Printer Friendly

Politicas de ciencia y tecnologia y la relacion universidad-industrial-gobierno: un enfoque de transferencia de tecnologia.

POLITICAS DE CIENCIA E TECNOLOGIA E A RELACAO UNIVERSIDADE-INDUSTRIA-GOVERN O: UMA ABORDAGEM SOBRE TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA

SCIENCE AND TECHNOLOGY POLICIES AND THE UNIVERSITY-INDUSTRY-GOVERNMENT RELATIONSHIPS: A STUDY ABOUT TECHNOLOGY TRANSFER

Introducao

Desde meados do seculo XX, especialistas das areas de Ciencia e da Tecnologia tem reafirmado que o processo de desenvolvimento deveria ser o resultado de uma acao multipla e coordenada de tres elementos fundamentais para o desenvolvimento das sociedades contemporaneas: o governo, a estrutura produtiva e a infraestrutura cientifica e tecnologica.

Especificamente observando as politicas de ciencia e tecnologia no Brasil, a promocao de articulacoes entre os tres elementos ocorre de forma nao sincronizada, desta forma prejudicando o desenvolvimento economico e realizando um processo de transferencia dos conhecimentos, gerados e transformados em tecnologia pela infraestrutura cientifica e tecnologica para o setor produtivo de uma forma deficiente.

Baseado neste cenario, a inovacao passou ser incorporada com a nova teoria do crescimento, e as politicas de ciencia e tecnologia no Brasil passaram a absorver, a partir de decada de 1990, o fomento da inovacao, e se orientando para construcao de uma 'politica de inovacao' essa tendencia ocorreu como uma consequencia natural dos sistemas de incentivos e punicoes estabelecidos em decorrencia da liberacao do mercado. Essa politica estava dedicada a analisar, entender e responder efetivamente aos desafios economicos, politicos, de gestao e organizacionais colocados pela tecnologia, inovacao, pesquisa e ciencia. (Viotti, 2008; Martin, 2012).

O termo inovacao passou a ser incorporado nao apenas ao seu nome, hoje denominadas Politicas de Ciencia, Tecnologia e Inovacao, mas tambem em seus arranjos institucionais e medidas de politicas ensejadas. Sendo este um grande desafio da politica cientifica e tecnologica para os proximos anos, uma questao relevante e como mobilizar a capacidade das universidades e empresas brasileiras para gerar desenvolvimento tecnologico.

Os negocios tecnologicos promovidos pelas relacoes universidade-empresa-governo sao promissores, dado o vasto aumento das relacoes e o fato das universidades tenderem a ser mais afetadas pelas forcas do mercado, cabe a politica de cientifica e tecnologica equilibrar os anseios institucionais e promover a sinergia do processo de comercializacao de tecnologia bem como otimizacao constante dos processos de transferencia de tecnologia (Link et al, 2011).

Atualmente neste contexto tecnico-cientifico, a transferencia de tecnologia da universidade para a empresa emerge como uma necessidade de mercado para construcao de inovacoes significativas para sociedade.

Sobre este processo organizacional, transferencia de tecnologia segundo Bozeman et al. (2015) pode ser definida de diversas maneiras diferentes, de acordo com a disciplina da pesquisa bem como a finalidade da pesquisa. Um processo representado pelo movimento da tecnologia, inovacao, informacao e conhecimento entre instituicoes de ensino, pesquisa e extensao para pessoas ou organizacionais com capacidade significativa de absorcao e utilizacao.

Com o passar do tempo as atividades de transferencia de tecnologia nas relacoes inter-organizacionais ganharam um olhar estrategico, principalmente em relacao ao papel do governo atraves das politicas de ciencia e tecnologia, neste contexto utilizada como ferramenta de gestao em busca de resultados satisfatorios para o desenvolvimento economico e tecnologico (Friedman e Silberman, 2003; Tran et al., 2011).

Diante do exposto, a questao de pesquisa e discutir como as politicas de ciencia e tecnologia promove a transferencia de tecnologia no ambito da relacao universidade--empresa-governo.

Politica de Ciencia e Tecnologia

Considerado o inicio do processo de apropriacao social da ciencia, a politica cientifica implantada nos EUA na metade do seculo XX, motivada pela segunda guerra mundial, e considerada a primeira socializacao significativa da ciencia. Nessa politica emergiu o modelo linear de inovacao, que movimentou por mais de 40 anos a ciencia e que no final do seculo passou e ser foco das criticas por diversos fatores.

No contexto da contribuicao historica, Bush (1945), no informe Science, The Endless Frontier, descrito pelo responsavel da relacao entre o Projeto Manhattan e a Casa Branca, Vannevar Bush, encaminhado ao presidente Harry S. Truman, recomendava diversos pontos que complementam o modelo linear de inovacao. Merino (2008) destaca alguns:

--a necessidade do desenvolvimento cientifico--o que resulta em nivel de vida mais alto, na conservacao dos recursos limitados, e na consolidacao dos meios de defesa;

--a ciencia e de responsabilidade do governo--assim como a saude, qualidade de vida e seguranca, o processo cientifico deve ser de responsabilidade do governo;

--a importancia da pesquisa basica--os novos produtos e processos fundamenta-se em principios de novas concepcoes, que por sua vez sao elaborados pela pesquisa de campo e da ciencia pura;

--centro de pesquisa basica sao nesses centros que os pesquisadores podem atuar em um ambiente livre.

Algumas repercussoes discutidas sobre o Projeto Manhattan (Cuevas, 2008) esta no estabelecimento politico, onde alguns perceberam a importancia do conhecimento cientifico, cientistas perceberam a necessidade de trabalhar em grupos de maneira interdisciplinar, buscar mecanismos de financiamentos em larga escala, e pedir um lugar na sociedade.

Outras discussoes se direcionam sobre o papel da insercao de uma nova tecnologia, onde especialmente influencia a cultura de uma nacao, em termos de normas, valores, atitudes, comportamento social, instituicoes, organizacoes sociais. Tecnologia da comunicacao trouxe imagens da guerra do Vietna as salas americanas, que nao so terminou com esta guerra, mas tambem mudou o sistema politico americano (Rothwell e Wissema, 1986).

Com outra perspectiva, Brooks (1994), afirma que as relacoes entre ciencia e tecnologia variam consideravelmente em relacao a sua forma de dominio, sendo isto alvo de discussoes sobre as contribuicoes da ciencia a tecnologia. A distincao entre politica cientifica e politica da ciencia desenvolvidas por Merino (2008) descrevem como se comportam essas variaveis em torno de seus ambientes. O autor destaca que a politica cientifica representa um conjunto de acoes que estabelece um governo visando o desenvolvimento da pesquisa cientifica, integrante do processo de inovacao tecnologica usando a C&T para objetivos politicos gerais por meio de financiamento originario de recursos publicos, ja a politica da ciencia e um processo de interacao entre ciencia e poder, onde usa a ciencia a intencao de influenciar a sociedade e como um recurso nas relacoes internacionais. Contextualizando, a politica cientifica e um produto da politica da ciencia, no exemplo, o uso governamental concreto de conhecimento e da producao de C&T.

E preciso relembrar dois fatos bem conhecidos por pesquisadores de estudos de ciencia, tecnologia e sociedade. Para Dagnino (2008), o primeiro fato e a existencia de um modelo descritivo, normativo e institucional baseado no modelo linear de inovacao que orientou a elaboracao do Projeto Manhattan, criticado na America Latina desde os anos de 1960, manteve-se ate bem pouco tempo predominante no mundo inteiro.

Outro fator descrito pelo autor e o crescente dominio da interpretacao proporcionada pela Teoria da Inovacao, que a partir dos anos de 1980, emerge como uma alternativa a cadeia linear de inovacao (pesquisa basica, desenvolvimento tecnologico, economico e social) (Mazocco, 2014); a critica da Teoria a cadeia linear de inovacao se concentra no questionamento do primeiro elo dessa cadeia, na suposicao de que o desenvolvimento cientifico ou a pesquisa basica, e os recursos humanos formados resultariam automaticamente ao desenvolvimento tecnologico. Com o rotulo CT+I (Ciencia, Tecnologia e Inovacao) Dagnino (2008), relata que este rotulo surgiu para expressar esta critica, que a capacidade cientifica, nao era uma condicao completa para o desenvolvimento tecnologico e nem para ter competitividade entre os paises. Em relacao ao contexto contemporaneo, Ockwell et al. (2010) apresenta em seu estudo as fragilidades da literatura e do pensamento politico em pensar nas areas tendencias como a transferencia de tecnologia principalmente em conceber, apoiar e ampliar de alguma forma para conseguir difusao mais rapida da inovacao, representando assim missao atribuida as politicas de ciencia e tecnologia.

Martin (2012) discute um problema, que pessoas diferentes tem rotulado diferentes atividades de investigacao em que estamos centrados de maneiras diferentes, influenciados pelas mudancas ao longo do tempo. Na decada de 1960, uma designacao comum era 'politica cientifica', ou 'politica de investigacao', enquanto nos anos 70 e 80, varias combinacoes de ciencia, tecnologia e inovacao (variacoes sobre estes tais como engenharia de 'pesquisa e desenvolvimento'; P&D) foram empregadas. O autor destaca que, a partir da decada de 1990, a preferencia de muitos era usar 'inovacao' como substantivo generico para a caracterizacao do campo com este termo, sendo assumido para incluir aspectos da 'ciencia' e 'tecnologia'. Com um rotulo mais completo, Martin (2012) relata que muitos pesquisadores, optaram por um rotulo sucinto, politica cientifica e estudos de inovacao, o condicionante para reflexao da historia.

Transferencia de Tecnologia

O processo de transferencia de tecnologia geralmente envolve mover uma inovacao tecnologica ou conhecimento de uma organizacao de P&D ate o processo de comercializacao, frequentemente realizado por empresas privadas. As organizacoes de P&D sao representadas por universidade, unidade corporativa ou por um laboratorio governamental (Rogers et al., 2001).

Para Lima (2004) a transferencia de tecnologia pode assumir diversas concepcoes, variando de acordo com a sua abordagem. A autora traz a definicao de transferencia de tecnologia como um processo de movimentacao de descobertas cientificas e tecnologias desenvolvidas no ambiente universitario, agencias governamentais, voltados para a comunidade industrial e nao governamental. Para a autora, o termo transferencia de tecnologia refere-se ao processo de importacao de tecnologia, o proprietario da tecnologia e protegido por um amparo legal, representado pelo sistema de patentes; a transferencia de tecnologia so ocorre quando no processo os pre-requisitos estabelecidos e necessarios sao respeitados, ou seja, no processo a motivacao necessaria para que de fato o fenomeno ocorra.

Com o foco nas relacoes inter-organizacionais, Bozeman (2000) descreve a importancia deste meio de aquisicao de conhecimento tecnologico atraves de parceiros externos, sendo que a transferencia de tecnologia envolve o movimento de know-how, conhecimento tecnologico, ou tecnologia de uma organizacao para outra. Segundo o autor, o termo tem sido utilizado para descrever e analisar uma variedade surpreendentemente de interacoes institucionais que envolvem alguma forma de relacionamento tendo como objeto a tecnologia. As fontes da tecnologia sao as empresas privadas, governo, universidades e organizacoes sem fins lucrativos.

Interpretado tambem como transferencia de conhecimento, chamado de know-why, representado por conhecimentos dos principios e natureza da tecnologia e de sua transferencia e know-how, a experiencia de como fazer, quando a transferencia ocorre atraves de processos e maquinas, o processo de transferencia ocorrera atraves do aprender fazendo ou aprender usando, e a aprendizagem por imitacao (De Fatima Portela, 2005).

Recursos financeiros suficientes para assegurar a viabilidade do projeto, recursos humanos adequados e motivados, sao fundamentais para o exito da transferencia de tecnologia, alem disso, o processo envolve atividades de compras ou absorcao de tecnologias nacionais ou estrangeiras consideradas de interesse para a capacitacao tecnologica, contribuindo para o desenvolvimento economico e social do pais (Bozeman, 2000; Lima, 2004; De Fatima Portela, 2005).

Algumas observacoes principais sobre a transferencia de tecnologia estao no tamanho das operacoes como financiamentos, numero de pessoas envolvidas, numeros de instituicoes, experiencia das pessoas e das instituicoes na consecucao do processo e respostas aos riscos e ao processo de aprendizagem emergente irao determinar o comportamento da acao, ainda, questoes sobre inovacao, incertezas de mercado, juridicas, tecnologicas, competitivas e fatores sociais quando se agrupam geram o desafio de gerenciamento das operacoes (Park et al., 2010).

Para melhorar o fluxo de informacoes nas operacoes de transferencia de tecnologia entre o desenvolvedor da tecnologia e o seu destinatario, a transferencia deve oferecer suporte orientado pelas demandas colocadas buscando resultados efetivos. Contudo, o alcance esta na forma de condicao do processo onde decisoes de investimentos e selecao da tecnologia sao expressos como atividades-chaves. (Baraki e Brent, 2013).

Autores como Zhang e Gallagher (2016) mencionam que os sistemas globais e nacionais de inovacao sao promotores de um processo intensivo na troca de conhecimentos e informacoes de mercado, alem de outras informacoes pertinentes aos atores envolvidos; ou seja, universidade, industria e governo. Diante disso, os canais de transferencia de tecnologia sao fundamentais para sustentar o processo de inovacao.

Considerando que os aspectos mencionados nao sao observados no ambiente de origem da tecnologia, o fato de conceber uma tecnologia, independente da forma, seja conhecimentos ou prototipo, nao garante a sua producao e efetividade, devido a necessidade de transferir habilidades para manipular e desenvolver um plano de adequacao.

Metodologia

A pesquisa tera sua natureza entendida como uma pesquisa basica que, na concepcao de Trujillo-Ferrari (1982), procurar aperfeicoar o proprio conhecimento, buscando contribuir, entender e explicar os fenomenos. Onde o objetivo para os pesquisadores e gerar novas teorias e contribuir para o avanco do conhecimento.

Em relacao a sua forma de abordagem sera qualitativa, onde este e indicado quando esta se lidando com problemas pouco conhecidos (Godoy, 1995). Este metodo envolve busca de informacoes que ainda nao estao devidamente estruturadas e que merecem ser melhor compreendidas para uma analise aprofundada a luz de uma teoria que esta em construcao.

Do ponto de vista de seus objetivos, classifica-se como descritiva, que segundo Gil (2008), buscar descrever caracteristicas de uma determinada populacao ou fenomeno.

Do ponto de vista dos procedimentos tecnicos, de acordo com Gil (2008) este estudo e bibliografico. A pesquisa bibliografica foi elaborada a partir de materiais ja publicados que efetivamente sao relevantes nas contribuicoes ao contexto historico-contemporaneo do fenomeno estudado, alem de artigos com alto fator de impacto, como tambem, livros e teses disponiveis na internet.

Para os procedimentos de busca de artigos, foi realizada uma pesquisa bibliometrica, formatada a intencao de pesquisa, o fluxograma a seguir apresenta como foi realizado:

Observa-se na Figura 1 que a busca por bibliografia foi baseada em uma metodologia de definicao de bases de dados, combinacao de palavras-chaves alinhadas a questao de pesquisa em conjunto com um recorte temporal de 40 anos, ou seja, de 1975 a 2015. As bases de dados selecionadas para o estudo foram Science Direct e Web of Science. O criterio de escolha das bases se deu pela amplitude de periodicos especializados acerca das palavras chaves.

Utilizando combinacoes das palavras chaves no processo de sistematizacao de busca, inicialmente foram utilizadas as seguintes palavras: policy science and technology + technology transfer+university industry government relationship. Contudo, nao houve resultados. Como estrategia alternativa optou-se pela combinacao de duas palavras chaves: policy science and technology + technology transfer, policy science and technology + university industry government relationship e technology transfer + university + industry + government relationship.

Os resultados encontrados com as combinacoes apresentaram 505 artigos publicados; contudo, a atencao que se teve foi em verificar se a publicacao atende o contexto da questao de pesquisa. Para sistematizar os procedimentos de analise foram utilizados gerenciadores de referencias Zotero e Endnote, onde foi visualizado a discrepancia nas politicas de C&T na promocao do desenvolvimento tecnologico atraves de processos de transferencia de tecnologia no contexto da relacao universidade -industria--governo.

Resultados

Na Tabela I sao apresentados os 18 artigos selecionados na pesquisa bibliometrica condizentes com a pesquisa e alinhados com palavras-chaves, bem como suas principais contribuicoes. A discussao acerca dos artigos selecionados esta sob o objeto de analise proposto. Pode-se afirmar que a transferencia de tecnologia nao e o escopo principal das politicas de ciencia e tecnologia; entretanto, a orientacao ao processo de geracao de conhecimento, tecnologia e inovacao necessitam de diretrizes claras e sistematizadas para organizar o processo (Bozeman, 2000; Dolfsma e Seo, 2013; Festel, 2013).

O alinhamento entre politicas industrias, politicas de ciencia e tecnologia sao fundamentais para garantir do desenvolvimento economico e tecnologico de uma nacao (Bush, 1945; Brooks, 1994). Quando se trata da articulacao da relacao universidade-industria-governo nota-se que os interesses institucionais de cada organizacao sao semelhantes, porem distintos, diante deste cenario, uma politica capaz de tracar prioridades as instituicoes bem como valorizar as intencoes de forma individualizada (Landry et al., 2013; Olavarrieta e Villena, 2014).

Observando o cenario da area politica, distincoes sobre conceitos das instituicoes governo e Estado sao necessarias para entender o comportamento dos atores participantes da area politica das quais sao participantes do processo de formulacao de politicas publicas (Rothwell e Wissema, 1986; Bozeman, 2000; Bozeman et al., 2015). Neste contexto, a dinamica do governo tem um papel importante em certas areas de abrangencia da politica de ciencia e tecnologia que, necessariamente, precisa tratar da transferencia de tecnologia como variavel influenciadora dos aspectos relacionais entre universidade industria -governo.

Consideracoes Finales

Discutir a relacao entre as politicas de ciencia e tecnologia e a relacao universidade-empresa-governo na perspectiva da transferencia de tecnologia e o objetivo deste trabalho. O estudo se direcionou em buscar referencias que reportam as discussoes sobre o papel do Estado representado pelas politicas de ciencia e tecnologia e sua relacao com a promocao da relacao universidade-empresa-governo no que cerne a transferencia de tecnologia.

Efetivado o resultado, este busca entender as funcoes das politicas de ciencia e tecnologia promotoras de desenvolvimento cientifico e tecnologico de uma nacao, que impacta do desenvolvimento economico e social. Uma primeira compreensao esta na distincao entre politica cientifica e politica de ciencia, que sao alternativas de promocao da ciencia, mas precisam ser consolidadas de forma associada, em virtude a primeira representa as estrategias governamentais que envolvem a ciencia por meio de concessoes de financiamentos e outros beneficios, e a segunda se relaciona com o poder, atuando no processo de difusao na economia e sociedade.

Estabelecido sua relacao, a politica cientifica e um produto da politica de ciencia; essas se relacionam com a tecnologia, com variacoes em relacao a sua forma de dominio. Neste contexto, alguns marcos historicos como o realizado por Bush (1945) no informe Science, The Endless Frontier, que apontou varios topicos em relacao ao modelo linear de inovacao e a importancia do processo cientifico e tecnologico, direcionou a politica de ciencia e tecnologia americana, e serviu de modelo para outras nacoes.

Fato emergente, a relacao da tecnologia e seu poder de influencia na sociedade, representado pelas modificacoes nas organizacoes, cultura, valores, normas, comportamentos, relacao capaz de mudar um sistema politico de uma nacao, fato que, consolidou a sua importancia. A partir do Projeto Manhattan, o conhecimento cientifico ganhou um prisma diferente; o estabelecimento politico reconheceu a necessidade de promover fontes de financiamentos, como normatizar e modificar praticas ultrapassadas, fortalecendo a comunidade academica.

A influencia da teoria da inovacao sob a cadeia linear de inovacao, especialmente na interpretacao de que o desenvolvimento cientifico e pesquisa basica se resultam em desenvolvimento tecnologico, desta critica surgiu a identidade de ciencia, tecnologia e inovacao. Isto expressa que a capacidade cientifica nao e condicao completa para o desenvolvimento tecnologico tao pouco para competitividade entre paises. Com o termo inovacao incluido no rotulo das politicas com finalidade de caracterizacao, o termo em si assumiu aspectos da ciencia e a tecnologia.

Na America Latina os reflexos de desenvolvimento das atividades cientificas e tecnologicas foram limitados e lentos, expressando um processo tardio. Poucos lideres cientificos alinhavam com o governo em pesquisas basicas e promocao das comunidades cientificas. A partir destes fatos iniciou um cenario de politicas de ciencia e tecnologia, mas com proble mas no processo de importacao de tecnologias sem as devidas adaptabilidades, problemas com o setor de bens de capital, ausencia de mecanismos de financiamentos, e de empresas que investem em atividades cientificas e tecnologicas.

Com a elite academica apoiada por agencias internacionais, houve o repasse informacional sobre a cadeia linear de inovacao ao governo, que fomentou o aumento da qualidade nas instituicoes de ensino superior, mas nao renovou a tecnologia, e nao se relacionou com a estrutura produtiva. Nes te ponto, a fragmentacao da politica de ciencia e tecnologia e a ausencia de politicas industriais estabelecidas, facilitou no distanciamento entre governo, universidade e empresa, prejudicando o processo de transfe rencia de tecnologia, sendo tardio neste. A ausencia de capacidade cientifica, sistema academico limitado, e inexistencia de pos-graduacao contribuiram para um sistema de C&T desequilibrado. Mas em processo de evolucao, pessoal qualificado em nivel de pos-graduacao e agencias promotoras de inovacao estao atuan do em paises na America Latina, mas com politicas de C&T conflitantes, que desequilibram a evolucao desses sistemas.

O processo de transferencia de tecnologia, que explicitou que o entendimento sobre o que e tecnologia e a sua finalidade, justifica sua transferencia na perspectiva inter-organizacional. Em varios exemplos a tecnologia e representada pela inovacao tecnologica que em algum momento ira promover vantagem competitiva. Um processo que possui necessidade de adaptabilidade em relacao ao local importador, fatores culturas, geograficos e antropologicos podem influenciar no processo. Atender estes fatores facilitam a utilizacao de forma satisfatoria aquilo que estava previsto.

A caracterizacao da relacao universidade-empresa-governo, relatado sua importancia com base no modelo da helice triplice (Etzkowitz e Leydesdorff, 2000), modelo este que apresenta funcoes ao Estado que pode facilitar o processo de fomento a inovacao, deixar de ser somente financiador e passar a ser emancipador participante ativo do processo, almejando seus interesses institucionais em prol da sociedade. Com esta caracterizacao, revela a importancia da fragmentacao dos aspectos geograficos, culturais e antropologicos das organizacoes promotoras e assegurar a autonomia universitaria.

Todos os autores utilizados concordam que o crescimento a longo prazo e preciso fomentar as inovacoes promovidas pelos processos de investimento, desenvolvimento e comercializacao, articulados estas, pelas politicas de ciencia e tecnologia e politica industrial, promovendo o desenvolvimento tecnologico. A partir deste contexto e de entendimento que a transferencia de tecnologia voltadas na relacao universidade-empresa-governo pode contribuir significativamente, mas e necessario te-la de forma clara e objetiva no escopo da politica de ciencia e tecnologia.

Recebido: 23/05/2016. Modificado: 10/07/2017. Aceito: 12/07/2017.

REFERENCIAS

Aiginger K (2007) Industrial policy: a dying breed or a re-emerging phoenix. J. Indust. Compet. Trade 7: 297-323.

Baraki YA, Brent AC (2013) Technology transfer of hand pumps in rural communities of Swaziland: Towards sustainable project life cycle management. Technol. Soc. 35: 258-266.

Bessant J, Rush H (1995) Building bridges for innovation: the role of consultants in technology transfer. Res. Policy 24: 97-114.

Bozeman B (2000) Technology transfer and public policy: a review of research and theory. Res. Policy 29: 627-655.

Bozeman B, Rimes H, Youtie J (2015) The evolving state-of-the-art in technology transfer research: Revisiting the contingent effectiveness model. Res. Policy 44: 34-49.

Brooks H (1994) The relationship between science and technology. Res. Policy 23: 477-486.

Bush V (1945) Science: The endless frontier. Trans. Kansas Acad. Sci. 48: 231-264.

Cuevas A (2008) Conocimiento cientifico, ciudadania y democracia. Rev. Iberoam. Cienc. Tecnol. Soc. 4: 67-83.

Dagnino R (2008) As trajetorias dos estudos sobre ciencia, tecnologia e sociedade e da politica cientifica e tecnologica na IberoAmerica. Alexandria 1: 3-36.

De Fatima-Portela M do R (2005) Transferencia de tecnologia entre a universidade e a industria. Encontr. Bibli 10: 54-74.

Dolfsma W, Seo D (2013) Government policy and technological innovation-a suggested typology. Technovation 33: 173-179.

Etzkowitz H, Leydesdorff L (2000) The dynamics of innovation: from National Systems and "Mode 2" to a Triple Helix of university--industry--government relations. Res. Policy 29: 109-123.

Festel G (2013) Academic spin-offs, corporate spin-outs and company internal start-ups as technology transfer approach. J. Technol. Transf. 38: 454-470.

Friedman J, Silberman J (2003) University technology transfer: Do incentives, management, and location matter? J. Technol. Transf. 28: 17-30.

Gibson DV, Smilor RW (1991) Key variables in technology transfer: A field-study based empirical analysis. J. Eng. Technol. Manag. 8: 287-312.

Gil AC (2008) Metodos e Tecnicas de Pesquisa Social. Atlas. Sao Paulo, Brasil. 200 pp.

Godoy AS (1995) Introducao a pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Rev. Admin. Empr. 35: 57-83.

Green D (1999) Cross cultural technology transfer of sustainable energy systems: a critical analysis. Renew. Energy 16: 1133-1137.

Landry R, Amara N, Cloutier JS, Halilem N (2013) Technology transfer organizations: Services and business models. Technovation 33, 431-449.

Leydesdorff L (2012) The triple helix of university-industry-government relations. Em Carayannis E, Campbell D (Eds.) Encyclopedia of Creativity, Innovation and Entrepreneur-ship. Springer. Nova York, EUA. pp. 1844-1851.

Lima IA (2004) Estrutura de Referencia para a Transferencia de Tecnologia no Ambito da Cooperacao Universidade-Empresa: Estudo de Caso no CEfEt-PR. Tese. Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. 202 pp.

Link AN, Siegel DS, Van Fleet DD (2011) Public science and public innovation: Assessing the relationship between patenting at US National Laboratories and the Bayh-Dole Act. Res. Policy 40: 1094-1099.

Martin BR (2012) The evolution of science policy and innovation studies. Res. Policy 41: 1219-1239.

Mazocco FC (2014) Politicas de C&T e Comunicacao: Patentes como Instrumento de Divulgacao. Tese. Universidade Federal de Sao Carlos, Brasil. 178 pp.

Merino NS (2008) La apropiacion politica de la ciencia: origen y evolucion de una nueva tecnocracia. Rev. Iberoam. Cienc. Tecnol. Soc. 4: 85-123.

Ockwell DG, Haum R, Mallett A, Watson J (2010) Intellectual property rights and low carbon technology transfer: Conflicting discourses of diffusion and development. Global Environ. Change, 20: 729-738.

Olavarrieta S, Villena MG (2014) Innovation and business research in Latin America: An overview. J. Bus. Res. 67: 489-497.

Park JB, Ryu TK, Gibson DV (2010) Facilitating public-to-private technology transfer through consortia: initial evidence from Korea. J. Technol. Transf. 35: 237-252.

Parker DP, Zilberman D (1993) University technology transfers: Impacts on local and U.S. economies. Contemp. Policy Iss. 11: 87-99.

Rogers EM, Takegami S, Yin J (2001) Lessons learned about technology transfer. Technovation 21: 253-261.

Rothwell R, Wissema H (1986) Technology, culture and public policy. Technovation 4: 91-115.

Tran T, Daim T, Kocaoglu D (2011) Comparison of technology transfer from government labs in the US and Vietnam. Technol. Soc. 33: 84-93.

Trujillo-Ferrari A (1982) Metodologia da Pesquisa Cientifica. McGraw-Hill. Sao Paulo, Brasil. 38 pp.

Viotti EB, Macedo MM (Orgs.) (2003) Indicadores de Ciencia, Tecnologia e Inovacao no Brasil. Unicamp. Campinas, Brasil. 616 pp.

Viotti EB (2008) Brasil: de politica de C&T para politica de inovacao? Evolucao e desafios das politicas brasileiras de ciencia, tecnologia e inovacao. Seminario Internacional Avaliacao de Politicas de Ciencia, Tecnologia e Inovacao: Dialogo entre Experiencias Internacionais e Brasileiras. Centro de Gestao e Estudos Estrategicos. Brasilia, Brasil. pp. 137-174.

Zhang F, Gallagher KS (2016) Innovation and technology transfer through global value chains: Evidence from China's PV industry. Energy Policy, 94: 191-203.

Myller Augusto Santos Gomes. Graduacao em Bacharelado em Administracao Publica e graduacao em Gestao Empresarial, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Brasil. Mestre em Gestao de Politicas Publicas, Universidade do Vale do Itajai, Brasil. Professor, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Brasil. Endereco: Rua Jacinto Lozza No. 81 vila estrela-Ponta Grossa-Parana, Brasil. e-mail: myller_3@hotmail.com

Joao Luiz Kovaleski. Doutor em Instrumentacao Industrial, Universite de Grenoble, Franca. Professor, Universidade Tecnologica Federal do Parana. e-mail: kovaleski@utfpr.edu.br

Leyenda: Figura 1. Fluxograma da pesquisa bibliometrica.
TABELA I

RESULTADOS DA PESQUISA BIBLIOMETRICA

Autor                   Titulo                  Principal contribuicao

Aiginger (2007)   Industrial policy: a        Definicao de elementos
                  dying breed or a            da politica industrial
                  re-emerging phoenix         sistemica

Bessant e Rush    Building bridges for        Transferencia de
(1995)            innovation: the rola of     tecnologia a partir de
                  consultants in              modelos nao lineares de
                  technology transfer         inovacao

Bozeman (2000)    Technology transfer and     Revisao de literatura
                  public policy: a review     sobre transferencia de
                  of research and theory      tecnologia

Brooks (1994)     The relationship between    Principais contribuicoes
                  science and technology      da ciencia para o
                                              desenvolvimento da
                                              tecnologia.

Bush (1945)       Science: the endless        Valorizacao do progresso
                  frontier                    cientifico quando
                                              politica de Estado.

Dolfsma e Seo     Government policy and       Sugestao de
(2013)            technological innovation    caracteristicas
                  --a suggested typology      especificas que podem
                                              ser incorporadas as
                                              politicas de inovacao.

Etzkowitz e       The dynamics of             Comparacao do modelo
Leydesdorff       innovation: from national   helice triplice com
(2000)            systems and "mode 2" to     modelos alternativos de
                  a triple helix of univer-   relacao
                  sity-industry-government    universidade--empresa -
                  relations                   governo

Festel (2013)     Academic spin-offs,         Investigacao de novos
                  corporate spin-outs and     empreendimentos para a
                  company internal start-up   transferencia de
                  an technology transfer      tecnologia entre
                  approach                    universidade-empresa

Friedman e        University technology       Identificacao dos
Silberman         transfer: Do incentives     diferentes modos de
(2003)            management and location     transferencia de
                  matter?                     tecnologia em
                                              universidades

Gibson e Smilor   Key variables in            Contribuicao de quanto
(1991)            technology transfer: A      variaveis para a teoria
                  field--study based          da transferencia de
                  empirical analysis          tecnologia

Green (1999)      Cross cultural technology   Dificuldades do acao de
                  transfer of sustainable     transferencia de
                  energy systems: a           tecnologia em energias
                  critical analysis           renovaveis para zonais
                                              rurais em paises em vias
                                              de desenvolvimento
                                              industrial

Landry et al.     Technology transfer         Personalizacao dos
(2013)            organizations: Services     modelos de negocios para
                  and business models         agregacao de valor.

Leydesdorff       The triple helix of         Explica a estrategia de
(2012)            university-industry-        funcionamento do modelo
                  govern-ment relations       Helice Triplice

Martin (2012)     The evolution of science    Analisa a origem da
                  policy and innovation       politica cientifica e
                  studies                     estudos em inovacao

Olavarrieta e     Innovation and business     Fornece evidencias em
Villena (2014)    research in Latin           relacao ao
                  America: An overview        desenvolvimento na
                                              America Latina

Parker e          University technology       Analise de varios
Zilberman         transfers: Impacts on       metodos de pesquisa a
(1993)            local and U.S. Economies    partir de escritorios de
                                              transferencia de
                                              tecnologia nos Estados
                                              Unidos.

Rogers et al.     Lesson learned about        Analise do processo de
(2001)            technology transfer         transferencia de
                                              tecnologia no Novo
                                              Mexico

Rothwell e        Technology, culture and     Apresenta
Wissema (1986)    public policy               caracteristicas do
                                              desenvolvimento tecno-
                                              logico atraves de
                                              politicas publicas.
COPYRIGHT 2017 Interciencia Association
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Augusto Santos Gomes, Myller; Luiz Kovaleski, Joao
Publication:Interciencia
Article Type:Ensayo
Date:Jul 1, 2017
Words:5468
Previous Article:'Manco Capac', un diseno naval revolucionario del siglo XIX.
Next Article:LOS ARBITROS, HEROES OCULTOS DE INTERCIENCIA.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |