Printer Friendly

Parameter estimates for genetic characters of assai palm trees fruits in Amapa state/Estimativas de parametros geneticos para caracteres de frutos em acaizeiros no Amapa.

INTRODUCAO

O acaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) e uma especie nativa da Regiao Amazonica, encontrada nas varzeas de estuario e que possui inestimavel importancia socioeconomica naquela regiao. O Estado do Para, atualmente, e o maior produtor de frutos e o principal consumidor do suco denominado de "vinho de acai", com destaque pelas populacoes ribeirinhas (OLIVEIRA et al., 2002). A especie pertence a familia Arecaceae (QUEIROZ e MELEM JUNIOR, 2001; SOUSA e LORENZI, 2008). Caracteriza-se por ser perene, alogama e propagada quase que exclusivamente por sementes (JARDIM, 1991; OLIVEIRA et al., 2000). E considerada uma especie semidomesticada ou em fase de domesticacao (CLEMENT, 1992).

A polpa de seu fruto apresenta bom valor nutricional e constitui-se em uma das bases alimentares da dieta das populacoes dos Estados do Para e Amapa. Na regiao Sul do Brasil, o consumo e crescente, em razao de ser um alimento de apelo ecologico combinado com sua caracteristica energetica (ROGEZ, 2000). Estas propriedades incrementaram seu consumo pelos esportistas e tambem, para a exportacao, principalmente para os mercados com elevado poder aquisitivo como e o caso do Hemisferio Norte.

Na ultima estimativa do IBGE (2009), a producao nacional de acai foi de 116 mil toneladas de frutos, com faturamento de R$ 160,5 milhoes. E interessante citar que 87,43% da producao esta concentrada no Para; 1,43%, no Acre; 1,36%, no Amazonas; 1,15%, no Amapa e 8,17% no nordeste do Maranhao. A producao de frutos de acai na regiao Norte e responsavel por 91% da producao nacional. Entretanto, observa-se aumento consideravel de consumo na regiao Sudeste do Brasil e em paises da Europa, Estados Unidos, Japao e China o que exige aumento na produtividade desta especie (SOUTO, 2001; SILVA, 2002).

Um aspecto relevante e que a Pesquisa de Orcamento Familiar, realizada pelo IBGE (2010), mostra que o consumo anual per capita de acai no Estado do Amapa foi de 23,96 L e no Para de 17,84 L. Ao se supor preco medio por litro em torno de R$ 5,00 no Amapa em 2010, pode-se verificar que o acai movimentou em torno R$ 77,69 milhoes na economia estadual. Neste contexto, para se produzir 15,54 L, seriam necessarias cerca de 31.080 toneladas de frutos de acai.

O principal programa de melhoramento genetico do acaizeiro no Brasil e conduzido pela Embrapa Amazonia Oriental. Esse programa e considerado recente e os metodos de selecao empregados tem sido selecao fenotipica individual/ selecao massal e a selecao em teste de progenies. Como a especie ainda e pouco melhorada, a selecao fenotipica tem sido a estrategia mais utilizada e consiste na escolha dos melhores individuos com base nos caracteres de producao de frutos, perfilhamento, precocidade de producao e estado fitossanitario das plantas (FARIAS NETO et al., 2005). Adicionalmente, ressalta-se que ha existencia de variabilidade genetica entre populacoes e/ou progenies, o que permite selecao de materiais superiores para os caracteres de interesse (OLIVEIRA et al., 2000; FARIAS NETO et al., 2003; OHASHI e KAGEYAMA, 2004).

O crescimento da demanda interna e externa e, atualmente, um dos principais estimuladores do plantio do acaizeiro em larga escala, tanto para areas de varzea quanto em terra firme (QUEIROZ e MOCHIUTTI, 2001). Isso porque o extrativismo nao sera capaz de atender a essas crescentes demandas. Entretanto, a expansao dos cultivos em terra firme, apresenta resultados altamente heterogeneos quanto a produtividade e qualidade dos frutos.

Do exposto, estudos no intuito de melhor caracterizar o germoplasma e para conhecer o comportamento da especie devem ser conduzidos, pois fornecerao informacoes extremamente importantes em relacao aos aspectos morfogeneticos para orientar os programas de melhoramento genetico.

Informacoes sobre a produtividade de frutos do acaizeiro sao bastante contraditorias (CALZAVARA, 1972; ROGEZ, 2000). Os principais motivos sao: estimativas baseadas em acaizais nativos; em pomares estabelecidos com sementes de procedencias desconhecidas e pronunciado efeito do ambiente; ausencia de delineamento experimental e/ ou emprego de delineamento com pequeno numero de repeticoes. Em virtude desses problemas, a producao estimada por planta tem variado de 0,1 kg e 50,9 kg de frutos/planta/ano (OLIVEIRA et al., 2000).

No momento existem poucos trabalhos avaliando a variabilidade e as correlacoes entre caracteres em acai. Assim, infere-se que estudos no intuito de melhor caracterizar o germoplasma e para conhecer o comportamento da especie devem ser conduzidos, permitindo a selecao de materiais superiores. Contudo, este procedimento nao e facil, pois muitas vezes os caracteres de importancia, em sua maioria quantitativos, apresentam comportamento complexo, sofrem influencia ambiental e por se inter-relacionarem, de tal forma que a selecao de um provoca uma serie de mudancas em outros (CRUZ, 2001).

Para a obtencao de genotipos superiores, e necessaria a reuniao de uma serie de atributos favoraveis que confiram melhor desempenho e satisfacam as exigencias do mercado. Com isso, a selecao baseada em uma ou poucas caracteristicas mostra-se inadequada, conduzindo a um produto final superior apenas em relacao aos caracteres selecionados (CRUZ e REGAZZI, 1997). Por isso, a selecao simultanea de um conjunto de caracteres de expressividade economica aumenta a chance de exito de um programa de melhoramento. Para tal, a teoria de indice de selecao permite combinar as multiplas informacoes contidas na unidade experimental, o que possibilita a selecao com base em um complexo de caracteristicas. Desse modo, o indice de selecao constitui-se em um carater adicional, estabelecido pela combinacao linear otima de varios caracteres, que permite efetuar, com eficiencia, a selecao simultanea (CRUZ e REGAZZI, 1997).

Neste contexto, objetivou-se avaliar a variabilidade genetica entre progenies de acaizeiro, estimar correlacoes fenotipicas e, verificar a potencialidade das progenies a serem empregadas como material genetico a ser utilizado nos cruzamentos em etapas futuras de melhoramento, por meio do indice de soma de postos proposto por Mulamba e Mock (1978).

MATERIAL E METODO

Caracterizacao do local

Sementes de acaizeiro foram coletadas de 68 matrizes em populacoes existentes no municipio de Afua, no Estado do Para, no ano de 2000. Posteriormente, em 2001, foi implantado um teste de progenies em area de varzea no Campo Experimental de Mazagao, no municipio de Mazagao--AP. A area experimental tem coordenadas 00[degrees]02'33" de latitude sul e 51[degrees]15'24" longitude oeste, com 17 m de altitude. O solo predominante e do tipo Glei Pouco Humico de textura media, drenado e de media-alta fertilidade natural, com topografia plana e cobertura vegetal tipo capoeira. O clima caracteriza-se por ser do tipo tropical chuvoso (Ami), segundo classificacao de Koppen. A precipitacao media anual e de 2.300 mm, concentrada entre os meses de janeiro a junho, com precipitacao do mes mais seco de 10 mm. A temperatura media do mes mais frio e superior a 22,5[degrees]C, a temperatura media anual e de 28[degrees]C e umidade media do ar, 85%.

O delineamento experimental utilizado foi blocos completos casualizados com duas repeticoes e quatro plantas uteis por parcela. O espacamento entre plantas foi de 4 m x 5 m, totalizando 500 plantas/ha. Foram avaliados 100 frutos por cacho de cada planta, sendo que as avaliacoes foram realizadas ate no maximo 24 horas pos-colheita.

Aos seis anos de idade, caracteristicas de frutos maduros foram avaliadas nas 68 progenies.

Caracteres avaliados

Em concordancia com nomenclatura proposta por Oliveira et al. (2006), foram avaliados os seguintes caracteres, com base na amostragem de 100 frutos do cacho coletados em 2008: massa (P100), em gramas; diametro longitudinal do fruto (DLF), medido do ponto de insercao dos restos florais (calice e corola) ate o vestigio do estigma, em centimetros; maior diametro transversal do fruto (DTMA), em centimetros; menor diametro transversal do fruto (DTME), em centimetros. Adicionalmente foi tambem mensurado a massa total de frutos do cacho (PTC), em quilogramas. Analises estatisticas

A analise de variancia foi realizada com auxilio do programa SAS, versao 8.1 (SAS INSTITUTE, 2000). Os procedimentos estatisticos foram os apresentados por Vencovsky e Barriga (1992), cujo modelo matematico adotado foi: [Y.sub.ijk] = m + [G.sub.i] + [P.sub.j] + [B.sub.k] + [e.sub.ijk] ; em que: [Y.sub.ij] e o valor fenotipico medio do carater Y medido no material genetico i na planta j e na repeticao k; m e a media geral parametrica dos dados de efeito fixo; [G.sub.i] e o efeito do j-esimo genotipo, de efeito aleatorio; [P.sub.j] e o efeito da j-esima planta dentro da progenie i; [B.sub.k] e o efeito da k-esima repeticao; e [e.sub.ijk] e o erro medio associado a observacao [Y.sub.ijk], de efeito aleatorio. As esperancas dos quadrados medios sao apresentadas na Tabela 1.

O efeito de progenies foi considerado aleatorio em virtude dos materiais terem sido obtidos por meio de polinizacao aberta.

As correlacoes de Pearson ([r.sub.p]) foram realizadas com auxilio do programa computacional GENES (CRUZ, 2001), segundo a equacao:

[r.sub.p(XY)] = [COV.sub.(XY)]/[square root of ([V.sub.(X)][V.sub.(Y)])]

Sendo que: [r.sub.P(XY)] e a correlacao de Pearson entre os caracteres x e y; [COV.sub.(XY)] e o produto medio de tratamentos para os caracteres x e y envolvidos e [V.sub.(X)] e [V.sub.(Y)] sao as variancias de progenies para os caracteres x e y, respectivamente.

Foi estimado o ganho de selecao de 20% das progenies com o indice baseado em soma de "ranks" (MULAMBA e MOCK, 1978) que consiste em classificar os genotipos em relacao a cada um dos caracteres, em ordem favoravel ao melhoramento. A seguir, sao somadas as ordens de cada material resultando no indice de selecao, em que I = [r.sub.1] + [r.sub.2] + ... + [r.sub.n], sendo que I e o valor do indice para determinado individuo ou progenie; [r.sub.j] e a classificacao de uma progenie em relacao ao j-esimo carater e n e o numero de caracteres considerado no indice. Por meio deste indice, ha possibilidade de se atribuir diferentes pesos aos caracteres avaliados, conforme sua importancia. Assim, tem-se que I = [p.sub.1][r.sub.1]+[p.sub.2][r.sub.2] + ... + [p.sub.n][r.sub.n], em que [p.sub.j] e o peso atribuido pelo usuario ao j-esimo carater. No presente caso, foi atribuido peso 5 para PTC, 2 para P100 e 1 para os demais caracteres.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Houve diferencas significativas a 1% entre as progenies em todos os caracteres avaliados. Assim, pode-se inferir que ha possibilidade de selecao de genotipos superiores (Tabela 1). Esses resultados estao em consonancia com aqueles observados por Oliveira et al. (2007) e com Oliveira e Fernandes (2001). Neste ultimo, somente houve divergencia quanto ao PTC. Na analise do efeito de plantas dentro de repeticoes e das repeticoes nao foram observadas diferencas significativas nos caracteres avaliados.

Nos caracteres relacionados as dimensoes de frutos (DLF, DTMA, DTME), as medias apresentaram-se muito proximas, o que indica que o formato predominante dos frutos e arredondado. Caso o carater DLF apresentasse medias superiores, os frutos tenderiam a ser alongados. Ao passo que se as medias superiores fossem para DTMA ou DTME, os frutos tenderiam a ser achatados, como encontrado por Oliveira et al. (2007).

Para o carater PTC, a media foi de baixa magnitude quando comparada aos resultados de Oliveira e Fernandes (2001) e Oliveira et al. (2007), com 2,44 kg e 2,53 kg, respectivamente. Isso esta relacionado a idade e aos aspectos nutricionais das plantas durante a formacao dos cachos. E importante observar que ha conhecimento empirico da relacao entre o PTC com a idade das touceiras e disponibilidade natural de fertilidade dos solos de varzea. A falta de manejo das plantas invasoras, principalmente do tipo trepadoras, no comeco do desenvolvimento das plantas, pode ser responsavel pelos valores consideravelmente menores.

Os caracteres DLF, DTMA, DTME e P100 apresentaram estimativas de variancias genotipicas superiores as residuais, o que pode indicar predominancia dos efeitos geneticos, semelhante ao observado por Farias Neto et al. (2008). Entretanto, deve-se ressaltar que a variancia genotipica se encontra inflacionada pelo efeito da interacao progenies x ambientes em virtude de a avaliacao ter sido conduzida em um unico ambiente (VENCOVSKY e BARRIGA, 1992).

Para PTC, a variancia residual foi superior a genotipica, distinta da observada por Farias Neto et al. (2008). Do exposto, as progenies parecem ter respostas diferenciadas quanto as variacoes de quantidade de nutrientes sedimentados, umidade do solo e temperaturas elevadas. Esses fatores sao fundamentais ao adequado desempenho fisiologico da planta e da formacao dos frutos. Do exposto, ha urgencia na priorizacao de pesquisas sobre absorcao de nutrientes do solo e fisiologia da especie.

De modo geral, as estimativas de CVe foram baixas (Tabela 2), semelhantes ao obtido por Oliveira e Fernandes (2001) e Oliveira et al. (2007). Assim, houve rigor experimental, exceto para o carater P100. O CVg foi superior aos CVe para os caracteres DLF, DTMA, DTME e P100, o que indica variabilidade disponivel para selecao. Resultados similares foram encontrados por Oliveira et al. (2007) e Teixeira et al. (2008).

Na selecao e necessaria facilidade na diferenciacao de materiais superiores entre as progenies avaliadas. De forma preliminar, isso pode ser observado pela relacao entre CVg e CVe. Valores proximos ou acima da unidade indicam presenca de variabilidade suficiente para selecao, com possibilidade ganhos (VENCOVSKY e BARRIGA, 1992).

Os resultados de CVg/CVe indicam que DTMA e DTME apresentaram os melhores indices, com maior contribuicao genetica na manifestacao fenotipica. Para o carater PTC, houve maior contribuicao dos fatores ambientais, o que exige maior rigor na selecao. Salienta-se que Oliveira e Fernandes (2001), Farias Neto et al. (2008) e Teixeira et al. (2008) obtiveram resultados divergentes aos obtidos neste trabalho.

Elevadas estimativas de correlacoes fenotipicas foram observadas entre DLF, DTMA, DTME e P100 (Tabela 3). Assim, ha possibilidade de adotar aquele menos oneroso ou de menor tempo de obtencao, com selecao dos demais de forma indireta. Neste caso, recomenda-se o uso do P100 que necessita apenas o uso de balanca. Para os outros ha necessidade de mensuracao individual dos frutos com paquimetro, os quais demandam mais tempo e trabalho.

As estimativas de correlacao entre PTC e demais caracteres foram baixas, semelhantes ao observado por Farias Neto et al. (2008). Isso porque para PTC, ha maior contribuicao dos fatores ambientais na variancia fenotipica. Foi observado valor positivo de correlacao entre tamanho dos cachos e frutos. Entretanto, sao desejados frutos menores. Esse fato pode dificultar a selecao dos melhores materiais, pois ha tendencia nas progenies de maiores producoes estarem associadas aos frutos maiores.

Menor tamanho de frutos e preferido pelos comerciantes, isso porque ha maior rendimento da bebida "acai" nas maquinas de processamento (FARIAS NETO et al., 2011).

A selecao das melhores progenies foi feita com base na soma de postos. Como criterio de selecao foi assumido que quanto menores os valores de DLF, DTMA, DTME e P100 e maiores de PTC melhor. Com isso, conseguiu-se obter ganhos desejados de menor intensidade para os caracteres relacionados a dimensoes dos frutos, porem, em maior intensidade para P100 que seria a alternativa mais facil de avaliacao do tamanho dos frutos, associado ao maior ganho positivo para PTC, acima de 15%, um valor que pode ser considerado muito bom para ganho em apenas um processo de selecao.

As herdabilidades na media de progenies foram de media magnitude para DLF, DTME e PTC e altas para DTMA e P100, segundo os limites propostos por Resende (2002). Os valores demonstram ser possivel manter os ganhos estimados com a selecao na media de progenies.

Na selecao das 20% melhores progenies, foram selecionadas 14 progenies. As estimativas foram inferiores aquelas de Farias Neto et al. (2011). Entretanto, no trabalho citado, nao foram incluidos os caracteres de dimensao dos frutos, aspecto fundamental de mercado. Por outro lado, em estudo com maior numero de caracteres, o ganho obtido para PTC e P100 foram superiores (TEIXEIRA et al., 2012). Essas diferencas indicam que a eficiencia de selecao e inerente a populacao.

CONCLUSOES

Os caracteres relativos a dimensoes metricas dos frutos possuem maior contribuicao genetica em comparacao ao relacionado a produtividade total de frutos.

Grande parcela da expressao fenotipica dos caracteres se da devido a grande influencia de fatores ambientais sobre os mesmos em detrimento da genetica, o que pode dificultar o processo de selecao de forma generalista, devendo-se, portanto, sempre avaliar as progenies quando instaladas em novas condicoes ambientais.

Correlacoes positivas entre tamanho dos frutos e produtividade total do cacho podem dificultar a selecao simultanea entre estes caracteres, ja que sao preferenciais a reducao do tamanho do fruto com aumento de produtividade.

Ha possibilidade de ganhos geneticos importantes nos programas de melhoramento genetico da especie com base na selecao usandose varios indices em conjunto, contudo devido a presenca de correlacoes positivas os valores obtidos sao baixos.

Devido a inexistencia de processos de selecao nos materiais avaliados torna-se possivel a selecao de progenies que associem dimensoes dos caracteres adequados.

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem a SETEC/CNPq pelas bolsas de estudos concedidas aos estagiarios.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

CLEMENT, CR. Domesticated palms. Principes, Lawrence, v. 36, n. 2, p. 70-78, 1992.

CRUZ, CD. GENES: Programa para analise e processamento de dados baseado em modelos de genetica e estatistica experimental: versao 2001.0.0. Vicosa: UFV, 2001. 247 p.

CRUZ, CD.; REGAZZI, A.J. Modelos biometricos aplicados ao melhoramento genetico. Vicosa: UFV, 1997. 390 p.

FARIAS NETO, J. T. et al. Estimativas de parametros geneticos e ganho de selecao em progenies de polinizacao aberta de acaizeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 30, p. 1051-1056, 2008.

FARIAS NETO, J.T. et al. Variabilidade genetica entre duas procedencias de acaizeiro (Euterpe oleracea Martus). Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, v. 46, p. 97-104, 2003.

FARIAS NETO, J.T. de.; RESENDE, M.D.V. de.; OLIVEIRA, M. do S.P. de. Selecao simultanea em progenies de acaizeiro irrigado para producao e peso de fruto. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 33, p. 532-539, 2011.

JARDIM, MAG. Aspectos da biologia reprodutiva de uma populacao natural de acaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) no Estuario amazonico. 1991. 90 f. Dissertacao (Mestrado em Agronomia), Escola Superior de Agricultura de Luiz de Queiroz, Universidade de Sao Paulo--SP, 1991.

MULAMBA, N.N.; MOCK, J.J. Improvement of yield potential of the Eto Blanco maize (Zea mays L.) population by breeding for plant traits. Egyptian Journal of Genetics and Cytology, Alexandria, v. 7, p. 40-57, 1978.

OHASHI, S T.; KAGEYAMA, P.Y. Variabilidade genetica entre populacoes de acaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) do estuario amazonico. In: MOURAO, L.; JARDIM, MA.; GROSSMANN, M. (ed). Acai: possibilidade e limites em processos de desenvolvimento sustentavel no estuario amazonico. Belem: CEJUP. 2004. p.11-26.

OLIVEIRA, M. do S.P. de, FERREIRA, D.F.; SANTOS, J.B. Divergencia genetica entre acessos de acaizeiro fundamentada em descritores morfoagronomicos. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v. 42, n. 4, p. 501-506, 2007.

OLIVEIRA, M. do S.P. de. et al. Cultivo do acaizeiro visando a producao de frutos. Belem: Embrapa Amazonia Oriental, 2002. 51 p. (Embrapa Amazonia Oriental. Circular tecnica, 26).

OLIVEIRA, M. do S.P. de; FERNANDES, G.L.C. Repetibilidade de caracteres do cacho de acaizeiro nas condicoes de Belem-PA. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 23, n. 3, p. 613-616, 2001.

OLIVEIRA, M. do S.P. de; FERREIRA, D.F.; SANTOS, J.B. Selecao de descritores para caracterizacao de germoplasma de acaizeiro para producao de frutos. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v. 41, n. 7, p. 1133-1140, 2006.

OLIVEIRA, M. do S.P. de. et al. Correlacoes fenotipicas entre caracteres vegetativos e de producao de frutos em acaizeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 22, p. 1-5, 2000.

PEDROZO, C.A. et al. Eficiencia de indices de selecao utilizando a metodologia REML/BLUP no melhoramento da cana-de-acucar. Scientia Agraria, Curitiba, v. 10, p. 31-36, 2009.

PIMENTEL GOMES, F. Curso de estatistica experimental. 15a ed. Piracicaba: Fealq, 2009. 451p

QUEIROZ, J.A.L.; MOCHIUTTI, S. Plantio de acaizeiros. Macapa: Embrapa Amapa, 2001. 8 p. (Embrapa Amapa. Comunicado tecnico, 55).

RAMALHO, MA.P.; SANTOS, J.B.; PINTO, C.A.B.P. Genetica na Agropecuaria. 4a ed., Lavras: UFLA, 2008. 463 p.

RESENDE, M.D.V. de. Genetica Biometrica e estatistica no melhoramento de plantas perenes. Brasilia: Embrapa Informacao Tecnologia, 2002. 975 p.

ROGEZ, H. Acai: preparo, composicao e melhoramento da conservacao. Belem: Edufpa, 2000.313 p.

SAS INSTITUTE SAS language and procedures: usage. Version 8.1. North Caroline, NC: SAS Institute Inc., 2000. 1 CD-ROM.

TEIXEIRA, DHL.; OLIVEIRA, M.S.P. de.; PEDROSO, A.J.S. Estimativas de parametros geneticos e fenotipicos em progenies de meioirmaos de acaizeiro para caracteres de producao de frutos em varios anos de colheita. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 20., ANNUAL MEETING OF THE INTERAMERICAN SOCIETY FOR TROPICAL HORTICULTURE, 54., 2008, Vitoria. Anais ... Vitoria: INCAPER: Sociedade Brasileira de Fruticultura, 2008. p.1-5.

TEIXEIRA, D.H.L.; OLIVEIRA, M. do S.P. de.; GONCALVES, F.M.A. Indices de selecao no aprimoramento simultaneo dos componentes da producao de frutos em acaizeiro. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v. 47, p. 247-243, 2012.

VENCOVSKY, R.; BARRIGA, P. Genetica biometrica no fitomelhoramento. Ribeirao Preto: SBG, 1992. 486 p.

Gilberto Ken-Iti Yokomizo (1) Silas Mochiutti (2) Jose Antonio Leite de Queiroz (3) George Reis dos Santos (4) Renan Gomes Furtado (4) Ancelma Pereira Brandao (5) Irece Bezerra Colares (5)

(1) Engenheiro Agronomo, Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria, Rod. JK, km 05, 2600, CEP 68903-419, Macapa (AP), Brasil. gilberto.yokomizo@embrapa.br

(2) Engenheiro Florestal, Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria, Rod. JK, km 05, 2600, CEP 68903-419, Macapa (AP), Brasil. silas.mochiutti@embrapa.br

(3) Engenheiro Florestal, Pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria Oriental, Trav. Dr. Eneas Pinheiro, s/n, Caixa postal 48, Bairro Marco, CEP 66095-100, Belem (PA), Brasil. jose.queiroz@embrapa.br

(4) Engenheiro Florestal, Rua Jovino Dinoa, 2085, CEP 68900-075, Macapa (AP), Brasil. reisgeorge@hotmail.com / rg_ap@hotmail.com

(5) Tecnologa Ambiental, Rod. Duque de Caxias, km 05, CEP 68906-720, Macapa (AP), Brasil. duada.ancelma@hotmail.com / ire.clei@bol.com.br

Recebido para publicacao em 25/01/2011 e aceito em 1/12/2014
TABELA 1: Analise de variancia para cinco caracteres avaliados em
frutos para plantas individuais de 68 progenies de acaizeiro (Euterpe
oleracea). Macapa--AP, 2008.

TABLE 1: Analysis of variance summarized for five characters
evaluated at the fruits in individual plants from 68 progenies of the
assai palms (Euterpe oleracea). Macapa, AP state, 2008.

FV          GL     QM

                   DLF          DTMA         DTME         PTC

Blocos        1    0,012 (ns)   0,005 (ns)   0,007 (ns)   0,327 (ns)

Progenies    67    0,009 **     0,016 **     0,011 **     1,120 **

Residuo      67    0,004        0,004        0,003        0,943

Dentro      408    0,002 (ns)   0,003 (ns)   0,003 (ns)   0,765 (ns)

Total       543

Medias             1,110        1,288        1,147        1,349

FV          GL     QM

                   P100           EQM

Blocos        1    325,915 (ns)   [[sigma].sup.2.sub.d] +
                                  j.[[sigma].sup.2.sub.e] +
                                  ij.[[sigma].sup.2.sub.b]

Progenies    67    1052,049 **    [[sigma].sup.2.sub.d] +
                                  j.[[sigma].sup.2.sub.e] +
                                  jk.[[sigma].sup.2.sub.p]

Residuo      67    408,015        [[sigma].sup.2.sub.d] +
                                  j.[[sigma].sup.2.sub.e]

Dentro      408    126,756 (ns)   [[sigma].sup.2.sub.d]

Total       543

Medias             117,154

Em que: DLF = diametro longitudinal do fruto, em centimetros; DTMA =
maior diametro transversal do fruto, em centimetros; DTME = menor
diametro transversal do fruto, em centimetros; PTC = peso total de
frutos do cacho, em quilogramas; P100 = peso de cem frutos, em
gramas; [[sigma].sup.2.sub.p] = variancia entre plantas dentro de
blocos; [[sigma].sup.2.sub.e] = variancia do residuo;
[[sigma].sup.2.sub.b] = variancia dos blocos; [[sigma].sup.2.sub.p]:
variancia das progenies; i, j e k, numeros de progenies, de plantas
dentro de blocos e blocos, respectivamente. ns nao significativo e **
significativo a 1% para o teste F.

TABELA 2: Parametros geneticos e fenotipicos de cinco caracteres
avaliados em frutos para plantas individuais de 68 progenies de
acaizeiro (Euterpe oleracea). Macapa--AP, 2008.

TABLE 2: Phenotypic and Genotypic parameters for five characters
evaluated at the fruits in individual plants from 68 progenies of the
assai palms (Euterpe oleracea). Macapa, AP state, 2008.

Parametros                                         DLF      DTMA

[[sigma].sup.2.sub.fenotipica]                    0,0011   0,0020
[[sigma].sup.2.sub.residual]                      0,0005   0,0003
[[sigma].sup.2.sub.genetica aditiva individual]   0,0005   0,0015
CVg (%)                                           0,0482   0,1181
CVe (%)                                           0,0449   0,0221
CVg/CVe                                           1,0724   5,3531

Parametros                                         DTME     PTC

[[sigma].sup.2.sub.fenotipica]                    0,0013   0,1399
[[sigma].sup.2.sub.residual]                      0,0001   0,0447
[[sigma].sup.2.sub.genetica aditiva individual]   0,0009   0,0220
CVg (%)                                           0,0773   1,6309
CVe (%)                                           0,0116   3,3108
CVg/CVe                                           6,6374   0,4926

Parametros                                          P100

[[sigma].sup.2.sub.fenotipica]                    131,5061
[[sigma].sup.2.sub.residual]                      70,3148
[[sigma].sup.2.sub.genetica aditiva individual]   80,5042
CVg (%)                                           68,7189
CVe (%)                                           60,02120
CVg/CVe                                            1,1449

Em que: DLF = diametro longitudinal do fruto, em centimetros; DTMA =
maior diametro transversal do fruto, em centimetros; DTME = menor
diametro transversal do fruto, em centimetros; PTC = peso total de
frutos do cacho, em quilogramas; P100 = peso de cem frutos, em
gramas; CVg(%) = coeficiente de variacao genotipica em porcentagem;
CVe (%) = coeficiente de variacao ambiental em porcentagem; CVg/CVe =
relacao entre coeficiente de variacao genotipica pelo coeficiente de
variacao ambiental.

TABELA 3: Estimativas de correlacao fenotipicas para cinco caracteres
avaliados em frutos para plantas individuais de 68 progenies de
acaizeiro (Euterpe oleracea). Macapa--AP, 2008.

TABLE 3: Estimates of phenotypic correlation for five traits
evaluated in fruits for individual plants from 68 progenies of the
assai palms (Euterpe oleracea). Macapa, AP state, 2008.

         DTMA        DTME         PTC        P100

DLF    0,7875 **   0,7981 **   0,2712 **   0,7807 **
DTMA               0,8735 **   0,2061 **   0,8717 **
DTME                           0,2148 **   0,8522 **
PTC                                        0,3106 *

Em que: DLF = diametro longitudinal do fruto, em centimetros; DTMA =
maior diametro transversal do fruto, em centimetros; DTME = menor
diametro transversal do fruto, em centimetros; PTC = peso total de
frutos do cacho, em quilogramas; P100 = peso de cem frutos, em
gramas. ** significativo a 1% para o teste t; * significativo a 5%
para o teste t.

TABELA 4: Estimativa de ganhos geneticos preditos pelo indice soma de
postos na selecao de progenies superiores de acaizeiros. Macapa--AP,
2008.

TABLE 4: Estimation of the genetic gain predicted by using the index
based on the rank sum to selection process of the superior assai
progenies. Macapa, AP state, 2008.

Carater   Peso    Sentido       Xo          Xs       [h.sup.2.sub.mp]

DLF          1    Diminuir      1,114       1,091              64,077
DTMA         1    Diminuir      1,286       1,243              80,784
DTME         1    Diminuir      1,146       1,113              69,693
PTC          5    Aumentar   1353,486    1832,967              46,997
P100         2    Diminuir    116,776     105,018              75,485

Carater      GS       GS%

DLF        -0,014    -1,29
DTMA       -0,035    -2,72
DTME       -0,023    -2,04
PTC       225,340    16,65
P100       -8,875    -7,60

Em que: DLF = diametro longitudinal do fruto, em centimetros; DTMA =
maior diametro transversal do fruto, em centimetros; DTME = menor
diametro transversal do fruto, em centimetros; PTC = peso total de
frutos do cacho, em quilogramas; P100 = peso de cem frutos, em
gramas; Peso = valor adotado seguindo a importancia dos caracteres
para selecao; Xo = media das progenies na populacao inicial; Xs =
media das progenies apos a selecao genetica; [h.sup.2.sub.mp] =
herdabilidade na medias de progenies; GS = ganho de selecao em valor
absoluto; GS% = ganho de selecao, em porcentagem.

TABELA 5: Medias para cinco caracteres das progenies selecionadas de
acaizeiro utilizando-se o indice baseado em soma de postos com base
principalmente na producao de cachos. Macapa--AP, 2008.

TABLE 5: Averages for five characters of the selected assai progenies
using the index based on the rank sum based primarily on total weight
of the bunches. Macapa, AP state, 2008.

Classificacao   Progenies               Medias

                            DLF (cm)   DTMA (cm)   DTME (cm)

1                  14         1,06       1,18        1,07
2                  17         1,12       1,23         1,1
3                  33         1,08       1,25        1,11
4                   8         1,11       1,27        1,12
5                  57         1,06       1,21        1,09
6                  48         1,1        1,24        1,12
7                  35         1,03       1,18        1,06
8                  50         1,13       1,28        1,15
9                   5         1,09       1,28        1,14
10                 15         1,12       1,29        1,15
11                  7         1,11       1,25        1,13
12                  6         1,13        1,3        1,16
13                 37         1,09       1,25        1,12
14                 36         1,09       1,21        1,09

Classificacao   Progenies           Medias

                            PTC (Kg)   P100 (g)

1                  14         1,97      90,63
2                  17         1,84      103,23
3                  33         1,89      105,79
4                   8         2,52      109,63
5                  57         1,49      99,61
6                  48         1,71      103,27
7                  35         1,44      86,67
8                  50         2,32      114,97
9                   5         1,76      109,06
10                 15         2,19      114,8
11                  7         1,67      107,49
12                  6         2,20      121,36
13                 37         1,45      104,05
14                 36         1,21      99,73

Em que: DLF = diametro longitudinal do fruto, em centimetros; DTMA =
maior diametro transversal do fruto, em centimetros; DTME = menor
diametro transversal do fruto, em centimetros; PTC = peso total de
frutos do cacho, em quilogramas; P100 = peso de cem frutos, em
gramas.
COPYRIGHT 2016 Universidade Federal de Santa Maria
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Yokomizo, Gilberto Ken-Iti; Mochiutti, Silas; de Queiroz, Jose Antonio Leite; dos Santos, George Rei
Publication:Ciencia Florestal
Date:Jul 1, 2016
Words:4869
Previous Article:Seed germination of Aspidosperma parvifolium A. DC. in different function forms of collecting/Germinacao de sementes de Aspidosperma parvifolium A....
Next Article:Occurrence of Hypsipyla ferrealis Hampson (Lepidoptera: Pyralidae) in andiroba in the state of Acre/Ocorrencia de hypsipyla ferrealis hampson...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters