Printer Friendly

Periphytic algae upstream and downstream from the installation of net cages in Rosana reservoir, Parana State, Brazil/Algas perifiticas a montante e a jusante do local de instalacao de tanques-rede em tributarios do reservatorio de Rosana, Estado do Parana, Brasil.

Introducao

No Brasil, a aquicultura em tanques-rede foi introduzida para a geracao de emprego e renda, principalmente no desenvolvimento de projetos para a regiao do semiarido. Essa atividade recebeu destaque no Estado de Sao Paulo, principalmente nos reservatorios localizados no rio Paranapanema. A regiao do Medio Paranapanema e apontada como a primeira em produtividade e a segunda em producao de peixes, estimando-se que nela haja mais de 30 produtores de tilapia-do-nilo, totalizando 800 tanques-rede (AYROSA et al., 2005).

A pratica de tanques-rede emprega consideravel volume de insumos alimentares para a producao de peixes, com consequente lancamento de restos de alimentos e metabolitos diretamente no ambiente. Por esse motivo, o estudo sobre parametros fisicos, quimicos e biologicos torna-se imprescindivel para a avaliacao ambiental (ALVES; BACCARIN, 2005).

O perifiton, complexa comunidade de microorganismos encontrada aderida em substratos submersos (WETZEL, 1983), destaca-se como um regulador de fluxo de nutrientes nos ecossistemas aquaticos (WETZEL, 1990). Assim, a introducao de nutrientes nas aguas pode ser eficientemente avaliada, utilizando-se medidas de estrutura dessa comunidade, como riqueza e abundancia de especies.

No perifiton, as algas ganham destaque, uma vez que desempenham papel fundamental como produtoras primarias e, consequentemente, assumem posicao-chave na cadeia alimentar dos sistemas aquaticos continentais. A utilizacao da comunidade de algas perifiticas em monitoramento ambiental vem sendo crescente, pois, pelo seu modo de vida sessil e pela grande riqueza de especies, apresentam diferentes preferencias e tolerancias ambientais (RODRIGUES et al., 2003).

Este trabalho, portanto, tem como objetivo central analisar a riqueza e a abundancia da comunidade de algas perifiticas, a montante, em frente e a jusante de tanques-rede instalados no rio do Corvo e no rio Guairaca, ambos tributarios do reservatorio de Rosana. Levantou-se como hipotese que o ponto em frente ao local de instalacao dos tanques-rede apresentaria, em ambos os ambientes, menor riqueza e abundancia de algas perifiticas e que o reservatorio influenciaria as estacoes localizadas a jusante dos tanques-rede.

Material e metodos

Area de Estudo: O reservatorio de Rosana situa-se no trecho inferior do rio Paranapanema, conhecido como Pontal do Paranapanema. O reservatorio foi fechado em novembro de 1986, resultando em uma area inundada de 220 [km.sup.2], cuja barragem localiza-se entre os municipios de Diamante do Norte, Estado do Parana, e Primavera, Estado de Sao Paulo. E um reservatorio do tipo fio d'agua, com tempo de residencia de 18,6 dias e de pequena profundidade (CESP, 1998). Existem duas unidades de conservacao em suas margens: o Parque Estadual do Morro do Diabo, na margem direita, e a Estacao Ecologica do Caiua, na margem esquerda (JULIO-JUNIOR et al., 2005).

Os locais selecionados para a realizacao deste estudo foram dois tributarios, situados proximo a barragem do reservatorio, no Estado do Parana, entre as cidades de Diamante do Norte e Terra Rica (Figura 1). O rio do Corvo apresenta as margens com gramineas e estagios iniciais de reflorestamento. O rio Guairaca apresenta as margens com gramineas e predominio do cultivo de cana-de-acucar. Ambos os tributarios possuem bancos de macrofitas aquaticas, com destaque para Eichhornia azurea Kunth, e sofrem grande influencia do vento.

[FIGURA 1 OMITIR]

Algumas variaveis abioticas foram medidas nos rios do Corvo e Guairaca, pelo Laboratorio de Limnologia Basica da Universidade Estadual de Maringa, com objetivo de caracterizar os dois ambientes (Tabela 1).

Coleta e amostragem do material perifitico: As coletas foram realizadas em julho de 2006, tres meses apos a instalacao de tanques-rede em ambos os ambientes.

O substrato escolhido foi peciolo de E. azurea Kunth em estadio adulto, conforme recomendacao de Schwarzbold (1990). Esta macrofita aquatica foi escolhida por estar presente nos dois ambientes. A coleta dos peciolos foi realizada randomicamente em diferentes bancos de macrofitas, a 1.000 m e 500 m a montante dos tanques-rede, em frente a instalacao de tais tanques, a 500 m e 1.000 m a jusante. O material em estudo foi obtido por raspagem do peciolo, sempre em treplica. Para a analise quantitativa, a amostra biologica foi fixada com lugol acetico a 5% e, para analise qualitativa, a fixacao do material foi feita com solucao de Transeau, sendo ambos acondicionados em frascos de 150 mL (BICUDO; MENEZES, 2006).

Para identificacao dos taxons, foi analisada uma media de dez laminas de cada amostra. A identificacao das especies foi feita com base na bibliografia classica e especializada, tais como Gleitler (1932), Prescott (1982), Komarek e Fott (1983), Kramer e Lange-Bertalot (1986), Croasdale e Flint (1988), Bourrelly (1990), Dillard (1991), Bourrelly e Coute (1991), entre outras.

A analise quantitativa foi realizada com o uso de camaras de sedimentacao e de microscopio invertido Olympus[R] M021, seguindo o metodo de Utermohl (1958), e por campos aleatorios, conforme recomendacao de Bicudo (1990). A equacao para o calculo da densidade seguiu Ros (1979), adaptada para a area do substrato, e os resultados foram expressos por unidade de area.

A similaridade das algas perifiticas entre os ambientes (rios do Corvo e Guairaca) e as regioes ao longo da distribuicao longitudinal foi medida pela analise de agrupamento. Nessa analise, foi utilizado o criterio de presenca e ausencia, por meio da distancia pelo indice de Jaccard, de acordo com o programa NTSYS, versao 1.5 (ROHLF, 1989), e media nao-ponderada (UPGMA).

Resultados

No total, foram registrados 129 taxons no rio do Corvo e 140 taxons no rio Guairaca. Independentemente do ambiente, a estacao de coleta que apresentou maior numero de especies foi a montante, 1.000 m. Ja, a regiao de 1.000 m a jusante apresentou riqueza de taxons inferior ao local de instalacao dos tanques-rede, sendo esta diferenca mais acentuada no rio Guairaca (Figura 2, Tabela 1).

As estacoes situadas a 500 m do local da instalacao dos tanques-rede, tanto a jusante quanto a montante, apresentaram diminuicao na riqueza de especies (Figura 2, Tabela 1). A maior queda foi observada na regiao de 500 m a montante, no rio Guairaca. Ainda, independentemente do ambiente analisado, o ponto amostrado em frente aos tanquesrede apresentou maior numero de taxons, quando comparado as demais regioes, exceto 1.000 m a montante.

[FIGURA 2 OMITIR]

A classe Bacillariophyceae foi predominante, quanto a riqueza de especies, em ambos os rios e em todas as regioes analisadas. As demais classes que se sobressairam em numero de taxons foram Zygnemaphyceae, Chlorophyceae e Cyanophyceae, dependendo, entretanto, do local e da regiao em estudo (Tabela 2). Contudo, deve-se ressaltar que as classes Zygnemaphyceae e Chlorophyceae apresentaram diminuicao na riqueza especifica em todos os locais amostrados apos o ponto 1.000 M, e Zygnemaphyceae apresentou a reducao mais drastica, a qual foi constatada no rio Guairaca.

A distincao floristica entre as comunidades de algas perifiticas das diferentes estacoes de coleta e dos rios amostrados foi evidenciada por meio do dendrograma de similaridade (Figura 3). Inicialmente, observou-se a formacao de dois grupos (17% de similaridade), separando os pontos de amostragem a montante da instalacao dos tanquesrede no rio Guairaca. Em um segundo momento, com aproximadamente 27% de similaridade, observou-se a formacao de um subgrupo discriminando as estacoes a montante e a frente dos tanques-rede no rio do Corvo. Ainda, a estacao 1.000 m a jusante do rio Guairaca foi a que apresentou maior dissimilaridade quando comparada as demais estacoes.

[FIGURA 3 OMITIR]

No outro subgrupo formado, verificou-se similaridade das estacoes dos rios do Corvo (500 e 1.000 J) e Guairaca (500 J e T), com maior similaridade entre as estacoes a jusante do rio do Corvo (50% de similaridade) (Figura 3).

Portanto, observou-se que, em questao de riqueza especifica, o rio do Corvo foi mais similar ao longo do eixo longitudinal analisado, ocorrendo maior dissimilaridade entre os pontos do rio Guairaca, principalmente no que diz respeito as estacoes a jusante.

Em termos de densidade total (Figura 4), independentemente do rio analisado, a regiao de coleta em frente ao local de instalacao dos tanques-rede apresentou maior abundancia (489 x [10.sup.-3] ind. [cm.sup.-2] no rio do Corvo e 255 x [10.sup.-3] ind. [cm.sup.-2] no rio Guairaca), seguida pela estacao localizada a 1.000 m a jusante. Assim como ocorrido para a riqueza de especies, a abundancia nas estacoes situadas a 500 m, tanto para o rio do Corvo (154 x [10.sup.-3] ind. [cm.sup.-2] a jusante e 178 x [10.sup.-3] ind. [cm.sup.-2] a montante) quanto para o rio Guairaca (60 x [10.sup.-3] ind. [cm.sup.-2] a jusante e 73 x [10.sup.-3] ind. [cm.sup.-2] a montante), apresentou numero de individuos bastante inferior as demais estacoes.

[FIGURA 4 OMITIR]

A variacao na densidade de classes de algas foi diferenciada entre ambos os rios nas diferentes estacoes de amostragem. Em linhas gerais, a classe dominante em todos os ambientes e regioes foi Bacillariophyceae (Figura 5).

[FIGURA 5 OMITIR]

Analisando por regiao, a 1.000 m a montante, as classes algais que apresentaram maiores densidades no rio do Corvo foram Bacillariophyceae (78%), Cyanophyceae (9,6%), Zygnemaphyceae (5%), Chlorophyceae (2%), enquanto no rio Guairaca, a ordem foi Bacillariophyceae (85%), Zygnemaphyceae (6,2%), Cyanophyceae (5%) e Chlorophyceae (1,2%) (Figura 5).

A 500 m a montante, as classes algais mais representativas no rio do Corvo foram Bacillariophyceae (90%), Cyanophyceae (5%), Zygnemaphyceae (2%) e Chlorophyceae (1,6%); no rio Guairaca, a ordem foi Bacillariophyceae (70%), Zygnemaphyceae (10%), Cyanophyceae (9,6%) e Chlorophyceae (4%).

Ja na regiao em frente ao local de instalacao dos tanques-rede, a classe Bacillariophyceae (95%) representou quase a totalidade da comunidade perifitica no rio do Corvo, seguida por Zygnemaphyceae (2%) e Chlorophyceae (1,6%). No rio Guairaca, a densidade das classes foi Bacillariophyceae (93%), Zygnemaphyceae (2,2%), Cyanophyceae (2%) e Chlorophyceae (2%).

Na estacao 500 m a jusante, Bacillariophyceae (90%), Chlorophyceae (2,6%), Zygnemaphyceae (2%) e Cyanophyceae (1,6%) foram as mais representativas no rio do Corvo; Bacillariophyceae (57%), Chlorophyceae (18,7%), Cyanophyceae (14,4%) e Zygnemaphyceae (10%), no rio Guairaca (Figura 5).

Por fim, no ponto 1.000 m a jusante, as classes algais mais representativas no rio do Corvo foram Bacillariophyceae (90,5%), Cyanophyceae (3,1%), Zygnemaphyceae (3%), Chlorophyceae (1,6%), enquanto no rio Guairaca, a ordem foi Bacillariophyceae (55%), Chlorophyceae (23%), Cyanophyceae (17,7%) e Zygnemaphyceae (2,1) (Figura 5).

Pode-se, assim, perceber que no rio Guairaca a densidade das classes de algas perifiticas sofreu maior alteracao nas estacoes localizadas a jusante do ponto de instalacao dos tanques-rede, seguindo a mesma tendencia da riqueza especifica.

Discussao

A estrutura das algas perifiticas foi muito provavelmente influenciada pela estrutura fisica dos ambientes analisados. Ambos os tributarios possuem uma ampla zona de mistura, em decorrencia da baixa profundidade e forte acao dos ventos, como observado tambem por Pierini e Thomaz (2009) para as macrofitas aquaticas. O efeito perturbatorio da acao do vento esta tambem relacionado com os efeitos diretos da acao fisica das ondas sobre os atributos da comunidade perifitica (BIGGS et al., 1998).

Por meio do dendrograma de similaridade, foi observada diferenciacao da riqueza das algas perifiticas entre os dois ambientes e entre as regioes amostradas. Ficou evidente a separacao das regioes a montante do rio Guairaca e a similaridade das regioes situadas a jusante do rio do Corvo. Alem de o rio Guairaca estar mais distante da barragem do reservatorio de Rosana, muito provavelmente a estacao localizada a 1.000 m a montante nao sofreu sua influencia direta e, consequentemente, influencia da piscicultura desenvolvida nos tanquesrede. Ja o rio do Corvo, posicionado mais proximo a essa barragem, apresentou a composicao de algas perifiticas mais similar a jusante, provavelmente pelas mudancas de nivel e circulacao das aguas do reservatorio.

A estacao de amostragem situada a 500 m a montante e jusante da instalacao dos tanques-rede, independentemente do ambiente, apresentou acentuada queda tanto no numero de especies quanto na abundancia. Este dado corrobora o estudo de Hillebrand e Sommer (2000), no qual foi registrado queda da diversidade algal diante da eutrofizacao artificial. Acredita-se que, apos tres meses de cultivo, grande quantidade de residuos foi despejada no corpo de agua, resultando numa alteracao do ecossistema aquatico, sentido nao tanto no local, mas no seu entorno, ate 500 m.

Em ambos os ambientes, a classe Bacillariophyceae (diatomaceas) apresentou maior numero de especies e maior abundancia, seguida da classe Chlorophyceae e Zygnemaphyceae, dependendo da estacao analisada.

As diatomaceas apresentam predominancia em ambientes loticos, como amplamente citado na literatura (como ROUND, 1991; GARCIA DE EMILIANI, 1994; BIGGS, 1996). De acordo com Horner et al. (1990), as diatomaceas sao favorecidas em sistemas com velocidade de corrente moderada a alta e com baixas concentracoes de fosforo. A participacao das diatomaceas pode estar relacionada com as caracteristicas morfologicas e adaptativas de cada taxon, uma vez que estas algas sao ajustadas ao habito perifitico (ordem Pennales), alem de estarem agrupadas e envolvidas em bainhas de mucilagens, o que facilita a melhor aderencia aos substratos.

As Chlorophyceae sao comumente registradas como as mais importantes em numero de especies planctonicas em ambientes dulcicolas e sao favorecidas por apresentarem alta variabilidade morfometrica, podendo desenvolver-se em diversos habitats (TRAIN et al., 2006). Dentre as cloroficeas, destacaram-se as Chlorococcales, cujos representantes sao comuns em qualquer tipo de ambiente (LURLING, 2003; BICUDO; MENEZES, 2006) e estao tambem entre os primeiros a colonizar o ambiente (BICUDO; MENEZES, 2006).

As desmidias (pertencentes a classe Zygnemaphyceae) constituem um grupo representativo em numero de generos e especies (BROOK, 1981; COESEL, 1982; 1996). Geralmente, este grupo de algas perifiticas ocorre em ambientes oligotroficos a mesotroficos (COESEL, 1982; 1996), assim como ha registros em ambientes eutroficos, tanto em riqueza de generos quanto em altas densidades (COESEL, 1982). Ainda, mudancas nas caracteristicas fisicas e quimicas da agua, como tambem o desaparecimento de habitats de macrofitas, podem afetar diretamente a diversidade e composicao da florula de desmidias (BROOK, 1981; COESEL, 1982).

De todos os pontos amostrados, observou-se aumento na abundancia de Cyanophyceae naqueles situados a jusante dos tanques-rede, no rio Guairaca. Seu crescimento abundante, principalmente em reservatorios de aguas, cria um serio problema pratico para o abastecimento publico. Alem disso, as toxinas produzidas pelas Cyanophyceae, em alguns casos, podem ser letais para os peixes (SIPAUBATAVARES, 1995) e produzir gosto e odor desagradavel na agua, consequentemente sao bioacumulativas na carne de peixes (BARTRAM et al., 1999).

Finalizando, rejeitou-se a hipotese de que o ponto em frente ao local de instalacao dos tanquesrede apresentaria, em ambos os ambientes, menor riqueza e abundancia de algas perifiticas. Este fato foi verificado para as estacoes situadas a 500 m do local, em ambos os tributarios e independentemente se a jusante ou a montante. Acredita-se que este resultado, aliado ao modo de vida sessil das algas perifiticas, reforca a importancia de ser realizado o biomonitoramento em uma area de maior abrangencia do local de instalacao de tanques-rede. Defende-se que o posicionamento dos tanques-rede em uma bacia hidrografica deva ser baseado na ecohidrologia --gestao sustentavel dos recursos hidricos --, e nao apenas na facilidade de acesso ao mercado.

DOI: 10.4025/actascibiolsci.v31i2.2523

Agradecimentos

As autoras agradecem ao Nucleo de Pesquisa em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura e ao Programa de Pos-graduacao em Ecologia de Ambientes Aquaticos Continentais o apoio tecnico-cientifico e logistico. Ao CNPq, a concessao de bolsa de doutorado (I.A.F.), mestrado (N.S.S.) e de produtividade em pesquisa (L.R.).

Referencias

ALVES, R. C. P.; BACCARIN, A. E. Efeito da producao de peixes em tanques-rede sobre a sedimentacao de materiais em suspensao e de nutrientes no corrego da Arribada (UHE Nova Avanhandava, Baixo Rio Tiete, SP). In: NOGUEIRA, M. G.; HENRY, R.; JORCIN, A. (Org.). Ecologia de reservatorios: impactos potenciais, acoes de manejo e sistemas em cascata. Sao Carlos: Rima, 2005. cap. 14, p. 329-347.

AYROZA, L. M.; SUSSEL, F. R.; AYROZA, D. M. M. R.; FURLANETO, F. P. B. Piscicultura no Medio Paranapanema: Situacao e Perspectiva. Revista Aquicultura e Pesca, v. 2, n. 12, p. 27-32, 2005.

BARTRAM, J.; CARMICHAEL, W. W.; CHORUS, I.; JONES, G.; SKULBERG, O. M. Introduction. In: CHORUS, I.; BARTRAM, J. (Ed.). Toxic Cyanobacteria in water: a guide to their public health consequences, monitoring and management. Londres: St Edmundsbury Press, 1999. cap. 1, p. 1-14.

BICUDO, D. C. Consideracoes sobre metodologias de contagem de algas do Perifiton. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 3, n. 1, p. 459-475, 1990.

BICUDO, C. E. M.; MENEZES, M. Generos de algas de aguas continentais do Brasil: chave para identificacao e descricoes. 2. ed. Sao Carlos: Rima, 2006.

BIGGS, B. J. F. Patterns in benthic algal of streams. In: STEVENSON, R. J.; BOTHWELL, M. L.; LOWE, R. L. (Ed.). Algal ecology: freshwater benthic ecossistems. San Diego: Academic Press, 1996. cap. 2, p. 31-56.

BIGGS, B. J. F.; STEVENSON, J.; LOWE, R. L. A habitat matrix conceptual model for stream periphyton. Archiv fur Hydrobiologie, v. 143, n. 11, p. 21-56, 1998.

BOURRELLY, P. Les algues d'eau douce. Paris: Societe Nouvelle des Editions Boubee, 1990.

BOURRELLY, P.; COUTE, A. Desmidiees de Madagascar (Chlorophyta, Zygophyceae). Berlin: J. Cramer, 1991. (Biblioteca Phycologica).

BROOK, A. J. The biology of Desmids. Oxford; Boston; Melbourne: Blackwell Scientific, 1981.

CESP-Centro de Selecao e de Promocao de Eventos. Conservacao e manejo nos reservatorios: limnologia, ictiologia e pesca. Sao Paulo, 1998. (Serie Divulgacao e Informacao, 220).

COESEL, P. F. M. Structural characteristics and adaptations of desmid communities. The Journal of Ecology, v. 70, p. 163-177, 1982.

COESEL, P. F. M. Biogeography of desmids. Hidrobiologia, v. 336, p. 41-53, 1996.

CROASDALE, H.; FLINT, E. A. Flora of New Zealand: freshwater algae, Chlorophyta, Desmids. Wellington: Government Printer, 1988.

DILLARD, G. E. Freshwater algae of the Southeastern United States: part 4: Chrolophyceae: Zygnematales: Desmidiaceae. Berlin: Cramer, 1991. Section 2. (Bibliotheca Phycologica, 89).

GARCIA DE EMILIANI, M. O. Fitoplancton y caracteristicas ambientales de um arroyo contaminado (Arroyo San Lorenzo, Santa Fe, Argentina). Revista de la Asociacion de Ciencias Naturales del Litoral, v. 26, n. 2, p. 57-64, 1994.

GLEITLER, L. Cyanophyceae. In: RABENHORSTS, L. Kryptogamenflora von Deutschlands, Osterreichs und der schweiz. Leipzig: Akademische verlagsgesellschft, 1932.

HORNER, R. R.; WELCH, E. B.; SEEFLEY, M. R.; JACOBY, J. M. Responses of periphyton to changes in current velocity, suspended sediment and phosphorus concentration. Freshwater Biology, v. 24, n. 2, p. 215-232, 1990.

HILLEBRAND, H.; SOMMER, U. Diversity of benthic macroalgae in response to colonization time and eutrophication. Aquatic Botany, v. 67, p. 221-236, 2000.

JULIO-JUNIOR, H. F.; THOMAZ, S. M.; AGOSTINHO, A. A.; LATINI, J. D. Distribuicao e caracterizacao dos reservatorios. In: RODRIGUES, L.; THOMAZ, S. M.; AGOSTINHO, A. A.; GOMES, L. C. (Org.). Biocenose em reservatorios: padroes espaciais e temporais. Maringa: Rima, 2005. cap. 1, p. 1-16.

KOMAREK, J. T.; FOTT, B. P. Das phytoplankton des Susswassers: systematik und biologie. Stuttgard: E. Schweizerbart'she Verlagsbuchhandlung, 1983.

KRAMER, K.; LANGE-BERTALOT, H. Bacillariophyceae: Naviculaceae. In: ETTL, H.; GERLOFF, I.; HEYNIG, H.; MOLLENHAUER, D. (Ed.). Susswasser flora von Mitteleuropa. Sttugart: G. Fischer, 1986. v. 2, p. 876.

LURLING, M. The effect of substances from different zooplankton species and fish on the induction of defensive morphology in the green alga Scenedesmus obliquus. Journal of Plankton Research, v. 25, n. 1, p. 979-989, 2003.

PIERINI, S. A.; THOMAZ, S. M. Effects of limnological and morphometric factors upon Zmin, Zmax and width of Egeria spp stands in a tropical reservoir. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 52, n. 1, p. 387-396, 2009.

PRESCOTT, G. W. Algae of de Western great lakes area. Koenigstein: Otto Koeltz Science Publishers, 1982.

RODRIGUES, L.; BICUDO, D. C.; MOSCHINI-CARLOS, V. O papel do perifiton em areas alagaveis e nos diagnosticos ambientais. In: THOMAZ, S. M.; BINI, L. M. (Ed.). Ecologia e manejo de macrofitas aquaticas. Maringa: Eduem, 2003. cap. 10, p. 221-229.

ROHLF, F. J. NTSYS-PC: numerical taxonomy and multivariate analysis system: version 1.50. New York: Applied Biostatistics Inc., 1989.

ROS, J. Practicas de ecologia. Barcelona: Omega, 1979.

ROUND, F. E. Diatoms in river water-monitoring studies. Journal of Applied Phycology, v. 3, n. 1, p. 129-145, 1991.

SCHWARZBOLD, A. Metodos ecologicos aplicados ao estudo do Perifiton. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 3, n. 1, p. 545-592, 1990.

SIPAUBA-TAVARES, L. H. Limnologia aplicada a aquicultura. Jaboticabal: Unesp, 1995.

TRAIN, S.; RODRIGUES, L. C.; JATI, S.; BORGES, P. A. F.; BOVO, V. M.; MARENGONI, E. Fitoplancton In: AGOSTINHO, A. A. (Coord.). Avaliacao preliminar da viabilidade economica e ambiental de cultivo de inverno de tilapia nilotica em tanques-rede. Maringa: Pronex/Nupelia/Universidade Estadual de Maringa, 2006. p. 107-110. (Relatorio complementar).

UTERMOHL, H. Zur Vervollkommung der quantitativen phytoplankton-methodik. Mitteilungen Internationale Vereinigung Limnologie, v. 9, n. 1, p. 1-38, 1958.

WETZEL, R. G. Recomendation for future research on periphyton. In: WETZEL, R. G. (Ed.). Periphyton of freshwater ecosystems. The Netherlands: Dr. W. Junk Publishers, 1983. cap. 1, p. 339-346.

WETZEL, R. G. Reservoir ecosystems: conclusions and speculations. In: THORNTON, K. W.; KIMMEL, B. L.; PAYNE, F. E. (Ed.). Reservoir limnology: ecological perspectives. New York: J. Wiley and Sons, 1990. p. 227-238.

Received on April 17, 2008.

Accepted on November 14, 2008.

Irauza Arroteia Fonseca, Natalia Silveira Siqueira e Liliana Rodrigues *

Nucleo de Pesquisa em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura, Pos-graduacao em Ecologia de Ambientes Aquaticos Continentais, Universidade Estadual de Maringa, Av. Colombo, 5790, 87020-900, Maringa, Parana, Brasil. * Autorpara correspondencia.

E-mail: lrodrigues@nupelia.uem.br
Tabela 1. Valor medio e desvio-padrao dos dados abioticos
obtidos nos rios do Corvo e Guairaca, durante o periodo
de julho de 2006.

Variaveis Abioticas         Rio do Corvo            Rio Guairaca

Secchi                   3,35 [+ or -] 0,11      2,62 [+ or -] 0,20
pH                       6,71 [+ or -] 0,18      7,63 [+ or -] 0,11
Alcalinidade           308,69 [+ or -] 29,31   449,35 [+ or -] 13,32
Temperatura da Agua     20,95 [+ or -] 0,57     21,57 [+ or -] 0,46
Nitrogenio Total       417,11 [+ or -] 83,72   717,44 [+ or -] 34,41
Fosforo Total           13,65 [+ or -] 0,70     15,32 [+ or -] 1,85

Tabela 2. Riqueza especifica de algas perifiticas encontrada no rio
do Corvo e rio Guairaca, tributarios do reservatorio de Rosana,
em julho de 2006, apos tres meses de instalacao dos tanques-rede
(locais de amostragem: 1.000 M = 1000 m a montante; 500 M =
500 m a montante; T = ponto em frente ao local de instalacao dos
tanques-rede; 500 J = 500 m a jusante; 1.000 J = 1.000 m a
jusante).

                                    Corvo

                     1.000M    500 M   T     500J   1.000J

Cyanophyceae            8        4      6     6       7
Bacillariophyceae      22       15     21    14      17
Zygnemaphyceae         15       14     13     9      10
Chlorophyceae           7        6     10    10       8
Oedogoniophyceae        3        3      2     2       2
Chrysophyceae           2        3      0     2       2
Xanthophyceae           1        0      0     1       1
Dinophyceae             0        0      0     1       0
Euglenophyceae          1        1      1     1       0
Total                  59       46     53    46      47

                                    Guairaca

                     1.000M    500 M   T     500J   1.000J

Cyanophyceae            9        7      9     5       7
Bacillariophyceae      18       13     21    21      19
Zygnemaphyceae         19        8      8     6       7
Chlorophyceae          10        5      7     7       4
Oedogoniophyceae        2        1      1     1       1
Chrysophyceae           2        0      0     0       1
Xanthophyceae           0        1      0     0       0
Dinophyceae             0        0      1     1       0
Euglenophyceae          0        0      1     0       0
Total                  60       35     48    41      39
COPYRIGHT 2009 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2009 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Fonseca, Irauza Arroteia; Siqueira, Natalia Silveira; Rodrigues, Liliana
Publication:Acta Scientiarum Biological Sciences (UEM)
Article Type:Report
Date:Apr 1, 2009
Words:3801
Previous Article:Distribution of entomofauna associated with aquatic macrophytes in the reflux of the Correntoso river, Pantanal do Negro, Mato Grosso do Sul State,...
Next Article:Food resource used by small-sized fish in macrophyte patches in ponds of the upper Parana river floodplain/Uso do alimento por peixes de pequeno...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters