Printer Friendly

Performance of cultivars and hybrids of millet in a soil submitted to compaction/Desempenho de cultivares e hibridos de milheto em solo submetido a compactacao.

INTRODUCAO

A compactacao do solo e resultado da acao de forcas extemas e internas que atuam no solo; as forcas externas resultam do trafego de maquinas e equipamentos agricolas e as internas sao devidas aos ciclos de umedecimento e secagem, expansao e contracao da massa do solo. Para o rompimento da camada compactada os metodos mais utilizados sao a utilizacao de subsoladores e escarificadores, penetrando na camada compactada e amenizando o efeito do impedimento mecanico ao desenvolvimento das raizes; outra alternativa visando reduzir e amenizar os efeitos da compactacao do solo se refere ao uso de especies que tenham sistema radicular vigoroso com capacidade de crescimento em solos com altas resistencias a penetracao.

As plantas de cobertura utilizadas como descompactadoras de solo, proporcionam um rompimento mais uniforme da camada compactada em razao da uniformidade da distribuicao de raizes ao longo do perfil.

A cultura do milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.) tem-se expandido de forma acelerada no Cerrado Brasileiro em razao da sua versatilidade de usos, rusticidade, crescimento rapido e capacidade de romper camadas compactadas. A cultura apresenta resistencia a seca, adaptacao a solos de baixa fertilidade e excelente capacidade de producao de massa seca; atualmente, o uso do milheto na agricultura brasileira vem aumentando de forma rapida para a producao de palhada no sistema de plantio direto, cada vez mais empregado no Cerrado; alem disto, possui um sistema radicular profundo que descompacta e estrutura o solo e tambem recicla nutrientes (Boer et al., 2007).

A utilizacao de milhetos hibridos tornou-se oportuna com a necessidade de materiais mais produtivos, tanto para a producao de graos quanto para a producao de forragem. Atraves do melhoramento genetico se desenvolveram materiais com potenciais variados atendendo a carencia de plantas mais produtivas na producao de graos e plantas com maior producao de biomassa; entretanto, estudos com milhetos hibridos ainda sao incipientes.

Estudos tem demonstrado que a compactacao do solo reduz o volume de macroporos, enquanto os microporos quase nao sofrem alteracoes. Assim, o desenvolvimento das raizes e afetado negativamente pela reducao dos macroporos, pelo aumento da resistencia a penetracao das raizes (Stone et al., 2002) pela diminuicao da concentracao de oxigenio, pela reducao da mineralizacao da materia organica no solo e com a menor difusao de nutrientes e de oxigenio para as raizes diminuindo, assim, a disponibilidade e a absorcao de agua e de nutrientes (Ribeiro, 1999). Existe uma estreita relacao entre porosidade do solo e crescimento radicular, com crescimento de raizes maior onde ha maior numero e continuidade de macroporos (Stone et al., 2002).

Nas modificacoes morfologicas nas raizes ocasionadas pelas restricoes ao crescimento, estao o aumento do diametro radicular e a diminuicao do comprimento, tornando-as tortuosas. O crescimento ocorre em pontos de menor resistencia oferecidos pelo solo atraves de poros biologicos deixados por raizes decompostas e fendas naturalmente encontradas no solo. Desta forma, a cultura do milheto tem-se mostrado eficiente para amenizar os efeitos da compactacao deixando canais que propiciem condicoes ao desenvolvimento de raizes da cultura subsequente (Jimenez et al., 2008).

Em seus estudos, Goncalves et al. (2006) e Jimenez et al. (2008) constataram, utilizando, respectivamente, os milhetos ADR500 e ADR300, que essas cultivares se destacaram quanto ao crescimento em camadas compactadas e abaixo delas, emitindo uma grande quantidade de raizes, mesmo no maior nivel de compactacao do solo na densidade de 1,60 Mg [m.sup.-3] proporcionando, assim, diminuicao do efeito da compactacao do solo. O milheto apresentou-se como a especie mais indicada para cobertura, por suas caracteristicas de producao de massa seca e crescimento radicular; entretanto, sao poucos os estudos com milhetos hibridos na presenca de camada compactada.

Visou-se, no presente estudo, avaliar o crescimento aereo, crescimento radicular de cultivares e hibridos de milheto em funcao da compactacao em subsuperficie em um Latossolo Vermelho distroferrico.

MATERIAL E METODOS

O experimento foi realizado no periodo de fevereiro a abril de 2007 em casa de vegetacao da Faculdade de Agronomia da FESURV--Universidade de Rio Verde. Foram utilizadas amostras deformadas de solo proveniente do horizonte A de um Latossolo Vermelho distroferrico, coletados na camada de 0-20 cm de um solo de textura argilosa. Apos secagem ao ar o solo foi passado em peneira com malha de 2 mm e submetido a caracterizacao quimica e textural (Tabela 1) conforme metodologia proposta pela EMBRAPA (1997).

A saturacao de bases do solo foi elevada para 50% por meio da adicao de calcario e o solo umedecido a 80% da capacidade de campo e armazenado em sacos plasticos para incubacao umida, por 15 dias. O delineamento utilizado foi em blocos ao acaso em esquema fatorial 9 x 4 (sete cultivares de hibridos de milheto e duas variedades e quatro niveis de densidades do solo) com quatro repeticoes.

Foram utilizados sete cultivares de milheto hibrido Pennisetum glaucum L. (40425, 40853, 41312, 51499, 60018, 60019 e ADR7010) e as variedades de milheto ADR300 e ADR500. Os milhetos hibridos sao produtos de melhoramento genetico desenvolvido pela Bonamigo Melhoramentos. A variedade ADR300 e recomendada para producao da palhada no sistema plantio direto, enquanto a variedade ADR500 e recomendada para pastejo e capineira. Os hibridos ADR7010, 40425, 40853, 41312 e 51499 apresentam duplo proposito (producao de massa e graos) e silageiro, enquanto os hibridos 60018 e 60019 sao especificos para producao de massa e graos.

A unidade experimental constou da sobreposicao de tres aneis de PVC de 100 mm de diametro interno. A altura dos aneis (superior e inferior) foi de 150 mm de altura cada um, os quais receberam solo com densidade em torno de 1,10 Mg [m.sup.-3], e a altura do anel intermediario com os diferentes niveis de densidade do solo foi de 35 mm. As densidades do solo foram: 1,28; 1,46; 1,65 e 1,74 Mg [m.sup.-3], representando o grau de compactacao de 70, 80, 90 e 95%, respectivamente. O grau de compactacao do solo consiste numa relacao entre a densidade do solo atual e a densidade do solo maxima extraida da curva de compactacao (Vargas, 1977).

Foram adicionadas quantidades calculadas de solo ao anel central para obtencao dos niveis de compactacao do solo desejados; para isto, determinou-se a curva de compactacao do solo pelo metodo de Proctor normal (Nogueira, 1995). De posse dos valores da [Ds.sub.max] determinada em laboratorio, que foi de 1,83 Mg [m.sup.-3], procedeu-se a compactacao do anel intermediario com golpes sucessivos de uma massa de ferro ate atingir a espessura de 3,5 cm com a quantidade de solo para atingir as densidades finais desejadas, estando o solo com a umidade de 75% da capacidade de campo.

Para evitar o crescimento radicular na interface solo-PVC do anel compactado, foi utilizado o caulim em torno de 1 cm de espessura que, umedecido, formou uma pasta plastica aderida a parede interna do tubo de PVC; a montagem das colunas se deu com o auxilio de fita adesiva, utilizada para unir os aneis.

O plantio foi realizado na 2a quinzena de fevereiro sendo que foram conduzidas duas plantas por coluna de solo. Realizou-se adubacao com N (ureia), P (superfosfato simples) e K (cloreto de potassio) com aplicacao de 150 mg d[m.sup.-3].

Aos 30 dias apos o plantio realizou-se a coleta da parte aerea das plantas seccionando-as rente ao solo; apos o corte o material foi pesado para determinacao da massa verde e posteriormente colocado em estufa a 65 [degrees]C, durante 72 h e determinada a massa seca da parte aerea. A area foliar foi determinada logo apos o corte da parte aerea das plantas sendo obtida indiretamente atraves do produto das medidas de seu comprimento e largura (medidas com trena) multiplicadas pelo coeficiente de 0,56 (Pires et al., 2007); enfim, a altura de planta foi medida com regua da base ate o apice.

Os vasos foram desmontados e as raizes coletadas por camada (superior, compactada e inferior) e separadas do solo por lavagem em agua corrente; em seguida, as raizes foram acondicionadas em sacos-plastico, submersas em solucao aquosa com 30% de alcool etilico; apos secagem em papel toalha as raizes foram escaneadas em um scanner de leitura otica; posteriormente, as amostras foram secadas em estufa a 65 [degrees]C por 72 h e determinada a producao de massa seca das raizes (MSR). O comprimento radicular e o diametro medio radicular foram determinados com a utilizacao do programa Quant Root v. 1.0 adaptado por Amaral (2002); prosseguindo, calculou-se a densidade de comprimento radicular (cm raiz [cm.sup.-3] de solo) por meio da divisao do comprimento de raizes encontrado em cada camada pelo volume do respectivo anel de PVC, ou seja, 1060 [cm.sup.3] para a camada superior, 1178 cm3 para a camada inferior e 275 [cm.sup.3] para a camada compactada.

Os resultados foram submetidos a analise de variancia e as medias dos parametros avaliados pelo teste Tukey a 0,05 de probabilidade e para os niveis de compactacao submetidos a analise de regressao.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Observaram-se interacoes significativas nas variaveis avaliadas (Tabela 2) com excecao da altura de plantas, massa seca de raizes e densidade do comprimento radicular na camada compactada e diametro radicular nas camadas superior e inferior.

Os dados da Tabela 3 mostram que na densidade de 1,28 Mg [m.sup.-3] nao ocorreu diferenca entre as cultivares em todos os parametros avaliados, comportamento que demonstra que em baixas densidades (1,28 Mg [m.sup.-3]) nao ocorrem limitacoes no crescimento da parte aerea das plantas. Resultados semelhantes foram encontrados por Foloni et al. (2006) ao verificarem que a compactacao do solo nao afetou significativamente a producao de massa seca da parte aerea das plantas de plantas de cobertura na densidade do solo ate 1,56 Mg [m.sup.-3].

Nas densidades de 1,28, 1,46 e 1,74 Mg [m.sup.-3] a MVPA foi semelhante entre as especies estudadas (Tabela 3). Ocorreu maior reducao da MVPA entre as densidades de 1,65 e 1,74 Mg [m.sup.-3] de 41% em media; na densidade de 1,65 Mg [m.sup.-3] o hibrido 40853 apresentou comportamento inferior ao das variedades ADR300 e ADR500 o que demonstra a maior adaptacao das variedades as condicoes de compactacao do solo em relacao ao hibrido na producao de MVPA. No maior nivel de compactacao (Ds = 1,74 Mg [m.sup.-3]) nao ocorreram diferentes na producao de MVPA e MSPA entre as variedades e hibridos de milheto. Resultado semelhante foi encontrado por Silva & Rosolem (2001) por se tratar de experimentos de curta duracao.

Para a MSPA a reducao foi de 27% em media, entre a menor e a maior densidade do solo para todos os tratamentos. Em dados que assemelham aos encontrados por Piffer et al. (2010) em estudo com milheto BN2, amaranto e capim pede'galinha em camadas de solo compactada, observou'se que as especies apresentaram reducao na producao de massa seca com o aumento da densidade do solo na camada compactada; entretanto, o milheto proporcionou a maior quantidade de massa seca na parte aerea, mesmo na presenca de camadas compactadas. Esses resultados confirmam o milheto como planta descompactadora de solo e com alta capacidade de producao de massa seca.

O hibrido 60018 apresentou maior producao de MSPA na densidade de 1,46 Mg [m.sup.-3], porem nao diferiu dos milhetos ADR 300, ADR 500, ADR 7010, 40425 e 40853 observandose que na densidade de 1,65 Mg [m.sup.-3] as variedades ADR500, ADR300 e os hibridos 40425 e 51499 apresentaram maiores acumulos de MSPA e altura de plantas (Tabela 3). Tais resultados demonstram a diferenca de comportamento dos diferentes materiais na presenca de camada compactada, fato este justificado em razao da aptidao de cada material (producao de graos ou massa) desenvolvendo, desta forma, caracteristicas especificas atraves do melhoramento genetico, que se manifestam de forma diferenciada face a alguma situacao de estresse. Referido comportamento dos hibridos 40425 e 51499 com maiores acumulos de MSPA, se traduz na grande vantagem de se desenvolveram em condicoes de elevada densidade sem causar reducao na producao de massa e graos.

Na altura de plantas houve reducao de 21% em media das cultivares de milheto com o aumento do menor para o maior nivel de densidade do solo pelo fato de que em solos compactados as plantas nao absorvem adequadamente os nutrientes e agua haja vista que prejudicam o desenvolvimento de novas raizes, sendo que nelas ocorre a maior taxa de absorcao prejudicando tambem a altura de plantas. Piffer et al. (2010) constataram, em estudo com o milheto BN2, reducao na altura de plantas com aumento da compactacao do solo de 73% entre as densidades de 1,21 e 1,51 Mg [m.sup.-3] resultados que comprovam os obtidos no presente estudo.

Analisando a Tabela 3 observa-se que ocorreu reducao de 56% em media na area foliar das cultivares de milheto entre a menor e a maior densidade do solo em razao da menor absorcao de agua e reducao da aeracao em solos compactados. Dados semelhantes aos encontrados por Guimaraes et al. (2002) que verificaram que a area foliar do feijao decresceu de 4000 para 2000 [cm.sup.2], quando a densidade aumentou de 1,0 para 1,6 Mg [m.sup.-3] em um Latossolo Vermelho perferrico.

Na densidade de 1,65 Mg [m.sup.-3] os hibridos 40853 e 60019 apresentaram comportamento inferior ao dos demais hibridos e cultivares na producao de MVPA, MSPA e altura de plantas. A menor area foliar na densidade de 1,65 Mg [m.sup.-3] foi verificada no hibrido 40853 diferindo apenas do hibrido 40425. Este comportamento na presenca de diferentes niveis de compactacao do solo demonstra as diferencas entre os hibridos em razao de sua finalidade de uso (relacao folha/colmo). O fato do hibrido 40853 ser indicado para producao de forragem e apresentar uma area foliar menor na presenca de compactacao do solo, representa uma desvantagem; assim sendo e para se ter maior producao de massa verde, o solo nao deve apresentar limitacao fisica alguma para seu cultivo.

Analisando a Tabela 4 observa-se, em todos os materiais de milheto estudados que, independente da densidade do solo na camada compactada, ocorreu um acumulo maior de raizes na camada superior. Resultados semelhantes aos do presente estudo foram obtidos por Muller et al. (2001) em estudo no qual utilizaram adubos verdes de inverno, Moraes et al. (1995) com a cultura da soja e Goncalves et al. (2006) estudando o sistema radicular do milheto ADR500 sob compactacao do solo.

Com o aumento da densidade do solo na camada compactada entre as densidades de 1,65 e 1,74 Mg [m.sup.-3] ocorreu diminuicao media de 32% na massa seca de raizes na camada superior (MSRCS), 30% na massa seca de raizes na camada compactada (MSRCC) e 91% na massa seca de raizes na camada inferior (MSRCI) nas cultivares de milheto estudadas (Tabela 4). A diminuicao no desenvolvimento das raizes foi afetada possivelmente pela reducao dos macroporos, pela diminuicao da concentracao de oxigenio e reducao da mineralizacao da materia organica em virtude do aumento na compactacao do solo, dados que se assemelham aos de Jimenez et al. (2008) em estudo com plantas de cobertura, em que o aumento da densidade do solo de 1,18 para 1,60 Mg [m.sup.-3] diminuiu 21, 25 e 34% o crescimento de raizes nas camadas superior, compactada e inferior, respectivamente.

Analisando a Tabela 4, nao foi verificada diferenca significativa na producao de massa seca de raizes nas camadas avaliadas entre as cultivares e hibridos de milheto no maior nivel de densidade do solo (1,74 Mg [m.sup.-3]) cujos resultados demonstram que as cultivares e hibridos apresentaram o mesmo comportamento na producao de MSR no maior nivel de compactacao. Esses resultados demonstram a capacidade do milheto de crescimento em solos com restricao fisica ao crescimento de raizes. Em seu estudo, Bordin et al. (2008) verificaram, em condicoes de campo com o objetivo de avaliar a influencia da escarificacao no crescimento do guandu e do milheto, que o sistema radicular do milheto se desenvolveu com maior intensidade; esses dados comprovam os resultados do presente estudo em que, na presenca de limitacao ao crescimento de raizes a cultura do milheto consegue desenvolver-se melhor que outras especies.

Ocorreu diferenciacao na MSRCC entre as cultivares de milheto somente na densidade de 1,65 Mg [m.sup.-3], em que o hibrido 41312 foi o cultivar que obteve maior producao de MSR diferindo do ADR 7010, 40853 e 60019. E provavel que este comportamento demonstre o potencial desta cultivar de milheto em romper camadas compactadas em niveis intermediarios de compactacao do solo; resultados que corroboram com o presente estudo foram obtidos por Jimenez et al. (2008), com o milheto ADR 300 e Goncalves et al. (2006) com o milheto ADR 500.

Constatou-se um aumento de 7,3% em media na densidade do comprimento radicular (DCR) na camada superior entre as densidades de 1,28 e 1,74 Mg [m.sup.-3] entre os materiais estudados (Tabela 5). Resultados semelhantes obtiveram Foloni et al. (2003) que concluiram que a DCR do milho aumentou 42% na camada superior com o aumento do nivel de compactacao do solo. Jimenez et al. (2008) em estudo com o milheto ADR300 no maior nivel de compactacao de 1,60 Mg [m.sup.-3] respectivamente para as camadas superior, compactada e inferior, valores de 2,30; 3,12 e 2,11 cm [cm.sup.3] para o DCR. No presente estudo os valores medios entre os materiais estudados no maior nivel de compactacao do DCR na camada compactada foram de 2,95 cm cm3 cujos resultados confirmam a capacidade da cultura do milheto mesmo em condicoes de compactacao do solo emitir raizes demonstrando que deixara no solo grande quantidade de poros biologicos apos o processo de decomposicao de raizes. Esses poros sao importantes para a infiltracao de agua e difusao de gases favorecendo o crescimento do sistema radicular e a melhoria das condicoes fisicas do solo.

Ocorreu uma diminuicao de 4% em media no diametro radicular na camada superior entre as densidades de 1,28 e 1,74 Mg [m.sup.-3] nas cultivares e hibridos de milheto (Tabela 6). Dados semelhantes foram obtidos por Foloni et al. (2006) ao verificar que o diametro radicular da soja e da Crotalaria juncea diminuiu de acordo com o aumento dos niveis de compactacao do solo na camada superior sendo que o aumento da compactacao e consequente reducao do tamanho dos poros, a ponto de impedir a passagem da raiz principal, leva a compensar este efeito pela expansao de raizes laterais com diametros menores.

Avaliando o valor medio do diametro radicular entre as diferentes cultivares e hibridos de milheto, observa-se um aumento com o aumento da densidade do solo na camada compactada. Freddi et al. (2007) observaram, em estudo para avaliar o crescimento radicular da cultura do milho em condicoes de compactacao do solo, que o diametro radicular aumentou linearmente com o aumento da compactacao do solo cujos dados corroboram com os do presente estudo.

Nos dois maiores niveis de compactacao do solo (1,65 e 1,74 Mg [m.sup.-3]) tanto na camada compactada quanto na camada inferior, nao houve diferencas entre os materiais estudados. Este comportamento demonstra ser um indicativo de que a cultura do milheto e uma especie com potencial para estabelecer seu sistema radicular em solos compactados e, desta forma, ocorrerao formacao de bioporos e melhoria nas condicoes fisicas do solo para a cultura subsequente.

CONCLUSOES

1. Os hibridos 40853 e 60019 apresentaram comportamento inferior aos demais hibridos e cultivares na producao de materia verde e seca da parte aerea e altura de plantas na densidade de 1,65 Mg [m.sup.-3].

2. As cultivares ADR500 e ADR300 e os hibridos 40425 e 51499 se destacaram na producao de massa verde e seca e altura de plantas na densidade de 1,65 kg [m.sup.-3].

3. A maior densidade de comprimento radicular media entre as cultivares de milheto foi verificada na densidade do solo de 1,46 Mg [m.sup.-3].

4. A cultura do milheto demonstrou potencial como planta descompactadora do solo.

LITERATURA CITADA

Amaral, J. F. T Eficiencia de producao de raizes, absorcao, translocacao e utilizacao de nutrientes em cultivares de cafe arabica. Vicosa: UFV, 2002. 97p. Tese Doutorado

Boer, C. A.; Assis, R. L.; Silva, G. P.; Braz, A. J. B. P.; Barroso, A. L. L.; Cargnelutti Filho, A.; Pires, F. R. Ciclagem de nutrientes por plantas de cobertura na entressafra em um solo de cerrado. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, v.42, p.1269-1276, 2007.

Bordin, I.; Neves, C. S. V. J.; Francio Filho, P.; Preti, E. A.; Cardoso, C. Crescimento de milheto e guandu, desempenho de plantas citricas e propriedades fisicas do solo escarificado em um pomar. Revista Brasileira de Ciencia do Solo, v.32, p.1409-1418, 2008.

EMBRAPA--Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Manual de metodos de analises de solo. 2.ed., Rio de Janeiro: EMBRAPA, 1997. 212p.

Foloni, J. S. S.; Calonego, J. C.; Lima, S. L. Efeito da compactacao do solo no desenvolvimento aereo e radicular de cultivares de milho. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, v.38, p.947-953, 2003.

Foloni, J. S. S.; Lima, S. L.; Bull, L. T. Crescimento aereo e radicular da soja e de plantas de cobertura em camadas compactadas de solo. Revista Brasileira de Ciencia do Solo, v.30, p.49-57, 2006.

Freddi, O. S.; Centurion, J. F.; Beutler, A. N; Aratani, R. G.; Leonel, C. L. Compactacao do solo no crescimento radicular e produtividade da cultura do milho. Revista Brasileira de Ciencia do Solo, v.31, p.627-636, 2007.

Goncalves, W. G.; Jimenez, R. L.; Araujo Filho, J. V.; Assis, R. L.; Silva, G. P.; Pires, F. R. Sistema radicular de plantas de cobertura sob compactacao do solo. Engenharia Agricola, v.26, p.67-75, 2006.

Guimaraes, C. M.; Stone, L. F.; Moreira, J. A. A. Compactacao do solo na cultua do feijoeiro. II: Efeito sobre o desenvolvimento radicular e da parte aerea. Revista Brasileira Engenharia Agricola e Ambiental, v.6, p.213-218, 2002.

Jimenez, R. L.; Goncalves, W. G.; Araujo Filho, J. V.; Assis, R. L.; Pires, F. R.; Silva, G. P. Crescimento de plantas de cobertura sob diferentes niveis de compactacao em um Latossolo Vermelho. Revista Brasileira de Engenharia Agricola Ambiental, v.12, p.116-121, 2008.

Moraes, M. H.; Benez, S. H.; Libardi, P. L. Efeitos da compactacao em algumas propriedades fisicas do solo e seu reflexo no desenvolvimento das raizes de plantas de soja. Bragantia, v.54, p.393-403, 1995.

Muller, M. M. L.; Ceccon, G.; Rosolem, C. A. Influencia da compactacao do solo em subsuperficie sobre o crescimento aereo e radicular de plantas de adubacao verde de inverno. Revista Brasileira de Ciencia do Solo, v.25, p.531-538, 2001.

Nogueira, J. B. Mecanica dos solos: ensaios de laboratorio. Sao Carlos: Escola de Engenharia de Sao Carlos, USP, 1995. 248p.

Piffer, C. R.; Benez, S. H.; Bertolini, E. V; Cominetti, F. R.; Silva, P. R. A. Crescimento radicular de tres especies de cobertura vegetal em camadas de solo compactadas artificialmente. Revista Varia Scientia Agrarias, v.1, p.31-43, 2010.

Pires, F. R.; Assis, R. L.; Silva, G. P.; Braz, A. J. B. P.; Santos, S. C.; Vieira Neto, S. A.; Sousa, J. P. G. de. Desempenho Agronomico de variedades de milheto em razao da fenologia em pre-safra. Bioscience Journal, v.23, p.41-49, 2007.

Ribeiro, M. A. V Resposta da soja e do eucalipto a fosforo em solos de diferentes texturas, niveis de densidade e de umidade. Lavras: UFLA, 1999. 71p. Tese Doutorado

Silva, R. H.; Rosolem, C. A. Crescimento radicular de especies utilizadas como cobertura decorrente da compactacao do solo. Revista Brasileira de Ciencia do Solo, v.25, p.253260, 2001.

Stone, L. F.; Guimaraes, C. M.; Moreira, J. A. A. Compactacao do solo na cultura do feijoeiro: I. nas propriedades fisicohidricas do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agricola e Ambiental, v.6, p.213-218, 2002.

Vargas, M. Introducao a mecanica dos solos. Sao Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1977. 509p.

Christianne V. Guimaraes (2), Renato L. de Assis (3), Gustavo A. Simon (4), Fabio R. Pires (5), Rodrigo L. Ferreira (6) & Danilo C. dos Santos (7)

(1) Parte da Dissertacao de Mestrado do primeiro autor apresentada ao Programa de Pos-Graduacao em Producao Vegetal da UniRV

(2) Biologa, Colegio Estadual Olynto Pereira de Castro. Rua Juca Baylao, Qd. 36 Lt. 20, 56, Setor Morada do Sol, CEP 75909-050, Rio Verde, GO. Fone: (64) 3622-0015. E-mail:chrisbiologia@yahoo.com.br

(3) Instituto Federal Goiano, Campus Ipora, Rodovia GO 060, Km 01, Zona Rural, CEP 76200-000, Ipora, GO. Fone/Fax: (64) 3674-0400. E-mail: relassis@bol.com.br. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq

(4) UniRV, Fazenda Fontes do Saber, CP 104, CEP 75901-970, Rio Verde, GO. Fone: (64) 3611-2262. E-mail: simon@unirv.edu.br

(5) UFES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, Bairro Litoraneo, CEP 29932-540, Sao Mateus, ES. E-mail: fabiopires@ceunes.ufes.br. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq

(6) Engenheiro Agronomo. UniRV--Universidade de Rio Verde

(7) Engenheiro Agronomo. Industria e Comercio de Fertilizantes Rifertil Ltda., Rua dos trabalhadores, Setor industrial s/n, CEP 75900-000, Rio Verde, GO. E-mail: cabralagrorv@hotmail.com

Protocolo 259.12--31/10/2012 * Aprovado em 02/08/2013
Tabela 1. Caracterizacao quimica, analise textural e teor de agua na
capacidade de campo do horizonte A de um Latossolo Vermelho
distroferrico

                               H + Al    K      Ca     Mg    CTC
pH                  P mg
(Ca[Cl.sub.2])   [dm.sup.-3]        [emol.sub.c] [dm.sup.-3]

4,0                 0,30        4,1     0,08   0,22   0,17   4,59

                        M.O. *   C.C. *   Areia   Silte   Argila
pH                V
(Ca[Cl.sub.2])    %                  g [kg.sup.-1]

4,0              10,2    29,4     221      350     90      560

* M.O.--Materia organica; C.C.--Teor de agua na capacidade de campo
a-0,006 MPa

Tabela 2. Significancia da analise de variancia de massa verde e seca
da parte aerea, altura de plantas, area foliar, massa seca de raizes,
densidade do comprimento radicular e diametro radicular nas
diferentes camadas

                                 Fonte de variacao

                       Tratamentos   Densidade           CV
Parametro                  (T)          (D)      TxD     (%)

Massa verde da             **           **        *     22,31
  parte aerea (MVPA)
Massa seca da              **           **        **    16,16
  parte aerea (MSPA)
Altura de plantas          **           **       (ns)   11,78
Area foliar               (ns)                          22,92

Camadas                      Massa seca de raizes (MSR)

Camada superior            **           **        **    27,41
Camada compactada         (ns)           *       (ns)   63,59
Camada inferior            **           **        **    44,71

                         Densidade do comprimento radicular
                                       (DCR)

Camada superior            **           **        **    27,41
Camada compactada         (ns)           *       (ns)   63,59
Camada inferior            **           **        **    44,71

                              Diametro radicular (DR)

Camada superior            **          (ns)      (ns)   25,34
Camada compactada         (ns)         (ns)       *     18,23
Camada inferior             *           **       (ns)   35,89

(ns) Nao significativo. * e ** Significativo a 0,01 e 0,05,
respectivamente, pelo teste F

Tabela 3. Massa verde da parte aerea (MVPA), massa
seca da parte aerea (MSPA), altura de plantas e area
foliar de hibridos e cultivares de milheto considerando-se
as densidades do solo na camada compactada

Tratamento     MVPA        MSPA      Altura de planas   Area foliar
                                           (cm)         ([cm.sup.2])
                      (g)

Densidade do solo: (1,28 Mg [m.sup.-3])

ADR 300       37,20 a     8,14 a          73,7 a          524,4 a
ADR 500       33,25 a     7,05 a          68,2 a          482,8 a
ADR 7010      29,87 a     7,88 a          63,2 a          562,6 a
40425         33,25 a     7,40 a          66,3 a          457,3 a
40853         35,70 a     8,49 a          70,1 a          514,5 a
41312         29,92 a     6,77 a          62,0 a          413,1 a
51499         39,62 a     7,25 a          62,5 a          478,7 a
60018         31,35 a     6,79 a          57,5 a          477,4 a
60019         29,95 a     6,98 a          57,5 a          511,4a

Media          33,34       7,41            64,5            491,3

Densidade do solo: (1,46 Mg [m.sup.-3])

ADR 300       31,02 a    7,46 abcd        73,2 a         465,0 ab
ADR 500       37,72 a     8,73 ab        62,3 ab         533,0 ab
ADR 7010      32,52 a    6,82 abcd       63,3 ab          556,9 a
40425         37,47 a    8,20 abc         69,7 a          340,8 b
40853         35,82 a    7,66 abcd       66,2 ab         510,7 ab
41312         24,72 a     5,84 cd        62,0 ab         350,6 ab
51499         32,35 a    6,67 bed         71,7a          459,4 ab
60018         37,85 a     9,27 a         65,8 ab         506,4 ab
60019         24,05 a     5,53 d          53,2 b         376,1 ab

Media          32,61       7,35            65,2            455,4

Densidade do solo: (1,65 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      37,57 ab     8,32 ab         76,1 a         458,5 ab
ADR 500       42,82 a     10,54 a        73,5 ab         509,5 ab
ADR 7010     30,82 abc    6,74 bc        68,3 ab         486,2 ab
40425         42,85 a     8,99 ab         78,8 a          586,1 a
40853         21,67 c     5,11 c          59,6 b          331,9 b
41312        32,30 abc    7,37 bc        67,0 ab         490,7 ab
51499        37,22 ab     8,80 ab        71,2 ab         391,6 ab
60018        32,32 abc    6,88 bc        70,2 ab         503,6 ab
60019        23,07 bc     5,81 c          57,0 b         417,3 ab

Media          33,40       7,61            69,1            463,9

Densidade do solo: (1,74 Mg [m.sup.-3])

ADR 300       19,22 a     5,49 a          55,7 a          238,4 a
ADR 500       17,90 a     5,05 a          47,0 a          193,8 a
ADR 7010      22,92 a     5,99 a          54,2 a          221,8 a
40425         17,15a      5,36 a          45,7 a          171,4a
40853         19,67 a     5,67 a          58,7 a          229,3 a
41312         18,90 a     5,36 a          48,5 a          222,8 a
51499         20,87 a     5,38 a          58,5 a          155,2 a
60018         21,35 a     5,38 a          47,2 a          271,9 a
60019         18,55 a      5,12a          43,2 a          214,7 a
Media          19,61       5,42            50,9            213,2

Medias seguidas da mesma letra na coluna nao diferem entre si pelo
teste de Tukey, a 0,05 de probabilidade

Tabela 4. Massa seca de raizes (MSR) * nas camadas superior,
compactada e inferior de hibridos e cultivares de milheto
considerando-se as densidades do solo na camada compactada

                           Camada

Tratamento   Superior    Compactada    Inferior

                            (B)

Densidade do solo: (1,28 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      1,83 ab     0,32 a       1,27 ab
ADR 500      1,77 ab     0,28 a       0,89 b
ADR 7010     2,07 ab     0,28 a       1,25 ab
40425        2,31 ab     0,42 a       1,32 ab
40853        1,66 ab     0,64 a       1,05 b
41312        1,15 b      0,25 a       1,09 b
51499        1,98 ab     0,40 a       1,47 ab
60018        1,39 b      0,49 a       1,49 ab
60019        2,59 a      0,48 a       1,76 a

Media        1,86        0,39         1,28

Densidade do solo: (1,46 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      1,94 a      0,47 a       0,86 ab
ADR 500      1,73 a      0,54 a       0,60 b
ADR 7010     2,18 a      0,60 a       0,80 ab
40425        2,29 a      0,61 a       0,92 ab
40853        1,77 a      0,34 a       0,45 b
41312        1,54 a      0,37 a       0,54 b
51499        1,89 a      0,30 a       0,50 b
60018        2,48 a      0,59 a       1,26 a
60019        1,85 a      0,38 a       0,71 ab

Media        1,96        0,46         0,73

Densidade do solo: (1,65 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      1,62 cd     0,34 ab      0,210 cd
ADR 500      2,59 abc    0,49 ab      0,960 ab
ADR 7010     2,97 ab     0,25 b       0,430 bed
40425        3,20 a      0,50 ab      1,130 a
40853        1,17 d      0,15 b       0,029 d
41312        2,07 abcd   0,85 a       0,440 bed
51499        2,66 abc    0,48 ab      0,520 abcd
60018        2,12 abcd   0,37 ab      0,820 abc
60019        1,93 bed    0,25 b       0,580 abcd

Media        2,25        0,40         0,56

Densidade do solo: (1,74 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      1,25 a      0,35 a       0,015 a
ADR 500      1,20 a      0,32 a       0,160 a
ADR 7010     1,58 a      0,35 a       0,008 a
40425        1,40 a      0,25 a       0,012 a
40853        1,03 a      0,21 a       0,020 a
41312        1,48 a      0,30 a       0,190 a
51499        1,67 a      0,17 a       0,040 a
60018        2,19 a      0,37 a       0,007 a
60019        1,96 a      0,24 a       0,006 a

Media        1,52        0,28         0,051

* Medias seguidas da mesma letra na coluna nao diferem entre si pelo
teste de Tukey a 0,05 de probabilidade

Tabela 5. Densidade do comprimento radicular (DCR) * nas camadas
superior, compactada e inferior, de hibridos e cultivares de milheto
considerando-se as densidades do solo na camada compactada

                          Camada

Tratamento   Superior   Compactada   Inferior

                      cm [cm.sup.-3]

Densidade do solo: (1,28 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      2,43 c     4,21 abc     3,03 a
ADR 500      3,61 bc    4,04 abc     2,89 a
ADR 7010     5,02 ab    4,92 ab      3,45 a
40425        4,96 ab    5,54 a       3,29 a
40853        3,71 abc   2,86 bc      2,07 a
41312        2,63 c     2,74 c       3,01 a
51499        3,12 bc    3,87 abc     2,83 a
60018        3,17 bc    4,58 abc     3,04 a
60019        5,79 a     4,97 ab      3,24 a

Media        3,82       4,19         2,98

Densidade do solo: (1,46 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      2,72 b     4,10 ab      1,82 b
ADR 500      3,26 ab    4,15 ab      1,28 b
ADR 7010     4,89 a     5,35 ab      1,89 b
40425        5,06 a     5,91 a       2,30 ab
40853        3,91 ab    3,55 b       1,39 b
41312        3,01 ab    3,35 b       1,28 b
51499        4,77 ab    3,37 b       1,28 b
60018        5,13 a     6,22 a       3,86 a
60019        4,93 a     4,30 ab      1,41 b

Media        4,18       4,47         1,83

Densidade do solo: (1,65 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      2,67 c     2,09 c       1,24 ab
ADR 500      3,93 abc   4,32 ab      1,36 ab
ADR 7010     5,68 a     2,86 bc      1,09 ab
40425        5,50 ab    5,03 a       1,75 a
40853        3,08 c     2,63 bc      0,07 b
41312        4,69 abc   5,02 a       1,17 ab
51499        3,74 abc   4,12 abc     1,27 ab
60018        3,49 bc    4,45 ab      1,02 ab
60019        3,79 abc   3,15 abc     0,97 ab

Media        4,06       3,74         1,10

Densidade do solo: (1,74 Mg [m.sup.-3])

ADR 300      2,72 bc    1,72 b       0,37 a
ADR 500      3,89 abc   3,26 ab      1,12 a
ADR 7010     5,18 a     4,38 a       0,04 a
40425        4,63 ab    2,60 ab      0,74 a
40853        3,56 abc   2,40 ab      0,28 a
41312        2,40 c     3,55 ab      1,24 a
51499        4,41 abc   2,39 ab      1,14 a
60018        5,13 a     1,78 b       0,40 a
60019        5,03 a     4,52 a       0,03 a

Media        4,10       2,95         0,59

* Medias seguidas da mesma letra na coluna nao diferem entre si pelo
teste de Tukey, a 0,05 de probabilidade

Tabela 6. Diametro radicular * nas camadas superior,
compactada e inferior, de hibridos e cultivares de
milheto considerando-se as densidades do solo na
camada compactada

                          Camada

Tratamento   Superior   Compactada   Inferior

                         [micro]m

Densidade do solo: (1,28 Mg [m.sup.-3])

ADR 300        50 a        24 a        58 a
ADR 500        65 a        26 a        47 a
ADR 7010       71 a        24 a        47 a
40425          80 a        25 a        59 a
40853          65 a        34 a        36 a
41312          48 a        24 a        43 a
51499          53 a        23 a        41 a
60018          61 a        30 a        44 a
60019          82 a        24 a        55 a

Media          63,8        26,0       47,77

Densidade do solo: (1,46 Mg [m.sup.-3])

ADR 300        49 a       27 ab       32 ab
ADR 500        44 a        25 b       33 ab
ADR 7010       66 a        24 b        26 b
40425          81 a        38 a       49 ab
40853          65 a        27 b        26 b
41312          56 a        26 b        26 b
51499          65 a        26 b        27 b
60018          80 a        26 b        62 a
60019          79 a       29 ab       35 ab

Media          65,0        27,5        35,1

Densidade do solo: (1,65 Mg [m.sup.-3])

ADR 300        56 a        29 a        39 a
ADR 500        63 a        27 a        25 a
ADR 7010       87 a        25 a        29 a
40425          81 a        26 a        31 a
40853          54 a        28 a        39 a
41312          72 a        35 a        32 a
51499          62 a        27 a        27 a
60018          69 a        27 a        35 a
60019          72 a        26 a        35 a

Media          68,4        27,7        32,4

Densidade do solo: (1,74 Mg [m.sup.-3])

ADR 300       55 ab        31 a        34 a
ADR 500       57 ab        27 a        25 a
ADR 7010      63 ab        27 a        50 a
40425         61 ab        28 a        28 a
40853         60 ab        29 a        31 a
41312          31 b        28 a        31 a
51499         61 ab        29 a        31 a
60018          78 a        28 a        39 a
60019          83 a        28 a        44 a
Media          61,0        28,0        34,7

* Medias seguidas pela mesma letra na coluna nao diferem entre si
pelo teste de Tukey, a 0,05 de probabilidade
COPYRIGHT 2013 ATECEL--Associacao Tecnico Cientifica Ernesto Luiz de Oliveira Junior
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2013 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Guimaraes, Christianne V.; de Assis, Renato L.; Simon, Gustavo A.; Pires, Fabio R.; Ferreira, Rodrig
Publication:Revista Brasileira de Engenharia Agricola e Ambiental
Date:Nov 1, 2013
Words:6435
Previous Article:Yield of Cayenne pepper as a function of different soil water tensions/Rendimento da pimenta cayenne em funcao de diferentes tensoes de agua no solo.
Next Article:Composting of elephant grass and castor bean cake mixed with different C:N ratios/Compostagem de misturas de capim-elefante e torta de mamona com...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters