Printer Friendly

Oral injuries in children: a systematic review of speech therapy interest/Lesoes bucais na infancia: revisao sistematica de interesse da fonoaudiologia.

INTRODUCAO

A Fonoaudiologia e uma profissao em expansao e desenvolvimento no Brasil, especialmente quando vista sob o prisma do reconhecimento e definicao governamental oficial e sua insercao nos Programas de Saude Coletiva [1, 2]. Todos os movimentos governamentais de melhoria de assistencia e acesso a saude tem situado o profissional fonoaudiologo como importante motor do desenvolvimento no servico publico de saude. Suas caracteristicas essenciais, ainda que fomentadas por um rigor clinico, levaram seus profissionais a caminhar na direcao da interdisciplinaridade. Observa-se, claramente, a grandeza da troca expressiva de conhecimento e experiencias com profissionais de outras areas, notadamente da Odontologia e da Medicina [1-3].

A literatura cientifica mundial e prodiga em apresentar pesquisas relevantes sobre a carie em criancas [4, 5]. Entretanto, ha uma grande lacuna quando observa-se a baixa produtividade cientifica acerca das lesoes estomatologicas de tecido mole, que afetam a saude bucal do paciente pediatrico [4, 6-8]. E imprescindivel a afirmacao da grande ocorrencia destas lesoes em criancas; e a certeza de que, em grande parte dos casos, estas lesoes nao recebem um rapido diagnostico que possibilite um pronto tratamento [9, 10]. Sao muitos mitos, misterios e crendices que cercam as familias e profissionais com relacao a estas patologias. Certamente que o grande impacto delas na condicao alimentar e de desenvolvimento da fala na crianca se revestem de importancia primordial no ambito da saude coletiva.

Fonoaudiologos possuem, com muita frequencia, a oportunidade de realizarem inspecoes visuais intrabucais em pacientes pediatricos. Sao, assim, potenciais detectadores de lesoes e/ou anormalidades existentes nestes individuos [11]. O papel deste profissional e extremamente valioso quando se apodera da maxima conceituacao de promocao de saude e de agente transformador, ampliando seu campo de conhecimento e agregando valor cientifico as suas acoes. Ao se contemplar a saude como excelencia na qualidade de vida e vislumbrar os poderes da interdisciplinaridade, pode-se incorporar atos resolutivos ao discurso orientador. A Fonoaudiologia esta intimamente relacionada ao descobrimento precoce das lesoes bucais na infancia e merece, e tem o dever, do envolvimento nesta grave questao [1, 2, 8].

Quanto mais envolvidos os profissionais de saude se encontram nos problemas de saude geral e especificos de seus pacientes, melhor sera sua condicao de promotor desta saude. O fonoaudiologo e, sem duvida alguma, um dos grandes sustentaculos da saude feita com qualidade. Assim, o objetivo deste trabalho e relatar por meio de uma revisao sistematica, informacoes acerca das principais afeccoes bucais que acometem pacientes pediatricos, contribuindo para o crescimento do conhecimento e o engrandecimento da Fonoaudiologia.

METODOS

Para o desenvolvimento deste estudo sobre as lesoes bucais que sao mais frequentes na infancia e tenham interesse para a Fonoaudiologia, foram realizadas buscas de literatura cientifica nas seguintes bases de dados on-line/portais de pesquisa: Pubmed/ Medline, Scielo, Lilacs e Bireme. Os descritores e expressoes utilizadas durante as buscas nas bases de dados foram: lesoes bucais, lesoes bucais na infancia, alteracoes bucais em pediatria, mucocele, candidose, ranula, gengivoestomatite herpetica aguda primaria, lingua geografica. Estes descritores foram utilizados em portugues e em ingles. Somente foram utilizados os artigos publicados nos ultimos 10 anos, os quais correspondem aos anos de 2001 ao ano de 2011, nos idiomas portugues e ingles, que apresentassem relevancia relativa ao tema pesquisado. Na analise inicial foram obtidos 98 artigos; tendo sido excluidos os artigos publicados antes do ano 2001, que tratasse das lesoes exclusivamente em adultos, que fossem publicados em idiomas diferentes do ingles ou portugues e que nao contemplassem o texto completo. Apos criteriosa reavaliacao, um total de 31 artigos atendiam aos criterios estabelecidos. Os artigos foram estudados em sua plenitude e compilados a partir do eixo central da pesquisa.

REVISAO DE LITERATURA Mucocele

As mucoceles sao cistos formados a partir da obstrucao dos condutos excretores das pequenas glandulas mucosas acessorias da cavidade bucal. Dois fenomenos sao responsaveis: o extravasamento de muco e o cisto de retencao de muco. Sendo que, o primeiro e o mais comum e esta basicamente relacionado com um dano no ducto excretor da glandula salivar; resulta em extravasamento de muco nos tecidos moles adjacentes. Frequentemente, esta lesao e causada por um trauma. O segundo aparece apos a obstrucao parcial ou completa do ducto excretor como exemplo, o calculo que causa a retencao da secrecao [8, 12].

A lesao nao tem predilecao por nenhum genero. Pode aparecer em qualquer regiao que abriga uma glandula salivar menor, sendo mais comum em labio inferior. Pacientes com mordida profunda anterior, overjet acentuado e protusao dentaria anterior superior sao mais propensos ao trauma em labio inferior [9, 12-14].

As caracteristicas clinicas podem variar. As lesoes mais superficiais sao de formato arredondado, flutuantes, ligeiramente azulados ou translucidos, indolores. As lesoes mais profundas apresentam coloracao semelhante a da mucosa do local. O tamanho varia de alguns milimetros a varios centimetros [8, 9, 13].

Lesoes extensas e situadas em determinadas posicoes anatomicas podem trazer prejuizo a fala e a mastigacao; realcando a essencialidade do conhecimento do fonoaudiologo quanto a esta patologia intrabucal. O tratamento consiste na remocao cirurgica. Durante a cirurgia, devem ser removidas tambem as glandulas salivares menores que circundam a mucocele, visando evitar recidiva [12, 14].

Candidose ou Candidiase

A Candidose, ou "candidiase", e a infeccao fungica mais frequente em pacientes pediatricos. E causada pela Candica albicans, fungo que e integrante da microflora oral em grande parte das pessoas saudaveis [3, 15]. Alguns fatores locais podem predispor ao desenvolvimento da candidiase bucal, como: xerostomia, higiene bucal deficiente, anemia, doencas cronicas, infeccoes virais, uso cronico de antibioticos e corticosteroides. Os recem-nascidos e as criancas sao particularmente susceptiveis a doenca [16, 17].

Pode apresentar formas clinicas variadas, como: [3, 15, 18]:

Candidiase Pseudomembranosa- E a forma mais comum da doenca, popularmente conhecida como "sapinho". Clinicamente, e possivel observar a presenca de placas brancas ou amareladas que sao facilmente removidas. Sao mais frequentes na mucosa jugal, lingua e palato. E comum em recem-nascidos, em decorrencia do sistema imunologico ainda pouco desenvolvido.

Candidiase Eritematosa--Mais prevalente em pacientes com doencas cronicas, debilitantes e baixa imunologica. O exame intrabucal mostra placas eritematosas com aspecto de pontilhado avermelhado, ha predilecao pela superficie dorsal da lingua.

Candidiase Cronica Hiperplasica--Caracterizada por presenca de placas brancas que nao podem ser removidas pela raspagem. Essa e a forma menos comum. Tais lesoes estao usualmente localizadas na regiao anterior da mucosa jugal, nao podendo ser clinicamente distinguida da leucoplasia comum.

Candidiase Mucocutanea-E uma forma bucal grave, sendo que a maioria dos casos e esporadica, embora tenha sido encontrado um padrao de heranca autossomica recessiva em algumas familias. Normalmente o problema imunologico torna-se evidente nos primeiros anos de vida, quando o paciente comeca a desenvolver infeccao por Candida na boca, unha, pele e outras regioes.

Pacientes pediatricos com candidiase queixam-se de dor e queimacao nas regioes da lesao, com consequente dificuldade de alimentacao. Quando exacerbadas, as lesoes podem agredir a orofaringe e lingua, dificultanto tambem a fala. O tratamento consiste no uso de agentes antifungicos especificos. Em criancas, a Nistatina de uso topico apresenta bons resultados terapeuticos [16, 19].

Ranula

Ranula e o termo usado pela patologia para distinguir as mucoceles que surgem no soalho bucal. As ranulas podem originar-se do extravasamento de mucina do ducto submandibular ou das glandulas salivares menores do soalho da boca. Pode haver infeccao bacteriana associada causando dor, febre e grande desconforto. Grandes calculos salivares podem originar esta lesao [20-22].

A manifestacao clinica consiste em aumento de volume do soalho bucal, e assim como a mucocele, sua cor pode variar de rosa a azul claro [21].

Criancas que apresentam ranula de tamanhos medios e/ou grandes apresentam dificuldade na fala causada pela alteracao do posicionamento da lingua. O tratamento da ranula consiste na remocao e/ou marsupializacao da glandula sublingual [7, 9, 22].

Gengivoestomatite Herpetica Aguda Primaria

A Gengivoestomatite Herpetica Aguda e a infeccao primaria causada pelo virus herpes simples (HSV). Este virus apresenta vida latente com sitio no ganglio trigeminal [23]. Frequente ocorre entre as criancas de um a seis anos de idade com predilecao para o genero feminino e pela raca branca tres vezes mais que em negros [9, 23, 24].

Logo no inicio, a crianca apresenta febre, mal-estar geral, irritabilidade, dor ao deglutir e linfadenopatia regional. Sobre a saude bucal, observa-se gengivite, com inchaco e vermelhao gengival, alem de dor intensa [23, 25]. Sequencialmente, formam-se inumeras vesiculas que ocupam a cavidade bucal. O rompimento destas vesiculas provoca a ocorrencia de ulceras rasas que cicatrizam em poucos dias e de forma espontanea. Os danos bucais dificultam a alimentacao e a fala, os movimentos bucais tornam-se dolorosos para a crianca acometida [23, 24].

O tratamento e apenas sintomatico e de orientacao, especialmente aos pais, por meio da compreensao do aspecto contagioso da infeccao viral. A crianca deve receber cuidados de higiene bucal minuciosos, beber agua com frequencia para evitar desidratacao; alem disso, alimentos acidos e muito salgados podem exacerbar a sensacao dolorosa [8, 24].

Lingua Geografica

Lingua geografica e uma alteracao benigna cuja principal caracteristica sao as lesoes erosivas avermelhadas, de bordas irregulares cujo design lembra os contornos de um mapa geografico; podendo migrar de uma area para outra da lingua [7, 26, 27].

Essa condicao e mais comum nos primeiros anos de vida, e as lesoes tendem a desaparecer antes da puberdade. Prevalencia em criancas do genero feminino [28]. Sua etiologia nao e totalmente esclarecida, tendo relacao com hereditariedade e deficiencia nutricional [26, 29].

As lesoes nao comprometem o paladar e podem permanecer ativas por periodos curtos ou longos, regredir espontaneamente e reaparecer depois. Embora sejam quase sempre assintomaticas, alimentos condimentados, acidos ou bebidas alcoolicas podem provocar ardencia e queimacao [28-30].

Nao existem tratamentos especificos; podendo ser necessaria a abordagem sobre os sintomas, quando eles se manifestam. E importante que o profissional de saude oriente o paciente quanto a caracteristica benigna da lesao [26, 29, 31].

COMENTARIOS FINAIS

Profissionais de saude que lidam com criancas e interagem suas acoes com aspectos da saude do aparelho estomatognatico devem procurar sempre ampliar seus conhecimentos para proporcionar uma maior e melhor atencao aos seus pacientes. Fonoaudiologos, medicos e dentistas precisam agir em consonancia cientifica para alcancar a excelencia em suas atividades cotidianas.

doi: 10.1590/1982-0216201618111012

REFERENCIAS

[1.] Freitas DA, Antunes SLNO, Mercado LF, Herrera AH, Caballero AD. Perspectiva del Odontologo sobre la necesidad de unir la Logopedia a la Practica Clinica. Rev Clin Med Fam. 2011; 4(1):11-8.

[2.] Varandas CPM, Campos LG, Motta AR. Adesao ao tratamento fonoaudiologico segundo a visao de ortodontistas e odontopediatras. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2008; 13(3):233-9.

[3.] Freitas DA, Caballero AD, Pereira MM, Oliveira SKM, Silva GP, Hernandez CIV. Sequelas bucais da radioterapia de cabeca e pescoco. Rev. CEFAC. 2011; 13(6):1103-8.

[4.] Silva PSL, Leao VML, Scarpel RD. caracterizacao da populacao portadora de cancer de boca e orofaringe atendida no setor de cabeca e pescoco em hospital de referencia na cidade de SalvadorBA. Rev CEFAC. 2009; 11(Supl3) :441-7.

[5.] Almeida FCS, Cazal C, Brandao TB, Araujo ME, Silva DP, Dias RB. Campanha da popularizacao do auto exame da boca-Universidade de Sao Paulo, Brasil (Part I). Rev. Bras. Patol. Oral. 2005; 4(3):147-56.

[6.] Bardellini E, Amadori F, Flocchini P, Conti G, Piana G, Majorana A. Oral findings in 50 children with neurofibromatosis type 1. A case control study. Eur J Paediatr Dent. 2011; 12(4):256-60.

[7.] Sousa FB, Etges A, Correa L, Mesquita RA, Araujo NS. Pediatric oral lesions: a 15-year review from Sao Paulo, Brazil. J Clin Pediatr Dent. 2002; 26(4):413-8.

[8.] Baldani MH, Lopes CML, Scheidt WA. Prevalencia de alteracoes bucais em criancas atendidas nas clinicas de bebes publicas de Ponta Grossa--PR, Brasil. Pesq Odontol Bras. 2005; 15(4):302-7.

[9.] Knight J. Diagnosing Oral Mucosal Lesions. Phys. Assist. 2003; 27(3):34-9, 42-3.

[10.] Tack DA, Rogers RS. Oral drug reactions. Dermatol Ther. 2002; 15:236-50.

[11.] Coser RM, Florio FM, Melo BP, Quaglio JM. Caracteristicas clinicas do cisto de erupcao. RGO. 2004; 53(3):180-3.

[12.] Lima LM, Possobon RM, Pires FR, Moraes ABA. Mucous extravasation phenomena em babies. Braz J Oral Sci. 2002; 1(2):92-4.

[13.] Wu CW, Kao YH, Chen CM, Hsu HJ, Chen CM, Huang IY. Mucoceles of the oral cavity in pediatric patients. Kaohsiung J Med Sci. 2011; 27(7):276-9.

[14.] Andiran N, Sarikayalar F, Unal Of, Baydar De, Ozaydin E. Mucocele of the anterior lingual salivary glands: from extravasation to an alarming mass with a benign course. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2001; 61:143-7.

[15.] Kurnatowska AJ. Search for correlation between symptoms and signs of changes in the oral mucosa and presence of fungi. Mycoses. 2001; 44:379-82.

[16.] Samaranayake LP, Cheung LK, Samaranayake YH. Candidiasis and other fungal diseases of the mouth. Dermatol Ther. 2002; 15:251-69.

[17.] Ellepola ANB, Samaranayake LP. Inhalational and topical steroids, and oral candidosis: a mini review. Oral Dis. 2001; 7:211-6.

[18.] Goins RA, Ascher D, Waecker N, Arnold J, Moorefield E. Comparison of fluconazole and nystatin oral suspensions for treatment of oral candidiasis in infants. Pediatr Infect Dis J. 2002; 21(12):1165-7.

[19.] Ellepola ANB, Samaranayake LP-Adjunctive use of chlorhexidine in oral candidoses: a review. Oral Dis. 2001; 7:11-7.

[20.] Bonet-Coloma C, Minguez-Martinez I, Aloy-Prosper A, Galan-Gil S, Penarrocha-Diago M, Minguez-Sanz JM. Pediatric oral ranula: clinical follow-up study of 57 cases. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2011; 16(2):e158-62.

[21.] Bahnassy M. A huge oral ranula. Oman Med J. 2009; 24(4):306-7.

[22.] Yuca K, Bayram I, Cankaya H, Caksen H, Kiroglu AF, Kiri[section] M. Pediatric intraoral ranulas: an analysis of nine cases. Tohoku J Exp Med. 2005; 205(2):151-5.

[23.] Whitley RJ.--Herpes simplex virus in children. Curr Treat Options Neurol. 2002; 4(3):231-7.

[24.] Blevins JY.--Primary herpetic gingivostomatitis in young children. Pediatr Nurs. 2003; 29(3):199-202.

[25.] Tilliss TS, McDowell JD.-Differential diagnosis: is it herpes or aphthous? J Contemp Dent Pract. 2002; 3(1):1-15.

[26.] Voros-Balog T, Vincze N, Banoczy J.--Prevalence of tongue lesions in Hungarian children. Oral Dis. 2003; 9:84-7.

[27.] Kayhan TC, BIlac C, BIlac DB, EcemI[section] T, Ermertcan AT. Annular plaques on the tongue: what is your diagnosis? Ann Dermatol. 2011; 23(4):548-50.

[28.] Yilmaz AE, Gorpelioglu C, Sarifakioglu E, Dogan DG, Bilici M, Celik N. Prevalence of oral mucosal lesions from birth to two years. Niger J Clin Pract. 2011; 14(3):349-53.

[29.] Ishibashi M, Tojo G, Watanabe M, Tamabuchi T, Masu T, Aiba S. Geographic tongue treated with topical tacrolimus. J Dermatol Case Rep. 2010; 4(4):57-9.

[30.] Masferrer E, Jucgla A. Images in clinical medicine. Geographic tongue. N Engl J Med. 2009; 361(20):e44.

[31.] Adams SP. Dermacase. Geographic tongue. Can Fam Physician. 2002; 48:697-702.

Andreia Lopes de Matos (1)

Maria Aparecida Barbosa de Sa (1)

Mayane Moura Pereira (1)

Stephany Ketllin Mendes Oliveira (1)

Nadia Nara Soares Teixeira (1)

Daniel Antunes Freitas (1)

(1) Faculdades Unidas do Norte de Minas FUNORTE, Montes Claros, MG, Brasil.

Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 01/05/2012

Aceito em: 06/02/2013

Endereco para correspondencia:

Daniel Antunes Freitas

Faculdades Unidas do Norte de Minas

-FUNORTE

Avenida Osmane Brandao, s/n-Bairro JK

Montes Claros--MG

CEP: 39400-000

E-mail: danielmestradounincor@yahoo.com.br
COPYRIGHT 2016 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:de Matos, Andreia Lopes; de Sa, Maria Aparecida Barbosa; Pereira, Mayane Moura; Oliveira, Stephany K
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:Jan 1, 2016
Words:2522
Previous Article:Speech language pathology undergraduates' views about educational speech language pathology from their theoretical and practical experiences/Visao...
Next Article:Conceptual aspects and factors associated with Functional Health Literacy: a literary review/Aspectos conceituais e fatores associados ao letramento...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters