Printer Friendly

NIVEL DO ESTADO DE HIDRATACAO EM CORREDORES AMADORES DE RUA ANTES E APOS UMA COMPETICAO DE 25 Km.

INTRODUCAO

O exercicio fisico extenuante realizado em condicoes quentes ou umidas, associado aos efeitos de uma alta producao de calor metabolico e sua dissipacao insuficiente, podem proporcionar uma desidratacao durante treinamentos e competicoes, alem de promover alteracoes negativas no sistema fisiologico (Gomes e colaboradores, 2014).

Desde a decada de 1970 no Brasil a corrida de rua se destaca pela procura de individuos que buscam a pratica de alguma modalidade esportiva, justificada pelo seu expoente crescimento ao longo dos anos (Balbinotti e colaboradores, 2015; Cardoso, Fereira e Santos, 2019; Jahnke, 2011; Pereira, Assis e Navarro, 2010)

Segundo Truccollo, Maduro e Feijo (2008), os exercicios aerobios, incluindo a corrida, tem sido considerados como um importante componente de estilo de vida saudavel, principalmente pelos diversos beneficios ja relatados na literatura cientifica tais como por exemplo a diminuicao na concentracao de triglicerideos, lipoproteinas de baixa densidade e do colesterol total.

Durante a realizacao de um exercicio fisico podem ocorrer efeitos e mudancas fisiologicas no corpo do praticante, tais como mudancas de ritmo cardiaco, perda hidrica pela sudorese, massa corporea, alteracao da pressao arterial entre outros fatores (Guizellini e colaboradores, 2018; Pereira, Assis e Navarro, 2010).

Sem um mecanismo rapido o suficiente para reduzir a temperatura corporal, que aumentaria drasticamente em poucos minutos, o individuo poderia sofrer morte ou lesao causada pelo aumento da temperatura central (Costa e colaboradores, 2014).

Devido ao aumento de novos praticantes de corrida de rua, a modalidade necessita mais atencao especialmente aos aspectos relacionados a hidratacao dos corredores, seja ele profissional ou amador (Chagas e colaboradores, 2016; Pereira, Assis e Navarro, 2010).

Sabe-se que uma leve desidratacao, algo em torno de 1% a 2% do peso total corporal, pode aumentar o esforco cardiovascular, o que pode ser visto atraves de um aumento desproporcional da frequencia cardiaca durante o exercicio (Ferreira e Colaboradores, 2016; Machado-Moreira e colaboradores, 2006), alem de limitar a capacidade corporal de transferir calor dos musculos em contracao para a superficie da pele, onde pode ser dissipado para o ambiente (Guizellini e colaboradores, 2018).

O calor pode ser permutado, ganho ou perdido, pelo corpo atraves de quatro processos: radiacao, conducao, conveccao e evaporacao, alem de que a eficacia desses processos depende das condicoes ambientais, ou seja, temperatura ambiente, umidade relativa e velocidade do vento (Cardoso e colaboradores, 2015).

A taxa de sudorese ocasionada pela atividade fisica, principalmente quando esta e realizada em um ambiente umido, pode levar ao estado de desidratacao (Ferreira e colaboradores, 2017).

Nesse sentido, marcadores simples como alteracoes da massa corporal e aspectos da urina como a sua gravidade especifica e a coloracao podem ser utilizados como metodo de avaliacao do estado de hidratacao (Chagas e colaboradores, 2016).

O nivel de hidratacao e uma das causas principais onde podemos definir qual seu estado fisico para realizacao da atividade escolhida, tendo conhecimento de sua condicao de hidratacao, antes, durante e apos finalizar a competicao (Costa e colaboradores, 2014; Ribeiro e Liberali, 2019).

Moura e colaboradores (2010) destacam que apesar do numero relevante de corredores e de provas de rua nos ultimos anos, ainda nao ha muitos estudos procurando examinar tanto as caracteristicas dos corredores como das provas, no entanto a maior parte dos estudos parecem estarem mais preocupados com a ocorrencia de lesoes.

Para Da Silva Barroso e colaboradores (2014a), estudos investigativos de campo que sao realizados em ambientes naturais fornecem cenarios reais para o estudo da relacao do exercicio e o nivel de hidratacao.

Ainda que existam pesquisas sendo realizadas com uma boa frequencia em varias modalidades esportivas em ambientes de laboratorio, ainda carecem mais estudos de campo com corredores amadores de rua em provas com suas diversas distancias a serem desenvolvidos com foco na hidratacao e seus aspectos.

Portanto, o presente trabalho objetivou identificar o nivel de hidratacao de corredores amadores de rua em uma prova com distancia de 25 km.

MATERIAIS E METODOS

Amostra

A amostra deste estudo foi composta por 12 atletas amadores participantes da tradicional Corrida de Rua Sao Cristovao-Aracaju, no estado de Sergipe, com um percurso de 25km, sendo estes do sexo masculino com idade em media 35,55 [+ or -] 9,38 anos.

Os criterios para exclusao foram os atletas que nao concluiram a prova de 25 km, ou nao seguiram as recomendacoes da cartilha com instrucoes para serem seguidas antes da competicao, como por exemplo, o consumo de bebida alcoolica e aqueles que nao realizaram preenchimento do termo de consentimento, que deixaram de entregar alguma amostra de urina ou afericao do peso pre ou pos corrida.

Os criterios de inclusao estabelecidos foram: praticar a modalidade a pelo menos 6 meses, nao fumar ou ingerir bebidas alcoolicas e/ou energeticos nas 48 horas que antecediam a coleta e nao ingerir agua momentos antes a primeira coleta.

Os voluntarios foram comunicados previamente sobre o presente estudo e todos assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

O trabalho atendeu as normas para realizacao de pesquisa em seres humanos, resolucao no466 do Conselho Nacional de Saude de 12 de dezembro de 2012. O estudo foi aprovado pelo Comite de Etica da Universidade Tiradentes sob o parecer 46347415.1.0000.5371.

Delineamento do estudo

Todos os participantes foram instruidos sobre a pesquisa e os procedimentos a que seriam submetidos durante os dias que antecederam o dia da coleta atraves do folheto informativo. Alem disso, tinham que manter a sua rotina habitual de alimentacao e hidratacao antes e durante o estudo.

Em seguida, os atletas partiram para a corrida completa de 25 km. A temperatura ambiente foi de 25,6[degrees]C e umidade relativa do ar de 84%, foi verificado atraves do termohigrometro.

A corrida teve inicio as 16h00min horas, e teve duracao em media [+ or -] 2,5 horas, ao final da corrida, apos a segunda coleta foi questionado aos corredores o que eles haviam consumido durante o percurso.

Antes da corrida, os atletas foram avaliados atraves de metodos cientificos que venham a obter o nivel de hidratacao, por meio da coleta de: massa corporal (MC) utilizando uma balanca (TANITA[R], Japao) e amostras urinarias gravidade especifica e coloracao da urina.

Todas as amostras foram coletadas no periodo pre e pos modalidade em estudo. A figura 1 (abaixo) representa o esquema do delineamento do estudo.

Utilizando-se coletores de 80ml descartaveis, no qual foram apontados o tipo de coloracao e a gravidade especifica da urina (GEU), utilizando tais variaveis nos momentos pre e pos da coleta.

Hidratacao

Foi utilizada a escala de Armstrong e colaboradores (1994) para a classificacao do indice de coloracao da urina coletada, sendo mencionada por oito cores diferenciando o nivel de coloracao, assim realizando o tipo de desidratacao do individuo como: euhidratacao (cor nivel 1 a 3), desidratacao moderada (cor nivel 4 a 6) e desidratacao severa (cor nivel > 6).

A Gravidade Especifica foi mensurada por meio de fitas reagentes para uroanalises (Biocolor/Bioeasy[R]), Belo Horizonte, Minas Gerais, onde foram considerados euhidratados individuos com densidade entre 1,013 e 1,029 g. [mL.sup.-1]e desidratados com valores maior ou igual a 1,030 g. [mL.sup.-1] (Armstrong, 2005). Sendo que foi utilizada a coleta da massa corporal como uma das variaveis para calcular a perda de massa corporal ([DELTA]%-pc).

Estatistica

Os dados foram expressos como media e desvio padrao, realizou-se o teste Kolmogorov-Smirnov, objetivando determinar o grau de homogeneidade da amostra, sendo esta condicao confirmada foi utilizado um teste t pareado para verificacao das diferencas entre as medias. Para analise utilizou-se o SPSS versao 20. Os valores de p<0,05 foram considerados estatisticamente significantes.

RESULTADOS

Na gravidade especifica conforme a figura 01, no momento pre competicao teve em media 1013,75 [+ or -] 6,44. No momento pos competicao, obteve um desvio de 1019,16 [+ or -] 6,44 apresentando uma desidratacao significativa (p=<0,020) da urina dos corredores.

Com relacao da analise por coloracao da urina e da classificacao da escala, a figura 02 apresenta que durante o momento pre-competicao, uma media de 3,75 [+ or -] 1,35, e no momento pos-competicao finalizou com media 5,08 [+ or -] 1,56.

Dessa forma indicando que os individos chegaram a uma diferenca significativa entre os momentos (p=<0,047).

Quanto a massa corporal de acordo com a figura 03 durante o momento da pre-competicao foi obtido uma media de 76,95 [+ or -] 11,09 kg, sendo no periodo pos 75,30 [+ or -] 11,38 kg, conforme analise dos corredores referente a massa corporal apresentaram um desvio significativo (p=<0,015).

DISCUSSAO

A proposta desse estudo foi de identificar o nivel de hidratacao de corredores amadores de rua em uma competicao com distancia de 25 km, e de acordo com os resultados e testes realizados, e possivel afirmar que ocorreu uma desidratacao em todos os corredores.

Sawka, Cheuvront e Carter (2005) aponta que a hidratacao durante ou apos o exercicio e uma pratica comum entre individuos fisicamente ativos, uma vez que tal comportamento previne efeitos deleterios, tais como a queda do desempenho em razao da desidratacao.

Chagas e colaboradores (2016), destacam em seu estudo contendo 10 corredores do sexo masculino, durante uma corrida prolongada de 30km, que os mesmos ja estavam desidratados antes mesmo do inicio da corrida.

Da mesma forma no estudo de Barroso e colaboradores (2014b) que avaliou o estado de hidratacao e os efeitos da imersao em agua sobre os marcadores simples de estado de hidratacao durante uma aula de hidroginastica e teve como conclusao que foram observados niveis de desidratacao entre os participantes antes da aula de hidroginastica.

A gravidade especifica tem sido considerada como um bom metodo naoinvassivo para avaliacao do estado de hidratacao dos individuos (Armstrong, 2005).

No estudo de Maia e colaboradores (2015) ao analisarem as condicoes de hidratacao de 15 individuos ativos em corrida de 15 km, por suas massas corporais, coloracao e gravidade especifica pre e pos exercicio de longa duracao constatou que a reposicao hidrica ad libitum (388,61 ml/h) nao foi suficiente para prevenir a desidratacao dos individuos.

Ribeiro e Liberalli (2012) destacam que ao analisar os efeitos da desidratacao sobre o desempenho fisico, podem ser verificadas fortes correlacoes negativas entre essas duas variaveis, ou seja, quanto maior era o nivel de desidratacao, menor seria o desempenho durante o exercicio fisico.

No estudo de Barroso e colaboradores (2014b) destaca que a desidratacao pode comprometer a saude dos praticantes de atividade fisica, e no sentido de amenizar possiveis complicacoes e importante que se desenvolvam estrategias para a ingestao de liquidos antes, durante e apos o exercicio.

No caso de individuos que praticam exercicios fisicos, ha a recomendacao que seja feita uma reposicao liquida de 600ml pelo menos duas horas antes da atividade, uma vez que se acredita ser um valor suficiente para a normalizacao do nivel de hidratacao (Costa e colaboradores, 2014).

No nosso estudo o indice de coloracao urinaria apresentou que no momento pre-cometicao os corredores encontravam-se em um estado de hidratados para desidratados e no momento pos-competicao monstrou um grau de desidratacao com tendencia a ser acumulativo e progressivo.

Resultados semelhantes foram encontrados por Gomes e colaboradores (2014) que analisararm ciclistas em provas de longa duracao e teve como resultado que todos os grupos de ciclistas tinham valores acentuados de desidratacao tanto no periodo pre quanto no pos treinamento.

Da mesma forma, Invencao e colaboradores (2018) que analisaram o estado de hidratacao em atletas de futebol americano.

Ainda sobre os resultados do nosso estudo que apresentaram dados significativos para a desidratacao, tambem houve uma perda significativa na massa corporal, e resultados semelhantes tambem encontrados no estudo de Da Silva e colaboradores (2010) que avaliaram o nivel de desidratacao em arbitros de futebol durante as partidas oficiais de futebol com uma media de 9km percorridos.

Nesse mesmo sentindo, houve tambem uma perda de massa corporal significativa no estudo de Cassiano e Sureira (2018) que buscaram avaliar a taxa de desidratacao em corredores de meia maratona.

A hidratacao adequada e aquela que consegue manter o nivel de hidratacao durante o exercicio, pois o ideal e hidratar com a mesma velocidade com que se desidrata, no entanto, a dificuldade se da devido a limitacoes na frequencia da ingestao, esvaziamento gastrico e absorcao intestinal. (Cardoso e colaboradores, 2013).

Numa classica revisao, Machado-Moreira e colaboradores (2006), destacam sobre possiveis riscos que estao relacionados ao excesso de hidratacao durante o exercicio, onde alguns estudos defendem a efetividade de uma ingestao de liquidos conforme a necessidade, ou seja, estando com sede, alem disso apontam que a ingestao de liquidos voluntaria e uma estrategia segura de reposicao de fluidos.

Aparentemente, independente da distancia percorrida e o consumo de liquidos parece produzir temporariamente uma amostra de urina que nao reflete o atual estado de hidratacao, pelo fato de os rins poderem filtar o liquido consumido pouco tempo antes do teste (Maia e colaboradores, 2015), assim, a falta de ingestao correta pode levar modificacoes nos resultados das coletas.

Para Ferreira e colaboradores (2016) ha alguns relatos mostrando que boa parte dos participantes em corridas de rua nao estao preocupados com os fatores que possam a vim influenciar o desempenho, como por exemplo um treinamento adequado, um bom periodo de descanso e logicamente uma nutricao adequada, alem de que muitos deles nao estao praticando exercicios regulares ou exercitando-se minimamente.

Fato acima que pode ser constatado no estudo de Malchrowicz-Mosko e Poczta (2018), que buscaram reconhecer nos praticantes os motivos de participacao e as suas motivacoes em competicoes de corridas de rua e tiveram como resultado que todos os entrevistados, um total de 560, relataram que o era muito importante para eles era a necessidade de experimentar fortes emocoes relacionadas a participacao, alem doo desejo de sentir uniao e integracao com outras pessoas e o desejo de se testar.

Dessa forma, Malchrowicz-Mosko e Poczta (2018) concluem que geralmente as pessoas participam de eventos de corrida nao apenas pela pratica da atividade fisica, mas tambem para o bem-estar mental e os efeitos sociopsicologicos.

Diante de tudo que foi apresentado ate o presente momento, infere-se que a corrida de rua pode ser considerada como um evento esportivo de longa duracao, por possuir caracteristicas distintas e esta envolvida em diferentes intensidades, tanto na parte aerobica como anaerobia, alem de exigir uma alta demanda metabolica e consequentemente um aumento da perda hidrica, sendo que o ultimo pode ser acentuado por condicoes climaticas como a temperatura e a umidade.

Entendemos que as informacoes aqui apresentadas tem limitacoes e necessitam de novos estudos, incluindo por exemplo o consumo de agua e bebidas esportivas no decorrer da competicao, um inquerito alimentar que leve em consideracao os diferentes momentos de treinamento dos corredores, alem de outros marcadores do estado de hidratacao, bem como de analises sanguineas.

Em contrapartida, vale destacar a importancia de gerar dados fundamentados a partir das informacoes obtidas durante uma prova de 25km, aonde o nivel da hidratacao foi obtido numa situacao real.

CONCLUSAO

Conclui-se que os corredores ja estavam em estado de desidratacao antes e apos competicao.

Deste modo, sugere-se que uma falta de controle do consumo das bebidas para reposicao hidrica antes, durante e apos a competicao caso o individuo nao venha a fazer um consumo correto e adequado, o seu corpo nao conseguira manter um controle ideal na temperatura corporal durante a competicao, e como consequencia ocorrera a desidratacao e podera gerar uma queda de rendimento.

A manutencao do equilibrio de fluidos e, portanto, essencial para o desempenho esportivo e a termorregulacao.

REFERENCIAS

1-Armstrong, L. E. Hydration assessment techniques. Nutrition reviews. Vol. 63. Suppl. 1. p. S40-S54. 2005.

2-Armstrong, L. E.; Maresh, C. M.; Castellani, J. W.; Bergeron, M. F.; Kenefick R. W.; Gasse, K. E.L.; Riebe, D. Urinary indices of hydration status. International Journal of Sport Nutrition.London. Vol. 4. p.265-279. 1994.

3-Barroso, S.S.; Almeida, B. M.; Gonzaga, W.S.; Lima, R. L. C. P.; Camerino, S.R.A.S.; Prado, E. S. Efeitos da imersao na agua sobre os marcadores simples de estado de hidratacao durante uma aula de hidroginastica. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Brasilia. Vol. 22. Num. 4. p. 5-12. 2014a.

4-Barroso, S.S.; Almeida, R.D.; Gonzaga, W.S.; Alves, S.R.; Camerino, S.R.A.S.; Lima, R.C.P.; Prado, E.S. Hydration status and cognitive-motor performance during a fast triathlon race in the heat. Revista da Educacao Fisica / UEM. Maringa. Vol. 25. Num. 4. p. 639-650. 2014b.

5-Balbinotti, M. A. A.; Goncalves, G. H. T.; Klering, R. T.; Wiethaeuper, D.; Balbinotti, C. A. A. Perfis motivacionais de corredores de rua com diferentes tempos de pratica. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte. Brasilia. Vol. 37. Num. 1. p. 65-73. 2015.

6-Cardoso, A. P.; Moreira, A.L.; Paula, C.F.; Oliveira, L.H.S.; Baganha, R.J. Modulacao nos niveis de hidratacao apos a pratica do atletismo e performance de corrida. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 7. Num. 38. p. 138-143. 2013. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/380>

7-Cardoso, A. F.; Ferreira, E.S.; Santos, L.V. Frequencia do consumo alimentar de praticantes de corrida de rua categoria amador na cidade de Teresina-PI. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 13. Num. 78. p. 139-149. 2019. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1163>

8-Cassiano, D.C.O.; Sureira, T.M. Avaliacao da taxa de desidratacao e das praticas de hidratacao em corredores de meia maratona. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 12. Num. 74. p. 747-756. 2018. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1130>

9-Chagas, T. P. N.; Dantas, E.; Santos, W.; Oliveira, T.; Souza, L.; Santos, T.; Lima, M.; Prado, E. Consumo dietetico e estado de hidratacao em corredores de longa distancia. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 10. Num. 58. p.439-447. 2016. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/669>

10-Costa, H.; A; Maia, E.C.; Marques, R.F.; Frazao, A.F.G.; Castro Filha, J.G.L.; Navarro, F.; Oliveira Junior, M.N.S. Desidratacao e balanco hidrico em meia maratona. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte. Vol. 3. Num. 2. p. 341-351. 2014.

11-Da Silva, A. I.; Fernandes, L. C.; Oliveira, M. C.; Neto, T. L. B. Nivel de desidratacao e desempenho fisico do arbitro de futebol no Parana e Sao Paulo. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercicio. Sao Paulo. Vol. 9. Num. 3. p.148-155. 2010.

12-Da Silva Barroso, S.; Almeida, B. M.; Silva Gonzaga, W.; Lima, R. L. C. P.; Alves, S. R.; Camerino, S.; Prado, E. S. Efeitos da imersao na agua sobre os marcadores simples de estado de hidratacao durante uma aula de hidroginastica. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Brasilia. Vol. 22. Num. 4. p. 5-12. 2014.

13-Ferreira, F.G.; Pereira, L.G.; Xavier, W.D.R.; Guttierres, A.P.M.; Santana, A.M.C.; Costa, N.M.B.; Marins, J.C.B. Hydration practices of runners during training vs competition. Archivos de Medicina del Deporte. Vol. 33. Num 1. p. 11-17. 2016.

14-Gomes, L.S.; Barroso, S.D.S.; Gonzaga, W.D.S.; Prado, E.S. Estado de hidratacao em ciclistas apos tres formas distintas de reposicao hidrica. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Brasilia. Vol. 22. Num. 3. p.89-97. 2014.

15-Guizelllini, G.M.; Perim, P.; Barrella, A.B.; Rodrigues T.; Rossi, L. Avaliacao do estado de hidratacao de corredores amadores da cidade de Sao Paulo-SP, Brasil. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 12. Num. 73. p. 668-674. 2018. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/1111>

16-Invencao, D.P.; Andrade, L.E.; Gomes, L.P.S; Nascimento, M.V. Estado de hidratacao em atletas de Futebol americano: uma analise pre e pos-treino. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 12. Num. 69. p. 6875. 2018. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/989>

17-Jahnke, J. Estrategias ergogenicas nutricionais de corredores amadores. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 5. Num. 26. p. 135-144. 2012. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/245>

18-Machado-Moreira, C.A.; Gomes, A.C.V.; Garcia, E.S.; Rodrigues, L.O.C. Exercise fluid replacement: is thirst enough? Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Sao Paulo. Vol. 12. Num. 6. p. 361-364. 2006.

19-Maia, E.C.; Costa, H.A.; Castro Filha, J.G.L.; Oliveira Junior, M.N.S Estado de hidratacao de atletas em corrida de rua de 15 km sob elevado estresse termico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Sao Paulo. Vol. 21. Num. 3. p. 187-191. 2015.

20-Malchrowicz-Mosko, E.; Poczta, J. Running as a Form of Therapy Socio-Psychological Functions of Mass Running Events for Men and Women. International journal of environmental research and public healthy. Vol. 15. Num. 10. p. 2262. 2018.

21-Moura, C. A., Palma, A., Costa Filho, P. N., Almeida, M. N. Caracteristicas associadas aos corredores da maratona do Rio de Janeiro. Fitness & Performance Journal. Rio de Janeiro. Vol. 9. Num. 1. p. 106-112. 2010.

22-Pereira, E. R; Assis, F. R; Navarro, F. Perfil e habitos de hidratacao dos corredores de rua de Curitiba, categoria amador. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 4. Num. 22. p. 336-344. 2010. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/199>

23-Ribeiro, J.P.S.; Liberali, R. Hidratacao e exercicio fisico - revisao sistematica. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 13. Num. 78. p. 139-149. 2019.

24-Sawka, M. N.; Cheuvront, J. E.; Carter, R. Human water needs. Nutrition Reviews. Vol. 63. Num. 6. p. 30-39. 2005.

Recebido para publicacao em 16/04/2019

Aceito em 28/05/2019

Andressa Medeiros Santos (1), Wilson Lima dos Santos Filho (1) Jymmys Lopes dos Santos (2), Lucio Marques Vieira Souza (2) Silvan Silva de Araujo (2), Marcus Vinicius Santos do Nascimento (1) Luis Paulo Souza Gomes (1)

(1) - Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju-SE, Brasil.

(2) - Programa de pos-graduacao em Biotecnologia, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Sao Cristovao-SE, Brasil.

E-mails dos autores:

andressa.edfisica20@hotmail.com

wilsonlimafilho95@gmail.com

jymmyslopes@yahoo.com.br

profedf.luciomarkes@gnail.com

silvan.ssa@gmail.com

marcusnascimentone@gmail.com

siulpaulosouza@gmail.com
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Santos, Andressa Medeiros; Filho, Wilson Lima dos Santos; dos Santos, Jymmys Lopes; Souza, Lucio Mar
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:Jul 1, 2019
Words:4152
Previous Article:PERFIL NUTRICIONAL, COMPOSICAO CORPORAL E MATURACAO SEXUAL DE ATLETAS ADOLESCENTES DA GINASTICA RITMICA.
Next Article:FATORES ASSOCIADOS A INSATISFACAO COM A IMAGEM CORPORAL EM BAILARINOS PROFISSIONAIS.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters