Printer Friendly

Physical and chemical composition and bioactive compounds in Bromelia antiacantha Bertol. fruits/Composicao fisico-quimica e de compostos bioativos em frutos de Bromelia antiacantha Bertol.

INTRODUCAO

A familia Bromeliaceae e conhecida principalmente por suas caracteristicas ornamentais, entretanto tambem e constituida por especies frutiferas, como o abacaxi (Ananas comosus) e a banana-do-mato (Bromelia antiacantha Bertol.). a Bromelia antiacantha Bertol., popularmente conhecida por banana-do-mato, caraguata, gravata, carauata e croata, ocorre naturalmente no Brasil, principalmente nos Estados do Espirito Santo, Rio de Janeiro, Sao Paulo, Parana, Santa catarina e Rio Grande do Sul (FILIPPON et al., 2011). esta especie, alem das caracteristicas ornamentais e alimenticias ja citadas, tambem apresenta caracteristicas medicinais e industriais, reunindo em uma unica especie um potencial multiplo de aplicacoes (MARQuES et al., 2007), dentre os quais podemos citar a elaboracao de geleias, sorvetes e remedio contra tosse.

Informacoes cientificas quanto a composicao nutricional e a atividade biologica para esta especie ainda sao restritas; no entanto, Kinupp e Barros (2008) relatam elevado teor de sais minerais, principalmente em relacao ao conteudo de ca, Mg e K, quando comparada a outras frutas nativas, como a goiaba-serrana (Acca sellowiana), cerejado-rio-grande (Eugenia involucrata Bertol.) e a guabiroba (Campomanesia xanthocarpa). Filippon (2009) e Zanella (2009) relataram acao expectorante, tratamento para infeccoes respiratorias, alem de recomendacoes para o tratamento de asma e de bronquite para esta especie frutifera, enquanto Santos et al. (2009) fizeram um estudo in vitro com celulas cancerigenas de fibroplastos de ratos (L 929) em relacao a atividade biologica desta especie e chegaram a resultados que inibiram 20 % das celulas cancerigenas na menor dose utilizada (0,01g/mL). A Bromelia antiacantha Bertol., em sua composicao, tambem apresenta compostos fitoquimicos, como compostos polifenolicos, flavonoides e taninos (ANDRIGHETTI FROHNER et al., 2005). Os taninos, por sua vez, tem sido relatados como inibidores de enzimas digestivas e, assim, podem reduzir a digestibilidade de alguns nutrientes, como proteinas e hidratos de carbono (REDDY et al., 1985).

A riqueza de nutrientes e um dos principais fatores que conduzem ao interesse crescente pelo consumo dessas frutas e de seus produtos (RUFINO et al., 2010), uma vez que estudos epidemiologicos indicam que a ingestao frequente de frutas pode reduzir os efeitos causados pelo estresse oxidativo e, consequentemente, reduzir o risco de surgimento de varias enfermidades, como as doencas cardiovasculares, numerosos tipos de cancer, Aids e outras diretamente associadas com o processo de envelhecimento (cataratas, doenca de Alzheimer e outras alteracoes do sistema nervoso) (JAYAPRAKASHA et al., 2007; NEUTZLING et al., 2009). Esse efeito protetor e atribuido a variedade de substancias antioxidantes presentes nas frutas, como algumas vitaminas (vitaminas c e E), compostos fenolicos (flavonoides) e carotenoides ([beta]-caroteno) (VETRANI et al., 2012). nesse contexto, o objetivo do trabalho foi determinar a composicao fisicoquimica, incluindo o teor de compostos bioativos da Bromelia antiacantha Bertol.

MATERIAL E METODOS

A fruta utilizada neste estudo foi a Bromelia antiacantha Bertol. obtida de uma propriedade rural da cidade de Cangucu--RS/Brasil (latitude: 31[degrees]23'42" sul, longitude: 52[degrees]40'32" oeste e altitude: 386 metros). Os frutos foram colhidos na segunda semana do mes de maio de 2011. A temperatura media e a precipitacao pluviometrica no periodo de 15 de abril a 15 de maio do respectivo ano foi de 16,4[degrees]C e 109,7 mm, respectivamente. O estudo foi realizado a partir de 1 kg de frutas maduras, definida pela coloracao da casca (amarela), colhidas de forma aleatoria de 10 plantas de ocorrencia natural.

O trabalho foi desenvolvido nas dependencias dos laboratorios de Fisico-Quimica da area de alimentos do centro de ciencias Quimicas, Farmaceuticas e de Alimentos, e no laboratorio de Cromatografia do Departamento de Ciencia e Tecnologia Agroindustrial (DCTA), ambos pertencentes a Universidade Federal de Pelotas (UFPEL-RS).

Todos os resultados foram expressos como valores medios [+ or -] desvio-padrao obtidos a partir das determinacoes das analises realizadas em triplicata.

As avaliacoes foram realizadas para a polpa da fruta apos a remocao das sementes. Primeiramente, as frutas foram descascadas, cortadas no sentido longitudinal e feita a remocao das sementes; apos, a polpa foi triturada, homogeneizada e armazenada em porcoes de 200 mg em freezer a -18[degrees]C ate a realizacao das analises.

Composicao centesimal

Quantificou-se o teor de umidade, cinzas, extrato etereo, proteina bruta e fibra bruta, conforme a metodologia descrita na AOAC (1995). O teor de carboidratos foi determinado pela diferenca entre a soma dos conteudos de umidade, cinzas, proteina, lipidios e fibra de 100 (ZAMBIAZI, 2010).

Teor de acucares e avaliacoes fisico-quimicas

As determinacoes de acucares totais (AT %) e de acucares redutores (AR %) foram realizadas segundo o metodo de Lane- Eynon, o qual consiste na reacao de reducao de um volume conhecido do reagente de Fehling. O preparo da amostra consistiu na extracao aquosa dos acucares em banho-maria, seguido de filtracao e titulacao. Para a determinacao dos acucares totais, a amostra filtrada foi hidrolisada com solucao de acido cloridrico 1N, neutralizada e utilizada para posterior titulacao (AOAC, 1995).

As analises fisico-quimicas compreenderam a determinacao do pH, medido em pHmetro digital (Digimed DM-20); acidez total titulavel, por titulacao com NaOH 0,1N, expressa em % de acido citrico; e de solidos soluveis totais (SST), expresso em [degrees]Brix atraves de refratometro digital (Analytikjena). Todas as determinacoes seguiram os metodos descritos na AOAC (1995).

Conteudo de compostos fenolicos, carotenoides totais e de acido ascorbico (vitamina C)

A determinacao dos compostos fenolicos foi realizada de acordo com o metodo descrito por Swain e Hillis (1959), com pequenas adaptacoes. A extracao dos compostos foi feita com metanol, mediante agitacao de 15 em 15 minutos por 1 hora. O extrato foi separado do material solido atraves de filtracao. Os compostos fenolicos foram quantificados atraves de reacao colorimetrica, utilizando o reagente de Folin-Ciocalteau. As leituras das amostras foram feitas em espectrofotometro (modelo Ultrospec 2000) a 765 nm, apos 2 horas de reacao. Os resultados foram expressos em mg de eq. ao acido galico.100 [g.sup.-1] de fruta fresca, obtidos a partir de uma curvapadrao, que foi construida a partir de uma solucao de acido galico diluida em concentracoes variando de 0-100 mg/L.

A determinacao dos carotenoides totais foi realizada conforme o metodo descrito por RodriguezAmaya (1999), com algumas adaptacoes. A extracao foi feita com acetona gelada por 10 minutos, com auxilio de um agitador magnetico. O material foi filtrado em funil de buchner com papel-filtro; apos, o residuo foi lavado com o mesmo solvente ate ficar incolor. O filtrado foi transferido para um funil de separacao, no qual foram acrescentados 30 mL de eter de petroleo e em torno de 100 mL de agua destilada. Apos a separacao das fases, isolou-se a fracao contendo eter de petroleo. A leitura do conteudo de carotenoides totais foi realizada em espectrofotometro (Ultrospec 2000) a 450 nm. Os resultados foram calculados a partir da curvapadrao de uma solucao de [beta]-caroteno diluida em concentracoes variando de 0-100 mg/L e expressos em mg de eq. ao [beta]-caroteno.100 [g.sup.-1] de fruta fresca.

A quantificacao de acido ascorbico (vitamina C) foi realizada atraves do metodo titulometrico de Lorenz-Steves (ZAMBIAZI, 2010), baseado na acao redutora do acido ascorbico, fazendo uso de solucaopadrao de iodo e tiossulfato de sodio e solucao de amido como indicador. Os resultados foram expressos em mg de acido L-ascorbico.100 [g.sup.-1] de fruta fresca.

Capacidade antioxidante

A capacidade antioxidante foi medida frente ao radical estavel DPPH (2,2- difenil-1picrilhidrazila), segundo metodo descrito por Brand-Williams, Cuvelier e Berser (1995). Para a obtencao do extrato, seguiu-se o mesmo procedimento descrito na determinacao de compostos fenolicos. A reacao foi realizada com solucao de DPPH (0,044 g/L), e a absorbancia foi medida a 517 nm apos 24h de reacao em local protegido da luz, a temperatura ambiente (inferior a 25[degrees]C). A capacidade antioxidante foi calculada atraves de uma curva-padrao de trolox e expressa em mg de eq. ao trolox.100 [g.sup.-1] de fruta fresca. A curva-padrao foi construida a partir de uma solucao de trolox diluida em concentracoes variando de 90 a 900 mg/L.

RESULTADOS E DISCUSSAO

O teor de solidos soluveis totais e de acidez sao parametros indicadores de sabor e do ponto de maturacao dos frutos. A Bromelia antiacantha Bertol. apresentou 15,9 [+ or -] 0,4[degrees]Brix, e 1,53 [+ or -] 0,06 % de acidez total (Tabela 1). O teor de solidos soluveis totais assemelha-se ao do abacaxi (11,5 a 16[degrees]Brix); entretanto, a acidez desse fruto foi mais elevada, visto que os valores encontrados para o abacaxi variam de 0,52 a 1,01 % de acido citrico (THE et al., 2010; BERILLI et al., 2011). A relacao entre solidos soluveis totais e acidez titulavel encontrada foi de 10,4 para Bromelia antiacantha Bertol. enquanto Prado (2009) encontrou para o abacaxi 8,3. Este dado fornece um indicativo do sabor da fruta, pois relaciona a quantidade de acucar e de acidos presentes. Esta relacao tende a aumentar durante a maturacao, devido ao aumento nos teores de acucares e a diminuicao no dos acidos.

Quanto ao pH, o valor determinado foi de 3,57. Segundo Pereda (2005), alimentos com pH inferior a 4,5 sao considerados acidos e nao permitem o desenvolvimento de Clostridum botulinum, microrganismo indicador do tratamento termico a ser empregado em alimentos. Prado (2009), estudando diversas frutas tropicais, encontrou um pH de 3,65 para o abacaxi.

Quanto ao conteudo de acucares totais e de acucares redutores, foram encontrados valores de 10,77 [+ or -] 0,37 % e de 3,30 [+ or -] 0,13 %, respectivamente. The et al. (2010) encontraram valores inferiores aos do presente estudo para o abacaxi, tendo encontrado para acucares totais e redutores 8,86% e 3,23%, respectivamente.

Os resultados relacionados a composicao centesimal da Bromelia antiacantha Bertol. estao apresentados na Tabela 2.

A Bromelia antiacantha Bertol. apresentou 82,63 [+ or -] 0,21% de umidade, valor proximo ao encontrado para o abacaxi in natura, de 83,8 a 86 % (BORTOLATTO; Lora, 2008; TACO, 2011).

Com relacao a quantidade de cinzas, tambem denominada como residuo mineral fixo, a Bromelia antiacantha Bertol. apresentou 0,93 [+ or -] 0,06%, valor duas vezes superior ao encontrado para o abacaxi, de 0,4 % (TACO, 2011). De acordo com Bortolatto e Lora (2008), os teores de cinzas variam em funcao da localidade onde a variedade foi plantada e da composicao do solo onde crescem. E importante observar que a composicao das cinzas corresponde a quantidade de substancias minerais presentes nos alimentos (Pereda, 2005).

Em relacao ao extrato etereo, o valor encontrado foi de 5,07 [+ or -] 0,4 % (29,19 % em base seca). Santos et al. (2009) encontraram valores semelhantes, de 18,2 % para o fruto com 27,3 % de umidade (25,03 % em base seca). Geralmente, o teor de lipidios encontrados em frutas e baixo, em torno de 0,1 a 0,6 %; com excecao de algumas frutas, como, por exemplo, o abacate, que apresenta 8,4% de lipidios (TACO, 2011). Dessa forma, pode-se inferir que a Bromelia antiacantha Bertol. e um fruto rico em lipidios. Segundo Santos et al. (2009), 64,29 % dos acidos graxos do oleo extraido da Bromelia antiacantha Bertol. sao insaturados e, dessa fracao, 20,1 % e composta de acido oleico (08:1) e 8,28 % de acido linolenico (08:3). Os lipidios, alem de serem fonte de energia, auxiliam na absorcao das vitaminas A, D, E e K, e de acordo com a composicao de acidos graxos podem contribuir na reducao do teor de LDL -colesterol e de triacilglicerois e no aumento do HDL--colesterol (PEREIRA, 2010).

Quanto ao conteudo de proteinas, o valor encontrado foi de 0,62 [+ or -] 0,15 % (3,57 % em base seca), inferior ao encontrado para o abacaxi in natura (1,47 %) por Bortolatto e Lora (2008) e para a Bromelia antiacantha Bertol. por Santos et al. (2009). Esse autor encontrou 8,3 % para a fruta com 27,3 % de umidade (11,4 % em base seca), tres vezes superior ao encontrado no presente estudo, considerando os dados em base seca.

O resultado obtido para o teor de fibras para a Bromelia antiacantha Bertol. foi de 2,0 [+ or -] 2,0 %, conteudo duas a tres vezes superior ao encontrado para o abacaxi, de 0,6 a 1,0 (BORTOLATTO; LORA, 2008; TACO, 2011).

Considerando o teor de carboidratos presente em frutas comumente consumidas como maca (15,2 %), mamao (10,4-11,6 %), banana (26,0 %) e abacaxi (13, 53 %) (TACO, 2011), o conteudo de carboidratos encontrado na Bromelia antiacantha Bertol. e inferior, sendo este de 8,75 %.

O teor de compostos fenolicos, carotenoides, acido ascorbico e de capacidade antioxidante da Bromelia antiacantha Bertol., consta na Tabela 3.

O teor de compostos fenolicos encontrado para a Bromelia antiacantha Bertol. foi de 70,73 [+ or -] 4,34 mg.100 [g.sup.-1], valor este superior ao encontrado por Almeida et al. (2011) de 38,1 mg .100 [g.sup.-1] para o abacaxi. Este teor e inferior quando comparado com o estudo de Rufino et al. (2010), que avaliaram os teores de compostos fenolicos de 18 especies frutiferas nativas do Brasil e relataram conteudos de 90,4 mg .100 [g.sup.-1]no umbu, a 1.176 mg .100 [g.sup.-1] no camu-camu.

O teor de carotenoides encontrado para a Bromelia antiacantha Bertol. foi de 162,67 [+ or -] 36,70 mg.100[g.sup.-1], valor superior ao encontrado em abacaxis, de 0,14 mg.100 [g.sup.-1] (RAMOS et al., 2008) e de 0,14 a 0,78 mg.100 [g.sup.-1] (viANA et al., 2013). Segundo Rodriguez-Amaya et al. (2008), para que um alimento seja considerado fonte de carotenoides, e necessario que ele possua, no minimo, 20 [micro]g.[g.sup.-1] (2 mg.100 [g.sup.-1]). Logo, podemos dizer que a Bromelia antiacantha Bertol. pode ser considerada uma fonte rica desse composto.

Quanto ao teor de acido ascorbico (vitamina c), o valor encontrado para a Bromelia antiacantha Bertol. foi de 60,01 [+ or -] 5,04 mg.100[g.sup.-1], duas vezes superior ao encontrado para o abacaxi (34,6 mg .100 [g.sup.-1]), conforme Taco (2011). Segundo a portaria no 27, de 13 de janeiro de 1998, da Anvisa, o consumo diario recomendado de vitamina c e de 60 mg/dia (BRASH, 1998). conforme os resultados obtidos neste trabalho, a Bromelia antiacantha Bertol. pode ser considerada fonte de vitamina c.

A capacidade antioxidante da Bromelia antiacantha Bertol. foi de 178,56 [+ or -] 2.65 mg eq. ao trolox.100 [g.sup.-1] frente ao radical DPPH, considerando que o extrato para a quantificacao da atividade antioxidante foi feita em meio alcoolico (hidrofilico), pode-se inferir que o valor encontrado se refere principalmente a presenca de vitamina C e dos compostos fenolicos presentes na amostra. manetti et al. (2010) tambem observaram baixo percentual de inibicao do radical DPPH para o extrato alcoolico desse mesmo fruto, realizando o mesmo procedimento de obtencao do extrato. Considerando que o teor de carotenoides presente na Bromelia antiacantha Bertol. e elevado, e que esses compostos tambem possuem potencial antioxidante, a capacidade antioxidante total para esse fruto pode ser maior quando determinado por outras metodologias.

CONCLUSAO

A Bromelia antiacantha Bertol. e uma fruta rica em lipidios, acido ascorbico e carotenoides, alem de apresentar baixo conteudo de carboidratos.

http://dx.doi.org/10.1590/0100-2945-127/14

REFERENCIAS

ALMEIDA, M. M. B.; SOUSA, P. H. M.; ARRIAGA, A. M. C.; PRADO, G. M.; MAGALHAES, C. E. C.; MAIA, G. A.; LEMOS, T. L. G. Bioactive compounds and antioxidant activity of fresh exotic fruits from northeastern Brazil. Food Research International, Essex, v. 44, n. 7, p. 2155-2159, 2011.

ANDRIGHETTI FROHNER, C. R.; SINCERO, T. C. M.; DA SILVA, A. C.; SAVI, L. A.; GAIDO, C. M.; BETTEGA, J. M. R.; MANCINI, M.; DE ALMEIDA, M. T. R.; BARBOSA, R. A.; FARIAS, M. R.; BARARDI, C. R. M.; SIMOES, C. O. M. Antiviral evaluation of plants from Brazilian Atlantic Tropical Forest. Fitoterapia, Amsterdam, v.76, n. 3-4, p. 374-378, 2005.

AOAC. Official methods of analysis of the Association of Official Analitycal Chemists. 12th ed. Washington: Horwitz W, 1995.

BERILLI, S. S.; ALMEIDA, S. B.; CARVALHO, A. J. C.; FREITAS, S. J.; BERILLI, A. P. C. G.; SANTOS, P. C. Avaliacao sensorial dos frutos de cultivares de abacaxi para consumo in natura. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, p. 592-598, 2011. volume Especial.

BORTOLATTO, J.; LO RA, J. Avaliacao dacomposicao centesimal do abacaxi (Ananas comosus (L.) Merril) liofilizado e in natura. Revista de pesquisa e Extensao em saude, America do Norte,v.4, n.1, 2008.

BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M. E.; BERSET, C. use of a free radical method to evaluate antioxidant activity. Lebensmittel-Wissenschaft und Technologie, London, v. 28, p. 25-30, 1995.

BRASIL. Portaria no. 27, de 13 de janeiro de 1998/ANVISA. Regulamento tecnico referente a informacao nutricional complementar. Diario Oficial da Uniao, Poder Executivo, Brasilia, DF, 16 jan. 1998.

FILIPPON, S. Aspectos da demografia, fenologia e uso tradicional do Caraguata (Bromelia antiacantha bertol.) no planalto Norte Catarinense. 2009. 104 f. Dissertacao (Mestrado em Recursos Geneticos vegetais)--universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, 2009.

FILIPPON, S.; DA SILVA, C.V.; DUARTE, A. S., BIAVATTI, SANTOS, D. S., DOS REIS, M. S. Bromelia antiacantha banana do mato. In: CORADIN, L.; SIMINSKI, A.; REIS, A. especies nativas da flora brasileira de valor economico atual ou potencial: plantas para o futuro--Regiao Sul. Brasilia: Ministerio do Meio Ambiente, p. 568-577, 2011.

JAYAPRAKASHA, G. K.; MANDADI, K. K.; POULOSE, S. M.; JADEGOUD, Y.; NAGANA GOWDA, G. A.; PATIL, B. S. Inhibition of colon cancer growth and antioxidant activity of bioactive compounds from Poncirus trifoliate (L.). bioorganic & Medicinal Chemistry, Oxford, v. 15, p. 4923-4932, 2007.

KINUPP, v. F.; BARROS, I. B. I. de. Teores de proteina e minerais de especies nativas, potenciais hortalicas e frutas. Ciencia e tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 28, n.4, p.846-857, 2008.

MANETTI, L.M.; TURRA A. F.; TAKEMURA, O. S.; SVIDZINSKI, T.I.E.; LAVERDE, J.A. Avaliacao das atividades antimicrobiana, citotoxica, moluscicida e antioxidante de Bromelia antiacantha Bertol. (Bromeliaceae). Revista brasileira de plantas medicinais, Botucatu, v.12, n.4, p. 406-413, 2010.

MARQUES, G.; GUTIERREZ, A.; DEL RIO, J.C. Chemical characterization of lignin and lipophilic fractions from leaf fibers of curaua. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Easton, v.55, n.4, p.1327-36, 2007.

NEUTZLING, M. B.; ROMBALDI, A. J.; AZEVEDO, M. R.; HALLAL, P.C. Fatores associados ao consumo de frutas, legumes e verduras em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Caderno de saude publica, Rio de Janeiro, v.25, n.11, p.2365-2374, 2009.

PEREDA, J.A.O. tecnologia de alimentos. componentes dos alimentos e processos. Porto Alegre: Artmed, v.1, p. 294, 2005.

PEREIRA, C. M. O papel das gorduras saturadas e insaturadas na doenca cardiovascular. Revista Fatores de Risco, campo Grande, n. 16, p. 66-71, 2010.

PRADO, E. Composicao fenolica e atividade antioxidante de frutas tropicais. 2009. 106 f. Dissertacao (mestrado em ciencia e Tecnologia de Alimentos)--Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de Sao Paulo, Piracicaba, 2009.

RAMOS. A. M; QUINTERO, A. C. F.; FARAONI, A. S.; Soares, N. F. F.; Pereira, J. A. M. efeito do tipo de embalagem e do tempo de armazenamento nas qualidades fisico-quimica e microbiologica de abacaxi desidratado. Alimentos e Nutricao, Araraquara, v.19, n.3, p. 259-269, 2008.

REDDY, N. R.; Pierson, M. D.; SATHE, S. K.; SALuNKHE, D. K. Taninos de feijao--uma avaliacao das implicacoes nutricionais. Journal of the American oil Chemists society, champaign, v. 62, p. 541-549, 1985.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. a Guide to carotenoid analysis in foods. Washington: international Life Sciences institute, 1999. 64p.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; KIMURA, M.; GODOY, H. T.; AMAYAFARFAN, J. Updated Brazilian on food carotenoids: Factors affecting carotenoid composition. Journal of Food Composition and Analysis, San Diego, v. 21, p. 445-463, 2008.

RUFINO, M. S. M., ALVES, R. E.; BRITO, E. S.; PEREZ-JIMENEZ, J.; SAURA-CALIXTO, F.; MANcINI-FILHO, J. Bioactive compounds and antioxidant capacities of 18 non-traditional tropical fruits from Brazil. food Chemistry, Barking, v.121, p.996-1002, 2010.

SANTOS, V. N. c.; FREITAS, R. A. DE; DEScHAMPS, F. c.; BIAVATTI, M. W. Ripe fruits of Bromelia antiacantha: investigations on the chemical and bioactivity profile. Revista Brasileira de farmacognosia, Joao Pessoa, v. 19, n. 2, p. 358-365, 2009.

SWAIN, T.; HILLIS, W. E. The phenolic constituents of Prunus domestica L. The quantitative analysis of phenolic constituents. Journal of science and food Agriculture, Washington, v.10, p.63-68, 1959.

TACO. Tabela brasileira de composicao de alimentos. 4.ed. campinas: Nepa-Unicamp, 2011. 161 p.

THE, P.M.P.; NUNES, R.P de.; MOREIRA DA SILVA, L.I.M.; ARAUJO, B.M de. caracteristicas fisicas, fisico-quimicas, quimicas e atividade enzimatica de abacaxi cv. smooth cayenne recem colhido. Alimentos e Nutricao, Araraquara, v. 21, n. 2, p. 273-281, 2010.

VETRANI, C.; COSTABILE, G.; DI MARINO, L.; RIVELLESE, A. A. Nutrition and oxidative stress: a systematic review of human studies. International Journal of food sciences and Nutrition, Basingstoke, v.64, n.3, p.312-26, 2012.

VIANA, E. S.; REIS, R. c.; JESUS, J. L.; JUNGHANS, D. T.; SOUZA, F. V D. Caracterizacao fisico-quimica de novos hibridos de abacaxi resistentes a fusariose. Ciencia Rural, Santa Maria, v. 43, n.7, p.1155-1161, 2013.

ZAMBIAZI, R. c. Analise fisico-quimica de alimentos. Pelotas: Universitaria, 2010. p.202.

ZANELLA, c. Caracterizacao genetica, morfologica e fitoquimica de populacoes de Bromelia antiacantha (bertol.) do Rio Grande do sul. 2009. 98 f. Dissertacao (Mestrado em Genetica e Biologia Molecular)--Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

FERNANDA DORING KRUMREICH (2), ANA PAULA ANTUNES CORREA (3), SCHARLISE DIOVANELLA SCHNEIDER DA SILVA (4), RUI CARLOS ZAMBIAZI (5)

(1) (Trabalho 127-14). Recebido em: 01-04-2014. Aceito para publicacao em: 15-01-2015.

(2) Quimica de Alimentos, mestranda em ciencia e tecnologia de Alimentos, universidade Federal de Pelotas. E-mail--nandaalimentos@gmail.com

(3) Enga. de Alimentos, Dra., bolsista recem-doutor, Embrapa clima temperado. E-mail--apacorrea@gmail.com

(4) Quimica Industrial de Alimentos, mestranda em Nutricao, universidade Federal de Pelotas. E-mail--scharlisediovanella@gmail.com

(5) Quimico Industrial, PhD. Prof, titular do centro de ciencias Quimicas, Farmaceuticas e de Alimentos, universidade Federal de Pelotas. E-mail--zambiazi@ufpel.tche.br, Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2
TABELA 1--caracteristicas fisico-quimicas
da Bromelia antiacantha Bertol.

Determinacoes (%)        Bromelia antiacantha     Abacaxi
                               bertol.

Solidos soluveis         15,92 [+ or -] 0,38     11,5 a 16
totais ([degrees]Brix)
Acidez total              1,53 [+ or -] 0,06    0,52 a 1,01
(mg ac. citrico.
lOO[g.sup.-1])
Razao (SST/AT)                   10,4               8,3
pH                        3,57 [+ or -] 0,05       3,65
Acucares totais (%)       10,77[+ or -] 0,37       8,86
Acucares redutores (%)    3,3 [+ or -] 0,13        3,23

Determinacoes (%)                       Referencias

Solidos soluveis         (THE et al., 2010; BERILLI et al., 2011)
totais ([degrees]Brix)
Acidez total             (THE et al., 2010; BERILLI et al., 2011)
(mg ac. citrico.
lOO[g.sup.-1])
Razao (SST/AT)                         (PRADO, 2009)
pH                                     (PRADO, 2009)
Acucares totais (%)                  (THE et al.,2010)
Acucares redutores (%)               (THE et al.,2010)

Resultados expressos como media [+ or -] desvio-padrao.

TABELA 2--Composicao centesimal da Bromelia antiacantha Bertol.

Determinacoes     Bromelia antiacantha    Abacaxi
(%)                     Bertol.

umidade           82,63 [+ or -] 0,21    83,8 a 86
Cinzas             0,93 [+ or -] 0,06       0,4
Extrato etereo     5,07 [+ or -] 0,40       18,2
Proteinas          0,62 [+ or -] 0,15    1,47 a 8,3
Fibras             2,00 [+ or -] 2,0      0,6 a 1
carboidratos *            8,75             13,53

Determinacoes                      Referencias
(%)

umidade                (TACO, 2011; BORTOLATTO; LORA, 2008)
Cinzas                 (TACO, 2011; BORTOLATTO; LORA, 2008)
Extrato etereo                (SANTOS et al., 2009)
Proteinas         (BORTOLATTO; LORA, 2008; SANTOS et al., 2009)
Fibras                (BORTOLATTO; LORA, 2008; TACO, 2011).
carboidratos *                     (TACO, 2011)

Resultados expressos como media [+ or -] desvio-padrao.
* carboidratos = (100 - soma dos macroelementos
e do conteudo de agua).

Tabela 3--compostos fenolicos, carotenoides totais,
acido ascorbico e atividade antioxidante da Bromelia
antiacantha Bertol.

determinacoes (%)             Bromelia antiacantha      Abacaxi
                                     Bertol.

Atividade Antioxidante        178,56 [+ or -] 2,65         *
(mg eq. ao trolox.100
[g.sup.-1])

Compostos fenolicos            70,73 [+ or -] 4,34       38,1
(mg eq. ao ac. galico.
100 [g.sup.-1])

Carotenoides totais           162,67 [+ or -] 36,70   0,14 a 0,78
(mg.eq. ao [beta]-caroteno.
100 [g.sup.-1])

Vitamina C                     60,01 [+ or -] 5,04       34,6
(mg.de ac. L-ascorbico.
100 [g.sup.-1])

Determinacoes (%)                 Referencias

Atividade Antioxidante                 *
(mg eq. ao trolox.100
[g.sup.-1])

Compostos fenolicos             (ALMEIDA et al.,
(mg eq. ao ac. galico.
100 [g.sup.-1])

Carotenoides totais                  2011)
(mg.eq. ao [beta]-caroteno.   (VIANA et al., 2013)
100 [g.sup.-1])

Vitamina C                        (TAcO, 2011)
(mg.de ac. L-ascorbico.
100 [g.sup.-1])

Resultados expressos como media [+ or -] desvio-padrao.
* Referencia nao encontrada.
COPYRIGHT 2015 Sociedade Brasileira de Fruticultura
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Krumreich, Fernanda Doring; Correa, Ana Paula Antunes; Da Silva, Scharlise Diovanella Schneider; Zam
Publication:Revista Brasileira de Fruticultura
Date:Jun 1, 2015
Words:4067
Previous Article:Genetic divergence of the acessions of passion fruit using quantitative and qualitative descriptors/Divergencia genetica de acessos de maracuja...
Next Article:Fruit characterization and propagation of hybrid citrus rootstocks in protected environment/Caracterizacao de frutos e propagacao de porta-enxertos...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters