Printer Friendly

Perfil do bolsista de produtividade em pesquisa do conselho nacional de desenvolvimento cientifico e tecnologico (CNPq) na area de odontologia.

Introducao

O desenvolvimento da pesquisa no campo educacional apresenta um papel importante para geracao de novos conhecimentos, de novas tecnologias e para o desenvolvimento do espirito critico e reflexivo na formacao academica do profissional (PERET e LIMA, 2003).

Atraves das agencias de fomento, as atividades de pesquisa se concentram nos programas de pos-graduacao das instituicoes publicas universitarias, sendo os principais atores do processo os docentes, transformados de mestres do ensino em agentes produtores da ciencia. O pesquisador e avaliado pela quantidade de produtos que e capaz de extrair de seus projetos (LUTZ, 2005).

Atualmente, algumas universidades brasileiras publicas e privadas destacam-se como polos de producao cientifica e sao reconhecidas nacionalmente e no exterior (CORMARCK e SILVA FILHO, 2000). Com relacao a producao cientifica, os professores das universidades particulares e estaduais sao mais motivados pelos fatores de interesses voltados para a coletividade enquanto que os das federais sao mais impulsionados por fatores relacionados a seguranca (exigencia dos orgaos governamentais da universidade) (OHIRA, 1998).

A pesquisa em Odontologia envolve diferentes fatores que buscam valorizar a formacao docente e cientifica do educador. O alvo a ser alcancado direciona a conquista de um novo conhecimento cientifico, com aplicacao direta na pratica educativa ou no campo da investigacao (ESTRELA, 2002).

O novo modelo curricular do curso de odontologia vigente na maioria das instituicoes de ensino superior brasileiras privilegia a pratica da pesquisa, estimulando e incentivando alunos e professores a contribuirem para a producao cientifica nacional (CAVALCANTI, 2003).

A Bolsa de Produtividade em Pesquisa e atribuida a pesquisadores de reconhecida competencia, com producao cientifica regular de valor reconhecido pelos pares, atuacao na formacao de recursos humanos em cursos de pos-graduacao e desempenho de atividades de natureza cientifica e academica.

A categoria e geralmente entendida como quantum de producao intelectual, sobretudo bibliografica, desenvolvida num espaco de tempo especifico, crescente de acordo com a qualificacao academica ("titulacao") do professor/pesquisador. Esse quantum basico e necessario para conservar os pesquisadores na sua posicao estatutaria em seu campo cientifico (LUTZ, 2005).

Face ao exposto, este trabalho tem por objetivo estabelecer o perfil dos pesquisadores com Bolsa de Produtividade em Pesquisa na area de Odontologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico (CNPq).

Metodologia

Este estudo caracteriza-se como sendo de carater exploratorio, observacional, descritivo-analitico, de abordagem indutiva e com dados secundarios. A amostra foi retirada com base nas informacoes disponibilizadas no sitio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico --CNPq (http://www.cnpq.br/index.htm), por meio da analise da lista de bolsistas de produtividade em pesquisa com bolsas ativas em fevereiro de 2007, na area de Odontologia. Delimitada a area de conhecimento, os bolsistas foram identificados, sendo, portanto, a amostra composta por 140 pesquisadores pertencentes as classes 1A, 1B, 1C, 1D e 2.

Com relacao a coleta das informacoes, as mesmas foram obtidas por meio da analise dos curriculos dos pesquisadores disponibilizados na Plataforma Lattes, no periodo de 01 de marco a 30 de maio de 2007. A escolha do curriculo Lattes residiu no fato de que este se constitui em um dos elementos--se nao o principal--utilizados no julgamento das solicitacoes de bolsas, sendo, por conseguinte, a fonte adequada para a caracterizacao do perfil dos pesquisadores.

O instrumento de pesquisa para coleta dos dados consistiu de um formulario especifico, adaptado de modelo proposto por Barata e Goldbaum (2003). Foram analisadas as seguintes variaveis: genero e classe do pesquisador, regiao e estado do pais, titulacao, a realizacao da formacao no pais ou no exterior, tempo de obtencao do doutorado e do posdoutorado, area de atuacao, vinculo com a pos-graduacao, producao bibliografica (livros, capitulos de livros e artigos cientificos) e numero de orientacoes concluidas e em andamento.

Analise Estatistica

De posse das informacoes, construiu-se o banco de dados no software Epi Info 2007 (CDC, Atlanta, USA). Para a analise dos dados foram obtidas as frequencias absolutas e percentuais (tecnicas de estatistica descritiva). Nas Tabelas bivariadas foi tambem utilizado o teste do Qui-quadrado de Pearson. O nivel de significancia utilizado nas decisoes dos testes estatisticos foi de 5% (0,05).

Resultados

A distribuicao dos pesquisadores bolsistas em produtividade segundo o genero revelou que os homens sao predominantes (65,0%), e, no que se refere a classe do pesquisador, 38,6% pertencem a Classe 2, conforme pode ser visto na Tabela 1. Ao se analisar a proporcao entre homens e mulheres para a amostra total, o valor foi de 1,8:1. Entre as classes, os maiores valores foram obtidos nas classes 1B (5:1) e 1C (1,8:1).

Com relacao a distribuicao geografica, a maioria dos bolsistas em produtividade esta alocada na regiao Sudeste (82,9%), seguidos das regioes Sul (9,3%) e Nordeste (7,1%). Um unico pesquisador (0,7%) esta inserido em instituicao de ensino localizada na regiao Norte do Brasil. E importante destacar que, segundo a lista vigente de pesquisadores, nao foram encontrados bolsistas em produtividade na area de Odontologia pertencentes a regiao Centro-Oeste. Dentre os estados, Sao Paulo concentra 73,6% do total de bolsas, equivalendo a 103 pesquisadores, enquanto Minas Gerais possui 5,0% (n=7), seguido do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul, com 4,3% cada um (n=6). Os estados da Bahia, Para, Paraiba, Parana, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Santa Catarina totalizam os 12,8% restantes.

Quanto a formacao academica, a analise da titulacao dos pesquisadores, revelou que 58,6% possuem, exclusivamente, o doutorado enquanto que 41,4% apresentam pos-doutorado. A Tabela 2 mostra a distribuicao dos bolsistas em produtividade segundo a classe do pesquisador e a titulacao, havendo uma associacao positiva entre essas variaveis (p < 0,01).

Com relacao ao local de realizacao da pos-graduacao, para 92,9% da amostra, o doutoramento foi feito no Brasil e apenas 7,1% dos bolsistas fizeram doutorado no exterior. Essa relacao se inverte quando se analisa o local do pos-doutorado, pois dos 58 bolsistas com essa formacao, a imensa maioria (87,9%) obteve a titulacao no exterior, e apenas 12,1% cursaram pos-doutorado no Brasil (Tabela 3). O tempo medio de conclusao do pos-doutorado foi de 10,2 anos ([+ or -] 6,6).

Concernente ao tempo medio de conclusao do doutorado, verificou-se as seguintes medias: 1A--23,1 anos, 1B--18,9 anos, 1C--16,6 anos, 1D--15,3 anos e 2--11,4 anos. Para a amostra total, o tempo medio de conclusao do doutorado foi de 15,6 anos ([+ or -]9,1). Logo, ao se dicotomizar a variavel tempo de conclusao do doutorado em <15 anos e >16 anos, encontrou-se associacao positiva entre esta variavel e a classe do pesquisador (p < 0,01) conforme apresentado na Tabela 4.

Em relacao a classe do pesquisador, as medias estao assim distribuidas: 1A--8,5 anos, 1B--11,4 anos, 1C--10,6 anos, 1D--12,0 anos e 2--8,1 anos.

No que se refere a area de atuacao do pesquisador, as areas de Patologia e Clinica Odontologica--com 11,2% cada uma--seguidas de Endodontia e Materiais Dentarios--10,4% cada, mostraram-se predominantes. A Tabela 5 apresenta a distribuicao dos bolsistas em produtividade em pesquisa segundo a area de atuacao e a classe do pesquisador.

Dos 140 pesquisadores com bolsa de produtividade, 90,7% informaram possuir vinculo com a pos-graduacao. Entre aqueles que nao tem vinculo (n=13), tres sao posdoutores.

A producao bibliografica foi analisada quanto ao numero de livros, capitulos de livros e artigos cientificos publicados. Foi registrado um total de 261 livros, o que corresponde a uma media de 1,8 livros por pesquisador. Em relacao ao numero de capitulos de livros, verificou-se um total de 645, correspondendo a uma media de 4,6 por bolsista. Para os artigos cientificos, o numero correspondeu a 11.719 trabalhos publicados, representando uma media de 83,7 artigos completos por pesquisador. A Tabela 6 mostra a distribuicao da producao cientifica segundo a classe do pesquisador.

A analise especifica da producao de artigos cientificos no ultimo trienio (2004-2006) mostra que ocorreu um aumento da media de publicacoes por pesquisador para as Classes 1C, 1D e 2, conforme pode ser visto na Tabela 7 e Figura 1.

[FIGURE 1 OMITTED]

No que diz respeito ao numero de orientacoes em andamento de iniciacao cientifica (IC), mestrado (MD) e doutorado (DD), observa-se que os pesquisadores 1C apresentam a maior media, correspondendo a 6,1 orientacoes (Tabela 8). Contudo, em numeros absolutos, pesquisadores pertencentes a classe 2 possuem o maior numero de orientacoes nos tres niveis (IC, MD e DD). Ainda com relacao ao numero de orientacoes em andamento, eles sao inversamente proporcionais a classe do pesquisador. Em oposicao, quando se avalia as orientacoes concluidas, verifica-se que a maior media foi obtida para os pesquisadores da classe 1A (Tabela 9).

Discussao

A forma como o saber e construido e divulgado e de suma importancia, uma vez que ira influenciar e nortear os pensamento, reflexoes e as atitudes, moldando os fazeres em todos os campos do conhecimento (AMORIM; ALVES; GERMANO, 2005).

A proporcao dos bolsistas tende a representar parcela cada vez menor do conjunto de pesquisadores, e a pressao por bolsas de produtividade tende a aumentar levando a adocao de criterios de selecao cada vez mais restritivos. Assim, e importante definir que caracteristicas interessam ao fortalecimento e a consolidacao do campo para que a concessao das bolsas participe, organicamente, dos esforcos nesse sentido (BARATA e GOLDBAUM, 2003).

Estudo com dados secundarios apresenta algumas limitacoes e, particularmente, no caso desta pesquisa e possivel inferir a presenca de vieses, especificamente em relacao as informacoes disponibilizadas no curriculo Lattes. Outro possivel fator, relatado por Barata e Goldbaum (2003), e a superestimacao da producao cientifica, visto que alguns trabalhos podem ter entre os seus autores dois ou mais pesquisadores.

Este trabalho mostrou que o maior numero de pesquisadores pertence a classe 2 (38,6%), ocorrendo um predominio masculino em todas as classes (65,0%), sendo que na classe 1B a proporcao entre homens e mulheres e de 5:1 (Tabela 1). Estudo similar, desenvolvido por Barata e Goldbaum (2003), entre os bolsistas de produtividade em pesquisa da area de saude coletiva, revelou uma pequena superioridade das mulheres. Entretanto, nas tres primeiras classes predominavam pesquisadores do genero masculino.

Ao se estudar a distribuicao geografica, verificou-se que as regioes Sudeste (82,9%) e Sul (9,3%) concentram mais de 92,0% dos pesquisadores contemplados com bolsas de produtividade. A explicacao para esta discrepancia interregional embasa-se no fato de que varias das instituicoes publicas de ensino superior brasileiras que podem ser consideradas centros de excelencia estao localizadas nessas regioes, particularmente no Estado de Sao Paulo. Ademais, de acordo com Narvai e Almeida (1998), cabe mencao aos incentivos a producao academica existentes no estado de Sao Paulo, consubstanciados no sistema estadual de universidades publicas e na agencia de financiamento de pesquisas do Estado (Fapesp--Fundacao de Amparo a Pesquisa do Estado de Sao Paulo), os quais provavelmente se constituem em fatores relevantes associados a referida lideranca paulista.

Essas diferencas acentuadas entre as regioes brasileiras vem a confirmar os resultados descritos por Cavalcanti et al. (2004), os quais, ao caracterizarem a pesquisa odontologica nacional, verificaram que 91,0% dos estudos eram oriundos das regioes Sudeste e Sul. Portanto, e fato notorio a concentracao geografica do parque cientifico-tecnologico brasileiro, conforme assertiva de Guimaraes et al. (2001).

Com relacao aos investimentos nas diferentes regioes do pais, a regiao Sudeste concentrou no ano de 2004, 56,9% dos investimentos governamentais realizados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico (CNPq) em bolsa e fomento a pesquisa, o que representou mais de quatrocentos e vinte milhoes de reais. Desse total, o estado de Sao Paulo recebeu cerca de duzentos milhoes de reais, ou seja, quase cinquenta por cento do valor destinado ao sudeste e, aproximadamente, 29% do total de investimentos realizados no pais naquele ano (BRASIL, 2006).

Desse modo, na visao de Coimbra Jr (2003), o mosaico de desigualdades que caracteriza o pais permeia tambem a disseminacao da informacao e da comunicacao cientifica. Ha nao somente desigualdades no acesso aos financiamentos necessarios a geracao de conhecimento, como tambem no acesso a informacao atualizada, consequentemente trazendo impactos sobre a producao cientifica.

No entender de Lutz (2005), a decada de 70 pode ser considerada o marco inicial dessa concepcao e politica da pos-graduacao como nicho institucional legitimado e privilegiado da pesquisa no pais, gerando com isso um tragico equivoco pedagogico para a nacao. Esta concepcao esta na raiz da escolha da concentracao da atividade de pesquisa no cume do sistema educacional e da hierarquizacao dos "produtores".

Este estudo revelou que dentre os bolsistas em produtividade, a maioria obteve o titulo de Doutor (92,9%) em instituicoes brasileiras. Um total de 41,4% da amostra eram posdoutores, com um numero significativo dos mesmos tendo obtido a titulacao em instituicao estrangeira (87,9%). Esses resultados foram semelhantes aos 44,3% obtidos por Barata e Goldbaum (2003) para pesquisadores com titulo de posdoutor. Do mesmo modo, reportaram tambem a preferencia por instituicoes do exterior como local de escolha para o pos-doutorado.

Ainda em relacao ao local de formacao, Marchelli (2005) relatou que, enquanto na decada de 80 um percentual de mais de 40% dos doutores brasileiros tinham obtido seu titulo em instituicoes estrangeiras, na decada seguinte, verificou-se uma evolucao significativa do numero de titulacoes emitidas no proprio Pais, em decorrencia da politica de expansao e descentralizacao da oferta de cursos.

Mostrou-se visivel a reducao no tempo de formacao academica entre os pesquisadores. Enquanto o tempo medio de conclusao do doutorado foi de 15,6 anos, para o pos-doutorado esse periodo foi de 10,2 anos. Verificou-se existir uma associacao positiva entre a variavel tempo de conclusao do doutorado com a classe do pesquisador (Tabela 4). Para as classes 1A e 1B predominam pesquisadores cujo doutorado foi concluido ha 16 anos ou mais. Entretanto, as demais classes mostram um maior percentual de pesquisadores cujo tempo de conclusao do doutorado foi de 15 anos ou menos. Especificamente na classe 2, quase 80% dos pesquisadores concluiram o doutorado ha 15 anos ou menos. O crescimento do numero de doutores formados no Brasil deu-se concomitantemente a diminuicao do tempo medio gasto para a obtencao do titulo (MARCHELLI, 2005).

Conforme demonstrado na Tabela 5, as principais areas de atuacao dos bolsistas foram a Patologia, a Clinica Odontologica, a Endodontia e Materiais Dentarios. De acordo com Cormarck e Silva Filho (2000), essas areas refletem a enfase dada pela Odontologia brasileira aos estudos das questoes biologicas ou de tecnicas e materiais dentarios, fruto de um modelo flexineriano.

Dentre os criterios adotados pela Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior (Capes) para a avaliacao de Programas de Pos-Graduacao esta a producao intelectual. De acordo com Oliveira Filho et al. (2005), a publicacao e essencial e o Brasil vem aumentando sua participacao nas publicacoes cientificas internacionais. E por meio da divulgacao em periodicos especializados que o pesquisador possibilita a visibilidade e acessibilidade dos resultados do seu estudo a comunidade cientifica.

Portanto, a producao cientifica foi analisada e revelou diferencas para todos os tipos de publicacoes entre as classes de pesquisadores. A producao bibliografica media vai de 58,0 publicacoes por pesquisador na classe 2 a 149,9 publicacoes por pesquisador na classe 1A (Tabela 6). Essa mesma tendencia foi verificada no estudo de Barata e Goldbaum (2003), os quais afirmaram ser a producao em cada uma das classes consideradas fortemente influenciada pelo tempo medio de obtencao do doutorado dos pesquisadores que a compoe.

Os pesquisadores bolsistas publicaram um total de 3.584 artigos completos em periodicos cientificos no periodo de 2004 a 2006, podendo haver, de acordo com Barata e Goldbaum (2003), alguma duplicacao na contagem em decorrencia de co-autorias. O numero medio de artigos completos publicados em periodicos no trienio foi de 25,6 para cada pesquisador (Tabela 7). Entre as classes, a maior media foi encontrada entre os bolsistas da classe 1C, seguidos daqueles pertencentes a classe 1A. O menor valor foi registrado para os pesquisadores da classe 2. Obviamente, o elevado numero de publicacoes por pesquisador nesse periodo deve-se as atuais exigencias presentes no meio academico, particularmente na pos-graduacao, o que de certa forma "obriga" o pesquisador a estar constantemente publicando os resultados de seus estudos.

Com relacao a essa exigencia de elevada producao academica, Lutz (2004) afirma:
   Ciosos da necessidade de atender as exigencias institucionais
   vigentes, obsessivos quanto ao cumprimento das normas da
   "produtividade", crescentes, alias, em termos de qualidade e
   quantidade, os bravos guerreiros da ciencia se esforcam para
   desincumbir-se de suas tarefas a exaustao, sacrificando repouso,
   lazer e ferias em favor do trabalho.


E valido, entretanto, ressaltar que a quantidade de artigos nao pode ser interpretada como, necessariamente, qualidade da producao cientifica. Ter artigos publicados e condicao necessaria, porem nao suficiente, para o desenvolvimento cientifico (NADANOVSKY, 2006).

A ciencia e a pos-graduacao brasileiras nao param de crescer, e sao de boa qualidade. O Brasil forma cerca de dez mil doutores por ano. Da mesma forma, a producao cientifica ja superou a marca de 1,5% da producao mundial, quando, ha vinte anos, era de apenas 0,4%. Ambos os indicadores continuam a crescer a um ritmo de aproximadamente 10% ao ano (STEINER, 2006).

No que se refere a formacao de novos pesquisadores, ou seja, de recursos humanos, entre os bolsistas com orientacoes em andamento (IC, MD e DD), a maior media foi registrada para a classe 1C, correspondendo a 6,1 (Tabela 8). No entanto, ao se analisar as orientacoes concluidas, o maior valor foi obtido para os pesquisadores 1A (Tabela 9). E licito ressaltar que, para esse resultado, o tempo de obtencao do doutorado dos pesquisadores mostra se constituir em fator de influencia quanto ao numero de orientacoes concluidas.

Ainda com relacao a Tabela 9, o maior numero de orientacoes de iniciacao cientifica concluidas foi observado entre os pesquisadores da classe 2, enquanto que, em relacao ao doutorado, o maior valor foi registrado entre os pesquisadores da classe 1A.

Nao ha indicios de que o cenario esteja mudando na escala necessaria para reverter o complexo quadro de desigualdades existentes. Como em outras dimensoes das politicas publicas no Brasil, um desafio importante na area da ciencia e da tecnologia, incluindo a producao e a comunicacao cientifica, e reduzir a concentracao e aumentar o acesso dos grupos e instituicoes as condicoes necessarias para uma mais efetiva producao do conhecimento (COIMBRA JR, 2003).

As informacoes apresentadas mostram que ha uma concentracao de pesquisadores em alguns estados brasileiros, denotando graves discrepancias entre as regioes na producao do conhecimento cientifico. E importante a adocao de medidas que visem minimizar essa realidade, incluindo, alem de o aumento de investimentos em ciencia e tecnologia, uma distribuicao equitativa desses recursos, estimulando pesquisadores da area de Odontologia de regioes de pouca expressividade no cenario nacional a consolidarem seus grupos de pesquisa.

Os bolsistas em produtividade do CNPq podem ser considerados a elite da pesquisa brasileira. A sua insercao em classes altamente restritivas e excludentes gera verdadeiros "celeiros de conhecimento", isolados e inacessiveis a maioria dos pesquisadores que atuam nas instituicoes de ensino superior brasileiras, sejam elas publicas ou privadas.

Perfil dos Pesquisadores Bolsistas

Pesquisador 1A

E predominantemente do genero masculino (proporcao 3:1), com doutorado realizado no Brasil, obtido ha cerca de 23 anos e tem atuacao na area de Endodontia. Apresenta uma media de 149,9 trabalhos entre livros, capitulos de livros e artigos cientificos, e publicou em media 32,6 artigos completos no trienio 2004-2006. Possui ainda uma media de 44,0 orientacoes concluidas e 4,5 em andamento.

Pesquisador 1B

E tambem do genero masculino, com pos-doutorado realizado no exterior e obtido ha 18,9 anos. Atua na area de Clinica Odontologica e sua media de producao bibliografica (livros, capitulos de livros e artigos cientificos) e de 98,1. No ultimo trienio, publicou 22,4 artigos cientificos completos em periodicos. A sua media de orientacoes concluidas corresponde a 34,1, enquanto as orientacoes em andamento envolvem 5,4 alunos.

Pesquisador 1C

E do genero masculino, com pos-doutorado no exterior obtido em media ha 16,6 anos. Apresenta atuacao nas areas de Materiais Dentarios e Odontopediatria e possui uma media de 115,6 trabalhos entre livros, capitulos de livros e artigos cientificos. Publicou cerca de 34,8 artigos completos em periodicos no trienio 2004-2006 e, atualmente, orienta 6,1 trabalhos. A sua media de orientacoes concluidas e de 27,7.

Pesquisador 1D

Semelhante as outras classes, tambem e do genero masculino e possui pos-doutorado realizado em instituicao estrangeira, curso este obtido, em media, ha 15,3 anos. Sua area de atuacao e Endodontia, possuindo, em media, 75,4 trabalhos (livros, capitulos de livros e artigos cientificos). No trienio compreendido entre os anos de 2004-2006, publicou 25,3 artigos completos em periodicos. A media de orientacoes concluidas e de 27,4 e, atualmente, orienta 4,9 alunos.

Pesquisador 2

Suas caracteristicas sao: genero masculino, com posdoutorado no exterior obtido ha 11,4 anos e sua area de atuacao e Patologia. A sua producao bibliografica media entre livros, capitulos de livros e artigos cientificos--e de 58,0. Publicou em media 20,8 artigos completos em periodicos no trienio. A media de orientacoes concluidas e de 20,2 estudos e, atualmente, orienta 5,3 alunos.

Conclusao

Os bolsistas de produtividade em pesquisa sao, predominantemente, do sexo masculino, estabelecidos na regiao sudeste do pais, concluiram o doutorado ha mais de 15 anos e concentram-se nas areas de Patologia e Clinica Odontologica. Possuem um significativo numero de publicacoes em periodicos no ultimo trienio e orientam alunos de iniciacao cientifica e de pos-graduacao.

Recebido em 09/09/07

Aprovado em 05/09/08

Referencias

AMORIM, K. P. C.; ALVES, M. S. C. F.; GERMANO, R. M. A construcao do conhecimento na odontologia: a producao cientifica em debate. Acta Cirurgica Brasileira, Sao Paulo, v. 20, Supl. 1, p. 8-11, 2005.

BARATA, R. B.; GOLDBAUM, M. Perfil dos pesquisadores com bolsa de produtividade em pesquisa do CNPq da area de saude coletiva. Cadernos de Saude Publica, Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1863-1876, nov./dez. 2003.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico (CNPq). Total de investimentos realizados em bolsas e no fomento a pesquisa segundo regiao e unidade da federacao-1996-2005. Disponivel em: <http://www. cnpq.br/estatiticas/tab_pdf/invest/tab_1.5.1.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2006.

CAVALCANTI, A. L. Introducao a pesquisa aplicada a odontologia: bases para a iniciacao cientifica. Publ. UEPG Ci. Biol. Saude, Ponta Grossa, v. 9, n. 3-4, p. 45-53, set./dez. 2003.

CAVALCANTI, A. L.; MELO, T. R. N. B.; BARROSO, K.M. A.; SOUZA, F. E. C.; MAIA, A. M. A.; SILVA, A. L. O. Perfil da pesquisa cientifica em odontologia realizada no Brasil. Pesq. Bras. Odontoped. Clin. Integr., Joao Pessoa, v. 4, n. 2, p. 99-104, maio/ago. 2004.

COIMBRA JR, C. E. A. Desafios da producao e da comunicacao cientifica em saude no Brasil. Cadernos de Saude Publica, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 4-5, jan./fev. 2003.

CORMARCK, E.; SILVA FILHO, C. F. A pesquisa cientifica odontologica no Brasil. Rev. Assoc. Paul. Cir.Dent., Sao Paulo, v. 54, n. 3, p. 242-247, mai./jun. 2000.

ESTRELA, C. A arte do ensino e da pesquisa odontologica, Robrac, Goias, v. 11, n. 31, p. 54-56, jun. 2002.

GUIMARAES, R.; LOURENCO, R.; COSAC, S. O perfil dos doutores ativos em pesquisa no Brasil. Parcerias Estrategicas, Brasilia, n. 13, p. 122-150, dez. 2001.

LUTZ, M. T. Fragilidade social e busca de cuidado na sociedade civil de hoje. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Cuidado: as fronteiras da integralidade. Sao Paulo: Hucitec, p. 9-20, 2004.

--. Prometeu acorrentado: analise sociologica da categoria produtividade e as condicoes atuais da vida academica. PHYSIS: Revista de Saude Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 39- 57, 2005.

MARCHELLI, P. S. Formacao de doutores no Brasil e no mundo: algumas comparacoes. RBPG, Brasilia, v. 2, n. 3, p. 7-29, mar. 2005.

NADANOVSKY, P. O aumento da producao cientifica odontologica brasileira na saude publica. Cadernos de Saude Publica, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 886-887, maio, 2006.

NARVAI, P. C.; ALMEIDA, E. S. O sistema de saude e as politicas de saude na producao cientifica odontologica brasileira no periodo 1986-1993. Cadernos de Saude Publica, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 513-521, jul./set. 1998.

OHIRA, M. L. B. Por que fazer pesquisa na universidade? Revista ACB, Florianopolis, v. 3, n. 3, p. 65-76, jan./dez. 1998.

OLIVEIRA FILHO, R. S.; HOCHMAN, B.; NAHAS, F. X.; FERREIRA, L. M. Fomento a publicacao cientifica e protecao do conhecimento cientifico. Acta Cirurgica Brasileira, Sao Paulo, v. 20, Supl. 2, p. 35-39, 2005.

PERET, A. C. A.; LIMA, M. L. R. A pesquisa e a formacao do professor de Odontologia nas politicas internacionais e nacionais de educacao. Revista da ABENO, Brasilia, v. 3, n. 1, p. 65-69, jan./jun. 2003.

STEINER, J. E. Conhecimento: gargalos para um Brasil no futuro. Estudos Avancados, Sao Paulo, v. 20, n. 56, p. 75-90, jan./abr. 2006.

Alessandro Leite Cavalcanti (1)

Deborahyara Sarmento de Abrantes Pereira (2)

(1) Doutor em Odontologia pela Universidade Federal da Paraiba (UFPB). Professor Titular do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual da Paraiba (UEPB). Campus Universitario, Bodocongo. Avenida Manoel Morais, 471--Apto 802--Manaira, Joao Pessoa/PB, CEP: 58038-230, dralessandro@ibest.com.br

(2) Academica do Curso de Odontologia da Universidade Estadual da Paraiba. Avenida Juvencio Arruda, S/N--Campus Universitario, Bodocongo. Campina Grande/PB. CEP: 58109-000.
Tabela 1. Distribuicao dos pesquisadores bolsistas em produtividade,
segundo a classe e o genero do pesquisador.

                   Genero

              Masculino    Feminino     Total         Valor de (3)
Classe do
Pesquisador   n      %     n      %      n      %

1A            15   16,5    5    10,2    20    14,3
1B            15   16,5    3     6,1    18    12,9
1C            13   14,3    7    14,3    20    14,3
                                                       P = 0,273
1D            17   18,7    11   22,4    28    20,0
2             31   34,1    23   46,9    54    38,6
TOTAL         91   100,0   49   100,0   140   100,0

(3) Atraves do teste Qui-quadrado de Pearson.

Tabela 2. Distribuicao dos bolsistas em produtividade segundo a
classe e a titulacao do pesquisador.

                       Titulacao
Classe do
Pesquisador        Doutor   Pos-Doutor        Total    Valor de (4)

              n      %      n     %      n      %

1A            14    70,0    6    30,0   20    14,3
1B            5     27,8    13   72,2   18    12,8
1C            10    50,0    10   50,0   20    14,3    P = 0,008 *
1D            14    50,0    14   50,0   28    20,0
2             39    72,2    15   27,8   54    38,6
Total         82    58,6    58   41,4   140   100,0

(4) Atraves do teste Qui-quadrado de Pearson

* Associacao significante ao nivel de 1,0%.

Tabela 3. Distribuicao dos bolsistas em produtividade segundo a
classe do pesquisador e de acordo com o local da formacao academica.

                        Formacao Academica

                  Doutorado           Pos- Doutorado

               Brasil  Exterior    Brasil      Exterior

Classe    n      %     n           n     %     n      %

1A       19    95,0    1    5,0    --    --    6    100,0
1B       17    94,4    1    5,6    2    15,4   11   84,6
1C       20    100,0   --    --    2    20,0   8    80,0
1D       26    92,9    2    7,1    2    14,3   12   85,7
2        48    88,9    6    11,1   1    6,7    14   93,3

Total    130   92,9    10   7,1    7    12,1   51   87,9

Tabela 4. Associacao entre a classe do pesquisador e o tempo de
conclusao do doutorado.

           Tempo de Conclusao do Doutorado

Classe     [less than     [greater than
do Pes-    or equal to]   or equal to]
quisador   15 anos        16 anos       Total           Valor de P (5)

            n       %      n      %      n       %

1A         8       40,0   12     60,0   20      14,3
1B         8       44,4   10     55,6   18      12,8
1C         12      60,0   8      40,0   20      14,3
                                                        P = 0,008 *
1D         18      64,3   10     35,7   28      20,0
2          43      79,6   11     20,4   54      38,6

Total      89      63,6   51     36,4   140     100,0

(5) Atraves do teste Qui-quadrado de Pearson

* Associacao significante ao nivel de 1,0%.

Tabela 5. Distribuicao dos bolsistas em produtividade segundo a area
de atuacao e a classe do pesquisador.

                                        Classe do Pesquisador

Area de Atuacao              1A          1B          1C          1D

                       n     %     n     %     n     %     n     %

Cariologia             1    33,3   1    33,3   --    --    1    33,3
Cirurgia BMF           1    12,5   1    12,5   1    12,5   2    25,0
Clinica Odontologica   3    20,0   4    26,7   2    13,3   2    13,3
Dentistica             1    12,5   --    --    1    12,5   1    12,5
Endodontia             5    35,7   1    7,1    1    7,1    4    28,6
Estomatologia          --    --    --    --    --    --    --    --
Materiais Dentarios    --    --    3    21,4   3    21,4   3    21,4
Microbiologia          --    --    1    50,0   --    --    1    50,0
Oclusao                --    --    --    --    --    --    --    --
Odontopediatria        --    --    --    --    3    25,0   3    25,0
OPS                    1    12,5   1    12,5   --    --    3    37,5
Ortodontia             1    50,0   --    --    1    50,0   --    --
Patologia              3    20,0   3    20,0   1    6,7    1    6,7
Periodontia            2    22,2   --    --    --    --    2    22,2
Protese Dentaria       1    14,3   --    --    --    --    3    42,8
Radiologia             --    --    --    --    2    50,0   1    25,0
Reabilitacao Oral      --    --    --    --    --    --    --    --
Saude Publica          --    --    --    --    1    50,0   --    --
Semiologia             --    --    --    --    1    50,0   --    --
Outra                  --    --    --    --    2    28,6   1    14,3

Total (6)              19   14,2   15   11,2   19   14,2   28   20,9

                            Classe do Pesquisador

Area de Atuacao               2           Total

                       n      %      n      %

Cariologia             --    --      3     2,2
Cirurgia BMF           3    37,5     8     6,0
Clinica Odontologica   4    26,7    15    11,2
Dentistica             5    62,5     8     6,0
Endodontia             3    21,4    14    10,4
Estomatologia          1    100,0    1     0,7
Materiais Dentarios    5    35,8    14    10,4
Microbiologia          --    --      2     1,5
Oclusao                1    100,0    1     0,7
Odontopediatria        6    50,0    12     8,9
OPS                    3    37,5     8     6,0
Ortodontia             --    --      2     1,5
Patologia              7    46,6    15    11,2
Periodontia            5    55,6     9     6,7
Protese Dentaria       3    42,8     7     5,2
Radiologia             1    25,0     4     3,0
Reabilitacao Oral      1    100,0    1     0,7
Saude Publica          1    50,0     2     1,5
Semiologia             1    50,0     2     1,5
Outra                  4    57,1     7     5,2

Total (6)              54   40,3    134   100,0

(6) Seis pesquisadores nao informaram a area de atuacao no Lattes.

Tabela 6. Distribuicao dos bolsistas em produtividade segundo a classe
e o tipo de producao bibliografica (livros, capitulos de livros e
artigos cientificos).

                      Tipo de Producao
                        Bibliografica

                            Capitulos de
                    Livros     Livros
Classe do
Pesquisador    n    Media    n    Media

1A            50     2,5    140    7,0
1B            42     2,3    133    7,4
1C            59     2,9    102    5,1
1D            39     1,4    88     3,1
2             70     1,3    182    3,3

Total         261    1,8    645    4,6

                    Tipo de Producao
                     Bibliografica

                Artigos
              Cientificos      Total
Classe do
Pesquisador     n      Media     n      Media

1A            2.809    140,4   2.999    149,9
1B            1.590    88,3    1.765    98,1
1C            2.151    107,5   2.312    115,6
1D            1.985    70,9    2.112    75,4
2             3.184    58,9    3.436    58,0

Total         11.719   83,7    12.624   90,2

Tabela 7. Distribuicao dos pesquisadores segundo a classe, de acordo
com o numero e a media de artigos cientificos publicados no trienio
2004-2006.

                     Publicacao de Artigos
                     Cientificos no Trienio

              2004           2005           2006
Classe do
Pesquisador   n      media   n      media   n      media

1A            222    11,1    219    10,9    212    10,6
1B            129    7,1     145    8,0     129    7,1
1C            181    9,0     234    12,1    282    14,1
1D            220    7,8     203    7,2     286    10,2
2             350    6,4     377    7,0     395    7,3

Total         1102   7,9     1178   8,4     1304   9,3

              Publicacao de
                 Artigos
              Cientificos
               no Trienio

              Total do Trienio
Classe do
Pesquisador   n      media

1A            653    32,6
1B            403    22,4
1C            697    34,8
1D            709    25,3
2             1122   20,8

Total         3584   25,6

Tabela 8. Distribuicao dos pesquisadores segundo a classe e o numero
de orientacoes em andamento.

                  Orientacoes em Andamento
Classe do
Pesquisador   IC    MD    DD    Total   Media

1A            10    27    53     90      4,5
1B            25    18    54     97      5,4
1C            32    34    56     122     6,1
1D            53    35    76     164     5,8
2             64    92    111    267     4,9

Total         184   206   350    740     5,3

Iniciacao cientifica (IC), mestrado (MD) e doutorado (DD)

Tabela 9. Distribuicao dos pesquisadores so numero
de orientacoes concluidas.

                   Orientacoes Concluidas

Classe do
Pesquisador    IC     MD    DD    Total   Media

1A            247    394    239    880    44,0
1B            178    279    157    614    34,1
1C            192    252    111    555    27,7
1D            342    277    148    767    27,4
2             487    413    190   1090    20,2

Total         1446   1615   845   3906    27,9

Iniciacao cientifica (IC), mestrado (MD) e doutorado (DD)
COPYRIGHT 2008 Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2008 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Cavalcanti, Alessandro Leite; de Abrantes Pereira, Deborahyara Sarmento
Publication:Revista Brasileira de Pos-Graduacao
Date:Dec 1, 2008
Words:5451
Previous Article:Analise da pos-graduacao em Agronomia no Brasil.
Next Article:A expansao e as perspectivas da pos-graduacao em Ecologia no Brasil.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters