Printer Friendly

Nitrificacao de diferentes substratos em reatores aerobios de leito fluidizado de circulacao interna.

NITRIFICACAO DE DIFERENTES SUBSTRATOS EM REATORES AEROBIOS DE LEITO FLUIDIZADO DE CIRCULACAO INTERNA

INTRODUCAO

No presente trabalho foram utilizadas duas aguas residuarias distintas, esgoto domestico e efluente de piscicultura, ambas tratadas pelo mesmo tipo de unidade de tratamento biologico, o reator aerobio de leito fluidizado com circulacao interna.

A preocupacao com o despejo inadequado de diferentes tipos de aguas residuarias e crescente, visto que, alem de serios problemas ambientais, podem causar inumeros danos a saude humana. A aquicultura e os esgotos domesticos produzem basicamente tres tipos de residuos: materia organica, nutrientes (nitrogenio e fosforo) e solidos.

Para serem lancados em corpos d'agua, os efluentes, devem atender as condicoes estabelecidas na legislacao federal e as normas e padroes estaduais e municipais. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) e o orgao ambiental que fiscaliza os padroes de lancamento de efluentes no estado de Sao Paulo e a Resolucao CONAMA 357 [1], estabelece tambem que o lancamento de efluentes devera, simultaneamente: atender as condicoes e padroes de lancamento de efluentes e nao ocasionar a ultrapassagem das condicoes e padroes de qualidade da agua estabelecidos para as respectivas classes, nas condicoes da vazao de referencia.

Para o tratamento de aguas residuarias sao utilizados tres metodos principais: fisicos (como gradeamento, mistura e sedimentacao), quimicos (adicao de produtos quimicos ou devido a reacoes quimicas) e biologicos (utilizando a acao de microrganismos) [2].

O processo biologico aerobio ocorre devido a acao de comunidades microbianas heterogeneas interagindo, sendo a biomassa constituida de diversas especies microbianas, incluindo predominantemente bacterias, fungos e protozoarios [3].

Reatores como o de leito fluidizado, que utilizam biofilme aderido a suportes ou de forma dispersa no meio, surgem da busca por melhora mentos nas estacoes de tratamento de esgotos. Estes reatores tem como vantagens a possibilidade de reter maior concentracao de biomassa ativa, serem compactos, realizarem remocao eficiente de materia carbonacea, alem da remocao de nutrientes, em um mesmo reator.

Nestes reatores, o processo de fluidizacao ocorre quando um leito de particulas solidas estaticas recebe uma corrente ascendente de gas ou liquido injetada na base do reator. A circulacao do meio nestes reatores pode ser interna ou externa, dependendo da configuracao do reator.

Os biofilmes sao estruturas complexas de celulas e produtos extracelulares, que se formam aderidas a um suporte (natural ou artificial), como ocorre em reatores aerobios de leito fluidizado e filtros percoladores, ou em forma de flocos (granulos), como em sistemas de lodos ativados e reatores de manta de lodo (UASB), onde a biomassa cresce dispersa no meio liquido [4, 5]. Constituem-se, basicamente, de agua, microrganismos e substancias polimericas extracelulares (EPS) [6]. O biofilme possui uma estrutura heterogenea, formada por diversas especies de microrganismos, o que possibilita a remocao de materia carbonacea e nitrogenada em um mesmo sistema [7].

O nitrogenio esta relacionado a problemas ambientais como a eutrofizacao, que alem de efeitos negativos no meio ambiente podem causar riscos a saude humana. Por estes motivos, cada vez mais e interessante sua remocao nos sistemas de tratamento.

Para a eliminacao de nitrogenio, o processo mais utilizado e a remocao biologica por nitrificacao/desnitrificacao, onde ocorre primeiramente a nitrificacao em ambientes estritamente aerobios, com a oxidacao da amonia a nitrato, em seguida tem-se a desnitrificacao, em ambientes anoxicos, com o nitrato sendo convertido a nitrogenio molecular, utilizando o material organico disponivel [8].

A denitrificacao pode ocorrer simultaneamente ao processo de nitrificacao, por meio do chamado processo SND (simultaneous nitrification/ denitrification) e para que ocorra de maneira satisfatoria e importante que exista um crescimento equilibrado entre as bacterias autotrofas e heterotrofas sem problemas de competicao entre elas [9].

Neste trabalho, foi utilizado o reator aerobio de leito fluidizado por airlift com circulacao interna, no tratamento de esgoto domestico e efluente da criacao semi-intensiva de tilapias, com o intuito de verificar a eficiencia da nitrificacao neste tipo de reator, utilizando substratos bastante diferenciados.

1 MATERIAIS E METODOS

Foram utilizados tres reatores aerobios de leito fluidizado com circulacao interna (RALFAC), construidos em tubos de PVC com altura de 2.6 m, com diametro externo de 250 mm e interno variavel, sendo 100 mm (R1), 125 mm (R2) e 150 mm (R3).

1.1 Velocidade de Circulacao

O ensaio de velocidade de circulacao foi realizado nos tres reatores. O sistema era composto por quatro sondas medidoras de condutividade eletrica da agua, sendo duas em cada tubo (interno e externo). As sondas detectavam a presenca de um tracador (NaCl), emitiam sinais eletricos a um condicionador de sinais, e entao, um programa de aquisicao de dados, lia o sinal por uma interface de conversao analogico-digital e gerava curvas. As vazoes de ar aplicadas nos ensaios com agua limpa foram 800, 1200, 1600, 2000, 3000, 4000, 5000 e 6000 L/h.

1.2 Ensaio de caracterizacao granulometrica

Foram caracterizados tres possiveis meios granulares: areia para filtros, carvao antracitoso e carvao ativado. A caracterizacao foi realizada com base nos procedimentos estabelecidos pela Associacao Brasileira de Normas Tecnicas atraves das normas: NBR 7181 (analises de granulometria conjunta) e NBR 6508 (ensaio de massa especifica dos solidos).

No R1 foi utilizado carvao ativado como meio suporte e nos R2 e R3 foi utilizada areia para filtros.

1.3 Substrato utilizado e localizacao dos experimentos

O R1 operou com efluente da cultura semi-intensiva de tilapias. Estas foram criadas em tanques plasticos circulares num sistema de recirculacao para aquicultura (SRA), localizado no Laboratorio de Hidrologia e Hidrometria da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira (FEIS) da UNESP. Os reatores R2 e R3 operaram com aguas residuarias domesticas captadas diretamente da estacao elevatoria de esgoto da cidade de Ilha Solteira, SP.

Os procedimentos experimentais foram realizados no Laboratorio de Saneamento da FEIS-UNESP.

1.4 Sistemas de tratamento

A unidade experimental do R1, utilizado no tratamento de agua residuaria de piscicultura, foi composta por caixa de nivel constante, sistema de tubulacoes em PVC para distribuicao da agua para os tanques de criacao, tres tanques de criacao dos peixes, calha para controle do nivel e coleta do efluente dos tanques, unidade de remocao de solidos, reator aerobio de leito fluidizado com circulacao interna, reator para transferencia de oxigenio e remocao de C[O.sub.2], sistema de geracao, distribuicao e injecao de ar pressurizado, tanque de succao, sistema de recalque do efluente final, soprador de ar e dois reservatorios para agua de renovacao do sistema, como pode ser observado na Figura 1.

O esquema da unidade experimental dos reatores R2 e R3, utilizados para o tratamento de esgoto domestico e apresentada na Figura 2. Onde se observa que apos ser retirado do poco de succao da estacao elevatoria, o afluente era submetido a um peneiramento estatico (1 mm), onde ocorria a remocao dos solidos grosseiros, em seguida, o afluente encaminhava-se a uma caixa de nivel constante. E desta, por meio de bomba peristaltica, conduzido ao fundo do reator.

[FIGURA 1 OMITIR]

1.5 Ensaios fisico-quimicos

Foram realizadas analises de pH, nitrogenio total (NT) e nitrogenio amoniacal (NAT) de acordo com metodos descritos pelo Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater [10]. As analises foram realizadas na entrada e saida do reator.

2 RESULTADOS E DISCUSSAO

2.1 Velocidades de circulacao

As vazoes de 800 a 6000 L/h foram aplicadas, em agua limpa, com pressao constante de 2.5 MPa, nos tres reatores. A quantidade de tracador (NaCl) utilizada foi de 15 g/L, em cada analise. A Tabela 1 mostra as velocidades medias, no tubo interno e externo, obtidas nos tres reatores.

Os dados indicaram que quanto maior o diametro do tubo interno, menor a velocidade de subida e maior a de descida, diminuindo assim, a diferenca entre estas velocidades. No R3, onde as areas de subida e descida sao proximas, as velocidades tambem apresentaram valores similares.

[FIGURA 2 OMITIR]

Heijnen et al. [11], utilizando meio suporte de aproximadamente 0.2 mm de diametro, recomendaram uma velocidade superficial do gas de pelo menos 0.05 m/s, abaixo do qual a circulacao das particulas nao pode ser mantida.

A velocidade de circulacao e importante para que o material particulado permaneca em suspensao. Com velocidade baixa de gas a velocidade de circulacao e maior que a de ascensao de uma bolha (0.25 m/s), demonstrando que o gas recirculou no tubo de descida.

2.2 Meio suporte

As massas especificas ([[rho].sub.s]) encontradas nos meios granulares testados foram 2.57 g/[cm.sup.3] para a areia; 1.64 g/[cm.sup.3] para o carvao ativado; e 1.74 g/[cm.sup.3] para o carvao antracitoso.

Em relacao aos coeficientes de desuniformidade (CD) dos materiais analisados, quanto mais proximo ao valor unitario maior predominancia de um tamanho de material, ou seja, o material sera mais uniforme. Materiais granulares tais como a areia apresentam boa gradacao quando tiverem valores de CD>6 [12], [13]. Por tanto, quanto maior o valor de tal coeficiente maior presenca de diversidade de tamanhos de material na amostra analisada.

A granulometria, tanto da areia quanto do carvao ativado mostrou-se bastante uniforme, sendo que o coeficiente de desuniformidade (CD = [D.sub.60]/[D.sub.10]) para areia foi de 1.8, e para o carvao foi de 1.7, ja para o carvao antracitoso foi de 2.3, indicando desuniformidade. Os graos de areia, assim como os de carvao ativado apresentaram diametros menores que 0.8 mm, com granulometria media de 0.36 mm para a areia e 0.53 mm para o carvao ativado.

Para um bom desenvolvimento e eficiencia satisfatoria do biofilme e importante considerar as propriedades do material suporte (densidade, rugosidade, porosidade, tamanho dos poros e forma da superficie), os microorganismos envolvidos e as propriedades destes e do meio aquoso (pH, temperatura, velocidade de escoamento, tempo de detencao, concentracao de microrganismos, tensao superficial e forca ionica do meio) [5].

Devido a desuniformidade observada para o carvao antracitoso, o mesmo nao foi considerado um bom meio suporte para este tipo de reator. Ja a areia e o carvao ativado podem ser alternativas interessantes.

2.3 Partida dos reatores

No R1, para manter o carvao ativado em suspensao utilizou-se uma vazao de ar de 2000 L/h e adicionou-se, progressivamente, 10 g/L de carvao ate garantir a concentracao de avaliacao do sistema: 80 g/L. Entao, diminuiu-se vazao de ar para 1000 L/h. Para favorecer o crescimento do biofilme, adicionou-se diariamente 200 L de agua originaria da troca do liquido de um tanque de criacao de peixes ornamentais.

No R2 e R3 foram aplicadas, inicialmente, as vazoes medias de ar de 2718 e 2868 L/h, respectivamente e a areia foi sendo adicionada aos poucos ate a concentracao de 100 g/L. Com o crescimento do biofilme a massa especifica da bioparticula (areia + biofilme) diminui, e requer uma vazao de ar menor para que o meio permaneca em suspensao. Entao, aplicaram-se, apos um periodo de 15 dias (periodo necessario para que a DQO bruta atingisse 80% de remocao) as vazoes de 2300 L/h no R2 e 2700 L/h no R3.

2.4 pH

Nos tres reatores os valores de pH permaneceram estaveis e dentro de uma faixa bem definida entre 6.7 e 8.2. Tais valores estao dentro da faixa recomendada para producao piscicola [14], e tambem considerada boa para a nitrificacao [15].

2.5 Remocao de NT e NAT no Reator RI

No R1 foram registrados valores medios de nitrogenio total (Figura 3) de 4.6 e 3.2 mg/L na entrada e saida, respectivamente. A eficiencia media registrada foi de 24%.

[FIGURA 3 OMITIR]

[FIGURA 4 OMITIR]

O valor maximo de remocao de nitrogenio amoniacal, cujos dados sao expressos na Figura 4, obtido durante a operacao do R1 uma vez estabilizado foi 51% e o valor medio foi 27%.

Observou-se que na maior parte do tempo da pesquisa, no efluente do R1 houve valores do NT inferiores aos medidos na saida do decantador; sugerindo desta maneira, uma possivel desnitrificacao como parte do processo de remocao da amonia.

A desnitrificacao dentro dos sistemas de recirculacao para aquicultura ocorre em ambientes anoxicos e na presenca de carbono e compostos inorganicos nitrogenados [16]; ou tambem pode ocorrer em diversas zonas do proprio biofilme [17], na forma de uma "desnitrificacao passiva"; ou seja, sem uma fonte adicional de carbono do que a propria do afluente bruto.

Os valores da eficiencia de remocao do NAT obtidos com o carvao ativado com D10=0.34 mm como meio suporte sao bons, considerando que autores como Timmons et al. [14] e Summerfelt [18], reportaram eficiencias de remocao de 8 a 11% para areias com D10 entre 0.45 e 0.80 mm em reatores de leito fluidizado bifasico.

2.6 Remocao de NT e NAT no Reator R2

Os valores medios de nitrogenio total no R2 foram de 78 e 49 mg/L no esgoto afluente e efluente, respectivamente. Os dados obtidos estao expressos em graficos boxplot na Figura 5. Neste reator, a remocao de NT maxima foi de 50% e a media de 38%.

[FIGURA 5 OMITIR]

Quanto ao nitrogenio amoniacal (Figura 6), as medias foram de 57 e 34 mg/L no afluente e efluente, respectivamente. As remocoes, maxima e media, foram respectivamente 59 e 40%.

[FIGURA 6 OMITIR]

2.7 Remocao de NT e NAT no Reator R3

No R3 os valores medios de NT (Figura 7) no afluente foi de 67 mg/L e no efluente foi de 46 mg/L. A eficiencia maxima obtida foi de 40% e a media 30%.

[FIGURA 7 OMITIR]

Os valores medios de NAT (Figura 8) foram de 49 e 23 mg/L no afluente e efluente, respectivamente. Tendo que a remocao maxima obtida foi de 65% e a media 49%.

[FIGURA 8 OMITIR]

A Tabela 2 mostra um resumo das eficiencias medias obtidas nos tres reatores.

Pode-se observar que quanto maior o diametro interno melhor a eficiencia de remocao de nitrogenio amoniacal, principalmente. No entanto, visto que os valores de entrada de NT e NAT no reator sao maiores no esgoto que na agua residuaria de piscicultura, pode-se dizer o desempenho dos reatores foi semelhante.

Sistemas biologicos operando em condicoes normais geralmente apresentam eficiencias de nitrificacao entre 85 e 99%, tendo eficiencias menores fora das faixas adequadas de pH, OD e idade do lodo [19]. Assim, tem-se que o pH e um dos fatores decisivos para a melhor eficiencia do processo, pois as flutuacoes no teor de nitrogenio introduzidas pelos efluentes, acaba gerando variacoes de pH a ponto de causarem inibicao, enquanto que os demais fatores apresentam respostas mais lentas e mais controlaveis. A oscilacao nos valores de pH pode ter sido um fator importante na relativamente baixa eficiencia na nitrificacao observada no tratamento do esgoto domestico.

3 CONCLUSOES

Os valores registrados da eficiencia de remocao do nitrogenio total nos tres reatores sugerem uma boa capacidade de fixacao das formas deste composto pelos microorganismos presentes no biofilme.

A escolha do carvao ativado ou da areia como meio suporte aparentemente nao influenciou significativamente na eficiencia dos sistemas, cabendo, entao, a disponibilidade de cada um dos meios a escolha por um ou outro.

O reator mostrou-se eficiente independente do substrato utilizado, evidenciando que a tecnologia pode ser aplicada em diferentes situacoes.

REFERENCIAS

[1] Brasil, "Resolucao no. 357 do Conselho Nacional do Meio Ambiente do Brasil. (CONAMA), de 17 de marco de 2005. Dispoe sobre a classificacao dos corpos de agua e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condicoes e padroes de lancamento de efluentes, e da outras providencias", 2005. Disponivel: http://www.mma.gov.br/port/conama/ res/res05/res35705.pdf.

[2] A. Feiden, "Tratamento de aguas residuarias de industria de fecula de mandioca atraves de biodigestor anaerobio com separacao de fases em escala piloto," Tese de Doutorado, Faculdade de Ciencias Agronomicas--UNESP, Botucatu, Brasil, 2001.

[3] J. M. M. Mello, "Biodegradacao dos compostos btex em um reator com biofilme," Dissertacao de Mestrado, Centro Tecnologico da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, Brasil, 2007.

[4] C. Nicolella, and M. C. M. Van Loosdrecht, J. J. Heijnen, "Wastewater treatment with particulate biofilm reactors," Journal of Biotechnology, vol. 80, pp. 1-33. 2000.

[5] L. F. Melo, and M. J. Vieira, "Physical stability and biological activity of biofilms under turbulent flow and low substrate concentration," Bioprocess Engineering, vol. 20, pp. 363-368. 1999.

[6] J. B. Xavier, C. Picioreanu, J. S. Almeida, M. C. M. Van Loosdrecht, "Monitorizacao e modelacao da estrutura de biofilmes," Boletim de Biotecnologia, vol. 76, pp. 2-13. 2003.

[7] D. Gebara, "Desempenho de um reator aerobio de leito fluidizado no tratamento de esgoto sanitario," Tese de Doutorado, Escola Politecnica--USP, Sao Paulo, Brasil, 2006.

[8] M. T. Kato, L. Florencio, R. F. M. Arantes, "Tratamento de esgotos sanitarios em reatores tipo EGSB anaerobio e aerobio", In: Pos-tratamento de efluentes de reatores anaerobios, C. A. L. Chernicharo, Belo Horizonte, PROSAB, 2001, pp. 165-174.

[9] O. Carvalho Junior, "Nova configuracao de biofiltro aerado submerso utilizado no pos-tratamento do efluente de reator UASB," Tese de Doutorado, Escola de Engenharia de Sao Carlos, Universidade de Sao Paulo--USP, Brasil, 2008.

[10] APHA, AWWA, WPCF, Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater, 20 ed. Washington, D.C., 1988.

[11] J. J. Heijnen, J. Hols, R. G. J. M. Van Der Lans, H. L. J. M. Van Leeuwen, A. Mulder, R. Weltevrede, "A simple hydrodynamic model for the liquid circulation velocity in a full-scale two-and three-phase internal airlift reactor operating in the gas recirculation regime," Chemical Engineering Science, vol. 52, pp. 2527-2540, 1997.

[12] W. Lambe, y R. Whitman, Mecanica de suelos, Mexico: Editorial Limusa, 2004.

[13] E. B. Juarez, y A. R. Rico, Mecanica de suelos: fundamentos de la mecanica de suelos, Mexico: Editorial Limusa, 2002.

[14] M. B. Timmons, J. M. Ebeling, F. W. Wheaton, S. T. Summerfelt, B. J. Vinci, Sistemas de recirculacion para la acuicultura, Chile: Fundacion Chile, 2002.

[15] Metcalf & Eddy, Ingenieria de aguas residuales--Tratamiento, vertido y reutilizacion, Tercera edicion, volumen I, Bogota: Editorial Mc Graw Hill, 1996.

[16] J. Van Rijn, Y. Tal, H. J. Schreier, "Denitrification in recirculating systems: Theory and applications," Aquacultural Engineering, vol. 34, no. 3, pp. 364-376, 2006.

[17] T. Dalsgaard, and N. P. Revsbech, "Regulating factors of denitrification in trickling filter biofilms as measured with the oxygen/ nitrous oxide microsensor," FEMS Microbiol. Ecol., vol.101, pp. 151-164, 1992.

[18] S. T. Summerfelt, "Design and management of conventional fluidized-sand biofilters," Aquacultural Engineering, vol.34, no. 3, pp. 275-302, 2006.

[19] E. S. Ferreira, "Cinetica quimica e fundamentos dos processos de nitrificacao e desnitrificacao biologica", presentado en el XXVIII Congreso Interamericano de Ingenieria Sanitaria y Ambiental, Cancun, 2002, CD-ROM.

Recibido: 27/07/2011

Aceptado: 05/10/2012

Ivan Andres Sanchez Ortiz, Ingeniero civil, especialista; M.Sc. en Ingenieria Civil: Recursos Hidricos y Tecnologias Ambientales Universidade Estadual Paulista UNESP Sao Paulo, Brasil. Profesor Asistente Departamento de Recursos Hidrobiologicos, Facultad de Ciencias Pecuarias de la Universidad de Narino. Universidad de Narino, Ciudad Universitaria Torobajo, Carrera 22 No.18-109 Pasto, Narino (Colombia). Tel: (572) 7311449 ext. 239 E-mail: iaso@udenar.edu.co

Gleyce Teixeira Correia, Quimica ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP Sao Paulo (Brasil); M.Sc. en Ingenieria Civil: Recursos Hidricos y Tecnologias Ambientales UNESP Sao Paulo (Brasil); Estudiante de Doctorado en Ingenieria Quimica Universidad Federal de Sao Carlos (Brasil). Universidade Federal de Sao Carlos, Centro de Ciencias Exatas e de Tecnologia, Departamento de Engenharia Quimica. Rodovia Washington Luis, km 235--SP-310 Monjolinho 13565-905--Sao Carlos, SP--Brasil. Tel: (16) 33518269. E-mail: gle_qca@hotmail.com

Dib Gebara, Ingeniero civil, M.Sc y Ph.D. en Ingenieria Civil: Hidraulica y Saneamiento de la Escuela de Ingenieria Universidad de Sao Paulo USP (Brasil). Profesor del Departamento de Ingenieria Civil Facultad de Ingenieria de la UNESP Campus de Ilha Solteira Alameda Bahia, 550--Ilha Solteira--Sao Paulo, Brasil. CEP: 15385-000--Brasil--Tel/Fax: (0xx18) 37431206. E-mail: dib@dec.feis.unesp.br

Milton Dall'Aglio Sobrino, Ingeniero civil, M.Sc y Ph.D. en Ingenieria Civil: Hidraulica y Saneamiento de la Escuela de Ingenieria Universidad de Sao Paulo USP (Brasil). Profesor Livre Docente del Departamento de Ingenieria Civil Facultad de Ingenieria de la UNESP Campus de Ilha Solteira Alameda Bahia, 550--Ilha Solteira--Sao Paulo, Brasil. CEP: 15385-000--Brasil--Tel/Fax: (0xx18) 37431112. E-mail: milton@dec.feis.unesp.br

Tsunao Matsumoto, Ingeniero Civil Fundacao Valeparaibana de Ensino; M.Sc y Ph.D. en Ingenieria Civil: Hidraulica y Saneamiento Escuela de Ingenieria Universidad de Sao Paulo USP (Brasil). Profesor Livre Docente del Departamento de Ingenieria Civil Facultad de Ingenieria de la UNESP Campus de Ilha Solteira Alameda Bahia, 550--Ilha Solteira--Sao Paulo, Brasil. CEP: 15385-000--Brasil--Tel/Fax: (0xx18) 37431125. E-mail: tsunao@dec.feis.unesp.br
Tabela 1. Velocidade de circulacao nos tubos externos
(R100e, R125e e R150e) e internos (R100i, R125i e R150i)
dos tres reatores

Vazao  Vel.    Vel.    Vel.    Vel.    Vel.    Vel.
de ar  R100e   R100i   R125e   R125i   R15Oe   R15Oi
(L/h)  (m/s)   (m/s)   (m/s)   (m/s)   (m/s)   (m/s)

400    0.12    0.33                    0.21    0.32
800    0.13    0.56    0.18    0.46    0.24    0.21
1200   0.14    0.61    0.17    0.49    0.22    0.38
1600   0.15    0.64    0.18    0.52    0.27    0.41
2000   0.16    0.72    0.19    0.63    0.32    0.44
3000   0.16    0.97    0.22    0.82    0.36    0.55
4000   0.18    1.10    0.26    0.97    0.37    0.63
5000   0.18    1.29    0.24    1.08    0.42    0.73
6000   0.19    1.62    0.27    1.15    0.41    0.81

Fonte: propria

Tabela 2. Resumo das eficiencias obtidas nos tres
reatores estudados

Reator  Agua residuaria    % Remocao NT   % Remocao NAT

R1        Piscicultura         24%             27%
R2      Esgoto Domestico       38%             40%
R3      Esgoto Domestico       30%             49%

Fonte: propria
COPYRIGHT 2012 Universidad de Medellin
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2012 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Sanchez Ortiz, Ivan Andres; Correia Dib Gebara, Gleyce Teixeira; Dall'Aglio Sobrinho, Milton; Matsum
Publication:Revista Ingenierias
Date:Jul 1, 2012
Words:4098
Previous Article:Remocion de microorganismos patogenos presentes en un licor mixto bajo condiciones de laboratorio empleando filtros empacados en zeolita natural.
Next Article:Fluctuacion de los ensambles planctonicos en la cienaga de Ayapel (Cordoba-Colombia) durante un ciclo semanal.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters