Printer Friendly

Occupational, general health and vocal profile of teachers of Santa Maria City/Perfil vocal, ocupacional e de saude geral de docentes de Santa Maria/RS.

INTRODUCAO

Um dos maiores interesses nas pesquisas em voz e a saude vocal do professor, interesse que segue aumentando desde a ultima decada [1-12] em decorrencia da importancia do oficio que o professor exerce perante a sociedade [8].

Desde 1997, o Conselho Federal de Fonoaudiologia entende que muitos disturbios da voz devem ser classificados como "doencas ocupacionais" [3]. Uma pesquisa americana apontou que os sintomas vocais sao mais frequentes em professores do que na populacao geral, mostrando tambem que, em decorrencia dessas alteracoes vocais, os professores faltam muito ao trabalho [14,15]. No Brasil, a realidade e similar, tendo em vista as condicoes de trabalho desfavoraveis ao uso correto da voz e o massivo numero de professores no pais, alem das condicoes histologicas e anatomicas das mulheres, maioria na docencia, que as predispoem a disfonia [5-7].

Pesquisas apontam que os sintomas vocais mais encontrados em professores sao: fadiga vocal, perda da voz, dor em regiao de garganta, rouquidao, pigarro, tosse persistente e sensacao de aperto ou peso na garganta [3,16,17]. Porem, apesar desses sintomas muitas vezes serem frequentes e intensos, estudo mostra que a populacao docente busca auxilio profissional apenas quando possui outras questoes de saude geral associadas [9]. Tais dados foram confirmados por investigacao realizada com professores da educacao infantil e ensino fundamental de Santa Maria/RS ao mostrar que menos de 50% dos professores que apresentaram periodos de afonia procuraram atendimento medico especializado [16].

Estudo que buscou o motivo para a procura tardia por atendimento em saude e para a grande ocorrencia de disturbios vocais evidenciou que os professores costumam trabalhar sem o preparo vocal adequado, muitas vezes sem conhecimento sobre questoes de saude vocal e fazendo usos inadequados da voz (18). Os usos vocais incorretos, quando praticados constantemente e em longo prazo, podem colocar em risco a voz do docente [18] e, considerando que ela e imprescindivel para o exercicio de sua profissao, isso pode trazer consequencias para sua carreira, causando ainda prejuizos para a escola e para a sociedade [12].

Na literatura nacional, muitos trabalhos procuram utilizar criterios rigidos para composicao dos grupos de estudo, excluindo questoes de saude geral, o que faz com que muitas vezes as pesquisas nao retratem as reais condicoes dos professores que estao em atuacao no pais. Acredita-se que uma analise em conjunto das caracteristicas de saude geral, vocais e as de ocupacao dos professores seja de grande valia para o delineamento de acoes de promocao da saude vocal docente visto que, nessa classe de profissionais da voz, ela e utilizada como mediadora na relacao com o aluno e no processo de ensino-aprendizagem [19], exercendo tambem uma importancia social e economica.

Assim, o objetivo deste estudo e caracterizar e relacionar o perfil vocal, ocupacional e de saude geral de professores do ensino fundamental de Santa Maria/ RS.

METODOS

A pesquisa caracterizou-se por ser do tipo transversal observacional analitica de carater quantitativo, realizada conforme recomendacoes da norma 466/12 da Comissao Nacional de Etica em Pesquisa, e aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa da Universidade Federal de Santa Maria (protocolo no. 23081.016945/2010-76). Os responsaveis pelas instituicoes de ensino receberam os esclarecimentos necessarios e foram convidados a assinar o Termo de Autorizacao Institucional (TAI). Os voluntarios das escolas autorizadas foram esclarecidos sobre a pesquisa e convidados a assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

O estudo teve como populacao-alvo professores do ensino fundamental da area urbana da cidade de Santa Maria (RS), das redes de ensino estadual, municipal e particular.

Para a constituicao da amostra, foram estabelecidos os seguintes criterios de inclusao: docentes de escolas de ensino fundamental (1 ao 9 ano) das redes estadual, particular e municipal, somente da area urbana da cidade de Santa Maria (RS); ambos os sexos; idade superior a 19 e inferior a 65 anos; adesao ao TCLE.

Os criterios de exclusao estabelecidos foram: nao ter passado na triagem auditiva; relato de crises alergicas, respiratorias ou gastricas ou disfuncoes hormonais decorrentes de gravidez ou de periodo pre-menstrual ou menstrual no dia das avaliacoes; dados incompletos nos protocolos de triagem.

Realizou-se levantamento das escolas municipais, somente da rede urbana, de todas as regioes de Santa Maria, resultando em 36 escolas privadas e 68 escolas publicas (44 municipais e 24 estaduais). Com base nesses dados, foram elaboradas tres listas para cada regiao, sendo a ordem das escolas sorteada aleatoriamente, das quais foram excluidas uma escola a cada duas presentes, restando 27 escolas privadas, 31 municipais e 19 estaduais que foram convidadas para participar do estudo. 15 escolas aderiram ao TAI e todos os professores foram convidados a participar do processo de amostragem, sendo que 219 professores aderiram ao TCLE.

Para selecionar a amostra os sujeitos foram submetidos a triagem auditiva e responderam por escrito a um questionario composto por perguntas referentes a dados ocupacionais, de saude geral e vocal. A triagem auditiva foi realizada com audiometro Amplivox, modelo A260, 2011, por meio de varredura dos tons puros nas frequencias de 500Hz a 4kHz em 25dB, somente por via aerea. Para a realizacao do procedimento, foi utilizada uma sala silenciosa cedida pela escola com nivel de ruido abaixo de 50dB, verificado por meio do medidor de pressao sonora Instrutherm, modelo Dec-480. Os sujeitos que nao responderam ao tom puro em 25dB foram retestados e os casos que nao passaram no reteste foram excluidos da pesquisa e encaminhados para avaliacao auditiva completa.

Dos 219 professores voluntarios, 14 foram excluidos na triagem auditiva e 78 por apresentar dados incompletos no questionario. Desta forma, a amostra constituiu-se de 127 professores, sendo 117 mulheres e dez homens, com idades entre 20 e 64 anos (media de idade de 38,25 anos), dos quais 53,54% pertenciam a rede de ensino particular (n=68), 19,92% a estadual (n=38) e 16,53% a municipal (n=21). Para a coleta, realizou-se avaliacao vocal perceptivoauditiva e analise acustica da voz.

Foram coletadas as amostras de emissao sustentada da vogal "a"|, fala espontanea por meio da pergunta "Fale-me sobre a importancia da voz para a sua profissao"|, e as frases propostas pelo protocolo CAPE-V20. Na emissao das vogais, os individuos foram orientados a realizar de forma sustentada em pitch e loudness habituais, apos inspiracao profunda, em tempo maximo de fonacao, sem fazer uso da reserva expiratoria. Cada amostra foi coletada tres vezes, sendo considerada a de maior tempo. Na emissao das frases propostas pelo protocolo CAPE-V e da fala espontanea, os sujeitos foram orientados a emitir, em velocidade de fala, pitch e loudness habituais. O tempo de registro de cada situacao de fala nao foi controlado, ficando cada individuo livre para realiza-las de acordo com sua capacidade. As emissoes foram captadas por gravador digital profissional da marca Zoom, modelo H4n, com taxa de quantizacao de 96KHz e 16bits, com gravacao em 50% do nivel de entrada. O gravador foi fixado em pedestal e posicionado em angulo de 90 graus da boca do sujeito, com microfone profissional Behringer ECM 8000 omnidirecional acoplado, com faixa plana de captacao de frequencias de 15 a 20KHz. Os individuos mantiveram a distancia de quatro centimetros entre o microfone e a boca para a emissao das vogais e de dez centimetros para a emissao das frases e da fala espontanea.

Utilizou-se o protocolo CAPE-V para analise perceptivoauditiva. Foram utilizadas a emissao sustentada da vogal "a"| sem edicao, a fala espontanea e as frases propostas pelo proprio protocolo. As vozes foram gravadas em Digital Versatile Disc (DVD) 52x, 7GB, com formato de audio PCM; 96kHz; 16bits; mono, convertidas para extensao wave form. Apos, foram dispostas no DVD pastas com as tres amostras, sem identificacao do participante, em ordem aleatoria, com repeticao de aproximadamente 20% (para analise da confiabilidade dos avaliadores) e foram encaminhadas para cinco fonoaudiologas com experiencia de pelo menos cinco anos na area e nao autoras do estudo. As juizas foram cegadas quanto aos objetivos da pesquisa, ao sexo, a replicacao das emissoes e as avaliacoes realizadas pelas demais fonoaudiologas, sendo informadas apenas sobre a faixa etaria geral dos sujeitos e orientadas a escutar as vozes quantas vezes fossem necessarias em ambiente silencioso e com o computador nas configuracoes: 16bits, 96KHz. Elas tambem foram orientadas a fazer as analises de acordo com os parametros do protocolo CAPE-V (grau geral da disfonia, soprosidade, rugosidade e tensao). O CAPE-V e um protocolo analogico-visual, composto por uma escala analogica linear que vai de zero a 100mm, podendo ser analisada quantitativamente [20]. Os parametros pitch e loudness que dependem, respectivamente, da comparacao com pares de mesmo sexo e idade e do contexto comunicacional para ser julgados, tambem integram o protocolo CAPE-V, no entanto, como as juizas estavam cegadas sobre o sexo e nao fizeram a avaliacao presencial com os participantes, esses dois aspectos nao foram considerados nesta pesquisa.

Apos a avaliacao das vozes pelas juizas, foi realizada analise estatistica, a fim de verificar a confiabilidade intra e interavaliador por meio do coeficiente Kappa, sendo selecionadas as avaliacoes das tres fonoaudiologas com maior confiabilidade interavaliador, e com base nessas tres analises, foi feita a media para cada parametro da escala CAPE-V. Para classificacao do grau de desvio, utilizou-se o padrao brasileiro, segundo o qual os escores entre zero e 35,5% sao considerados normais; entre 35,6% e 50,5% desvio de leve; de 50,6% a 90,5% desvio moderado e a partir de 90,6% o desvio e considerado intenso21.

Para a analise acustica de fonte glotica utilizou-se o software Multi Dimensional Voice Program Advanced da Kay Pentax[R], com taxa de amostragem de 44KHz e 16bits, analisando-se as emissoes sustentadas da vogal "a"|, com o ataque vocal e o final da emissao eliminados a fim de evitar a influencia dos periodos naturais de instabilidade da voz. O menor tempo editado dentre todos os participantes foi de quatro segundos, sendo esse padronizado para a analise acustica. Foram agrupadas e analisadas as medidas da seguinte forma: (1) medidas de frequencia: f0; f0 maxima (fhi); f0 minima (flo); desvio-padrao da f0 (STD); (2) medidas de perturbacao de frequencia ou jitter: media relativa da perturbacao (RAP); jitter percentual (Jitt); jitter absoluto (Jita); quociente de perturbacao do pitch suavizado (sPPQ); quociente de perturbacao do pitch (PPQ); coeficiente da variacao da f0 (vf0); (3) medidas de perturbacao de amplitude ou shimmer: shimmer em dB (ShdB); shimmer percentual (Shim); coeficiente de variacao da amplitude (vAm); quociente de perturbacao da amplitude (APQ); quociente de perturbacao da amplitude suavizado (sAPQ); (4) medidas de ruido: proporcao ruido-harmonico (NHR); indice de fonacao suave (SPI); indice de turbulencia da voz (VTI); (5) medidas de quebra de voz: numero de quebras vocais (NVB); grau de quebra da voz (DVB); (6) medidas de segmentos surdos ou nao sonorizados: grau de segmentos nao sonorizados (DUV); numero de segmentos nao sonorizados (NUV); (7) medidas de segmentos sub-harmonicos: numero de segmentos sub-harmonicos (NSH); grau dos componentes sub-harmonicos (DSH). Acredita-se que a analise das medidas em grupo fornece maior confiabilidade para a analise dos dados, visto que ainda nao ha na literatura uma correspondencia exata entre cada uma das medidas acusticas e o fenomeno adjacente. Foram considerados os parametros de normalidade por sexo propostos pelo proprio programa.

Os dados analisados referentes a saude geral, queixas vocais e ocupacionais foram retirados do questionario preenchido pelos professores.

Os dados foram analisados estatisticamente por meio de testes nao-parametricos ANOVA e Qui-Quadrado de Pearson, adotando-se o nivel de significancia de 5%.

RESULTADOS

No presente estudo, o grupo de professores estudados atuava em media 7,03h/dia e trabalhava como docente ha cerca de 13,13 anos; 53,54% dos professores pertenciam a rede de ensino particular (n=68), 19,92% a estadual (n=38) e 16,53% a municipal (n=21).

Na Tabela 1, observam-se os resultados descritivos sobre os aspectos queixa vocal, saude geral, analise acustica de fonte glotica e perceptivoauditiva da voz.

Observa-se, na Tabela 2, a relacao de queixa vocal com os resultados da analise acustica e perceptivoauditiva da voz.

A relacao de relato de tabagismo com os resultados da analise acustica e perceptivoauditiva da voz pode ser visualizada na Tabela 3.

Na Tabela 4, verifica-se a relacao do relato de disturbio respiratorio com os resultados da analise acustica e perceptivoauditiva da voz.

A Tabela 5 mostra a analise das variaveis queixa vocal, relato de tabagismo e relato de disturbio respiratorio em funcao do tempo de utilizacao da voz profissional, atuacao diaria e idade.

DISCUSSAO

O grupo de professores do presente estudo foi maioria do sexo feminino, atuava em media 7,03h/dia e trabalhava como docente ha 13,13 anos em media. Estudo realizado com 476 professores do ensino fundamental e medio mostrou dados semelhantes, sendo que os professores trabalhavam 7,64 horas diariamente e atuavam ha 11,5 anos [4]. Em outra pesquisa da qual participaram 37 professoras do ensino infantil e fundamental, constatou-se que 62,6% atuavam na profissao docente ha mais de dez anos e apresentavam tempo diario de permanencia com os alunos de 7,56 horas [11].

Para esse grupo de profissionais, e necessaria uma voz harmonica, com qualidade vocal, pitch e loudness adequados para a funcao, para o publico e para o local, por isso, em um grupo de professores, toda e qualquer dificuldade ou alteracao na emissao vocal que interfira na producao natural da voz pode interferir tambem no desempenho profissional, o que torna a disfonia um disturbio ocupacional [22]. A disfonia pode afetar a qualidade de vida tanto nos aspectos pessoais quanto nos aspectos sociais e profissionais [23].

A classe dos professores, que se utiliza da voz como ferramenta de trabalho, e uma das mais afetadas pelas disfonias, havendo estudos recentes que mostram a presenca de alteracoes vocais em ate 78,7% dos professores [10-12].

Observou-se nesta pesquisa, que os professores que apresentaram queixas vocais tinham carga horaria diaria superior aos que nao as apresentavam (Tabela 5). Cada professor possui uma demanda vocal particular, alguns acreditam que a voz torna-se sobrecarregada nao pelo conteudo explanado em sala de aula, mas pela necessidade de controlar o ambiente escolar. Por isso, o tempo de uso da voz em sala de aula pode ser considerado fator predisponente a disfonia, principalmente quando somado a presenca de ruido ambiental externo e interno e turmas numerosas de alunos [10,16].

Pesquisa realizada com professoras da cidade de Porto Alegre/RS verificou que 48,6% das docentes identificaram o ruido como possivel fator desencadeador de disturbios vocais, sendo o mesmo proveniente da propria sala de aula. Para 32,4% das entrevistadas, isto faz com que as professoras realizem esforco vocal buscando ser audiveis para os alunos, sendo que tal esforco e cansaco vocal possivelmente tem seu aumento proporcional ao aumento de horas frente ao aluno [11].

Alem de estarem relacionadas entre si, as queixas vocais e a carga horaria exercida por esta populacao relacionaram-se tambem com as medidas de perturbacao de frequencia (jitter) e com o STD, mostrando que os professores com queixas vocais apresentaram alteracoes significantes nas medidas de perturbacao de frequencia (Tabela 2). Tais medidas acusticas mostram o quanto o periodo de vibracao glotica diferencia-se do que o sucede, podendo revelar acusticamente a instabilidade do sinal analisado, ou seja, diminuicao do controle do sistema fonatorio com presenca de aperiodicidade [24-25].

Ainda, a maioria dos professores apresentou, na analise acustica, alteracoes nas medidas de ruido e de perturbacao de frequencia e de amplitude (Tabela 1). Essas modificacoes que surgem em diferentes momentos mostram que a producao vocal nao e totalmente periodica e independe apenas da atencao do individuo ao realizar a emissao. Por vezes, a aperiodicidade e instabilidade decorrem de alteracoes na vibracao das pregas vocais, onde se criam diferentes forcas e configuracoes da musculatura laringea ou da mucosa das pregas vocais, causando assimetria vibratoria, bem como pode decorrer de insuficiencia na aducao glotica e, ainda, de alteracoes na articulacao do som, ocasionadas pelas variacoes na relacao fonte-filtro [26]. De acordo com a literatura [24-26], assim como certos niveis de aperiodicidade e instabilidade sao considerados normais, niveis elevados de alteracao nas medidas acusticas podem sugerir presenca de lesoes laringeas.

A maioria dos professores nao apresentou alteracoes nos parametros perceptivoauditivos da voz, concordando com alguns estudos [10,12]. Pesquisa realizada verificou que somente um terco dos professores analisados apresentou disturbio vocal constatado por meio da avaliacao perceptivoauditiva da voz, sendo a grande maioria de grau leve [10]. Tal resultado assemelha-se ao do presente estudo, embora com maior numero de sujeitos com alteracoes perceptivoauditivas, o que sugere que a analise acustica mostrou-se mais sensivel e, nesse caso, pode estar sinalizando um disturbio vocal que, embora com presenca de queixas, ainda nao se manifestou na qualidade vocal.

Quanto a saude geral, a maior parte dos professores nao apresentava relato de disturbios respiratorios e nao possuia habitos de etilismo ou tabagismo, porem apresentava queixas vocais (Tabela 1), o que vai ao encontro de trabalho que encontrou numero elevado de professores com queixas vocais, mesmo nao sendo tabagistas ou alcoolistas [17].

No presente estudo, as alteracoes de medidas de jitta e de VTI estiveram relacionadas com o relato de tabagismo (Tabela 3). O aumento da medida de jitter pode sinalizar dificuldades de controle em nivel fonatorio ou respiratorio visto que fornecem indicios da irregularidade da vibracao da mucosa das pregas vocais, como variacao de massa, tensao e distribuicao do muco, bem como da relacao entre as caracteristicas biomecanicas e o controle neuromuscular, fazendo com que o jitter seja indicativo de instabilidade oscilatoria das pregas vocais e caracterizando-se por uma qualidade vocal rouca (24). Por outro lado, o VTI corresponde ao indice de turbulencia da voz e apresenta maior relacao com os componentes de turbulencia aerea que correspondem a modificacoes na aducao glotica [24].

Apesar de estudos afirmarem que essa relacao nao e direta [27,28], uma vez que outros fatores podem influenciar a ocorrencia de disfonia por tabagismo, como o tipo e a quantidade de cigarros fumados diariamente e o tempo que o habito esta instalado [29], sabe-se que o tabagismo pode gerar edema em regiao de pregas vocais que dificultam a mobilizacao de mucosa, o que justifica a instabilidade fonatoria e o ruido encontrados na analise acustica.

Ainda, os professores analisados neste estudo mostraram relacao estatisticamente significante entre relato de disturbios respiratorios e a medida da RAP (Tabela 4). Pode-se justificar a relacao de disturbios respiratorios e medidas de jitter uma vez que e necessario que as forcas aerodinamicas pulmonares estejam equilibradas com as forcas mioelasticas da laringe para que a emissao seja estavel [12,30].

Portanto, e imprescindivel ressaltar a importancia de melhorias nas condicoes de trabalho e do investimento na saude geral do trabalhador, principalmente no que se refere a prevencao. Neste caso, nota-se o descuido com a saude vocal na vida do professor, cuja voz e a base de sua ocupacao.

CONCLUSAO

Ha elevada ocorrencia de queixas vocais entre professores do ensino fundamental e essas se relacionam com a carga horaria diaria maior e com medidas acusticas de jitter. As medidas de jitter tambem apresentam relacao com o relato da presenca de disturbios respiratorios. Conclui-se que nos professores do ensino fundamental de Santa Maria/RS estudados, houve relacao entre o perfil vocal, ocupacional e de saude geral, atentando assim para a importancia de melhorias nas condicoes de trabalho e do investimento em programas de prevencao relacionados a saude geral do professor, incluindo a voz.

doi: 10.1590/1982-021620161838515

REFERENCIAS

[1.] Servilha EAM, Costa ATF. Conhecimento vocal e a importancia da voz como recurso pedagogico na perspectiva de professores universitarios. Rev CEFAC. 2015;17(1):13-26.

[2.] Anhaia TC, Klahr OS, Cassol M. Associacao entre o tempo de magisterio e a autoavaliacao vocal em professores universitarios: estudo observacional transversal. Rev CEFAC. 2015;17(1):52-7.

[3.] Behlau M, Zambon F, Guerrieri AC, Roy N. Epidemiology of voice disorders in teachers and non teachers in Brazil: prevalence and adverse effects. J Voice. 2012;26(5):665-9.

[4.] Ceballos AGC, Carvalho FM, Araujo TM, Reis EJFB. Avaliacao perceptivo-auditiva e fatores associados a alteracao vocal em professores. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):285-95.

[5.] Ziegler A, Gillespie AI, Abbott KV. Behavioral treatment of voice disorders in teachers. Folia Phoniatr Logop. 2010;62(1):09-23.

[6.] Musial PL, Dassie-Leite AP, Zaboroski AP, Casagrande RC. Interferencia dos sintomas vocais na atuacao profissional de professores. Disturb Comun. 2011;23(3):335-41.

[7.] Giannini SPP, Latorre RMDO, Ferreira LP. Disturbio de voz e estresse no trabalho docente: um estudo caso-controle. Cad Saude Publica. 2012;28(11):2115-24.

[8.] Luchesi KF, Mourao LF, Kitamura S. Acoes de promocao e prevencao a saude vocal de professores: uma questao de saude coletiva. Rev CEFAC. 2010;12(6):945-53.

[9.] Medeiros AM, Assuncao AA, Barreto SM. Alteracoes vocais e cuidados de saude em professores. Rev CEFAC. 2012;14(4):697-704.

[10.] Servilha EAM, Correia JM. Correlacoes entre condicoes do ambiente, organizacao do trabalho, sintomas vocais autorreferidos por professores universitarios e avaliacao fonoaudiologica. Disturb Comun. 2014;26(3):452-62.

[11.] Cezar Vaz MR, Severo LO, Borges AM, Bonow AC, Rocha PL, Almeida MCV. Voice disorders in teachers. Implications for occupational health nursing care. Investigacion y Educacion en Enfermeria. 2013;31(2):252-60.

[12.] Ribeiro VV, Cielo CA. Vocal acoustic and auditoryperceptual measures, vocal complaints and professional characteristics of teachers from the city of Santa Maria (Rio Grande do Sul), Brazil. Audiol Commun Res. 2014;19(4):387-98.

[13.] Ferreira L, Zenari M, Latorre M, Giannini S. Disturbio de voz relacionado ao trabalho: proposta de um instrumento para avaliacao de professores. Disturb Comun. 2007;19(1):127-36.

[14.] Roy N, Merrill RM, Thibeaults S, Gray SD, Smith EM. Voice disorders in teachers and the general population: effects on work performance, attendance, and future career choices. J Speech Lang Hear Res. 2004;47(3): 542-52.

[15.] Roy N, Merrill RM, Thibeaults S, Parsa R, Gray SD, Smith EM. Prevalence of voice disorders in teachers en the general population. J Speech Lang Hear Res. 2004;47(2):281-93.

[16.] Tomazzetti, CT. A voz do professor: instrumento de trabalho ou problema no trabalho? [dissertacao]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pos-Graduacao em Educacao; 2003.

[17.] Choi-Cardim K, Behlau M, Zambon F. Sintomas vocais e perfil de professores em um programa de saude vocal. Rev CEFAC. 2010;12(5):811-9.

[18.] Guerrieri AP, Zambom F, Behlau M, Roy NGVP. Panorama epidemiologico sobre a voz do professor no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; Anais do 18 Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2009 Oct 21-24.Salvador: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2009. p.1-6.

[19.] Miranda DR, Azevedo MS, Freire NRH, Oliveira MP. O professor como comunicador e mediador do processo ensino e aprendizagem: implicacoes ambientais e organizacionais em seu desempenho. Anuario. 2012;1(1):564-77.

[20.] ASHA--American Speech-Language-Hearing Association. Consensus auditory-perceptual evaluation of voice (CAPE-V), United States of America, 2002. Disponivel em: <http://www.asha.org>. Acesso em: maio de 2014.

[21.] Yamasaki R, Leao SHS, Madazio G, Padovani M, Azevedo R. Correspondencia entre escala analogico-visual e a escala numerica na avaliacao perceptivo-auditiva de vozes. In: Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; Anais do 16 Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2007 Sep 24-27; Auditorio Claudio Santoro. Campos do Jordao: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia; 2008. p.1-5.

[22.] Alves LA, Robazzi MLCC, Marziale MHP, Felippe ACN, Romano CC. Alteracoes da saude e a voz do professor, uma questao de saude do trabalhador. Rev Latino-Am Enfermagem. 2009;17(4):66-72.

[23.] Ricarte A, Oliveira G, Behlau M. Validacao brasileira do VAPP. CoDAS 2013;25(3):242-9.

[24.] Barros APB, Carrara-de Angelis E. Analise acustica da voz. In: Dedivitis RA, Barros APB (Org.). Metodos de avaliacao e diagnostico da laringe e voz. Sao Paulo: Lovise, 2002. p. 185-221.

[25.] Beber BC, Cielo CA. Medidas acusticas de fonte glotica de vozes masculinas normais. Pro-Fono R Atual Cient. 2010;22(3):299-304.

[26.] Gama ACC, Behlau MS. Estudo da constancia de medidas acusticas. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009;14(1):8-14.

[27.] Fuess VLR, Lorenz MC. Problemas vocais no jardim de infancia e professores do ensino primario: prevalencia e fatores de risco. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69(6):807-12.

[28.] Cielo CA, Finger LS, Roman-Niehues G, Deuschle VP, Siqueira MA. Habitos de tabagismo e etilismo em disfonias. R Ci Med Biol. 2010;9(2):119-25.

[29.] Ribeiro V, Ribeiro VV, Dassie-Leite AP. Queixa vocal e qualidade de vida em voz de mulheres tabagistas. R Bras Qual Vida. 2014;6(3):192-8.

[30.] Behlau M. Voz: o livro do especialista. 1st ed. Sao Paulo: Revinter. 2001.

Carla Aparecida Cielo (1)

Caroline Rodrigues Portalete (2)

Vanessa Veis Ribeiro (3)

Gabriele Rodrigues Bastilha (1)

(1) Departamento de Fonoaudiologia e Programa de Pos-Graduacao em Disturbios da Comunicacao Humana da Universidade Federal de Santa Maria --PPGDCH/UFSM--Santa Maria (RS), Brasil.

(2) Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria -UFSM--Santa Maria (RS), Brasil.

(3) Universidade de Sao Paulo--FOB/USP Bauru (SP), Brasil.

Fonte de auxilio: CAPES, CNPq

Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 16/06/2015

Aceito em: 20/07/2015

Endereco para correspondencia:

Gabriele Rodrigues Bastilha UFSM--Av. Roraima no. 1000 Cidade Universitaria--Bairro Camobi Predio 26--4 andar Departamento de Fonoaudiologia Santa Maria--RS--Brasil CEP: 97105-900

E-mail: fonogabriele@gmail.com
Tabela 1. Resultados descritivos da frequencia de queixa
vocal, saude geral, analise acustica de fonte glotica e
perceptivoauditiva da voz

                  Medidas                   Normalidade    n      %

MDVPA           Frequencia       f0 (HZ)        NOR       124   97,63
                                                ALT        3    2,36
                                fhi (Hz)        NOR       120   94,48
                                                ALT        7    5,51
                                fio (Hz)        NOR       125   98,42
                                                ALT        2    1,57
                                STD (Hz)        NOR       66    51,92
                                                ALT       61    48,03
              Perturbacao de    Jita (Ms)       NOR       21    16,53
                frequencia                      ALT       106   83,46
                                Jitt (%)        NOR       33    25,98
                                                ALT       94    74,01
                                 RAP (%)        NOR       33    25,98
                                                ALT       94    74,01
                                 PPQ (%)        NOR       32    25,19
                                                ALT       95    74,80
                                sPPQ (%)        NOR       29    22,83
                                                ALT       98    77,16
                                 vf0 (%)        NOR       40    31,49
                                                ALT       87    68,50
              Perturbacao de    ShdB (dB)       NOR        6    4,72
                 amplitude                      ALT       121   95,28
                                Shim (%)        NOR        6    4,72
                                                ALT       121   95,28
                                 APQ (%)        NOR        3    2,36
                                                ALT       124   97,64
                                sAPQ (%)        NOR        2    98,42
                                                ALT       125   1,58
                                 vAm (%)        NOR       24    18,90
                                                ALT       103   81,10
                   Ruido           NHR          NOR       10    7,87
                                                ALT       117   92,13
                                   VTI          NOR       65    51,18
                                                ALT       62    48,82
                                   SPI          NOR       60    47,24
                                                ALT       67    52,76
               Quebra de voz     DVB (%)        NOR       122   96,06
                                                ALT        5    3,94
                                   NVB          NOR       122   96,06
                                                ALT        5    3,93
                 Segmentos       DSH (%)        NOR       70    55,11
               subharmonicos                    ALT       56    44,09
                                   NSH          NOR       70    55,11
                                                ALT       57    44,88
                 Segmentos       DUV (%)        NOR       97    76,38
               surdos ou nao                    ALT       30    23,62
                sonorizados        NUV          NOR       93    73,23
                                                ALT       34    26,77

CAPE-V          Grau Geral                      NOR       118   92,91
                                                LEV        6    4,73
                                                MOD        3    2,36
                                                SEV        0     0,0
                Rugosidade                      NOR       118   92,91
                                                LEV        7    5,51
                                                MOD        2    1,58
                                                SEV        0     0,0
                Soprosidade                     NOR       122   96,06
                                                LEV        4    3,15
                                                MOD        1    0,79
                                                SEV        0     0,0
                  Tensao                        NOR       127    100
                                                LEV        0     0,0
                                                MOD        0     0,0
                                                SEV        0     0,0
                                                NOR       127    100
Saude Geral    Queixa vocal                     SIM       87    68,50
                                                NAO       40    31,50
                 Tabagismo                      SIM        5    3,94
                                                NAO       122   96,06
                 Etilismo                       SIM        0      0
                                                NAO       127    100
                Disturbios                      SIM       29    22,83
               Respiratorios                    NAO       98    77,16

Analise descritiva da frequencia de ocorrencia.

Legenda: n=numero de sujeitos; %=porcentagem de sujeitos;
NOR=normal; ALT=alterado; LEV=leve; MOD=moderado; SEV=severo.

Tabela 2. Relacao de queixa vocal com os resultados
da analise acustica e perceptivoauditiva da voz

                                               Presenca     Ausencia
                                               de queixa    de queixa

          Medidas                Normalidade   n      %     n      %

MDVPA   Frequencia    f0 (HZ)        NOR       85   66,93   39   30,71
                                     ALT       2    1,57    1    0,79
                     fhi (Hz)        NOR       82   64,57   38   29,92
                                     ALT       5    3,94    2    1,57
                     flo (Hz)        NOR       86   67,72   39   30,71
                                     ALT       1    0,79    1    0,79
                     STD (Hz)        NOR       40   31,50   26   20,47
                                     ALT       47   37,01   14   11,02
        Perturbacao  Jita (Ms)       NOR       11   8,66    10   7,87
            de                       ALT       76   59,84   30   23,62
        frequencia   Jitt (%)        NOR       18   14,17   15   11,81
                                     ALT       69   54,33   25   19,69
                      RAP (%)        NOR       18   14,17   15   11,81
                                     ALT       69   54,33   25   19,69
                      PPQ (%)        NOR       18   14,17   14   11,02
                                     ALT       69   54,33   26   20,47
                     sPPQ (%)        NOR       15   11,81   14   11,02
                                     ALT       72   56,69   26   20,47
                      vf0 (%)        NOR       19   14,96   21   16,54
                                     ALT       68   53,43   19   14,96

        Perturbacao  ShdB (dB)       NOR       4    3,15    2    1,57
            de                       ALT       83   65,35   38   29,92
         amplitude   Shim (%)        NOR       4    3,15    2    1,57
                                     ALT       83   65,35   38   29,92
                      APQ (%)        NOR       3    2,36    0     0,0
                                     ALT       84   66,14   40   31,50
                     sAPQ (%)        NOR       1    0,79    1    0,79
                                     ALT       86   67,72   39   30,71
                      vAm (%)        NOR       16   12,60   8    6,30
                                     ALT       71   55,91   32   25,20
           Ruido        NHR          NOR       7    5,51    3    2,36
                                     ALT       80   62,99   37   29,13
                        VTI          NOR       45   35,43   20   15,75
                                     ALT       42   33,07   20   15,75
                        SPI          NOR       37   29,13   23   18,11
                                     ALT       50   39,37   17   13,39
          Quebra      DVB (%)        NOR       85   66,93   37   29,13
          de voz                     ALT       2    1,57    3    2,36
                        NVB          NOR       85   66,93   37   29,13
                                     ALT       2    1,57    3    2,36
         Segmentos    DSH (%)        NOR       48   38,10   22   17,46
           sub-                      ALT       39   30,95   17   13,49
        harmonicos      NSH          NOR       48   37,80   22   17,32
                                     ALT       39   30,71   18   14,17
         Segmentos    DUV (%)        NOR       65   51,18   32   25,20
         surdos ou                   ALT       22   17,32   8    6,30
            nao         NUV          NOR       61   48,03   32   25,20
        sonorizados                  ALT       26   20,47   8    6,30
CAPE-V  Grau Geral                   NOR       79   62,20   39   30,71
                                     LEV       6    4,72    0     0,0
                                     MOD       2    1,57    1    0,79
                                     SEV       0     0,0    0     0,0
        Rugosidade                   NOR       79   62,20   39   30,71
                                     LEV       6    4,72    1    0,79
                                     MOD       2    1,57    0     0,0
                                     SEV       0     0,0    0     0,0
        Soprosidade                  NOR       83   65,35   39   30,71
                                     LEV       4    3,15    0     0,0
                                     MOD       0     0,0    1    0,79
                                     SEV       0     0,0    0     0,0
          Tensao                     NOR       0     0,0    0     0,0
                                     LEV       0     0,0    0     0,0
                                     MOD       0     0,0    0     0,0
                                     SEV       0     0,0    0     0,0
                                     LEV       0     0,0    0     0,0
                                     MOD       0     0,0    0     0,0
                                     SEV       0     0,0    0     0,0

          Medidas                Valor de p

MDVPA   Frequencia    f0 (HZ)      0,944

                     fhi (Hz)      0,863

                     flo (Hz)      0,570

                     STD (Hz)     0,046 *

        Perturbacao  Jita (Ms)     0,081
            de
        frequencia   Jitt (%)     0,044 *

                      RAP (%)     0,044 *

                      PPQ (%)      0,084

                     sPPQ (%)     0,026 *

                      vf0 (%)     >0,001 *

        Perturbacao  ShdB (dB)     0,920
            de
         amplitude   Shim (%)      0,920

                      APQ (%)      0,234

                     sAPQ (%)      0,570

                      vAm (%)      0,829

           Ruido        NHR        -0,915

                        VTI        0,853

                        SPI        -0,116

          Quebra      DVB (%)      -0,161
          de voz
                        NVB        -0,161

         Segmentos    DSH (%)      0,897
           sub-
        harmonicos      NSH        0,985

         Segmentos    DUV (%)      0,514
         surdos ou
            nao         NUV        0,242
        sonorizados

CAPE-V  Grau Geral                 0,235

        Rugosidade                 0,365

        Soprosidade                -0,133

          Tensao                   1,000

* p<0,005--Teste Qui-Quadrado de Pearson

Legenda: n=numero de sujeitos; %=porcentagem de sujeitos;
NOR=normal; ALT=alterado; LEV=leve; MOD=moderado; SEV=severo.

Tabela 3. Relacao de relato de tabagismo com os resultados
da analise acustica e perceptivoauditiva da voz

                                         Tabagista  Nao tabagista

           Medidas                       n    %      n      %

MDVPA    Frequencia     f0 (HZ)    NOR   5   3,94   119   93,70
                                   ALT   0   0,0     3    2,36
                       fhi (Hz)    NOR   5   3,94   115   90,55
                                   ALT   0   0,0     7    5,51
                       fio (Hz)    NOR   5   3,94   120   94,49
                                   ALT   0   0,0     2    1,57
                       STD (Hz)    NOR   3   2,36   63    49,61
                                   ALT   2   1,57   59    46,46
         Perturbacao   Jita (Ms)   NOR   3   2,36   18    14,17
             de                    ALT   2   1,57   104   81,89
         frequencia    Jitt (%)    NOR   3   2,36   30    23,62
                                   ALT   2   1,57   92    72,44
                        RAP (%)    NOR   3   2,36   30    23,62
                                   ALT   2   1,57   92    72,44
                        PPQ (%)    NOR   3   2,36   29    22,83
                                   ALT   2   1,57   93    73,23
                       sPPQ (%)    NOR   2   1,57   27    21,26
                                   ALT   3   2,36   95    74,80
                        vf0 (%)    NOR   2   1,57   38    29,92
                                   ALT   3   2,36   84    66,14
         Perturbacao   ShdB (dB)   NOR   0   0,0     6    4,72
             de                    ALT   5   3,94   116   91,34
          amplitude    Shim (%)    NOR   0   0,0     6    4,72
                                   ALT   5   3,94   116   91,34
                        APQ (%)    NOR   0   0,0     3    2,36
                                   ALT   5   3,94   119   93,70
                       sAPQ (%)    NOR   0   0,0     2    1,57
                                   ALT   5   3,94   120   94,49
                        vAm (%)    NOR   1   0,79   23    18,11
                                   ALT   4   3,15   99    77,95
            Ruido         NHR      NOR   0   0,0    10    7,87
                                   ALT   5   3,94   112   88,19
                          VTI      NOR   5   3,94   60    47,24
                                   ALT   0   0,0    62    48,82
                          SPI      NOR   4   3,15   56    44,09
                                   ALT   1   0,79   66    51,97
           Quebra       DVB (%)    NOR   4   3,15   118   92,91
           de voz                  ALT   1   0,79    4    3,15
                          NVB      NOR   4   3,15   118   92,91
                                   ALT   1   0,79    4    3,15
          Segmentos     DSH (%)    NOR   3   2,38   67    53,17
            sub-                   ALT   2   1,59   54    42,86
         harmonicos       NSH      NOR   3   4,29   67    52,76
                                   ALT   2   1,57   55    43,31
          Segmentos     DUV (%)    NOR   3   2,36   94    74,02
          surdos ou                ALT   2   1,57   28    22,05
             nao          NUV      NOR   3   2,36   90    70,87
         sonorizados               ALT   2   1,57   32    25,20
CAPE-V   Grau Geral                NOR   5   3,94   113   88,98
                                   LEV   0   0,0     6    4,72
                                   MOD   0   0,0     3    2,36
                                   SEV   0   0,0     0     0,0
         Rugosidade                NOR   5   4,24   113   88,98
                                   LEV   0   0,0     7    5,51
                                   MOD   0   0,0     2    1,57
                                   SEV   0   0,0     0     0,0
         Soprosidade               NOR   5   3,94   117   92,13
                                   LEV   0   0,0     4    3,15
                                   MOD   0   0,0     1    0,79
                                   SEV   0   0,0     0     0,0
           Tensao                  NOR   0   0,0     0     0,0
                                   LEV   0   0,0     0     0,0
                                   MOD   0   0,0     0     0,0
                                   SEV   0   0,0     0     0,0

           Medidas                 Valor de p

MDVPA    Frequencia     f0 (HZ)      0,722

                       fhi (Hz)      0,581

                       fio (Hz)      0,772

                       STD (Hz)      0,713

         Perturbacao   Jita (Ms)    0,007 *
             de
         frequencia    Jitt (%)      0,076

                        RAP (%)      0,076

                        PPQ (%)      0,067

                       sPPQ (%)      0,350

                        vf0 (%)      0,676

         Perturbacao   ShdB (dB)     0,611
             de
          amplitude    Shim (%)      0,611

                        APQ (%)      0,722

                       sAPQ (%)      0,772

                        vAm (%)      0,948

            Ruido         NHR        0,504

                          VTI       0,025 *

                          SPI        0,134

           Quebra       DVB (%)      0,059
           de voz
                          NVB        0,059

          Segmentos     DSH (%)      0,838
            sub-
         harmonicos       NSH        0,822

          Segmentos     DUV (%)      0,379
          surdos ou
             nao          NUV        0,495
         sonorizados
CAPE-V   Grau Geral                  0,819

         Rugosidade                  0,819

         Soprosidade                 0,898

           Tensao                    1,000

* p<0,005--Teste Qui-Quadrado de Pearson

Legenda: n=numero de sujeitos; %=porcentagem de sujeitos;
NOR=normal; ALT=alterado; LEV=leve; MOD=moderado; SEV=severo.

Tabela 4. Relacao de relato de disturbio respiratorio com
os resultados da analise acustica e perceptivoauditiva da voz

                                         Disturbios     Disturbio
                                         Respiratorio   Respiratorio
                                         Presente       Ausente

           Medidas                       n      %       n      %

MDVPA    Frequencia     f0 (HZ)    NOR   28   22,05     96   75,59
                                   ALT   1    0,79      2    1,57
                       fhi (Hz)    NOR   28   22,05     92   72,44
                                   ALT   1    0,79      6    4,72
                       fio (Hz)    NOR   28   22,05     97   76,38
                                   ALT   1    0,79      1    0,79
                       STD (Hz)    NOR   12   9,45      54   42,52
                                   ALT   17   13,39     44   34,65
         Perturbacao   Jita (Ms)   NOR   3    2,36      18   14,17
             de                    ALT   26   20,47     80   62,99
         frequencia    Jitt (%)    NOR   4    3,15      29   22,83
                                   ALT   25   19,69     69   54,33
                        RAP (%)    NOR   3    2,36      30   23,62
                                   ALT   26   20,47     68   53,54
                        PPQ (%)    NOR   4    3,15      28   22,05
                                   ALT   25   19,69     70   55,12
                       sPPQ (%)    NOR   4    3,15      25   19,69
                                   ALT   25   19,69     73   57,48
                        vf0 (%)    NOR   7    5,51      33   25,98
                                   ALT   22   17,32     65   51,18
         Perturbacao   ShdB (dB)   NOR   2    1,57      4    3,15
             de                    ALT   27   21,26     94   74,02
          amplitude    Shim (%)    NOR   2    1,57      4    3,15
                                   ALT   27   21,26     94   74,02
                        APQ (%)    NOR   1    0,79      2    1,57
                                   ALT   28   22,05     96   75,59
                       sAPQ (%)    NOR   1    0,79      1    0,79
                                   ALT   28   22,05     97   76,38
                        vAm (%)    NOR   8    6,30      16   12,60
                                   ALT   21   16,54     82   64,57
            Ruido         NHR      NOR   2    1,57      8    6,30
                                   ALT   27   21,26     90   70,87
                          VTI      NOR   15   11,81     50   39,37
                                   ALT   14   11,02     48   37,80
                          SPI      NOR   12   9,45      48   37,80
                                   ALT   17   13,39     50   39,37
           Quebra       DVB (%)    NOR   29   22,83     93   73,23
           de voz                  ALT   0     0,0      5    3,94
                          NVB      NOR   29   22,83     93   73,23
                                   ALT   0     0,0      5    3,94
          Segmentos     DSH (%)    NOR   17   13,49     53   42,09
            sub-                   ALT   11   8,73      45   35,71
         harmonicos       NSH      NOR   17   13,39     53   41,73
                                   ALT   12   9,45      45   35,43
          Segmentos     DUV (%)    NOR   22   17,32     75   59,06
           surdos                  ALT   7    5,51      23   18,11
           ou nao         NUV      NOR   21   16,54     72   56,69
         sonorizados               ALT   8    6,30      26   20,47
CAPE-V   Grau Geral                NOR   25   19,69     93   73,23
                                   LEV   2    1,57      4    3,15
                                   MOD   2    1,57      1    0,79
                                   SEV   0     0,0      0     0,0
         Rugosidade                NOR   25   19,69     93   73,23
                                   LEV   3    2,36      4    3,15
                                   MOD   1    0,79      1    0,79
                                   SEV   0     0,0      0     0,0
         Soprosidade               NOR   26   20,47     96   75,59
                                   LEV   2    1,57      2    1,57
                                   MOD   1    0,79      0     0,0
                                   SEV   0     0,0      0     0,0
           Tensao                  NOR   0     0,0      0     0,0
                                   LEV   0     0,0      0     0,0
                                   MOD   0     0,0      0     0,0
                                   SEV   0     0,0      0     0,0

           Medidas                 Valor de p

MDVPA    Frequencia     f0 (HZ)      0,661

                       fhi (Hz)      0,579

                       fio (Hz)      0,356

                       STD (Hz)      0,193

         Perturbacao   Jita (Ms)     0,306
             de
         frequencia    Jitt (%)      0,088

                        RAP (%)     0,028 *

                        PPQ (%)      0,107

                       sPPQ (%)      0,186

                        vf0 (%)      0,331

         Perturbacao   ShdB (dB)     0,530
             de
          amplitude    Shim (%)      0,530

                        APQ (%)      0,661

                       sAPQ (%)      0,356

                        vAm (%)      0,173

            Ruido         NHR        0,823

                          VTI        0,946

                          SPI        0,471

           Quebra       DVB (%)      0,214
           de voz
                          NVB        0,214

          Segmentos     DSH (%)      0,533
            sub-
         harmonicos       NSH        0,665

          Segmentos     DUV (%)      0,940
           surdos
           ou nao         NUV        0,910
         sonorizados
CAPE-V   Grau Geral                  0,147

         Rugosidade                  0,270

         Soprosidade                 0,073

           Tensao                    1,000

* p<0,005--Teste Qui-Quadrado de Pearson

Legenda: n=numero de sujeitos; %=porcentagem de sujeitos;
NOR=normal; ALT=alterado; LEV=leve; MOD=moderado; SEV=severo.

Tabela 5. Analise das variaveis queixa vocal, relato de tabagismo
e disturbio respiratorio em funcao do tempo de utilizacao da voz
profissional, atuacao diaria e idade

                                 Media     DP     valor de p

Tempo de utilizacao da voz profissional (anos)
Queixa vocal              Sim    13,34    0,99      0,697
                          Nao    12,65    1,47
Tabagismo                 Sim    11,20    4,16      0,638
                          Nao    13,20    0,84
Disturbio respiratorio    Sim    13,13    1,73      0,993
                          Nao    13,12    0,94

Atuacao diaria (horas)
Queixa vocal              Sim     7,44    0,32     0,002 *
                          Nao     6,15    0,47
Tabagismo                 Sim     7,02    0,27      0,788
                          Nao     7,40    1,36
Disturbio respiratorio    Sim     6,93    0,30      0,496
                          Nao     7,37    0,56

Idade
Queixa vocal              Sim    39,10    1,09      0,169
                          Nao    36,40    1,61
Tabagismo                 Sim    38,29    0,93      0,816
                          Nao    37,20    4,61
Disturbio respiratorio    Sim    38,47    1,04      0,648
                          Nao    37,48    1,91

* p <0,05--Teste ANOVA.

Legenda: DP=desvio-padrao
COPYRIGHT 2016 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Cielo, Carla Aparecida; Portalete, Caroline Rodrigues; Ribeiro, Vanessa Veis; Bastilha, Gabriele Rod
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:May 1, 2016
Words:6764
Previous Article:Vocal range profile of chorists after the tongue-trill technique associated with scales/ Perfil de extensao vocal em coristas apos tecnica de...
Next Article:Vocal self-assessment of women in menopause/ Autoavaliacao vocal de mulheres na menopausa.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters