Printer Friendly

Pensar o estado ou ficar quieto: carta de Machiavelli a Francesco Vettori (9 de abril de 1513).

Precursor da filosofia politica moderna, o humanista florentino Niccolo Machiavelli (1469-1527) e conhecido principalmente pela obra O principe (1513), tratado sobre obtencao e manutencao do poder politico, dedicado a Lorenzo de' Medici (1493-1519), Duque de Urbino, neto de Lorenzo, o Magnifico (1449-1492). Ao longo de cinco seculos a obra exerceu grande influencia no pensamento ocidental, inclusive gracas a interpretacoes superficiais e descontextualizadas de seu conteudo, o que rendeu fama negativa ao seu autor, a ponto de seu nome dar origem a vocabulos nada lisonjeiros como maquiavelico e maquiavelismo .

A correspondencia ativa remanescente do autor totaliza mais de oito dezenas de cartas, cujo conjunto levou o critico italiano Asor Rosa (a) a sugerir que a sua leitura seja encarada como a de outra obra maquiaveliana e figurar entre as muitas que ele compos, em virtude da vivacidade do tom e a astucia das observacoes do remetente.

Apresento a seguir a traducao inedita de uma carta escrita em toscano por Machiavelli ao amigo Francesco Vettori (1474-1539), em abril de 1513, cerca de um mes apos o pensador sair da prisao em Florenca. De fevereiro a marco daquele ano, ele estivera encarcerado sob acusacao de conspiracao contra os Medici, inclusive sendo torturado no periodo de detencao. A anistia foi consequencia da eleicao papal de Leao X (Giovanni de' Medici, 1475-1521). Todavia, ao retomar a liberdade e obrigado a se retirar da vida publica durante quase um ano, isolando-se com a familia em uma pequena propriedade rural sua em Sant'Andrea in Percussina, em San Casciano, a poucos quilometros ao sul de Florenca, impedido que estava de deixar os territorios dominados pela cidade.

De seu exilio, escreve a carta como resposta a outra de Vettori, datada de 30 de marco de 1513. Nesta, basicamente, o embaixador florentino em Roma comunicara-lhe ainda nao ter conseguido incluir o irmao do destinatario, Totto Machiavelli (1475-1522), no circulo de favorecidos de Leao X, conforme pedido de Niccolo. A importancia da resposta a Vettori nao reside no comentario acerca da nao realizacao do favor, mas no fato de Machiavelli afirmar que nao sabia fazer outra coisa alem de refletir sobre politica, e que ou prosseguiria com isso ou ficaria quieto. Como se sabe, ele prosseguiu, e no final do mesmo ano informa em missiva a Vettori a elaboracao de O principe, da qual se ocupara no campo.
   Magnifico oratori apud Summum Pontificem Francisco Victorio.
   Romae.
   Magnifice domine orator.

   Et io che del colore mi fui accorto
   Dissi: Come verro se tu paventi,
   Che suoli al mio dubbiare essere conforto?


Questa vostra lettera mi ha piu sbigottito che la fune, et duolmi di ogni oppinione che voi habbiate che mi alteri, non per mio conto, che mi sono acconcio a non desiderare piu cosa alcuna con passione, ma per vostro. Priegovi che voi imitiate gli altri, che con inprontitudine et astutia, piu che con ingegno et prudenza, si fanno luogo; et quanto a quella novella di Totto, la mi dispiace, se la dispiace a voi. Per altro io non ci penso, et se non si puo rotolare, voltolisi; et per sempre vi dico, che di tutte le cose vi richiedessi mai, che voi non ne pigliate briga alcuna, perche io, non le havendo, non ne pigliero passione alcuna.

Se vi e venuto a noia il discorrere le cose, per vedere molte volte succedere e casi fuora de' discorsi et concetti che si fanno, havete ragione, perche il simile e intervenuto a me. Pure, se io vi potessi parlare, non potre' fare che io non vi empiessi il capo di castellucci, perche la Fortuna ha fatto che, non sapendo ragionare ne dell'arte della seta et dell'arte della lana, ne de' guadagni ne delle perdite, e' mi conviene ragionare dello stato, et mi bisogna o botarmi di stare cheto, o ragionare di questo. Se io potessi sbucare del dominio, io verrei pure anch'io sino costl a domandare se il papa e in casa; ma fra tante grazie, la mia per mia straccurataggine resto in terra. Aspettero il settembre.

Io intendo che il cardinale de' Soderini fa un gran dimenarsi col pontefice. Vorrei che mi consigliassi, se vi paressi che fosse a proposito gli scrivessi una lettera, che mi raccomandassi a sua Santita; o se fosse meglio che voi facessi a bocca questo offitio per mia parte con il cardinale; o vero se fosse da non fare ne l'una ne l'altra cosa, di che mi darete un poco di risposta.
   Quanto al cavallo, voi mi fate ridere ad ricordarmelo, perche me lo
   havete a pagare quando me ne ricordero, et non altrimenti.
   Il nostro arcivescovo a questa hora debba essere morto; che Iddio
   habbi l'anima sua et di tutti e sua. Valete.
   In Firenze, add! 9 di Aprile 1513.
   Niccolo Machiavelli, quondam segretario (b)

   (1) Magnifico oratori apud Summum Pontificem Francisco Victorio.
   Romae.
   Magnifice domine orator. (2)

   E eu que de sua cor me apercebi
   Disse: Mas como vou se tu receias,
   Aquele que me da conforto aqui? (3)


Sua ultima carta deprimiu-me mais que a corda, (4) e me doi qualquer pensamento seu de que eu esteja alterado, nao de minha parte, que estou consciente de nao desejar mais coisa alguma com paixao, mas por voce. Peco-lhe que imite os outros, que com audacia e astucia, mais do que com engenho e prudencia, encontram o seu lugar; e quanto aquela historia do Totto, desculpe-me se ela lhe incomoda. Por outro lado, nao me ocupo mais com isso, e, entao, se nao se pode arrola-lo, que role; (5) de uma vez por todas lhe digo que para tudo o que lhe pedi nao compre briga alguma, porque eu, nao obtendo tais coisas, nao sofrerei mais por elas.

Se o discorrer das coisas trouxe-lhe tedio, por ver muitas vezes suceder casos fora dos discursos e conceitos que se fazem, voce tem razao, pois o mesmo aconteceu comigo. Se eu pudesse lhe falar, nao poderia deixar de encher sua cabeca com meus pequenos castelos, (6) porque a fortuna (7) fez com que, nao sabendo pensar sobre a arte da seda, nem sobre a arte da la, (8) nem sobre lucros e perdas, (9) convem-me pensar sobre o Estado, e devo ou jurar ficar quieto ou pensar sobre isso. Se eu pudesse sair destes dominios, (10) eu iria tambem ate ai, e perguntaria se o Papa esta em casa; mas, entre tantas gracas, a minha por descuido caiu por terra. (11) Esperarei setembro. (12)

Sei que o cardeal dos Soderini (13) tem feito muito junto ao Pontifice. Gostaria que voce me aconselhasse se e apropriado que eu escreva uma carta pedindo que ele me recomende a Sua Santidade; ou, se fosse melhor, que voce falasse pessoalmente sobre isso com o Cardeal; ou, se for o caso de nao se fazer nem uma nem outra coisa, que voce me desse alguma resposta.

Quanto ao cavalo, voce me faz rir ao me lembrar dele, pois voce me pagara quando eu me lembrar e nao o contrario. (14) O nosso arcebispo (15) a esta hora ja deve estar morto, que Deus o tenha, bem como a todos os seus. Valete. (16)

Em Florenca, aos 9 de abril de 1513. Niccolo Machiavelli, quondam (17) secretario.

Niccolo Machiavelli

Traducao, introducao e notas de Eliziane Mara de Souza

Universidade Federal de Santa Catarina

Florianopolis, SC, Brasil

Recebido em 10/02/2012

Aprovado em 30/03/2012

Traducao de Eliziane Mara de Souza Doutoranda do Programa de Pos-Graduacao em Estudos da Traducao Universidade Federal de Santa Catarina

E-mail: <eliziane.mara@gmail.com>

(1) Dedico esta traducao a Marcelo Bueno de Paula.

(2) Mantive o cabecalho em latim, de acordo com o original. Minha traducao: "Magnifico embaixador junto ao Sumo Pontifice, Francisco Victorio./ Roma./ Magnifico Senhor Embaixador."

(3) Dante Alighieri, A divina comedia, "Inferno", Canto IV, v. 16-18. Traducao poetica minha. Versao literal: "E eu que da cor [palida do rosto de Virgilio] me apercebi/ Disse: Como vou se tu temes,/ aquele que costuma a minha duvida ser conforto?".

(4) Durante sua prisao, Machiavelli foi submetido a uma especie de tortura conhecida como strappado, a qual consiste na amarracao dos pulsos da vitima as costas, tambem presos a uma corda que passa por um lugar alto. O movimento de suspensao e brusca descida da pessoa forcava o deslocamento de seus ombros.

(5) Recriacao do jogo de palavras entre "rotolare" [rolar, inscrever, arrolar], significando a tentativa de inclusao do irmao do autor na lista do circulo de favorecidos de Leao X, e "voltolisi" [role-se, gire-se], com o sentido de abandono da causa de Totto.

(6) O substantivo plural "castellucci", presente no original, remete a expressao "fare castellucci in aria" [fazer castelinhos no ar], que designa projetos e sonhos inuteis ou que nao se concretizarao. Ela corresponde em lingua portuguesa a "construir castelos de vento" e suas variantes. Optei por traduzir a alusao como "pequenos castelos" a fim de evitar que o diminutivo do italiano ocasionasse uma leitura em que as ideias acalentadas pelo pensador fossem tomadas como pouco importantes para ele proprio, embora uma leitura da expressao como autoironia nao possa ser descartada.

(7) Mantive o termo "fortuna", ao inves de lancar mao de "sorte" ou "destino", devido a sua importancia como conceito na obra de Machiavelli.

(8) A seda e a la eram duas das maiores manufaturas de Florenca.

(9) Mencao a atividade comercial.

(10) Sant'Andrea in Percussina.

(11) O pensador lamenta que, ao contrario de outros anistiados, nao recebeu o perdao pleno.

(12) Ao que parece, Machiavelli esperava que em setembro estaria livre para sair de Florenca.

(13) Francesco Soderini (1453-1524), cardeal. Em 1502, participou de uma missao diplomatica como embaixador de Florenca em Imola junto a Cesare Borgia, na qual foi acompanhado por Machiavelli.

(14) Na carta de 30 de marco, Vettori afirma que assim que retornasse a Florenca pagaria o valor relativo a um cavalo devido a Machiavelli.

(15) Cosimo de' Pazzi (1466-1513), Arcebispo de Florenca, falecido no dia 08 de abril.

(16) Lat.: "[vos] Ficai bem".

(17) Lat.: "outrora", no sentido de "ex".

(a) (ASOR ROSA, Alberto. Storia europea della letteratura italiana. Torino: Einaudi. 2009: 551.)

(b) (MACHIAVELLI, Niccolo. Lettere. Disponivel em: <http://www.classicitaliani. it/machiav/mac64_let_05. htm>. Acesso em: 01 de maio de 2012.)
COPYRIGHT 2012 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras (UFRJ)
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2012 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues; Maquiavelo, Nicolas
Author:Machiavelli, Niccolo
Publication:Alea: Estudos Neolatinos
Date:Jan 1, 2012
Words:1697
Previous Article:The Neighborhood, a project of expanded critique/O bairro, um projeto de critica expandida.
Next Article:Livro, de Jose Luis Peixoto.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters