Printer Friendly

Previsao da demanda de materiais na terapia renal substitutive--hemodialise, do Hospital Sao Jose do Avai, Itaperuna-RJ.

1--Introducao

As empresas em geral, sendo elas prestadoras de servicos ou as que produzem bens de consumo, possuem uma enorme preocupacao com o otimo atendimento aos seus clientes, principalmente quando o servico e voltado para o bem estar da populacao, como e o caso da prestacao de atendimentos aos pacientes portadores de insuficiencia renal cronica em uma Clinica de Nefrologia. Tal preocupacao, objetiva manter a qualidade de seus servicos principalmente por se tratar de acoes voltadas a saude dos pacientes.

Os materiais a serem utilizados em um atendimento dentro de uma Clinica de Hemodialise sao de extrema importancia, todavia, nosso estudo pretende demonstrar a utilizacao da previsao de demanda de materiais na clinica, baseando-se na premissa de que em um ambiente de saude e inadmissivel deixar de atender seus pacientes por falta de material.

Mediante o conhecimento previo dos produtos utilizados no processo de Hemodialise na Clinica de Nefrologia do Hospital Sao Jose do Avai, nos permite analisar os dados historicos nos periodos semestrais (julho a dezembro de 2013 e janeiro a junho de 2013) referentes aos materiais utilizados em todo o processo de prestacao de atendimentos aos pacientes da clinica.

A Clinica de Nefrologia do Hospital Sao Jose do Avai, possui um total de 155 pacientes na terapia renal substitutiva--hemodialise, sendo 144 pacientes assistidos pelo Sistema Unico de Saude--SUS e 11 pacientes sao por convenio particular. A sessao de hemodialise tem a durabilidade de 4 horas e realizadas 3 vezes por semana, totalizando 1860 sessoes por mes.

A partir do historico dos dados analisados, torna-se possivel aplicar a teoria da previsao de demanda de materiais para consequentemente poder comparar / identificar a precisao entre a previsao e o que de fato foi utilizado pela clinica.

Mesmo sabendo que nao e possivel prever uma previsao 100% correta, a previsao faz parte de um longo e complexo planejamento. (FLEURY; WANKE; FIGUEIREDO, 2003). Com a utilizacao de um metodo adequado este estudo podera auxiliar no momento da tomada de decisao pelo gestor.

Indiscutivelmente, as previsoes fazem parte do planejamento do negocio das empresas. E no planejamento que se projeta os cursos de acoes futuras com base em estimativas das necessidades de recursos. Estimar a demanda futura de bens e servicos e condicao essencial para a elaboracao de um plano de trabalho que inclui o dimensionamento das capacidades envolvidas com a definicao de equipamentos, dos recursos financeiros, da disponibilidade de mao de obra e da quantidade de materiais necessarios para a producao de bens e servicos (GONCALVES, 2004).

O planejamento da producao tem a previsao da demanda como um dos seus principais subsidios. A previsao tem a funcao de fornecer informacoes sobre a demanda futura dos produtos para que a producao possa ser planejada com antecedencia, permitindo que os recursos produtivos estejam disponiveis na quantidade, momento e qualidade adequada (QUEIROZ e CAVALHEIRO, 2003).

Formada as bases de conhecimentos, atraves de dados historicos e levando em consideracao algumas sazonalidades, a empresa tera subsidios suficientes que, possivelmente, afetarao na decisao de adotar tais procedimentos a fim de se obter um quantitativo de materiais, para que os atendimentos aos pacientes nao sejam prejudicados por falta de alguns itens pertencentes ao processo.

No que se refere ao tratamento abordado por esse estudo, a sazonalidade apresenta-se minimizada, uma vez que os procedimentos sao agendados e controlados devido ao fato de ser uma clinica especializada.

Diante dessa realidade, pretende-se utilizar o metodo de media movel e a escolha de uma hipotese de comportamento dos dados de permanencia.

Alem da coleta de dados historicos, e relevante considerar informacoes que expliquem comportamentos da demanda dos materiais utilizados, tais como: dados variados correlacionados aos comportamentos passados, a situacao atual e a opiniao e informacoes sobre as decisoes dos gestores no ambiente pesquisado para a conclusao do trabalho.

A estrutura deste artigo se constitui da seguinte forma: a secao 2, 3 e 4 corresponde a revisao de literatura dos assuntos abordados neste trabalho; a secao 5 mostra a analise dos resultados e a secao 6 apresenta as conclusoes.

1.1--O Processo de Previsao

Para Morettin e Toloi (2006) os procedimentos de previsao que sao utilizados na pratica variam muito, podendo ser simples e intuitivos ou mais quantitativos e complexos, sendo que, no primeiro caso, pouca ou nenhuma analise de dados e envolvida, enquanto no segundo caso essa analise pode ser consideravel. Um modelo de previsao pode envolver um ou mais metodos compativeis com as hipoteses sobre o futuro e o tipo de informacao utilizado. Os resultados de um modelo sao demandas previstas no horizonte de tempo desejado, e, por mais sofisticados que sejam os metodos, nao dispensam interpretacao por parte de quem ira utiliza-las para tomar decisoes. As previsoes devem ser acompanhadas para ver se as hipoteses se confirmam ou nao.

Qualquer processo de planejamento sofre em virtude dos erros de previsao. As incertezas das previsoes e os erros correspondentes provem de duas fontes distintas: a primeira delas corresponde ao proprio mercado que, dada sua natureza, pode ser bastante instavel e de baixa previsibilidade, sendo, normalmente, a responsavel por boa parte dos erros, a segunda corresponde ao sistema de previsao que, com base em informacoes coletadas no mercado e em dados historicos, gera uma informacao que pretende antecipar a demanda futura, informacao essa que pode conter incertezas em virtude da propria eficacia do sistema de previsao e por isso merece preocupacao a fim de se obter a qualidade do sistema de previsao (CORREA et al. 2012).

Ballou, 2006, ainda destaca a grande importancia o processo de previsao de demanda para qualquer tipo de empresas relacionado as decisoes primarias de todo o seu planejamento e controle em geral das funcionalidades das organizacoes. Os volumes de demanda e os momentos em que ocorrerao, afetam fundamentalmente os indices de capacidade, as necessidades financeiras e a estrutura geral de qualquer negocio.

1.2--Media Movel

Correa et al., 2012 sintetiza e define a media movel como uma tecnica baseada numa continuacao do passado.

Para previsoes de curto prazo (ate quatro meses), normalmente utiliza-se a hipotese de que o futuro seja uma continuacao do passado, ao menos do passado recente, ou seja, as mesmas tendencias de crescimento ou declinio observadas no passado devem permanecer no futuro, assim como a sazonalidade ou ciclicidade. A tecnica entao geralmente utilizada e a de projecao, denominados modelos temporais. Essa denominacao vem do fato de se fazer uma correlacao entre as vendas/consumos passados e o tempo, projetando-se entao um comportamento similar para o tempo futuro (CORREA et al., 2012).

A Media Movel se caracteriza por oferecer uma tecnica simples de suavizacao exponencial de series temporais, onde e calculada uma media aritmetica ou ponderada das n ocorrencias mais recentes do periodo observado, nao levando em consideracao as observacoes mais antigas.

O numero de observacoes em cada media permanece constante e e determinado de tal forma que os efeitos de sazonalidade ou aleatoriedade, ou ambos, sao eliminados. As medias movem-se atraves da serie temporal ate o componente de media estar computado para cada periodo i da serie temporal. As previsoes para periodos posteriores a ultima observacao da serie temporal serao iguais ao valor da ultima media calculada (MAKRIDAKIS; WHEEL WRIGHT; HYNDMAN, 1998).

Ainda segundo Correa et al. (2012) os modelos de media movel assumem relevancia, quando se adotam hipoteses de permanencia, outrossim, sem que se percebam aumentos ou decrescimos constantes nas vendas no futuro. Nesse momento, assume-se que as variacoes dos materiais reais sao aleatorias e simetricas em relacao a media, todavia, busca-se por meio desse modelo, suavizar essas variacoes, de modo que a melhor previsao das vendas no proximo periodo (Pt) e a media dos ultimos N valores dos passados, conforme mostra a equacao 1.

Equacao 1 Pt = [V.sub.t - 1] + [V.sub.t - 2] + [V.sub.t - 3] + ... + [V.sub.t - N]/N

Moreira 2001, tambem afirma que o metodo da media movel simples, pode ser utilizado para estimar a media de uma serie temporal, calculando a media para N periodos de tempos mais recentes.

1.3--Processo de Hemodialise

A hemodialise e um processo mecanico de Terapia de Substituicao Renal que tem por objetivo remover substancias toxicas e o excesso de liquido que se acumulam em virtude da falencia renal. Inicialmente a hemodialise era indicada apenas para pacientes com Insuficiencia Renal Aguda (IRA), para mante-los vivos ate a recuperacao da funcao renal. Hoje, com os avancos tecnologicos na fabricacao das maquinas de dialise e dialisadores e, principalmente, com o desenvolvimento de novas tecnicas cirurgicas de acesso vascular (shunt arteriovenoso), mais de um milhao de pessoas se beneficiam da terapia renal substitutiva na ausencia de um orgao vital como o rim, segundo informacoes da Liga Academica de Nefrologia da EBMSP (LIAN-EBMSP).

A insuficiencia renal cronica (IRC), devido aos aspectos fisiopatologicos, psicologicos e socioeconomicos, representa um problema de saude publica (RODRIGUES 2005). Caracteriza-se pela perda de funcao renal irreversivel exigindo tratamento substitutivo como condicao unica para manutencao da vida, segundo Wilhelm D (2005).

O shunt arteriovenoso e um procedimento cirurgico que consiste na ligacao entre uma veia e uma arteria. O efeito desejado e um processo conhecido como arterializacao da veia que vai permitir um maior fluxo sanguineo no local de acesso alem de aumentar a meia-vida do local de puncao. A partir da utilizacao desta tecnica, a hemodialise deixou de ser utilizada apenas como um procedimento de urgencia e agora e feito de forma cronica e constante, geralmente durante quatro horas ao dia, tres vezes por semana, a depender da indicacao de cada paciente.

Abaixo se destaca o fluxograma da analise de um processo de hemodialise:

O momento adequado para iniciar a hemodialise eletivamente ainda e controverso, mas existem tres criterios que norteiam um pouco essa decisao, sao eles: o nivel de deterioracao da funcao renal, o estado nutricional do paciente e o surgimento de sinais e sintomas uremicos. Muitas vezes, esses criterios se sobrepoem. As principais complicacoes na dialise sao desequilibrio, hipotensao e caimbras, entretanto esses efeitos estao relacionados, principalmente, aos "objetivos fisiologicos da dialise", e podem ser contornados a partir de uma dialise mais lenta. A hipotensao nao deve ser negligenciada e pode ser evitada com o uso de maquinas com controle de ultra filtracao, a reavaliacao frequente do "peso seco" e evitando-se o uso de anti-hipertensivos imediatamente antes da sessao de dialise.

2--Resultados e discussao

As atividades da clinica iniciaram em 1980, onde sao composta por tres medicos nefrologistas, tres enfermeiros, 28 tecnicos em enfermagem, quatro profissionais especialistas em higienizacao, uma secretaria e um recepcionista, onde possuem 34 maquinas para uso no processo de Hemodialise na sala branca--pacientes nao portadores de hepatite e HIV e uma sala amarela--portadores de HBS[Ag.sup.+] e hepatite B, com otimas condicoes fisicas. A clinica funciona das 6h30min as 18h30min nas tercas, quintas e sabados e 6h30min as 20h30min nas segundas, quartas e sextas feiras, sendo tres turnos de atendimentos aos pacientes.

Conforme informacoes disponibilizadas pelos profissionais responsaveis pela Clinica de Nefrologia do Hospital Sao Jose do Avai, a aquisicao dos materiais para uso no processo de Hemodialise dos pacientes sao bastantes constantes devido ao numero fixo de atendimentos, onde a sazonalidade e praticamente zero, ilustrado na Tabela 2 e 3.

Mesmo assim o setor mantem sempre um estoque pequeno por seguranca, por volta de 10%, onde as solicitacoes de materiais sao realizadas quatro vezes por semana ao setor de compras. Todos os relatorios de pedidos sao preenchidos baseados nos materiais existentes na Clinica, tendo de analisar todos os itens disponiveis no setor.

De acordo dos niveis de flutuacoes dos materiais destacados nas tabelas 2 e 3, identificamos que 50% possuem caracteristicas totalmente estaveis quanto ao numero de utilizacao, assim desprezamos a utilizacao e necessidade da previsao de demanda destes itens.

Nos demais itens foram aplicados o conceito da media movel, para analisarmos as respectivas ocorrencias, tambem comparando os indices de significancia entre o previsto para o primeiro semestre de 2013, previsao esta, extraida do segundo semestre de 2012, como tambem a observacao do coeficiente de variacao entre os resultados obtidos entre as previsoes.

Aplicando os conceitos da previsao de demanda dos materiais sob a media movel, confirmamos os resultados com a total caracteristica de permanencia significativa entre as medias previstas, onde o coeficiente de variacao e muito baixo entre os meses previstos, conforme afirma MARTINS e LAUGENI, 2002, "Esses metodos baseiam-se na hipotese de que o padrao anterior da variavel dependente persistira no futuro, ou seja, os pressupostos mais importantes que explicam o passado".

O grafico 2 ilustra a evolucao de uns dos materiais que nao apresenta uma permanencia constante absoluta, mas em relacao a media demonstra uma constante aceitavel.

A tabela 4 sugere a previsao da demanda dos materiais a serem utilizados para o mes seguinte, extraidas pelas medias moveis divididas em tres, quatro e seis meses.

3--Conclusao

Podemos concluir e confirmar a aplicacao dos conceitos de medias moveis na utilizacao de previsoes baseadas em dados historicos a curtos prazos sob a hipotese de permanencia. Conforme identificamos inicialmente, a Clinica de Nefrologia do Hospital Sao Jose do Avai, demonstra uma demanda de utilizacao de materiais com poucas variacoes devido ao numero de atendimento ser limitado e onde 50% desses materiais sao de utilizacoes totalmente constantes. Os resultados apresentados na tabela 4 confirmaram esta aplicabilidade da previsao de demanda futura por media movel.

Oportunamente, baseado na afirmacao de Dias (1990), que a previsao de demanda e o ponto inicial e primordial no planejamento de qualquer empresa, sugerimos a Clinica a utilizacao dos arquivos em planilhas eletronicas para utilizacao no dia a dia nas acoes de organizacao e controle dos materiais uteis no processo de Hemodialise, de modo que possam manter um controle mais eficiente.

4--Agradecimentos

Gostariamos de agradecer ao Hospital Sao Jose de Avai por permitir a realizacao deste estudo em suas dependencias, incentivando e colaborando com as pesquisas e em especial do Medico Nefrologista Humberto Ladeira da Costa e a Enfermeira Edineth Vargas Rosestolato Hoffmann que, com muita atencao e presteza nos auxiliaram na Clinica de Nefrologia.

5--Referencias

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logistica empresarial. 5 a ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BASTOS MG, Carmo WB, Abrita RR, Almeida EC, Mafra D, Costa DMN, et al. Doenca renal cronica: problemas e solucoes. J Bras Nefrol. 2004; 26(4): 202-15.

BREGMAN R. Prevencao da progressao da doenca renal cronica. J Bras Nefrol. 2004; 26:11-3.

CORREA, Henrique L. 1960--Planejamento, programacao e controle da producao: MRP II / ERP: conceitos, uso e implantacao: base para SAP, Oracle Applications e outros softwares integrados de gestao--Henrique L. Correa, IRINEU G. N. Gianesi, MAURO Caon.--5. ed.-6. reimpr.--Sao Paulo: Atlas, 2012.

DIAS, M. A. P. Administracao de materiais: uma abordagem logistica. Sao Paulo: Atlas, 1990.

FLEURY, P. F.; WANKE, P.; FIGUEIREDO, K. F. Logistica e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. Sao Paulo: Atlas, 2003.

GONCALVES, P. S.. Administracao de Materiais. 2 ed. Rio de Janeiro: Elseiver, 2004. Liga academica de Nefrologia (Escola Bahia de Medicina e Saude Publica) disponivel no link: http://www.lian-ebmsp.com.br/oqueeh.php, acessado em 01 de julho de 2013.

LUGON JR, Strogoff JP, Warrak MEA. Hemodialise. In: Riella MC. Principios de nefrologia e disturbios hidroeletroliticos. 4a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

MAKRIDAKIS, S.; WHEELWRIGHT, S.; HYNDMAN, R. Forecasting: Methods and Applications. 3. ed., New York: John Wiley & Sons, 1998.

MOREIRA, D. Administracao da Producao e Operacoes. Sao Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M.C. Analise de series temporais. 2 ed. Sao Paulo: Blucher, 2006. 564p.

MARTINS, P.; LAUGENI, F. Administracao da Producao. Sao Paulo: Saraiva, 2002. QUEIROZ, A. A. & CAVALHEIRO, D.. Metodo de previsao de demanda e deteccao de sazonalidade para o planejamento da producao de industrias de alimentos. XXIII Encontro Nac. de Eng. de Producao--Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de 2003, P. 1-8.

SALOMAO A, Cristelli MP, Santos A, Pereira JE, Goncalves A, Pessoa GH, et al. Projeto piloto de hemodialise curta diaria: melhora da qualidade de vida de renais cronicos. J Bras Nefrol. 2002; 24(4): 168-75.

RODRIGUES MCS. A atuacao do enfermeiro no cuidado ao portador de insuficiencia renal cronica no contexto biotecnologico da hemodialise. Nursing (Sao Paulo). 2005; 8(82): 135-42.

ROMAO JUNIOR JE. Doenca renal cronica: definicao, epidemiologia e classificacao. J Bras Nefrol. 2004; 26:1-3.

ROMAO JR JE, PINTO SWL, CANZIANI ME, PRAXEDES JN, SANTELLO JL, MOREIRA JCM. Censo SBN 2002: informacoes epidemiologicas das unidades de dialise do Brasil. J Bras Nefrol. 2003; 25(4): 188-9.

WILHELM D, CAETANO CD. O cotidiano do enfermeiro em nefrologia: aspectos relevantes para o cuidado [resumo]. In: 56[degrees] Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2004 Out 24-29. Anais. Gramado: ABEn-Nacional; 2005 [citado 2008 Abr 25]. Disponivel em: http://bstorm.com.br/enfermagem/index-p2.php?cod=61644&popup=1

Fabio Barbosa BATISTA * (1), Armenia Arantes GUIMARAES (1), Willian de Souza BARRETO (1), Denise Cristina OLIVEIRA (2)

(1) Universidade Candido Mendes--UCAM--Campos dos Goytacazes--Rio de Janeiro, Brasil. Mestrado em Pesquisa Operacional e Inteligencia Computacional.

(2) Universidade Candido Mendes--UCAM--Campos dos Goytacazes--Rio de Janeiro, Brasil. Professora do Mestrado em Pesquisa Operacional e Inteligencia Computacional.

* Endereco eletronico para correspondencia: fbio_barbosa@hotmail.com

Tabela 1--Materiais utilizados no processo de Hemodialise.

Capilar               Set Venoso                Set Arterial
Seringa--10 ml        Agulha de Fistula         Concentrado--Acido
Concentrado--Basico   Algodao                   Alcool
Gases                 Isolador de Pressao       Agulha--0,80 x 25 mm
Fita adesiva          Heparina                  Agulha 25 x 7 mm
Soro Fisiologico      Luva de Procedimento      Intrafix
Acido citrico--50%    Proxitane--50% (200 ml)

Fonte: Clinica de Nefrologia do HSJA (2013).

Tabela 2--Previsao por meio de media movel de tres e seis meses.

            Vendas   MM          MM          MM
                     (3 Meses)   (4 Meses)   (6 Meses)

Janeiro     89
Fevereiro   92
Marco       100
Abril       107      93,7
Maio        89       99,7        97,0
Junho       90       98,7        97,0
Julho       87       95,3        96,5        94,5
Agosto      93       88,7        93,3        94,2
Setembro    92       90,0        89,8        94,3
Outubro     110      90,7        90,5        93,0
Novembro    86       98,3        95,5        93,5
Dezembro    107      96,0        95,3        93,0
Janeiro              101,0       98,8        95,8

Fonte: Correa et al. (2012).

Tabela 3--Flutuacoes dos niveis de materiais utilizados ao longo do
segundo semestre de 2012.

MATERIAIS                        jul/12   ago/12   set/12

Acido citrico 50%-51               100      100      120
Agulha--0,80 x 25 mm              1050     1000     1100
Agulha 25 x 7 mm                  1000     1070     1100
Agulha de Fistula                 3000     3100     3200
Alcool--11                          50       60       65
Algodao--Pacote 95g                 40       40       40
Capilar                            324      324      324
Concentrado--Acido                 940      950      940
Concentrado--Basico               1900     1900     1950
Fita adesiva                       160      160      160
Gases--Pacote (7,5 x 7, 5 cm)     3000     3000     3000
Heparina--5ml                      600      600      600
Intrafix                          1840     1840     1840
Isolador de Pressao--Par          2500     2500     2500
Luva de Procedimento             16000    16200    16200
Proxitane 50%-51                    20       20       20
Seringa--10 ml                    3200     3200     3200
Set Arterial                       312      312      312
Set Venoso                         312      312      312
Soro Fisiologico--11              2600     2600     2500

MATERIAIS                         out/12   Nov/12   dez/12

Acido citrico 50%-51               110       110      110
Agulha--0,80 x 25 mm              1000      1050     1000
Agulha 25 x 7 mm                  1050      1050     1060
Agulha de Fistula                 3200      3100     3200
Alcool--11                          70        60       60
Algodao--Pacote 95g                 40        40       40
Capilar                            324       324      324
Concentrado--Acido                 960       950      960
Concentrado--Basico               1950      1950     1950
Fita adesiva                       160       160      160
Gases--Pacote (7,5 x 7, 5 cm)     3000      3000     3000
Heparina--5ml                      600       600      600
Intrafix                          1840      1840     1840
Isolador de Pressao--Par          2500      2500     2500
Luva de Procedimento             16200     16100    16000
Proxitane 50%-51                    20        20       20
Seringa--10 ml                    3200      3200     3200
Set Arterial                       312       312      312
Set Venoso                         312       312      312
Soro Fisiologico--11              2500      2400     2400

Fonte: Clinica de Nefrologia do HSJA (2013)

Tabela 4--Flutuacoes dos niveis de materiais utilizados ao longo do
primeiro semestre de 2013.

MATERIAIS                      jan/13   fev/13   mar/13   abr/13

Acido citrico 50%-51             110      100      120      110
Agulha-0,80 x 25 mm             1050     1000     1100     1000
Agulha 25 x 7 mm                1050     1000     1100     1000
Agulha de Fistula               3000     3100     3200     3200
Alcool-11                         50       60       65       70
Algodao-Pacote 95g                40       40       40       40
Capilar                          324      324      324      324
Concentrado--Acido               950      960      950      960
Concentrado--Basico             1950     1950     1965     1965
Fita adesiva                     160      160      160      160
Gases-Pacote (7,5 x 7, 5 cm)    3000     3000     3000     3000
Heparina-5ml                     610      600      630      600
Intrafix                        1840     1840     1840     1840
Isolador de Pressao-Par         2500     2500     2500     2500
Luva de Procedimento           16500    16300    16000    16200
Proxitane 50%-51                  20       20       20       20
Seringa--10 ml                  3200     3200     3200     3200
Set Arterial                     312      312      312      312
Set Venoso                       312      312      312      312
Soro Fisiologico-11             2500     2600     2400     2500

MATERIAIS                      mai/13   jun/13

Acido citrico 50%-51             100      100
Agulha-0,80 x 25 mm             1050     1000
Agulha 25 x 7 mm                1050     1000
Agulha de Fistula               3100     3200
Alcool-11                         60       60
Algodao-Pacote 95g                40       40
Capilar                          324      324
Concentrado--Acido               950      960
Concentrado--Basico             1950     1950
Fita adesiva                     160      160
Gases-Pacote (7,5 x 7, 5 cm)    3000     3000
Heparina-5ml                     600      600
Intrafix                        1840     1840
Isolador de Pressao-Par         2500     2500
Luva de Procedimento           16200    16000
Proxitane 50%-51                  20       20
Seringa--10 ml                  3200     3200
Set Arterial                     312      312
Set Venoso                       312      312
Soro Fisiologico-11             2400     2400

Fonte: Clinica de Nefrologia do HSJA (2013).

Tabela 4: Previsao de demandas futuras para o mes de julho de 2013.

Previsao de demandas futuras--Julho/2013

                                Medias Moveis

                               3 MM    4 MM    6 MM

Acido citrico 50%-51   110     110     113     108
Agulha--0,80 x 25 mm   1000    1017    1038    1033
Agulha 25 x 7 mm       1000    1017    1038    1033
Agulha de Fistula      3200    3167    3175    3133
Alcool--11             60      63      64      61
Concentrado--Acido     960     957     955     955
Concentrado--Basico    1950    1955    1958    1955
Heparina-5ml           600     600     608     607
Luva de Procedimento   16000   16133   16100   16200
Soro Fisiologico-11    2400    2433    2425    2467
COPYRIGHT 2014 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Batista, Fabio Barbosa; Guimaraes, Armenia Arantes; Barreto, William de Souza; Oliveira, Denise Cris
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Date:Jun 1, 2014
Words:3605
Previous Article:Valores do RNI de pacientes submetidos ao tratamento com anticoagulantes.
Next Article:ATENCAO FARMACEUTICA AOS IDOSOS HIPERTENSOS: UM ESTUDO DE CASO DO MUNICIPIO DE APERIBE, RJ.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |