Printer Friendly

Psicologia positiva para promocao de saude em aposentados: estudo de viabilidade/Psicologia Positiva para la Promocion de Salud en Jubilados: estudio de Viabilidad/Positive Psychology Program for Health Promotion of Retirees: Feasibility Study.

O ajustamento a aposentadoria e tema que tem recebido grande atencao em estudos recentes, devido a tendencia mundial de envelhecimento populacional--reducao da natalidade e aumento da longevidade--, o que resulta em aumento de vida no periodo pos-aposentadoria (WHO, 2005). Por definicao, ajustamento a aposentadoria refere-se ao processo de melhor adaptar-se/acostumar-se com mudancas provenientes do encerramento de atividades laborais (van Solinge & Henkens, 2005). No caso de uma aposentadoria planejada, esta fase pode ser percebida com o aumento da satisfacao com a vida, possibilidades de (re)descobertas e vinculos sociais, e reconstituicao da identidade pessoal. Por outro lado, a aposentadoria pode resultar em consequencias negativas, como maior ansiedade, isolamento social, reducao do padrao de vida e autoestima (perceber-se inativo), inabilidade para gerenciar o tempo livre, falta de significado de vida, depressao e suicidio (Barbosa, Monteiro & Murta, 2016).

Neste sentido, recomendacoes da Organizacao Mundial da Saude (WHO, 2005) tem enfatizado, como elemento fundamental para a promocao e manutencao da saude, o investimento dos paises em politicas publicas e praticas que favorecam o envelhecimento ativo, ou seja, praticas que favorecam o processo de otimizacao de oportunidades/determinantes em saude, com o intuito de melhorar a qualidade de vida e superacao de adversidades, a medida que as pessoas envelhecem. Para isso, e necessaria a implementacao de programas em saude que atentem ao desenvolvimento, ou aperfeicoamento, de potencialidades e habilidades do individuo, tendo em vista a sua maior independencia, autonomia, participacao social e qualidade de vida (WHO, 2005).

Com relacao a estes aspectos, com base nos pilares da Psicologia Positiva, intervencoes recentes tem identificado variaveis tidas como fatores protetivos (forcas-virtudes de carater), que tendem a impactar positivamente, tanto na saude fisica, quanto mental (Seligman, 2002). Intervencoes psicologicas positivas incluem metodos de intervencoes ou atividades voltadas a fim de desenvolver processos cognitivos, emocionais e comportamentais positivos do individuo (Sin & Lyubomirsky, 2009). De acordo com dados recentes, intervencoes positivas tem demonstrado resultados satisfatorios para a mudanca de processos cognitivos, auxiliando em maior flexibilidade mental e resiliencia, melhora no bem-estar e saude, tanto de individuos com diagnostico clinico (depressao), quanto nao-clinico, o que sugere eficacia das intervencoes tambem para a reducao de sintomas depressivos (Seligman, 2002). Dados obtidos com mais de 17000 respondentes britanicos indicaram aumento linear de bem-estar de acordo com a faixa etaria dos participantes, ou seja, quanto mais avancada a idade, maiores os escores de bem-estar, alem de maiores beneficios derivados de intervencoes psicologicas positivas multicomponentes, quando comparados a grupo controle (sem intervencao), ou outras intervencoes para promover bem-estar (Sin & Lyubomirsky, 2009). De modo semelhante, algumas variaveis psicologicas mostram-se diretamente associados a maior bem-estar e saude geral em individuos com funcionamentos favoraveis frente a eventos altamente estressores. Entre estas variaveis esta o otimismo, relacionado a melhor resposta do sistema imunologico em situacoes de estresse alto e prolongado, e menor prevalencia de diagnostico psiquiatrico pos-trauma em veteranos de guerra (Segovia, Moore, Linnville, Hoyt & Hain, 2012). Alem disso, o significado que individuos atribuem a vida e trabalho, valores pro-sociais e empatia tem se mostrado fatores beneficos, com impactos expressivos na saude geral (Masten, 2007). Semelhantemente, a promocao da gratidao e do perdao tem ganhado espaco em programas atuais, com demonstrados efeitos, nao somente na prevencao de patologias psiquicas, mas tambem para a superacao de eventos traumaticos e seus impactos nocivos na saude fisica e emocional/mental (Snyder & Lopes, 2009). A exemplo de um programa multicomponente de Psicologia Positiva, direcionado a idosos no Chile (Cuadra-Peralta, Veloso-Besio, Puddu-Gallardo, Salgado-Garcia & Peralta-Montecinos, 2012), apos 11 sessoes sema-nais, incluindo as variaveis otimismo, gratidao e perdao, os resultados de avaliacao pre e pos teste indicaram reducao significativa na sintomatologia depressiva e aumento da satisfacao com a vida, somente para o grupo experimental (intervencao em Psicologia Positiva), quando comparado ao grupo controle ativo (praticas recreativas) e controle inativo (sem intervencao). Desse modo, o uso de praticas de intervencoes psicologicas positivas para publico-alvo com risco de desenvolver depressao e/ou relativamente idosos tem sido recomendado (Sin & Lyubomirsky, 2009). Porem, em termos praticos, a grande maioria dos programas implementados e publicados no Brasil carece de criterios sistematicos para a avaliacao de resultados, bem como de rigor metodologico experimental ou quase-experimental e estudos de seguimento (Mendes Lopes et al., 2013). Observa-se, tambem, escassez na literatura nacional sobre programas implementados que contemplem aspectos da Psicologia Positiva, em modelos de psicoeducacao para a saude, e que cumpram com rigor cientifico na implementacao e avaliacao de resultados (Reppold, Gurgel & Schiavon, 2015). Assim, sendo a saude considerada processo dinamico, multicausal e multidimensional, e tendo em vista a limitada gama de programas multicomponentes ofertados em ambito nacional, que visem promover recursos psicologicos (forcas-virtudes) em individuos aposentados, o objetivo deste estudo foi a avaliacao de viabilidade do Programa Vem Ser--programa de Psicologia Positiva para a promocao de saude em aposentados.

Descricao da intervencao: O Programa Vem Ser

O Programa Vem Ser propoe-se a intervir sobre diferentes forcas, com base na Psicologia Positiva (valores e autocuidado/prudencia, otimismo, empatia, gratidao, perdao e significado de vida e trabalho), distribuidos em seis sessoes que integram o programa. As forcas trabalhadas em cada sessao foram delimitadas de acordo com tematicas abordadas em programas de intervencao para a promocao de forcas, conduzidos na America Latina (Borges & Seidl, 2014; Cuadra-Peralta et al, 2012). O formato de seis sessoes, com periodicidade semanal de duas horas cada, totalizando 12 horas de programa, foi elaborado tendo em vista resultados de diferentes estudos avaliados em meta-analise, sobre intervencoes psicologicas positivas, em formato grupal, aplicada para adultos acima de 35 anos (Sin & Lyubomirsky, 2009). O programa esta apoiado em abordagens de Terapia Cognitivo Comportamental (TOO) (Knapp, 2004) para a promocao e educacao para a saude (Starr et al, 2015), e perspectivas da Psicologia Positiva (Seligman, 2002; Snyder & Lopes, 2009), como estrategia para alcancar um melhor estado de saude. A seguir, sao apresentadas resumidamente as sessoes, objetivos, variaveis trabalhadas, assim como atividades e abordagens da TOO utilizadas em cada sessao e ao longo do programa.

Sessao 1. Objetivo: discutir valores e autocuidado. Atividades da sessao: apresentacao da frase motivacional e debates. Dinamica grupal: confeccao do Painel de Valores. Dinamica individual: curtograma de saude e Protocolo de Autocuidado. Tecnica da sessao: escuta holossomatica. Tecnica da semana: preencher e implementar o Protocolo de Autocuidado. Abordagens cognitivo-comportamental utilizadas na sessao (A-TOO): psicoeducacao; resolucao de problemas; alvos comportamentais; programacao de atividades e tarefas graduais; ensaio comportamental; exercicio de respiracao e relaxamento; tarefa de casa.

Sessao 2. Objetivo: aprender sobre os beneficios do otimismo e como desenvolve-lo. Atividades da sessao: revisao da tarefa de casa; frase motivacional e debates; dinamica grupal 1: tecnica de Priming. Dinamica grupal 2: videos, interpretacao de problemas (estilo atribucional otimista versus pessimista); dinamica individual: projecao do 'Melhor Eu' e autoafirmacoes positivas. Tecnica da sessao: relaxamento com visualizacao. Tecnica da semana: autoafirmacoes positivas. A-TOO: psicoeducacao; resolucao de problemas; uso de cartao lembrete; visualizacoes positivas (Riskind, Sarampote & Mercier, 1996); ressignificacao; exercicio de respiracao e relaxamento; tarefa de casa.

Sessao 3. Objetivo: aprendersobre os beneficios da empatia e como desenvolve-la, Atividades da sessao: revisao da tarefa de casa; frase motivacional e debates; dinamica grupal 1: video 1 - diferenca entre empatia e simpatia. Dinamica grupal 2: confeccao da Arvore da Empatia.Dinamica grupal 3: objeto da fala; tecnica da sessao: tela mental: calcar o sapato do outro. Tecnica da semana: avaliacao sobre situacao-problema de outra pessoa. A-TOO: psicoeducacao; reatribuicao; ensaio cognitivo; treino da escuta ativa; treino de respiracao e relaxamento; tarefa de casa.

Sessao 4. Objetivo: aprender sobre os beneficios da gratidao e como desenvolve-la. Atividades da sessao: revisao da tarefa de casa; frase motivacional e debates; dinamica grupal 1: cv de suas conquistas. Dinamica grupal 2: lista de credores. Tecnica da sessao: tela mental: caixa de presentes. Tecnica da semana: diario da gratidao. A-TOO: psicoeducacao; role-play; ensaio cognitivo; registros de pensamentos funcionais; exercicio de respiracao e relaxamento; tarefa de casa.

Sessao 5. Objetivo: aprender sobre os beneficios do perdao e como desenvolve-lo; Atividades da sessao: revisao da tarefa de casa; frase motivacional e debates; dinamica grupal 1: balao surpresa; dinamica grupal 2: carta de perdao. Tecnica da sessao: tela mental: autoperdao. Tecnica da semana: tecnica para processar emocoes dificeis: Autoperdao. A-Tcc: psicoeducacao; tomada de decisao (vantagens versus desvantagens); ensaio cognitivo; narracao emocional de historias; exercicio de respiracao e relaxamento; tarefa de casa.

Sessao 6. Objetivo: refletir sobre o conceito de significados de vida e trabalho e como desenvolve-los. Atividades na sessao: revisao da tarefa de casa; frase motivacional e debates; dinamica individual 1: identificar as forcas pessoais--debates. Dinamica grupal 2: identificar seus significados; refletir sobre metas futuras atraves do uso de suas forcas; sintese dos aprendizados do programa; reaplicacao dos instrumentos de avaliacao (T2). A-Tcc: psicoeducacao; ressignificacao; tomada de decisoes; tracar metas futuras.

Abordagens Cognitivo-Comportamental utilizadas em todas as sessoes do programas: revisao do humor e tarefas; reforco positivo; psicoeducacao; avaliar distorcoes cognitivas; questionamento socratico e descobertas guiadas; questionamento das evidencias, ou comprovacao da realidade.

Metodo: delineamento

Trata-se de um estudo de viabilidade, com avaliacao pre/pos teste, e de processo de implementacao, para verificar o potencial da intervencao ser bem-sucedida e seguir para futuro estudo de eficacia. Os criterios de viabilidade analisados foram: demanda, aceitabilidade, avaliacao do moderador (habilidades sociais e integridade/fidelidade), adesao, dose, satisfacao com o programa e com o moderador, compreensao/generalizacao dos conteudos e Implementacao do programa. Para avaliacao destas variaveis, dados foram obtidos atraves de dois observadores presentes em cada sessao (estudantes de psicologia), que preencheram uma ficha de avaliacao;medida de avaliacao dos participantes, a partir de questionario com questoes em escala Likert questoes abertas; e diario de campo do moderador. A fidedignidade entre observadores--memberchecking--e triangulacao no processo de coleta dos dados foram introduzidos no delineamento para assegurar criterios de validade em pesquisa qualitativa (Whittemore, Chase & Mandle, 2001).

Participantes

Participaram da intervencao 11 individuos adultos, entre 54 e 75 anos (X= 69,6; DP=5,76), sendo que seis participantes eram colegas de grupo de servidores aposentados da universidade e tomaram conhecimento do programa atraves de convite feito ao grupo; tres ficaram sabendo atraves de divulgacao em jornal gratuito local; e duas souberam atraves de palestra realizada para grupo de terceira idade. Este tamanho de grupo se assemelha a intervencoes para a promocao de saude (Borges & Seidl, 2014; Cuadra-Peralta et al, 2012). Trata-se de amostra nao probabilistica (Shaughnessy, Zechmeister & Zechmeister, 2012). Os criterios de inclusao para compor a amostra foram: a) ser aposentado; b) ter no minimo Ensino Fundamental concluido; c) aceitar participar das avaliacoesem T1, T2 e T3. Tambem participaram tres observadores, que se alternaram nas sessoes, com a presenca de dois em cada uma. Os requisitos para os observadores foram: a) estudo teorico da literatura relevante na area; b) ter recebido treinamento sobre os procedimentos do programa e instrumentos de avaliacao; c) familiarizar-se com o roteiro/manual do programa (objetivos e procedimentos das sessoes); d) participar de reunioes periodicas para avaliar o andamento do programa. Esses criteriosestao de acordo com recomendacoes para ensaios de efetividade (APA, 2002; Gottfredson et al., 2015) e assegurar criterios de sensibilidade para maior qualidade metodologica (Whittemore et al., 2001).

Instrumentos

1. Questionario de admissao: semiestruturado com dados sociodemograficos e 12 questoes sobre os criterios de inclusao, dados laborais/de vida antes e apos aposentadoria, por exemplo: situacao conjugal, motivo da aposentadoria, participacao em algum programa ou treino de preparacao para aposentadoria, emprego/trabalho atual (remunerado ou nao), rede de apoio, e estado atual de saude, entre outros.

2. Diario de campo do moderador: para registros de observacoes, interpretacoes e inferencias ao longo e ao termino das sessoes. Os dados obtidos dao suporte aqueles compilados pelos observadores, para maior qualidade metodologica (Creswell, 2003).

3. Ficha de avaliacao dos observadores: cada sessao foi avaliada ao longo do programa, bem como a performance do(a) moderador(a), atraves de um questionario ad hoc, respondido pelos observadores. Este questionario foi elaborado com base em estudos previos para a avaliacao de efetividade de programas de intervencao (Murta et al, 2014; Wagner et al, 2016). O questionario inclui questoes sobre: habilidades sociais (cinco itens de 1 a 4) e integridade/fidelidade do(a) moderador(a) para com os processos na implementacao da intervencao (10 itens de 1 a 4); adesao dos participantes as dinamicas e tecnicas sugeridas durante as sessoes (nove itens de 1 a 5); dose (tres itens), com relacao aos participantes lembrarem, aplicarem e compreenderem os conteudos do programa; e tres questoes descritivas (acontecimentos significativos, temas emergentes e outras observacoes).

4. Medida de avaliacao do programa: para avaliar a satisfacao dos participantes com o programa, a clareza e compreensao dos conteudos abordados e a generalizacao do aprendizado por parte dos participantes, apos o termino do programa.

Esta contem nove perguntas de auto-relato e cinco questoes descritivas.

Procedimentos e consideracoes eticas

Foram seguidas as diretrizes e normas da Resolucao No 466, de 12 de dezembro de 2012, para regulamentacao etica em pesquisas com seres humanos (MS, 2012). A divulgacao do programa incluiu palestras em grupos de aposentados, folders em parques municipais, entrevista em radio universitaria, anuncios/folders e videos em redes sociais, e-mails para associacoes de servidores aposentados, e jornal gratuito (Jornal Bem-Estar, tiragem de 1500 exemplares) na regiao metropolitana de Porto Alegre--RS-Brasil. Os interessados que responderam ao convite para participar do programa foram submetidos a uma entrevista (30/40 minutos) e responderam ao questionario de admissao para investigar sua adequacao ao programa, de acordo com criterios de inclusao previamente definidos. Os participantes foram solicitados a preencher o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Apos a conclusao da ultima sessao do programa, os participantes responderam a Medida de Avaliacao do Programa. A aplicacao dos questionarios e da intervencao foi feita por diferentes pesquisadores, para evitar possivel contaminacao dos resultados, diminuir a ameaca a validade interna e reduzir os efeitos do experimentador (Creswell, 2003). Durante a implementacao do programa, o moderador foi avaliado para analise do processo de intervencao e para assegurar a fidelizacao da implementacao ao roteiro do programa. Para isso, dois observadores preencheram Ficha de Avaliacao das Sessoes, ao termino de cada sessao. Alem de servir como dados para analise de processo, esse procedimento tambem foi util para o aprimoramento do programa em estudos de replicacao futuros, maior controle sobre possivel vies metodologico (fidedignidade entre observadores) e assegurar credibilidade dos dados (Whittemore et al, 2001).

Resultados

Quanto aos dados sociodemograficos das participantes, o nivel de escolaridade variou entre: oito com Ensino Medio completo, uma com Superior incompleto, uma com Superior completo e uma com Pos-graduacao; situacao conjugal: duas eram casadas, duas divorciadas e duas separadas, quatro eram viuvas e uma com uniao estavel. Em media os participantes trabalharam durante 30 anos, e sua aposentadoria ocorreu ha 16 anos. Oito participantes se aposentaram por tempo de contribuicao, uma teve aposentadoria especial e duas por invalidez (AVC e Reumatismo). Todas as participantes percebem-se com apoio social; seis faziam uso continuo de medicamento psiquiatrico; cinco desempenhavam trabalho (remunerado ou nao), e/ou cuidavam de alguem; quatro ja receberam algum diagnostico de psicopatologia; tres receberam atendimento psicologico ou participaram de algum programa de saude no ultimo ano; e apenas uma participou de programa, treino, palestra, etc., de preparacao para aposentadoria.

Os resultados dos criterios de viabilidade foram: quanto a Demanda (N interessados=55): a partir da divulgacao por palestras em grupos de idosos (n=22); e-mail, folder e video para associacoes de servidores aposentados (n=19); anuncio em jornal gratuito (n=7); folders/panfletos em centros comunitarios/parques (n=3); entrevista na radio universitaria (n=2); apresentacao em congresso (n=2). Quanto a Aceitabilidade: dos 11 participantes selecionados para o estudo de viabilidade, 10 concluiram o programa (uma participante foi afastada por motivos de saude e realocada para o proximo grupo de intervencao). Considerando aqueles que concluiram o programa (n=10), o numero de presencas (n=53), superou satisfatoriamente o numero de faltas (n=7), sendo a frequencia geral do grupo 88.33%, com maior numero de faltantes (n=3) na Sessao 4 (temaGratidao). 44 interessados ficaram em lista de espera para os proximos grupos (estudo de eficacia).

O escore relativo a avaliacao do moderador foi calculado a partir da media dos escores atribuidos pelos observadores nas seis sessoes, no que se refere as Habilidades Sociais (cinco itens) e a Integridade/Fidelidade (10 itens) do moderador. Os escores dos itens relativos as habilidades sociais variaram entre 1 e 4(X= 3.93; DP=.40), e para integridade/fidelidade de 2 a 4 (X= 3.93; DP=.31). Quanto a Adesao (nove itens) dos participantes os escores dos observadores variaram de 4 a 5 (X= 4.90; DP=.29), e Dose (tres itens) de 3 a 5 (X= 4.53; DP=. 62). Foi ainda calculado o indice de consistencia inter-juizes (nivel intervalar), com Intra Class Correlations (ICCS), delineamento cruzado two-way (todas as questoes avaliadas por ambos os juizes), average measures (variacoes sistematicas nas colunas e confiabilidade das medias de escores), mixed effects, tipo consistency (concordancia linear), considerando-se os valores de correlacoes: <.40 = pouca concordancia;.40 < .59 = concordancia moderada;,60 < .74 = boa concordancia; e.75 < 1.0 = excelente concordancia (Hallgren, 2012), nas seguintes categorias: habilidades sociais do moderador (ICC=.752 [IC=.429-.919]); Integridade/fidelidade do moderador (ICC=.936 [IC=.854-.981]); Adesao dos participantes (ICC=.906 [IC=,783-.969]); e Dose (ICC=.354 [IC=-.892-.826]).

Quanto a satisfacao dos participantes com o programa e com o moderador, a variacao dos escores obtidos em escala de auto-relato de quatro pontos (1-Insatisfeito; 2-Regular; 3-Satisfeito; 4-Muito satisfeito), preenchida apos finalizacao do programa (T2), para as seguintes questoes, foram: 'Em geral, como se sentiu durante o programa?' escores entre 3 e 4 (X= 3.90; DP=.31); e escores entre 2 a 4 para os itens 'Qual a sua satisfacao global com o programa?' (X= 3.70; DP=. 67);' Qual a sua avaliacao do coordenador do grupo?' (X= 3.80; DP=.63); 'Qual a sua satisfacao com as aprendizagens no programa?' (X= 3.70; DP=.67); 'Qual a sua satisfacao com o tempo de duracao das sessoes?' (X= 3.60; DP=.69); 'Qual a sua satisfacao com o horario das sessoes?' (X= 3.60; DP=. 69); e escores entre 1 a 4 para o item 'Foi dificil assistir a todas as sessoes do programa?' (X= 1.90; DP=1.44). Com relacao a clareza e compreensao, e generalizacao dos conteudos do programa, os escores variaram entre 3 e 4 para os itens 'Entendeu os conteudos abordados durante as sessoes?' (X=3.50; DP=. 52), e 'Quanto voce aplicou na vida cotidiana os conteudos abordados no programa? (X=3.50; DP=.52). A partir da avaliacao do processo de Implementacao, considerando os registros dos observadores, as avaliacoes dos participantes e o diario de campo do moderador, foram introduzidas mudancas na estrutura do programa e em instrumentos de avaliacao, que estao descritas na tabela 1.

Discussao

O objetivo deste estudo foi a avaliacao de viabilidade de um programa de Psicologia Positiva para a promocao de saude em aposentados. Os resultados obtidos foram satisfatorios quanto aos diferentes criterios de viabilidade avaliados. Com relacao a alta demanda observada ja nas primeiras divulgacoes do programa, a ponto de gerar lista de espera para novos grupos, pode-se constatar interesse do publico-alvo em questoes relativas ao melhor estado de saude (aspectos de promocao de saude e nao somente reduzir doencas). Quanto a aceitabilidade, a taxa de retencao observada (permanencia, nao-desistencia) foi de 90,9%. Isto e algo a ser enfatizado, uma vez que dados na literatura sobre adesao ao tratamento e retencao de participantes, em modelos de programas de saude conduzidos em contexto internacional, variam entre 20-30% podendo chegar a 50% de perda de participantes ao longo do tratamento (Riekert, Ockene & Pbert, 2014). Cabe lembrar que programas implementados internacionalmente, relatam taxa de retencao considerada alta, sendo em torno de 80% (Moskowitz et al, 2011). Um dos possiveis fatores favorecedores de maior adesao e retencao dos participantes neste estudo, diz respeito ao processo de selecao da amostra per se. Estudos indicam que ha maior probabilidade de procura e retencao, quando a intervencao em saude e divulgada via membro familiar ao publico-alvo (alguem de referencia), ou seja, atraves de lideres comunitarios/de grupos, ou meios de comunicacao e profissionais de referencia para os receptores dos servicos (Glanz, Rimer & Viswanath, 2015). Uma vez que o processo de selecao neste estudo se deu a partir de contatos feitos com coordenadores de grupos/associacoes de idosos e aposentados, alem de gestores de parques comunitarios, os quais repassaram o convite aos participantes, ou ainda atraves de jornal/radio e meios de acesso confiaveis, este processo pode ter contribuido para maior aceitacao por parte do publico-alvo. Ademais, observou-se que a procura dos participantes foi ativa, ou seja, eles mesmos entraram em contato via telefone e agendaram a entrevista inicial, garantindo dessa forma um interesse genuino. Este aspecto e observado como ponto forte no delineamento deste programa, e esta em consonancia com perspectivas teoricas para o desenvolvimento mais assertivo de propostas de intervencoes em saude (Glanz et al, 2015).

Outro fator associado a alta retencao observada, pode estar relacionado a adequacao do processo de implementacao das sessoes do programa ao publico-alvo. Pesquisas em psicoterapia e programas de mudanca de comportamento sugerem que, entre os fatores que afetam a adesao aos programas de saude, estao aspectos cognitivos dos participantes, como capacidade de compreensao dos conteudos (literacia), barreiras linguisticas/de comunicacao (adaptacao de termos/jargoes tecnicos por parte dos profissionais de saude), alem de capacidade de lembrarem tarefas e recomendacoes feitas ao longo da intervencao (dose adequada de informacoes disponiveis, sem excesso [sobrecarga] ou carencia [ineficiencia] para atingir objetivos). Alem disso, habilidades sociais do moderador e demais membros da equipe tecnica, nivel de confianca estabelecida entre partes ao longo do tratamento, e possibilidade de escolhas/decisoes dos participantes na execucao de tarefas delimitadas (coparticipacao e responsabilizacao pessoal), implicam diretamente, tanto na adesao, quanto na retencao de participantes (Martin, Williams, Haskard & DiMatteo, 2005). Tendo em vista que todos estes aspectos foram cuidadosamente avaliados neste estudo, com devida capacitacao previa de equipe, conforme sugerido para boas praticas em saude (McCann, Ridgers, Carver, Thornton & Teychenne, 2013; Windosor, 2015), com altos indices de confiabilidade obtidos entre observadores para adesao dos participantes, e habilidades sociais e integridade/fidelidade do moderador, e tambem a partir de relatos dos proprios participantes (compreensao e generalizacao dos conteudos), estes cuidados podem ter influenciado no alto indice de retencao do programa.

Contudo, o mesmo nao pode ser aferido com relacao a variavel 'Dose', uma vez que os indices de confiabilidade entre juizes para esta variavel foi muito aquem do desejado. Uma das possiveis causas de desacordo entre juizes para este criterio de viabilidade, pode estar relacionado a adequacao dos itens escolhidos para caracterizar Dose. Dose diz respeito a quantidade de tratamento oferecido (numero/frequencia/duracao de sessoes) para surtir efeito de melhora na sintomatologia observada (Erekson, Lambert & Eggett, 2015). Dados de pesquisas internacionais sobre modelos de dose/efeito de psicoterapias indicam que o padrao de mudanca (clinicamente avaliado quantitativa e qualitativamente) esta diretamente relacionado a dose de tratamento oferecido, com maiores ganhos observados nas 10 primeiras sessoes para modelos Cognitivo-Comportamental (Erekson et al, 2015). Ja em contexto nacional, Dose tem sido considerada como a quantidade de conteudo assimilado e colocado em pratica pelos participantes, conforme disponibilizado na intervencao (dose fornecida), avaliada qualitativamente a partir de verbalizacoes de praticas, ou sobre o uso dos conteudos fornecidos no programa, registrados ao inicio de cada sessao (Murta et al, 2014). No presente estudo, Dose foi avaliada atraves de escala Likert (percepcao de dois observadores) e relatos dos proprios participantes, com relacao ao quanto eles compreendiam, lembravam e aplicavam em suas vidas os conteudos trabalhados nas sessoes. Assim, neste estudo foram, presumidamente, incluidos itens que dizem respeito a diferentes criterios, para alem de Dose especificamente. Tendo em vista estas diferencas conceituais e os resultados encontrados, que mostram uma fragilidade na avaliacao deste criterio de viabilidade (Dose), optou-se por retira-lo do delineamento de estudo futuro de eficacia do programa.

Ademais, o uso de formato multicomponentes (trabalhar diferentes forcas) e recursos didaticos multimetodos, isto e, com aplicacao de diferentes abordagens didaticas durante as sessoes (por ex., praticas de psicoeducacao, atividades individuais, dinamicas grupais, video-debates, tarefas de casa e tecnicas de relaxamento com musica, atraves da respiracao e imagistica), parecem ter contribuido para que o programa pudesse atingir de modo eficaz os objetivos propostos para cada sessao. Vale lembrar que a introducao de diferentes metodos para aprendizagem que possam beneficiar equivalentemente individuos, tendo em vista diferencas individuais e culturais na aquisicao de novos conhecimentos, e sugerida como pratica preferivel para melhores resultados nas intervencoes (Czerka & Mechlinska-Pauli, 2009; Gottfredson et al, 2015).

Alem disso, no que diz respeito a tentativa de adequacao de rigor metodologico de implementacao deste estudo, foi introduzida dupla triangulacao no delineamento da pesquisa. De acordo com Miles & Huberman (1994) validade interna em pesquisa qualitativa diz respeito aos dados transparecerem aquilo que de fato esta sendo avaliado e, para tanto, o metodo de triangulacao na coleta-analise de dados faz-se fundamental. No caso do presente estudo, foi utilizada triangulacao por 'metodo de coleta de dados', ou seja, diferentes meios de coleta (entrevista semiestruturada, observacoes, diario de campo, questionarios e auto-relatos dos participantes); e triangulacao porfonte de coleta dos dados', ou seja, dados coletados por diferentes pessoas (percepcoes dos participantes, observadores e do moderador), e em diferentes momentos--antes, durante e apos o programa, para reduzir vies no processo de coleta dos dados (Tobin & Begley, 2004). Ja para analise, incluiu-se fidedignidade entre observadores--memberchecking--conduzida por pesquisadores independentes, e posterior avaliacao por um terceiro pesquisador--expert checking--sendo todos estes aspectos destacados como pontos fortes deste estudo.

Quanto a satisfacao dos participantes com o programa e com o moderador, Clareza/Compreensao, e Generalizacao dos conteudos do programa, os dados obtidos em escala Likert de auto-relato dos participantes, dao subsidios para a continuidade do programa nesses moldes, em futuro estudo de eficacia. Cabe lembrar que o item de menor resultado foi com relacao a satisfacao dos participantes com o tempo de duracao das sessoes e do programa. Estes dados convergiram com relatos descritivos dos participantes (dados obtidos pelos observadores e diario de campo do moderador) obtidas durante as sessoes, e apos o termino do programa (questionario de auto-relato dos participantes), resultando na ampliacao do tempo das sessoes para estudos futuros do programa. Quanto a duracao do programa em si, pesquisas internacionais sobre modelos de intervencoes grupais indicam que doses pequenas de tratamento (em torno de seis sessoes) estao relacionadas a mudancas rapidas, enquanto que altas doses (tratamentos a longo prazo), estao relacionadas a padroes de mudancas lentas/graduais, no bem-estar e sintomatologia negativa/depressiva (Baldwin, Berkeljon, Atkins, Olsen & Nielsen, 2009). Assim, mesmo tendo sido sugerido pelos participantes maior tempo de duracao do programa (mais sessoes), dados empiricos sugerem que a dose de tratamento oferecida esta de acordo com aquelas disponibilizadas em intervencoes semelhantes para a promocao de saude e reducao de doencas (Baldwin et al, 2009), o que levou a manutencao do formato de seis sessoes semanais do programa.

Quanto ao processo de implementacao, foi acrescentado tempo de duracao das sessoes e tambem para a entrevista inicial, para atender as demandas dos participantes. Ademais, houve remocao do criterio de inclusao de "nao estar participando de outras intervencoes psicologicas", para assegurar maiores ganhos (nao-maleficencia), quando comparado aos riscos gerados aos participantes (neste caso, riscos indiretos pela nao possibilidade de participacao do programa, devido ao criterio de inclusao-exclusao previamente citado). Uma vez que quase 30% da amostra recebeu atendimento psicologico, ou participava de grupos de idosos e/ou atendimento psicologico, devido a problemas de saude, perdas familiares, questoes de renda e uso do tempo (solidao), a manutencao do criterio de inclusao mencionado representaria um fator impeditivo de participacao para esta parcela da amostra. Portanto, optou-se pela retirada deste criterio de inclusao, em consonancia com eticidade em pesquisas (MS, 2012). Alem disso, pequenos ajustes foram feitos para favorecer maior bem-estar aos participantes, buscando reduzir a probabilidade de desgaste/cansaco, favorecer um ambiente mais acolhedor e otimizar maior participacao, e subsequentes ganhos em saude advindos do programa. Finalmente, quanto aos ajustes tecnicos, houve adaptacao e remocao de itens da ficha de avaliacao das sessoes, utilizada pelos observadores, de modo a reduzir julgamentos ambiguos quanto aos criterios avaliados.

Como limitacao deste estudo, pode-se citar o local de aplicacao do programa (sala de aula de instituicao de ensino superior), que nao e representativo de um servico de atendimento para o publico-alvo. Estudos futuros com a intervencao poderiam incluir a divulgacao do programa em centros comunitarios e de saude com maior circulacao de pessoas da faixa etaria alvo, assim como utilizar metodos de divulgacao atrativos a populacao masculina. A adesao do publico masculino ao programa, aparece como desafio para ensaios futuros, tendo em vista a baixa procura desse estrato populacional nas primeiras divulgacoes do programa. Alem disso, sugere-se a inclusao de avaliacao de estudo de seguimento e grupo controle (metodo experimental ou quase-experimental), para analise de variaveis de resultado e respectivo tamanho de efeito. Essa estrategia dara maior precisao e robustez na afericao dos efeitos em diferentes indicadores de saude, a curto, medio e longo prazo (Shaughnessy et al, 2012). Ha necessidade, tambem, de capacitacao de novos membros de equipe, para a oferta do programa para outros grupos, em turnos intercalados e diferentes dias da semana, para garantir maior acesso, tendo em vista preferencias individuais e disponibilidade dos participantes. Assim, compreende-se que os resultados obtidos dao suporte ao cumprimento satisfatorio de diferentes criterios de viabilidade e indicam a necessidade de conduzir novos estudos de implementacao e avaliacao de resultados do programa. Sugere-se, portanto, a partir deste estudo de viabilidade, prosseguir com estudo de eficacia da intervencao, incluindo as adaptacoes sugeridas, bem como maior tamanho amostral para a constatacao de efeitos da intervencao em variaveis de interesse, como indicadores de saude do publico-alvo.

Referencias

American Psychological Association, APA (2002). Criteria for evaluating treatment guidelines. American Psychologist, 57, 1052-1059.

Baldwin, S. A., Berkeljon, A., Atkins, D. C., Olsen, J. A., & Nielsen, S. L. (2009). Rates of change in naturalistic psychotherapy: Contrasting dose-effect and good-enough level models of change. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 77(2), 203-211. Doi: 10.1037/a0015235

Barbosa, L. M., Monteiro, B., & Murta, S. G. (2016). Retirement adjustment predictors: A systematic review. Work, Aging and Retirement, 2(2), 262280. Doi: 10.1093/workar/waw008

Borges, L. M., & Seidl, F.E. M. (2014). Habitos saudaveis na velhice: efeitos de uma intervencao psicoeducativa com homens idosos. Psicologia, Saude&Doencas, 15(2), 468-481. Doi: 10.15309/14psd150211

Creswell, J. W. (2003). Qualitative, quantitative and mixed methods approaches. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Cuadra-Peralta, A., Veloso-Besio, C., Puddu-Gallardo, G., Salgado-Garcia, P., & Peralta-Montecinos, J. (2012). Impacto de un programa de psicologia positiva en sintomatologia depresiva y satisfaccion vital en adultos mayores. Psicologia: Reflexao e Critica, 25(4), 644-652. Doi:10.1590/s0102-79722012000400003

Czerka, E. & Mechlinska-Pauli, M. (2009). Teaching and learning in different cultures. An adult education perspective. Gdansk: Gdansk Higher School of Humanities Press.

Erekson, D. M., Lambert, M. J., & Eggett, D. L. (2015). The relationship between session frequency and psychotherapy outcome in a naturalistic setting. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 83(6), 1097-1107. Doi: 10.1037/a0039774

Glanz, K., Rimer, B.K., & Viswanath, K. (2015). Health behavior: theory, research, and practice. USA: Library of Congress Cataloging-in-Publication Data.

Gottfredson, D. C., Cook, T. D., Gardner, F. E. M., Gorman-Smith, D., Howe, G. W., Sandler, I. N., & Zafft, K. M. (2015). Standards of evidence for efficacy, effectiveness, and scale-up research in prevention science: next generation. Prevention Science, 16(7), 893-926. Doi:10.1007/s11121-015-0555-x

Hallgren, K.A. (2012). Computing inter-rater reliability for observational data: An overview and tutorial. Tutorials in QuantitativeMethods for Psychology, 8(1), 23-34.

Knapp, P. (2004). Terapia cognitivo-comportamental na pratica psiquiatrica. Sao Paulo: Artmed Editora.

Martin, L. R., Williams, S. L., Haskard, K. B., & DiMatteo, M. R. (2005). The challenge of patient adherence. Therapeutics and Clinical Risk Management, 1(3), 189-199.

Masten, A. S. (2007). Resilience in developing systems: progress and promise as the fourth wave rises. Development and Psychopathology, 19(03), 921-930. Doi: 10.1017/s0954579407000442

McCann, J., Ridgers, N. D., Carver, A., Thornton, L. E., & Teychenne, M. (2013). Effective recruitment and retention strategies in community health programs. Health Promotion Journal of Australia, 24(2), 104-110. Doi: 10.1071/he13042

Mendes Lopes, A. L., da Silva, S. A., Freitas Alvim de Castro, D., Bogus, C. M., & Fracolli, L. A. (2013). Avaliacao de programas, servicos e tecnologias na perspectiva da promocao da saude: uma reflexao teorica. Revista Brasileira em Promocao da Saude, 26(4), 590-594. Doi: 10.5020/18061230.2013

Miles, M. B., & Huberman, A. M. (1994). Qualitative data analysis. Thousand Oaks, CA: Sage.

Ministerio da Saude (MS), Conselho Nacional de Saude (2012). Resolucao No 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasilia, DF.

Moskowitz, J. T., Hult, J. R., Duncan, L. G., Cohn, M. A., Maurer, S., Bussolari, C., & Acree, M. (2011). A positive affect intervention for people experiencing health-related stress: Development and non-randomized pilot test. Journal of Health Psychology, 17(5), 676-692. Doi:10.1177/1359105311425275

Murta, S. G., Abreu, S., Franca, C. L., Pedralho, M., Seidl, J., Lira, N. de P. M.,... Gunther, I. de A. (2014). Preparacao para a aposentadoria: implantacao e avaliacao do programa Viva Mais! Psicologia: Reflexao e Critica, 27(1), 01-09. Doi: 10.1590/s0102-79722014000100001

Reppold, C. T., Gurgel, L. G., & Schiavon, C. C. (2015). Research in positive psychology: A systematic literature review. Psico-usF, 20(2), 275-285. Doi: 10.1590/1413-82712015200208

Riekert, K.A., Ockene, J.K., & Pbert, L. (2014). The handobook of health behavior change. New York: Springer Publishing Company, LLC.

Riskind, J. H., Sarampote, C. S., & Mercier, M. A. (1996). For every malady a sovereign cure: optimism training. Journal of Cognitive Psychotherapy. An International Quarterly, 10. 105-117.

Segovia, F., Moore, J. L., Linnville, S. E., Hoyt, R. E., & Hain, R. E. (2012). Optimism predicts resilience in repatriated prisoners of war: A 37-year longitudinal study. Journal of Traumatic Stress, 25(3), 330-336. Doi: 10.1002/jts.21691

Seligman, M. E. P. (2002). Positive psychology, positive prevention, and positive therapy. Em C. R. Snyder & S. J. Lopez (Eds.), Handbook of Positive Psychology (pp. 3-9). New York: Oxford University Press.

Shaughnessy, J. J., Zechmeister, E. B., & Zechmeister, J. S. (2012). Research methods in psychology. New York: McGraw Hill.

Sin, N. L., & Lyubomirsky, S. (2009). Enhancing well-being and alleviating depressive symptoms with positive psychology interventions: a practice-friendly meta-analysis. Journal of Clinical Psychology, 65(5), 467-487. Doi: 10.1002/jclp.20593

Snyder, C. R., & Lopes, S. J. (2009). Psicologia positiva: uma abordagem cientifica e pratica das qualidades humanas. Porto Alegre: Artmed.

van Solinge, H., & Henkens, K. (2005). Couples' adjustment to retirement: A multi-actor panel study. The Journals of Gerontology: Psychological Sciences and Social Sciences, 60B(1), S11-S20. Doi: http://doi.org/10.1093/geron-b/60.1.S11

Starr, S. R., Kautz, J. M., Sorita, A., Thompson, K. M., Reed, D. A., Porter, B. L.,... Ting, H. H. (2015). Quality improvement education for health professionals: a systematic review. American Journal of Medical Quality, 31(3), 209216. Doi:10.1177/1062860614566445

Tobin, G. A., & Begley, C. M. (2004). Methodological rigour within a qualitative framework. Journal of Advanced Nursing, 48(4), 388-396. Doi:10.1111/j.1365-2648.2004.03207.x

Wagner. A., Neumann, A.P., Mosmann, C., Levandowski, D.C., Falcke, D., Arpini, D.M., ... Scheeren, P. (2016). Viver a dois: compartilhando este desafio--programa psicoeducativo para casais. Sao Leopoldo: Editora Sinodal.

Windosor, R. A. (2015). Evaluation of health promotion and disease prevention programs: improving population health through evidence-based practice. Oxford: Oxford University Press.

Whittemore, R., Chase, S. K., & Mandle, C. L. (2001). Validity in qualitative research. Qualitative Health Research, 11, 522-537.

World Health Organization (WHO, 2005). Envel-hecimentoativo: umapolitica de saude / World Health Organization. Brasilia: Organizacao Pan-Americana da Saude, 2005.

Fecha de recebido: janeiro 05, 2018

Fecha de aprovado: outubro 15, 2018

Helen Durgante (*,**) Caroline Navarie e Sa (*) Debora DalboscoDell'Aglio (***)

(*) Programa de Pos-Graduacao em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS--Brasil.

(**) E-mail: helen.durga@gmail.com

(***) Programa de Pos-Graduacao em Educacao, Universidade La Salle, Canoas/RS--Brasil.

Doi: http://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.6375
Tabela 1
Mudancas introduzidas no programa a partir do Estudo de Viabilidade

Proposta Inicial                   Proposta final

Entrevista inicial: 0h40           Entrevista inicial: 1h
Sessoes 1 e 6 = 2h; demais         Todas as sessoes = 2h
= 1h30
Criterio de inclusao: 'Nao         Criterio removido, pois cerca de 1/3
estar participando de outras       da amostra estava em psicoterapia
intervencoes psicologicas'         Introduzido o auxilio de regua e/ou
Participantes completavam          leitura dos itens para o
o protocolo de avaliacao           preenchimento dos instrumentos
sem auxilio de regua e/ou
apoio de terceiros
Sem envio de Mensagens--lembrete   Introduzido o envio de lembretes
antes das sessoes                  (data/horario das sessoes)
Posicionamento dos obser-          Cantos direito e esquerdo da sala,
vadores: Cantos extremos,          mais proximos ao grupo
no fundo da sala
Questionario de admissao:          9 itens descritivos.Remocao de itens
Versao inicial contendo 12         sobre uso de medicamentos
itens descritivos                  controlados, diagnosticos de
                                   psicopatologias graves e
                                   disponibilidade para T2
Ficha dos observadores:            Adaptacao do item 1 sobre se os
Item 1 sobre como os               participantes estao todos bem;
participantes chegaram,            Remocao do item 7
e7 sobre o que esperam do
programa
Tres itens referentes a lem-       Itens 1, 2 e 3 removidos, devido a
brar, aplicar compreender          baixa consistencia inter-juizes
os conteudos das sessoes
COPYRIGHT 2019 Universidad del Rosario
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Durgante, Helen; Sa, Caroline Navarie e; Dalboscodell' Aglio, Debora
Publication:Avances en Psicologia Latinoamericana
Date:Jul 1, 2019
Words:7085
Previous Article:The Human Coping Process in the Context of Organizational Change/El proceso de afrontamiento en el contexto de cambio organizacional O processo de...
Next Article:Using the Theory of Planned Behavior to Explain Cycling Behavior/Aplicacion de la Teoria del Comportamiento Planificado para explicar el uso de...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters