Printer Friendly

PERFIL ANTROPOMETRICO E SINAIS E SINTOMAS SUGESTIVOS DE DISBIOSE INTESTINAL EM PRATICANTES DE MUSCULACAO NO MUNICIPIO DE PICOS-PI.

INTRODUCAO

A musculacao e uma das atividades fisicas mais praticadas, sendo antecipada pela caminhada, o futebol e a bicicleta (Lima, Lima e Braggion, 2015).

Os praticantes dessa atividade fisica desejam, em grande parte, modificacoes referentes a estetica, principalmente no que se diz respeito ao emagrecimento e ao aumento da massa muscular (Nogueira e colaboradores, 2015).

Alem do crescente aumento na pratica da musculacao, ela vem sendo bastante estimulada pelos profissionais da saude devido aos seus inumeros beneficios comprovados a saude e condicionamento fisico (Morais, Silva e Macedo, 2014).

A musculacao ainda atua de forma positiva auxiliando no tratamento de diversas doencas, alem de melhorar a autoestima, proporcionando, assim, saude e bem-estar aos seus praticantes (Justino e Leite-Filho, 2016).

Embora ja existam estudos associando microbiota e atividade fisica, essa relacao ainda nao e bem compreendida (Estaki e colaboradores, 2016).

De acordo com Cook e colaboradores (2015) em estudos animais ja e bem elucidado que a atividade fisica provoca mudancas significativas no microbioma intestinal, visto que varios estudos ja foram realizados. Alem disso, sao escassas pesquisas que relacionam os beneficos da atividade fisica (por modalidade e intensidade) na prevencao ou reversao do quadro de disbiose intestinal.

A microbiota gastrointestinal humana e composta por milhares de microrganismos, como bacterias, virus e alguns eucariotas, que vivem no trato digestivo formando um ecossistema metabolicamente ativo e complexo (Passos e Morais-Filho, 2017).

Ela desempenha funcoes importantes, entre as principais estao funcao imune e protecao do hospedeiro contra microrganismos patogenicos, atividades metabolicas que resultam em energia e armazenamento de nutrientes absorviveis (Perpetuo, Wilasco e Schneider, 2015).

Entretanto, a microbiota intestinal pode sofrer alteracao na sua composicao normal, modificando o numero e especies de bacterias. Ao sofrer disturbios na sua composicao, isso pode trazer serios prejuizos, como a multiplicacao de microrganismos patogenicos causadores de doencas. Essa desordem na microbiota intestinal e denominada como disbiose intestinal, que e caracterizada por uma disfuncao colonica, com a predominancia de bacterias patogenicas sobre as beneficas, interferindo profundamente na integridade do intestino (Maia, Fiorio e Silva, 2018).

A disbiose intestinal pode ser provocada principalmente pelo estilo de vida da populacao que tem levado ao crescente aumento de doencas inflamatorias, como alergias, doenca inflamatoria intestinal e ate mesmo a obesidade (Pereira e Ferraz, 2017).

Sintomas como gases, colicas, diarreias e prisao de ventre podem indicar disbiose intestinal, porem e preciso exames mais especificos para conferir a integridade da microbiota intestinal (Lopes, Santos, Coelho, 2017).

Um dos metodos que indicam indiretamente a presenca de sinais e sintomas sugestivos a disbiose intestinal e o questionario de rastreamento metabolico (QRM), validade pelo Centro Brasileiro de Nutricao Funcional, que analisa sinais e sintomas relacionados a hipersensibilidades alimentares e/ou ambientais.

A disbiose intestinal e avaliada atraves da pontuacao do QRM total e da secao especifica voltada ao trato gastrointestinal (Melo e Oliveira, 2018).

Sendo assim, o objetivo desse estudo foi verificar o perfil antropometrico e prevalencia dos sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em praticantes de musculacao da Cidade de Picos-PI, por meio do Questionario de Rastreamento Metabolico.

MATERIAIS E METODOS

Trata-se de um estudo do tipo transversal, descritivo de carater quantitativo, envolvendo praticantes de musculacao. O presente estudo foi realizado em duas academias localizadas na cidade de Picos no estado do Piaui.

Foram avaliados praticantes de musculacao de ambos os sexos, com idade a partir de 18 anos.

O calculo amostral foi realizado com base no total de alunos matriculados nas duas academias da cidade de Picos (n = 894 alunos), adotando-se um intervalo de confianca de 95% (a = 0,05) e utilizando o software estatistico Raosoft Sample Size Calculator[R].

Assim, a amostra desse estudo foi constituida por n=219 praticantes de musculacao, com idade entre 18 a 64 anos, que praticavam musculacao de 4 a 7 dias por semana. Foram excluidas da pesquisa mulheres gestantes e pessoas que usam marca passo cardiaco.

A coleta foi realizada nos meses de agosto a outubro de 2018.

Para a afericao do peso, percentual de gordura, massa magra e gordura visceral foi utilizada a balanca de bioimpedancia da marca OMRON[R] (modelo HBF-514C), adotando as recomendacoes de uso do fabricante, bem como seus padroes de referencia para a determinacao do diagnostico nutricional. A estatura dos participantes foi obtida atraves de um estadiometro fixo a parede da marca Wiso[R].

Tambem foi realizado o calculo do Indice de Massa Corporal (IMC) utilizando os dados de peso e estatura, sendo classificado dentro da faixa de eutrofia valores de 18, 5 a 24,9 Kg/[m.sup.3], desnutridos abaixo de 18,5 Kg/[m.sup.3], sobrepeso de 25 a 29,9 Kg/[m.sup.3], e obesidade valores acima de 30 Kg/nf. As circunferencias da cintura e do quadril foram aferidas utilizando uma fita metrica flexivel e inelastica, e para a analise dos dados, foi classificado como baixo risco valores abaixo de 0,90 para homens e menor que 0,80 para mulheres, risco moderado 0,90 - 0,95 para homens e 0,80 - 0,85 para mulheres, e alto risco >0,95 para homens e >0,85 para mulheres.

Para obtencao da frequencia dos sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal, foi aplicado o Questionario de Rastreamento Metabolico (QRM), instrumento validado pelo Centro Brasileiro de Nutricao Funcional, no qual e fracionado em 14 blocos de perguntas referentes a pontos de importancia do organismo e avalia cada sintoma baseado em seu perfil de saude.
Quadro 1 - Criterios de inclusao de pontuacao em cada secao do
Questionario de rastreamento metabolico.

Escala de pontos   Frequencia dos sintomas

0                  Nunca ou quase nunca teve o sintoma
1                  Ocasionalmente teve, efeito nao foi severo
2                  Ocasionalmente teve, efeito foi severo
3                  Frequentemente teve, efeito nao foi severo
4                  Frequentemente teve, efeito foi severo

Quadro 2 - Interpretacao do Questionario de rastreamento metabolico.

Pontos         Interpretacao

< 20 pontos    Pessoas mais saudaveis, com menor chance de ter
               ipersensibilidade
> 30 pontos    Indicativo de existencia de hipersensibilidade
> 40 pontos    Absoluta certeza da existencia de hipersensibilidade
> 100 pontos   Pessoas com saude muito ruim, alta dificuldade para
               executar tarefas diarias, pode estar associado a presenca
               de outras doencas cronicas e degenerativas


Todos os voluntarios concordaram em participar do estudo atraves da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido-TCLE, autorizando a obtencao dos dados para a pesquisa, de acordo com a Resolucao de numero 466/12 (BRASIL, 2012).

A pesquisa foi cadastrada na Plataforma Brasil e aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa da UFPI sob o Parecer Consubstanciado de numero 2.518.956.

Apos a coleta, os dados foram organizados no Microsoft Excel[R] 2014 e os resultados foram apresentados na forma de frequencia absoluta e percentual em tabelas e graficos.

RESULTADOS

Foram avaliados 219 praticantes de musculacao em duas academias da cidade de Picos-PI, sendo destes 141 (64,4%) voluntarios do sexo feminino e 78 (35,6%) voluntarios do sexo masculino, conforme a tabela 1.

A maior parte da populacao avaliada estava na faixa de 18 a 25 anos (58,9%), se intitulavam de raca parda (53%) e solteiros (78,1%).

Em relacao ao estilo de vida, pode-se observar que 98,6% dos participantes nao tem o habito de fumar, 42% fazem uso de bebida alcoolica e apenas 10% utilizam algum medicamento.

Na figura 1, pode-se observar os resultados referentes ao estado nutricional de acordo com os dados do IMC, no qual a maioria dos participantes foram classificados como eutroficos, para ambos os sexos. Entretanto, uma parcela consideravel estava na faixa do sobrepeso, com um percentual de 20,6% para as mulheres, e 33,3% para os homens.

De acordo com os resultados de gordura corporal (%GC), verificou-se que a maioria apresentou um percentual classificado como alta e muito alta, sendo 31,2% e 33,4% dos homens e mulheres avaliados, respectivamente, encontravam-se com a %BF alta e 22,1% dos homens e 24,8 das mulheres apresentaram %BF muito alta.

Ja para os resultados do percentual de massa magra, observou-se que a grande maioria das mulheres estao na faixa de normalidade, correspondendo a 71,6%e que 41% dos homens apresentaram massa magra normal, 38,5% com massa magra alta e 16,7% com massa magra muito alta (Figuras 2 e 3).
Figura 1 - Estado nutricional referente ao Indice de Massa Corporal
(IMC), por sexo, em praticantes de musculacao de academias no municipio
de Picos-Piaui.

             Mulheres   Homens

Baixo peso    4,9        0
Eutrofia     68,8       60,3
Sobrepeso    20,6       33,3
Obesidade     5,7        6,4

Nota: Tabela derivada de grafico segmentado.

Figura 2 - Classificacao do percentual de gordura corporal (%GC) de
acordo com as referencias determinadas pelo equipamento por sexo, em
praticantes de musculacao de academias no municipio de Picos-Piaui.

0              Baixo   Normal   Alto   Muito alto

Homens (%)     6,5     40,2     31,2   22,1
Mulheres (%)   2,8     39       33,4   24,8

Nota: Tabela derivada de grafico segmentado.

Figura 3 - Percentual de massa magra, de acordo com as referencias
determinadas pelo equipamento por sexo, em praticantes de musculacao de
academias no municipio de Picos-Piaui.

               Baixo   Normal   Alto   Muito alto

Homens (%)     3,8     41       38,5   16,7
Mulheres (%)   15,6    71,6     12,1   0,7

Nota: Tabela derivada de grafico segmentado.

Figura 4 - Risco para o desenvolvimento de doencas cardiovasculares,
segundo a relacao cintura e quadril (RCQ), por sexo, em praticantes de
musculacao de academias no municipio de Picos-Piaui.

                  Homens (%)   Mulheres (%)

Baixo risco       89,7         81,6
Risco moderado     9           14,2
Alto risco         1,3          4,2

Nota: Tabela derivada de grafico segmentado.


Para o parametro relacao cintura quadril (RCQ), a maioria dos participantes apresentaram baixo risco para desenvolvimento de doencas cardiovasculares, em ambos os sexos (Figura 4).

Com relacao a gordura visceral, de acordo com os valores preconizados pelo aparelho Omron Health care, verificou-se que a maioria das mulheres (99,3%) e homens (79,5%) estava dentro da normalidade, entretanto, 19,2% dos homens se encontravam com valores elevados de gordura visceral.

Na tabela 2 estao expostos os resultados do questionario de rastreamento metabolico (QRM).

Pode-se observar que 47,1% dos individuos nao apresentaram a hipersensibilidade correspondente aos valores menores que 30 pontos e que 41,5% indicaram a presenca de hipersensibilidade (maior que 40 pontos).

Em relacao a presenca de sintomas do trato gastrointestinal, observou-se que os sintomas mais prevalentes foram inchaco abdominal, arrotos ou gases intestinais, azia e dor estomacal.

No entanto, o percentual de ausencia dos sintomas pesquisados foi maior do que a sua presenca (Figura 5).
Figura 5 - Sinais e Sintomas do trato gastrointestinal em praticantes
de musculacao de academias no municipio de Picos-Piaui.

           Nauseas e   Diarreia   Constipaca   Inchaco      Arrotos
           vomitos                o e prisao   abdominal/   e/ou gases
                                  de ventre    Abdomen      intestinais
                                               distendido

Presenca   30,1        29,7       31,5         47,5         47,5
Ausencia   69,9        70,3       68,5         52,5         52,5

           Azia   Dor estomacal/i ntestinal

Presenca   41,1   37,4
Ausencia   58,9   62,6

Nota: Tabela derivada de grafico segmentado.


DISCUSSAO

No presente estudo, os voluntarios praticantes de musculacao eram predominantemente do sexo feminino, resultado este que tambem foi encontrado em outras pesquisas com praticantes de atividade fisica (Jesus, Oliveira e Moreira, 2017; Mallmann e Berleze, 2010; Silva e colaboradores, 2012; Silvino e Silva, 2017).

No mundo contemporaneo, as mulheres tem demonstrado uma maior preocupacao com a estetica, seja para manutencao da saude ou controle do peso, o que pode explicar a predominancia do sexo feminino nas academias (Goncalves, Alchieri, 2010).

No presente trabalho foi possivel observar que 98,6% dos participantes nao tinham o habito de fumar, 42% fazem uso de bebida alcoolica e 10% utilizam algum medicamento. Entre os medicamentos utilizados, os mais citados foram para o tratamento de hipertensao, depressao, dislipidemias e acnes.

Fatores do estilo de vida sempre devem ser levados em consideracao em relacao a disbiose intestinal, pois estes podem influenciar em sua sintomatologia. Assim, entre os fatores que podem causar mudancas no microbioma pode citar-se o estresse, o uso de probioticos e antibioticos, uso irracional e indiscriminado de farmacos, o consumo de alcool e a dieta (Estaki e colaboradores, 2016).

Em relacao ao estado nutricional de acordo com o IMC, a maioria apresentou-se dentro da faixa de eutrofia, apesar de uma quantidade consideravel esta com sobrepeso, cujos resultados foram similares aos observados nos estudos de Jesus, Oliveira e Moreira (2017), Sehnem e Soares (2015) e Lima, Lima e Braggion (2015).

Entretanto, e importante ressaltar que o IMC deve ser usado com cautela em praticantes de musculacao, pois esses individuos apresentam um elevado teor de massa magra e um baixo teor de gordura corporal baixo podendo, assim, ter seu diagnostico pelo IMC estimado de forma equivocada (Bertoletti, Santos, Benetti, 2016).

Em praticantes de atividade fisica, o perfil antropometrico e essencial no bom desempenho dos esportistas nas diversas modalidades, dos quais os percentuais de gordura e massa magra podem expressar vantagem e desvantagem na performance (Ferigollo e colaboradores, 2017).

Neste estudo, a maioria dos individuos esteve com a gordura corporal acima dos niveis recomendados, resultado semelhante ao encontrado no trabalho de Jesus, Oliveira e Moreira (2017), no entanto do estudo de Sehnem e Soares (2015) a maioria esteve com a gordura corporal adequada.

De acordo com os valores da relacao cintura quadril, a maioria dos voluntarios participantes dessa pesquisa apresentaram baixo risco para o desenvolvimento de doencas cardiovasculares.

No trabalho de Ferreira, Berleze e Gallon (2011) os valores encontrados foram semelhantes nao indicando risco.

Ja no estudo de Alexandre e colaboradores (2010), os resultados nao coincidiram, predominando valores de moderado a alto para este parametro. Assim, o resultado verificado e considerado positivo, pois valores elevados de RCQ indicam a presenca de obesidade androide, que apresenta maior risco para desenvolvimento de doencas cronicas e metabolicas (Lage, Ferreira, Maria-Junior, 2016).

Os sistemas digestivo e imunologico vem sendo muito afetados nos ultimos anos devido ao novo estilo de vida da populacao, caracterizado por habitos menos saudaveis e aumento no consumo de conservantes o que pode acarretar o desenvolvimento de disbiose intestinal (Tofani, 2014).

Com relacao ao QRM, nao foi encontrado na literatura nenhum estudo com a utilizacao do questionario em praticantes de musculacao.

Entretanto, os estudos internacionais com outras metodologias afirmavam que a atividade fisica beneficia a microbiota intestinal (Cook e colaboradores, 2015; Clarke e colaboradores, 2014; Denou e colaboradores, 2016; Mccabe e colaboradores, 2018; Sket e colaboradores, 2018).

No estudo de Galdino e colaboradores (2016), com a utilizacao do referido questionario em profissionais de enfermagem, 54,11% dos participantes obtiveram mais de 100 pontos, diferente deste estudo onde apenas 3,2% dos voluntarios apresentaram essa pontuacao, sugerindo que os praticantes de musculacao apresentem os sintomas relacionados a disbiose com menos frequencia. Entretanto, vale salientar que 38,3% apresentaram mais de 40 pontos, sendo, portanto, valores considerados elevados.

No trabalho de Lopes, Santos e Coelho (2017) realizado com pacientes usuarios de uma clinica particular de Teresina-PI, observou-se que todos os voluntarios obtiveram pontuacao maior que 40, resultados estes que diferem tambem dos obtidos neste trabalho.

Em relacao aos sintomas do trato gastrointestinal, todos os sintomas obtiveram valores consideraveis de presenca, destacando-se com maiores percentuais o inchaco abdominal, arrotos ou gases intestinais, azia e dor estomacal, nos estudos de Galdino e colaboradores (2016) e Lopes, Santos e Coelho (2017) os sintomas foram ainda mais frequentes.

Uma limitacao verificada na presente pesquisa foi que nao foi feita avaliacao fecal ou testes de permeabilidade instestinal, os quais efetivamente iriam confirmar a presenca de um quadro de disbiose intestinal nos individuos com os sinais de hipersensibilidade.

CONCLUSAO

Considerando o perfil antropometrico, atraves do IMC, pode-se verificar que a maioria estava na faixa de eutrofia, entretanto, a gordura corporal apresentou-se mais elevada. A maioria dos participantes apresentou baixo risco para desenvolvimento de doencas cardiovasculares.

Em relacao a aplicacao do QRM, mesmo nao sendo possivel comparar com outros estudos em praticantes de musculacao, pode-se verificar que os resultados obtidos foram melhores do que os estudos com metodologias semelhantes, mas com publicos diferentes.

Vale ainda ressaltar que 41,4% indicaram a presenca de hipersensibilidade, um numero bastante elevado, e todos os sinais e sintomas do trato gastrointestinal mostraram-se presentes. Assim, apesar de o questionario nao fazer associacao direta com a presenca de disbiose, ele pode vir a ser utilizado na pratica clinica, como forma de triagem de pacientes de risco, para intervencoes nutricionais posteriores.

Contudo, novas pesquisas na area devem ser realizadas com intuito de verificar a influencia do exercicio fisico na composicao da microbiota intestinal, visto que a literatura e muito escassa relacionando um possivel efeito protetor da pratica de musculacao na disbiose intestinal.

REFERENCIAS

1-Alexandre, E. F.; Paz, R. L.; Longaray, T. F.; Liberali, R.; Navarro, F. Perfil social de saude e antropometrico de individuos de ambos os generos ingressantes em uma academia de Porto Alegre. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 4. Num. 20. 2010. p.159-166. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/234>

2-Bertoletti, A. C.; Santos, A.; Benetti, F. Consumo de suplementos alimentares por praticantes de musculacao e sua relacao com o acompanhamento nutricional individualizado. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 10. Num. 58. 2016. p. 371-380. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/652>

3-Brasil. Conselho Nacional de Saude. Resolucao RDC no 466, de 12 de dezembro de 2012: aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humano. Diario Oficial da Uniao, Brasilia-DF, 12 de dezembro de 2012.

4-Clarke, S. F.; Murphy, E. F.; O'sullivan, O.; Lucey, A. J.; Humphreys, M.; Hogan, A.; Hayes, P.; O'reilly, M.; Jeffery, I. B.; WoodMartin, R.; Kerins, D. M.; Quigley, E.; Ross, R. P.; O'toole, P. W.; Molloy, M. G.; Falvey, E.; Shanahan, F.; Cotter, P. D. Exercise and associated dietary extremes impacton gut microbial diversity. Gut microbiota. Vol. 63. Num. 12. 2014. p. 1913-1920.

5-Cook, M. D.; Allen, J. M.; Pence, B. D.; Wallig, M. A.; Gaskins, H. R.; White, B. A.; Woods, J. A. Exercise and gut immune function: evidence of alterations in colon immune cell homeostasis and microbiome characteristics with exercise training. Immunology and Cell Biology. Vol. 94. Num. 2. 2015. p. 63-158.

6-Denou, E.; Marcinko, K.; Surette, M. G.; Steinberg, G. R.; Schertzer, J. D. High-intensity exercise training increases the diversity and metabolic capacity of the mouse distal gut microbiota during diet-induced obesity. American Journal of Physiology-Endocrinology and Metabolism. Vol. 310. Num. 11. 2016. p. 982-993.

7-Estaki, M.; Pither, J.; Baumeister, P.; Little, J. P.; Gill, S. K.; Ghosh, S.; Ahmadi-Vand, Z.; Marsden, K. R.; Gibson, D. L. Cardiorespiratory fitness as a predictor of intestinal microbial diversity and distinct metagenomic functions. Microbiome. Vol. 4. Num. 42. 2016. p. 42.

8-Ferigollo, A.; Zancan, T. C.; Cezaro, J. C.; Ceni, G. C.; Perfil antropometrico e dietetico de jogadores de futebol profissional do Noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 11. Num. 64. 2017. p. 467-476. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/834>

9-Ferreira, K. P.; Berleze, K. J.; Gallon, C. W. Antropometria, alimentacao e auto-imagem corporal de mulheres frequentadoras de academia de Caxias do Sul-RS. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 5. Num. 29. 2011. p. 434-441. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/295>

10-Galdino, J. J.; Oselame, G. B.; Oselame, C. S.; Neves, E. B. Questionario de rastreamento metabolico voltado a disbiose intestinal em profissionais de enfermagem. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol. 10. Num. 57. 2016. p. 117-122. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/422>

11-Goncalves, M. P.; Alchieri, J. C. Motivacao a pratica de atividades fisicas: um estudo com praticantes nao-atletas. Psico-USF. Vol.15. Num. 1. 2010. p. 125-134.

12-Jesus, I. A. B.; Oliveira, D. G.; Moreira, A. P. B. Consumo alimentar e de suplementos nutricionais por praticantes de exercicio fisico em academia de Juiz de Fora-MG. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 11. Num. 66. 2017. p. 695-707. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/878>

13-Justino, C. M.; Leite-Filho, M. A. A. Praticantes de musculacao: analise dos usuarios das academias de Joao Pessoa nos anos de 2004 e 2015. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 10. Num. 58. 2016. p. 267-272. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/930>

14-Lage, C. G. A.; Ferreira, D. S.; Maria-Junior, J. Perfil antropometrico dos frequentadores do projeto "passos para a saude" nos nucleos de apoio a saude da familia da cidade de Ipatinga-MG em 2014. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 10. Num. 57. 2016. p.131-141. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/899>

15-Lima, L. M.; Lima, A. S; Braggion, G. F. Avaliacao do consumo alimentar de praticantes de musculacao. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 9. Num. 50. 2015. p. 103-110. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/462>

16-Lopes, C. L. R.; Santos, G. M.; Coelho, F. O. A. M. A prevalencia de sinais e sintomas de disbiose intestinal em pacientes de uma clinica em Teresina-PI. C&D-Revista Eletronica da FAINOR. Vol. 10. Num. 3. 2017. p. 280 -292.

17-Maia, P. L.; Fiorio, B. C.; Silva, F. R.; A influencia da microbiota intestinal na prevencao do cancer de colon.Arq. Catarin Med, Vol. 47. Num. 1. 2018. p.182-197.

18-Mallmann, J. A.; Berleze, J. K. Perfil dietetico e antropometrico de adultos praticantes de exercicios fisicos em academias do municipio de Lajeado-RS que nao estao em reeducacao alimentar. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 4. Num. 21. 2010. p. 231-241. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/184/180>

19-Mccabe, L. R.; Irwin, R.; Tekalur, A.; Evans, C.; Schepper, J.; Parameswaran, N.; Ciancio, M. Exercise prevents high fat diet-induced bone loss, marrow adiposity and dysbiosis in male mice. Bone. Num. 3. 2018.

20-Melo, B. R. C.; Oliveira, R. S. B. Prevalencia de disbiose intestinal e sua relacao com doencas cronicas nao transmissiveis em estudantes de uma instituicao de ensino superior de Fortaleza-CE. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol.12. Num. 74. 2018. p.767-775. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/790>

21-Morais, A. C. L.; Silva, L. L. M.; Macedo, E. M. C. Avaliacao do consumo de carboidratos e proteinas no pos-treino em praticantes de musculacao. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 8. Num. 46. 2014. p.247-253. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/455>

22-Nogueira, F. R. S.; Brito, A. F.; Vieira, T. I.; Oliveira, C. V. C.; Gouveia, R. L. B.;

Prevalencia de uso de recursos ergogenicos em praticantes de musculacao na cidade de Joao Pessoa, Paraiba. Rev Bras Cienc Esporte. Vol. 37. Num. 1. 2015. p. 56-64.

23-Passos, M. C. F.; Moraes-Filho, J. P. Intestinal microbiota in digestive diseases. Arquivos de Gastroenterologia. Vol. 54. Num. 3. 2017. p. 255-262.

24-Pereira, I. G.; Ferraz, I. A. R. Suplementacao de glutamina no tratamento de doencas associadas a disbiose intestinal. Revista brasileira de saude funcional. Vol. 1. Num. 1. 2017. p. 46-55.

25-Perpetuo, J. P.; Wilasco, M. I. A.; Schneider, A. C. R. The role of intestinal microbiota in energetic metabolism: new perspectives in combating obesity. Clinical & Biomedical Research. Vol. 35. Num. 4. 2015.

26-Sehnem, R. C.; Soares, B. M. Avaliacao nutricional de praticantes de musculacao em academias de municipios do centro-sul do Parana. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 9. Num. 51. 2015. p. 206-214. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/467>

27-Silva, A. A.; Fonseca, N. S. L. N.; Gagliardo, L. C. A associacao da orientacao nutricional ao exercicio de forca na hipertrofia muscular. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 6. Num. 35. 2012. p. 389-397. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/340>

28-Silvino, D. M.; Silva, J. A. Avaliacao nutricional de praticantes de musculacao das academias de Matureia-PB. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 11. Num. 66. 2017. p. 708-718. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/885>

29-Sket, R.; Debevec, T.; Kublik, S.; Schloter, M.; Schoeller, A.; Murovec, B.; Mikus, K. V.; Makuc, D.; Nik, K. P.; Plavec, J.; Mekjavic, I. B.; Eiken, O.; Prevorsek, Z.; Stres, B. Intestinal Metagenomes and Metabolomes in Healthy Young Males: Inactivity and Hypoxia Generated Negative Physiological Symptoms Precede Microbial Dysbiosis. Frontiers in

Physiology. Vol. 9. Num. 198. 2018. p. eCollection 2018.

30-Tofani, A. Sindrome Fungica: Entenda os principais fatores de risco, sinais e sintomas de predisposicao. Vicosa. AS Sistemas. 2014.

E-mail dos autores:

rosianymbc@hotmail.com

fernanda_limasantos@hotmail.com

paulovictor.lima@hotmail.com

g_leyson_moura@hotmail.com

reginalunna@hotmail.com

nara.vanessa@hotmail.com

Autor para correspondencia:

Nara Vanessa dos Anjos Barros

Campus Senador Helvidio Nunes de Barros.

Rua Cicero Duarte, no 905.

Bairro Junco; Picos-PI.

CEP: 64.607-670.

Recebido para publicacao em 23/04/2019

Aceito em 28/05/2019

Maria Rosiany Sousa Moreira (1), Fernanda Lima dos Santos (1) Paulo Victor de Lima Sousa (1), Gleyson Moura dos Santos (2) Regina Marcia Soares Cavalcante (1), Nara Vanessa dos Anjos Barros (1)

(1) - Universidade Federal do Piaui (UFPI), Campus Senador Helvidio Nunes de Barros (CSHNB), Picos-PI, Brasil.

(2) - Universidade Federal do Piaui (UFPI), Campus Ministro Petronio Portela, Teresina-PI, Brasil.
Tabela 1 - Variaveis socio demograficas dos praticantes de musculacao
de academias no municipio de Picos-Piaui.

Variavel                 Numero de praticantes   %
                         de musculacao

Sexo
Masculino                 78                     35,6
Feminino                 141                     64,4
Idade (anos)
18 - 25                  129                     58,9
26 - 35                   63                     28,7
36 - 45                   18                      8,3
>45                        9                      4,1
Cor de pele
Branca                    67                     30,6
Negra                     25                     11,4
Amarela                   11                      5,0
Parda                    116                     53,0
Indigena                   0                      0
Renda mensal familiar
1 - 4 Salarios Minimos    50                     22,8
> 5 Salarios Minimos      12                      5,5
Nao informaram a renda   157                     71,7
Estado civil
Solteiro                 171                     78,1
Casado                    42                     19,2
Viuvo                      2                      0,9
Divorciado                 4                      1,8

Tabela 2 - Resultado da pontuacao final do Questionario de Rastreamento
Metabolico aplicado em praticantes de musculacao de academias no
municipio de Picos-Piaui.

Resultado da Interpretacao  Masculino   Feminino   Numero de       %
do Questionario de                                 participantes
Rastreamento Metabolico

< 20 pontos                 26          44         70              32
20-30 pontos                14          19         33              15,1
> 30 pontos                 11          14         25              11,4
> 40 pontos                 25          59         84              38,3
> 100 pontos                 2           5          7               3,2
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Moreira, Maria Rosiany Sousa; dos Santos, Fernanda Lima; Sousa, Paulo Victor de Lima; dos Santos, Gl
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:Jul 1, 2019
Words:4813
Previous Article:FATORES ASSOCIADOS A INSATISFACAO COM A IMAGEM CORPORAL EM BAILARINOS PROFISSIONAIS.
Next Article:USO DE SUPLEMENTOS POR PRATICANTES DE MUSCULACAO EM ACADEMIAS.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters