Printer Friendly

Nutritional status and food adequacy of children in a school in the municipality of Sao Jorge D'oeste-PR/ESTADO NUTRICIONAL E ADEQUACAO ALIMENTAR DE CRIANCAS EM UMA ESCOLA NO MUNICIPIO DE SAO JORGE D'OESTE-PR.

INTRODUCAO

A alimentacao e o principio basico da saude e da vida, sendo importante desde a infancia o estimulo a uma rotina alimentar equilibrada e balanceada, para que a crianca tenha crescimento e desenvolvimento adequado (Domingues e Magro, 2014).

O ato de se alimentar nao envolve somente a fome, saciedade e o alcance dos nutrientes necessarios, ela tambem promove o correto desenvolvimento do corpo humano, em especial o cerebro, auxiliando no desenvolvimento de funcoes como a concentracao, memoria, reflexao e aprendizagem. Alunos que realizam as refeicoes servidas nas escolas apresentam melhor rendimento e aprendizagem, quando comparada aos que nao os consomem. E os que nao se alimentam nesse periodo apresentam menor rendimento escolar, dificuldade de concentracao, alem de ficarem mais sonolentos e irritados (Maria e Rezende, 2014).

O Programa Nacional de Alimentacao Escolar (PNAE), responsavel pela organizacao e coordenacao da alimentacao em ambiente escolar, contribui para o crescimento e o desenvolvimento biopsicossocial, a aprendizagem, o rendimento e a formacao de praticas alimentares saudaveis aos alunos, com acoes de educacao alimentar e nutricional, bem como a oferta de refeicoes que atendam as necessidades nutricionais durante o periodo letivo (Brasil, 2013).

As refeicoes oferecidas devem suprir 20% das necessidades nutricionais diarias, quando ofertada uma refeicao e 30% das necessidades para duas ou mais refeicoes aos alunos matriculados na educacao basica, em periodo parcial (Brasil, 2013). As recomendacoes de energia, proteina, calcio e ferro para pre-escolares de 4 a 5 anos no periodo escolar sao respectivamente, 270 kcal, 3,6 g, 120 mg e 1,5 mg. E para o ensino fundamental respectivamente 300 kcal, 4,2 g, 120 mg e 1,5 mg (Brasil, 2006).

A infancia e o periodo de formacao dos habitos alimentares, e a escola tem papel fundamental no desenvolvimento do comportamento alimentar e escolha dos alimentos para incremento desses habitos, sendo indispensavel que as refeicoes sejam servidas com produtos saudaveis, seguros, com qualidade e na quantidade adequada para o correto crescimento (Frizon, 2008; Ribeiro e Silva, 2013; Valle e Euclydes, 2007).

Baixo peso/, magreza, sobrepeso e a obesidade em criancas estao relacionados diretamente com as mudancas no processo alimentar e sedentarismo, gerando prejuizos como deficit de crescimento e desenvolvimento cognitivo, quadros de diabetes, cardiopatias, dislipidemias, entre outras doencas cronicas (Guedes e colaboradores, 2013).

A antropometria pode ser utilizada para diagnosticar desvios nutricionais em criancas, e e caracterizada como um estudo que efetua as medidas a partir de parametros estabelecidos, padronizacao de tecnicas de afericao, utilizando instrumentos apropriados como balancas, adipometros, antropometros, sendo aplicavel em todas as fases da vida. E aceita e indicada como melhor parametro para se avaliar o estado nutricional dos grupos populacionais, fornecendo um diagnostico coletivo (Guedes e colaboradores, 2013).

O acesso a alimentacao adequada e um direito social, ponto chave para o bemestar e adequado estado nutricional e possui grande importancia durante a infancia. Para que o ambiente escolar seja um espaco de formacao de sujeitos e exercicio de direitos, e fundamental que esse local oferte alimentos seguros e saudaveis visto que, o consumo alimentar acaba sendo influenciado pelo tempo que a crianca permanece na escola (Cecane, 2013; Flavio, 2006).

A escola deve oferecer uma alimentacao segura e nutricionalmente adequada, cobrindo as necessidades nutricionais durante o periodo que a crianca permanece la. A alimentacao adequada nessa idade pode auxiliar no rendimento e aproveitamento do aluno (Ribeiro e Silva, 2013).

Julga-se importante analisar os lanches da merenda escolar, para avaliar a quantidade e qualidade dos alimentos oferecidos, a fim de prevenir desvios nutricionais (Mascarenhas e Santos, 2006).

Por isso essa pesquisa teve como objetivo principal tracar o perfil nutricional dos escolares e verificar a adequacao de energia, proteinas, calcio e ferro do lanche escolar no periodo da manha e tarde, para averiguar se atingem as recomendacoes do FNDE.

MATERIAIS E METODOS

Este foi um estudo do tipo transversal, realizado com uma amostra de 77 alunos de 5 a 10 anos de idade, de ambos os sexos, matriculados em uma escola municipal de Sao Jorge D' Oeste-PR, sendo estes, estudantes das turmas do 1, 2, 3, 4 e 5 ano.

A realizacao deste estudo obedeceu aos principios eticos para pesquisa envolvendo seres humanos, conforme Resolucao n. 196/96, do Conselho Nacional de Saude (CNS).

Este trabalho foi aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa da Plataforma Brasil sob o parecer N 1.426.82.

Os Termos de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) foram encaminhados aos pais e/ou responsaveis pelos escolares, sendo permitida a participacao nesta pesquisa apenas daqueles cujos TCLE vieram assinados, bem como os que estavam regularmente matriculados.

Encontros com os estudantes foram realizados durante as aulas de Educacao Fisica, nos horarios matutinos e vespertinos.

Para determinar o estado nutricional utilizou-se peso e estatura, para a obtencao dos dados antropometricos foram utilizados balanca antropometrica digital com regua e capacidade de 200 kg. Na afericao do peso e altura, os escolares apresentaram-se com roupas leves, sem sapatos e sem adornos no cabelo.

O estado nutricional foi avaliado de acordo com os indicadores IMC para idade e Estatura para idade, sendo classificados por meio do Z score (Ministerio da Saude, 2001). Utilizou-se o software Who Anthro Plus para tabulacao de dados antropometricos.

O calculo de uma semana das preparacoes servidas no lanche escolar foi realizado para verificar a adequacao de energia, proteina, calcio e ferro. Utilizou-se o software "Calculos-dieta" para a analise do lanche escolar, e utilizou-se entao como referencia a porcao/quantidade que as merendeiras colocaram no prato das criancas e nao a quantidade que os escolares consumiram.

Os valores obtidos foram comparados com as necessidades nutricionais diarias, para criancas que permanecem em periodo parcial na escola (20%).

Os dados foram digitados em planilhas do Word e Excel (2010) for Windows para o adequado armazenamento das informacoes. A analise estatistica dos dados foi realizada atraves do software GraphPad Prism Versao 6.9 e inicialmente feita de forma descritiva.

Para as variaveis de natureza quantitativa (numerica) foram calculadas algumas medidas-resumo, como media, valor minimo, valor maximo, desvio-padrao, e confeccionados graficos do tipo diagrama de dispersao unidimensional. As variaveis de natureza qualitativa (categorizada) foram analisadas atraves do calculo de frequencia absoluta e relativa (porcentagem), alem da construcao de graficos de barras. As analises estatisticas foram realizadas por meio do Teste t de Student; e teste Qui-Quadrado, considerados valores diferentes estatisticamente quando p < 0,05.

RESULTADOS

Foram incluidos 77 participantes no estudo, sendo 36 do sexo feminino e 41 do sexo masculino. A Tabela 1 apresenta as principais caracteristicas dos 77 participantes.

Foram avaliados os valores de Z IMC/I entre os grupos, e as criancas do sexo feminino apresentaram media de 0,39 [+ or -] 1,05 e as do sexo masculino 0,74 [+ or -] 1,33 (p=0,21 Teste t de Student--Figura 1).

As categorias de Z IMC/I das criancas incluidas no trabalho tambem foram avaliadas agrupadas por sexo. Nao foram observadas diferencas significantes entre os grupos (p=0,06--Teste Qui-Quadrado--Figura 2).

Alem disso, a Figura 3 apresenta a categoria de Z IMC/I de todos os participantes incluidos. Nao houve diferenca significativa entre a idade das criancas agrupadas por sexo (meninas: 7,11 [+ or -] 1,23 x meninos: 7,51 [+ or -] 1,12, p=0,14--Teste t de Student--Figura 4).

Em relacao a recomendacao/adequacao de energia, proteina, calcio e ferro para o lanche escolar (manha e tarde), colheu-se as informacoes durante uma semana, e o resultado encontrase exposto abaixo (Tabela 2 e Tabela 3).

Visto que o objetivo do trabalho foi verificar a adequacao dos nutrientes ofertados, observou-se a porcao servida, e nao a quantidade que os escolares realmente consumiram, como pode-se visualizar na Tabela 4.

DISCUSSAO

No presente estudo observou-se que a maioria dos escolares apresentaram estado nutricional adequado, pois 64,93% das criancas avaliadas apresentaram-se eutroficas. Esses dados sao comparaveis aos obtidos por Garcia e colaboradores (2003), aonde observaram que maioria apresentou nivel nutricional dentro dos padroes de normalidade (78,4%).

Bertin e colaboradores (2010), em seu estudo, observaram uma alta frequencia de eutrofia (63,3%) entre as criancas de ambos os sexos.

Valores semelhantes foram encontrados por Salomons e colaboradores (2007), aonde 56,4% dos escolares foram classificados como eutroficos. Bem como no estudo realizado por Delwing e colaboradores (2010), com o qual foi possivel verificar que a maioria dos estudantes encontravam-se dentro dos padroes de normalidade.

Importante ressaltar que a prevalencia de desnutricao neste trabalho foi observada apenas no sexo masculino (1,3%). Valores diferentes foram encontrados por Salomons e colaboradores (2007), sendo que a desnutricao pregressa foi elevada tanto em meninos (10,2%) quanto em meninas (12,2%) designando a causa principal a baixa estatura dos escolares.

Foram encontradas nesse estudo prevalencias de sobrepeso e obesidade sendo, respectivamente, de 20,78% e 9,09%.

Tais resultados se aproximam dos encontrados em estudo realizado por Mello e colaboradores (2010), que encontrou 20,2% de sobrepeso e 7% de obesidade na mesma faixa etaria dessa pesquisa. Ja Medeiros e colaboradores (2011), analisaram escolares de 6 a 10 anos e a prevalencia de sobrepeso/obesidade foi igual a 23,5%.

Na analise das prevalencias de sobrepeso e obesidade de acordo com o sexo, observa-se que o sobrepeso e maior entre as meninas, confirmando a tendencia observada nos estudos realizado por Mello e colaboradores (2010) e Guedes e colaboradores (2006).

Quanto a obesidade, verificou-se maior prevalencia no sexo masculino, tais achados se aproximam dos encontrados em estudo realizado por Mello e colaboradores (2010).

Visto que o objetivo do trabalho era verificar a adequacao dos nutrientes ofertados, observou-se a porcao servida, e nao a quantidade que os escolares realmente consumiram.

Os valores encontrados para macronutrientes e micronutrientes variam muito de dia para dia, indicando tanto deficit como excesso de energia, observando entao que o total da semana foi adequado, ja o diario inadequado, pois nao sao todos os dias que sao supridas as necessidades dos escolares.

Segundo Costa e colaboradores (2016), e de grande importancia que as preparacoes servidas sejam adequadas, pois a ingestao insuficiente de macro e micronutrientes podem contribuir de maneira negativa para o desenvolvimento durante a fase escolar.

Ainda foi observado que a adequacao nutricional, baseado na ingestao de energia, proteinas, calcio e ferro do lanche do periodo da manha e tarde dos escolares, nao esta adequado segundo as recomendacoes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educacao (FNDE), conforme dados descritos na Tabela 2 e 3.

Em relacao ao consumo de energia no lanche da manha a ingestao foi de 110, 07%, sendo assim, 10,07% acima do indicado. Ja no lanche da tarde esta pouco abaixo da recomendacao, sendo consumida 95,58% do

total indicado, oscilando a um maximo de 642,6 Kcal e um minimo de 43,16 Kcal. Esses valores sao diferentes dos encontrados por Mascarenhas e Santos (2006), o qual nao variou de tal maneira, sendo o maximo de 243,8 calorias para um minimo de 217,26 por aluno/dia.

Segundo Santos e colaboradores (2006), o cardapio oferecido nas escolas nao pode ser altamente calorico ja que assim pode contribuir para a ocorrencia de obesidade, ja que a energia derivada do lanche pode-se assemelhar a de uma grande refeicao.

Referente a ingestao proteica, o lanche da manha apresentou 230,14%, estando 130,14% fora do proposto, e no lanche da tarde a ingestao foi de 216,57%, estando 116,57% fora do proposto, ambos com valores bem acima do que a FNDE rege, apresentado valor maximo de 22,68 g e minimo 2,44g.

Valores diferentes dos encontrados por Mascarenhas e Santos (2006), o qual variou entre um maximo de 8,99 g e minimo de 7,65 g por aluno/dia, ultrapassando a necessidade estimada, mas nao em uma dimensao tao grande se em comparacao ao presente estudo. No estudo de Domene e colaboradores (2008), tambem foram encontrados valores que excedem o recomendado para proteina, sendo de 11 g (117,02% de adequacao).

A adequacao do valor proteico deve ser destacada pois para Alvarenga (2007), a proteina e responsavel pela construcao das celulas e fornecimento de energia, elasticidade da pele, fabricacao de anticorpos, producao de enzimas e hormonios e ate os proprios transmissores de comunicacao nervosa dependem das proteinas, sendo que sua carencia atrasa o crescimento, enfraquece os musculos, diminui a resistencia a doencas, causa anemia, nervosismo e problemas vasculares. Visto que, a necessidade proteica e determinada pela quantidade que e necessaria para que haja o crescimento de novos tecidos nas criancas (Ruviaro, Novello e Quintilhano, 2008).

Segundo Maia (2006), quando ha ingestao calorica e proteica em quantidades adequadas, o corpo apresenta um efeito protetor contra a desnutricao, ja quando a ingestao e baixa ocorre um comprometimento do crescimento das criancas.

O achado para o teor de ferro no presente estudo foi de um consumo de 107,73%, estando 7,73% acima do alvitrado no lanche da manha. Bem como no lanche da tarde (113,60%), estando fora do indicado 13,60%, sendo um maximo 4,65 mg e minimo de 0,32 mg, podendo assim ser visualizada a grande diferenca nas quantidades.

No estudo de Orue (2011), observouse que o teor de ferro foi significativamente maior do que o recomendado (154,13% de adequacao), nao causando problemas ja que assim compensa a escassez de ferro em outros alimentos prevenindo assim a anemia ferropriva, pois o ferro e um mineral muito importante e necessario a saude do sistema imunologico, e sua deficiencia resulta em falta de energia, cansaco, dores de cabeca, musculares e anemia (Alvarenga, 2007).

A quantidade de calcio esta abaixo da faixa de recomendacao, sendo consumido apenas 56,37% do total indicado no periodo da tarde e 50,92% no periodo da manha, sendo observado que valores consumidos no presente estudo estao abaixo do recomendado, com um minimo de 10,11 mg/dia.

Valores comparaveis aos achados por Orue (2011), que encontrou teores de calcio muito abaixo do recomendado (28,21% de adequacao), isso torna-se preocupante porque dificilmente vai ser compensada em casa, podendo acarretar deficiencia do mineral.

O calcio e o mineral vital na formacao e manutencao dos ossos e dentes, participa na formacao do tecido intersticial e auxilia os musculos na recuperacao da fadiga, portanto e essencial que a quantidade de calcio ofertada esteja adequada (Alvarenga, 2007).

Quando a quantidade recomendada de calcio nao e atingida os niveis sanguineos sao aumentados. A baixa ingestao desse mineral interfere no seu nivel no interior dos adipocitos, fazendo assim com que haja acumulo de acidos graxos, e possivelmente desenvolvimento de obesidade (Crisostomo, 2007).

CONCLUSAO

Diante desses resultados podemos analisar que apesar das preparacoes servidas aos escolares nao atingirem a necessidade estipulada pelo FNDE, a maioria deles apresenta estado nutricional adequado. Nesse contexto vemos a importancia da merenda escolar ser adequada, prevenindo assim uma serie de desvios nutricionais e auxiliando no rendimento escolar. Medidas educativas e intervencoes podem ser aplicadas a fim de contribuir para melhor qualidade de vida das criancas.

Dados como consumo alimentar dos escolares devem ser averiguados, para que se tenham dados fidedignos de ingestao e habitos alimentares, possibilitando a identificacao de desvios nutricionais, melhorando as preparacoes servidas, adequando em quantidade e qualidade.

Alem disso, a alimentacao adequada precisa ser reforcada no ambiente externo a escola, logo, sugere-se que os pais estimulem os filhos a terem praticas alimentares adequadas, reforcando os habitos saudaveis na infancia.

REFERENCIAS

[1]--Alvarenga, G.A. Importancia dos nutrientes para uma vida saudavel. Rio de Janeiro (RJ). 2007.

[2]--Bertin, R.L.; Malkowski, J.; Zutter, L.C.; Ulbrich, A.Z. Estado nutricional, habitos alimentares e conhecimentos de nutricao em escolares. Rev Paul Pediatr. Vol. 28. Num. 3. p. 303-308. 2010.

[3]--Brasil. Resolucao n 26 de 17 de junho de 2013. Dispoe sobre o atendimento da alimentacao escolar aos alunos da educacao basica no ambito do Programa Nacional de Alimentacao Escolar--PNAE. Brasilia; 2013.

[4]--Brasil. Resolucao/FNDE/CD/No 32 de 10 de agosto de 2006. FNDE-Fundo nacional de desenvolvimento da educacao. Brasilia, 25 ago. 2006. Secao 1, p. 23.

[5]--Centro Colaborador em Alimentacao e Nutricao do Escolar-CECANE na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (BR). Ferramentas para as boas praticas na alimentacao escolar. Brasilia (DF). 2013.

[6]--Costa, A.S.; Santos, A.T.S.; Lima, M.S.; Albuquerque, L.P.; Uchoa, F.N.M.; Uchoa, N.M.; Foschetti, D.A.; Brito, F.C.R. Avaliacao da composicao nutricional dos cardapios da alimentacao escolar das escolas da rede municipal de tempo integral do Municipio de Fortaleza, CE. Rev Dig Buenos Aires. Num. 212. 2016.

[7]--Crisostomo, N.L.; Monte, R.; Navarro, F.; Neto, J.S. Relacao da obesidade e calcio: uma abordagem de estudos realizados. Revista Brasileira de Obesidade Nutricao e Emagrecimento. Vol. 4. Num. 1. p. 16-24. 2007. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/34/32>

[8]--Delwing, K.B.B.; Rempel, C.; Dal Bosco, S.M. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em escolares entre 6 e 11 anos de um municipio do interior do RS. ConScientiae Saude 2010; 9(2):173-178.

[9]--Domene, S.M.A.; Pereira, T.C.; Arrivillaga, R.K. Estimativa da disponibilidade de zinco em refeicoes com preparacoes padronizadas da alimentacao escolar do municipio de Campinas. Rev Nutr 2008; 21 (2):161-167.

[10]--Domingues, G.; Magro, S.C.M. Avaliacao nutricional de criancas de tres a nove anos de idade de instituicoes filantropicas de Campo Grande / Mato Grande do Sul. Campo Grande (MS). 2014.

[11]--Flavio, E.F. Alimentacao escolar e avaliacao nutricional dos alunos do ensino fundamental das escolas municipais de lavras, MG. [tese] Lavras (MG): Universidade Federal de Lavras. 2006.

[12]--Frizon, D.J. Habitos alimentares e qualidade de vida: uma discussao sobre a alimentacao escolar. In: 1 simposio nacional de educacao; 2008 nov. Cascavel (PR); 2008.

[13]--Garcia, G.C.B.; Gambardella, A.M.D.; Frutuoso, M.F.P. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de um centro de juventude da cidade de Sao Paulo. Rev Nutr. Vol. 16. Num. 1. p. 41-50. 2003.

[14]--Guedes, D.P.; Almeida, F.N.; Neto, J.T.M.; Maia, M.F.M.; Tolentino, T.M. Baixo peso corporal/magreza, sobrepeso e obesidade de criancas e adolescentes de uma regiao brasileira de baixo desenvolvimento economico. Rev Paul Pediatr. Vol. 31. Num. 4. p. 437-443. 2013.

[15]--Guedes, D.P.; Paula, I.G.; Guedes, J.E.R.P.; Stanganelli, L.C.R. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em criancas e adolescentes: estimativas relacionadas ao sexo, a idade e a classe socioeconomica. Rev Bras Educ Fis Esp. Vol. 20. p. 151-163. 2006.

[16]--Maia, M.M.M. Estado nutricional, consumo alimentar, deficiencia de micronutrientes e doencas parasitarias em criancas de 0 a 10 anos de idade atendidas em servicos de saude da cidade de Manaus, Amazonas. [dissertacao] Belo Horizonte (MG): instituto de Ciencias Biologicas da Universidade Federal de Minas Gerais; 2006.

[17]--Maria, J.B.L.; Rezende, M.T.N.P. O programa de alimentacao escolar e a qualidade da merenda escolar em Uberlandia (MG). Rev Hori Cient. Vol. 1. Num. 8. 2014.

[18]--Mascarenhas, J.M.O.; Santos, J.C. Avaliacao da composicao nutricional dos cardapios e custos da alimentacao escolar da rede municipal de Conceicao do Jacuipe/ BA. Sitientibus. Vol. 35. p. 75-90. 2006.

[19]--Medeiros, C.C.M.; Cardoso, M.A.A.; Pereira, R.A.R.; Alves, G.T.A.; Franca, I.S.X.; Coura, A.S.; Carvalho, D.F. Estado nutricional e habitos de vida em escolares. Rev Bras Cres Desen Hum. Vol. 21. Num. 3. p. 789-797. 2011.

[20]--Mello, A.D.M.; Marcon, S.S.; Hulsmeyer, A.P.C.R.; Cattai, G.B.P.; Ayres, R.G.S. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em criancas de seis a dez anos de escolas municipais de area urbana. Rev Paul Pediatr. Vol. 28. Num. 1. p. 48-54. 2010.

[21]--Ministerio da Saude (BR). SISVAN Norma tecnica do sistema de vigilancia alimentar e nutricional. Orientacoes para a coleta e analise de dados antropometricos em servicos de saude. Brasilia (DF). 2011.

[22]--Orue, A.L. Avaliacao da merenda escolar e do consumo alimentar de criancas do ensino fundamental em uma escola municipal em Ponta Pora-MS. Guarapuava-PR. 2011.

[23]--Ribeiro, G.N.M.; Silva, J.B.L. A alimentacao no processo de aprendizagem. Rev Even Pedag. Vol. 4. p. 277-285. 2013.

[24]--Ruviaro, L.; Novello, D.; Quintiliano, D.A. Avaliacao do estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes matriculados em um colegio publico de Guarapuava--PR. Rev Salus. Vol. 2. Num. 1. p. 47-56. 2008.

[25]--Salomons, E.; Rech, C.R.; Loch, M.R. Estado nutricional de escolares de seis a dez anos de idade da rede municipal de ensino de Arapoti, Parana. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. Vol. 9. Num. 3. p. 244-249. 2007.

[26]--Santos, I.V.S.; Ximenes, R. M.; Prado, D.F. Avaliacao do cardapio e da aceitabilidade da merenda oferecida em uma escola estadual de ensino fundamental de porto velho, Rondonia. Saber Cient. Vol. 1. Num. 2. p. 100-111.2008.

[27]--Valle, J.M.N.; Euclydes, M.P. A formacao dos habitos alimentares na infancia: uma revisao de alguns aspectos abordados na literatura nos ultimos dez anos. Rev APS. Vol. 10. p. 56-65. 2007.

Endereco para correspondencia:

Indiomara Baratto Rua Luiz Favretto, numero 82, Bairro Centro, Pato Branco-PR. CEP 85.505-150.

Recebido para publicacao em 25/01/2018

Aceito em 21/03/2018

Claudia Schissler (1)

Greicy Peretti (2)

Indiomara Baratto (1,3)

(1)--Faculdade de Pato Branco (FADEP), Pato Branco-PR, Brasil.

(2)--Universidade Paranaense, Francisco Beltrao-PR, Brasil.

(3)--Universidade Federal de Sao Paulo (UNIFESP), Sao Paulo-SP, Brasil.

E-mails dos autores:

claudiaschissler@outlook.com

greicy@unipar.br

indybaratto@yahoo.com.br

Caption: Figura 1--Z IMC/I dos participantes do estudo agrupados por sexo (p=0,21).

Caption: Figura 2--Categoria de Z IMC/I dos participantes do estudo agrupados por sexo (p=0,06).

Caption: Figura 3--Categoria de Z IMC/I dos participantes do estudo.

Caption: Figura 4--Idade (anos) dos participantes do estudo agrupados por sexo (p=0,14).
Tabela 1--Idade e IMC dos participantes do estudo agrupados por sexo.

                    Feminino      Masculino

                         36            41

Z IMC/I

Min-Max              -1,57-2,36    -1,74-4,00
Media                      0,39          0,74
DP                         1,05          1,33

Categoria Z IMC/I

Magreza Acentuada     0 (0,00%)     0 (0,00%)
Magreza               0 (0,00%)     1 (2,44%)
Eutrofia            25 (69,44%)   25 (60,97%)
Sobrepeso            9 (25,00%)    7 (17,07%)
Obesidade             2 (5,56%)    5 (12,20%)
Obesidade Grave       0 (0,00%)     3 (7,32%)

Idade (anos)

Min-Max                     4-9           5-9
Media                      7,11          7,51
DP                         1,23          1,12

                       Total                  p

                         77        (Feminino x Masculino)

Z IMC/I

Min-Max              -1,74-4,00
Media                      0,58                     0,21 *
DP                         1,22

Categoria Z IMC/I

Magreza Acentuada     0 (0,00%)
Magreza               1 (1,30%)
Eutrofia            50 (64,93%)   0,06 ([pounds sterling])
Sobrepeso           16 (20,78%)
Obesidade             7 (9,09%)
Obesidade Grave       3 (3,90%)

Idade (anos)

Min-Max                     4-9
Media                      7,32                     0,14 *
DP                         1,18

Legenda: * teste t de Student;
([pounds sterling]) teste Qui-Quadrado.

Tabela 2--Recomendacao/Adequacao de energia, proteina,
calcio e ferro para o lanche escolar da manha durante uma semana.

Manha            Energia (Kcal)   Proteina (g)

Segunda-Feira            260,42           5,88
Terca-Feira               642,6           12,6
Quarta-Feira             242,01           4,48
Quinta-Feira              181,5           2,75
Sexta-Feira               324,6          22,62
Ideal / Dia                 300            4,2
Total / Semana          1651,13          48,33

Ideal / Semana             1500             21

Manha            Calcio (mg)   Ferro (mg)

Segunda-Feira         100,12         1,34
Terca-Feira            36,65         2,95
Quarta-Feira            98,7         0,73
Quinta-Feira           18,96         0,72
Sexta-Feira            83,82          2,3
Ideal / Dia              120          1,5
Total / Semana        338,25         8,08

Ideal / Semana           600          7,5

Tabela 3--Recomendacao/Adequacao de energia, proteina, calcio
e ferro para o lanche escolar da tarde durante uma semana.

Tarde            Energia (Kcal)   Proteina (g)

Segunda-Feira            594,52          11,19
Terca-Feira               43,16           2,44
Quarta-Feira             428,34           7,79
Quinta-Feira              43,16           2,44
Sexta-Feira               324,6          22,62
Ideal / Dia                 300            4,2
Total / Semana          1433,75          46,48
Ideal / Semana             1500             21

Tarde            Calcio (mg)   Ferro (mg)

Segunda-Feira         182,36         4,65
Terca-Feira            10,11         0,32
Quarta-Feira           19,12         0,93
Quinta-Feira           10,11         0,32
Sexta-Feira            83,82          2,3
Ideal / Dia              120          1,5
Total / Semana        305,52         8,52
Ideal / Semana           600          7,5

Tabela 4--Quantidades das preparacoes servidas aos escolares.

Alimentos                           Medida caseira

Leite de vaca com chocolate   1 caneca (124 ml)
Biscoito salgado              3 unidades
Biscoito doce                 3 unidades
Cereal matinal                1 colher de servir cheia
Leite de vaca                 1 caneca (124 ml)
Cafe com leite                1 caneca (124 ml)
Canjica                       1 colher de servir cheia
Banana                        1 unidade
Grustoli                      2 unidades
Maca                          1 unidade
Pao de forma                  1 fatia
Margarina                     1 colher de cafe
Pao Frances                   1 unidade
Carne moida em molho          1 colher de servir cheia
Gelatina                      1 colher de servir
Pudim                         1 colher de servir
Suco de limao                 1 caneca (124 ml)
Maca                          1 unidade
Bolo de chocolate             1 pedaco medio
Risoto                        2 colheres de servir cheia
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Schissler, Claudia; Peretti, Greicy; Baratto, Indiomara
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Date:Sep 1, 2018
Words:4148
Previous Article:Physical activity interventions and nutritional education to combat childhood obesity in school: Systematic review/INTERVENCOES DE ATIVIDADE FISICA E...
Next Article:A CLARIVATE ANALYTICS ATRIBUI INDICE QUALIFICADOR 6.871 A RBONE NA REDE IBEROAMERICANA DE INNOVACION Y CONOCYMIENTO CIENTIFICO.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters