Printer Friendly

Norms for Word Set Size for 906 Portuguese Words/Normas do Tamanho da Categoria para 906 Palavras da Lingua Portuguesa.

Um dos materiais mais utilizados na pesquisa sobre a cognicao humana sao palavras. Estimulos verbais sao uteis nas investigacoes sobre memoria, categorizacao, representacao mental do conhecimento, raciocinio logico, percepcao, tomada de decisao, atencao e, naturalmente, linguagem. No que tange a memoria, por exemplo, a maioria dos mecanismos basicos sobre a consolidacao de longo-prazo foi descoberta utilizando-se palavras escritas ou lidas em listas (Barsalou, 1992).Os motivos para essa escolha se associam aos fatos de as palavras exibirem validade ecologica, serem de facil acesso e manipulacao pelo pesquisador, e de a metodologia experimental ser uma ferramenta epistemologica poderosa.

Entre os atributos de diferentes naturezas das palavras --sintaticos, semanticos, perceptuais, emocionais--investigados em estudos experimentais, incluem-se concretude, frequencia de ocorrencia em materiais escritos, comprimento da palavra, valencia emocional, alerta, familiaridade, similaridades fonologica e semantica, modalidade sensorial de apresentacao, distintividade. A necessidade de manipular ou controlar as caracteristicas desses estimulos verbais e amplamente reconhecida na literatura cientifica e pode ser ilustrada em diferentes paradigmas experimentais. Por exemplo, o desempenho linguistico e superior se as palavras forem mais concretas (e.g., lapis, maca) na leitura, compreensao de sentencas e definicao de termos (Haberlandt & Graesser, 1985; Sadoski, Kealy, Goetz, & Paivio, 1997; Sadoski & Paivio, 2001). Palavras concretas tambem produzem melhor reconhecimento e recordacao livre ou com pista (Li, Liu, & Du, 2003; Nelson & Schreiber, 1992). Outra caracteristica que tambem afeta a memoria para palavras e a sua frequencia de ocorrencia na lingua. Uma dissociacao entre os testes explicitos, reconhecimento e recordacao, e observada: quanto maior for a frequencia da palavra, maior sera a probabilidade de ser recuperada (Hall, 1954; Mandler, Goodman, & Wilkes-Gibbs,1982; Sumby, 1963). O oposto e observado no reconhecimento: palavras mais raras na lingua sao mais provavelmente reconhecidas em uma lista que tambem contenha palavras com alta frequencia (Glanzer & Bowles, 1976; Gorman, 1961).

O uso de palavras na pesquisa tem contribuido para a compreensao da interacao da emocao e da cognicao humana (e.g., Wilson, MacLeod, & Campbell, 2007). Duas variaveis emocionais que tem sido fatorialmente combinadas em delineamentos experimentais sao o alerta (fator que reflete o nivel de ativacao/excitacao produzido pela palavra) e a valencia (fator que reflete o quanto uma palavra e percebida em funcao de sua agradabilidade). Ilustrando: as palavras sossego e morango estao associadas a um alto nivel de agradabilidade e baixo nivel de alerta, e as palavras raiva e estupro estao associadas a um alto nivel de alerta e alto nivel de desagradabilidade (Oliveira, Janczura, & Castilho, 2013). A valencia e o alerta influenciam diferentes processos cognitivos, como memoria (e.g., Kensinger & Corkin, 2003; Marx, Marshall, & Castro, 2008; Stein, 2010), atencao (Aquino & Arnell, 2007; Dresler, Meriau, Heekeren, & Van der Meer, 2009; Kissler, Herbert, Winkler, & Junghofer, 2009; Pratto & John, 1991), busca visual (Mathewson, Arnell, & Mansfield, 2008; Ohman, Flykt, & Esteves, 2001; Ohman, Lundqvist & Esteves, 2001;), tomada de decisao (Hackley & Valle-Inclan, 1999), decisao lexical (Kousta, Vinson, & Vigliocco, 2009), entre outros.

Os pesquisadores brasileiros dispoem de um numero restrito de bases de dados que informam sobre as caracteristicas das palavras. Atualmente, os seguintes atributos das palavras podem ser consultados em normas coletadas no Brasil: frequencia de ocorrencia em textos (Linguistica Aplicada e Estudos da Linguagem [LAEL], 2006; Pinheiro, 1996; Sardinha, 2004), associadas a categorias naturais (Janczura, 1996, 2005), associadas semanticas em listas (Stein, Feix, & Rohenkohl, 2006; Stein & Gomes, 2009), associadas semanticas (Holderbaum & Salles, 2010; Salles et al., 2008; Salles, Holderbaum, & Machado, 2009; Salles, Machado, & Janczura, 2011); associadas a triades de letras (Pompeia, Paes, & Bueno, 2003), emocionalidade (Oliveira et al., 2013; Santos, Silveira, Gomes, & Stein, 2009; Stein & Gomes, 2009), concretude (Janczura, Castilho, Rocha, & van Erven, 2007; Stein & Gomes, 2009).

Usualmente, os atributos das palavras sao coletados utilizando diferentes procedimentos como a associacao livre (e.g., produzir a primeira ou mais palavras que vem a mente diante de uma pista verbal), julgamentos subjetivos (e.g., avaliar alguma dimensao das palavras utilizando escalas), quantificacao de atributos (e.g., calculo da frequencia absoluta de ocorrencia das palavras em textos), classificacao de atributos (e.g., classificar as palavras em funcao de categorias gramaticais).

O procedimento de coleta de normas de palavras semanticamente relacionadas coletadas atraves do metodo da associacao livre exibe alto grau de confiabilidade e informa qual e a probabilidade de um estimulo funcionar como uma pista para outra palavra acessar a consciencia do individuo, ou seja, a medida corresponde a um indice de acessibilidade do conhecimento semantico relacionado na memoria verbal e reflete a experiencia lexical partilhada por muitos individuos (Nelson, McEvoy, & Schreiber, 2004). Nelson et al. (2004) apontaram varios usos para normas de associacao livre na pesquisa psicologica: normas podem prever comportamentos; oferecem um mapa do conhecimento lexical partilhado linguisticamente e culturalmente; as probabilidades geradas pelas normas podem ser tratadas como uma das maneiras que refletem a recuperacao do conhecimento na memoria; os pesquisadores podem selecionar materiais para a pesquisa considerando o provavel conhecimento dos participantes; normas podem ser comparadas com outras normas permitindo analises de proximidade e avaliacao de modelos estatisticos; informacoes normatizadas podem ser usadas para o controle de variaveis, evitando efeitos de confusao; permitem avaliar se individuos ou grupos se desviam das normas; podem ser usadas na avaliacao implicita dos efeitos do treinamento, psicoterapia e marketing. Algumas contribuicoes do uso desse procedimento incluem a investigacao da memoria implicita (Nelson, McKinney, Gee, & Janczura, 1998), predicao do uso de maconha e alcool (Stacy, 1997), percepcao de pacientes com dor (Pincus, Pearce, McClelland, Farley, & Vogel, 1994), vieses da memoria na depressao (Watkins, Vache, Verney, & Mathews, 1996), e no estudo do raciocinio condicional (Castilho & Janczura, 2012).

O objetivo do presente estudo e ampliar o conhecimento sobre as caracteristicas das palavras que estao representadas na memoria de longo-prazo e que podem ser controladas ou manipuladas experimentalmente, como no caso da frequencia de ocorrencia, a concretude e a emocionalidade. A caracteristica sobre as palavras disponibilizada neste estudo se denomina Tamanho da Categoria (TC). Pesquisas evidenciaram que, em funcao da experiencia linguistica, conexoes sao estabelecidas entre as palavras (Anderson, 1983; Collins & Loftus, 1975). Nelson, Schreiber, McEvoy (1992) demonstraram que as conexoes entre palavras nao sao identicas porque variam em numero, isto e, algumas palavras estao associadas a um grande numero de palavras enquanto outras se associam a um numero menor. Isso permite, por exemplo, investigar a influencia do numero de associadas ativadas implicitamente na memoria sem que o individuo tenha consciencia dessa informacao. Underwood (1965, 1983) ja havia sugerido essa possibilidade anteriormente. Entretanto, durante varias decadas, a falta de uma metodologia confiavel retardou a investigacao experimental dos efeitos produzidos pela redes associativas no desempenho humano.

A influencia do TC de associadas na memoria tem sido relatada experimentalmente desde os anos de 1970. A estrategia metodologica utilizada e comparar grupos de palavras que variam no tamanho da categoria em um paradigma de memoria como a recordacao com pista extralista ou o reconhecimento. Os resultados encontrados, em mais de vinte estudos publicados com varios experimentos, e que as palavras com um menor numero de associadas produzem uma recuperacao mais acurada e rapida do que aquelas associadas a um grande numero de outras palavras. Esse efeito e obtido independentemente da concretude, frequencia de ocorrencia e ambiguidade das palavras, alem de nao interagir com processos explicitos de codificacao como niveis de processamento, taxa de apresentacao e tipo de instrucao (para uma revisao, cf. Nelson et al., 1992).

O procedimento adotado neste estudo para mapear o numero de associadas consistiu em coletar normas de associacao livre, seguindo as sugestoes de Nelson, McEvoy e Dennis (2000) e Nelson et al. (1998), e envolveu solicitar a um numero grande de participantes (n = 100-200) que produzisse a primeira palavra que ocorresse na mente em resposta a uma pista (i.e., palavra). A associacao livre e semelhante a varias atividades que desempenhamos diariamente. Exemplos incluem buscar a melhor palavra para verbalizar uma opiniao durante um dialogo, pensar em pistas verbais para executar uma busca no Google ou responder a uma pergunta inesperada.

A producao da primeira associada foi aplicada porque o tamanho relativo da categoria e proporcionalmente representado usando-se esse metodo ou a solicitacao de multiplas respostas (Herrmann, Chaffin, & Corbett, 1973). Alem disso, a geracao da primeira associacao tem a vantagem de evitar efeitos de encadeamento associativo e a inibicao na recuperacao (McEvoy & Nelson, 1982). Em contraste, no metodo de associacao livre por multiplas respostas e possivel que a segunda ou posteriores associadas sejam enviesadas pela resposta produzida anteriormente, que estaria desempenhando o papel de pista associativa no lugar do alvo pretendido. Segundo Nelson e Schreiber (1992), o TC e computado pelo numero de associadas diferentes produzidas por, pelo menos, dois participantes, uma vez que as respostas idiossincrasicas se relacionam muito fracamente a pista e nao exibem confiabilidade.

As normas de TC coletadas para 905 palavras foram agregadas informacoes sobre outros atributos de cada uma, coletados em diferentes fontes: concretude (Janczura et al., 2007), valencia e alerta (Oliveira et.al., 2013), e frequencia de ocorrencia em materiais escritos (Linguistica Aplicada e Estudos da Linguagem, 2006). A intencao foi disponibilizar para o pesquisador uma base de dados que viabilizasse a selecao de estimulos em funcao das respectivas variaveis.

Metodo

Participantes

Participaram voluntariamente da coleta de normas 756 estudantes universitarios, cuja idade media era 24,5 anos (DP = 7,79, amplitude = 43 anos) sendo 75% mulheres e 25% homens. Os estudantes eram oriundos de uma instituicao de ensino superior (IES) publica (34%) e duas privadas (47% e 19%, respectivamente) da cidade de Brasilia. Os participantes tinham cursado entre 1 e 11 semestres letivos (Media = 3,09, DP = 1,92) sendo 54% da Psicologia, 18% da Enfermagem, 7,7% das Ciencias Contabeis, 5% da Medicina e 15,3% distribuidos entre 32 cursos universitarios. Metade dos participantes nasceu em Brasilia (54,8%) e os demais tem origem em 93 locais distribuidos entre todas as regioes do pais. O tempo medio de residencia em Brasilia era 18,97 anos (DP = 9,36, amplitude = 44 anos). Os participantes foram selecionados por conveniencia (1).

Materiais

Um conjunto de 905 palavras, sendo 72,3% substantivos, 10,3% adjetivos, 2,6% verbos, 0,2% adverbios e 14,6% pertencentes a duas ou mais categorias gramaticais, foiutilizado. Essas palavras correspondem aquelas utilizadas anteriormente em normas de concretude (Janczura et al., 2007) e emocionalidade (Oliveira et al., 2013). As palavras foram organizadas, aleatoriamente, em nove blocos contendo um minimo de 100 e um maximo de 101 palavras. Cada bloco tinha tres paginas, sendo que cada pagina apresentava, em media, 34 palavras. A ordem de apresentacao das paginas de cada bloco foi determinada randomicamente. Duas colunas foram impressas em cada pagina: a coluna da esquerda apresentava as palavras a serem normatizadas e a coluna da direita, linhas pontilhadas onde os participantes escreviam as respostas. Cada bloco era acompanhado de uma folha, inserida antes da lista de palavras, que continha as instrucoes da tarefa.

Procedimentos

A coleta dos dados foi realizada em grupos nas salas de aula das respectivas instituicoes de ensino, durante o periodo de aulas. A tarefa dos participantes era escrever nas linhas pontilhadas, ao lado de cada palavra da lista, a primeira palavra relacionada a pista que viesse a mente. O tempo de execucao da tarefa era livre. Previamente a distribuicao dos blocos, os participantes foram esclarecidos sobre os objetivos da pesquisa e o carater voluntario da participacao. Apos receberem todas as informacoes, os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e receberam o bloco de palavras. A folha de rosto de cada bloco continha as seguintes instrucoes: "Neste bloco voce encontrara varias palavras. A sua tarefa e ler cada palavra silenciosamente e escrever, ao seu lado, na linha pontilhada, a primeira palavra que vem a mente apos a leitura. Nao pense muito, apenas escreva a primeira palavra que voce lembrar. Nao existem respostas certas ou erradas nesta tarefa. Escreva somente uma palavra ao lado de cada palavra. Por favor, escreva claramente, mas nao se preocupe com a grafia. Muito obrigado pela colaboracao!".

Resultados

O TC foi estimado contando-se o numero de respostas diferentes produzidas por, no minimo, dois participantes. Cada uma das respostas foi avaliada por, pelos menos dois juizes, que observaram os seguintes criterios de codificacao: (a) foram tratadas como respostas semelhantes variacoes de numero que nao implicassem diferencas semanticas significativas, sendo tabulada a palavra com maior frequencia absoluta de ocorrencia (e.g, casa e casas foram codificadas como casa, mas pai e pais foram tratados como respostas diferentes), (b) foram tratadas como respostas semelhantes sinonimos (e.g., cao e cachorro), sendo tabulada a palavra com maior frequencia absoluta de ocorrencia; (c) foram tratadas como respostas semelhantes variacoes de genero que nao implicassem em diferencas semanticas significativas (e.g., branco e branca; macio e macia; fofo e fofa), sendo tabulada a palavra com maior frequencia absoluta de ocorrencia; (d) erros de grafia foram corrigidos considerando o significado da pista (e.g., a resposta cansasso para a pista "cochilar" foi recodificada como cansaco); (e) foram codificadas como respostas diferentes variacoes do tempo verbal (e.g., dormi e dormindo como associadas da pista "dormir"); (f) foram tratadas como respostas diferentes conjuntos de palavras que denotassem um sintagma diferente (e.g., as respostas fogo e de fogo para a pista "arma"); (g) respostas que incluiam artigo ou adjetivo foram recodificadas tratando como nucleo do sintagma a outra palavra (e.g., muito feliz foi recodificado como feliz, muito; o amigo foi recodificado como amigo, o); (h) foram considerados erros respostas que correspondiam a propria pista (e.g., produzir arma como associada da pista "arma") ou respostas que nao eram palavras. Registrou-se, ainda, como "em branco" a ausencia de resposta e como "ilegiveis" respostas cuja grafia nao permitia o seu reconhecimento.

As normas podem ser acessadas no repositorio de dados de pesquisas do Instituto Brasileiro de Informacao em Ciencia e Tecnologia (IBICT/MCT), no endereco http:// repositoriopesquisas.ibict.br/dvn/dv/Janczura. O numero total de informacoes numericas disponibilizadas pela base e 13.579, sendo que o pesquisador podera selecionar estimulos em funcao dos criterios desejados utilizando filtros que estao associados a cada uma das colunas. Alem disso, e possivel descarregar a base de dados que se encontra no formato .xlsx (Excel).

A base de dados apresenta as seguintes medidas para cada uma das palavras usadas como pista: TC, frequencia absoluta de respostas idiossincrasicas, frequencia absoluta de respostas diferentes, frequencia absoluta de respostas em branco, frequencia absoluta de erros, frequencia absoluta de respostas ilegiveis, tamanho da amostra de respondentes para cada palavra (N), numero de respostas validas (i.e., excluindo as respostas em branco, ilegiveis e erros), Concretude e respectivo Desvio Padrao (DP/C) extraidos de Janczura et al. (2007), Valencia e respectivo Desvio Padrao (DP/V) e Alerta e respectivo Desvio Padrao (DP/A) extraidos das normas de Oliveira et al. (2013) e Frequencia Absoluta de Ocorrencia extraida de LAEL (2006).

A Figura 1 mostra que o TC tem uma distribuicao semelhante a normalidade (assimetria = -0,59, curtose = 0,037), com uma amplitude de 24 (valor minimo = 2 e valor maximo = 26) e media igual a 14,22 (DP = 3,786). O numero total de respostas coletadas foi 100.295, assim distribuidas: 69,5% correspondentes ao TC, 29% a respostas idiossincrasicas, 0,2% a erros, 1% a respostas em branco e 0,31% das respostas estavam ilegiveis. Quatro palavras foram eliminadas das normas (hecatombe, zombador, paparicar e acalento) porque um numero significativo de respostas em branco ([greater than or equal to] 60%) foi registrado.

O numero de respondentes por palavras variou de 100 a 177 sujeitos (Media = 110,82, DP = 6,5). A menor Valencia das palavras foi 1,35 (1 = palavras com maxima desagradabilidade) e a maior 8,58 (9 = palavras com maxima agradabilidade), com amplitude = 7,23; o Alerta variou de 1,75 (1 = condicao maxima de relaxamento) a 8,15 (9 = condicao maxima de estimulacao), com amplitude = 6,40; a concretude variou de 1,61 (1 = palavra altamente concreta) a 6,93 (7 = palavra altamente abstrata), com amplitude = 5,32. A frequencia variou de 1 a 78.264 (amplitude = 78.263). Esses valores indicam que a amostra incluiu palavras relaxantes, neutras ou alertadoras (fator alerta); palavras negativas, neutras ou positivas emocionalmente (fator valencia); palavras julgadas como mais concretas ate mais abstratas; e palavras de diferentes frequencias de ocorrencia na lingua portuguesa, ou seja, desde raras ate muito frequentes.

Uma analise correlacional entre os atributos das palavras foi realizada a fim de verificar a ortogonalidade entre as medidas. As seguintes correlacoes de Pearson (n = 905) foram observadas entre o TC e os atributos Concretude, Valencia, Alerta e Frequencia, respectivamente: -0,11 (p = 0,001, bicaudal), 0,10 (p = 0,001, bicaudal), -0,03 (p = 0,384), 0,08 (p= 0,014, bicaudal). Apesar de algumas correlacoes serem significativas, a sua magnitude e muito fraca, explicando, no maximo, 1% da variancia. Isso sugere que os fatores sao independentes. Quando as palavras sao agrupadas nos niveis do TC pequeno (TC [less than or equal to] 8), medio (9 [less than or equal to] TC [less than or equal to] 16) e grande (17 [less than or equal to] TC [less than or equal to] 34), seguindo as sugestoes de Nelson e Schreiber (1992), Nelson et al. (1992) e Nelson et al. (1998), pode-se comparar os valores medios dos fatores concretude, alerta, valencia e frequencia para cada nivel, conforme se observa na Tabela 1.

A tabela revela que 65,4% das palavras possuem o TC medio, 27,4% sao grandes e 7,2% sao pequenas. Apesar dessa desproporcao, os valores medios dos demais atributos sao muito semelhantes em funcao desse fator. As medias gerais para o total de palavras sao: Concretude = 4,47 (DP = 0,25), Valencia = 5,30 (DP = 0,24), Alerta = 4,81 (DP = 0,09), Frequencia (sem outliers) = 783,08 (DP = 160,78). Tambem sao semelhantes as medias referentes as repostas idiossincrasicas (M = 30,32, DP = 5,49), numero de respostas diferentes (M = 43,23, DP = 11,39), respostas em branco (M = 0,99, DP = 0,26), erros (M = 0,26, DP = 0,17) e respostas ilegiveis (M = 0,29, DP = 0,10).

A tabela 2 apresenta as correlacoes bivariadas de Pearson entre o TC e os demais atributos das palavras. Os resultados permitem avaliar se os respectivos fatores estao associados ou sao independentes.

Nenhuma das correlacoes entre os fatores foi significativa, sugerindo que os fatores sao ortogonais.

Discussao

As normas associativas relatadas neste estudo expressam um indice relativo do TC, mas nao um valor absoluto do numero de associadas na memoria de longo prazo. Isso significa que os valores assinalados a cada palavra nao refletem a base de conhecimento semantico absoluto dos individuos sobre os estimulos, mas uma probabilidade (Nelson et al., 2000). Assim, a verificacao de que a palavra barco possui 9 associadas e agua possui 20 nao significa que o conhecimento sobre a primeira palavra seja mais restrito do que o conhecimento sobre a segunda. Esses valores indicam que, quando uma das palavras e pensada, o numero de associadas mais provavelmente acessadas na memoria e mais amplo para agua do que para barco. Mais importante e observar, ainda, que a acessibilidade a esse conhecimento semantico nao esta associada a frequencia de ocorrencia das palavras na lingua portuguesa, sua valencia emocional, o grau de alerta ou a concretude, sugerindo que o TC emerge como um atributo independente das palavras, dirigido por processos subjacentes diferentes dos demais atributos. A ortogonalidade dessas medidas e semelhante as normas de associacao semantica coletadas em outros paises, assim como as caracteristicas descritivas de sua distribuicao (e.g., Nelson et al., 2004).

Algumas cautelas devem ser tomadas ao interpretarmos normas, segundo Murphy e Davidshofer (1988). A primeira se relaciona a amostra de participantes que, espera-se, representem o tipo de populacao alvo. Universitarios de IES privadas e publica compuseram a respectiva amostra, que apresentou significativa diversidade nos fatores demograficos faixa etaria, local de nascimento, curso universitario e respectivo semestre letivo. Apesar deste estudo nao incluir outros niveis de escolaridade ou ter controlado o nivel socioeconomico e a origem dos participantes, acreditamos que as normas oferecem uma amostra representativa do TC para a populacao de uma maneira geral, porque se trata de termos utilizados no cotidiano da maioria dos brasileiros; as palavras nao expressam conhecimento especializado; respostas idiossincrasicas foram excluidas do calculo do TC; cada pista foi avaliada por, em media, 100 individuos; a amostra de palavras incluiu termos com diferentes frequencias de ocorrencia na lingua portuguesa; quase metade da amostra de participantes era oriundo de diferentes regioes do pais. Ressalte-se, tambem, que a participacao de universitarios na coleta de normas tem sido validada em varios estudos em diferentes linguas, como exemplificam as normas na lingua inglesa de Battig e Montague (1969), McEvoy e Nelson (1982), Nelson, McEvoy, Walling e Wheeler (1980), as normas na lingua italiana de Barca, Burani e Arduino (2002), as normas em alemao de Ruts et al. (2004), as normas espanholas de Dasi, Soler e Ruiz (2004) e as normas em portugues lusitano de Marques (1997), alem das normas brasileiras citadas anteriormente.

A segunda cautela se associa ao tamanho da amostra de participantes. Assume-se que, se as normas fossem coletadas novamente com os mesmos participantes, os mesmos valores do TC seriam encontrados. Isso significa que os valores sao fixos e nao sujeitos a erro amostral. Cuidados para aumentar a confiabilidade das normas foram tomados: cada palavra normatizada foi avaliada por um numero elevado de participantes, no minimo 100, e solicitou-se, apenas, a primeira associada. Conforme discutido anteriormente, esses cuidados tem se mostrado eficientes e eficazes na producao de medidas confiaveis de associacao semantica.

Por ultimo, cautela deve ser tomada em relacao a atualidade e durabilidade das normas. Por quanto tempo essas normas poderao ser utilizadas, ou seja, qual e a estabilidade da medida TC? Um exame na literatura revela que normas nao sao frequentemente renormatizadas e as razoes estao relacionadas ao custo alto desse procedimento e o tempo consumido para executa-lo. A renormatizacao de parametros e urgente quando mudancas aparentes sao observadas no fator descrito. Por exemplo, normas que descrevem habilidades cognitivas como raciocinio analitico e tomada de decisoes que foram coletadas antes das novas tecnologias (e.g., smartphones, tablets) e do advento da internet. Nao ha razoes para considerar que o conhecimento de termos cotidianos, como as palavras utilizadas nas normas presentes, venha a sofrer mudancas substanciais impelidas por algum evento que tenha impacto social no conhecimento lexical dos individuos. Caso aconteca, o efeito sera, muito provavelmente, associado a alguma palavra em particular que o pesquisador podera prontamente eliminar.

doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e32423

Referencias

Anderson, J. R. (1983). The architecture of cognition. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Aquino, J. M., & Arnell, K. M. (2007). Attention and the processing of emotional words: Dissociating effects of arousal. PsychonomicBulletin & Review, 14(3), 430-435. doi: 10.3758/ BF03194084

Barca, L., Burani, C., & Arduino, L. S. (2002). Word naming times and psycholinguistic norms for Italian nouns. Behavior Research Methods, Instruments, & Computers, 34(3), 424-434. doi: 10.3758/BF03195471

Barsalou, L. W. (1992). Cognitive Psychology: An overview for cognitive scientists. Hillsdale, New Jersey: LEA.

Battig, W. F., & Montague, W. E. (1969). Category norms of verbal items in 56 categories: A replication and extension of the Connecticut category norms. Journal of Experimental Psychology, 80(3), 1-46.

Castilho, G. M., & Janczura, G. A. (2012). Raciocinio condicional: A conclusao depende do conhecimento armazenado na memoria. Estudos de Psicologia, 17(1), 53-61.

Collins, A. M., & Loftus, E. F. (1975). A spreading-activation theory of semantic processing. Psychological Review, 82(6), 407-428. http://dx.doi.org/10.1037/0033-295X.82.6407

Dasi, C., Soler, M. J., & Ruiz, J. C. (2004). Normative data on the familiarity and difficulty of 196 spanish word fragments. Behavior Research Methods, Instruments, & Computers, 36(3), 559-563. doi: 10.3758/BF03195602

Dresler, T., Meriau, K., Heekeren, H. R., & Van der Meer, E. (2009). Emotional Stroop task: Effect of word arousal and subject anxiety on emotional interference. Psychological Research PRPF, 73(3), 364-371. doi: 10.1007/s00426-008-0154-6

Glanzer, M., & Bowles, N. (1976). Analysis of the word-frequency effect in recognition memory. Journal of Experimental Psychology: Human Learning and Memory, 2(1), 21-31. http://dx.doi.org.ez54.periodicos.capes.gov.br/10.1037/02787393.2.1.21

Gorman, A. M. (1961). Recognition memory for nouns as a function of abstractness and frequency. Journal of Experimental Psychology, 61(1), 23-29. http://dx.doi.org/10.1037/h0040561

Haberlandt, K. F., & Graesser, A. C. (1985). Component processes in text comprehension and some of their interactions. Journal ofExperimentalPsychology: General, 114(3), 357-375. http:// dx.doi.org/10.1037/0096-3445.114.3.357

Hackley, S. A., & Valle-Inclan, F. (1999). Accessory stimulus effects on selection: Does arousal speed decision making? Journal of Cognitive Neuroscience, 11(3), 321-329. doi:10.1162/089892999563427

Hall, J. F. (1954). Learning as a function of word frequency. The American Journal of Psychology, 67(1), 138-140. doi: 10.2307/1418080

Herrmann, D. J., Chaffin, R. J. S., & Corbett, A. T. (1973). A factor analysis of six measures extracted from the Battig and Montague (1969) category norms: Evidence for three properties of categories in semantic memory. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, 12, 666-674. doi:10.1016/ S0022-5371(73)80046-5

Holderbaum, C. S., & Salles, J. F. D. (2010). Priming semantico em criancas: Efeitos da forca de associacao semantica e frequencia do alvo. Aletheia, 33, 95-108.

Janczura, G. A. (1996). Normas associativas para 69 categorias semanticas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 12(3), 237-244.

Janczura, G.A. (2005). Contexto e normas de associacao para palavras: A reducao do campo semantico. Paideia, 15(32), 417-425.

Janczura, G. A., Castilho, G. M., Rocha, N. O., & van Erven, T. J. C. (2007). Normas de concretude para 909 palavras da lingua portuguesa. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), 195-204.

Kensinger, E. A., & Corkin, S. (2003). Memory enhancement for emotional words: Are emotional words more vividly remembered than neutral words?Memory & Cognition, 31(8), 1169-1180. doi: 10.3758/BF03195800

Kissler, J., Herbert, C., Winkler, I., & Junghofer, M. (2009). Emotion and attention in visual word processing--An ERP study. Biological Psychology, 80(1), 75-83. doi:10.1016/j. biopsycho.2008.03.004

Kousta, S. T., Vinson, D. P., & Vigliocco, G. (2009). Emotion words, regardless of polarity, have a processing advantage over neutral words. Cognition, 112(3), 473-481. doi:10.1016/j. cognition.2009.06.007

Linguistica Aplicada e Estudos da Linguagem. (2006). Banco de Portugues, sub-corpora escrito. Retrieved from http://ww2. lael.pucsp.br/corpora/bp/index.htm.

Li, Y., Liu, Y.,& Du, X. (2003). The effect of word concreteness on implicit and explicit memory. Psychological Science, 26(5), 823-828.

Mandler, G., Goodman, G. O., & Wilkes-Gibbs, D. L. (1982). The word-frequency paradox in recognition. Memory & Cognition, 10(1), 33-42. doi: 10.3758/BF03197623

Marques, J. F. (1997). Normas de tipicidade e familiaridade para diferentes categorias de itens verbais. Revista Portuguesa de Psicologia, 32, 35-55.

Marx, B. P., Marshall, P. J., & Castro, F. (2008). The moderating effects of stimulus valence and arousal on memory suppression. Emotion, 8(2), 199-207. doi: 10.1037/1528-3542.8.2.199

Mathewson, K. J., Arnell, K. M., & Mansfield, C. A. (2008). Capturing and holding attention: The impact of emotional words in rapid serial visual presentation. Memory & Cognition, 36(1), 182-200. doi: 10.3758/MC.36.1.182

McEvoy, C. L., & Nelson, D. L. (1982). Category norms and instance norms for 106 categories of various sizes. American Journal of Psychology, 95(4), 581-634.

Murphy, K. R., & Davidshofer, C. O. (1988). Psychological testing: Principles, and applications. New Jersey: Prentice Hall.

Nelson, D. L. Schreiber, T. A., & McEvoy, C. L. (1992). Processing implicit and explicit representations. Psychological Review, 99(2), 322-348. http://dx.doi.org/10.1037/0033-295X.99.2.322

Nelson, D. L., McEvoy, C.L., & Dennis, S. (2000). What is and what does free association measure. Memory and Cognition, 28(6), 887-899.

Nelson, D. L., McEvoy, C. L., & Schreiber, T. A. (2004). The University of South Florida free association, rhyme, and word fragment norms. Behavior Research Methods, Instruments, & Computers, 36(3), 402-407. doi: 10.3758/BF03195588

Nelson, D. L., McEvoy, C. L., Walling, J. R., & Wheeler, J. W. (1980). The university of South Florida homograph norms. Behavior Research Methods & Instrumentation, 12(1), 16-37. doi: 10.3758/BF03208320

Nelson, D. L., McKinney, V. M., Gee, N., & Janczura, G. A. (1998). Interpreting the influence of implicitly activated memories on recall and recognition. Psychological Review, 105(2), 299-324. http://dx.doi.org/10.1037/0033-295X.105.2.299

Nelson, D.L.,& Schreiber, T.A. (1992). Word concreteness and word structure as independent determinants of recall. Journal of Memory and Language, 31, 237-260.doi:10.1016/0749596X(92)90013-N

Ohman, A., Flykt, A., & Esteves, F. (2001). Emotion drives attention: Detecting the snake in the grass. Journal of Experimental Psychology: General, 130, 466-478. doi: 10.1037/0096-3445.130.3.466

Ohman, A., Lundqvist, D., & Esteves, F. (2001). The face in the crowd revisited: A threat advantage with schematic stimuli. Journal of Personality and Social Psychology, 80, 381-396. doi:10.1037//0022-3514.80.3.381

Oliveira, N. R., Janczura, G. A., & Castilho, G. M. (2013). Normas de alerta e valencia para 908 palavras da lingua portuguesa. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29(2), 185-200.

Pincus, T., Pearce, S., McClelland, A., Farley, S., & Vogel, S. (1994). Interpretation bias in responses to ambiguous cues in pain patients. Journal of Psychosomatic Research, 38 (4), 347-353. doi:10.1016/0022-3999(94)90039-6

Pinheiro, A.M.V. (1996). Contagem de frequencia de ocorrencia de palavras expostas a criancas na faixa pre-escolar e series iniciais do 1o. grau. Sao Paulo: Associacao Brasileira de Dislexia.

Pompeia, S., Paes, A.T.,& Bueno, O.F.A. (2003). Teste de complementacao de letras: Estimulos para uso no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19(1), 65-73.

Pratto, F., & John, O. P. (1991). Automatic vigilance: The attention grabbing power of negative social information. Journal of Personality and Social Psychology, 61(3), 380-391. http:// dx.doi.org/10.1037/0022-3514.78.6.1024

Ruts, W., De Deyne, S., Ameel, E., Vanpaemel, W., Verbeemen, T., & Storms, G. (2004). Dutch norm data for 13 semantic categories and 338 exemplars. Behavior Research Methods, Instruments, & Computers, 36(3), 506-515. doi: 10.3758/BF03195597

Sadoski, M. & Paivio, A. (2001). Imagery and text: A dual coding theory of reading and writing. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum.

Sadoski, M., Kealy, W. A., Goetz , E. T., & Paivio, A. (1997). Concreteness and imagery effects in the written composition of definitions. Journal ofEducationalPsychology, 89, 518-526. doi: 10.1037/0022-0663.89.3.518

Salles, J. F., Holderbaum, C. S., Becker, N., Rodrigues, J. D., Liedtke, F. V., Zibetti, M. R., & Piccoli, L. F. (2008). Normas de associacao semantica para 88 palavras do portugues brasileiro. Psico, 39(3), 362-370.

Salles, J. F. D., Holderbaum, C. S., & Machado, L. L. (2009). Normas de associacao semantica de 50 palavras do portugues brasileiro para criancas: Tipo, forca de associacao e set size. Interamerican Journal of Psychology, 43(1), 57-67.

Salles, J. F., Machado, L. L., & Janczura, G. A. (2011). Efeitos de priming semantico em tarefa de decisao lexical em criancas de 3a. serie. Psicologia: Reflexao e Critica, 24(3), 597-608.

Santos, R. F., Silveira, R. A. T., Gomes, C. F. A., & Stein, L. M. (2009). Normas de emocionalidade para a versao brasileira do paradigma Desse-Roediger-McDermott (DRM). Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 387-394.

Sardinha, T.B. (2004). Linguistica de Corpus. Barueri: Manole.

Stacy, A. W. (1997). Memory activation and expectancy as prospective predictors of alcohol and marijuana use. Journal of Abnormal Psychology, 106(1), 61-73. doi: 10.1037/0021843X.106.1.61

Stein, L. M. (2010). Falsas memorias. Porto Alegre: Artmed.

Stein, L. M., & Gomes, C. F. A. (2009). Normas brasileiras para listas de palavras associadas: Associacao semantica, concretude, frequencia e emocionalidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(4), 537-546.

Stein, L. M., Feix, L. F., & Rohenkohl, G. (2006). Avancos metodologicos no estudo das falsas memorias: Construcao e normatizacao do procedimento de palavras associadas. Psicologia: Reflexao e Critica, 19(2), 166-176.

Sumby, W. H. (1963). Word frequency and serial position effect. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, 1(6), 443-450. doi:10.1016/S0022-5371(63)80030-4

Underwood, B. J. (1965). False recognition produced by implicit verbal responses. Journal ofExperimentalPsychology, 70(1), 122-129. doi: org/10.1037/h0022014.

Underwood, B. J. (1983). Attributes of memory. Glenview, IL: Scott, Foresman.

Watkins, P. C., Vache, K., Verney, S. P., & Mathews, A. (1996). Unconscious mood-congruent memory bias in depression. Journal of Abnormal Psychology, 105(1), 34-41. http://dx.doi. org/10.1037/0021-843X.105.1.34

Wilson, E., MacLeod, C., & Campbell, L. (2007). The informationprocessing approach to emotional research. In J. A. Coan & J. J. B. Allen (Ed.), Handbook of emotion elicitation and assessment (pp.184-202). New York: Oxford University Press.

(1) Projeto aprovado pelo Parecer no. 988.985 do Comite de Etica em Pesquisa/ICH/UnB

Recebido em 14.07.2015

Primeira decisao editorial em 13.06.2016

Versao final em 03.07.2016

Aceito em 19.07.2016

Gerson Americo Janczura (1)

Goiara Mendonca de Castilho

Universidade de Brasilia

Nelson Rocha de Oliveira

Secretaria de Saude do Distrito Federal

(1) Endereco para correspondencia: Universidade de Brasilia, Instituto de Psicologia, PPB, Campus Universitario Darcy Ribeiro, Brasilia, DF, Brasil. CEP. 70910-900. E-mail: janczura@unb.br

Caption: Figura 1. Distribuicao de frequencia do TC
Tabela 1. Medias dos atributos das palavras em. funcao do TC

Tamanho da Categoria                     Atributos

                       Concretude   Valencia   Alerta   Frequencia

Pequeno (n = 65)          4,73        5,11      4,78      786,72
Medio (n = 592)           4,46        5,24      4,92     1789,31
Grande (n = 248)          4,22        5,56      4,74     2352,05

Tamanho da Categoria   Atributos

                       Frequencia

Pequeno (n = 65)         604,69
Medio (n = 592)          827,74
Grande (n = 248)         916,8

Nota. Frequenciaa = medias sem outliers (n = 94 casos)

Tabela 2. Correlacoes entre o TC e os demais atributos

                                          TC

Atributo           Pequeno              Medio              Grande

Concretude    -0,02 (p = 0,90)     -0,08 (p = 0,06)   -0,06 (p = 0,31)
Valencia       0,17 (p = 0,18)     0,07 (p = 0,09)     0,09 (p = 0,18)
Alerta        -0,21 (p = 0,87)     0,004 (p = 0,92)   -0,03 (p = 0,65)
Frequencia   0,04 (p = 0,78) (a)   0,06 (p = 0,13)    -0,02 (p = 0,71)

Nota. (a) correlacao sem outliers (2 casos excluidos)
COPYRIGHT 2016 Instituto de Psicologia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:ARTIGO ORIGINAL
Author:Janczura, Gerson Americo; de Castilho, Goiara Mendonca; de Oliveira, Nelson Rocha
Publication:Psicologia: Teoria e Pesquisa
Date:Oct 1, 2016
Words:5669
Previous Article:Occupational Self-Efficacy in Interventions for Populations in Social Vulnerability Scale/Escala de Autoeficacia Ocupacional em Intervencoes com...
Next Article:Visuospatial Cognitive Processes and Visual Surrounding Environment: Educational Implications/Processos Cognitivos Visuoespaciais e Ambiente Visual...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters