Printer Friendly

NIVEL DE CONHECIMENTO SOBRE NUTRICAO POR PRATICANTES DE MUSCULACAO EM FORTALEZA.

INTRODUCAO

Estilo de vida saudavel, corpo atletico, emagrecimento, ganho ou definicao de massa muscular, aumento da forca fisica e ate mesmo a prevencao ou tratamento de lesoes, sao alguns dos motivos que levam a pratica do treinamento de forca na modalidade de musculacao.

Com a crescente utilizacao de aparelhos eletronicos e acesso a internet, cada vez mais os praticantes de atividades fisicas e tambem educadores fisicos, buscam informacoes nutricionais de fontes nao confiaveis, achando desnecessaria a orientacao do nutricionista. E indispensavel o papel desse profissional nas academias, pois somente o nutricionista e capacitado para auxiliar no aporte nutricional individualizado e em cada modalidade de exercicio (Santos e Navarro, 2016).

A busca por um corpo perfeito tem estimulado cada vez mais pessoas a pratica de exercicios e a musculacao tem sido bastante procurada. E uma modalidade de treinamento que tem por objetivo a reducao de massa gorda, melhora do condicionamento fisico geral do individuo e a hipertrofia muscular, com alta procura por uma populacao sem nenhum tipo de ligacao profissional com o esporte (Adam e colaboradores, 2013).

Alem do mais, grande parte dos praticantes de atividade fisica visa a promocao e manutencao da saude, qualidade de vida e tambem alcancar padroes esteticos, por meio de modificacoes da composicao corporal. Em um mundo globalizado e marcado pela influencia da midia sobre a populacao, cresce o numero de pessoas insatisfeitas com a imagem corporal, gerando uma compulsao em busca do corpo ideal (Frade e colaboradores, 2016).

Ha uma preocupacao dos frequentadores das academias com uma alimentacao ideal e adequada ao tipo de treino, porem ainda e possivel observar a falta de conhecimentos, existencia de habitos alimentares inadequados e a atuacao da midia, aspectos que levam os praticantes de musculacao a utilizarem suplementos nutricionais e adotarem um comportamento alimentar que dificulta o alcance de determinados objetivos (Freitas e Ceni, 2016).

Portanto, o objetivo desta pesquisa foi avaliar os conhecimentos de praticantes de musculacao sobre a alimentacao pre e postreino, hidratacao durante o exercicio, verificar o numero de individuos que utilizam suplementos nutricionais, alem de verificar por qual meio eles obtiveram informacoes nutricionais.

MATERIAIS E METODOS

Esta pesquisa e classificada como estudo transversal quantitativa e foi realizada em praticantes de musculacao, com idade de 18 a 50 anos, de ambos os sexos em tres academias de Fortaleza, totalizando 72 participantes que foram escolhidos de forma aleatoria.

O instrumento de coleta foi um questionario adaptado de Adam e colaboradores (2013) e Marins e Ferreira (2005) contendo 13 questoes de perguntas mistas, fechadas e abertas de acordo com a opcao escolhida sendo estas relativas a nutricao no ambito da atividade fisica de forca (musculacao) com as seguintes variaveis: ingestao hidrica, alimentacao pre-treino e pos-treino e uso de suplementos.

Tambem foi averiguado nesse questionario por quais meios os praticantes de atividade fisica obtem conhecimento nutricional, se por meio de (revistas, blogs, redes sociais, canais de televisao, cursos, entre outros) indicando assim o grau de conhecimento de cada individuo que foi pesquisado, ajustados com os parametros que foram utilizados nessa investigacao apos assinarem o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE), que esteve vinculado ao questionario conforme a resolucao 466/12 do Conselho Nacional de Saude (CNS).

Foram mantidos sigilo e etica com relacao aos dados coletados na pesquisa e projeto foi submetido a Plataforma Brasil e aprovado no comite de etica do Centro Universitario Estacio sob parecer no 2.357.796.

Apos a coleta de informacoes, foi formado um banco de dados da pesquisa, atraves de uma planilha digital do programa Microsoft Excel. Os dados foram analisados atraves da estatistica descritiva, apresentados em percentuais na forma de tabelas. Os individuos que fizeram parte desta pesquisa tiveram seus nomes preservados.

RESULTADOS

A presente pesquisa foi realizada em tres academias de Fortaleza, sendo duas em bairros de classe media alta onde em uma delas foram colhidas 9 participacoes e na outra 27 e a somatoria dos questionarios aplicados correspondeu a 50% do total (n=36) e uma na periferia da cidade onde todos os questionarios aplicados corresponderam ao mesmo percentual (n=36) totalizando 72 questionarios aplicados.

Para facilitar a interpretacao dos dados obtidos atraves das respostas dos participantes, os resultados foram divididos em dois grupos: A, composto pelas respostas dos alunos das duas academias de classe media alta e B composto pelas respostas dos alunos da academia localizada na periferia.

No grupo A foram entrevistados 36 individuos sendo 72,2% do genero feminino (n=26) a faixa de idade predominante foi entre 30 e 39 anos. No grupo B, participaram 36 pessoas 56% do genero feminino (n=20) com idade predominante entre 18 e 39 anos.

Quanto a escolaridade, no grupo A grande parte dos participantes 80,6% relataram possuir ensino superior completo (n= 29), enquanto no grupo B 36,1% (n=13) afirmaram possuir ensino superior incompleto.

No quesito renda, os participantes do grupo A 30,56% (n= 11) afirmam ganhar mais de 12 salarios minimos, ja no grupo B, 50% (n=18) declaram receber de entre um a tres salarios minimos.

Com a pratica da musculacao no grupo A foi verificado que qualidade de vida, emagrecimento, aumento de massa muscular, saude, resistencia, estetica, condicionamento fisico, forca e reabilitacao sao respectivamente os principais objetivos apontados pelos participantes.

No grupo B os principais objetivos da pratica de musculacao encontrados foram a busca da qualidade de vida, o aumento da massa muscular, a estetica e a resistencia respectivamente. A busca por uma melhor qualidade de vida predominou em ambos os grupos.

A respeito da utilizacao de suplementos esportivos, em ambos os grupos o uso e pouco comum sendo referido por 33,3% (n=12) dos participantes do grupo A, entre estes 22,2% (n=8) sao do sexo feminino. No grupo B 27,8% (n=10) consomem os suplementos, este e mais expressivo entre o sexo masculino representando 19,4% (n=7) da amostra.

O principal objetivo relacionado a utilizacao em ambos os grupos foi aumentar disposicao para o exercicio 58,3% (n=21) no grupo A e 13,9% (n=5) no grupo B, tambem foram mencionados hipertrofia, emagrecimento e uso terapeutico. O suplemento mais utilizado por ambos os grupos foi o Whey Protein representando 27,78%(n=10) do grupo A e 19,44% (n=7) do grupo B. Questionados sobre quem fez a indicacao, tambem nos dois grupos o nutricionista foi o prescritor mais relatado correspondendo a 75% (n=27) no grupo A, e 16,67% (n=6) no grupo B.

Haviam no estudo proposicoes que traziam como resposta: verdadeiro, falso e tenho duvida de forma que estas avaliaram o conhecimento sobre nutricao dos praticantes de musculacao no que diz respeito ao uso de suplementos e o papel de macro nutrientes no exercicio fisico. No grupo A 47,22% (n=17) e no grupo B 55,56% (n=20) responderam de forma correta que o uso de suplementos esportivos nao pode ser feito por qualquer individuo.

Ao serem questionados se vitaminas e minerais fornecem energia ao organismo 66,67% (n=24) do grupo A e 72,22% (n=26) consideraram a proposicao verdadeira respondendo o item de forma errada.

Quando inquiridos se proteina antes do treino e fundamental para que o praticante tenha uma reserva de energia muscular para o inicio do esforco o maior percentual 38,89% (n=14) do grupo A errou a proposicao escolhendo o item verdadeiro como correto, ja no grupo B houve um empate tecnico pois 38,89% (n=14) do grupo marcou o item verdadeiro e 38,89% (n=14) do grupo marcou o item falso de forma que a mesma quantidade acertou e errou a proposicao.

Sobre o consumo de carboidratos apos o treino o maior percentual de ambos os grupos, 41,67% (n=15) do grupo A e 44,44% (n=16) do grupo B responderam corretamente que a proposicao e falsa. Detalhes dos resultados podem ser avaliados nas tabela 2, 3 e 4.

Ao serem perguntados sobre como deveria ser feita a hidratacao, tanto no grupo A quanto no B, a maioria dos participantes respondeu que se deve beber de 200 a 250 ml de liquido a cada 15 minutos, representados no grupo A por 41,67% (n=15) e no grupo B por 72,22% (n=26) da amostra.

O tipo de bebida mais consumido em cada momento do treino teve os resultado dos grupos A e B compilados na tabela 3, sendo possivel observar que no grupo A e no grupo B a agua e mais consumida antes,durante e depois de cada treino.

As fontes de informacao predominantes apontadas pelos questionarios respondidos no grupo A foram profissional da saude 58,33% (n=21), redes sociais 47,22% (n=17), nutricionista 44,44% (n=16), instagran 41,67% (n=15). No grupo B 36,11% (n=13) afirmou obter conhecimentos atraves de redes sociais, 22,22% (n=8) instagran, 22,22% (n=8) professor da academia, 16,67% (n=6) televisao.

Tambem foi investigado no questionario aplicado se os participantes ja haviam recebido orientacao de um nutricionista, no grupo A 80,56% (n=29) dos participantes ja foi orientado por profissional nutricionista e 19,44% (n=7) nao. Dentro do grupo B 50% (n=18) sim e 50% (n=18) nao.

DISCUSSAO

Adam e colaboradores (2013) afirmam que a participacao feminina nas atividades fisicas vem se intensificando, uma das possiveis causas sao os beneficios do exercicio fisico independente de sexo, o que pode justificar a predominancia do sexo feminino neste estudo.

E possivel verificar nesta pesquisa um nivel de escolaridade elevado. Adam e colaboradores (2013) conseguiram associar o nivel de escolaridade como uma variavel que demonstra relacao com os cuidados com a saude e acesso a informacao, o que pode influenciar no estilo de vida das pessoas, apresentando associacao positiva com a pratica de atividade fisica em diversos estudos anteriores.

Nicastro e colaboradores (2008), puderam observar em seu estudo que, quanto maior o grau educacional, mais alto seria o conhecimento nutricional o que favorece uma melhor escolha alimentar do individuo, e isso ficou confirmado em nossos resultados, pois a maioria das respostas corretas foi por pessoas com um maior grau de escolaridade, e isso ficou evidente independentemente da localizacao demografica das academias.

Dados similares acerca dos objetivos com a pratica da musculacao foram encontrados por Fujita, Silva e Navarro (2010), onde o principal objetivo era qualidade de vida, seguido de performance. Pedrosa e colaboradores (2016) classifica que existem fatores capazes de determinar o nivel de qualidade de vida das pessoas dentre estes bem-estar fisico, psiquico e intelectual.

Mazini Filho e colaboradores (2010) destacam ainda que a pratica de exercicios de forma frequente pode melhorar a qualidade de vida, pois oferece vantagens como fortalecimento da musculatura, melhora da resistencia ossea e do perfil lipidico, minimizando as modificacoes teciduais ocasionadas pelo envelhecimento e melhorando tambem o funcionamento hemodinamico do coracao, favorecendo o controle da pressao arterial alem de aumentar a imunidade, reduzindo a ocorrencia de infeccoes.

Possebon e Oliveira (2006) verificaram em seu estudo que a busca por um aumento da forca e da massa muscular, associada a um melhor rendimento fisico, faz com que muitas pessoas utilizem suplementos alimentares pelos resultados e beneficios que eles supostamente oferecem, porem ressaltam que grande parte desses produtos estudados sao utilizados de forma inadequada, pois a maioria das pessoas faz uso por conta propria ou a indicacao ocorre por pessoas alheias, que nao possuem conhecimento tecnico para conduta o que pode ocasionar riscos a saude.

Martins e Rodrigues (2017) verificaram em seu estudo que os suplementos mais consumidos sao a base de proteinas, whey protein (83,02%) e BCAA (39,62%), ja no que diz respeito a prescricao a maioria (49,06%) das indicacoes para suplementacao advem de nutricionistas.

Nos resultados obtidos neste estudo os usos de suplementos nutricionais se mostraram pouco comum em relacao ao valor total da amostra, Linhares e Lima (2006) reconheceram que a utilizacao destes recursos se apresenta cada vez mais frequente entre os praticantes de musculacao, sendo observado em 35% da amostra de seu estudo. Semelhantemente Hirschbruch, Fisberg e Mochizuki (2008) encontraram um percentual de 31% de sua amostra. O percentual encontrado na presente pesquisa gira entorno dos autores supracitados, estes alertam para os resultados que obtiveram pois consideram um indice preocupante.

Para Santos, Silva e Coelho (2016) o carboidrato tem papel fundamental nas reservas corporais de glicogenio muscular e hepatico, que esta associado a manutencao dos niveis de glicose, diminuindo a fadiga muscular no treinamento, e aumentando o desempenho durante o exercicio. Freitas e Ceni (2016) confirmam que ingerir alimentos ricos em carboidratos imediatamente apos atividade fisica acelera o armazenamento muscular de glicogenio.

Almeida e Balmant (2017) reiteram que a refeicao pos-treino tem como finalidade recuperar as reservas hepaticas e musculares de glicose e melhorar a recuperacao muscular desta forma recomenda-se o consumo de proteinas de alto valor biologico e de carboidratos de alto indice glicemico imediatamente apos o treino. Sendo de fundamental importancia o consumo destes macros nutrientes apos o treino.

Cardoso (2013), afirma que consumo de liquidos antes, durante e apos o exercicio, garante que o individuo esteja sempre hidratado, sao recomendados de 250ml a 500ml de agua duas horas antes da pratica da atividade fisica e durante o exercicio e recomendado que a ingestao se inicie ja nos primeiros 15 minutos continuando o consumo a cada 15 a 20 minutos e apos o exercicio, deve-se continuar ingerindo liquido compensando assim as perdas adicionais de agua causadas pela diurese e sudorese.

Quanto a hidratacao, Furtado e colaboradores (2009) ao analisarem os conhecimentos de individuos sobre o costume de hidratar-se durante o exercicio, e o tipo de bebida consumido neste processo, obteve resultado de apenas 9% relatando a ingestao de isotonico, pois acreditavam que somente a agua era insuficiente. Dado semelhante foi encontrado no atual estudo, onde a minoria faz uso destes recursos para hidratacao, por acreditar que somente a agua e capaz promover hidratacao eficiente ao seu organismo.

Adam e colaboradores (2013) perceberam em seu estudo que predomina a falta de informacoes confiaveis em relacao a Nutricao, mesmo a maioria dos participantes do estudo possuindo um grau de escolaridade elevado, o que leva os praticantes de exercicios fisicos a manterem habitos alimentares desapropriados, ou consumir de forma equivocada suplementos alimentares, o que pode prejudicar a conquista de seus objetivos.

CONCLUSAO

Os conhecimentos sobre nutricao avaliados nos participantes deste estudo revelam que ha um bom entendimento por parte dos entrevistados, porem observou-se duvidas sobre os tipos de macro nutrientes a ser consumido no pre e pos treino em ambos os grupos.

Sobre a hidratacao, a maior parte dos participantes tem preferencia em consumir agua antes, durante e apos o exercicio, tambem foi verificado uma baixa predominancia de consumo de suplementos entre os integrantes.

Boa parte desses individuos tem preferencia em escolher profissionais da area da saude como fonte de informacao nutricional, foi constatado que a maioria ja foram a uma nutricionista, e apesar de haver distincoes economicas e escolares entre os grupos, nao houve uma diferenca muito significativa nas assertivas corretas.

Assim conclui-se que, e necessaria a implementacao de programas de educacao alimentar com apoio do nutricionista, atuando com os demais profissionais nas academias ou locais em que se pratiquem exercicios fisicos, para uma orientacao adequada sobre alimentacao e nutricao.

REFERENCIAS

1-Adam, B. O.; e colaboradores. Conhecimento nutricional de praticantes de musculacao de uma academia da cidade de Sao Paulo. Brazilian Journal of Sports Nutrition. Sao Paulo. Vol. 2. Num. 2. p.24-36. 2013.

2-Almeida, C. M. De; Balmant, B. D. Avaliacao do habito alimentar pre e pos-treino e uso de suplementos em praticantes de musculacao de uma academia no interior do estado de sao paulo. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 11. Num. 62. p.104-117. 2017. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/740>

3-Cardoso, E. S. Avaliacao dos conhecimentos basicos sobre nutricao de educadores fisicos e praticantes ativos de ganho de massa muscular com treinamento de forca em academias do municipio de Belford Roxo-RJ. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 7. Num. 42. p.314-323. 2013. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/411/390>

4-Frade, R. E. T.; e colaboradores. Avaliacao do consumo de suplementos nutricionais por frequentadores de uma academia da cidade de Sao Paulo-SP. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 10. Num. 55. p.50-58. 2016. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/606/525>

5-Freitas, R. R.; Ceni, G. C. Avaliacao nutricional de praticantes de musculacao em uma academia de Santa Maria-RS. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 10. Num. 59. p.485-496. 2016. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/476/574>

6-Fujita, A.G.; Silva, U.S.L.G.; Navarro, A.C. Consumo de suplementos alimentares entre educadores fisicos da cidade de Sao Paulo. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 4. Num. 20. p. 130-138. 2010. Disponivel em:

<http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/173/173>

7-Furtado, M.C.; e colaboradores. Avaliacao de habitos e conhecimento sobre hidratacao de praticantes de musculacao de uma academia de Sao Paulo. Revista Digital Efdeportes. Buenos Aires, 2009. Disponivel em: <http://www.efdeportes.com/efd133/hidratacao-de-praticantes-de-musculacao.htm>. Acesso em: 12/11/2017.

8-Hirschbruch, M.D.; Fisberg, M.; Mochizuki, L. Consumo de suplementos por jovens frequentadores de academias de ginastica em Sao Paulo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 14. Num. 6. p. 539-543. 2008.

9-Linhares, T.C.; Lima, R.M. Prevalencia do uso de suplementos alimentares por praticantes de musculacao nas academias de Campos dos Goytacazes/RJ, Brasil. Revista Vertice. Vol. 8. Num. 1/3. p.102-115. 2006.

10-Marins, J. C. B.; Ferreira, F. G. Nivel de conhecimento dos atletas universitarios da ufv sobre hidratacao. Fitness & Performance Journal. Vol. 4. Num. 3. p.175-187. 2005.

11-Martins, J. P.; Rodrigues, D. F. Avaliacao do consumo de suplementos nutricionais em praticantes de atividades fisicas nas academias centrais da cidade de Sete Lagoas-MG. Revista Brasileira de Ciencias da Vida. Vol. 5. Num. 2. 2017.

12-Mazini Filho, M.L.; e colaboradores. Atividade fisica e envelhecimento humano: a busca pelo envelhecimento saudavel. Revista Brasileira de Ciencias do Envelhecimento Humano. Vol. 7. Num. 1. 2010.

13-Nicastro, H.; e colaboradores. Aplicacao da escala de conhecimento nutricional em atletas profissionais e amadores de atletismo. Rev Bras Med Esporte. Vol. 14. Num. 3. p.205-208. 2000.

14-Pedrosa, G. F.; e colaboradores. Perfil de iniciantes na pratica de musculacao: ha diferencas entre homens e mulheres. Revista Mundi Saude e Biologicas. Vol. 1. Num. 2. 2016

15-Possebon, J.; Oliveira, V. R. de. Consumo de suplementos na atividade fisica: Uma revisao. Disc. Scientia. Serie: Ciencias da Saude. Santa Maria. Vol. 7. Num. 1. p. 71-82. 2006.

16-Santos, F. C.; Navarro, F. Avaliacao dos conhecimentos de nutricao e suplementacao por parte de frequentadores de academias e estudios da cidade de Joao Monlevade-MG. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 10. Num. 57. p.260-274. 2016. Disponivel em:

<http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/586>

17-Santos, K. N. P. De M.; Silva, A. J. Da; Coelho, R. G. Suplementacao previa de carboidrato e o desempenho no treinamento de forca - uma revisao. Revista Cientifica Multidisciplinar das Faculdades Sao Jose. Rio de Janeiro. Vol. 8. Num. 2. p.2-16. 2016.

Fernanda Alves de Sousa Iris (1)

Maria Jacqueline do Nascimento Santana (1)

Mariana Magalhaes Carrapeiro (1)

(1-) Centro Universitario Estacio do Ceara-FIC, Fortaleza-CE, Brasil.

Recebido para publicacao em 10/02/2018

Aceito em 02/04/2018
Tabela 01 - Caracterizacao da populacao de estudo de duas academias na
cidade de Fortaleza, 2017.

Variaveis                  Grupo a      Grupo b %(n)
                            %(n)
Sexo
  Feminino                 72,22 (26)   55,56 (20)
  Masculino                27,77 (10)   44,44 (16)
Faixa Etaria
  18 a 29 anos             22,24 (8)    44,44 (16)
  30 a 39 anos             52,79 (19)   44,44 (16)
  40 a 50 anos             25,02 (9)    11,11 (4)
Renda
  Ate 1 sal. Min.           8,33 (3)    13,89 (5)
  De 1 a 3 sal. Min.       13,89 (5)       50 (18)
  + 3 a 6 sal. Min.        16,67 (6)    27,78 (10)
  + 6 a 9 sal. Min.        13,89 (5)     2,78 (1)
  + 9 a 12 sal. Min.       16,67 (6)     5,56 (2)
  Mais de 12 sal. Min.     30,56 (11)       0 (0)
Escolaridade
  Fundamental Incompleto    0 (0)         0 (0)
  Fundamental Completo      0 (0)        2,78 (1)
  Medio Incompleto          0 (0)        8,33 (3)
  Medio Completo            2,78 (1)    33,33 (12)
  Superior Incompleto      16,67 (6)    36,11 (13)
  Superior Completo        80,56 (29)   19,44 (7)

Tabela 2 - Respostas atribuidas as proposicoes do questionario do grupo
A sobre a alimentacao e hidratacao no treino, em porcentagem e numero
de participantes, de duas academias da cidade de Fortaleza, 2017.

                                            Respostas % (n)
    Proposicao.                        V (1)    F (2)    Tenho    Total
                                                         duvida

1   Qualquer individuo praticante      19,44%   47,22%   33,33%    100%
    de exercicio fisico pode ingerir      (7)     (17)     (12)    (36)
    suplementos esportivos?
2   Suplementos de vitaminas e         66,67%    8,33%      25%    100%
    minerais fornece energia ao          (24)      (3)      (9)    (36)
    organismo?
3   Proteina antes do treino e         38,89%   30,56%   30,56%    100%
    fundamental para que o               (14)     (11)     (11)    (36)
    praticante tenha uma reserva
    de energia muscular para
    o inicio do esforco?
4   Apos atividade fisica              30,56%   41,67%   27,78%    100%
    devem-se evitar
    alimentos ricos em
    carboidratos?                        (11)     (15)     (10)    (36)

Legenda: V (1) Verdadeiro F (2) Falso.

Tabela 3 - Respostas atribuidas as proposicoes do questionario do grupo
B sobre a alimentacao e hidratacao no treino, em % e numero de
participantes, de uma academia da cidade de Fortaleza, 2017.

                                        Respostas % (n)
    Proposicao:                        V (1)      F (2)    Tenho   Total
                                                          duvida

1   Qualquer individuo praticante      25%      55,56%   19,44%    100%
    de exercicio fisico pode ingerir   (9)     (20)      (7)       (36)
    suplementos esportivos?
2   Suplementos de vitaminas e         72,22%   11,11%   16,67%    100%
    minerais fornece energia ao       (26)      (4)      (6)       (36)
    organismo?
3   Proteina antes do treino e         38,89%   38,89%   22,22%    100%
    fundamental para que o             (14)    (14)      (8)       (36)
    praticante tenha uma reserva
    de energia muscular para o
    inicio do esforco?
4   Apos atividade fisica               25%     44,44%   30,56%    100%
    devem-se evitar
    alimentos ricos em
    carboidratos?                       (9)    (16)     (11)       (36)

Legenda: V (1) Verdadeiro F (2) Falso.

Tabela 4 - Resultado das respostas sobre a utilizacao de agua e
isotonico nas etapas do treino de tres academias na cidade de
Fortaleza, 2017.

                    Consomem agua                    Consomem isotonico
Respostas %    Antes         Durante      Depois       Antes
(n)

Grupo A        100% (36)     97,22% (35)  97,22% (35)  0%
Grupo B         97,20% (35)  91,70% (33)  91,70% (33)  2,80% (1)

             Consomem isotonico
Respostas %  Durante       Depois
(n)

Grupo A      2,78% (1)  2,78% (1)
Grupo B      8,33% (3)  8,33% (3)

Tabela 5 - Resultado das respostas das fontes de informacao nutricional
de tres academias de Fortaleza, 2017.

                        Grupo A     Grupo B % (n)
                        % (n)

Profissional de saude   58,33 (21)   11,11 (4)
Redes sociais           47,22 (17)   36,11 (13)
Nutricionista           44,44 (16)   11,11 (4)
Instagran               41,67 (15)   22,22 (8)
Facebook                22,22 (8)     8,33 (3)
Livros                  16,67 (6)     8,33 (3)
Nutrologos              11,11 (4)     0 (0)
Cursos/palestras        11,11 (4)     8,33 (3)
Televisao               11,11 (4)    16,67 (6)
Instrutor da academia    8,33 (3)    22,22 (8)
Endocrinologista         8,33 (3)     5,56 (2)
Blogs                    5,56 (2)     8,33 (3)
Educador fisico          5,56 (2)     5,56 (2)
You tube                 2,78 (1)     5,56 (2)
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Sousa Iris, Fernanda Alves; do Nascimento Santana, Maria Jacqueline; Carrapeiro, Mariana Magalhae
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:Sep 1, 2018
Words:4361
Previous Article:TREINAMENTO DE FORCA E SEUS EFEITOS SOBRE A AREA DE SECCAO TRANSVERSA E PERIMETRO CELULAR DE MIOCITOS DO GASTROCNEMIO DE RATTUS NOVERGICUS.
Next Article:ANALISE DO CONSUMO DE EXTRATO HIDROSSOLUVEL DE SOJA NA QUALIDADE DO TECIDO OSSEO DE RATOS JOVENS ADULTOS.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |