Printer Friendly

Of clean hands with digital technologies/De maos limpas com as tecnologias digitais/Manos de limpieza con tecnologias digitales.

INTRODUCAO

A juventude esta profundamente imersa na cultura das tecnologias digitais, as quais personificam a geracao atual, que desde tenra idade ja manifesta desenvoltura ao lidar com tais ferramentas. Aparelhos celulares modernos, os ditos smartphones, estao incorporados ao cotidiano das pessoas, de tal forma que poderiamos considerar tais equipamentos, literalmente, como extensoes de seus proprios corpos. "Alguns autores chegam mesmo a dizer que estamos em uma situacao na qual maquinas e seres humanos estariam fundidos em uma especie de amalgama " (BRASIL, 2013).

Muitos jovens tambem se utilizam dessas tecnologias. Na sala de aula, no transporte publico, na recepcao de um consultorio medico, na sala de estar e mesmo, nos sanitarios. Na sala de aula, ao carregar as baterias de seus aparelhos, muitas vezes os estudantes os deixam em contato direto com o chao. Consideramos, neste aspecto, a existencia de um risco potencial para aquisicao de doencas pelos estudantes, dada a exposicao a agentes infecciosos presentes na superficie desses aparelhos, concomitante ao seu continuo manuseio. Considera-se assim, que a lavagem de maos e um modo adequado para prevenir doencas infecciosas transmitidas via contato manual.

A lavagem de maos tradicionalmente e recomendada aos servicos hospitalares e ambulatoriais, via protocolos especificos, por organismos internacionais como a Organizacao Mundial da Saude (OMS) e o CDC (Centro de Controle de Doencas), sendo voltados, portanto, para medicos e profissionais de enfermagem. Tais protocolos orientam os profissionais acerca de tecnicas e materiais necessarios para lavagem de maos, antes e apos a realizacao de procedimentos em pacientes. Existem varias categorias de lavagem de maos para ambientes hospitalares e, dentre as quais, a lavagem de maos simples com agua e sabao, tem se mostrado relativamente eficaz. Entretanto, leituras recentes, como a Abreu, Melo, Rodrigues e Ferreira (2016) demonstram que a recomendacao para adocao desta pratica entre estudantes da area de Saude e de extrema importancia, e segundo o CDC devera ser extensiva a todos os segmentos da sociedade.

Diante de tais circunstancias, este trabalho consiste em um relato de experiencia acerca de uma proposta de ensino-aprendizagem unificada entre Biologia e Quimica que teve como tematica a questao da higienizacao de maos, baseada no uso de TDICs (Tecnologias Digitais de Informacao e Comunicacao) via metodologias sustentadas de ensino hibrido, em escola da rede estadual de ensino de MT. O ensino hibrido, estrategia detalhada pelo Clayton Christensen Institute, dos EUA, propoe duas linhagens de ensino hibrido, a saber: a sustentada (com mescla de praticas de ensino tradicionais a modernos recursos tecnologicos) e disruptiva (inovacao pautada em praticas pedagogicas totalmente diferentes daquelas adotadas anteriormente por uma escola). Diante dessa sintese, optou-se adotar estrategias sustentadas de ensino hibrido, como a rotacao por estacoes e laboratorio rotacional, que serao pormenorizadas mais adiante neste trabalho. Neste sentido, surge uma questao central: a escola publica, com sua contingencia de recursos e insumos seria um espaco viavel para a adocao dessas metodologias? Quais sao as limitacoes e possibilidades de se realizar um trabalho significativo, portanto, do ambito da educacao em saude recorrendo a tecnologias da informacao e comunicacao de rede?

Manter as maos limpas e um dos passos mais importantes que podemos tomar para evitar doencas e propagar germes para outras pessoas. Muitas doencas e condicoes se espalham por conta da nao lavagem das maos, com sabao e agua corrente limpa (CDC, 2015).

A higienizacao das maos apresenta as seguintes finalidades (CDC, 2002; BRASIL, 2007): remocao de sujidade, suor, oleosidade, pelos, celulas descamativas e microbiota da pele, interrompendo a transmissao de infeccoes veiculadas ao contato; prevencao e reducao das infeccoes causadas pelas transmissoes cruzadas (BRASIL, 2009).

Conforme a OMS atesta em suas diretrizes de higiene para sistemas de saude (http://www.who.int/gpsc/5may/tools/who guidelines-handhygiene summary.pdf), a limpeza das maos e a medida principal para reduzir contaminacoes, tanto no caso de medicos quanto pacientes. Tambem e a providencia mais simples que uma pessoa pode tomar para garantir que suas maos estejam livres de germes (EMERSON, 2016).

O espaco da escola e especialmente importante para aprendizagens basicas de saude. A propria aprendizagem escolar se relaciona com o desenvolvimento da saude individual, uma vez que se constitui em espaco de aquisicao de informacao sobre si, sobre o mundo, sobreas relacoes sociais (CECCIM, 2006). Onde, "... e importante conectar sempre o ensino com a vida do aluno" (MORAN; MASETTO; BEHRENS, 2000).

A Pesquisa Nacional de Saude do Escolar (PeNSE), uma publicacao integrada do IBGE com o Ministerio da Saude, reporta a importancia da tematica deste trabalho, uma vez que a saude, associada ao bem-estar fisico por ela proporcionado, e condicao fundamental para garantir bom desempenho da comunidade escolar em suas atividades.

De acordo com o PeNSE IBGE 2016, a Regiao Centro-Oeste situa-se entre as regioes em que os jovens e adolescentes possuem maior acesso a tecnologias moveis de comunicacao, ou seja, celulares e smartphones. "Os dados de 2015 revelaram que 87,4% dos escolares brasileiros do 9 ano responderam possuir aparelho celular. Esses percentuais foram maiores nas Regioes Sul (92,6%) e Centro-Oeste (89,6%)" (PeNSE, 2016). Em contrapartida, a Regiao Centro-Oeste:

Apresenta o menor percentual de alunos em escolas da rede publica que informaram possuir pia ou lavatorio em condicoes de uso, com acesso a agua, alem de sabao. Esse resultado ocorre principalmente pela falta de sabao para a limpeza das maos na rede publica, onde apenas 56,7% desses alunos tem acesso a sabao (na rede privada esse percentual e de 96,8%)[...]. A oferta de sabao pelas escolas publicas e a principal dificuldade a ser superada no Brasil para que se garantam condicoes adequadas de higiene aos alunos (PeNSE, 2016, p.33).

E essa conexao entre acesso a tecnologias digitais e higiene de maos pode ser explicitada no excerto abaixo:

Uma pessoa na sua escola ou trabalho esta gripada. Os virus das vias respiratorias que estao em suas maos contaminadas sao transportados para todos os objetos que essa pessoa gripada manuseou ao longo do dia. Tempos depois, voce chega a sala que a pessoa doente esteve utilizando. Voce usa o mesmo mouse e teclado, fala ao telefone e apoia suas maos na mesma mesa. De repente, voce sente uma leve coceira nos olhos e inocentemente usa a mao para coca-los. Pronto, voce acabou de levar os virus que estavam no ambiente para dentro do seu corpo. O fato e que existe uma grande chance de voce ficar doente mesmo sem nunca ter encontrado a pessoa que lhe passou o virus. Se a pessoa gripada tivesse o habito de lavar as maos apos contato com suas secrecoes, ela evitaria a contaminacao de objetos utilizados por outras pessoas. Por outro lado, se voce tivesse o habito de lavar as maos antes de leva-las aos olhos ou a boca, provavelmente nao teria se contaminado (PINHEIRO, 2016, online).

Neste sentido, refletir acerca de uma situacao com tal contexto, parece um acrescimo de desafios para os professores, que lidam com o persistente uso recreativo dos celulares pelos discentes na sala de aula, ainda que haja leis coibindo a pratica em diferentes estados brasileiros. Um dissenso de fato, porque no estado de Sao Paulo o celular ja comeca a ser liberado para uso com fins pedagogicos, a partir de proposta do Secretario de Educacao Jose Renato Nalini. E possivel que essas tecnologias tenham muitas potencialidades nos processos de ensino-aprendizagem, pois "... procuram aproveitar este universo cibercultural para dele extrair sentidos de participacao e interesse para as atividades curriculares" (BRASIL, 2013).

Hoje sabemos que a aprendizagem de midias e tecnologias em contextos educativos e um processo complexo, no qual interveem um numero de variaveis e fatores associados nao so com os atributos internos dos meios tecnologicos (conteudo, hardware, formas de representacao e sistemas codificacao de informacao...), mas tambem com temas proprios (como o conhecimento previo, atitudes, idade, estilos cognitivos...) e variaveis de contexto que usam a midia ou material (trabalho feito com a midia, objetivos educacionais e metodo de ensino em que o material e pedagogicamente integrado) (AREA MOREIRA, 2016, p.145--traducao propria). A argumentacao do autor corrobora que a insercao do celular no contexto da sala de aula, necessita, portanto, estar integrada a uma articulacao pedagogica previa. Entretanto, e importante conhecer tambem os insumos de rede, que se dispoe para execucao dessas propostas. As escolas de educacao basica da rede publica sao marcadas pela deficiencia de recursos, de acesso a rede de internet e pelo sucateamento de equipamentos digitais ou mesmo, pela inexistencia dos mesmos.

Silva e Barbosa (2016) tambem reforcam a necessidade de planejamento, que deve ser feita de forma responsavel e planejada. Acrescentando que: "No Ensino de Ciencias, a disponibilidade dos recursos inovadores desperta nos alunos maior interesse pelo que esta sendo trabalhado. Conceitos abstratos ganham significado, e a aprendizagem acontece com mais estimulo e prazer" (DA SILVA e BARBOSA, 2016, p.6-7).

Apesar de tantas deficiencias e problemas estruturais, esta acontecendo uma busca de alternativas de setores educacionais importantes, publicos e privados. Esse movimento se intensificara muito proximamente, porque as criancas nao aceitam um modelo vertical, autoritario e uniforme de aprender (MORAN, 2015). E por conta dessas demandas, inclusive, que a aprendizagem movel deve ser considerada como possibilidade recursiva.

A presenca de dispositivos moveis nos sistemas formais de educacao vem aumentando. Em nivel global, dois dos modelos mais populares de aprendizagem movel nas escolas sao programas do tipo 1:1, ou Um Computador por Aluno (UCA), em que cada aluno recebe o seu proprio dispositivo, sem custos para o aluno ou para a sua familia, e os do tipo Traga o Seu Proprio Dispositivo (Bring Your Own Device--BYOD), que conta com que a maioria dos alunos tem os seus proprios dispositivos. [...] Como era de se esperar, o modelo UCA tende a ser mais comum em paises e regioes mais pobres, enquanto a estrategia BYOD costuma ser implementada em comunidades mais abastadas, onde praticamente todos os alunos tem um dispositivo movel (UNESCO/NOKIA, 2014, p.16).

A aceitacao do grande potencial dos programas 1:1 parece ser universal, mas qual e a melhor maneira de usa-los para apoiar a aprendizagem e uma pergunta que permanece sem resposta (UNESCO/NOKIA, 2014, p.20). E neste sentido, que a aprendizagem movel deve ser incentivada tambem no Brasil, pois de acordo com dados apresentados do PeNSE, um consideravel percentual de estudantes da regiao Centro-Oeste possui celulares e este fato pode potencializar a difusao da metodologia do ensino hibrido nas escolas.

O ensino hibrido e apresentado por Moran (2015) como um blended, inerente a uma aprendizagem tambem hibrida, que nao acontece apenas no cotidiano da sala de aula, mas nos multiplos espacos de convivencia, inclusive os digitais. Tratando-se de "... um programa de educacao formal no qual um aluno aprende, pelo menos em parte, por meio do ensino online, com algum elemento de controle do estudante sobre o tempo, lugar, modo e/ou ritmo do estudo, e pelo menos em parte em uma localidade fisica supervisionada, fora de sua residencia" (CHRISTENSEN et al., 2013).

E sem duvida, como e exposto em Brasil (2012), os professores e professoras, podem ser mediadores importantes neste processo de producao e participacao da producao dessas novas arenas educacionais que sao apresentadas no cenario da cibercultura e das novas tecnologias de informacao e comunicacao. O ensino hibrido se inclui nessa seara. Onde o professor "... e um provocador de conflitos; suporte e apoio no processo; mediador; constroi junto com os alunos; preocupa-se com o processo e nao apenas com o produto" (BERNI, 2006). Ponderamos que a cultura da resistencia consoante a conduta de muitos a docentes, nao deve ser tomada como intransigencia. O professor na verdade, ainda e um ente alijado de formacao para essa realidade tecnologica que se surge (ou se insurge) nas escolas. Necessita reconhecer e aceitar a demanda formativa necessaria para integrar pedagogicamente os dispositivos moveis na sala de aula. E deve interagir com seus pares nas escolas no sentido de solicitar formacao especifica para essa tarefa, junto aos setores pertinentes de formacao continuada, que espelha uma conquista laboral, social e politica dos professores da rede publica de ensino. Dessa maneira, haveria um principio de enfretamento para o alijamento, deixando de ser a formacao para uso pedagogico de TDICs, uma possibilidade ao alcance apenas de quem pode pagar por cursos mercantilizados por organizacoes existentes para tal finalidade.

A transformacao do professor como orientador ou mediador no processo de construcao do projeto pessoal de cada estudante incide, ferozmente, sobre o papel do docente--que ja nao mais detem, soberanamente, a informacao. Portanto, nao e o responsavel por ensinar tudo, pois sua formacao nunca e totalizada. Isto requer a formacao continuada e a busca constante de conhecimentos seja na investigacao e aprimoramento dos conhecimentos seja na troca com seus estudantes. A formacao docente e cambiante (CASTRO et al., 2015, p.57).

Alem de ser mediador no processo hibrido de ensino, pode integrar diferentes componentes curriculares numa proposta de ensino de praticas higienicas, como na tematica da importancia da lavagem de maos apresentada neste trabalho. Tal integracao evocaria processos interdisciplinares, onde: a Biologia traz o mundo dos microbios patogenicos, o celular e os hardwares como fomites potenciais, justificando a necessidade de maos limpas para prevenir doencas infecto contagiosas. Fomites, por sua vez, sao quaisquer objetos contaminados por microrganismos ou ovos de geo-helmintos e potencialmente causadores de doencas. O celular e um equipamento que permanece em contato constante com as maos e superficies, podendo assim, sofrer deposicao de celulas descamativas da pele e consequente acumulo de uma verdadeira biota de microrganismos. Disto decorre a importancia da higiene, principalmente da lavagem de maos. A Quimica diz respeito aos saboes como insumos de higienizacao, com propriedades e mecanismos de acao peculiares. E de ambas as disciplinas ou componentes curriculares, deveria emergir a reflexao final acerca dos reveses baseados nos impactos ambientais que o processo de higienizacao traz para o meio ambiente, de modo geral. Trata-se de uma proposta de integracao de componentes curriculares que busca, portanto, se alinhar com a interdisciplinaridade.

Segundo Fazenda (2003) a interdisciplinaridade, enquanto ferramenta mediadora do conhecimento conceitua-se pedagogicamente por meio da integracao entre os docentes. Tal integracao e proveniente do dialogo e de objetivos em comum em determinados conhecimentos entre as disciplinas. Efetivar a interdisciplinaridade e uma tarefa ardua devido a dois fatores: o primeiro deve-se a falta de entendimento de seu significado e o segundo e a dificuldade de coloca-la em pratica, entretanto alem dos conceitos mal construidos esbarram-se ainda nos problemas praticos oriundos das formacoes estanques. Essas dificuldades devem ser superadas para que os reais objetivos sejam alcancados (HARTMANN e ZIMMERMANN, 2007). Entende-se como objetivos comuns para tais disciplinas ou componentes curriculares, a manutencao da saude, tao necessaria quanto, em tempos de tamanha percussao realizada nos dispositivos digitais, objetos que por sua vez, contem alta valoracao material para os jovens.

Alem do mais, os jovens devem utilizar critica e seguramente as tecnologias, na possibilidade de utiliza-las como fontes de conhecimento e nao serem subjugados por elas (BRASIL, 2013).

Por essa razao, alem da importancia das TDICs e da provavel viabilidade da aprendizagem movel personificada pelos celulares e smartphones na sala de aula, como ferramentas pedagogicas, se faz necessario o encaixe dessas acoes a uma teoria de aprendizagem capaz de contemplar a ascensao das tecnologias digitais dentro dos espacos escolares, algo que o Conectivismo de George Siemens se propoe a faze-lo.

Neste sentido, Foresti e Teixeira (2012, p.61), recompilando os conceitos conectivistas de George Siemens esclarecem que a aprendizagem potencializada pelas Tecnologias Digitais de Rede possui como principais elementos inseridos, a capacidade de formar conexoes e reconhecimento de padroes que complementam esses conceitos.

A conexao e o reconhecimento de padrao sao duas das atividades preparatorias da aprendizagem. Atraves da formacao de conexoes entre os nos da rede, cada no alterado atinge todos os demais instaurando o fluxo de informacoes. Esses nos podem ser pessoas, objetos e conteudos. [...] Nessa concepcao, Siemens acredita que alguns processos estao envolvidos na aprendizagem, como: a capacidade de discutir, dialogar e feedback. Assim, o verdadeiro valor da discussao, do debate e do dialogo esta nas conexoes formadas entre individuos, cuja sociedade, essencialmente, e um espaco de formacao de conexoes (FORESTI e TEIXEIRA, 2012, p.61).

Percebe-se que o feedback e o retorno da mensagem recebida e enviada, e a retroalimentacao da informacao e uma maneira de verificar se o objetivo tracado foi alcancado. Em sala de aula, por exemplo, pode ocorrer por meio de dialogos e trabalhos praticos. Nesse passo, para que a aprendizagem de Siemens ocorra, precisa-se estar inserido em um contexto de aprendizagem em rede potencializada pela conectividade. [...] Para que haja a aprendizagem colocada por Siemens, dentro do contexto e apoiada nesses processos, e preciso que o sujeito assuma o papel de no ativo na rede (FORESTI e TEIXEIRA, 2012, p.62).

MATERIAIS E METODOS

Buscando implementar uma proposta pedagogica de ensino hibrido para abordar tecnicas higienicas preventivas, este relato de experiencia envolveu o uso concomitante de tecnicas sustentadas do metodo hibrido de ensino: a rotacao por turmas, laboratorio rotacional e a sala de aula invertida. As tecnologias digitais a serem utilizadas, do ponto de vista dos hardwares e dispositivos digitais, envolveram aparelhos celulares dos estudantes e computadores alocados no laboratorio de informatica de uma unidade escolar, localizada na regiao metropolitana de Cuiaba. A presente unidade que sediou a atividade descrita neste trabalho, por questao de privacidade, sera denominada "Escola A":

(...) o rodizio entre estacoes, consiste em proporcionar ao aluno a possibilidade de circular, dentro da sala de aula, por diferentes estacoes, sendo uma delas uma estacao de aprendizagem on-line, outra de desenvolvimento de projeto, trabalho em grupo ou interagindo com o professor, tirando duvidas. Um segundo subgrupo e o rodizio entre laboratorios, no qual o aluno circula em diferentes espacos dentro do campus, sendo um deles o laboratorio no qual ele realiza atividades online, ou laboratorios para o desenvolvimento de praticas especificas. [...] O quarto subgrupo, denominado sala de aula invertida (flipped classroom) (VALENTE, 2014, p.85).

A aula invertida baseia-se na orientacao docente sobre um conteudo, com prescricao de atividades online aos estudantes, que serao realizadas em local externo a escola, no caso, na residencia dos mesmos, eventualmente, ou onde disponham de acesso a rede de internet.

O laboratorio rotacional tambem e descrito como um local onde: "os estudantes usam o espaco da sala de aula e o laboratorio de informatica ou outro espaco com tablets ou computadores, pois o trabalho acontecera de forma on-line. Assim, os alunos que forem direcionados ao laboratorio trabalharao nos computadores individualmente, de maneira autonoma, para cumprir os objetivos fixados pelo professor, que estara, com outra parte da turma, realizando sua aula da maneira que considerar mais adequada" (MORAN e BACICH, 2015).

Duas ferramentas foram utilizadas na proposta de atividade relativa a higienizacao das maos: um blog, chamado CienTI (http://cientdics.blogspot.com.br/) e um aplicativo de celular, em processo de construcao, denominado SAMBI--Saude Mediada pela Biologia (http://app.vc/sambi). Ambos foram utilizados com o proposito de serem nos de conteudos e possibilitar um futuro fluxo de informacoes, alem de serem locus para futuros feedbacks dos estudantes.

Em decorrencia do conteudo programatico de Biologia voltar-se para o estudo dos Reinos de Seres Vivos, a tematica dos microrganismos e da higiene tem associacao com o estudo de procariontes, virus, fungos e helmintos. Em Quimica, esses estudantes ja haviam estudado Solucoes, e, portanto, supostamente teriam melhores condicoes de compreender os processos relativos a acao do sabao na remocao de sujidades das maos. A escolha da turma foi aleatoria por uma das autoras deste trabalho. Tais estudantes foram convidados a participar da experiencia, com a condicao de que seus pais ou responsaveis assinassem termos de consentimento livre e esclarecido, autorizando-os formalmente o ingresso dos jovens na referida proposta pedagogica, conforme determina a Resolucao 466/2012 CNS do Ministerio da Saude. Uma vez autorizados pelos responsaveis, os menores de dezoito anos assinaram o Termo de Assentimento. Houve participacao de todos os trinta e oito estudantes matriculados na sala de 2 ano do ensino medio participante da pesquisa, onde dezesseis foram considerados aptos para a pesquisa e dentre os tais, apenas dez entregaram atividades validas para fins de coleta de dados. Considerou-se apto, o estudante que entregou Termo de Assentimento e Termo de Autorizacao assinado por si e seus responsaveis legais. Foram empregadas tres aulas semanais para execucao da aula hibrida, ou seja, aproximadamente 180 minutos de duracao, considerando tempo adicional.

A mencionada "Escola A", onde se efetuou a proposta de ensino hibrido situa-se em um bairro da zona norte de Cuiaba e atende somente ao ensino medio, regular e profissionalizante. Essa escola, de acordo com dados do site QEdu (2015) possui trinta computadores disponiveis para atividade discente em seu laboratorio de Informatica. Porem na ocasiao da mesma, apenas seis conjuntos de computadores, teclados e mouses foram apresentados como funcionais. A rede de internet local e Wi-fi, de baixa velocidade, o que ocasiona constantes oscilacoes no suprimento de sinal em horarios de grande demanda por parte da secretaria, coordenacao pedagogica e sala dos professores. O sistema operacional disponibilizado para tal escola, a exemplo de outras instituicoes publicas, e o Kernel Linux.

Para consecucao do ensino de tecnicas de lavagem de maos, visando a prevencao de doencas infecciosas e considerando o enfoque quimico, foi elaborado um plano de aula e um roteiro, sendo que este ultimo foi entregue a todos os participantes. Os estudantes tiveram liberdade para conduzir suas atividades individualmente ou em duplas.

Almejava-se dividir o laboratorio em quatro estacoes distintas, cada qual, com uma atividade associada. Na estacao 1, os alunos fariam leitura do texto De maos limpas na era das tecnologias digitais, presente no blog CienTI. Na estacao 2, depois de acessar o aplicativo SAMBI, seriam convidados a construir esquemas sobre doencas infectocontagiosas, a partir de abas enumeradas do referido aplicativo.

Esquemas sao importantes, enquanto uma estrategia de leitura, haja vista que e um procedimento pontual que auxilia na compreensao do texto. E um genero simples, na maioria das vezes, quanto a sua estrutura, entretanto requer uma leitura minuciosa, uma vez que as ideias mais significativas devem estar em destaque, enquanto que ideias secundarias devem estar subordinadas a esta. Os esquemas, em avaliacoes, podem assumir outras caracteristicas, alem daquela de resumir um texto-fonte. No ENEM, diversos esquemas aparecem com a funcao de complementar o texto escrito anteriormente, a fim de facilitar a compreensao de uma ideia para o aluno (DIONISIO, 2013).

Foram tambem instados a enriquecer os esquemas construidos a partir de recursos como links, disponibilizados no aplicativo. A estacao 3, propunha que os alunos acessassem um botao do aplicativo chamado Atividades com o Sambi, onde participariam de uma dinamica chamada Sint, criando um desfecho (feedback) para o pequeno paragrafo que encerrava o contexto de um processo infeccioso, onde maos seriam meios para infeccao cruzada. Na quarta e ultima estacao, em sala de aula, participariam de uma oficina de lavagem higienica de maos, seguindo os seis passos preconizados pela OMS (Organizacao Mundial da Saude). Como partes do processo avaliativo da proposta, devidamente munidos de seus proprios recursos para acesso a internet, eles acessariam o blog para postar um comentario critico acerca da proposta, com base em leitura indicada e opinioes pessoais, enriquecidas com o suposto conhecimento adquirido pelas leituras e atividades realizadas.

Com isso, esperava-se no planejamento da proposta, obter dos estudantes: foco para realizar a leitura do blog; abordagem das docentes que conduziram o trabalho no sentido de sanar duvidas pontuais; aptidao para manusear o aplicativo e atingir as metas propostas para as estacoes sem incorrer na costumeira dispersao; atentar para a disposicao do grupo na realizacao dos procedimentos de higienizacao das maos, aprendendo a tecnica para realiza-la cotidianamente. Com este aprendizado, os jovens seriam instados a agirem como multiplicadores desse conhecimento em seus lares e comunidades. O enfoque da quimica traria reflexoes futuras sobre a viabilizacao de insumos e locais adequados para higienizacao de maos na escola com minimos custos e impactos para o meio ambiente.

RESULTADOS E DISCUSSOES

Resultados logisticos e de ensino-aprendizagem

Os primeiros estudantes a adentrar o laboratorio, se apressaram para sentar-se diante dos poucos monitores disponiveis. Os demais, conforme entravam, chegavam a reclamar que todos acabariam amontoados na estacao 1 para ler o blog, pois o espaco nao comportava toda a turma. Fracionar a turma a entrada e dosar seu acesso nao foi permitido, porquanto os estudantes nao podiam ficar no patio esperando outros grupos concluirem leituras. Temendo transtornos com agentes de patio e coordenacao pedagogica, todos entraram no laboratorio de uma so vez. A sala de aula dessa turma dista consideravelmente do laboratorio de informatica e os alunos nao quiseram se separar em duas turmas distintas para serem rotacionadas nos dois ambientes, alternando-se entre realizacao de oficina e atividades do laboratorio de informatica. Temiam que a turma que tivesse prioridade na saida para o laboratorio, fosse mais beneficiada em termos de tempo para realizar as atividades propostas.

A realizacao da atividade com os estudantes, relativamente ao ensino hibrido rotacional por estacoes, mostrou-se inoperante de acordo com as dinamicas de rotacao ou rodizio entre estacoes e laboratorio rotacionais, ja descritas em materiais e metodos. A turma bastante numerosa nao se alocou de modo organizado no laboratorio de informatica, que contava somente com seis conjuntos completos de computadores. Consequentemente, para a modalidade laboratorio rotacional, certamente o ambiente mostrou-se defasado para essa proposta sustentada, devido ao sucateamento dos computadores, contingenciamento de rede e desktops disponiveis. Se os autores anteriormente mencionavam um computador para cada estudante, saliente-se que na verdade, apenas seis unidades funcionais estavam disponiveis. A estrategia de rodizios foi dissolvida e os alunos sentaram-se conforme a conveniencia. Para dar prosseguimento com a atividade, e diante de um apelo coletivo do grupo, a tecnica do laboratorio realizou a insercao de senha de acesso a internet, em um a um dos celulares dos estudantes. Nem e preciso descrever o enorme dispendio de tempo que essa acao provocou. Essa atitude intencionava evitar o "vazamento da senha" do laboratorio para os estudantes.

Ao elaborar a aula, as docentes nao contavam com tais adversidades, porquanto o texto que embasou os estudos sobre metodologia hibrida mostrou-se deficitario relativamente a tais contextos vivenciados no trabalho. No texto, mencionavam-se as dinamicas segundo o contexto de escolas que possuem rede e dispositivos disponiveis para todos os alunos, o que nao se aplicou a realidade da Escola A, alem de nao haver uma descricao detalhada de como exatamente essas dinamicas sao operacionalizadas no curso das atividades. E quase um exercicio de intuicao e criatividade materializa-las nas salas de aula, sem aportes teoricos de apoio.

As atividades que eram rotacionais passaram, entao, a ser cronometradas e sequenciais. A primeira atividade foi a leitura do blog e ocorreu tambem, a partir dos aparelhos celulares. Os estudantes que nao conseguiram acessar a internet se sentaram em dupla com alunos que tinham condicoes de acesso a rede. Isso evidenciou flexibilidade, sociabilidade e interacao do grupo. Logo que a leitura foi concluida, a atividade prevista para a estacao 2, teve inicio. O aplicativo abria facilmente em celulares Android, sistema operacional presente na maioria dos aparelhos naquele momento. Os estudantes que permaneceram utilizando os computadores, nao conseguiram abrir o aplicativo SAMBI via desktop em computadores que operavam com Linux. A escola conta com um laboratorio financiado pelo governo federal; entretanto devido a sala numerosa e a capacidade de 3 GB ofertada, mostrou-se insuficiente, acarretando travamento dos computadores e lentidao nos celulares. Tambem foi possivel observar que o programa gratuito Linux nao acessa todos os programas solicitados.

A atividade de construcao de esquemas demonstrou-se complexa e os estudantes tinham dificuldade para recolher as informacoes solicitadas nas abas do aplicativo para construi-los. Neste aspecto, construir o esquema "cru", com informacoes resumidas, foi um relativo avanco. O aplicativo, entao prototipo de produto educacional de um programa de Mestrado Profissional, mostrou-se "duro", pois seu manuseio requeria auxilio docente constante e os alunos acharam as tarefas dificeis. Na realidade, ainda que haja necessidade de prover melhorias nas suas interfaces, muitos estudantes nao sao afeitos ao habito da leitura, fato que dificultou o uso do aplicativo. Oito duplas de estudantes conseguiram realizar apenas a construcao parcial de esquemas.

Cinco duplas de estudantes conseguiram fazer esquemas completos, mesmo sob condicoes adversas de oscilacao do sinal de internet e progressivo "travamento" dos dispositivos; duas duplas foram alem e realizaram a dinamica Sint, prescrita para a estacao 3. Essa dinamica consistia em propor aos estudantes que finalizassem um contexto inacabado acerca da possibilidade de transmissao de doencas por maos sujas. O referido contexto existe no aplicativo SAMBI e os estudantes teriam que fazer sua leitura e propor um final para a estoria inserida na dinamica. Na figura 1 temos a resposta dada por uma das duas duplas que fizeram as atividades propostas para as estacoes 2 e 3:

O tempo para a aula no laboratorio de informatica cessou e os estudantes foram reconduzidos a sala de aula ao final da quinta aula, a terceira, entre as tres aulas disponibilizadas para a pratica. Nesse interim, um contingente se retirou com seus pertences, evadindo-se da escola por conta propria. Aproximadamente dezoito estudantes regressaram a sala de aula.

Na ocasiao, as docentes de Quimica e Biologia concluiram o trabalho, sem que houvesse tempo para viabilizar a oficina de lavagem de maos com os alunos. Na sala de aula foi realizada a discussao pelas docentes autoras, das disciplinas de Biologia e Quimica, dos textos lidos no blog, com assuntos estudados na Biologia e na Quimica respectivamente: doencas causadas e transmitidas pela falta de limpeza das maos (resfriados, gripes, intoxicacao alimentar, hepatite A, parasitoses intestinais e especialmente a gripe H1N1), historia do sabao, substancias, solubilidade e educacao ambiental. Apos a explanacao, a professora de Biologia demonstrou aos presentes, sem os insumos agua limpa e sabao, os passos da tecnica para lavagem das maos conforme preconiza a Organizacao Mundial da Saude--OMS.

Alternativamente, a professora de Quimica propos uma atividade individual aos alunos, baseada em releitura do blog CienTI e postagem de uma sintese a partir da tematica abordada durante a proposta. E importante assinalar que haveria persistencia em retomar a estrategia. Porem, os docentes de Mato Grosso, na ocasiao, a exemplo dos demais servidores publicos estaduais, aderiram ao movimento grevista no sentido de reivindicar direitos enquanto categoria profissional. Assim, as aulas foram suspensas na semana seguinte a experiencia. Entretanto, dois estudantes fizeram a atividade do blog solicitada pela docente de Quimica, evidenciando que a modalidade aula invertida, pode ser viavel para a realidade das escolas publicas, conforme ilustram os fragmentos abaixo colhidos no blog:

Aluno 1: "eu entendi que se voce nao lavar as maos ela pode transmitir inumeras doencas causadas por bacterias, etc."

Aluna 2: "Pelo que vimos, a finalidade de um xampu e limpar os cabelos, os componentes do suor (gordura do cabelo) e a sujeira ambiental depositada no fio capilar. Entretanto, a remocao de todo o sebo natural torna o cabelo opaco, aspero e tornando-o dificil de pentear. Assim tambem vimos como e feito e suas composicoes quimicas e como existe saboes/detergentes que causam alergias em pessoas e principalmente naquelas que trabalham com limpeza e nao usam nem um tipo de protecao com as luvas. Vimos que se nao lavarmos nossas maos podemos acabar transmitindo doencas como a catapora, gripe (H1N1), sarna, resfriado e entre outras. Enfim devemos nos prevenir e fazer o que e certo pra nos e para nao acabar transmitindo doencas para o proximo."

Percebe-se que a aluna 2 associa a lavagem de maos como uma forma de prevencao segura para as pessoas e seus semelhantes. Conclui-se que, se uma intercorrencia nao tivesse cessado o calendario escolar, varios feedbacks como os tais obtidos nos fragmentos acima, seriam possiveis, comprovando a possibilidade de aprendizagem baseada no foco conectivista.

O conectivismo surge, portanto, como uma alternativa para o aprendizado que ocorre em rede e mediado pela maquina. A era digital, da qual somos testemunhas, exige acoes sem que haja aprendizado pessoal (MATTAR, 2012, p. 17). Houve um deslocamento do conhecimento, que antes era interno, para o conhecimento exterior ao individuo. A estrutura conectada da rede nao esta limitada ao desenvolvimento de dados e informacao, mas tambem possibilita desenvolver o conhecimento e a aprendizagem. O individuo nao esta totalmente no controle da aprendizagem (SILVA, 2014, p.77).

As informacoes em rede sofrem constantes mudancas e atualizacoes. Sendo assim, reconhecer e decidir sobre a relevancia ou nao de uma informacao, exige do individuo uma capacidade de reconhecimento muito precisa. Essa e, portanto, uma habilidade fundamental para que o aprendizado em rede se concretize (SILVA, 2014, p.78). Onde, os individuos tiveram a oportunidade de ler, selecionar informacoes e articula-las de modo a constituirem a um argumento, ou esforco de limiar na consecucao desse processo. Se estiver em rede, significa que qualquer pessoa que acessar o blog e ler os comentarios, podera tambem interagir com os estudantes e elaborar uma resposta aos seus comentarios, ou como resposta ao texto postado para leitura sobre higienizacao de maos. E essa interacao dialogica constitui um processo de aprendizagem, assumindo o papel de no ativo na rede.

O grande desafio do uso das metodologias ativas esta no estabelecimento da autonomia e da liberdade do educando, de modo que este participe ativamente do processo de ensinoaprendizagem, nao como mero expectador ou reprodutor de informacao, mas como individuo critico, reflexivo e construtor do conhecimento (Freire, 1997). Nesse sentido, tornam-se tambem necessarias a reformulacao do pensamento e da acao docente quanto ao seu papel educador, sinalizando para outro olhar sobre as praticas pedagogicas. Dessa forma, a educacao transformadora visa a adocao de acoes pedagogicas que reflitam a complexidade do tempo presente (OLIVEIRA et al, 2016, p.3).

Outro aspecto que vale ressaltar, e que eles, Nativos Digitais, sao seletivos no quesito absorcao do conhecimento. Neste mundo em que as informacoes surgem de maneira muito rapida e e imensa a quantidade disponivel, nem tudo e importante. Logo, e necessario se concentrar naquilo que de fato e fundamental para eles e, quando algo tem pouca relevancia, e descartado rapidamente, sem se dar a devida atencao (CARVALHO, OLIVEIRA e SILVA, 2015, p.5).

Pondera-se, tambem, que nao houve adequada proporcao entre os objetivos das atividades e o tempo disponivel para realiza-las, sendo seu prosseguimento, portanto, impraticavel, diante da circunstancia anteriormente relatada.

Ainda que tenha ocorrido ingerencia de tempo, falta de recursos e inadequacoes no plano e atividades, as docentes mantiveram boa interacao reciproca na conducao dos trabalhos, sendo possivel correlacionar os conteudos de sala de aula de forma harmonica, flexivel, buscando fortalecimento do processo de ensino-aprendizagem, sem esmorecer ou retroceder diante das adversidades ocorridas no processo.

Para que haja a possibilidade de implantacao do ensino hibrido e preciso quebrar as barreiras internas do ensino tradicional. E preciso ser cauteloso para que nao vire um modismo que se esvazia quando nao ha consistencia teoria que o sustente. Precisamos incentivar os docentes a fazer as experiencias de sala de aula invertida e juntamente com isso investigar as reacoes e os resultados destas acoes (CASTRO et al, 2015, p.57). Ainda que essas acoes redundem em diversas tentativas e discussoes dos sujeitos ativos no processo, ate que haja alcance satisfatorio dos objetivos e passos da metodologia, sem ficar estanque aos parcos recursos de rede e materiais, como os que se mostraram no ambiente. Mas atente-se, que o improviso e algo que, qualquer que seja a circunstancia, deve ser definitivamente desencorajado e nao confundido com a flexibilizacao necessaria para consecucao dessas propostas de metodologias.

CONSIDERACOES FINAIS

A higienizacao de maos e um habito eficaz para prevencao de doencas. No entanto, sua preconizacao deve ser sistematizada em toda a sociedade e, nao somente nos ambientes hospitalares. Este trabalho apresentou um panorama da logistica de uma atividade que teve a intencao de estar alinhada as propostas do ensino hibrido, tematizando a questao da importancia de uma pratica higienica como a lavagem de maos, para a manutencao da saude.

Celulares, tablets e teclados podem ser fomites que veiculadoras de agentes etiologicos causadores de doencas infectocontagiosas. Maos higienizadas diminuem tal risco. Com base no titulo deste trabalho, sugerimos a conducao de estudos sobre colonizacao bacteriana nos dispositivos digitais utilizados por escolares da educacao basica e superior. Blogs e demais softwares, enquanto recursos concernentes as tecnologias digitais podem ser ferramentas uteis para a viabilizacao de atividades com vistas a prevencao de doencas e promocao da saude e na realidade, sao nos informacionais potenciais, vitais para o fluxo da informacao. Tais instrumentos certamente ajudariam a difundir mais enfaticamente a cultura da lavagem de maos na sociedade.

O ensino hibrido sustentado consta em si, como um excelente metodo para mediacao pedagogica, mas deveras distante da realidade marcada por contingencias de muitas escolas publicas. Uma realidade caracterizada pela oferta deficitaria da rede de internet ou contencao deste recurso, prejudicando o processo de conexao inerente a propostas congeneres. Constatamos que a formacao continuada dos docentes na metodologia do ensino hibrido, adequadas as condicoes de insumos das escolas, e fundamental para sua insercao nestes espacos. Trata-se de uma metodologia, que embora ja seja contemplada no curriculo de alguns cursos de formacao docente, e vedada a pessoas leigas no processo, pois a distorcao de seus objetivos pode agravar a resistencia a insercao de TDICs e metodologias ativas na escola.

Entretanto, ainda acreditamos que a aula invertida e uma possibilidade que se encontra ao alcance de professores interessados na corrente conectivista e empenhados em inserir o ensino hibrido na realidade das escolas publicas, considerando que muitos escolares possuem acesso a rede em suas casas. O sistema de laboratorio rotacional requer ao menos dois docentes trabalhando no processo, suscitando a motivacao dos discentes em articulacao habil do tempo e atividades, que surtam como integradas entre o ambiente de sala de aula e laboratorio. A rotacao por turmas na verdade requer instrumentalizacao dos professores interessados na proposta, por meio de cursos, oficinas e leituras correlatas. Neste sentido,estudos sobre estrategias de flexibilizacao a integracao de TDCIs e TDRs (Tecnologias Digitais de Rede) nas escolas publicas, considerando suas contingencias, tambem devem ser considerados, a guisa do que "realmente temos em maos para fazer algo neste sentido".

Os jovens e adolescentes, que sao dinamicos e afeitos a forma e imagens, em detrimento do predominio do texto, possuindo grande apreco pelas redes sociais. Neste sentido, seria valida a busca por experiencias de ensino-aprendizagem exitosas ja realizadas com o uso desses componentes do ciberespaco.

Alem da formacao adequada, os professores devem se ater a planejamentos que tambem alcancem as pessoas com deficiencia presentes no contexto da sala de aula. Se o mote foi suscitar um alijamento formativo e material, levar tais propostas adiante sem reconhecer a inclusao (ou sua necessidade), nao sera algo que mais do que mera hipocrisia.

A metodologia de ensino hibrido e uma inovacao pedagogica e requer esforcos para sua implementacao. Entretanto, quando as acoes sao muito complexas e os objetivos parecem ser ininteligiveis para os estudantes, na verdade nao ha uma inovacao em curso. Assim, e necessario ter como ponto de partida a simplificacao das acoes docentes, na medida do aporte teorico e metodologico que podem obter, para a progressiva obtencao de melhores resultados.

http://dx.doi.org/10.12957/sustinere.2016.25055

REFERENCIAS

AREA MOREIRA, Manuel. La educacion em el labirinto tecnologico: de la escritura a las maquinas digitales. SAo Paulo: Cortez-Octaedro, 2016.

BACICH, Lilian.; MORAN, Jose Manuel. Aprender e ensinar com foco na educacao hibrida. Revista Patio, n.25, jun. 2015, p. 45-47.

BERNI, Regiane Ibanhez Gimenes. Mediacao: o conceito vygotskyano e suas implicacoes na pratica pedagogica. XI Simposio Nacional de Letras e Linguistica e I Simposio Internacional de Letras e Linguistica. Anais ... Uberlandia, MG: UFU, 2006.

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria. Seguranca do Paciente em Servicos de Saude: Higienizacao das Maos. Brasilia: ANVISA, 2009.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Basica. Formacao de Professores do Ensino Medio. Etapa I--caderno II: O jovem como sujeito do Ensino Medio. Versao Preliminar. Curitiba: UFPR, Setor de Educacao. 2013. 69p.

CARVALHO, Caio Abitbol; OLIVEIRA, Eloiza da Silva Gomes de; SILVA, Fabiana Triani Barbosa da. Aprendizagem e Tecnologias Digitais: novas praticas, jovens aprendizes. COLOQUIO INTERNACIONAL EDUCACAO, CIDADANIA E EXCLUSAO (CEDUCe), v. 4, 2015.

CASTRO, Eder Alonso; COELHO, Vanessa; SOARES, Rosania; SOUZA, Lirek Kalyany Silva de; PEQUENO, Juliana Olinda Martins; MOREIRA, Jonathan Rosa. Ensino hibrido: desafio da contemporaneidade?. PROJECAO E DOCENCIA, v. 6, n. 2, p. 47-58, 2015.

CDC. Show Me the Science--How to Wash Your Hands (2015). Disponivel em: <http://www.cdc.gov/handwashing/show-me-the-science-handwashing.html> acesso em 04/06/2016.

CECCIN, Ricardo Burg. Saude e doenca: reflexao para a educacao da saude. In: MEYER, Dagmar E. Estermann (Org.). Saude e sexualidade na escola. 3. ed. Porto Alegre: Mediacao, 2006. 176 p.

CHRISTENSEN, C.; HORN, M.; STAKER, H. Ensino Hibrido: uma Inovacao Disruptiva. Uma introducao a teoria dos hibridos. Clayton Christensen Institute for disruptive innovation. Maio de 2013. Disponivel em < http://porvir.org/wp-content/uploads/2014/08/PT Is-K-12-blended-learning-disruptive-Final.pdf > Acesso em 08/06/2016.

DA SILVA, Raimunda Leila; BARBOSA, Alessandro Rodrigues. ENSINO DE CIENCIAS E TECNOLOGIAS DIGITAIS: DESAFIOS E POTENCIALIDADES. Ciclo Revista, v. 1, n. 2, 2016.

DE ABREU, Rita Neuma Dantas Cavalcante; MELO, Carolina de Paula Lima; RODRIGUES, Angela Maria Uchoa; FERREIRA, Renata Carneiro. Saberes dos discentes de enfermagem sobre seguranca do paciente: enfase na higienizacao de maos. Revista Enfermagem Contemporanea, v. 5, n. 2, 2016.

DIONISIO, Angela Paiva. Verbetes enciclopedicos: tabela e esquema. Recife: Pipa Comunicacao, 2013. 59 p.

EMERSON, Sarah. Se voce nao usa o metodo de seis passos para lavar as maos, voce e nojento. Motherboard. 2016. Disponivel em: http://motherboard.vice.com/pt br/read/metodo-de-seis-passos-para-lavar-as-maos acesso em 04/06//2016.

FAZENDA, Ivani Catarina. A. Interdisciplinaridade: historia, teoria e pesquisa. 11. ed. Sao Paulo: Papirus, 2003.

FORESTI, Andressa; TEIXEIRA, Adriano Canabarro. Proposta de um conceito de aprendizagem para a era digital/Proposal a concept of learning for the digital age. Revista Latinoamericana de Tecnologia Educativa-RELATEC, v. 11, n. 2, p. 55-68, 2012.

HARTMANN, Angela Maria; ZIMMERMANN, Erika. O trabalho interdisciplinar no Ensino Medio: A reaproximacao das "Duas". Revista Brasileira de Pesquisa em Educacao em Ciencias, v. 7, n. 2, 2007.

MORAN, Jose Manuel.; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda A. Novas tecnologias e mediacao pedagogica. Campinas: Papirus, 2000.

MORAN, Jose Manuel. Mudando a educacao com metodologias ativas. Convergencias Midiaticas, Educacao e Cidadania: aproximacoes jovens. Ponta Grossa: UEPG Foca. Colecao Midias Contemporaneas, 2015.

PINHEIRO, Pedro. A importancia de lavar as maos. 2016. Disponivel em <http://www.mdsaude.com/2015/10/lavar-as-maos.html> Acesso em 07/06/2016.

OLIVEIRA, Luiz Roberto de; CAVALCANTI, Lidia Eugenia; SILVA, Andrea Soares Rocha da; ROLIM, Raquel de Melo. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem e suas convergencias com as Tecnologias Digitais de Informacao e Comunicacao. Docencia e innovacion. 2015.

OLIVEIRA DA SILVA, Edna Marta. Como aprende o nativo digital: reflexoes sob a luz do conectivismo. REVISTA INTERSABERES, v. 9, n. 17, p. 68-80, 2014.

PeNSE. Pesquisa Nacional de Saude do Escolar 2015/IBGE. Coordenacao de Populacao e Indicadores Sociais. Convenio: Ministerio da Saude, com apoio do Ministerio da Educacao. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.132 p.

SILVA, Sidcleia Kecia Sidcleia Kecia Vieira; ARAUJO, Thiago Laurentino; COSTA, Anderson Pereira; SILVA Marques Francisco da; COSTA, Ivaneide Soares da. Maos limpas, corpo saudavel: importancia da higiene das maos para a prevencao de doencas. I Seminario Nacional do Ensino Medio Historia, Mobilizacao, Perspectiva, 2011.1075-1085.

UNESCO/NOKIA. O Futuro da aprendizagem movel: implicacoes para planejadores e gestores de politicas. Brasilia: UNESCO, 2014. PDF disponivel em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/communication-andinformation/access- to-knowledge/ict-in-education/ Acesso em 11/07/2016.

VALENTE, Jose Armando. Blended learning e as mudancas no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida Blended Learning and Changes in Higher Education: the inverted classroom proposal. Educar em Revista, v. 13083, p. 854, 2014.

Monica Erika Pardin Steinert

Professora de Biologia--SEDUC/MT

Mestranda em Ensino de Ciencias Naturais--PPGECN/UFMT

[mail] pardiste76@hotmail.com

Edna Lopes Hardoim

Doutora em Ecologia--UFsCAR

Docente na UFMT--Instituto de Biologia

Maria P.P.R.Castro Pinto

Professora de Quimica--SEDUC/MT

Mestra em Saude e Ambiente--UFMT

Recebido em 11 de agosto de 2016 Aceito em 24 de outubro de 2016

Caption: Figura 1: Finalizacao de contexto proposto na dinamica SINT--estudantes sugerem que a lavagem de maos evita a transmissao de doencas
COPYRIGHT 2016 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Steinert, Monica Erika Pardin; Hardoim, Edna Lopes; Pinto, Maria P.P.R. Castro
Publication:Sustinere - Revista de Saude e Educacao
Date:Jul 1, 2016
Words:7322
Previous Article:Theoretical contributions and historical approaches of the Photoelectric Effect/Contribuicoes teoricas e abordagens historicas do Efeito...
Next Article:Emergency contraception and university health students/Contracepcao de emergencia e universitarias da area da saude/Anticoncepcion de emergencia y...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters