Printer Friendly

Qualidade de cortes de suinos recebendo ractopamina na racao em diferentes programas alimentares.

Introdução

A crescente demanda do mercado por um produto de melhor qualidade tem direcionado as pesquisas no sentido de aumentar a quantidade de carne em detrimento da quantidade de gordura nas carcaças dos animais. Em suinocultura, o melhoramento genético tem impulsionado a produção nesse sentido, oferecendo atualmente um produto com melhor relação carne:gordura. No entanto, novas alternativas vêm sendo testadas com sucesso, dentre elas o uso da ractopamina na ração dos animais.

A melhora na qualidade da carcaça dos animais tem sido associada ao aumento da produtividade, uma vez que são ofertados produtos com maior aceitabilidade pelo mercado. Do ponto de vista da indústria, essa melhora também está ligada ao maior valor agregado aos produtos, aumentando, dessa forma, a lucratividade do setor como um todo.

Nesse sentido, uma das principais formas de agregar valor às carcaças suínas é explorar os cortes passíveis de serem obtidos. Por exemplo, a barriga resfriada (matéria-prima para o bacon) é um dos principais componentes da carcaça suína e contribui substancialmente para o valor total do suíno abatido (Mandigo, 2002). Ainda segundo esse autor, de um modo geral, o consumidor prefere carnes com menor quantidade de gordura, independentemente da forma de apresentação. Assim, os lipídios depositados em menores quantidades na carcaça podem transformar o corte em um alimento mais atraente, além de propiciar maior tempo de conservação do produto, em função da menor oxidação lipídica (Fernandes, 1995).

Dentro da nutrição, algumas alternativas podem diminuir a quantidade de gordura na carcaça e, ao mesmo tempo, aumentar a quantidade de carne. Uma alternativa é a restrição do consumo, pois melhora a eficiência alimentar e reduz a deposiçao de gordura na carcaça (Kloareg et al., 2005), principalmente na fase de terminação (Bee et al., 2007).

Outra forma que vem sendo bastante utilizada é o uso de agonistas ([béta]-adrenérgicos, como a ractopamina, que também reduz a quantidade de gordura (Rutz e Xavier, 1998) e aumenta a quantidade de carne magra na carcaça de suínos (Williams et al., 1994; Stoller et al., 2003). Crome et al. (1996) observaram que cortes de suínos tratados com ractopamina se tornam mais desejáveis uma vez que apresentam maior quantidade de carne e menor quantidade de gordura, quando comparados com o grupo-controle. Nesse sentido, pernis e lombos, por exemplo, podem trazer maior beneficio econômico. Da mesma forma, produtos industrializados como o presunto e o bacon poderiam ter maior aceitabilidade pelo mercado consumidor.

Tanto a restrição alimentar quanto a utilização de ractopamina vêm sendo bastante usadas pelas indústrias integradoras. No entanto, pouco se sabe sobre as características e composição dos diferentes cortes comerciais da carcaça de suínos submetidos à restrição alimentar associada ao uso da ractopamina.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da suplementação da ração de suínos em terminação com 5 ppm de ractopamina, associada à restrição alimentar, sobre a composição dos principais cortes comerciais.

Material e métodos

O experimento foi conduzido no Setor de Suinocultura do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras, em Lavras, região sul do Estado de Minas Gerais.

Foram utilizados 30 suínos machos castrados, híbridos, de linhagem selecionada para alta porcentagem de carne magra, procedentes de uma granja comercial. Os animais foram submetidos às dietas experimentais durante um período de 28 dias antes do abate. Foi utilizado um delineamento experimental em blocos casualizados (peso inicial dos animais), em esquema fatorial 2 x 2 + 1 (dois níveis de ractopamina -- com ou sem -- em raçoes com 1,03% de lisina total; duas formas de arraçoamento -- à vontade ou restrição de 15% -- e um tratamento adicional -- controle -- fornecido à vontade, sem ractopamina, contendo 0,8% de lisina total), totalizando cinco tratamentos e seis repetições. Os tratamentos do esquema fatorial tiveram o nível de lisina ajustado de acordo com Mitchell et al. (1991), os quais recomendam aumento desse aminoácido em 30% em rações, que contém ractopamina. Isso se justifica em decorrência da maior taxa de deposição proteica propiciada por essa substância. O tratamento adicional (controle) foi formuaado de acordo com as recomendações de Rostagno et al. (2005) para suínos machos castrados de alto potencial genético, para fms de comparação com rações-padrão, fornecidas à vontade. A parcela experimental consistiu de dois animais.

As dietas experimentais foram formuladas à base de milho e farelo de soja, suplementadas com vitaminas, minerais e aminoácidos, de forma a atender as exigências mínimas sugeridas por Rostagno et al. (2005), exceto para a lisina dos tratamentos do esquema fatorial. As rações experimentais estão apresentadas na Tabela 1.

Antes do abate, os animais foram submetidos ao jejum sólido por um período de 12h, após o qual foram pesados e abatidos com peso de 107,2 [+ ou -] 6,2 kg. Logo após a evisceração, as carcaças foram serradas longitudinalmente ao meio e pesadas. A meia carcaça esquerda de cada suíno foi resfriada a uma temperatura média de 4[degré]C durante 24h para posterior avaliação e obtenção dos cortes, os quais foram pesados e, em seguida, submetidos à dissecação, separando os tecidos cárneos, a gordura e os ossos por meio de dissecação. Todas mensurações foram feitas de acordo com o Método Brasileiro de Avaliação de Carcaça (ABCS, 1973). Das barrigas, foram também tomadas as medidas de espessura (Figura 1) e flexibilidade da barriga, esta última com a utilizadao de um cano de PVC de 7,6 cm sobre uma superfície vertical para medição (Figura 2).

As variáveis analisadas foram o peso do pernil, da paleta, da sobrepaleta, do carré e do filezinho, além da porcentagem de carne nestes cortes. Na barriga, foram avaliados o peso, a espessura média, a flexibilidade, a quantidade de carne, a quantidade de gordura e a relação carne:gordura.

As análises estatísticas foram realizadas utilizando-se o PROC GLM do pacote estatístico SAS (2001). Efetuou-se uma análise de variância global, com todos tratamentos, buscando-se obter o quadrado médio do resíduo para testar o fatorial e realizar o teste de Dunnet a 5%, comparando-se cada tratamento-controle a cada um dos demais tratamentos. O teste F foi utilizado para comparar os tratamentos no esquema fatorial.

[FIGURE 1 OMITTED]

[FIGURE 2 OMITTED]

Resultados e discussão

Os resultados do peso do pernil, da paleta, da sobrepaleta, do carré e do filezinho estão apresentados na Tabela 2. Não houve efeito da interação (p > 0,05) entre a suplementação de ractopamina e a forma de arraçoamento sobre o peso dos cortes da carcaça dos animais. Igualmente, não houve efeito da forma de arraçoamento sobre as variáveis estudadas (p > 0,05).

A ractopamina também não influenciou (p > 0,05) os pesos do pernil, da paleta, da sobrepaleta e do carré, resultados semelhantes aos obtidos por Budifio et al. (2005), que não encontraram efeito da ractopamina sobre o peso do pernil. Por outro lado, Carr et al. (2005) observaram pesos maiores do pernil e paleta para os animais tratados com ractopamina, enquanto que See et al. (2004), apenas para peso do pernil.

Foi observada melhora (p < 0,01) no peso do filezinho em torno de 14,1% nos animais que receberam rações suplementadas com ractopamina, em relação àquelas não- suplementadas contendo elevados teores de lisina. Resultado semelhante foi encontrado por Herr et al. (2001) que observaram aumento de 13,10% no peso deste corte. No entanto, See et al. (2004) não encontraram efeito significativo com o uso de ractopamina na ração de suínos em terminação.

Na Tabela 3, estão apresentados os resultados de percentagem de carne no pernil, na paleta, na sobrepaleta e no carré.

Não houve efeito da interação (p > 0,05) entre a suplementação de ractopamina e a forma de arraçoamento sobre a percentagem de carne dos cortes da carcaça dos animais.

O uso da ractopamina nas rações aumentou (p > 0,05) a percentagem de carne nos cortes avaliados, em relação às rações não-suplementadas com ractopamina contendo teores elevados de lisina. Neste trabalho, este aumento correspondeu, em média, a 6,4%. Comparado ao tratamento-testemunha, a percentagem de carne no pernil foi maior (p < 0,05) apenas para os animais suplementados com ractopamina associado à restrição alimentar, com aumento de 9,54%.

Silveira et al. (2005), suplementando rações para suínos em terminação com 5 ppm de ractopamina, observaram aumento na percentagem de carne do pernil, do carré e da paleta. Schinckel et al. (2003) e Carr et al. (2005) também observaram maior percentagem de carne nos principais cortes comerciais de suínos em terminação alimentados com rações suplementadas com ractopamina.

Um dos efeitos mais conhecidos da ractopamina em suínos é o incremento da massa muscular com aumento da quantidade de carne magra na carcaça (Marchant-Forde et al., 2003; See et al., 2004). Uma das explicações é que este composto liga-se aos receptores de membranas e dispara uma série de eventos que levam a aumento no diâmetro das fibras musculares, mais especificamente das fibras brancas e intermediárias (Aalhus et al., 1992).

De acordo com Grant et al. (1993), é provável que o aumento da síntese de proteína no músculo possa ser o resultado do aumento da expressão gênica das miofibrilas, observadas em suínos alimentados com ractopamina. De modo geral, estes resultados sugerem que os cortes de alto valor comercial, tanto para a industrialização quanto para o mercado de carne fresca, foram beneficiados com a adição da ractopamina, que certamente apresenta vantagens econômicas para o setor produtivo de carne suína.

Com relação à forma de arraçoamento, os animais submetidos à restrição alimentar apresentaram maior (p < 0,05) porcentagem de carne na paleta e no carré, comparados àqueles que receberam ração à vontade. A restrição no consumo tem sido associada à melhora na eficiência alimentar e redução na deposição de gordura na carcaça de uma forma geral (Kloareg et al., 2005). Segundo estes autores, o menor aporte energético fornecido pela dieta favorece menor deposição de lipídios corporais.

Este resultado mostrou-se bastante interessante, pois passa a ser informação importante para tomada de decisão quando se buscam carcaças mais magras, principalmente para as empresas integradoras que detém o sistema produtivo e industrial e que visam produzir animais com qualidade de matéria-prima para o atendimento das exigências do consumidor por produtos processados ou semi-elaborados com menor teor de gordura.

Na Tabela 4, estão apresentados os resultados de peso, espessura média e flexibilidade da barriga da carcaça de suínos em terminação. Não houve efeito da interação (p > 0,05) entre a suplementação de ractopamina e a forma de arraçoamento sobre estas variáveis.

O peso e espessura da barriga não diferiram (p > 0,05) entre os tratamentos. Com relação à flexibilidade da barriga, apenas a forma de arraçoamento influenciou (p < 0,05) esta variável, e os animais que receberam ração restrita apresentaram barrigas mais flexíveis. Do ponto de vista da indústria, carcaças mais flexíveis podem dificultar o processamento, principalmente na fatiagem do bacon.

Carr et al. (2005) encontram efeito significativo na flexibilidade da barriga fresca, com maiores valores observados em cortes obtidos de animais tratados com ractopamina; mas não observaram aumento do peso. Por outro lado, alguns trabalhos não observaram aumento do peso da barriga de animais tratados com ractopamina (Herr et al., 2001; See et al., 2004).

Na Tabela 5, estão apresentados os valores de quantidade de carne, quantidade de gordura e relação carne:gordura da barriga de suínos em terminação recebendo rações com ou sem suplementação de ractopamina, associada ou não à restrição alimentar.

Não houve efeito da interação (p > 0,05) entre a suplementação de ractopamina e a forma de arraçoamento sobre estas variáveis.

A quantidade de carne na barriga foi maior (p < 0,05) para os animais suplementados com ractopamina, comparado ao grupo de animais que não receberam ractopamina e ao grupo-testemunha. Numericamente, estes valores corresponderam a um aumento aproximado de 18%. Resultados semelhantes foram encontrados por Webster et al. (2001) que observaram que, em suínos alimentados com 5 ppm de ractopamina, a quantidade de gordura na barriga foi menor e a de carne foi maior, quando comparados a um tratamento-controle, sem a adição deste composto.

A quantidade de gordura na barriga não foi influenciada (p > 0,05) pela ractopamina, quando comparada aos animais sem suplementação com ractopamina na ração, mas foi menor (p < 0,05), quando comparada à testemunha. No entanto, a relação carne:gordura da barriga foi maior (p < 0,01) para os animais suplementados com ractopamina, comparados ao grupo de animais que não receberam ractopamina e ao grupo-testemunha, com aumento de 29,67 e 53,43%, respectivamente. Bark et al. (1992) observaram que a relação carne:gordura da barriga de suínos tratados com ractopamina foi muito maior quando comparada com tratamento-controle, com valores de relação carne:gordura de 2,32 e 1,035 para a ractopamina e controle, respectivamente.

Esses resultados confirmam o efeito da ractopamina no aumento da porcentagem de carne magra na carcaça dos suínos. A explicação fisiológica para esse resultado pode estar relacionada não só aos efeitos diretos da ractopamina no tecido adiposo, como também à alta mobilização de gordura para atender às exigências energéticas para deposição de tecido magro, visto que os animais estavam consumindo menos energia pelo fato de estarem submetidos ao regime de restrição alimentar.

Este resultado constitui uma informação importante para tomada de decisão quando se buscam carcaças mais magras, principalmente para as empresas integradoras que detêm o sistema produtivo e industrial e que visam produzir animais com qualidade de matéria-prima (carcaça) para o atendimento das exigências do consumidor de produtos processados ou semi-elaborados.

Conclusão

A porcentagem de carne dos principais cortes da carcaça suína aumenta quando os animais são suplementados com ractopamina, sem, no entanto, afetar o peso dos principais cortes, exceto o filezinho.

A restrição alimentar aumenta a percentagem de carne na paleta e carré da carcaça de suínos em terminação e dimmui a flexibilidade da barriga, independentemente da suplementação com ractopamina.

Received on August 31, 2007. Accepted on June 06, 2008.

Referências

ABCS-Associação Brasileira de Criadores de Suínos. Método brasileiro de classificação de carcaças. Estrela: ABCS, 1973. (Publicação técnica, 2).

AALHUS, J.L. et al. The effect of ractopamine on myofibre distribution and morphology and their relation to meat quality in swine. Meat Sci., Barking, v. 31, p. 97-409, 1992.

BARK, LJ. et al. Influence of genetic capacity for lean tissue growth on rate and efficiency of tissue accretion in pigs fed ractopamine. J. Anim. Sci., Champaign, v. 70, n. 11, p. 3391-3400, 1992.

BEE, G. et al. Changes in the histochemical properties and meat quality traits of porcine muscles during the growing-finishing period as affected by feed restriction, slaughter age, or slaughter weight. J. Anim. Sci., Champaign, v. 85, n. 4, p. 1030-1045. 2007.

BUDINO, RE.L. et al. Efeito da adição de diferentes níveis de fontes de cloridrato de ractopamina, sobre o desempenho e características de carcaça de suínos em terminação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE VETERINÁRIOS ESPECIALISTAS EM SUÍNOS, 12., 2005, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Abraves, 2005. p. 333-334.

CARR, S.N. et al. The effects of ractopamine hydrochloride on lean carcass yields and pork quality characteristics. J. Anim. Sci., Champaign, v. 83, n. 12, p. 2886-2893, 2005.

CROME, P.K. et al. Effect of ractopamine on growth performance, carcass composition, and cutting yields of pigs slaughtered at 107 and 125 kilograms. J. Anim. Sci., Champaign, v. 74, n. 4, p. 709-716, 1996.

FERNANDES, T. Utilização de beta-agonistas como estimuladores do crescimento em animais destinados à produção de carne. In: IPPA-Instituto de Protecção da Produção Agro-Alimentar. Utilização dos promotores de crescimento (beta-agonistas) em animais destinados à produção de carne. Lisboa: IPPA, 1995. p. 39-49.

GRANT, A.L. et al. Skeletal muscle growth and expression of skeletal muscle [alpha]-actin mRNA and insulin-like growth factor I mRNA in pigs during feeding and withdrawal of ractopamine. J. Anim. Sci., Champaign, v. 71, p. 3319-3326,1993.

HERR, C.T. et al. Effect of nutritional level while feeding ractopamine to late-finishing pigs. J. Anim. Sci., Champaign, v. 79, n. 2, p. 73, 2001.

KLOAREG, M. et al. Deposition of dietary fatty acids and of de novo synthesised fatty acids in growing pigs: effects of high ambient temperature and feeding restriction. Br. J. Nutr., Cambridge, v. 93, n. 6, p. 803-811, 2005.

MANDIGO, R.W. A new look at belly and bacon values. 2002. Disponível em: <http://www.national-hogfarmer.com/ar/farming_ value_ham_primals/index.htm>. Acesso em: 15 abr. 2002.

MARCHANT-FORDE, J.N. et al. The effects of ractopamine on the behavior and physiology of finishing pigs. J. Anim. Sci., Champaign, v. 81, p. 416-422, 2003.

MITCHELL, A.D. et al. Influence of level of dietary protein or energy on effects of ractopamine in finishing swine. J. Anim. Sci., Champaign, v. 69, n. 11, p. 4487-4495, 1991.

RENTFROW, G. et al. The influence of diets containing either conventional corn, conventional corn with choice white grease, high oil corn, or high oil high oleic corn on belly/bacon quality. Meat Sci., Barking, v. 64, p. 459-466, 2003.

ROSTAGNO, H.S. et al. Tabelas brasileiras para aves e suínos: composição de alimentos e exigências nutricionais. 2. ed. Viçosa: UFV, 2005.

RUTZ, F.; XAVIER, E.G. Agentes repartidores de energia para aves e suínos. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 36., 1998, Botucatu. Anais ... Botucatu: SBZ, 1998. p. 201-218.

SCHINCKEL, A.P. et al. Ractopamine treatment biases in the prediction of pork carcass composition. J. Anim. Sci., Champaign, v. 81, p. 16-28, 2003.

SEE, M.T. et al. Effect of a ractopamine feeding program on growth performance and carcass composition in finishing pigs. J. Anim. Sci., Champaign, v. 82, p. 2474-2480, 2004.

SILVEIRA, E.T.F. et al. The addition of ractopamine to the feed of light and heavy swine and its impacts on meat quantitative characteristics. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF MEAT SCIENCE & TECHNOLOGY, 51., 2005, Baltimore. Anais ... Baltimore: ICOMST, 2005. SAS-Statistical Analyses System. System for Microsoft Windows: release 8.2. Cary, 2001.

STOLLER, G.M. et al. The effect of feeding ractopamine (Paylean) on muscle quality and sensory characteristics in three diverse genetic lines of swine. J. Anim. Sci., Champaign, v. 81, p. 1508-1516, 2003.

WEBSTER, M.J. et al. Interactive effects between Paylean[TM] (Ractopamine RCl) and dietary lysine on pork quality, loin, belly, and ham composition. Swine Day, Kansas State University, p. 86-97, 2001.

WILLIAMS, N.H. et al. The impact of ractopamine, energy intake and dietary fat on finisher pig growth performance and carcass merit. J. Anim. Sci., Champaign, v. 72, p. 3152-3162, 1994.

Vinícius de Souza Cantarelli *, Márcio Gilberto Zangeronimo, Erin Caperuto de Almeida, Raquel Celidõnio Wolp, Leandro de Melo Pereira e Elias Tadeu Fialho

Departamento de Zootecnia, Universidade Federal de Lavras, Cx. Postal 3037, 37200-000, Lavras, Minas Gerais, Brasil. * Autor para correspondência. E-mail: viniciuscantarelli@yahoo.com.br
Tabela 1. Composição centesimal e calculada das dietas
experimentais.

Table 1. Percentage and calculated compositions of the
experimental diets.

Ingredientes (%)                           Dietas experimentais
Ingredients (%)                            Experimental diets

                                                   Com
                                              ractopamina e
                                             1,03% de lisina
                                                  total

                                                  With
                                             ractopamine and
                                           1.03% of total lysine

Milho                                             77,60
Corn

Farelo de soja                                    19,5
Soybean meal

Óleo de soja                                       0,65
Soybean oil

L-Lisine- HC1                                      0,315
L Lysine-HCL

Fosfato Bicálcico                                  0,8
Dicalcium phosphate

Calcáreo                                           0,57
Limestone

Sal comum                                          0,3
Salt

Premix Mineral (1)                                 0,1
Mineral mix

Premix vitamínico (2)                              0,1
Vitamin mix

Tylan 250 (3)                                      0,04
Tylan-250

Paylean (4)                                        0,025
Paylean

Composição calculada
Calculated composition

Proteína bruta (%)                                15,45
Crude protein (%)

Energia metabolizável (kcal [kg.sup.-1])          3260
Metabolizable energy (kcak [kg.sup.-1])

Lisina total (%)                                   1,03
Total lysine (%)

Lisina digestível (%)                              0,86
Digestible lysine (%)

Metionina digestível (%)                           0,231
Digestible Methionine (%)

Treonina digestível (%)                            0,504
Digestible Threonine (%)

Triptofano digestível (%)                          0,154
Digestible Tryptophan (%)

Fósforo disponível (%)                             0,245
Available phosphorus (%)

Cálcio (%)                                         0,485
Calcium (%)

Ractopamina (ppm)                                  5,00
Ractopamine (ppm)

Ingredientes (%)                           Dietas experimentais
Ingredients (%)                            Experimental diets

                                                   Sem
                                              ractopamina e
                                             1,03% de lisina
                                                  total

                                           Without ractopamine
                                           and 1.03% of total
                                                 lysine

Milho                                             77,62
Corn

Farelo de soja                                    19,5
Soybean meal

Óleo de soja                                       0,65
Soybean oil

L-Lisine- HC1                                      0,315
L Lysine-HCL

Fosfato Bicálcico                                  0,8
Dicalcium phosphate

Calcáreo                                           0,57
Limestone

Sal comum                                          0,3
Salt

Premix Mineral (1)                                 0,1
Mineral mix

Premix vitamínico (2)                              0,1
Vitamin mix

Tylan 250 (3)                                      0,04
Tylan-250

Paylean (4)                                        0,00
Paylean

Composição calculada
Calculated composition

Proteína bruta (%)                                15,45
Crude protein (%)

Energia metabolizável (kcal [kg.sup.-1])          3260
Metabolizable energy (kcak [kg.sup.-1])

Lisina total (%)                                   1,03
Total lysine (%)

Lisina digestível (%)                              0,86
Digestible lysine (%)

Metionina digestível (%)                           0,231
Digestible Methionine (%)

Treonina digestível (%)                            0,504
Digestible Threonine (%)

Triptofano digestível (%)                          0,154
Digestible Tryptophan (%)

Fósforo disponível (%)                             0,245
Available phosphorus (%)

Cálcio (%)                                         0,485
Calcium (%)

Ractopamina (ppm)                                  0,00
Ractopamine (ppm)

Ingredientes (%)                           Dietas experimentais
Ingredients (%)                            Experimental diets

                                                   Sem
                                              ractopamina e
                                             0,80% de lisina
                                                  total

                                           Without ractopamine
                                           and 0.80% of total
                                                 lysine

Milho                                             78,02
Corn

Farelo de soja                                     19,5
Soybean meal

Óleo de soja                                       0,50
Soybean oil

L-Lisine- HC1                                      0,073
L Lysine-HCL

Fosfato Bicálcico                                  0,8
Dicalcium phosphate

Calcáreo                                           0,57
Limestone

Sal comum                                          0,3
Salt

Premix Mineral (1)                                 0,1
Mineral mix

Premix vitamínico (2)                              0,1
Vitamin mix

Tylan 250 (3)                                      0,04
Tylan-250

Paylean (4)                                        0,00
Paylean

Composição calculada
Calculated composition

Proteína bruta (%)                                15,48
Crude protein (%)

Energia metabolizável (kcal [kg.sup.-1])          3260
Metabolizable energy (kcak [kg.sup.-1])

Lisina total (%)                                   0,80
Total lysine (%)

Lisina digestível (%)                              0,69
Digestible lysine (%)

Metionina digestível (%)                           0,232
Digestible Methionine (%)

Treonina digestível (%)                            0,505
Digestible Threonine (%)

Triptofano digestível (%)                          0,154
Digestible Tryptophan (%)

Fósforo disponível (%)                             0,245
Available phosphorus (%)

Cálcio (%)                                         0,485
Calcium (%)

Ractopamina (ppm)                                  0,00
Ractopamine (ppm)

(1) Composição por kg de produto: cálcio, 98.800 mg; cobalto, 185 mg;
cobre, 15,750 mg; ferro, 26.250 mg; iodo, 1.470 mg; manganês, 41.850
mg; zinco, 77.999 mg. (2) Composição por kg de produto: ácido fólico,
116,55 mg; ácido pantotênico, 2.333,5 mg; biotina, 5,28 mg; niacina,
5.600 mg; piridoxina, 175 mg; riboflavina, 933,3 mg; tiamina, 175 mg;
Vit. A, 1.225.000 U.I.; Vit. [D.sub.3], 315.000 U.I.; Vit. E, 1.400
mg; Vit. [K.sub.3],700 mg; Vit. [B.sub.12], 6.825 mg; selênio,
105 mg; antioxidante, 1.500 mg. (3) Antibiótico à base de tilosina
granulada. (4) Cloridrato de ractopamina.

(1) Composition/kg of product: calcium, 98.800 mg; cobalt, 185 mg;
copper, 15,750 mg; iron, 26.250 mg; iodine, 1.470 mg; manganese,
41.850 mg; zinc, 77.999 mg. (2) Composition/kg of product: folic acid,
116,55 mg; pantothenic acid, 2.333,5 mg; biotin, 5,28 mg; niacin,
5.600 mg; piridoxine, 175 mg; riboflavin, 933,3 mg; thiamin, 175 mg;
Vit. A, 1.225.000 U.I.; Vit. [D.sub.3], 315.000 U.I.; Vit. E, 1.400
mg; Vit. [K.sub.3], 700 mg; Vit. [B.sub.12], 6.825 mg; selenium,
105 mg; antioxidant, 1.500 mg. (3) Antibiotic based on granulated
tylosine. (4) Ractopamine chlorhydrate.

Tabela 2. Peso do pernil, paleta, sobrepaleta, carré e filezinho da
carcaça de suínos em terminação, alimentados com rações com ou
sem suplementação de 5 ppm de ractopamina, com ou sem
restrição alimentar durante 28 dias (n = 6) (1).

Table 2. Carcass ham, carcass shoulder, carcass boneless shoulder,
carcass bone-in loin and tenderloin weight of finishing swine fed
rations supplemented or not with 5 ppm of ractopamine, with or
without feed restriction for 28 days (n = 6) (1).

                           Forma de arraçoamento        Média (1)
                              Way of rationing            Mean

                          à vontade       restrito
                          ad libitum     restricted

                                  Pernil (kg)
                                     Ham

Com ractopamina             10,60          10,51         10,55
With ractopamine

Sem ractopamina             10,51          10,36         10,44
Without ractopamine

Média (1)                   10,55          10,44
Mean

Testemunha                  10,46
Control

CV (%)                       3,13

                                Paleta (kg)
                                 Shoulder

Com ractopamina             4,860          4,663         4,761
With ractopamine

Sem ractopamina             4,541          4,613         4,577
Without ractopamine

Média (1)                   4,700          4,638
Mean

Testemunha                  4,670
Control

CV (%)                       6,91

                              Sobrepaleta (kg)
                             Boneless shoulder

Com ractopamina             4,055          3,998         4,026
With ractopamine

Sem ractopamina             4,263          4,048         4,155
Without ractopamine

Média (1)                   4,159          4,023
Mean

Testemunha                  4,143
Control

CV (%)                       7,75

                                 Carré (kg)
                                Bone-in loin

Com ractopamina             8,568          8,193         8,380
With ractopamine

Sem ractopamina             8,260          7,885         8,072
Without ractopamine

Média (1)                   8,414          8,039
Mean

Testemunha                  8,268
Control

CV (%)                       6,36

                               Filezinho (kg)
                                 Tenderloin

Com ractopamina             0,493          0,496        0,494 A
With ractopamine

Sem ractopamina             0,425          0,442        0,433 B
Without ractopamine

Média (1)                   0,459          0,469
Mean

Testemunha                  0,434
Control

CV (%)                       9,18

Testemunha -- ração sem ractopamina, fornecida ad libitum e com 0,8%
de lisina total na dieta. (1) Médias seguidas de diferentes letras
na coluna diferem pelo teste F (p < 0,05).

Control -- ration without ractopamine, given ad libitum with 0.8%
of total lysine in the diet. (1) Means followed by different letters
in the column differ by F test (p < 0.05).

Tabela 3. Quantidade e percentagem de carne do pernil, paleta,
sobrepaleta e carré da carcaça de suínos em terminação,
alimentados com rações com ou sem ractopamina, com ou sem
restrição alimentar durante 28 dias (n = 6) (1).

Table 3. Quantity and percentage of meat in ham, shoulder, boneless
shoulder and bone-in loin of finishing swine fed rations supplemented
or not with 5 ppm of ractopamine, with or without feed restriction
for 28 days (n = 6) (1).

                          Forma de arraçoamento           Média (1)
                             Form of rationing              Mean

                          à vontade       restrito
                         ad libitum       restricted

                            Porcentagem de carne no pernil
                             Meat percentage in the ham(%)

Com ractopamina             69,43          72,77 *      71,22 A
With ractopamine

Sem ractopamina             68,06           69,13       68,52 B
Without ractopamine

Média (1)
Mean                        68,75           71,00

Testemunha                  66,43
Control

CV (%)                      4,78

                             Porcentagem de carne na paleta (%)
                              Meat percentage in the shoulder

Com ractopamina             62,80           64,46       63,42 A
With ractopamine

Sem ractopamina             59,46           61,53       60,71 B
Without ractopamine

Média (1)                  61,01 b         63,12 a
Mean

Testemunha                  61,00
Control

CV (%)                      3,65

                       Porcentagem de carne na sobrepaleta (%)
                       Meat percentage in the boneless shoulder

Com ractopamina             61,14           63,41       62,26 A
With ractopamine

Sem ractopamina             56,29           58,36       57,29 B
Without ractopamine

Média (1)                   58,67           60,89
Mean

Testemunha                  58,56
Control

CV (%)                      4,90

                           Porcentagem de carne no carré (%)
                          Meat percentage in the bone-in loin

Com ractopamina            55,92 *         57,05 *      56,34A
With ractopamine

Sem ractopamina             49,43           53,82       51,92 B
Without ractopamine

Média (1)                  52,53 b         55,73 a
Mean

Testemunha                  51,76
Control

CV (%)                      5,73

Testemunha -- ração sem ractopamina, fornecida ad libitum e com 0,8%
de lisina total na dieta. (1) Médias seguidas de diferentes letras
minúsculas na linha e maiúsculas na coluna diferem pelo teste F
(p < 0,05). * Diferem do tratamento testemunha pelo teste de Dunnet
(p < 0,05).

Control -- ration without ractopamine, given ad libitum with 0.8% of
total lysine in the diet. (1) Means followed by different lowercase
letters in the same row and capital letters in the same column differ
by F test (p < 0.05). * Differ from the control treatment by Dunnet
test (p < 0.05).

Tabela 4. Peso, espessura média e flexibilidade da barriga fresca
de suínos em terminação, alimentados com rações suplementadas
ou não com 5 ppm de ractopamina, com ou sem restrição
alimentar durante 28 dias (n = 6) (1).

Table 4. Weight, average thickness and flexibility fresh belly of
finishing swine fed rations supplemented or not with 5 ppm of
ractopamine, with or without feed restriction for 28 days
(n = 6) (1).

                       Forma de arraçoamento        Média (1)
                          Form of rationing           Mean

                       à vontade      restrito
                       ad libitum    restricted

                              Peso da barriga (kg)
                                  Belly weight

Com ractopamina          3,545         3,457         3,534
With ractopamine

Sem ractopamina          3,420         3,525         3,472
Without ractopamine

Média(1)                 3,482         3,524
Mean

Testemunha               3,505
Control

CV (%)                    8,24

                         Espessura média da barriga (cm)
                              Average belly thickness

Com ractopamina           3,67          3,51          3,59
With ractopamine

Sem ractopamina           3,62          3,43          3,52
Without ractopamine

Média(1)                  3,64          3,47
Mean

Testemunha                3,45
Control

CV (%)                    4,88

                           Flexibilidade da barriga (cm)
                                Belly flexibility

Com ractopamina          17,51         14,30         15,91
With ractopamine

Sem ractopamina          15,72         14,40         15,06
Without ractopamine

Média(1)
Mean                    16,61 a       14,35 b


Testemunha
Control                  14,97

CV (%)                   10,60

Testemunha -- ração sem ractopamina, fornecida ad libitum e com 0,8%
de lisina total na dieta. (1) Médias seguidas de diferentes letras
minúsculas na linha diferem pelo teste F (p < 0,05). * Diferem do
tratamento testemunha pelo teste de Dunnet (p < 0,05).

Control -- ration without ractopamine, given ad libitum with 0.8% of
total lysine in the diet. (1) Means followed by different lowercase
letters in the same row differ by F test (p < 0.05). * Differ from
the control treatment by Dunnet test (p < 0.05).

Tabela 5. Quantidade de carne, quantidade de gordura e relação
carne:gordura da barriga fresca de suínos em terminação,
alimentados com rações suplementadas ou não com 5 ppm de
ractopamina (ractopamina), com ou sem restrição alimentar
durante 28 dias (n = 6) (1).

Table 5. Meat and fat quantity and meat:fat ratio of the fresh
belly of finishing swine fed rations supplemented or not with 5
ppm of ractopamine (ractopamina), with or without feed
restriction for 28 days (n = 6) (1).

                        Forma de arraçoamento        Média (1)
                           Way of rationing            Mean

                       à vontade      restrito
                       ad libitum    restricted

                         Quantidade de carne na barriga (kg)
                            Quantity of meat in the belly

Com ractopamina          2,214         2,351 *       2,276 A
With ractopamine

Sem ractopamina          1,885          2,040        1,929 B
Without ractopamine

Média (1)                2,043          2,162
Mean

Testemunha               1,989
Control

CV (%)                   1,228

                       Quantidade de gordura na barriga (kg)
                            Quantity of fat in the belly

Com ractopamina          1,214 *        1,165 *       1,189
With ractopamine

Sem ractopamina          1,306          1,306         1,325
Without ractopamine

Média (1)                1,279          1,235
Mean

Testemunha               1,486
Control

CV (%)                   1,456

                          Relação carne:gordura da barriga
                             Meat:fat ratio in the belly

Com ractopamina           1,88 *        2,15 *        2,01 A
With ractopamine

Sem ractopamina           1,56          1,54         1,55 B
Without ractopamine

Média (1)                 1,72          1,84
Mean

Testemunha                1,31
Control

CV (%)                   16,34

Testemunha -- ração sem ractopamina, fornecida ad libitum e com 0,8%
de lisina total na dieta. (1) Médias seguidas de diferentes letras na
coluna diferem pelo teste F (p < 0,05). * Diferem do tratamento
testemunha pelo teste de Dunnet (p < 0,05).

Control--ration without ractopamine, given ad libitum with 0.8% of
total lysine in the diet. (1) Means followed by different letters in
the same column differ by F test (p < 0.05). * Differ from the control
treatment by Dunnet test (p < 0.05).
COPYRIGHT 2008 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2008 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Texto en Portuguese
Author:Souza Cantarelli, Vinícius de; Gilberto Zangeronimo, Márcio; Almeida, Erin Caperuto de; Celidônio Wo
Publication:Acta Scientiarum Animal Sciences (UEM)
Date:Apr 1, 2008
Words:5507
Previous Article:Inclusao da farinha de varredura de mandioca em racoes de frangos de corte.
Next Article:Consumo e comportamento ingestivo de caprinos e ovinos alimentados com palma gigante (Opuntia ficus-indica Mill) e palma orelha-de-elefante (Opuntia...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters