Printer Friendly

Prevalence of skin disease and associated factors in workers of an agricultural company in Southern Brazil/Prevalencia de agravos de pele e fatores associados em trabalhadores de uma empresa agropecuaria do sul do Brasil.

INTRODUCAO

A pele e um orgao essencial ao organismo humano, sendo responsavel por algumas nobres funcoes, como protecao fisica e imunologica, percepcao, secrecao e termo regulacao (1). O cuidado com a pele e vital para a saude, inclusive no ambiente e processo de trabalho das pessoas.

A expansao das economias no mundo gerou mudancas e a alta da produtividade, o que eleva as cargas de exposicoes ocupacionais a que os trabalhadores estao submetidos no cotidiano diario de trabalho. Isso pode resultar no aumento e agravamento das doencas de origem ocupacional, inclusive as relacionadas a pele (2).

Os agravos de pele variam desde leves sintomas (como dermatite de contato e lesoes abrasivas causadas por objetos ou instrumentos de trabalho), ate os variados tipos de cancer de pele (1,3).

As doencas de pele e anexos representam uma parcela consideravel dos agravos ocupacionais em geral. Entretanto, ha poucos dados estatisticos reais sobre o problema, pois em muitos casos tais agravos sao autotratados pelo paciente, ou atendidos a nivel ambulatorial sem gerar dados, sendo assim, os poucos numeros existentes podem apenas representar a ponta do iceberg (1).

A prevalencia dos problemas de pele, especialmente os relacionados ao trabalho, muda conforme aspectos citados anteriormente e a localidade ou pais do contexto dos trabalhadores (4). Pesquisas ocupacionais realizadas na Asia demonstraram que a prevalencia de sintomas de pele relacionados ao trabalho variou de 12 a 28% (5,6).

As doencas de pele relacionadas ao trabalho podem variar conforme o grupo ocupacional do trabalhador, pois o tipo e o grau da exposicao a fatores de risco difere entre ocupacoes (2). Tais doencas estao diretamente associadas aos mais distintos fatores de risco do ambiente em que os trabalhadores estao expostos, como radiacoes, umidade relativa do ar, temperatura, microrganismos, produtos quimicos, entre outros (1,2,7,8).

As pesquisas que analisam os problemas de pele relacionados ao trabalho no Brasil sao escassas, contudo a forca de trabalho so aumenta no pais, e hoje e de aproximadamente 96 milhoes de trabalhadores, por isto justificam-se pesquisas deste cunho (9). Com isso, o objetivo do presente estudo foi descrever a prevalencia e analisar os fatores associados com problemas de pele relacionados ao trabalho.

METODOS

O presente estudo, de abordagem quantitativa, observacional, com delineamento de corte transversal, fez parte de um projeto de pesquisa da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas. Foi realizado em uma empresa agropecuaria de medio porte, localizada no sul do Brasil, e possui vinculo com o Ministerio da Agricultura, Pecuaria e Abastecimento.

Os participantes do estudo eram todos trabalhadores da referida empresa, com idade a partir de 18 anos. Para inclusao dos participantes foram seguidos os seguintes criterios: ser trabalhador efetivo da empresa e ter assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Os trabalhadores eram das seguintes areas: assistencia administrativa, supervisao/gerenciamento, operacional, tecnico cientifico, tecnico assistencial, pesquisa e servicos gerais. Os setores foram divididos em: apoio, pesquisa, laboratorio e campo (Quadro 1).

O instrumento semiestruturado foi multidimensional, composto por: questoes sociodemograficas, estilo de vida, exposicoes, cargas ocupacionais e condicoes de trabalho. Foram incluidas tambem as questoes do instrumento Percepcao de Morbidade Geral e Percepcao de Morbidade Relacionada com o Trabalho (10). As entrevistas foram realizadas na empresa durante o turno de trabalho com previa autorizacao da direcao da empresa. Para a coleta de dados, foram capacitados academicos de enfermagem. Os dados foram coletados no periodo compreendido entre os meses de junho e outubro de 2008.

Foi construido um banco de dados com as informacoes coletadas por meio dos questionarios aplicados. Os dados foram inseridos por dupla digitacao independente, utilizando-se o software EpiInfo versao 6.04. Apos a verificacao e o controle de erros e inconsistencias, a analise dos dados foi realizada no software Stata versao 12.

As variaveis analisadas foram sexo, idade/faixa etaria ([less than or equal to] 44 anos, 45-50 anos, e [greater than or equal to] 51 anos), cor da pele (branco, negro, amarelo e pardo). Os grupos ocupacionais, setores de trabalho, tempo de trabalho na ocupacao ([less than or equal to] 72 meses, 73-240 meses, e [greater than or equal to] 241 meses) tambem foram analisados.

As exposicoes ocupacionais foram norteadas pela seguinte questao (variaveis independentes): Em seu trabalho, o(a) Sr(a). enfrenta as seguintes condicoes (sim/nao): calor excessivo?; frio excessivo?; po?; ar condicionado?; radiacoes?; trabalhar a "ceu aberto"?; umidade excessiva?; ficar "molhado" ou "sujo"?; problemas de pele nos ultimos 30 dias?.

A questao referente ao agravo ocupacional investigado (variavel dependente) foi a seguinte: O (a) Sr(a). acha que o seu trabalho costuma causar lhe problemas de pele (sim/nao)?

Para a analise dos dados foram utilizadas frequencia absoluta e relativa para as variaveis socioeconomicas, demograficas e de organizacao de trabalho, e ainda calculado o intervalo de confianca de 95% (IC95%) para o agravo ocupacional "agravos de pele relacionados ao trabalho". Foram calculadas tambem a media, mediana, valor maximo e minimo, variancia e desvio padrao para as variaveis continuas.

Foi realizado o calculo da Razao de Prevalencia (RP) para obtencao da medida de efeito para associacao com IC95% entre a variavel "agravo de pele relacionado ao trabalho", e as variaveis de exposicoes ocupacionais autorreferidas (calor excessivo, frio excessivo, ar condicionado, po, radiacoes, trabalhar a "ceu aberto", umidade, ficar molhado ou sujo ao realizar as tarefas de trabalho) (11). Foram verificadas as quatro variaveis de exposicao com maior significancia e com p<0,20 na analise univariada, para inclusao no modelo multiplo.

Apos a analise bruta da RP, foi realizado o modelo multiplo com Regressao de Poisson (11) pelo modelo step wise forward entre a variavel desfecho, e as variaveis de exposicao ocupacional, considerando significativo p<0,05 e descritos os IC95%.

Os testes do [chi square] de Pearson ou exato de Fisher foram utilizados para comparar a diferenca de dermatose ocupacional quanto ao sexo, faixa etaria, cor da pele, problemas de pele nos ultimos 30 dias, grupos ocupacionais, setores de trabalho dos trabalhadores, tempo de trabalho na ocupacao, tendo sido considerado significativo p<0,05.

O projeto de pesquisa foi enviado ao Comite de Etica em Pesquisa da Faculdade de Odontologia da UFPEL, em conformidade com a Resolucao 196/96 do Conselho Nacional de Saude (CNS), e obteve o parecer favoravel sob o no. 011/2008 no dia 18 de abril de 2008.

RESULTADOS

No periodo das entrevistas, a empresa contava com 326 trabalhadores, dentre os quais 304 exerciam as atividades nas dependencias da empresa. Os demais estavam afastados para aperfeicoamento profissional e viagens tecnicas, licenca para tratamento de doenca e ferias. Entre as perdas e recusas participaram desta pesquisa 273 (83,8%) trabalhadores.

Quanto as caracteristicas sociodemograficas da referida empresa, foi identificada predominancia do sexo masculino (79,1%), e da faixa etaria dos 41 aos 50 anos (45,8%), sendo a media de idade dos trabalhadores de 47,6 anos, a mediana de 49 anos, o desvio padrao (DP) de 8,2 anos, com idade minima de 19 e maxima de 69 anos, e a variancia de 68,7 anos (Tabela 1). Em relacao ao tempo de trabalho na funcao, a media foi de 167,3 meses, mediana de 132,0, variancia de 16.183,2, e DP de 127,2 meses, com valor minimo de 1 e maximo 624 meses.

Agravos de pele autorreferidos causados pelo trabalho na empresa pesquisada tiveram prevalencia de 15,2% (IC95% 11,1-20,0), atingiram mais o sexo masculino (16,8%), na faixa etaria dos 45 aos 50 anos de idade (p=0,038). Quanto a cor da pele, pardos (25,0%) e brancos (15,6%) foram os mais acometidos. Entretanto nao houve diferenca significativa entre os grupos sociodemograficos. A prevalencia de agravos de pele--relacionados significativamente ao trabalho (p<0,001)--foi de 9,6% nos 30 dias anteriores (recorrencia) a entrevista (Tabela 1).

Em relacao aos grupos ocupacionais, o grupo ocupacional da pesquisa foi o menos acometido por problemas de pele (4,5%). Enquanto os grupos ocupacionais mais atingidos foram os tecnico cientifico, tecnico assistencial e servicos gerais. Entre esses a prevalencia pouco variou (23,1 a 24,1%). Entre os setores houve diferenca significativa (p=0,02), sendo o setor de campo o mais acometido (25,0%) (Tabela 2).

Quanto ao tempo de trabalho na empresa, somente os trabalhadores com menos de um ano de trabalho nao tiveram agravos de pele, em outras faixas de tempo a diferenca variou de 10,4 a 18,5%. A faixa de tempo com menor prevalencia de agravos de pele foi de ate 6 anos trabalhando na mesma funcao (10,4%) e com maior prevalencia foi de 6 a 20 anos (18,5%). Houve associacao significativa para a variavel setor de trabalho, e uma tendencia de associacao para grupo ocupacional (Tabela 2).

As variaveis de exposicao mais associadas com agravos de pele foram: o po com RP de 5,10 (IC95% 2,15-12,13); ficar molhado ou sujo em funcao das atividades laborais, com RP de 2,90 (IC95% 1,56-5,40); calor excessivo, com RP de 2,68 (IC95% 1,37-5,25); e frio excessivo, com RP de 2,34 (IC95% 1,25-4,39). Ja no modelo ajustado final a unica variavel com efeito independente para o desfecho foi exposicao ao po, sendo ajustada em mais de 10,0% pela variavel "ficar molhado ou sujo" durante as tarefas laborais (Tabela 3).

DISCUSSAO

A prevalencia de agravos de pele encontrada no estudo foi de 15,2% (IC95% 11,1-20,0), e se associou principalmente a recorrencia de tais agravos nos 30 dias anteriores a entrevista, setor de trabalho e exposicao a fatores ambientais do trabalho (como o po).

Em uma pesquisa com pacientes no Canada, a dermatose ocupacional prevaleceu em 82,0% do total de doencas de pele diagnosticadas (12). Na Polonia a prevalencia de doencas de pele relacionadas ao trabalho variou de 21,0 a 67,0% conforme a ocupacao exercida. Na Escocia, 31,0% dos trabalhadores relataram pelo menos um sintoma de doenca de pele (13,14). Em estudo realizado com trabalhadores em Taiwan, a prevalencia de doencas de pele variou de 27,0 a 28,2% (5), resultado compativel com o achado em outro estudo, feito na Italia, o qual indicou que doencas de pele acometeram 25,0% dos trabalhadores (15). E, na Indonesia, doencas de pele relacionadas ao trabalho atingiram 12,0% dos trabalhadores (6), dado semelhante aos resultados encontrados no presente estudo.

Em pesquisa realizada em uma clinica de dermatologia no Brasil, 10,0% dos pacientes pesquisados apresentaram dermatite ocupacional de contato, o que representa 80,0% das doencas de pele relacionadas ao trabalho (7). Em trabalhadores rurais de Campinas (SP), aproximadamente 10,0% tiveram alteracoes dermatologicas possivelmente devido a exposicao combinada de multiplos agrotoxicos (16). Em outra pesquisa realizada com trabalhadores no estado de Sao Paulo, a taxa de problemas dermatologicos foi de 27,0% (17).

A prevalencia das doencas de pele relacionadas ao trabalho quanto ao sexo pode variar conforme o estudo. Em pesquisas ocupacionais que avaliaram sintomas de pele causados pelo trabalho, foi encontrada maior prevalencia de tais sintomas em mulheres, e pode se associar significativamente com o sexo feminino (3,5). Ja em outras pesquisas os agravos de pele foram prevalentes entre os homens, e o sexo masculino foi considerado como fator de risco para dermatite ocupacional em trabalhadores da California (4,7,12). A discordancia de resultados entre os estudos citados, possivelmente ocorreu devido as diferencas entre as amostras e os ambientes em que os participantes estavam (7).

A idade pode ser fator de associacao de risco com problemas de pele, sendo risco em trabalhadores acima dos 30 anos de idade em ocupacoes nao relacionadas a higienizacao, entretanto em trabalhadores de servicos de higienizacao a associacao apresenta-se para faixa etaria ate 30 anos (5). Em pesquisa ocupacional realizada no Canada, sintomas de pele foram encontrados com maior frequencia em faixas etarias mais elevadas (12). Ja em uma revisao sistematizada, a faixa etaria de maior risco para agravos ocupacionais de pele e dos 18 aos 24 anos (4).

Quanto a cor da pele uma pesquisa sobre dermatite ocupacional, demonstrou maior ocorrencia do agravo em brancos (46,0%), seguido de pardos (39,0%) (7). Em outro estudo com trabalhadores de engenharia de operacao, a cor de pele branca foi associada a "queimaduras na pele causadas por exposicao solar" (3).

A ocupacao e o setor de trabalho podem ser determinantes no surgimento dos agravos de pele (18-20). Os trabalhadores de servicos gerais e higienizacao podem ter alta incidencia de doencas de pele, alem de ter risco de moderado a alto para tais agravos. Isso pode ocorrer devido aos tipos de exposicoes a que estao submetidos, e respectivas doses respostas (4,7,13,14). Outros estudos (4,7,8) mostraram que trabalhadores pertencentes a ocupacoes assistenciais e operacionais da industria, construcao civil e agricultura apresentam alta ocorrencia e associacao com doencas de pele, resultado semelhantes ao desse estudo.

O tempo de trabalho no setor e na ocupacao e outro fator determinante para as doencas da pele, apesar da diferenca nao significativa dos resultados nesse estudo. Uma pesquisa realizada em Taiwan encontrou para o maior tempo de trabalho na ocupacao o risco aumentado para agravos de pele, pois se reflete em maior tempo de exposicao aos agentes agressores da pele (5).

O ambiente de trabalho pode ter alguns fatores de riscos que causam doencas de pele, sendo eles os agentes biologicos, quimicos e fisicos. Entretanto os agentes quimicos e biologicos costumam ser os maiores causadores de doencas de pele relacionadas ao trabalho (6,8,12). A exposicao ocupacional a poeiras e agentes quimicos em geral (como oleos, solventes, produtos de higienizacao, tintas, resinas, metais, derivados de benzeno e do petroleo) pode causar diversos agravos a pele dos trabalha dores (6,8,12,15,21-23). Alguns produtos quimicos utilizados em curtumes sao perigosos a saude humana, podendo causar alteracao estrutural de pele e anexos dos trabalhadores (6). Mas, a exposicao prolongada do trabalhador a agentes fisicos tambem pode associar-se a problemas de pele (2,3). A exposicao da pele a radiacao solar, por exemplo, pode causar lesoes por queimaduras (2,3). E, conforme pesquisas, ha outros agentes fisicos que podem ser precursores de doencas de pele, como umidade e temperaturas extremas de calor ou frio excessivos (5,20,21).

No Brasil existem leis e normas regulamentadoras do trabalho que fazem parte das politicas publicas em Saude do Trabalhador, entre elas esta a Norma Regulamentadora 6 (NR-6), que dispoe sobre a utilizacao de equipamentos de protecao individual (EPI), um conjunto de dispositivos contra um ou mais riscos ocupacionais, e podem prevenir ou reduzir a incidencia de agravos relacionados ao trabalho, como os problemas de pele (24).

Entre as limitacoes do presente estudo, podemos citar as perdas e o tamanho da amostra, o que pode ter influenciado a nao associacao de algumas variaveis de exposicao ao desfecho, o que ocorreu em outras pesquisas com maior poder inferencial. Outra limitacao e o delineamento do estudo, por ser transversal, possibilita apenas associacoes. E algumas vezes por ser transversal pode ocorrer o efeito da causalidade reversa, tendo em vista a questao da falta de temporalidade. Porem, e dificil que tenha ocorrido o efeito do "trabalhador sadio" uma vez que as perdas ocorreram quase em sua totalidade devido a licenca para capacitacao profissional, ferias ou viagens de trabalho.

No periodo da pesquisa, a empresa possuia Servico Especializado em Engenharia de Seguranca e em Medina do Trabalho (SESMT) e Comissao Interna de Prevencao a Acidentes (CIPA). O SESMT era composto por dois tecnicos em seguranca do trabalho, um medico do trabalho e um engenheiro do trabalho. Alem disto, atendiam a NR-6, disponibilizando EPI e monitorando as praticas laborais dos trabalhadores na medida do possivel, ainda tinha PCMSO e PPRA. A empresa contava com 3 subestacoes de trabalho alem de ocupar uma area territorial extensa em funcao do ramo de atividade economica atuante, fator que possivelmente dificultasse o monitoramento simultaneo e constante de todos os trabalhadores.

CONCLUSAO

Esta pesquisa encontrou uma prevalencia relativamente baixa de agravos de pele relacionados ao trabalho, se comparada a resultados de outros estudos da literatura. Sendo que tais agravos tiveram maior associacao com fatores como a faixa etaria dos 45 aos 50 anos, recorrencia de agravos de pele, setor de trabalho com maior proporcao de agravos de pele e a exposicao a poeira.

Os principais resultados do presente estudo viabilizam a elaboracao de acoes e estrategias iniciais para a prevencao de agravos de pele relacionados ao trabalho. Ha uma necessidade de esforcos integrados como a equipe SESMT, CIPA e trabalhadores da empresa, em consonancia com as normas regulamentadoras dos ambientes de trabalho e politicas publicas em saude do trabalhador.

Concluiu-se que e necessario que se facam novos estudos em torno da tematica, com metodo capaz de estabelecer causa e efeito entre fatores sociodemograficos e do ambiente de trabalho, alem da utilizacao de tecnologias capazes de identificar as cargas ocupacionais e mensurar as doses respostas, com objetivo da aproximacao causal.

Recebido: 26/02/2016

Aceito: 27/04/2016

Fonte de financiamento: nenhuma

REFERENCIAS

(1.) Brasil. Ministerio da Saude. Secretaria de Atencao a Saude. Departamento de Acoes Programaticas Estrategicas. Saude do Trabalhador. Dermatoses Ocupacionais. Brasilia (DF), 2009; 92 p. [acesso em 2014 mar]. Disponivel em: http://bvsms.saude.gov. br/bvs/publicacoes/protocolo_dermatoses.pdf

(2.) Keegel T, Moyle M, Dharmage S, Frowen K, Nixon R. The epidemiology of occupational contact dermatitis (1990-2007): a systematic review. Int J Dermatol. 2009;48(6):571-8.

(3.) Duffy SA, Choi SH, Hollern R, Ronis DL. Factors associated with risky sun exposure behaviors among operating engineers. Am J Ind Med. 2012;55(9):786-92.

(4.) Irby CE, Yentzer BA, Vallejos QM, Arcury TA, Quandt SA, Feldman SR. The prevalence and possible causes of contact dermatitis in farmworkers. Int J Dermatol. 2009;48(11):1166-70.

(5.) Su SB, Wang BJ, Tai Chien, Chang HF, Guo HR. Higher prevalence of dry symptoms in skin, eyes, nose and throat among workers in clean rooms with moderate humidity. J Occup Health. 2009;51(4):364-9.

(6.) Febriana SA, Jungbauer F, Soebono H, Coenraads PJ. Inventory of the chemicals and the exposure of the workers' skin to these at two leather factories in Indonesia. Int Arch Occup Environ Health. 2012;85:517-26.

(7.) Duarte I, Rotter A, Lazzarini R. Frequencia da dermatite de contato ocupacional em ambulatorio de alergia dermatologica. An Bras Dermatol. 2010;85(4):455-9.

(8.) Ahn YS, Kim MG. Occupational skin diseases in Korea. Korean Med Sci. 2010;25:S46-52.

(9.) Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE). Banco de dados agregados: Pesquisa nacional por amostra de domicilios (PNAD): pesquisa basica, 2014. [acesso em 2014 out 10]. Disponivel em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl. asp?c=1869&z=pnad&o=3&i=P

(10.) Fassa AG. O Trabalho como determinante de morbidade comum em uma industria de celulose e papel [dissertacao]. Pelotas (RS): Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pos-Graduacao em Epidemiologia; 1995.

(11.) Francisco PMSB, Donalisio MR, Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, Goldbaum M. Medidas de associacao em estudo transversal com delineamento complexo: razao de chances e razao de prevalencia. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(3):347-55.

(12.) Arrandale VH, Kudla I, Kraut AG, Scott JA, Tarlo SM, Redlich CA, et al. Skin and respiratory symptoms among workers with suspected work-related disease. Occup Med. 2012;62:420-6.

(13.) Mirabelli MC, Vizcaya D, Margarit AM, Anto JM, Arjona L, Barreiro E, et al. Occupational risk factors for hand dermatitis among professional cleaners in Spain. Contact Dermatitis. 2012;66(4):188-96.

(14.) Steiner MFC, Dick FD, Scaife AR, Semple S, Paudyal P, Ayres JG. High prevalence of skin symptoms among bakery workers. Occup Med. 2011;61:280-2.

(15.) Magnavita N, Elovainio M, Heponiemi T, Magnavita AM, Bergamaschi A. Are skin disorders related to work strain in hospital workers? A cross-sectional study. BMC Public Health. 2011;11:600.

(16.) Figueiredo GM, Trape AZ, Alonzo HA. Exposicao a multiplos agrotoxicos e provaveis efeitos a longo prazo a saude: estudo transversal em amostra de 370 trabalhadores rurais de Campinas (SP). Rev Bras Med Trab. 2011;9(1):1-9.

(17.) Kaddourah SMH, Costa FAA, Fabrega JF, Rabello LVA. Relacao entre a ocorrencia de dermatite de contato irritativa e o uso dos equipamentos de protecao individual. Rev Bras Med Trab. 2015;13(2):120-5.

(18.) Fantuzzi G, Righi E, Predieri G, Giacobazzi P, Mastroianni K, Aggazzotti G. Prevalence of ocular, respiratory and cutaneous symptoms in indoor swimming pool workers and exposure to disinfection by-products (DBPs). Int J. Environ Res Public Health. 2010;7:1379-91.

(19.) Arrandale V, Meijster T, Pronk A, Doekes G, Redlich CA, Holness DL, et al. Skin symptoms in bakery and auto body shop workers: associations with exposure and respiratory symptoms. Int Arch Occup Environ Health. 2013;86:167-75.

(20.) Kurpiewska J, Liwkowicz J, Benczek K. A survey of work-related skin diseases in different occupations in Poland. Int J Occup Saf Ergon. 2011;17(2):207-14.

(21.) Holness DL, Kudla I. Workers with occupatonal contact dermatitis: workplace characteristics and prevention practices. Occup Med. 2012;62:455-7.

(22.) Tresukosol P, Swasdivanich C. Hand contact dermatitis in hairdressers: clinical and causative allergens, experience in Bangkok. Asian Pac J Allergy Immunol. 2012;30:306-12.

(23.) Sripaiboonkij P, Sripaiboonkij N, Phanprasit W, Jaakkola MS. Respiratory and skin health among glass microfiber production workers: a cross-sectional study. Environ Health. 2009;8:36.

(24.) Brasil. Norma Regulamentadora 6 (Atualizacao). Equipamento de Protecao Individual. Brasilia (DF): Ministerio do Trabalho e Emprego; 2010. [acesso em 2014 jun 30]. Disponivel em: http://portal.mte.gov. br/data/files/FF8080812DC56F8F012DCDAD35721F50/NR-06%20 (atualizada)%202010.pdf

Endereco para correspondencia: Rafael Haeffner--Rua Padre Joao Wislinski, 119, apto 22, bloco B, Santa Candida--CEP: 82630-494--Curitiba (PR), Brasil E-mail: rafaelhaeffner@gmail.com

Rafael Haeffner [1], Rita Maria Heck [2], Vanda Maria da Rosa Jardim [2]

[1] Programa de Pos-graduacao em Epidemiologia da Universidade de Sao Paulo (USP)--Sao Paulo (SP), Brasil.

[2] Programa de Pos-graduacao em Enfermagem da UEPel--Pelotas (RS), Brasil.

DOI: 10.5327/Z1679-443520161116
Tabela 1. Prevalencia de agravos de pele dos
trabalhadores da empresa agropecuaria, conforme
as variaveis de sexo, faixa etaria, cor da pele
e problemas de pele nos 30 dias anteriores a
entrevista, sul do Brasil, 2008 (n=273).

Variavel                             n (%)      Problemas
                                                 de pele

                                                   Sim

                                                  n (%)
Sexo
  Masculino                        216 (79,1)   37 (17,2)
  Feminino                         57 (20,9)     5 (8,9)
Faixa etaria (anos)
  [less than or equal to] 44       83 (30,4)    12 (14,6)
  45-50                            90 (33,0)    20 (22,5)
  [greater than or equal to] 51    100 (36,6)    9 (9,1)
Cor de pele
  Branco                           241 (88,3)   37 (15,5)
  Negro                             14 (5,1)     0 (0,0)
  Pardo                             16 (5,9)    4 (25,0)
  Amarelo                           2 (0,7)      0 (0,0)
Problemas pele nos 30 dias enteriores a entrevista
  Sim                               26 (9,6)    13 (50,0)
  Nao                              245 (90,4)   28 (11,5)

Variavel                           Problemas    Valor p
                                    de pele

                                      Nao

                                     n (%)
Sexo
  Masculino                        178 (82,8)   0,127 *
  Feminino                         51 (91,1)
Faixa etaria (anos)
  [less than or equal to] 44       70 (85,4)    0,038 *
  45-50                            69 (77,5)
  [greater than or equal to] 51    90 (90,9)
Cor de pele
  Branco                           201 (84,5)
  Negro                            14 (100,0)   0,220 **
  Pardo                            12 (75,0)
  Amarelo                          2 (100,0)
Problemas pele nos 30 dias enteriores a entrevista
  Sim                              13 (50,0)    <0,001 *
  Nao                              216 (88,5)

* Teste do [chi square] de Pearson; ** Teste exato de Fisher.

Tabela 2. Prevalencia de agravos de pele dos
trabalhadores da empresa agropecuaria, conforme
as variaveis de grupo ocupacional, setor de
trabalho, tempo de trabalho na empresa, tempo
de trabalho na funcao, sul do Brasil, 2008 (n=273).

Variavel                              n (%)      Problemas
                                                  de pele

                                                    Sim

                                                   n (%)

Grupo ocupacional
  Assistencia administrativa        29 (10,7)    4 (14,3)
  Supervisao/gerenciamento           18 (6,6)    3 (16,7)
  Operacional                       57 (20,9)    7 (12,7)
  Pesquisa                          67 (24,6)     3 (4,5)
  Tecnico cientifico                 26 (9,6)    6 (23,1)
  Tecnico assistencial              62 (22,8)    15 (24,2)
  Servicos gerais                    14 (4,8)    3 (23,1)
Setor de Trabalho
  Apoio                             115 (42,9)   16 (14,1)
  Pesquisa                          65 (24,3)     4 (6,1)
  Laboratorio                       38 (14,2)    9 (23,7)
  Campo                             50 (18,7)    12 (25,0)
  Registros perdidos                    5
Tempo de trabalho na funcao (meses)
  [less than or equal to] 72        97 (35,5)    10 (10,4)
  73-240                            93 (34,1)    17 (18,5)
  [greater than or equal to] 241    83 (30,4)    14 (17,1)

Variavel                            Problemas   Valor p
                                     de pele

                                       Nao

                                      n (%)

Grupo ocupacional
  Assistencia administrativa        24 (85,7)   0,061 *
  Supervisao/gerenciamento          15 (83,3)
  Operacional                       48 (87,3)
  Pesquisa                          64 (95,5)
  Tecnico cientifico                20 (76,9)
  Tecnico assistencial              47 (75,8)
  Servicos gerais                   10 (76,9)
Setor de Trabalho
  Apoio                             98 (85,9)   0,020 *
  Pesquisa                          61 (93,9)
  Laboratorio                       29 (76,3)
  Campo                             36 (75,0)
  Registros perdidos
Tempo de trabalho na funcao (meses)
  [less than or equal to] 72        86 (89,6)   0,260 *
  73-240                            75 (81,5)
  [greater than or equal to] 241    68 (82,9)

* Teste do [chi square] de Pearson.

Tabela 3. Analise bruta e ajustada para os estratos
"sexo" e "idade", da associacao de agravos de pele
conforme as variaveis das exposicoes ocupacionais,
sul do Brasil, 2008.

Variaveis                 Analise bruta     Analise ajustada

                           RP (IC95%)         RP * (IC95%)

Po                      5,10 (2,15-12,13)   3,91 (1,54-9,95)
Ficar molhado ou sujo   2,90 (1,56-5,40)    1,70 (0,87-3,32)
Calor excessivo         2,68 (1,37-5,25)           ns
Frio excessivo          2,34 (1,25-4,39)           ns

RP: razao de prevalencia; ns: variaveis que perderam
significancia no modelo final; IC95%: intervalo de
confianca de 95%; * Razao de prevalencia ajustada
por regressao de Poisson.

Quadro 1. A descricao dos grupos ocupacionais e setores
de trabalho da referida empresa, sul do Brasil, 2008.

Grupos Ocupacionais

Assistencia administrativa      Secretariado, auxiliar e
                                agente administrativo, e
                                 assessores de chefias.

Supervisao                      Supervisores, gerentes e
                                  gestores da empresa.

Operacional                     Operadores de maquinas e
                             veiculos, operadores em geral,
                                 motoristas, porteiros,
                                vigilantes, telefonistas,
                                campeiro e "trabalhadores
                                        bracais".

Pesquisa                       Pesquisadores das diversas
                                    areas da empresa.

Tecnico cientifico             Trabalhadores com formacao
                                       academica.

Tecnico assistencial          Trabalhadores de nivel medio
                               com curso tecnico em alguma
                                    area de atuacao.

Servicos gerais                Trabalhadores responsaveis
                             pela limpeza e higienizacao da
                                        empresa.

Setores de Trabalho

Apoio                        Setores referentes as areas de
                                 administracao, gestao,
                                  economia, financeira,
                                 comunicacao, marketing,
                               cultura, compras e recursos
                                   humanos da empresa.

Pesquisa                      Referente as diferentes areas
                              de formacao envolvidas com a
                             pesquisa agropecuaria--como a
                               pesquisa animal e vegetal,
                                 melhoramento genetico,
                              agroecologia, climatologia e
                                    agrometeorologia.

Laboratorios                  Referente aos mais distintos
                              laboratorios de analises das
                                  pesquisas da empresa.

Campo                            Engloba todo o trabalho
                              realizado no campo, referente
                               ao tratamento de animais em
                               pesquisa; plantio, cultivo,
                                 colheita dos especimes
                                  vegetais pesquisadas.
COPYRIGHT 2016 Associacao Nacional de Medicina do Trabalho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:ARTIGO ORIGINAL
Author:Haeffner, Rafael; Heck, Rita Maria; Jardim, Vanda Maria da Rosa
Publication:Revista Brasileira de Medicina do Trabalho
Date:Oct 1, 2016
Words:4447
Previous Article:Treatment program for chronic low back pain based on the principles of Segmental Stabilization and Back School/Programa de tratamento para dor lombar...
Next Article:Metabolic syndrome in a paper factory in the State of Parana, Brazil/Sindrome metabolica em uma fabrica de papel no Estado do Parana.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters