Printer Friendly

Paradoxes Experienced with the use of Mobile Technologies in the Individual Decision Making Process/ PARADOXOS VIVENCIADOS PELO USO DAS TECNOLOGIAS MOVEIS NO PROCESSO INDIVIDUAL DE TOMADA DE DECISAO.

1 INTRODUCAO

Ao longo da historia, poucas tecnologias se difundiram de forma tao rapida como os smartphones (BENTO, 2016; KIM; CHEN; WANG, 2016; WAN; CHEN; ZHU, 2018), promovendo grandes transformacees no comportamento dos individuos e na consolidacao de um novo paradigma de relacionamento entre eles e seus dispositivos computacionais (COUSINS; ROBEY, 2015; DERKS; DUIN; TIMS; BAKKER, 2015). As Tecnologias da Informacao Moveis e Sem Fio (TIMS), definidas como o conjunto de hardware, software e meios de comunicacao sem fio, tais como celulares, smartphones, e tablets, sao as primeiras a estimularem um vinculo de intimidade com os individuos, pois sao utilizadas no ambito pessoal e profissional, permitindo que as pessoas trabalhem mesmo quando estao distantes dos seus locais fixos de atuacao (SACCOL; REINHARD, 2007; MAZMANIAN; ORLIKOWSKI; YATES, 2013), o que e definido na literatura como trabalho movel (SORENSEN, 2011).

O trabalho movel e suportado pelo uso das TIMS, o que permite aos trabalhadores estarem virtualmente presentes simultaneamente em diferentes contextos de trabalho e ainda permanecerem conectados, movendo-se e interagindo com diferentes atores e realizando diferentes papeis (WAN; CHEN; ZHU, 2018). Essa "onipresenca" e possivel a medida que a mobilizacao das interacees explora as diferentes affordances das tecnologias moveis (ARNOLD, 2003; COUSINS; ROBEY, 2015; SORENSEN, 2011). Isso provoca mudancas nos processos de trabalho, o que caracteriza a mobilidade empresarial (SORENSEN, 2011), afetando tambem os processos de tomada de decisao (YOO; LYYTINEN, 2005; TILSON; LYYTINEN; SORENSEN, 2011;YOO; LYYTINEN; BOLAND JR., 2016).

A partir do momento que os individuos passaram a utilizar as TIMS para fins profissionais, percebeu-se um aumento da complexidade e do dinamismo no contexto organizacional, geralmente associado de forma nao deterministica com a adocao destas novas tecnologias, o que vem exigindo novas estruturas e praticas de trabalho para atender a demanda crescente por avaliacao, interpretacao, priorizacao e acao em relacao aos recursos de informacao (BUCHANA; NAICKER, 2014; SORENSEN; LANDAU, 2015).

As decorrencias positivas e negativas evidenciadas pelo uso das TIMS sao conceitualmente inseparaveis e se ampliam a medida que novos recursos sao criados e implementados, ou combinacees de recursos sao exploradas, tornando a experiencia do individuo com o uso das TIMS muitas vezes paradoxal (ARNOLD, 2003; MAZMANIAN; SMITH; LEWIS, 2011; ORLIKOWSKI; YATES, 2013). Os paradoxos se caracterizam pela presenca de elementos ou comportamentos contraditorios e, ao mesmo tempo, inter-relacionados; quando isolados, estes elementos ou comportamentos sao logicos, mas quando concomitantes, denotam irracionalidade (ROBEY; BOUDREAU, 1999; LEWIS, 2000; ARNOLD, 2003; SMITH; LEWIS, 2011; FALKHEIMER; HEIDE; SIMONSSON; ZERFASS; VERHOEVEN, 2016).

Como exemplos de paradoxos de uso das TIMS no trabalho, tem-se o planejamento (acesso facilitado a informacao por meio da TIMS para planejar os processos) e a improvisacao (acesso imediato a informacao que permite rapidamente realinhar ou reprogramar atividades). Outro exemplo de paradoxo e o de competencia (as TIMS melhoram a produtividade no trabalho) e de incompetencia--[GRAPHIC OMITTED]elas exigem constante atencao, engajamento e multitarefas, gerando a sensacao de incompetencia do individuo diante dessas novas demandas (MICK; FOURNIER, 1998; JARVENPAA; LANG, 2005; JARVENPAA; LANG; TUUNAINEN, 2005).

Diferentes estudos se propeem a compreender as consequencias do uso das TIMS para o trabalho, para os individuos e para os processos organizacionais sem relacao: aos padrees de uso, consequencias coletivas do uso e respostas as consequencias coletivas (MAZMANIAN; ORLIKOWSKI; YATES, 2013); ao crescimento em escala, convergencia digital e mobilidade (LYYTINEN; YOO, 2002; SORENSEN, 2011); a visao do trabalho em qualquer hora e qualquer lugar (LAL; DWIVEDI, 2010; DERKS; BAKKER, 2014;); e aos diferentes paradoxos de uso das TIMS (MICK; FOURNIER, 1998; ARNOLD, 2003; JARVENPAA; LANG, 2005).

Entre os fenomenos organizacionais que podem ser paradoxalmente impactados pelo uso das TIMS estao os processos de tomada de decisao, que sao reconhecidos como atividades complexas e de alto valor agregado para as estrategias organizacionais (GONTIJO; MAIA, 2004; ERANOVA; PRASHANTHAN, 2016). No entanto, como sera demonstrado mais adiante na revisao da literatura, ha carencia de estudos a respeito das decorrencias do uso das TIMS sobre o processo de tomada de decisao em contexto de mobilidade, especialmente considerando a natureza paradoxal dessas tecnologias.

Assim, esta pesquisa se propee a analisar o processo de tomada de decisao individual de gestores que realizam parte de suas atividades distantes do seu ambiente tradicional e fixo de trabalho, considerando a seguinte questao de pesquisa: quais paradoxos de uso das TIMS sao vivenciados nos processos de tomada de decisao individual que ocorrem em um contexto de mobilidade empresarial?

Um estudo empirico foi realizado por meio de pesquisa qualitativa que utilizou um grupo de foco e entrevistas individuais com executivos e gestores de pequenas e medias empresas. Todos os participantes tem em comum a utilizacao de TIMS e a frequente necessidade de tomar decisoes distantes dos seus espacos tradicionais e fixos de trabalho.

Os resultados encontrados corroboraram paradoxos ja identificados na literatura e que se manifestam nos processos de tomada de decisao em contexto de mobilidade empresarial: Ocupado e Disponivel, Planejamento e Improvisacao, Engajamento e Desengajamento, e Competencia e Incompetencia. Alem disso, novos paradoxos foram identificados: Pessoal e Profissional, Maior Colaboracao Digital e Menos Face a Face, Decisees mais Ageis e Decisees com Maior Exposicao ao Erro. A discussao desses paradoxos permite a compreensao mais aprofundada das decorrencias do uso de TIMS para o processo de tomada de decisao em contextos de mobilidade.

O artigo esta estruturado da seguinte forma: as secees 2 e 3 apresentam as perspectivas teoricas do estudo, seguidas pela secao 4 em que os aspectos metodologicos sao discutidos. A secao 5 apresenta os resultados da pesquisa empirica, e a secao 6 discute esses resultados e apresenta as consideracees finais.

2 O PROCESSO DE TOMADA DE DECISAO E A MOBILIDADE

O processo de tomada de decisao descreve o conjunto de etapas que tem inicio em alguma mudanca de contexto e termina com uma decisao que assume o compromisso com a acao (MINTZBERG; RAISINGHANI; THEORET, 1976; TARKA, 2017). Esse processo pode ser compreendido a partir de diferentes lentes teoricas, dentre as quais se destacam a perspectiva da racionalidade limitada (SIMON, 1955), do papel da intuicao (KLEIN, 1989, 1999; KAHNEMAN; KLEIN, 2009;), e da perspectiva das heuristicas e vieses (TVERSKY; KAHNEMAN, 1981; KAHNEMAN, 2002, 2003, 2011).

Estas diferentes perspectivas teoricas sobre processo decisorio se posicionam entre dois extremos de um continuo. Por um lado, a perspectiva racionalista sugere a existencia do homem economico capaz de tomar decisoes otimas a partir da analise de todas as alternativas possiveis (EISENHARDT; ZBARACKI, 1992). Por outro, a perspectiva naturalista explora o papel da intuicao e o comportamento dos individuos na tomada de decisao em situacees complexas (KLEIN, 1989), sugerindo que a decisao ocorre de forma intuitiva, baseada nas experiencias anteriores em um processo que ocorre de forma rapida e nao consciente.

Entre as diferentes perspectivas sobre o processo decisorio, os estudos baseados nos dois sistemas cognitivos, o intuitivo (sistema 1) e o racional (sistema 2), tem assumido papel relevante na analise de como esse processo ocorre (TVERSKY; KAHNEMAN, 1981; KAHNEMAN, 2003, 2011). Esta e a perspectiva teorica adotada nesta pesquisa.

De acordo com essa abordagem, o Sistema 1 reflete o pensamento rapido, paralelo e automatico, normalmente carregado de um certo nivel de emocao, governado pelos habitos e dificil de ser controlado ou modificado. Ja o Sistema 2 e responsavel pelo pensamento mais lento, serial e controlado, realizado com maior esforco, relativamente flexivel e potencialmente governado por regras (KAHNEMAN, 2002, 2003, 2011). Kahneman (2003, 2011) sugere que ambos os sistemas estao ativos sempre que estamos acordados. O Sistema 1 funciona automaticamente e nao pode ser "desligado", enquanto o Sistema 2 esta normalmente em confortavel modo de pouco esforco, em que apenas uma fracao de sua capacidade esta envolvida. O Sistema 1 gera continuamente sugestees para o Sistema 2: impressees, intuicees, intencees e sentimentos, mas apenas quando o Sistema 2 endossa um impulso do Sistema 1 e que se tornam acees voluntarias.

Estes dois sistemas explicam como os individuos enderecam as atividades de coleta, processamento e avaliacao para a tomada de decisao (ALLINSON; HAYES, 1996; OKOLI; WATT, 2018). Essa abordagem tem sido amplamente aceita tanto pelos psicologos cognitivistas como pelos pesquisadores na area de gestao, por constituir um poderoso ferramental analitico para explicar o processo individual de tomada de decisao (ALLINSON; HAYES, 1996; FRISK; BANNISTER, 2017; OKOLI; WATT, 2018), pois permite considerar tanto os aspectos irracionais e subjetivos quanto os racionais e analiticos envolvidos no processo decisorio.

Nesse sentido, considera-se que o uso de TIMS em processos decisorios em contexto de mobilidade pode afetar o funcionamento tanto do sistema 1 (intuitivo) quanto do sistema 2 (racional). Como exemplo disso, o crescente uso das TIMS no trabalho pode ser percebido como uma das causas da sobrecarga de informacees e, paradoxalmente, como uma das possiveis solucees para gerenciar a pressao deste novo paradigma informacional, estimulando o debate sobre a habilidade dos gestores em tomar decisoes adequadas usando as tecnologias e recursos de informacao disponiveis (BUCHANA; NAICKER, 2014; WAJCMAN, 2014; WANG; CHEN; ZHU, 2018).

No entanto, os estudos academicos sobre o processo de tomada de decisao em contexto de mobilidade ainda sao escassos. As pesquisas localizadas ate o momento sao relacionadas a eficiencia na entrega de informacees por meio dos dispositivos moveis (SHARAF; CHRYSANTHIS, 2002); e a 'como, 'o que, 'por que, e 'onde' as pessoas coletam informacees para a tomada de decisoes no ambiente organizacional, interna e externamente (FRISHAMMAR, 2003). Tambem abordaram a crescente disponibilidade de servicos digitais promovidos pelas TIMS que podem influenciar a forma como os individuos tomam decisoes em grupo (PEREZ; CABRERIZO; HERRERA-VIEDMA, 2011) e o impacto do uso dos dispositivos moveis no comportamento de uso das informacees (BURFORD; PARK, 2014). Jeske, Brigss e Coventry (2016) investigaram a decisao tomada por individuos utilizando as TIMS e a influencia da impulsividade e das distracees neste contexto.

Este artigo busca contribuir com essa literatura enfocando os aspectos paradoxais relacionados ao uso de TIMS na tomada de decisao em nivel individual. Diante disso, a proxima secao avanca para a analise dos paradoxos decorrentes do uso das TIMS (de maneira geral) que foram identificados na revisao da literatura.

3 O USO DAS TIMS E SEUS PARADOXOS

Os paradoxos se caracterizam como elementos contraditorios e ao mesmo tempo inter-relacionados; elementos que, quando isolados, parecem carregar uma logica inequivoca, mas quando surgem simultaneamente denotam um alto nivel de irracionalidade (ROBEY; BOUDREAU, 1999; LEWIS, 2000; ARNOLD, 2003; SMITH; LEWIS, 2011; FALKHEIMER et al., 2016). Perspectivas paradoxais sao investigadas no contexto organizacional com relacao as praticas de comunicacao (FONNER; ROLOFF, 2012), em relacao aos arranjos flexiveis de trabalho (PUTNAM; MYERS; GAILLIARD, 2014) e ao uso dos dispositivos moveis, indicando que a sua utilizacao no ambiente organizacional produz efeitos contraditorios (MICK; FOURNIER, 1998; ARNOLD, 2003; JARVENPAA; LANG, 2005). A tecnologia movel e definida como a mais paradoxal (ARNOLD, 2003; JARVENPAA; LANG, 2005) e a mais intima (DOURISH, 2001; LYYTINEN; YOO, 2002; SORENSEN, 2011) entre as principais tecnologias da informacao, evidenciando um cenario que propee o debate sobre as potenciais transformacees que provoca nos fenomenos organizacionais.

O uso das TIMS permite que os individuos realizem suas atividades mesmo quando estao distantes dos seus locais tradicionais e fixos de trabalho (SACCOL; REINHARD, 2007; SORENSEN, 2011), contando com uma ampla diversidade de recursos para acessar a informacao necessaria em qualquer local e a qualquer hora (LYYTINEN; YOO, 2002; COWIE; BURSTEIN, 2007). Ao mesmo tempo, essa constante conectividade traz efeitos colaterais indesejados, como a dependencia da tecnologia, a "escravidao" permanente da necessidade do individuo se manter conectado e atender a demandas frequentes, muitas vezes fora do seu horario de trabalho, entre outras decorrencias paradoxais (ARNOLD, 2003; MAZMANIAN; SMITH; LEWIS, 2011; ORLIKOWSKI; YATES, 2013), detalhadas no

O Quadro 1 apresenta os paradoxos vivenciados pelos individuos no uso das TIMS com o objetivo de compreender como estas realidades contraditorias podem influenciar o seu comportamento. Enquanto a logica determinista estabelece uma relacao linear de implicacees na direcao de algum proposito, a logica paradoxal sugere uma composicao de implicacees mais complexas e ambiguas do uso das TIMS, como aquelas representadas no Quadro 1. Este estudo explorou esses elementos paradoxais especificamente ligados ao processo de tomada de decisao individual apoiado pelo uso das TIMS em contexto de mobili dade. A secao a seguir explica como este estudo foi conduzido.

4 METODOLOGIA

Esta pesquisa e de natureza qualitativa e exploratoria, buscando ampliar a compreensao do fenomeno pesquisado (MINGERS, 2001; CRESWELL; CLARK, 2011). Foram utilizadas duas tecnicas para a coleta de dados: a primeira, por meio da realizacao de uma sessao de grupo focal com 06 (seis) participantes. O grupo focal foi conduzido de acordo com os procedimentos sugeridos por Oliveira e Freitas (1998) e Babour (2009). A segunda tecnica de coleta de dados empregada foi a entrevista semiestruturada, a qual, conforme Hair et al. (2005), seguiu um roteiro com uma lista de topicos investigados, mas incluiu outras perguntas, permitindo explorar mais as informacees, conforme o andamento da conversa. Foram realizadas, ao todo, 20 (vinte) entrevistas individuais.

A unidade de analise desta pesquisa e composta por gestores de nivel intermediario (executivos, gerentes, coordenadores ou supervisores) que atuam em empresas de diferentes segmentos. Estes gestores, por atuarem como articuladores entre a perspectiva estrategica e a operacional se tornam habeis na compreen sao das ambiguidades vivenciadas nas relacees entre os diferentes atores (internos e externos) atuantes no processo de tomada de decisao (WOOLDRIDGE; SCHMID; FLOYD, 2008).

Os participantes foram selecionados de acordo com alguns criterios: (1) atuam no nivel intermediario das organizacees, (2) utilizam as TIMS constantemente, e (3) realizam parte de suas atividades profissionais distantes dos seus locais tradicionais e fixos de trabalho. A maior parte dos profissionais investigados trabalha em empresas que atuam direta ou indiretamente na area de Tecnologia da Informacao.

O grupo focal teve como objetivo estabelecer um debate entre gestores para explorar a tematica do processo de tomada de decisao no contexto da mobilidade. Foram selecionados 06 (seis) participantes, e foi elaborado, para orientar o debate, um roteiro semiestruturado abordando os seguintes aspectos: experiencia de uso de TIMS, influencia das TIMS nas atividades profissionais, influencia das TIMS no processo de tomada de decisao, beneficios e limitacees percebidos para a tomada de decisao. A organizacao do grupo focal teve como objetivo estabelecer um debate entre os gestores participantes. Informacees adicionais sobre criterios adotados para o planejamento e organizacao da sessao de grupo focal sao apresentados no Quadro 2.

Para as entrevistas, 20 (vinte) gestores foram convidados e um roteiro semiestruturado foi elaborado, contemplando: caracterizacao dos entrevistados, formas de uso e experiencia com uso das TIMS, caracteristicas e percepcees sobre o processo decisorio com o uso das TIMS, analise de um caso real de tomada de decisao (beneficios, limitacees, caracteristicas). Alem disso, houve uma discussao aberta a partir de questees especificas abordadas pelos entrevistados.

A idade media dos participantes do grupo focal foi de 43,2 anos e dos entrevistados foi de 39,2 anos. Todos os participantes dessas etapas sao do genero masculino e os nomes foram substituidos por uma identificacao padrao para manter o anonimato (ver Quadro 3). As entrevistas tambem foram gravadas e transcritas na integra para posterior analise.

Utilizou-se a tecnica de analise de conteudo para o tratamento dos dados, realizando-se etapas de pre-analise (organizacao do material, leitura flutuante das transcricees), exploracao do material (releitura das transcricees, definicao dos indicadores, categorizacao) e tratamento dos resultados (analise das categorias, inferencias, analise reflexiva) (BARDIN, 2006). Os dados gerados pelas entrevistas e o grupo focal foram transcritos integralmente utilizando-se o software NVivo como ferramenta de apoio. A codificacao dos dados qualitativos utilizou como base categorias pre-definidas (SALDANA, 2015), sendo elas os paradoxos relacionados ao uso de TIMS previamente identificados na literatura: Movel-Fixo; Livre-Controlado; Independente-Codependente; Proximo-Distante; Ocupado-Disponivel; Publico-Privado; Producao-Consumo; Planejamento-Improvisacao; Competencia-Incompetencia; Engajamento-Desengajamento (MICK; FOURNIER; 1998; ARNOLD, 2003; JARVENPAA; LANG, 2005; SORENSEN, 2011). Alem disso, outros elementos e paradoxos que foram encontrados e que nao se enquadraram nessas categorias foram codificados em novas categorias emergentes via codificacao aberta (SALDANA, 2015), evidenciando novas caracteristicas e paradoxos vivenciados pelo uso das TIMS no processo de tomada de decisao, como sera demonstrado na proxima secao (apresentacao de resultados).

5 PARADOXOS DE USO DAS TIMS NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISAO

O foco da analise nesta secao esta nos aspectos paradoxais relacionados ao seu uso de TIMS no processo de tomada de decisao individual. De uma forma geral foram evidenciados alguns dos paradoxos destacados na revisao da literatura (com relacao ao uso de TIMS de maneira mais ampla). No entanto, a partir da analise dos dados identificam-se algumas caracteristicas associadas ao processo de tomada de decisao que podem estimular novas pesquisas, conforme sera discutido a seguir.

5.1 Ocupado e Disponivel

Arnold (2003) associa esse paradoxo com os fluxos de informacao, sugerindo que o status de disponivel somente pode ser observado nos contextos em que o status de ocupado e tambem relevante. A disponibilidade e, portanto, percebida como um canal aberto para iniciar um fluxo de informacao ou de decisao, ainda que o individuo nem sempre esteja efetivamente disponivel para iniciar uma nova interacao.

Ainda que a disponibilidade seja reconhecida como um dos beneficios percebidos pelo uso das TIMS, algumas implicacees negativas foram destacadas pelos sujeitos de pesquisa. A primeira relaciona a disponibilidade como um gatilho que dispara fluxos de decisoes que, eventualmente, nao precisariam ser tomadas no momento em que sao demandadas:

"Agora, o outro cara que ta ansioso para receber a tua resposta e te cobra e tu respondeu porque tu queria te livrar disso, tu nao queria responder naquela hora, talvez tu estivesse mais preparado para responder na frente dele quando voltasse para o teu posto de trabalho" (E6).

Um segundo aspecto esta associado ao envolvimento dos gestores em fluxos de informacees e decisoes que nao exigiriam necessariamente a sua participacao:

"Entao, quer dizer, ele acabou conseguindo resolver, eu nao precisaria ter me envolvido para ser resolvido, mas ele procurou pela questao da disponibilidade. Isso traz alguns problemas. Estar disponivel demais te trazer um assedio demais" (E15).

"Porque no momento em que tu interage muito com alguem, com algum profissional da tua equipe, a tendencia e que seja ainda mais acionado, fora destes horarios padrees, os horarios comerciais. Por que? Geralmente e porque e o horario que tu tens mais disponibilidade" (E20).

As implicacees sao diversas, provocando um excesso de informacees e de fluxos que os individuos precisam atender, aumentando a demanda por interacees e decisoes (algumas desnecessarias) e criando potencialmente mais espaco para interrupcees.

"As interrupcees me atrapalham muito. Sem duvida nenhuma, tu ta fazendo uma atividade e e interrompido diversas vezes [...] Agora, o que eu acho que prejudica e a capacidade de dispersao do individuo, isso eu acho ruim. O potencial para dispersao e uma coisa fantastica, eu diria que e o grande impacto negativo" (E4).

Pesquisas que buscam compreender as implicacees das interrupcees nos espacos de trabalho (BAETHGE; RIGOTTI, 2013; WAJCMAN, 2014) frequentemente evidenciam a reducao de foco, perda de concentracao, implicacees negativas no desempenho e superficialidade da acao dos individuos nas atividades que ocorrem no "aqui e agora". Percebe-se, assim, que a disponibilidade foi associada: a agilidade nos fluxos de decisao e ao mesmo tempo ao envolvimento em fluxos decisorios sem necessidade; as decisoes em momentos inadequados; e a dispersao constante acelerada pelo uso das TIMS.

5.2 Planejamento e Improvisacao

O argumento de Jarvenpaa e Lang (2005) construido sobre esse paradoxo define as TIMS como ferramentas efetivas para: o planejamento, a otimizacao e a melhor coordenacao das atividades pessoais e profissionais. Os individuos podem preparar a sua agenda de atividades e refina-la ao longo do tempo, independente de tempo e de espaco, envolvendo todas as partes relacionadas em um planejamento fluido que busca a reducao da ineficiencia associada ao tempo.

No entanto, o efeito paradoxal surge com a mesma frequencia e o individuo se ve em meio e contexto onde o improviso e o fluxo descoordenado de acees dividem o espaco com a intencao planejada. Em casos extremos, segundo Jarvenpaa e Lang (2005), o individuo simplesmente nao tem mais condicees de planejar antecipadamente, deixando que o acaso e o improviso, ambos frutos de interacees online instantaneas, coordenem suas atividades a medida que as demandas organizacionais surgem. Improvisacao em excesso pode provocar desorganizacao. Embora os recursos de tecnologia movel tenham sido criados para instrumentalizar o controle, eles tem um potencial para contribuir para a criacao de um caos pessoal e organizacional se utilizados inadequadamente (MICK; FOURNIER, 1998; JARVENPAA; LANG, 2005).

Identificou-se, nos dados coletados, uma capacidade dos decisores de utilizar os recursos provenien tes das TIMS para organizar e planejar o seu trabalho, facilitando a priorizacao das atividades. No entanto, o uso das TIMS tambem pode reduzir a capacidade do individuo de avaliar o grau de importancia de uma decisao em relacao as outras, o que pode levar a decisoes de menor qualidade, e algumas vezes ao improviso:

"Tudo ficou muito urgente e as coisas importantes e urgentes vao se misturando no meio do caminho e as coisas banais sao tratadas junto com as coisas importantes e com as urgentes, ali a qualidade como um todo, acho que ela piora" (E16).

"Esse e um grande problema, tu nao sabe o que e mais relevante, tu nao prioriza, tu vai dar vazao, tu vai tocando" (E19).

Percebeu-se que muitas situacees de decisao diferentes assumem um mesmo nivel de importancia e que se torna dificil extrair a essencia das informacees pertinentes para o processo decisorio, contribuindo para tornar esse processo mais complexo:

"Que e a banalizacao da decisao. A gente coloca: "cara, vamos fazer um churrasco no proximo final de semana?", que nao e nem importante nem urgente, com: "Preciso conversar contigo porque temos um grande projeto para o proximo mes." [...] Entao a gente banaliza, mistura tudo num mesmo canal e as coisas passam a ter a mesma importancia" (E16).

Dados como esse, coletados nas entrevistas e no grupo de foco, indicaram que as TIMS permitem a priorizacao de fluxos de informacao e de decisao na medida em que possibilitam o planejamento dos individuos, mas, ao mesmo tempo, promovem a sobreposicao de fluxos de informacao e de decisao, caracterizando um contexto que estimula a improvisacao mais do que o planejamento.

5.3 Engajamento e Desengajamento

A adocao das TIMS pode promover uma mudanca no fluxo de atividades do individuo, pelo seu engajamento e desengajamento em diferentes interacees, tanto online como offline (ARNOLD, 2003; JARVENPAA; LANG, 2005). Os multiplos canais de interacao que as tecnologias moveis oferecem, tanto para iniciar como para responder a uma demanda, estimulam o engajamento dos individuos com outras interacees em meio as atividades "em primeiro plano". Para se engajar em uma nova interacao, muitas vezes o individuo se desengaja de outra (JARVENPAA; LANG, 2005). Por exemplo, ele interrompe uma conversa com um colega de trabalho para atender uma ligacao em seu telefone celular, ou interrompe a leitura de um relatorio para responder a um sinal de e-mail novo na caixa postal do smartphone.

Quando a atividade em primeiro plano esta associada a algum processo de tomada de decisao, a reducao do foco pode ter implicacees na forma como o individuo consome e produz informacees, e consequentemente pode influenciar a qualidade final da decisao. Aspectos como a superficialidade e uma menor atencao na analise das informacees foram capturados nas entrevistas.

"Mas eu tenho um habito, cara, sobrou um tempinho eu estou fazendo entre uma coisa e outra, ja clico ali e estou respondendo ... as vezes estou falando com alguem em uma conferencia e estou respondendo duas ou tres coisas. (E15).

"E o ser humano tem esse negocio tambem, do foco e das possibilidades, entao muitas vezes por ver esse cenario todo, a pessoa esta pensando em varias outras coisas que a nao a de foco. Eu acho que com isso aqui (smartphone), hoje eu sou mais superficial. Eu analiso menos. Talvez ele me ajude a reforcar uma caracteristica minha que e ansiedade". (E19).

Verificou-se que os individuos se engajam e desengajam-se na medida em que a mobilizacao das interacees lhes permite navegar por diferentes contextos ao mesmo tempo, e uma das implicacees disso no processo de tomada de decisao e a superficialidade de acao e de determinadas analises na tomada de decisao.

5.4 Competencia e Incompetencia

Na literatura esse paradoxo aparece associado ao desenvolvimento de novas competencias a partir do uso das tecnologias moveis ao mesmo tempo em que implica em uma experiencia associada a incompetencia do individuo para lidar com o aumento da complexidade no trabalho e nas interacees (MICK; FOURNIER, 1998; JARVENPAA; LANG, 2005).

Percebeu-se uma associacao da percepcao de competencia com a necessidade de manter a constante conexao e de responder rapidamente as demandas de trabalho. A maior parte dos pesquisados ressaltou que o uso das TIMS aumenta a agilidade no seu trabalho, o que gera, de um lado, a percepcao de aumento da competencia:

"Isso facilita na hora que tu precisa tomar uma decisao em um projeto quando acontece um problema ou tem uma divergencia, eu acho que ela te da agilidade. Independentemente de onde tu estejas tu consegue tomar uma decisao rapida por ali, envolver quatro ou cinco pessoas, compartilhar a informacao e tomar a decisao. (E15)"

"Tem o lado bom, que e a agilidade das informacees, a velocidade das decisoes e muito rapida [...] Entao acho que voce da uma resposta mais rapida, e com isso na pratica a gente consegue atender um numero maior de clientes do que atendia antes desta tecnologia movel (E10)"

Ao mesmo tempo em que o individuo utiliza as TIMS para aumentar a agilidade dos processos organizacionais e de tomada de decisao, esse aumento da velocidade pode implicar em um onus: estar sempre conectado e ter que responder rapidamente a todas as demandas, o que gera uma percepcao de incompetencia, especialmente quando associada a sua reputacao como gestor:

"Por outro lado pra quem nao convive no teu dia a dia, tu passas a impressao de menor eficiencia, entao nao estar conectado e sinonimo de ineficiencia pra quem tem que tomar decisao" (E16).

"Sobre e-mails, eu mesmo perdi o controle e eu arrasto e-mails aos quilos, porque eles vao vencendo, ai tudo bem se o cara ligar eu vejo, senao ... e eu parei de me preocupar se eu vou queimar o filme ou nao" (E1).

Assim, ao mesmo tempo em que as TIMS podem ampliar a percepcao de competencia, elas podem estimular a percepcao de incompetencia nos individuos, cujo onus pode ser descrito a partir de duas perspectivas: [1] a reputacao de incompetencia que pode ser atribuida se o gestor nao conseguir manter o fluxo de informacees e de decisoes no ritmo imposto pelo seu contexto social e profissional de atuacao; e [2] pela pressao gerada para recuperar o tempo perdido, fazendo com que o gestor tenha que acelerar ainda mais a sua atividade para conseguir atender as diversas demandas:

"A partir do momento em que eu frequento certo meio empresarial, por exemplo, eu tenho o compromisso social daquele meio de estar 100% conectado. Nao responder um e-mail, nao tomar uma acao dentro de um periodo pre estimado te coloca a perspectiva de ser incompetente ou de ser ineficiente na tua funcao" (E16).

"O grupo de trabalho entende porque conhece a tua realidade de trabalho de estar temporariamente desconectado. Quem esta fora nao entende e nao assume isso. Entao isso e um onus teu. Nao estar conectado e um onus de quem nao esta conectado (E16).

A competencia e a incompetencia sao descritas como atributos que podem ser associados ao tomador de decisao de acordo com sua atuacao diante dos constantes e rapidos fluxos de informacao e de decisao, e a forma como as TIMS sao utilizadas pode contribuir para determinar se as implicacees serao positivas ou negativas para o individuo e para a decisao. A pressao de tempo e "competencia" pode induzir a erros, como evidenciam as entrevistas:

"Dentro da logica do processo decisorio e uma pressao constante, contra o individuo [...] Esse excesso de conexao encurta os tempos tanto que se torna caro para o individuo, muito caro para o individuo (E16)"

"Hoje a expectativa e que essa decisao se de dentro do dia ou quem sabe dentro do turno, porque eu mandei um e-mail ou um Whatsapp, ele vai me responder imediatamente (E17)"

Estes trechos revelam que a pressao por competencia e respostas rapidas dos decisores tem um potencial efeito negativo no processo decisorio, aumentando a exposicao do individuo ao erro e exigindo deles a manutencao desse ritmo acelerado para atender a uma expectativa construida pelas relacees sociais observadas no contexto de mobilidade.

6 NOVOS PARADOXOS

A pesquisa empirica tambem permitiu a identificacao de novos paradoxos que emergiram da analise dos dados qualitativos, caracterizados a seguir.

6.1 Pessoal e Profissional

A dificuldade em separar as dimensees pessoal e profissional foi um dos elementos com o maior numero de manifestacees dos sujeitos de pesquisa.

Verificou-se cada vez mais tenue a divisao entre o espaco de trabalho e espaco de nao trabalho, sugerindo algumas implicacees negativas na dimensao pessoal.

"Eu cheguei a um ponto que eu tomei a decisao de nao lutar contra isso, entao hoje eu acabo misturando muito o meu lado pessoal com o meu lado profissional, muito mesmo..." (E15).

"Porque a partir do momento que tu comeca a utilizar os recursos e tu comeca a ate mesmo impor que as pessoas do teu meio utilizem, tu comeca a ligar uma "flagzinha" de trabalho 24 horas x 7 dias na semana para todo mundo" (E16).

Em relacao as implicacees desse transbordamento de fronteiras entre o tempo pessoal e profissional para a tomada de decisao, verificou-se que ha uma preocupacao dos gestores em manter um monitoramento constante das atividades (mesmo durante os tempos de descanso) e interagir, principalmente, em situacees decisorias que denotam um carater de urgencia.

"Normalmente a noite eu dou uma olhadinha para ver como andam as coisas, se algo realmente muito critico eu respondo, se nao tem eu fico mais tranquilo" (E4).

"Eu tenho o habito sempre de antes de dormir eu dou uma passada para ver se tem alguma coisa urgente, nao respondo coisas que nao sao urgentes," (E20).

O espaco chamado de "escritorio" deixou de ser o elemento que antes dividia a atuacao do individuo entre trabalho e nao-trabalho. A medida que as barreiras foram sendo reduzidas, a responsabilidade do gestor passou a acompanhar o individuo em qualquer lugar.

6.2 Mais Colaboracao Digital e Menos Face a Face

De acordo com os entrevistados, paradoxalmente ha mais colaboracao (por meios digitais) ainda que os encontros face a face (normalmente reservados para atividades colaborativas) tenham diminuido. E considerado um paradoxo, pois usualmente se supee que a colaboracao precisa do encontro face a face para ocorrer, no entanto ficou claro que ela e possivel e tende a aumentar via o uso de TIMS, pela constante conectividade dos individuos:

"Entao assim, se tu olhar meu Whatsapp eu tenho muitos grupos criados, eu crio grupos para projetos. Tem um projeto acontecendo, entao criamos um grupo, a gente toma decisoes sobre o que precisa ser feito, decisoes rapidas ..." (E15).

"Agora, eu nao tenho duvida de que isso aqui veio para trazer alta produtividade, alta conexao ... cara, todos os dias alguem conecta com alguem de fora do pais, conversa com os caras" (E19).

Paradoxalmente, a mesma TIMS que estimula a colaboracao em meio digital entre os individuos e, com isso, contribui para aumento do acesso e alcance das informacees obtidas de forma colaborativa, e tambem associada a reducao da qualidade desta informacao compartilhada a distancia. Isso ocorre pelo processo de simplificacao e pela incapacidade de se transmitir a essencia da informacao em meio digital, que muitas vezes esta no contexto e na subjetividade que surge em um processo de interacao face a face. Com isso, emergiu dos dados a metafora da "informacao desidratada":

"Especialmente nos dispositivos moveis a tendencia e que tu seja breve, objetivo. Tu nao vai conseguir expressar o teu sentimento. Essa parte da comunicacao a mobilidade te corta um pouco." (E6).

"Entao essa abstracao, essa representacao, essa modelagem da realidade que nos conseguimos transportar pra dentro dos sistemas, ela basicamente e como tu congelar a carne e quando tu descongela ela, o "suco" que estava dentro da celula se foi, esta naquela agua ali que foi posta fora, a carne ficou sem sabor, a informacao ela esta desidratada, nos tomamos decisoes sobre uma informacao desidratada" (E17).

"A comunicacao em si presencial ou a interacao que acaba tendo em uma reuniao presencial, tu acaba transmitindo outras formas de comunicacao, se tu ta bem ou nao, se tu ta preocupado ou nao ... as vezes no texto tu nao tem essa capacidade de transmitir essas coisas todas" (E15).

Observa-se aqui a paradoxalidade que a tecnologia movel oferece. Enquanto o individuo tem o potencial para interagir de forma mais intensa (ou frequente) com diferentes contextos e atores por meio digital, aumentando a capacidade de colaboracao e acesso as informacees, ele tem potencialmente uma restricao maior nos recursos que pode utilizar para transmitir uma informacao de maior qualidade, pela limitacao que aparentemente se observa para a producao e consumo de informacees com o uso das TIMS.

6.3 Decisoes mais Ageis e Decisoes com Maior Exposicao ao Erro

Os individuos reconhecem que as TIMS impeem um encurtamento entre os espacos de tempo e promove efeitos positivos e negativos para os processos de tomada de decisao.

A pressao de tempo provocado pela adocao das TIMS tem um potencial efeito negativo no processo decisorio, aumentando a exposicao do individuo ao erro e exigindo dele a manutencao de um ritmo acelerado para atender as demandas das suas relacoes sociais:

"Outra coisa ruim e que essa velocidade de informacao de resposta e de pressao, aumenta a tua chance de cometer erros, porque na pressa voce erra mais [...] porque e mais pressionado no tempo para tomar decisoes" (E10).

Paradoxalmente, como ja foi comentada anteriormente, essa reducao do tempo no processo decisorio tambem e visto como forma de trazer maior agilidade e aumento na produtividade do decisor.

"Isso facilita na hora que tu precisa tomar uma decisao em um projeto, quando acontece um problema ou tem uma divergencia, eu acho que ela te da agilidade. Independente de onde tu estejas tu consegue tomar uma decisao rapida por ali, envolver 4 ou 5 pessoas, compartilhar a informacao e tomar a decisao" (E15).

Essa agilidade e atribuida pelos entrevistados a migracao de um modo de comunicacao passivo e mais demorado (e-mail, por exemplo) para um modo de comunicacao ativo e rapido (ferramentas de comunicacao instantaneas, por exemplo).

"Tanto que se voce observar as novas geracees, a geracao Z principalmente, a molecada que esta chegando, eles nao usam mais e-mail, eles se comunicam de forma on-line, com WhatsApp e esse tipo de coisa" (E2).

"E isso tudo acabou ficando cada vez mais instantaneo. Depois veio o e-mail, agora o WhatsApp, e a tecnologia muda a forma como a gente se comunica" (E6)

"Uma ferramenta que eu tenho utilizado muito e o WhatsApp" (E15)

Parece haver um consenso de que os recursos das TIMS oferecem mais beneficios em situacees em que a decisao e menos complexa, quando nao ha necessidade de manipulacao (producao ou consumo) de muitas informacees e quando o contexto e menos ambiguo. O argumento dos participantes sugere que o uso das TIMS estimula uma comunicacao digital cada vez mais sucinta, rapida, objetiva e superficial, que pode nao ser adequada para decisoes em que o nivel de ambiguidade e volume de informacees a serem manipuladas e maior:

"Vou te dizer que qualquer decisao que envolva anexo eu nao uso o celular, e muito raro" (E13).

"Quando tu precisa ler muitas informacees e fazer consultas a multiplas bases de dados eu tenho conviccao de que ele [smartphone] nao e a ferramenta mais adequada para isso. [...]" (E15).

Essa dificuldade e percebida pela restricao de recursos que podem ser utilizados para a transmissao de uma informacao mais elaborada, gerando nos decisores um grau de desconforto para atividades de producao e consumo de informacao que possam subsidiar decisoes mais complexas:

"Tem, digamos assim, uma fronteira entre a possibilidade de usar o notebook e usar so o smartphone, porque as ferramentas de producao individual, Excel e Word, elas realmente ainda sao inconvenientes no contexto do smartphone, a telinha e muito pequena." (E17).

Esta percepcao dos gestores vai ao encontro das contribuicees de Simon (1955) e Shim (2000) quanto as diferencas de contextos para decisoes complexas e menos complexas. Uma decisao mais complexa apresenta um contexto com um grau maior de ambiguidade, e em geral sao carregadas de uma maior subjetividade. Em contrapartida, as decisoes menos complexas apresentam um contexto menos ambiguo, com informacees mais estruturadas e objetivas.

"Quando e uma decisao mais rapida, dar um OK, uma informacao mais simples 'Faz isso ai mesmo. Vai por ali' e ai ja sai da tua caixa de entrada, o smartphone ajuda muito" (E8).

"Eu respondo quando e uma informacao rapida e breve. Quando e uma tomada de decisao simples e quando nao implica uma consulta de outras pessoas ou documentos, quando nao precisa ser algo elaborado." (E20).

Verificou-se que ha uma relacao entre o potencial de contribuicao ou de restricao pelo uso das TIMS e grau de complexidade da decisao. Nas decisoes menos complexa as TIMS evidenciam um potencial maior de contribuicao do que de restricao, efeito inverso que se observa em decisoes mais complexas, como e representado na Figura 1. A sobreposicao no diagrama evidencia um ponto em que as contribuicees e restricees parecem exercer um nivel semelhante de influencia no processo de tomada de decisao. Esse ponto e definido como "zona de risco", e caracteriza de uma situacao em que o nivel de ambiguidade ainda e relativamente elevado e o potencial das TIMS se confunde entre as contribuicees e restricees.

Em suma, as evidencias empiricas indicam que o uso das TIMS proporciona vivencias paradoxais tambem nos processos de tomada de decisao, conforme relatado pelos individuos durante a investigacao dessa pesquisa e consolidadas na proxima secao.

7 OS PARADOXOS E A TOMADA DE DECISAO: UMA NOVA CONSOLIDACAO

Esta pesquisa evidenciou os paradoxos reconhecidos pela literatura sobre uso de TIMS e que tambem estao relacionados ao processo de tomada de decisao, bem como, identificaram-se novas perspectivas paradoxais de uso das TIMS, relacionadas ao processo decisorio; elas sao sintetizadas no Quadro 4.

Observou-se que a comunicacao instantanea e movel vem se caracterizando como um novo paradigma nas organizacees, cuja forma mais objetiva e ao mesmo tempo mais superficial pode influenciar na qualidade da informacao que suporta a tomada de decisao. Os dados da pesquisa evidenciam que a percepcao de qualidade da informacao para a tomada de decisao esta associada a perspectiva da contextualizacao, que reflete aspectos como valor agregado, relevancia, completude e quantidade de informacees, e tambem com a perspectiva da acessibilidade, identificada principalmente em relacao ao manuseio, combinacao e producao de informacees (WANG; STRONG, 1996; LEE et al., 2002).

Evidenciou-se a caracteristica ubiqua do proprio processo decisorio, que agora ultrapassa as barreiras de tempo e de espaco que, antes da difusao massiva das TIMS, eram mais bem definidas. Alem disso, verificou-se que o tempo para reflexao se reduziu, podendo expor o individuo ao erro e comprometer a qualidade da decisao. Um dos principais resultados da pesquisa aponta para o fato de que o uso de TIMS e mais adequado para o apoio a decisoes estruturadas e pouco complexas, como pode ser verificado na Figura 2.

Compreende-se que uma decisao mais complexa e a que apresenta em seu contexto um grau maior de ambiguidade, com informacees menos estruturadas, com a necessidade maior de manipulacao (producao e consumo) de informacees, e em geral sao carregadas de uma subjetividade maior. Em contrapartida, as decisoes menos complexas apresentam um contexto mais definido, menos ambiguo, com informacees mais estruturadas, mais objetivas e com um nivel de detalhes maior (SIMON, 1955; SHIM, 2000). Observa-se que em situacees de decisao menos complexa as contribuicees sao mais evidenciadas do que as restricees, e nas situacees em que a decisao e mais complexa as restricees sao evidenciadas em relacao as contribuicees. Este conjunto de percepcees sobre o processo de tomada de decisao contribui para ampliar a compreensao sobre os paradoxos vivenciados pelo uso das TIMS em contextos de mobilidade empresarial.

8 CONSIDERACOES FINAIS

Este artigo procurou contribuir teoricamente identificando paradoxos vivenciados pelo uso das TIMS, especificamente no processo de tomada de decisao no contexto de mobilidade empresarial. Foi possivel evidenciar alguns dos paradoxos de uso das TIMS (de maneira geral) ja reconhecidos pela literatura e que se manifestam tambem no processo decisorio individual em contextos de mobilidade, como: Ocupado e Disponivel, Planejamento e Improvisacao, Engajamento e Desengajamento, Competencia e Incompetencia. Alem disso, novos paradoxos foram identificados, os quais caracterizam situacees vivenciadas pelos individuos quando as decisoes precisam ser tomadas distantes dos seus locais tradicionais e fixos de trabalho, apoiadas pelo uso das TIMS: Pessoal e Profissional, Maior Colaboracao e Menos Face a Face, Decisees mais Ageis e Decisees com Maior Exposicao ao Erro.

Quanto as contribuicees para a pratica, compreender as caracteristicas paradoxais possibilita aos gestores e trabalhadores moveis explorar e fortalecer os aspectos em que a mobilidade pode contribuir favoravelmente para o processo de tomada de decisao. Podem-se estimular novos habitos em relacao ao uso dos dispositivos moveis, como: evitar as so breposicees e interrupcees que geram novos fluxos de atividades; explorar as comunicacees face a face sempre que possivel; procurar preservar a divisao entre o tempo pessoal e o tempo profissional, e procurar desenvolver o foco na acao em primeiro plano.

A pesquisa apresenta limites metodologicos que precisam ser considerados, tais como: o fato de que todos os participantes sao do genero masculino e que a maioria atua direta ou indiretamente na area de Tecnologia da Informacao; da mesma forma, o foco do estudo recaiu sobre um nivel hierarquico especifico (gestores de nivel intermediario).

Para avancar na compreensao do tema proposto nesta pesquisa, sugere-se que estudos futuros possam explorar as novas perspectivas paradoxais aqui identificadas, para verificar empiricamente a validade destas proposicees em outros contextos e com outros perfis de profissionais, de outras areas e com experiencias distintas. Alem disso, ao buscar a compreensao dos paradoxos vivenciados pelos individuos, essa pesquisa identificou um conjunto de elementos que caracterizam os processos de tomada de decisao que ocorrem em contextos de mobilidade, sugerindo-se, portanto, que novos estudos empiricos ampliem essa analise e busquem confirmar estas caracteristicas, ou identificar outras, analisando suas especificidades.

DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8077.2018V20n50p147

Recebido em: 05/05/2017

Revisado em: 10/12/2017

Aceito em: 15/01/2018

REFERENCIAS

ALLINSON, C. W.; HAYES, J. The Cognitive Style Index: A Measure of Intuition-Analysis for Organizational Research. Journal of Management Studies, v. 33, n. 1, pp. 119-135, 1996.

ARNOLD, M. On the phenomenology of technology: the "Janus-faces" of mobile phones. Information and Organization, v. 13, n. 4, p. 231-256, out. 2003.

BABOUR, R. Grupos Focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BAETHGE, A.; RIGOTTI, T. Interruptions to workflow: Their relationship with irritation and satisfaction with performance, and the mediating roles of time pressure and mental demands. Work & Stress, v. 27, n. 1, p. 43-63, jan. 2013.

BARDIN, L. Analise de Conteudo. Lisboa: Edicees 70, 2006.

BENTO, N. Calling for change ? Innovation, diffusion, and the energy impacts of global mobile telephony. Energy Research & Social Science, v. 21,p. 84-100, 2016.

BUCHANA, Y.; NAICKER, V. The Effect Of Mobile BI On Organisational Managerial Decision-Making. The Journal of Applied Business Research, v. 30, n. 4, pp. 1003-1018, 2014.

BURFORD, S.; PARK, S. The impact of mobile tablet devices on human information behaviour. Journal of Documentation, v. 70, n. 4, p. 622-639, 2014.

COUSINS, K.; ROBEY, D. Managing work-life boundaries with mobile technologies An interpretive study of mobile work practices. Information Technology & People, v. 28, n. 1, p. 34-71, 2015.

COWIE, J.; BURSTEIN, F. Quality of data model for supporting mobile decision making. Decision Support Systems, v. 43, n. 4, p. 1675-1683, ago. 2007.

CRESWELL, J. W.; CLARK, V. L. P. Designing and Conducting Mixed Methods Research. 2nd Editio ed. London: SAGE Publications Ltd, 2011.

DERKS, D. et al. Smartphone use and work--home interference : The moderating role of social norms and employee work engagement. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 88, p. 155-177, 2015.

DERKS, D.; BAKKER, A. B. Smartphone Use, Work --Home Interference , and Burnout: A Diary Study on the Role of Recovery. Applied Psychology: An International Review, v. 63, n. 3, p. 411-440, 2014.

DOURISH, P. Where the Action Is: The Foundations of Embodied Interaction Paul Dourish, 2001.

EISENHARDT, K. M.; ZBARACKI, M. J. Strategic Decision Making. Strategic Management Journal, v. 13, p. 17-37, 1992.

ERANOVA, M.; PRASHANTHAM, S. Decision making and paradox: Why study China ? European Management Journal, v. 34, n. 3, p. 193-201, 2016.

FALKHEIMER, J. et al. Doing the right things or doing things right? Paradoxes and Swedish communication. Corporate Communications: An International Journal, v. 21, n. 2, p. 142-159, 2016.

FONNER, K. L.; ROLOFF, M. E. Testing the connectivity paradox: Linking teleworkers' communication media use to social presence, stress from interruptions, and organizational identification. Communications Monographs, v. 79, p. 205-231, 2012.

FRISHAMMAR, J. Information use in strategic decision making. Management Decision, v. 41, n. 4, p. 318-326, 2003.

FRISK, J. E.; BANNISTER, F. Improving the use of analytics and big data by changing the decision-making culture. Management Decision, vol 55, n.10, pp. 2074-2088, 2017.

GONTIJO, A. C.; MAIA, C. S. C. Tomada de decisao, do modelo racional ao comportamental: uma sintese teorica. Caderno de Pesquisas em Administracao, v. 11, n. 4, p. 13-30, 2004.

HAIR JR., J.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de Metodos de Pesquisa em Administracao. 1a. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

JARVENPAA, S. L.; LANG, K. R. Managing the Paradoxes of Mobile Technology. Ubiquitous Computing, Fall, p. 7-23, 2005.

JARVENPAA, S. L.; LANG, K. R.; TUUNAINEN, V. K. Friend or for? The ambivalent relationship between mobile technology and its users (Sorensen, C and Yoo, Y and Lyytinen, K and DeGross, JI, Ed.) Designing Ubiquitous Information Environments: Socio-Technical Issues and Challenges. Anais...: INTERNATIONAL FEDERATION FOR INFORMATION PROCESSING.233 SPRING STREET, NEW YORK, NY 10013, UNITED STATES: SPRINGER, 2005

JESKE, D.; BRIGSS, P.; COVENTRY, L. Exploring the relationship between impulsivity and decision-making on mobile devices. Personal and Ubiquitous Computing, v. 20. n. 4, p. 545-557, 2016.

KAHNEMAN, D. Maps of Bouded Rationality: A Perspective on Intuitive Judgment and Choice, 2002.

KAHNEMAN, D. A Psychological Perspective on Economics. The American Economic Review, v. 93, n. 2, p. 162-168, maio 2003.

KAHNEMAN, D. Thinking, Fast and Slow. 1st Editio ed. New York: [s.n.], 2011.

KAHNEMAN, D.; KLEIN, G. Conditions for intuitive expertise: a failure to disagree. The American psychologist, v. 64, n. 6, p. 515-26, set. 2009.

KAHNEMAN, D. A perspective on judgment and choice: mapping bounded rationality. The American Psychologist, v. 58, n. 9, p. 697-720, set. 2003.

KIM, Y.; CHEN, H.; WANG, Y. Living in the Smartphone Age: Examining the Conditional Indirect Effects of Mobile Phone Use on Political Participation. Journal of Broadcasting & Electronic Media, v. 60, n. 4, p. 694-713, 2016.

KLEIN, G. Strategies Decision Making. Military Review, v. 64, n. 5, p. 56-64, 1989.

KLEIN, G. Sources of power: how people make decisions. FIrst ed. Massachusetts: MIT Press, 1999.

LAL, B.; DWIVEDI, Y. K. Investigating homeworkers' inclination to remain connected to work at "anytime, anywhere" via mobile phones. Journal of Enterprise Information Management, v. 23, n. 6, p.759-774,2010.

LEE, Y. W. et al. AIMQ: a methodology for information quality assessment. Information & Management, v. 40, p. 133-146, 2002.

LEWIS, M. W. Paradox: Toward a more comprehensive guida. Academy of Management Review, v. 25, n. 4, p. 760-776, 2000.

LYYTINEN, K.; YOO, Y. Research Commentary: The Next Wave of Nomadic Computing. Information Systems Research, v. 13, n. 4, p. 377-388, 2002.

MAZMANIAN, M.; ORLIKOWSKI, W J.; YATES, J. The Autonomy Paradox: The Implications of Mobile Email Devices for Knowledge Professionals. Organization Science, v. 24, n. 5, p. 1337-1357, 2013.

MICK, D. G.; FOURNIER, S. Paradoxes of Technology: Consumer Cognizance , Emotions , and Coping. Journal of Consumer Research, v. 25, n. September, p. 123-143, 1998.

MINGERS, J. Combining IS Research Methods : Towards a Pluralist Methodology. Information Systems Research, v. 12, n. 3, p. 240-259, 2001.

MINTZBERG, H.; RAISINGHANI, D.; THEORET, A. The structure of "unstructured" decision processes. Administrative Science Quarterly, v. 21, n. 2, p.246-275,1976.

OKOLI, J.; WATT, J. Crisis decision-making: the overlap between intuitive and analytical strategies. Management Decision, v. 56, n. 5, pp. 1122-1134, 2018.

OLIVEIRA, M. ; FREITAS, H. M. R. . Focus Group, Pesquisa Qualitativa: Resgatando a Teoria, Instrumentalizando o seu Planejamento. RAUSP, v. 33, n. 3, p. 83-91, 1998.

PEREZ, I. J.; CABRERIZO, F. J.; HERRERAVIEDMA, E. A Mobile Gropu Decision Making Model for Heterogeneous Information and Changeable Decision Contexts. International Journal of Uncertainty, Fuzziness and KnowledgeBased Systems, v. 19, n. 1, p. 33-52, 2011.

PUTNAM, L. L.; MYERS, K. K.; GAILLIARD, B. M. Examining the tensions in workplace flexibility and exploring options for new directions. Human Relations, v. 67, p. 413-440, 2014.

ROBEY, D.; BOUDREAU, M.-C. Accounting for the Contradictory Organizational Consequences of Information Technology: Theoretical Directions and Methodological Implications. Information System Research, v. 10, n. 2, p. 167-185, 1999.

SACCOL, A. Z.; REINHARD, N. Tecnologias de informacao moveis, sem fio e ubiquas: definicees, mapeamento do estado-da-arte e oportunidades de pesquisa. Revista de Administracao Contemporanea, v. 11, n. 4, p. 175-198, 2007.

SALDANA, J. The coding manual for qualitative researchers. London: Sage, 2015.

SHARAF, M. A.; CHRYSANTHIS, P. K. Facilitating mobile decision making. Proceedings of the 2nd international workshop on Mobile commerce WMC '02, n. January 2002, p. 45, 2002.

SHIM, J. K. Information Systems and Technology for the Noninformation Systems Executive: As Integrated Resource Management Guide for the 21st Century. 1st Editio ed. Boca Raton: LLC, CRC Press, 2000. p. 296.

SIMON, H. A. A Behavioral Model of Rational Choice. The Quarterly Journal of Economics, v. 69, n. 1, p. 99-118, 1955.

SMITH, W.K.; LEWIS, M.W Toward a theory of paradox: A dynamic equilibrium model of organizing. Academy of Management Review, v. 36, n. 2, pp.381-403, 2011.

SORENSE, C. Enterprise Mobility: tiny technology with global impact on work. First ed. London: Palgrave Macmillan, 2011.

SORENSEN, C.; LANDAU, J. S. Academic agility in digital innovation research: The case of mobile ICT publications within information systems 2000-2014. Journal of Strategic Information Systems, v. 24, n. 3, pp. 158-170, 2015.

TARKA, P. Manager's beliefs about marketing research and information use in decisions in context of the bounded-rationality theory. Management Decision, v. 55, n. 5, pp. 987-1005, 2017.

TILSON, D.; LYYTINEN, K.; SORENSEN, C. Digital Infrastructures: The Missing IS Research Agenda. Information Systems Research, v. 21, n. 4, pp. 1-12, 2010.

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. The Framing of Decisions and the Psychology of Choice. Science, v. 211, n. 4481, p. 453-458, 1981.

WAJCMAN, J. Pressed for Time. First ed. London: THe University of Chigado Press, 2014.

WANG, Y.; Chen, Y.; Zhu, T. Unpacking the organizational impacts of enterprise mobility using the repertory grid technique. Internet Research, v. 28, n. 1, pp.143-168, 2018.

WANG, R. Y.; STRONG, D. M. Beyond Accuracy: What Data Quality Means to Data Consumers. Journal of Management Information Systems, v. 12, n. 4, p. 5-34, 1996.

WOOLDRIDGE, B.; SCHMID, T.; FLOYD, S. W. The Middle Management Perspective on Strategy Process: Contributions, Synthesis, and Future Research. [s.l: s.n.]. v. 34, 2008.

YOO, Y.; LYYTINEN, K. Social impacts of ubiquitous computing : Exploring critical interactions between mobility, context and technology. A Special Issue for Information and Organization. Information and Organization, v. 15, pp. 91-94, 2005.

YOO, Y.; LYYTINEN, K.; BOLAND JR., R. J. Digital product innovation within four classes of innovation networks. Information System Journal, v. 26, n. 1, pp. 47-75, 2016.

Fabio Junges

Doutor em Administracao. Universidade do Vale do

Rio dos Sinos (UNISINOS). Sao Leopoldo, RS. Brasil.

e-mail: fabio@fabiojunges.com.br

Amarolinda Zanela Klein

Doutora em Administracao. Professora Adjunta da

Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Leopoldo, RS. Brasil.

e-mail: amaroklein@gmail.com

Claudio Reis Goncalo

Doutor em Engenharia de Producao. Professor Titular

da Universidade do Vale do Itajai. Itajai, SC. Brasil.

e-mail: claudioreisgoncalo@gmail.com

Tatiana Ghedine

Doutora em Administracao. Professora da

Universidade do Vale do Itajai. Itajai, SC. Brasil.

e-mail: tghedine@gmail.com

Caption: Figura 1 Contribuicees e restricees das TIMS e o grau de complexidade das decisoes. Fonte: Dados da pesquisa
Figura 2 Contribuicoes e restricees das TIMS para o processo decisorio.

Potencial de mobilidade

Contribuicoes

Caracteristica da decisao

Menos Complexa

Contribuicees sao mais evidenciadas:

[] Liberdade de tempo e de espaco
[] Maior agilidade
[] Maior objetividade da informacao
[] Maior colaboracao
[] Menor dificuldade para produzir e consumir informacees
mais objetivas

Restricoes

Restricoes sao menos evidenciadas:

[] Maior exposicao ao erro
[] Menos face a face

Contribuicoes

Mais complexa

Contribuicoes sao menos evidenciadas:

[] Liberdade de tempo e de espaco
[] Maior colaboracao

Restricoes

Restricoes sao mais evidenciadas:

[] Maior exposicao ao erro
[] Reducao do temo para reflexao
[] Menos face a face
[] Sobreposicao e improvisacao
[] Maior dificuldade para producao e consumo de informacees
[] Maior superficialidade e menos foco

Fonte: Dados da pesquisa

Quadro 1 Paradoxos de uso da tecnologia movel.

Paradoxo                                Definicao

Movel e Fixo         As TIMS sao pequenas, leves e foram
                     desenvolvidas para estarem sempre com o
                     individuo, que esta movel no espaco e ao mesmo
                     tempo fixo atraves do seu numero de telefone ou
                     pelos diferentes meios digitais que o colocam em
                     um ponto fixo de contato (LYYTINEN; YOO, 2002;
                     SORENSEN, 2011).

Livre e Controlado   A liberdade do individuo pode implicar ao mesmo
                     tempo em controle, ou em uma percepcao de
                     escravidao. Ao se tornar um individuo livre e
                     independente da dimensao espaco, enquanto
                     permanece vinculado com seu contexto de
                     trabalho, a barreira entre o tempo e o espaco de
                     trabalho e o de nao trabalho se dissipa (Arnold,
                     2003; JAR-VENPAA; LANG;TUUNAINEN, 2005).

Independente e       A acao independente do individuo somente e
Codependente         compreendida em um contexto que considera a
                     dependencia e inter-relacao com outros
                     individuos, com quem se estabelecem fluxos de
                     comunicacao e de coordenacao (ARNOLD, 2003). Os
                     recursos, que potencialmente permitem que o
                     individuo esteja conectado independente das
                     dimensoes de tempo e espaco, criam uma forma de
                     dependencia que invariavelmente coexiste com a
                     independencia (JAR-VENPAA; LANG, 2005).

Proximo e Distante   O uso das TIMS proporciona ao individuo a
                     possibilidade de estar conectado e virtualmente
                     proximo, mesmo estando fisicamente distante,
                     eliminando a barreira do espaco fisico entre as
                     comunicacoes (ARNOLD, 2003).

Publico e Privado    Jarvenpaa e Lang (2005) sugerem esse paradoxo
                     relacionado ao comportamento dos individuos em
                     relacao aos seus espacos publicos e privados,
                     enfatizando que eles frequentemente realizam
                     conversas privadas em espacos publicos, o que
                     pode provocar interferencia em atividades de
                     outros individuos presentes.

Ocupado e            Estar disponivel so e possivel em um contexto
Disponivel           porque o status de ocupado tambem pode ocorrer.
                     O estar disponivel nao significa que o individuo
                     pode iniciar um novo fluxo de comunicacao,
                     embora muitas vezes haja uma inversao das
                     prioridades (ARNOLD, 2003).

Producao e Consumo   As TIMS podem ser um instrumento de
                     produtividade na medida em que apoiam o
                     individuo em suas atividades, preenchendo os
                     espacos de tempo e otimizando sua vida pessoal e
                     profissional. No entanto, o aumento da
                     produtividade vem acompanhado de uma necessidade
                     de consumo de recursos--produzir exige consumir
                     (Arnold, 2003; Jarvenpaa; Lang, 2005).

Planejamento e       O individuo se ve em meio a um contexto onde o
Improvisacao         improviso e o fluxo descoordenado de acoes
                     dividem o espaco com a intencao planejada, e ele
                     simplesmente nao tem mais condicoes de planejar
                     antecipadamente, deixando que o acaso e o
                     improviso coordenem as suas atividades
                     (Jarvenpaa; Lang, 2005; Mick; Fournier, 1998).

Competencia e        Com as TIMS o individuo adquire novas
Incompetencia        competencias e consegue realizar atividades que
                     antes nao eram possiveis. Paradoxalmente, uma
                     competencia adquirida para o uso de comunicacoes
                     instantaneas pode, por exemplo, ter
                     consequencias negativas sobre a competencia da
                     linguagem, o uso de smartphones durante uma
                     reuniao pode prover informacoes relevantes para
                     o individuo, mas ao mesmo tempo pode implicar em
                     distracao e superficialidade (JARVENPAA; LANG,
                     2005; JARVENPAA; LANG; TUUNAINEN, 2005; MICK;
                     FOURNIER, 1998).

Engajamento e        A tecnologia movel habilita o individuo a
Desengajamento       escolher diferentes contextos para se engajar e
                     ao mesmo tempo permite o desengajamento,
                     levando-o a criar o seu proprio fluxo de acao
                     independente das barreiras de tempo e de espaco
                     (ARNOLD, 2003; JARVENPAA; LANG, 2005).

Fonte: Dados da pesquisa

Quadro 2 Organizacao da Sessao de Grupo Focal

Procedimento                            Descricao

Convite              Enviado por e-mail e posterior contato por
                     telefone

Local de             UNISINOS | Escola de Gestao e Negocios Sao
realizacao           Leopoldo--RS--Brasil

Organizacao          Em formato de mesa redonda com oito espacos,
da sala              sendo sete para os convidados e um para o
                     pesquisador

Termo de             Todos os participantes receberam e deram
Consentimento        concordancia com o Termo de Consentimento Livre
                     e Esclarecido

Gravacao da sessao   A sessao foi gravada com dois dispositivos:
                     Somente audio, Audio e video

Recepcao dos         Disponibilidade de cafe e agua durante toda a
convidados           sessao

Material             Cada participante recebeu uma pasta com papel e
entregue             caneta para utilizar durante a sessao. Ao final
                     cada participante recebeu uma caneta executiva
                     como retribuicao pela sua participacao

Instrumento de       Foi desenvolvido um instrumento semiestruturado
mediacao             com questoes de abertura, centrais e de
                     fechamento para guiar o pesquisador na mediacao
                     do debate

Transcricao          A sessao foi transcrita para o software NVivo
                     para posterior analise

Fonte: Procedimentos embasados em: Oliveira e Freitas (1998) e Babour
(2009).

Quadro 3 Participantes do grupo focal e entrevistas.

              Segmento de atuacao             Posicao que ocupa

Grupo Focal   Software ERP                    Diretor de
                                                Desenvolvimento
              Industria de Componentes        Coordenador de TI
                Plasticos
              Industria Eletronica            Diretor Administrativo
              Industria de Termoplasticos     Diretor Administrativo
              Software ERP para Transporte    Diretor Comercial
              Tecnologia da Informacao        Diretor de Tecnologia

Entrevistas   Software ERP                    Gerente de
                                                Relacionamento
              Consultoria Empresarial         Diretor Executivo
              Mitra--Igreja Catolica          Gerente de TI
              Construcao Civil                Diretor Administrativo
              Software para Design            Coordenador Comercial
              Software ERP                    Coordenador
                                                Infraestrutura
              Telecomunicacoes                Supervisor Tecnico
              Tecnologia da Informacao        Coordenador de Suporte
              Software para Design            Coordenador de
                                                Pre-vendas
              Financeiro                      Diretor Executivo
              Tecnologia da Informacao        Diretor de Vendas
              Fabricante de Tecnologia        Gerente de Marketing
              Camara Americana de Comercio    Gerente Regional
              Seguranca Digital               Gerente Regional
              Tecnologia da Informacao        Diretor de Tecnologia
              Tecnologia da Informacao        Diretor de DC/Cloud
              Consultoria Empresarial         Diretor de Inovacao
              Aceleradora de Start-ups        Diretor Executivo
              Aceleradora de Start-ups        Diretor Financeiro
              Software ERP                    Diretor de
                                                Servicos e RH

              Segmento de atuacao             Idade   Identificacao

Grupo Focal   Software ERP                     51          P1

              Industria de Componentes         32          P2
                Plasticos
              Industria Eletronica             46          P3
              Industria de Termoplasticos      51          P4
              Software ERP para Transporte     43          P5
              Tecnologia da Informacao         36          P6

Entrevistas   Software ERP                     41          E1

              Consultoria Empresarial          53          E2
              Mitra--Igreja Catolica           50          E3
              Construcao Civil                 46          E4
              Software para Design             25          E5
              Software ERP                     32          E6

              Telecomunicacoes                 45          E7
              Tecnologia da Informacao         33          E8
              Software para Design             34          E9

              Financeiro                       65          E10
              Tecnologia da Informacao         55          E11
              Fabricante de Tecnologia         38          E12
              Camara Americana de Comercio     28          E13
              Seguranca Digital                33          E14
              Tecnologia da Informacao         36          E15
              Tecnologia da Informacao         36          E16
              Consultoria Empresarial          46          E17
              Aceleradora de Start-ups         47          E18
              Aceleradora de Start-ups         36          E19
              Software ERP                     46          E20

Fonte: Dados da pesquisa

Quadro 4 Paradoxos das TIMS e o processo de tomada de decisao.

Paradoxo                Definicao

                        Paradoxos identificados na literatura

Ocupado e               Disponibilidade como um gatilho que
Disponivel              dispara fluxos de decisao que,
                        eventualmente, nao precisam ser tomadas
                        no momento em que sao demandadas.
                        Ocupacao dos gestores em fluxos de
                        decisao em que nao precisariam ser
                        envolvidos.

Planejamento e          Possibilidade de planejar as acoes e
Improvisacao            utilizar os recursos fornecidos pelas
                        TIMS para acessar informacoes para apoiar
                        o processo de decisao; reducao da
                        capacidade do individuo em lidar com o
                        grau de importancia de uma decisao em
                        relacao as outras, levando a improvisacao
                        e banalizacao do processo de tomada de
                        decisao.

Engajamento e           Possibilidade de se engajar em fluxos de
Desengajamento          decisao mesmo estando distante dos
                        espacos tradicionais e fixos de trabalho;
                        superficialidade e falta de foco e
                        engajamento para lidar com o processo de
                        tomada de decisao, com reducao da
                        capacidade de analise.

Competencia e           Uso das TIMS para melhorar a
Incompetencia           produtividade profissional (percepcao de
                        competencia), ao mesmo tempo em que exige
                        dos individuos atencao constante para
                        manter os fluxos de informacao e de
                        decisao no ritmo imposto pelo seu
                        contexto social (percepcao de
                        incompetencia).

                        Paradoxos que emergiram dos dados
                        qualitativos analisados

Pessoal e               Dificuldade cada vez maior em separar as
Profissional            dimensoes pessoal e profissional,
                        manutencao e atencao constante aos fluxos
                        de decisao.

Maior Colaboracao e     Embora as TIMS proporcionem mais espacos
Menos Face a Face       (digitais) para a colaboracao, percebeu-
                        se uma reducao do nivel de colaboracao
                        face a face com os atores do processo de
                        tomada de decisao, o que pode influenciar
                        na qualidade das informacoes que sao
                        utilizadas: reducao da compreensao de
                        aspectos contextuais e subjetivos.

Decisoes mais Ageis e   Os individuos reconhecem que o uso de
Decisoes com Maior      TIMS estimula que as decisoes sejam
Exposicao ao Erro       tomadas de forma mais agil. No entanto,
                        ha uma percepcao de que ha uma exposicao
                        maior dos individuos aos erros a medida
                        em que aumenta a velocidade na troca das
                        informacoes e a pressao por respostas
                        cada vez mais rapidas.

Fonte: Dados da pesquisa
COPYRIGHT 2018 Universidade Federal de Santa Catarina
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Junges, Fabio; Klein, Amarolinda Zanela; Goncalo, Claudio Reis; Ghedine, Tatiana
Publication:Revista de Ciencias da Administracao
Date:Apr 1, 2018
Words:10131
Previous Article:The Phenomenographic Method in the Brazilian Administration Research Field: analysis and discussion on its use/ O METODO FENOMENOGRAFICO NA PESQUISA...
Next Article:Boaventura Santos' thoughts potencial for organizational studies/ A POTENCIALIDADE DO PENSAMENTO DE BOAVENTURA SANTOS PARA OS ESTUDOS ORGANIZACIONAIS.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2022 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |