Printer Friendly

O USO DA CINESIOTERAPIA NA RECONSTRUCAO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR UTILIZANDO CADEIA CINETICA ABERTA E CADEIA CINETICA FECHADA.

RESUMO

O objetivo do Estudo foi realizar uma revisao para responder alguns questionamentos encontrados na literatura, sobre qual e a melhor tecnica de fortalecimento muscular em CCA ou CCF e seus riscos ao excesso de tensao no enxerto do ligamento e sobrecarga na articulacao patelo-femoral para individuos no processo de reabilitacao da cirurgia de reconstrucao de LCA. Dentre as estruturas que compoem o joelho, o LCA, esta mais sujeito a lesoes com incidencia de 50% dos casos. Sujeitos jovens, do sexo masculino e, praticantes de atividade fisica estao mais propicio a sofrerem esse tipo de lesao, devido o principal mecanismos causador da mesma, ser a desaceleracao e mudanca brusca de direcao do movimento da perna, causando uma rotacao externa em valgo. Inicialmente serao descritas as funcoes mecanicas do LCA e sua anatomia, em seguida serao mostrados os principais mecanismos de lesao causados na pratica do esporte e qual esporte esta mais sujeito a tal lesao. O estudo conclui que a utilizacao de CCF causa menos tensao ao enxerto do ligamento e a articulacao patelo-femoral e apresenta resultados satisfatorios no ganho de forca e massa muscular, porem constatasse que novos estudos sao necessarios para mostra os beneficios dos exercicios em CCF.

Palavras-chave: Reconstrucao. CCA. CCF. LCA.

ABSTRACT

The use of therapeutic exercise in the reconstruction of anterior cruciate ligament using open kinetic chain and closed kinetic chain

The aim of the study was to conduct a literature review to answer some questions in the literature on what is the Best technique for muscle strengthening in OKC or CKC and its risk to excess tension in the graft ligament and overload the patellofemoral joint for individuals in the process of rehabilitation of ACL reconstruction surgery. Among the structures that make up the knee, the ACL, the more prone to injuries with an incidence of 50% of the cases. Young subjects, male and physically active are more prone to suffer this type of injury because of the main mechanisms that causes it to be deceleration and sudden change of direction of motion of the leg, causing a valgus external rotation. Initially it describes the mechanical functions of the ACL and its anatomy then be shown the main mechanisms of injury caused in the practice of this sport and what sport more prone to such damage. The study concludes that the use of CKC causes less stress to the graft ligament and patellofemoral joint and provides satisfactory results in increased strength and muscle mass, but it determined that further studies are needed to show the benefits of CKC exercises.

Key words: Reconstruction. CKC. OKC. ACL.

INTRODUCAO

Os ligamentos cruzados sao estruturas responsaveis pela estabilidade do joelho e estao localizados no centro da articulacao do mesmo. O ligamento cruzado anterior (LCA) assim como o posterior (LCP), e extra sinoviaal, apesar de intra-articulares.

Eles recebem esta denominacao de acordo com sua insercao tibial, e por se cruzarem no centro do joelho (Buks e colaboradores, 1990).

O LCA e a estrutura mais sucessivel a lesao no joelho, sendo diagnosticada em 50% dos casos, principalmente em jovens do sexo masculino, praticante de esporte como futebol seja de forma habitual ou esporadica (Kisner, Colby, 1998).

O LCA possui uma resistencia de tensao por volta de 2160N na flexao com angulo de 30 porem raramente atingisse esse angulo nas atividades diarias (Beynnon e colaboradores, 1997).

Os grandes numeros de lesoes no LCA esta ligada a sua funcao de evitar movimento de "gaveta" e rotacao do joelho, assim a sua ruptura ocorre com frequencia em esportes como futebol, voleibol e basquete, devido essas atividades exigirem muitos movimentos de rotacao, em muitos casos o pe fica "preso" no chao causando uma rotacao exagerada do joelho (Norwood Cross, 1979).

E muito como este tipo de lesao em atletas jovens, do sexo masculino. De acordo com estudos eles somam 50% dos lesados, ainda mais aqueles que nao tem habitos de alongamentos e que nao possuem uma musculatura adequada, dessa forma acabam se tornando mais predisposto a esse tipo de sobrecarga no ligamento, assim rompendo o mesmo.

Individuos portadores de lesao no LCA apresentam limitacoes nas rotacoes de joelho e reducao na amplitude dos movimentos principalmente na flexao de joelho, no processo de reabilitacao e fortalecimento muscular utilizam-se exercicios de CCA e CCF, porem ha um grande questionamento a respeito de qual cadeia cinetica e mais eficaz e gera menor tensao no enxerto e na articulacao patelo-femoral.

Assim esse estudo vem com o proposito de identificar por meio da revisao qual recurso cinesioterapeutico sera mais eficaz.

MATERIAIS E METODOS

Este estudo apresenta uma pesquisa analitica do tipo revisao narrativa, onde foi realizado levantamento de informacoes e esclarecimento sobre o tema, a revisao constou de pesquisas em livros, artigos, dissertacoes de mestrado, bibliotecas particulares, alem de consultas via bases de dados SCIELO, LILACS.

Para tais consultas, foram utilizadas como palavras-chave: lesao do ligamento cruzado anterior, LCA, fisioterapia na lesao do ligamento cruzado anterior, cadeia cinetica fechada, cadeia cinetica aberta, cinesioterapia, CCA, CCF, reconstrucao do ligamento cruzado anterior, "anterior cruciate ligament", "structure ligaments", "fuction ligaments", "injury ligaments", "biomechanics of knee ligaments".

A pesquisa foi realizada entre fevereiro a agosto de 2013, visando a atualizacao sobre o tema, podendo contribuir de forma mais positiva para sua discussao e analise do material coletado referente as patologia e os recursos fisioterapeuticos cabiveis para tratamento.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Anatomia e Biomecanica

A articulacao do joelho e uma das maiores e mais complexas articulacoes do corpo humano, sendo uma articulacao do tipo ginglimo, que permite movimentos de flexao, extensao e pequenos graus de rotacao. Formada por tres ossos, femur, tibia, patela que por esta ser um osso sesamoide pode se movimentar, sendo permitida por como estruturas como capsula articular, extracapsulares e intracapsulares e membrana sinovial (Dangelo e Fattini, 2000).

A origem femoral do LCA localiza se na porcao postero lateral da fossa intercondilar, em uma forma convexa, tendo uma parte oval posteriormente e uma parte plana anteriormente, assim o ligamento se liga ate sua insercao na tibial que ocupa cerca de 30 mm, sendo bem resistente que a femoral, possui diversas ramificacoes para o menisco medial e lateral (Arnoczky, 1989).

As chamadas bandas do LCA sao constituidas de fibras de colageno, multifasciculares e paralelas, estao em diferentes graus de tensao conforme o grau de flexao do joelho. Estas fibras sao classicamente divididas em duas bandas, a banda antero-medial que se origina na porcao mais proximal da LCA e se insere na porcao mais antero-medial da sua insercao tibial.

A banda postero lateral se origina mais distal em relacao a origem femoral e se insere mais postero lateral na insercao tibial, esta banda e o componente mais curto e de maior volume do LCA, e ainda uma terceira banda e descrita, a banda intermediaria (Norwood, Cross, 1979).

Segundo Arnoczky, (1989) o LCA tem em media 38 mm de comprimento e uma espessura de 11 mm que varia sua extensao pela porcao medial, tendo como principal funcao evitar a anteriorizacao da tibia, porem participa como estabilizador das rotacoes do joelho.

O LCA tem a capacidade de suporta certo peso antes de sua ruptura, sendo esses valores para atividades com esforco fisico significativa, porem movimentos bruscos presentes nas atividades rotineiras sao os maiores causadores de ruptura do mesmo, devido o LCA se lesionar geralmente quando o ligamento e sobrecarga ou a musculatura esta fragilizada. O trauma pode ser direto ou indireto.

As principais funcoes dos ligamentos do joelho sao: estabilizacao, controle da cinematica e prevencao dos deslocamentos e rotacoes anormais que podem causar lesoes da superficie articular. O seu conhecimento e fundamental para o planejamento cirurgico e reabilitacao.

O LCA e um estabilizador primario do joelho e sua principal funcao e impedir a translacao anterior ou anteriorizacao da tibia em relacao ao femur. Ele atua secundariamente na restricao da rotacao tibial e em menor grau na angulacao varo-valgo quando o joelho esta estendido, o que nao ocorre em flexao. O LCA nao possui acao na restricao da translacao posterior da tibia, (Fu e colaboradores, 1993).

Uma analise da resistencia do LCA em grupos de idades diferentes verificou que o grupo mais jovem (20 a 35 anos / 2160 [+ or -] 157 N) apresenta resistencia 50% maior que o 2 grupo (40 a 50anos / 1503 [+ or -] 83 N) e tres vezes maior que o terceiro grupo (60 a 97 anos / 658 [+ or -] 129 N).

O LCA suporta carga de aproximadamente 2000 a 2500N em adultos jovens e em atividades diarias recebe carga de somente 20% do seu limite de resistencia maxima (Woo, 1991).

Segundo Woo, (1991). Constata e que o LCA recebe 75% da forca anterior do joelho no movimento de extensao completa e 85% com o joelho flexionado de 30 a 90 graus.

O LCA evita 25% o estresse em varo e junto com o LCP sao responsaveis 25% da restricao e valgo quando o joelho faz o movimento de extensao

Mecanismo de Lesao

As lesoes do ligamento cruzado anterior ocorrem com mais frequencia em individuos jovens que praticam algum tipo de esporte, principalmente em pacientes do sexo masculino. A forca causadora frequentemente e a hiperextensao com estresse forcando a rotacao lateral na tibia, estando o pe fixo (Kisner, 1998).

Segundo Cailet (2001) a lesao do ligamento cruzado anterior ocorre comumente pela lesao rotacional forcada externa em valgo. Uma lesao ao ligamento cruzado anterior que ocorra por esse mecanismo esta muitas vezes associada com lesoes a outras estruturas mediais de suporte, tais como os ligamentos colaterais mediais. Pode ocorrer uma lesao isolada do ligamento cruzado anterior devido a rotacao interna forcada do femur com ou sem extensao significativa.

O mecanismo de lesao classico quase sempre e dado por uma manobra de torcao, e desaceleracao subita geralmente seguida de estalos e hemartroses presente dentro de poucas horas, ou ainda abducao com rotacao externa e hiperextensao do ligamento cruzado anterior ou tambem e de uma torcao com o pe fixo no solo, mecanismo este em que a tibia se move para anterior em relacao ao femur.

Outros tipos de trauma tambem podem levar as lesoes do cruzado anterior, principalmente durante a pratica esportiva, mas sem duvidas, a projecao anterior da tibia em relacao ao femur e o principal causador da lesao do ligamento.

De acordo com Loundon e colaboradores (1999) o rompimento do LCA ocorre por um trauma subito com rotacao do pivo, e desaceleracao ou mudanca de rota brusca durante o movimento.

Segundo Camanho, (1996) o mecanismo comum e por uma hiperextensao, rotacao com pe fixo, onde tambem ocorrem lesoes no LCM E LCL, ambas pela desaceleracao ou mudanca de rota na execucao do movimento.

Na maioria das vezes, uma lesao completa do LCA requer tratamento cirurgico, pois seu potencial de cicatrizacao e praticamente nulo, caso nao seja feita a cirurgia o joelho podera fica "frouxo" ocorrendo rotineiramente entorses, impedindo a pratica esportiva ocasionando inchaco no joelho podendo afetar a articulacao causando uma artrose precoce.

Nao ha dados que demonstre que exista especificamente um esporte propenso ao maior numero de lesoes de LCA, de acordo com a literatura todo esporte que exerca uma tensao em excesso no LCA esta sujeito a lesao, porem temos esportes cujo sua biomecanica favorece como futebol, voleibol, basquetebol, futebol americano, rugbi, handebol, tenis, atletismo, ciclismo, hipismo, esgrima, hoquei, levantamento de peso, tenis e voleibol, lutas de arte marciais.

Ha um estudo significativo do Instituto do Joelho HCOR Sao Paulo revela que as artes marciais ja respondem por 20% das lesoes com cirurgias do joelho dos esportistas sendo o jiu-jitsu a modalidade com maior numero de incidencia por fim o estudo mostra que as lesoes das artes marciais crescem 25% ao ano.

Tratamento Conservador

A lesao parcial ou total deve ser levado primeiramente o paciente sendo cada paciente um caso isolado, pois cada um tem suas particularidades como atividades fisicas diarias suas pretensoes fisicas, porem tendo em vista o praticante de esporte o tratamento conservador e muito prejudicial pois sendo a maioria dos casos impossivel o retorno a atividade fisica, ainda segundo o mesmo autor o tratamento se deve com a imobilizacao de preferencia removivel para aplicacao da crioterapia 3 x ao dia, com a imobilizacao rigida sendo usada com menor tempo possivel.

Apesar de o tratamento ser conservador nao quer dizer que nao sera utilizado exercicios fisioterapeuticos, unica restricao sera a marcha para nao agravar a dor, sao indicados uso de antiinflamatorios para diminuicao do edema, facilitando a fisioterapia, porem o paciente tem que ter a consciencia que o uso desse tratamento o mesmo corre risco de instabilidade podendo necessitar de cirurgia (Amatuzzi e colaboradores, 1992).

De acordo com Gabriel e colaboradores, (2001), o periodo de imobilizacao deve ter o objetivo da diminuicao de edemas sendo por imobilizacao removivel ou rigida para protecao da articulacao nao permitindo possiveis entorses, o mesmo autor tambem indica apos essa fase de imobilizacao deve ser o objetivo de fortalecimento muscular junto com ganho de ADM.

Segundo Fatarelli, (2003) utiliza o conceito neuromuscular relatando que com a atrofia do quadriceps se da devido a adaptacao do controle motor para tentar evitar a anteriorizacao da tibia, assim indica o fortalecimento muscular dos isquiostibiais evitando a sobrecarga na articulacao do joelho, assim apos tres semanas de acordo com autor deve se avaliar o LCA para utilizacao de exercicios de resistencia na musculatura da perna e por fim utilizando exercicios voltados para atividades do cotidiano sempre respeitando as particularidades de cada paciente.

De acordo com Siliski, (2002), os pacientes sao orientados evitar atividades fisicas de alto risco como saltos, corridas intensas, desaceleracao em corridas de alto risco, porem o autor indica atividades feitas em linha reta como trote, ciclismo e natacao.

Tratamento Cirurgico

E necessaria uma etapa pre-cirurgica para se estabelecer medidas para o restabelecimento total da ADM, segundo o autor deve ser uma diminuicao no padrao da marcha principalmente na posicao de flexao, deve haver uma diminuicao no edema e na dor e por fim uma recuperacao tanto muscular como um tratamento psicologico para a cirurgia, tais medidas segundo o autor demonstram grande eficacia na recuperacao pos- cirurgica.

De acordo com os autores Hebert e Xavier (2003), Kerkour e Salgado, (2003) a reinsercao do LCA nao produz um bom resultado, o meio mais usado e a retirada de um terco do tendao patelar, tensor da fascia lata ou gracil e semi tendinoso sendo fixado na insercao do LCA na tibia e no femur.

A opcao da cirurgia no LCA e particular em cada caso, sendo assim de acordo com o autor e mais recomendado em idosos e individuos jovens atletas, podendo ser feita pela substituicao do tendao lesado por enxerto dos tendoes do gracil e semimembranoso, estas estruturas podem ser colocadas atraves da artroscopia evitando cicatrizes, o pos-operatorio se inicia com fisioterapia no dia seguinte podendo ser de ate 12 messes dependendo de cada paciente. (Weinstein e colaboradores, 2000).

Para Fatarelli (2003), o unico sentido da reconstrucao do LCA e estimular o fortalecimento muscular dos isquiotibiais como medida de precaucao, pois o novo ligamento deve ser mais resistente que o outro com a cicatrizacao total do processo cirurgico, sendo preparado para suporta movimentos de anteriorizacao da tibia.

Pos Cirurgicos

Durante o pos-operatorio o paciente sofre com fraqueza perda de massa nos musculos extensores do joelho. Essas variacoes ainda nao tem uma causa certa na literatura, acreditasse em uma origem neural ou mecanica ou ate mesmo na falta condicionamento do paciente devido o periodo de restricao de atividades.

O aspecto neural e muito importante devido a inibicao muscular, sendo necessario um bom programa de fortalecimento muscular para o sucesso do tratamento.

Segundo Sampaio, Souza, (1997) a atrofia do musculo quadriceps femoral e um dos principais problemas na reabilitacao do LCA, de forma que se torna inevitavel a atrofia apos processos cirurgicos, esta complicacao varia de acordo com a porcentagem de fibras do tipo 1 e 2 presentes no musculo.

Segundo Almeida (2003) A fase intermediaria do tratamento deve se da entre sete e oito semanas ate completa cerca de 4 messes, nesta fase a prioridade e o desenvolvimento da resistencia e fortalecimento da musculatura principalmente do quadriceps, evitando sobrecarga e rotacoes de joelho, assim protegendo a articulacao e o enxerto para pode se da inicio aos exercicios proprioceptivos.

Dessa forma torna-se fundamental trabalhar no fortalecimento muscular dos grupos envolvidos, porem com o avanco das cirurgias de LCA e do tratamento de reabilitacao cujo objetivo sao estabilizar o mesmo e reativar as acoes neuromusculares em comparacao ao joelho contralateral, porem percebesse que ocorre uma permanencia do deficit sensorial principalmente em aspectos proprioceptivos (Bonfim, Paccola, 2000).

O programa pos-cirurgico consiste nos recursos fisioterapeuticos como exercicios prioceptivos, estabilidade articular para atletas tambem o autor recomenda exercicios de pliometria e de agilidades especificos para o esporte praticado. O autor divide o programa em algumas fases primeiramente apos a cirurgia cujo objetivo e a extensao passiva completa e a reducao do edema na regiao, assim iniciando se pos-alta hospitalar trabalhos para ganho de ADM e a completa reducao do edema, enquanto a restauracao nao for completa e aconselhado o uso de orteses (Risberg e colaboradores, 2001)

De acordo com Fatarelli, (2003) e fundamental a utilizacao de um programa de exercicios proprioceptivos para resposta muscular que estimule a capacidade do paciente reconhecer a posicao estatica da articulacao do joelho.

Ainda segundo o mesmo autor indica se exercicios de resistencia com grande numero de series e repeticoes e baixa carga deve ser iniciada na fase primaria do tratamento, porem os exercicios de forca com poucas repeticoes e altas cargas deve ser realizado posteriormente.

Cadeia Cinetica Aberta X Cadeia Cinetica Fechada

Os exercicios em CCA e CCF tem sido englobados no programa de fortalecimento muscular dos extensores de joelho em pacientes com lesao da articulacao do mesmo.

Nos exercicios em CCA onde o membro distal esta livre para se mover no espaco, o musculo do quadriceps trabalha de forma isolada facilitando as forca de compreensao da articulacao patelo-femoral.

Wilk e colaboradores (1996), Ja os exercicios em CCF onde o membro distal este estabilizado e imovel, geram uma estabilidade articular e produzem estimulos comumente realizados na vida diaria.

Para Fleming e colaboradores (2005), A diferenca nos exercicios de CCA e CCF esta apenas na parte distal do seguimento ativado durante a pratica. Os CCF tem o piso fixo enquanto os de CCA tem livre movimento no espaco.

Segundo Collins, Whieldon, (1993) Durante o agachamento (CCF) a tensao que sobrecarrega o joelho e minimizada em comparacao a extensao de joelho (CCA).

Os exercicios isometricos quando aplicados em CCF geram forcas de cisalhamento no LCA muito inferiores em comparacao aos de CCS nos musculos quadriceps femoral e isquios tibiais (Siliski, 2002).

Sendo assim concluisse que nao existem variacoes significativas na ativacao muscular nos exercicios de CCA e CCF, porem o risco de ocorre um excesso de pressao no enxerto do ligamento e na articulacao patelo-femoral sao menores nos exercicios de cadeia cinetica fechada (CCF), exemplo deles sao agachamento, levantamento terra e leg press.

Segundo Escamilla, (1998) e Flaning, (2005), a minimizacao da pressao exercida no joelho ocorre devido que nos exercicios de CCF proporcionam um menor deslizamento anterior da tibia.

Com isso percebe-se que os exercicios de CCF sao eficientes para o fortalecimento muscular e apresentam uma margem de seguranca maior para o paciente, porem torna-se necessarios mais estudos para saber como utilizar os exercicios de CCA no tratamento principalmente na fase final do processo.
Cadeia cinetica aberta         Cadeia cinetica fechada

Segmento distal esta livre
para se mover e o              Segmento distal esta fixo, sem se mover,
                               e
segmento proximal esta fixo.   as partes proximais se movem.
Aumento de cisalhamento
articular (atrito              Diminui cisalhamento articular (atrito
articular).                    articular).
Diminui compressao articular.  Aumenta compressao articular.
Apenas um plano de movimento
apenas um                      Movimento de multiplos angulos.
musculo (o agonista) e mais
envolvido.                     Musculos antagonistas e agonistas bem
Aumento das forcas de
aceleracao.                    envolvidos (movimento funcional, varios
Diminuicao das forcas de
resistencia.                   musculos).
                               Estimulacao dos proprioceptors.


De acordo com Snider, (2000) o procedimento de tratamento do LCA deve ser diferenciado de acordo com a idade do paciente, pratica de esporte.

Ja Fatarelli (2003), os tratamentos pre-cirurgicos devem se ter algumas medidas como ganho da ADM, fortalecimento muscular principalmente dos isquiostibiais para assim se submeter a cirurgia

De acordo com Weinstein e colaboradores, (2000) os enxertos mais comuns sao do tendao do gracil e semimembranoso sendo colocados por meio de uma artroscopia evitando cicatrizes e complicacoes, porem (Hebert, Xavier, 2003, Kerkour, Salgado, 2003) indicam enxertos do tendao patelar, semitendineo, tensor da fascia lata para a reconstrucao.

Em respeito ao tratamento pos-cirurgico houve unanimidade quanto a respeito do tratamento, sendo indicado primeiramente um ganho de ADM com diminuicao do edema na regiao, sendo indicados exercicios com o objetivo de resistencia e fortalecimento muscular utilizando altos numeros de series e repeticoes com baixa carga para nao sobrecarregar tanto articulacao como o enxerto fixado.

Assim a proxima etapa do tratamento se indica tambem com unanimidade exercicios proprioceptivos para se ter resposta neuromuscular, assim o paciente podendo reconhecer sua posicao estatica da articulacao, alguns autores como Risberg e colaboradores, (2001) indicam exercicios de pliometria e de agilidade de acordo com o esporte do paciente lesado, segundo Fatarelli (2003) nesta etapa do tratamento o indicado e a utilizacao de baixas repeticoes e series com altas cargas.

De acordo com Guimaraes, Lima, (1999) ha discussao sobre qual exercicio e mais eficaz na reconstrucao do LCA e bastante ampla, sobre em qual momento e mais adequado o uso das CCF e CCA com qual real objetivo deve ser usado.

Porem, exercicios utilizando CCF sao mais eficazes no programa de reabilitacao por fornecerem maior seguranca ha articulacao nos primeiros estagios do programa oferecendo menos tensao ao enxerto.

Na cadeia cinetica aberta se caracteriza pela liberdade do segmento distal, ao passo que na cadeia cinetica fechada o segmento distal da articulacao e fixo e suporta uma consideravel resistencia vinda de fora, o que impede ou reduz sua liberdade de movimentacao.

Utilizando os termos cadeia cinetica aberta e fechada tiveram como objetivo prover um esquema de classificacao que diferenciava dois enfoques distintos de exercicios: o de cadeia cinetica fechada, quando o segmento distal encontrava resistencia, sendo a acao muscular e a funcao articular diferentes de quando o segmento distal era livre para se mover denominado de cadeia cinetica aberta.

Temos como exemplo de cadeia cinetica aberta o exercicio na cadeira extensora e flexora enquanto na cadeia cinetica fechada o exercicio Leg Press e tambem Agachamento que podem ser utilizados para o tratamento do LCA.

CONCLUSAO

O estudo chega a conclusao que os pesquisados que utilizam o modo conservador se baseiam muito no fortalecimento da musculatura e principalmente na diminuicao do edema e no ganho de ADM porem os autores tem o mesmo objetivo porem divergem apenas na conduta e sobre qual enxerto e mais utilizado no tratamento cirurgico.

Quanto ao tratamento pos-cirurgico, todos tem a mesma opiniao a respeito, sendo indicado primeiramente a imobilizacao para nao causar movimentos de rotacao de joelho e utilizando exercicios de fortalecimento e resistencia porem utilizando baixas cargas e altas series e repeticoes outro fator importante na fase inicial e a diminuicao do edema na regiao e ganho de ADM, podendo assim da inicio a segunda etapa do tratamento utilizando principalmente exercicios proprioceptivos para estimular o paciente na percepcao estatica da articulacao, se indica tambem exercicios de fortalecimento e resistencia muscular com altas cargas e baixas series e repeticoes para fortalecimento da articulacao, por fim todos autores chegaram ao consenso de que o tratamento so sera eficaz variando uma conduta de acordo com idade, sexo, praticante ou nao de atividades fisicas sendo assim cabe ao fisioterapeuta escolher a conduta adequada a ser seguida tendo sempre baseamento anatomico e patologico para assim contribuir para o sucesso da reconstrucao do LCA.

O estudo conclui que os exercicios dos dois tipos de cadeia cinetica tanto CCF quanto CCA nao devem ser totalmente excluidos do processo de reabilitacao, porem os exercicios de CCF proporcionam menos tensao para articulacao do joelho assim evitando grande tensao no enxerto inserido na reconstrucao do LCA, assim concluimos que os exercicios em CCF sao mais seguros para a articulacao, porem o estudo tambem conclui que sao necessarios mais estudo para comprovar a eficacia dos exercicios em CCA, assim nao podendo excluir sua utilizacao o processo de reabilitacao.

REFERENCIAS

1-Almeida, M. F. Lesao do ligamento cruzado anterior tratamento fisioterapico. Disponivel em:

<http://www.mfafisioterapia.hpg.ig.com.br>. Acesso em 24/05/2003.

2-Amatuzzi, M. M.; Rossi, J. D. M. B. A. Patologia do joelho. s. ed. Sao Paulo. 1992. p. 1, 35, 37, 106-108.

3-Arnoczly, S. P. Anatomy of the Anterior Cruciate Ligament. Clinical Orthopedics and Related Research. Num. 172. 1989.

4-Beynnon, B. D.; e colaboradores. The strain behavior of the anterior cruciate ligament during squatting and active flexion-extension. The American Journal of Sports Medicine. Vol. 25. Num. 6. 1997.

5-Bonfim, T. R.; Paccola C. A. J. Propriocepcao apos a reconstrucao do ligamento cruzado anterior usando ligamento patelar homologo e autologo. Revista Brasileira Ortopedia. Vol. 35. Num. 6. 2000.

6-Burks, R. T.; Daniel, D. M.; Akeson, W. H.; O'Connor, J. J. Knee Ligaments: Structure Function, Injury and Repair. New York. Raven Press. 1990. p.59-79.

7-Collins, C.E.; Whieldon, T .J.; Y Ack, H.J. Comparison of closed and open kinetic chain exercise in the anterior cruciate ligament-deficient knee. The American Journal of Sports Medicine. Vol. 21. Num. 1. 1993.

8-Camanho, G. L. Patologias do joelho. Sao Paulo. Sarvier. 1996. p. 2, 4, 16,173-175,177-181.

9-Cailliet, R. Dor no Joelho. Porto Alegre. Artmed. 2001.

10-Dangelo, J. G.; Fattini, C. A. Anatomia humana sistemica e segmentar: para o estudante de medicina. 2a edicao. Atheneu. 2000. p. 192-196.

11-Escamilla, R. F.; Fleisig, G. S.; Zheng, N.; Barrentine, S. W.; Wilk, K. E. Biomechanics of the knee during closed kinetic chain and open kinetic chain exercises. Med Scienc Sports Exercises. Vol. 30. p.556-569. 1998

12-Fatarelli, I. F.; Almeida, G. L.; Nascimento, B. G. Lesao e reconstrucao do LCA: Uma Revisao Biomecanica e do Controle Motor. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 8. Num. 3. p.197-206. 2003.

13-Fleming, B. C.; Oksendahl, H.; Beynnon, B. D. Open or closed kinetic chain exercises after anterior cruciate ligament reconstruction? Rev. ExerciseSportSciencie. Vol. 33. p.134-140. 2005

14-Fu, F. H.; Harner, C. D.; Johnson, D. L.; Miller, M. D.; Woo, S. L. Y. Instructional course lectures, the American academy of orthopedic surgeons. Biomechanics of knee ligaments. Basic concepts and clinical application. JBJS. Vol. 75-A. p. 1716-1727. 1993.

15-Gabriel, M. R. S.; Petit, J. D; Carril, M. L. S. Fisioterapia em traumatologia ortopedia e reumatologia. Revinter. 2001. p. 162-163.

16-Hebert, S.; Xavier, R. Ortopedia e Traumatologia Principios e Pratica. Vol. 3. Artmed. 2003.

17-Kerkour, K.; Salgado, A.S.I. Reconstrucao do ligamento cruzado anterior (LCA). Terapia Manual. Londrina. Vol. 1. Num. 3. 2003.

18-Kisner, C.; Colby, L. A. Exercicios Terapeuticos: Fundamentos e Tecnicas. Manole. 1998.

19-Loudon, J. K.; Bell, S. L.; Johnston, J. M. Guia clinico de avaliacao ortopedica. Manole. 1999. p. 162-173.

20-Norwood, L. A.; Cross, M. J. Anterior cruciate ligament: Functional anatomy of its bundles in rotatory instabilities. AM J Esports Med. Vol. 7. p. p.23. 1979.

21-Risberg, M. A.; Mork, M.; Jenssen, H. K.; Holm, I. Projeto e execucao de um programa de treino neuromuscular apos a reconstrucao do ligamento cruzado anterior. Journal of Orthopedic & Sports Physical Therapy. Vol. 31. Num. 11. p. 5-10. 2001.

22-Sampaio, T. C. F. V. S.; Souza, J. M. G. Reabilitacao pos-reconstrucao do LCA do joelho: e possivel um programa de reabilitacao a distancia? Rev. Bras. Ortopedia. Vol. 32. Num. 5. p. 342-346. 1997.

23-Silisky, J.M. Joelho Lesoes Traumaticas. Rio de Janeiro. Revinter. 2002.

24-Woo, S. L.; Hollis, J. M.; Adans, D. J.; Lyon, R. M.; Takay, S. Tensile properties of the human femur-anterior cruciate ligament complex. Am J Sports Med. Vol. 19. p.217-225. 1991.

25-Weinstein, S. L.; Buckwalter, J. A. Ortopedia de Turek: principios e suas aplicacoes. 5a edicao. 2000. p. 30-31, 593-594, 596-597.

26-Wilk, K. E.; Escamilla, R. F.; Fleisig, G. S.; Barrentine, S. W.; Andrews, J. R.; Boyd, M. L. A comparison of tibiofemoral joint forces and electromyography activity during open and closed kinetic.

Matheus de Siqueira Mendes Barbalho (1,2) Lucas de Carvalho Zoghbi (1) Ismael Fernando de Carvalho Fatarelli (1,2)

(1)-Graduacao de Fisioterapia, Universidade da Amazonia-UNAMA, Brasil.

(2)-Graduacao de Educacao Fisica, Universidade da Amazonia-UNAMA, Brasil.

E-mail do autor:

matheussmbarbalho@gmail.com

Recebido para publicacao 23/08/2014

Aceito em 29/05/2015
COPYRIGHT 2015 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Siqueira Mendes Barbalho, Matheus; de Carvalho Zoghbi, Lucas; de Carvalho Fatarelli, Ismael Ferna
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:Jul 1, 2015
Words:5321
Previous Article:LEPTINA E EXERCICIO FISICO: MECANISMOS PARA CONTROLE DO PESO CORPORAL.
Next Article:A RBPFEX AMPLIOU O INDICE NA BASE MIAR.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2022 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |