasinghe e Shahidi (1999) e curva-padrao de acido galico. Os resultados foram expressos em mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra.

O delineamento estatistico foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 (duas especies) x 5 (dias de avaliacao), sendo os dados submetidos a ANOVA, regressao e teste de Tukey a 5%.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Em relacao aos valores de pH, pode-se observar que ambas as polpas apresentaram tendencia de reducao do pH ao longo do periodo de armazenagem refrigerada, que foi significativo a 5% (p [less than or equal to] 0,05) apenas para a polpa de acai. A polpa de bacaba tambem mostrou tendencia a reducao no valor de pH (Tabela 1); no entanto, como essa variavel nao foi significativa, concluiu-se que esse parametro se manteve constante durante o periodo de avaliacao, revelando boa estabilidade a temperatura de 3[+ or -]0,2[degrees]C. Da mesma forma, o pH da polpa de acai esta de acordo com o limite estabelecido pelos Padroes de Identidade e Qualidade (PIQ) da Instrucao Normativa no. 01, de 7 de janeiro de 2000 (BRASIL, 2000), que para polpa desse fruto esta compreendido entre 4,0--6,20 (Tabela 1). A polpa de bacaba nao apresenta valores estabelecidos na legislacao; contudo, Canuto et al. (2010), avaliando polpas de varios frutos Amazonicos, encontraram valores de pH para bacaba e acai de 5,3 e 3,3, respectivamente, aproximando-se dos valores observados para a polpa de bacaba neste trabalho. Entretanto, para a polpa de acai, o valor observado pelos autores mostrou-se inferior ao avaliado neste estudo, o que pode ser justificado pela sazonalidade, bem como pelas proprias diferencas edafoclimaticas a que cada um destes frutos foi submetido. Nesse mesmo contexto, Sousa et al. (2006), avaliando polpas de acai comercializadas em Manaus, encontraram valores de pH de 5,4, mostrando que especificidades referentes as areas de producao, como, por exemplo, a temperatura, a umidade relativa, o tipo de solo e a propria composicao quimica dos solos, podem influenciar nas caracteristicas fisico-quimicas dos frutos e, consequentemente, de suas polpas.

Os valores de AT foram significativos (p [less than or equal to] 0,05) apenas para a polpa de bacaba, considerando o periodo de armazenamento refrigerado de cinco dias; contudo, para ambas as polpas, nao houve ajuste dos dados a linha de tendencia, sendo as mesmas avaliadas apenas comparando medias dos dados experimentais (Tabela 1). Essas amostras apresentaram tendencia a reducao nos valores de AT avaliada em 60,7% ao final do experimento, influenciando diretamente na relacao Brix/Acidez. Esse resultado indica que a avaliacao dos parametros nao pode ser feita isoladamente, uma vez que, durante o periodo de estudo, a polpa de bacaba tornou-se menos acida e nao mais doce, ao contrario do que indica a relacao SS/AT. Assim, considerando a influencia do pH e da acidez na conservacao dos alimentos, podemos classificar as polpas de bacaba e acai como alimentos de baixa acidez (pH > 4,5), ou seja, alimentos que podem ser contaminados por bacterias, bolores e leveduras. Portanto, a reducao significativa na acidez da polpa de bacaba indica que se tornara mais perecivel, ou seja, mais suscetivel a proliferacao de microrganismos. Quanto ao PIQ, a polpa de acai do presente trabalho classifica-se como 'acai grosso', devido a quantidade de solidos totais ser de 24,31%. Dessa forma, a acidez total recomendada pela legislacao para esse tipo de polpa deve ser de 0,45%, discordando dos valores encontrados neste experimento.

Quanto aos valores de solidos soluveis (SS), os mesmos foram significativos (p [less than or equal to] 0,05) apenas para a polpa de acai, levando em consideracao o tempo de armazenamento refrigerado de 5 dias. Nesse sentido, observou-se decrescimo de 10% entre os dias 1 e 5, quando os valores medios cairam de 4,0 para 3,6 Brix (Tabela 1). No entanto, nao ha no PIQ dados referentes ao teor de SS da polpa do fruto de acai, porem os valores encontrados neste trabalho, para o primeiro dia de avaliacao, foram superiores aos encontrados por Sousa et al. (2006) em polpas de acai, apresentando valores de SS na ordem de 3,2[degrees] Brix. Tambem nao existem padroes de identidade e qualidade para polpas de bacaba; no entanto, o comportamento desta durante o periodo de armazenamento refrigerado de 3[degrees][+ or -]0,2C foi satisfatorio, demonstrando estabilidade satisfatoria do produto (Tabela 1). Desta maneira, comparando-se o teor de SS entre as polpas de bacaba e de acai, podese considerar que a polpa de bacaba e menos doce que a de acai, como pode ser observado, tambem, por meio da relacao SS/AT, que reflete a docura dos frutos. Essa relacao mostrou-se significativa (p [less than or equal to] 0,05) apenas na polpa de bacaba, apresentando acrescimo de 146% entre os dias 1 e 5 de avaliacao (Tabela 1). O aumento desse valor esta diretamente relacionado a queda da AT durante o periodo avaliado. A constancia na relacao SS/AT da polpa de acai revelou que nao houve alteracoes suficientes nos valores de SS e AT para causar modificacao na relacao (Tabela 1). Sousa et al. (2006), avaliando acai, verificaram valor de 1,80 para a relacao SS/AT, concluindo que o acai utilizado em seu estudo e menos doce que a polpa de acai avaliada no dia ou: no 1 dia dest trabalho.

A analise de pectina total nao foi estatisticamente significativa (p [less than or equal to] 0,05) para as polpas dos dois frutos em estudo, ou seja, essas polpas mantiveram-se estaveis mesmo apos o processamento, e, alem disso, a polpa de bacaba avaliada nao apresentou ajuste dos dados a linha de tendencia, sendo os resultados avaliados apenas pela comparacao de medias (Tabela 2). Tanto os valores de pectina total e soluvel quanto polpa de acai e de bacaba nao estao previstos no PIQ e, na literatura, poucas sao as informacoes referentes ao percentual desses componentes para as polpas em estudo. Nesse sentido, Alexandre et al. (2004), avaliando a polpa de acai, encontraram valores de pectina total variando de 0,67 a 0,94%, aproximando-se dos valores encontrados neste trabalho, que foram de 0,12% de acido galacturonico.100 [g.sup.-1] de polpa (Tabela 2). Em estudos envolvendo polpas de frutas nativas da Amazonia, Silva et al. (2010), analisando a polpa congelada de bacuri, verificaram aumento no valor de pectina total de 1,57% para 1,84% ao longo do armazenamento de 12 meses. Contudo, Dias et al. (2003) encontraram valores para a polpa de caja na ordem de 0,3%, aproximando-se dos baixos valores dessa variavel nas polpas. Comparando o conteudo de pectina total das polpas de acai--0,118% de acido galacturonico.100 [g.sup.-1] de polpa e bacaba 0,134% de acido galacturonico.100 [g.sup.-1] de polpa--com a polpa de citricos (valores entre 2,5 -4,0% de acido galacturonico.100 [g.sup.-1] de polpa) (THAKUR et al., 1997), pode-se concluir que as polpas em estudo apresentam baixas concentracoes de pectina, nao sendo indicadas para a fabricacao de doces e geleias sem o uso de agentes geleificantes.

A avaliacao de pectina soluvel apresentou comportamento significativo (p [less than or equal to] 0,05) para polpa de acai (Tabela 2), mostrando aumento no percentual, o que revela maiores alteracoes quimicas nessa polpa durante o armazenamento refrigerado de 5 dias. Em frutos sem processamento (intactos), o processo de degradacao dos componentes da parede celular resulta na diminuicao do grau de polimerizacao, diminuicao da rigidez da celula e dos percentuais de pectina total e consequente aumento nos valores de pectina soluvel, devido a formacao de acidos pecticos soluveis em agua (KASHYAP et al., 2001; ASSIS et al.,2001; PRASSANA et al., 2007). No caso das polpa de acai e bacaba trabalhadas, o processo de despolpamento, provavelmente, promoveu quebra dessas substancias pecticas, explicando o aumento significativo da pectina soluvel na polpa de acai. Outro fator que pode estar envolvido no comportamento das substancias pecticas, mas que nao foi avaliado neste estudo, e a atividade de hidrolases da parede celular, tais como poligalacturonase (PG) e pectinametilesterase (PME) (PIMENTA et al., 2000).

O PIQ de polpas de frutas apresenta limites para polpas de acais (grosso, medio e fino), sendo que, nesta legislacao, os valores estabelecidos para acucares totais podem atingir o maximo de 40g/100 g, concordando com os valores encontrados neste trabalho. Apenas na polpa de acai o teor de acucares totais foi significativo (p [less than or equal to] 0,05), apresentando reducao de 1,92 para 1,86 mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa, do primeiro ate o quinto dia de avaliacao, enquanto os dados estudados para a polpa de bacaba nao se ajustaram a linha de tendencia, sendo avaliadas apenas as medias dos resultados experimentais (Tabela 2). Santos et al. (2008), estudando polpas comerciais de acai, encontraram valores para acucares totais variando 0,55 a 35,48 mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa, dados semelhantes aos obtidos no presente trabalho. Os acucares totais presentes na polpa de bacaba foram da ordem de 1,8 mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa, mostrando resultados proximos aos da polpa de acai.

Os acucares redutores foram significativos (p [less than or equal to] 0,05) para ambas as polpas avaliadas, verificandose aumentos nos valores: da bacaba, de 1,46 a 1,68 mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa, e do acai de 1,17 a 1,72 mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa, ao longo do armazenamento refrigerado por 5 dias (Figura 1). Santos et al. (2008) encontraram valores de acucares redutores para polpas comerciais de acai variando de 0,50 a 26,65 mg de glicose 100 [g.sup.-1] de polpa, tambem assemelhando-se aos valores aqui detectados. Segundo Cerqueira et al. (2007), os principais acucares responsaveis pelo sabor doce dos frutos sao a frutose, a glicose e a sacarose, porem a frutose e a glicose sao originadas da degradacao da sacarose e dos polissacarideos de reserva, como o amido, fato que justifica a reducao dos acucares totais e o aumento dos redutores, como pode ser observado nas polpas avaliadas.

O conteudo de compostos fenolicos e de antocianinas apresentou variacao estatisticamente significativa (p [less than or equal to] 0,05) no sentido da reducao para as polpas estudadas durante o periodo experimental (Figura 2A e 2B). Os compostos fenolicos e, dentre eles, as antocianinas, sao capazes de captar radicais livres (atividade antioxidante) e podem apresentar efeitos na prevencao de enfermidades cardiovasculares e circulatorias (STOCLET et al., 2004), cancerigenas (WANG; MAZZA, 2002; KATSUBE et al., 2003), no diabetes e no mal de Alzheimer (ISHIGE et al., 2001; ABDILLE et al., 2005). Dessa forma, a reducao dos valores desses compostos bioativos, nas polpas avaliadas, reflete, possivelmente, na diminuicao de seus efeitos funcionais ao longo do periodo de avaliacao.

Os teores de compostos fenolicos variaram de 11,2 a 8,18 mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra na polpa de bacaba e de 558,56 a 512,75 mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra na polpa de acai, mostrando que esta apresenta quantidades superiores de compostos fenolicos quando comparada com a polpa de bacaba. Canuto et al. (2010) caracterizaram diversas polpas de frutos Amazonicos e verificaram que a polpa de bacaba apresentou 0,3 mg de acido galico. 100 [g.sup.-1] de amostra, valor inferior ao encontrado neste estudo. Entretanto, as avaliacoes de Finco et al. (2010), para o mesmo produto, mostraram valor consideravelmente superior (1.759,27 mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra), diferindo dos apresentados neste trabalho e superando, inclusive, os teores encontrados na polpa de acai. Guimaraes (2013) quantificou em farinha de bacaba teores de fenolicos na ordem de 1,1 mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra, revelando baixas concentracoes desse componente bioativo quando comparado aos resultados apresentados neste trabalho. Kuskoski et al. (2006), estudando frutos tropicais silvestres e polpas de frutos congelados, encontraram para a polpa de acai 136,8 mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra. Santos et al. (2008), avaliando polpas comerciais de acai, encontraram valores de fenolicos totais variando de 182,95 a 598,55 mg de acido galico.100 [g.sup.-1] de amostra, aproximando-se,dessa maneira, dos valores encontrados no presente estudo.

Rufino et al. (2010) determinaram os teores de antocianinas presentes em diversas polpas de frutas tropicais e notaram grande variacao, de 0,3 a 192 mg.100 [g.sup.-1] de amostra, destacando-se os frutos jussara, murta, acai, puca-preto, jambolao, jabuticaba e camu-camu, respectivamente, com 192; 143; 111; 103; 93 e 58; 42 mg 100 [g.sup.-1]. Vale ressaltar que, considerando os estudos realizados em polpas de acai, percebe-se que a literatura apresenta resultados com variacoes significativas nos teores de antocianinas totais, a saber: 22,8 mg.100 [g.sup.-1] (KUSKOSKI et al., 2006) e 336 mg.100 [g.sup.-1] (IADEROZA et al., 1992). Nesse sentido, os valores de antocianinas aqui encontrados, para as polpas de acai e bacaba, variaram de 43,25 a 38,19 mg.100 [g.sup.-1] e 48,9 a 35,03 mg.100 [g.sup.-1], respectivamente. Portanto, e possivel afirmar que a polpa de acai apresentou teores de antocianinas totais dentro do intervalo previsto na literatura consultada, ao longo do periodo de avaliacao de 5 dias. Quanto a polpa de bacaba, Finco et al. (2010) encontraram teor de antocianinas totais na ordem de 34,69 mg.100 [g.sup.-1] e consideraram o fruto como alimento com altas concentracoes de compostos fenolicos. Portanto, a polpa de bacaba, mesmo apos 5 dias de armazenamento refrigerado, pelos resultados observados, pode ser considerada como excelente fonte de antocianinas. Outro resultado encontrado para o teor de antocianinas totais em frutos de bacabaeira e descrito por Guimaraes (2013), que encontrou teor de 29,4 mg.100 [g.sup.-1] em farinha de bacaba, valor elevado se considerarmos o processamento termico aplicado para a obtencao do produto, o que permite concluir a boa estabilidade desse componente funcional do fruto para producao de derivados.

[FIGURE 1 OMITTED]

[FIGURE 2 OMITTED]

CONCLUSAO

Para os parametros fisico-quimicos avaliados, tais como: pH, acidez titulavel, solidos soluveis e ratio (SS/AT), a polpa de acai mostrou alteracoes na maioria dos fatores. Entretanto, nos itens que compoem o Padrao de Identidade e Qualidade (PIQ) de Polpas de Frutos, a de acai apenas nao obedeceu aos limites estabelecidos para a variavel Acidez Titulavel. Contudo, como nao existem padroes estabelecidos em legislacao para a polpa de bacaba, os resultados encontrados estao de acordo com a literatura consultada.

Especificamente, pela quantificacao das pectinas totais, pode-se concluir que ambas as polpas apresentam baixas concentracoes deste componente, nao sendo indicadas para producao de doces e geleias sem adicao de agentes geleificantes.

Quanto aos compostos funcionais avaliados, os compostos fenolicos e as antocianinas mostraram comportamento no sentido da reducao para ambas as polpas. Contudo, considerando a totalidade dos componentes bioativos, ambas as polpas apresentam caracteristicas funcionais razoaveis durante os 5 dias de armazenamento refrigerado.

http://dx.doi.org/10.1590/0100-2945-148/14

REFERENCIAS

ABDILLE, M. H. et al. Antioxidant activity of the extracts from Dillenia indica fruits. Food Chemistry, Berlin, v.90, p.891-896, 2005.

ALEXANDRE, D.; CUNHA, R. L.; HUBINGER, M. D. Conservacao do acai pela tecnologia de obstaculos. Ciencia e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.24, n. 1, p.114-119, 2004.

ANUARIO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta, 2010. 129 p.

ASSIS, S. A.; LIMA, D. C.; OLIVEIRA, O.M. M. F. Activity of pectinmethylesterase, pectin content and vitamin C in acerola fruit at various stages of fruit development. Food Chemistry, Berlin, v.74, p.133-137, 2001.

AVELLO, M.; SUWALSKY, M. Radicales libres, antioxidantes naturales y mecanismos de proteccion. Atena, Parma, n.494, n. 2, p. 161-172, 2006.

BITTER, T.; MUIR, H. M. A modified uranic acid carbazole reaction. Analytical Chemistry, New York, v.34, p. 330-334, 1962.

BRASIL. Ministerio da Agricultura, Pecuaria e Abastecimento. Instrucao normativa no. 01, de 7 de janeiro de 2000. Regulamento tecnico geral para fixacao dos padroes de identidade e qualidade para suco de fruta. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, de 10 jan. 2000.

CANUTO, G. A. B. et al. Caracterizacao fisicoquimica de polpas de frutos da Amazonia e sua correlacao com a atividade antirradical livre. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 32, n. 4, p. 1198-1205, 2010.

CERQUEIRA, F. M.; MEDEIROS, M. H. G.; AUGUSTO, O. Antioxidantes dieteticos: controversias e perspectivas. Quimica Nova, Sao Paulo, v.30, n.2, p.441-449, 2007.

DIAS, D. R.; SCHWAN, R. F.; LIMA, L. C. O. Metodologia para fermentado de caja (Spondias mombin L). Ciencia e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.23, n.3, p.342-350, 2003.

FINCO, F. D. B. A.; KAMMERER, D. R.; CARLE, R.; TSENG, W.H. Antioxidant Activity and Characterization of Phenolic Compounds from Bacaba (Oenocarpus bacaba Mart.) Fruit by HPLC-DAD-MSn. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Washington, v.60, p. 7665-7673, 2010.

FRANCIS, F. J. Food colorants: anthocyanins. Food Sciencie and Nutrition, New Dehli, v. 28, n.4, p.273-314, 1982.

GUIMARAES, A. C. G. Potencial funcional e nutricional de farinhas de Jeriva (Syagrus romanzoffiana) e Bacaba (Oenocarpus bacaba). 2013. 115f. Dissertacao (Mestrado em Ciencia dos Alimentos)--Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2013.

IADEROZA, M.; BALDINI, V.L.S.; DRAETTA, S. E.; BOVI, M. L. A. Anthocyanins from fruits of acai (Euterpe oleracea Mart) and jucara (Euterpe edulis Mart). Tropical Science, London, v.32, p.41-46, 1992.

IAL--Instituto Adolfo Lutz. Metodos fisicoquimicos para analise de alimentos. 4. ed. Sao Paulo, 2008.)

ISHIGE, K.; SCHUBERT, D.; SAGARA, Y. Flavonoids protect neuronal cells from oxidative stress by three distinct mechanisms. Free Radical Biology & Medicine, New York, v.30, n.4, p.433-446, 2001.

KASHYAP, D. R.; VOHRA, P. K.; CHOPRA, S.; TEWARI, R. Applications of pectinases in the commercial sector: A review. Bioresource Technology, New York, v. 77, n. 3, p. 215-227, 2001.

KATSUBE, N.; IWASHITA, K.; TSUSHIDA, T.; YAMAKI, K,; KOBORI, M. et al. Induction of apoptosis in cancer cells by bilberry (Vaccinium mirtillus) and the anthocyanins. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Washington, v.51, n.1, p.68-75, 2003.

KUSKOSKI, E. M.; ASUERO, A. G.; MORALES, M. T.; FETT, R. Frutos tropicais silvestres e polpas de frutas congeladas: atividade antioxidante, polifenois e antocianinas. Ciencia Rural, Santa Maria, v.36, n.4, p.1283-1287, 2006.

MCCREADY, R. M.; MCCOOMB, E. A. Extraction and determination of total pectic materials in fruits. Analytical Chemistry, Washington, v.42, n.12, p.1586-1588, 1952.

MENEZES, E. M. S.; TORRES, A. T.; SRUR, A. U. S. Valor nutricional da polpa de acai (Euterpe oleracea Mart) liofilizada. Acta Amazonica, Manaus, v. 38, n. 2, p. 311-316, 2008.

NELSON, N. Photometric adaptation of the Somogyi method for determination of glucose. Journal of Biological Chemistry, Baltimore, v.153, n.2, p.375-380, 1944.

PIMENTA, C.J.; CHAGAS, S.J.R.; COSTA, L. Pectinas e enzimas pectinoliticas em cafe (coffea arabica l.) colhido em quatro estadios de maturacao. Ciencia e Agrotecnologia, Lavras, v.24, n.4, p.1079-1083, 2000.

PRASSANA, V; PRABHA, T.N.; THARANATHAN, R. N. Fruit ripening phenomena an overview. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, Boca Raton, v. 47, n.1, p. 1-19, 2007.

RIQUE, A. B. R.; SOARES, E. de A.; MEIRELLES, C. de M. Nutricao e exercicio na prevencao e controle das doencas cardiovasculares. Revista Brasileira de Medicina no Esporte, Sao Paulo, v.8, n.6, p. 244-254, 2002.

RUFINO, M. do S. M.; ALVES, R.E.; BRITO, E.; PEREZ--JIMENEZ, J.; SAURA-CALIXTO, F.; MANCINI-FILHO, J. Bioactive compounds and antioxidant capacities of 18 non-traditional tropical fruits from Brazil. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Washington, v.121, p. 996-1002, 2010.

SANTOS, G. M.; MAIA, G. A.; SOUSA, P. H. M.; COSTA, J. M. C.; FIGUEIREDO, R. W.; PRADO, G. M. Correlacao entre atividade antioxidante e compostos bioativos de polpas comerciais de acai (Euterpe oleracea Mart). Archivos Latinoamericanos de Nutricion, Caracas, v. 58, n.2, p.187-192, 2008.

SILVA, V. K. L.; FIGUEIREDO, R.W.; BRITO, E. S.; MAIA, G.A.; SOUSA, P. H. M.; FIGUEIREDO, E. A. T. Estabilidade da polpa do bacuri (Platonia insignis Mart.) congelada por 12 meses. Ciencia e Agrotecnologia, Lavras, v. 34, n. 5, p.1293-1300, 2010.

SOUSA, M. A. C.; YUYAMA, L. K. O.; AGUIAR, J. P. L; PANTOJA, L. Suco de acai (Euterpe oleracea Mart.): avaliacao microbiologica, tratamento termico e vida de prateleira. Acta Amazonica, Manaus, v.36, n.4, p.483-496, 2006.

SOUZA J. N. S. Caracterisation et quantification des anthocyanines du fruit de l'acayer (Euterpe oleracea). Louvain-la-Neuve: Univ. Catholique de Louvain, 2000. 72 p.

STOCLET, J. C.; CHATAIGNEAU, T.; NDIAYE, M.; OAK, M. H.; EL BEDOUI, J.; CHATAIGNEAU, M.; SCHINI-KERTH, V B. Vascular protection by dietary polyphenols. European Journal of Pharmacology, Amsterdam, v. 500, p. 299-313, 2004.

THAKUR, B. R.; SINGH, R. K.; HANDA, A.V Chemistry and uses of pectin--A Review. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, Boca Raton, v.37, n.1, p.47-73, 1997.

WANG, J.; MAZZA, G. Effects of anthocyanins and other phenolic compounds on the production of tumor necrosis factor alpha in LPS/IFN-gamma-activated RAW 264.7 macrophages. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Easton, v.50, p.4183-4189, 2002.

WETTASINGHE, M.; SHAHIDI, F. Evening primrose meal: a source of natural antioxidants and scavenger of hydrogen peroxide and oxygen-derived free radicals. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Easton, v.47, p.1801-1812, 1999.

LEANDRO TIMONIBUCHDID CAMARGO NEVES (2), DANIELA CAVALCANTE DOS SANTOS CAMPOS (3), JESSICA KELLEN SOUZA MENDES (4), CAIO OLIVEIRA URNHANI (5), KAIO GANDHI MATTOS DE ARAUJO (6)

(1) (Trabalho 148-14). Recebido em: 28-04-2014. Aceito para publicacao em : 09-10-2014.

(2) UFRR/CCA, Prof. Pos-doutor, bolsista CNPq, Depto. Fitotecnia, BR 174 Km 12, 69310-270 Boa Vista-RR. E-mail: rapelbtu@hotmail.com

(3) UFRR/Escola Agrotecnica, Doutoranda Rede Bionorte/Boa Vista-RR E-mail: daniela.campos@ufrr.br

(4) UFRR/Escola Agrotecnica, Doutoranda Rede Bionorte/Boa Vista-RR. E-mail: jessicaksm@hotmail.com

(5) UFRR/CCA, Eng. Agr., bolsista CNPq, Depto. Fitotecnia/Boa Vista-RR. E-mail: caiooliveiraurnhani@hotmail.com

(6) UFRR/CCA. Academico em Agronomia, bolsista CNPq. Depto de Fitotecnia, Boa Vista-RR. E-mail: kaiogandni@hotmail.com
TABELA 1--Valores de pH, acidez titulavel, solidos soluveis (SS) e
relacao Brix/AT das polpas dos frutos de acaizeiro e bacabeira
armazenadas em embalagem PET ao longo dos 5 dias de avaliacao.

                          Polpa de bacabaDias de armazenamento

Caracteristica        1         2        3       4       5

pH                  5,08a     5,35a    5,01a   5,07a   5,01a

AT (g de acido      2,80b     3,60a    1,27c   0,87c   1,07c
citrico.100
[g.sup.-1])

Solidos Soluveis    1,53a     1,40a    1,60a   1,53a   1,47a
([degrees]Brix)

Relacao             0,56b     0,39b    1,26a   1,80a   1,36a
[degrees]Brix/AT

                          Polpa de acai Dias de armazenamento

Caracteristica        1         2        3       4       5

ph                  4,91b     5,08c    4,95b   4,92b   4,80a

AT (g de acido      1,73a     1,80a    1,87a   2,27a   2,47a
citrico.100
[g.sup.-1])

Solidos Soluveis    4,0a,b   4,07a,b   4,27b   4,20b   3,60a
([degrees]Brix)

Relacao             2,36a     1,71a    2,43a   2,32a   1,61a
[degrees]Brix/AT

Medias seguidas da mesma letra minuscula na linha nao
diferem pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade.

TABELA 2--Valores de pectina total, pectina soluvel e acucar total das
polpas processadas dos frutos da bacabeira e do acaizeiro armazenadas
em embalagem PET ao longo de 5 dias de avaliacao.

                       Polpa de bacaba Dias de armazenamento

Caracteristica       1          2         3        4         5

Pectina total      0,134a     0,128a    0,126a   0,132a    0,126a
(%)

Pectina            0,104a     0,104a    0,092a   0,100a    0,098a
soluvel (%)

Acucar total       1,89a      1,88a     1,87a    1,89a     1,86a
(%)
                        Polpa de acai Dias de armazenamento

Caracteristica       1          2         3        4         5

Pectina total      0,118a     0,120a    0,122a   0,124a    0,118a
(%)

Pectina           0,056b,c   0,070b,c   0,090a   0,074b   0,060b,c
soluvel (%)

Acucar total       1,92a      1,92a     1,94a    1,86b     1,86a
(%)

Medias seguidas da mesma letra minuscula na linha nao diferem pelo
teste de Tukey, a 5% de probabilidade.
COPYRIGHT 2015 Sociedade Brasileira de Fruticultura
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Neves, Leandro Timonibuchdid Camargo; Campos, Daniela Cavalcante Dos Santos; Mendes, Jessica Kellen
Publication:Revista Brasileira de Fruticultura
Date:Sep 1, 2015
Words:4946
Previous Article:Production and characterization of atemoya pulp powder/Producao e caracterizacao da polpa de atemoia em po.
Next Article:Quince (Cydonia oblonga) in vitro plant root formation through an automated temporary immersion system, and its acclimation/Enraizamiento de...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters