Printer Friendly

Prevalence of intestinal disbiosis and its relationship with chronic diseases not transmissible in students of a higher education institution of Fortaleza-CE/ PREVALENCIA DE DISBIOSE INTESTINAL E SUA RELACAO COM DOENCAS CRONICAS NAO TRANSMISSIVEIS EM ESTUDANTES DE UMA INSTITUICAO DE ENSINO SUPERIOR DE FORTALEZA-CE.

INTRODUCAO

O intestino humano e o habitat de aproximadamente 100 trilhoes de microrganismos, o que equivale a 10 vezes o numero de celulas que compoem uma pessoa adulta, possuindo mais de 400 especies bacterianas em intensa atividade metabolica, sendo maior que a atividade hepatica. O conjunto de bacterias que colonizam o intestino tem grande importancia, podendo ser considerado uma especie de orgao funcionalmente ativo, denominado de microbiota intestinal (Bonfante, 2012).

A microbiota intestinal normal e composta pelo equilibrio dos microrganismos que residem no trato gastrointestinal (TGI), as bacterias probioticas, comensais e patogenicas, as quais apresentam papeis essenciais na nutricao, fisiologia e regulacao do sistema imune (Musso, Gambino e Cassader, 2010).

As bacterias probioticas sao microrganismos aos quais vivem em simbiose com o intestino, exercendo efeitos beneficos sobre a nossa saude.

As bacterias comensais sao aquelas que vivem em coexistencia pacifica com o hospedeiro e beneficiando somente a si mesmo. As bacterias patogenicas sao as responsaveis por causarem doencas agudas ou cronicas (Davidson e Carvalho, 2014).

Dentre as principais funcoes beneficas da microbiota para o hospedeiro destacam-se: (1) escudo biologico, que exerce uma funcao de barreira ativa contra o estabelecimento dos microrganismos patogenicos ao ocupar os sitios de adesao celulares, saturando-os, competindo por nutrientes e produzindo substancias antimicrobianas; (2) atividade trofica, as bacterias probioticas estimulam o sistema imune local e sistemico; (3) atividades metabolicas, pois sintetizam vitaminas do complexo B, vitamina K e acidos graxos de cadeia curta (AGCC) como acido butirico, propionico e acetico, que sao substratos energeticos utilizados pelos enterocitos, colonocitos, hepatocitos e tecidos perifericos; alem de estimular GIP e GLP-1 (Musso, Gambino e Cassader, 2010).

Sabe-se que o TGI tem relacao fundamental com a saude, garantindo a digestao e absorcao adequada de nutrientes, minerais e fluidos, induzindo a tolerancia da mucosa e sistemica, defendendo o hospedeiro de infeccoes e outros patogenos, e enviando sinais da periferia para o cerebro. Esse equilibrio pode ser alterado atraves da permeabilidade intestinal (Souza, 2012).

A permeabilidade intestinal se refere a funcao de barreira exercida pelo epitelio intestinal, capaz de permitir ou nao a passagem de moleculas por mecanismos de difusao nao-mediada por diferencas de gradiente de concentracao ou pressao sem a assistencia de um sistema carreador bioquimico passivo ou ativo.

Essa funcao possui alteracoes transitorias reversiveis apos estresse hiperosmolar e tambem pode ser afetada por doencas, hormonios, medicamentos, dietas, citocinas e fatores ambientais. Essas modificacoes podem provocar maior permeacao de antigenos a mucosa intestinal iniciando ou prolongando processos inflamatorios locais (Souza, 2012).

A alteracao da permeabilidade do intestino compromete a integridade da barreira intestinal.

Dentro da analise do processo alimentar, a digestao e absorcao pode ser modificada por interacao entre os nutrientes, alteracao na permeabilidade da mucosa e Disbiose intestinal (Fagundes, 2010).

A Disbiose intestinal e definida como sendo um estado de alteracoes da qualidade e da quantidade da microbiota intestinal, da sua acao metabolica e do seu local de distribuicao, sendo caracterizada pelo aumento das bacterias patogenicas no intestino.

Esse estado interfere na integridade da mucosa intestinal, desencadeando o aumento da permeabilidade a carboidratos nao digeridos e diminuicao da seletividade na absorcao de outras substancias, como toxinas, bacterias, proteinas ou peptideos nao digeridos que ativam o sistema imunologico, levando a sua fadiga, alem de ocasionar alteracoes dermatologicas, como urticarias e acne (Araujo, 2011).

O equilibrio da microbiota intestinal e a nutricao saudavel de enterocitos e colonocitos esta relacionada com a integridade intestinal.

A Disbiose pode provocar o aumento da permeabilidade intestinal, ocasionando hiperpermeabilidade, em que patogenos, nutrientes nao digeridos ou toxinas podem se translocar atraves desta, piorando ainda mais o estado de saude do individuo (Almeida e colaboradores, 2009).

A hiperpermeabilidade aumenta a permeabilidade de antigenos via paracelular e reduz a absorcao de nutrientes via transcelular (Pujol e Pereira, 2011).

Entre as principais causas das Disbiose estao: a hospitalizacao, o uso de medicamentos, o estresse psicologico e fisiologico, a idade, um habito alimentar desequilibrado e o desenvolvimento imune do feto que e influenciado pelos microrganismos da mae ainda dentro do utero (Araujo, 2011; Oliveto, 2016).

O uso indiscriminado de alguns antibioticos que matam tanto as bacterias beneficas como as patogenicas, assim como o uso de anti-inflamatorios hormonais e nao hormonais, abuso de laxantes; podem alterar a microbiota intestinal (Bonfante, 2012).

Em decorrencia do ritmo moderno de vida, o habito alimentar da populacao tem se modificado. A mudanca na dieta dos brasileiros e acompanhada da transicao nutricional do declinio da desnutricao e aumento do excesso de peso e obesidade que propiciam o surgimento de doencas cronicas nao transmissiveis (Brasil, 2015).

A dieta do individuo pode ser considerada uma das mais importantes causas da Disbiose, pois a alimentacao influencia de modo direto a composicao da microbiota intestinal. A Disbiose e um disturbio cada vez mais relevante no diagnostico de varias doencas, podendo ser considerada como causa ou coadjuvante no desenvolvimento de doencas cronicas (Almeida e colaboradores, 2009; Araujo, 2011).

As Doencas Cronicas Nao Transmissiveis (DCNT) sao um conjunto de condicoes cronicas, podendo estar relacionada a multiplos fatores, caracterizadas por inicio gradual, de prognostico incerto, com longa ou indefinida duracao (Brasil, 2013).

As DCNT sao um dos maiores problemas de saude publica na atualidade. Desde a decada de 1960, o Brasil tem vivenciado uma transicao epidemiologica, em que a mortalidade por doencas infecciosas e parasitarias vem declinando e sofrendo um aumento na prevalencia de DCNT, que vem se espalhando rapidamente (Pereira, Souza e Vale, 2015).

As quais sao responsaveis por 63% das mortes no mundo segundo a Organizacao Mundial de Saude (OMS) e, no Brasil, as DCNT sao a causa de aproximadamente 74% das mortes (Brasil, 2011; WHO, 2014).

Entre os principais indicativos de risco para o desenvolvimento de DCNT, estao: tabaco, consumo nocivo de alcool, inatividade fisica e maus habitos alimentares, responsaveis, na maior parte pela epidemia de sobrepeso e obesidade, e pela alta prevalencia de hipertensao e colesterol elevado (Brasil, 2011).

Diante do exposto, o presente estudo teve como objetivo avaliar a prevalencia de Disbiose intestinal atraves da deteccao de sinais e sintomas na populacao de academicos do curso de Nutricao de uma Instituicao de Ensino Superior de Fortaleza--CE e identificar as Doencas Cronicas Nao Transmissiveis mais associadas.

MATERIAIS E METODOS

Trata-se de uma pesquisa de natureza quantitativa, descritiva e de tipo transversal. A pesquisa foi desenvolvida em uma Instituicao de Ensino Superior Privada de Fortaleza-CE, no periodo de outubro a novembro de 2016.

Foram incluidos na pesquisa todos que possuiam [greater than or equal to] 18 e < 60 anos, de ambos os sexos, e que eram academicos do curso de Nutricao. O curso foi escolhido pela acessibilidade aos elementos da populacao. Entre os excluidos da pesquisa estao, aqueles que nao preencheram completamente o questionario, se recusaram a participar da pesquisa e os que apresentaram < 18 anos ou [greater than or equal to] 60 anos.

Os alunos foram escolhidos ao acaso independente do semestre, assim foram coletados 105 questionarios. Porem atendendo aos criterios de exclusao, a amostragem foi composta por 91 alunos. Os dados somente foram coletados apos a autorizacao da Instituicao atraves do Termo de Anuencia e o academico consentir assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

A coleta de dados foi realizada atraves da aplicacao de dois questionarios aos voluntarios: um questionario elaborado abordando, informacoes socioeconomicas, principais fatores de risco para o desenvolvimento de DCNT e algumas DCNT relacionadas a Disbiose; e o Questionario de Rastreamento Metabolico (QRM). O primeiro questionario tem como principal objetivo identificar as DCNT mais encontradas na populacao pesquisada para depois relacionalas a presenca de Disbiose.

O QRM e voltado a analise de sinais e sintomas relacionados a hipersensibilidades alimentares e/ou ambientais, sendo validado pelo Instituto Brasileiro de Nutricao Funcional. O mesmo, e dividido em 14 secoes referentes a pontos de importancia do organismo e avalia cada sintoma baseado em seu perfil de saude.

As respostas foram preenchidas pelo participante, relatando o que ocorreu nos ultimos 30 dias. Os criterios de interpretacao geral do QRM estao apresentados na Tabela 1.

A Disbiose Intestinal e avaliada atraves da pontuacao dada pelo participante aos sinais e sintomas que estao relacionados no QRM total, como tambem atraves da secao especifica voltada ao Trato Digestivo.

Com isso os dados estatisticos foram destacados para sintomas gastrointestinais para analise do risco de Disbiose Intestinal.

De acordo com a analise proposta pelo QRM, pontuacoes iguais ou acima de 10 pontos em uma secao especifica do questionario indicam a existencia de hipersensibilidade alimentar e/ou ambiental.

Os criterios de inclusao da pontuacao em cada secao estao representados na Tabela 2.

E importante observar a quantidade de numeros 4 assinalados, pois este tambem e um indicador da existencia de hipersensibilidades, de acordo com o Instituto Brasileiro de Nutricao Funcional.

Os dados foram tabulados e analisados estatisticamente em forma de graficos e tabelas atraves do programa Excel.

A pesquisa seguiu os preceitos eticos conforme consta na Resolucao 466/2012 do Conselho Nacional de Saude que envolve pesquisas com Seres Humanos. O estudo foi aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa do Centro Universitario Estacio do Ceara (parecer no 1993132).

RESULTADOS

Fizeram parte deste estudo 91 alunos do curso de Nutricao, sendo 76 (83,51%) do sexo feminino e 15 (16,48%) do sexo masculino.

A media de idade foi de 22,15 anos, variando de 18 a 44.

A absoluta certeza da existencia de hipersensibilidade foi observada em 36,26% (>40 pontos) dos sujeitos avaliados. A amostra sugestiva total dos individuos que apresentaram indicativos de existencia de hipersensibilidades foram um total de 53,84% (>30 pontos), quantidade significativa de pessoas que apresentaram risco para Disbiose.

A Tabela 3 apresenta o resultado do escore final do QRM.

Em relacao a secao especifica do trato digestivo do QRM, 8,79% (n=8) dos participantes da pesquisa apresentaram pontuacoes iguais ou acima de 10 pontos, indicando a existencia de hipersensibilidade.

Tambem e importante observar a quantidade de numeros 4 assinalados, pois este tambem e um indicador da existencia de hipersensibilidades, por isso as pontuacoes de cada participante em relacao a cada sintoma do trato digestivo estao especificadas na Tabela 4.

Em relacao aos fatores de risco observados entre os 91 academicos, foram encontrados, 3,30% (n=3) tabagistas, 5,49% (n=5) etilistas, 36,26% (n=33) nao praticantes de exercicio fisico, 20,88% (n=19) com sobrepeso, 4,40% (n=4) com obesidade, 5,49% (n=5) com intolerancia a glicose e 2,20% (n=2) com dislipidemias.

Entretanto, alguns participantes possuiam um ou mais fatores de risco associados, 39,56% (n=36) dos participantes nao apresentaram fator de risco, 43,96% (n=40) dos participantes apresentaram somente um fator de risco, 15,38% (n=14) dos participantes apresentaram dois fatores de risco associados, e somente 1,10% (n=1) dos participantes apresentaram tres fatores de risco associados.

As Doencas Cronicas Nao Transmissiveis foram encontradas em 59,34% (n=54) dos 91 participantes da pesquisa. Dentre as principais DCNT relatadas estavam, as alergias com 35,16% (n=32), as Doencas respiratorias cronicas com 17,58% (n=16), a Sindrome do intestino irritavel com 3,30% (n=3), o cancer e a hipertensao com 2,20% (n=2) em cada, e os demais apresentaram apenas um caso (1,10%) de Intolerancia a lactose, Refluxo, Diabetes, Doenca de Cronh, Anemia cronica, Amigdalite e Fibromialgia.

No entanto, alguns academicos relataram mais de uma DCNT, ficando a subdivisao como, 40,66% (n=37) nao apresentaram DCNT, 51,64% (n=47) relataram somente uma DCNT, 6,59% (n=6) relataram possuirem duas DCNT, 1,10% (n=1) relataram possuirem tres DCNT.

Apenas os questionarios com >40 pontos foram correlacionados com os fatores de risco e as DCNT, pois os mesmos apresentam absoluta certeza da existencia de hipersensibilidades.

Os questionarios avaliados com >40 pontos foram divididos em quatro criterios: DCNT e fatores de risco associados, somente DCNT, somente fatores de risco p/ DCNT e aqueles que nao apresentaram nenhum desses criterios (Grafico 1).

DISCUSSAO

A populacao predominantemente do sexo feminino nesse estudo foi semelhante a populacao estudada em uma pesquisa realizada com profissionais de enfermagem, em que compuseram a amostra do estudo 85 profissionais de ambos os sexos (feminino n=64; masculino n=15; nao informado n=06) maiores de 18 anos (Galdino e colaboradores, 2016). Essa e uma caracteristica comum em cursos da area da saude, em que os estudantes sao predominantemente do sexo feminino, principalmente o curso de Nutricao, o que justifica o fato.

As dietas inadequadas responsaveis tanto pela desnutricao quanto pela crescente prevalencia de excesso de peso decorrente dos maus habitos alimentares, e um fator independente das condicoes socioeconomicas dos individuos (Ramalho e Saunders, 2000).

Esses maus habitos alimentares tornam o organismo, em particular o sistema digestivo e imunologico, os mais afetados (Tofani, 2014).

O intestino tem relacao direta com a saude humana, em que alteracoes na absorcao podem ser ocasionados pela Disbiose intestinal (Povoa, 2002).

O indicativo de presenca da Disbiose foi observado em 53,84% (n=49) dos sujeitos avaliados nesta pesquisa, resultado semelhante foi encontrado em um estudo realizado em Curitiba-PR com profissionais de enfermagem sendo observado em 74,1% (n=63) dos sujeitos avaliados no estudo.

A populacao desse estudo apresentou elevada porcentagem de pessoas com saude muito ruim (54,11%), o que diferencia da presente pesquisa onde apenas 1,10% apresentaram >100 pontos na pontuacao final do QRM (Galdino e colaboradores, 2016).

Isso indica a diferenca dos grupos estudados em questao, em que os profissionais de enfermagem apresentaram maiores riscos para Disbiose do que os academicos de Nutricao. Entretanto, os dois grupos apresentaram alta prevalencia de sinais e sintomas de Disbiose Intestinal.

O padrao alimentar dos universitarios e caracterizado pelo alto consumo de alimentos ricos em gorduras, acucar e sodio e pobres em micronutrientes, combinado a baixa ingestao de alimentos protetores, como as hortalicas, dessa forma ha uma baixa prevalencia de alimentacao saudavel.

Contudo, os academicos de Nutricao no decorrer do curso possuem o conhecimento na area de Nutricao, que pode influenciar para melhora dos habitos alimentares e contribuir positivamente ao estado nutricional e saude dos individuos (Marconato, Silva e Frasson, 2016).

Em relacao a pontuacao > 10 pontos na secao especifica do TGI, que e um indicativo da existencia de hipersensibilidades, foi observado apenas em 8,79% (n=8) dos participantes. Um estudo realizado com estudantes de Nutricao em Criciuma tambem foi destacado pontuacoes > 10 na secao especifica do TGI, onde foram observados 31% do total dos participantes (Fagundes, 2010).

Um percentual maior quando comparado com a presente pesquisa, porem, evidencia uma quantidade significativa de pessoas que apresentam pessimo estado de saude, podendo eles serem ocasionados pelos maus habitos alimentares e entre outros fatores ja citados que levam a Disbiose.

Da mesma forma deve-se observar a quantidade de pontuacao "04" assinalados, pois isto tambem pode ser um indicativo de hipersensibilidade alimentar e/ou ambiental.

Os sinais e sintomas que mais referiram esta pontuacao na presente pesquisa foi, o item arrotos e gases intestinais, seguido do item inchaco/distensao abdominal, azia, dor estomacal, constipacao/prisao de ventre, nauseas/vomitos e diarreia. Resultados diferentes desses sintomas foram encontrados em um estudo, onde a prevalencia foi para o item constipacao/prisao de ventre, seguido do item dor estomacal, inchaco/distensao abdominal, arrotos e gases intestinais e azia (Fagundes, 2010).

Entre os principais fatores de risco associados ao desenvolvimento de DCNT encontrados na presente pesquisa, os maiores percentuais foram, 36,26% (n=33) daqueles que nao praticavam exercicio fisico e 20,88% (n=19) que estavam com sobrepeso.

Em um estudo realizado com 145 hipertensos apresentaram resultados diferentes, relatando sobrepeso e obesidade em 75,2% da amostra, bem como a coexistencia de fatores de risco--como tabagismo (27,6%) e sedentarismo (57,9%) (Tavares e colaboradores, 2014). De acordo com a pesquisa nacional de saude (PNS) no Brasil a proporcao de adultos que nao praticam atividade fisica e de 46,0% (IBGE, 2014).

Neste estudo foi encontrado alta taxa de sedentarismo na populacao estudada, o que e preocupante pois a pratica regular de exercicios fisicos ou esportes e considerada como fator de protecao a saude das pessoas.

O sedentarismo associa-se a varias doencas e condicoes metabolicas adversas, tais como obesidade, diabetes mellitus tipo 2, alteracoes do perfil lipidico e maior probabilidade de desenvolver hipertensao quando comparadas a pessoas fisicamente ativas. O excesso de peso e um importante preditor de doencas cardiovasculares, e tem relacao de causa e efeito entre aumento da massa corporal e elevacao da pressao arterial (Bernardes e colaboradores, 2015).

No Brasil ha um aumento na prevalencia de DCNT, sendo esta uma das principais causas de mortalidade no mundo e no Brasil (Pereira, Souza e Vale, 2015).

As Doencas Cronicas Nao Transmissiveis foram encontradas em 59,34% (n=54) dos 91 participantes da pesquisa, o que evidencia essa prevalencia. Entre as DCNT predominantes na pesquisa estao as alergias e Doencas Respiratorias Cronicas (DRC).

As DRC se encontram dentro do grupo das quatro DCNT (doencas cardiovasculares, cancer, doencas respiratorias cronicas e diabetes) que se apresentaram mais preponderantes no Brasil, aos quais foram responsaveis por 80,7% dos obitos em 2009 (Duncan e colaboradores; 2012).

A Disbiose intestinal pode agir como causa subjacente no desequilibrio imunologico e a disfuncao do sistema imune pode estar associada ao desenvolvimento de alergias (Brioschi, 2009). De fato, a DCNT mais relatada nesta pesquisa foram as alergias. A Disbiose e um disturbio cada vez mais relevante no diagnostico de varias doencas, podendo ser considerada como causa ou coadjuvante no desenvolvimento de DCNT (Araujo, 2011).

Dentre os 33 participantes que apresentaram >40 pontos no QRM, 45,45% (n=15) apresentaram DCNT e fatores de risco associados, 30,30% (n=10) apresentaram somente DCNT associadas, 21,21% (n=7) apresentaram somente fatores de risco para DCNT e apenas 3,03% (n=1) nao teve nenhum criterio associado.

No presente estudo foi observado que entre os futuros profissionais da saude foi alta a prevalencia de DCNT, assim como a presenca de fatores de riscos que levam as mesmas, e e possivel que parte deles apresentem ou desenvolvam a Disbiose Intestinal. Com isso, podemos observar que e pequena a parcela de academicos de Nutricao que levam um estilo de vida saudavel.

Com o aumento da prevalencia das DCNT, foi criado pelo Ministerio da Saude um plano de acoes para prevencao e controle das doencas cronicas e seus fatores de risco.

Algumas metas nacionais propostas estao diretamente relacionadas a Nutricao, o que torna responsavel principalmente os academicos de Nutricao, Nutricionistas, e os demais profissionais de saude para que estas sejam alcancadas.

Entre elas estao: reduzir a prevalencia de obesidade em criancas, adolescentes e adultos; aumentar a prevalencia de atividade fisica no lazer; aumentar o consumo de frutas e hortalicas; reduzir o consumo medio de sal (Brasil, 2011).

CONCLUSAO

Os resultados sugerem que e alta a prevalencia de sinais e sintomas de Disbiose Intestinal entre os academicos de Nutricao (53,84%).

Considerando isto, e possivel que no futuro parte deles apresentem ou desenvolvam alguma DCNT, devido a maior atividade de microrganismos patogenicos.

A Disbiose tem sido cada vez mais considerada como causa ou coadjuvante no desenvolvimento de doencas cronicas nao transmissiveis.

No presente estudo, os sinais e sintomas da Disbiose esteve prevalentemente associado a presenca de DCNT e/ou com o seu possivel desenvolvimento.

A intensa atividade de microrganismos patogenicos tambem facilita o desenvolvimento de doencas inflamatorias como a Doenca de Crohn, Doenca Celiaca, Artrite Reumatoide e Sindrome Metabolica.

REFERENCIAS

(1)-Almeida, L. B.; Marinho, C. B.; Souza, C. S.; Cheib, V. B. P. Disbiose intestinal. Revista Brasileira de Nutricao Clinica. Vol. 24. Num.1. p. 58-65. 2009.

(2)-Araujo, E.M.Q. Disbiose intestinal. In: Pujol, A.P.P. Nutricao Aplicada a Estetica. Rio de Janeiro. Editora Rubio. 2011. p. 139-153.

(3)-Bernardes, L.E.; Vieira, E.E.S.V.; Lima, L.H.O.; Carvalho, G.C.N.; Silva, A.R.V. Fatores de risco para doencas cronicas nao transmissiveis em universitarios/Risk factors for chronic noncommunicable diseases in university students. Ciencia, Cuidado e Saude. Vol. 14. Num. 2. p. 1115-1121. 2015.

(4)-Bonfante, V. Disbiose Intestinal: a estreita relacao entre o intestino e a saude. Revista Essentia Pharma. Florianopolis-SC. 2a edicao. 2012.

(5)-Brasil. Ministerio da Saude. Secretaria de Atencao a Saude. Departamento de Atencao Basica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doencas cronicas nas redes de atencao a saude e nas linhas de cuidado prioritarias / Ministerio da Saude, Secretaria de Atencao a Saude, Departamento de Atencao Basica. Brasilia: Ministerio da Saude. 2013. 28 p.

(6)-Brasil. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude. Departamento de Analise de Situacao de Saude. Plano de Acoes Estrategicas para o Enfrentamento das Doencas Cronicas Nao Transmissiveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasilia: Ministerio da Saude. 2011.

(7)-Brasil. Ministerio da saude. Vigitel Brasil 2014 Saude Suplementar: vigilancia de fatores de risco e protecao para doencas cronicas por inquerito telefonico. Ministerio da Saude, Agencia Nacional de Saude Suplementar. Brasilia: Ministerio da Saude. 2015. 165 p.

(8)-Brioschi, E.F.C.; Brioschi, M.L.; Yeng, I.; Teixeira, M.J. Nutricao funcional no paciente com dor cronica. Rev Dor. Vol. 10. Num. 3. p. 276-285. 2009.

(9)-Davidson, P.; Carvalho, G. Ecologia e Disbiose Intestinal. In: Paschoal, V.; Naves, A.; Fonseca, A.B.B.L. Nutricao Clinica Funcional: dos principios a pratica clinica. 2a edicao. Sao Paulo. Editora VP. 2014.

(10)-Duncan, B.B.; Chor, D.; Aquino, E.M.L.; Bensenor, I.M.; Mill, J.G.; Schmidt, M.I.; Lotufo, P.A.; Vigo, A.; Barreto, S.M. Doencas Cronicas Nao Transmissiveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigacao. Revista Saude Publica. Vol. 46. 2012.

(11)-Fagundes, G.E. Prevalencia de sinais e sintomas de Disbiose Intestinal em estudantes do curso de Nutricao da Universidade do Extremo Sul Catarinense. TCC em Nutricao. Universidade do Extremo Sul Catarinense. Criciuma. 2010.

(12)-Galdino, J.J.; Oselame, G. B.; Oselame, C. D. S.; Neves, E. B. Questionario de rastreamento metabolico voltado a disbiose intestinal em profissionais de Enfermagem. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol. 10. Num. 57. p. 117-122. 2016. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/422>

(13)-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica Pesquisa Nacional De Saude. Percepcao do estado de saude, estilos de vida e doencas cronicas-Brasil, grandes regioes e unidades da federacao. Pesquisa Nacional de Saude-PNS 2013. 2014.

(14)-Marconato, M.S.F.; Silva, G.M.M.; Frasson, T.Z. Habito alimentar de universitarios iniciantes e concluintes do curso de Nutricao de uma Universidade do interior Paulista. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol. 10. Num. 58. p. 180-188. 2016. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/436>

(15)-Musso, G.; Gambino, R.; Cassader, M. Gut microbiota as a regulator of energy homeostasis and ectopic fat deposition: mechanisms and implications for metabolic disorders. Current Opinion Lipidology, Turin, Italy. Num. 21. p. 76-83. 2010.

(16)-Oliveto, P. Pesquisa mostra que bacterias da mae estimulam sistema de defesa do bebe: As bacterias intestinais da mae tambem estimulam o desenvolvimento imune do feto, um mecanismo de protecao entao desconhecido. Correio Braziliense. Brasilia. 18 marco 2016. Disponivel em: <http://www.correiobraziliense.com.br/app/noti cia/ciencia-e saude/2016/03/18/interna_ciencia_saude,5228 22/pesquisa-mostra-que-bacterias-da-maeestimulam-sistema-de-defesa-do-be.shtml>. Acesso em: 03/08/2016.

(17)-Pereira, R.A.; Souza, R.A.A.; Vale, J.S. O Processo de Transicao Epidemiologica No Brasil: Uma Revisao de Literatura. Revista Cientifica da Faculdade de Educacao e Meio Ambiente. Vol. 6. Num. 1. p. 99-108. 2015.

(18)-Povoa, H. O cerebro desconhecido: como o sistema digestivo afeta nossas emocoes, regula nossa imunidade e funciona como orgao inteligente. Rio de Janeiro. Editora Objetiva. 2002.

(19)-Pujol, A.P.; Pereira, E.F. Acne. In: Pujol, A.P.P. Nutricao Aplicada a Estetica. Rio de Janeiro. Editora Rubio. 2011. p. 71-90.

(20)-Ramalho, R.A.; Saunders, C. O papel da educacao nutricional a educacao nutricional no combate as carencias nutricionais te as carencias nutricionais. Rev. Nutr. Vol. 13. Num. 1. p. 11-16. 2000.

(21)-Souza, M.L.R. Probioticos e a permeabilidade intestinal. Pos em Revista: Revista do Programa de Pos-Graduacao do Centro Universitario Newton Paiva. Minas Gerias. Num. 6. p. 299-306. 2012.

(22)-Tavares, R.S.; Silva, D.M.G.V.; Sasso, G.T.M.D.; Padilha, M.I.C.S.; Santos CRM. Fatores de riscos cardiovasculares: estudo com pessoas hipertensas, de um bairro popular na regiao amazonica. Ciencia, Cuidado e Saude. Vol. 13. Num. 1. p. 4-11. 2014.

(23)-Tofani, A. Sindrome Fungica: Entenda os principais fatores de risco, sinais e sintomas de predisposicao. AS Sistemas. 2014.

(24)-World Health Organization (WHO): Noncommunicable Diseases (NCD) Country Profiles. 2014.

Endereco para correspondencia:

Barbara Rebeca Cordeiro de Melo.

Rua Itaborai, 268, Passare, Fortaleza, Ceara.

CEP: 60861830.

Recebido para publicacao em 24/02/2018

Aceito em 02/04/2018

Barbara Rebeca Cordeiro de Melo [1], Raquel Sombra Basilio de Oliveira [1,2]

[1]-Departamento de Nutricao, Centro Universitario Estacio do Ceara, Fortaleza-CE, Brasil.

[2]-Programa de pos-graduacao em Bioquimica, Universidade Federal do Ceara (UFC), Fortaleza-CE, Brasil.

E-mail dos autores:

brcm665@hotmail.com

quelsombra@gmail.com

Caption: Grafico 1--Percentual dos questionarios com >40 pontos e sua correlacao com DCNT e fatores de risco para DCNT de Fortaleza-CE, 2016.
Tabela 1--Interpretacao do QRM.

Pontos         Interpretacao

< 20 pontos    Pessoas mais saudaveis, com menor chance de terem
               hipersensibilidade.

> 30 pontos    Indicativo de existencia de hipersensibilidades.

> 40 pontos    Absoluta certeza de existencia de hipersensibilidade.

> 100 pontos   Pessoas com saude muito ruim--alta dificuldades para
               executar tarefas diarias, pode estar associada a
               presenca de outras doencas cronicas e degenerativas.

Fonte: Instituto Brasileiro de Nutricao Funcional.

Tabela 2--Criterios de inclusao da pontuacao em cada secao do QRM

Escala de pontos              Frequencia dos sintomas

0                  Nunca ou quase nunca teve o sintoma
1                  Ocasionalmente teve, efeito nao foi severo
2                  Ocasionalmente teve, efeito foi severo
3                  Frequentemente teve, efeito nao foi severo
4                  Frequentemente teve, efeito foi severo.

Fonte: Instituto Brasileiro de Nutricao Funcional.

Tabela 3--Resultado da pontuacao final da aplicacao do QRM a 91
academicos de Nutricao de uma Instituicao de ensino de Fortaleza-CE,
2016.

             < 20 pontos   20 a 30 pontos *  >30 pontos    >40 pontos

            n       %      n       %       n       %      n       %

Feminino    18    19,78    15    16,48     16    17,58    26    28,57
Masculino    5     5,49     4      4,4      0        0     6     6,59
Total       23    25,27    19    20,88     16    17,58    32    35,16

            >100 pontos     Total

            n     %      n       %

Feminino    1    1,10    76    83,51
Masculino   0      0     15    16,48
Total       1    1,10    91    100,0

Legenda: * Os questionarios com resultados entre 20 a 30 pontos nao
sao interpretados pelo QRM, porem eles foram considerados e separados
das outras pontuacoes nos resultados para que nao haja erro.

Tabela 4--Sintomas do trato gastrointestinal de 91 academicos de
Nutricao de uma Instituicao de ensino de Fortaleza-CE, 2016.

Sintomas do Trato Gastrointestinal          P0 n (%)       P1 n (%)

Nauseas/vomito                              76 (83,52%)      9 (9,89%)
Diarreia                                    67 (73,63%)    19 (20,88%)
Constipacao/prisao de ventre                69 (75,82%)    13 (14,29%)
Sente-se inchado/ com abdomen distendido    53 (58,24%)    22 (24,18%)
Arrotos e/ou gases intestinais              48 (52,75%)    25 (27,47%)
Azia                                        65 (71,43%)    15 (16,48%)
Dor estomacal/intestinal                    65 (71,43%)    14 (15,38%)

Sintomas do Trato Gastrointestinal          P2 n (%)     P3 n (%)

Nauseas/vomito                              3 (3,30%)      1 (1,10%)
Diarreia                                    4 (4,40%)         0 (0%)
Constipacao/prisao de ventre                   0 (0%)      6 (6,59%)
Sente-se inchado/ com abdomen distendido    3 (3,30%)      9 (9,89%)
Arrotos e/ou gases intestinais              2 (2,20%)     11 (12,09%)
Azia                                        2 (2,20%)      6 (6,59%)
Dor estomacal/intestinal                    4 (4,40%)      5 (5,49%

Sintomas do Trato Gastrointestinal          P4 n (%)

Nauseas/vomito                              2 (2,20%)
Diarreia                                    1 (1,10%)
Constipacao/prisao de ventre                3 (3,30%)
Sente-se inchado/ com abdomen distendido    4 (4,40%)
Arrotos e/ou gases intestinais              5 (5,49%
Azia                                        3 (3,30%)
Dor estomacal/intestinal                    3 (3,30%)

Legenda: P0: Pontuacao 0; P1: Pontuacao 1; P2: Pontuacao 2; P3:
Pontuacao 3; P4: Pontuacao 4
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:de Melo, Barbara Rebeca Cordeiro; de Oliveira, Raquel Sombra Basilio
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Article Type:Ensayo
Date:Nov 1, 2018
Words:4647
Previous Article:Associated indicators to abdominal obesity in brazilian and spanish students aged 11 to 16 years/ INDICADORES ASSOCIADOS A OBESIDADE ABDOMINAL EM...
Next Article:METABOLIC SYNDROME: IDENTIFYING RISK FACTORS IN CLIMACTERIC WOMEN/ Sindrome metabolica: identificando fatores de risco em mulheres climatericas.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2022 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |